A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil"

Transcrição

1 A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil Preservação de madeiras Atividade Industrial regulamentada pela Portaria Interministerial 292 de 28/04/80 Instrução Normativa 05 de 20/10/92 e Portaria nº 10 de 16/02/ /11/2009 1

2 Produção Anual da Madeira Preservada em autoclave: m 3 /ano. Principais Mercados Brasil 11% 10% 4% 15% 60% 60% Setor Rural: mourões, estacas, instalações rurais; 15% Setor Elétrico : postes e cruzetas; 14% Setor da Construção Civil e outros; 11% Setor ferroviário : dormentes; 10/11/2009 2

3 Telhas 10/11/2009 3

4 Viga Laminada 10/11/2009 4

5 Deck 10/11/2009 5

6 Construção 10/11/2009 6

7 WOOD FRAME Normas aplicáveis - NBR 7190 Estruturas em madeira capitulo 11 Durabilidade da madeira (norma em revisão) - Sistema de categorias de uso da madeira ( Projeto NBR) 10/11/2009 7

8 SISTEMA DE CATEGORIA DE USO Define medidas que devem ser adotadas durante a fase de elaboração de projeto de uma construção com madeira, auxiliando na escolha do tratamento preservativo produto e processo. 10/11/2009 8

9 ETAPAS QUE DEVEM SER CONSIDERADAS I) Definição do nível de desempenho necessário para o componente ou estrutura - vida útil, responsabilidade estrutural e garantias comerciais e legais. II) Riscos biológicos aos quais as madeiras serão submetidas durante a vida útil. III) Definição da espécie de madeira adequada ao uso e da necessidade do tratamento. IV) Escolha do processo de tratamento da madeira e do produto preservativo adequado. 10/11/2009 9

10 O Sistema consiste na definição de 6 categorias de usos, baseadas nas condições de exposição (agressividade) ou uso da madeira e expectativa de desempenho do componente na construção e aos possíveis agentes biodeterioradores presentes. Ferramenta para tomada de decisão quanto ao uso racional e inteligente da madeira e que garanta maior durabilidade e econômica das construções. 10/11/

11 Pinus considerado uma das espécies para aplicação na construção WOOD FRAME; Maior permeabilidade aos processos de tratamento em autoclave, que garantem impregnação profunda e uniforme em todo volume de madeira tratável; Disponibilidade comercial em todo território a preços competitivos; Elevado desempenho técnico da madeira de pinus tratada em autoclave contra agentes biodeterioradores. 10/11/

12 Processo recomendado : tratamento em autoclave sob vácuo pressão com preservativos CCA ou CCB de base óxido. Outros produtos podem ser empregados,desde que devidamente registrados no IBAMA para tal aplicação e que, não ofereçam riscos de desempenho a outros materiais do sistema construtivo, exemplo; corrosividade a metais. retenção : 4.0 kg a 6.5kg de ingredientes ativos/m3 de madeira tratável; para categorias de usos 1, 2, 3 e 4. Quadro categorias de uso de madeira 10/11/

13 Biológicos 10/11/

14 Preservação: desenvolvimentos ligados a movimentos de natureza social/econômica Sec. XVI Grandes navegações técnicas e produtos para preservação de cascos de embarcações Sec. XVIII e XIX Sec. XX e XXI Revolução industrial Revolução ambiental técnicas e produtos para o tratamento de dormentes e postes Questionamentos e mudanças de paradigmas com velocidade nunca vista 10/11/

15 PRESERVATIVOS DE EFICIÊNCIA COMPROVADA CCA E CCB 10/11/

16 the place. India 10/11/

17 the year /11/

18 the man.. Dr Sonti Kamesam 10/11/

19 CCA (1933) CCB (1943) Cobre cromo - arsênio Cobre cromo boro Preservativo mais usado no mundo Estados Unidos, Europa, África do Sul, Austrália Alemanha,Turquia Leste Europeu (fabricado p/ Montana desde 1998) 70 ANOS 60 ECONOMIZANDO MADEIRA 10/11/

20 CCA Já foram tratados m³ de madeira (A. Currie) ou de vagões de madeira. Reunidos dariam 5 voltas em torno da Terra 10/11/

21 Requisito básico de um preservativo Eficiente contra organismos xilófagos: Fungos Insetos Porém com menor risco possível: Ser Humano Meio Ambiente 10/11/

22 A formulação atual do CCA (tipo C): Resultou de: Estudos cinéticos e de lixiviação Compreensão do mecanismo de fixação dos elementos metálicos aos componentes da madeira (complexos metálicos insolúveis ligados à celulose, hemiceluloses e lignina) 10/11/

23 O papel do cromo em preservativos tipo CCA e CCB 10/11/2009 Baseado em: Peter Jüngel, Sascha Hellkamp Kurt Obermeier GmbH & Co. KG, Germany IRG/WP Paper prepared for the 39th Annual Meeting Istanbul, Turkey, May

24 Qual é o papel do cromo em preservação de madeira? Uma razão é inibir a corrosão causada pelo cobre em metais menos nobres Chapa metálica após contato com madeira tratada com CCA ou CCB X Chapa metálica em contato com madeira tratada com Cu Quats, após cinco semanas (foto de: The Building Code Compliance Office by Goolsby, M.L.) 10/11/

25 Qual é o papel do cromo nos preservativos de madeiras? Aumentar a fixação dos sistemas preservativos hidrossolúveis. Na forma de trióxido de cromo (preservativos de tipo CCA e CCB) 10/11/

26 Lixiviação de cobre (Cu) segundo a norma européia EN 84 Taxa de lixiviação (%) % Ácido crômico 25% Ácido crômico 20,81 15% Ácido crômico 62,51 74,54 6,64 CCB-Padrão Versão 1 Versão 2 Versão 3 Tipo de solução 0% Ácido crômico 10/11/

27 Composição Óxido CCB Cromo CrO 3 Cobre CuO Boro B CCA-C Cromo CrO 3 Cobre CuO As As 2 O 5 Os componentes óxidos, mantém inalterada a condutividade elétrica da madeira; Não aumenta a corrosividade dos metais e Não altera a combustibilidade. Compostos base salina (CuSO 4 5H 2 O Na 2 Cr 2 O 7-2 H 2 O ), aumentam a corrosividade a metais. 10/11/

A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil

A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil A Indústria da Madeira Preservada sob Pressão no Brasil Preservação de madeiras Atividade Industrial regulamentada pela Portaria Interministerial 292 de 28/04/80 Instrução Normativa 05 de 20/10/92 e Portaria

Leia mais

Benefícios do uso da madeira plantada na construção. Humberto T u f o l o C o n s u l t o r i a

Benefícios do uso da madeira plantada na construção. Humberto T u f o l o C o n s u l t o r i a Benefícios do uso da madeira plantada na construção Humberto O que é a madeira? Humberto A madeira é um polímero natural resultante do processo de fotossíntese pelo qual as plantas convertem energia radiante

Leia mais

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS 1990-177.400m³ L C F 5 8 1 CONSTRUÇÃO 0,1 5,3 MOIRÕES 16,9 ESTACAS CRUZETAS OUTROS 24,5 DORMENTES 53,2 POSTES CONSTRUÇÃO 15,0% 2010-1.300.000m³

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

UTILIZAM UM MATERIAL PRODUZIDO COM POUCA ENERGIA E DE FORMA SUSTENTÁVEL

UTILIZAM UM MATERIAL PRODUZIDO COM POUCA ENERGIA E DE FORMA SUSTENTÁVEL UTILIZAM UM MATERIAL PRODUZIDO COM POUCA ENERGIA 1 TONELADA DE AÇO CONSOME 3000x10 3 kcal 1 TONELADA DE CONCRETO CONSOME 780x10 3 kcal 1 TONELADA DE MADEIRA CONSOME 2,4x10 3 kcal E DE FORMA SUSTENTÁVEL

Leia mais

CICLO PDCA. Action AGIR. Plan PLANEJAR. Do FAZER. Check CHECAR. Madeira Tratada Ciclo da Qualidade

CICLO PDCA. Action AGIR. Plan PLANEJAR. Do FAZER. Check CHECAR. Madeira Tratada Ciclo da Qualidade CICLO PDCA Ação Corretiva no insucesso Padronizar e treinar no sucesso Action AGIR Plan PLANEJAR Localizar problemas Estabelecer planos de ação Verificar atingimento de meta Acompanhar indicações Check

Leia mais

Preservação da madeira

Preservação da madeira CONTROLE DA POLUIÇÃO NA INDÚSTRIA DE PRESERVAÇÃO DE MADEIRA FABRICIO GOMES GONÇALVES Preservação da madeira Instalações responsáveis pelo armazenamento da madeira e pela sua impregnação de preservativos,

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR

TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR TUDO O QUE VOCÊ QUER SABER SOBRE CUPINS, MAS NÃO SABIA A QUEM PERGUNTAR BIÓL. GONZALO A. C. LOPEZ IPT CENTRO DE TECNOLOGIA DE RECURSOS FLORESTAIS Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis PROGRAMA MADEIRA

Leia mais

Destinação de Resíduos de Madeira Tratada

Destinação de Resíduos de Madeira Tratada Destinação de Resíduos de Madeira Tratada O Que é Madeira Tratada? Madeira tratada é madeira impregnada com produtos preservativos para que fiquem protegidas contra a ação de agentes deterioradores quando

Leia mais

Eng. MSc. Gisele C. A. Martins

Eng. MSc. Gisele C. A. Martins DESEMPENHO DE TRATAMENTO OS RETARDANTES AO FOGO EM ELEMENTOS ESTRUT TURAIS DE MADEIRA Eng. MSc. Gisele C. A. Martins giselemartins@usp.br No Brasil, a combustibilidade da madeira e a insegurança frente

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 12 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás

56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás 56º CBC IBRACON SEMINÁRIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Natal, 2014 Prof. Dr. Enio Pazini Figueiredo Universidade Federal de Goiás Vigas jacarés e degraus pré-moldados do Maracanã INTRODUÇÃO DOS ASPECTOS AMBIENTAIS

Leia mais

ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA

ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA ART SHINGLE - TELHA DE MADEIRA As Telhas de Madeira Art Shingle, além da resistência mecânica e durabilidade, tem como principais características, proporcionar beleza e excelente conforto térmico e acústico

Leia mais

Avaliação da retenção de CCA em postes de eucalipto deteriorados

Avaliação da retenção de CCA em postes de eucalipto deteriorados Voltar Voltar MADEIRA arquitetura e engenharia nº 11 artigo 3 Avaliação da retenção de CCA em postes de eucalipto deteriorados Almir Sales, Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 9 DORMENTES. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 9 DORMENTES. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 9 DORMENTES DORMENTES É o elemento da superestrutura ferroviária que tem por função receber e transmitir os esforços produzidos pelas

Leia mais

Diretoria de Relacionamento. Diretoria de Relacionamento. Diretoria de Relacionamento. O que é a madeira?

Diretoria de Relacionamento. Diretoria de Relacionamento. Diretoria de Relacionamento. O que é a madeira? Diretoria de Relacionamento Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.EnnioLepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca

Leia mais

M ADEIRA STELLA CASEMA LOG. Sistemas construtivos. Voltar SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM MADEIRA. arquitetura e engenharia

M ADEIRA STELLA CASEMA LOG. Sistemas construtivos. Voltar SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM MADEIRA. arquitetura e engenharia Sistemas construtivos SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM MADEIRA Autores: Fabricio Moura Dias & Juliano Fiorelli Quando pensamos em construir uma casa, pensamos também em materializar sonhos e expectativas através

Leia mais

Dormentes de Eucalipto: a Experiência do IPT em Controle de Qualidade

Dormentes de Eucalipto: a Experiência do IPT em Controle de Qualidade Dormentes de Eucalipto: a Experiência do IPT em Controle de Qualidade Gisleine Aparecida da Silva 1, Maria José de Andrade Casimiro Miranda 1 *, Sergio Brazolin 1, Takashi Yojo 1 1 Laboratório de Árvores,

Leia mais

WWW.PAINEISTERMOISOLANTES.COM.BR Novas tecnologias para isolamento térmico na construção civil: PIR e PUR Rodnei Massamiti Abe Gerente Técnico em Eficiência Energética Dow Brasil Painéis Termoisolantes

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE PINUS ELLIOTTII IN NATURA E TRATADAS COM CCA

ANÁLISE EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE PINUS ELLIOTTII IN NATURA E TRATADAS COM CCA ANÁLISE EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE PINUS ELLIOTTII IN NATURA E TRATADAS COM CCA Leandro Buzzanello de Costa(1), Márcio Vito (2); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)leandro_buzzanello@msn.com,

Leia mais

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO

AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA ENGENHARIA CIVIL ECV 113 ESTRUTURAS DE CONCRETO, METÁLICAS E DE MADEIRA AULA 01: ASPECTOS GERAIS DAS

Leia mais

Nº Estudo prospectivo do sistema Light Wood Frame em edifícios de até quatro pavimentos no Brasil.

Nº Estudo prospectivo do sistema Light Wood Frame em edifícios de até quatro pavimentos no Brasil. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174150 Estudo prospectivo do sistema Light Wood Frame em edifícios de até quatro pavimentos no Brasil Luciana Alves de Oliveira Palestra proferida no Encontro Técnico Prédio de até

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO

ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÕA DE ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTUDO DE CASO Juliano Fiorelli (1); Antonio Alves Dias (2); Akemi Ino (3) (1) Aluno de mestrado Escola de Engenharia de São Carlos EESC USP, fiorelli@sc.usp.br

Leia mais

Engenheiro florestal, M.Sc. em Ciências Florestais, pesquisador da Embrapa Acre, Rio Branco, Acre, embrapa.br 2

Engenheiro florestal, M.Sc. em Ciências Florestais, pesquisador da Embrapa Acre, Rio Branco, Acre, embrapa.br 2 176 ISSN 0100-8668 Comunicado Técnico Rio Branco, AC Dezembro, 2010 Foto: Henrique José Borges de Araújo Durabilidade de Estacas de Eucalipto (Eucalyptus sp.) s com CCA após 60 Meses de Ensaio no Campo

Leia mais

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet.

b. Referencias bibliográficas e páginas da internet. Roteiro para Apresentação de Questões Orientações: 1. Cada grupo (e cada integrante do grupo) será responsável em pesquisar, responder e apresentar as questões (mostradas a seguir para cada grupo), bem

Leia mais

AZZOMATIC. Vantagens de utilizar AzzoMatic. Maior Mix de Produtos + Economia + Higiene + Design + Inovação + Praticidade Fácil instalação e manutenção

AZZOMATIC. Vantagens de utilizar AzzoMatic. Maior Mix de Produtos + Economia + Higiene + Design + Inovação + Praticidade Fácil instalação e manutenção Com a necessidade de economia a AzzoMatic é a alternativa que garante o uso racional da água com baixo custo de investimento, proporcionando muito mais praticidade, conforto, segurança e higiene, AzzoMatic

Leia mais

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2015 01 RESUMO DA SITUAÇÃO 01 Ampliação do Aeroporto 01 Planta de Situação Ampliação do Edifício Garagem

Leia mais

Destinação Final de Madeira Tratada com CCA

Destinação Final de Madeira Tratada com CCA Desde 1930 o CCA (arseniato de cobre cromatado) vem sendo usado, em quantidades crescentes, pela indústria de preservação de madeira. Como decorrência de estudos que vêm sendo desenvolvidos, sobretudo

Leia mais

Funções inorgânicas : Sais e Óxidos

Funções inorgânicas : Sais e Óxidos Funções inorgânicas : Sais e Óxidos Sais Bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) Utilizado em antiácidos Carbonato de cálcio (CaCO 3 ) Encontrado no mármore, no calcário, nas cascas de ovos etc Sulfato de cálcio

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI 16 TÍTULO: EUCALIPTO TRATADO NA ARQUITETURA E NA CONSTRUÇÃO CIVIL EM SÃO JOÃO DELREI E REGIÃO: ESTUDO DA UTILIZAÇÃO, DA DEGRADAÇÃO E ANALISE DOS PRINCIPAIS METODOS DE TRATAMENTO DA ESPECIE CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Produtos Preservativos de Madeiras

Produtos Preservativos de Madeiras Produtos Preservativos de Madeiras Produto Ingrediente Ativo Classe Indicação de uso Forma de aplicação autorizada. Empresa CNPJ Nº Registro Validade 01 Cipertrin MD Cipermetrina Inseticida Para o tratamento

Leia mais

Cruzetas de Madeira para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica. Especificação. Revisão 03 12/2009 NORMA ND.38

Cruzetas de Madeira para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica. Especificação. Revisão 03 12/2009 NORMA ND.38 Cruzetas de Madeira para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação Revisão 03 12/2009 NORMA ND.38 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Superintendência de Engenharia

Leia mais

Resistência biológica da madeira tratada de duas espécies de Eucalyptus em ensaio de campo

Resistência biológica da madeira tratada de duas espécies de Eucalyptus em ensaio de campo Pesquisa Florestal Brasileira Brazilian Journal of Forestry Research https://www.embrapa.br/pfb Resistência biológica da madeira tratada de duas espécies de Eucalyptus em ensaio de campo Magnos Alan Vivian

Leia mais

SAC (15)

SAC (15) Líder em Tecnologia Vedação Racional City As maiores construtoras buscam a qualidade e desempenho dos s City para ganhar em produtividade e reduzir desperdícios Líder em Tecnologia Vedação Racional O bloco

Leia mais

Manual de Tratamento de Mourões

Manual de Tratamento de Mourões DOCUMENTOS Nº 139 ISSN 1519-2059 Manual de Tratamento de Mourões 2ª Edição José Tarcísio da Silva Oliveira Márcio Ferreira Pinto Vitória-ES 2010 Incaper Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

EVALUATION OF THE USE OF CCB IN THE ROUND FENCE POSTS PRESERVATION: INFLUENCE OF THE DIP-DIFFUSION TIME IN THE PENETRATION OF THE PRESERVATIVE

EVALUATION OF THE USE OF CCB IN THE ROUND FENCE POSTS PRESERVATION: INFLUENCE OF THE DIP-DIFFUSION TIME IN THE PENETRATION OF THE PRESERVATIVE AVALIAÇÃO DO USO DE CCB NA PRESERVAÇÃO DE MOURÕES: INFLUÊNCIA DO TEMPO DE IMERSÃO PROLONGADA NA PENETRAÇÃO DO PRESERVATIVO Marcela Guiotoku (marcela@cnpf.embrapa.br) Cláudia Mara Pereira (claudiam@cnpf.embrapa.br)

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Produção Vegetal

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Produção Vegetal MÓDULO 20 unesp UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS Departamento de Produção Vegetal DISCIPLINA: TEMA: PROFESSORES: Silvicultura Tratamento Preservativo

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto. Roberto dos Santos Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Estruturas de concreto Estruturas de concreto As estruturas das edificações, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade

Leia mais

Plásticos Vipal S.A.

Plásticos Vipal S.A. Plásticos Vipal S.A. Plásticos Vipal A Plásticos Vipal S.A. é uma empresa especializada no desenvolvimento e fabricação de produtos em PVC para construção civil. Criada a partir da incorporação da divisão

Leia mais

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA 1 Por que usar antirrespingo? A remoção de respingos de solda que aderem as superfícies de metal exige a utilização de soluções abrasivas,

Leia mais

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1

4 Recomendações. Instalações Elétricas Prediais - Geraldo Cavalin e Severino Cervelin - Ed. Érica 1 4 Recomendações 1. Remover a isolação do condutor, de tal forma que seja o suficiente para que, no ato de emendá-los, não ocorra falta nem sobra. 2. Após remover a isolação, o condutor de cobre deve estar

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso ESTRUTURAS DE MADEIRA Professora: Engª Civil Silvia Romfim AULA 02 1. Introdução: Madeira e suas características. 1.1 - Estrutura da madeira: a) Generalidades

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa!

Sumário. NESTE DOCUMENTO: Introdução. Metodologia. Vantagens & Benefícios. Dúvidas Frequentes dos Clientes. Bem-vindo ao Informativo da Empresa! I N F O R M A T I V O S T E E L F R A M E Guia Rápido Sumário Bem-vindo ao Informativo da Empresa! NESTE DOCUMENTO: Introdução Metodologia Vantagens & Benefícios Dúvidas Frequentes dos Clientes Introdução

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

EDITAL Nº. 04:2011. Período de 01 de Abril de 2011 a 30 de Abril de 2011 PROJETOS DE NORMA BRASILEIRA

EDITAL Nº. 04:2011. Período de 01 de Abril de 2011 a 30 de Abril de 2011 PROJETOS DE NORMA BRASILEIRA EDITAL Nº. 04:2011 Período de 01 de Abril de 2011 a 30 de Abril de 2011 PROJETOS DE NORMA BRASILEIRA Os Projetos de Norma da ABNT podem ser visualizados e impressos pelo site www.abnt.org.br/consultanacional

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

PARECER ÚNICO: SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº /2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00794/2009/001/2009 LOC

PARECER ÚNICO: SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº /2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00794/2009/001/2009 LOC PARECER ÚNICO: SUPRAM TM/AP PROTOCOLO Nº 218582/2009 Indexado ao(s) Processo(s) Licenciamento Ambiental Nº 00794/2009/001/2009 LOC DEFERIMENTO Processo de Outorga nº 03560/2009 Uso Insig. Deferida Empreendimento:

Leia mais

TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES

TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES TECNOLOGIA INOVADORA PARA PROJETOS INTELIGENTES A linha de Soluções Construtivas Eternit foi pensada para facilitar o desempenho do projeto na prática, para agregar qualidade e proporcionar um resultado

Leia mais

3) Dadas as equações: I CuCl 2 + H 2 SO 4

3) Dadas as equações: I CuCl 2 + H 2 SO 4 1) Observe as reações I e II abaixo: I NH 3 + HCl NH 4 Cl II 2HgO aquecimento 2Hg + O 2 Podemos afirmar que I e II são, respectivamente, reações de: a) síntese e análise b) simples troca e síntese c) dupla

Leia mais

Paulo Humberto Sturion

Paulo Humberto Sturion Paulo Humberto Sturion TÓPICOS DA PALESTRA ESCOPO DO TRABALHO E CONCEITOS UTILIZADOS APRESENTAÇÃO PLANILHAS: CUSTOS DESPESAS PREÇOS CONSIDERAÇÕES FINAIS ESCOPO DO TRABALHO E DEFINIÇÕES Informações para

Leia mais

Facas Industriais. Fornecedor: Apex Knives. Trazendo o mundo e o futuro para a América do Sul

Facas Industriais. Fornecedor: Apex Knives. Trazendo o mundo e o futuro para a América do Sul Facas Industriais Trazendo o mundo e o futuro para a América do Sul Contato: ParErik Larsson Fone: +55 19 3305 2376 Celular: +55 19 98330 1516 Email: parerik@aftermarketpartner.com www.aftermarketpartner.com.br

Leia mais

Modernidade e inteligência. a serviço da construção. Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall

Modernidade e inteligência. a serviço da construção. Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall Modernidade e inteligência a serviço da construção Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall Com o objetivo de superar expectativas, acompanhar e influenciar a evolução

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009.

Desenvolvimento Sustentável. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica. [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Eficiência Energética em Sistemas de Sinalização Semafórica [ Tecnologia LED (light emitting diode) ] Jan/2009. Semáforos Convencionais Aspectos Físicos: Constituídos por Grupos Focais formados por módulos

Leia mais

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA ARMARIOS MURAIS 19 ÍNDICE Conteúdo Informação geral, normas e conformidade CE 1 Modelos e dimensões 2 Flexibilidade, produtividade, qualidade e segurança 3 Escalabilidade e Acessórios 4 Contactos e Informação

Leia mais

Guia prático sobre como montar uma estrutura de suporte para fixação de painéis solares fotovoltaicos

Guia prático sobre como montar uma estrutura de suporte para fixação de painéis solares fotovoltaicos Guia prático sobre como montar uma estrutura de suporte para fixação de painéis solares fotovoltaicos VOLTIMUM O PORTAL DO MATERIAL ELÉTRICO 19.10.2016 Neste guia prático fique a saber como fazer a fixação

Leia mais

100% Reciclável 100% Anticorrosivo

100% Reciclável 100% Anticorrosivo 2,4 cm 14,7 cm 4,6 cm 100% Reynaers 100% Ecológico 100% Reciclável 100% Anticorrosivo 100% Antialérgico 100% Exclusivo DESCUBRA A Reynaers apresenta a sua nova gama de puxadores. Para os que procuram qualidade

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Recolha de Lixo KO

Recolha de Lixo KO Recolha de Lixo KO45011 Principais benefícios: Simplicidade e confiabilidade na operação e manutenção; Contentores abertos, removíveis e grande capacidade volumétrica; Possibilidade de recolha de todos

Leia mais

Atualizado em 13/01/2014

Atualizado em 13/01/2014 Atualizado em 13/01/2014 Produto Ingrediente Ativo Classe Indicação de uso Forma de aplicação autorizada. Empresa CNPJ Nº Registro Validade 01 Cipertrin MD Cipermetrina Inseticida Para o tratamento de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE MOURÕES DE VÁRIAS ESPÉCIES DE Eucalyptus spp. TRATADOS PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE MOURÕES DE VÁRIAS ESPÉCIES DE Eucalyptus spp. TRATADOS PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE MOURÕES DE VÁRIAS ESPÉCIES DE Eucalyptus spp. TRATADOS PELO MÉTODO

Leia mais

LUCAS SOARES AMARAL. PENETRAÇÃO E RETENÇÃO DO PRESERVANTE EM Eucalyptus COM DIFERENTES DIÂMETROS

LUCAS SOARES AMARAL. PENETRAÇÃO E RETENÇÃO DO PRESERVANTE EM Eucalyptus COM DIFERENTES DIÂMETROS LUCAS SOARES AMARAL PENETRAÇÃO E RETENÇÃO DO PRESERVANTE EM Eucalyptus COM DIFERENTES DIÂMETROS LAVRAS MG 2012 LUCAS SOARES AMARAL PENETRAÇÃO E RETENÇÃO DO PRESERVANTE EM Eucalyptus COM DIFERENTES DIÂMETROS

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

Lista de Exercícios. Química Inorgânica: Óxidos. Professor Anderson Dino

Lista de Exercícios. Química Inorgânica: Óxidos. Professor Anderson Dino Lista de Exercícios Química Inorgânica: Óxidos Professor Anderson Dino www.aulasdequimica.com.br O óxido é um composto químico binário formado por átomos de oxigênio com outro elemento em que o oxigênio

Leia mais

3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira

3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira 3 Elementos Estruturais Derivados da Madeira Prof. Guilherme Corrêa Stamato e Prof. Jorge Luís Nunes de Góes Disciplina: Estruturas de Madeira Curso: Engenharia de Estruturas A TRANSFORMAÇÃO DAS MADEIRAS

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE MEMÓRIA DESCRITIVA RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE 3 Residência unifamiliar, com 158,88 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno

Leia mais

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Portaria nº 371, de 29 de dezembro de 2009 Objetivo: Avaliação de aparelhos eletrodomésticos e similares, com foco em requisitos de segurança, visando

Leia mais

Anexo. Tabela. geral de. Novidades. preços. O calor é o nosso elemento

Anexo. Tabela. geral de. Novidades. preços. O calor é o nosso elemento Anexo Tabela geral de preços O calor é o nosso elemento 2016 Novidades A n e x o Tabela geral de 2016 preços N o v i d a d e s Logasol SKT 1.0 Novidade Coletor solar Logasol SKT 1.0 O coletor SKT é uma

Leia mais

Segurança em Atmosferas Explosivas. Carlos Ferreira

Segurança em Atmosferas Explosivas. Carlos Ferreira Segurança em Atmosferas Explosivas Objetivo Sensibilizar para a relevância do risco de explosão em locais com zonas ATEX 2 Conteúdo 1. Introdução 2. Enquadramento legal 3. Parâmetros críticos estudo ATEX

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Lages, 03 de fevereiro de 2014. RERRATIFICAÇÃO ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

ECONOMICAL VIABILITY OF PRESERVATIVE TREATMENT OF Prosopis juliflora (SW) D.C. WOOD SUBMITTED TO SAP DISPLACEMENT METHOD

ECONOMICAL VIABILITY OF PRESERVATIVE TREATMENT OF Prosopis juliflora (SW) D.C. WOOD SUBMITTED TO SAP DISPLACEMENT METHOD 8 VIABILIDADE ECONÔMICA DO TRATAMENTO PRESERVATIVO DA MADEIRA FARIAS SOBRINHO, DE ALGAROBA D. W. (Prosopis de et al. juliflora (Sw) D.C.) SUBMETIDA AO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA Desmoulis Wanderley

Leia mais

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente -

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - Por: Flavio C. Geraldo ABPM Presidente Madeira 2014 Instituto BESC de Humanidades e Economia Outubro de 2014 Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - ÁRVORE - A

Leia mais

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO

RDC , BPF, HACCP, ISO 14001, ISO Descupinização A BIOMAX é especializada no Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas em indústrias de alimentos, medicamentos e embalagens, centros comerciais (shoppings), em redes hoteleiras e hospitalares

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU AVALIAÇÃO DE NOVE ESPÉCIES DE Eucalyptus spp. EM TRATAMENTO PRESERVATIVO INDUSTRIAL FELIPE

Leia mais

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Introdução à ciência e engenharia dos materiais e classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, cap 1, 5ed.,

Leia mais

Identificação e tratamento de resíduos provenientes de madeira tratada com arseniato de cobre cromatado

Identificação e tratamento de resíduos provenientes de madeira tratada com arseniato de cobre cromatado TRABALHO 1/6 Título Identificação e tratamento de resíduos provenientes de madeira tratada com arseniato de cobre cromatado Nº de Registro (Resumen) 183 Empresa o Entidad PUCRS, UFRGS e AES Sul Autores

Leia mais

QUEM SOMOS EQUIPE ALTAMENTE TREINADA INDÚSTRIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP +55 (17)

QUEM SOMOS EQUIPE ALTAMENTE TREINADA INDÚSTRIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP +55 (17) APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS Fundada no Brasil em Agosto de 2011, a Eco Restauradora tem como missão, desenvolver tecnologias para preservação do meio ambiente através de soluções inovadoras. A ER a partir

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição Manual Técnico de Distribuição ESPECIFICAÇÃO MAN-TDE MAN-TDE-200 POSTES DE EUCALIPTO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO edição vigência aprovação Revisão 2 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO CREATING TOMORROW S SOLUTIONS REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS I METAL E MADEIRA SEJA BRILHANTE! COM O NOSSO NOVO FLUIDO DE SILICONE INTERMEDIÁRIO SILRES IC 368 O SEGREDO DOS REVESTIMENTOS BRILHANTES SILRES IC

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DO LODO GALVÂNICO NA CONSTRUÇÃO CIVIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

FONTES DE MICRONUTRIENTES

FONTES DE MICRONUTRIENTES FONTES DE MICRONUTRIENTES Inorgânicas (Minerais) Orgânicas - Ácidos - Sais - Óxidos - Oxi-Sulfatos - Silicatos (F.T.E.) - Cloretos - Quelatos - Esteres B PRINCIPAIS FONTES DE MICRONUTRIENTES UTILIZADAS

Leia mais

Novos Materiais e Revestimentos para Exterior. José António Santos Investigador Principal aposentado do LNEG

Novos Materiais e Revestimentos para Exterior. José António Santos Investigador Principal aposentado do LNEG Novos Materiais e Revestimentos para Exterior José António Santos Investigador Principal aposentado do LNEG Construções de madeira em Portugal Vivendas, estrutura em alvenaria e madeira. Fachadas em madeira

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações PUC Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Civil ESTRUTURAS METÁLICAS 1 Estruturas Metálicas e suas aplicações Professor Juliano Geraldo Ribeiro Neto, MSc. Goiânia, 2016.

Leia mais

Placas de Circuito Impresso

Placas de Circuito Impresso Placas de Circuito Impresso Origem Anteriormente à invenção dos transistores os circuitos eletrônicos baseavam-se em válvulas à vácuo que, por serem relativamente grandes, dispensavam maiores preocupações

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS T. SILVA 1, D. MIRANDA 1, G. ALVES 3, O.L ROCHA 2, J.C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Instituto Federal

Leia mais

ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química

ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química MATERIAL A UTILIZAR TIPO DE PROVA DURAÇÃO DA PROVA Manual da disciplina, livros de Química,

Leia mais