SISTEMA MULTIMÍDIA DE GRAVAÇÃO DE AUDIÊNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA MULTIMÍDIA DE GRAVAÇÃO DE AUDIÊNCIAS"

Transcrição

1 SISTEMA MULTIMÍDIA DE GRAVAÇÃO DE AUDIÊNCIAS GUIA DO USUÁRIO TRT 9ª. REGIÃO NOVEMBRO / 2010 Pg 1

2 Índice INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Arquitetura do Software Ambiente & Segurança Gravação de Audiência Visualização da Audiência Transmissão do Movimento de Audiências Pré-Requisitos para Instalação GUIA DO USUÁRIO MÓDULO GRAVAÇÃO DE AUDIÊNCIAS Acesso ao Sistema Menu Principal Perfil Usuário Gravar Nova Audiência Gravar Audiência Pendente Vincular Assuntos CNJ Visualizar Audiência Gravar Novo Evento Visualizar Evento Recuperar Audiência/Evento Sair do Sistema GUIA DO USUÁRIO MÓDULO PORTAL DE AUDIÊNCIAS Acesso ao Sistema Menu Principal Perfil Juiz ou Advogado (Perfil Usuário) Visualizar Audiência Retornar à página inicial ou sair do Portal Pg 2

3 INTRODUÇÃO Gostaria que as atas de audiências viessem destacadas com cores: cada assunto deveria ter uma cor diferente. Assim poderia examinar rapidamente a prova sobre determinado assunto, percorrendo os depoimentos, olhando as mesmas cores... A afirmação foi do Desembargador Márcio Dionísio Gapski, numa reunião de presidentes de Turmas do Tribunal Regional do Trabalho na 9ª Região. Naquela época, era Presidente da Corte Sua Exma. Desembargadora Wanda Santi Cardoso da Silva e reunira os presidentes de turmas para tratar de um assunto: as gravações de audiências. O Juiz Eduardo Milléo Baracat recebera autorização para gravar as audiências em sistema eletrônico de áudio e vídeo. A Presidente Wanda, reconhecendo a iniciativa inovadora, deferira o pedido de forma precária, para testes e avaliações. Para tais gravações foram utilizadas câmeras com pouca resolução e microfones sem capacidade de captar sons límpidos. Além disso, as gravações eram lineares, ou seja, retratavam a integralidade da audiência, mas não tinham qualquer indicação ou registro dos eventos. Do ponto de vista de gravação da audiência, era suficiente. Tinha-se o registro integral e fiel. Mas do ponto de vista da recuperação das informações, ou seja, para localizar um ponto exato dos depoimentos, inexistia qualquer possibilidade, indicação ou referência. Obrigava aquele que queria recuperar a informação assistir toda a gravação. Era esse o motivo da reunião: a dificuldade que os Desembargadores tinham de apreciar os recursos do ponto de vista da recuperação das informações. Para cada recurso, ainda que se tratasse de uma única matéria, era necessário assistir toda a audiência gravada. Chegava-se ao impasse: muitos Relatores determinavam a degravação da audiência para melhor apreciar a prova. Inexistia pessoal qualificado para realizar a tarefa da degravação e as principais qualidades da gravação, como a fidelidade dos depoimentos e a agilidade das audiências, estavam comprometidas. Na mesma reunião, depois de uma apaixonada defesa da idéia pelo Juiz Eduardo Baracat, decidiu-se pelo desenvolvimento de um programa de computador que fosse capaz de localizar os temas de cada depoimento. A gravação de audiências é inevitável. Ela nos aguarda no futuro. Então é melhor que comecemos logo o futuro!, profetizou o Desembargador Célio Horst Waldraff. Ficou responsável pela coordenação dos trabalhos da busca da solução o Desembargador Sergio Murilo Rodrigues Lemos, que à época era Presidente de Turma e participara da reunião. O Desembargador Sergio Lemos presidiu duas audiências públicas, uma em Londrina e outra em Curitiba, das quais participaram servidores e advogados que fizeram críticas e sugestões ao programa. Pg 3

4 Também o Diretor da Secretaria de Informática do TRT/Pr, o servidor Claucio Jorge de Lima, teve significado destaque no auxílio no desenvolvimento da solução técnica. Através de processo licitatório, contratou-se uma empresa para desenvolver a idéia geral: o programa deveria ser uma imensa caixa de lápis de cor, capaz de colorir cada assunto de cada depoente. O Juiz da audiência ficaria encarregado de pintar cada assunto de uma cor, repetindo-a sempre que cada depoente falasse sobre o mesmo assunto. A solução tecnológica foi desenvolvida, testada e aprovada. Começou-se, então, a implantação do programa em Varas do Trabalho do TRT do Paraná. A Corte já estava sob a Presidência da Desembargadora Rosalie Michaele Bacila Batista quando recebeu a visita da CAPI - Comissão de Avaliação dos Projetos de Informática, órgão de apoio do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, que tomara conhecimento do sistema de gravação de audiências. Entendeu-se, então, que a idéia deveria ser aproveitada em benefício de toda a Justiça do Trabalho, com sua integração ao Projeto SUAP Nacional. E assim aconteceu. A CAPI forneceu meios para que um novo programa fosse escrito e desenvolvido dentro dos critérios e parâmetros para utilização de toda a Justiça do Trabalho. O TRT/Pr ficou responsável pelo desenvolvimento do novo programa. Na fase nacional, a supervisão dos trabalhos ficou sob a responsabilidade do Juiz Bráulio Gabriel Gusmão, integrante original da CAPI. Foi desenvolvido na mais moderna linguagem, privilegiando a interoperabilidade e integrando novas funcionalidades. Participaram, do corpo técnico do TRT/Pr os servidores Carlos Alberto Oberlaender Lopes e Alexandre Tetsuo Yamauchi. Surgiu então o FIDELIS, capaz de promover marcações eletrônicas ao longo da gravação e permitindo que a recuperação dos trechos seja feita de forma dinâmica e rápida, quer por assunto, quer por depoente. Também contempla a possibilidade de visualização controlada, através de portal na rede mundial de computadores. O FIDELIS é uma grande caixa de lápis de cor, que pinta os diversos assuntos de um depoimento com cores diferentes. O procedimento é repetido em cada um dos depoimentos. Ao final, permite a recuperação da informação por assunto, por depoente ou ainda por um único assunto de todos ou alguns depoentes. O procedimento de recuperação é simples, ágil e seguro e pode, obedecidos critérios de identificação eletrônica, ser disponibilizado para magistrados, partes e advogados, tudo em ambiente perfeitamente controlado. Sérgio Murilo Rodrigues Lemos Desembargador Federal do Trabalho Presidente da Comissão de Informática do TRT da 9 a. Região Pg 4

5 1. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1.1. Arquitetura do Software FIDELIS é padronizado para utilizar o conceito de serviço de web em subsistema EAD (ensino à distância) com base no conceito e padrão SCORM (Sharable Content Object Reference Model). Esta tecnologia proporciona arquivos multimídia armazenados e orientados como UAs (unidades de aprendizagem) seguindo os parâmetros de modelo conceitual, guia de melhores práticas e esquema XML, para uma correta ordenação e rápida consulta. A solução é dividida em dois módulos: Módulo Gravação de Audiências (client) Portal de Visualização de Audiências (LCMS) Descrição Módulo para a gravação e degravação de audiência em cada vara/localidade. Este módulo permite a visualização das audiências gravadas no dia e a transmissão deste movimento para o portal LCMS. Módulo para visualização das audiências gravadas em cada vara, formato de portal web para uso interno (intranet) e/ou externo (extranet, internet) Pg 5

6 O módulo client foi desenvolvido em Java para permitir a máxima portabilidade na instalação em qualquer plataforma (Windows, Linux, Mac). O módulo LCMS foi desenvolvido em.net para permitir uma melhor flexibilidade visual, facilitando o uso do portal para usuários internos e/ou via web/internet. A solução obedece ao conceito de Model-View-Controller (MVC), separando-se os dados (Model) da interface (View). Desta forma, alterações feitas na interface não interferem na manipulação dos dados e estes podem ser reorganizados sem alteração da interface do usuário. A persistência dos dados (Model) foi modelada utilizando-se o padrão DAO (Data Access Object) que permite a separação das regras de negócio e de acesso ao banco de dados, além de proporcionar à aplicação, a flexibilidade para suportar diferentes SGBDs através da implementação de classes de conexão e consulta ao banco de dados do cliente final Ambiente & Segurança FIDELIS permite a gravação e posterior degravação de audiências e eventos realizados nas salas de sessão dos fóruns e varas ou em outras áreas jurisdicionais e administrativas das entidades do cliente final. A solução prevê a manipulação de mídia em estações rodando na plataforma Microsoft Windows 98/ME/2000/XP/Vista ou Debian-SUSE-RedHat Linux, possibilitando a gravação, o tratamento, a reprodução e posterior armazenamento dos arquivos de mídia e controle, indexados em base de dados na estação local para posterior transmissão ao portal LCMS. O software já opera utilizando o formato único para o número do processo (Resolução No. 65 do CNJ) durante a criação dos procedimentos de uma nova audiência. A solução prevê limitações de acesso às funcionalidades do sistema através de verificação de perfil, conforme especificação previamente definida por um administrador do ambiente, permitindo a total integração com os serviços Microsoft Active Directory e elementos de autenticação LDAP (ambiente open) em conformidade com a instalação existente em cada cliente final. Todos os processos de logon e logoff e demais ações de qualquer usuário são registrados em arquivo específico para posterior auditoria. Este arquivo é no formato log com dados relevantes como a identificação, hora e data de qualquer evento solicitado por qualquer usuário e a resposta dada pelo sistema, a ser visualizado por um usuário exclusivo (perfil auditor). Pg 6

7 1.3. Gravação de Audiência Para a criação de uma nova audiência, o sistema exibe os dispositivos de captura multimídia presentes no computador e caso seja encontrado mais de um dispositivo, o sistema solicita ao usuário qual dispositivo de captura deseja para uso na gravação do vídeo e áudio da sessão. Para que o usuário inicie uma nova audiência, o sistema identifica ao menos um dispositivo de captura de áudio e um dispositivo de captura de vídeo em correto funcionamento, optando pelo mesmo. Caso contrário o sistema impedirá o início de uma nova audiência. Tal quesito de segurança evita a criação de um arquivo de mídia com vídeo ou vídeo e áudio ausente/corrompido. Durante a gravação da audiência, o usuário pode referenciar partes do vídeo a um tema, subtema e/ou a um depoente e sua respectiva qualificação. Cada assunto é dividido em sub-temas assim como os depoentes são divididos por suas qualificações, facilitando a visualização dos assuntos e depoentes pelo usuário. Essas informações podem ser realizadas antes ou durante a gravação da audiência. O sistema captura o vídeo em uma resolução de tela gráfica de 320 x 240 e o áudio com taxa de transferência de 40 kbps, na freqüência de 32 khz, em estéreo (dois canais). Tais valores sofrem variações desses parâmetros conforme os dispositivos de captura instalados no computador. O arquivo multimídia de áudio-vídeo ou áudio gravado durante a audiência é contínuo e não sofre qualquer tipo de corte ou edição. A mídia gerada é salva localmente em um arquivo de extensão compatível com o protocolo MPEG-4 em formato de streaming. A compactação desse arquivo é do tipo H.264-AVC podendo o arquivo gerado pelo software ser facilmente reproduzido em qualquer computador onde o Microsoft Windows Media Player 9 ou superior esteja instalado, ou ainda o XVID player em Debian-SUSE-RedHat Linux, sem a necessidade de instalação de qualquer codec adicional. O tamanho dos arquivos multimídia após a compactação tem em média o valor de 100MB armazenados por hora de vídeo. Tal arquivo está atrelado a informações relevantes do processo gravado, cadastradas previamente ou durante a sessão, com dados sobre o número de processo, o juiz presidente e o tipo da audiência, validando a operação através de dígito verificador durante o cadastro. No caso de gravação de eventos, as mídias geradas são atreladas a qualquer número de evento a ser gravado. O resultado é uma gravação íntegra e posteriormente validada pelo juiz presidente da sessão (audiência), assistente(s) e advogado(s). Pg 7

8 1.4. Visualização da Audiência Depois de finalizada a gravação de uma audiência, o usuário pode fazer buscas das audiências gravadas. A busca é feita pelo número do processo ou pela data ou por ambos os campos, podendo-se ainda customizar estes campos de pesquisa. O sistema lista todas as audiências encontradas que contenham os parâmetros da busca, exibindo as informações relevantes de cada audiência desejada. Para a visualização de um resultado da busca, basta o usuário dar um duplo clique sobre o campo da tela demonstrando o resultado desejado para que o vídeo seja aberto informando todas as marcações as quais foram efetuadas durante a gravação da audiência realizada e finalizada. Essas pesquisas valem tanto para o módulo client como para o ambiente LCMS (portal WEB) com a utilização de um "player" orientando o ponto de execução (tempo do trecho) em função da marcação exposta na tela ao lado do vídeo exibido. É possível exportar as marcações e a audiência em formato SCORM para posterior reprodução. Durante a visualização na mídia gravada, o usuário pode posicionar rapidamente o áudiovídeo ou áudio em um ponto de seu interesse, bastando apenas que ele selecione qual o assunto (tema e sub-tema) e o depoente de seu interesse. O player então posiciona-se no início da marcação específica e é reproduzido a partir desse ponto. A transcrição da audiência pode ser feita neste momento através da digitação desta transcrição. O uso de funcionalidades speech-to-text permitirão também a conversão do áudio dos arquivos multimídia em texto identado Transmissão do Movimento de Audiências Em um horário pré-estabelecido pelo administrador do ambiente, o sistema de transmissão de mídias organiza todos os arquivos atrelados às marcações gravadas localmente, realocando-os para o servidor de dados central (LCMS) através da utilização de protocolo de serviço de transferência de rede computacional padrão IP. Para facilitar o envio dos arquivos ao servidor de dados central (LCMS), o sistema possui mecanismo de conferência de integridade, eliminando possíveis erros no processo de sincronismo de dados. O sincronismo possui tela de acompanhamento de status para monitoração e conferência. O sistema possui relatório/listagem de vídeos sincronizados ou não sincronizados pelo cliente e dos armazenados em ambiente WEB. Pg 8

9 1.6. Pré-Requisitos para Instalação Requisitos mínimos para instalação e execução do sistema: Módulo Client 1 Processador Core 2 Duo 1.8 GHz ou equivalente/superior 2 GB de memória RAM 100 MB de espaço em disco para instalação do software Microsoft Windows XP ou 2000 com Service Pack 4 ou Vista / Debian/Suse/Red Hat Linux Java Runtime Environment (JRE) versão 6 Módulo LCMS 1 Processador Quad-Core 2.5 Ghz ou equivalente/superior 16 GB de memória RAM 200 MB de espaço em disco para instalação do software Microsoft Windows 2003 Server ou superior Microsoft.NET Framework 4.X ou superior Pg 9

10 2. GUIA DO USUÁRIO MÓDULO GRAVAÇÃO DE AUDIÊNCIAS Nas salas de audiência será instalado o módulo de Gravação de Audiências, cujas funcionalidades e respectivas telas seguem abaixo Acesso ao Sistema Este módulo está customizado para utilizar o login (usuário) do próprio sistema operacional, dentro do cadastro de segurança (AD) disponibilizado pelo TRT9, ou seja, não há tela inicial para login no módulo. De qualquer maneira, se o administrador do sistema configurar para que não seja utilizada esta integração com o cadastro de segurança (AD), o módulo solicitará um login conforme tela abaixo. Figura 2.1 Login de Acesso Caso esta tela apareça na execução inicial da aplicação, basta preencher com os dados do usuário e senha para acesso ao sistema. Para alterar a senha previamente cadastrada, clicar em ALTERAR SENHA. Após preencher os dados de usuário e senha, clicar em ACESSAR para entrar no sistema ou SAIR para encerrar sem efetivar o login. Pg 10

11 2.2. Menu Principal Perfil Usuário Caso o usuário que efetuou o login no sistema operacional ou no próprio módulo tenha o perfil de Operador/Usuário, o menu principal aparecerá conforme abaixo, sem as opções de manutenção/customização do sistema. O usuário consegue acesso aos seguintes módulos, detalhados a seguir neste documento: Gravar Nova Audiência Gravar Audiência Pendente Gravar Evento Visualizar Audiência Vincular Assuntos CNJ Visualizar Evento Recuperar Audiência/Evento (via menu Operação) Figura Menu Principal Perfil Usuário Pg 11

12 2.3. Gravar Nova Audiência Ao selecionar Gravar Nova Audiência, o primeiro passo é a escolha do processo cuja audiência será gravada. Para tal, clique em PESQUISAR AGENDA para que o sistema busque a agenda das audiências do dia no sistema corporativo do TRT. Figura Seleção de Audiência / Agenda de Audiências Caso não haja conexão com os sistemas corporativos, a mensagem abaixo será informada ao usuário: Figura Aviso de Falha da Conexão ao Banco de Dados do TRT Neste caso, basta clicar em OK e prosseguir através da opção PRÓXIMO> para a entrada manual dos dados da audiência a ser gravada. Pg 12

13 Caso haja a necessidade de gravar uma audiência fora da pauta, basta clicar em PRÓXIMO> para que o sistema passe para as próximas telas e as informações da audiência a ser gravada sejam digitadas pelo usuário. Após a seleção da audiência a gravar, a próxima tela permitirá ao usuário elaborar o quadro de temas/sub-temas com base nos assuntos previamente cadastrados na aplicação, nos assuntos CNJ previamente cadastrados na petição e ainda com a possibilidade de consultar todos os assuntos CNJ relacionados ao Direito do Trabalho (Tabela de Assuntos do CNJ). Figura Vinculação dos Temas e Assuntos CNJ Caso a audiência tenha sido previamente selecionada, o número do processo aparecerá na tela. Em caso de preenchimento manual, incluir o número do processo desejado. Confirmado o número do processo, clicar em VALIDAR para a busca dos temas previamente cadastrados na aplicação, os assuntos CNJ da petição e a listagem dos assuntos CNJ referente ao Direito do Trabalho. Figura Confirmação do Número do Processo Pg 13

14 Após clicar em VALIDAR, o sistema buscará na base de TEMAS e ASSUNTOS as informações previamente cadastradas como temas/assuntos padrão (template) conforme abaixo, além dos assuntos da petição e da tabela de assuntos CNJ. Figura Vinculação dos Assuntos CNJ Estas informações podem ser customizadas/revisadas diretamente no quadro de temas/subtemas neste caso, clicar no item desejado com o botão direito do mouse e selecionar INCLUIR. Pode-se montar 2 níveis de temas e sub-temas, incluindo-os ou excluindo-os com o botão direito do mouse. Figura Temas e Sub-Temas Pontos de Referência Pg 14

15 Outra opção é selecionar os assuntos CNJ da petição neste caso, selecionar os assuntos desejados e clicar em INCLUIR ASSUNTOS SELECIONADOS. Figura Assuntos CNJ da Petição Após clicar em INCLUIR ASSUNTOS SELECIONADOS, o quadro de temas/sub-temas mostrará os assuntos selecionados com a numeração dos temas feita pela própria aplicação, conforme abaixo: Figura Assuntos CNJ da Petição no Quadro de Temas Pg 15

16 A última opção é selecionar os assuntos CNJ da lista de assuntos da tabela de assuntos do Direito do Trabalho do CNJ neste caso, digitar parte do texto do assunto desejado para que a aplicação mostre os temas correspondentes. Selecionar o assunto desejado e clicar em INCLUIR ASSUNTO. Figura Assuntos CNJ da Petição no Quadro de Temas Após clicar em INCLUIR ASSUNTO, o quadro de temas/sub-temas mostrará o assunto selecionado com a numeração do tema feita pela própria aplicação, conforme abaixo: Figura Assuntos CNJ da Petição no Quadro de Temas Pg 16

17 Após a customização do quadro de temas/sub-temas, a próxima tela mostrará ao usuário os dispositivos de vídeo e áudio presentes para a gravação. Nesta tela deve-se testar a captura do vídeo e do áudio para a certificação de que estão funcionando corretamente. Selecione o dispositivo de VÍDEO e o dispositivo de ÁUDIO para a correta gravação. Para testar se os dispositivos escolhidos estão funcionando e captando perfeitamente, clique em "TESTAR". Um vídeo será mostrado durante alguns segundos. Figura Detecção e Teste dos Dispositivos de Áudio e Vídeo Pg 17

18 Para ajustar a qualidade do vídeo (contraste, brilho e cor) clique em "AJUSTAR VÍDEO" durante a gravação do teste. Para ajustar a captação/volume do som, utilize a barra "VOLUME:" para testar o nível do mesmo. Figura Ajuste das Propriedades do Vídeo e Ajuste de Áudio Após o teste dos dispositivos, clique em "VISUALIZAR" para confirmar se o vídeo gravou OK tendo áudio com qualidade. Se tudo estiver OK com os dispositivos, clique em "PRÓXIMO>" para iniciar a gravação. Para sair desta tela, clique em "FECHAR". Esta opção sai da gravação sem registrar informações da mesma. Após clicar em PRÓXIMO> a tela abaixo aparecerá para início da gravação da audiência, detalhada nas próximas páginas. Figura Gravação da Audiência Pg 18

19 A audiência previamente selecionada já virá com os dados preenchidos. Caso não haja acesso/link ao sistema corporativo ou o usuário escolheu pela digitação dos dados do processo, informe o número do processo (aceita formato do número atual e novo formato conforme resolução No. 65 do CNJ), tipo de audiência (os tipos são pré-cadastrados no sistema) e nome do juiz da audiência, conforme campos abaixo. Após o preenchimento, clicar em VALIDAR. Figura Dados da Audiência Após clicar em VALIDAR, o sistema buscará na base de TEMAS e ASSUNTOS as informações previamente cadastradas como temas/assuntos padrão (template) conforme abaixo. Estas informações previamente carregadas, podem ser customizadas/revisadas pelo usuário antes da gravação da audiência neste caso, clicar no item desejado com o botão direito do mouse e selecionar INCLUIR. Pode-se montar 2 níveis de temas e sub-temas, incluindo-os ou excluindo-os com o botão direito do mouse. Figura Temas e Sub-Temas Pontos de Referência Pg 19

20 No quadro QUALIFICAÇÃO / DEPOENTES deve-se complementar e/ou revisar as qualifações (previamente carregadas) e incluir os nomes dos depoentes através do botão direito do mouse. Caso haja conexão com a base de dados corporativa e havendo prévia seleção da audiência através da agenda do dia, o nome do(s) autor(es) do processo já aparecerá (ão) previamente carregado(s). Figura Qualificação e Depoentes Após a inclusão das informações, clique em "GRAVAR" para início da gravação. O tempo do vídeo se inicia e um indicativo de gravação (REC) fica piscando na tela, indicando que a audiência está em gravação. Para gravação apenas do áudio da audiência, selecionar esta opção em TIPO DE GRAVAÇÃO: Figura Gravar Vídeo ou Áudio Pg 20

21 Durante a gravação, o usuário pode acompanhar o espaço em disco na estação de trabalho, o tamanho do arquivo da gravação e a qualidade/sincronismo da gravação do vídeo e áudio. Em caso de qualquer problema com um dos dispositivos de vídeo ou áudio, o sistema automaticamente interromperá a gravação, salvando até o ponto de interrupção. Figura Controle da Gravação Para incluir marcações na audiência, selecione um TEMA/SUB-TEMA e um DEPOENTE. Depois clique em "MARCAR GRAVAÇÃO". Confirme os dados da marcação e clique em "OK". Um registro das marcações é mostrado durante a gravação da audiência. Figura Marcação da Gravação e Registro das Marcações Pg 21

22 Para ajustar o vídeo (contraste, brilho e cor) durante a gravação, clique em "AJUSTAR VÍDEO". Figura Ajuste das Propriedades do Vídeo durante Gravação Para interromper a gravação, informe o MOTIVO DA INTERRUPÇÃO e clique em "INTERROMPER GRAVAÇÃO" para posterior conclusão da mesma. IMPORTANTE: Uma audiência interrompida pelo usuário só poderá ser novamente re-iniciada no dia seguinte ao de sua interrupção. Figura Interrupção da Gravação Para concluir a audiência, clique em "CONCLUIR". A mensagem abaixo será encaminhada para aviso de conclusão da gravação. Figura Mensagem de Conclusão da Gravação Após a conclusão da gravação da audiência, o sistema acionará o programa ASSINEJUS para a assinatura digital do arquivo gerado pela gravação. Pg 22

23 2.4. Gravar Audiência Pendente Ao selecionar Gravar Audiência Pendente, o primeiro passo é a escolha da audiência pendente para sua conclusão. A relação das audiências pendentes aparecerá conforme abaixo. Após a seleção da audiência desejada, seguir os mesmos passos do item anterior 2.3. Gravar Nova Audiência. Figura Seleção da Audiência Pendente Pg 23

24 2.5. Vincular Assuntos CNJ Ao selecionar Vincular Assuntos CNJ, o primeiro passo é a escolha da audiência previamente gravada. A relação das audiências aparecerá conforme abaixo. Figura Seleção de Audiência Selecione a audiência desejada e clique em PRÓXIMO> para a vinculação dos assuntos CNJ previamente cadastrados para o processo escolhido. Os assuntos serão listados com base na consulta feita à base de dados corporativa do TRT. Caso não haja conexão com a base, a mensagem abaixo será mostrada ao usuário. Sem a conexão não é possível vincular assuntos à audiência. Figura Aviso de Falha da Conexão ao Banco de Dados do TRT Pg 24

25 Após a escolha da audiência, a tela abaixo será apresentada ao usuário para que o mesmo possa vincular os assuntos a cada marcação da gravação: Figura Visualização e Vinculação de Assuntos CNJ Para visualizar a audiência, clique em "INICIAR" (botão PLAY) para que a mesma seja reproduzida desde o início. Pode-se igualmente utilizar a barra logo abaixo do vídeo para controlar o ponto de reprodução da audiência. Para finalizar uma visualização, clique em "PARAR" (botão STOP). Pode-se controlar o volume do áudio com a barra VOLUME:. Figura Controle da Visualização Pg 25

26 Durante a reprodução da audiência, a marcação previamente realizada durante a gravação é destacada quando o ponto da marcação é atingido, conforme exemplo abaixo. Figura Destaque da Marcação da Audiência Para ir direto para uma das marcações, selecione a mesma da lista de marcações e clique em "IR PARA MARCA". Figura Posicionar na Marcação da Audiência Pg 26

27 Para a vinculação de um assunto a uma determinada marcação, selecione a marcação desejada e o assunto CNJ a vincular. Após a seleção dos dois itens, clicar em VINCULAR. Figura Vinculação de Assunto CNJ à Marcação Após a vinculação, uma nova marcação aparecerá na tela juntando o tempo da marcação selecionada, o tema da marcação, o assunto CNJ selecionado, a qualificação e o nome do depoente. O assunto CNJ será incluído na coluna SUB-TEMA e será mostrada ao usuário, confirmando o vínculo criado, conforme abaixo. Não há limitação para a vinculação de assuntos CNJ às marcações e vice-versa. Figura Nova Marcação com Vínculo Assunto CNJ Pg 27

28 2.6. Visualizar Audiência Ao selecionar Visualizar Audiência, o primeiro passo é a escolha de qual audiência visualizar dentro da base de audiências gravadas e que ainda estão na base local (base da estação de trabalho). As audiências ficam na base até que seja necessário excluí-las para permitir a liberação do espaço em disco. Só serão excluídas as audiências previamente transmitidas para o Portal de Audiências. Ao aparecer a tela abaixo, selecione a audiência a visualizar e clique em PRÓXIMO>. Figura Relação de Audiências Gravadas Pg 28

29 Após selecionar a audiência, a tela abaixo será apresentada ao usuário: Figura Visualização da Audiência Para visualizar uma audiência, clique em "INICIAR" (botão PLAY) para que a mesma seja reproduzida desde o início. Pode-se igualmente utilizar a barra logo abaixo do vídeo para controlar o ponto de reprodução da audiência. Para finalizar uma visualização, clique em "PARAR" (botão STOP). Pode-se controlar o volume do áudio com a barra VOLUME:. Figura Controle da Visualização Pg 29

30 Durante a reprodução da audiência, a marcação previamente realizada durante a gravação é destacada quando o ponto da marcação é atingido, conforme exemplo abaixo. Figura Destaque da Marcação da Audiência Para ir direto para uma das marcações, selecione a mesma da lista de marcações e clique em "IR PARA MARCA". Figura Posicionar na Marcação da Audiência Pg 30

31 Em caso de solicitação de exportação de uma audiência, clique em "EXPORTAR". Após clicar nesta opção, o sistema solicitará a localização de um diretório aonde exportar o arquivo de mídia (vídeo/áudio) da audiência e suas marcações (relatório em PDF) conforme exemplo abaixo: Figura Exportação da Audiência Para a transcrição do áudio do processo (transformação do áudio em texto), clique em "TRANSCREVER". Este módulo ainda está em BETA (testes) enquanto não se obtiver uma qualidade mínima (85% de acerto) desta transcrição. Pg 31

32 2.7. Gravar Novo Evento Ao selecionar Gravar Novo Evento, o primeiro passo é a escolha dos dispositivos de vídeo e áudio presentes para a gravação e seu teste de captura do vídeo e do áudio para a certificação de que estão funcionando corretamente. Selecione o dispositivo de VÍDEO e o dispositivo de ÁUDIO para a correta gravação. Para testar se os dispositivos escolhidos estão funcionando e captando perfeitamente, clique em "TESTAR". Um vídeo será mostrado durante alguns segundos. Figura Detecção e Teste dos Dispositivos de Áudio e Vídeo Pg 32

33 Para ajustar a qualidade do vídeo (contraste, brilho e cor) clique em "AJUSTAR VÍDEO" durante a gravação do teste. Para ajustar a captação/volume do som, utilize a barra "VOLUME:" para testar o nível do mesmo. Figura Ajuste das Propriedades do Vídeo e Ajuste de Áudio Após o teste dos dispositivos, clique em "VISUALIZAR" para confirmar se o vídeo gravou OK tendo áudio com qualidade. Se tudo estiver OK com os dispositivos, clique em "PRÓXIMO>" para iniciar a gravação. Para sair desta tela, clique em "FECHAR". Esta opção sai da gravação sem registrar informações da mesma. Após clicar em PRÓXIMO> a tela abaixo aparecerá para início da gravação do evento, detalhada nas próximas páginas. Figura Gravação de Evento Pg 33

34 Preencha o nome do evento e clique em VALIDAR. Figura Nome do Evento Após clicar em VALIDAR, o sistema habilitará os quadros TEMAS e ORADORES para customização/preenchimento durante o evento. Pode-se montar 2 níveis de temas e oradores, incluindo-os ou excluindo-os com o botão direito do mouse. Figura Temas e Oradores Pg 34

35 Após a inclusão das informações, clique em "GRAVAR" para início da gravação. O tempo do vídeo se inicia e um indicativo de gravação (REC) fica piscando na tela, indicando que a audiência está em gravação. Para gravação apenas do áudio do evento, selecionar esta opção em TIPO DE GRAVAÇÃO: Figura Gravar Vídeo ou Áudio Durante a gravação, o usuário pode acompanhar o espaço em disco na estação de trabalho, o tamanho do arquivo da gravação e a qualidade/sincronismo da gravação do vídeo e áudio. Em caso de qualquer problema com um dos dispositivos de vídeo ou áudio, o sistema automaticamente interromperá a gravação, salvando até o ponto de interrupção. Figura Controle da Gravação Pg 35

36 Para incluir marcações na audiência, selecione um TEMA e um ORADOR. Depois clique em "MARCAR GRAVAÇÃO". Confirme os dados da marcação e clique em "OK". Um registro das marcações é mostrado durante a gravação da audiência. Figura Marcação da Gravação e Registro das Marcações Pg 36

37 Para ajustar o vídeo (contraste, brilho e cor) durante a gravação, clique em "AJUSTAR VÍDEO". Figura Ajuste das Propriedades do Vídeo durante Gravação Para interromper a gravação, informe o MOTIVO DA INTERRUPÇÃO e clique em "INTERROMPER GRAVAÇÃO" para posterior conclusão da mesma. Figura Interrupção da Gravação Para concluir a gravação do evento, clique em "CONCLUIR". Pg 37

38 2.8. Visualizar Evento Ao selecionar Visualizar Evento, o primeiro passo é a escolha de qual evento visualizar dentro da base de eventos gravados e que ainda estão na base local (base da estação de trabalho). Os eventos ficam na base até que seja necessário excluí-los para permitir a liberação do espaço em disco. Só serão excluídos os eventos previamente transmitidos para o Portal de Audiências/Eventos. Ao aparecer a tela abaixo, selecione o evento a visualizar e clique em PRÓXIMO>. Figura Relação de Eventos Gravados Pg 38

39 Após selecionar o evento, a tela abaixo será apresentada ao usuário: Figura Visualização do Evento Para visualizar um evento, clique em "INICIAR" (botão PLAY) para que o mesmo seja reproduzido desde o início. Pode-se igualmente utilizar a barra logo abaixo do vídeo para controlar o ponto de reprodução do evento. Para finalizar uma visualização, clique em "PARAR" (botão STOP). Pode-se controlar o volume do áudio com a barra VOLUME:. Figura Controle da Visualização Pg 39

40 Durante a reprodução do evento, a marcação previamente realizada durante a gravação é destacada quando o ponto da marcação é atingido, conforme exemplo abaixo. Figura Destaque da Marcação do Evento Para ir direto para uma das marcações, selecione a mesma da lista de marcações e clique em "IR PARA MARCA". Figura Posicionar na Marcação da Gravação Pg 40

41 Em caso de solicitação de exportação de um evento, clique em "EXPORTAR". Após clicar nesta opção, o sistema solicitará a localização de um diretório aonde exportar o arquivo de mídia (vídeo/áudio) do evento e suas marcações (relatório em PDF) conforme exemplo abaixo: Figura Exportação de Evento Para a transcrição do áudio do processo (transformação do áudio em texto), clique em "TRANSCREVER". Este módulo ainda está em BETA (testes) enquanto não se obtiver uma qualidade mínima (85% de acerto) desta transcrição. Pg 41

42 2.9. Recuperar Audiência/Evento O sistema está preparado para recuperar qualquer audiência e/ou evento cuja gravação tenha sido interrompida por uma das falhas abaixo: Queda de energia da estação de trabalho Falha de funcionamento do dispositivo de vídeo ou áudio Erro/Falha geral no sistema operacional (Windows ou Linux) Erro/Falha geral no sistema de gravação de audiência Nos casos acima, a gravação será interrompida e, após a reinicialização da estação e/ou do sistema, o mesmo detecta que há uma audiência e/ou evento com erro, permitindo que o usuário faça a recuperação do arquivo de mídia (vídeo/áudio). A mensagem abaixo é mostrada ao usuário no caso de identificação de um arquivo com erro: Figura Aviso de Arquivo com Erro Após clicar em SIM, o sistema executará a recuperação do arquivo até o ponto de falha/queda da energia, permitindo a visualização, exportação e transmissão do mesmo. Figura Mensagem de Recuperação do Arquivo Pg 42

43 Manualmente pode-se optar pela recuperação com a opção do menu principal Recuperar Audiência/Evento quando necessário. Acessar pelo menu direto, conforme abaixo: Figura Mensagem de Recuperação do Arquivo Sair do Sistema Por questão de segurança, o sistema só permite seu fechamento através do menu ou com a tecla de atalho (ALT + S) na tela do menu principal. Figura Menu Sair Pg 43

44 3. GUIA DO USUÁRIO MÓDULO PORTAL DE AUDIÊNCIAS Através do portal de audiências, via web ou intranet, o usuário poderá assistir todas as audiências gravadas nas varas/comarcas e transmitidas para o módulo LCMS, cujas funcionalidades e respectivas telas seguem abaixo Acesso ao Sistema O portal está customizado para utilizar o login (usuário) do próprio sistema de segurança disponibilizado pelo TRT9. Para acesso ao portal é necessário ser um usuário cadastrado neste sistema após digitar o link do portal dentro de browser válido. O endereço atual é o https://audiovisual.trt9.jus.br/fidelis. Figura Acesso ao Portal de Audiências Após preencher os dados de usuário e senha, clicar em OK para entrar no portal ou CANCELAR para encerrar sem efetivar o login. Pg 44

45 3.2. Menu Principal Perfil Juiz ou Advogado (Perfil Usuário) Caso o usuário que efetuou o login no sistema operacional ou no próprio módulo tenha o perfil de Juiz ou Advogado, o menu principal aparecerá conforme abaixo, sem as opções de manutenção/customização do sistema. O usuário consegue acesso aos seguintes módulos: Visualizar Audiência Manual do usuário Figura Menu Principal Perfil Usuário Pg 45

46 3.3. Visualizar Audiência Ao selecionar Visualizar Audiência, o primeiro passo é a escolha de qual audiência visualizar dentro da base de audiências gravadas e que já foram transmitidas para a base LCMS (base do portal). Ao aparecer a tela abaixo, preencha um dos campos de pesquisa (com a informação completa ou parte dela) e clique na LUPA para efetivar a pesquisa. Caso seja clicado na LUPA sem o preenchimento da informação no respectivo campo, o portal buscará todas as audiências da base. O usuário com perfil Advogado/Partes só terá acesso aos processos autorizados para consulta/visualização através de seu CPF (certificado digital). Figura Relação de Audiências Gravadas Pg 46

47 Após selecionar a audiência, a tela abaixo será apresentada ao usuário: Figura Visualização da Audiência Para visualizar uma audiência, clique em "INICIAR" (botão PLAY) para que a mesma seja reproduzida desde o início. Pode-se igualmente utilizar a barra logo abaixo do vídeo para controlar o ponto de reprodução da audiência. Para pausar ou finalizar uma visualização, clique em PAUSE (botão PAUSE) ou "PARAR" (botão STOP). Pode-se controlar o volume do áudio com a barra VOLUME:. Figura Controle da Visualização Para ir direto para uma das marcações, selecione a mesma da lista de marcações e clique em "IR PARA MARCA". Pg 47

48 Figura Posicionar na Marcação da Audiência Para filtrar um determinado TEMA, SUB-TEMA, QUALIFICAÇÃO ou DEPOENTE, utilize os filtros posicionados logo acima das marcações. Selecione TUDO se preferir mostrar todos os itens ou uma determinada informação para que o portal mostre apenas o que foi filtrado. Figura Filtro das Marcações da Audiência Pg 48

49 Durante a reprodução da audiência, desde o início ou a partir de alguma marcação, clique em ANOTAÇÕES para abrir o bloco de notas para a transcrição manual da audiência ou qualquer outro registro relevante para ser anexado/salvo junto com a audiência. Para salvar no portal as informações digitadas, clique em SALVAR. Para salvar em outro sistema ou aplicação, basta selecionar o texto digitado e copiá-lo/recortá-lo para o outro sistema/aplicativo. Figura Transcrição/Anotações da Audiência A qualquer momento pode-se utilizar as opções de navegação do portal para voltar ao menu principal ( INÍCIO ), pesquisar uma nova audiência autorizada para acesso ( PROCURAR ) ou buscar o manual de ajuda ( AJUDA ). A opção de EXPORTAR é exclusiva do administrador do Portal. Figura Opções de Navegação no Portal Pg 49

50 3.4. Retornar à página inicial ou sair do Portal Para retornar à página inicial do Portal a qualquer momento, basta clicar no logotipo FIDELIS localizado no canto superior direito da página. Para sair do portal, basta clicar em SAIR, conforme figura abaixo: Figura Menu Sair Pg 50

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE

DIF-e - MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CONTRIBUINTE Página 1 de REVISÃO DATA VERSÃO DO HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES SISTEMA 00 1.0 Emissão inicial. Página 2 de Sumário 1. Introdução... 4 2. Modelo Conceitual... 4 3. Programa Cliente... 5 3.1 Telas de Configuração...

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

1.4.6 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO. Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS. Versão. 10-dez-12.

1.4.6 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO. Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS. Versão. 10-dez-12. PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO JUSTIÇA DO TRABALHO Assistente de Advogado Primeiro Grau ANÁLISE DE REQUISITOS Versão 1.4.6 10-dez-12 1 - Objetivo: Este documento tem como objetivo demonstrar: a) o cadastro

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16

Manual do Usuário. Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Manual do Usuário Copyright 2006 BroadNeeds 20061010-1600 Página 1 de 16 Índice INTRODUÇÃO E UTILIZAÇÕES GERAIS Funcionalidades...03 Introdução...04 Requisitos Necessários...04 Instalando o xconference...05-07

Leia mais

SIAI Despesa de Pessoal (DP) MANUAL DE INSTALAÇÃO Versão 1.0

SIAI Despesa de Pessoal (DP) MANUAL DE INSTALAÇÃO Versão 1.0 MANUAL DE INSTALAÇÃO Versão 1.0 Natal, Maio de 2013 Sumário 1. O que é o SIAI DP... 3 2. Requisitos mínimos de instalação... 4 2. Como instalar o SIAI DP Módulo Coleta... 4 3. Acessando o SIAI DP... 8

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

Acesso ao Localidade. LOCALIDADE Sistema de Cadastro Localidade. Acesso ao Sistema de Cadastro Localidade

Acesso ao Localidade. LOCALIDADE Sistema de Cadastro Localidade. Acesso ao Sistema de Cadastro Localidade Acesso ao Localidade Acesso ao O endereço do sistema é: www.saude.gov.br/localidade Quem pode acessar o Sistema de Cadastro de Localidade? Somente profissionais que foram cadastrados no CSPUWEB terão acesso

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: NDDigital n-access Versão: 4.2 Versão do Doc.: 1.1 Autor: Lucas Santini Data: 27/04/2011 Aplica-se à: NDDigital n-billing Detalhamento de Alteração do Documento Alterado

Leia mais

SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom

SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 10.ª REGIÃO DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA DIRETORIA DO SERVIÇO DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom MANUAL DO USUÁRIO JULHO DE 2005 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 09/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento)

CIUCA Manual de Operação Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Cadastro das Instituições e Comissões de Ética no Uso de Animais CIUCA Versão 2.02 (Módulos I Cadastro e II - Credenciamento) Versão 1.01 (Módulo I Cadastro)

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Certificação

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Certificação Manual do Usuário Certificação Manual do Usuário - Certificação Versão 1.0 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Certificação Versão 1.1 19 de maio de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA. Guia Rápido do PJe Para Advogados

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA. Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA Guia Rápido do PJe Para Advogados Belo Horizonte 2015 Sumário 1. Introdução 2. Requisitos mínimos 3. Cadastramento no sistema

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE

ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE 1 ATOS JUDICIAIS COLEGIADOS Módulo integrante do Sistema RUPE CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Sistemas Judiciais Informatizados (GEJUD). Atualizada em: 23/03/2015.

Leia mais

Requerimento: Digitador de Pedidos ProfarmaNet. Manual de Apoio. Preparado por: Versão: 1.0. Sumário

Requerimento: Digitador de Pedidos ProfarmaNet. Manual de Apoio. Preparado por: Versão: 1.0. Sumário Vanderlei Manual de Apoio Resumo Módulo Básico Especifico para Instalação e Usabilidade Lista de Distribuição Nome Área / Função Histórico de modificações Versão Data Descrição Responsável 13/12/2013 Versão

Leia mais

Manual de PRODUÇÃO ONLINE. Autorização e Faturamento

Manual de PRODUÇÃO ONLINE. Autorização e Faturamento Manual de PRODUÇÃO ONLINE 2 APRESENTAÇÃO A Unimed-Rio desenvolveu seu sistema de Produção Online, criado para facilitar a rotina de atendimento de seus médicos cooperados. Este sistema é composto por dois

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV)

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Versão: 2.0.6 Data: 27/6/2013 Site do IPTV 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 4 3. Instalação do Flash Media Encorder... 5 4. Procedimento

Leia mais

COMO INSTALAR O CATÁLOGO

COMO INSTALAR O CATÁLOGO Este guia tem por finalidade detalhar as etapas de instalação do catálogo e assume que o arquivo de instalação já foi baixado de nosso site. Caso não tenho sido feita a etapa anterior favor consultar o

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DOCUMENTAÇÃO: JULGAMENTO VIRTUAL 1. Visão Geral do Projeto Visando dinamizar ainda mais o julgamento dos processos de competência do Tribunal de

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Guia Rápido do PJe Para Advogados Porto Alegre 2015 SUMÁRIO Introdução... 3 Requisitos mínimos... 3 Cadastramento no sistema... 3 Visão geral

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Manual de uso PSIM Client 2010

Manual de uso PSIM Client 2010 MANUAL DE USO PSIM CLIENT VERSÃO 2010 ÍNDICE Manual de uso PSIM Client 2010 INSTALAÇÃO...2 INSTALAÇÃO LOCAL...2 INICIANDO O SISTEMA...13 UTILIZANDO O ÍCONE DA ÁREA DE TRABALHO...13 UTILIZANDO O MENU INICIAR...16

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

Guia Rápido do PJe Para Advogados

Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CORREGEDORIA-GERAL DE JUSTIÇA Guia Rápido do PJe Para Advogados Belo Horizonte 2014 Sumário 1. Introdução 2. Requisitos mínimos 3. Cadastramento no sistema

Leia mais

TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL

TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL TUTORIAL UTILIZAÇÃO DE FUNCIONALIDADES AUDITOR FISCAL VERSÃO DO SISTEMA 3.0/2015 VERSÃO DO DOCUMENTO 1.0 Índice 1. OBJETIVO GERAL... 2 2. ACESSO AO SISTEMA AUDITOR FISCAL... 3 3. SISTEMA AUDITOR FISCAL

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual do Usuário CFCWeb BA

Manual do Usuário CFCWeb BA ÍNDICE Acesso ao sistema... 2 Tela Principal... 3 Cadastro de Candidatos... 5 Agenda Teórico... 6 Agenda Prático... 7 Consulta Agendamentos do Candidato por Serviço... 9 Cadastro de Grade Horária... 10

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração Personata Recorder Manual de Instalação e Configuração Julho / 2013 1 Índice 1- Pré-requisitos......3 2 Verificação do Hardware......3 3 Instalação......5 4 Configuração Inicial......8 4.1 Localização......8

Leia mais

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DEATE Departamento de Suporte e Atendimento Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X.

Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X. Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X. Para iniciar o sistema dê um duplo clique no ícone, que se encontra na área de trabalho. 1 Login do sistema. Esta é a tela de login

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG

MALOTE DIGITAL. Autores Conselho Nacional de Justiça TRE-MG MALOTE DIGITAL Este Manual foi adaptado pela Coordenadoria da Escola dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso e DAPI Departamento de Aprimoramento da 1ª Instância Autores Conselho

Leia mais

Manual Integra S_Line

Manual Integra S_Line 1 Introdução O é uma ferramenta que permite a transmissão Eletrônica de Resultado de Exames, possibilitando aos Prestadores de Serviços (Rede Credenciada), integrarem seus sistemas com os das Operadoras

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Autoridade Certificadora Notarial CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL. Página 1 de 14

Autoridade Certificadora Notarial CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL. Página 1 de 14 Página 1 de 14 CONFIGURAÇÃO DA MÁQUINA DA AR COM WINDOWS VISTA E WINDOWS 7 AC NOTARIAL Página 2 de 14 Página 3 de 14 ECD Emissor de Certificados Digitais Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PRÉ-REQUISITOS DE

Leia mais

Faturamento Eletrônico - CASSEMS

Faturamento Eletrônico - CASSEMS 1 Conteúdo 1. Informações Iniciais... 3 1.1. Sobre o documento... 3 1.2. Organização deste Documento... 3 2. Orientações Básicas... 3 2.1. Sobre o Faturamento Digital... 3 3. Instalação do Sistema... 4

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Portal Autorizador. Plano de Saúde ArcelorMittal Tubarão e FUNSSEST GUIA RÁPIDO DO CREDENCIADO

Portal Autorizador. Plano de Saúde ArcelorMittal Tubarão e FUNSSEST GUIA RÁPIDO DO CREDENCIADO Portal Autorizador Plano de Saúde ArcelorMittal Tubarão e FUNSSEST GUIA RÁPIDO DO CREDENCIADO Apresentação Seja bem vindo ao Novo Portal Autorizador do Plano de Saúde ArcelorMittal Tubarão e FUNSSEST Guia

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Procedimentos de Configuração no CalcExpress....2 Procedimentos de Configuração no Emissor de Nota Fiscal Eletrônica...3 Gerando Arquivo

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário Shop Control 8 Pocket Guia do usuário Abril / 2007 1 Pocket O módulo Pocket permite fazer vendas dos produtos diretamente em handhelds Pocket PC, pelos vendedores externos da empresa. Os cadastros (clientes,

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

- Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus.

- Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus. - Acessar o sistema. Para acessar o sistema digite o endereço eletronico www.simpo.com.br/protocolo e clique em login na barra de menus. Ou digite www.simpo.com.br/protocolo/login.php, para ir diretamente

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.2. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.2 ExpressoMG 16/12/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry MANUAL DO USUÁRIO Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry Software de imagem via celular para sistema operacional BlackBerry Parabéns, você acaba de adquirir um produto

Leia mais

Guia do Usuário PRONAVTECH GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR

Guia do Usuário PRONAVTECH GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR GUIA DO USUÁRIO ARMAZENADOR 1 Índice INTRODUÇÃO... 3 ACESSANDO O PRONAVTECH... 4 Primeiro Acesso... 5 Demais Acessos... 6 Esqueci Minha Senha... 7 Esqueci o usuário principal... 7 ÁREA DE TRABALHO DO PRONAVTECH...

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010.

Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010. Manual do Usuário Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução deste documento,

Leia mais

CERTIDÕES UNIFICADAS

CERTIDÕES UNIFICADAS CERTIDÕES UNIFICADAS Manual de operação Perfil Cartório CERTUNI Versão 1.0.0 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Departamento de Inovação Tecnológica Divisão de Tecnologia da Informação Sumário LISTA DE FIGURAS... 2

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA Versão 05/05/2015 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA... 03 VISUALIZANDO A SOLICITAÇÃO... 05 DEMONSTRATIVO DAS VAGAS... 06 DESISTÊNCIA DA REMOÇÃO... 08 IMPRIMIR PROTOCOLO...

Leia mais

COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil.

COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. COPYRIGHT 2011 INTELECTA DISTRIBUIDORA DE TECNOLOGIA LTDA. Todos os direitos reservados. Impresso no Brasil. De acordo com as leis de Copyright, nenhuma parte desta publicação ou do software pode ser copiada,

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Instalação do SisAlu 1. Apostila de Instalação do SisAlu

Instalação do SisAlu 1. Apostila de Instalação do SisAlu Instalação do SisAlu 1 Apostila de Instalação do SisAlu 2 Instalação do SisAlu Instalação do SisAlu 3 Índice 1. Objetivo... 4 2. Instalação... 5 2.1. Kit de Instalação... 5 2.2. Requisitos do sistema...

Leia mais

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved.

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved. b 1 Conteúdo Capítulo 1... 3 Instalando o Neonews... 3 Neonews no Linux... 6 Capítulo 2... 7 Configurando o NeoNews... 7 Capítulo 3... 13 Teclas de Atalho do NeoNews Player... 13 2 Capítulo 1 Instalando

Leia mais

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB

Instalação do TOTVS ESB. Guia de Instalação do TOTVS ESB Guia de Instalação do TOTVS ESB Copyright 2011 TOTVS S.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida, traduzida ou transmitida por qualquer meio eletrônico

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

1ª ETAPA IMPRIMIR LAUDO

1ª ETAPA IMPRIMIR LAUDO PROCEDIMENTOS PARA IMPRESSÃO DOS LAUDOS DE AVALIAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA COM FOTOS EM PDF PARA USO NO SISTEMA DO PROCESSO ELETRÔNICO. Inicialmente digite seu laudo de avaliação conforme modelo padronizado

Leia mais