ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais"

Transcrição

1 ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais FEUP, Março de 2010

2 Parte III A interface dos Arquivos e Bibliotecas Digitais

3 Documentos em ĺınguas diversas Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Critérios de navegação orientada por frases sobre meta-informação extraída

4 Funções para o utilizador e componentes Documentos Diferentes suportes Meta-informação associada Métodos de acesso e recuperação, browsing, suas combinações de frases na meta-informação Selecção e organização de colecções Influência nas operações disponíveis Apresentação e independência do conteúdo Dinamismo na geração das interfaces

5 Documentos em ĺınguas diversas Documentos estruturados Transformação de livro em versão digital requer tratamento da sua estrutura Decisões: como mostrar índices, como intercalar figuras e texto Exemplo: Humanity Development Library Documentos de texto não estruturados Versão digital pode ser um texto sequencial sem marcação da estrutura Em geral, é difícil processar automaticamente colecções volumosas Para colecções heterogéneas, trabalho de verificação da versão digital é pesado Exemplo: Gutenberg Project

6 Documentos em ĺınguas diversas Imagens de páginas Captam aspecto do documento original Muito mais espaço necessário 1:20 entre aquisição do texto e sua captação como imagem Pode usar-se o reconhecimento do texto, sem verificação, para efeitos de indexação apenas (não é mostrado ao utilizador). Exemplo: School Journal Collection Imagens do texto + texto extraído Associação do texto adquirido permite pesquisa Utilizador pode comparar texto adquirido com o original Exemplo: Maori newspaper Collection

7 Documentos em ĺınguas diversas Áudio e Fotografia Áudio pode ser digitalizado Integração de áudio, texto e fotos permite acesso muito fácil a arquivo Exemplo: Oral History Collection Vídeo Pode ser visto directamente no browser Música Interessa coleccionar informação musical em diversas formas Importante a conversão entre as formas

8 Uso de ĺınguas diversas Documentos em ĺınguas diversas Interface em várias ĺınguas Pode ser sujeita a configuração Língua da interface pode diferir da dos documentos Mostrar caracteres pouco comuns Browsers suportam facilmente a apresentação de textos escritos em codificações ricas

9 Documentos e meta-informação Informação em documento é tipicamente pouco estruturada Meta-informação é tipicamente estruturada Normas Categorias de meta-informação Descrição do documento: exemplo é o registo bibliográfico História, proveniência, acções de preservação Funcional: uso, condições de acesso, audiência Técnica: informação de interoperabilidade De relacionamento: ligações e citações De conteúdo: descrição do conteúdo

10 Plano Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Catálogos de bibliotecas e arquivos pesquisa em meta-informação Nas bibliotecas e arquivos digitais -pesquisa em texto integral Objectivos no desenho das interfaces de pesquisa Tornar fácil as operações elementares e o acesso a não-especialistas Permitir interacção de forma mais avançada Unidades na pesquisa e unidades nas respostas pode incidir sobre parágrafos, documentos,... ou títulos, autores... Unidades nas respostas podem ser as da pesquisa ou mais amplas: documento em pesquisa de autor

11 Tipos de interrogação Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Booleana Pergunta combina termos com operadores em expressão Booleana Resposta tem as unidades que satisfazem logicamente a expressão por melhor aproximação Medida de similaridade entre interrogação e documento Maior flexibilidade na relação entre pergunta e resposta Medidas de semelhança Avaliar resultados: precisão e recuperação

12 Modelos de resposta a interrogações Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Medidas de semelhança Atender a medidas estatísticas sobre os textos: frequência de termos, frequência inversa de termos. Correlacionar termos de interrogação com termos nos documentos Mecanismos de ordenação Uso de peso dos termos Combinação dos pesos com base nos termos da interrogação Modelos mistos Booleano com ordenação Que modelos para colecções com milhões de documentos?

13 Redução de maiúsculas e radicalização Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Redução de maiúsculas Configurável na interface de preferências Radicalização Redução de variações morfológicas Torna mais complexa a tarefa de assinalar termos de pesquisa nos documentos da resposta

14 por frases Plano Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Natural do ponto de vista do utilizador Frases permitem compor expressões de pesquisa mais ricas e precisas Complexo do ponto de vista da implementação Soluções Indexação ao nível do documento: requer visita aos documentos da resposta Indexação ao nível da palavra: disponíveis posições das palavras no documento

15 Interfaces de interrogação Tipos de interrogação Redução de maiúsculas e radicalização por frases Interfaces de interrogação Configurações Tipo de caixas de interrogação avançada: formulário com múltiplos critérios e opções de redução de maiúsculas e radicalização

16 Critérios de navegação orientada por frases sobre meta-informação extraída versus pesquisa Actividade menos orientada e menos formal Interrogação não é central Contínuo de variantes entre a pesquisa e a navegação Estruturas de meta-informação fornecem pontos de partida

17 Critérios de navegação Critérios de navegação orientada por frases sobre meta-informação extraída Ordem alfabética Ordem cronológica Estruturas hierárquicas Classificações normalizadas (LoC, Dewey) Classificações à medida da colecção

18 orientada por frases Critérios de navegação orientada por frases sobre meta-informação extraída Hierarquia de frases extraídas automaticamente dos documentos a partir de expressão inicial até folha da hierarquia Solução escala facilmente para colecções grandes Frases-chave Redução do número de frases candidatas Geração automática ou manual

19 Critérios de navegação orientada por frases sobre meta-informação extraída sobre meta-informação extraída Construção de meta-informação é demorada Hipótese: extrair automaticamente Títulos Datas Nomes de pessoas Siglas Identificar sigla e expressão com as iniciais Construir lista de definições Linguagem Identificar padrões de letras característicos de uma ĺıngua Construir subcolecções por ĺıngua

Introdução Capítulo 1: Um Olhar sobre as Funcionalidades e Interface do Microsoft Excel

Introdução Capítulo 1: Um Olhar sobre as Funcionalidades e Interface do Microsoft Excel Introdução... 25 1. Que Usos para o Microsoft Excel?...25 2. Funcionalidades Disponibilizadas pelo Microsoft Excel...25 3. Tabelas e Gráficos Dinâmicos: As Ferramentas de Análise de Dados Desconhecidas...26

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 01 O que é multimídia? Prof. Daniel Hasse Livro - Multimídia: conceitos e aplicações Os principais conceitos da tecnologia da multimídia serão abordados

Leia mais

Manual do utilizador do WebOPAC. Sumário

Manual do utilizador do WebOPAC. Sumário Manual do utilizador do WebOPAC Sumário 1. Introdução 2.Catálogos disponíveis 3. Pesquisa 3.1. Tipos de pesquisa 3.1.1 Simples 3.1.2 Avançada 3.2. Campos de pesquisa 3.2.1 Autor 3.2.2 Título 3.2.3 Assunto

Leia mais

Linguagens Documentárias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Linguagens Documentárias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Linguagens Documentárias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Contexto Organização da Informação...... procura criar métodos e instrumentos para elaborar

Leia mais

Gestão de Base de dados Conceitos Básicos

Gestão de Base de dados Conceitos Básicos Gestão de Base de dados Conceitos Básicos Ano Letivo 2014/2015 Professora: Vanda Pereira Sumário: Introdução ao módulo 2 Gestão de Base de Dados Conceitos básicos de Gestão de Base de Dados Atividade nº1

Leia mais

II.2 - Análise de Tarefas II

II.2 - Análise de Tarefas II Melhor e Pior? II Perceber os Utilizadores e as Tarefas II.2 Análise de Tarefas II HCI, Cap. 15, Alan Dix Task-Centered UI Design, Cap. 1-2 C. Lewis and J. Rieman 2 Resumo Aula Anterior Sumário O que é

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE BIBLIOTECA ANACOM - Manual do Utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 6 Pesquisa simples... 6

Leia mais

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s Introdução Contribuição do Capítulo 2: discutir modelos de dados definir conceitos de esquemas e instâncias descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD mostrar o ambiente de programas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: OFICINA DE MULTIMÉDIA B ANO: º ANO LECTIVO 00/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Serviços de Documentação da Universidade de Lisboa - Reitoria

Serviços de Documentação da Universidade de Lisboa - Reitoria Sumário: Apresentação... 1 Definição... 3 Recursos... 3 Pesquisa Rápida no Ulisses... 4 Fig. 1 Pesquisa Rápida, Simples... 5 Fig.2 Pesquisa Rápida, Avançada... 6 Fig.3 Resultados da pesquisa rápida...

Leia mais

Pesquisar Online. A Era da Informação 13/05/2010. Pesquisar na Web. Que Informação é Esta? Estratégias de pesquisa.

Pesquisar Online. A Era da Informação 13/05/2010. Pesquisar na Web. Que Informação é Esta? Estratégias de pesquisa. A Era da Informação Universidade do Minho Passado: tínhamos falta de informação Pesquisar Online transmissão oral da Informação Escrita representação da Informação Hoje: temos excesso de informação processamento

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Restaurante/Bar. Competências

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Restaurante/Bar. Competências Agrupamento Vertical de Escolas Dr. João Lúcio Competências Conhecer o processador de texto e as possibilidades que oferece; Utilizar convenientemente as potencialidades e características dos processadores

Leia mais

Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial

Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial Orientando: Derlei Brancher Orientador: Prof. Jacques Robert Heckmann - Mestre 1. Introdução Roteiro

Leia mais

S.I. nas Organizações

S.I. nas Organizações S.I. nas Organizações A inserção de SI nas organizações obriga a definir: as actividades da organização contempladas pelo sistema. o grupo de pessoas envolvidas. Deste modo e por ordem crescente de envolvimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 Módulo 1 Folha de Cálculo Conceitos básicos o Introdução o O que podemos fazer com o Microsoft Excel o Estrutura geral de uma folha de cálculo o Iniciar o Microsoft

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO DO TUTORIAL DE NAVEGAÇÃO E PESQUISA COMO PESQUISAR? DICAS DE PESQUISA... 09

Sumário 1 APRESENTAÇÃO DO TUTORIAL DE NAVEGAÇÃO E PESQUISA COMO PESQUISAR? DICAS DE PESQUISA... 09 Sumário 1 APRESENTAÇÃO DO TUTORIAL DE NAVEGAÇÃO E PESQUISA... 3 2 COMO PESQUISAR?... 6 2.1 ÁREA DE PESQUISA DO PORTAL... 6 3 DICAS DE PESQUISA... 09 4 PESQUISA EM BASES DE DADOS ESPECÍFICA... 10 4.1 FORMULÁRIO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO...

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO... THEKA Projecto Gulbenkian de Formação de Professores para o Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares www.theka.org MÓDULO E: GESTÃO DE RECURSOS. Maria José Vitorino (2005) MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA

Leia mais

Formulários VIII Vista de estrutura

Formulários VIII Vista de estrutura Formulários VIII Vista de estrutura Permite personalizar o conjunto de controlos de um formulário Cabeçalho, Detalhe e Rodapé do formulário Controlos dependentes: reflectem directamente o conteúdo do registo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO INFORMÁTICA ANO LETIVO 01/017 Curso Vocacional do 3º Ciclo.º ANO Módulos Horas Letivos 5 Período Semanas Data 5 - Processador de texto 30 0 1.º 7 Setembro/Outubro - Apresentações

Leia mais

1 Formatos de registro

1 Formatos de registro Sumário 1 Formatos de registro bibliográficos 1.1 Introdução 1.2 Formato MARC 1.3 Formato comum de comunicação (FCC) 1.3.1 ISO 2709 1.3.1.1 Registro para FCC 1.3.1.1 Exemplos 2 Metadados 2.1a Definições

Leia mais

NP p. 12 de 23

NP p. 12 de 23 NP 4285-3 2000 p. 12 de 23 4.1.1.3.2-18 Editor literário Organismo ou pessoa responsável pela preparação para publicação de um documento, do ponto de vista do seu conteúdo intelectual. 4.1.1.3.2-19 Documento

Leia mais

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Ano Letivo 2014/2015 Professora: Vanda Pereira Criar tabelas Considerações importantes: Os nomes das tabelas deverão ter por base as entidades que representam.

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Fundamentos em Bancos de Dados Relacionais Wladmir Cardoso Brandão www.wladmirbrandao.com Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Ciências Exatas e Informática

Leia mais

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Problemas na manutenção de Software Código fonte e documentação mal elaborada. Falta de compreensão do sistema e suas funcionalidades. Muitas vezes

Leia mais

FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS

FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS Esta aplicação permite automatizar de uma forma simples e eficaz a gestão dos sócios de uma Associação ou Colectividade. Possui uma interface simples e intuitiva com um vasto

Leia mais

Conteúdo de Formação

Conteúdo de Formação Windows + Word 2003 + Excel + PowerPoint 2003 Objetivos Gerais Este curso pretende dotar os participantes dos conhecimentos e competências que lhes permitam de forma eficaz manusear grandes volumes de

Leia mais

earte Portal de Arte e Cultura

earte Portal de Arte e Cultura v 2.0 Tutorial Guia Rápido de Utilização 2008-2011 SIQuant Engenharia do Território e Sistemas de Informação, Lda. Web: www.siquant.pt E-mail: mail@siquant.pt Copyright SIQuant 2008-2011. Todos os direitos

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Relacionar processos de negócio ao conteúdo. Conectar Pessoas Conectar Empresa Conectar Conteúdo

Relacionar processos de negócio ao conteúdo. Conectar Pessoas Conectar Empresa Conectar Conteúdo Relacionar processos de negócio ao conteúdo Conectar Pessoas Conectar Empresa Conectar Conteúdo Existe uma grande dificuldade em alinhar os processos de negócio com o conteúdo estruturado e não estruturado.

Leia mais

Interacção Pessoa-Computador

Interacção Pessoa-Computador Trabalho Individual 1: Análise de Má Usabilidade no Mircosoft Paint Proposta de Melhorias. Conceitos: (1): Interacção Pessoa-Computador Interacção Pessoa-Computador: - É o estudo da interacção entre o

Leia mais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais

ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais ABD Arquivos e Bibliotecas Digitais Abril 2008 Parte VII Dublin Core Fontes dublincore.org/ http://dublincore.org/usage/documents/principles/ http://dublincore.org/documents/dc-rdf/ Objectivo do Dublin

Leia mais

Relatório consolidado

Relatório consolidado Problema 1: Tipos de letra adoptados Relatório consolidado P1 Ao longo de todos os menu são utilizados vários tipos de letras em que algumas contem serifas o que dificulta a leitura. H2-4 Consistência

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Domine o Word Professor: Rafael Henriques

Domine o Word Professor: Rafael Henriques Domine o Word 2010 Professor: 1 08-03-2016 Rafael Henriques Sumário Introdução aos Processadores de texto; Microsoft Word 2010 O ambiente de trabalho O Friso Os Tabuladores do Word 2010; Realização e correcção

Leia mais

Câmara 3D. Projectos 2000/2001

Câmara 3D. Projectos 2000/2001 Câmara 3D O projecto consiste na utilização e processamento de imagens adquiridas por um sistema que regista os dados de um veículo móvel e já desenvolvido no DEE. O sistema foi desenvolvido para armazenar

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação para Bibliotecas

Sistemas de Informação para Bibliotecas Sistemas de Informação para Bibliotecas Notas de Apoio ao Tópico 1 As TIC e as Bibliotecas Henrique S. Mamede 1 A Jornada Que necessitam os profissionais da informação e documentação saber sobre TIC? 2

Leia mais

PORTUGUÊS: Assid. Mín [h] INGLÊS: Assid. Mín [h]

PORTUGUÊS: Assid. Mín [h] INGLÊS: Assid. Mín [h] PORTUGUÊS: Módulo 1.1.: Textos de Carácter Autobiográfico 30 27,0 Módulo 1.2.: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos 24 22,0 Módulo 1.3.: Textos dos Media I 24 22,0 Módulo 1.4.: Textos Narrativos

Leia mais

Descrição de Funcionalidades

Descrição de Funcionalidades Descrição de Funcionalidades Registo de documentos externos e internos O registo de documentos (externos, internos ou saídas) pode ser efectuado de uma forma célere, através do preenchimento de um número

Leia mais

Sistema Automatizado de Identificação de Impressão Digital

Sistema Automatizado de Identificação de Impressão Digital Sistema Automatizado de Identificação de Impressão Digital Objetivos Gerais: Visa disponibilizar um sistema automatizado de identificação de impressões digitais, garantindo absoluta unicidade da identificação

Leia mais

CURSOS DE INFORMÁTICA.

CURSOS DE INFORMÁTICA. CURSOS DE INFORMÁTICA E S P A Ç O I N T E R N E T www.carregal-digital.pt W I N D O W S I N T E R N E T W O R D E X C E L P O W E R P O I N T A C C E S S D C B E C D L F I C H A D E I N S C R I Ç Ã O Dados

Leia mais

Sistemas de informação para empresas

Sistemas de informação para empresas Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas inovação e desafios tecnológicos desenvolvimentos e prospectiva a redifinição do conceito de negócio síntese do potencial da implementação

Leia mais

UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues

UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues UFCD 0793 Scripts CGI e Folhas de Estilo Formadora: Sónia Rodrigues 0793 Scripts CGI e folhas de estilo Objectivos da UFCD: Desenvolver páginas para a Web, através de scripts CGI e folhas de estilo. UFCD

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

Computação e Programação. MEMec - LEAN 1º Semestre

Computação e Programação. MEMec - LEAN 1º Semestre Computação e Programação MEMec - LEAN 1º Semestre 2010-2011 Instituto Superior Técnico, Dep. de Engenharia Mecânica - ACCAII Objectivos de CP Pretende-se promover o desenvolvimento de, Competências que

Leia mais

Ensino Básico 1º Ciclo Informática no Ensino

Ensino Básico 1º Ciclo Informática no Ensino UTAD Departamento de Engenharias Ensino Básico 1º Ciclo Informática no Ensino 1º semestre 2005/2006 Equipa Docente Manuel Cabral Reis (mcabral@utad.pt Tel. 259 350 374) Salviano Soares (salblues@utad.pt

Leia mais

Introdução 20 Diagramas de fluxos de dados 20 O processo de elaboração de DFD 22 Regras práticas para a elaboração de DFD 24 Dicionário de dados 26

Introdução 20 Diagramas de fluxos de dados 20 O processo de elaboração de DFD 22 Regras práticas para a elaboração de DFD 24 Dicionário de dados 26 ÍNDICE MÓDULO 1 ANÁLISE DE SISTEMAS 9 1.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 10 Sistema conceito e exemplos 10 Dados e informação 11 Sistema de informação conceito e componentes 12 Sistema de informação e sistemas

Leia mais

PROTÓTIPO PARA SUMARIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE TEXTOS ESCRITOS EM LÍNGUA PORTUGUESA ALEXANDRE BUSARELLO JOYCE MARTINS

PROTÓTIPO PARA SUMARIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE TEXTOS ESCRITOS EM LÍNGUA PORTUGUESA ALEXANDRE BUSARELLO JOYCE MARTINS PROTÓTIPO PARA SUMARIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE TEXTOS ESCRITOS EM LÍNGUA PORTUGUESA ALEXANDRE BUSARELLO JOYCE MARTINS Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Especificação Implementação Operacionalidade

Leia mais

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO Programa da Disciplina Multimídia conceitos, comunicação homemmáquina. Autoria produção de diversos tipos de aplicativos multimídia, examinando-se as alternativas

Leia mais

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão

Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Geração de Gráficos SVG através de PHP Rui Carneiro, Rui Pereira, Tiago Orfão Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto. {ei04073,ei04077,ei03102}@fe.up.pt

Leia mais

Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód Horas/Aula

Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód Horas/Aula Plano de Aula - Word 2013 Avançado - cód. 5885-24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 -Introdução aos Recursos Avançados do Word 2013 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 -Introdução aos Recursos Avançados do Word

Leia mais

Introdução... 1 I FUNCIONALIDADES BÁSICAS... 3

Introdução... 1 I FUNCIONALIDADES BÁSICAS... 3 Índice Introdução... 1 I FUNCIONALIDADES BÁSICAS... 3 1. Ambiente de Trabalho... 5 1.1 Botão Office... 6 1.1.1 Opções do Excel... 8 1.2 Friso... 9 1.3 Barra de Acesso Rápido... 12 1.4 Operações com Livros

Leia mais

1 Introdução 1.1. Indexação, Recuperação e Segmentação de Vídeo

1 Introdução 1.1. Indexação, Recuperação e Segmentação de Vídeo 1 Introdução 1.1. Indexação, Recuperação e Segmentação de Vídeo Os acervos volumosos de vídeo estão se popularizando motivados pelo avanço das tecnologias de captura, armazenamento e compressão de vídeo

Leia mais

Biblioteca Escolar. Como pesquisar na internet

Biblioteca Escolar. Como pesquisar na internet Biblioteca Escolar Como pesquisar na internet Antes de haver Internet, as grandes concentrações de informação encontravam-se quase em exclusivo nos livros, revistas e publicações em geral, que, por razões

Leia mais

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães.

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães. Data Warehouse ETL Rodrigo Leite Durães rodrigo_l_d@yahoo.com.br Introdução Um dos desafios da implantação de um DW é a integração dos dados de fontes heterogêneas e complexas, padronizando informações,

Leia mais

Desafios para os profissionais da informação. Alexandra Lourenço

Desafios para os profissionais da informação. Alexandra Lourenço Desafios para os profissionais da informação Alexandra Lourenço web archive porquê? Processo de recolha e armazenamento de dados disponibilizados na World Wide Web, garantindo a sua preservação e disponibilização

Leia mais

Contexto. Motivação. variabilidade. variabilidade

Contexto. Motivação. variabilidade. variabilidade Representação de Variabilidades em Componentes de Negócio no Contexto da Engenharia de Domínio Regiane Oliveira Ana Paula Blois Aline Vasconcelos Claudia Werner Roteiro Contexto Motivação Variabilidade

Leia mais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais 1 Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais Ana Maria Doimo Ernesto F. L. Amaral 21 de setembro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Banco Mundial. Monitorização e Avaliação: algumas

Leia mais

IBM SPSS DATA COLLECTION

IBM SPSS DATA COLLECTION IBM SPSS DATA COLLECTION VERSÃO 6.0 IBM e SPSS são marcas registadas da IBM Corporation A PSE Produtos e Serviços de Estatística, Lda distribui esta informação na qualidade de parceiro de negócio IBM.

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Fábio Amado João Maio 33306

Fábio Amado João Maio 33306 Fábio Amado 33637 João Maio 33306 Universidade de Aveiro Especificação, Modelação e Projecto de Sistemas Embutidos 21-11-2009 1. UML - o que é? 2. A Natureza dos Sistemas Embutidos 1. Heterogeneidade 2.

Leia mais

PROVAS DE RECUPERAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS - SET 2016

PROVAS DE RECUPERAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS - SET 2016 CALENDÁRIO: DIA HORA SALA PROVA Página 1 de 5 SETEMBRO 2016 Dia Hora Duração das provas 6 3.ª Feira 09:30 14:30 16:30 Data e hora das provas de 7 4.ª Feira 09:30 14:30 -------- 50 ou 100 min recuperação

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS / Planificação anual. 1º Ano de escolaridade. 1º Período

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS / Planificação anual. 1º Ano de escolaridade. 1º Período PROGRAMÁTICOS / Planificação anual 1º Ano de escolaridade 1º Período DISCIPLINA: Língua Portuguesa Compreensão do oral; Entoação e ritmo; Campo semântico, campo lexical; Instruções, indicações; Informação

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ÁREAS CURRICULARES DISCIPLINARES

PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ÁREAS CURRICULARES DISCIPLINARES PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ÁREAS CURRICULARES DISCIPLINARES Disciplina Área AIE Ano de esc. CEF-INFO 2.0 Operação com processadores de texto Identificar e executar as funções e as técnicas necessárias à elaboração

Leia mais

Capítulo III Processamento de Imagem

Capítulo III Processamento de Imagem Capítulo III Processamento de Imagem Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Manipulação ponto a ponto 2. Filtros espaciais 3. Extracção de estruturas geométricas

Leia mais

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES

9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9.º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES 9º CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS CONCLUSÕES O 9º Congresso Nacional de Bibliotecários,

Leia mais

Pesquisa e Tratamento de Informação

Pesquisa e Tratamento de Informação Pesquisa e Tratamento de Informação Objectivos da cadeira estudar o relacionamento entre indivíduos e os media interactivos usar as tecnologias de hipertexto e hipermedia a favor do profissional, na empresa

Leia mais

Luciana Danielli BIREME: centro latino-americano e do caribe de informação em ciências da saúde. convênio OPAS/MS/MEC 1967

Luciana Danielli BIREME: centro latino-americano e do caribe de informação em ciências da saúde. convênio OPAS/MS/MEC 1967 Acesso às Fontes de Informação em Saúde através da Web - Portal da BIREME Luciana Danielli ldanielli@icict.fiocruz.br BIREME: centro latino-americano e do caribe de informação em ciências da saúde BIREME

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais

Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais A plataforma electrónica CIS 2008 Inovação na recolha e tratamento de dados estatísticos oficiais A plataforma electrónica CIS 2008 Daniel

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

O Fundo Fotográfico da Casa Havanesa: Contributos para a Historiografia Local

O Fundo Fotográfico da Casa Havanesa: Contributos para a Historiografia Local O Fundo Fotográfico da Casa Havanesa: Contributos para a Historiografia Local Encontro Internacional de Arquivos Évora, 3 de outubro de 2014 Guida Cândido Ana Domingues O Arquivo Fotográfico Municipal

Leia mais

Verificação de Tipo. Unions. Verificação de tipo estática. Verificação de tipo dinâmica

Verificação de Tipo. Unions. Verificação de tipo estática. Verificação de tipo dinâmica Verificação de Tipo Atividade que certifica que os operandos de um operador são de tipos compatíveis. São considerados operadores e operandos: operadores usuais (aritméticos, relacionais, etc) subprogramas

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

Sistemas de PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Sistemas de PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Organização do Conhecimento PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Sistemas de Organização do Conhecimento tem como principal p objetivo...... a

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS OPTATIVAS NO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS CURITIBA

PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS OPTATIVAS NO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS CURITIBA PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação PROJETO DE INCLUSÃO DE DISCIPLINAS

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL DO ISEL

BIBLIOTECA CENTRAL DO ISEL BIBLIOTECA CENTRAL DO ISEL Relatório de Actividades 2004 BIBLIOTECA CENTRAL ISEL A Biblioteca Central do ISEL deu continuidade ao seu projecto de gestão documental e tratamento técnico dos seus fundos

Leia mais

Definição da tarefa Descobrir, hierarquizar, objectivar, determinar, esquematizar, calendarizar

Definição da tarefa Descobrir, hierarquizar, objectivar, determinar, esquematizar, calendarizar Escola Secundária de Avelar Brotero Modelo de Literacia da Informação BIBLIOTECA ESCOLAR/Mod elo de Literacia da Informação: MLI_00_bibabrotero_ capa BIBLIOTECA ESCOLAR/Modelo de Literacia da Informação:

Leia mais

CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS

CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS CAPÍTULO 5 LINGUAGEM LEGAL E EXTENSÕES PROPOSTAS Os operadores de manipulação de campos geográficos implementados neste trabalho tiveram como ambiente de desenvolvimento a Linguagem Espacial para Geoprocessamento

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

bases de dados de artigos científicos bases de dados de artigos científicos

bases de dados de artigos científicos bases de dados de artigos científicos pesquisa de revistas / artigos científicos o que é? A «Web of Science» é a designação comum que é dada a um conjunto de de referências compiladas pelo ISI (Institute for Scientific Information), também

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação 5ano-INF Célio B. sengo Ano Lectivo 2013 Conceitos básicos de sistemas Definição e características de um sistema Tipos de Sistemas Conceitos Relacionados a Sistemas Elementos de

Leia mais

UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA. Objectivos

UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA. Objectivos UNIDADE 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MULTIMÉDIA Objectivos 1 2 Objectivos Caracterizar os diferentes tipos de media existentes Definir o conceito de multimédia Diferenciar o conceito de multimédia Diferenciar

Leia mais

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS

NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS NORMAS PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS A APRESENTAR NAS II JORNADAS DE EQUITAÇÃO COM FINS TERAPÊUTICOS Data prevista do evento: 19 e 20 de Maio de 2012 Data de entrega dos trabalhos: 29 de Fevereiro de 2012

Leia mais

Tutorial de Pesquisa

Tutorial de Pesquisa Coordenação de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Desenvolvimento de Pessoas Escola Municipal de Saúde Núcleo de Documentação Tutorial de Pesquisa BVS SMS SP Secretaria Municipal de Saúde de São

Leia mais

pesquisa de informação científica 1. fontes de informação

pesquisa de informação científica 1. fontes de informação 1.1. Tipologia 1.1. Tipologia Podemos identificar três tipos de informação de carácter científico: Informação primária artigos científicos, teses, relatórios Informação secundária livros e artigos de revisão

Leia mais

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis Modelo Geral de Comunicação Modelo em camadas As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis A maioria das redes são organizadas como uma série

Leia mais

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo

Novidades no EPC GM. Navegação gráfica. Navegação comum para cada veículo Novidades no EPC GM O GM Next Gen EPC possui inúmeras funcionalidades novas concebidas para tornar a localização da peça certa mais rápida e fácil. Para obter instruções mais detalhadas sobre cada funcionalidade,

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h

ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h CONSTRUÇÃO ONLINE DE QUESTIONÁRIOS 21 e 28 Maio - 9h às 16h ANÁLISE CRÍTICA, ESCRITA E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INVESTIGAÇÃO 4 e 11 Junho - 9h às 16h A ESCRITA DA ESCRITA CIENTÍFICA 18 e 25 Junho -

Leia mais

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h

QUESTIONÁRIO: ADAPTAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO 9 Julho - 9h às 13h e 14h às 18h INICIAÇÃO AO SPSS 9, 16 e 23 Abril - 9h às 12h e 13h às 16h INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS QUALITATIVOS 30 Abril - 9h às 13h e 14h às 18h ANÁLISE DE DADOS MULTIVARIADA 7 e 14 Maio - 9h às 13h e 14h às 18h CONSTRUÇÃO

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: INFORMÁTICA DISCIPLINA: PSI CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS;

Leia mais

ZOTERO Maria do Rosário Duarte Novembro 2016

ZOTERO Maria do Rosário Duarte Novembro 2016 ZOTERO Maria do Rosário Duarte Novembro 2016 No final, deverá ser capaz de Instalar o programa Definir preferências, Importar referências, documentos ou páginas Integrá-lo com os processadores de texto

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 CRIAR, ABRIR E GUARDAR DOCUMENTOS... 6 EDIÇÃO DE DOCUMENTOS... 7 FORMATAÇÃO DE TEXTO Manual de Word INTRODUÇÃO...

O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 CRIAR, ABRIR E GUARDAR DOCUMENTOS... 6 EDIÇÃO DE DOCUMENTOS... 7 FORMATAÇÃO DE TEXTO Manual de Word INTRODUÇÃO... INTRODUÇÃO... 2 Noção de processador de texto... 2 O AMBIENTE DE TRABALHO... 2 Área de trabalho... 3 Barra de menus... 3 Barras de ferramentas... 4 Réguas... 5 Botões de visualização... 5 Barra de estados...

Leia mais

Guião Exploração do portal INE Divisões Territoriais

Guião Exploração do portal INE Divisões Territoriais Introdução Guião Exploração do portal INE Divisões Territoriais O portal do Instituto Nacional de Estatística (INE) tem disponível um conjunto de recursos para o apoio aos trabalhos de Geografia, nomeadamente

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais