Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA CIDADE DE SÃO PAULO (COMAS-SP). 1

2 1. ANTECEDENTES Com o advento da Constituição Federal de 1988 e o conseqüente fortalecimento da Assistência Social como política de Seguridade Social e, portanto, como um direito do cidadão, e a promulgação da Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, a discussão sobre a formulação e implementação de um sistema público descentralizado culminou na atual Política Nacional de Assistência Social - PNAS, com a previsão da sua gestão por meio do SUAS Sistema Único de Assistência Social, sistema que já conta com a sua própria Norma Operacional Básica NOB/SUAS. Em consonância com a cláusula X, a Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único de Assistência Social NOB-RH/SUAS consolida os principais eixos estruturantes a serem considerados na área da assistência social com vistas ao cadastro nacional de todos os atores da rede socioassistencial. Nessa perspectiva a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, pretende contratar através do Acordo de Cooperação com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, Projeto BRA/03/015, instituição especializada em Tecnologia de Informação para implementação de Sistema de Gestão das Entidades Sociais do Conselho Municipal de Assistência Social da Cidade de São Paulo COMAS De acordo com o Artigo 2º da Resolução COMAS nº 323/2008 Considera-se entidade e organização de assistência social, para os fins desta resolução, a pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, que atue no sistema de proteção social, prioritariamente aos que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social e pelo Parágrafo Único Nesta resolução, a entidade ou organização de assistência social será denominada simplesmente entidade. Esta contratação terá como interveniente, no tocante à parte técnica, a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo PRODAM-SP que é uma empresa que apóia a prefeitura na elaboração das políticas de informação e de informática da Cidade oferecendo serviços nas áreas de Tecnologia da Informação e de Comunicação, viabilizando um atendimento de qualidade à população e contribuindo para o desenvolvimento social e econômico. 2. OBJETIVO GERAL Contratar empresa para desenvolvimento e implantação de sistema informatizado para a área social que, deverá ser operacionalizado em plataforma Microsoft, utilizando tecnologia de Sistema Gerenciado de Banco de Dados SQL Server 2005, linguagens C#, Dot Net 2008, produzindo artefatos conforme estabelecidos na MDSI Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração. O sistema a ser desenvolvido deverá abranger todos os processos de gestão e monitoramento do cadastro das entidades no Conselho Municipal de Assistência Social COMAS/SP, na forma e condições estabelecidas no presente Termo. 2

3 3. OBJETIVO ESPECÍFICO E ESCOPO DO TRABALHO O trabalho deverá seguir os conceitos básicos da terminologia utilizada: Instituição Pessoa Jurídica candidata à inscrição no COMAS. A Instituição será caracterizada pelas seguintes informações básicas:.código identificador.número de inscrição.cnpj.razão Social.Endereço completo.distrito.site.. s..telefones/fax.contatos.data de atualização do cadastro.número, data e atualização da certificação de SMADS.Número, data e atualização do CMDCA Processo Registro de todas as etapas de tramitação desde a inscrição até a finalização do processo de obtenção e renovação das certificações no COMAS. O Processo será caracterizado pelas seguintes informações básicas:.código identificador da Instituição (CNPJ).Etapa do processo.data de atualização do processo.número do processo.situação.encaminhamentos.pendências.tramitação.despachos.responsável.prazos.observações Certificados Lista de todas as Instituições com os seus respectivos certificados/renovações e publicação do Diário Oficial da Cidade de São Paulo. O certificado será caracterizado pelas seguintes informações básicas:.código identificador da Instituição.Código da espécie de solicitação do certificado.data de concessão do certificado.data de publicação do DOC 3

4 .Número e ano da inscrição.validade Áreas de atuação Registro das áreas de atuação:.código da área.descrição Segmentos atendidos Registro dos segmentos:.código do segmento.descrição Etapas de tramitação do Processo Registro das etapas.código da etapa.descrição Situação do Processo Registro da situação.código da situação.descrição Espécie de solicitação do certificado Registro da espécie de solicitação.código da solicitação.descrição Instituição Perfil - Áreas de atuação Registro do perfil das Instituições:.Identificação da Instituição.Código da área de atuação Instituição Perfil - Segmentos atendidos Registro do perfil das Instituições:.Identificação da Instituição.Código do segmento Responsáveis pela Tramitação Registro dos responsáveis pela tramitação dos processos.código do responsável.nome.instituição.cargo.área/depto.telefones e s 4

5 Usuários do Sistema.Código do usuário (login).cpf.nome.instituição.cargo.área/depto.telefones e s.senha 4. SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS Desenvolver Sistema de Gestão das Entidades Sociais do Conselho Municipal de Assistência Social da Cidade de São Paulo COMAS. O Sistema deverá tratar todas as informações da Entidade, das tramitações dos processos, dos pareceres e despachos, das certificações, pendências, renovações, indeferimentos, publicação das resoluções etc. No sistema de gestão das Entidades Sociais do COMAS deverão constar os seguintes módulos: Entidades Inscritas Cadastro das entidades, documentações exigidas pelo COMAS entregues pelas Instituições, número do protocolo emitido pelo sistema e entregue a entidade; Pareceres Armazenar pareceres de técnicos e despachos de representantes do COMAS, controlar prazo dos pareceres, despachos, plenária; Pendências Registrar as pendências, emitir avisos; Publicações das resoluções Armazenar as publicações das resoluções de COMAS; Certificações Emitir as certificações; Renovações Emitir relatórios de aviso das renovações, registrar solicitações de renovação, cancelamento, etc. Os logins serão determinados em função dos privilégios dos usuários do sistema a ser definido pelo Administrador do Sistema. O Sistema deverá possibilitar a criação de grupos de usuários com a configuração de permissões de acesso a todo o seu conteúdo. O Sistema deverá possibilitar o gerenciamento e administração de segurança de acesso a todos os seus módulos e conteúdo, inclusive com a possibilidade de configuração de acesso somente a leitura. O Sistema deverá ser capaz de montar dinamicamente menus de acordo com o perfil do usuário, de forma que não sejam exibidos os módulos que ele não esteja 5

6 autorizado. O sistema deverá possuir a trilha de auditoria de todos os registros atualizados/excluídos em qualquer tabela do banco de dados. O design das páginas e os objetos nelas contidas deverão ser sugeridos pela CONTRATADA e aprovada pela Contratante. A Contratante fornecerá apenas os logotipos necessários. O Sistema será acessado pelos usuários e administradores através de páginas de Internet e Intranet. O Sistema deverá possuir interface totalmente em língua portuguesa. O Sistema deverá ser desenvolvido nas instalações da CONTRATADA e posteriormente hospedado no ambiente da PRODAM-SP. 5. PLATAFORMAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Sistemas Operacionais: Windows XP, Windows Vista, Windows 7, Windows Server (Todos obrigatórios). Módulo Servidor: IIS 5.0 ou superior, MS COM+ (Todos obrigatórios). Sistema Gerenciador de BD: SQL Server 2005, no mínimo (Obrigatório). Linguagens C# (Obrigatória), Transact SQL (Obrigatória), HTML (Obrigatória), ASP 3.0 (Obrigatória). Ferramentas de apoio: MS Office Professional (Obrigatório), Crystal Reports 7.0 (Obrigatório), Microsoft Reporting Services (Obrigatório), Visual Source Safe-V.6.0 (Obrigatório), Enterprise Architect (EA) V.7.5 (Obrigatório), Microsoft Visual Studio 2003 (Obrigatório), Microsoft Visual Studio 6.0 (Obrigatório), ERwin 4.0 (Obrigatório). Gerenciadores de Fila: Microsoft BizTalk Server 2006 (Opcional), Websphere MQ Series 6 (Opcional). 6. AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO E HOMOLOGAÇÃO 6.1. AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO A CONTRATADA deverá manter o ambiente de desenvolvimento e testes compatíveis com o ambiente tecnológico da PRODAM-SP. Os serviços deverão ser desenvolvidos nas instalações da CONTRATADA, que deverá providenciar às suas expensas, a infra-estrutura de hardware, software e conexões física e lógica necessárias para sua execução. A infra-estrutura necessária para o início dos serviços deverá estar disponível no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados após a assinatura do contrato. Os equipamentos e licenças de software dos mesmos, deverão ser de responsabilidade da CONTRATADA. 6

7 Os softwares de apoio utilizados pela CONTRATADA para auxiliar no desenvolvimento/manutenção dos serviços em todas as fases deverão ser conhecidos e aprovados previamente pela CONTRATANTE, através do responsável técnico do contrato. É de responsabilidade exclusiva da CONTRATADA a aquisição dos softwares de apoio, não havendo qualquer responsabilidade reversa a CONTRATANTE ou INTERVENIENTE concernente à titularidade dos direitos de propriedade, inclusive os direitos autorais e outros direitos de propriedade intelectual sobre os programas. Se durante a vigência do Contrato ocorrer atualização ou troca de versão dos softwares por superior no ambiente de PLATAFORMA BAIXA, a CONTRATADA deverá adaptar-se à mudança, às suas expensas, sem custos adicionais para a CONTRATANTE. Requerimentos específicos de infraestrutura de hardware e software feitos pela CONTRATANTE, para execuções do desenvolvimento dos serviços, quando for o caso, estarão explicitados nos documentos de repasse do serviço a ser adquirido. No caso de haver necessidade de acesso ao ambiente de sistemas da PRODAM-SP para o desenvolvimento do serviço, esta será analisada e tratada pelo responsável do contrato de acordo com as normas de segurança e acesso existentes na PRODAM- SP AMBIENTE DE HOMOLOGAÇÃO Os ambientes de Homologação da PLATAFORMA BAIXA são ambientes de transição que devem ser implantados até que os ambientes de Suporte/Manutenção ou Produção estejam disponíveis. Estes ambientes deverão ser definidos e disponibilizados pela CONTRATANTE. 7. ASPECTOS METODOLÓGICOS E TECNOLOGICOS 7.1. Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas A Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP possui metodologias para o desenvolvimento e gerenciamento de sistemas de informação, compatíveis com métodos consagrados por padrões de direito ou de mercado, e aderentes aos paradigmas de desenvolvimento de software, como Análise Orientada a Objeto e Análise Estruturada. A metodologia de gestão apresentada pela CONTRATADA deverá prever atividades nas áreas de gerenciamento propostas pela PROJECTA Metodologia de Gerenciamento de Projetos da PRODAM-SP baseada no PMBOK do PMI Project Management Institute. A descrição dos artefatos de gestão mínimos exigidos encontrase neste Termo. A metodologia de desenvolvimento de sistemas apresentada pela CONTRATADA deverá estar em conformidade com a MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração, baseada no UP Unified Process. A MDSI prevê a entrega de 7

8 artefatos considerados partes integrantes dos produtos gerados pela CONTRATADA. A descrição da MDSI encontra-se neste Termo. Na MDSI o desenvolvimento de sistemas é planejado em ciclos iterativos e incrementais. De uma perspectiva de gerenciamento, o desenvolvimento do software é dividido e organizado em uma sucessão de iterações de acordo com os objetivos específicos de cada projeto. A critério da CONTRATANTE, para cada projeto a ser executado poderá haver adaptações de artefatos (em relação a diagramas, modelos, documentos, etc.) e adaptações de processos (em função do tamanho do projeto, tecnologias e abordagens utilizadas). A CONTRATANTE terá ampla liberdade em alterar os processos, padrões, arquiteturas, técnicas, ferramentas e melhores práticas por ela adotada, cabendo à CONTRATADA efetuar os ajustes necessários, sem ônus para a CONTRATANTE, no sentido de se adequar às mudanças. Cabe à CONTRATADA adequar suas tecnologias, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias correntes, a partir da comunicação formal pela CONTRATANTE ANÁLISE DE PONTOS DE FUNÇÃO Os serviços serão medidos em Pontos de Função. A contagem de pontos de função será realizada conforme a metodologia descrita no Manual de Práticas e Contagens (Counting Pratices Manual) Versão 4.2 em 2005 ou superior, publicado pelo IFPUG (International Function Point Users Group). A mensuração dos serviços em Pontos de Função está descrita no Item 4.1. Os serviços serão executados em conformidade com a MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração. O ciclo de desenvolvimento de sistemas da MDSI é composto de sete disciplinas: 1) Visão do Negócio, 2) Análise e Especificação de Requisitos, 3) Projeto da Solução, 4) Implementação, 5) Testes, 6) Homologação, 7) Implantação PADRÕES DE ARQUITETURA Objetivando a preservação do conhecimento e a manutenção e evolução futura, os sistemas produzidos pela CONTRATADA deverão ser implementados de acordo com as metodologias, padrões, arquiteturas, artefatos reusáveis e melhores práticas previamente estipulados pela CONTRATANTE, a fim de assegurar a qualificação dos mesmos. A CONTRATADA deverá utilizar padrões, artefatos reusáveis, frameworks formando uma arquitetura integrada de tecnologias visando à reutilização. Estes padrões de arquitetura passarão pela validação da PRODAM-SP e SMADS. Caso os padrões de Arquitetura apresentados pela CONTRATADA não sejam aprovados pela CONTRATANTE, a CONTRATADA deverá efetuar a correção em um prazo de até 10 (dez) dias úteis a partir da solicitação da CONTRATANTE. 8

9 7.4. PADRÕES DE ACESSIBILIDADE A CONTRATADA deverá aplicar padrões internacionais de acessibilidade em todas as aplicações desenvolvidas, ou seja, usar os princípios de acessibilidade digital do W3C- WCAG (World Wide Web Consortium - Web Content Acsessibility Guidelines), que demonstra como aplicar o conceito de "acessibilidade digital" e "Universal Design". A CONTRATADA deve estar ciente da amplitude do conceito de acessibilidade de sistemas desktop, websites, ambientes arquitetônicos, etc. e que produtos e serviços públicos devem contemplar o conceito de "acesso para todos", isto é, tanto servidores públicos, cidadãos em geral, fornecedores, clientes e gestores devem ter acesso a todos os produtos e serviços e utilizá-los com satisfação, a priori, independentemente de ser uma pessoa com deficiência ou não. A CONTRATADA deve apresentar relatório de acessibilidade feito por meio do software avaliador ASES (sem erros de prioridades 1 e 2, pelo menos) que demonstre seu conhecimento e habilidades na geração de produtos web acessíveis inclusive para pessoas com deficiência. Até a data desta publicação, o ASES é o software gratuito baseado no e_mag - Modelo de Acessibilidade do Governo Eletrônico Federal (disponível em utilizado pela CONTRATANTE para avaliações automáticas METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS A CONTRATANTE solicitará à CONTRATADA artefatos para o acompanhamento e gestão dos projetos contratados, sendo minimamente exigidos os seguintes artefatos: Plano do Projeto - Composto por Planejamento de Escopo, Tempo, Qualidade, Custos, Riscos, Recursos Humanos, Comunicação, Integração e Contratações; Status Report Semanal e Cronograma atualizado semanal; Plano de Treinamento - O plano de Treinamento deve contemplar, no mínimo, um Manual do Usuário, mesmo que implementado através do help on-line. Conforme a complexidade do produto, a critério da CONTRATANTE também podem ser solicitados: Manual de Instalação, Notas de Release, Material de Treinamento (apresentações, cursos etc.); Relatório de Conclusão de Projeto - Ao final de cada Projeto a CONTRATADA deverá apresentar o Relatório de Conclusão de Projeto contendo as seguintes seções: Termo de aceitação do Aplicativo; Termo de encerramento do projeto (incluindo as lições aprendidas); Lista de artefatos da documentação do projeto; Release Notes atualizadas até a data. Aceite da CONTRATANTE - composto por: Termo de Aceite; 9

10 Artefatos entregues ou relatório de evidências de evoluções do projeto; Status Report; Relatório de Inspeção METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS A MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração orienta como executar os processos de desenvolvimento e manutenção de sistemas, com base em práticas consagradas pelo mercado de Tecnologia da Informação. As principais características são: Suporta o desenvolvimento e manutenção de sistemas e programas utilizando as técnicas de Análise Estruturada e Análise Orientada a Objetos com UML (Unified Modeling Language); Aplicações em ambiente multi-plataforma como mainframe, cliente-servidor, baixa plataforma, web, multicamadas, sistemas integrados e sistemas distribuídos; Baseada no UP - Unified Process e adaptável a diferentes tipos e tamanhos de projetos; Contempla ciclos de vida iterativo e incremental; Aderente aos conceitos de Normas e Modelos de Melhores Práticas como: PMI/PMBOK (Project Management Body of Knowedge), CMMI (Capability Maturity Model Integration), ISO/IEC 12207, ISO/IEC 9126, ITIL (Information Technology Infrastructure Library); Utiliza a Análise de Pontos de Função (APF) para cálculo de métricas de sistemas; 7.7. DISCIPLINAS E ARTEFATOS DA MDSI A MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração contempla sete disciplinas: Visão do Negócio Compreende a análise da solicitação do cliente, identificação das necessidades; modelagem do processo de negócio, definição de escopo, requisitos de negócios, metas e riscos do projeto. Avaliação de recursos, custos e prazos estimados envolvidos. Avaliação do ambiente tecnológico e recursos de infraestrutura necessários. Análise e Especificação de Requisitos Compreende atividades de levantamento, análise, definição e especificação de requisitos funcionais, não funcionais, regras de negócios, casos de uso e protótipos de telas/relatórios, etc., realizando análise detalhada da solicitação. Projeto da Solução Compreende o desenvolvimento de projeto lógico e físico. Envolve atividades de modelagem de dados, modelagem de classes, definição da arquitetura do software e especificação completa e detalhada de telas, funções, procedures, dados, controles e inter-relacionamentos entre sistemas e serviços a serem implementados. Envolve também a elaboração dos planos de testes, a criação das bases de dados e rotinas de operação. 10

11 Implementação Compreende as atividades necessárias para a codificação do sistema e execução de testes unitários no ambiente de desenvolvimento. O principal produto desta disciplina será o sistema ou programas ou módulos ou componentes codificados, contemplando o Projeto Físico da Aplicação (PFAP). Devem ser obedecidos os frameworks e padrões de codificação fornecidos pela PRODAM-SP. Testes de Qualidade Compreende a execução de testes integrados ou seja testar o sistema como um todo e suas interfaces com outros sistemas, em ambiente de homologação. Podem ser solicitados, de acordo com o escopo de cada projeto, diferentes tipos de testes como testes de funcionalidade, interface, desempenho, stress, segurança, usabilidade, acessibilidade etc. Homologação Envolve o aceite da solução pela CONTRATANTE. É nesta etapa que o sistema é aprovado formalmente e pronto para ser movido para ambiente de produção. Implantação Compreende a transferência dos produtos do ambiente de homologação para o ambiente de produção, liberando o sistema para utilização pelo cliente. Envolve o acompanhamento do processo de implantação em ambiente de produção, e as ações corretivas durante o período de garantia de forma a garantir a eficácia do seu funcionamento, além da transferência de conhecimento. A tabela abaixo mostra as disciplinas da MDSI e os artefatos gerados por disciplina: Disciplinas Visão do Negócio Análise e Especificação de Requisitos Projeto da Solução Implementação Testes de Qualidade Artefatos Documento de Visão de Negócio Fluxo do Processo de Negócio Glossário SARI - Solicitação de Recursos de Infraestrutura Especificação de Requisitos Especificação de Casos de Uso Protótipos DAS Documento de Arquitetura de Software MER Modelo de Dados Dicionário de Dados PFBD Projeto Físico de Banco de Dados Especificação de Fábrica ou Realização de Caso de Uso (Plataforma Baixa) Definição de Programa (Mainframe) e Rotinas de Operação (Mainframe) Plano de Testes PFAP Projeto Físico da Aplicação Casos de Testes Evidencias de Testes Relatório de Testes 11

12 Homologação Implantação Disciplinas de Apoio Ambiente e Infraestrutura Documentação Gestão do Projeto (Artefatos da Metodologia Projecta) Cálculo de Pontos de Função Gestão da Configuração Termo de Aceite Manual de Implantação Manual de Produção Manual do Usuário Plano de Implantação Artefatos Ambientes tecnológicos de desenvolvimento, homologação e produção Pasta de documentação do Projeto Plano do Projeto Plano de Treinamento Relatórios de Conclusão do Projeto Status Report Cronograma atualizado, entre outros. Planilha APF Cálculo de Pontos de Função Releases Considerações: Os templates e manuais relacionados ao processo de desenvolvimento estão na versão integral da MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração e disponíveis aos interessados; Os templates e manuais relacionados ao processo de gestão de projetos estão na versão integral da Projecta Metodologia de Gerenciamento de Projetos e disponíveis aos interessados; A critério da CONTRATANTE, os artefatos exigidos poderão ser adaptados de acordo com necessidades especificas de cada projeto. Os artefatos gerados nos projetos deverão estar armazenados e organizados em pasta de documentação conforme sugerida abaixo: 7.8. DESCRIÇÃO DO CONTEÚDO DOS ARTEFATOS DA MDSI A tabela abaixo descreve o conteúdo dos artefatos, classificados por disciplinas e disponíveis na MDSI - Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas e Integração: 12

13 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo Visão do Negócio Visão do Negócio Visão do Negócio Visão do Negócio Visão do Negócio Glossário Fluxo do Processo de Negócio SARI - Solicitação de Avaliação de Recursos de Infra-Estrutura Permite conhecer dados importantes dos negócios, apresentar características e necessidades, capturar os objetivos do projeto, apresentando o que se deseja e qual a finalidade do projeto a ser desenvolvido, ou seja, o conjunto de metas e objetivos. Contém o contexto do negócio, visão, objetivos do negócio, requisitos do negócio em alto nível, projeto de solução, riscos e cronogramas. Declaração de fora de escopo, com as exclusões identificadas. Através deste documento, os envolvidos têm uma visão do produto a ser desenvolvido. As informações contidas no documento Visão são utilizadas para o processo de aprovação do projeto, permitindo identificar questionamentos relacionados ao projeto e atuando como um regulador para que futuras decisões possam ser validadas. Contem o Diagrama de Contexto: representa o ambiente em que está inserido o sistema, modelando a interface (fronteira) do sistema com o mundo externo, ou seja, o contexto do sistema, definindo os atores/entidades que estão ao redor do mesmo. Documento contendo a descrição dos acrônimos, termos e abreviações que necessitem ser documentados e detalhados com o objetivo de criar uma linguagem comum do projeto a todos os envolvidos. Este documento inicia na fase de Visão e vai sendo complementado durante todo o processo de desenvolvimento. O fluxo do processo de negócio representa a modelagem do processo operacional de negócio do cliente. A modelagem do processo é feita através de fluxogramas, diagramas de atividades, BPM (Business Process Modeling) ou diagramas similares. Documento destinado à Gerência de Infra- Estrutura da PRODAM-SP. Descreve sucintamente informações e recursos de infraestrutura necessários no projeto como: storage, telecom, sistemas operacionais, processos de contingência, procedimentos de desaster/recovery, sistema de acesso e segurança, volumetria, componentes, entre outros. Obs.: Documento interno da PRODAM-SP a 13

14 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo ser preenchido com informações fornecidas pela CONTRATADA Análise e Especificação de Requisitos Análise e Especificação de Requisitos Análise e Especificação de Requisitos Análise e Especificação de Requisitos Projeto da Solução Requisitos do Projeto Protótipos Diagrama de Caso de Uso de Negócio Especificação de Casos de Uso DAS - Documento de Arquitetura de O documento Requisitos do Projeto captura em detalhe todos os requisitos de sistema incluindo os requisitos funcionais, os requisitos não funcionais e regras de negócios. Entre os requisitos não funcionais estão incluídos: Requisitos legais, de regulamentação, e padrões de aplicativo. Atributos de qualidade do sistema a ser criado, incluindo requisitos de usabilidade, confiabilidade, e desempenho. Requisitos do Usuário associados a alternativas de implementação do sistema. Definição de requisitos de segurança e contingência específicos de segurança física e lógica, e plano de contingência de sistemas a ser implementado. Outros requisitos, como sistemas operacionais e ambientes, requisitos de compatibilidade e restrições de design que irão compor a base tecnológica do sistema. Representação de interfaces do usuário, telas, relatórios, mapas, etc. O Diagrama de Caso de Uso de Negócio define o que deve acontecer no negócio quando ele é realizado; ele descreve o desempenho de uma seqüência de ações que produz um resultado de valor a um determinado ator de negócios. Um processo de negócios gera valor para o negócio ou minimiza os custos para o negócio. O caso de uso descreve o que o ator faz e o que o sistema faz em resposta. Deve ser elaborado como um diálogo entre o ator e o sistema. Descrito por meio de um fluxo principal, fluxos alternativos e fluxos de exceção. Seu objetivo é modelar os requisitos funcionais delimitados pelo documento de visão e escopo. Ele é a principal ferramenta para que todos os stackeholders, técnicos e não técnicos possam compartilhar uma visão do sistema. O DAS tem o propósito de apresentar uma visão geral abrangente da arquitetura do sistema, utilizando uma série de visões 14

15 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo Software arquiteturais diferentes para ilustrar os diversos aspectos do sistema como visão lógica, visão de processos, visão de implementação e visão de implantação. Captura e transmite as decisões significativas do ponto de vista da arquitetura que foram tomadas em relação ao sistema. Também tem o propósito de apresentar as informações referentes às tecnologias, padrões, frameworks e modelos de referencia adotados no projeto, bem como algumas diretrizes gerais sobre os mesmos. Os diagramas que podem ser representados são: - Diagrama de classes conceituais; - Diagrama de Pacotes; - Diagrama de Componentes; - Diagrama de Implantação. No caso da plataforma mainframe outros tipos de diagramas podem ser representados neste documento como: diagramas de fluxo de dados, diagrama hierárquico de funções, ou similares Projeto da Solução Projeto da Solução Projeto da Solução Projeto da Solução MER - Modelo Entidade Relacionamento Dicionário de Dados PFBD - Projeto Físico de Banco de Dados Especificação de Fábrica ou Realização de Caso de Uso Representação lógica das informações da área de negócios em um modelo baseado em entidades, seus atributos e nos relacionamentos entre essas entidades. O Erwin é a ferramenta de modelagem adotada. O Dicionário de Dados documenta a estrutura lógica criada para o banco de dados. Descreve as estruturas (entidade, atributo, relacionamento, consistências) e suas características, tais como: domínio de valores possíveis, regras de negócio e tipo de dado do atributo. Este documento complementa o MER. Representação física das informações, projetada a partir do modelo de dados, visando à implementação de uma base de dados eficiente que garanta aspectos de segurança e performance. A análise considera o gerenciador de banco de dados a ser utilizado, volume de dados e acessos à base Este documento serve como complemento técnico da Especificação de Caso de Uso e serve tanto para projetos novos, quanto para manutenções de sistemas. O objetivo deste documento é descrever uma (Plataforma 15

16 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo Baixa) especificação técnica para a implementação das funcionalidades, e contem: informações sobre o ambiente de desenvolvimento (linguagens, componentes, endereços de acesso); regras de negócios, interfaces do usuário; informações sobre os Banco de Dados; Diagramas (classes, seqüência, atividades), Roteiro de Testes Projeto da Solução Implementação 16 Testes 17 Testes 18 Testes 19 Homologação 20 Homologação Definição de Programa (Plataforma Mainframe) Plano de Testes PFA - Projeto Físico da Aplicação Casos de Testes Evidencias de testes Relatório de testes Manual do Usuário Manual de Implantação Descrição das ações que o programa deve contemplar, tais como consistências lógicas e físicas, cálculos, regras de negócios, etc. Usado normalmente para definição de programas em mainframe. Neste artefato é realizada a definição das metas e dos objetivos dos testes no escopo da iteração (ou projeto), os itens-alvo, a abordagem adotada, os recursos necessários e os produtos que serão liberados. Na fase de implementação o projeto da solução é realizado. Engloba toda a construção de procedures de banco de dados, componentes, objetos de negócio, interfaces, etc. Contempla coleções de componentes e subsistemas. Em componentes incluem-se os produtos liberados (como executáveis), modelos de implementação (diagramas de componentes e de classes de implementação), arquivos-fonte, binários, executáveis e outros. Artefato derivado a partir dos Casos de Uso. Consistem na definição de um conjunto específico de entrada de testes, condições de execução e resultados esperados. Este artefato identifica evidencias de execução de testes de sucesso e erros identificados O Relatório de Testes é gerado para marcar o encerramento das atividades do Plano de Testes. Manual, documentos, helps on line, apresentações, que permitam ao usuário realizar consultas para entender como utilizar o sistema, ou mesmo sanar dúvidas que possam surgir. Descreve como instalar o sistema em Produção nas diversas plataformas tecnológicas existentes nos clientes 16

17 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo 21 Homologação Manual de Descreve os procedimentos operacionais no Produção ambiente de produção Fluxo contendo a seqüência, a ordem em que Rotina de os programas e utilitários (Backup, Recovery, Homologação operação Sorts) devem ser executados dentro de uma 22 (Plataforma (Plataforma rotina do sistema, no ambiente de Mainframe) Mainframe) desenvolvimento e produção. Usado em geral no ambiente mainframe. As entregas parciais ou finais deverão ter um aceite formal do cliente. O aceite será feito no formulário padrão: Termo de Aceite. Os motivos da não aceitação de uma entrega devem ser documentados no mesmo 23 Homologação Termo de Aceite formulário, onde serão feitas referencias aos motivos do não aceite ou das ressalvas, bem como as ações corretivas recomendadas. As entregas serão verificadas de acordo com os critérios de aceitação definidos no Plano de Escopo do Projeto e do Plano de Qualidade do Projeto. As verificações serão realizadas nos processos de inspeção e de marcos do 24 Implantação Plano de Implantação projeto e ao final do projeto Descreve todas as atividades executadas na implantação do produto para o cliente. As atividades incluem planejamento, teste, preparação de itens a serem liberados, empacotamento, envio, instalação, treinamento e suporte. 17

18 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo 25 Gestão do Projeto Artefatos da PROJECTA Metodologia de Gestão de Projetos Prodam 26 Reuniões Ata de reuniões *V. artefatos da Metodologia PROJECTA em: portalprodam/corporativo/documentos_norm ativos/metodologia Os artefatos mínimos de Gestão de Projetos exigidos são: a) Plano do Projeto - Composto por Planejamento de Escopo, Tempo, Qualidade, Custos, Riscos, Recursos Humanos, Comunicação, Integração e Contratações. b) Status Report Semanal e Cronograma atualizado semanal c) Plano de Treinamento - O plano de Treinamento deve contemplar, no mínimo, um Manual do Usuário, mesmo que implementado através do help on-line. Conforme a complexidade do produto, a critério da PRODAM-SP também podem ser solicitados: Manual de Instalação, Notas de Release, Material de Treinamento (apresentações, cursos etc.). d) Relatório de Conclusão de Projeto - Ao final de cada Projeto a CONTRATADA deverá apresentar o Relatório de Conclusão de Projeto contendo as seguintes seções: Termo de aceitação do Aplicativo; Termo de encerramento do projeto (incluindo as lições aprendidas); Lista de artefatos da documentação do projeto; Release Notes atualizadas até a data. e) Aceite da Prodam - composto por: Termo de Aceite; Artefatos entregues ou relatório de evidências de evoluções do projeto; Status Report; Relatório de Inspeção. Documento destinado para registro de reuniões 18

19 MDSI ARTEFATOS Id Disciplina Artefato Conteúdo 27 APF - Análise de Pontos de Função Planilha de Análise de Pontos de Função Planilha para contagem do tamanho do sistema, através de Pontos de Função. O processo de cálculo de Pontos de Função está contido no Function Point Counting Practices Manual (CPM) publicado e comercializado pelo IFPUG ( International Function Point Users Group. O Cálculo de Ponto de Função pode ser estimado, quando feito no inicio do projeto, desenvolvimento ou melhoria quando feito no final do projeto da solução e de aplicação depois da implantação. 8. RELATÓRIOS E PRODUTOS Quando da apresentação da proposta, a CONTRATADA deverá propor um Plano de Trabalho que servirá como base para a execução do contrato e deverão ser detalhados os produtos e os conteúdos relativos aos estudos contratados (incluindo todas as etapas e produtos) considerando o atendimento de todos os aspectos requeridos neste Termo de Referência. A CONTRATADA deverá apresentar os produtos intermediários e finais em Relatórios de Andamento que facilitem a avaliação dos trabalhos. A inclusão destes produtos no Plano de Ação ajustado será decidida pela Coordenação dos estudos (Grupo de Gestão e Acompanhamento dos Trabalhos). Após os ajustes acordados entre o referido Grupo, descrito no item 6, e a CONTRATADA, esta deverá apresentar um Plano de Ação Ajustado. O estudo deverá gerar, no mínimo, os seguintes produtos: Produto 1 Relatório contendo as especificações do sistema resultante do levantamento efetuado junto aos usuários; Produto 2 Desenho do modelo conceitual do sistema segundo especificação aprovada e estabelecida no produto anterior; Produto 3 Apresentação dos desenhos/esboços das telas de interação entre o sistema e o usuário para aprovação; Produto 4 Apresentação dos desenhos/esboços de relatórios que serão emitidos pelo sistema para aprovação; Produto 5 Instalação do sistema para testes e ajustes; Produto 6 Capacitação dos usuários do sistema; Produto 7 Entrega do sistema em produção. Deve-se em todos os produtos ser apresentado relatórios de acessibilidade feito por meio do software avaliador ASES (sem erros de prioridades 1 e 2, pelo menos) que demonstre seu conhecimento e habilidades na geração de produtos web acessíveis inclusive para pessoas com deficiência. 19

20 A versão final de cada produto deverá incorporar comentários. Os produtos poderão estar contidos em Relatórios de Andamento para facilitar a avaliação dos trabalhos. 9. REQUISITOS TÉCNICOS Possuir interface em padrão Web (compatível com Internet Explorer 7.0 ou superior e Firefox versão 3.5 ou superior); Utilizar TCP/IP como protocolo básico de comunicações entre as suas diversas camadas; Ser desenvolvido e codificado para ambiente operacional de 64 bits e 32 bits; Tratar o retorno de informações de consultas efetuadas pelos usuários através do controle e paginação dos dados, evitando o tráfego de grandes volumes de dados do servidor para a estação cliente em único pedido de leitura; Garantir a integridade das informações (desfazer transações incompletas); Suportar multiprocessamento; Apresentar funcionalidade de trabalhar com cluster, compatível com Microsoft Cluste Server; Possuir funcionalidade que permita o balanceamento de carga entre servidores de aplicação; Possuir facilidades que permitam tolerância às falhas; Possuir arquitetura mínima em três camadas (apresentação, lógica de negócio e persistência), onde os elementos de uma aplicação esteja nitidamente separados nestas camadas de dados; Suportar o processamento em três camadas especializadas e individuais de processamento: apresentação (somente processos de interface de usuário), aplicação (somente processos on-line, de impressão, de consulta, e/ou batch para processamento e, camada de Banco de dados - onde somente processos de inserção, atualização ou deleção devem ser processados no Banco de dados); 10. GRUPO DE GESTÃO E ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS O acompanhamento e a avaliação dos trabalhos serão realizados por um Grupo de Gestão e Acompanhamento dos Trabalhos composto por representantes da SMADS Coordenadoria de Gestão Administrativa CGA, Coordenadoria do Observatório de Política Social COPS, Coordenadoria Geral de Assistência Social COGEAS, Coordenadoria de Gestão de Pessoas CGP, representantes do Conselho Municipal de Assistência Social COMAS e representantes da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo PRODAM-SP. O Grupo de Gestão e Acompanhamento dos Trabalhos deverá assegurar a adequada implementação do sistema fornecendo permanentemente orientação, monitoramento dos resultados e aprovando os produtos que deverão ser apresentados em formato de 20

21 relatórios (parciais e final). As aprovações formais dos produtos e as comunicações com a Contratada serão feitas por consenso entre Grupo de Gestão e Acompanhamento dos Trabalhos. Haverão Gestores do Contrato na SMADS, para acompanhamento da parte técnica e para processos administrativos/financeiros, especialmente designados para essas atividades, responsáveis por emitir as autorizações, receber e encaminhar os documentos e atividades técnicas, e autorizar os pagamentos correspondentes. 11. PRAZOS ESTIMATIVOS DE EXECUÇÃO As atividades deverão ser agrupadas em módulos e executadas em um prazo total de 08 (oito) meses, contados a partir da assinatura do contrato, devendo ser anexada à Proposta Técnica um cronograma estipulando início e término de execução de cada módulo e seus produtos resultantes. 12. REQUISITOS É imprescindível que a licitante possua experiência na prestação de serviços técnicos especializados no desenvolvimento de pesquisa e modelagem e desenvolvimento organizacional relacionada com o poder público comprovada por meio de apresentação de Atestado. A licitante será pontuado pelo nível de maturidade de software CMMI certificado ou MPS.Br certificado. A comprovação será feita mediante a apresentação de cópia autenticada do certificado/declaração, vigente, emitida pela SEI ou seu representante no Brasil para CMMI ou cópia autenticada do certificado/declaração, vigente, emitida pela SOFTEX para MPs.Br, CMMI Nível 3 ou MPS.Br C/D/E, no mínimo. Conforme previsto no Anexo III Critério de Avaliação, subitem 3.1, Fator 1 Verificação e Comprovação da Qualificação e Experiência da Licitante. Para fins de avaliação, a Licitante deverá apresentar currículo resumido do Coordenador Geral e de até 03 (três) profissionais que farão parte da equipe que irá realizar os produtos descritos neste Termo de Referência (conforme modelo proposto). Durante a realização dos trabalhos, o coordenador-geral ou qualquer um dos integrantes da Equipe poderão ser substituídos por profissionais de experiência equivalente ou superior (formação acadêmica e experiência profissional), desde que tal substituição seja aprovada previamente pela SMADS. 21

22 13. PROPOSTA TÉCNICA Na proposta técnica não deverá constar qualquer referência relativa aos preços ou custos das propostas. A licitante deverá apresentar em sua Proposta a abordagem técnica, a metodologia que será aplicada e respectivo plano de trabalho para desenvolver e implantar o Cadastro Municipal das Organizações Sociais no COMAS da Cidade de São Paulo, contendo ainda: Identificação Edital N. - Projeto BRA 03/015 Proposta Técnica Nome da Licitante CNPJ endereço, telefone/fax, nome e cargo do representante legal. Apresentação da Licitante Apresentação do portfólio da Licitante, em no máximo três páginas, onde deverá também ser descrito sua infra-estrutura no que se refere a equipamentos de informática - hardware e software (configuração, programas e versões) e de equipamentos de comunicação (linhas telefônicas, fax etc.), mencionando ainda a situação de eventuais contratos firmados com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD. Detalhamento da Proposta A licitante deverá apresentar em sua Proposta a descrição dos Produtos a serem realizados, a metodologia de trabalho que será aplicada para desenvolver e implantar o Cadastro Municipal das Organizações Sociais no COMAS da Cidade de São Paulo, detalhando procedimentos para coleta de dados e da logística de aplicação dos instrumentos. Informar o número de profissionais que irá compor cada equipe e suas respectivas funções e atribuições, bem como demais informações que se fizerem necessárias. Relação dos insumos de responsabilidade da Contratada. Anexos Anexar os atestados de experiência da licitante e os Currículos dos profissionais, conforme Modelo de Curriculum Vitae. 22

23 MODELO DE CURRICULUM VITAE Nome Informações pessoais Formação Acadêmica Especialização, Mestrado, Doutorado e Certificação Experiências profissionais Nome completo sem abreviações Endereço completo: Telefone fixo e celular: Área: Título: Nome da Instituição: Ano de conclusão da graduação: Área: Titulação: Nome da Instituição: Ano Pós-Graduação: Instituição: Atividades: Período: 14. PROPOSTA COMERCIAL Neste documento deverão constar única e exclusivamente informações de natureza financeira. Quaisquer registros sobre fatos ou elementos relativos a aspectos técnicos serão considerados apenas referenciais e não poderão, sob qualquer hipótese, tratarse de inclusão de esclarecimentos adicionais, modificações ou complementações relativas à Proposta Técnica. A licitante deverá apresentar Cronograma Financeiro compatível com o Termo de Referência, planilha de preços, discriminando detalhadamente o valor de todas as etapas que compõem cada produto, os custos relacionados à preparação de materiais, entre outros que se fizerem necessários, bem como, taxas, impostos, trabalhistas e previdenciários e outras obrigações tributárias resultantes deste Contrato. 15. OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA A CONTRATADA deverá: Iniciar a execução do objeto contratado a partir da assinatura do contrato pelas partes; Executar os serviços de acordo com Termo de Referência e a Proposta de Trabalho; 23

24 Cumprir todas as orientações da CONTRATANTE, para o fiel desempenho das atividades específicas; Prestar todos os esclarecimentos solicitados pela CONTRATANTE; Arcar com todos os encargos sociais e trabalhistas, previstos na legislação vigente, e de quaisquer outros em decorrência da sua condição de empregadora, no que diz respeito aos seus empregados; Responsabilizar-se por quaisquer acidentes de que venham ser vítimas os seus empregados em serviço, cumprindo todas as suas obrigações quanto às leis trabalhistas e previdenciárias e lhes assegurando as demais exigências para o exercício das atividades; Indicar um preposto a quem a SMADS ou outro agente público, quando se fizer necessário, se reportará de forma ágil, bem como organizar e coordenar os serviços sob responsabilidade da CONTRATADA; Comunicar a CONTRATANTE toda e qualquer irregularidade ocorrida ou observada; Ter, necessariamente, contato com os integrantes do Grupo de Trabalho que dispõe sobre a execução deste termo de referência, bem como do material a ser subsidiado; Realizar entrevistas, caso seja necessário com coordenadores e /ou técnicos da SMADS a fim de obtenção de insumos para o desenvolvimento do projeto; A Contratada deverá assegurar a qualidade da aplicação da metodologia de levantamento e pesquisa ao longo de toda a execução, nas condições deste Termo de Referência e da Proposta Técnica e Comercial; O Coordenador Geral será o responsável por receber e fornecer informações necessárias à SMADS, sobre o andamento dos Produtos que serão realizados; Quaisquer subsídios que não constem neste edital, serão de responsabilidade da CONTRATADA; Em nenhuma hipótese, as informações prestadas por SMADS à CONTRATADA poderão ser divulgadas, cedidas, utilizadas, reproduzidas para outras finalidades que não aquelas necessárias para a concretização dos produtos contemplados neste Termo de Referência; Manter sob rigoroso controle e sigilo todos os dados, as informações e documentos, responsabilizando-se por sua adequada guarda e transporte; 24

25 Responder pelas contratações e subcontratações, arcar com todos os encargos sociais/trabalhistas e impostos, previstos na legislação vigente, e de quaisquer outros custos em decorrência da sua condição de empregadora, no que diz respeito aos seus empregados; Participar de reuniões de planejamento, execução, avaliação, monitoramento e validações das atividades, junto a CONTRATANTE; A Contratada fica obrigada a aceitar, nas mesmas condições contratadas, acréscimos ou supressões que se fizerem necessários no objeto, a critério exclusivo da CONTRATANTE, até o limite de 20% (vinte por cento) no montante do contrato; Apresentar, conforme Cronograma Financeiro e no padrão definido em comum acordo com a SMADS, os materiais e documentos referentes aos Produtos que serão elaborados; Todos os produtos gerados por meio de relatórios e documentos deverão ser entregues impressos e em mídia eletrônica (CD-ROM) editável; Refazer, sem ônus, os produtos e relatórios quando não se apresentarem dentro dos padrões definidos ou manutenções corretivas, no prazo máximo de 48 horas. A CONTRATADA deverá realizar, durante o período de garantia, sem qualquer ônus adicional a CONTRATANTE, correções de eventuais erros detectados; Deve haver provisão permanente de suporte técnico aos usuários do sistema informatizado durante a vigência do contrato e durante mais 06 (seis) meses após o seu término, para garantir o bom desempenho do sistema e, prestar os serviços de suporte e atualização de versões caso constatadas eventuais falhas no Sistema. O suporte técnico deverá ser fornecido pessoalmente ou através de número de telefone local ou gratuito, o horário de atendimento deverá ser de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriado, das 8h às 18hs. Os chamados técnicos devem gerar número de protocolo para registro e acompanhamento dos mesmos. Os chamados deverão ser classificados por prioridades e obedecer aos prazos de atendimento, as de Alta Prioridade deverão ter a resolução do problema em no máximo 8 (oito) horas corridas, as Média Prioridade deverão ter a resolução em no máximo 24 (vinte e quatro) horas corridas, e as de Baixa Prioridade deverão ter a resolução do problema em no máximo 3 (três) dias úteis. É de responsabilidade da CONTRATADA a implementação de reparos, correções de problemas e falhas (bugs) no Sistema. Estas atividades de correções não serão caracterizados em serviços de consultorias e deverá ocorrer sem ônus para a CONTRATANTE. As janelas de manutenção necessárias a correção de falhas e atualizações de software deverão ser acordadas previamente com a CONTRATANTE e INTERVENIENTE, com antecedência mínima de 2 (dois) dias úteis e, poderá por necessidade da CONTRATANTE e INTERVENIENTE ocorrer em horário noturno. 25

26 A CONTRATADA deverá arcar com todas as despesas relacionadas às passagens aéreas, hospedagem e diárias de viagem que se fizerem necessárias para reuniões de trabalhos e viabilização da presença de membros da equipe que estejam fora da cidade de São Paulo. A CONTRATADA obriga-se a fornecer para a CONTRATANTE toda documentação técnica de desenvolvimento de sistema, a saber: processos, regras de negócios, regra de requisitos, padrões de layout, diagrama de fluxo de dados, scripts de criação dos objetos de banco de dados e uso dos protocolos de comunicação. A CONTRATADA deverá realizar junto a CONTRANTE e INTERVENIENTE, reuniões técnicas para transferência da tecnologia e providenciar a elucidação de dúvidas que existirem na documentação técnica fornecida. A CONTRATADA obriga-se a fornecer para a CONTRATANTE e INTERVENIENTE as especificações e detalhamentos do software. Toda atualização de versão do sistema deverá ser realizada a partir do códigos fontes do sistema que deverão ser entregues a CONTRATANTE, em meio digital, livres de quaisquer tipos de criptografia. Toda e qualquer alteração efetuada nos software deverão obrigatoriamente ser atualizadas, pela CONTRATADA, nas documentações técnicas e, entregues a CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá fornecer manual de instalação a CONTRATANTE, impressa e em modo eletrônico (CD_ROM). O manual de instalação, fornecida pela CONTRATADA, mais os códigos fontes a CONTRATANTE, deverá permitir que a INTERVENIENTE realize todas as instalações sem o auxilio da CONTRATADA, sendo que qualquer instalação e toda atualização deverá ser previamente homologada e aceita pela CONTRATANTE. Todos os produtos realizados pela CONTRATADA, a solução serão de propriedade da CONTRATANTE, bem como todas as informações, dados, relatórios, pareceres, rotinas e programas. No tocante a parte técnica, são obrigações da CONTRATADA: Organizar e gerenciar a equipe do projeto; Gerenciar comunicações e riscos do projeto; Gerenciar o escopo e prazos do projeto; Planejar e acompanhar os serviços/produtos no prazo acordado, atendendo o escopo definido e com qualidade; Atuar em todas as fases dos projetos e/ou tarefas, avaliando o seu desenvolvimento e promovendo ações que assegurem o cumprimento dos resultados contratados; Repassar todas as informações técnicas necessárias à Gerência de Mudanças da CONTRATANTE; Garantir a eficácia do aplicativo desenvolvido; Garantir nos prazos contratados a entrega dos produtos, em meio eletrônico, que possam ser lidos nas plataformas usadas pela CONTRATANTE; Negociar com a CONTRATANTE possíveis reajustes de natureza técnica; 26

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento BRA 03/015 TERMO DE REFERÊNCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA CIDADE DE SÃO PAULO (COMAS-SP). 1. ANTECEDENTES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido

2.2 - Prestação de Serviços de Suporte Técnico Assistido Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 010/2011 1 DO OBJETO 1.1 - Contratação de empresa para o fornecimento de licenças de uso de software SAP, BusinessObjects Enterprise - BOE, com manutenção

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS

Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Processo Nº 25545/2014 RESPOSTAS A QUESTIONAMENTOS Brasília/DF, 18 de junho de 2014. Objeto Consultoria para desenvolvimento de metodologias e sistemáticas de inteligência para acompanhamento das famílias

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA Outubro de 2013 1 1 OBJETO Prestação de Serviço de Manutenção da licença

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 016/2008 Anexo II 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de suporte técnico assistido

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE

CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE CONSULTA AO MERCADO RFP REQUEST FOR PROPOSAL ÍNDICE 1. Introdução 2. Objetivo 3. Termos e Condições 3.1 Publicidade 3.2 Responsabilidades 4. Cronograma e Contato 4.1 Cronograma 4.2 Contato 5. Entrega da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação.

TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional. Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. TERMO DE REFERÊNCIA No XXX Contrato por Produto - Nacional 1. Função no Projeto: Elaboração de Plano de Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. 2. Nosso Número BRA/12/010 3. Antecedentes A missão

Leia mais

Módulo Imobiliária. Proposta comercial

Módulo Imobiliária. Proposta comercial Módulo Imobiliária Proposta comercial Data: 24/10/2012 Página 1/6 Índice 1 Apresentação... 3 2 O Projeto... 3 3 Desenvolvimento do projeto... 4 4 Âmbito de intervenção do cliente... 4 5 Compromissos da

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO - PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 002/11/SMADS/CGP Telefone (061) 3038 9300 Fax (061) 3038 9009 Internet: registry@undp.org.br

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO

Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO Instruções para preenchimento do formulário de CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO As instruções a seguir orientam a elaboração de propostas de Cursos de Aperfeiçoamento para aprovação e registro no Sistema de Informações

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor Software FarmaInfor 1.Gerenciamento 2.Iniciação 3.Elaboração 4. Desenvolvimento 5.Trenferência 6. Finalização 6.1 Assinatura 1.1 Montar Equipe 2.1 Levantar Requisitos 3.1 Definir Módulos 4.1 Codificar

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Gestão de contratos de Fábrica de Software. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Gestão de contratos de Fábrica de Software Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Agenda Diretriz (Método Ágil); Objeto de contratação; Volume de serviços estimado; Plataformas de Desenvolvimento;

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ. PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91.

Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ. PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91. Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91.515 TERMO DE REFERÊNCIA N º 037/2010 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EXECUÇÃO DOS

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300.

Termo de Referência. (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução s de armazenamento (Storage) do ambiente de Migração, composta pelo do subsistema de disco IBM DS8300. Termo de Referência Expansão da solução de armazenamento do

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2724 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2724 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 11/10/2013-15:26:51 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2724 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR

TERMO DE REFERÊNCIA - TR TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 014/2009 ANEXO II 1. OBJETO 1.1. Prestação de serviços de suporte técnico assistido ao PRODERJ, sob demanda, para o desenvolvimento e implantação de soluções

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A

Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A Esperança_TI S.A S/A Contrato de Serviço (SLA) Para Hipermercados Extra Por Esperança_TI S.A 25/11/2014 Gerador do documento: Gerente de Negociação: Marcos Alves de Oliveira Marcos Antônio de Morais Aprovação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA 2012. INFORMAÇÕES GERAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Coordenação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL TERMO DE REFERÊNCIA

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL TERMO DE REFERÊNCIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL TERMO DE REFERÊNCIA 1. REFERÊNCIA Acordo Brasil/Unesco 914 BRZ 1127, Apoio à implementação do Plano de Metas Compromisso Todos

Leia mais

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROJETO BÁSICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ACADÊMICOS NA ÁREA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA COMPOR O PROGRAMA DE EFICIÊNCIA

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Nº 02430/2008

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Nº 02430/2008 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD CONCORRÊNCIA PÚBLICA INTERNACIONAL Contratação de empresa especializada em tecnologia da informação para o desenvolvimento de Sistema Nacional de

Leia mais

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA ANEXO III DO EDITAL FAO 001/2008 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. FATOR DESEMPENHO A nota técnica deste quesito será atribuída à licitante que possuir melhor desempenho na prestação de serviços

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013

CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONTRATO DE CONCESSÃO [ ]/2013 EDITAL DE CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL [ ]/2013 CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA DESENVOLVIMENTO, IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E GERENCIAMENTO DA SOLUÇÃO GRP DO MUNICÍPIO

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa.

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. Termo de Referência Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. CGAD/COAR - Gerenciamento de Impressão Plataforma Baixa / RQ DSAO nº xxx/2009 1/8 Termo de Referência Aquisição

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Edital CESAR.EDU N 02/2011

Edital CESAR.EDU N 02/2011 C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE SOFTWARE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Recomendação MEC/CAPES N o. 234_6/2006/CTC/CAPES

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO TOR/FNDE/DTI/MEC

Leia mais

Termo de Referência. Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos

Termo de Referência. Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos Termo de Referência Prestação de Serviços de Treinamento na área de Gerenciamento de Projetos Maio/2012 Índice 1. OBJETO... 3 2. ESCOPO... 3 3. PRAZO... 7 4. LOCAL DE TREINAMENTO... 7 5. HORÁRIO DE TREINAMENTO...

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01)

PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC Nº 001/2010 ANEXO II 1 PROPOSTA TÉCNICA/PLANILHA DE AVALIAÇÃO (com Alteração 01) I - Atestados, certidões e comprovantes I.1 Todos os documentos, atestados e certificados deverão

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO III MODELO DE CONTRATO

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO III MODELO DE CONTRATO CONVITE Nº 01/2012 ANEXO III MODELO DE CONTRATO CONTRATANTE : Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Senac - Administração Nacional ENDEREÇO : Av. Ayrton Senna, 5.555 TEL.: (21) 2136-5799 BAIRRO

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições:

Contrato de Adesão. As partes, acima qualificadas, têm entre si justas e acordadas as seguintes cláusulas e condições: A Contratada Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações, sediada na Rodovia Campinas/Mogi-Mirim (SP-340), Km 118,5, em Campinas SP, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 02.641.663/0001-10

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão...

Contrato Comercial. Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce. Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... Contrato Comercial Objetivo: Setup - Plataforma de E-commerce Cliente... : Aos cuidados de... : Data de Emissão... : Emitido por: 0 Contrato Comercial Pelo presente instrumento, firma-se o acordo comercial

Leia mais

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional.

ambientais e sociedade em geral dos municípios, e entre estes e a realidade da gestão ambiental local e regional. TR Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE PESSOA JURÍDICA PARA CRIAÇÃO E PRODUÇÃO DE VÍDEO INSTITUCIONAL EDUCATIVO SOBRE OS CONCEITOS, A LEGISLAÇÃO, OS PROCEDIMENTOS E AS METODOLOGIAS

Leia mais

Proposta de Especificação do Software. Codificar Sistemas Tecnológicos. Site Institucional GRUPO POLYMAC-DINOX. Autor: Equipe Codificar

Proposta de Especificação do Software. Codificar Sistemas Tecnológicos. Site Institucional GRUPO POLYMAC-DINOX. Autor: Equipe Codificar Site Institucional GRUPO POLYMAC-DINOX Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Junho de 2008 Proposta de Especificação do Software Sumário Proposta de Especificação do Software...2 1. Objetivo...3 2.

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC

Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC Política Organizacional para Desenvolvimento de Software no CTIC O CTIC/UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação da Universidade Federal do Pará define neste documento sua Política Organizacional

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 003/2014 PROGRAMA IPEA PESQUISA SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo de Cooperação Técnica nº 1841/OC-BR Projeto: Aperfeiçoamento

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT

Termo de Referência. Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Diretoria de Infra-Estrutura de TIC DIT Termo de Referência Aquisição de servidores para camada de banco de dados. Termo de Referência Aquisição de Servidores Tipo 1A-1B para camada de Banco de Dados / Alta Disponibilidade RQ DEPI nº 11/2009

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais