4º Congresso Brasileiro de Fertilizantes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4º Congresso Brasileiro de Fertilizantes"

Transcrição

1 4º Congresso Brasileiro de Fertilizantes DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA São Paulo SP Agosto, 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence.

2 Céleres Uma equipe multidisciplinar, focada no agronegócio Coordenação geral Coordenação socioambiental Anderson Galvão Paula Carneiro Equipe técnica agronômica/econômica Lauro Marino Aline Ferro André Kita André Oliveira Andressa Nascimento Cecília Fialho Fabiano Bisinotto Gustavo Maierá Jorge Attiê Juliano Cunha Renata Sebastiani Sophia Hermes Vinicius Paiva Disclosure Equipe técnica socioambiental Adriana Silva Mariana Ibrahim Ricardo Luna Bruna Queiroz Micheli Costa Renata Martins Suporte administrativo Thiago Reis Roberta Pires Ludmila Pedrosa Esse relatório foi elaborado para a empresa contratante e destinado a uso interno na mesma. A sua reprodução, mesmo que parcial, não está autorizada pela CÉLERES. As informações contidas nesse relatório foram obtidas em fontes consideradas confiáveis. As premissas foram baseadas nas expectativas presentes e em informações disponíveis. No entanto, desde que essas premissas estão baseadas em fatores que envolvem riscos e incertezas, os resultados apresentados nesse estudo podem diferir significativamente do previsto ou implícitos nas premissas, sofrendo influência de fatores externos. Fatores que podem causar ou contribuir para tais diferenças incluem, entre outros: mudanças no ambiente macroeconômico, flutuação nos preços das commodities, competição no mercado de insumos e tratamentos biotecnológicos, aspectos relacionados a proteção intelectual, cumprimento de aspectos regulatórios, velocidade de aprovações e liberação dos tratamentos biotecnológicos e aceitação desses tratamentos biotecnológicos pelos usuários. As opiniões e análises expressas nesse relatório refletem o melhor julgamento feito na ocasião da conclusão do presente estudo e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. A CÉLERES não garante que essas informações são completas e não podem ser responsabilizadas por elas. Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 2/31

3 O que o mundo come? Família Aboukabar Campo de refugiados Breidjing, Chade (África Central) US$ 1.23 por semana em alimentos Fonte: Hungry Planet: What the World Eats? ; Peter Manzel The Time Magazine Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 3/31

4 O que o mundo come? Família Ahmed Cairo, Egito US$ 69 por semana em alimentos Fonte: Hungry Planet: What the World Eats? ; Peter Manzel The Time Magazine Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 4/31

5 O que o mundo come? Família Dong Beijing, China US$ 155 por semana em alimentos Fonte: Hungry Planet: What the World Eats? ; Peter Manzel The Time Magazine Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 5/31

6 O que o mundo come? Família Revis Carolina do Norte, EUA US$ 342 por semana em alimentos Fonte: Hungry Planet: What the World Eats? ; Peter Manzel The Time Magazine Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 6/31

7 O que o mundo come? Família Melander Bargteheide, Alemanha US$ 500 por semana em alimentos Fonte: Hungry Planet: What the World Eats? ; Peter Manzel The Time Magazine Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 7/31

8 Estratégias # Pessoas Gasto semanal O mundo não é plano assim como as estratégias para criar e capturar valor com alimentos US$ 1,23 US$ 69 US$ 155 US$ 342 US$ 500 1,4 bilhão 3,7 bilhões 1,0 bilhão ±0,7 bilhão < 0,2 bilhão Estratégias para assegurar condições mínimas de oferta alimentar. Ex: Somália, Continente Africano Oferta de alimentos de qualidade, porém com valor acessível, e respeitando aspectos culturais Ex: Norte da África, Nordeste do Brasil Alimentos ricos em valor nutricional, com migração para proteínas. O grande filão Ex: China, Indonésia, Brasil, BRICS O começo do mercado de nichos, com exigências qualitativas mais precisas. Ex: Países desenvolvidos Estratégias muito diferenciadas para oferta de alimentos. Orgânicos, especiais... Ex: Japão, Suíça, Noruega, etc.. Fonte: CÉLERES baseada em dados ONU/FAO/FMI Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 8/31

9 Um mundo cada vez mais urbano, e mais dependente de poucos produtores rurais para se alimentar, sobretudo nos mais populosos 100 População rural, com percentual da população total Mundo EUA Brasil Mexico Rússia Egito Nigéria China India Banglad Paquist Indones Filipinas Japão Fonte:Nações Unidas, World Urbanization Prospects: The 2009 Revision, Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 9/31

10 A inflação segue viva, sobretudo nas economias emergentes, onde o preço dos alimentos mais pesa para a população Inflação anual em países selecionados (doze meses) 16,0% 15,0% 14,0% 12,0% 10,0% 9,2% 8,0% 7,3% 6,7% 6,5% 6,0% 4,0% 2,0% 2,1% 3,6% 0,5% 1,9% 0,8% 2,4% 2,3% 3,3% 4,3% 0,0% Desenvolvidos Desenvolvimento Peso dos alimentos na composição da inflação local 6,5% 14,4% 11,0% 9,1% 11,9% 9,9% 32,9% 18,0% 35,4% 28,9% 43,0% 20,3% 23,3% 24,7% Fonte: FMI/USDA/FAO Elaboração: CÉLERES Dados atualizados em agosto de 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 10/31

11 Novas fontes de energia, como xisto e gás natural nos EUA, revolucionam em menos de uma década, mudando o mercado global de petróleo Balanço de energia nos EUA Valores em quadrilhões de BTU 120 Necessidade de importação Produção Consumo ,1% 12% 4% % 50% 0% Petróleo 1/ Óleo de xisto Gás natural Outros Petróleo importado e biofuels Fonte: US Department of Energy Atualizado em agosto de 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 11/31

12 O nível atual dos preços limita aumentos expressivos dos preços dos biocombustíveis, mas seguram custos de produção como fertilizantes Preço médio do petróleo tipo Brent, em três cenários Valores em US$/barril 1/ $200 Best Worst Base $180 $160 $140 $120 $100 $80 $60 $40 $20 $ Fonte: US Department of Energy 1/ Dólares constantes de 2012 Atualizado em agosto de 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 12/31

13 As principais matérias-primas dos fertilizantes seguem com os seus preços estáveis ou em tendência de queda Preços históricos (US$/tonelada) Phosphate rock DAP TSP Urea KCL Fonte: Banco Mundial/Pink Sheet Elaboração: CÉLERES Atualizado em julho/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 13/31

14 Apesar do recente recuo, preços internacionais dos alimentos seguem em patamares elevados e com tendência de alta 300 Food index Fonte: FMI Estatísticas Financeiras Internacionais (All Index, 2005 = 100), Vegetable Oils, Meat, Seafood, Sugar, Bananas, and Oranges Price Indices) Elaboração: Céleres Junho/2013 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 14/31

15 São diversas as causas das oscilações do preço dos alimentos O cenário atual aponta forte volatilidade nos preços agrícolas 200 Energia; depreciação do dólar Retomada da economia; Países emergentes Clima 175 Biofuels 150 Crescimento econômico e populacional; Consumo per capita de proteínas animais > Produção; Desaceleração econômica Clima Políticas; Importações Declínio das relações globais estoque/consumo 75 Declínio das relações globais estoque/consumo Fonte: FMI TROSTLE, 2011 Adaptação, atualização e elaboração: CÉLERES Agosto de 2014 Recuperação das relações globais estoque/consumo Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 15/31 Crise 2008

16 US$/bushel, corrente Além do valor do dólar em si, a sua inflação também é decisiva sobre o preço da commodity Preços da soja em Chicago 1/ Correlação entre a soja e o US dollar index 2/ Nominal Deflacionado 18, ,0 14,0 12, Tomando apenas a soja como exemplo, o atual movimento de alta nas cotações das commodities apenas recupera parte das perdas inflacionárias das últimas três décadas 10,0 8,0 6,0 4,0 2, US dollar index E merece destaque ainda que, ao considerar o efeito da desvalorização do dólar, frente as principais moedas, a alta atual das commodities mostra-se muito mais como um movimento de correção Notas: 1/ Média mensal dos fechamentos diários em US$ correntes por bushel Médias mensais deflacionadas pelo CPI All, até julho de / Correlação dos preços médios mensais com índice do dólar agrícola, com base 100 em janeiro de 2005 Fonte: CBOT/USDA/US Census Bureau/CÉLERES Elaboração: CÉLERES Atualizado em agosto/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 16/31

17 Milhares de contratos E por fim, o efeito do custo do dinheiro, que por sua vez, cria apetite para posições especulativas com commodities Juros nos EUA x contratos em aberto 1/ Juros nos EUA x preço da commodity 2/ Soja: 1997 a 2004 Soja: Presente ,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% T-bill de 360 dias Soja: 1997 a ,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% T-bill de 360 dias Dois momentos distintos nos últimos quinze anos Juros altos menor posição em aberto Confirma-se uma forte correlação negativa entre o preço da commodity nas bolsas e a taxa de juro de referência Juros baixos maior posição em aberto + volatilidade Notas: 1/ Contratos em aberto na posição soja, para o último dia do mês 2/ Último fechamento do mês, para a posição soja, em Chicago. Valores em US$ por bushel Fonte: CBOT/FED Elaboração: CÉLERES Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 17/31

18 Nos últimos anos, o crescimento econômico global sustentou-se nos países em desenvolvimento! Mas o fôlego começa a faltar... Variação anual do PIB 10,0% Desenvolvidos Em desenvolvimento Mundo 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% -2,0% -4,0% -6,0% Fonte: FMI Elaboração: CÉLERES Agosto/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 18/31

19 69/70 70/71 71/72 72/73 73/74 74/75 75/76 76/77 77/78 78/79 79/80 80/81 81/82 82/83 83/84 84/85 85/86 86/87 87/88 88/89 89/90 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12 12/13 13/14 14/15 p Consumo global (bilhões t) O impacto das crises no consumo de alimentos é restrito Em 40 anos, a maior retração na demanda de alimentos foi de 3,1% A regra é vivermos crises (políticas, econômicas, sociais,...) e a demanda não se altera 1 o choque do petróleo 2º choque do petróleo Moratória Mexicana Crise em Wall street Crise da Ásia Crise da Rússia Crise do Nasdaq Crise sub prime EUA Crise PIG s 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Fonte: FAO/USDA/FMI/CÉLERES Elaboração: CÉLERES Alimentos incluem os principais grãos e oleaginosas Agosto/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 19/31

20 Três anos de clima favorável permitiram bons níveis de produtividade e a consequente recuperação dos estoques Área 1/ Soja Milho Algodão Implicações Limitação para expansão em novas áreas, que tendem a 100 % 99,5 % 93,3 % ser marginais Produtividade 2/ As tecnologias atuais estão no seu teto de rendimento, o 100 % 100 % 95,1 % que limita o crescimento da produtividade Estoques 3/ Os baixos estoques das principais commodities 60,9 % 56,7 % 74,8 % deixam os mercados mais voláteis Fonte: USDA/SAGPyA/CÉLERES Dados de janeiro/2011 Elaboração: CÉLERES Soja: 1/ Área 2014/15 /(Área máxima 10 anos EUA+Brasil+Argentina) 2/ Produtividade 2014/15 /(Produtividade máxima 10 anos EUA+Brasil+Argentina) 3/ Est./Cons. 2014/15 /(Est./Cons. médio 10 anos ) Milho: 1/ Área 2014/15 /(Área máxima 10 anos ) 2/ Produtividade 2014/15 /(Produtividade máxima 10 anos EUA+Brasil+Argentina) 3/ Est./Cons. 2014/15 /(Est./Cons. máximo 10 anos ) Algodão: 1/ Área 2014/15 /(Área máxima 10 anos Mundo) 2/ Produtividade 2014/15 /(Produtividade máxima 10 anos Mundo) 3/ Est./Cons. 2014/15 /(Est./Cons. médio 10 anos ) Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 20/31

21 A sustentabilidade agrícola é fundamental diante da escassez crescente de recursos produtivos Terra agrícola disponível (ha/hab./ano) Área plantada anual 1/ (bilhões ha) 0,45 0,40 0,35 0,30 0,25 0,20 0,15 0,10 0,05-53% 1,45 1,40 1,35 1,30 1,25 1,20 1,15 0, Já o crescimento da área cultivada total desacelerou nos últimos anos, em função de: Ocupação das áreas agrícolas nobres Custos marginais crescentes Restrições ambientais para novas expansões 1, A disponibilidade per capita de áreas agrícolas cai a cada ano, com o crescimento da população, urbanização, crescimento da infraestrutura, desertificação, entre outros fatores Fonte: FAOStat Elaboração: CÉLERES 1/ Inclui cereais, oleaginosas, frutas e outras culturas agrícolas alimentares Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 21/31

22 O ritmo de crescimento da produtividade da soja evidencia a necessidade de novas tecnologias e/ou a manutenção dos preços em patamares elevados, a fim de manter as relações de oferta e demanda equilibradas Produtividade da soja nos três principais produtores toneladas por hectare 3,1 World Top 3 2,9 2,7 2,5 2,3 2,1 1,9 1,7 1,5 94/95 04/05 14/15 Fonte: USDAFAS/CÉLERES Elaboração: CÉLERES Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 22/31

23 Score exame PISA Capital Humano Nas comparações internacionais, nosso estudante médio faz feio. E a culpa não é dele! Estudo de matemática e o PIB per capita nacional Shanghai-China Viet Nam Thailand Peru Indonesia Singapore Chinese Taipei Hong Kong-China Japan Switzerland Macao-China Poland Germany New Zealand Australia Russia Sweden United States Israel Greece Turkey Cyprus United Arab Emirates Chile Mexico Brazil Qatar PIB per capita em US$ mil Fonte: OCDE (Education at Glance, 2012) Elaboração: CÉLERES PISA: Programme for International Student Assessment Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 23/31

24 Capital Humano Há um descompasso entre o custo e a qualidade do trabalho prestado Custo da hora trabalhada na agricultura US$ por hora trabalhada 1/ 12,00 10,00 8,00 2,4% a.a. 9,1% a.a. 6,00 4,00 2,00 0, Agricultura Pecuária Agricultura Pecuária EUA Brasil Em 2005, um trabalhador agrícola brasileiro custava 40% do seu equivalente nos EUA Em 2014, o mesmo trabalhador custa 75% do seu colega norte-americano Se levarmos em consideração a produtividade do trabalho e os custos acessórios do trabalhador brasileiro, o nosso trabalhador rural já é muito mais caro do que o seu colega americano Fonte: Para EUA: NASS/USDA; Para Brasil: IEA. Adaptação: CÉLERES 1/ Para o Brasil, foi considerado uma semana de 40 horas, com quatro semanas/mês, sem horas extras, com os encargos obrigatórios Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 24/31

25 /03 04/05 06/07 08/09 10/11 12/13 14/ /03 04/05 06/07 08/09 10/11 12/13 14/15 US$ mil/ha US$/ha No entorno da porteira, nossas deficiências de sempre O Brasil, já na largada, perde 5% em preço de venda e gasta-se 112% no custo direto, em dólares por hectare Receita Operacional Custo do Produto Receita Média Custo do Produto Média $1,8 $1,6 4.5% de desvantagem para o Brasil $0,9 $0,8 O custo direto é mais do que o dobro no Brasil $1,4 $0,7 US$ 628/ha $1,2 US$ 992/ha US$ 947/ha $0,6 $1,0 $0,5 $0,8 $0,6 $0,4 $0,3 US$ 297/ha $0,4 $0,2 $0,2 $0,1 $0,0 $- EUA Brasil EUA Brasil Fonte: USDA/CÉLERES Adaptação e elaboração: CÉLERES Análise de Agosto/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 25/31

26 US$ mil/hectare Tomando como referência a safra 2014/15, fertilizantes e defensivos oneram de sobremaneira, o custo da soja no Brasil Fertilizantes sofrem com a logística. Defensivos, com o clima tropical Análise comparativa dos custos diretos Estados Unidos x Brasil Safra 2014/15 $0,700 $0,600 $ 0,624 $0,500 $0,400 $0,300 $0,200 $ 0,453 $0,070 $ 0,095 $0,197 $ 0,271 Outros custos diretos Combustíveis e lubrificantes Defensivos Adubos Sementes Custo dos produtos $0,100 $- $0,150 EUA $0,079 Brasil Fonte: USDA/CÉLERES Adaptação e elaboração: CÉLERES Análise de agosto/2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 26/31

27 /03 04/05 06/07 08/09 10/11 12/ /03 04/05 06/07 08/09 10/11 12/13 Toneladasl/ha US$/t A situação só não é pior porque a produtividade no Brasil está ligeiramente acima dos EUA. Mas o preço sofre com a deficiência de logística e do fortalecimento do Real, que afeta claramente o Custo Brasil Produtividade, em t/ha Preço recebido, em US$/tonelada Produtividade Média Preço de venda Média 4,0 4,2% de vantagem para o Brasil $ 600 O preço é 7% mais baixo em MT 3,5 2,98 t/ha 3,10/ha $ 500 3,0 2,5 $ 400 US$ 331,8/ha US$ 309,7/ha 2,0 $ 300 1,5 $ 200 1,0 0,5 $ $ 0 EUA Brasil EUA Brasil Fonte: USDA/CÉLERES Adaptação e elaboração: CÉLERES Análise de agosto de 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 27/31

28 Juntando as peças, a cadeia produtiva da soja de Mato Grosso deixa o dinheiro na estrada, sobrando pouco para remunerar o capital Custos de transporte da soja, dos EUA e Brasil até Hamburgo, Alemanha Valores em US$/tonelada 1/ Preço na fazenda Custo do transporte Preço F.O.B $520,4 $519,9 $99,9 $164,2 $420,5 $355,8 $580,0 $581,6 $95,0 $106,3 $485,0 $475,2 Paraná Mato Grosso Iowa Minnesota Brasil EUA Em Mato Grosso, o dinheiro fica na estrada, enquanto... Valores em US$/tonelada... nos EUA, sobra mais margem para remunerar o capital incluindo a própria valorização da terra agrícola $273,7 $82,1 $355,8 28% do preço C&F $519,9 $148,4 $336,6 $485,0 16% do preço C&F $580,0 Custo de produção Margem bruta Preço farm gate Transp. interno Transp. externo Preço C&F Custo Produção Margem bruta Preço farm gate Transp. interno Transp. externo Preço C&F Fonte: USDA/MAS/CÉLERES(Custos Brasil) Adaptação e elaboração: CÉLERES 1/ Valores de referência no 1º trimestre de 2014 Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 28/31

29 Quase dois Brasis entrarão em produção nos próximos anos, ao ritmo atual do crescimento da produtividade e da demanda por soja Crescimento do consumo global (CAGR 15 anos) 3,4% a.a Crescimento da produtividade global (CAGR 15 anos) 0,8% a.a Consumo 2014/15 283,4 milhões t Análise do crescimento do consumo global de soja em 20 anos Produtividade 2014/15 2,614 t/ha Crescimento anual (% a.a.) 3,0% 4,0% 5,0% Análise da Produtividade em 20 anos Consumo estimado (milhão t) Crescimento (% a.a.) t/ha 511,9 621,0 751,9 0,5% 2,888 1,9x 3,2x 4,6x 1,5% 3,520 0,9x 1,9x 3,1x 2,0% 3,884 0,5x 1,4x 2,5x Fonte: FAOStat/USDA/FAS Elaboração: CÉLERES Atualizado em agosto/2014 Equivalência na área atual de soja do Brasil Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 29/31

30 A história mostra que grandes crises alimentares surgiram, essencialmente, da mão do homem 68 grandes crises alimentares, desde 1900 mais de 100 milhões de mortos Por quê? Onde... Os campeões Política 32 África 35 Rússia + URSS 8 Clima 20 Ásia 19 Etiópia 7 Guerra 16 Europa 14 China 5 Os erros políticos, de forma direta e indireta, são os principais causadores da escassez de alimentos! Fonte: ONU/FAO/The Economist/Outras fontes Elaboração: CÉLERES Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 30/31

31 Céleres Your Agribusiness Intelligence Telefones Av. Nicomedes Alves dos Santos, 1205 Salas 207 e 208 World Business Center Uberlândia Minas Gerais Brasil CEP: Associada a Arcadia International (Brussels, Betgium) Membro do ISAAA Coligadas Copyright Céleres Todos os direitos reservados. Toda a informação contida neste documento é de propriedade intelectual da Céleres - Your Agribusiness Intelligence. Página 31/31

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

BRASILAGRO DAY - 2015. w w w. b r a s i l - a g r o. c o m

BRASILAGRO DAY - 2015. w w w. b r a s i l - a g r o. c o m BRASILAGRO DAY - 2015 w w w. b r a s i l - a g r o. c o m Agenda 09h00 10h00 10h30 11h30 Mercado de Grãos no Brasil: Cenários e Perspectivas Anderson Galvão, Céleres Coffee Break BrasilAgro, retrospectiva

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO:

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: REFLEXÕES, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Estudos e Informações Agropecuárias Secretaria de Política Agrícola Principais Perspectivas

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010

Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010 Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010 Paulo Rabello de Castro Junho 2008 copyright RC Consultores todos direitos reservados 1 Agronegócio e Inflação 1) Fases de expansão

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café

Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Volatilidade retorna e preços continuam baixos no mercado de café Os preços diários do café caíram para seus níveis mais baixos de 19 meses durante agosto, com os mercados de produtos básicos no mundo

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Oferta maior e desempenho misto A estabilização do crescimento na China e riscos geopolíticos também afetaram os preços das commodities.

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Destaques do Período. Resultados Financeiros

Destaques do Período. Resultados Financeiros Resultados 2T09 14 de Agosto de 2009 1 Agenda Foto: Unidade de Paulínia -SP Destaques do Período 2T09 1S09 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Vendas e Distribuição por Cultura da Heringer LUCRO LÍQUIDO

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 13/agosto/2015 n. 458 VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Os dados mais atualizados disponibilizados pela ANP sobre a venda de combustíveis

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro

Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro Exportações recordes do Brasil influenciam o mercado cafeeiro As exportações de café do Brasil alcançaram um volume recorde de 36,8 milhões de sacas no ano-safra de 2014/15 (abril a março), alimentado

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário

As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário As mudanças que o Investment grade pode trazer para o setor agropecuário JOSÉ VICENTE FERRAZ JULIANA MORETTI ANGELO 20 de Junho 2008 Investment Grade Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (milhões

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas

Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Chuvas no Brasil esfriam o mercado, enquanto estimativas da produção para 2014/15 são mais baixas Em novembro os preços do café recuaram e as chuvas contínuas no Brasil seguraram novos aumentos de preços.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

CRISE MUNDIAL NOS PREÇOS DOS ALIMENTOS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A AGRICULTURA BRASILEIRA

CRISE MUNDIAL NOS PREÇOS DOS ALIMENTOS: OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A AGRICULTURA BRASILEIRA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA FAV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS PROPAGA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE AGRONEGÓCIO CRISE MUNDIAL NOS PREÇOS DOS ALIMENTOS:

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado Evolução do Emprego Formal (%) Taxa de Vacância (%) 2º Trimestre 215 Economia & Mercado O aumento da desaprovação do governo pelos eleitores e a crise política continuam afetando a confiança dos empresários

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA AGRONEGÓCIO BRASILEIRO PAINEL: A PROPRIEDADE INTELECTUAL NA AGROINDÚSTRIA LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG XXXIV CONGRESSO DA ABPI, WTC, SP, 25/08/14 DISPONIBILIDADE DE TERRAS NO BRASIL Fonte:IBGE, CONAB,

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: GDP Mais Fraco no Primeiro Trimestre...Pág.3 Europa: Curva

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional

O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional O Mercado Mundial de Alumínio e os Entraves à Produção Nacional Título da apresentação Janeiro de 2008 1. Global Balanço Oferta/Demanda Alumínio; Balanço Oferta/Demanda Alumina; Competitividade 2. Oferta/

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal

Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Perspectiva de crescimento para América Latina Paulo Funchal Foco na América Latina Grant Thornton International Business Report (IBR) Grant Thornton Global Dynamism Index (GDI) The Economist Intelligence

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais