O Brasil vai bem de trem Brazil is well on track

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Brasil vai bem de trem Brazil is well on track"

Transcrição

1 O Brasil vai bem de trem Brazil is well on track

2 O papel das ferrovias no desenvolvimento do Brasil Para que o Brasil possa acelerar ainda mais o seu crescimento econômico, é preciso investir numa logística de transportes integrada, capaz de aumentar a competitividade dos produtos nacionais no mercado exterior. As ferrovias são parte fundamental desse processo, pois são ideais para o transporte de cargas volumosas a longas distâncias. Não por acaso as ferrovias são responsáveis por grande parte do escoamento de commodities pelos corredores de exportação brasileiros, principalmente minérios e produtos agroindustriais. Apesar da dinamização do setor na última década, muito ainda precisa ser feito. A participação das ferrovias na matriz de transportes brasileira continua abaixo do seu potencial, especialmente se comparada aos outros países de dimensões continentais. The Role of Railways in the Development of Brazil In order for Brazil to accelerate its economic growth even more, it will be necessary to invest in integrated transport logistics, which will be capable of increasing the competitiveness of Brazilian products in foreign markets. The railways are a fundamental part of this process, as they are ideal for transporting large cargos over long distances. It s not by chance that the railways are responsible for a large part of the flow of commodities along Brazilian export corridors, mainly minerals and agribusiness products. Despite the streamlining of the sector over the past decade, there is still much to be done. The participation of railways in the Brazilian cargo transport matrix continues to be below its potential, especially when compared to other very large countries. 2

3 Participação na matriz de transportes (2010) Participation in the Transport Matrix (2010) Brasil 25% Brazil Índia 36% India EUA 45% USA Canadá 46% Canada Austrália 53% Australia China 60% China Fonte / Source: UIC; ANTT; AAR; AUB; EUROSTAT; China Transport Yearbook; Controller and Auditor General of India; MAIC; Transport Canada Rússia Russia 88% 3

4 Principais resultados do processo de desestatização O transporte ferroviário de cargas no Brasil vive uma nova era, iniciada em 1997, com a implantação do atual sistema de concessões à iniciativa privada. Antes disso, o modelo estatal gerava déficit operacional de R$ 1 milhão por dia. Somente durante o período de 1994 a 1997, a extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA) acumulou um déficit superior a R$ 2 bilhões. Agora, o que dava prejuízo transformou-se em lucro: mais de R$ 13,9 bilhões em impostos, arrendamentos e contribuições já foram recolhidos pelas empresas concessionárias aos cofres públicos, beneficiando toda a sociedade. Os resultados positivos decorrem da gestão eficiente e de investimentos maciços. As concessionárias já injetaram cerca de R$ 24 bilhões na revitalização da malha, na modernização da frota de locomotivas e vagões, e na eficiência e segurança das operações. Além disso, estão previstos investimentos privados de R$ 3 bilhões por ano, entre 2012 e 2015, para que o trem de carga ajude o Brasil a avançar cada vez mais. Main Results of the Privatization Process Rail cargo transport in Brazil is going through a new era, which begun in 1997, with the introduction of the current private concessions system. Previously, the state-owned model was generating an operational deficit of approximately BRL 1 million per day. During 1994 and 1997 alone, the extinct Federal Railway Network (RFFSA Rede Ferroviária Federal) accumulated a deficit of more than BRL 2 billion. Now, the losses have turned into profit: the concessionaire companies have paid more than BRL 13.9 billion in taxes, leasing fees, and social contributions to the public coffers, benefiting the whole of society. The positive results arose from efficient management and solid investments. The concessionaires have already injected nearly BRL 24 billion in network revitalization, in rolling stock modernization, and in operational efficiency and safety. In addition, there are private investments forecast of BRL 3 billion per year between 2012 and 2015, to ensure that cargo trains help Brazil advance even further. 4

5 Investimento das concessionárias (milhões de R$) Concessionaire Investment (BRL million) Total União / Total Government R$ 1.25 bilhão / billion Total Concessionárias / Total Concessionaires R$ bilhões / billion 2011 (Previsão / Forecast ) Total Concessionárias / Total Concessionaires R$ 3 bilhões / billion Previsão Forecast Nota / Note: 1) Valores estimados para 2011 / Estimated value of investments for ) O ano de 1997 contém os investimentos de 1996 / Year 1997 contains investments from ) Outros valores são correntes / Other values are current Fontes / Sources: Ministério dos Transportes, DNIT e associadas ANTF / Ministry of Transport, National Transport Infrastructure Department and ANTF Associates O investimento das concessionárias deverá chegar a R$ 27 bilhões até o final de The concessionaires investments may reach BRL 27 billion by the end of Mais investimentos significam maior oferta de postos de trabalho em toda a cadeia logística nacional. Somente nas ferrovias foi registrado um aumento de 131% na quantidade de empregos diretos e indiretos no setor. More investments mean more employment throughout the entire Brazilian logistics chain. On the railways alone, the number of direct and indirect jobs increased 131%. 5

6 Produção ferroviária (bilhões de TKU) Railway Production (TKU Billion) 103 % CAGR % a.a Previsão Nota / Note: TKU - Tonelada Quilômetro Útil Transportada (TKU - Tons per Kilometer ) Forecast CAGR - Compound Annual Growth Rate Fontes / Sources: ANTF e associadas ANTF (ANTF and ANTF Associates) Desde o início do atual modelo de concessões, a produtividade das ferrovias brasileiras cresceu 103%, subindo de 137,2 bilhões de toneladas quilômetro útil (TKU) em 1997 para 278,5 bilhões em Estima-se para 2011 um total de 315,1 bilhões de TKU. A diversidade de cargas transportadas pelas ferrovias também cresceu, com destaque para a participação dos produtos do agronegócio, que aumentou em 240%. A produção de cargas gerais subiu em 148,4% e as commodities, como o minério de ferro e o carvão mineral, registraram crescimento de cerca de 92%. Since the beginning of the current concessions model, Brazilian railway productivity grew 103%, rising from billion tons per kilometer (TKU) in 1997 to billion TKU in For 2011 the estimate is for a total of billion TKU. Rail cargo diversity also grew, especially the participation of agribusiness, which increased 240%. The production of general cargo rose by 148.4% and commodities, such as minerals and coal, registered a 92% growth. 6

7 Índice de acidentes (acidentes por milhão de trens.km) ÍNDICE DE ACIDENTES (acidentes por milhão trens.km) Accident Rate (accidents per million trains/kilometers) -78.7% Fonte / Source: ANTT e associadas ANTF / ANTT and ANTF Associates Os investimentos em tecnologia e segurança reduziram o índice de acidentes em cerca de 80%. Eixos e dormentes mais resistentes, Centros de Controle Operacional informatizados e locomotivas rastreadas por GPS são apenas algumas das novidades implantadas que ajudam a tornar as ferrovias mais seguras e eficazes. Outros resultados das concessionárias privadas também chamam atenção, especialmente o crescimento da frota de material rodante: entre 1997 e 2010, a quantidade de locomotivas e vagões em atividade aumentou mais de 128%. Em função dessa maior demanda, a produtividade ferroviária nacional cresceu consideravelmente, provando que o desenvolvimento de um setor estratégico induz a dinamização de vários outros. Investments in technology and safety reduced the accident rate by roughly 80%. More resistant axles and sleepers, computerized Operational Control Centers, and locomotives tracked by GPS, are just some of the new items introduced which have helped the railways become safer and more efficient. Other results from the private concessionaires also attract the attention, especially the growth in the rolling stock: between 1997 and 2010, the amount of locomotives and wagons in use grew more than 128%. Because of this greater demand, Brazilian railway productivity increased considerably, proving that the development of a strategic sector leads to growth in many others. 7

8 FERROVIAS DE CARGA N. Malhas ferroviárias operadas pela iniciativa. Sistema Ferroviário Nacional carga e pass. Malha ideal para o Brasil: 52 mil km Sorriso Ferrovias / Railways Ferrovias existentes / Existing railways Projetos ferroviários concedidos / Railway Projects Projetos dos Estados e União / State and Federal Government Projects Bitola / Gauge Bitola métrica / Metric gauge Bitola larga / Broad gauge Bitola mista / Mixed gauge 8

9 O BRASIL privada transporte de carga: km ageiros: km Ferrovias de carga no Brasil Cargo Railways in Brazil Ibotirama TLSA Transnordestina Logística EFVM Estrada de Ferro Vitória-Minas (Vale) EFC Estrada de Ferro Carajás (Vale) FCA Ferrovia Centro-Atlântica (Vale) ALL América Latina Logística (Malha Sul) / (South network) ALL América Latina Logística (Malha Norte) / (North network) ALL América Latina Logística (Malha Oeste) / (West network) ALL América Latina Logística (Malha Paulista) / (São Paulo network) FTC Ferrovia Tereza Cristina MRS Logística Tramo Norte da Ferrovia Norte Sul (Vale) / North-South Railway Projeto de Ferrovias da União (Valec) 9

10 Principais desafios no futuro O Brasil, por ser um país de dimensões continentais, requer uma malha ferroviária de aproximadamente 52 mil km de extensão, compatível com as distâncias entre os centros produtores e consumidores. Por isso, as concessionárias trabalham em parceria com o Governo Federal para construir novas ferrovias estruturantes e modernizar parte da malha existente. Entre os novos projetos destacam-se a Ferrovia Norte-Sul e a Ferrovia Transnordestina. Outro grande desafio é o aumento da intermodalidade, isto é, o uso sucessivo e complementar de diversos modais. Esta logística integrada depende de modernos terminais de transbordo (especialmente nos portos) e de aperfeiçoamentos no atual sistema tributário brasileiro, que ainda onera o transporte intermodal. A ausência de incentivos fiscais para a indústria ferroviária nacional também dificulta o desenvolvimento deste setor, que depende de condições mais competitivas para se consolidar apesar do crescimento obtido nos últimos anos. Todas essas questões têm sido debatidas pela ANTF e suas associadas, com os clientes, os fornecedores e o poder público, através de um processo de diálogo constante e construtivo, contribuindo para o desenvolvimento do transporte ferroviário no Brasil. 10

11 Main Challenges for the Future Because of its enormous size, Brazil requires a railway network of approximately 52 thousand kilometers in length, compatible with the distances between the production centers and consumers. Therefore, the concessionaires work together with the Brazilian Federal Government to construct new railway projects and to modernize part of the existing network. Among the new projects the North-South (Ferrovia Norte-Sul) and the New Trans-Northeast (Ferrovia Nova Transnordestina) railways stand out. Another great challenge is the increase in intermodality, that is, the successive and complimentary use of various modes of transport. This integrated logistics depends on modern transshipment terminals (especially at ports) and improvements to the current Brazilian tax system, which still burdens intermodal transport. The absence of fiscal incentives for the Brazilian railway industry also hampers the sector s development, which depends on more competitive conditions for consolidation, despite the growth obtained in the last years. All of these issues have been discussed by the ANTF Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (National Railway Transporters Association) and its associates, with clients, suppliers, and the Government, through a process of constant and constructive dialogue, contributing to the development of rail cargo transport in Brazil. 11

12 Empresas associadas Associated Companies América Latina Logística (ALL) Maior operadora logística com base ferroviária da América Latina, a ALL atua nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além da Argentina. São km de malha ferroviária com acesso a alguns dos principais portos do país Santos, Paranaguá, São Francisco do Sul e Rio Grande. As operações logísticas da ALL transportam produtos siderúrgicos, minério, combustível, bens de consumo, fertilizantes, celulose e papel, entre outros. The largest railway based logistics operator in Latin America, ALL operates in the Brazilian states of São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, and Mato Grosso do Sul, as well as in Argentina. It has a railway network of 21,300 kilometers, with access to some of Brazil s main ports Santos, Paranaguá, São Francisco do Sul, and Rio Grande. ALL s logistic operations include, among others, the transport of iron and steel products, minerals, fuel, consumer goods, fertilizers, cellulose, and paper. Ferrovia Tereza Cristina (FTC) Concessionária que administra a malha ferroviária sul-catarinense, a FTC tem como principal produto transportado o carvão mineral da região de Criciúma com destino ao Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo. Os 164 km de malha contemplam também o Porto de Imbituba, para onde são destinadas cargas industrializadas que atendem tanto o mercado interno, quanto o externo. FTC manages the railway network in southern Santa Catarina state, carrying mainly coal from the Criciúma region to the Jorge Lacerda Thermoelectric Power Plant in Capivari de Baixo. The 164 kilometer network also covers the Port of Imbituba, which receives cargos of industrialized goods for both the Brazilian and foreign markets. 12

13 MRS Logística Eleita oito vezes a melhor ferrovia do Brasil, a MRS Logística interliga os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. São km de trilhos, atendendo uma região que concentra cerca de 54% do PIB do Brasil e onde estão instalados os maiores complexos industriais do País. Pela malha da MRS também é possível alcançar os portos do Rio de Janeiro, de Itaguaí e de Santos, o mais importante da América Latina. O foco da MRS está na logística integrada e no transporte ferroviário de cargas gerais, como minérios, produtos siderúrgicos acabados, cimento, bauxita, coque verde, produtos agrícolas e contêineres. Chosen eight times as the best Brazilian railway, MRS Logística connects the states of Rio de Janeiro, Minas Gerais, and São Paulo. It has 1,643 kilometers of track, covering a region that concentrates roughly 54% of Brazil s GDP and holds the country s largest industrial complexes. The MRS network also covers the ports of Rio de Janeiro, Itaguaí, and Santos, the latter the most important in Latin America. MRS focuses on integrated logistics and rail transport of general cargos, such as minerals, finished iron and steel products, cement, bauxite, green coke, agricultural products, and containers. Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) é o principal eixo de conexão ferroviária entre as regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do País. Mais de km de malha sob concessão da FCA cruzam cerca de 300 municípios em sete estados brasileiros (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Sergipe, Goiás, Bahia e São Paulo), além do Distrito Federal. Como a FCA é controlada pela Vale, proporciona soluções intermodais completas, oferecendo aos clientes uma estrutura integrada de transporte. The Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) is the main railway connection axis between the Northeast, Southeast and Central-West regions of Brazil. FCA has a network of more than 8,000 kilometers under concession, crossing around 300 municipalities in seven Brazilian states (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Sergipe, Goiás, Bahia, and São Paulo), as well as the Federal District. As FCA is controlled by the company Vale, it provides complete intermodal solutions, offering clients an integrated transport structure. 13

14 Empresas associadas Associated Companies Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) Ativo do sistema de logística da Vale, a EFVM interliga estrategicamente as regiões Sudoeste e Centro-Oeste do País, conectando-se a ferrovias e portos. Anualmente, milhões de toneladas de produtos diversos passam pelos 905 km da ferrovia, sendo grande parte da carga destinada ao Porto de Tubarão, no Espírito Santo. Esta importante integração ferrovia-porto confere mais eficiência à logística da EFVM, que oferece ainda o serviço regular de trem de passageiros. An asset of Vale s logistics system, EFVM strategically interconnects Brazil s Southwest and Central-West regions, linking railways and ports. Annually, millions of tons of various products are carried on the 905 kilometer railway, with the largest part of the cargo bound for the Port of Tubarão, in the state of Espírito Santo. This important railway-port integration grants greater logistic efficiency to EFVM, which also has a regular passenger train service. Transnordestina Logística S/A (TLSA) A Transnordestina Logística atua na região Nordeste do País, integrando os estados do Ceará, Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Sua malha ferroviária tem cerca de km de extensão. Atualmente a TLSA está construindo a Ferrovia Nova Transnordestina em parceria com o Governo Federal e com os governos dos estados do Ceará, Piauí e Maranhão. A nova ferrovia, com km de extensão, liga os portos de Pecém (CE) e Suape (PE) ao cerrado do Piauí e tem como objetivo elevar a competitividade da produção agrícola e mineral da região. Transnordestina Logística operates in Brazil s Northeast region, integrating the states of Ceará, Piauí, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, and Alagoas. Its railway network is around 4,300 kilometers in length. Currently TLSA is constructing the New Trans- Northeast Railway (Ferrovia Nova Transnordestina) in partnership with the Brazilian Federal Government and with the governments of the states of Ceará, Piauí, and Maranhão. The new railway, with a length of 1,746 kilometers, will link the ports of Pecém, in the state of Ceará, and Suape, in the state of Pernambuco, to the interior of Piauí. The project seeks to increase the competitiveness of the regions agricultural and mineral produce. 14

15 Estrada de Ferro Carajás (EFC) Parte integrante do complexo logístico da Vale, a EFC é considerada uma das principais ferrovias brasileiras devido ao grande volume de carga transportado e à eficiência de suas operações. Com 892 km de extensão, a EFC une o interior do Pará ao Terminal Portuário de Ponta da Madeira, no Maranhão, principal porto da região Nordeste. Além de movimentar a produção de minério da Vale em Carajás (PA), a ferrovia transporta carga geral para terceiros: combustível, ferro-gusa e grãos como soja e milho. A EFC também transporta passageiros de forma regular entre os estados do Pará e Maranhão, percorrendo 23 municípios e atendendo pessoas por mês. Part of Vale s logistics complex, EFC is considered one of the main Brazilian railways because of the large volume of cargo transported and the efficiency of its operations. With a total length of 892 kilometers, EFC connects the interior of the state of Pará to the Ponta da Madeira Port Terminal, in Maranhão, the main port in the Northeast region. The railway transports minerals produced by Vale in Carajás, in the state of Pará, as well as general cargo for third-parties, especially fuel, pig iron, and grain such as soya and corn. EFC also transports passengers on a regular basis between the states of Pará and Maranhão, passing through 23 municipalities and carrying 1,300 passengers per month. Ferrovia Norte-Sul (FNS) Interliga a região Centro-Norte do País aos mercados consumidores da agroindústria, transportando grãos, combustíveis, minérios e fertilizantes. Em 2007, a Vale adquiriu a subconcessão da FNS com objetivo de criar um corredor de exportação compreendendo os estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Mato Grosso. Com origem em Palmas (TO), a FNS conecta-se à EFC, em Açailândia, seguindo até São Luís de forma a atender o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira e o Porto de Itaqui. FNS interconnects Brazil s Central-North region to the agribusiness consumer markets, transporting grain, meat, fuels, and fertilizers. In 2007, Vale acquired the FNS subconcession in order to create an export corridor covering the states of Maranhão, Piauí, Tocantins, and Mato Grosso. Originated in Palmas, in the state of Tocantins, FNS connects to EFC in Açailândia continuing to São Luís, in order to serve the Ponta da Madeira Port Terminal and the Port of Itaqui. 15

16 A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) reúne 11 das 12 concessões ferroviárias de carga do Brasil, criadas a partir da desestatização das ferrovias em Juntas, as empresas associadas operam km de malhas, por onde circulam milhões de toneladas anualmente. A missão da ANTF é integrar e desenvolver o transporte ferroviário de carga, contribuindo assim com o crescimento da economia brasileira. A entidade atua como referência no setor, ajudando a consolidar as ferrovias de carga como uma indústria moderna, eficiente e fundamental para o País. The Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários ANTF (National Railway Transporters Association) includes 11 of the 12 rail cargo concessionaires in Brazil, created from the privatization of the railways in Jointly, the associated companies operate networks of 28,228 kilometers, which carry millions of tons each year. ANTF s mission is to integrate and develop rail cargo transport, thereby contributing to the growth of the Brazilian economy. The body is a reference for the sector, helping to consolidate the railways as a modern, efficient, and fundamental industry in Brazil. Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários Setor de Autarquias Sul Quadra 01 Bloco J - Edifício CNT Torre A Sala Brasília Distrito Federal Tel Edição / Edited by : Newsday.net.br Design gráfico / Graphic design : artworks.com.br

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL As Concessionárias do Transporte Ferroviário de Carga Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 31 de Julho de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de Fevereiro de 2011 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - Coletiva de Imprensa ANTF - Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões Miguel Andrade Comitê de Planejamento da ANTF São Paulo, 12 de maio de 2011 TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010

ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA. J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SOB A ÓTICA DA LOGÍSTICA J. G. VANTINE Campinas, 10 de Novembro de 2010 1 GASES DE EFEITO ESTUFA Fonte: Cetesb / Fiesp 2 GEE POR SETOR Fonte: Cetesb / Fiesp 3 EMISSÕES

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO Malha Ferroviária Brasileira Transporte Ferroviário O sistema ferroviário brasileiro totaliza 29.706

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 17 de maio de 2012 Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011 Associação

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Setor Ferroviário de Cargas e Planos do Governo Federal Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Vitória, 07 de Agosto de 2013. Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

VITOR PIRES VENCOVSKY

VITOR PIRES VENCOVSKY FERROVIAS, CIDADES E INTEGRAÇÃO TERRITORIAL: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANEJAMENTO DO SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO (RAILROADS, CITIES AND TERRITORY INTEGRATION: CONSIDERATIONS ON THE BRAZILIAN RAILWAY SYSTEM

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 2014

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 2014 Brasília, 07 de agosto de 2015 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 2014 Fernando Paes Diretor Institucional da ANTF www.antf.org.br ASSOCIADAS Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista Malha Centro-Leste

Leia mais

Infrastructure: Investments, Reforms and the new Concessions Program

Infrastructure: Investments, Reforms and the new Concessions Program Infrastructure: Investments, Reforms and the new Concessions Program Brasília, June 16th, 2015 Wagner Cardoso Executive Secretary of Infrastructure National Confederation of Industry 2 3 Summary PIL =

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Sertãozinho, 28 de Agosto de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul -

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Artigo publicado. na edição 47. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. Julho e Agosto de 2015

Artigo publicado. na edição 47. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. Julho e Agosto de 2015 Artigo publicado na edição 47 Assine a revista através do nosso site Julho e Agosto de 2015 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Panorama do transporte ferroviário no Brasil Desafios e oportunidades

Leia mais

AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves

AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves RESUMO: A produção agrícola brasileira vem apresentando crescimentos acentuados e o agronegócio nacional é um dos setores mais pujantes da economia.

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Public Transport in Numbers

Public Transport in Numbers Nino Aquino ninoaquino@sinergiaestudos.com.br Sinergia Estudos e Projetos Ltda www.sinergiaestudos.com.br September 2009 Demand in bus systems Urban Bus Systems Main State Capitals* Passengers per month

Leia mais

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO

Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Seminário Logística e Infraestrutura APIMEC-RIO Os investimentos da Logística de Carga Geral da Vale Fabiano Lorenzi Rio de Janeiro RJ, 30/05/12 A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de pesquisa,

Leia mais

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA

ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA ALL. UMA MULTINACIONAL BRASILEIRA 13 ANOS DE ALL Março de 1997 Início das atividades Privatização Malha Sul Julho de 2001 Aquisição da Delara Consolidação Logística Maio de 2006 Aquisição da Brasil Ferrovias

Leia mais

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE INLAND WATERWAY TRANSPORT IN TIMES OF GLOBALISATION PREPARATORY WORKSHOP AND SIDE EVENT PARAGUAY PARANÁ INLAND WATERWAY MARSEILLE (France), 13 MARCH 2012

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Programa Pró-Noroeste de Minas

Programa Pró-Noroeste de Minas nº 17 > ano 7 > julho 2010 Programa Pró-Noroeste de Minas Parceria da Vale E FCA com FAEMG, Governo de Minas e Banco do Brasil estimula a produção de soja para exportação Pág. 3 Mercado siderúrgico Otimismo

Leia mais

Detector de Cauda Automatizado - DCA

Detector de Cauda Automatizado - DCA Detector de Cauda Automatizado - DCA Apresentação FCA A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) é uma empresa movida pela paixão de cerca de 3200 mil empregados, transportando as riquezas do Brasil e o trabalho

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ANTF. missão mission misión. visão vision visión. A Associação Nacional dos Transportadores. Ferroviários (ANTF) reúne 11 das 12

ANTF. missão mission misión. visão vision visión. A Associação Nacional dos Transportadores. Ferroviários (ANTF) reúne 11 das 12 ANTF A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) reúne 11 das 12 concessões ferroviárias de carga do Brasil, criadas a partir da desestatização do setor no final da década de 90. Juntas

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 RELATÓRIO ANALÍTICO

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 RELATÓRIO ANALÍTICO PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 RELATÓRIO ANALÍTICO Pesquisa Ferroviária CNT 2006. Brasília: Confederação Nacional do Transporte, 2007. 132 p. : il. ; 30 cm. 1. Ferrovias Brasil. 2. Transporte ferroviário

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Afirmações sobre o Futuro

Afirmações sobre o Futuro 1 2 Afirmações sobre o Futuro Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações materiais entre os resultados,

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Transport in Brazil Overview. Dr. Giselle Xavier Brookes Visiting Research Fellow UDESC - State University of Santa Catarina - Brasil

Transport in Brazil Overview. Dr. Giselle Xavier Brookes Visiting Research Fellow UDESC - State University of Santa Catarina - Brasil Transport in Brazil Overview Dr. Giselle Xavier Brookes Visiting Research Fellow UDESC - State University of Santa Catarina - Brasil Brazil in the World http://www.geographicguide.com/maps.htm Latin America

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Logistics Investment Program. Ports

Logistics Investment Program. Ports Logistics Investment Program Ports Purposes Promote the competitiveness and development of Brazilian economy End of entry walls Expansion of private investment Modernization of infrastructure and port

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo ANTF São Paulo, 06 de Novembro de 2010 INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Perspectivas Logísticas, Competitividade e Sustentabilidade IV Encontro de Logística Mackenzie

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

SISTEMAS PARA VEÍCULOS FERROVIÁRIOS. K de CONFIANÇA.

SISTEMAS PARA VEÍCULOS FERROVIÁRIOS. K de CONFIANÇA. SISTEMAS PARA VEÍCULOS FERROVIÁRIOS K de CONFIANÇA. Utilizando peças originais Knorr-Bremse, você tem a certeza de que está investindo corretamente o orçamento destinado à manutenção de seus equipamentos,

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

O volume em TKU aumentou 2,1% no 1T07 para 6.932 milhões de TKU, enquanto a receita caiu 0,7% para R$488,1 milhões no 1T07

O volume em TKU aumentou 2,1% no 1T07 para 6.932 milhões de TKU, enquanto a receita caiu 0,7% para R$488,1 milhões no 1T07 1 estaques do 1T07 O EBITDAR consolidado aumentou 60,9% no 1T07, atingindo R$195,3 milhões e a margem de EBITDAR cresceu 17,4 pontos, de 28,2% para 45,6%. O resultado líquido aumentou R$64 milhões no 1T07

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Uberlândia, 3 de março de 2008. O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE Fórum Excelência Brasil Central Associadas da ANTF Malhas da ALL, Ferroban,

Leia mais

Logistics Investment Program. Ports

Logistics Investment Program. Ports Logistics Investment Program Ports Purposes Promote the competitiveness and development of Brazilian economy End of entry walls Expansion of private investment Modernization of infrastructure and port

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL:

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL: Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 1 de outubro de 2008. TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL: Setor Ferroviário de Cargas Seminário CNI e BID Associadas da ANTF Malhas da

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Fábrica de. Imperatriz

Fábrica de. Imperatriz Fábrica de Industrial Por que Maranhão? Logística Florestal Fábrica de Por que Maranhão? COMPETITIVIDADE FLORESTAL Nova Fronteira para produção de celulose PA MA PI TO BA FLORESTAL 25 anos de pesquisa

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE PET/COPPE/UFRJ CURSO: Mestrado em Engenharia de Transporte ADMISSÃO: 2013/1 ATIVIDADE: Prova Escrita parte integrante do PROCESSO DATA: 23/11/2012 SELETIVO DE INGRESSO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

REDE PETRO BRASIL. A Rede das Redes Petro. Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE

REDE PETRO BRASIL. A Rede das Redes Petro. Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE REDE PETRO BRASIL A Rede das Redes Petro Eng. Ana Maria Mendonça Rede PETROGÁS Sergipe Presidente da PENSE as redes Amazonas Ceará Rio Grande do Norte Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Minas Gerais Bacia

Leia mais

1 Súmula Empresarial. Consultoria. Tempo de Atuação: 18 anos

1 Súmula Empresarial. Consultoria. Tempo de Atuação: 18 anos Logística de Transportes e Gestão de Ativos Consultoria, Engenharia e Soluções de TI PERFIL EMPRESARIAL 1 Súmula Empresarial Tempo de Atuação: 18 anos Sede: : Rua da Quitanda, 52 sala 601 Centro Rio de

Leia mais

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015

Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil. FIESP, São Paulo 27/08/2015 Perspectivas para o Modal Aéreo Transporte de passageiros e de carga no Brasil FIESP, São Paulo 27/08/2015 Conteúdo Custos Logísticos no Brasil Carga Aérea no Mundo Evolução do Transporte Aéreo no Brasil

Leia mais

FERROVIAS. Dimensionamento do Potencial de Investimentos do Setor Ferroviário. Leandro Badini Villar Dalmo dos Santos Marchetti*

FERROVIAS. Dimensionamento do Potencial de Investimentos do Setor Ferroviário. Leandro Badini Villar Dalmo dos Santos Marchetti* FERROVIAS Dimensionamento do Potencial de Investimentos do Setor Ferroviário Leandro Badini Villar Dalmo dos Santos Marchetti* * Respectivamente, contador e gerente do Departamento de Transportes e Logística

Leia mais

Agenda. Maior Empresa de Logística da América Latina. Agronegocio no Brasil. Histórico ALL. ALL e Brasil Ferrovias 2005. Estrutura da Transação

Agenda. Maior Empresa de Logística da América Latina. Agronegocio no Brasil. Histórico ALL. ALL e Brasil Ferrovias 2005. Estrutura da Transação 1 Agenda Maior Empresa de Logística da América Latina Agronegocio no Brasil Histórico ALL ALL e Brasil Ferrovias 2005 Estrutura da Transação Valuation 2 A junção de Brasil Ferrovias e ALL cria a maior

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

The Current Situation of Water Supply and Business Opportunties in Pernambuco, Brazil

The Current Situation of Water Supply and Business Opportunties in Pernambuco, Brazil The Current Situation of Water Supply and Business Opportunties in Pernambuco, Brazil Flávio Coutinho Cavalcante Engineering Project Manager COMPESA flaviocoutinho@compesa.com.br Brazil Location BRAZIL

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Visão Estratégica de Longo Prazo.

Visão Estratégica de Longo Prazo. Visão Estratégica de Longo Prazo. João Pessoa PB. Outubro de 2013 O MERCADO COMUM DO NORDESTE Adm. José Queiroz de Oliveira ESPECIALISTA PREVÊ SECAS MAIS INTENSAS E LONGAS NO NORDESTE. SE O HOMEM NORDESTINO

Leia mais

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA Revista Brasileira de Energia, Vol. 17, N o. 1, 1 o Sem. 2011, pp. 73-81 73 POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA André Luiz Zanette 1 RESUMO

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Investimento da Vale em logística nos últimos 6 anos é de US$ 9 bi

Investimento da Vale em logística nos últimos 6 anos é de US$ 9 bi ESPECIAL LOGÍSTICA Fevereiro 2011 Investimento da Vale em logística nos últimos 6 anos é de US$ 9 bi Em 2011, serão mais US$ 5 bi para atingir meta de 522 milhões de toneladas em 2015 Ampliação do Terminal

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil

Wallenius Wilhelmsen Logistics. Making a Multimodal Brazil Wallenius Wilhelmsen Logistics Making a Multimodal Brazil Agenda This is Wallenius Wilhelmsen Logistics Multimodal in Brazil Trucking Rail Air Sea Future This is Wallenius Wilhelmsen Logistics A global

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais