Relatório de entrega do Projeto de BPM. Administrativo-Financeiro-EMPREL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de entrega do Projeto de BPM. Administrativo-Financeiro-EMPREL"

Transcrição

1 Diretoria de Soluções em Tecnologia da Informação DSI Departamento Projetos, Processos e Requisitos - DEPR Unidade Operacional de Projetos e Processos UOPP Relatório de entrega do Projeto de BPM Administrativo-Financeiro-EMPREL Haroldo Amaral Outubro/2013 1

2 SUMÁRIO 1-INTRODUÇÃO VISÃO GERAL DO PROJETO A DAF NO ORGANOGRAMA DA EMPREL ENTREGÁVEIS Levantamento dos processos Mapas dos processos Indicadores dos processos Manual dos processos METODOLOGIA UTILIZADA Capacitação Levantamento de informações DIAGNÓSTICO MEDIDAS ADOTADAS Definição de papéis e responsabilidades Definição de Checklist para cada processo Criação de para comunicação com os clientes de cada processo LIÇÕES APRENDIDAS CONSIDERAÇÕES FINAIS EQUIPE DO PROJETO REFERÊNCIAS APÊNDICE I Mapa dos processos APÊNDICE II Manual dos processos 2

3 1-INTRODUÇÃO Este documento apresenta informações relativas à execução do projeto para mapeamento, redesenho e proposição de melhorias no macroprocesso Administrativo-Financeiro da Empresa Municipal de Informática - EMPREL. O objetivo é avaliar a realização dos compromissos firmados entre as partes e formalizar o aceite do projeto pela Diretoria Administrativa e Financeira - DAF. A execução desse projeto, iniciado em maio de 2013, se deu mediante um processo participativo, que envolveu e comprometeu gestores e colaboradores das áreas que formam a DAF, além da Assessoria Jurídica-AJU e da Comissão Permanente de Licitação-CPL, gerando informações e conhecimentos relevantes sobre os processos trabalhados. É com satisfação que apresentamos, após seis meses de trabalho, os resultados de uma construção coletiva que contempla elementos que revelam a realidade dos processos trabalhados. 2-VISÃO GERAL DO PROJETO A Empresa Municipal de Informática - EMPREL, é responsável pelo desenvolvimento de soluções em Tecnologia da Informação e Comunicação TIC, no âmbito da Prefeitura do Recife, e tem como missão: Participar da proposição e do gerenciamento das políticas de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC da Prefeitura do Recife e prover soluções sob medida, com credibilidade e excelência no atendimento, com foco nos interesses da administração da cidade e na democratização dos meios de acesso à informação. A Unidade Operacional de Projetos e Processos UOPP, da EMPREL, tendo como base a missão da organização, executou esse projeto, que relacionou todos os processos da DAF e, dentre os processos relacionados, foram trabalhados, a partir da priorização feita pela DAF, os sete processos listados abaixo: Capacitação Compras Contratos Folha Orçamentário Financeiro Licitação 3

4 2.1-A DAF NO ORGANOGRAMA DA EMPREL 4

5 3-ENTREGÁVEIS Formam a relação de entregáveis: O levantamento dos processos da DAF; o mapa dos sete processos priorizados pela DAF; as fichas descrevendo os indicadores dos setes processos e, os manuais de cada um dos sete processos. 3.1-Levantamento dos processos O levantamento dos processos da DAF, iniciado em maio de 2013, foi realizado junto aos gestores e colaboradores das áreas que formam a DAF, a AJU e a CPL. A seguir, a relação dos processos. Área Departamento Administrativo e Financeiro- DEAF Unidade Operacional Administrativa-UOAD Unidade Operacional Financeira-UOFI Departamento de Gestão de Pessoas-DEGP Unidade Operacional de Gestão por Competência-UOGC Unidade Operacional de Cadastro e Folha de Pessoal-UOCF Processo Contratos Gestão de contratos Orçamento Financeiro Compras Patrimônio Transportes Almoxarifado Manutenção e conservação Segurança patrimonial Correspondência Limpeza Concessionárias Gêneros alimentícios Controle de pragas Frequencia Emprel Frequencia Terceirizados Fornecedores Fechamento e análise de contas Conciliação bancária Controle e acompanhamento de Plano de Contas Contas a pagar Prestação de contas Liquidação de empenho Emissão de nota fiscal (serviços prestados pela Emprel) Suprimento de caixa Capacitação Estágio Seguro de Vida dos Funcionários Saúde Ocupacional Folha 5

6 Área Assessoria Jurídica - AJU Comissão Permanente de Licitação-CPL Processo Parecer jurídico Contrato Termo aditivo Convênio Análise de edital Demandas do empregado Obrigações sociais Pesquisa jurídica Licitação Adesão à Atas de Registro de Preços Prestação de contas 3.2-Mapas dos processos Os termos diagrama de processo, mapa de processo e modelo de processos são muitas vezes utilizados de forma intercambiável ou como sinônimos. Contudo, diagramas, mapas e modelos têm diferentes propósitos e aplicações. Na prática, diagrama, mapa e modelo são diferentes estágios do desenvolvimento, cada qual agregando mais informação e utilidade para entendimento, análise e desenho de processos. Diagrama Mapa Modelo Retrata os principais elementos de um fluxo de processos, mas omite detalhes menores de entendimento dos fluxos de trabalho. Um diagrama de processo nos ajuda rapidamente a identificar e entender as principais atividades do processo. Fornece uma visão abrangente dos principais componentes do processo e apresenta maior precisão do que um diagrama. Tenderá a agregar maior detalhe acerca do processo e de alguns dos relacionamentos mais importantes com outros elementos, tais como atores, eventos e resultados. Implica a representação de um determinado estado do negócio (atual ou futuro) e dos respectivos recursos envolvidos, tais como pessoas, informação, instalações, automação, finanças e insumos. Como é utilizado para representar com mais precisão o funcionamento daquilo que está sendo modelado, requer mais dados acerca do processo e dos fatores que afetam seu comportamento. Frequentemente, modelagem é feita utilizando ferramentas que fornecem capacidade de simulação e geração de reportes úteis para analisar e entender o processo. Fonte: Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio. Corpo Comum de Conhecimento ABPMP BPM CBOK V 3.0, 1ª Edição Nesse projeto utilizou-se o estágio do desenvolvimento mapa dos processos (Apêndice I). 6

7 3.3-Indicadores dos processos Com a efetiva participação dos gestores dos processos e dos donos dos processos, foram definidos os indicadores de cada um dos sete processos trabalhados nesse projeto. Indicador É uma representação de forma simples ou intuitiva de uma métrica ou medida para facilitar sua interpretação quando comparada a uma referência ou alvo. Fonte: Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio. Corpo Comum de Conhecimento ABPMP BPM CBOK V 3.0, 1ª Edição A partir da definição dos indicadores, a equipe do projeto elaborou as Fichas de Indicadores dos processos. A seguir a apresentação das Fichas do Processos Capacitação Processo de Capacitação: INDICADOR 1 Objetivo: Ter Funcionários Individualmente Capacitados Indicador: Percentual de Funcionários Individualmente Capacitados - IFC Tipo de indicador Efetividade Quantidade de funcionários individualmente capacitados em relação ao total de O quê mede? funcionários lotados na Emprel Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOGC Por que medir? Identificar se existe funcionário sem capacitação no ano IFC = NFC TF Como medir? IFC Percentual de Funcionários individualmente Capacitados NFC - Nº de Funcionários Capacitados TF - Total Funcionário lotados na Emprel Situação atual IFC em 2012 Situação desejável Aumento do IFC anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 70% 80% 90% 100% 7

8 Processo de Capacitação: INDICADOR 2 Objetivo: Ter as capacitações alinhadas com o Plano de Capacitação Indicador: Percentual de Capacitações Realizadas alinhadas com o Plano de Capacitação - ICP Tipo de indicador Efetividade O quê mede? Quantidade de capacitações associadas ao Plano de Capacitação Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOGC Por que medir? Identificar se existe capacitações realizadas fora do Plano de Capacitação ICP = NCP TCR Como medir? ICP - Número de Capacitações alinhadas com o Plano NCP - Nº de capacitações realizadas dentro do Plano TCR - Total de Capacitações Realizadas Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do ICP anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 30% 60% 80% 100% Processo de Capacitação: INDICADOR 3 Objetivo: Realizar o Plano de Capacitação na íntegra Indicador: Percentual de Realização do Plano de Capacitação - IRP Tipo de indicador Eficiência O quê mede? Percentual de realização do Plano Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOGC Por que medir? Identificar o quanto o Plano de Capacitação não está sendo realizado IRP = NCP TCP IRP - Percentual de Realização do Plano de Capacitação NCP - Nº de capacitações realizadas dentro do Plano Como medir? TCP - Total de Capacitações previstas no Plano de Capacitação Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do IRP anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 70% 80% 90% 100% 8

9 3.3.2-Compras Processo de Compras: INDICADOR 1 Objetivo: Atender todas as cotações solicitadas Indicador: Percentual de Solicitações de cotação Atendidas - ISA Tipo de indicador Efetividade O quê mede? Quantidade de cotações atendidas em relação ao total de cotações solicitadas Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? UOAD Por que medir? Identificar se existe solicitação de cotação não atendida ISA = NCA TSC ISA - Percentual de Solicitações de Cotação atendidas NCA - Nº de Cotações Atendidas Como medir? TSC - Total de Solicitações de cotação Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do ISA anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 40% 60% 80% 100% Processo de Compras: INDICADOR 2 Objetivo: : Efetivar todas as compras autorizadas Indicador: Percentual de Compras Efetivadas - ICE Tipo de indicador Efetividade O quê mede? Quantidade de compras efetivadas em relação ao total de cotações autorizadas Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? UOAD Por que medir? Identificar se existe compra autorizada não atendida ICE = CEF TCA ICE - Percentual de Compras efetivadas CEF - Nº de Compras efetivadas Como medir? TCA - Total de Compras autorizadas Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do ICE anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 40% 60% 80% 100% 9

10 Processo de Compras: INDICADOR 3 Objetivo: Atender todos os prazos acordados com as Unidades Solicitantes Indicador: Quantidade de solicitações de cotação atendidas no prazo acordado - IAP Tipo de indicador Eficiência O quê mede? Quantidade de solicitações de cotação atendidas dentro do prazo acordado Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? UOAD Por que medir? Identificar se existe descumprimento dos prazos acordados IAP = NST NCA IAP - Percentual de Atendimento no prazo NST - Nº de Solicitações dentro do prazo Como medir? NCA - Nº de Cotações Atendidas Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do IAP anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 40% 60% 80% 100% 10

11 3.3.3-Contratos Processo de Contratos: INDICADOR 1 Objetivo: Controlar os aditamentos dos contratos vigentes Indicador: Percentual de Contratos com possibilidade de Aditamento - ICA Tipo de indicador Efetividade Número de contratos passíveis de prorrogação em relação ao total de contratos O quê mede? vigentes Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Por que medir? Identificar a possibilidade de realização de aditivo para cada contrato ICA = NPA NCV ICA - Percentual de contratos com possibilidade de aditamento NPA - Número de Contratos Passíveis de aditamento Como medir? NCV - Número de Contratos Vigentes Situação atual Planilha DAF em 2013 Situação desejável Aumentar o ICA anualmente Ter 70% dos contratos vigentes com possibilidade de aditamento até dezembro de META 2016 Distribuição anual 40% 50% 60% 70% Processo de Contratos: INDICADOR 2 Objetivo: Evitar a descontinuidade dos serviços contratados Indicador: Percentual de contratos com término de vigência a expirar em 90 dias - ITV Tipo de indicador Efetividade O quê mede? Número de contratos com término de vigência a expirar em 90 dias Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Por que medir? Evitar a descontinuidade dos serviços contratados ITV = CVE NCV ITV- Percentual de contratos com término de vigência a expirar em 90 dias CVE- Número de contratos com vigência a expirar em 90 dias Como medir? NCV - Nº de Contratos Vigentes Situação atual Planilha Mensal de contratos Situação desejável Redução do ITV anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 70% 80% 90% 100% 11

12 Processo de Contratos: INDICADOR 3 Objetivo: Evitar o retrabalho e o descumprimento das obrigações legais Indicador: Quantidade de mudança no código credor do Empenho - IMC Tipo de indicador Efetividade Quantidade de mudança no código dos credores sobre o total de empenhos O quê mede? convertidos Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Por que medir? Evitar o retrabalho e o descumprimento das obrigações legais IMC = NMC TEC IMC - Percentual de mudança nos códigos dos credores NMC- Número de mudanças nos códigos dos credores Como medir? TEC - Total de Empenhos Convertidos Situação atual Sem registro anterior Situação desejável Redução do IMC anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 40% 70% 80% 90% 12

13 3.3.4-Folha Processo de Folha: INDICADOR 1 Objetivo: Evitar o descumprimento de normas internas Indicador: Percentual de descumprimento às Normas Internas - INI Tipo de indicador Efetividade Quantidade de solicitações atendidas em desacordo com as normas internas em O quê mede? relação ao total de solicitações incluídas na folha Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOCF Por que medir? Identificar se existe descumprimento de normas internas INI = NSD TSF INI - Percentual de solicitações em desacordo com as normas internas NSD - Nº de Solicitações em desacordo com Normas Internas Como medir? TSF - Total de solicitações incluídas na Folha Situação atual Sem registro atual Situação desejável Redução do INI anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual Processo de Folha: INDICADOR 2 Objetivo: Atender as solicitações dos cleintes nos prazos acordados Indicador: Percentual de atendimento dentro do prazo acordado - IPA Tipo de indicador Eficiência Quantidade de solicitações atendidas dentro do prazo acordado em relação ao total O quê mede? de solicitaçõe incluídas na folha Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOCF Por que medir? Identificar se existe reclamações quanto ao descumprimento dos prazos acordados IPA = NSP TSF IPA - Percentual de atendimento dentro do prazo acordado NSP - Nº de Solicitações atendidas no prazo acordado Como medir? TSF - Total de solicitações incluídas na Folha Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do IPA anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 13

14 Processo de Folha: INDICADOR 3 Objetivo: Reduzir as reclamações dos clientes Indicador: Percentual de Erros inseridos na Folha - IEF Tipo de indicador Eficiência Quantidade de erros inseridos na folha em relação ao total de solicitações O quê mede? atendidas Quem mede? Gestor do DEGP Onde medir? UOCF Por que medir? Identificar se existem erros no processamento da folha IEF = NEF TSF IEF - Percentual de Erros inseridos na Folha NEF - Nº de Erros inseridos na folha Como medir? TSF - Total de Solicitações incluídas na Folha Situação atual Sem registro atual Situação desejável Aumento do IAP anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 14

15 3.3.5-Orçamentário Processo Orçamentário: INDICADOR 1 Objetivo: Reduzir a quantidade de solicitações de quotas extras Indicador: Percentual de QUOTAS EXTRAS realizadas no Mês - IQE Tipo de indicador Eficiência O quê mede? Grau de eficiência relacionado à execução da programação financeira autorizada Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Ajustar a relação entre a previsão na programação financeira autorizada e a Por que medir? despesa realizada IQE = NQE PQE IQE - Percentual de quotas extras realizadas NQE - Nº de Quotas Extras solicitadas Como medir? PQE - Parâmetro de Quota Extra (3) Situação atual Sem registro atual Situação desejável Redução periódica (mensal e anual) do IQE META Atingir o percentual de IQE aceitável como parâmetro até dezembro de 2016 Distribuição anual 150% 100% 80% 50% Processo Orçamentário: INDICADOR 2 Objetivo: Reduzir a quantidade de remanejamentos Indicador: Quantidade de REMANEJAMENTOS realizados no Mês - IRE Tipo de indicador Eficiência O quê mede? Grau de eficiência relacionado à execução da LOA Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Por que medir? Ajustar a relação entre a previsão e a execução da LOA IRE = NRE PRE IRE - Percentual de remanejamentos realizados NRE - Nº de Remanejamentos solicitados Como medir? PRE - Parâmetro de Remanejamentos (3) Situação atual Sem registro atual Situação desejável Redução periódica (mensal e anual) do IRE META Atingir o percentual de IRE aceitável como parâmetro até dezembro de 2016 Distribuição anual 150% 100% 80% 50% 15

16 Processo Orçamentário: INDICADOR 3 Objetivo: Reduzir a quantidade de anulação de empenhos Indicador: Quantidade de ANULAÇÃO DE EMPENHOS realizadas no Mês - IAE Tipo de indicador Eficiência O quê mede? Quantidade empenhos anulados em relação ao total de empenhos Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? DEAF Por que medir? Identificar a causa da anulação do empenho IAE = NAE TE IAE - Percentual de anulação de empenhos NAE - Nº de empenhos anulados Como medir? TE - Total de empenhos convertidos Situação atual Janeiro a setembro/2013 Situação desejável Redução periódica (mensal e anual) do IAE META Limitar o nº de anulações em 5% até dezembro de 2016 Distribuição anual 35% 25% 15% 5% 16

17 3.3.6-Financeiro Processo Financeiro: INDICADOR 1 Objetivo: Evitar pagamentos errados Indicador: Percentual de Erros de Pagamentos - IEP Tipo de indicador Eficiência Quantidade de erros de pagamentos em relação ao total de pagamentos O quê mede? realizados Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? UOFI Por que medir? Identificar a incidência de retenções erradas implantadas nos empenhos IEP = NIE TEC Como medir? Situação atual Situação desejável META Distribuição anual IEP - Percentual de Erros de Pagamentos NIE - Nº de Inconsistências Empenho/Nota Fiscal TEC - Total de Empenhos Convertidos Sem registro atual Reduzir IEP anualmente Processo Financeiro: INDICADOR 2 Objetivo: Agilizar o fechamento contábil Indicador: Percentual de atendimento do prazo para fechamento contábil - IPC Tipo de indicador Eficiência Tempo gasto no fechamento contábil em relação ao tempo determinado pela O quê mede? PCR Quem mede? Gestor do DEAF Onde medir? UOFI Por que medir? Identificar entraves existentes no fechamento contábil IPC = TFC TDF IPC - Percentual de atendimento do prazo para fechamento contábil TFC - Tempo gasto para fechamento contábil Como medir? TDF - Tempo Determinado pela PCR para fechamento contábil Situação atual Sem registro atual Situação desejável Redução IPC anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 17

18 Processo Financeiro: INDICADOR 3 Objetivo: Atingir o nível de Excelência na Prestação de Contas Anual ao TCE Indicador: Percentual de Itens questionados na Prestação de Contas Anual - IQP Tipo de indicador Eficiência Quantidade de itens questionados na Prestação de Contas Anual em relação ao O quê mede? total de itens da PC Quem mede? Gestor do DEAF Quando medir? Anual Onde medir? UOFI Identificar se existem reclamações quanto ao descumprimento dos prazos Por que medir? acordados IQP = NQP TIP IQP Percentual de itens questionados na Prestação de Contas Anual - IQP NQP - Nº de Questionamentos realizados pelo TCE-PE Como medir? TIP - Total de itens da Prestação de Contas Situação atual IQP da última Prestação de Contas julgada pelo TCE-PE Situação desejável Redução do IQP anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 18

19 3.3.7-Licitação Processo de Licitação: INDICADOR 1 Objetivo: Aumentar a qualidade das peças dos processos licitatórios Indicador: Percentual de esclarecimentos solicitados pelos licitantes - IEL Tipo de indicador Eficiência Quantidade de esclarecimentos solicitados pelos licitantes à CPL/PREGOEIRO O quê mede? em relação ao total de licitações em curso Quem mede? PRESIDÊNCIA Onde medir? CPL/ PREGOEIRO Melhorar a clareza dos textos nos Editais, Termos de Referência e demais Por que medir? documentações anexadas ao processo licitatório ISL = NES TL ISL - Percentual de esclarecimentos solicitados à CPL/PREGOEIRO NES - Nº de esclarecimentos solicitados Como medir? TL - Total de Licitações em curso Situação atual Sem registro atual Situação desejável Diminuição do ISL anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 0% 0% 0% 0% Processo de Licitação: INDICADOR 2 Objetivo: Aumentar a qualidade das peças dos processos licitatórios Indicador: Percentual de Impugnações nas Licitações - IIL Tipo de indicador Eficiência Quantidade de impugnações dos licitantes enviadas à CPL/PREGOEIRO em O quê mede? relação ao total de licitações em curso Quem mede? PRESIDÊNCIA/AJU Onde medir? CPL/ PREGOEIRO Por que medir? Evitar o descumprimento de normas legais IIL = NI TL IIL - Percentual de Impugnações nas licitações NI - Nº de impugnações Como medir? TL - Total de Licitações em curso Situação atual Sem registro atual Situação desejável Diminuição IIL anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 0% 0% 0% 0% 19

20 Processo de Licitação: INDICADOR 3 Objetivo: Aumentar a celeridade nos processos licitatórios Indicador: Percentual de Dias utilizados nas Licitações - IDL Tipo de indicador Eficiência A soma dos dias utilizados na licitação desde a solicitação até sua homologação O quê mede? em relação ao total de dias do trimestre Quem mede? PRESIDÊNCIA Quando medir? Trimestral Onde medir? CPL/PREGOEIRO Por que medir? Identificar se existe descumprimento dos prazos acordados IDL = STL 90 IPL - Percentual de dias utilizados nas licitações Como medir? NDL - Nº de Dias utilizados nas licitações Situação atual Sem registro atual Situação desejável Redução do IDL anualmente META Atingir os percentuais definidos para cada ano até dezembro de 2016 Distribuição anual 20

21 3.4-Manual dos processos O objetivo do manual do processo (Apêndice II) é servir de referência e orientação no que tange os procedimentos operacionais das unidades responsáveis pela execução dos processos trabalhados nesse projeto. Trata-se, fundamentalmente, de esclarecimentos sobre as normas gerais de funcionamento dos processos. Desta maneira, além de orientar, o manual serve de instrumento de comunicação e institucionalização do conhecimento corporativo. Forma de apresentação: Departamento Unidade Operacional Processo Objetivo Gestor do Processo Atribuição Dono do Processo Atribuição Procedência Entrada/Insumo Destino Saída/Produto/Serviço Atividades Ações Indicadores Mapa do processo 21

22 4-METODOLOGIA UTILIZADA A metodologia utilizada focou, inicialmente, a sensibilização de todos os que participariam do projeto, o que se efetivou através de uma capacitação. Num segundo momento, foi realizada uma sondagem junto aos clientes internos de cada processo. Num terceiro momento foi realizado um levantamento de informações, juntos aos gestores das Unidades Operacionais e colaboradores, que permitiu a elaboração dos mapas dos processos. Num quarto momento foram definidos indicadores para cada um dos processos e, por último, mas não menos importante, foram elaborados os manuais de cada um dos processos. 4.1-Capacitação A capacitação, realizada no período de a , com carga horária de 20 (vinte) horasaula, objetivou um nivelamento conceitual necessário para uma melhor execução do projeto, a sensibilização dos colaboradores e a disseminação da cultura de Business Process Management BPM. O quantitativo de colaboradores que fizeram parte dessa capacitação foi assim distribuído: Unidade Número de participantes Departamento Administrativo e Financeiro-DEAF 02 Unidade Operacional Financeira-UOFI 01 Unidade Operacional Administrativa-UOAD 02 Departamento de Gestão de Pessoas-DEGP 01 Unidade Operacional de Gestão por Competência-UOGC 02 Unidade Operacional de Cadastro e Folha de Pessoal-UOCF 01 Assessoria Jurídica 01 Comissão Permanente de Licitação-CPL 02 Unidade Operacional de Relacionamento e Parcerias-UORP 01 Unidade Operacional de Datacenter-UODC 01 Unidade Operacional de Central de Atendimento-UOCA 01 Unidade Operacional de Suporte a Software Básico-UOSB 01 Departamento de Operação e Suporte à Produção-DEOS 01 Assessoria de Governança Corporativa-AGC 01 TOTAL Levantamento de informações Por não existirem dados históricos dos processos trabalhados, no que concerne a avaliação dos clientes internos, foi realizada uma sondagem composta dos seguintes itens: 1. Disponibilização de instrumentos, formais e padronizados, para encaminhar a demanda. 2. Disponibilização de instrumentos que permitam identificar e rastrear a demanda. 3. Tempo de atendimento à demanda. Para cada item foram atribuídos os seguintes graus: 1) Péssimo 2) Ruim 3) Regular 22

23 4) Bom 5) Ótimo A seguir os gráficos, por processo: Obs: A última coluna corresponde à média. CAPACITAÇÃO Entrevistados (20) Obs: A última coluna corresponde à média. COMPRAS Entrevistados (14) Obs: A última coluna corresponde à média. CONTRATOS Entrevistados (12) 23

24 FOLHA Entrevistados (20) Obs: A última coluna corresponde à média Entrevistados (8) Obs 1: A última coluna corresponde à média. Obs 2: Relativos ao orçamentário e ao financeiro. ORÇAMENTO LICITAÇÃO Entrevistados (20) Obs 1: A última coluna corresponde à média. 24

25 4.2.2-Foi realizada, junto aos gestores e seus colaboradores, uma avaliação relativa às perspectivas da tecnologia da informação, dos recursos humanos e dos processos. Para esta avaliação, as respostas possíveis foram: SIM = Indicando aspectos positivos NÃO = Indicando aspectos que precisam melhorar NÃO SABE = Indicando desconhecimento e/ou deficiência no processo de comunicação A seguir os gráficos, por processo: CAPACITAÇÃO TIC, RH e PROCESSOS 4% 33% 63% SIM NÃO NÃO SABE COMPRAS TIC, RH e PROCESSOS 5% 56% 39% SIM NÃO NÃO SABE 25

26 CONTRATOS TIC, RH e PROCESSOS 0% 46% 54% SIM NÃO NÃO SABE FOLHA TIC, RH e PROCESSOS 2% 63% 35% SIM NÃO NÃO SABE ORÇAMENTO TIC, RH e PROCESSOS 0% 52% 48% SIM NÃO NÃO SABE Obs: Referente aos processos orçamentário e financeiro 26

27 LICITAÇÃO TIC, RH e PROCESSOS 0% 56% 44% SIM NÃO NÃO SABE Foi realizada, junto aos gestores e seus colaboradores, uma avaliação relativa às perspectivas da rotina/fluxo, responsabilidades, interfaces, controle/indicadores, regras/políticas, sistemas, pessoas e infraestrutura. Para esta avaliação, as respostas possíveis foram: SIM = Indicando aspectos que precisam melhorar NÃO = Indicando aspectos positivos NÃO SABE = Indicando desconhecimento e/ou deficiência no processo de comunicação A seguir os gráficos da visão geral, por processo: CAPACITAÇÃO Visão Geral 1% 33% 66% SIM NÃO NÃO SABE 27

28 26% COMPRAS Visão Geral 1% 73% SIM NÃO NÃO SABE CONTRATOS Visão Geral 2% 38% 60% SIM NÃO NÃO SABE 24% 7% FOLHA Visão Geral 69% SIM NÃO NÃO SABE 28

29 ORÇAMENTO Visão Geral 4% 33% 63% SIM NÃO NÃO SABE LICITAÇÃO Visão Geral 26% 11% 63% SIM NÃO NÃO SABE 29

30 5-DIAGNÓSTICO A seguir, serão apresentadas as sínteses das avaliações feitas pelos clientes (internos) dos processos; dos gestores das Unidades Operacionais onde são executados os processos e, também, dos colaboradores das Unidades Operacionais onde são executados os processos. 5.1-Avaliação dos clientes internos. A sondagem era composta dos seguintes itens: 1. Disponibilização de instrumentos, formais e padronizados, para encaminhar a demanda. 2. Disponibilização de instrumentos que permitam identificar e rastrear a demanda. 3. Tempo de atendimento à demanda. Os graus possíveis eram: 1=Péssimo / 2=Ruim / 3=Regular / 4=Bom / 5=Ótimo Item 1 Item 2 Item 3 Capacitação Compras Contratos Folha Orçamento Licitação Geral Média Avaliação dos Gestores e dos colaboradores das Unidades Operacionais onde são executados os processos A sondagem era composta das seguintes perspectivas: Tecnologia da Informação; Recursos Humanos e Processos. 1* 2* 3* Capacitação Compras Contratos Folha Orçamento Licitação Média 47% 51% 2% Observações: 1*-Indicativo de pontos positivos. 2*-Indicativo de pontos que precisam melhorar. 3*-Indicativo de desconhecimento do processo e/ou deficiência na comunicação. 30

31 5.2.2-A sondagem era composta das seguintes perspectivas: Rotina/fluxo; Responsabilidades; Interfaces; Controles/indicadores; Regras/políticas; Sistemas; Pessoas e Infraestrutura. 1* 2* 3* Capacitação Compras Contratos Folha Orçamento Licitação Média 30% 66% 4% Observações: 1*-Indicativo de pontos positivos. 2*-Indicativo de pontos que precisam melhorar. 3*-Indicativo de desconhecimento do processo e/ou deficiência na comunicação. Avaliação dos clientes internos nos apresenta uma situação classificada, na média, como regular para todos os sete processos trabalhados. Destaque para Disponibilização de instrumentos que permitam identificar e rastrear a demanda com média 2 (ruim). Avaliação dos gestores e dos colaboradores das Unidades Operacionais onde são executados os processos, referente às perspectivas de TI, RH e PROCESSOS, registrou o percentual de 51%, indicando a necessidade de ações buscando melhorar a eficiência dos setes processos trabalhados. Avaliação dos gestores e dos colaboradores das Unidades Operacionais onde são executados os processos, referente às perspectivas de Rotina/fluxo; Responsabilidades; Interfaces; controles/indicadores; Regras/políticas; Sistemas; Pessoas e Infraestrutura, registrou o percentual de 66% indicando a necessidade de ações buscando melhorar a eficiência dos setes processos trabalhados. 31

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL Diretoria de Soluções em Tecnologia da Informação DSI Departamento Projetos, Processos e Requisitos - DEPR Unidade Operacional de Projetos e Processos UOPP RELATÓRIO DE ENTREGA DO PROJETO DE BPM ADMINISTRATIVO-FINANCEIRO-EMPREL

Leia mais

Projeto BPM-DAF Julho/2014

Projeto BPM-DAF Julho/2014 Projeto BPM-DAF Julho/2014 O QUE VEREMOS? 1-1ª Etapa 1.1-ESCOPO 1.2-RESULTADOS OBTIDOS 2-2ª Etapa 2.1-ESCOPO 2.2-RESULTADOS OBTIDOS 3-APRENDIZADO 4-PRÓXIMA ETAPA (Gestão do desempenho e automação) 1.1-ESCOPO*

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Como estamos agregando valor com a Gestão por Processos? Leandro Jesus

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Como estamos agregando valor com a Gestão por Processos? Leandro Jesus Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Como estamos agregando valor com a Gestão por Processos? Leandro Jesus ELO Group Quem somos Consultoria especializada em Gestão de Processos de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Governança Corporativa e a gestão dos processos

Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa e a gestão dos processos Governança Corporativa É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas, e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre acionistas/associados/cotistas,

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Ângela F. Brodbeck. Ana Maria Rizzo Silva

Ângela F. Brodbeck. Ana Maria Rizzo Silva Alinhamento Estratégico entre TI e Negócio Alinhamento entre Ações Estratégicas, Processos e iniciativas de Tecnologia de Informação Novembro, 2013 Ângela F. Brodbeck Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal

Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal CBPP (Certified Business Process Professional) DESAFIOS DE NEGÓCIO GOVERNO Agilidade e Adequação de Serviços ao

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Desempenhode de Processos. Circuito BPM Congress Brasília/DF

Gerenciamento de Desempenhode de Processos. Circuito BPM Congress Brasília/DF Gerenciamento de Desempenhode de Processos Circuito BPM Congress Brasília/DF 1 Agenda Medição de desempenho. Definições-chave de desempenho de processo. Monitoramento e controle de operações. Metodologias

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Versão 1.0 Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Índice INTRODUÇÃO... 3 FINALIDADE...

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014

Atendimento Integrado de Serviços. março/2014 Atendimento Integrado de Serviços março/2014 Agenda 1 A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP 2 Programa Gestão por Processos 3 Processo Atendimento Integrado de Serviços 1 Rede Nacional de Ensino e

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho

GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS. Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho GESTÃO DE RISCOS CORPORATIVOS Modelo FUNCEF Antônio Bráulio de Carvalho AGENDA A FUNCEF INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS FUNDAÇÃO 1ºde Agosto de 1977 34 anos PATROCINADO RAS Missão COLEGIADOS CAIXA ECONÔMICA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO:

Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO: Minuta de Contrato Administrativo n. ***/2013 Compromisso celebrado entre [nome da CONTRATANTE], localizada à [inserir endereço completo], inscrita no [caso Administração indireta inserir número do CNPJ],

Leia mais

Estabelecendo um Escritório de Processos

Estabelecendo um Escritório de Processos Reitoria UTFPR Diretoria de Tecnologia de Informação Assessoria de Planejamento de Negócios Estabelecendo um Escritório de Processos Profa. Ângela F. Brodbeck Escola de Administração Reitoria Pró-Reitoria

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Curi9ba

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Curi9ba Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Fortaleza Curi9ba Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Análise de processos Contextualização Visão geral dos processos da empresa 4 Negócios

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS

METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS METODOLOGIA DE GESTA O DE PROCESSOS Guia de referência do sistema de Gestão de Pr ocessos do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Versão 0.0 METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS Guia de referência

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

O atual estágio da implantação do BANCO DO BRASIL

O atual estágio da implantação do BANCO DO BRASIL O atual estágio da implantação do modelo de risco operacional no BANCO DO BRASIL 14 de maio de 2010 1 Agenda I OBancodoBasil Brasil - GandesNúmeos Grandes Números II Estrutura de Gerenciamento de RO III

Leia mais

Gestão por Processos

Gestão por Processos Gestão por Processos Ponta Grossa SC Setembro de 2011 Simone de Andrade Klober. Graduado em Psicologia - ACE/SC, Mestre em Gestão Estratégica ESAG/UDESC, Especialista em dinâmica dos Grupos SBDG, Formação

Leia mais

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos

7.3.1 Identificação das Condições para Realização dos Subprocessos CAPÍTULO 07 MODELAGEM DO PROCESSO Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento do Processo Mapeamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657 TERMO DE REFERÊNCIA Implantação do Sistema de Gestão da Qualidade e Modernização da Superintendência de Arrecadação, Cadastro e Informações Econômico-Fiscais (SUACIEF) Rio de Janeiro, outubro de 2012.

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17

Unidade: Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Nº: MANUAL DE PROCEDIMENTOS. TÍTULO: Modelar Processos 1/17 1/17 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão Mais Eficiência e Eficácia cia nas Organizações Através s da Gestão de Processos Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão 14/03/2007 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Treinamentos em Gestão por Processos Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Da modelagem e análise ao monitoramento da execução de processos automatizados: tudo o que você precisa saber para fazer a Gestão

Leia mais

PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017

PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2014-2017 Equipe Gestora: Antonia Tatiana Ribeiro

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

MPU 2010 CESPE. Série Provas Comentadas. Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas

MPU 2010 CESPE. Série Provas Comentadas. Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Provas Comentadas CESPE MPU 2010 Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas Conceitos de Governança de TI e Escritório de Projetos Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13

Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13 Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13 Representantes dos Processos Principais: Estão diretamente envolvidos no atendimento aos principais requisitos dos clientes externos, portanto estão focados no cliente

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI

Dados de Identificação. Dirigente máximo da instituição. Nome/Sigla da instituição pública. Nome do dirigente máximo. Nome/Cargo do dirigente de TI Dados de Identificação Dirigente máximo da instituição Nome/Sigla da instituição pública Nome do dirigente máximo Nome/Cargo do dirigente de TI Endereço do setor de TI 1 Apresentação O Tribunal de Contas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A

Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A Implementação de um programa de Auditoria de Conduta & Ética - Caso MRS Logística S.A. Eduardo da Costa Azevedo MRS Logística S.A MRS Logística S.A A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013. 1 Semestre de 2013

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013. 1 Semestre de 2013 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 21/05/2013 1 Semestre de 2013 1. Por favor, respondam o teste (4 perguntas) do site http://inspiira.org/ 2. Enviem seus resultados para o meu e-mail Possíveis

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação

Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Integração e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Clique para editar o estilo do subtítulo mestre José Romildo Brasília, 1o de junho de 2011 GTSIS - maio-2011 dificuldades: reflexões ações não combinadas

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011

www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 www.pwc.com/br II Simpósio Internacional PwC Inovação em Gestão Pública Abril 2011 Agenda Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos no Governo de MG 1. Introdução 2. Diagnóstico 3. Desenvolvimento/implantação

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI Autores Caroline Donato Dario Almeida Marisa Fraga Apresentação Dario Almeida Gerente Executivo

Leia mais