Departamento de Economia, Administração e Sociologia Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Economia, Administração e Sociologia Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo"

Transcrição

1 Darano d Econoa, Adnsração Socologa Escola Suror d Agrculura Luz d Quroz Unvrsdad d São Paulo MACRO E MICROECONOMIA DOS PREÇOS DE COMMODITIES Graldo San Ana d Caargo Barros Sér Ddáca no. D-3 Fvrro 24

2 /28/947 /28/95 /28/953 /28/956 /28/959 /28/962 /28/965 /28/968 /28/97 /28/974 /28/977 /28/98 /28/983 /28/986 /28/989 /28/992 /28/995 /28/998 /28/2 /28/24 /28/27 2 Inrodução Nsas noas rnd-s dscur a volução dos rços d coods, nrrando-a ndo cona suas nrrlaçõs co faors xlcavos acro croconôcos. Qual sdo ssa volução nas úlas décadas? O coorano dsss rços ros ras, dflaconados lo CPI dos EUA a arr dos anos 94 aarc na fgura, confor colação do CRB FED/S. Lous SPOT ALIMENTOS METAIS PETROLEO Fgura. Índcs d Prços Ras d Coods, 947/28 Fon: CBR/SPOT,FOOD, ST LOUIS FED h://www.crbradr.co/crbndx/, h://rsarch.slousfd.org/frd2/srs/oilprice/downloaddaa?cd=98 Tano o índc gral So 2 coo o d alnos scífco arsna duas ndêncas sgudas d quda. A rra do nco das sérs aé ados dos anos 97; Ennd-s coods coo sndo o conjuno d bns cuja rodução vncula-s forn aos rcursos nauras solo, água, luz solar, raura. Engloba, orano, os roduos agrocuáros, da sca florsas, ass coo os nras nclusv rólo as. Oura caracrísca d coods é o fao ossuír adrõs acos undaln, co rlavan quna orânca da rgão d rocdênca ou do su roduor. Nss sndo, coods s conraõ aos bns ndusralzados ou anufaurados, qu são ransaconados co arcas, qu s rsa ara dfrncá-los ran os coradors, úla nsânca, fxar sus rços fora dos adrõs d concorrênca. 2 O Índc So CRB é cooso d rços d roduos vgas, anas as.

3 3 a sgunda daí aé ados dos anos 2. Enr as duas, há u salo xrssvo d rços, qu sdo arbuído a xcsso d lqudz, quda do dólar no quadro do rono do acordo d Bron Woods, foração do carl da OPEP squênca a urbulêncas no Orn Médo, c.. 3 Na rra, a quda ral éda ra sdo d crca d 5%, na sgunda a quda fo da ord d 7%. Ua ala rlavan oran 4% a 5% ocorr a arr d ados dos anos 2, vndo, oré a sr nrroda arcaln nos úlos anos da década. Coorano arcdo ocorru co o índc ara as; s, oré, arc as volál. Já o rço do rólo sgundo xo na fgura arc s drnar or forças dfrns das das coods. Noa-s aunos sgnfcavos na década d 97, quando da foração da OPEP, ua grand rcuração no fnal do ríodo, à slhança d as. O cofcn d corrlação sls nr as sérs SPOT Alnos, consans da fgura, é,98. O cofcn nr Alnos Mas é,78. Co rólo, a corrlação é uo baxa,. Pod-s afrar, co cra sgurança, orano, qu xs ua ndênca cou nr os rços d dvrsas coods, co xcção do rólo. Ou sja, há ua ndênca hsórca d ovnação conjuna d rços d coods. Essa coovnação sugr qu sss rços od sar sujos a faors abrangns, coo os acroconôcos, coo axa d juros, axa d câbo, c.. Já a ndênca cou sugr ossívl fo da volução cnológca ouros faors qu afa o crscno conôco d longo razo, cujo ndcador as oran é a roduvdad. Jacks, O'Rourk Wllason 29, nu sudo qu vola ao ano d 7, xana alguas ouras caracríscas dos rços d coods coarados a rços d ouros os d bns, coo os anufaurados ou ndusras. Prra rguna: os rços d coods sr fora as volás? Rsosa: s, cagorcan 4. Sgunda rguna: a volaldad dos rços d coods aunou ao longo do 3 Vr Nlson, E. 24. Th Gra Inflaon of h Svns: Wha Rally Hand? Fdral Rsrv Bank of S.Lous Workng Par 24-.h://rsarch.slousfd.org/w/24/24-.df 4 Volaldad é dda lo dsvo adrão do log da rlação nr os rços ríodos subsqüns: P ln P. Para o ríodo d 87 a 95, a volaldad dos rços dos bns anufaurados corrsondu a 63% da volaldad dos rços dos alnos.

4 4 o? Rsosa; não, s dúvda. Qual a rlação nr globalzação aor ngração d rcados volaldad? Rsosa: a globalzação rduzu a volaldad. Es úlo asco rsulara do balanço nr duas forças. Por u lado, a globalzação ndra a rduzr a volaldad rsulan das varaçõs d ofra rgonas or razõs clácas, or xlo ao agrgar roduçõs d dfrns rocdêncas. Por ouro, a globalzação odra dssablzar a danda dvdo a ocorrêncas acroconôcas, co suas caracríscas squêncas d boos buss. Os auors conclu qu o fo do lado da ofra rdonou sobr os do lado da danda. Ofra danda são sr os faors a qu s arbu o coorano dos rços d coods, aé so or força do snso cou. Não é raro, oré, qu analsas orans rlgu u dsss coonns d rcado a ua osção scundára. A sgur analsaos foras d nsrr as coonns nas análss d rços d coods. E su argo d 29, Frankl analsa rês xlcaçõs frqunn ofrcdas ara o coorano dos rços d coods, s nconar sss faors d ofra: roduvdad ngração das rgõs d rodução. O cnáro qu rnd nrrar é o da grand lvação d rços nos anos 2 aé 28. A rra xlcação assoca a ala ao crscno da danda undal, uxado or Chna, Índa, c. A sgunda lvana a hós d sculação dssablzadora ou bolha sculava, qu coras são fas s qu haja razõs fundanadas ara qu xcava d ala. Fnaln, a rcra xlcação aona ara olíca onára frouxa consqüns juros baxos. Frankl concnra-s na análs rlaconada à olíca onára. Juros alos, or xlo, ra drrubado os rços no coço dos anos 98. O fo ra vndo da lvação do cuso d socag. Sja d coods colocadas arazéns, sja d néros rólo, qu sava araznadas no solo. Aós 2, o nvrso ocorru co os juros uo baxos. Conra ssa xlcação, Frankl lbra qu sus crícos osra qu os juros baxos são ncoaívs co os soqus qunos no ríodo rcn. Ua ossívl raconalzação ara al aradoxo sra a dsconsdração da socag dcorrn da não xração: od socar a aéra ra xraída ou socá-la ans da xração coo o rólo qu ranc sob o solo dvdo ao baxo cuso d

5 5 socá-lo. E balanço, Frankl arc conclur qu: a a avdad conôca, a nflação, ncrza conrbu ara xlcar os ovnos dos rços; b olíca onára juros não arc rlvans, xco, alvz, ndran, or fos sobr avdad conôca nflação. Esa é ua conclusão, arsnada co cra dcção, qu choca co suas análss anrors, scaln d 986. A nrração acroconôca ou, as rcsan, onára d Frankl sgu ssas lnhas. Por sr nos volás ou nos flxívs, os rços d bns anufaurados gral são analsados dfrnn d rços d coods. Ess s ajusara radan às varaçõs d ofra danda, sando, ass, rann qulíbro, or ass dzr. Já os rços d anufaurados lvara as o ara s ajusar o ajusano s dara roorção ao xcsso d danda: quano aor afasano do qulíbro, as rádo o ajusano. O ro dss ajusano dnura à dda qu o qulíbro s aroxass No caso d bns ndusras, os rços sra do o scky rcs, ou sja, rços rígdos. A rsnça d rgdz nos rcados, coo s sab, sdo a nrração kynsana ara a xsênca d dsqulíbro, o dsrgo no rcado d rabalho; a ocosdad do caal, o hao do roduo rodução aqué do oncal. A fora conrolada d ajus dos rços d anufauras lca qu os sus rcados, ao conráro dos d coods qu sra covos, são do o concorrênca onoolísca, cuja rncal dsnção é a dfrncação d roduos. Arhur Okun, 975, fo onro no uso d quaçõs dscrvas da rgdz salaral, rgdz ssa qu s ransa aos rços confor ua sraéga d arku sobr os cusos. Coo os saláros são subdos a conraos, ls rcsa d o ara s ajusar: o rcado d rabalho od rancr dsqulbrado or cro o nquano os conraos vão sndo rvsos aós sus vncnos. S o rcado d rabalho xcsso d danda, os saláros vão rancr subndo ou cando or cro o; não há ajus nsanâno qu qulbr o rcado d dao. Muos auors, nr ls, Jffry Frankl, 986, forulara o ajus d rços d anufauras coo dndn do grau d dsqulíbro no rcado, sndo qu ss ajus não s dá nsananan, coo s dara no caso das coods.

6 6 A Mcroconoa Consdraos ua conoa co dos bns: coody anufaurado. Nua forulação croconôca, focaos ncaln no rcado da coody. Suoos qu rço flxívl, so é, sá rann qulíbro, nvolvndo ofra danda. A ofra s A é dada lo roduo do volu d rcursos roduvos ulzados R vzs a roduvdad oal dsss rcursos H d ára 5 : A N H s sndo o volu d rcursos dndn do rço ral d coody, co sndo o nívl gral d rços 6 : P N N 2 é a lascdad da ofra d rcursos roduvos à rodução d coody. A roduvdad H é drnada xognan. Toaos o índc gral d rço da conoa, Q da anufaura:, coo ua éda ondrada dos rços soras P da coody P Q logaros rrsnados or lras núsculas ln q 3 E logaros a ofra é dada or: a s n h A danda la coody é dada la soa logaríca da danda ara consuo corrn ara consuo fuuro ou sja, ara soqu 7. Podos rrsná-la, 5 Sguos aqu o rocdno rgado análss da roduvdad oal, agnando-s u conjuno d bns srvços d rodução dnonado rcursos ou nsuos, cuja varação é drnada or consdraçõs rvadas d ozação. O roduo rsulan do uso dos rcursos dnd da roduvdad, consdrada xógna. Vr, or xlo, Dwr & Nakaura. 6 Coo nora, no odlo a sr dsnvolvdo, odos os arâros são osvos.

7 7 orano, or ua função do rço da rnda ras da axa ral d juros, aroxada or, sndo a nflação srada. ou log 8 : P Y d A [ ] Ao 4 a d a y 4 sndo y a rnda ral. d s Consdrando-s a condção d qulíbro a a : [ a n y h ] 5 Sgundo agora a rssuosção d Frankl, ados qulíbro conínuo no rcado d coody. A arr d 5 anndo nalradas as das varávs os: d d 5 Isso ndca qu u auno na axa d juros no ono dv rduzr o rço da coody or causa do auno no cuso d oorundad da socag. No ono, adas, os: E 6 ond é axa srada d crscno d. Ignora-s, coo ans, ouros cusos d socag, alé dos juros. 7 A nsração quano ao aco dos juros sá, lnhas gras, nos odlos d Wrgh & Wllas, nr ouros, qu o volu a socar é aroxadan ua roorção do volu dsonívl rodução corrn as soqu ncal; ssa roorção vara nvrsan ao cuso d araznag, co dsaqu aos juros. Para faclar nossa odlag, o volu a sr socado é soado à danda corrn, qu quvalra alrnavan a sua subração do volu roduzdo. 8 Usaos a aroxação ln ln.

8 8 Anda d acordo co Frankl, a anufaura rço q rígdo qu s ajusa d acordo co o dsqulíbro no rcado, dados cusos srados nflação srada no longo razo, qu é gual à axa srada éda d crscno da ofra d oda 9. Essa rgdz no rcado d anufauras d qu os rços rlavos s ajus nsananan. O rcado d anufauras od fcar dsqulíbro, qu nd a sr lnado, ao longo do o, sob condçõs d sabldad. O rcado d coody sará sr qulíbro ofra danda guas, condconado vdnn ao rço vgor a cada ono no rcado d anufaura. Ass, s for d qulíbro as q não, o ajus q alra o nívl gral d rço logo, coo s noa 5. Suoos qu s ajus da sgun fora: ond é o rço d qulíbro. Ass, s [ ] r 7, or xlo, não sra-s ua quda d rço ara o róxo ríodo:. E. Não havndo al dsqulíbro ou sja, s r., não crscrá à axa nonal d juros d longo razo Sob xcavas raconas E, ou sja, o rço srado ara + é aqul qu qulbra nsananan o rcado. Consdrando 6 7, os qu a varação d rços nr + dv ao so o gualar-s à axa d juros ao ovno ncssáro d ajus: ] [ r 8, logo, _ [ r ] 9 Usando a xrssão ara o rço d qulíbro 5: 9 q y d y g ond q é o rço da anufaura ; y d y são quandads dandada roduzda no longo razo. Incluíos o faor g corrsond a udanças ranns nos cusos, dvdo à cnologa, a sr ransfrda ara rços.

9 9 [ a n y h ] [ r ] [ a n y h ] [ r ] Prcb-s qu o rço da coody acoanha o índc gral d rço, odndo xcdê-lo, or xlo, caso a roduvdad caa ou a rnda ral aun. Dsa fa, noa-s qu, consdrando a fala d qulíbro no rcado d anufaura o consqün ovno no rcado d coody, u auno na axa d juros roduzrá a sgun varação w d [ ] d E rsuo os qu ua quda nos juros d ara va:. aunar o rço da coody - nos das ríodos nquano rdurar os juros aors - lo onan d d dcorrênca do baraano da socag; 2. aunar anda as o rço anas lo onan d d ara coablzar a ncssdad d o rço crscr valor gual a axa nor d juros. A sgunda ar é chaada d ovrshoong do rço assocado varação no juro. Traa-s d varação no rço xcsso ao qu o ajus ao qulíbro dandara dado. A Macroconoa Efos onáros

10 Fala dalhar o coorano dos juros. Consdraos o rcado d oda qulíbro conínuo: M M M d s M M s Y d ond Y é roduo oal dado la éda ondrada do rodução d coody Y c Y anufaura. Os arâros são lascdads d danda d oda. E logaros o qulíbro srá: y logo y qu lvado ara { a [ r ] n [ ] y [ ] h } 2 Conclu-s d 2 qu u auno, or xlo, causará: a auno roorconal s son s. não ocorrr varação y; ou sja, odo o auno é absorvdo or,., abé, não rovocar alração na axa d crscno da ofra d oda b anror acrscdo d aco qu ossa causar y qu lv a danda or coody, aco ss qu dnd do balanço nr. fo dro da rnda sobr a danda or coody. fo ndro do auno na rnda lvando os juros rduzndo a danda or coody [ ]

11 c anror acrscdo d as o aco da quda dos juros, dsdobrado. auno da danda or araznag, orano,. rdução do aco nflaconáro d su rass a. nor quda d ncssára ara coablzar o ovno nroral d rços d anror acrscdo d ossívl aco d auno rsular auno rduzndo aco va axa ral d juros Coérco Inrnaconal Efo Cabal Nsa ar consdraos qu xsa coérco xoração d u drnado aís ara o rso do undo. Consdraos abé qu no rso do undo s fora o rço da coody da fora coo xusos anrorn ara ua conoa qualqur. Traaos aqu d coo s sablc o rço no aís qusão. Ados qu o volu xorado or ss aís não afa o rço nrnaconal qu sua axa d câbo aís drna-s no rcado. Sgundo o conosa nglês Jvons, In h sa on ark, a any on, hr canno b wo rcs for h sa arcl. A L do Prço Únco sdo a bas ara análs d rços d coods: ua vz convrdos a ua sa oda, as coods srão ngocadas lo so rço. Para Offcr 986 a L s vrfcara nu rcado rfan covo aravés do rocsso d arbrag. Ass, s P for o rço nu drnado aís oador d rços, P for o rço no rso do undo RDM, xrsso oda srangra dólar, or xlo E a axa d câbo rço da oda srangra ros da oda doésca 2, ros qu: Enquano u auno roduzr quda, auna-s y roduo ofrado a nflação fca rduzda. Offcr, Lawrnc H., 986, Th Law of On Prc Canno B Rjcd: Two Tss Basd on h Tradabl/ Nonradabl Prc Rao, Journal of Macroconocs, Vol. 8, No. 2, Por xlo, s u aís for o Brasl a oda srangra for o dólar, a axa d câbo srá xrssa ras or dólar.

12 2 P P E 3. E ros d logs: 3 Asar da lógca do arguno, a L do Prço Únco sdo largan qusonada quando subda a análs írca. Mljkovc 3 aona ossívs razõs ara sss qusonanos: a ráca d rcng o ark, ou sja, dscrnação d rcados d acordo co lascdads d danda do aís orador; b rscos cabas, c saração gográfca dos rcados consqüns cusos d ransação. Aqu nos concnraos nas consqüêncas do rocsso d ajusano dfrncado d rços d coods anufauras sobr a vgênca da L. Para snzar os argunos ara o ajusano não nsanâno da axa d câbo, rcorros aos argunos d Dornbush 4. As sguns hóss são adoadas: c 4 Ass, coo osra as duas rras condçõs, suoos qu os rços oda doésca srangra s ajusa às axas d juros vgns nos rscvos rcados. A rcra condção dcorr da rssuosção d rfa subsução nr avos fnancros naconal srangro: ara nvsr na oda doésca é sr qu haja ua xcava d qu la s dsvalorz onan gual ao dfrncal das axas d juros doésca srangra. As condçõs 4 são coaívs co 3. Suoos anda qu os ajuss nas rês varávs s rocss das sguns foras: 3 Mljkovc, D Th Law of On Prc n Inrnaonal Trad: a crcal rvw. Rvw of Agrculural Econocs 2: Vr Dornbusch, R "Excaon and h Exchang Ra Dynacs". Journal of Polcal Econoy 84: 6-76 Frankl, J.F "On h Mark: A Thory of h Floang Exchang Ras Basd on Ral Inrs Dffrnals". Th Arcan Econoc Rvw 69:

13 3 - D r r 5 Ans d avançaros, val consdrar o sablcno da axa d câbo d qulíbro. Traa-s da axa qu rvalcra sob vgênca da L d Pardad Cabal: 6 qu a axa d câbo d qulíbro d u aís crsc ou sja, s dsvalorza a arr d u valor ncal roorção dra à volução do rço édo doésco d qulíbro ndra rlação ao rço xrno. Enão s suusros qu o nívl d rço d qulíbro cada rgão corrsond à rscva ofra onára srada: 6 Usando 4 as xrssõs 5 corrsondns ara o rço xrno axa d câbo: ] [ D r ] [ r 7 Agora roaos a condção d arbrag dada 3 ara usaos a xrssão ara 7: ]} [ { r } {

14 4 Roando 2 ara o rço xrno 6 : } { ] [ } ] [ ] [ { r h y n a 8 r h y n a } ] [ ] [ { 9 A xrssão 9 ndca qu o rço doésco d u aís oador d rços no rcado xrno: a vara roorconaln à ofra onára nrna. vara razão d alraçõs na rnda xrna y or causa do aco qu ossa causar na danda or coody, aco ss qu dnd do balanço nr. fo dro da rnda sobr a danda or coody. fo ndro do auno na rnda lvando os juros rduzndo a danda or coody [ ] b vara razão d varaçõs dos juros, dsdobrado fos sobr. a danda or araznag. aco nflaconáro d su rass a. nor quda d ncssára ara coablzar o ovno nroral d rços v. aco sobr a axa d câbo 5 c vara razão d varaçõs rduzndo aco va axa ral d juros 5 No ocan ao fo cabal, odra sr consdrado anda o aco qu udanças nas axas cabas dos rncas aíss qu aua no rcado od r na rnda ral dsss aíss. Por xlo, as coods nd a sr coadas dólars arcanos, logo, quando ss s dsvalorza, há ua arcação rlava das das, o qu foralc o odr d cora dos ouros aíss. O consqün auno d rnda ral dls lva a danda undal nd a aunar o rço da coody dólars.

15 5 d vara razão d alraçõs na axa doésca d juros aravés d su fo no câbo Rfrêncas Dwr, W.E., A.O.Nakaura. 22. Th Masurn Of Aggrga Toal Facor Producvy Growh h://www.con.ubc.ca/dscars/d25.df Frankl, J.A "Excaons and Coody Prc Dynacs: Th Ovrshoong Modl." Ar. J.Agr. Econ. 68May 986: Frankl, J. A. 26. Th Effc of Monary Polcy on Ral Coody Prcs. Naonal Burau of Econoc Rsarch. h://www.hks.harvard.du/fs/jfrankl/cabllm&cpnbrnov.df. Frankl, J.A., A.K.Ros. 29. Drnans of Agrculural and Mnral Coody Prcs h://das.rc.org/h/rba/rbaacv/acv29-2.hl Jacks, D.S.,K,H. O'Rourk, J. G. Wllason. 29. Coody Prc Volaly and World Mark Ingraon snc 7. Workng Par h://www.nbr.org/ars/w4748 Mljkovc, D Th Law of On Prc n Inrnaonal Trad: a crcal rvw. Rvw of Agrculural Econocs 2: Dornbusch, R "Excaon and h Exchang Ra Dynacs". Journal of Polcal Econoy 84: Frankl, J.F "On h Mark: A Thory of h Floang Exchang Ras Basd on Ral Inrs Dffrnals". Th Arcan Econoc Rvw 69: Nlson, E. 24. Th Gra Inflaon of h Svns: Wha Rally Hand? Fdral Rsrv Bank of S.Lous Workng Par 24-.h://rsarch.slousfd.org/w/24/24-.df Offcr, Lawrnc H., 986, Th Law of On Prc Canno B Rjcd: Two Tss Basd on h Tradabl/ Nonradabl Prc Rao, Journal of Macroconocs, Vol. 8, No. 2, Okun, A Inflaon: s Mchancs and Wlfar Coss. Brookngs Pars on Econoc Acvs no. 2, Wrgh, B.D.; J.C.Wllas, 984. Th Wlfar Effcs of h Inroducon of Sorag. Quarrly Journal of Econocs. P:

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 389 RESTRIÇÃO EXTERNA, CÂMBIO E CRESCIMENTO EM UM MODELO COM PROGRESSO TÉCNICO ENDÓGENO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 389 RESTRIÇÃO EXTERNA, CÂMBIO E CRESCIMENTO EM UM MODELO COM PROGRESSO TÉCNICO ENDÓGENO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 389 RESTRIÇÃO EXTERNA, CÂMBIO E CRESCIMENTO EM UM MODELO COM PROGRESSO TÉCNICO ENDÓGENO Fabrco J. Msso Frdrco G. Jam Jr. Agoso d 00 Fcha caalográfca 38 M678r 00 Msso, Fabrco J. Rsrção

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES ARGA E DESARGA DE APAITORES O assuno dscudo ns argo, a carga a dscarga d capacors, aparcu dos anos conscuvos m vsbulars do Insuo Mlar d Engnhara ( 3). Ns sudo, srão mosradas as dduçõs das uaçõs d carga

Leia mais

J, o termo de tendência é positivo, ( J - J

J, o termo de tendência é positivo, ( J - J 6. Anxo 6.. Dinâmica da Economia A axa d juros (axa SEL LBO) sgu um modlo. Ou sja, o procsso da axa d juros (nuro ao risco) é dscrio por: dj ( J J ) d J ond: J : axa d juros (SEL ou LBO) no insan : vlocidad

Leia mais

Fenómenos Transitórios

Fenómenos Transitórios 2-7-24 Fnónos Transóros Dfnção fnónos ransóros São fnónos q ocorr crcos lécrcos nr os saos rg rann. Noraln, os fnónos ransóros ocorr crcos lécrcos ran as anobras abrra fcho nrrors. Po abé aconcr vo a oras

Leia mais

PINDYCK & RUBINFELD, CAP 5; VARIAN, CAP.12

PINDYCK & RUBINFELD, CAP 5; VARIAN, CAP.12 Escolha sob Icrtza PINDYCK & RUBINFELD, CAP 5; VARIAN, CAP. OBS.: ESTAS NOTAS DE AULA NÃO FORAM SUBMETIDAS A REVISÃO, TENDO COMO ÚNICA FINALIDADE A ORIENTAÇÃO DA APRESENTAÇÃO EM CLASSE. COMENTÁRIOS SÃO

Leia mais

r R a) Aplicando a lei das malhas ao circuito, temos: ( 1 ) b) A tensão útil na bateria é: = 5. ( 2 ) c) A potência fornecida pela fonte é: .

r R a) Aplicando a lei das malhas ao circuito, temos: ( 1 ) b) A tensão útil na bateria é: = 5. ( 2 ) c) A potência fornecida pela fonte é: . Aula xploraóra 07. Qusão 0: Um rssor d Ω é lgado aos rmnas d uma bara com fm d 6V rssênca nrna d Ω. Drmn: (a) a corrn; (b) a nsão úl da bara (so é, V V ); a b (c) a poênca forncda pla fon da fm ; (d) a

Leia mais

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X

09. Se. 10. Se. 12. Efetue: 13. Calcule C. a é:, determine a matriz X LIST DE EER MTRIZES E DETERMINNTES PROF ROGERINHO º ENSINO MÉDIO NOME Nº TURM Rrsn n for d l rz, co s, s, Dd rz, co, scrv rz (M O rço d u rz qudrd é so dos lnos d su dgonl rncl O rço d rz ) (, l qu é:

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS. Vamos agora analisar em detalhe algumas variáveis aleatórias discretas, nomeadamente:

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS. Vamos agora analisar em detalhe algumas variáveis aleatórias discretas, nomeadamente: 98 99 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Vamos agora analisar m dalh algumas variávis alaórias discras, nomadamn: uniform Brnoulli binomial binomial ngaiva (ou d Pascal) gomérica hirgomérica oisson mulinomial

Leia mais

RI406 - Análise Macroeconômica

RI406 - Análise Macroeconômica Fdral Univrsity of Roraima, Brazil From th SlctdWorks of Elói Martins Snhoras Fall Novmbr 18, 2008 RI406 - Anális Macroconômica Eloi Martins Snhoras Availabl at: http://works.bprss.com/loi/54/ Anális Macroconômica

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003

Taxa de Paridade: Real (R$)/Dólar Americano (US$) - IPA-OG Índice Dez/98 = 100 Período: Mar/94 a Fev/2003 80 Taxa de Pardade: Real (R$/Dólar Amercano (US$ - IPA-OG Índce Dez/98 00 Período: Mar/94 a Fev/2003 60 40 20 Índce 00 80 60 40 20 0 mar/94 jul/94 Fone: IPA nov/94 mar/95 jul/95 nov/95 mar/96 jul/96 nov/96

Leia mais

Previsão de preços de commodities agrícolas através do modelo de análise espectral singular multivariada

Previsão de preços de commodities agrícolas através do modelo de análise espectral singular multivariada Prvão d prço d cood agrícola aravé do odlo d anál pcral ngular ulvarada Carlo Albro Org Pnro Unvrdad do Eado da Baa UEB Faculdad d cnologa na Cac Av. lvra Marn, 555 Cabula carlo.org@rra.co.br alr d nna

Leia mais

Modelos Econométricos para Dados em Painel: Aspectos Teóricos e Exemplos de Aplicação à Pesquisa em Contabilidade e Finanças

Modelos Econométricos para Dados em Painel: Aspectos Teóricos e Exemplos de Aplicação à Pesquisa em Contabilidade e Finanças Modlos Economércos para Dados m Panl: Aspcos Tórcos Emplos d Aplcação à Psqusa m Conabldad Fnanças Auors: PATRICIA CRISTINA DUARTE (UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS) WAGNER MOURA LAMOUNIER (PROGRAMA

Leia mais

NA ESTIMAÇÃO DE UMA FUNÇÃO CUSTO

NA ESTIMAÇÃO DE UMA FUNÇÃO CUSTO Rvisa UnB Conábil, v. 11, n. 1-2,.208-220, jan./dz. 2008 Univrsidad d Brasília Daramno d Ciêncas Conábis Auariais ISSN 1984-3925 UTILIZANDO TÉCNICAS DE REGRESSÃO E CALIBRAGEM NA ESTIMAÇÃO DE UMA FUNÇÃO

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT 013 - Matemática I Prof.: Leopoldina Cachoeira Menezes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT 013 - Matemática I Prof.: Leopoldina Cachoeira Menezes UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - Mamáica I Prof.: Lopoldina Cachoira Mnzs Prof.: Mauricio Sobral Brandão ª Lisa d Ercícios Par I: Funçõs Econômicas

Leia mais

MACROECONOMIA. Capítulo 1 - Introdução aos Modelos Macroeconômicos 1. Ciclo e Crescimento Econômico 2. Inflação e Nível de Atividade Econômica

MACROECONOMIA. Capítulo 1 - Introdução aos Modelos Macroeconômicos 1. Ciclo e Crescimento Econômico 2. Inflação e Nível de Atividade Econômica MACROECONOMIA Capíulo 1 - Inrodução aos Modlos Macroconômicos 1. Ciclo Crscimno Econômico 2. Inflação Nívl d Aividad Econômica Frnando d Holanda Barbosa Capíulo 2 - As Curvas IS LM: A Dmanda Agrgada 1.

Leia mais

Probabilidade de Ruína com eventos espaciais

Probabilidade de Ruína com eventos espaciais Uvrsdad Fdral d as Gras Probabldad d uía om vos spaas Dssração submda omo rquso paral para obção do grau d sr m saísa pla Uvrsdad Fdral d as Gras ALI ATIS PIOUTK Orador: Prof. Dr. ao ars Assução arço-9

Leia mais

PROFUNDIDADE PELICULAR, REFLEXÃO DE ONDAS, ONDAS ESTACIONÁRIAS

PROFUNDIDADE PELICULAR, REFLEXÃO DE ONDAS, ONDAS ESTACIONÁRIAS 5 PROFUNDIDAD PLICULAR, RFLXÃO D ONDAS, ONDAS STACIONÁRIAS 5. Pofunddad Plcula Mos dsspavos apsnam conduvdad à mdda qu uma onda lomagnéca nl s popaga, sua amplud sof uma anuação, mulplcada plo mo z (quando

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Limites Questões de Vestibulares ( )( ) Solução: Primeiro Modo (Fatorando a fração usando BriotxRuffini): lim. Segundo Modo: lim

Limites Questões de Vestibulares ( )( ) Solução: Primeiro Modo (Fatorando a fração usando BriotxRuffini): lim. Segundo Modo: lim Limis Qusõs d Vsibulars 7. (AMAN-RJ) Calculado o i, coramos: 9 7 a) b) c) d) ) 9 7 Solução: Primiro Modo (Faorado a ração usado BrioRuii): 9 7., qu é uma idrmiação. Faorado a ução, umrador 9. 7 domiador

Leia mais

Física I para Engenharia. Aula 7 Massa variável - colisões

Física I para Engenharia. Aula 7 Massa variável - colisões Físca I para Engenhara º Seestre de 04 Insttuto de Físca- Unersdade de São Paulo Aula 7 Massa aráel - colsões Proessor: Valdr Guarães E-al: aldrg@.usp.br Massa Contnuaente Varáel F res F res F res dp d(

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 07. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 07. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA FINANÇAS Disiplina d Compuação Aula 7 Prof. Dr. Maro Anonio Lonl Caano Guia d Esudo para Aula 7 Vors Linarmn Indpndns - Vrifiação d vors LI - Cálulo do Wronsiano Equaçõs Difrniais

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

Fun»c~oesexponenciaiselogar ³tmicas. Uma revis~ao e o n umero e

Fun»c~oesexponenciaiselogar ³tmicas. Uma revis~ao e o n umero e Aula 9 Fun»c~osponnciaislogar ³tmicas. Uma rvis~ao o n umro Nsta aula farmos uma pquna rvis~ao das fun»c~os f() =a g() =log a, sndo a uma constant ral, a>0 a 6=. Farmos ainda uma aprsnta»c~ao do n umro,

Leia mais

MESTRADO EM CIÊNCIAS DE GESTÃO/MBA. MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO V Funções Exponencial, Potência e Logarítmica

MESTRADO EM CIÊNCIAS DE GESTÃO/MBA. MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO V Funções Exponencial, Potência e Logarítmica MESTRADO EM IÊNIAS DE GESTÃO/MBA MÉTODOS QUANTITATIVOS APIADOS À GESTÃO V Funções Eponencal, Poênca e ogaríca V- FUNÇÕES EXPONENIA, POTÊNIA E OGARÍTMIA. U capal, coposo anualene a ua aa de juro anual durane

Leia mais

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência

Capítulo 3. Análise de Sinais Dep. Armas e Electronica, Escola Naval V1.1 - Victor Lobo 2004. Page 1. Domínio da frequência Dp. Armas Elcronica, Escola Naval V. - Vicor Lobo 004 Capíulo 3 Transformadas ourir ourir Discra Bibliografia Domínio da frquência Qualqur sinal () po sr composo numa soma xponnciais complxas Uma xponncial

Leia mais

Leonardo da Vinci ( ), artista, engenheiro e cientista italiano

Leonardo da Vinci ( ), artista, engenheiro e cientista italiano ormas dos rabalhos Vrtuas Itrodução Loardo da Vc (45-59), artsta, ghro ctsta talao Aplcou oçõs do prcípo dos dslocamtos vrtuas para aalsar o qulíbro d sstmas d polas alavacas PEF-40 Prof. João Cyro Adré

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

A B LM. A onde Y Y ; P. P P, no PONTO. T o que provocará um C 0. T 0 desloca curva IS para a direita IS IS

A B LM. A onde Y Y ; P. P P, no PONTO. T o que provocará um C 0. T 0 desloca curva IS para a direita IS IS Gabarto Blachard Capítulo 7 2) Choqu d gasto médo prazo MODELO AD AS (OA-DA) Rdução do Imposto d Rda (T): C c c T 0 0 c 0 - cosumo autôomo c - propsão margal a cosumr T 0 dsloca curva IS para a drta Dado

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CALOR II Prof. Eduardo C. M. Lourro, DSc. ANÁLISE TÉRMICA Dtrmnação da ára rqurda para transfrr o calor, numa dtrmnada quantdad por undad d tmpo, dadas as vlocdads d scoamnto as tmpraturas

Leia mais

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas 3 CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO A técnca uada para obtr um tma dgtal controlado nctam, bacamnt, da aplcação d algum método d dcrtação. Matmatcamnt falando, pod- obrvar qu o método d dcrtação

Leia mais

30/09/2015. Distribuições. Distribuições Discretas. p + q = 1. E[X] = np, Var[X] = npq DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL. Contínuas. Discretas

30/09/2015. Distribuições. Distribuições Discretas. p + q = 1. E[X] = np, Var[X] = npq DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL. Contínuas. Discretas Dstrbuçõs Dscrtas Dstrbuçõs 30/09/05 Contínuas DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Dscrtas DISTRIBUIÇÃO BIOMIAL Bnomal Posson Consdramos n tntatvas ndpndnts, d um msmo prmnto alatóro. Cada tntatva admt dos rsultados:

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental II Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Quíica Exprintal II Bacharlado Quíica Engnharia Quíica Prof. Dr. Srgio Pilling Prática 7 Dtrinação da condutividad d ltrólitos forts fracos da constant d dissociação d ácidos fracos (x. ácido acético)

Leia mais

R. M. São Paulo. R. M. Santos

R. M. São Paulo. R. M. Santos No Brasil, os casos mais importants d transposiçõs ntr bacias stão rlacionas ao suprimnto d nrgia létrica d água as duas maiors Rgiõs Mtropolitanas: is sistmas m São Paulo 1. Sistma Light Eltropaulo-Ema,

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Cuordicrema - Sorvete SP

Cuordicrema - Sorvete SP Cod - Sovt SP Oá, dos sv o ost sob o Bo d Lt váos tos ond ss sovt Cod -, tbé SP. Então f onf. Rnt é doso, do. Nss d n snh, s oo hoot o dnto! Inív. Oh hos! Ess f n Ad Lon, no Jdns. E ss é tot d snh, t oção

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades IO FÍSI soluçõs das atvdads Sumáro ula Eltrodnâmca III sstors... ula Eltrodnâmca I... ula 5 Eltrostátca Eltrodnâmca...6 ula 6 Eltrodnâmca...8 ula 7 rcutos létrcos I...0 ula Eltrodnâmca III sstors tvdads

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

Capítulo 4 EQUAÇÃO DA ENERGIA PARA REGIME PERMANENTE

Capítulo 4 EQUAÇÃO DA ENERGIA PARA REGIME PERMANENTE Caítulo EUÇÃO EEI P EIE PEEE t caítulo o liro difrncia- batant d todo o outro obr o aunto. Coo já foi fito rlação à quação da continuidad no Caítulo, rtrin- a quação a alicaçõ ri rannt. oant, a auência

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Capitulo 5 Resolução de Exercícios

Capitulo 5 Resolução de Exercícios Captulo 5 Rsolução Exrcícos FORMULÁRIO Dscoto Racoal Smpls D ; D ; ; D R R R R R R Dscoto Comrcal Smpls D ; ; D C C C C Dscoto Bacáro Smpls D s ; s ; D b b b b s Db ; b Rlaçõs tr o Dscoto Racoal Smpls

Leia mais

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de.

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de. EEC rado Engnharia Elroénia d Copuador CDI odlação Conrolo d ia Dinâio Exríio d Função Driiva Conuno d xríio laborado plo don Joé Tnriro ahado JT, anul ano ilva, Víor Rodrigu da Cunha VRC Jorg Erla da

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços 2. A Medção da Acvdade Económca 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços Ouubro 2007, nesdrum@fe.u. Sldes baseados no guão dsonível no se da cadera 1 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços

Leia mais

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 SUMÁRIO 1. INRODUÇÃO... 1 2. FONE DE DADOS... 1 3. PROJEÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS... 2 3.1 Mucípo emacpado em 2001... 5 3.2 População

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

(1) Raízes n-ésimas. r cos. nϕ = θ + 2kπ; k = 0, 1, 2, 3, 4,... ρ n cos nϕ = r cos θ ρ n = r ρ= (r) 1/n. Portanto:

(1) Raízes n-ésimas. r cos. nϕ = θ + 2kπ; k = 0, 1, 2, 3, 4,... ρ n cos nϕ = r cos θ ρ n = r ρ= (r) 1/n. Portanto: Raís -ésmas A ra -ésma d um úmro complxo s é o complxo s Vamos vr qu os complxos possum raís dfrts!!! Em coordadas polars: s r cos θ s θ ρ cos ϕ s ϕ Aplcado Movr trmos: r cos θ s θ ρ cos ϕ s ϕ Portato:

Leia mais

Implicações da divisão do lucro médio em lucro do empresário e juro. Claus Germer

Implicações da divisão do lucro médio em lucro do empresário e juro. Claus Germer Imlicaçõs da divisão do lucro médio m lucro do mrsário juro laus Grmr Introdução A concção da divisão qualitativa do lucro médio m lucro do mrsário juro foi um imortant fito tórico d Marx (xosta m O, III/1,

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DA EFICIÊNCIA DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR SEMI-RÍGIDA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO

AVALIAÇÃO NUMÉRICA DA EFICIÊNCIA DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR SEMI-RÍGIDA EM ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO o NCONTRO NACONAL D PRODUÇÃO PROJTO PSQUSA CONCRTO PRÉ-OLDADO AVALAÇÃO NUÉRCA DA FCÊNCA D UA LGAÇÃO VGA-PLAR S-RÍGDA STRUTURAS D CONCRTO PRÉ-OLDADO Autor: Joaqui ota CONCTUAÇÃO DA LGAÇÃO VGA-PLAR S-RÍGDA

Leia mais

Projetos de um forno elétrico de resistência

Projetos de um forno elétrico de resistência Projtos d um forno létrico d rsistência A potência para um dtrminado forno dpnd do volum da câmara sua tmpratura, spssura condutividad térmica do isolamnto do tmpo para alcançar ssa tmpratura. Um método

Leia mais

Otimização de Redes de Distribuição de Água com Bombeamento

Otimização de Redes de Distribuição de Água com Bombeamento Otzação d Rds d strbução d Água co Bobanto Ua rd d dstrbução d água é coposta por u conunto d canos u ntrlga nós os uas rprsnta consudors (casas ndústras tc.) forncdors d água (caas d'água staçõs d tratanto

Leia mais

Administração da Produção II Prof. MSc. Claudio S. Martinelli Aula 1

Administração da Produção II Prof. MSc. Claudio S. Martinelli Aula 1 Adminisração Produção II Prof. MSc. Claudio S. Marinlli Aula 1 Emna O planjamno, programação conrol produção m sua lógica: planjamno capacid, planjamno agrgado, plano msr produção MRP (planjamno d rcursos

Leia mais

Termodinâmica Exercícios resolvidos Quasar. Termodinâmica. Exercícios resolvidos

Termodinâmica Exercícios resolvidos Quasar. Termodinâmica. Exercícios resolvidos erodnâca Exercícos resolvdos Quasar erodnâca Exercícos resolvdos. Gases peretos Cp e Cv a) Mostre que a relação entre o calor especíco olar a pressão constante Cp e a volue constante Cv é dada por Cp Cv

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES eléctricos

GERADORES E RECEPTORES eléctricos GADOS CPTOS léctrcos No momnto d lgarmos a chav d gnção, a batra fornc nrga léctrca ao motor d arranqu, pondo st m funconamnto. nrga químca nrga léctrca Quando um lmnto do crcuto é capaz d transformar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS EPGE - FGV Graduação m Economia Finanças AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Andri G. Simonassi Prof. Edson D. L. Gonçalvs 2 TÓPICOS SELECIONADOS EM AVALIAÇÃO DE EMPRESAS E PROJETOS ANDREI G. SIMONASSI EDSON D.

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Desse modo, sendo E a energia de ligação de um núcleo formado por Z prótons e (A Z) nêutrons, de massa M(Z,A), pode-se escrever: E 2

Desse modo, sendo E a energia de ligação de um núcleo formado por Z prótons e (A Z) nêutrons, de massa M(Z,A), pode-se escrever: E 2 Enrgia d Ligação Nuclar Dado um núclo qualqur, a nrgia librada quando da sua formação a partir dos sus prótons nêutrons sparados d uma distância infinita é o qu s chama d nrgia d ligação d tal núclo. Dito

Leia mais

Sistema de Partículas e Conservação da Quantidade de Movimento Linear

Sistema de Partículas e Conservação da Quantidade de Movimento Linear Sst. Part e Cons. Quant. o. Lnear Sstea de Partículas e Conseração da Quantdade de oento Lnear ota Alguns sldes, fguras e eercícos pertence às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESICK, R., WALKER, J.

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Capítulo 6. Misturas de Gases

Capítulo 6. Misturas de Gases Caítlo 6 stras de Gases Objetvos Desenvolver regras ara se estdar as roredades de stras de gases não-reatvos co base no conhecento da coosção da stra e das roredades dos coonentes ndvdas Defnr grandezas

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Estatística II. Aula 8. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 8. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 8 Pro. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Tsts Qui Quadrado Objtivos da Aula 8 Nsta aula, você aprndrá: Como quando utilizar o tst qui-quadrado para tablas d contingência Como utilizar

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

para Z t (lembre que = 1 B)

para Z t (lembre que = 1 B) Economria III ANE59 Lisa d Ercícios d Economria d Séris mporais Pro. Rogério Siva d Maos (Juho 6) Si: www.uj.br/rogrio_maos A. MODELOS ARIMA. Escrva por nso:. ARMA(,) para. ARMA(,) para X. ( B B ) Z (

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física esão pelna 4 de julho de Noas de Aula de ísca. COLSÕES... O QUE É UA COLSÃO... ORÇA PULSA, PULSO E OENTO LNEAR... ORÇA PULSA ÉDA... CONSERAÇÃO DO OENTO LNEAR DURANTE UA COLSÃO... COLSÃO ELÁSTCA E UA DENSÃO...4

Leia mais

ANAIS A MANUFATURA ENXUTA CONTIBUINDO PARA A MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (SGQ): ESTUDO DE CASO

ANAIS A MANUFATURA ENXUTA CONTIBUINDO PARA A MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (SGQ): ESTUDO DE CASO A MANUFATURA ENXUTA CONTIBUINDO PARA A MELHORIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (SGQ): ESTUDO DE CASO LUCIANE DE OLIVEIRA CUNHA ( lucanoc@yahoo.com.br ) INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA - ITA JOÃO

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca 3 Undad C Capítulo 15 Indução ltromagnétca soluçõs dos xrcícos propostos 1 P.368 D L v, vm: 0,5 0, 1 5 2 V P.369 D L v, vm: 15 6 1 20 3 4 V P.370 a) L v 1,5 0,40 2 1,2 V b) 1,2 2 0,6 Pla rgra

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

BRASILIA DISTRITO FEDERAL

BRASILIA DISTRITO FEDERAL PROCESSO SELETIVO ESTÁGIO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO DO HOSPITAL SANTA LUZIA REDE D OR SÃO LUIZ CENTRO FORMADOR AMIB HOSPITAL SANTA LUZIA REDE D OR SÃO LUIZ PROGRAMAS DE ESTÁGIO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Lista 9: Integrais: Indefinidas e Definidas e Suas Aplicações

Lista 9: Integrais: Indefinidas e Definidas e Suas Aplicações GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CÂMPUS JUAZEIRO/BA COLEG. DE ENG. ELÉTRICA PROF. PEDRO MACÁRIO DE MOURA MATEMÁTICA APLICADA À ADM 5. Lista 9: Intgrais:

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

ATIVIDADE DE SALA (02)

ATIVIDADE DE SALA (02) COLÉGIO PLÍNIO LEITE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2º Píd/2014 6º ANO ESCOLAR - ENSINO FUNDAMENTAL Nm: Pfss (): ATIVIDADE DE SALA (02) Tum: º: D: / / VALOR:... Mds ppss p suu d T Mus ds gs dés d suu d T bsvm-s m

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais