APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE BRASILIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTAÇÃO LOGISTICA EMPRESARIAL APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO GRUPO 19Z ARTHUR BIOCALTI ILO RIBEIRO SILVANA PEREIRA WESLEY OLIVEIRA BRASÍLIA, 2011

2 I INTRODUÇÃO O conceito de logística foi inicialmente utilizado pelas forças armadas norte-americana para identificar as atividades militares de aquisição, transporte, estocagem e manutenção de matérias, equipamentos e pessoal. No entanto, essas atividades envolvem diversos fluxos que vão do fornecedor ao consumidor e de forma segmentada, e nem sempre trás vantagens à empresa. Com o passar do tempo esse conceito foi evoluindo, e passou existir a integração das diversas áreas envolvidas na produção, dimensionamento e layout de armazéns, alocação de produtos em depósito, transportes, distribuição, seleção de fornecedores e clientes externos, surgindo um novo conceito que é o supply chain ou logística integrada. A logística, atualmente representa um grande fato econômico, um desafio para as empresas, pois permite um bom planejamento na produção e distribuição de suas mercadorias. Ao longo desta etapa de estudo da logística empresarial, vimos que a maior preocupação das empresas está em adicionar valor ao cliente, que se alcança por meio de novos produtos e serviços, diferenciando-se da concorrência. Uma das estratégias normalmente seguida para proporcionar ao cliente mais satisfação é o efficiente consumer response (ECR). É um movimento global, no qual empresas indústrias e comerciais, juntamente com os demais integrantes da cadeia de abastecimento (operadores logísticos, bancos, fabricantes de equipamentos e veículos, empresas de informática, etc.) trabalham em conjunto na busca de padrões comuns e processos eficientes que permitam minimizar os custos e otimizar a produtividade em suas relações. No mercado onde a qualidade é exigida, as tecnologias tomaram espaço, exigindo da empresa um movimento pró-ativo constante, incorporando novos valores para se manterem competitivas aos olhos do consumidor. Seja no ECR ou na qualidade, quem não acompanhar esta dinâmica, não incorporando a tecnologia que garanta a confiabilidade de produtos e processos e o atendimento das expectativas do cliente, com certeza perderá a competitividade em relação aos concorrentes mais eficientes. Nessa ótica, o objetivo maior é visa entender a logística de suprimento da rede Subway por meio do ECR, ou seja, as relações que envolvem as relações com o fornecedor, através do estabelecimento de parcerias que tornam mais fácil o processamento de pedidos de compra e abastecimento do estoque a fim de melhorar a produtividade e a lucratividade.

3 DESENVOLVIMENTO Referencial teórico: De acordo com Ching (2010), valor ao consumidor é criado por meio de melhores produtos, preços baixos, maior variedade e conveniência, melhor disposição e produtos mais frescos. Para agregar valor ao cliente mantendo elevados os índices de lucratividade, a iniciativa das empresas tem seguido pela estratégia do ECR, que nada mais é do que o segmento que visualiza a cadeia de suprimento com um fluxo integrado e único de todas as funções no negócio. Numa visão global o ECR É um modelo estratégico de negócios nos quais fornecedores e distribuidores/varejistas trabalham de forma integrada, visando melhorar a eficiência ( produtividade) da cadeia logística, possibilitando a entrega de produtos com maior valor agregado ao consumidor final. De acordo com ching (2010),suprimento é a fonte de todas as matériasprimas, embalagens, componentes e outros insumos para preencher as necessidades de conversão da logística de produção. Na logística de suprimento existem duas formas de integração com fornecedores: a parceria e a certificação. Parceria com fornecedor permite ganhos de eficiência operacional, leva a vantagens de integração vertical e de melhor especialização do ramo e constitui-se em uma forma de reagir à concorrência, assegurando e/ou fortalecendo posições. Ching(2010). Esta idéia de ECR ligado á logística de suprimento, além de satisfazer as necessidades de suprimento e de ressuprimento, faz com que o consumidor tenha mais confiança e fidelidade para com a empresa por meio de uma eficiente resposta aos pedidos, sem desperdícios de tempo e dinheiro. A idéia central desta estratégia é integrar todos os processos ao longo da cadeia de forma a responder a demanda real do consumidor. Por isso é uma ferramenta que tem por objetivo repor os produtos na gôndola de forma rápida e adequada a demanda. Isto é realizado fazendo com que as informações de compras dos consumidores, que são coletadas pelos leitores de códigos de barra, sejam organizadas e repassadas aos demais elementos da cadeia de produção através do EDI (Eletronic Data Interchange Transferência Eletrônica de Dados).

4 O ECR possibilita também que os administradores concentrem as suas atenções administrativas em processos de ordem superior, ao não se preocuparem em fazer as atividades rotineiras. O ECR permite criar um alicerce de execução, que digitaliza os processos rotineiros de modo a conferir confiabilidade e previsibilidade aos processos que precisam funcionar direito. Em suma o ECR cria um alicerce de execução, por meio de uma infraestrutura de TI (tecnologia da informação) que integra os diversos elementos da cadeia logística, e os reúne em processos de negócios digitalizados que automatizam as capacidades centrais de uma empresa. E uma vez que esses processos estejam instalados, eles liberam a atenção administrativa de processos corriqueiros e cotidianos, de menor valor, concedendo-lhe mais tempo para concentrar-se em como aumentar os lucros e o crescimento. Processos digitalizados também proporcionam maiores informações sobre consumidores e vendas de produtos, proporcionando idéias para novos produtos e serviços. Aplicabilidade na empresa em estudo: Subway Na rede Subway, o monitoramento dos estoques é feito por meio de um inventário semanal da loja, mais precisamente toda quinta-feira, de tal forma que se verifica se têm estoque para atender de maneira consistente às necessidades dos clientes. Depois de realizado o inventário da loja, a emissão do pedido é feito na sexta-feira, via internet, onde a empresa responsável pela captação do pedido recebe as informações e entrega os produtos pedidos, na quarta-feira da semana seguinte. O grupo verificou que a etapa de emissão do pedido é feita de forma eficiente, pois a sua emissão via internet tornou o processo de captação do pedido mais ágil pela transparência proporcionada pela virtualidade. Permitindo que a empresa responsável pela captação do pedido obtivesse acesso em tempo real ao pedido, logo após a sua emissão eletrônica. Também se verificou agilidade no processo de recepção das mercadorias, pela loja, devido ao recebimento antecipado de informações via nota fiscal eletrônica, que possibilitou que o confronto das informações do pedido e da nota fiscal pudesse ser realizado antecipadamente, independente da chegada da mercadoria. CONCLUSÃO Concluindo, acreditamos que os processos estão sendo bem executados, e o grupo percebe que o ECR é implantado na organização pela utilização de tecnologias como a internet, que viabilizam uma integração mais eficaz entre a loja e o fornecedor. Porém existem alguns obstáculos que impedem à implementação do ECR na empresa, dentre eles observamos.

5 Pessoas pouco capacitadas para dar eficiência á essa estratégia, dificuldade em encontrar parceiros adequados e com a mesma visão de negócios. Sugerimos que essa ferramenta seja ampliada, para que os produtos que estejam saindo da loja sejam enviados automaticamente, ao fornecedor. Isso eliminaria o processo de inventário e emissão de pedido. Para se concentrar a atenção administrativa em processos de ordem superior, como atender aos clientes, responder a novas oportunidades de negócios e desenvolver novos produtos. REFERENCIAL TEÓRICO: CHING, Hong Yuh. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada Supply chain. 4ª ed. São Paulo: Atlas, GASNIER, Daniel Georges; Consultoria Ltda, São Paulo.

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço

S T E M A I N T E G R A D O A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMINISTRAÇÃO DE SUA EMPRESA Indústria Comércio Serviço S A SOLUÇÃO COMPLETA PARA ADMNSTRAÇÃO DE SUA EMPRESA ndústria Comércio Serviço S O GestãoPro foi desenvolvido para atender as empresas que atuam nos setores da indústria, comércio e serviço. O grande diferencial

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

2 A Logística História da Logística

2 A Logística História da Logística 2 A Logística 2.1. História da Logística Segundo Neves (2005), a origem da palavra logística vem do grego LOGISTIKOS, do qual o latim LOGISTICUS é derivado, ambos significando cálculo e raciocínio no sentido

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 2.2 Sistemas Empresariais: ERP SCM 1 Sistema empresarial Constitui uma estrutura centralizada para uma organização e garante que as informações possam ser compartilhadas

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção Sistemas e-business e sistemas de apoio a decisão. Classes de e-business. Aula 2 - Questões para Refletir (1) Que tipo de BD a sua empresa possui? Centralizado ou Distribuído?

Leia mais

Visão Geral. Compras

Visão Geral. Compras Compras Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos Instrucionais... 3 2 Compras... 3 3 Gerenciamento de Compra... 4 4 Integrações... 4 5 Macrofluxo... 5 6 Conclusão... 5 2 TOTVS - Visão

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT GESTÃO DE DEPÓSITOS OPERADOR LOGÍSTICO ORGANIZAÇÃO PAULISTANA EDUCACIONAL E CULTURAL FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Sistemas de Informações Gerenciais da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Empresa digital 2 Sistema Integrado de Gestão e-commerce e empresas parceiras Compras BACK OFFICE FRONT OFFICE SCM - Supply Chain

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA PLANO DE TRABALHO Identificação Aluno (a): Kelly da Cunha Neves Curso: Tecnologia em Logística Coordenador (a) no IF: André Luís Machado Instituição de Destino: Instituto Politécnico do Porto Coordenador

Leia mais

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação Profa. Msc. Cláudia Brazil Marques PLANO DE AULA 5 01.01. PROBLEMA Identificar as tendências em SI 01.02. CONHECIMENTOS (DCN, artigo 5º) Os papéis atribuídos

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR 176 5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR O escopo competitivo estabelecido por uma organização corresponde ao campo em que a mesma irá atuar: produtos, segmentos, grau de integração vertical

Leia mais

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Wagner Salzano Marcos Maregatti 21.05.2016 1 PALESTRANTES Wagner Salzano Head Divisão Supply Chain Marcos Maregatti Gerente

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Tem sido estimado que as atividades associadas à preparação, à transmissão, à entrada e ao preenchimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação

Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Planejamento Estratégico de Uma Pequena Empresa do Ramo de Panificação Bruno da Costa Feitosa bcfeitosa@gmail.com Resumo Este documento apresenta o planejamento estratégico de uma pequena empresa do ramo

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires Cadeia de Suprimentos Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires O que é Supply Chain Management? Atual e futuro A Logística é uma das atividades econômicas mais antigas e também um dos conceitos

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

Arezzo&Co s Investor Day

Arezzo&Co s Investor Day Arezzo&Co s Investor Day Tecnologia da informação aplicada ao varejo Kurt Richter Diretor de TI 1 Plano estratégico O plano estratégico de TI está bastante alinhado com a visão de longo prazo da Companhia

Leia mais

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FOR RNECEDOR FABRICANTE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE Fornecimento físico Planejamento e controle de produção Distribuição física FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FLUXO DOMINANTE DE DEMANDA E DE

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS II. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS II. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS II Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer os códigos de barras e as etiquetas inteligentes Compreender as principais

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2

As visões de Negócio. Analista de Negócio 3.0. Segundo Módulo: Parte 2 Segundo Módulo: Parte 2 As visões de Negócio 1 Quais são visões de Negócio? Para conhecer o negócio o Analista de precisa ter: - Visão da Estratégia - Visão de Processos (Operação) - Visão de Valor da

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS DE SÃO PAULO Rubens Vieira da Silva LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA

Leia mais

CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR 09/02/2016 ESTRATÉGIA COMPETITIVA. (Alves Filho, 99)

CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR 09/02/2016 ESTRATÉGIA COMPETITIVA. (Alves Filho, 99) CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR ESTRATÉGIA COMPETITIVA é o conjunto de planos, políticas, programas e ações desenvolvidos

Leia mais

INTEGRANDO TECNOLOGIA E ESTRATÉGIA DO TRANSPORTE NO NOVO CENÁRIO DA LOGÍSTICA: AMEAÇAS E OPORTUNIDADES

INTEGRANDO TECNOLOGIA E ESTRATÉGIA DO TRANSPORTE NO NOVO CENÁRIO DA LOGÍSTICA: AMEAÇAS E OPORTUNIDADES INTEGRANDO TECNOLOGIA E ESTRATÉGIA DO TRANSPORTE NO NOVO CENÁRIO DA LOGÍSTICA: AMEAÇAS E OPORTUNIDADES Por: J.G.Vantine São Paulo, 09 de Julho de 2005 1 COM A GLOBALIZAÇÃO, OS TRANSPORTADORES TÊM DE SAIR

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING Business to Business Profa. Eveline Jannarelli

GESTÃO DE MARKETING Business to Business Profa. Eveline Jannarelli 1 GESTÃO DE MARKETING Business to Business Profa. Eveline Jannarelli Fevereiro/2016 E-mail: Eveline@oficinadaestrategia.com.br Breve apresentação Formada em Administração de Empresas pela FAAP e Mestre

Leia mais

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE

SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE SEGMENTO DE CERVEJARIA ARTESANAL_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE DESEMPENHO E QUALIDADE_ O Open Manager é um sistema de gestão empresarial dinâmico e intuitivo, aplicado a gerenciar e operacionalizar processos

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Miraklon. Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes

Miraklon. Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes Miraklon Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes Quais são e onde estão, a cada instante, os custos invisíveis ou ocultos

Leia mais

MÓDULO III - Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA

MÓDULO III - Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM LOGÍSTICA III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES Função: Transporte 1. Analisar a infraestrutura dos sistemas de transporte do país. 2. Selecionar o modal de transporte para atendimento dos usuários de acordo com as especificidades

Leia mais

Vantagem competitiva e valor acrescentado

Vantagem competitiva e valor acrescentado Vantagem competitiva e valor acrescentado Vantagem competitiva: estratégias genéricas e valências desenvolvimento de uma estratégia de empresa integração adicionando valor Sistemas de informação estratégicos

Leia mais

2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística

2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística 2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística As funções logísticas, embora não tradicionalmente conceituadas como nos dias de hoje, têm importância nas atividades econômicas

Leia mais

Ambiente de Negócios: percepções da indústria e varejo de materiais de construção

Ambiente de Negócios: percepções da indústria e varejo de materiais de construção Ambiente de Negócios: percepções da indústria e varejo de materiais de construção Objetivos do estudo Radiografar as percepções da indústria e do varejo de material de construção em diversos aspectos que

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Teoria Geral da Administração Professora: Daniele Campos Grupo: Cassius Silva Abreu Italo B. Leão Bettega Luiza Cunha de Menezes Natália Souto Pereira Raphael Gebhard Martins

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko CUSTOS LOGÍSTICOS Profª. Evelise Czerepuszko MISSÃO: O produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. Quais são as consequências da falta do produto? CONCEITO

Leia mais

Logística. Impactos da Tecnologia na Logística Reversa. Agenda da Teleaula. Agenda da Teleaula. Prof. Rodolpho Weishaupt Ruiz

Logística. Impactos da Tecnologia na Logística Reversa. Agenda da Teleaula. Agenda da Teleaula. Prof. Rodolpho Weishaupt Ruiz Logística Prof. Rodolpho Weishaupt Ruiz Impactos da Tecnologia na Logística Reversa Agenda da Teleaula Introdução Logística Reversa - LR Logística Reversa de Pós-Venda Logística Reversa de Pós-Consumo

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

Projeto Extensão Produtiva e Inovação

Projeto Extensão Produtiva e Inovação Projeto Extensão Produtiva e Inovação Núcleo de Extensão Produtiva e Inovação - NEPI UNILASALLE Dez/2013 Projeto Extensão Produtiva e Inovação Política Industrial Ações Transversais Programa de Fortalecimentodas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO/E.E ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código:091.01 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

Introdução ao Controle de Estoques

Introdução ao Controle de Estoques Este conteúdo faz parte da série: Estoques Ver 5 posts dessa série Introdução ao Controle de Estoques Independentemente do ramo da empresa, todo empreendedor deve atentar-se a algumas atividades administrativas

Leia mais

Logística Empresarial. Aula 11

Logística Empresarial. Aula 11 Logística Empresarial Aula 11 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho Projeto Curso Disciplina Tema Professor Coordenadora Pós-graduação Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho Luizete Fabris

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Introdução Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Algumas definições Organização Associação ou instituição com objetivos definidos. Sistema Disposição das partes

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM - WMS São Paulo - SP 2015 ANA PAULA ALBUQUERQUE SILVA - RA: 6325336 DAIANA ANA DOS SANTOS - RA: 6512753 LEANDRO ANDRESA MENDES - RA: 6537600

Leia mais

Luis Ricardo Marques Pedro

Luis Ricardo Marques Pedro Luis Ricardo Marques Pedro Colaboração na Cadeia de Suprimentos Case TOP LOG - CBD Agenda Nossa Empresa Cadeia de Suprimentos Performance 2005 Resultado TOP LOG 2005 Expectativas para 2006 Números do TOP

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Janniele Aparecida Posicionamento Estratégico Segundo Michael Porter Uma empresa precisa seguir seis princípios fundamentais para estabelecer e manter um posicionamento estratégico diferenciado.

Leia mais

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios.

Gestão da Inovação. Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Gestão da Inovação Gestão da Inovação Os processos de Gestão da Inovação praticados pelas organizações não evoluíram com os ambientes dinâmicos de negócios. Não existem evidências confirmando a melhor

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 É o sistema de informações desenvolvido para atender às necessidades do nível estratégico da corporação. auxilia a direção da corporação

Leia mais

Prof. Luciel Henrique de Oliveira

Prof. Luciel Henrique de Oliveira Logística e Supply Chain Management Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. Porto Alegre: Bookman.

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos

Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos Agenda GS1 e a Automação dos Processos de Supply Chain Conceito GDSN Benefícios Case Carrefour Como começar? GS1 e a

Leia mais

Gestão Empresarial ERP

Gestão Empresarial ERP Gestão Empresarial ERP O sistema de Gestão Empresarial da Senior, testado e aprovado por nossos clientes, oferece soluções que simplificam as decisões para fazer sua empresa crescer e ser ainda mais competitiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Professor(es) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 02 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Logística A 1640162 1.2

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

I- QUAL É O NEGÓCIO DA EMPRESA?

I- QUAL É O NEGÓCIO DA EMPRESA? I- QUAL É O NEGÓCIO DA EMPRESA? O empreendedor sempre está diante de dois universos quando analisa qual é o seu negócio. Implantar um projeto Explorar, com efetividade, a sua empresa Como a segunda opção

Leia mais

PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP

PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP PROCESSO DE PLANEJAMENTO INTEGRADO DE NEGÓCIO S&OP S&OP PASSO-A-PASSO 04 de novembro de 2009 Cássio Ricci Azevedo Sadia E-mail: Cassio.Azevedo@sadia.com.br S&OP PASSO-A-PASSO AGENDA Conceitos de S&OP Processo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NA GESTÃO DA CADEIA LOGÍSTICA Coordenadoria de Economia Mineral Diretoria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Premissas do Desenvolvimento Sustentável Economicamente

Leia mais

Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística

Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística Prof. Vanessa D. Alves Questões Relativas aos Canais de Distribuição Qual é a natureza dos canais de de distribuição? Como as as empresas integrantes

Leia mais

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho Cap. 1 Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução Conteúdo deste Resumo Indicações Bibliográficas 1.2 Conceito de Redes Logísticas Bibliografia da disciplina Indicações bibliográficas para este

Leia mais

Remodelação no sistema de armazenagem de uma empresa de bebidas. Estudo de caso: A criação de um modelo dinâmico.

Remodelação no sistema de armazenagem de uma empresa de bebidas. Estudo de caso: A criação de um modelo dinâmico. Remodelação no sistema de armazenagem de uma empresa de bebidas. Estudo de caso: A criação de um modelo dinâmico. ANDRÉ DOS SANTOS OLIVEIRA OBERDAN MATHIAS RESUMO Gestão de estoque na cadeia de suprimentos

Leia mais

Ciclo de Capacitação em Exportação

Ciclo de Capacitação em Exportação Ciclo de Capacitação em Exportação Unidade de Atendimento às Empresas Apex-Brasil CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Exportação Primeiros Passos; Formação de preço de exportação e Análise da competitividade Internacional;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

VERTIS O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO VETERINARIA. G P I Gestão e Planejamento de T.I.

VERTIS O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO VETERINARIA. G P I Gestão e Planejamento de T.I. VERTIS O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO VETERINARIA G P I Gestão e Planejamento de T.I. www.gpiti.com.br A EMPRESA A GPI, Gestão e Planejamento em Informática, é uma software house, fundada em março de 1998,

Leia mais

Blackfoot Cosméticos Ltda

Blackfoot Cosméticos Ltda Blackfoot Cosméticos Ltda INTRODUÇÃO A empresa Blackfoot é uma multinacional de origem Norte Americana, presente em mais de 180 países e tem como foco principal a venda de cosméticos com base em um enorme

Leia mais

Tendências em Sistemas de Informação

Tendências em Sistemas de Informação Prof. Glauco Ruiz Tendências em Sistemas de Informação Os papéis atribuídos à função dos SI têm sido significativamente ampliados no curso dos anos. De 1950 a 1960 Processamento de Dados Sistemas de processamento

Leia mais

Capítulo 3 O Produto Logístico

Capítulo 3 O Produto Logístico Logística Capítulo 3 O Produto Logístico O Produto Logístico O Produto Logístico é um conjunto de características que podem ser manipulados pelo profissional de logística, que, quando bem manipulados,

Leia mais

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso

GRC e Continuidade de Negócios. Claudio Basso GRC e Continuidade de Negócios Claudio Basso claudio.basso@sionpc.com.br Governança um atributo de administração dos negócios que procura criar um nível adequado de transparência através da definição clara

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO BEM-SUCEDIDA DE SOFTWARE 6 PROBLEMAS COM ACIONISTAS QUE VOCÊ PODE FACILMENTE SUPERAR COM O ATLAS

DISTRIBUIÇÃO BEM-SUCEDIDA DE SOFTWARE 6 PROBLEMAS COM ACIONISTAS QUE VOCÊ PODE FACILMENTE SUPERAR COM O ATLAS DISTRIBUIÇÃO BEM-SUCEDIDA DE SOFTWARE 6 PROBLEMAS COM ACIONISTAS QUE VOCÊ PODE FACILMENTE SUPERAR COM O ATLAS DISTRIBUIÇÃO BEM-SUCEDIDA DE SOFTWARE INTRODUÇÃO: CONDUZIR UMA COLABORAÇÃO EFETIVA ENTRE TODOS

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho Projeto Curso Disciplina Tema Professor Coordenadora Pós-graduação Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho Luizete Fabris Introdução

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES

GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES GESTÃO DE PROCESSOS E OPERAÇÕES Guia da Disciplina Informações sobre a Disciplina A Administração de Operações ou Administração da Produção é a função administrativa responsável pelo estudo e pelo desenvolvimento

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

Como a Logística interfere no seu dia-a-dia? 12/02/2016. Módulo III Logística e Vantagem Competitiva. LOGÍSTICA E VANTAGEM COMPETITIVA Conceituação

Como a Logística interfere no seu dia-a-dia? 12/02/2016. Módulo III Logística e Vantagem Competitiva. LOGÍSTICA E VANTAGEM COMPETITIVA Conceituação Módulo III Logística e Vantagem Competitiva Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. LOGÍSTICA E VANTAGEM COMPETITIVA Conceituação Como a Logística interfere no seu dia-a-dia? 1 Conceito de Logistica Logística

Leia mais

CAPACITAÇÃO. Programação. Centro Tecnológico do Calçado SENAI. Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS

CAPACITAÇÃO. Programação. Centro Tecnológico do Calçado SENAI. Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS CAPACITAÇÃO Programação Centro Tecnológico do Calçado SENAI Local: Avenida Pedro Adams Filho, 6338 Novo Hamburgo/RS DATA DA REALIZAÇÃO AGENDA DE TREINAMENTOS NO SENAI EM NOVO HAMBURGO TREINAMENTOS PREVISTOS

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Visão Geral dos O é fundamental para o gerenciamento de um ambiente de TI, uma vez que a eficácia é seriamente comprometida se uma organização não souber quais ativos de software ela possui, onde estão

Leia mais

História das juniores empresas

História das juniores empresas História das juniores empresas A primeira Júnior Empresa surgiu na ESSEC (L'Ecole Empresarial Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, na FRANÇA em PARIS. Os alunos

Leia mais

FAB implanta sistema para unificar os processos de Logística: o SILOMS (Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviços)

FAB implanta sistema para unificar os processos de Logística: o SILOMS (Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviços) FAB implanta sistema para unificar os processos de Logística: o SILOMS (Sistema Integrado de Logística de Material e de Serviços) MAIO/2016 Perfil A missão constitucional da Força Aérea Brasileira (FAB)

Leia mais

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR O NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO: SATISFAÇÃO DO CLIENTE NA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Debora Lindoso Mamede* 1 Thatiele Guedes de Oliveira *² Inimá Indio do Brasil Júnior*³ RESUMO: O presente estudo versa

Leia mais

APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A):

APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A): APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A): ESTA ENTREVISTA FAZ PARTE DE UMA PESQUISA (DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL) ACADÊMICA DESENVOLVIDA NA DISCIPLINA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MINISTRADA PELO PROFESSOR ROBERTO

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre CENÁRIO Sistemas desenvolvidos para atender necessidades específicas da unidade de negócio,

Leia mais

SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz.

SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz. SEAL SISTEMAS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEAL USER CONNECT 2016 Solução Via Voz. I N O V A Ç Ã O S E M L I M I T E S GERENCIA DE SISTEMAS E APLICAÇÕES Agenda SEAL USER CONNECT 2016 Sobre a Seal Sistemas

Leia mais