Expediente. Cáritas Brasileira-Secretariado Nacional SGAN Quadra 601 Módulo F Asa Norte CEP: Brasília/DF Tel: +55 (61)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expediente. Cáritas Brasileira-Secretariado Nacional SGAN Quadra 601 Módulo F Asa Norte CEP: 70830-010 - Brasília/DF Tel: +55 (61) 3521-0350"

Transcrição

1

2 Expediente Cáritas Brasileira - Organismo da CNBB Endereço SGAN Quadra 601 Módulo F Asa Norte CEP: Brasília-DF Site: Telefone: Diretoria Presidente: Dom Flávio Giovenale Vice-Presidente: Anadete Gonçalves Reis Diretor-Secretário: Pe. Evaldo Praça Ferreira Diretor-Tesoureiro: Aguinaldo Lima Colegiada Nacional Diretora-Executiva Nacional: Maria Cristina dos Anjos Coordenador: Jaime Conrado Coo rdenador: Luiz Cláudio Mandela Organização e Sistematização: Ivo Poletto Jonas Bertucci Assessoria de Comunicação do Secretariado Nacional Revisão: Marcela Margareth Passos da Silva Projeto Gráfico: Marcelo Luiz Zapelini Nacional Cáritas Brasileira-Secretariado Nacional SGAN Quadra 601 Módulo F Asa Norte CEP: Brasília/DF Tel: +55 (61)

3 Sumário Somos Cáritas - 04 Perfil das Entidadades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira - 12 Onde estamos? 13 Quem somos? 15 O que fazemos? 17 Como nos organizamos? 18 Qual a nossa forma de gestão? 19 Como garantimos nossa sustentabilidade financeira? 21 Como nos relacionamos com as pastorais e a igreja? 23 Como nos relacionamos com a sociedade civil? 24 Considerações finais e recomendações 25

4 Somos Cáritas SOMOS CÁRITAS! Uma grande rede mundial É muito bom fazer parte de uma grande rede mundial, constituindo a Caritas Internationalis. Com o nome Cáritas ou outro, somos mais de um milhão de agentes militantes e estamos presentes em 200 países e territórios através de 165 organizações. 4 A Cáritas é, ao mesmo tempo, o trabalho solidário generoso de milhares de pessoas voluntárias e uma grande rede de grandes organizações de solidariedade do mundo. Esses números são motivo de alegria e de responsabilidade para cada agente: sentir-se ligado a tantas ações solidárias é fonte de profunda alegria; saber que se pode fazer muito mais, em cada localidade, em cada país e no mundo é motivo de inquietante responsabilidade. De toda maneira, está estampado no rosto de cada criança, cada adulto e idoso, cada mulher, cada jovem, cada morador de rua, catador/a, quilombola, ribeirinho/a, migrante e desalojado apoiados pela Cáritas em todo o planeta o melhor sinal de que continuamos o trabalho libertador de Jesus de Nazaré: todo passo dado com as pessoas excluídas em defesa e afirmação da sua dignidade e dos seus direitos é nosso melhor distintivo. Uma grande rede brasileira A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) é um organismo permanente que reúne os Bispos católicos do Brasil. No Brasil, somos mais de oito mil voluntários/as e quase 250 pessoas contratadas e animamos a prática da solidariedade em 285 Dioceses da Igreja Católica. Contamos com irmãos e irmãs de outras igrejas em nossas equipes, e isso nos dá a alegria de trabalharmos pela unidade tão desejada, e até exigida, por Jesus como condição para que o mundo creia que Ele é o enviado do Pai. (Cfr. Jo 17,21). Para manter boa articulação e qualidade de trabalhos, a Cáritas conta com 12 regionais e com o secretariado nacional para colaborar com a Diretoria. Ela é parte da CNBB e, ao mesmo tempo, uma entidade da sociedade civil. Como seguidores/as de Jesus, desejamos que todos os cristãos e cristãs

5 Somos Cáritas assumam a prática da solidariedade como uma qualidade essencial de sua vida pessoal e comunitária. Como cidadãos e cidadãs, desejamos que a sociedade brasileira seja marcada pela solidariedade, superando o triste título de uma das sociedades mais desiguais da Terra. Nosso compromisso e nossa utopia estão definidos na missão da Cáritas Brasileira: Testemunhar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo, defendendo e promovendo a vida e participando da construção solidária de uma sociedade justa, igualitária e plural, junto às pessoas em situação de exclusão social. Uma grande família Para testemunhar e anunciar as boas notícias de Jesus, não podemos ser apenas uma rede de pessoas e entidades; precisamos ser uma família de irmãos e irmãs. E uma família que trabalha para que todas as pessoas e comunidades com quem a Cáritas atua vivam esta fraternidade de irmãs e irmãos como qualidade básica de sua convivência e de sua ação. No cuidado para avançar na prática de uma alegre, livre e libertadora fraternidade, assumimos, para nossa vida e para nossa prática, os seguintes valores, também conhecidos como princípios : defesa e promoção da vida humana; defesa e promoção da sociobiodiversidade; mística e espiritualidade libertadora; ecumenismo, diálogo interreligioso e intercultural; cultura da solidariedade; relações igualitárias de gênero, raça, etnia e geração; protagonismo dos excluídos e excluídas; projeto de sociedade solidária e sustentável; democracia participativa. Tudo está voltado para uma grande esperança, um grande desejo utópico que nos impulsiona para a ação: que as pessoas até agora excluídas social e politicamente se levantem e sejam protagonistas da transformação da sociedade brasileira e mundial, apressando o dia em que elas sejam as principais convivas do grande banquete da vida (Cfr. Lc 15,15-24); e que, para isso, as equipes da Cáritas vivam os valores que anunciam. 5

6 Somos Cáritas Movidos por uma energia divina Nossa visão, metodologia e espiritualidade se interligam, alimentando e dando profundidade umas às outras. Em nossa visão, a transformação da atual sociedade desigual e carregada de injustiça só acontecerá com o protagonismo dos excluídos e excluídas. 6 Você sabia que protagonista é a personagem principal de uma narrativa, como obras literárias, cinematográficas, teatrais ou musicais. Sobre ela a trama é desenvolvida. As principais ações são realizadas por ela ou sobre ela?. Por isso, o ponto de partida de nossa metodologia está na busca de contato com os diferentes grupos, comunidades, setores sociais e povos que sofrem em situações de exclusão sociopolítica, reconhecendo seus saberes, seus valores, sua consciência da realidade, suas iniciativas, tornando-se seus aliados e contribuindo, através do diálogo e da partilha de vida e de conhecimentos, para que avancem na defesa de seus direitos, na conquista de maior qualidade de vida e na participação do processo de construção de uma sociedade justa, igualitária e plural. Para nossa permanente surpresa, reencontramos Deus presente entre os excluídos e excluídas. Só por Deus! exclamam, em todas as situações da vida, os empobrecidos. E de fato Deus está lá, gerando, com eles e elas, muitos milagres: sinais claros de que ele ama e dá força a todos que se encontram em situação de injustiça. É aqui que está já presente e atuando o Reino de Deus: a presença apaixonadamente amorosa do Deus libertador dos oprimidos. É por isso que Jesus deixou claro: tudo que vocês fizeram ou deixaram de fazer ao menor dos seres humanos foi a mim que fizeram ou deixaram de fazer (Cfr. Mt 25,31-46). Por desejar e dar a vida em favor de um mundo de justiça, de fraternidade, em que todas as pessoas tenham vida e vida em abundância (Jo 10,10), Jesus toma partido nas sociedades assentadas sobre a injustiça e a desigualdade: ele está com os injustiçados, com os empobrecidos. Seja na compreensão dos sinais dos tempos, em que se percebe o que se pode e deve fazer para cooperar com o projeto de Deus, seja na prática de

7 Somos Cáritas nossa metodologia, que nos faz parceiros das pessoas que desejamos libertadas, precisamos das energias divinas que renovam nosso espírito. Alimentar nossa espiritualidade é sentir o coração abrasar pela presença amorosa de Jesus em nossas vidas e em nossas ações. Como os discípulos de Emaús, os empobrecidos e nós temos, muitas vezes, fortes motivos para achar que o mal e a morte parecem vitoriosos; se estivermos minimamente atentos, Jesus nos surpreenderá com sua presença, certamente na figura de um estranho. (Cfr. Lc 24,13-33) Como sempre e em tudo que se refere à luta pela vida, são presenças misteriosas, em geral desvendadas através de sinais simples, como a partilha da caminhada, da palavra, do pão, da casa. Apaixonadas e apaixonados pelo Reino de Deus A paixão de Jesus foi anunciar, com sua vida e palavra, que o Reino de Deus já está presente no mundo, e está na vida do povo, em tudo que constrói o mundo que agrada ao Pai. O povo do tempo de Jesus vivia em extrema necessidade. Esperava, por isso, ansiosamente, a chegada de um libertador, que viesse com poder para derrotar os que controlavam a vida econômica e religiosa e os submetiam com violência aos seus interesses. Para eles, o reino de Deus viria de forma espetacular, mostrando o poder de Deus. Por isso, perguntavam a Jesus: onde está o Reino de Deus que anuncias? Tanto a prática como as parábolas de Jesus geravam encanto e perplexidade, ao mesmo tempo. Suas ações testemunhavam que ele estava convencido de que os pobres são bem-aventurados, porque deles é o Reino de Deus (Lc 6,20): ele ia ao encontro dos que viviam nas fronteiras da sociedade e da religião, dos que eram considerados impuros e pecadores, e comia com eles, festejava com eles, os libertava de maus espíritos, de doenças e outras limitações. Isso era admirável, lembrava misericórdia de Deus; mas levantava dúvidas: estará aqui e atuando desta forma o Reino de Deus? O "todo poderoso" age desta forma e junto de gente tão sem poder? Para que pudessem compreender sua boa notícia e suas ações, Jesus criou uma série de parábolas do Reino. Todas vão abrindo a possibilidade de perceber como, onde, por que e para que Deus age na história humana. Uma vez mais, surpresas e perplexidade: o Reino age como uma semente, e como a menor delas, morrendo para que nasçam muitas outras? 7 Parábola (do grego Παραβολή, transl. parabolé: "comparação, ilustração, analogia") é uma narrativa curta que emprega linguagem figurada.

8 Somos Cáritas Como a semente que, uma vez jogada na terra, faz seu caminho de germinação ajudada por outras energias que não as do semeador? Ou é como uma quantia adequada de fermento que uma mulher mistura com a massa, e a transforma em pão? É algo de muito valor, como uma pedra preciosa, que vale tudo que se tem para alcançá-la? Ou como uma moeda que uma mulher pobre havia perdido e faz de tudo para reencontrar, e ao dar com ela chama as amigas para festejar? É como os pássaros do céu e os lírios do campo, que Deus alimenta e veste com brilho sem que façam nada para isso? 8 O fato é que Deus age amorosamente na história, e sua ação aparece nas práticas de Jesus e nas ações amorosas de toda e qualquer pessoa que se associa a Ele. Uma das formas de seu amor é desejar a participação das pessoas em seu projeto, na construção do Reino. Por isso, no seguimento de Jesus, a paixão dos que são Cáritas é o anúncio e a participação na construção do Reino de Deus. Trata-se de algo profundamente espiritual e histórico, uma realidade divina e política. E tão política que Jesus não teve dúvida de anunciar: se tiverem fé, vocês não só farão as obras que eu faço, mas farão até maiores (Jo 14,12). Em outras palavras, Deus atua em todos os tempos e lugares, e não depende de nós; mas nós, em nosso tempo e lugar, podemos atuar com Ele a partir das potencialidades e possibilidades existentes, avançando na construção do Reino, ainda incompleto. UNIDOS NUMA CORRENTE DE SOLIDARIEDADE A solidariedade é uma das qualidades do povo empobrecido: repartem o que precisam para viver; repartem a própria vida, agindo unidos em defesa do seu direito de viver e de serem reconhecidas como pessoas portadoras de todos os direitos que os cidadãos e cidadãs têm na sociedade brasileira. Não há solidariedade quando a relação cria dependências, gera dívidas, quando pessoas são transformadas em objetos da ação. Solidariedade existe quando alguém assume a outra pessoa seu próximo: como alguém que passa a amar como a si próprio. (Cfr. Lc 10,25-37)

9 Somos Cáritas Herbert de Souza, o Betinho, de saudosa memória, assim se expressou ao revelar a profundidade e transparência da relação do amigo Frei Mateus Rocha com ele e seus amigos e amigas estudantes de Belo Horizonte: Ouvia cada um como se fosse Deus. Cuidava de cada um como se cuidasse de Deus, e nós, apesar de nós mesmos, acreditávamos que éramos deuses. Herbert José de Sousa, conhecido como Betinho, foi um sociólogo e ativista dos direitos humanos brasileiro. Concebeu o projeto "Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida" e dedicou-se a ele. O amor solidariedade tem esta profundidade: mesmo que a pessoa não saiba ou, no limite, não queira, esta relação reconhece no outro um ser de valor tão infinito, que só pode ser filho ou filha de Deus; e realiza o milagre de levar o outro a sentir-se divino. Este é o sentido do mandamento de Jesus: amem-se uns aos outros como eu amei você... Ninguém demonstra amor maior do que aquele que dá sua própria vida pela pessoa que ama (Jo 16,12-13). Sentido apresentado como desafio prático pelo discípulo João: quem diz que ama a Deus, a quem não vê, e não ama o irmão, a quem vê, é mentiroso (Cfr. 1Jo 4,20) A Cáritas, em sua relação com os pobres e no seguimento de Jesus de Nazaré, foi aprendendo a viver a solidariedade de forma libertadora: mesmo no socorro, quando necessário, a ação deve ser feita com participação dos que estão em necessidade, sempre na perspectiva da realização de seus direitos, dando passos que garantam o protagonismo dos excluídos/as; em todas as ações, desde as mais simples, ir gerando a consciência de que é possível transformar a realidade, superando as relações que geram injustiças e desigualdades por meio da prática da cidadania e da soberania popular. Para agir, a Cáritas é movida pela solidariedade de muitas pessoas, de modo especial pela ação de tantos voluntários; e tem origem na solidariedade brasileira e de outros povos parte, importante dos recursos necessários. Há mais de uma década, em comunhão com a CNBB, a Campanha da Fraternidade assumiu também a missão de educar os cristãos e cristãs para a prática coletiva de solidariedade por meio da constituição de fundos de solidariedade. Com isso, multiplicam-se as iniciativas solidárias em todas as regiões do país, apoiadas pelos Fundos Diocesanos e/ou pelo Fundo Nacional 9

10 Somos Cáritas Do ponto de vista do Cristianismo, podese dizer que o ecumenismo é um movimento entre diversas denominações cristãs na busca do diálogo e cooperação comum, buscando superar as divergências. 10 de Solidariedade. A cada cinco anos, em Campanha da Fraternidade Ecumênica, os Fundos se tornam igualmente ecumênicos. De toda maneira, a destinação desses recursos não discrimina as iniciativas por sua relação religiosa: são apoiados os projetos que mais se relacionam com os objetivos da CF de cada ano. A Cáritas Brasileira promove todos os anos uma Semana da Solidariedade, sempre em novembro, incluindo o dia de seu aniversário. Com diferentes iniciativas, busca aprofundar a vivência da solidariedade na própria Cáritas e despertar mais pessoas para esta dimensão da vida que humaniza e diviniza as pessoas. Uma solidariedade que pode manifestar-se também por meio da participação na Rede Permanente de Solidariedade, através da qual se busca doação de recursos de pessoas que se comprometem com a promoção da solidariedade e com a manutenção dos trabalhos e projetos da Cáritas. Um dos frutos dessa prática de educação para a solidariedade é a resposta popular aos apelos em favor de irmãos atingidos por catástrofes ou por conflitos que geram migrações e desabrigados, dentro do Brasil ou fora dele. Uma das campanhas recentes foi em favor do povo do Haiti, atingido por um terremoto, seguido por furacões e por uma epidemia de cólera, em que mais de um milhão de pessoas perderam suas casas e demais condições de vida. A solidariedade gerou um fundo de mais de oito milhões de reais, e com ele estão sendo implementadas, em conjunto com a Cáritas e a Conferência Episcopal Haitiana, ações nos campos da educação, saúde e moradia. Eclesiologia (do grego ekklesia) é o ramo da teologia cristã que trata da doutrina da Igreja. Quem é Caritas está envolvido e comprometido com a prática da solidariedade. Faz parte do Fórum de Pastorais Sociais e o reforça, nele se partilha o serviço solidário com diferentes setores excluídos e se assume responsabilidade por iniciativas conjuntas como as Semanas Sociais Brasileiras. Atua em conjunto e alimenta-se da espiritualidade e da eclesiologia das Comunidades Eclesiais de Base. Promove parcerias, visando somar forças. Tratase, então, de uma ação que se deseja cada dia mais firme, sólida, uma verdadeira corrente. E deseja-se que tome a dimensão possível de uma ação política: capaz de denunciar o que mantém e reproduz a desigualdade, a exploração, a dominação, a miséria em todo o mundo; capaz de anunciar que é

11 Somos Cáritas possível a construção de um mundo humano, que tenha a justiça, a igualdade fraterna e a solidariedade como fundamento; capaz de promover iniciativas alternativas nos diversos campos da vida, tornando-as sementes de nova sociedade e nova humanidade. É nessa direção que desponta a prioridade da promoção da Economia Solidária, na perspectiva de um desenvolvimento solidário e sustentável, implementado de forma descentralizada, com as características de cada território. Firma-se, igualmente, a perspectiva da convivência com cada bioma brasileiro, com destaque para a Caatinga Semi-Árida, em que avança a estratégia da construção de cisternas caseiras para água de beber e cozinhar e cisternas para a produção, guardando água de chuva para os tempos de estiagem. Avançam também os trabalhos com catadores/as de materiais recicláveis, com crianças, adolescentes e jovens, sempre tendo como horizonte e meta a conquista de políticas públicas e a garantia de todos os direitos de todas as pessoas. Como fundamento e inspiração da vivência e da promoção da solidariedade, junto ao lema ser solidário é ser humano, a Cáritas Brasileira assume outro: ser solidário é ser divino. São as comunidades biológicas, ou seja, as populações de organismos da fauna e da flora interagindo entre si e interagindo também com o ambiente físico. 11

12 Somos Cáritas Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Sistematização dos Dados da Pesquisa Nacional 12 A compreensão sobre o Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira é fundamental para a definição de nossas estratégias de atuação e articulação. Nesse sentido, a presente pesquisa tem por objetivo sistematizar um conjunto de informações que permita caracterizar a rede Cáritas e munindo seus atores local e nacionalmente de novos instrumentos para subsidiar sua atuação e planejamento de ações. Iniciada em 2012 (Incluir as datas de aplicação da pesquisa), a pesquisa Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira teve como base um questionário contendo 29 questões, divididas em 8 blocos. Durante o encontro (nome do encontro), os questionários foram aplicados por estudantes (explicar resumidamente como foi a aplicação dos questionários) para os representantes das entidades de cada localidade (explicar quem foram os respondentes). Do total de 178 entidades que compõem a rede Cáritas, foram 137 entidades respondentes de 25 estados do país. Após a coleta e digitalização dos dados, foi necessário proceder uma análise crítica da base, identificando erros de preenchimento e corrigindo quando possível, para que fosse possível compreender os limites e o alcance da análise. Assim, o presente relatório apresenta os resultados da tabulações principalmente a nível nacional, oferecendo um primeiro olhar sobre as características da rede. Sugere-se que, após a análise cuidadosa e discussão desses resultados, seja realizada posteriormente uma análise para cada regional. Para isso, é interessante que se realize um censo das entidades que integram a rede Cáritas, incluindo a totalidade de seus participantes.

13 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Onde estamos? A tabela 1 indica o número de entidades respondentes segundo unidade da federação e grandes regiões. Percebe-se que a região norte é aquela com maior número de casos (correspondendo a 30,7% dos questionários) e a região centro-oeste aquela com o menor número (5,1% dos casos). Abrangência da pesquisa. Número e % de entidades respondentes segundo Unidade da Federação 13 Tabela 1

14 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Já na tabela 2 e no gráfico 1, pode-se observar o número de entidades respondentes segundo o Regional Cáritas. Nota-se que o Regional SP é aquele com maior número de casos (20), correspondendo a 14,6% dos questionários, e os regionais PI, ES e RJ (sem regional) são aqueles com o menor número (4), o que corresponde a 2,9% dos casos cada. Abrangência da pesquisa. Número e % de entidades respondentes segundo Regional Cáritas 14 Tabela 2 Participação dos respondentes segundo regional Gráfico 1

15 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Quem somos? Segundo os dados da pesquisa, existem, nas entidades que responderam à pesquisa, agentes voluntários, sendo homens e mulheres. Os gráficos II, III e IV indicam a proporção de agentes voluntários segundo sexo e faixa etária e o total de agentes voluntários segundo regional. Sabendo que apenas 137 entidades das 178 entidades da rede Cáritas responderam à questão, podemos supor que existem mais de agentes voluntários. Calculando uma média simples de agentes por regional, podemos estimar que existam na rede agentes voluntários (média de 67,9 voluntários por entidade). Agentes voluntários segundo sexo e faixa etária* 15 * Jovens: até 29 anos Adultos: 30 a 59 anos Idosos: mais de 60 anos Gráficos 2 e 3 Total de agentes voluntários segundo regional Gráfico 4 * Sem regional

16 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Analisando os agentes contratados, percebemos que existem, nas entidades que responderam a pesquisa, agentes contratados, sendo 510 Homens e Mulheres. Os gráficos V, VI e VII indicam a proporção de agentes contratados segundo sexo e faixa etária e o total de agentes contratados segundo regional. Calculando uma estimativa pela média simples de agentes por regional, como feito anteriormente, podemos estimar que existam na rede agentes contratados (média de 18,7 voluntários por entidade). Agentes contratados segundo sexo e faixa etária* 16 * Jovens: até 29 anos Adultos: 30 a 59 anos Idosos: mais de 60 anos Gráficos 5 e 6 Total de agentes contratados segundo regional Gráfico 7 * Sem regional

17 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira O que fazemos? Ao levantar a questão sobre quem é o público com quem as entidades trabalham, a principal alternativa indicada é Criança e adolescente. Em seguida vêm os grupos Agricultor e agricultora familiar, Juventude, Catadores/as, entre outros. Em outros aparece uma diversidade de categorias como: Idosos, Mulheres, Dependentes químicos e Quilombolas. Público com quem trabalha segundo região. Total de respondentes (múltipla resposta). 17 Gráficos 8

18 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Como nos organizamos? O resultado indica que a maior parte das entidades organiza-se em regional e mantém veículos institucionais de comunicação. A maioria conhece os meios de comunicação do Secretariado nacional e pouco mais da metade tem programas próprios de formação de agentes. Organiza-se em regional? Mantém algum veículo institucional de comunicação? 18 Gráficos 9 e 10 Conhece os meios de comunicação do Secretariado Nacional? Gráficos 11 e 12 Há programa próprio de formação de agentes?

19 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Qual a nossa forma de gestão? Os gráficos XIII e XIV indicam que a maior parte das entidades possuem personalidade jurídica formal, sendo legalmente constituídas, com CNPJ e estatuto próprios. Pouco menos da metade (46%) é filial da mitra diocesana. É legalmente constituída? Tem estatuto próprio? 19 Gráficos 13 e 14 Tem CNPJ próprio? Gráficos 15 e 16 É filial da Mitra Diocesana?

20 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Em relação à existência de diretoria, 93% responderam ter diretoria, sendo que em, 91% destas, a diretoria é eleita em assembleia. Além disso, 83% responderam que existem outras instâncias de gestão e 63% responderam que existem comissões ou grupos de trabalho. A entidade membro tem diretoria? Como é definida a diretoria? 20 Gráficos 17 e 18 Existem outras instâncias de gestão? Gráficos 19 e 20 Comissões ou grupos de trabalho?

21 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Como garantimos nossa sustentabilidade financeira? As principais fontes de recursos provêm, segundo os respondentes, de doações e campanhas. Em seguida são citados a Cooperação Internacional, os recursos da Mitra Diocesana e Próprios, entre outros. Principais fontes financeiras. Total de respondentes (múltiplas respostas) 21 Gráfico 21 É interessante verificar que 85 entidades (ou 62% das entrevistadas) apresentaram 236 projetos, o que resulta em uma média de 2,8 projetos apresentados por entidade. Destes, 191 (81%) foram aprovados. Já apresentou algum projeto para o Fundo Nacional de Solidariedade? Gráfico 22

22 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira O gráfico XXIII e a tabela III mostram a relação entre projetos apresentados e aprovados segundo grande região. A região centro-oeste apresenta uma quantidade pequena de projetos, porém, com aprovação de todos eles. A região sudeste é a que mais apresentou projetos, porém, com uma taxa menor de aprovação. Total de projetos apresentados e aprovados segundo grande região 22 Gráfico 23 Percentual de projetos aprovados segundo região Tabela 3

23 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Como nos relacionamos com as pastorais e a igreja? A relação com as pastorais é intensa e diversificada na rede da Cáritas. Os dados indicam que 90% das entidades desenvolvem ações conjuntas com as pastorais, com enfoque para a pastoral da Criança, mais citada. Também são bastante mencionadas a pastoral da Saúde, Carcerária, Da terra e do Menor. Em outros são citadas a Pastoral Social, do Idoso, da Juventude, da Mulher etc. Desenvolvem ações conjuntas com as pastorais? 23 Gráfico 24 Em relação à existência de Fundo diocesano de solidariedade, verifica-se que 93 das entidades (69%) afirmam ter FDS. Destas, 73 (78%) afirmam haver equipe gestora do fundo e 72 (58%) responderam haver participação da entidade membro nesta equipe gestora. Existe Fundo Diocesano de Solidariedade? Gráfico 25

24 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Como nos relacionamos com a sociedade civil? A maior parte das entidades tem ações integradas com espaços de construção de políticas públicas e com outros movimentos sociais. Há uma lista extensa, como MST, Grito dos Excluídos, Economia Solidária, Sindicatos etc. Participa de espaços de construção de políticas públicas*? 24 *Fóruns e Conselhos diversos ** Redes de economia solidária, comitês e conselhos ligados à ONGs diversas etc. Gráficos 26 e 27 Outras articulações ou redes de Políticas Públicas**?

25 Perfil das Entidades Membro que Integram a rede Cáritas Brasileira Considerações finais e recomendações Essa análise permitiu ter um primeiro olhar amplo e abrangente do perfil da rede Cáritas. Esses resultados podem e devem ser aprofundados. Para isso, fazse necessário o diálogo e reflexão com os próprios atores que participam das ações cotidianas da rede em cada região. Vale ressaltar novamente a importância de se levantar os dados de cada regional, procurando fazer um censo que atinja todas as entidades que integram a rede Cáritas. Esta análise pode ser associada ao plano de mobilização de recursos que vem sendo desenvolvido pela Cáritas e servirá como material básico para os agentes. Como sugestões complementares para a próxima pesquisa, propõem-se incluir uma questão sobre raça e etnia no conjunto quem somos e incluir o campo Regional Cáritas no questionário com alternativas prédefinidas e evitando erros de digitação. 25

26

27

28

29

30

31 Oração da Cáritas Brasileira

32

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz Cardeal Sebastião Leme Grito por justiça Dom Helder Câmara Não deixe morrer o profetismo Dom Luciano Mendes de Almeida Não esqueçam

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO A Cáritas Brasileira é um organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que possui a missão de Testemunhar

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO

ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO ENCONTRO NACIONAL DE REVITALIZAÇÃO DA PASTORAL JUVENIL LEVANTAMENTO DE DADOS - 8 LINHAS DE AÇÃO QUANDO COMEÇA? Em maio de 2012 Reunião de Brasília Grupo dos referenciais regionais À luz das Diretrizes

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Ficha 1 1 Formação Integral (I) A com juventude para todo trabalho de evangelização A, como fundante (falando- se em, com atenção também

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

10 Milhões de Estrelas

10 Milhões de Estrelas 10 Milhões de Estrelas Eles, revendo a estrela, alegraram-se imensamente. (Mt. 2, 9b-10) Mística e Espiritualidade As estrelas sempre estiveram presentes na espiritualidade dos povos e igrejas inspirados

Leia mais

PARA O CONSELHO DE DIREITOS HUMANOS

PARA O CONSELHO DE DIREITOS HUMANOS uprsubmissions@ohchr.org PARA O CONSELHO DE DIREITOS HUMANOS DE DOCUMENTO DE DIREITOS HUMANOS REFERENTE A CUBA (Sobre o EPU de Cuba Segundo ciclo) 5 DE OUTUBRO DE 2012-10-01 Coordenação Nacional da PJR

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010

SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 SECRETARIADO FRATERNO NACIONAL DA JUFRA DO BRASIL Largo São Francisco, 173 Centro São Paulo / SP CEP: 01005-010 Ofício 03/2010 A/C: Fraternidades Regionais e Locais da JUFRA e OFS Assunto: Apoio e Participação

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM 1 Páscoa Jovem 1.1. Descrição A Páscoa Jovem é um encontro vivencial realizado para proporcionar uma experiência reflexiva e celebrativa da Paixão, Morte e Ressurreição

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB

Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família Comissão Nacional da Pastoral Familiar Brasília - 2014 snv14_2.indd 1 28/05/2014 12:11:27 Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 Proposta: PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 INTRODUÇÃO O amor ao próximo, radicado no amor de Deus, é um dever, antes de mais, para cada um dos fiéis, mas é-o também para a comunidade

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EMRC 9.º ANO DE EMRC 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno, no final do 9.º ano, deve atingir as metas abaixo indicadas, nos seguintes domínios: Religião e Experiência Religiosa Compreender o que são

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

PARTE I AS CAMPANHAS REALIZADAS PELA IGREJA NO BRASIL 1. A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2. CAMPANHA MISSIONÁRIA 3. CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO

PARTE I AS CAMPANHAS REALIZADAS PELA IGREJA NO BRASIL 1. A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2. CAMPANHA MISSIONÁRIA 3. CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO PARTE I AS CAMPANHAS REALIZADAS PELA IGREJA NO BRASIL 1. A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2. CAMPANHA MISSIONÁRIA 3. CAMPANHA PARA A EVANGELIZAÇÃO 1. Campanha da Fraternidade - Acontece desde 1964 - É uma campanha

Leia mais

REUNIÃO DE LIDERANÇAS

REUNIÃO DE LIDERANÇAS REUNIÃO DE LIDERANÇAS 08/02/2015 PAUTA: 1) Oração Inicial 2) Abertura 3) Apresentação de 03 dimensões de Ação Pastoral para o ano de 2015 4) Plenária / Definições 5) Oração Final 6) Retirada de Materiais

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER)

PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) Viva a Palavra PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) PROGRAMA 02 TEXTO BASE DA CF 2015 (VER) 1º Bloco Em nosso Programa, vamos conversar sobre o manual da Campanha da Fraternidade 2015. A Igreja no Brasil

Leia mais

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano.

assim ela poderá estar a serviço de uma ação solidária e libertadora do povo latino-americano. Conclusão Geral Para que a Igreja possa cumprir sua missão solidária e libertadora na AL, terá que estar em contínuo processo de conversão e sintonizada com os sinais dos tempos. Somente assim poderá se

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação 2 Barra do Choça, 11 de abril de 2015. 1. Contextualização O Projeto Nacional da Pastoral da Comunicação Pascom,

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DISCIPLINA: UNIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: 2015-2016 1 A PESSOA HUMANA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Marco Referencial da

Marco Referencial da Marco Referencial da Marco Referencial da Expediente Cáritas Brasileira Organismo da CNBB Endereço: SGAN Av. L2 Norte, Quadra 601, Módulo F CEP: 70830-010 / Brasília (DF) Site: www.caritas.org.br E-mail:

Leia mais

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 403192 720-902 - Sines Ano letivo: 2014/201 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Grupo disciplinar: 290 Disciplina: Educação Moral Religiosa Católica

Leia mais

Primeiro momento VER. Relação: Igreja e Sociedade

Primeiro momento VER. Relação: Igreja e Sociedade Primeiro momento VER Relação: Igreja e Sociedade Primeira Parte Origens do Cristianismo Jesus de Nazaré, sua vivencia com a sociedade e com seus discípulos e discípulas. Seu comportamento frente à sociedade

Leia mais

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono

Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono Tema 3: Espiritualidade O Espírito faz bater nossos corações em uníssono O ESPÍRITO FAZ BATER NOSSOS CORAÇÕES EM UNÍSSONO (Ir. Henri Vergès) Espiritualidade enraizada no Deus de Jesus, encarnada nas realidades

Leia mais

O AMOR DE DEUS, FUNDAMENTO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E DA COOPERA CÃO

O AMOR DE DEUS, FUNDAMENTO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E DA COOPERA CÃO O AMOR DE DEUS, FUNDAMENTO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E DA COOPERA CÃO Encontro das Conferências Episcopais dos países lusófonos Lisboa e Fátima, outubro de 2006 Irmãos no Episcopado, Irmãs e irmãos, Sou

Leia mais

DIMENSÕES DA FORMAÇÃO INTEGRAL

DIMENSÕES DA FORMAÇÃO INTEGRAL INTRODUÇÃO DO CURSO DIMENSÕES DA FORMAÇÃO INTEGRAL (Doc. 85 CNBB nº 95-107) JORGE BORAN CSSP (Dr. em Liderança Comunitária Universidade de Fordhan EUA) Desde a década de 1980 vem nascendo a necessidade

Leia mais

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP Caderno de Estudo: Avaliação 7º Plano de Pastoral Orgânica (20102010-2013) 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP A p r e s e n t a ç ã o Eu vim, ó Deus, para fazer a Vossa

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

1. IGREJA DE COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE CEBs

1. IGREJA DE COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE CEBs 1. IGREJA DE COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE CEBs A Diocese de Ruy Barbosa é uma Igreja de CEBs com pastorais e movimentos, que soma forças para realizar o Objetivo Geral da CNBB e assume, como Igreja particular,

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

DIACONIA I. Aula nº 4

DIACONIA I. Aula nº 4 DIACONIA I Prof. Dr. Nelson Célio de Mesquita Rocha Aula nº 4 A dimensão prática da Diaconia A prática diaconal é tão antiga quanto a Igreja. 1 Na comunidade dos apóstolos, o compartilhar dos bens fez

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE 5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE José Bizon dcj@casadareconciliacao.com.br 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo O ecumenismo é parte integrante da ação evangelizadora. De acordo com o Decreto Unitatis redintegratio,

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Por um programa nacional de Fundos Solidários *

Por um programa nacional de Fundos Solidários * Por um programa nacional de Fundos Solidários * Fundos solidários: uma rica experiência A prática dos Fundos Rotativos Solidários tem uma longa história no Brasil; mas é a partir dos anos 80 que essas

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Juventude e Relações Humanas

Juventude e Relações Humanas SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EMRC Ano Letivo 2011/2012 2º Ciclo 5º Ano Tema Conteúdos Competências Específicas Avaliação Lectiva 1 Viver Juntos Mudança de ano

Leia mais

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira 1. Celebrar e (Re) Pensar Ensina-nos a contar os nossos dias, para que venhamos a ter um coração sábio (Sl 90,12). As palavras do salmista

Leia mais

CANONIZAÇÃO DE MADRE CÂNDIDA EQUIPE RUMO À CANONIZAÇÃO

CANONIZAÇÃO DE MADRE CÂNDIDA EQUIPE RUMO À CANONIZAÇÃO CANONIZAÇÃO DE MADRE CÂNDIDA EQUIPE RUMO À CANONIZAÇÃO GESTO CONCRETO DE SOLIDARIEDADE POR MAIS VIDA Onde não há lugar para os pobres, também não há lugar para mim (Cândida Maria de Jesus) 1. MOTIVAÇÃO

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

Igreja "em saída" missionária

Igreja em saída missionária Mês das Missões O mês de outubro é, para a Igreja, o período no qual são intensificadas as iniciativas de animação e cooperação em prol das Missões em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar, despertar

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro

O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai. Objetivos 12/4/2012. Identidade e relevância da cristologia. Cláudio Ribeiro O Deus testemunhado por Jesus Cristo o Pai Cláudio Ribeiro Objetivos Avaliar a doutrina de Trindade suas raízes, premissas fundamentais, ênfases e mudanças no contexto global da história da Igreja e as

Leia mais

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil A EUCARISTIA E A DIMENSÃO SOCIAL *Ir. Delci Maria Franzen A eucaristia está plenamente vinculada à dimensão social da vida humana. Sendo a celebração do mistério Pascal da vida, morte e ressurreição de

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil

3º Congresso Vocacional do Brasil III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Dom Leonardo Ulrich Steiner

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158.

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: MÉDIA: RESULTADO: %

Leia mais

FUNDO DIOCESANO DE SOLIDARIEDADE - FDS

FUNDO DIOCESANO DE SOLIDARIEDADE - FDS FUNDO DIOCESANO DE SOLIDARIEDADE - FDS EDITAL 01/2015 A Arquidiocese de Curitiba, por intermédio do Conselho Gestor do Fundo Diocesano de Solidariedade, vem tornar pública a abertura do edital do FDS 2015

Leia mais

Objetivo e proposta evangelizadora

Objetivo e proposta evangelizadora A CAMPANHA DA FRATERNIDADE NA IGREJA DO BRASIL Objetivo e proposta evangelizadora BerçonoConcílioVaticanoII: Começou no Rio Grande do Norte, em 1962, por iniciativa de Dom Eugênio Sales. Era uma ação concreta

Leia mais

REALIZAÇÃO: PARCEIROS: APOIO:

REALIZAÇÃO: PARCEIROS: APOIO: REALIZAÇÃO: PARCEIROS: APOIO: PROJETO VIVA A SOLIDARIEDADE! 1. Dados de identificação do projeto 1.1 Título do projeto: Viva a Solidariedade! 1.2 Nome da entidade proponente: Conferência dos Religiosos

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária Caro jovem,, Que alegria saber que como você muitos jovens estão encontrando um caminho para a oração pessoal e diária. Continue animado com a busca de um relacionamento mais pessoal

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

Projeto de Formação Escola Bíblica com Adolescentes e Crianças Local de execução do projeto: Carmo do Rio Verde Ano: 2016

Projeto de Formação Escola Bíblica com Adolescentes e Crianças Local de execução do projeto: Carmo do Rio Verde Ano: 2016 Projeto de Formação Escola Bíblica com Adolescentes e Crianças Local de execução do projeto: Carmo do Rio Verde Ano: 2016 Entidades proponentes MAC Movimento de Adolescentes e Crianças Carmo do Rio Verde

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil

JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil JPIC Jovem SCM Projeto de Inclusão Documento Oficial 2011 Justiça, Paz e Integridade da Criação Celebrando o Centenário das RSCM no Brasil Religiosas do Sagrado Coração de Maria Província Brasileira 3

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 5. CURSO DE TEOLOGIA Área de atuação O egresso do Curso de Teologia

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 05/06 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO. Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho de 04;

Leia mais