PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL. Oferta de Alojamento por NUTS II, (Número de Camas) Açores. Centro. Madeira. Norte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL. Oferta de Alojamento por NUTS II, 1998 2009 (Número de Camas) Açores. Centro. Madeira. Norte"

Transcrição

1 Tx de crescimento nul CB RICHARD ELLIS neoturis MrketView Mercdo Turístico T PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL Tendêncis Turismo Pssgeiros Hóspedes Dormids Proveitos Turísticos Principis spectos 2009 vs A crise económic europei teve um impcto negtivo o nível dos principis indicdores do turismo de Portugl; Apesr disso, verificm-se lguns sinis de retom d ctividde turístic, indicindo um ligeir recuperção em Em 2009, Portugl recebeu um totl de 10,4 milhões de pssgeiros de voos interncionis, o que represent um quebr de 5,4% em relção Os decréscimos ocorrerm em todos os tipos de voos, com perds de 19 mil, 228 mil e 346 mil pssgeiros nos voos trdicionis, low-cost e chrters, respectivmente. Os voos trdicionis continum representr mior quot de mercdo, com 54,7%. Em Portugl, ofert de cms dos estbelecimentos hoteleiros, ldementos e prtmentos turísticos presentou um umento de 3,5%, entre 2007 e 2008, tendo-se verificdo vrições positivs em tods s regiões do pís (Continente e Ilhs). N globlidde do no de 2009, registrm-se cerc de 37 milhões de dormids, o que reflecte um quebr de 6,4% fce Este decréscimo é consequênci direct do comportmento mnifestdo pelo mercdo externo, que ciu 1% no mesmo período, ou sej, menos 2,8 milhões de dormids. Por outro ldo, o mercdo interno umentou 2,2%, representndo um créscimo de 290 mil dormids em 2009 reltivmente No entnto, este crescimento não foi suficiente pr fzer fce à diminuição do mercdo estrngeiro. No no de 2009, o Reino Unido registou 5,7 milhões de dormids e um quot de mercdo de 24,5%, mntendo o em 1º lugr no rnking dos mercdos interncionis. Esse vlor representou um decréscimo de 21,4%, ou sej, menos 1,6 milhões de dormids fce N Alemnh form contbilizds 3,3 milhões de dormids, ocupndo, ssim, o 2º lugr do rnking interncionl. Refir-se que pens 14,2% do totl de dormids form efectuds por estrngeiros. Tl como o Reino Unido, Alemnh registou tmbém um decréscimo, de 8,9% fce 2008, o que represent menos 324 mil dormids. Ofert de Alojmento por NUTS II, (Número de Cms) 11,0% 9,0% 7,0% 5,0% 3,0% 1,0% Alentejo Açores Mdeir Centro Norte Lisbo Algrve Médi Ncionl TCMA = 2,2% -1,0% 0% 10% 20% 30% 40% -3,0% Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic Quot de mercdo (2009) beds Procur de Alojmento por NUTS II, (Milhres de Dormids) 12% 10% 8% Açores Centro % 2% 0% 0% 10% 20% 30% 40% -2% -4% Alentejo Norte Mdeir Lisbo Quot de mercdo (2009) Algrve Médi Ncionl TCMA = 1,1% de dormids Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic 2010, CB Richrd Ellis, Inc.

2 T MrketView Mercdo Turístico MERCADO HOTELEIRO DE LISBOA Ofert e Procur Evolução d Ofert de Alojmento Turístico no Concelho de Lisbo (Milhres de Cms) Desde 1998, no em que se relizou Expo 98, Lisbo tem registdo um umento d ofert de lojmento turístico (TCMA* = 2,) ligeirmente superior o d procur (TCMA* = 2,3%), demonstrndo um indústri em crescimento ms necessrimente mis concorrencil. 26,5 26,7 26,8 27,2 28,0 TCMA = 2, 28,9 31,9 32,5 32,0 33,4 34,2 Embor se verifique um ritmo de crescimento d procur de lojmento reltivmente sustentdo desde 2003, o no de 2008 foi mrcdo por um decréscimo de cerc de 150 mil dormids. Aind ssim, e desde 2003, verific-se um crescimento médio nul d procur de 5,7%, superior os 3,4% reltivos à ofert, indicndo um recuperção mis rápid d procur. Est situção pode, no entnto, ter-se grvdo em 2009, um vez que té Setembro do no pssdo, o Aeroporto Interncionl de Lisbo registou menos de voos e menos 3,9% de pssgeiros que no mesmo período de Os hotéis continum ser tipologi de lojmento turístico mis representtiv n cidde de Lisbo, com mis de 80% d ofert de qurtos disponíveis. As pensões, têm ind um peso significtivo no mercdo de lojmento d cpitl. No entnto quot de mercdo, que er de 22% em 1998, diminuiu pr 1 em Reltivmente à origem dos mercdos, n Região de Lisbo e Vle do Tejo verific-se que 2 ds dormids têm origem no mercdo ncionl, seguido do mercdo espnhol, com cerc de 13% Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP Evolução d Procur de Alojmento Turístico no Concelho de Lisbo (Milhões de Dormids) 4,8 4,8 4,5 4,5 4,5 4, Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP TCMA = 2,3% Distribuição d Ofert por Tipologi no Concelho de Lisbo (% do Número de Cms, 2008) 5,0 5,1 5,8 6,1 6,0 Distribuição d Procur por Mercdos Emissores no Concelho de Lisbo (% do Número de Dormids, 2008) Alemnh 7% Espnh 13% Frnç 7% Itáli 7% Brsil Reino Unido Outros 28% Hotéis 81% Pensões 1 Hotéis Aprtmento 3% Outros 0% Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP * TCMA: Tx de Crescimento Médio Anul Págin 2 Portugl 2 Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP 2010, CB Richrd Ellis, Inc.

3 Evolução d Tx de Ocupção Qurto n Cidde de Lisbo 83,2% 82,7% 82,4% 80,5% 76, 77,7% 75,8% 74,8% 77,1% 74,4% 73,9% 76,3% 74,7% 72,2% 69,7% 69,2% 68,7% 69,2% 69,5% 68,8% 63,8% 64,0% 60,8% 64, 61,4% 62,2% 57,0% 63,5% 59,9% 53,0% 55,1% 56,1% 51,5% 49,4% 50, 41, Estrels 4 Estrels 3 Estrels Fonte: Observtório do Turismo de Lisbo Evolução do Preço Médio n Cidde de Lisbo MERCADO HOTELEIRO DE LISBOA (Continução) Desempenho Hoteleiro A melhori de desempenho que se vinh verificr desde 2005 ns txs de ocupção teve um retrocesso nos nos de 2008 e No no de 2009 o decréscimo de ocupção globl intensificou-se, tendo-se registdo um decréscimo n ordem dos 10 pontos percentuis (p.p.). As uniddes de 5 estrels form s mis fectds com cerc de 15 p.p. de redução. As uniddes de 3 estrels continum observr s txs de ocupção mis elevds, com 69,2% enqunto que s uniddes de 5 estrels registrm os vlores mis bixos deste indicdor, com um tx médi de 41,. MrketView Mercdo Turístico Apesr d quebr de ocupção no no de 2008, em consequênci d crise globl, verificou-se um umento de cerc de nos preços médios. Tl fenómeno já não se verificou em 2009 com os preços médios diminuírem em cerc de 9%. Em 2009, e à semelhnç d ocupção, tmbém form s uniddes de 5 estrels s mis prejudicds com um decréscimo de preço médio em cerc de 15%. 5 Estrels 4 Estrels 3 Estrels Fonte: Observtório do Turismo de Lisbo Ocupção Qurto n Cidde de Lisbo (Acumuldo de Jneiro té Dezembro) Preço Médio por Qurto Vendido n Cidde de Lisbo (Acumuldo de Jneiro té Dezembro) Vrição Vrição 3 Estrels 69,2% 74,7% -7,4% 3 Estrels 51,8 54,9-5,8% 4 Estrels 64, 68,7% -6,0% 5 Estrels 41, 50, -17,8% Síntese 60,1% 66,1% -9,1% 4 Estrels 67,5 74,1-8,9% 5 Estrels 131,4 154,6-15,0% Síntese 74,2 82,7-10,3% Fonte: Observtório do Turismo de Lisbo Fonte: Observtório do Turismo de Lisbo Págin , CB Richrd Ellis, Inc. T1 2010

4 T MrketView Mercdo Turístico MERCADO HOTELEIRO DE LISBOA (Continução) Tendêncis Especilizção e desenvolvimento hoteleiro em qutro áres geográfics: Prque ds Nções: uniddes de mior dimensão e voccionds pr o segmento de negócios individuis e feirs/congressos (ex. início d construção do Olissipo no Prque ds Nções, Hotel de 5 estrels, com 340 qurtos); Eixo Resturdores Cmpo Grnde: desenvolvimento de uniddes de médi dimensão e dirigidos dois segmentos de mercdo: lzer (semn e fim de semn) e negócios (durnte semn); Bix/ Birros Históricos/ Frente Ribeirinh: mior desenvolvimento de hotéis de pequen e médi dimensão focdos n vertente design e chrme; Av. José Mlho zon muito diversificd de hotéis (de 2 5 estrels) vocciondos principlmente pr negócios. Forte tendênci pr o precimento de uniddes com crcterístics diferencidors o nível do design, como são exemplo os hotéis Altis Belém, Fontn Prk e Interncionl Design Hotel. Reforço do posicionmento d cidde em termos de lzer, com o umento do número de city breks, por influênci do umento de voos low cost e de negócios, com o umento do número de eventos pr 83 congressos/no segundo ICCA*, em 2009, colocndo Lisbo n short list ds 10 ciddes mis procurds. Aumento previsto de uniddes de ctegori superior, de 4 e 5 estrels, embor se mntenh um prente fstmento de mrcs de referênci globl, fcto grvdo pelo síd de Lisbo do Orient-Express, pel vend do Hotel d Lp e pel mudnç do hotel Le Méridien pr Tir Prk Hotel. Dd quebr de procur registd em 2009, n ordem dos 10% 20% fce o no nterior, miori ds uniddes hoteleirs tem vindo reduzir os preços. Contudo, lguns hotéis têm optdo pel estrtégi de dd vlue, umentndo os serviços prestdos pelo preço prticdo no no nterior. Assiste-se n cidde de Lisbo um concentrção d ofert de qurtos em uniddes de 4 estrels. Só os grupos SANA, Vip e Olissipo detêm cerc de 25% do número de qurtos dest ctegori. Váris cdeis hoteleirs interncionis (ex. Meli, Hilton ou Hytt) já tornrm público o seu interesse por Lisbo, essencilmente trvés d celebrção de contrtos de gestão. Mp Hoteleiro de Lisbo Prque ds Nções Eixo Resturdores Cmpo Grnde Tendêncis Av. José Mlho Ocupção 2009 vs Preço Lisbo Algrve Bix / Birros históricos / Frente ribeirinh Fonte: CB Richrd Ellis / neoturis * ICCA: Interntionl Congress nd Convention Assocition Págin , CB Richrd Ellis, Inc.

5 Evolução d Ofert de Alojmento Turístico no Algrve (Milhres de Cms) ,1 85,7 86,8 TCMA = 1,5% 94,1 95,5 96,5 100,0 97,5 96,2 98,7 MERCADO HOTELEIRO DO ALGARVE Ofert e Procur O Algrve ssiste, desde 1998, um crescimento moderdo d ofert e d procur de lojmento turístico, com ofert crescer ligeirmente cim (TCMA de 1,5%) d procur (TCMA de 0,5%). Ao nível d distribuição d ofert de lojmento no Algrve, verific-se que os hotéis representm pens 28% d ofert, enqunto que s uniddes self-ctering concentrm 6 do número de cms. MrketView Mercdo Turístico Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP Evolução d Procur de Alojmento Turístico no Algrve (Milhões de Dormids) TCMA = 0,5% Em termos de evolução do tipo de lojmento em ofert, é evidente o umento do peso dos Hotéis e dos Hotéis Aprtmento, pssndo de 42% em 1998 pr 49% em Os restntes tipos de lojmento têm vindo diminuir su quot de mercdo no mesmo período, nomedmente os Aldemento e Aprtmentos Turísticos, que pssrm de 51% em 1998 pr 45% em ,6 14,4 14,6 13,9 14,3 14,0 13,3 13,8 14,2 14,7 14,3 O crescimento d ofert hoteleir deve-se sobretudo à mior exigênci do mercdo por empreendimentos com mior ofert de serviços e com mis grntis de qulidde e mnutenção Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP Distribuição d Procur por Mercdos Emissores no Algrve (% do Número de Dormids, 2008) Reltivmente à origem dos mercdos, n Região do Algrve, verific-se que o mercdo mis importnte é o do Reino Unido, com 32% ds dormids, seguido do mercdo português com 25% do totl d procur em Em consequênci do desenvolvimento do turismo residencil, Irlnd registou um umento d procur por est região, concentrndo ds dormids em Distribuição d Ofert no Algrve por Tipologi (% do Número de Cms 2008) Alemnh 10% Holnd 10% Irlnd Outros 17% Ald. Turísticos 12% Outros Aprtmentos Turísticos 33% Reino Unido 32% Portugl 25% Hotéis Aprtmento 21% Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP Hotéis 28% Fonte: Instituto Ncionl de Esttístic / Turismo de Portugl, IP Págin , CB Richrd Ellis, Inc. T1 2010

6 MERCADO HOTELEIRO DO ALGARVE (Continução) Tendêncis T MrketView Mercdo Turístico Desempenho Hoteleiro N região do Algrve, nálise d tx de ocupção qurto em 2009 permite retirr s seguintes conclusões: Os Hotéis e Hotéis Aprtmento de 3 estrels são os lojmentos com um tx de ocupção mis elevd, registndo um tx de 5%. No entnto, est ctegori, de 3 estrels, perdeu 6 p.p. reltivmente 2008, estimndo-se que tendênci se mntenh em N ctegori de 4 estrels, verificou-se um ocupção de 54% em 2009, o que represent menos 10 p.p. do que no no nterior. Ao nível ds Aldementos e Aprtmentos Turísticos, s ctegoris com melhor desempenho form s de 5 e 4 estrels, com um ocupção médi nul de 51,1% durnte Tl como nos Hotéis e Hotéis Aprtmento, est tx represent menos 8,5 p.p. fce Em termos de regiões, 2009 ficou mrcdo pel ocupção qurto mis elevd n zon de Monte Gordo e Vil Rel de Snto António com um médi de 76,1%. Albufeir registou, no mesmo período, um ocupção médi de 55,3%. Evolução d Tx de Ocupção Qurto em Hotéis e Hotéis Aprtmento, no Algrve 55,8% Fonte: AHETA 48,2% 66,8% 66,4% 54,1% 59,7% 52,4% 5* 4* 3* 2* 66,8% Evolução d Tx de Ocupção Qurto em Aldementos e Aprtmentos Turísticos, no Algrve 51,1% 52,0% 49,7% 50,8% A ofert hoteleir do Algrve encontr-se fortemente concentrd no eixo Albufeir - Loulé, ssumindo-se Vilmour como um destino prticmente utónomo, onde existe um grnde diversidde de lojmento e ctividdes desportivs de entretenimento e de lzer. Apesr dest concentrção no eixo centrl, ssiste-se tmbém o crescimento de outrs zons do Algrve, nomedmente ns zons de Tvir, Cstro Mrim, Lgos ou Sgres. Verific-se um tendênci do desenvolvimento d ofert hoteleir inserid em resorts. À semelhnç do que se pss um pouco por todo o pís, têm precido no Algrve lgums uniddes de chrme/design, ms em zons menos trdicionis, como são exemplo Sgres ou Lgo. Observ-se o desenvolvimento recente de uniddes de ctegori superior, de 5 estrels, destcndo-se o Hilton Vilmour e o Tivoli Vitóri. Estão previstos novos projectos no médio przo pr uniddes dest ctegori. O lojmento self-ctering tem um representtividde muito centud no Algrve, quer em Aldementos, quer em Hotéis Aprtmento, fcto que está ssocido à mior vocção do destino pr féris. Os últimos nos no Algrve têm sido crcterizdos pelo crescimento d ofert e procur em Turismo Residencil, fcto pr o qul contribuiu tmbém o desenvolvimento ds rots de compnhis low cost no Aeroporto de Fro. Assiste-se cd vez mis o desenvolvimento conjunto de Turismo Residencil e Hotelri. Verific-se um interesse mnifestdo pels mrcs interncionis, quer n gestão de uniddes hoteleirs trdicionis e/ou integrds em resorts, quer n gestão de vlêncis de lzer como o golfe (mrcs como Hilton, Mrriott, Hytt ou Crowne Plz). Por último, existe um forte necessidde de renovção de muits uniddes hoteleirs que se encontrm ntiquds e desjustds fce às necessiddes ctuis dos respectivos públicos-lvo. Fonte: AHETA Págin 6 5 e 4* 3* , CB Richrd Ellis, Inc.

7 TURISMO RESIDENCIAL Tendêncis Actuis do Mercdo Verific-se um forte decréscimo do volume de vends de uniddes turistico-residenciis. Este decréscimo devese, essencilmente, à retrcção nos últimos meses, de todos os mercdos emissores, sem excepção. Est tendênci já se verific desde o segundo trimestre de 2008, tendo-se centudo em Apesr do recuo d procur, verificrm-se dus situções reltivmente o vlor pedido deste tipo de fogos: por um ldo estbilizção do nível de preço ns uniddes com um vlor cim dos e, por outro, o decréscimo dos preços ns uniddes vlorizds bixo deste vlor de referênci. Os promotores têm vindo optr pel estrtégi de dd vlue nomedmente com inclusão de decorção, mobiliário, equipmentos, etc., em vez de reduzirem demsidmente os preços. O fim do Verão de 2009 foi mrcdo por lguns indícios, ind que ténues, de recuperção do mercdo o que levou o umento do interesse pel quisição de lgums uniddes. No entnto, o volume de vends mntêmse ind reduzido. MrketView Mercdo Turístico A crise generlizd n economi, levou um forte quebr d dinâmic de vends de uniddes turísticoresidenciis. Este cenário promoveu o congelmento de vários projectos de resorts, verificndo-se inclusivmente, o retrocesso d decisão de desenvolvimento ou expnsão de lguns empreendimentos. No entnto, pesr deste brndmento n promoção de resorts, lguns empreendimentos inicirm já obrs como são exemplo o Pinheirinho em Grândol, o Roncão del Rey no Alquev ou o L nd Vineyrds, em Montemor-o-Novo. Com recuperção d libr, Portugl torn-se mis trctivo enqunto destino turístico. Este fctor levou um umento d entrd de turists provenientes do Reino Unido que se reflectiu no crescimento de visits e comprs. Contudo, 2009 foi crcterizdo pel quse usênci de trnscções de imóveis turístico-residenciis. Verific-se um dulidde no interesse ds mrcs de grnde reconhecimento interncionl pel gestão de uniddes hoteleirs e turístico-residenciis em Portugl. Por um ldo, verific-se o bndono de lguns projectos como é o cso do Westin (Strwood) no Cmpo Rel e do Luxury Collection (Strwood) no Colombo s Resort. Por outro ldo, ument o interesse de mrcs ind não implntds em Portugl por projectos diferencidores como é exemplo do Bnyn Tree no projecto Lnd Reserve, no Alquev. Est últim tendênci, mnter-se-á num futuro próximo, umentndo o seu potencil de vend ssim como o desenvolvimento de ofert dicionl, por vi do mior wreness dos destinos. A deteriorção dos sldos orçmentis e cumulção d dívid públic têm umentdo o perfil de risco globl, umentndo s dificulddes de finncimento bncário. Vle do Lobo, Algrve, Portugl Evolução d Diferenç Cmbil Euro / Libr (EUR/GBP) ,9 1, ,6 Fonte: Vle do Lobo, S.A Fonte: Bnco de Portugl 0,6 0,6 Págin , CB Richrd Ellis, Inc. T1 2010

8 TURISMO RESIDENCIAL (Continução) Pr mis informções sobre este MrketView, por fvor, contctr: T MrketView Mercdo Turístico Perspectivs de Desenvolvimento Futuro Após este período de recessão, prevê-se que destinos trdicionis e mduros como o Algrve, presentem um recuperção mis rápid do que os emergentes e menos consoliddos como Turqui, Croáci e Bulgári ou mesmo, do que lgums zons mis densificds de Espnh. É expectável que o umento d procur turístico-residencil decorr em função d recuperção económic, d disponibilidde de finncimento dos gentes económicos e do nível de trctividde do produto. Apesr d elevd incertez qunto à form e o modo como recuperção económic irá ocorrer, é possível perspectivr dois momentos distintos: (1) entre 2010 e 2015 crcterizd por oscilções, flt de confinç dos consumidores, miores níveis de especulção, entre outros; e (2) prtir de 2015, mrcdo por um novo ciclo de crescimento, mis controldo e resistente à especulção. neoturis Edurdo Abreu e: José Cmpos e: CB Richrd Ellis Cristin Arouc e: Mri Empis e: São tmbém esperds diverss lterções no perfil de consumo d procur, que deverá estr cd vez mis informd, prudente, com preferênci por destinos mis próximos, cessíveis e por destinos e produtos mbientlmente sustentáveis, entre outrs crcterístics. Alil Uluwtu, Bli, Indonési neoturis Prç Duque de Sldnh, 20 R/c Dto , Lisbo Tel: Fx: CB Richrd Ellis, Ld Ed. Amoreirs Squre Ru Crlos Alberto d Mot Pinto,17 10º A , Lisbo Tel: Fx: Págin 8 Fonte: Alil Uluwtu Not Finl CB Richrd Ellis neoturis A informção contid neste documento é tid por nós como bo. Apesr de não duvidrmos d su exctidão, não verificámos e não prestmos quisquer grntis ou representção sob mesm. É d voss responsbilidde confirmr su exctidão e plenitude. Quisquer projecções, opiniões, deduções ou estimtivs são pens utilizds título de exemplo e não representm forçosmente o ctul ou futuro desempenho do mercdo. Est informção destin-se exclusivmente clientes d CB Richrd Ellis e d neoturis, não podendo mesm ser reproduzid sem o consentimento prévio de mbs s entiddes. Copyright 2010 CB Richrd Ellis neoturis Ru José Gomes Ferreir, , Porto Tel: Fx: , CB Richrd Ellis, Inc.

MarketView Mercado Turístico

MarketView Mercado Turístico CB RICHARD ELLIS neoturis MarketView Mercado Turístico www.cbre.eu/research Julho 2011 PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL Indicadores Turísticos 2009 vs. 2010 Passageiros Oferta Camas Dormidas Proveitos

Leia mais

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011 m² CB RICHARD ELLIS MrketView Escritórios Lisbo e Porto Setembro SUMÁRIO 1º SEMESTRE Indicdores de Lisbo vs. Stock Novo Disponibilidde Absorção Brut Rends Prime Yields Prime Indicdores do Porto vs. Tendêncis

Leia mais

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p)

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p) CB RICHARD ELLIS MrketView Residencil Lisbo e Porto Agosto 2011 SUMÁRIO Indicdores Geris Nº de Licencimentos Tx de Juro Vlor dos Imóveis Indicdores de Lisbo Vrição d Ofert Tendêncis A ctul crise d dívid

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: dt: Telefone: E-mil: Colégio PARA QUEM CURSA A SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 05 Disciplin: MTeMÁTiC Prov: desfio not: QUESTÃO 6 O Dr. Mni Aco not os números trvés de um código especil.

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trblhdor e ofert de trblho 6 1 Exercício de plicção: Equilíbrio de um consumidor-trblhdor e nálise de estátic comprd Exercícios pr prátic do leitor Neste cpítulo, presentmos

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Quis os registos contbilísticos relizr pel Associção de Municípios que resultm d cobrnç d tx de gestão de resíduos e consequente entreg junto d Autoridde

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

MarketView Escritórios Lisboa e Porto

MarketView Escritórios Lisboa e Porto CB RICHARD ELLIS MrketView Escritórios Lisbo e Porto Mrço 21 Indicdores de Lisbo Stock Novo Tx. Disponibilidde Absorção Brut Rend Prime Yield Prime Stock Novo S2 9 vs. S1 9 S2 9 vs. S2 8 9 vs. 8 Indicdores

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Algarve e Sul de Espanha

Algarve e Sul de Espanha 2014 A L O J A M E N T O E L A Z E R Reserve já e usufru dos nossos descontos! Algrve e Sul de Espnh Condições Geris A esybookings by Cderno de Vigens Unip. Ld recomend todos os clientes, um leitur precis

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO bril/2017 número 93 ÍNDICE DE CONFIANÇA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicdor de Con nç O ICIC-PR ( de Con nç d Indústri de Construção - Prná) ciu -5,2 pontos neste mês de bril. Este índice está n áre de

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Fernanda Aranzate)

Mat.Semana. PC Sampaio Alex Amaral Rafael Jesus. (Fernanda Aranzate) 11 PC Smpio Alex Amrl Rfel Jesus Mt.Semn (Fernnd Arnzte) Este conteúdo pertence o Descomplic. Está vedd cópi ou reprodução não utorizd previmente e por escrito. Todos os direitos reservdos. CRONOGRAMA

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013

Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 Propostas para Revitalização do sector do Turismo Residencial Janeiro de 2013 APR Associação Portuguesa de Resorts A Associação Portuguesa de Resorts (APR) tem por missão promover a imagem, empresas e

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões.

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2012 2,934 milhões de clientes tendidos 2.012 MW de cpcidde instld de gerção 24.923 GWh de energi distribuíd R$ 6,3 bilhões de receit opercionl líquid* * Não consider Receit de

Leia mais

O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111

O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111 O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO... 111 O TURISMO COMO FACTOR INTEGRANTE NO DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO: O CASO DE VILAMOURA, ALGARVE, EM PORTUGAL, E S. SEBASTIÃO, COSTA

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 21 de Maio de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 21 de Maio de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 21 de Mio de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO PROPOSTA DE PLANO Novembro 2006 Direcção Regionl de Agricultur de Entre Douro e Minho Direcção Gerl dos Recursos Florestis Universidde de Trás-os-Montes e Alto

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

PANORAMA DESCRITIVO SOBRE ALGUMAS DAS MAIORES CADEIAS HOTELEIRAS BRASILEIRAS

PANORAMA DESCRITIVO SOBRE ALGUMAS DAS MAIORES CADEIAS HOTELEIRAS BRASILEIRAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE TURISMO Dt: Mio/2000 N o 14 PANORAMA DESCRITIVO SOBRE ALGUMAS DAS MAIORES CADEIAS HOTELEIRAS BRASILEIRAS 1 - PRINCIPAIS CADEIAS HOTELEIRAS BRASILEIRAS

Leia mais

6 Conversão Digital/Analógica

6 Conversão Digital/Analógica 6 Conversão Digitl/Anlógic n Em muits plicções de processmento digitl de sinl (Digitl Signl Processing DSP), é necessário reconstruir o sinl nlógico pós o estágio de processmento digitl. Est tref é relizd

Leia mais

Condições Gerais. NOTA IMPORTANTE: Salvo erro de impressão, todos os preços publica dos nesta brochura foram calculados de acordo com o

Condições Gerais. NOTA IMPORTANTE: Salvo erro de impressão, todos os preços publica dos nesta brochura foram calculados de acordo com o Condições Geris A esybookings by Cderno de Vigens Unip. Ld recomend todos os clientes, um leitur precis ds condições Geris estbelecids n Brochur. RESPONSABILIDADE/ORGANIZAÇÃO BROCHURA: A Esybookings será

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios

O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios O Turismo em Portugal após 2009 Oportunidades e Desafios II Conferência Hotelaria e Turismo 18 Junho 2009 1 Importância do Turismo na Economia Portuguesa VAB Turismo / VAB Economia 10% 9% 8% 7% 6% 5% 2002

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais