CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR"

Transcrição

1 CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR LÍNGUA PORTUGUESA PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR 1.Leitura, interpretação e análise de textos de diferentes gêneros textuais. Efeitos de sentidos produzidos nos textos. 2. Linguagem verbal e não-verbal. 3. Mecanismos de produção de sentidos nos textos: metáfora, metonímia, paralelismo, ambiguidade, citação, pressuposto, subentendido, inferência, ironia, intertextualidade. Significados contextuais das expressões linguísticas. 4. Uso de artigos, pronomes, substantivos e outros recursos estabelecedores da referência textual. 5. Utilização de mecanismos discursivos e linguísticos de coerência e coesão textuais (escolha lexical, progressão temática paralelismo sintático e/ou semântico, escolha e relevância dos tópicos e informações em relação ao tema e ao ponto de vista assumido, orientação e força dos argumentos, repetição, retomadas, anáforas, conectivos, pontuação), conforme o gênero e os propósitos do texto. 6. Papel social, funcionalidade e características dos gêneros do discurso: ofício, memorando, s, carta comercial, carta pessoal, aviso, charge, conto, crônica, tira, artigo de opinião e artigo de divulgação científica, reportagem, notícia, propaganda institucional/educativa, caricatura etc. 7. Sequencias textuais: expositiva, dialogal, descritiva, injuntiva, argumentativa, narrativa. 8. Funcionalidade e características dos diferentes discursos (jornalístico, político, acadêmico, publicitário, literário, científico, etc.). Análise de indicadores presentes no texto para identificar as várias vozes do discurso e o ponto de vista que determina o tratamento dado ao conteúdo para confrontá-lo com o de outros textos, com outras opiniões e posicionar-se criticamente diante dele. 9. Organização da frase. Sujeito e complemento sintáticos. Tempos e modos verbais. Modalidade. Voz verbal. Concordância verbal e nominal. Regência dos nomes e dos verbos. Adjetivos. Advérbios. Preposições. Conjunções. 10. Formação das palavras. Composição, derivação. Acentuação gráfica. 11. Variação linguística: sociocultural, geográfica, histórica. Variação entre modalidades da língua (fala e escrita). Usos da língua no universo virtual. 12. Língua padrão normativa. Ortografia Oficial. Pontuação. ABAURRE; M. L. M; ABAURRE; M. B. M. Produção de texto. Interlocução e gêneros. São Paulo: Moderna, ANDRADE, M. M.; HENRIQUES. A Língua portuguesa: noções básicas para cursos superiores. 9 ed. São Paulo: Atlas, BAGNO, M. Preconceito linguístico. Rio de Janeiro: Loyola, BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, CASTILHA, A. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, DOUGLAS, TUFANO, MICHAELIS. Guia prático da nova ortografia. São Paulo: Melhoramentos, FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Lições do texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, ILARI; R.; BASSO, R. O português da gente. São Paulo: Contexto, KOCH, I. G. V.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto: MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, MEDEIROS, J. B. Português instrumental. 7 ed. São Paulo: Atlas, NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, TRAVAGLIA, L. C. Gramática: Ensino plural. São Paulo: Cortez, MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR 1.Conjuntos Numéricos: Números naturais e números inteiros: operações, relação de ordem, divisibilidade, máximo divisor comum, mínimo múltiplo comum e decomposição em fatores primos; Números racionais e irracionais: operações, relação de ordem, propriedades e valor absoluto; Números complexos: conceito, operações e representação geométrica. 2. Progressão Aritmética e Progressão Geométrica: Razão, termo geral e soma dos termos; Situações-problema envolvendo progressões. 3. Noções de Matemática Financeira: Razão e Proporção; Porcentagem; Juros simples e composto. 4. Equações e Inequações: Conceito; Resolução e discussão. 5. Funções: Conceito e representação gráfica das funções: afim,

2 quadrática, exponencial, logarítmica, trigonométricas e modulares; Situações-problema envolvendo funções. 6. Sistemas de equações: Conceito; Resolução, discussão e representação geométrica. 7. Análise Combinatória: Princípio fundamental de contagem; Combinações e permutações. 8. Noções de Estatística: Apresentação de dados estatísticos: tabelas e gráficos; Medidas de centralidade: média aritmética, média ponderada, mediana e moda. 9. Probabilidade: Probabilidade de um evento; Interseção e reunião de eventos; Probabilidade condicional. 10. Geometria: Figuras geométricas planas e espaciais: ângulos, retas, polígonos, circunferências e círculos; Relações métricas nos polígonos; Perímetro de polígono e comprimento de circunferência; Área de polígono e do círculo; Volume de sólidos. Poderá ser utilizado qualquer livro do Ensino Médio ou Superior que trate dos assuntos do programa. INFORMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR 1. Conceitos básicos de operação com arquivos e pastas em ambientes Windows e Linux. 2. Conhecimentos básicos de aplicativos para edição de texto, planilha eletrônica e apresentação eletrônica utilizando LibreOffice. 3. Conhecimentos básicos de aplicativos para Internet. 4. Hardware: entrada, processamento, armazenamento e saída de dados. Retificado pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13. BRAGA, William César. MS power point XP/2002: IT Educacional. Editora Alta Books. CAPRON, H. L.; JOHSON J. A. Introdução à informática. São Paulo: Pearson Prentice Hall, COX, Joyce; PREPPERNAU, Joan. Windows 7 Passo a Passo. São Paulo: Editora Bookman, Windows Vista - Passo a Passo. São Paulo: Editora Bookman, Microsoft Office Word Passo a Passo. Porto Alegre: Editora Artmed, Microsoft Office powerpoint Passo a Passo. Porto Alegre: Editora Artmed, FRYE, Curtis. Microsoft Office Excel Passo a Passo. Editora Bookman, LIBREOFFICE.ORG. Documentação do LibreOffice.org. Disponível em Acessado em 7 mar COOPER, Brian. Como pesquisar na internet. Col. Sucesso Profissional Informática. Editora Publifolha. GOOGLE CHROME. Sítio oficial do Google Chrome. Disponível em Acessado em: 10 mar LIBREOFFICE.ORG. Documentação do LibreOffice.org. Disponível em Acessado em 7 mar MANZANO, André Luiz N. G.; TAKA, Carlos Eduardo M. Estudo dirigido de Microsoft Office Word Avançado. Editora Érica, MANZANO, Jose Augusto N. G.; MANZANO, André Luiz N. G. Estudo dirigido de Microsoft Office Excel 2003/avançado. Editora Érica, MANZANO, Luiz N. G. Power Point XP. Editora Érica, MARIMOTO, Carlos E. Linux: Entendendo o sistema - Guia Prático. Editora Sulina MICROSOFT INTERNET EXPLORER. Sítio oficial do Microsoft Internet Explorer. Disponível em Acessado em: 10 mar MICROSOFT OFFICE. Sítio oficial do Microsoft Office. Disponível em Acessado em: 8 abr MICROSOFT WINDOWS 7. Sítio oficial do Microsoft Windows 7. Disponível em: Acessado em: 8 abr MICROSOFT WINDOWS VISTA. Sítio oficial do Microsoft Windows Vista. Disponível em: Acessado em: 8 abr MICROSOFT WINDOWS XP. Sítio oficial do Microsoft Windows XP. Disponível em: Acessado em: 8 abr MORAZ, Eduardo. Montagem e manutençao de hardware. São Paulo : Digerati Books, MOZILLA FIREFOX. Sítio oficial do Mozilla Firefox. Disponível em BR/firefox/. Acessado em: 10 mar

3 RITA, Sandra. Dominando as ferramentas do Google. Editora Digerati, SIEVER; Weber. Linux: o guia essencial. 5ª Ed. Editora Bookman. SILVA, Mário Gomes da Silva. Terminologia básica Windows XP, Word XP, Excel XP, Access XP, Power- Point XP. Editora Érica, TORRES, Gabriel. Hardware: curso completo. Rio de Janeiro: Axcel Books, UBUNTU-BR.ORG. Documentação do Ubuntu-br.org e software Ubuntu Disponível em: Acessado em: 10 mar VASCONCELOS, Laércio. Hardware total. São Paulo: Makron Books, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ANALISTA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO/ DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Inserido pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13 1. Engenharia de Software. Modelos de processo de desenvolvimento de software. Engenharia de Requisitos. Projeto Arquitetural (high level software design). Projeto detalhado de software (low level software design). Teste de software. Desenvolvimento ágil de sistemas. Análise e projeto orientado a objetos. Modelagem orientada a objetos usando a UML. 2. Noções de projeto de software. Métricas de software. Gerência de configuração de software. 3. Noções do MPS-BR. 4. Orientação a objetos. Linguagem de programação orientada a objetos: Java. Noções de HTML, XML, XLST. 5. Banco de Dados conceitos. Modelo relacional. Definição de tabelas. Projeto de bancos de dados (normalização, modelagem lógica e física de dados). Sistema gerenciador de bancos de dados PostgreSQL: principais características. 6. Políticas de segurança da informação. Política de controle de acesso. 7. Ambiente operacional Linux. Prática de comandos como curl e rsync. ALBUQUERQUE, Ricardo e RIBEIRO, Bruno. Segurança no desenvolvimento de software. Campus, BEZERRA, Eduardo. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. Campus,2007. DEITEL, Harvey M. XML, How to program, Prentice Hall, Java: como programar, Prentice Hall, ELMASRI, Ramez e NAVATHE, Shamkant B. Sistemas de banco de dados: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Editora LTC, HEUSER, Carlos Alberto. Projeto de banco de dados. Rio Grande do Sul, Editora Sagra Luzzatto, KORTH, Henry F. e SILBERSCHATZ, Abraham. Sistema de banco de dados. São Paulo, Editora Makron Books, LARMAN, Craig. Utilizando UML e Padrões. Editora Bookman, 3a. Edição, SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. Pearson Education, Guia de Implementação MPS-BR. Disponível em Acessado em: 20/abril/2008. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ARQUITETO E URBANISTA Inserido pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13 1. O papel do arquiteto frente às questões de planejamento e desenho urbano, projetos de edificações; meio ambiente e sua sustentabilidade; 2. Elaboração de: programas de necessidades; 3. Elaboração de planos diretores físicos e de planejamento ambiental; 4. Elaboração de projetos arquitetônicos observando as questões de ergometria, conforto ambiental, funcionalidade, estética e técnicas construtivas; 5. Elaboração de Projetos específicos: educacional, hospitalar, paisagismo e comunicação visual; 6. Conhecimentos relativos à arquitetura e urbanismo brasileiro e de Goiânia; 7. Processos e Técnicas construtivas: otimização, procedimentos e especificação de materiais, topografia; 8. Norma de acessibilidade - Norma Brasileira ABNT 9050; 9. Norma de prevenção contra incêndio; 10. Conhecimento sobre o Regulamento para estabelecimentos assistenciais de saúde da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - RDC nº 50; 11. Conhecimento de desenho técnico de edificações e urbanismo, mostrando destreza tanto na representação manual como virtual uso do programa AutoCad; 12. Teoria e História da Arquitetura: Restauro e Patrimônio

4 Artístico e Cultural; 13. Gerenciamento de Projetos: Gestão, Tempo, Escopo, Custo; 13. Avaliações e perícias técnicas no campo da arquitetura. MASCARÓ, Juan Luis. Manual de loteamentos e urbanização. Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, O custo das decisões arquitetônicas. São Paulo, Nobel, Norma Brasileira ABNT 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: BALDAN, Roquemar. COSTA, Lourenço. Auto Cad 2013: utilizando totalmente. São Paulo: Editora Érica COELHO, Gustavo N. e VALVA, Milena d. Patrimônio cultural edificado. Goiânia: UCG, FRANCO, Maria de Assunção Ribeiro. Desenho Ambiental; uma introdução à arquitetura da paisagem com o paradigma ecológico. São Paulo: Annablume Editora, 1997 GRAEFF, Edgar Albuquerque. Uma sistemática para o estudo da teoria da arquitetura. Goiânia: Trilhas Urbanas, RIBEIRO, Maria Eliane Jubé. Goiânia: os planos, a cidade e o sistema de áreas verdes. Goiânia: Editora da UCG, SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil ed., São Paulo: - Editora Universidade de São Paulo, Agência nacional de vigilância sanitária: Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Lei /2006, Código Estadual de Proteção Contra Incêndio, Expansão, Pânico e Desastres. Corpo de Bombeiros Militar de Goiás. MELHADO, Sílvio Burratino (coordenador). Coordenação de Projetos de Edificações. Editora O nome da Rosa. São Paulo Comitê Brasileiro da industria da Construção. Desempenho de Edificações Habitacionais - Guia Orientativo para atendimento à norma ABNT NBR 15575/2013. FERNANDES, António Manuel Conrado Pombo. Arquitetura e sombreamento: Parâmetros para a região climática de Goiânia. Goiânia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. Programa de Pós Graduação em Arquitetura PROPAR. Convênio com a Universidade Católica de Goiás Dissertação de Mestrado. Goiânia CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ARQUIVISTA 1. Fundamentos Arquivísticos: 1.1. Arquivo: história, função e princípios Terminologia arquivística Ciclo vital dos documentos Arquivologia e Ciência da Informação Diplomática. 2. Gestão de documentos: 2.1. Elaboração e gestão de projetos Diagnóstico arquivístico Gestão de Processos: definição, conceitos básicos e mapeamento de processos Serviço de protocolo: procedimentos e normas vigentes Produção documental: racionalização e controle Classificação de documentos: definição, conceitos, metodologias e normas vigentes Avaliação de documentos: definição, conceitos, metodologias e normas vigentes Organização de massas documentais. 3. Tecnologia da Informação aplicada a arquivos: 3.1. Reprografia de documentos: digitalização e microfilmagem Armazenamento de documentos em mídias eletrônicas Gerenciamento arquivístico de documentos em sistemas informatizados Certificação digital de documentos eletrônicos. 4. Tratamento e acesso: 4.1. Descrição de documentos: definição, conceitos, metodologias e normas vigentes Identificação de tipologias documentais Instrumentos de pesquisa Tratamento de arquivos fotográficos Segurança, preservação e conservação de acervos Memória e patrimônio cultural: ações culturais e educativas Direito a informação: transparência pública e acesso a informação. 5. Legislação arquivística. BRASIL. Arquivo Nacional. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, BRASIL. Arquivo Nacional. Ministério da Justiça. Legislação Arquivística. Disponível em: <www.arquivonacional.gov.br>. Acesso em: 15 abr

5 BRASIL. Arquivo Nacional. Ministério da Justiça. Projeto conservação preventiva em bibliotecas e arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, BRASIL. Fundação Nacional de Arte. Ministério da Cultura. Cadernos Técnicos. Rio de Janeiro: Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte, Disponível em: <http://www.funarte.gov.br/preservacaofotografica/cadernos-tecnicos>. Acesso em 23 de agosto de BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Portaria Normativa nº 5, de 19 de dezembro de BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, BERNARDES, Ieda Pimenta. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial, CANELA, Guilherme; NASCIMENTO, Solano (Org.). Acesso à informação e controle social das políticas públicas. Brasília, Df: Andi ; Artigo 19, COUTURE, C., ROUSSEAU, G.Y. Fundamentos da disciplina Arquivística. Lisboa: Dom Quixote, FILIPPI, Patrícia de, LIMA, Solange Ferraz de, CARVALHO, Vânia Carneiro de. Como tratar coleções de fotografias. 2 ed. São Paulo: Arquivo do Estado / Imprensa Oficial do Estado, Disponível em: <http://www.arquivoestado.sp.gov.br/saesp/texto_pdf_13_como%20tratar%20colecoes%20de %20fotografias.pdf>. Acesso em: 22 de agosto de FONSECA, Maria Odila. Arquivologia e ciência da informação. Rio de Janeiro: FGV, GONÇALVES, Janice. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: ARQ-SP, JARDIM, José Maria. Arquivos, transparência do estado e capacidade governativa na sociedade da informação. [S.l.]: Oficina de Asuntos Culturales da Organização dos Estados Americanos, LOPES, Luís Carlos. A gestão da informação: as organizações, os arquivos e a informática aplicada. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, A informação e os arquivos. Niterói: EDUFF; São Carlos: EDUFSCar, LOPEZ, André Porto Ancona. Como descrever documentos de arquivo: elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado, Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: Programa de Pós-graduação em História Social/Loyola, PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. Revista e atualizada. Rio de Janeiro: FGV, MATTAR, Eliana (Org.). Acesso à informação e política de arquivos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, RONDINELLI, Rosely Curi. Gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. Rio de Janeiro. FGV, SANTOS, Vanderlei Batista dos. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. 2. ed. Revista e ampliada. Brasília: ABARQ, SCHELLENBERG, T.R. Arquivos modernos. Rio de Janeiro: FGV, SILVA, A. M. et al. Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. Porto: Apontamento, SILVA, Zélia Lopes. Arquivos, patrimônio e memória: trajetórias e perspectivas. São Paulo: UNESP, SILVA, Sérgio Conde de Albite. A preservação da informação arquivística governamental nas políticas públicas do Brasil. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros / FAPERJ, SORDI, J. O. Gestão por processos: uma abordagem da moderna administração. 2 ed. São Paulo: Saraiva, XAVIER, C. M. S. Gerenciamento de projetos: como definir e controlar o escopo do projeto. São Paulo: Saraiva, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ASSISTENTE SOCIAL 1. Estado, política e Universidade. 2. Questão Social e Movimentos Sociais. 3. Questão Social e Serviço Social. 4. Trabalho e Serviço Social no capitalismo contemporâneo. 5. Fundamentos históricos, teóricos e

6 metodológicos do Serviço Social. 6. Política de educação superior, de assistência social e Serviço Social. 7. Projeto ético político do Serviço Social. ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 3.ed. São Paulo: Cortez. Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, BARROCO, Maria Lúcia Silva. Ética e serviço social: fundamentos ontológicos. 5. ed. São Paulo: Cortez, BRASIL. Lei Orgânica de Assistência Social nº Brasília: Congresso Nacional, Lei nº de Regulamentação da Profissão, de 7 de junho de Brasília: Congresso Nacional, Decreto nº 7.234, de 19 de julho de Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES). Criado pela portaria nº 39, de 12 de dezembro de CFESS. Código de Ética Profissional. 13 de março de 1993, publicado no Diário Oficial da União nº 60 de 30/03/1993. IAMAMOTO, Marilda Vilela. Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. In: Direitos Sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, p As dimensões ético-políticas e teórico-metodológicas no serviço social contemporâneo. Texto disponível no site: 2-2.pdf.. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 2. ed., São Paulo: Cortez, NETTO, José Paulo. Reforma do Estado e impactos no ensino superior. In: Revista Temporalis. Brasília, ano 1, n. 1, jan.-jun A construção do projeto ético-político do Serviço Social frente à crise contemporânea. In: Capacitação em serviço social e política social: crise contemporânea, questão social e serviço social. Módulo 1 Crise contemporânea, Questão Social. Brasília: CEAD, 1999 a.. Transformação societária e serviço social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. In: Revista Serviço Social & Sociedade, nº 50, ano XVII. São Paulo: Cortez, abril, Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil no pós-64. São Paulo: Cortez, REVISTA TEMPORALIS. Rio de Janeiro: ABEPSS, n. 3, ano 2, jan.-jul CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ENFERMEIRO 1. Modelos conceituais de Enfermagem: 1.1. Teoria de Enfermagem do Déficit do Auto-cuidado, de Dorothea E. Orem Modelo Calgary de Avaliação e Intervenção em Famílias Teoria das Necessidades Humanas Básicas, de Wanda de Aguiar Horta Teoria de Florence Nightingale.. 2. Administração e Gerenciamento de Enfermagem: 3. Processo de Enfermagem e suas etapas operacionais: 3.1. Coleta de dados: Semiologia e semiotécnica de Enfermagem Diagnósticos de Enfermagem Planejamento da assistência de Enfermagem: Estratégias de intervenção de Enfermagem Procedimentos de Enfermagem Processo ensino-aprendizagem Atividade Grupal Terapias cognitivo-comportamentais Implementação da assistência de Enfermagem Avaliação da Assistência de Enfermagem. 4. Taxonomias de Enfermagem. 4.1 CIPE 4.2 NANDA-I 4.3 NIC 4.4 NOC. 5. Aplicação do Processo de Enfermagem Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento à criança Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento ao adolescente Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento à mulher Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento ao adulto Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento ao idoso Aplicação do Processo de Enfermagem no atendimento à pessoa em cuidados paliativos. 6. Abordagens Terapêuticas no cuidado de Enfermagem á clientes com alteração na adaptação psicossocial. 7. Prevenção e controle de infecções em serviços de saúde e na comunidade: 7.1. Biossegurança Medidas de prevenção e controle de infecção associadas à cuidados em saúde Vigilância epidemiológica. 8. Bioética 9. Ética, deontologia e legislação do exercício profissional. 10. Sistema Único de Saúde: Legislação 10.2 Estratégia saúde da família. 11. Metodologia da pesquisa

7 em enfermagem. 12. Enfermagem baseada em Evidências. ACADEMIA NACIONAL DE CUIDADOS PALIATIVOS. Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic, p. Disponível em <http://www.paliativo.org.br/dl.php?bid=57>. Acessado em 15 de abril de ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESTUDOS E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (APECIH). Limpeza, desinfecção de artigos e áreas hospitalares e antissepsia. 2 ed, São Paulo, ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ESTUDOS E CONTROLE INFECÇÃO HOSPITALAR (APECIH). Esterilização de Artigos em Unidades de Saúde. 2.ed. São Paulo: Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, p. BASTABLE, S.B; VARGAS, A.C. O Enfermeiro como educador. Porto Alegre; ARTMED, BOWDEN, V.A. GREENBERG C.S. Procedimentos de enfermagem pediátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Higienização das Mãos em Serviços de Saúde./Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, Disponível em: Acessado em 10 de abril de BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n 306 de 07de dezembro de 2004, que dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de serviços de saúde. Diário Oficial da União de 05 de mar. de 2004, Brasília p. BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução CNS nº. 196/96, 10 de outubro de Contém as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo Seres Humanos, ficando revogada a Resolução 01/88. Disponível em: <http://dtr2004.saude.gov.br/susdeaz/legislacao/arquivo/resolucao_196_de_10_10_1996.pdf>. Acessado em 10 de abril de BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância a Saúde. Nota Técnica nº 1. Medidas para identificação, prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde por microrganismos multirresistentes. Brasília (Brasil); BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância a Saúde. Infecção de Corrente Sanguínea. Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea. Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos UIPEA. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde - GGTES Brasília (Brasil); BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância a Saúde. Trato respiratório: critérios nacionais de infecções relacionadas a assistência a saúde. Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos UIPEA. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde - GGTES Brasília (Brasil); BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância a Saúde. Trato urinário: critérios nacionais de infecções relacionadas a assistência a saúde. Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos UIPEA. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde - GGTES Brasília (Brasil); BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância a Saúde. Sítio cirúrgico: critérios nacionais de infecções relacionadas a assistência a saúde. Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos UIPEA. Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde - GGTES Brasília (Brasil); BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Processamento de artigos e superfícies em estabelecimentos de saúde. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em Acessado em 10 de abril de BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência. Regionalização da Assistência à Saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso: Norma operacional de Assistência à Saúde- NOAS-SUS 01/02: Portaria MS/GM n.373, 27 de fevereiro de 2002, e regulamentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde, p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites

8 Virais. Recomendações para abordagem da exposição ocupacional a materiais biológicos: HIV e Hepatites B e C. Brasília (Brasil): Ministério da Saúde, p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível em Acessado em 10 de abril de BRASIL. Ministério da Saúde. Segurança do paciente: Higienização das mãos, Brasília Disponível em: Acesso em 15 de abril de BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Equipamentos de Proteção Individual EPI. Norma Reguladora nº 6 (NR-6).Disponível em Acesso em 15 de abril de BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 485, de 11 de novembro de Aprova a Norma Regulamentadora nº 32. Segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos de saúde. Brasília (Brasil): Ministério do Trabalho e Emprego; Disponível em Acesso em 15 de abril de BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Reguladora nº 32 - NR 32 - Segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. Portaria MTE n.º 485, de 11 de Novembro de 2005 (DOU de 16/11/05 Seção 1). Brasília, Brasil. Presidência da República. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm Acessado em 15 de abril de BRASIL. Presidência da República. Lei nº , de 15 de abril de Acrescenta capítulo e artigo à Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento de serviços correspondentes e dá outras providências, regulamentando a assistência domiciliar no Sistema Único de Saúde. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10424.htm Acessado em 15 de abril de BRASIL. Presidência da República. Lei nº , de 7 de abril de Altera a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/lei/l11108.htm Acessado em 15 de abril de BRASIL. Presidência da República. Lei nº , DE 28 DE ABRIL DE Altera a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a assistência terapêutica e a incorporação de tecnologia em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2011/lei/l12401.htm#art1 Acessado em 15 de abril de BULECHEK GM; BUTCHER HK; DOCHTERMAN JM. Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC). Rio de Janeiro; Elsevier, CARVALHO FILHO, E.T.; PAPALÉO NETTO, M. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. São Paulo: Editora Atheneu, CHRISTENSEN, P.J.; KENNEY, J.W. Nursing Process. Application of Conceptual Models. St. Louis: Mosby, CONSELHO INTERNACIONAL DE ENFERMEIROS. CIPE versão 1: Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. São Paulo: Algol, Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n 433 de Dispõe sobre o procedimento de desagravo público. Disponível em Acessado em 10 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n 438 de Dispõe sobre a proibição do regime de sobreaviso para enfermeiro assistencial. Disponível em _17407.html Acessado em 11 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n. 427 de Normatiza os procedimentos de enfermagem no emprego de contenção mecânica dos pacientes. Disponível em Acesso em 12 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n. 429 de Dispõe sobre o registro das ações

9 profissionais no prontuário do paciente e em outros documentos próprios da enfermagem, independente do meio de suporte tradicional ou eletrônico. Disponível em _9263.html Acessado em 12 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n.358 de Dispõe sobre Sistematização da Assistência de Enfermagem e a Implementação do Processo de Enfermagem em ambientes públicos ou privados onde ocorre o cuidado profissional de enfermagem e dá outras providências. Disponível em Acessado em 12 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n.376 de Dispõe sobre a participação da equipe de enfermagem no processo de transportes de pacientes em ambiente interno ao serviço de saúde. Disponível em Acesso em 13 de abril de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução n.390 de Normatiza a execução, pelo enfermeiro, da punção arterial tanto para fins de gasometria como para a monitorização da pressão arterial invasiva. Disponível em Acesso em 12 de abril de CULLUN N; CILISKA D; HAYNES RB; MARKS S. Enfermagem baseada em evidências. Uma introdução. Porto Alegre: ARTMED, DEALEY, C. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. São Paulo: Atheneu, DENZIN, N.K, LINCOLN, Y.J. O planejamento da pesquisa qualitativa. Teorias e Abordagens. Porto Alegre: Artmed, DOENGES, M.E.; MOORHOUSE, M.F.; GEISSLER, A. C. Planos de cuidado de Enfermagem. Orientações para o cuidado individualizado do paciente. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, DURAND, G. Introdução Geral à Bioética. História, conceitos e instrumentos. São Paulo: Ed Loyla, FISCHBACH, F. Manual de Enfermagem. Exames Laboratoriais e Diagnósticos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, FLETCHER, R.H; FLETCHER S.W. Epidemiologia Clínica. Elementos essenciais. Porto Alegre: Artmed, GEORGE, J.B. et al. Teorias de Enfermagem. Os Fundamentos para a prática profissional. Porto Alegre: Artes Médicas, GUIMARÃES, H. P. et al. (editores). Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE. Dallas: American Heart Association, Disponível em: Acesso em 08 abr HERDMAN, T.H. (Ed.) Diagnósticos de Enfermagem da NANDA-Internacional: definições e classificação Porto Alegre: ARTMED, HORTA, W. A. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; HUDAK, CM; GALLO, BM. Cuidados intensivos de Enfermagem Uma abordagem holística. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JARVIS, C. Exame Físico e Avaliação em Saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KURCGANT, P. Gerenciamento em Enfermagem. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KURCGANT, P.(Coord.). Administração em enfermagem. São Paulo: EPU, MALAGUTTI, W; KAKIHARA, CT. Curativos, estomias e dermatologia: uma abordagem multiprofissional. São Paulo: Martinari, MARTINS-COSTA, J.; MÖLLER, L.L. (Org). Bioética e responsabilidade. Rio de Janeiro, Forense, MEDRONHO, R.A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, MENDES, E.V. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan- Americana da Saúde, MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, MOORHEAD S; JOHNSON M; MAAS ML; SWANSON, E. Classificação dos resultados de Enfermagem (NOC). Rio de Janeiro; Elsevier, MUNARI, D.B.; RODRIGUES, A.R.F. Enfermagem e grupos. 2.ed.Goiânia: AB, NIGHTINGALE, F. Notas sobre Enfermagem: o que é e o que não é. (Trad. Amália Correa de Carvalho). São Paulo: Cortez, 1989.

10 POLIT, D.F.; BECK, C.T.; HUNGLER, B.P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, POTTER, PA; PERRY, AG. Fundamentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, SAMAMA, G. Enfermagem no Centro Cirúrgico. São Paulo: Andrei, SANTOS, N.C.M. Urgência e Emergência para Enfermagem. Do atendimento pré-hospitalar à sala de emergência. São Paulo: Iátria, SANTOS, N.M.M. Enfermagem na Prevenção e Controle da Infecção Hospitalar. São Paulo; Iátria, SMELTZER, S.C.; BARE, B.G. Brunner & Suddarth. Tratado de Enfermagem médico cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v. SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA / SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO / SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol, v. 95, n. supl. 1, p. 1-51; Acesso em 04 abr Disponível em: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENFERMEIROS DE CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO PÓS- ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERIZAÇÃO (SOBECC). Práticas recomendadas. 4.ed.São Paulo: SOBECC, SWEARINGEN, P.L.; HOWARD, C.A. Atlas fotográfico de procedimentos de enfermagem. Porto Alegre: TOWNSEND, M.C. Enfermagem Psiquiátrica. Conceitos e Cuidados. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, URBAN, C.A. Bioética clínica. Rio de Janeiro: Revinter, VIANA, D.L. Manual de cálculo e administração de medicamentos. São Caetano: Yendis Ed., WRIGHT, L. M.; LEAHEY, M. Enfermeiras e famílias. Um guia para avaliação e intervenção na família. São Paulo: Roca, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ENFERMEIRO DO TRABALHO 1. O processo trabalho-saúde-adoecimento.2. Saúde do Trabalhador: aspectos conceituais. 3. Planejamento e organização de um Serviço de Saúde do Trabalhador. 4. Funções do enfermeiro do trabalho. 5. A Bioética e a enfermagem do trabalho. 6. Ergonomia. 7. Doenças relacionadas ao trabalho. 8. Riscos Ocupacionais: prevenção, reconhecimento, controle e classificação. 9. Acidente de Trabalho. 10. Estresse Ocupacional. 11. Burnout no trabalho. 12. LER, DORT, AMERT. 13. Legislação Trabalhista. AMORIM, Sebastião Luiz; PEDROTTI, Irineu Antônio. Dicionário de doenças profissionais: conceitos, anotações jurisprudência. São Paulo: Juarez de Oliveira, ARAÚJO, Alexandre da Costa. Legislação trabalhista e previdenciária aplicada à saúde e segurança do trabalhador. Almesinda Martins de O. Fernandes, Zileny da Silva Guimarães, (Coord.) - Goiânia, AB Editora, (Coleção Saúde e Segurança do Trabalhador, v. 9) BRASIL, Ministério da Saúde do Brasil: Doenças Relacionadas ao Trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde/ Ministério da Saúde do Brasil, Representação no Brasil da OPAS/OMS, organizado por Elizabeth Costa Dias; colaboradores Idelberto Muniz Almeida et al. -Brasília: Ministério da Saúde do Brasil, BRASIL. Lei 7.498, de 25 de junho de Dispõe sobre a Regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; Disponível em: BRASIL. DECRETO N /87. Regulamenta a Lei 7.498, de 25 de Junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem e dá outras providências. Disponível em BRASIL, Ministério da Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. Diagnóstico, tratamento, reabilitação, prevenção e fisiopatologia das LER/DORT. Área Técnica de Saúde do Trabalhador; elaboração Maria Maeno... et AL. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

11 BRASIL, Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. SAÚDE DO TRABALHADOR/ Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Temática de Saúde do Trabalhador. Brasília Ministério da Saúde, ( Cadernos de Atenção Básica, n. 5). CARVALHO, Geraldo Mota de. Enfermagem do trabalho. São Paulo: EPU, FERNANDES, Almesinda Martins de Oliveira; SILVA, Michelle Cristina; OLIVEIRA, Sharleny Domitildes. Gestão de Saúde, Biossegurança e Nutrição do Trabalhador. Goiânia AB, (Coleção Saúde e Segurança do Trabalhador, v. 4). FERNANDES, Almesinda Martins de O; GUIMARÃES, Zileny da Silva. Saúde- Doença do Trabalhador: um guia para os profissionais, Goiânia, AB Editora, Coleção Saúde e Segurança do Trabalhador: v.3 GONÇALVES, Cláudia Giglio de Oliveira Saúde do Trabalhador: da estrutura à avaliação de programas de preservação auditiva. São Paulo: Roca HAAG, Guadalupe Scarparo; LOPES, Marta Júlia Marques; SCHUCK, Janete da Silva. A Enfermagem e a Saúde dos Trabalhadores. 2 ed. Goiânia: AB, MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO: Normas Regulamentadoras: NRs - 8. ed. - São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora; Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio de Janeiro, (Série Segurança e Saúde no Trabalho). MORAES, Márcia Vilma G.Sistematização da assistência de enfermagem em saúde do trabalhador. 1. Ed. São Paulo: Iátria, OLIVEIRA, Cláudio Antonio Dias de. Segurança e Medicina do Trabalho: Guia de Prevenção de Riscos. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora OLIVEIRA, Aristeu de. Manual de prática trabalhista. 46. Ed. São Paulo: Atlas, PEREIRA, Ana Maria T. Benevides. Organizadora. Burnout: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. São Paulo: Casa do Psicólogo, PINHEIRO, Ana Karla da Silva; FRANÇA, Maria Beatriz Araújo. Ergonomia aplicada à anatomia e à fisiologia do trabalhador. Goiânia: AB, (Coleção Saúde e Segurança do Trabalhador, v. 2) RIBEIRO, Maria Celeste Soares (organizadora) Enfermagem e Trabalho: fundamentos para a atenção à saúde dos trabalhadores. 2. Ed.- São Paulo: Martinari, SILVEIRA, José Márcio da Silva. Primeiros socorros: como agir em situações de emergência. 3.ed. REV. Atual. Mercilda Bartmann; Paulo Bruno. 5. Reimpressão. Rio de Janeiro: Senac Nacional, TAVARES, José da Cunha. Noções de Prevenção e Controle de Perdas em Segurança do Trabalho. 8ª ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Inserido pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13 1. Estruturas de edificações: 1.1. Ações nas estruturas; 1.2. Análise de tensões e deformações; 1.3. Análise de estruturas reticuladas (barras) isostáticas e hiperestáticas; 1.4. Estruturas de concreto armado; 1.5. Estruturas de concreto protendido; 1.6. Estruturas pré-moldadas; 1.7. Estruturas metálicas; 1.8. Patologias; 1.9. Técnicas de recuperação e reforço. 2. Mecânica dos solos: 2.1. Identificação e Classificação dos Solos; 2.2. Compactação dos solos; 2.3. Tensões nos solos; 2.4. Percolação da água nos solos; 2.5. Resistência ao cisalhamento; 2.6. Empuxos de terra; 2.7. Estruturas de contenção: muros de arrimo, cortinas; 2.8. Estabilidade de taludes; 2.9. Compressibilidade dos solos e Recalques; 3. Fundações: 3.1. Tipos de fundações; 3.2. Dimensionamento geométrico e estrutural de fundações; 3.3. Recalque de fundações; 3.4. Interação solo-estrutura. 4. Tecnologia dos materiais de construção: 4.1. Aglomerantes; 4.2. Agregados para argamassas e concretos; 4.3. Concreto de cimento portland: propriedades, dosagem e controle tecnológico; 4.4. Argamassas (assentamento e revestimento); 4.5. Materiais cerâmicos; 4.6. Materiais metálicos; 4.7. Madeira; 4.8. Vidros; 4.9. Tintas. 5. Construção Civil: 5.1. Execução de estruturas de concreto; 5.2. Execução de alvenarias; 5.3. Revestimentos (pisos e paredes); 5.4. Esquadrias; 5.5. Coberturas; 5.6. Locação de obras. 6. Sistemas elétricos prediais e projetos elétricos de baixa tensão. 7. Sistemas hidro-sanitários prediais: 7.1. Sistemas prediais de água fria e de água quente; 7.2. Esgotos sanitários; 7.3. Águas pluviais; 7.4. Sistemas de combate a incêndio. 8. Orçamento, planejamento e controle de obras: 8.1. Quantificação de insumos e serviços; 8.2. Composição de preços; 8.3. Programação de recursos: pessoas, materiais e equipamentos; 8.4. Cronograma físico e financeiro; 8.5. Medição de obras e serviços executados. 9. Segurança do Trabalho: 9.1. Segurança e Higiene do trabalho; 9.2. Segurança na Construção Civil;

12 9.3. Proteção Coletiva; 9.4. Equipamentos de Proteção Individual (EPI); 9.5. Ergonomia e aplicações. 10. Licitações e Contratos Administrativos de Obras e Serviços de Engenharia: Lei 8666/93 e legislação complementar; Projeto Básico; Projeto executivo. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ALONSO, U.R. Dimensionamento de fundações profundas. São Paulo: Edgard Blucher, Exercícios de fundações. São Paulo: Edgard Blucher, 1983 AOKI, N; CINTRA, J.C.A. Fundações por estacas Projeto Geotécnico. São Paulo: Oficina de Textos, ARAÚJO, J.M. Curso de concreto armado. Rio Grande: Dunas, Vol. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6118:2007. Projeto de estruturas de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 6120:1980. Cargas para o cálculo de estruturas de edificações. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 9062:2006. Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 7480:2007. Aço destinado a armaduras para estruturas de concreto armado - Especificação. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 8681:2003. Ações e segurança nas estruturas - Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, NBR ISO :2013. Materiais metálicos Ensaio de Tração. Parte 1: Método de ensaio à temperatura ambiente. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 8800:2008. Projeto de estruturas de aço e de estruturas mistas de aço e concreto de edifícios. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 6122:2010. Projeto e execução de fundações. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 12655:2006. Concreto de cimento Portland - Preparo, controle e recebimento - Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, NBR :2011. Avaliação de bens - Parte 2: Imóveis urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 9050:2004. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 5410:2004. Instalações elétricas de baixa tensão. Rio de Janeiro: ABNT, NBR 5626:1998. Instalações Prediais de Água Fria. Rio de Janeiro, ABNT, NBR 7222:1994. Argamassa e Concreto Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos-de-prova cilíndricos. Rio de Janeiro: ABNT, 1994., NBR 8522:2003. Concreto Determinação dos Módulos Estáticos de Elasticidade e Deformação e da Curva tensão versus deformação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003., NBR 9833:1987. Concreto fresco Determinação da massa específica e do teor de ar pelo método gravimétrico. Rio de Janeiro: ABNT, 1987., NBR NM 67:1998. Concreto Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro: ABNT, 1998., NBR 5739: Concreto Ensaio de Compressão de Corpos de prova cilíndricos Método de Ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 2007., NBR-13276: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos Preparo da mistura e determinação do índice de consistência. Rio de Janeiro: ABNT, 2002., NBR-5738:2008. Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio de Janeiro: ABNT, AZEREDO, H.A. O edifício até sua cobertura. São Paulo: Edgard Blucher Ltda O edifício e seu acabamento. São Paulo: Edgard Blucher Ltda BARATA, F.E. Propriedades mecânicas dos solos - uma introdução no projeto de fundações. Rio de Janeiro: LTC, BAUER, L.A.F. Materiais de construção. 5ª Ed. Rio de janeiro: LTC, BORGES, A. C. Prática das pequenas construções. São Paulo: Edgard Blucher Ltda Vol. CÁNOVAS, M.F. Patologia e terapia do concreto armado. São Paulo: PINI, CARVALHO, R.C. Estruturas em concreto protendido. São Paulo: PINI, CARVALHO, R.C.; FIGUEIREDO FILHO, J.R. Cálculo e detalhamento de estruturas usuais de concreto armado. São Carlos: Editora da UFSCAR, 2004.

13 CARVALHO, R.C.; PINHEIRO, L.M. Cálculo e detalhamento de estruturas usuais de concreto armado. São Paulo: PINI, Vol.2. CREDER, H. Instalações hidráulicas e sanitárias, Rio de Janeiro: LTC, Instalações elétricas. 15.ed. Rio de Janeiro: LTC, FUSCO,P.B. Estruturas de Concreto solicitações tangenciais. São Paulo: PINI FUSCO,P.B. Tecnologia do Concreto Estrutural tópicos aplicados. São Paulo: PINI GIAMMUSSO, S.E. Orçamento e custos na construção civil. S.Paulo: Pini GOLDMANN, P. Introdução ao planejamento e controle de custos na construção civil. São Paulo, PINI, HACHICH, W. et al (Ed.). Fundações Teoria e prática. São Paulo: PINI, HELENE, P. Manual para reparo, reforço e proteção de estruturas de concreto. 2ª ed. São Paulo: PINI: HELENE, P.; TERZIAN, P. Manual de dosagem e controle do concreto. São Paulo: PINI, HIBBELER, R.C. Resistência dos materiais. São Paulo: Pearson, ISAIA, G.C. (Org./Ed.). Concreto: ciência e tecnologia. São Paulo: IBRACON, Vol. ISAIA, G.C. (Org./Ed.). Materiais de construção civil e Princípios de Ciência e Engenharia dos Materiais. 2ª ed. São Paulo: IBRACON, Vol. Lei 8.666/93 com alterações posteriores. LIMMER, C.V. Planejamento, Orçamentação e Controle de Projetos e Obras. Rio de Janeiro: LTC, MACYNTIRE, J.A. Manual de instalações hidráulicas e sanitárias, Rio de Janeiro: LTC, MARTHA, L.F. Análise de estruturas conceitos e métodos básicos. Rio de Janeiro: Campus, MEHTA, P.K.; MONTEIRO, P.J.M. Concreto: Microestrutura, propriedades e materiais. São Paulo: IBRACON, MENDONÇA, M.C. Engenharia Legal: teoria e prática profissional. São Paulo: PINI, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. NR-18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção com alterações posteriores. MUNTE CONSTRUÇÕES INDUSTRIALIZADA. Manual Munte de projetos em pré-fabricados de concreto (MELO, C.E.E./Org.). São Paulo: PINI, PINTO, C. S. Curso básico de mecânica dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, PFEIL, W.; PFEIL M. Estruturas de aço. Rio de Janeiro: LTC RIPPER, E. Como evitar erros na construção. São Paulo: PINI, SOUZA, V.C.M.; RIPPER, T. Patologia, recuperação e reforço de estruturas de concreto. São Paulo: PINI, SAMPAIO, J.C. NR-18 Manual de Aplicação. São Paulo: PINI, SORIANO, H.L.; LIMA, S.S. Análise de estruturas. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, Vol.1. SORIANO, H.L. Estática das estruturas. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, TCPO: Tabelas de composições de preços para orçamentos. São Paulo: PINI, THOMAZ, Ércio. Trincas nas construções. São Paulo: PINI, VELLOSO,D.A.; LOPES,F.R. Fundações. São Paulo: Oficina de Textos, Vol. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: ENGENHEIRO/ÁREA: QUÍMICO 1. Princípios básicos da engenharia química. 2. Relações de composição: massa x volume x quantidade de matéria para misturas líquidas e gasosas. 3. Pressão de vapor. 4. Conceito e equações. 5. Estequiometria Industrial. 6. Reagente limitante e reagente em excesso de reagentes. 7. Processos químicos com reciclo. 8. Conversão global e por passe. 9. Rendimento e Seletividade. 10. Balanços de massa e de energia em processos contínuos no regime permanente. 11. Termodinâmica. 12. Primeira e segunda lei da termodinâmica. 13. Propriedades termodinâmicas de fluidos. 14. Relação de Maxwell. 15. Comportamento de gases ideais e reais. 16. Equações de estado. 17. Cartas termodinâmicas. 18. Diagramas de Mollier e outros. 19. Termodinâmica dos processos de escoamento. 20. Processos de compressão, expansão e estrangulamento. 21. Ciclos de Potência e de Refrigeração. 22. Escoamento de fluidos. 23. Análise dimensional. 24. Números Adi-

14 mensionais da Engenharia Química. 25. Propriedades físicas dos fluidos. 26. Viscosidade absoluta e dinâmica. Atkins, P, Princípios de Química questionando a vida e o meio ambiente, Ed. Bookman, Brady, J E. Russell, J. W. e Holum, J. R. química: A matéria e sua transfirmações. V. 1. 3ª Ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, Brown, T L.; H. E.; Bursten, B. E; Burdge, J. R. Química, a ciência central, 9ª edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, Kotz, J. C e Treichel, Jr p., Química e reações Químicas, 6ª Ed, Pioneiro Thomson Learnin, Vol. 1 e 2, Russel, J. B. Química Geral, Vol. 1. 2ª edição, São Paulo; Makron Books, Mahan, B. H. E Myers, R. J. Química um Curso universitário, São Paulo: Ed. Edgard Blucher Ltda, Masterton, W. L.; Hurley, C.N. Princípios de Química. Rio de Janeiro: LTC Editira, Slabaugh, wendell, Wendell H. e Parsons, Therand. Química Geral. 2ª Ed., Livros Técnicos e Científicos S. A: São Paulo, Baccan, Andrade ET AL.; Química Analítica Quantitativa Elementar 3º Edição São Paulo: Editora Blucher, Chrispino, A.; Manual de Química Experimental. São Paulo; Editora Ática, Cruz, Roque. Experimento de Química em microescala: Química geral e inorgânica. 2ª Ed. São Paulo: Scipione, Giesbrecht, E. ET AL.; Projetos de ensino de Química Experiências de Química. São Paulo: Editora Moderna, Lorenzo, Jorge Gonçalo Fernandez; Apostila de Introdução ao Laboratório de Química, Lufti, Mansur. Cotidiano e educação em Química. Ijuí: Livraria Unijuí Editora, Oliveira, E. A.; Aulas práticas de Química. 3ª Ed. São Paulo: Editora Moderna, Silva, R.; Bocchi, N.; Rocha Filho, R. C.; Introdução à Química experimental. São Paulo: Editora McGraw Hill, Trindade, D. F. ET AL.; Química básica experimental. São Paulo; Editora Ícone, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: FÍSICO 1.Geração e óptica do feixe de elétrons em microscópios eletrônicos. 2. Interação feixe-amostra em microscópios eletrônicos. 3. Formação de imagens em microscópio eletrônico de varredura (MEV). 4. Formação de imagens em microscópio eletrônico de transmissão (MET). 5. Geração de raios-x em amostras no MEV e MET. 6. Princípios físicos e aplicações da microanálise eletrônica (EDS e WDS). 7. Requisitos e preparação de amostras para análise em MEV. 8. Requisitos e preparação de amostras para análise em MET. 9. Princípios físicos e aplicações de microscopia de força atômica (AFM). Princípios físicos e aplicações de microscopia de tunelamento (STM). David B. Williams and C. Barry Carter: Transmission Electron Microscopy, Springer, John Kuo: Electron Microscopy, Methods ans Protocols, Humana Press, Joseph Goldstein, Dale E. Newbury, David C. Joy, Charles E. Lyman, Patrick Echlin, Eric Lifshin, Linda Sawyer, J.R. Michael:Scanning Electron Microscopy and X-ray Microanalysis, Springer, 3 a edição, Marcos Farina, UmaIntrodução à Microscopia Eletrônica de Transmissão. Editora Livraria da Física, P. Eaton, P. West: Atomic Force Microscopy, Oxford University Press, Susana I. Zanette, Introdução à Microscopia de Força Atômica. Editora Livraria da Física, 2010 Walter Mannheimer, Microscopia dos Materiais: Uma Introdução. Editora E-papers, W.Souza, Técnicas básicas de microscopia eletrônica aplicadas às ciências biológicas. SBMM, 1998.

15 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: GEÓGRAFO Retificado pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13. 1.Cartografia e Geoprocessamento aplicados à análise ambiental e territorial. 2. As implicações das mudanças climáticas nos diferentes ecossistemas brasileiros. 3. Recursos hídricos superficiais e subterrâneos. 4. Políticas públicas e desenvolvimento agropecuário do Centro- Oeste e estado de Goiás. 5. A análise integrada do meio físico como subsídio para o planejamento ambiental e territorial. 6.Os processos de formação do relevo em regiões tropicais. 7. Urbanização Brasileira, metropolização e planejamento. 8. Os domínios morfoclimáticos brasileiros. 9. Análise de bacias hidrográficas. 10. Fluxos migratórios da população urbana e rural. 11. Avaliação de Impactos Ambientais e a Recuperação de Áreas Degradadas. 12. As características, propriedades, aptidão agrícola e uso dos solos brasileiros. 13. Intemperismo em regiões tropicais e formação do solo. AB SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, ALMEIDA, M.G. de (org) Abordagens Geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. Goiânia:IESA,2002. ARAÚJO, G.H.S.; ALMEIDA,J.R.; GUERRA, A.J.T. Gestão Ambiental de Áreas Degradadas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, AYOADE, J. O. Introdução à climatologia dos trópicos. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, CARLOS, A. F. A. (Org). Novos Caminhos da Geografia. São Paulo: Editora Contexto CUNHA, S. B.; GUERRA, A.J.T. (org.) Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, DUARTE, L.M.G. ; THEODORO, S. H. (org). Dilemas do Cerrado. Entre o ecologicamente (in) correto e o socialmente (in) justo. Rio de Janeiro: Garamound DUARTE, L.M.G.; BRAGA, M.L. de S. (org) Tristes Cerrados: Sociedade e biodiversidade. Brasília: Paralelo FALEIROS, F. G. NETO, A.L.F (Eds.). Savana: Desafio e estratégia para o equilíbrio entre sociedade, agronegócios e recursos naturais. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, FLORENZANO, T. G. Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de textos, GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (org.). A questão Ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GREGORY, K.J. A natureza da Geografia Física. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (org). Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (org). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (org). Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (org). Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, HAMADA, E. Introdução ao geoprocessamento: princípios básicos e aplicação. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, Documentos 67. LEPSCH, Igo F. Formação e conservação dos solos. São Paulo: Oficina de Textos, MANZATTO, C.; FREITAS JR, E.; PERES, J.R. (2002) O uso agrícola dos solos brasileiros. Rio de Janeiro: EMBRAPA- Solos, MENDONÇA,F.A. Geografia Socioambiental. Terra Livre. n. 16, p , São Paulo, AGB, MENDONÇA, F.A.; OLIVEIRA, I. M. D. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, OLIVEIRA, I. J. Sustentabilidade de sistemas produtivos agrários em paisagens do Cerrado: Uma Análise do Município de Jataí (GO). In: Terra Livre: Temperos da Geografia. n. 23. Goiânia: AGB, RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S. B. Pedologia: base para distinção de ambientes. 5 ed. Lavras: Editora da Universidade Federal de Lavras, RODRIGUES, J.N.N.; SILVA, E.V.; CAVALCANTI, A.P.B. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: Ed. UFC, ROSS, J.L.S. (org) Geografia do Brasil. 4 Ed. São Paulo: Edusp

16 SANCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos, SANTOS, D.G.; NUCCI, J.C. Paisagens geográficas: Um tributo a Felisberto Cavalheiro. Campo Mourão: Editora da FECILCAM, SANTOS, M.; SILVEIRA, M.L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 3 Ed.Rio de Janeiro: Record, SILVA, J. X.; ZAIDAN, R. T. Geoprocessamento e análises ambiental: aplicações. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007 SUERTEGARAY, D. M. A. Terra: feições ilustradas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: FIBGE/ SUPREN, TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. 2 ed. São Paulo: RiMa, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: MÉDICO/ÁREA: ORTOPEDISTA TRAUMATOLOGISTA ORTOPE- DIA PEDIÁTRICA 1.Semiologia em Ortopedia e Pediátrica. 2. Afecções do Quadril na Infância. 3. Infecção Músculo Articular 4,Desvios Angulares e Torcionais dos Membros Inferiores. 5. Doença de Legg Calvé Perthes. 6. Afecções do Pé na Criança e no Adolescente. 7. Escoliose. 8. Princípios Gerais na Paralisia Cerebral. 9. Princípios Gerais nas Fraturas da Criança e do Adolescente. 10. Mal formações congênitas dos Membros Superiores BARROS FILHO, Tarcísio E. P.; LECH, Osvandré. Exame físico em ortopedia. 2. ed BEHRMAN, R.E.; K, R.M; et al. Tratado de Pediatria. 14ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BRUSCHINI, S. Ortopedia Pediátrica 2ed. São Paulo: Atheneu,1998. CARVALHO, E.S.; C., W.B. Terapêutica e Prática Pediátrica. São Paulo: Atheneu, Castro WHM, Jerosch J. Exame e Diagnóstico dos Distúrbios Músculo Esquelético. São Paulo:Artmed, 2005 CRENSHAW, A.H. Cirurgia Ortopédica de Campbell.v1. São Paulo: Manole, DIAS, L.S.; G, A.P. Artrogripose. In BRUCHINI, S. Ortopedia Pediátrica. São Paulo: Atheneu, FENICHEL, G.M. Neurologia Pediátrica: sinais e sintomas 2ed. Porto Alegre: Artes Médicas, GORDON, N.Atrogryposis Multiplex Congenita. Brain e Development.Dev Méd Child Neuronal 20: , HALL, J.G. Athrogryposis Multiplex Congênita: etilogy, genetics, diagnostic classification, and general aspects. Journal of Pediatric Orthopaedics. 6(3): Herring JA, Tachdjian s Pediatric Orthopaedics 4th. Ed. Philadelphia: Sunders, HEBERT,S.,XAVIER,R. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática 2ed. Porto Alegre: Artmed, LEVY, J.A. Doenças Musculares: estudo clínico e diagnóstico. São Paulo: Atheneu, LIMA, A.J. Pediatria Essencial. 4ed. São Paulo: Atheneu, Morrissy RT, Weinstein SL. Lovell nd Winter s Pediatric Orthopaedics 6th. Ed. Philadelphia: Lippincott Williams e Wilkins, MORRISSY, R.; W, S.L. Pediatric Orthopaedics 5ed. Philadelphia-New York: Lippicott-Ravien, MURAHOVSCHI, J. Pediatria: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo: Sarvier, RATLIFFE, T.K. Fisioterapia Clínica Pediátrica. São Paulo: Santos, RUDIO, F.V. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica.11ed. Petrópolis: Vozes, SALTER, R.B. Distúrbios e Lesões do Sistema Musculoesquelético. 3ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2001 SHEPHERD, R.B.Fisioterapia em Pediatria.3ed. São Paulo:Santos,1996. SELLS, J.M.; J,K.M. Amioplasia: the Most Common Type of Arthrogryposis. American Academy of Pediatrics. 97(2): TACHDJIAN, M. O. Ortopedia Pediátrica 2ed. v3. São Paulo: Manole,1995. TUREK, S.L. Ortopedia: Princípios e suas Aplicações 4ed. v2. São Paulo: Manole,1991. KEMPE, C.H.; S, H.K.; et al. Pediatria Diagnóstico e Tratamento. 8ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.

17 WEINSTEIN, Stuart l. e MORRISSY, Raymond T. Ortopedia Pediátrica De Lovell E Winter 5ª Edição 2 Volumes, Wenger Dr, Rang M. The Art And Practice of Children s Orthopaedics. New York: Raven Press, YINGSAKMONGKOL, W.; K, S.J. Scoliosis in Arthogryposis Multiplex Congenita: Results After Nonsurgical and Surgical Treatment. Jounal of Pediatric Orthopaedics. 20: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: MÉDICO/ÁREA: ORTOPEDISTA TRAUMATOLOGISTA QUADRIL 1. Ortopedia e Traumatologia. 2.Doenças que acometem os músculos, ossos, ligamentos e articulações. 3. Origem traumática, inflamatória, infecciosa, congênita ou degenerativa. 4. Cirurgia de Quadril e. 5. Lesões degenerativas. 6. Osteoartro. 7 Prótese articulada (Artroplastia Total de Quadril ). 8. Lesões decorrentes da atividade física;(bursites, tendinites, lesões de menisco e ligamentos). Patologias de quadril. Herbert, Sizinio. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e Prática. 4.ed. Herbert, Sizinio. Porto Alegre: Artmed, Canale, Terry. Cirurgia Ortopédica de Campbell. 10. ed. Barueri: Manole, Justino Nóbrega de Azevedo Neto. Anteversão femoral e ângulo cervicodiafisário: relação com a osteoartrite do quadril. Vol. 46 n. 01. São Paulo: SBOT, Justino Nóbrega de Azevedo Neto. Estudo anatômico do terço proximal do fêmur: impacto femoroacetabular e o efeito cam. Vol. 44 n. 02. São Paulo: SBOT, Manual do Residente de Ortopedia. Revista do Into, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 1-62, jan/abr Revista do SBO -RJ- julho de disponível no espaço eletrônico. Revista da Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Brasil) Sizínio & Renato Xavier: Ortopedia e Traumatologia Princípios e Práticas. Artmed, 3ª ed.2003.

18 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: MÉDICO/ÁREA: PSIQUIATRA Inserido pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13 1. Psicopatologia; 2. Delirium, demência, transtornos amnésticos e outros transtornos cognitivos; 3. Transtornos relacionados ao uso de substancias psicoativas; 4. Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos: esquizoafetivo, esquizofreniforme, psicótico breve, delirante persistente, delirante induzido; 5. Transtornos do humor; 6. Transtornos fóbicos-ansiosos: fobia especifica, social e agorafobia; 7. Outros transtornos de ansiedade: transtorno de pânico, transtorno de ansiedade generalizada; 8. Transtorno obsessivo-compulsivo e transtornos de hábitos e impulsos; 9. Transtornos somatóformes;10. Transtornos de adaptação e transtorno de estresse pós-traumático;11. Transtornos dissociativos; 12. Transtornos alimentares; 13. Transtornos do sono; 14. Transtornos da identidade e da preferencia sexual;15. Transtornos da personalidade;16. Transtornos factícios, simulação, não adesão ao tratamento;17. Retardo mental; 18. Transtornos do desenvolvimento psicológico; 19. Transtornos comportamentais e emocionais que aparecem habitualmente durante a infância ou adolescência; 20. Transtornos psiquiátricos relacionados ao envelhecimento; 21. Interconsulta psiquiátrica; 22. Emergências psiquiátricas; 23. Psicoterapias; 24. Psicofarmacologia e Psicofarmacoterapia; 25. Eletroconvulsoterapia e outras terapias biológicas. 26. Psiquiatria Forense: Responsabilidade Penal e Capacidade Civil; 27. Epidemiologia dos transtornos psiquiátricos; 28. Diagnostico Sindrômico e Diagnostico Nosológico em Psiquiatria; 29. Classificação em Psiquiatria: CID-10 e DSM-IV-TR; 30. Politica de Saúde Mental do Servidor Público Federal/ Reforma Psiquiátrica; 31. Perícia Oficial em Saúde Mental; 32. Promoção da Saúde Mental. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Recursos Humanos. Portaria SRH Nº 797, de 22 de Março de Manual de perícia oficial em saúde do servidor público federal. BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Recursos Humanos. Portaria SRH Nº 1261, de 5 de Maio de Institui os Princípios, Diretrizes e Ações em Saúde Mental que visam orien - tar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil -SIPEC da Administração Pública Federal sobre a saúde mental dos servidores. BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Recursos Humanos. PORTARIA NORMATIVA Nº 3, De 25 de Março de Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC. BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Recursos Humanos. PORTARIA NORMATIVA Nº 3 de 7 de Maio Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor -NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração Pública Federal - SIPEC. BRASIL. Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Organizadora da IV Conferência Nacional de Saúde Mental Intersetorial. Relatório Final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental Intersetorial, 27 de junho a 1 de julho de Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, 2010, 210 p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES. Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão Ministério da Saúde: Brasília. Janeiro de 2011, 106 p. BRASIL MA, BOTEGA NJ, HETEM LA. PEC Programa de Educação Continuada da Associação Brasileira de Psiquiatria. Titulo de Especialista em Psiquiatria. Provas Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, CHALUB, M., TABORDA, J. G. & ABDALLA FILHO, E. Psiquiatria Forense. Porto Alegre, Artes Medicas, CHENIAUX JR., ELIE, Manual de Psicopatologia. 3a ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, Classificacao de Transtornos Mentais e do Comportamento Da CID-10. Porto Alegre, Artes Medicas, 1993.

19 DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. 2a ed. Porto Alegre, Artes Medicas, DSM-IV-TR. Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais. 4a ed. Rev. Porto Alegre, Artmed, KAPLAN, HI. & SADOCK, B. Compêndio de Psiquiatria. 9a edicao. Porto Alegre, Artes Medicas, REIS DE OLIVEIRA I, SENA EP. Manual de Psicofarmacologia Clínica. 2a ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan,2006. SALVADOR, Luiz. Compêndio de Psicopatologia e Semiologia Psiquiátrica. Porto Alegre, Artes Medicas, CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: NUTRICIONISTA Retificado pelo Edital Complementar n. 02 de 24/04/13 1. Nutrientes: definição e classificação, funções, metabolismo, biodisponibilidade, necessidades nutricionais e fontes alimentares. 2. Unidades de Alimentação e Nutrição: controle de qualidade (APPCC, POP s, BPF, AQNS), gestão e planejamento. 3. Doenças transmitidas por alimentos: profilaxia, fontes de contaminação, vias de transmissão, plano de prevenção e condutas. 4. Seleção e preparo de alimentos: métodos de prépreparo, preparo e cocção; requisição de alimentos; técnicas dietéticas para alimentos de origem vegetal e animal; técnicas de armazenamento in natura, resfriamento e congelamento. 5. Avaliação nutricional e atenção dietética em nível ambulatorial, hospitalar e comunitário aos diferentes grupos etários. 6. Nutrição materno-infantil. 7. Educação nutricional. 8. Análise de alimentos: amostragem, determinação de umidade, cinzas, proteínas, lipídios, carboidratos e fibras alimentares. 9. Estudos experimentais em nutrição: principais modelos animais usados e cuidados na experimentação e manutenção de animais de laboratório. 10. Boas práticas de laboratório. ABREU, E. S.; SPINELLI, M. G. N.; ZANARDI, A. M. P. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. São Paulo: Metha, p. ACCIOLY, E., SANDERS, C., LACERDA, E.M.A. Nutrição em obstetrícia e pediatria. 2. ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica, p. CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, p. CIENFUEGOS, F. Segurança no laboratório. Rio de Janeiro: Interciência, COZZOLINO, S.M.F. Biodisponibilidade de nutrientes. 4. ed. Barueri: Manole, GROPPER, S. S.; SMITH, J. L.; GROFF, J. L. Nutrição avançada e metabolismo humano. São Paulo: Cengage Learning, (Traduação de Advanced nutrition and human metabolism, 5. ed.). MAHAN, L.K.; ESCOTT-STUMP, S. Alimentos, nutrição & dietoterapia. 11. ed. São Paulo: Roca, MEZOMO, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 5. ed. São Paulo: Manole, p. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF, ORNELLAS, L.H. Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. 8. ed. São Paulo: Atheneu, p. REGO, J.C., FARO, Z.P. Manual de limpeza e desinfecção para unidades produtoras de refeições. São Paulo: Varela, p. SHILS, M.E.; SHIKE, M.; ROSS, A.C.; CABALLERO, B.; COUSINS, R.J. Nutrição moderna na saúde e na doença. 10. ed. Barueri: Manole, TRAMONTE, V.L.C.G.; SANTOS, R.A. Nutrição experimental. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, (Série Nutrição e Metabolismo). WHO. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. Geneva: World Health Organization. WHO Technical Report Series 916, Disponível em:

20 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: RESTAURADOR/ÁREA: CONSERVAÇÃO DE BENS CULTURAIS 1.Conceitos e critérios de conservação preventiva. 2. Agentes de degradação biológicos, físicos e químicos. 3. Monitoramento e controle ambiental. 4. Planejamento e gestão de reservas técnicas: armazenamento e acondicionamento de acervos museológicos. 5. Transporte, manuseio e embalagens de objetos. 6. Exposição: materiais e suportes. 7. Segurança aplicada a museus. 8. Gerenciamento de riscos e preparação de planos de emergência. 9. Análise, diagnóstico, laudo de estado de conservação e proposta de tratamento de objetos. BRANDI, Cesare. Teoria da Restauração. Trad. Beatriz M. Kühl. São Paulo: Ateliê Editorial, Col.Artes e Ofícios. CANEVA, Giulia, NUGARI, Maria P., SALVADORI, Ornella. Biology in the Conservation of Works of Art. Rome: ICCROM, Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos. CPBA Cadernos Técnicos. Disponível em: <http://arqsp.org.br/cpba/> Acesso em: 29/09/2010. Diagnóstico de Conservação: modelo proposto para avaliar as necessidades do gerenciamento ambiental em museus. Disponível em: <http://www.icom.org.br/diagnostico_de_conservacao_modelo> Acesso em: 29/09/2010. ICOM-CC. Terminologia para definir a Conservação do Patrimônio Cultural Tangível. Disponível em: <http://www.abracor.com.br/novosite/boletim/062010/artigoicom-cc.pdf> Acesso em 29/09/2010 MENDES, Marylka e BAPTISTA, Antônio Carlos N. Restauração: ciência e arte. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/IPHAN, MENDES, Marylka et al. Conservação: conceitos e práticas. Rio de Janeiro: UFRJ, Resource: The Council for Museums, Archives and Libraries. Segurança de Museus Série: Museologia: roteiros práticos, v. 4. São Paulo: Edusp; Fundação Vitae, Disponível em: Acesso em 29/09/2010. Resource: The Council for Museums, Archives and Libraries. Parâmetros para a conservação de acervos Série: Museologia: roteiros práticos, v. 5. São Paulo: Edusp; Fundação Vitae, Disponível em: Acesso em 29/09/2010. Resource: The Council for Museums, Archives and Libraries. Conservação de coleções Série: Museologia: roteiros práticos, v. 9. São Paulo: Edusp; Fundação Vitae, Disponível em: Acesso em 29/09/2010. SOUZA, Luiz Antônio Cruz. A importância da conservação preventiva. Revista da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 52, p , jan Science for conservators Book 1. An Introdution to materials. Conservation Science Teaching Series. London, Crafts Council,1982. Science for conservators Book 2. Cleaning. Conservation Science Teaching Series. London, Crafts Council,1982. Science for conservators Book 3. Adhesives and Coatings. Conservation Science Teaching Series. London, Crafts Council,1982. STOLOW, Nathan. Conservation and Exhibitions: packing, transport, storage and exhibitions. London : Butterworths, THOMSON, Garry. The Museum Environment. London: Butterworths,1986. Tópicos em conservação preventiva. Cadernos técnicos 1 a 10. Disponíveis: THOMSON, Garry. The Museum Environment. London: Butterworths,1986.

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos) 1. Identificação de informações pontuais no texto. 2. Uso da língua padrão em gêneros textuais na modalidade escrita (pontuação, ortografia,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR CARGO: FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA I PROVAS COMUNS ÀS FUNÇÕES DE FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA E FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA/FARMACÊUTICO.

Leia mais

ANEXO I DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANDRADINA DOS PROGRAMAS E DAS BIBLIOGRAFIAS REFERENTES ÀS PROVAS A SEREM APLICADAS.

ANEXO I DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANDRADINA DOS PROGRAMAS E DAS BIBLIOGRAFIAS REFERENTES ÀS PROVAS A SEREM APLICADAS. ANEXO I DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANDRADINA DOS PROGRAMAS E DAS BIBLIOGRAFIAS REFERENTES ÀS PROVAS A SEREM APLICADAS. Os itens das provas objetivas avaliarão habilidades mentais que vão além do mero conhecimento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA / MATEMÁTICA / LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA COMDATA EDITAL N.º 001/07 PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO

CONCURSO PÚBLICO COMPANHIA DE PROCESSAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA COMDATA EDITAL N.º 001/07 PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA - PROVA COMUM A TODOS OS CARGOS DE ENSINO MÉDIO 1 Interpretação textual Metáfora, metonímia, ambigüidade, ironia, denotação e conotação, pontos

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS EDITAL Nº. 001/2012 ANEXO VI CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE - ACS LÍNGUA PORTUGUESA 1. Interpretação de textos

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 066/2011 PROGRAMAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONHECIMENTOS GERAIS PARA OS CARGOS DE NÍVEL C LÍNGUA PORTUGUESA 1. Compreensão de textos

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ

CURSO PRIUS PREPARATÓRIO PARA TÉCNICOS DE ENFERMAGEM HUPE / UERJ AME - Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 2009/2010. Rio de Janeiro: EPUB, 2009. ANVISA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar - Caderno C: Métodos de Proteção Anti- infecciosa.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 DESENHISTA-PROJETISTA

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 DESENHISTA-PROJETISTA CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 DESENHISTA-PROJETISTA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO Será avaliada a capacidade de: LÍNGUA PORTUGUESA Ler, compreender

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DRH Nº 29/2008 ARQUIVISTA

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DRH Nº 29/2008 ARQUIVISTA LÍNGUA PORTUGUESA: CONCURSO PÚBLICO EDITAL DRH Nº 29/2008 ARQUIVISTA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA/LEGISLAÇÃO Ortografia oficial emprego de palavras e expressões dificuldades mais

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde do Trabalhador Professor: Daniely Oliveira Nunes Gama E-mail: danioliveiranunes@yahoo.com.br

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 AUXILIAR DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 AUXILIAR DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 02/2013 AUXILIAR DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA Será avaliada a capacidade de: LÍNGUA PORTUGUESA Ler, compreender

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA 1/5 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM CÓDIGO: ENB056 CARGA HORÁRIA TEÓRICA 60H CARGA HORÁRIA PRÁTICA 75H CRÉDITOS 9 VERSÃO CURRICULAR: 2010/2 PERÍODO: 4º DEPTO:

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 DO EDITAL N.º 017/CEPUERJ/2012 CRBio 02

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 DO EDITAL N.º 017/CEPUERJ/2012 CRBio 02 EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 DO EDITAL N.º 017/CEPUERJ/2012 CRBio 02 Fica alterado o ANEXO I, dos conteúdos programáticos e referências bibliográficas, incluindo-se o hiperlink das seguintes legislações:

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos 2. Interpretação e desesenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

ANEXO IV PROGRAMAS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ANEXO IV PROGRAMAS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS ANEXO IV PROGRAMAS E SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS LÍNGUA PORTUGUESA - 4ª SÉRIE - ENSINO FUNDAMENTAL 1. Leitura e Interpretação de texto. 2. Ortografia. 3. Divisão Silábica. 4. Acentuação Gráfica 5. Sinônimos

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014 EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01 CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 01/2014 O Prefeito do município de Motuca, Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, torna público

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 068/2011 DO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VIAMÃO

CÂMARA MUNICIPAL DE VIAMÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VIAMÃO CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2011 - PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO LÍNGUA PORTUGUESA PROGRAMA: As questões de Língua Portuguesa versarão sobre o programa abaixo.

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO AMAPÁ- SEBRAE/AP PROCESSO SELETIVO N O 001/2008 RETIFICAÇÃO Nº. 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013 O Centro de Seleção da UFG estabelece e torna público as orientações gerais das atividades

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 PSICÓLOGO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 PSICÓLOGO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 PSICÓLOGO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Será avaliada a capacidade de: 1) Leitura e compreensão

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Foto: Fundo Comunicação Social Arquivo Público do Distrito Federal SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL SYSTEM OF MEDICAL RECORDS FROM HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Este trabalho

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver projetos de engenharia; executar obras; planejar, orçar e contratar empreendimentos; coordenar a operação e a manutenção dos mesmos.

Leia mais

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Avaliação do Desenvolvimento e Desempenho da Criança nos aspectos cognitivo, afetivo, socialização e psicomotor, através de atividades compatíveis com

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação

Universidade Estadual de Ponta Grossa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Divisão de Pós-Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Engenharia Civil DISCIPLINA: Inovações Tecnológicas e Qualidade Carga horária total: 32 horas Destina-se ao Curso de Especialização

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 ENGENHEIRO CIVIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 ENGENHEIRO CIVIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 30/2013 ENGENHEIRO CIVIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA E LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Será avaliada a capacidade de: 1) Leitura e compreensão

Leia mais

ANEXO IX PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS

ANEXO IX PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS ANEXO IX PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS LÍNGUA PORTUGUESA PROGRAMAS I LÍNGUA PORTUGUESA: NÍVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO Compreensão de texto. Emprego das letras. Acentuação gráfica. Palavras sinônimas e antônimas.

Leia mais

PROGRAMA BÁSICO - MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

PROGRAMA BÁSICO - MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROGRAMA BÁSICO - MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica Emprego das classes de palavras Emprego do

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL COMPLEMENTAR Nº 01 AO EDITAL Nº 07/2015-REITORIA/IFRN O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo A N E XO II. (Do Conteúdo Programático)

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo A N E XO II. (Do Conteúdo Programático) 1 A N E XO II (Do Conteúdo Programático) 2 Cargos: CARPINTEIRO, COZINHEIRA, PADEIRO, PINTOR (LETRISTA). Português: Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica.

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO Administração/Logística Psicologia das Relações Humanas; Liderança e Gestão de Equipes; Professor de Psicologia Doutorado em Psicologia Enfermagem Segurança

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LINGUAGEM DE SINAIS

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LINGUAGEM DE SINAIS CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LINGUAGEM DE SINAIS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, LEGISLAÇÃO E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Será avaliada

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM Nº 001 DE 02 DE MARÇO DE 2015.

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM Nº 001 DE 02 DE MARÇO DE 2015. RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM Nº 001 DE 02 DE MARÇO DE 2015. A Prefeitura Municipal de Presidente Figueiredo-AM torna Público, para conhecimento dos interessados que o EDITAL 001/2015,

Leia mais

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2011 ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CARGO: AGENTE DE APOIO BÁSICO Leitura, compreensão e interpretação de texto; conhecimento gramatical de acordo com o padrão culto da língua; estrutura

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

PROJETO DE CAPACITAÇÃO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS PROJETO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL 1) PARA O ENSINO MÉDIO REDAÇÃO Do 1º ano ao 3º ano do ensino médio, a prova discursiva será composta

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II O Prefeito do Município de São Gonçalo dos Campos, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, retifica o Edital 001/2014

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA A - CURSOS DE GRADUAÇÃO (PRESENCIAL E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA) Curso

Leia mais

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica Emprego das classes de palavras Emprego do sinal indicativo de crase Sintaxe da oração e

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Plano de Ensino/Plano de Trabalho Docente

Plano de Ensino/Plano de Trabalho Docente Plano de Ensino/Plano de Trabalho Docente IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Ambiente, Saúde e Segurança CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado (X)subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28

PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28 PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 4 28 ORIENTAÇÃO SOBRE PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS 4 17 AS LINGUAGENS DA CRIANÇA E O SABER FAZER NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

Leia mais

CARGOS COM REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR

CARGOS COM REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO EDITAL Nº 002/2014 ANEXO III PROGRAMA DAS PROVAS

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO ESTDUAL DARIO VELLOZO CURSO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF. ENFª. ARLETE JUÇARA REFOSCO TANURE DISCPLINA: ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA APLICADA A ENFERMAGEM

Leia mais

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver projetos de engenharia; executar obras; planejar, orçar e contratar empreendimentos; coordenar a operação e a manutenção dos mesmos.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: BIOSSEGURANÇA Código: ENF- 307 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 20.2

Leia mais

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I ANEXO I As Faculdades Senac Minas, com o intuito de atender às diversas demandas, oferece à comunidade dois processos vestibular: o vestibular e o vestibular agendado. Ambos os processos buscam selecionar

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru/SP Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 21/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA EDITAL 2015 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Testes de Português e Matemática - Material: o candidato deverá trazer: lápis apontados, apontador, borracha e o Compreensão e interpretação de textos; exploração

Leia mais

PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016)

PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016) PROVA PARA SELEÇÃO AO SERVIÇO MILITAR TEMPORÁRIO NA ÁREA DA2ª REGIÃO MILITAR - ESTÁGIO DE SERVIÇO TÉCNICO (EST/2016) ÁREA: ENFERMAGEM RELAÇÃO DE ASSUNTOS 1 - ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE E ADMINISTRAÇÃO APLICADA

Leia mais

PROGRAMAS CONCURSO PÚBLICO UFPR - LITORAL

PROGRAMAS CONCURSO PÚBLICO UFPR - LITORAL Para todos os cargos: Português: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Recursos Humanos Qualificação:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Para todos os ambientes organizacionais para todos os servidores, independentemente do ambiente organizacional: Administração pública Estado,

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Disciplina: Desenvolvimento Sustentável Capacitar e qualificar os alunos para o desenvolvimento e incremento de ações voltadas à proteção, conservação e

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 TÉCNICO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 TÉCNICO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL DGP Nº 76/2010 TÉCNICO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA / MATEMÁTICA / LEGISLAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de

Leia mais

ÍNDICE. Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários)...01. Sinônimos e antônimos...08

ÍNDICE. Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários)...01. Sinônimos e antônimos...08 SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA São Paulo de Classe I (sexo masculino) ÍNDICE LÍNGUA PORTUGUESA Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários)......01 Sinônimos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TÉCNICO DE LABORATÓRIO/REDE DE COMPUTADORES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TÉCNICO DE LABORATÓRIO/REDE DE COMPUTADORES CONCURSO PÚBLICO EDITAL PRGDP Nº 83/2014 TÉCNICO DE LABORATÓRIO/REDE DE COMPUTADORES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, LEGISLAÇÃO E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Será avaliada

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ensino Médio e Superior

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Ensino Médio e Superior ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONHECIMENTOS COMUNS A TODOS OS CARGOS Disciplina Língua Portuguesa Conhecimentos Gerais Disciplina Língua Portuguesa Matemática Conhecimentos Gerais Ensino Médio e Superior

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO (Prograd) EDITAL N 17/2006 SELEÇÃO DE PESSOAL DOCENTE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E FISIOTERAPIA

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO (Prograd) EDITAL N 17/2006 SELEÇÃO DE PESSOAL DOCENTE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM E FISIOTERAPIA Curso: Enfermagem CAMPUS GOIÂNIA Área de concentração: Fundamental Conteúdo programático: 1- Teorias: Cuidado; Autocuidado; Da diversidade e universalidade transcultural do cuidado; Homem-vida-saúde; Necessidades

Leia mais

EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008

EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008 EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. OCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008 A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições,

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2010 ANEXO IV PROGRAMAS DAS PROVAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2010 ANEXO IV PROGRAMAS DAS PROVAS E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE MARIANA-MG Autarquia Municipal criada pela Lei 1.925/05 de 15/09/2.005 CNPJ: 07.711.512/0001-05 Insc. Estadual: Isento Av. Nossa Senhora do Carmo, 742 Vila do Carmo

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e/ou Médio.

Referências Bibliográficas: Livros didáticos do Ensino Fundamental e/ou Médio. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.1 - LÍNGUA PORTUGUESA (para todos os cargos): a) Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação gráfica. Flexão do substantivo (gênero masculino

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais