A EVOLUÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTRATUAIS E SUA FUNÇÃO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EVOLUÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTRATUAIS E SUA FUNÇÃO SOCIAL"

Transcrição

1 Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez A EVOLUÇÃO DOS PRINCÍPIOS CONTRATUAIS E SUA FUNÇÃO SOCIAL Maximilliam Mayolino Leão 1 DA TEORIA DOS CONTRATOS Apontaremos, por este breve estudo, discorrer sobre a evolução do tratamento jurídico do contrato, um dos mais relevantes institutos jurídicos da sociedade capitalista, onde o ordenamento brasileiro, todavia, não tratou de conceituar o instituto do contrato, sua definição é uma construção doutrinária. Vivemos no mundo dos contratos, pois todos os dias realizamos vários contratos, ao comprar um produto, na utilização dos serviços público ou na execução de nosso trabalho, pois sem adentrarmos nas controvérsias 1 Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela UMSA-Universidade do Museu Social Argentino em Buenos Aires em Fase de elaboração de Tese, é Administrador de Empresas, formado com Habilitação em Comercio Exterior pela Universidade de Cuiabá, onde também formou em Direito com expertise na área Criminal, Filosófica, Contratual e Administrativa, possui Mestrado em Ciências da Computação pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina nas áreas de concentração de Administração e Gerência de Redes e Desenvolvimento de Contratos e Atos Jurídicos de eventos ligados à Tecnologia e serviços de terceiros SLA, Atualmente é Professor titular dos cursos de Direito, Administração, Sistemas de Informação e Engenharia de Produção tendo como maior ênfase as áreas Administrativas, Tecnológicas, Contratualista, Criminal, Filosófica e Psicologia Jurídica, com sólidos conhecimentos em Negócios de Rede e Consultoria Empresarial, Foi pesquisador FIC/UFMT/NAT(NASA) 2000/2003, foi membro Coordenador Pesquisador do (NPCD) Núcleo de Pesquisas em Computação Distribuída (UFSC)2000/2002, Membro da SBC Sociedade Brasileira de Computação, Foi Coordenador Geral da FIC - Faculdade de Informática de Cuiabá de 1999 a 2005 e Pesquisador do NPDSI (Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Sistema de Informação Unic/ADM)2004/2008, cursou MBA em Gestão Acadêmica pela Unipos/ UNIC.Atua como Professor de Pós Graduação nos cursos de Direito, Administração, Sistema de Informação e Engenharias.foi Diretor Geral da UNIC-VG/FAUSB, Grupo Krotron Educacional, onde também Coordenou os Cursos de Direito2006/2011 e Administração 2006/2011. Atuou mais de 1993 a 2006 anos como Consultor Federal em Administração e Tecnologia junto ao Ministério dos Transportes - Departamento Nacional de Estradas de Rodagem e Departamento Nacional de Infraestrutura e Terrestre nas áreas de Tecnologia, Administrativa, acompanhado Processos, Logística e a área Jurídica contratos e licitações. Tem de experiência desde 1988 nas áreas da Ciência da Computação, com ênfase em Arquitetura de Sistemas de Computação, Ambientes de Desenvolvimento e Plataformas de Operação, Periféricos e Redes, atuando principalmente em Estruturação Ambiental e Banco de Dados, Projeto de Sistemas, Planejamento de Redes e Infraestrutura de Segurança Física e Lógica, tendo ampla experiência na Dinâmica dos Crimes Virtuais e Avaliação de Segurança Física em Redes Locais e Intranet s. Foi Conselheiro Fiscal para assuntos Técnicos no Estado de Mato Grosso, Ouvidor Setorial de Saúde do Estado, é Perito Técnico Judicial Trabalhista, Tem sólida experiência em gestão de acadêmica de ensino superior desde 1994,(Educacional/Administrativa/Financeira) Foi Presidente do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Mato Grosso(2010/2011), foi Assessor Técnico Jurídico Autárquico (2008/2010), foi Assessor Especial de Administração Sistêmica(2006/2007).

2 148 A evolução dos princípios contratuais e sua função social que cercam o problema da conceituação do contrato, podemos defini-lo como o acordo de vontades, celebrado entre duas ou mais pessoas, com objeto economicamente apreciável, que visa criar, resguardar, transferir, modificar ou extinguir direitos e obrigações. Em outros lastros temos também que o contrato é convenção estabelecida entre duas ou mais pessoas para constituir, regular ou extingui entre elas uma relação jurídica patrimonial, ou é uma espécie de negócio jurídico que se distingue, na formação, por exigir a presença de pelo menos, de duas partes, portanto o contrato é um negócio jurídico bilateral, ou plurilateral, bem como podemos ainda entender que o contrato é o ato jurídico em virtude do qual duas ou mais pessoas se obrigam, por consentimento recíproco, a dar, fazer, ou não fazer alguma coisa. Nosso entendimento tarjem a esclarece que contrato é um acordo de vontades para o fim de adquirir, transferir, modificar ou extinguir direitos, vontades estas, na conformidade da lei, e com a finalidade de adquirir, resguardar, transferir, conservar ou modificar direitos, ou seja, um conceito mais sintético, pelo qual, o contrato é um acordo de vontades com a finalidade de produzir efeitos jurídicos, e por este cerne de conceito, podemos perceber que o distrato e o adendo contratual também têm natureza jurídica contratual, pois aquele pretende extinguir os contratos e este objetiva modificá-los. O contrato, em tempos modernos, faz parte do dia-a-dia dos cidadãos, seja em sua relação com o Estado, seja com outros membros da sociedade, pois ao longo das décadas, a relação contratual sofreu profundas modificações, impulsionadas, em sua grande parte, pela implementação de políticas econômicas e pelos avanços dos direitos dos consumidores. No âmbito do Direito Civil, o contrato é todo acordo de vontades de fundo econômico entre pessoas de Direito Privado que tenham por objetivo a aquisição, o resguardo, a transferência, a conservação, a modificação ou a extinção de direitos, recebendo o amparo do ordenamento jurídico. Desta forma para que se tenha um contrato, fazem-se imprescindíveis requisitos básicos como, agentes capazes, objeto lícito e possível, e forma adequada à lei, ou quando não houver forma prescrita, que não seja defesa pelo ordenamento, ladeado a esses elementos, temos aquele no qual se origina o contrato, o acordo de vontades, onde ela há de ser livre e voluntária. Outro grande entendimento é que o contrato possui duas funções primordiais, sendo a primeira a econômica e a segunda social, onde a

3 Maximilliam Mayolino Leão 149 primeira caracteriza-se pelo auxílio ou papel que presta na circulação de riquezas, e já no que concerne à função social, constitui-se ele meio de civilização, de educação do povo para a vida em sociedade. DA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO CONTRATO O direito primitivo já havia estabelecido costumes que regulavam os contratos, pois em uma tribo ou clã celebrava um acordo com outra tribo, para fornecimento de algum produto ou cessão de um direito e somente os chefes das tribos ou os comissários por eles designados que pactuavam em nome de toda a tribo, desta forma, em caso de descumprimento, todo o grupo-credor poderia exigir o cumprimento do grupo inadimplente. Na busca da evolução e em tratando-se de leis escritas, na antiga Mesopotâmia que nos deparamos com os primeiros enunciados conhecidos acerca dos contratos, as chamadas leis de Eshnunna, promulgadas provavelmente entre os anos de 1825 e 1787 a.c., já dispunham sobre a compra e venda, arrendamento e empréstimo a juros, todavia o Código de Hamurabi, elaborado anos mais tarde no Império Babilônico, provavelmente em 1758 a.c., também continha dispositivos semelhantes, regulamentando alguns contratos específicos, a execução destes contratos, as taxas de juros cobradas, bem como o preço de determinados serviços. Assim, prescreve o 268 do Código de Hamurabi que: Se um homem alugou um boi para semear o grão, seu aluguel será de 2 sutu de cevada, o correspondente a 20 litros de cevada, em outra passagem, é fixada a taxa máxima de juros, se o empréstimo foi de cevada, os juros serão de 33% (1/3 do bem emprestado), se o empréstimo foi de prata, a taxa máxima será de 20%. Nesta visão podemos logo inferir que o direito dos contratos existe desde que o homem deu início às primeiras comunidades, no entanto, é o Direito Romano o primeiro a sistematizar a regulação contratual, criando algumas categorias de contratos, pois isto significa que contratos específicos receberam tratamento normativo em sociedades anteriores à romana, mas será esta que estabelecerá as bases para a teoria contratual, aplicável a todos os contratos, definindo requisitos, garantias e classificações. Cabe ressaltar que o Direito Romano apresenta períodos bem distintos, que fazem com que a regulamentação do contrato varie bastante de época a época, sendo desta forma, que o contrato do direito romano

4 150 A evolução dos princípios contratuais e sua função social arcaico é muito diferente do pósclássico, mas vejamos sinteticamente esta evolução para traçarmos um entendimento evolucionário. O direito romano arcaico funda-se que o contrato era o ato que submetia o devedor ao poder do credor, em razão da forte presença de crenças religiosas, especialmente nos deuses domésticos, o cumprimento de um contrato era questão de honra e o vínculo jurídico era pessoal, levando o credor, em caso de inadimplemento, a atingir o corpo do devedor. O entendimento modifica-se no Direito Romano clássico, pois podemos perceber a utilização de três vocábulos para designar fenômenos semelhantes: convenção, contrato e pacto, onde a convenção era o gênero e as espécies eram o contrato e o pacto, pois os contratos eram convenções normatizadas, e por isso protegidas pela via da actio. Três eram as espécies contratuais: a) litteris, que exigia inscrição no livro do credor (denominado codex); b) re, que se fazia pela tradição efetiva da coisa; c) verbis, que se celebrava pela troca de expressões orais, como em um ritual religioso. Estes contratos tinham proteção judicial prevista pelo ius civile, podendo o credor reclamar via actio, sua execução. Havia, no entanto, outra categoria de convenção, com finalidades semelhantes, o pacto que era um acordo não previsto em lei e não exigia forma especial, nem era protegido pela actio. Durante a república romana e o alto império romano a visão do direito romano clássico, para os pactos era mais frequente onde foi criada proteção judicial, onde os pretores, através de seus editos, começaram a proteger os pactos mais frequentes, o que acabou por apontá-los a categoria de contratos, desta forma criou-se, então, uma nova espécie contratual, os contratus solo consensu, que envolviam venda, locação, mandato e sociedade. Para estes contratos bastava a emissão de vontade, sem nenhuma formalidade e por fim, algumas constituições imperiais também concederam proteção a alguns tipos de pacto. Na Idade Média, por influência do direito germânico, o inadimplemento comumente ensejava a escravidão ou a prisão, pois o direito feudal, elaborado e aplicado pelo senhor dentro dos feudos, pressupunha um contrato prévio celebrado entre senhor feudal e vassalo, pelo qual assumiam obrigações recíprocas, onde ao vassalo era dada uma porção

5 Maximilliam Mayolino Leão 151 de terra, que deveria ser cultivada mediante o pagamento de uma parcela da produção, em contrapartida o vassalo devia a seu senhor a fidelidade (abster-se de atos hostis ou perigosos contra o senhor), o auxilium (ajuda militar e material, nem sempre de caráter pecuniário) que, na maioria das vezes, apresentava-se sob a forma de auxílio militar (de homens e armamentos) ou com o consilium (obrigação de auxiliar ao senhor com conselho sempre que este convocava). O contrato feudo-vassálico era ato formal e simbólico e a entrega da coisa ou de algo que a representasse era essencial para que o contrato se efetivasse. Aos poucos, em razão do desenvolvimento do direito canônico, a vontade foi sobrelevada como fonte do direito contratual, onde a palavra empenhada fazia lei, e o contrato não era somente uma questão jurídica, mas religiosa, pois assim, a boa-fé era essencial e o povo temia o perjúrio, condenado pela Igreja, desta feita a frequência da utilização de juramentos em nome de Deus na formação contratual. Ao mesmo tempo em que se resgatava o Direito Romano clássico, através do Corpus Iuris Civilis, que exigia a formalidade na constituição do contrato, a Igreja estabelecia: ex nudo pacto, actio oritur, os costumes municipais dos séculos XIII e XIV, em cidades da Itália, França e Países Baixos, admitiram o consensualismo no direito dos contratos, embora glosadores e comentadores resistissem. Para que houvesse contrato, bastava o consenso, o acordo de vontades e o respeito à palavra dada fazia do contrato uma obrigação moral, pois com o jusnaturalismo, a obrigatoriedade dos contratos é reforçada como regra fundada na própria razão e que deve prevalecer nos direitos nacionais, pois o homem é senhor de seus atos; indivíduo autônomo, que não deve se submeter a nenhuma autoridade exterior, desta forma, o contrato seria a submissão a normas criadas pelo próprio indivíduo, sendo, portanto, legitimada pela vontade das partes, que livremente pactuavam. São estas as ideias que serão inseridas nos códigos modernos pelos iluministas, onde a burguesia, como forma de manter o Estado afastado de suas atividades, assume o jusnaturalismo racionalista como fundamento do Direito e a vontade é eleita como fundamento da sociedade moderna da formação do Estado à fundamentação do Direito. Assim, tanto o Direito Público quanto o Direito Privado viram o surgimento do dogma da vontade em seu alicerce; o contrato como funda-

6 152 A evolução dos princípios contratuais e sua função social mento da sociedade capitalista. No Direito Público, a formação do Estado fundou-se no contrato social que, segundo Rousseau, pretende aliviar o homem da infelicidade gerada pela passagem do estado natural para a sociedade política, pois o contrato social, constituído pela vontade geral, era fonte legítima para ordenação social. Nas relações privadas, a vontade como fundamento se repetia nas relações comerciais especialmente após o impulso dado pelo Direito Canônico à boa-fé, o ideal de justiça era consectário da vontade individual dos contratantes, pois, ao assumir uma obrigação, o devedor restringe sua liberdade, mas por intermédio de sua própria vontade. No final do século XIX, na França, Fouillée podia resumir a concepção reinante dizendo, em expressão que ficou célebre, que toda justiça é contratual e que quem diz contratual, diz justo toute justice est contractualle; qui dit contractuel, dit juste. A ideia kantiana de que a legitimidade do contrato, ou mesmo da lei, está no fato do homem impor normas a si mesmo, fundamentou toda a teorização da autonomia liberal, pois o estabelecimento do direito abstrato possibilitou ampla circulação de riquezas e o contrato garantiria liberdade e igualdade jurídicas, pois estas advinham da própria vontade dos contratantes, onde a liberdade por meio da auto-regulação de interesses e a igualdade, meramente formal, pelo objetivo de se criar um campo de atuação em que condições pessoais não influiriam. Depois do implemento do Estado Social, com a proteção à parte mais vulnerável nos contratos de massa e com a reação ao desrespeito aos direitos de personalidade, a vontade já não possui o mesmo status no mundo jurídico. O Estado passou a intervir na economia do contrato, permitindo a modificação de suas cláusulas, obrigando determinadas pessoas a contratar ou estabelecendo cláusulas. A derrocada do voluntarismo veio com a nova hermenêutica, especialmente com os filósofos e psicólogos que trabalham a compreensão e vêem a vontade como expressão culturalmente condicionada, pois se as pessoas celebram contratos, não é simplesmente porque desejam, mas porque são movidas por necessidades, ainda que falsas, fantasiosas. Deste intervencionismo do Estado Social, passamos à crise contratual, um momento de revisão teórica, onde a teoria clássica dos contratos

7 Maximilliam Mayolino Leão 153 não oferece resposta satisfatória para os contratos de massa e o conteúdo contratual não pode mais ser previamente discutido e, na maioria das vezes, é imposto por uma parte ou pela lei, que fixa um conteúdo básico. Neste contexto, a importância dos princípios contratuais se sobreleva a boa-fé, a autonomia privada e a função social do contrato demonstram a modificação sofrida ao longo do século XX. O contrato não é apenas instrumento econômico, mas instrumento que deve contribuir para o pleno desenvolvimento do ser humano. PRINCÍPIOS CLÁSSICOS APLICADOS AOS CONTRATOS Antes de tratarmos dos princípios informadores dos contratos, é preciso distinguir os princípios clássicos dos que vigoram hodiernamente, isso porque, no decorrer do tempo, a matéria sofreu grandes transformações, advindas, em sua maioria, de políticas econômicas adotadas nos diferentes períodos da história do homem. A principiologia clássica encontra fundamento no liberalismo, que congregava a sociedade em torno do laissez-faire e o centro das atividades era a liberdade do cidadão em detrimento do intervencionismo estatal, onde entendia-se o Estado como mal necessário que deveria ser reduzido, ao mesmo tempo em que a vontade, ou melhor, o acordo de vontades ganhava status de lei. Até o Estado-juiz sofreu as consequências do liberalismo, na medida em que se fortaleceu o princípio da legalidade como forma de conter a discricionariedade do Judiciário, pois a liberdade era vista na sua concepção formal, isto é, a preocupação era em se garantir, por meio de lei, a simples liberdade de acordar, sem se aferir a sua aplicação na prática. O mesmo ocorria com relação à igualdade, bastava à presunção de que todos eram iguais para que se tivesse como presente o princípio da igualdade, onde em decorrência dessas concepções, que perduraram até o início do século XX, podemos dizer que quatro são os princípios clássicos da Teoria Geral dos Contratos: o da autonomia da vontade; o da obrigatoriedade dos contratos; o da relatividade dos contratos; e o do consensualismo. A matéria, entretanto, não é pacífica, entendendo alguns, como Silvio Venosa, que o princípio da boa-fé também deve ser inserido nesse rol. A autonomia da vontade assegura às partes total liberdade para concluir

8 154 A evolução dos princípios contratuais e sua função social os seus contratos e funda-se na vontade livre, sob dois aspectos: o prisma da liberdade propriamente dita de contratar ou não, estabelecendo-se o conteúdo do contrato e a pessoa com quem contratar; e o da liberdade de escolha das partes quanto à modalidade contratual a ser adotada. O princípio da força obrigatória dos contratos, conhecido pela expressão pacta sunt servanda, informa-nos que o contrato válido e eficaz deve ser cumprido entre as partes e essa obrigatoriedade forma a base do Direito contratual, porquanto sem ela não haveria possibilidade de se exigir o cumprimento do contrato por viajudicial, tornando-o inútil. Decorre desse princípio a intangibilidade do contrato, consoante a qual não pode haver alteração unilateral nem interferência do juiz no seu conteúdo, onde o fundamento para tanto é o fato de as partes terem contratado de livre e espontânea vontade; deve, portanto, cumprir o estritamente acordado. A vontade livre e espontânea é vista como o cerne do acordo, a regra é que os contratos só atinjam as partes que dele participaram, eis o princípio da relatividade dos contratos que alcança também o seu objeto mediato, onde devemos entender como parte contratual aquela que estipulou diretamente o contrato, esteja ligada ao vínculo negocial emergente e seja destinatária de seus efeitos finais. O referido princípio não é absoluto, comporta exceções a ser expressas exemplos: a estipulação em favor de terceiro, as convenções coletivas e fideicomisso constituído por ato intervivos. Pelo princípio do consensualismo, considera-se celebrado o contrato no momento em que as partes chegam ao consenso, na conformidade com a lei, dispensa assim, qualquer formalidade adicional e obriga, desde já, os contratantes. O Direito romano, no início, só reconhecia como válido o contrato formal, solene, e posteriormente, evoluiu e passou a admitir contratos não solenes, desde que presente o consenso entre as partes. Numa fase posterior, mesmo os contratos formais perderam aquelas fórmulas. Num primeiro momento, estas caíram em desuso, restando apenas menção de que haviam sido cumpridas, pois essa menção era mais importante do que as próprias fórmulas, e num segundo momento, até mesmo a menção deixou de ser exigida, e o consensualismo tornou-se regra, pois assim, hoje a regra é a forma livre, devendo vir expressas em lei as exceções.

9 Maximilliam Mayolino Leão 155 PRINCÍPIOS MODERNOS DOS CONTRATOS No final do século XIX e início do século XX, nasce o chamado Estado Social, mas foi com a incidência do fenômeno da massificação no campo jurídico-contratual, que os conceitos da Teoria Clássica do Contrato foram reformulados. O liberalismo e o individualismo resultaram do capitalismo mercantilista, e com a revolução industrial, já no século XVIII, a sociedade se transforma e dois fenômenos importantes ocorrem: a urbanização e a concentração capitalista, esta consequência da concorrência, da racionalização. Esses fenômenos resultaram, mais tarde, na massificação das cidades, das fábricas, das relações de trabalho e de consumo, da própria responsabilidade civil (do grupo pelo ato de um indivíduo). A massificação dos contratos é, portanto, consequência da concentração industrial e comercial, a qual reduziu o número de empresas e aumentou em tamanho a massificação das comunicações e a crescente globalização acirraram a concorrência e o consumo, o que obrigou as empresas a reduzirem custos e acelerarem os negócios, desta forma as cláusulas contratuais gerais e os contratos de adesão passam a ser utilizadas com maior vigor. A massificação fez surgir um automatismo da vontade que deixa imperceptível o mecanismo desta, antes um baluarte do contrato, pois modernamente, os contratos se dão entre o indivíduo e um ente despersonalizado, cuja identidade só será conhecida à ocasião do inadimplemento, se houver; quando, então, importará a sua identificação para que seja coagido a cumprir a prestação. O elemento objetivo do contrato, em se tratando de contratos de massa, ganha proeminência sobre o elemento subjetivo e o exame do contrato, nessa hipótese, aproxima-se do inconsciente coletivo. O contrato de adesão, surgiu dessa necessidade de se contratar ao mesmo tempo com inúmeras pessoas idêntico objeto, mediante de cláusulas predispostas, que asseguram a agilidade do contrato. O consensualismo manifesta-se por simples adesão às cláusulas que foram apresentadas pelo outro contratante, enquanto não houver adesão ao contrato, as suas condições gerais não ingressam no mundo jurídico, onde há condições gerais dos contratos que podem, no entanto, emanar da vontade paritária das partes, do poder regulamentar do Estado ou da atividade de terceiros. O contrato de adesão é uma espécie do gênero contrato com cláusulas predispostas, onde o Código de Defesa do Consumidor, no art. 54,

10 156 A evolução dos princípios contratuais e sua função social conceitua o contrato de adesão, nos seus termos: é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu conteúdo. O legislador abrangeu em tal definição as estipulações unilaterais do Poder Público e as cláusulas redigidas prévia e unilateralmente por uma das partes, onde ademais, ao fato de haver inserção de alguma cláusula não desnatura o contrato de cláusulas predispostas, pois, para tanto, é necessário alteração substancial. Cabe ao legislador e ao julgador traçar os limites dessa imposição de cláusulas, tendo em vista a proteção do aderente, hipossuficiente, pois não se pode defender, hoje, uma total liberdade contratual porque a sociedade não mais a permite. Paradoxalmente, a plena liberdade contratual, nos dias atuais, se converteria na própria negação dessa liberdade, onde o Código de Defesa do Consumidor, preconizado pela Constituição Federal de 1988, em seu art. 5º, XXXII, trouxe uma série de disposições dirigidas ao contrato de adesão, principalmente no que tange às cláusulas abusivas. Além disso, foram trazidos, no bojo da mencionada lei, instrumentos eficazes em favor do consumidor, no tocante à responsabilidade objetiva do fornecedor e à possibilidade de inversão do ônus da prova. Princípios contratuais modernos vieram expressos no texto da lei, como é o caso do princípio geral da boa-fé, da obrigatoriedade da proposta e da intangibilidade das convenções. Ao coibir a vantagem exagerada do fornecedor, o Código traz à tona os princípios tradicionais da lesão nos contratos e da excessiva onerosidade, atualmente, também presentes no novo Código Civil. O microssistema apresentado pelo Código de Defesa do Consumidor coaduna-se perfeitamente com a principiologia moderna da Teoria Geral dos Contratos, que preconiza a harmonia entre os interesses particulares e públicos, do bem comum. É a acepção do contrato conforme a Teoria Preceptiva, segundo a qual deve ser ele cumprido em razão da sua repercussão social onde temse como cerne da eficiência do contrato a sua finalidade social. Os valores fundamentais da sociedade ocidental são a ordem, a justiça e a liberdade e com base neles, o contrato intenta promover o bem comum, o progresso econômico e o bem-estar social, onde a liberdade

11 Maximilliam Mayolino Leão 157 corresponde o princípio da autonomia privada da vontade, a ordem, o princípio da boa fé e a justiça, o princípio da justiça universal. O princípio da autonomia privada consiste na liberdade de as pessoas regularem, mediante contrato, seus interesses, respeitados os limites legais. Difere do princípio da autonomia da vontade porque neste todos são livres para decidir, como bem entenderem, sobre o contrato, o qual é visto como fenômeno exclusivamente volitivo, esta situação não ocorre na autonomia privada, pois nesta, a liberdade de contratar é bem menos ampla, uma vez que, por vezes, a lei impõe a certas pessoas o dever de contratar ou autoriza que apenas uma das partes estabeleça as cláusulas contratuais, como ocorre nos contratos de adesão. Decorrem da autonomia privada os princípios da confiança e a da auto-responsabilidade, onde o primeiro baseia-se no valor social da aparência: as partes têm de ter segurança ou a confiança de que o contrato será cumprido, mesmo que à força. O princípio da auto-responsabilidade informa que haverá responsabilidade de alguém, se lhe for imputável a situação objetiva criada, onde em outras palavras, desde que uma pessoa declare sua vontade livremente, de acordo com a lei, será responsável por ela, pois ao declarar sua vontade, o indivíduo se auto-responsabiliza pela sua manifestação. O princípio da boa-fé divide-se em boa-fé objetiva e subjetiva, onde esta consiste em crenças internas, conhecimentos e convicções próprias, a boa-fé objetiva baseia-se em fatos de ordem pública, sendo este princípio o mais utilizado e adotado pela Teoria Geral dos Contratos. Corresponde ao dever imposto às partes de agir de acordo com certos padrões de correção e lealdade, o aludido princípio tem diversas funções, dentre elas se destacam, a interpretativa, a integrativa e de controle, onde na primeira, o princípio determina que os contratos devam ser interpretados em seu sentido objetivo aparente, salvo quando o destinatário conheça a vontade real do declarante. Se resultarem dúvidas dessa operação, deve ser preferido o significado que a boa-fé objetiva aponte, a função integrativa que consiste em integrar os deveres, poderes, direitos e faculdades primárias e secundárias. Em sua função de controle, o princípio informa que o credor, no exercício de seu direito, não pode exceder os limites impostos pela boa-fé, sob pena de proceder ilicitamente.

12 158 A evolução dos princípios contratuais e sua função social A função de controle tem a ver com as limitações da liberdade contratual, da autonomia da vontade em geral e com a teoria do abuso de direito, adotada expressamente pelo novo Código Civil. A frustração do fim contratual objetivo e a impossibilidade econômica da prestação podem dar ensejo à extinção do contrato por violar o princípio da boa-fé. Por fim, dentro da principiologia moderna, temos o princípio da justiça contratual, consoante o qual deve haver sempre relação de paridade nos contratos comutativos, de sorte que nenhuma das partes dê mais ou menos do que recebeu. A equidade é fundamental ao princípio da justiça contratual pode ser formal ou substancial (material), onde a primeira preocupa-se com a igualdade de oportunidades no momento da contratação, e a segunda preocupa-se com o efetivo equilíbrio do contrato, que baseia-se em dois outros princípios, o princípio objetivo da equivalência entre prestação e contraprestação e o princípio da distribuição equitativa dos ônus e riscos. Pode-se dizer que, salvo casos excepcionais, presente o princípio da justiça formal, presume-se presente o da justiça substancial, porem há casos em que essa presunção inexiste, por haver desequilíbrio manifesto, e nessas hipóteses, à parte supostamente beneficiada caberá o dever de provar que houve justiça contratual. Dentre os exemplos podemos apontar, os vícios de consentimento, incapacidade de uma das partes, lesão, estado de perigo, contrato de adesão e padronizados, em todos esses casos falta a justiça formal; desequilíbrio contratual futuro, falta a justiça substancial. DA FUNÇÃO SOCIAL E ATUAL DOS CONTRATOS Tendo em vista a síntese histórica, importante para compreender as funções desempenhadas pelos contratos em nossos dias, sem sombra de dúvida, a função econômica e social dos contratos em nossa sociedade de consumo é enorme, a ponto de afirmarmos que sem o contrato, nossa sociedade capitalista não existiria. O contrato é instrumento de circulação de riqueza, ajudando a distribuir a renda e a gerar empregos, pois em uma perspectiva contemporânea, contrato é um conceito funcional e, como tal, desempenha importante papel social.

13 Maximilliam Mayolino Leão 159 A função social do contrato, erigida modernamente a princípio, coloca em foco a dimensão coletiva, não se limitando à satisfação de necessidades individuais dos contratantes. Esses conceitos, ditos funcionais, operam relacionando dois planos, onde o plano normativo e o plano da realidade social se estruturam pois é equívoca, portanto, a leitura de institutos civis sob a perspectiva puramente estrutural das categorias, conceitos e institutos devem ser lidos à luz da função exercida. É essa a grande viragem do direito moderno, uma passagem de uma concepção estrutural do direito em favor de uma postura funcionalizada, onde sobreleva a atuação social dos direitos. O princípio da função social do contrato evidencia a funcionalização do contrato, fazendo devolvê-lo à sua tarefa original, às vezes esquecida nos caminhos do individualismo. O contrato, além da realização de interesses privados, deve contribuir para edificação do ser humano digno, pois ainda, a função pedagógica do contrato, entendendo-o como meio de socialidade, exercitando os relacionamentos sociais sadios. Envolve uma noção de respeito ao outro, a si mesmo e ao ordenamento, já que se empenha a própria palavra, aproximam os homens, abate suas diferenças. As cláusulas contratuais dão aos contratantes noções de respeito ao outro e a si mesmos, visto que, afinal, empenharam sua própria palavra. Por meio dos contratos, as pessoas adquirem do direito como um todo, pois, em última instância, um contrato nada mais é do que a miniatura do ordenamento jurídico, em que as partes estipulam deveres e direitos, através de cláusulas, que passam a vigorar entre elas. PRINCÍPIO DA FORÇA OBRIGATÓRIO DOS CONTRATOS (PACTA SUNT SERVANDA) O princípio da Força Obrigatória dos Contratos, que recebe também nomes como Pacta Sunt Servanda, princípio da Força Vinculante dos Contratos, princípio da Intangibilidade dos Contratos ou princípio da Obrigatoriedade das Convenções, encontra seu fundamento de existência na vontade que faz nascer os contratos. Considerando-se que contratos são acordos bilaterais ou plurilaterais nos quais as partes convergem suas vontades para a obtenção de um

14 160 A evolução dos princípios contratuais e sua função social fim patrimonial específico que pode se concretizar na criação, modificação ou extinção de direitos e obrigações, desde que haja efetiva possibilidade de apreciação econômica dos mesmos, uma vez convencionados os limites do contrato ficam as partes ligadas pelo vínculo da vontade que as uniu. O referido vínculo o qual une os contratantes, apesar de não estar positivado no ordenamento jurídico brasileiro, acaba sendo tutelado pela Justiça em razão de ser considerado um princípio geral do Direito, de caráter universal transcendente, de forma que estipulado validamente seu conteúdo, vale dizer, definidos os direitos e obrigações de cada parte, as respectivas cláusulas têm, para os contratantes, força obrigatória. Por este motivo é tão difundido o brocardo que afirma que o contrato faz lei entre as partes, onde cumpre ressaltar que o princípio da Força Obrigatória dos Contratos somente passa a reger as convenções se todos os requisitos de existência, validade e eficácia dos contratos tiverem sido observados. Cabe apontar que, em suma, se os agentes forem capazes, o objeto for lícito, possível e determinado ou determinável, a forma for prescrita ou não-defesa em lei, e a vontade das partes for real, ou seja, a obrigação tiver sido pactuada de forma livre e espontânea. Assim, o princípio da Força Obrigatória dos Contratos impõe a observância de todas as obrigações pactuadas pelas partes contratantes, sob pena de a parte inadimplente responder com seu patrimônio pelo prejuízo que a outra sofrer. Somente justificariam o não-cumprimento das convenções a força maior, o caso fortuito ou a invocação do direito de arrependimento, quando o mesmo tivesse sido expressamente previsto pelos contratantes. Destarte, uma das mais importantes consequências do princípio da Força Obrigatória dos Contratos é a impossibilidade de alteração do conteúdo pactuado, ou seja, a imutabilidade ou intangibilidade das cláusulas contratuais, que somente seriam apreciadas judicialmente no caso de estarem eivadas de nulidade ou vício de vontade. Pois bem, a finalidade do princípio da Força Obrigatória dos Contratos é outorgar segurança aos negócios jurídicos, incentivando a sua concretização, tendo em vista que a possibilidade de execução do patrimônio da parte inadimplente torna os contratos celebrados no ordenamento brasileiro confiáveis perante os olhos da parte prejudicada, além de garantir a existência do princípio da Autonomia da Vontade. Entretanto, o princípio da Força Obrigatória dos Contratos vem so-

15 Maximilliam Mayolino Leão 161 frendo atenuações no direito brasileiro em razão tanto do espaço conquistado pelo princípio da Isonomia, que exige o tratamento desigual de partes desiguais em força, de modo a assegurar o equilíbrio entre as mesmas, quanto do surgimento da acima mencionada Teoria da Imprevisão que autoriza a intervenção judicial nos casos em que a realidade dos fatos se alterar de modo não-previsto pelos contratantes, prejudicando o cumprimento do pactuado. Portanto, face a estes princípios, há conclusão de que o princípio da Força Obrigatória dos Contratos não pode mais ser encarado de forma absoluta. DA REVISÃO DO CONTRATO Embora os princípios da obrigatoriedade e da intangibilidade dos contratos continuem a ser regra na Teoria Geral dos Contratos, há, atualmente, algumas situações que autorizam uma das partes a descumpri-lo, sem que o outro contratante tenha contribuído para gerar as circunstâncias anormais autorizadoras do inadimplemento ou da alteração no objeto do contrato. A teoria da imprevisão e a quebra da base negocial fornecem diferentes subsídios para as hipóteses e pela primeira vez, a revisão do contrato está autorizada quando houver onerosidade excessiva decorrente de evento superveniente, extraordinário e imprevisível que torne insuportável o adimplemento do pacto para uma das partes. Temos entendido que, havendo anormalidade na construção que todo contrato dependente do futuro encerra, pode-se operar a redução das suas prestações, onde pela teoria da quebra da base negocial, a revisão está autorizada sempre que os legítimos interesses do contrato forem frustrados ou se desaparecer a relação de equivalência entre o fim essencial deste e as partes, pode se tratar de fato superveniente, anormal, ainda que previsível, que torna impraticável a prestação e desequilibra o contrato. Assim, para se atender ao pleito fundado na referida teoria, é preciso analisar se foi atingida a base do negócio, se ocorreu situação anormal, se a economia contratual foi afetada, se a situação adversa não é imputável ao contratante, se a contratação não atribuiu a uma das partes o ônus do evento futuro e, por fim, se ocorreu onerosidade excessiva. Podemos ainda entender, que o Código de Defesa do Consumidor adotado expressamente, em seu art. 6º, n. V, a Teoria da Quebra da Base Negocial, que não exige a imprevisibilidade do evento causador do de-

16 162 A evolução dos princípios contratuais e sua função social sequilíbrio, onde o Supremo Tribunal Federal vem admitindo a cláusula rebus sic stantibus como implícita somente em contratos com pagamentos periódicos sucessivos de ambas as partes ao longo do prazo dilatado, desde que ocorra alteração profunda e inteiramente imprevisível das circunstâncias existentes ao tempo da celebração do negócio. A esfera judicial deve dar preferência ao reequilíbrio contratual em detrimento da sua resolução, porquanto, todo contrato tem uma função social e o clássico princípio da intangibilidade merece ser relido, na medida em que tal esfera está autorizada a alterar o conteúdo contratual quando necessário para se estabelecer o equilíbrio. CONCLUSÕES FINAIS Certos e evidente que o contrato assume, hodiernamente, funções diversas das que perpassaram este instituto ao longo de séculos. Da solidariedade clânica dos tempos antigos, o contrato assumiu um caráter muito mais geral com os romanos, com preocupação precipuamente processual; recebeu influência voluntarista do direito canônico e do Iluminismo; e acabou por ser devidamente instrumentalizado na busca pela efetivação da dignidade da pessoa humana. Ao afirmarmos que o contrato é elemento contribuinte da dignidade humana, condicionado pela função social, não estamos reiterando posições acerca do ocaso do direito privado. O contrato é instrumento de realização de interesses privados, prevalentemente, porém estes interesses só podem ser tutelados se não ofenderem interesses sociais. Observados de outra matriz ou outra forma, às vezes cumprir a função social do contrato é tão-somente adimplir com a obrigação, satisfazendo o credor; pois sua satisfação pode ser parte integrante e essencial na construção da sociedade livre e fraterna, posta constitucionalmente. Desta forma o grande erro em se afirmar que o interesse social sobrepõe-se ao interesse particular é integrante daquele e, não raras vezes, estar de acordo com o interesse social é satisfazer o interesse particular. Não devemos descaracterizar o contrato como instrumento de realização privada, mas impedir que seja meio egoísta de opressão da parte mais fraca. A evolução principiológica dos contratos, embora tenha ganhado forte impulsão com o Código de Defesa do Consumidor e o recente Código Civil

17 Maximilliam Mayolino Leão 163 Brasileiro, é muito mais um fenômeno social do que propriamente jurídico. A realidade mais uma vez se antecipou ao legislador, a quem coube adequar a legislação aos fatos. De certo, hodiernamente, não há como se entender o contrato como simples forma de gerir interesses privados, pois o interesse público está indiscutivelmente associado ao papel dos diversos tipos de contrato, principalmente àqueles cujas cláusulas são predispostas unilateralmente. Entendo ainda que não é razão pela qual o Código de Defesa do Consumidor atribuiu ao Ministério Público legitimidade para tutelar os interesses individuais homogêneos, que, apesar de não serem coletivos propriamente ditos, mereceram do legislador um tratamento equiparado. Assim, o Código de Defesa do Consumidor rompeu com a velha dicotomia entre o interesse privado e o interesse público, devendo-se compreender que muitos interessem aparentemente privados encerram um interesse público que justifica a imposição de normas cogentes e uma maior interferência do Poder Judiciário. As normas reguladoras dos contratos não mais podem ser entendidas como meramente de Direito Privado, porque as relações contratuais geram uma série de consequências para toda a sociedade, fazendo surgir o interesse público na sua adequada e efetiva regulação. Em uma visão comparada da codificação civil argentina no Libro segundo de los derechos Personales en las relaciones civiles, percebemos a grande influencia e semelhança em seus títulos e capítulos em sua Sección Tercera De las obligaciones que nacen de los contratos, percebemos a total imersão latina e romana na construção conceitual da legislação, desta forma concretizando que os princípios contratual e sua função social são pilares arquitetados as este instrumento jurídico de forma universal. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALTERINI, Atílio Aníbal. Os contratos de consumo e as cláusulas abusivas. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo, v. 15, p. 5-19, jul./set., AZEVEDO, Álvaro Villagra. Curso de Direito Civil. v. 9. São Paulo: Revista do Tribunais, BITTAR, Carlos Alberto. Direito dos Contratos e dos Atos Unilaterais. Rio de Janeiro: Forense, 1990.

18 164 A evolução dos princípios contratuais e sua função social BOUZON, Emanuel. O Código de Hammurabi. 8. ed. Petrópolis: Vozes, CABANELLAS, Guillermo de las Cuevas. Contratos de Licencia y transferência de tecnologia en el derecho econômico 2. ed. Buenos Aires: Heliasta, CASTRO, Flávia Lages. História do direito: geral e Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. São Paulo: Saraiva, DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Teoria geral das obrigações. 16. ed. São Paulo: Saraiva, DRUCKER, Peter. Management Challenges for the 21st Century. São Paulo: Campus, FELICIANO, Neto Acácio. Sistemas Flexíveis de Informação. São Paulo: Makron Books, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio. 2. ed. 23. impr. Rio de Janeiro: JEMM Editores Ltda, FONSECA, João Bosco Leopoldino. Cláusulas abusivas nos contratos. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, FRANCO, Mário Magyar. Microsoft Windows NT Server Resource Kit, versão 4.0, suplemento um / Microsoft. Ariovaldo Griese (Trad.). Revisão técinca. São Paulo: Makron Books, FUHRER, Maximilianus Cláudio Américo. Resumo de Obrigações e Contratos. São Paulo: Malherios, GIANESI, Irineu G. N. Administração Estratégica de Serviços. Rio de Janeiro: Campus, GOMES, Orlando. Obrigações. Rio de Janeiro: Forense, HILES, Andrew. The Definitive Handbook of Business Continuity Management. ed. IT Purchasing EURIM Group in handling European legislation impacting I.T., KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. João Baptista Machado (Trad.). 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, LEÃO, MAXIMILLIAM MAYOLINO. SLA a Ferramenta que faltava para a garantia dos serviços. A Gazeta, Cuiabá, 13 mar., Disponível em: <http://www.agazeta.com.br/internacional/inf01.htm >. Acesso em: 13 de mar

19 Maximilliam Mayolino Leão 165 LEÃO, MAXIMILLIAM MAYOLINO. Um Estudo Sobre a Concepção e Desenvolvimento do Acordo de Nível de Serviço para Ambientes de Redes de Computadores. Dissertação Mestrado Universidade Federal de Santa Catarina, LEÃO, MAXIMILLIAM MAYOLINO. O Direito como instrumento de garantia dos serviços de tecnologia. AMAMJUS Revista da Magistratura Mato-Grossense, ano III, edição nº 12, setembro de LIMA, Luiz Ronaldo. SLA é a nova arma, Telecom Negocios. Setembro 2001, ano 2, nº 2. Disponível em: <http://www.telecomnegocios.com.br/conexão.htm>. Acesso em: 22 set LORENZETTI, Ricardo Luis. Tratado de los contratos-parte general. Santa Fe: Editorial Rubinzal y Culzoni, MARTINHO, Murilo. Reestruturação Administrativa da Informática. Network Computing. Disponível em <http://www.networkcomputing.com.br/editorial.htm>. Acesso em: 14 abr MENDONÇA, Inácio Carvalho de. Contratos no Direito Brasileiro. 4.ed. Tomo I. Rio de Janeiro: Forense, MOSSET ITURRASPE, Jorge. Contratos. 5. reimp. Santa Fe: Rubinzal-Culzoni, NORONHA, Fernando. O direito dos contratos e seus princípios fundamentais: autonomia privada, boa-fé, justiça contratual. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, Djalma De Pinho Rebouças. Sistemas Organização e Metodos. São Paulo: Atlas, RIBEIRO, José Eduardo. Consolidação de Sistemas. Network Computing. Disponível em: <http://www.networkcomputing.com.br/desafios.htm>. Acesso em: 27 jan RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: parte geral Das obrigações. 30. ed. São Paulo: Saraiva, SALERNO, Marcelo Urbano. Contratos Civiles y Comerciales. Buenos Aires: Educa, SAMPAIO, Rogério Marrone de Castro. Direito Civil Contratos. 5. ed. São Paulo: Atlas, SCHWEITZE, Cristiane Maria. Informações de Desempenho e Acordo de Níveis de Serviço para Redes de Transportes PDH e SDH. Dissertação de Mestrado, CEFET-PR, 1999.

20 166 A evolução dos princípios contratuais e sua função social SILVA, Maria Gabriela Campos. Empresas Brasileiras acordam para o SLA. Computerworld. 14 de março de 2001, p. 12. SILVA, Mário Gomes. Gerenciando Rede com Windows. São Paulo: Erica, SIQUEIRA, Ethevaldo. Corporações adotam SLA. Telecom Negocios. Ano 3, n. 9. Disponível em: <http://www.telecomnegocios.com.br/vivavoz.htm> Acesso em: 15 abr STURM, Rick; MORRIS, Wayne; JANDER, Mary. Foundations Of Service Level Management. Rio de Janeiro: Campus, TEIXEIRA JÚNIOR, José Helvécio. Redes de Computadores. Servicos, Administração e Segurança. Rio de Janeiro: Campus, VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: teoria geral das obrigações e teoria geral dos contratos. 2. ed. São Paulo: Atlas, WALD, Arnaldo. Curso de Direito Civil Obrigações e Contratos. v. 2. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

Notas sobre a Função do Contrato na História

Notas sobre a Função do Contrato na História Notas sobre a Função do Contrato na História Bruno Torquato de Oliveira Naves Mestre e Doutorando em Direito Privado pela PUC Minas, Professor de Direito Civil e História do Direito na PUC Minas, unidades

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS

UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS UMA PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO PARA AS FORMAS DE EXTINÇÃO DOS CONTRATOS Elaborado em 06.2007. Bruna Lyra Duque Advogada e consultora jurídica em Vitória (ES), mestre em Direitos e Garantias Constitucionais

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970 CURSO DE DIREITO 2º SEMESTRE 2013 PERÍODO: 4º DISCIPLINA: Direito Civil III - Teoria Geral dos Contratos e Responsabilidade Civil CARGA HORÁRIA TOTAL: 80 h/a. CRÉDITOS: 04 PROFESSORA: MÁRCIA PEREIRA COSTA

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Atos administrativos Parte 2

Atos administrativos Parte 2 Parte 2 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

garante: respeito/consideração implica: direitos/deveres

garante: respeito/consideração implica: direitos/deveres 1 UNIDADE II PRINCÍPIOS DO DIREITO CONTRATUAL P R I N C Í P I O S 1) PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA 2) PRINCÍPIO DA AUTONOMIA DA VONTADE 3) PRINCÍPIO DO CONSENSUALISMO 4) PRINCÍPIO OBRIGATORIEDADE

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 6 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DOS CONTRATOS Curso Graduação Período 5º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código

Leia mais

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Por Bruno Dias Carvalho, coordenador do núcleo Contratos do Marcelo Tostes Advogados O progressivo desenvolvimento da economia mundial

Leia mais

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Moisés da Silva Advogado Pós-graduando em Direito Processual e em Direito do Estado 59 EXCERTOS Se a instituição financeira presta

Leia mais

Atos administrativos Parte 1

Atos administrativos Parte 1 Parte 1 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade, Vigência, Eficácia e Vigor 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade Sob o ponto de vista dogmático, a validade de uma norma significa que ela está integrada ao ordenamento jurídico Ela

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes DIREITO CIVIL III - CONTRATOS TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Extinção dos Contratos (Desfazimento da Relação Contratual) Março/2011 Prof a. Mestre Helisia Góes TRANSITORIEDADE CONTRATO EXTINÇÃO como toda obrigação,

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d GILBERTO KERBER Professor e advogado. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Curso de Graduação e de Pós-Graduação de Direito da Universidade Regional Integrada do

Leia mais

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS.

www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. www.brunoklippel.com.br QUESTÕES COMENTADAS DE DIREITO DO TRABALHO PARTE 1 PRINCÍPIOS. 1. MEUS CURSOS NO ESTRATÉGIA CONCURSOS: Estão disponíveis no site do Estratégia Concursos (www.estrategiaconcursos.com.br),

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA:

CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: 1. PERGUNTA: CONSULTA N. 605/2014 CONSULENTE: UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA EMENTA: Contrato. Obras e serviços de engenharia. Faturamento em nome de fornecedor/fabricante que não participou da licitação.

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo 1 Contrato de Fiança. 1 Geli de Moraes Santos M. Araújo Sumário: Resumo. 1. Introdução. 2. Natureza jurídica da fiança. 3. Espécies de fiança. 4. Requisitos subjetivos e objetivos. 5. Efeitos da fiança.

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS THALES PINTO GONTIJO 1 Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, por meio da

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento

Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento Hugo Tavares e Patrícia Ferreira Parecer: Direito do Trabalho / transmissão de estabelecimento VERBO jurídico VERBO jurídico Parecer: Direito do trabalho e transmissão de estabelecimento : 2 Parecer: Direito

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 Thiago Ricci de Oliveira ricci.thiago@hotmail.com FACULDADE MARECHAL RONDON/UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR 1 DEFINIÇÃO DE PESSOA Para bem entender a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade 305 Márcio Olmo Cardoso 1 O contrato é um acordo de vontade que gera obrigações (efeitos jurídicos) de natureza jurídica bilateral; ou seja,

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Concursos públicos e o TCE

Concursos públicos e o TCE fixado em consonância com os princípios do amplo acesso ao concurso público e da competitividade. Dessa forma, e mormente considerando que no caso focado nem mesmo há previsão para inscrição via internet,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil DIREITO CIVIL Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil 1 2 GILBERTO KERBER Advogado. Conselheiro Estadual OAB/RS. Mestre em Direito pela UFSC. Coordenador do Curso de Direito CNEC-IESA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Data: 23/03/2010 Estudo dirigido Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi

NOVAÇÃO. Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi DIREITO CIVIL NOVAÇÃO Ana Lúcia Boneto Ciappina Laffranchi Através do conteúdo que se segue, tento fazer um breve, porém proveitoso apanhado sobre a novação, principalmente no tocante à forma como o assunto

Leia mais

Sumário. Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27

Sumário. Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27 PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27 Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL Capítulo I INTRODUÇÃO A TEORIA GERAL DOS CONTRATOS... 31 1. O Direito Civil Constitucional... 31 1.1. O Direito Civil na Feição

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS

A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS A CLÁUSULA DE MELHORES ESFORÇOS NOS CONTRATOS SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Com muita freqüência, por tradução, influência ou injunção do direito anglo-saxão, encontramos em contratos aqui redigidos ou cujos

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2UNIVERSALIDADE DE COBERTURA

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. Dr. Nechar ) Obriga as pessoas jurídicas inscritas no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda - CNPJ/M.F - à contratação de seguro de vida para

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 031/2015. Teresina (PI), 04 de março de 2015. Assunto: Projeto de Lei nº 029/2015 Autor: Vereadora Teresa Britto Ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade, no âmbito do Município de Teresina,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

Teoria Geral das Obrigações. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Teoria Geral das Obrigações. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Teoria Geral das Obrigações Objetivos A presente aula tem por objetivo apresentar a teoria geral das obrigações iniciando-se com um breve relato sobre o Direito das Obrigações, seguindo-se para os elementos

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO Introdução O Direito Administrativo reservou a expressão contrato administrativo para designar os ajustes que a Administração Pública celebra

Leia mais

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Antônio Carlos Cintra do Amaral Indaga-me a Consulente se pode estabelecer, em contrato de empreitada para execução de obras e serviços em

Leia mais

I Notas básicas para compreensão da questão Vamos a algumas premissas históricas, básicas e óbvias para a compreensão do problema:

I Notas básicas para compreensão da questão Vamos a algumas premissas históricas, básicas e óbvias para a compreensão do problema: OPINIÃO Estatuto da Pessoa com Deficiência causa perplexidade (Parte I) 6 de agosto de 2015, 19h02 Por José Fernando Simão Em 6 de julho de 2015, foi publicada a Lei Ordinária 13.146, que institui a Inclusão

Leia mais

A APLICAÇÃO DO REGIME DE CAIXA NA APURAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE AS VERBAS PAGAS A DESTEMPO, ACUMULADAMENTE, POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL

A APLICAÇÃO DO REGIME DE CAIXA NA APURAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE AS VERBAS PAGAS A DESTEMPO, ACUMULADAMENTE, POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL A APLICAÇÃO DO REGIME DE CAIXA NA APURAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE AS VERBAS PAGAS A DESTEMPO, ACUMULADAMENTE, POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL Nelson Yoshiaki Kato 1 RESUMO: O presente artigo aborda a

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial.

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Empresarial / Aula 14 Professor: Thiago Carapetcov Conteúdo: - Falência: Efeitos da sentença em relação aos contratos. Falido e bens. Sentença Positiva - Decretação

Leia mais