Os Requisitos de Negócio levantados pela área requisitante são os seguintes:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Requisitos de Negócio levantados pela área requisitante são os seguintes:"

Transcrição

1 Os Requisitos de Negócio levantados pela área requisitante são os seguintes: I. Requisitos de Negócio (que independem de características tecnológicas e definem as necessidades dos serviços e os aspectos funcionais da solução de TI): a) A solução deverá resgatar o alinhamento entre a área de negócio e a área de TI, uma vez que esta não pode implantar sistemas sem conhecer o negócio daquela, e aquela não pode implantar nada sem o suporte desta. b) A solução de Tecnologia da Informação será composta de uma ferramenta para automação da gestão de processos, além dos serviços de treinamento e identificação, modelagem, simulação, publicação, execução conforme a modelagem, monitoramento da execução e melhoria contínua de processos de negócio. c) A solução deverá concorrer para o aperfeiçoamento contínuo de processos de negócio, permitindo sua evolução na medida da evolução das necessidades de negócio e da maturidade em gestão de processos. d) A solução deverá possibilitar a automatização de atividades em que a interação humana agregue pouco valor à realização da tarefa. Alguns exemplos disso seriam o preenchimento de formulários de viagens a serviço, no SCDP (Sistema de Concessão de Diárias e Passagens) ou a consulta e inserção manual de dados no SAV (Sistema de Administração de Veículos). e) A solução deverá gerir as transições de estados, execução de tarefas e o manuseio da bandeja de entrada de tarefas de cada usuário. f) A solução deverá identificar, selecionar de forma balanceada e enviar informações e documentos eletrônicos automaticamente para os participantes das próximas atividades dos processos de negócio. g) A solução deverá permitir o gerenciamento e controle dos fluxos de processo de fiscalização. II. Requisitos de Capacitação (que definem a necessidade de treinamento presencial ou à distância, carga horária e entrega de materiais didáticos): a) A solução englobará capacitação em notação BPMN e modelagem de processos de negócio (BPM - Business Process Modelling) e formação de suporte para a ferramenta de automação. b) A capacitação para formação de suporte para a ferramenta de automação da gestão de processos deverá ser o treinamento oficial do fabricante da ferramenta para automação da gestão de processos ou outro com conteúdo e carga horária similar ao treinamento oficial do fabricante da ferramenta. III. Requisitos Legais (que definem as normas às quais a solução de TI deverá respeitar):

2 a) A modelagem de processos de negócio e a ferramenta de automação da gestão de processos deverão possuir alinhamento com as orientações constantes no Guia de Gestão de Processos de Governo, disponível no endereço b) A solução de TI deverá estar alinhado com as premissas, políticas e especificações técnicas que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) na interoperabilidade de serviços de Governo Eletrônico definidas no e-ping, quando aplicáveis. IV. Requisitos de Manutenção e Garantia (que independem de configuração tecnológica e definem a necessidade de serviços de manutenção preventiva, corretiva, evolutiva e adaptativa): a) As licenças de uso da solução deverão englobar manutenção e atualização de versão por 12 meses, a contar da data de instalação das mesmas. b) O fabricante da ferramenta deverá disponibilizar acesso ao repositório de programas contendo correções, atualizações recentes, drivers, programas de controle, biblioteca técnica eletrônica, fóruns de debates e informações sobre os produtos, disponíveis 24 horas ininterruptas. V. Requisitos de Segurança da Informação: a) A documentação dos sistemas, dos controles de segurança e das topologias dos ambientes deve ser mantida atualizada e protegida, mantendo-se grau de sigilo compatível. VI. Requisitos Sociais, Ambientais e Culturais (que definem requisitos que a solução de TI deve atender para respeitar necessidades específicas relacionadas a costumes, idiomas e ao meio ambiente): a) A solução deverá permitir a automatização de processos de forma que os participantes possam realizar suas tarefas sem limitações impostas por barreiras físicas ou geográficas e participar cooperativamente, ainda que à distância. Os Requisitos Tecnológicos especificados pela área de TI foram os seguintes: VII. Requisitos Temporais: a) Na automação de processos da fiscalização, a solução deverá permitir o planejamento, execução e controle de ações de fiscalização que contemplem um ou mais exercícios financeiros, uma vez que a ação se trata de um evento não necessariamente englobado dentro de um único exercício financeiro. VIII. Requisitos de Segurança da Informação: a) O repositório central de processos de negócio deverá contar com controle de acesso e segurança a cada processo de negócio, de forma que somente usuários

3 autorizados possam acessar a base de acordo em observância a seus direitos de acesso (leitura, alteração, exclusão etc). b) A solução deverá suportar acesso ao repositório central de processos de negócio por meio da intranet corporativa da Agência. O acesso às instâncias de execução dos processos mapeados, entretanto, deverá também ser possível a partir da Internet, visto que podem ser de interesse direto da Sociedade ou de cidadãos. c) A solução deverá permitir a construção de sistemas com diferentes perfis de acesso às funcionalidades que implementar. d) A publicação dos processos de negócio deverá observar as regras de segurança e controle de acesso do repositório central de processos de negócio. e) A solução deverá permitir a construção de sistemas que garantam aos usuários a autenticidade do conteúdo por meio de emissão de certificado digital, conforme padrões preconizados pela ICP - Brasil (http://www.iti.gov.br). Nesse sentido, todos os sítios web produzidos pela solução deverão obrigatoriamente utilizar "https" ao invés de "http". f) A solução deverá permitir a construção de sistemas que preservem a privacidade das informações do cidadão, empresas e órgãos de governo, respeitando e cumprindo a legislação que define as restrições de acesso e divulgação. IX. Requisitos de Arquitetura Tecnológica: a) A solução deverá possuir um framework que permita a implementação de regras de negócios, provendo controles de integridade sobre as execuções dos respectivos processos de negócio e automatizando-os fielmente, sem possibilidades de infrações às regras de integridade do processo por fraude, desconhecimento ou negligência, respeitando a ordem das atividades que os compuserem. Deverá garantir a realização das atividades previstas e das condições necessárias para seus encerramentos, respeitadas as alçadas de decisão, com controle sobre os papéis e responsabilidades dos diferentes participantes relacionados. b) A arquitetura da solução deverá facilitar a integração entre sistemas orientando a criação e disponibilização de soluções modulares e com pouca dependência de outras funções e aplicações (sistema fracamente acoplado). c) A solução deverá permitir a classificação e catalogação de processos de negócios com base em metadados, de forma a auxiliar a navegação no repositório de processos ou a realização de pesquisas avançadas. d) A solução deverá gerar e manter automática das bases de dados relacionais necessárias à execução dos processos de negócio mapeados. e) A solução deverá permitir a geração de aplicações para diferentes plataformas, a serem executada não apenas em estações de trabalho, mas também em dispositivos móveis (smartphones, PDAs e tablets), permitindo assim sua

4 utilização em campo. As informações inseridas de forma off-line deverão ser passíveis de sincronização após a retomada da conectividade. f) Durante a utilização da ferramenta em dispositivos móveis, os dados colhidos em campo (por exemplo novas entidades irregulares, irregularidades do auto de infração e informações registradas em campos de observação durante a realização de fiscalizações) possam ser importadas do sistema do dispositivo móvel, ajudando a manter assim atualizadas as bases de dados relacionais necessárias à execução dos processos de negócio mapeados. g) A solução deverá permitir que os processos de negócio modelados sejam disponibilizados para execução automatizada sem a necessidade de desenvolvimento de código de programação. As exceções onde algum nível de programação seria aceitável são: i) Implementações de busca ou envio de informações em sistemas legados, para disponibilizar dados a processos de negócio modelados na ferramenta; ii) Melhorias de interfaces gráficas que reduzam o esforço de interação do usuário com o processo (como busca de valores existentes, cálculos etc), as quais não possam ser implementadas com os recursos básicos de telas/formulários disponibilizados pela ferramenta; e iii) Necessidades de se efetuar cálculos complexos, além da capacidade nativa da ferramenta de automação da gestão de processos. h) A solução deverá possibilitar a substituição de qualquer componente ou produto usado nos pontos de interligação por outro de especificação similar, sem comprometimento das funcionalidades do sistema. i) A construção do modelo de dados de alto nível da solução deverá observar a metodologia, padrões de notação e modelo de governança preconizados pelo Modelo Global de Dados (MGD), disponível no sítio Tal requisito possibilitará a substituição ordenada dos atuais sistemas estruturantes de Anatel; o desenvolvimento de novas soluções com maior nível de reusabilidade, interoperabilidade e aderência às necessidades de negócio da Agência; o compartilhamento de informações relativas a integrações atuais e futuras de dados atreladas a uma visão de negócio, macroprocessos e dimensões de governo; e a integração de soluções estratégicas nos diversos níveis e esferas governamentais. j) A solução deverá adotar a tecnologia de Web Services como meio de interoperabilidade, de maneira que, independente das tecnologias em que foram implementados, possa-se adotar um padrão de interoperabilidade que garanta escalabilidade, facilidade de uso, além de possibilitar atualização de usuários nomeados ou 200 usuários acessando a solução de forma simultânea e em tempo real.

5 k) A solução deverá permitir a utilização do protocolo SOAP (Simple Object Access Protocol) para interconexão em arquiteturas descentralizadas e/ou distribuídas para implementação de serviços em sistemas de qualquer porte. l) Os serviços interoperáveis de interesse geral devem ser disponibilizados no Catálogo de Interoperabilidade, porém, há necessidade de se observar regras de utilização dos serviços de acesso restrito definidas pelos respectivos órgãos. m) A integração para Legislação, Jurisprudência e Proposições Legislativas deverá ser feita através do LexML v. 1.0, disponível em O Projeto LexML define recomendações para a identificação e estruturação de documentos legislativos e jurídicos. n) A solução deverá disponibilizar a documentação completa de utilização de todos os componentes, inclusive APIs, que lhes compuserem, ainda que desenvolvidos por terceiros. o) A solução deverá permitir a construção de sistemas que permitam manter a persistência de variáveis, de modo que as mesmas possa utilizadas em diferentes processos automatizados. p) A solução deverá ser compatível com o barramento de serviços empresarial (ESB - Enterprise Service Bus) WSO2 e o catálogo de serviços ws-catalog. q) A solução deverá possuir mecanismos que permita não apenas o tratamento de exceções, mas que também permita a investigação de erros e resultados inesperados que previnam o processo automatizado de não ser executado normalmente, conforme mapeado nos processos de negócio. r) A solução deverá possuir recursos que permitam o monitoramento e medição do tempo gasto na realização das atividades dos processos de negócio em execução e o acompanhamento em tempo real de seus indicadores (BAM - Business Activity Monitoring). Com base nas informações de monitoramento, a solução deverá permitir a execução de planos de contingência baseado em gatilhos previamente definidos, seja através do envio de avisos, alertas, execução de webservices ou outras ações, a serem encaminhados aos integrantes do processo conforme o papel atribuído. s) A solução deverá possuir conectores para integração de dados com Exchange, Wiki, Microsoft SQL Server, Microsoft Project e Microsoft Sharepoint. t) A solução deverá permitir o instanciamento em lote de processos de negócio, a partir de parametrizações. X. Requisitos de Implantação da Solução: a) A implantação dos serviços da solução ocorrerá em três etapas distintas e sucessivas, descritas a seguir:

6 i) Etapa inicial de instalação da ferramenta de automação de processos no ambiente operacional fornecido pela contratante; ii) Etapa intermediária de treinamento da equipe da contratante em notação (BPMN - Business Process Modeling Notation) e modelagem de processos de negócio (BPM - Business Process Modelling), bem como sua automação através de ferramenta implantada na 1ª Etapa; e iii) Etapa final de identificação, modelagem, simulação, publicação, execução conforme a modelagem, monitoramento da execução e melhoria contínua de processos de negócio, pelas equipes da contratante e da contratada. b) A ferramenta de automação da gestão de processos deverá ser fornecida, instalada, em funcionamento centralizado, com acesso web, no ambiente operacional da contratada, apta a permitir a identificação, modelagem, simulação, publicação, execução conforme a modelagem, monitoramento da execução e melhoria contínua de processos de negócio, com notação BPMN (Business Process Modeling Notation), com a entrega das respectivas licença(s) de uso permanente, mídias com softwares e componentes, manuais e documentação necessários para seu correto funcionamento e uso. c) O hardware para hospedagem da solução será provido pela Anatel. d) As licenças de uso e softwares deverão ser disponibilizados com pleno direito de uso permanente da solução, em quantitativo suficiente para suportar até 100 usuários simultâneos, com diferentes perfis de acesso, e 1 módulo servidor, sem limites de conexão, base de dados, memória e CPU. e) A instalação da solução e seus componentes deverá correr por conta da contratada, que deverá prover todos os materiais e ferramentas necessários para a instalação. A instalação deverá ser acompanhada por técnico(s) designado(s) pela contratante. f) A referida instalação deverá ser realizada preferencialmente fora do horário comercial, incluindo sábados, domingos, feriados e períodos noturnos. Excepcionalmente, para as atividades que não impliquem interrupções no ambiente e em comum acordo entre as partes, poderá a contratante permitir que parte do serviço seja realizada em horário comercial. g) Ao final da instalação a contratada deverá disponibilizar documentação detalhando a instalação e a customização da ferramenta. XI. Requisitos de Modelagem: a) A ferramenta da solução deverá possuir um ambiente de modelagem de processos que contemple tanto o nível de negócio (modelos "as is", "to be" e "cadeia de valor") quanto o nível de automação de processos de negócio, permitindo assim o mapeamento, documentação, análise e redesenho de processos organizacionais.

7 b) A solução deverá permitir a representação dos processos em formato de cadeia de valor, possibilitando a navegação desde macroprocessos, processos, até subprocessos, além da visualização da documentação correlata, tais como formulários e modelos de documentos classificados conforme tipologia padrão. c) Na modelagem dos processos de negócio, a solução deverá permitir os seguintes registros: i) Entradas utilizadas e saídas geradas, com possibilidade de identificação de tipologia documental correspondente; ii) Encadeamento lógico entre as atividades realizadas, bem como regras de precedência ou paralelismo; iii) Inter-relacionamento entre áreas envolvidas no processo (raias de responsabilidade/lanes); iv) Tempos de realização de cada atividade; v) Recursos utilizados (pessoas, sistemas de informação, materiais); vi) Custos do processo; vii) Criação e detalhamento de subprocessos relacionados/incorporados/reutilizáveis; viii) Listagem de informações adicionais sobre a execução de cada atividade, identificáveis na leitura do fluxograma; e ix) Registro de normas e procedimentos operacionais que regem a execução do processo. d) A solução deverá disponibilizar repositório central de processos organizacionais que armazene os processos mapeados. e) A solução deverá disponibilizar campos de documentação que representem os processos e suas atividades deverão ser customizáveis, bem como seu tipo e obrigatoriedade de preenchimento. f) A solução deverá permitir a colaboração entre a equipe de analistas de negócio e os participantes dos processos de negócio de modo que estes possam fornecer, sob a forma de anotações e proposições de sugestões, feedback àqueles acerca dos processos em mapeamento. g) A solução deverá permitir a análise de impacto e a propagação automática de mudanças decorrentes de alterações de requerimentos e de processos de negócio. h) A modelagem deverá ser baseada em notação simples, objetiva e facilmente utilizável. A modelagem deverá ainda: evidenciar as integrações atuais e as

8 integrações necessárias entre os dados; apoiar as interações do governo em suas diversas secretarias e órgãos; apoiar o alinhamento com os processos de negócios governamentais; promover a melhoria na gestão pública; e servir como arquitetura de interoperabilidade para o Governo. i) A solução deverá permitir a modelagem e a automação de processos de gestão de conhecimento e acervo técnico a partir do preenchimento de informações constantes em relatórios de fiscalização. XII. Requisitos de Simulação de Processos: a) A solução deverá permitir a simulação dos processos modelados de modo a possibilitar a verificação de seus comportamento em novas configurações, gerando relatórios que indiquem os diferentes desempenhos, cargas e pontos de gargalo, necessidade de aporte de recursos etc; XIII. Requisitos de Versionamento: a) A solução deverá permitir o registro e o controle de versões dos processos, procedimentos operacionais, modelos e formulários. b) A solução deverá ser compatível com o software de versionamento Subversion. XIV. Requisitos de Integração e Compatibilidade: a) A solução deverá exportar as informações dos processos para documentos cuja estrutura possa ser definida pela contratante. b) A solução deverá permitir a publicação dos processos de negócio em portais web. c) A solução de automação de processos deverá produzir sistemas que interajam com aplicações web já existentes no ambiente operacional da Anatel, por meio de webservices. Os webservices deverão ser desenvolvidos como parte da solução de automação de processos pela contratada, utilizando o padrão Restful, que utiliza o protocolo HTTP. d) Visando facilitar o cruzamento de dados de diferentes fontes de informação, quando da sua utilização por outras organizações integrantes da administração pública, por organizações da sociedade civil ou pelo cidadão, a solução deverá utilizar recursos tais como vocabulários controlados, taxonomias, ontologias e outros métodos de organização e recuperação de informações. Tais recursos podem ser desenvolvidos colaborativamente por pessoas com conhecimento na área específica e/ou em metodologias de modelagem específicas, e os resultados devem ser compartilhados, reaproveitados e disponibilizados em um repositório de vocabulários e ontologias de Governo Eletrônico, disponível no endereço e) A solução deverá implementar ou se integrar a ferramenta de gestão de projetos existente na Anatel (MS-Project 2010) de modo a permitir, por exemplo, a

9 priorização, planejamento, gerenciamento e execução de ações de fiscalização, as quais são plenamente aderentes ao conceitos de gerenciamento de projetos. Através da ferramenta de gestão de projetos, as unidades poderão identificar a quantidade total de ações em execução e suas situações dentro de seus portfólios de projetos, possibilitando assim a alocação eficiente e precisa de recursos em relação às suas capacidades limitadas. f) A solução deverá se integrar com o Microsoft Outlook de forma a incluir as tarefas atribuídas aos realizadores nas caixas de tarefas da ferramenta e enviarlhes s comunicando o encargo de realizar as tarefas que lhe forem atribuídas. g) A solução deverá adotar XML (extensible Markup Language) como padrão primário de intercâmbio de dados. h) Como principal meio de acesso, a solução deverá ser acessível, preferencialmente, por meio de tecnologia baseada em browser; outras interfaces gráficas são permitidas em situações específicas, como em rotinas de atualização e captação de dados onde não haja alternativa tecnológica disponível baseada em navegadores. i) Poderão ser usadas outras interfaces gráficas além dos navegadores web no caso de uso da solução em outros dispositivos de acesso como, por exemplo, telefones celulares e televisão digital. j) As especificações selecionadas deverão ter a capacidade de atender alterações de demanda no sistema, tais como, mudanças em volumes de dados, quantidade de transações ou quantidade de usuários. Os padrões estabelecidos não poderão ser fator restritivo, devendo ser capazes de fundamentar o desenvolvimento de serviços que atendam desde necessidades mais localizadas, envolvendo pequenos volumes de transações e de usuários, até demandas de abrangência nacional, com tratamento de grande quantidade de informações e envolvimento de um elevado contingente de usuários (escalabilidade). k) A solução deverá permitir a construção de sistemas que forneçam serviços eletrônicos devem ser capazes de utilizar a Internet como meio de comunicação, seja diretamente ou por meio de serviços de terceiros. l) Quando a Internet for usada como meio de comunicação, os sistemas de informação do governo devem ser projetados de maneira que sejam aderentes às especificações da seção 8.2. Complementarmente, a e-ping recomenda que todo serviço de governo eletrônico especifique, com clareza e, de preferência, na sua página inicial, as versões mínimas de navegadores que suportam as funcionalidades requeridas pelo serviço associado. m) A solução deverá comportar os diferentes tipos de dados e não tratar todos como texto. n) Para elaboração de minutas de documentos ou trabalhos que necessitem ser criados colaborativamente por mais de uma pessoa e/ou órgão, podem ser

10 utilizados os formatos previstos na Tabela 11 do documento do e-ping. Já para a elaboração da versão final de documentos, deve ser enviada a outros órgãos ou mesmo arquivada digitalmente, recomenda-se a utilização do formato pdf/a. Documentos que necessitem de garantia de integridade e/ou autoria, além de estarem em formato pdf/a, devem ser assinados digitalmente pelo seu autor, utilizando certificado ICP-Brasil. o) Todos os módulos que compuserem a solução de TI deverão ser plenamente compatíveis entre si. p) A solução deverá permitir a integração de sistemas de informação por meio da Arquitetura Orientada a Serviços (SOA). q) A solução deverá permitir a construção de sistemas integráveis com ferramentas de cálculo de rotas. XV. Requisitos de Monitoramento de Processos: a) A solução deverá permitir a coleta de dados de desempenho dos processos e viabilizar a administração de indicadores de gestão abrangentes, calculados em tempo real a partir de informações de negócios, possibilitando assim o monitoramento do estado e do desempenho das operações em tempo real. A solução deverá também trazer um conjunto pré-definido de indicadores de desempenho. b) A solução deverá permitir a verificação da evolução do desempenho dos indicadores de processos ao longo do tempo. c) A solução deverá permitir a construção de painéis de indicadores alimentado em tempo real. XVI. Requisitos de Consulta e Relatórios: a) A solução deverá permitir a consulta não só do estado atual de cada instância de execução de processos e suas atividades, mas também seus históricos de execução, identificando participantes, dados inseridos e resultados obtidos em cada uma das instâncias de forma a possibilitar a analise da eficiência dos processos de negócio, detectar gargalos ou caminhos críticos e gerar informações estatísticas para suas otimizações ou aprimoramento de sua gestão. b) A solução deverá disponibilizar relatórios que permitam a análise e consolidação de informações de indicadores medidos na execução das diferentes instâncias de execução dos processos de negócio. c) A solução deverá permitir a criação de relatórios dinâmicos, sem a necessidade de conhecimentos de programação, a partir de banco de dados operacionais. d) A solução deverá permitir a extração de relatórios de desempenho dos processos de negócio.

11 e) A solução deverá permitir a pesquisa e a localização tanto de informações textuais inseridas em formulários de processos de negócios, quanto em documentos PDF anexados aos mesmo. f) A solução deverá permitir a construção de sistemas que gerem arquivos PDFs a partir das informações textuais inseridas em formulários de processos de negócios e fotos anexadas aos mesmos. XVII. Requisitos de Auditoria: a) A solução deverá permitir a realização de auditorias de acesso e execução dos processos. b) A solução deverá permitir a rastreabilidade das alterações de dados feitas ao longo dos processos, de forma que alterações sejam feitas por meio de novos lançamentos que anulem os efeitos do anterioor, e não pela simples substituição de dados. c) A solução deverá permitir a construção de sistemas que possuam registros históricos (logs) para permitir auditorias e provas materiais e que adotem um sistema de sincronismo de tempo centralizado, bem como se utilizem de mecanismos que garantam a autenticidade dos registros armazenados, se possível, com assinatura digital. XVIII. Requisitos de Interfaces Gráficas: a) A solução deverá permitir a execução de processos e prover um ambiente para realização de tarefas humanas, através do qual os usuários finais desempenharão suas atividades. b) A solução deverá possibilitar a construção de boas interfaces gráficas, a serem utilizadas pelos usuários, que obedeçam a critérios básicos de usabilidade e ergonomia. As interfaces gráficas deverão, por exemplo, aconselhar, orientar, informar e conduzir o usuário na interação com o sistema; possuir componentes que permitam o arranjo de layouts lógicos, intuitivos e fáceis de operar; e serem intuitivas a ponto de possibilitar aos usuários conseguirem utilizá-las em poucos minutos. c) A solução deverá permitir a construção de interfaces gráficas mais intuitivas, menos complexa e que não demandem muitas etapas para realização de uma tarefa "simples", como, por exemplo, ocorre atualmente com a agenda do Fiscal no Sistema Radar. d) Assim como todos os sistemas de informação da administração pública, a solução deverá permitir a construção de sistemas alinhados com os padrões para o desenvolvimento de páginas web adotados pelo Consórcio World Wide Web (W3C).

12 e) A solução deverá permitir a construção de sistemas plenamente compatível com os navegadores Firefox e Google Chrome. f) A solução deverá permitir o reúso de formulários, de forma a diminuir o retrabalho de confecção de novas interfaces gráficas a partir da existência de informações comuns a várias delas. g) A solução deverá permitir a construção de sistemas que exibam formulários de forma dinâmica, exibindo campos de forma condicionada à existência de determinadas condições preexistentes nos próprios formulários ou em banco de dados. XIX. Requisitos de Prova de Conceito: a) Visando avaliar a viabilidade da solução ofertada e a capacidade de realização dos serviços por parte das licitantes, será realizada "Prova de Conceito", que ocorrerá após a fase de habilitação da(s) licitante(s) e antes da adjudicação. b) A prova de conceito é um item de qualificação técnica da licitante importante para avalizar que o interesse público será bem atendido, e o não cumprimento no prazo e nos critérios estabelecidos implicará na desclassificação da licitante e convocação da próxima colocada, somente sendo declarada vencedora a licitante que obtiver aprovação nessa prova de conceito. c) A prova de conceito consistirá na automação de um processo de negócio a ser definido pela Anatel, cujo esforço de mapeamento não será superior a 16 horas. A prova de conceito exigirá ainda a integração do processo automatizado com um sistema legado existente no ambiente operacional da Anatel. d) A partir da convocação, a licitante terá um prazo de 5 dias úteis para dar início à prova de conceito, a qual terá duração máxima de 7 dias úteis. e) O hardware e o software necessários para a realização da prova de conceito serão de responsabilidade da licitante habilitada. f) A Anatel não realizará pagamento para estas entregas e compromete-se a utilizar os produtos gerados apenas para fins da habilitação do certame.

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System Definições BPM - Business Process Management BPMN Business Process Modeling Notation BPMS Business Process Management System Erros da Gestão de Processos / BPM 1. Fazer a Gestão sem Automação Desenho,

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações.

O Módulo Risk Manager fornece workflow para tratamento dos riscos identificados nas avaliações e priorização das ações. GRC - Governança, Riscos e Compliance já é uma realidade nas organizações. Sua adoção, no entanto, implica no desenvolvimento e na manutenção de um framework que viabilize a integração e colaboração entre

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios.

Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios. Apresentação Executiva 2014 Governança Corporativa Gestão de Riscos, Auditoria, Controles Internos, Compliance e Continuidade de Negócios. Tecnologia para Gestão da Auditoria Interna Murah - Institucional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 Dispõe sobre os procedimentos de gestão da Tecnologia da Informação. O Prefeito Municipal e o Secretário Municipal de Gestão e Planejamento, no exercício

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 133/2012 COMPRASNET AQUISIÇÃO DE SOLUÇÃO DE ANTIVÍRUS MCAFEE PARA PLATAFORMA DE SERVIDORES VIRTUALIZADOS VMWARE DA REDE CORPORATIVA PRODAM Diretoria de Infraestrutura e Tecnologia-

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

AGENDA. Quem Somos Nós? Experiência e Planejamento. Basis + IBM = Suíte Farma. Material Promocional. Outras Indicações. Conclusão

AGENDA. Quem Somos Nós? Experiência e Planejamento. Basis + IBM = Suíte Farma. Material Promocional. Outras Indicações. Conclusão 20 de dezembro de 2011 AGENDA β β β β β β Quem Somos Nós? Experiência e Planejamento Basis + IBM = Suíte Farma Material Promocional Outras Indicações Conclusão QUEM SOMOS NÓS? Linhas de Negócio Clientes

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

Governança da Capacidade de TI

Governança da Capacidade de TI Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança da Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Governança da... 04 3 Governança da... 05 4 Principais Serviços para Governança

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia.

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia. A Empresa A GDDoc é uma empresa especializada na gestão de documentos digitais e arquivos, auxilia as empresas a administrar através da tecnologia o uso de papel, para alcançar estes objetivos fazemos

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013

Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental. Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Os Esforços e Avanços da Sefaz na Gestão Documental Alexandre Mendonça Secretaria da Fazenda Departamento de Tecnologia da Informação 28/03/2013 Gestão de Conteúdo Digital - ECM GED/ECM é um conjunto de

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple.

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple. INFOTRÂNSITO A plataforma INFOTRÂNSITO emprega tecnologias inovadoras para garantir ao poder público um gerenciamento eficaz da operação do trânsito nos grandes centros urbanos. A partir da coleta, em

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO ELETRÔNICO. Samuel Fernandes Ribeiro Gerente do Projeto

PROCESSO ADMINISTRATIVO ELETRÔNICO. Samuel Fernandes Ribeiro Gerente do Projeto PROCESSO ADMINISTRATIVO ELETRÔNICO Samuel Fernandes Ribeiro Gerente do Projeto Agenda Contextualização Trabalho colaborativo Plataforma PAE Apresentação do Software Plano de sustentação e continuidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 26/2011 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO E CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO

PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 26/2011 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO E CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S/A TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 26/2011 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO E CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO 1 ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO O objeto

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Integração Sigajuri x RM

Integração Sigajuri x RM Integração Sigajuri x RM Abril/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 6 5. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização...

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Comp Line A empresa Criada em 1996, tem por filosofia associar tecnologia, parceria e transparência, através da disponibilização de painéis de controle,

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS

A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS A PRIMEIRA PLATAFORMA INTELIGENTE DE SISTEMAS E SERVIÇOS INTEGRADOS PARA ASSEGURAR O CONTROLE COMPLETO DO PROCESSO DE VENDAS, COM ACESSO COMPARTILHADO POR TODAS AS PARTES ENVOLVIDAS. NOSSA PLATAFORMA WEB

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Automação de Processos de Negócios com BPMS:

Automação de Processos de Negócios com BPMS: Automação de Processos de Negócios com BPMS: Um Relato de Experiência da ATI ATI- /UPG Unidade de Processos de Negócios do Governo Adelnei Felix adelnei.felix@ati.pe.gov.br 1 Agenda Introdução Relato da

Leia mais