ABENO ABENO R E V I S T A D A. Associação Brasileira de Ensino Odontológico. Associação Brasileira de Ensino Odontológico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABENO ABENO R E V I S T A D A. Associação Brasileira de Ensino Odontológico. Associação Brasileira de Ensino Odontológico"

Transcrição

1 R e v i s t a d a A s s o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e E n s i n o O d o n t o l ó g i c o - v o l u m e n ú m e r o 1 - j a n e i r o / j u n h o R E V I S T A D A ABENO Associação Brasileira de Ensino Odontológico ABENO Associação Brasileira de Ensino Odontológico volume 11 número 1 janeiro/junho 2011 ISSN

2 ABENO Associação Brasileira de Ensino Odontológico

3 Copyright Associação Brasileira de Ensino Odontológico, 2005 Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução no todo ou em parte, por qualquer meio, sem autorização da ABENO. Catalogação-na-publicação (Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo) Revista da ABENO/Associação Brasileira de Ensino Odontológico. Vol. 1, n. 1, (jan.-dez. 2001). São Paulo : ABENO, Semestral ISSN# A partir de 2005, vol. 5, n. 1 a publicação passa a ser semestral. 1. Odontologia (Periódicos) I. Associação Brasileira de Ensino Superior (São Paulo) II. ABENO CDD BLACK D05 ABENO Associação Brasileira de Ensino Odontológico Presidente Maria Celeste Morita Rua Pernambuco, 540-1º andar Clínica Odontológica da UEL CEP: Centro - Londrina - PR Site: apoio para esta edição:

4 Sumário Publicação oficial da Associação Brasileira de Ensino Odontológico DIRETORIA (2010 a 2014) Presidente Maria Celeste Morita Vice-Presidente Adair Luiz Stephanello Busato Secretário Geral Luiz Sérgio Carreiro 1 a Secretária Vânia Regina Camargo Fontanella Tesoureira Geral Elisa Emi Tanaka Carloto 1 a Tesoureira Maura Sassahara Higasi COMISSÃO DE ENSINO Ana Isabel Fonseca Scavuzzi Cresus Vinícius Depes de Gouveia Elaine Bauer Veeck José Ranali (Presidente) José Tadeu Pinheiro Maria Ercília de Araújo Mário Uriarte Neto CONSELHO FISCAL João Humberto Antoniazzi (Presidente) José Galba de Menezes Gomes Léo Kriger Lino João da Costa Omar Zina Revista da Abeno Editor Científico José Luiz Lage-Marques Conselho Editorial Carlos de Paula Eduardo (FO-USP) Carlos Eduardo Francischone (FOB-USP) Célia Marisa Rizzatti Barbosa (UNICAMP) Cinthia Pereira M. Tabchoury (UNICAMP) Cláudio Luiz Sendyk (FO-USP) Daniela Lemos Carcereri (UFSC) Eduardo Saba Chujfi (UNICASTELO) Elaine Quedas Assis (UNICID e Uni.Guarulhos) Elisa Emi Tanaka (UEL) Élito Araújo (UFSC) Euloir Passanezi (FOB-USP) Fernando Ricardo Xavier da Silveira (FO-USP) João Marcelo Ferreira de Medeiros (UNITAU) Jorge Abrão (FO-USP) José Eduardo de Oliveira Lima (FOB-USP) José Ranali (FOP-UNICAMP) Liliane Soares Yurgel (PUC-RS) Lucimar Aparecida Britto Codato (UEL) Luiz Carlos Pardini (FORP-USP) Luiz Roberto Augusto Noro (UFRN) Marco Antonio Bottino (UNESP-SJCampos) Marco Antonio Campagnoni (FOAR) Maria Ercília de Araújo (USP) Maria Inês Barreiros Senna (UFMG) Maura Sassahara Higasi (UEL) Roberto Brandão Garcia (FOB-USP) Roberto Miranda Esberard (FOAR-UNESP) Rodney Garcia Rocha (FO-USP) Simone Tetu Moysés (UFPar) Sylvio Monteiro Júnior (UFSC) Vania Ditzel Westphallen (PUC-PR) Indexação A Revista da ABENO - Associação Brasileira de Ensino Odontológico está indexada nas seguintes bases de dados: BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia; LILACS - Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde. v. 11, n. 1, janeiro/junho Editorial Experiências exitosas na saúde fortalecem o ensino Maria Celeste Morita Anais da 46ª Reunião Anual Comissão Organizadora Local Programação Geral I Mostra de Experiências Exitosas dos Projetos Pró-Saúde, PET-Saúde e Telessaúde da área de Odontologia Artigos Selecionados Resumos Selecionados Vídeos Selecionados Artigos Contribuição do PET-Saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Contribution of the PET-Health program to UFPR s Dentistry area in consolidating the national curriculum guidelines and the Unified Health System (SUS) in the cities of Curitiba and Colombo, PR Marilene da Cruz Magalhães Buffon, Denise Siqueira de Carvalho, Edevar Daniel, Helvo Slomp Junior, Giovana Daniela Pecharki, Cristhiane Aparecida Mariot, Cássio Murilo Ferreira, Gisele Blitzkow S. dos Santos, Joelcio Santos Madureira Junior, Débora Cássia da Costa Massaro, Maria Carolina Mosimann, Rita Helena Bergami, Larissa Cristiane Geraldo, Lícia Kiyomi Kamoi Kai Vivência da odontologia no PET-Saúde da Família da UFAL. Aprendizado de ações coletivas baseado no ensinopesquisa-extensão acadêmicos The dentistry experience of the PET-Family Health Program at UFAL. Learning public health actions based on academic teaching-researchingextension principles Antonio Carlos de Souza Neto, Adeane Loureiro de Almeida, Paulo Rosa dos Santos Junior, Izabel Maia Novaes Formação profissional em odontologia: percepção discente da interação curricular Professional dentistry training: students : perception of curricular interaction Mariana Gabriel, Elisa Emi Tanaka O portfólio como estratégia facilitadora do processo de ensinoaprendizagem para a formação em odontologia. Adequação de metodologias de ensino utilizando o ambiente virtual de aprendizagem The portfolio as a facilitating strategy of the teaching-learning process for dentistry training. Suitability of teaching methods using the virtual environment for learning Myrna Maria Arcanjo Frota, Léa Maria Bezerra de Menezes, Carlos Henrique Alencar, Lidiane da Silva Jorge, Maria Eneide Leitão de Almeida Revista da ABENO 11(1):3-4 3

5 Inserção do aluno de odontologia no SUS: contribuições do Pró-Saúde Insertion of the dental student in the SUS: contributions of the Pro-Health program Simone Dutra Lucas, Andréa Clemente Palmier, João Henrique Lara do Amaral, Marcos Azeredo Furquim Werneck, Maria Inês Barreiros Senna PET-Saúde/Vigilância - UNISC: A relação com o ensino Odontológico PET-Health/Surveillance - UNISC: Relationship with dental teaching Tassia Silvana Borges, Alexandre Daronco, Charlene do Santos Silveira, Eduardo Chaida Sonda, Beatriz Baldo Marques, Fabiana Battisti, Cristiane Pimentel Hernandes Machado, Alexandre Rauber, Marcos Moura Baptista dos Santos, Lia Gonçalves Possuelo Integração Acadêmica e Multiprofissional no Pet-Saúde: Experiências e Desafios Academic and Multiprofessional Integration in the PET Health Program: Experiences and Challenges Tarcísio Angelo de Oliveira Sobrinho, Carla Patrícia Perpétua Medeiros, Mariana Ribeiro Maia, Tatiana Carvalho Reis, Leonardo de Paula Miranda, Patrícia Ferreira Costa Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde: formação baseada nos pressupostos das Diretrizes Curriculares Nacionais Education Program through Health Work: training based on the assumptions of the National Curriculum Guidelines Elisa Ribeiro de Oliveira, Lucimar Aparecida Britto Codato, Suely Tsuha Massaoka, Mariana Gabriel Pró-Saúde Odontologia/UNISC: experiências e contribuições na formação profissional Pro-Health Dentistry/UNISC: experiences and contributions to professional training. Micheli Chabat da Silva, Beatriz Baldo Marques, Magda de Sousa Reis, Renita Baldo Moraes Apresentação de vídeo educativo do projeto de extensão: diagnóstico, tratamento e epidemiologia das doenças da cavidade bucal - LEBU, do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual de Maringá - PR Presentation of an educational video of the extension project, diagnosis, epidemiology and treatment of oral cavity diseases - LEBU, Department of Dentistry, State University of Maringá - PR Wilton Mitsunari Takeshita, Lilian Cristina Vessoni Iwaki, Liogi Iwaki Filho, Mariliani Chicarelli da Silva, Neli Pieralisi, Vanessa Cristina Veltrini, Wesley Fernando Ferrari Formação em odontologia e interdisciplinaridade: o Pró-Saúde da UFSC Interdisciplinarity and dentistry training: UFSC s Pro-Health program Daniela Lemos Carcereri, Cláudio José Amante, Marynes Terezinha Reibnitz, Gianina Salton Mattevi, Grasiela Garret da Silva, Ana Clara Loch Padilha, Inês Beatriz da Silva Rath Programa de teleodontologia da UFMG UFMG teledentistry program Rogeli Tiburcio Ribeiro da Cunha Peixoto, Simone Dutra Lucas A percepção de acadêmicos de odontologia sobre o PET-Saúde UFMS/SESAU, Campo Grande/MS, 2009 Dentistry students perceptions of the PET-Health UFMS/SESAU Program, Campo Grande, MS, 2009 Milca Lopes de Oliveira, Tenile Carvalho Coelho ApêndiceS Índice de artigos Índice de resumos Normas para apresentação de originais Odontologia no PET-Saúde: pesquisa e integração ensino, serviço e comunidade Dentistry in the PET-Saúde Project: research and integration of teaching, service and community Wanda Terezinha Garbelini Frossard, Lucimar Aparecida Britto Codato, Maura Sassahara Higasi, Márcia Maria Benevenuto de Oliveira, João Paulo Menck Sangiorgio Revista da ABENO 11(1):3-4

6 EDITORIAL Publicação oficial da Associação Brasileira de Ensino Odontológico Experiências exitosas na saúde fortalecem o ensino Este número da Revista da ABENO tem um relevante significado para o ensino de Odontologia no país. Em cada um dos trabalhos publicados é possível perceber o imenso movimento que faz a educação odontológica na busca de responder aos desafios de aproximar o ensino das necessidades da população brasileira. Os artigos sistematizam os resultados dos trabalhos apresentados durante a I Mostra de Experiências Exitosas de Projetos do Programa de Reorientação da Formação Profissional em Saúde (Pró-Saúde), Programa de Educação pelo Trabalho para a saúde (PET-Saúde) e do Programa Nacional de Telessaúde da area de Odontologia (Teleodontologia), em Florianópolis, durante a 46ª Reunião da ABENO entre os dias 10 e 13 de agosto de Tratou-se de um evento paralelo, extremamente necessário para o conhecimento dos benefícios que foram alcançados pelas Instituições de Ensino Superior em parceria com os Serviços de Saúde, visando à qualificação profissional para o SUS. Tal entendimento é fundamental porque, além de a Mostra ter oportunizado a socialização desses resultados, havia a necessidade de identificar e pontuar o que tem dado certo, uma vez que são realizados importantes investimentos do governo federal, por meio da Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde do Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan Americana de Saúde. Para esse evento foram recebidos 105 trabalhos, que incluíam artigos científicos, resumos expandidos e vídeos relacionados a experiências positivas vivenciadas pelos referidos Projetos. Uma comissão docente assessora avaliou os trabalhos, tendo como critério a seleção daqueles que relatavam os benefícios para a formação dos alunos, o envolvimento discente, a avaliação de modificações curriculares, experiências multiprofissionais desenvolvidas e as ações voltadas para a integração ensino, serviços e comunidade. Foram selecionados 62 trabalhos para a Mostra, cujos autores são oriundos de 25 Instituições de Ensino Superior, localizadas em 15 Unidades Federadas do Brasil. Portanto, a Mostra contou com participantes de todas as regiões do Brasil. Esse foi um grande diferencial da Mostra que conseguiu permitir o diálogo e congregar, em um mesmo espaço, sujeitos oriundos de diferentes realidades socioeconômicas, culturais e sanitárias do Brasil. Além disso, a dinâmica da Mostra permitiu um contato muito próximo entre os participantes, o que favoreceu as trocas de experiências e o despertar para novas possibilidades exitosas de atuação dentro dos Projetos Pró-saúde, Pet-saúde e de Teleodontologia. A ABENO se sente honrada por ter sediado um Evento da magnitude da I Mostra e por poder publicar o registro desse momento histórico do ensino Odontológico brasileiro. Agradece em especial aos formuladores de políticas públicas que acreditaram e investiram na capacidade de resposta da area. Como o leitor poderá perceber, há uma clara convergência de objetivos entre a missão da ABE- NO e os propósitos dos Projetos representados na Mostra: ambos buscam realizar ações de aprimoramento da formação profissional, que resultem em melhorias na atenção à saúde da população. Maria Celeste Morita Presidente da ABENO Revista da ABENO 11(1):5 5

7 46 a Reunião Anual da Associação Brasileira de Ensino Odontológico Tema central: A Formação Odontológica e o Mundo do Trabalho Florianópolis - SC - 10 a 13 de agosto de 2011 Comissão Organizadora local Coordenador: Cleo Nunes de Sousa Secretaria Maria Helena Pozzobon Maria Inês Meurer Tesoureiro Mauro Amaral Caldeira de Andrada Comissão Científica Daniela Lemos Carcereri (Presidente) Lúcia Schaefer Ferreira de Mello Calvino Reibnitz Júnior Cláudio José Amante Inês Beatriz da Silva Rath Mirelle Finkler Programação Geral Dia 10 QUARTA-FEIRA 08h30: Recepção e entrega de material 08h30 às 18h00: I Mostra de Experiências Exitosas dos Projetos Pró-Saúde e PET Saúde na área de Odontologia 12h00 às 17h00: Apresentaçâo de Posteres 14h00: Avaliação do ENADE Odontologia 2010 Profa. Ana Isabel Fonseca Scavuzzi - UEFS/UNIME/Comissão de Ensino ABENO Profa. Claudia Maffini Griboski - Diretora da DAES/INEP Prof. Leo Kriger - PUC-PR / UTP / Comissão Assessora do ENADE 16h00: Intervalo 16h30 às 17h30: Processo de Acreditação de Cursos de Odontologia no MERCOSUL Prof. Sérgio Roberto Kieling Franco - UFRG / Presidente da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (CONAES) Profa. Maria Celeste Morita - UEL / Comissão Assessora de Odontologia ENADE 2010/2011 Prof. Lino João da Costa - UFPB / Comissão Assessora de Odontologia ENADE 2010/2011 Prof. Cresus Vinicius D. de Gouveia - UFF / Comissão Assessora de Odontologia ENADE 2010/ h30 às 18h30: Reunião Paralela: Encontro de Professores de Odontologia do MERCOSUL Coordenação: Prof. Lino João da Costa - UFPB/Comissão Assessora de Odontologia ENADE 20h00: Abertura Oficial - Solenidade e Coquetel 6 Revista da ABENO 11(1):6-8

8 Dia 11 QUINTA-FEIRA 08h00 às 17h00: Apresentação de Posteres 08h30: Geração Y e a Graduação em Odontologia Prof. Paulo Afonso Caruso Ronca - Diretor do Instituto Esplan/SP 10h30: Intervalo 11h00: Uso de Tecnologia da Informação e Comunicação: Uma Nova Área da Odontologia Aplicada ao Ensino Profa. Ana Estela Haddad - Diretora de Programas - Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde / USP. 14h00 às 15h30: Experiências exitosas dos Projetos Pró-Saúde e PET Saúde 15h30: Intervalo 16h00: A Formação Profissional para Gestão: na Academia, na Política e na Administração Prof. João Carlos Caetano - Universidade Federal de Santa Catarina 16h40: Trabalho no Serviço Público e Formação Odontológica Prof. Paulo Sávio Angeiras de Góes - Coordenador do Curso de Especialização em Odontologia e Saúde Coletiva FOP-UPE 16h30 às 17h30: Reunião Paralela: Reunião de Coordenadores de Residência em Odontologia Coordenação: Prof. Daniel Rey de Carvalho - Diretor do Curso de Odontologia da Universidade Católica de Brasilia Dia 12 SEXTA-FEIRA 08h00 às 17h00: Apresentação de Posteres 08h30 às 17h00: Reunião Nacional de Teleodontologia 08h30: Mercado de Trabalho em Odontologia Uma Avaliação Externa Prof. José Pastore - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP 10h30: Intervalo 11h00 às 12h00: Simpósio J&J: Atualização e Cenário Atual do Ensino sobre o Controle Químico Diário do Biofilme Prof. Dr. Claudio Mendes Pannuti 14h00: A Residência Multiprofissional e a Inserção do Cirurgião-Dentista Profa. Ana Estela Haddad - Diretora de Programas - Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde / USP. Profa. Jeanne Liliane Marlene Michel - Coordenadora Geral de Residencias de Saúde - CGRS/ DHR/SESu/MEC 15h00: Saúde Bucal no Brasil: Panorama Atual e Perspectivas Futuras Prof. Gilberto Alfredo Pucca Junior - Coordenador Nacional de Saúde Bucal do Ministério da Saúde 16h00: Intervalo 16h00: Seminário Ensinando e Aprendendo 16h30: Formação para o Ensino na Saúde: Órgão de Fomento (CAPES) e a Formação Docente Prof. Livio Amaral - Diretor de Avaliação da CAPES Revista da ABENO 11(1):6-8 7

9 Prof. Adair Luiz Stefanello Busato - Coordenador do Curso de Odontologia da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Profa. Maria Celeste Morita - Presidente da ABENO 18h00: Reunião da Comissão de Ensino; Reunião do Conselho Fiscal Dia 13 SÁBADO 08h30: Reunião da Diretoria e da Comissão de Ensino 10h00: Assembléia Geral 12h00: Encerramento I Mostra de Experiências Exitosas dos Projetos Pró-Saúde, PET-Saúde e Telessaúde da área de Odontologia Florianópolis - SC - 10 e 11 de agosto de 2011 Comissão de Avaliadores Daniela Lemos Carcereri (UFSC) Elaine Quedas Assis (UNICID e Uni. Guarulhos) Elisa Emi Tanaka (UEL) Lucimar Aparecida Britto Codato (UEL) Luiz Roberto Augusto Noro (UFRN) Maria Ercília de Araújo (USP) Maria Inês Barreiros Senna (UFMG) Maura Sassahara Higasi (UEL) Apoio 8 Revista da ABENO 11(1):6-8

10 Contribuição do PET-Saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Marilene da Cruz Magalhães Buffon*, Denise Siqueira de Carvalho**, Edevar Daniel***, Helvo Slomp Junior****, Giovana Daniela Pecharki*, Cristhiane Aparecida Mariot*****, Cássio Murilo Ferreira******, Gisele Blitzkow S. dos Santos******, Joelcio Santos Madureira Junior******, Débora Cássia da Costa Massaro*******, Maria Carolina Mosimann*******, Rita Helena Bergami*******, Larissa Cristiane Geraldo*******, Lícia Kiyomi Kamoi Kai******* * Professora Adjunto do Departamento de Saúde Comunitária da Universidade Federal do Paraná ** Professora Adjunto do Departamento de Saúde Comunitária - Coordenadora do PET- Saúde Curitiba *** Professor Assistente do Departamento de Saúde Comunitária - Coordenador dos Programas de Residência: Multiprofissional em Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade **** Professor Assistente do Departamento de Saúde Comunitária - Coordenador do PET- Saúde Colombo ***** Professora Assistente do Departamento de Saúde Comunitária ****** Secretaria Municipal de Saúde de Colombo ******* Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba Artigos selecionados RESUMO O PET-Saúde veio consolidar as parcerias entre a UFPR e as Secretarias Municipais de Saúde de Colombo e de Curitiba. Essa integração conta ainda com a participação dos Programas de Residências da UFPR: Multiprofissional em Saúde da Família e Medicina de Família e Comunidade no município de Colombo. As atividades têm por objetivo a formação de um profissional com visão integral do processo saúde-doença e com prática humanizada da assistência à saúde individual e coletiva. Os acadêmicos e bolsistas/voluntários do PET-Saúde, sob orientação e acompanhamento de preceptores, tutores, e residentes, participam de diversas atividades nas USF, incluindo: participação nas reuniões de equipe, nos programas e oficinas, territorialização, visitas domiciliares, atenção integral às famílias por meio de ações educativas, preventivas e clínico-restauradoras, realização de atividades educativas e preventivas em equipamentos sociais, como escolas, creches, abrigos e centros de convivência. Além disso, está sendo conduzida uma pesquisa em duas fases para avaliar as condições de saúde bucal de escolares e seus familiares que residem nas áreas de abrangências das USF que participam do PET-Saúde. Com relação aos resultados parciais da pesquisa, verificou-se que, dos 593 escolares avaliados em Curitiba, 44,0% apresentaram alta severidade à cárie dentária. E no município de Colombo, dos 798 escolares avaliados, 36,6% apresentaram alta severidade à doença. Por meio do PET-Saúde, as atividades desenvolvidas possibilitam uma integração entre o ensino e o serviço, buscando sempre a disseminação do conhecimento e a formação de profissionais generalistas com capacidade de atender as demandas sociais. Revista da ABENO 11(1):9-15 9

11 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK Descritores Sistema Único de Saúde. Saúde Bucal. Saúde da Família. Desde 2002, encontra-se em vigência as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos Cursos de Graduação em Odontologia e estas sinalizam para uma mudança paradigmática na formação de profissional crítico, capaz de aprender a aprender, de trabalhar em equipe, e de levar em conta a realidade social. As DCNs definem, em relação ao perfil do formando egresso/profissional, que o cirurgião-dentista tenha formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, para atuar em todos os níveis de atenção por saúde, com base no rigor técnico e científico. O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) é um programa dos Ministérios da Saúde e Educação, destinado a viabilizar o aperfeiçoamento e a especialização em serviço, bem como a iniciação ao trabalho, estágios e vivências, dirigidos, respectivamente, aos profissionais e estudantes da área da saúde, de acordo com as necessidades do Sistema Único de Saúde SUS.10 Este programa busca aprimorar o ensino de práticas de saúde oferecido a acadêmicos de cursos da área de saúde, incluindo a Odontologia, nas atividades desenvolvidas junto às Unidades de Saúde (U.S.) principalmente as Unidades com Estratégia em Saúde da Família. O PET-Saúde veio consolidar as parcerias entre a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e as Secretarias Municipais de Saúde dos municípios de Colombo (SMS-Colombo) e de Curitiba (SMS-Curitiba) em março de 2009, fortalecendo a proposta de inserção estudantes de graduação dos cursos da área de saúde o mais precocemente possível em Unidades de Saúde da Família (USF). O Município de Colombo, encontra-se localizado na Região metropolitana de Curitiba, com área de 198,7Km 2. Possui uma população em torno de (Censo 2010) sendo o 8º município em população no Paraná, com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) = 0,764. O Município de Curitiba, capital do Estado do Paraná, ocupa uma área de Km 2. Possui uma população em torno de (Censo 2010), com IDH = 0,787. Os cursos da área da saúde da Universidade Federal do Paraná já vinham de longa data desenvolvendo atividades junto às Unidades de Saúde. No entanto, foi a partir do Projeto do PET- Saúde que surgiu a iniciativa de atividades conjuntas e um movimento maior de integração interna entre os cursos de saúde da UFPR. Desde então, são desenvolvidas atividades pelos estudantes do curso de odontologia, sob a supervisão de preceptores (profissionais de saúde da rede municipal) e tutores (professores da UFPR). As USFs dos municípios se transformaram no campo de atuação desses atores que integram o programa, propiciando um rico processo de troca de saberes bem como a vivência na Atenção Primária. Levando em conta os preceitos que regem o SUS (dentre eles o acesso universal e equânime ao atendimento, a integralidade das ações de saúde, bem como a hierarquização, a regionalização e a descentralização de serviços), estas atividades, em parceria com as Secretarias de Saúde dos municípios de Colombo e de Curitiba (SMS-Curitiba) tem por objetivo a formação de um profissional com visão integral do processo saúde-doença e com prática humanizada da assistência à saúde individual e coletiva. Partindo das diretrizes curriculares do curso buscou-se um eixo comum ao campo de atuação sendo selecionado à promoção de saúde e a prevenção de doenças como foco de integração profissional. O programa busca também a formação de um profissional de saúde crítico, reflexivo, preparado para atuar em equipe e para atuar no mercado de trabalho atual. Sob esta ótica, Merhy et al. 14 (2006) afirmam que pesar de o Sistema Único de Saúde (SUS) ser amparado pela Constituição Federal e regulamentado por Leis, são grandes os obstáculos para sua consolidação, os quais se relacionam à necessidade de substituição de uma prática que, por muitas décadas, foi arraigada nos aspectos curativos, na assistência hospitalar e na super especialidade por outra prática que valoriza a integralidade, o cuidado humanizado e a promoção da saúde. O principal indício de que será possível implantar um novo modelo de atenção está na formação profissional condizente com as novas necessidades das práticas em saúde. Teixeira e Paim 17 (1996) expressam que, embora a formação profissional seja condicionante dos serviços de saúde, este funciona como determinante da formação, o que implica a necessidade de mudanças no sistema de saúde e na concepção da sociedade, para que seja possível reorientar a formação. Impõe-se, portanto, um grande desafio às instituições comprometidas com a formação de profissionais para a área da saúde, pois é preciso considerar que as ações de saúde se desenvolvem em cenários complexos e extremamente heterogêneos, e que devem ter como foco as necessidades de saúde da comunidade, e, como norte, a construção do SUS. 7 Na busca de se favorecer a formação de sujeitos com visão ampliada de saúde, ativos e comprometidos com a transformação da realidade, consi- 10 Revista da ABENO 11(1):9-15

12 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK derando a complexidade que a caracteriza, faz se necessário introduzir novas formas de organizar e produzir o conhecimento, até então representado pela disciplinaridade, fragmentação do objeto e crescente especialização. 1 Na integração PET-Saúde UFPR e o Município de Colombo, também participam as Residências: Multiprofissional em Saúde da Família e a Medicina de Família e Comunidade, ambas da UFPR e tem como cenário de prática as Unidades de Saúde do Município de Colombo. Neste contexto, o trabalho em equipe multiprofissional constitui uma importante ferramenta na abordagem das múltiplas dimensões que envolvem as ações de saúde, e o desafio é produzir um novo saber, oriundo dos processos de reflexão a respeito da complexa tarefa do cuidado às necessidades de saúde das pessoas, famílias e comunidade. 13 MATERIAL E MÉTODOS Os Programas PET-Saúde/UFPR nos municípios de Curitiba e Colombo foram submetidos ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UFPR e aprovados sob o registro Nos referidos programas ocorre a inter-relação de acadêmicos das disciplinas de Saúde Coletiva do curso de Odontologia da UFPR com monitores bolsistas/voluntários selecionados que já realizaram essas disciplinas. Os monitores auxiliam o preceptor e professor nas atividades previstas que serão descritas posteriormente. Em Curitiba, os acadêmicos de Odontologia e bolsistas/voluntários estão com atividades PET-Saúde em seis Unidades de Saúde com Estratégia em Saúde da Família do município: US Estrela, US Tarumã, US Umbará, US Vila Esperança, US Lotiguaçu e US Vila Leonice. No município de Colombo, os acadêmicos de Odontologia e bolsistas/voluntários estão com atividades PET-Saúde em três Unidades de Saúde com Estratégia em Saúde da Família: US Jardim das Graças, US Alexandre Nadolny, US São Domingos. Nestas Unidades de Saúde, os alunos também contam com o apoio das residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e a Medicina de Família e Comunidade- UFPR que atuam no referido município. Os acadêmicos e bolsistas/voluntários do PET-Saúde, juntamente com os residentes, participam das atividades em todas as fases, do planejamento à avaliação. Todo material didático-pedagógico utilizado é confeccionado pelos acadêmicos e monitores bolsistas, sob orientação e supervisão dos preceptores, tutores, monitores e residentes. As atividades são desenvolvidas utilizando as instalações físicas da USF, das escolas e salões de igrejas dentro da área de abrangência da USF. Para o planejamento das ações, os acadêmicos e bolsistas do PET-Saúde: Observam a estrutura e funcionamento de cada U.S. Conhecem in loco, a proposta da ESF, o planejamento local, o controle social, programas desenvolvidos pela Unidade, e como ocorre a integração com a comunidade; Participam do processo de territorialização de micro-áreas de acordo com a programação existente e do início de acompanhamento da equipe local nos trabalhos de área. Realizam visitas domiciliares e aplicam um estudo de caso da família escolhida (referente à fase 2 da pesquisa PET-Saúde) com acompanhamento das equipes, fazendo correlação do estudo da família com a comunidade e a sociedade de um modo geral. Participam das reuniões da equipe, discussão de casos e levantamento de outros dados necessários para o estudo de caso; Desenvolvem outros levantamentos epidemiológicos para maior compreensão do local e suas necessidades. Prestam atenção integral às famílias com ações: educativas, preventivas e clínico-restauradoras. Realizam atividades educativas e preventivas nas escolas, creches, abrigos e centros de convivência. Participam das oficinas dos programas: gestantes, puericultura e hiperdia, juntamente com os residentes. E para avaliar as condições de saúde bucal de escolares e seus familiares, residentes nas áreas de abrangências das Unidades de Saúde que participam do PET-Saúde nos municípios de Colombo e Curitiba, está sendo realizada uma pesquisa dividida em duas fases: 1ª fase - Coleta de dados de estimativa rápida para avaliação de severidade da doença cárie dentária em escolares de 1º e 4º (7 a 10 anos) de escolas municipais de Curitiba e Colombo 2ª fase - Coleta de dados de famílias de escolares Revista da ABENO 11(1):

13 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK com alta severidade de cárie em Curitiba e Colombo. A estimativa rápida para avaliação da severidade de doença cárie considerou os seguintes aspectos: presença de cárie evidente em decíduos, presença de cárie evidente em permanentes, lesões brancas (cárie inicial), presença evidente de biofilme dental (placa bacteriana), presença evidente de sangramento gengival, fatores retentivos de biofilme dental (exs: raízes residuais, cálculo, má posição dos dentes). E os critérios para determinação de severidade de doença cárie foram os seguintes (adaptado de Pattussi et al., 2006; Folayan et al., 2008): Alta severidade de cárie: 03 (três) ou mais lesões cariosas, incluindo lesão branca. Média severidade de cárie: até 02 (duas) lesões cariosas, incluindo lesão branca. Baixa severidade: nenhuma cárie evidente ou lesão branca de cárie. RESULTADOS E DISCUSSÃO Com relação aos resultados parciais no que tange à pesquisa do PET-Saúde, verificou-se que, dos 593 escolares avaliados em Curitiba, 261 (44,0%) apresentaram alta severidade à cárie dentária. E no município de Colombo, dos 798 escolares avaliados, 292 (36,6%) apresentaram alta severidade à doença. Os dados dos escolares e familiares estão em fase de sistematização, análise e interpretação. Os familiares dos escolares avaliados em Curitiba e Colombo e classificados com alta severidade de cárie dentária estão recebendo visitas domiciliares para avaliação do contexto familiar: condições de moradia, hábitos de higiene e alimentares e avaliação das condições de saúde bucal. Do início de implantação do PET-Saúde em 2009, até o momento, foram avaliadas cerca de 110 famílias e os dados estão sendo sistematizados e analisados. Na tentativa de reorganizar a atenção básica em saúde em substituição à prática assistencial vigente, voltada para a cura de doenças, e também buscando redução de custos e minimização de conflitos sociais, o Ministério da Saúde 5 assumiu, em 1994, o desafio de incorporar em seus planos de ações e metas prioritárias o Programa Saúde da Família (PSF). Embora rotulado como programa, o PSF, por suas especificidades, foge à concepção usual dos demais programas concebidos pelo MS, pois não é uma intervenção vertical e paralela às atividades dos serviços de saúde. Pelo contrário, caracteriza-se como estratégia (ESF) que possibilita a integração e promove a organização das atividades em um território definido com o propósito de enfrentar e resolver os problemas identificados. Para que os bolsistas/voluntários do PET-Saúde e acadêmicos do curso de Odontologia possam compreender porque a Estratégia em Saúde da Família (ESF) incorpora e reafirma as diretrizes e os princípios básicos do SUS e se alicerça sobre três grandes pilares: a família, o território e a responsabilização, além de ser respaldado pelo trabalho em equipe; ele participa do processo de territorialização de micro-áreas de risco e realizam visitas domiciliares e aplicam um estudo de caso da família escolhida com acompanhamento das equipes, fazendo correlação do estudo da família com a comunidade e a sociedade de um modo geral. Para a ESF, a família deve ser entendida de forma integral e em seu espaço social, abordando seu contexto sócio econômico e cultural, considerando que é nela que ocorrem interações e conflitos que influenciam diretamente a saúde das pessoas. 6 As diretrizes da Estratégia Saúde da Família tiveram como objetivo romper com o comportamento passivo das equipes de saúde e estender as ações de saúde para toda a comunidade. Suas ações devem ser interdisciplinares. A equipe deve também se responsabilizar pela população adstrita em seu território, resgatando os vínculos de compromisso e de co-responsabilidade entre ela e a população, reorganizando a atenção básica e garantindo a oferta de serviços dentro dos princípios de universalidade, acessibilidade, integralidade e equidade do SUS. O trabalho das equipes de Saúde da Família está fundamentado nos referenciais teóricos de vigilância e promoção da saúde. Assim, devem atuar a partir da oferta organizada de serviços, planejando seu processo de trabalho de forma não somente a atender à demanda que vem espontaneamente aos serviços de saúde, mas, especialmente, a desenvolver ações para as pessoas que ainda não conhecem ou não frequentam o serviço de saúde. Para tanto, é necessário que conheçam o seu território e as pessoas moradoras nessa área e tenham como rotina de trabalho a realização da visita domiciliar. De acordo com Vasconcelos 18,19 (2001), as equipes devem atuar na perspectiva de ampliar e fortalecer a participação popular e o processo de desenvolvimento pessoal e interpessoal. Para isso, o trabalhador em saúde deve ter disponibilidade interna de se envolver na interação com os usuários e o compromisso de utilizar a comunicação como instru- 12 Revista da ABENO 11(1):9-15

14 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK mento terapêutico e promotor da saúde. Nesse sentido, indivíduos e famílias devem ser assistidos antes do surgimento de problemas e agravos a sua saúde. Por meio da integração com as Equipes de Saúde da Família (ESF), os bolsistas/voluntários do PET-Saúde e acadêmicos foram levados a conhecer a realidade do novo modelo de assistência à saúde, participando de atividades freqüentemente realizadas com a população e promovendo novas ações de educação e promoção em saúde. Esta vivência propicia o aprendizado ao bolsista/voluntário tornando-o apto a trabalhar com as atividades de promoção em Saúde, regulares e de qualidade bem como procedimentos preventivos e clínicos reabilitadores prioritários junto às Unidades de Saúde da Família (USF) e suas áreas de abrangência, que se configuram como campo de atuação, sob a ótica a crescente importância que a estratégia de Saúde da Família assume no contexto da saúde nacional, o que justifica a necessidade de se formar profissionais com perfil e capacitados para atuar de acordo com o modelo da atenção primária em saúde. A partir da implantação do SUS, o trabalho educativo necessitou ser reestruturado de forma a contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população. Passou a ser pautado pelo entendimento da determinação social do processo saúde e doença, enfatizando que as inserções dos indivíduos nos meios de produção, refletem-se nos diferentes riscos de adoecer e morrer; pela adoção de um processo pedagógico problematizador, que valorize a reflexão crítica do cotidiano e pelo reconhecimento do direito à saúde como um valor inalienável do indivíduo. 18,19 Nesse sentido, o Ministério da Saúde vem apontando a necessidade de investimentos na Estratégia Saúde da Família e na educação popular em saúde como proposta a ser desenvolvida pelas equipes de saúde. A educação em saúde passou a ser vista como uma importante estratégia de transformação social, devendo estar vinculada às lutas sociais mais simples e ser assumida pela equipe de saúde, reorientando as práticas de saúde e as relações que se estabelecem entre o cotidiano e o saber da saúde. Ao refletir sobre a educação do futuro, Assmann 4 (1998) afirma que educar é fazer emergir vivências do processo educativo. Nesse sentido, a educação deve propiciar experiências de aprendizagem e de criatividade para construir conhecimentos e desenvolver habilidades para acessar fontes de informação sobre assuntos variados. A educação em saúde deve estar voltada para entender a educação não só como melhoria pedagógica, necessária para desenvolver a reflexão crítica, mas voltada para o compromisso da transformação social. O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e o PET-SAÚDE da UFPR estão atuando conjuntamente em US com ESF no município de Colombo em relevantes ações em saúde. Um delas é promover atenção integral à saúde da gestante e do feto. A atividade ocorre durante a primeira consulta de pré-natal, realizada semanalmente para um grupo de três a quatro gestantes, e também por meio de oficina para as gestantes. A primeira consulta do pré-natal é realizada pela enfermeira e inclui atividades de educação em saúde. Em seguida, a(o) cirurgiã(ão) dentista residente e a acadêmico(a) de Odontologia realizam: instrução de higiene bucal, orientação sobre as doenças bucais mais prevalentes, as mudanças que ocorrem na cavidade bucal da gestante e a importância da saúde bucal para a saúde da gestante e do feto, a gestante também é encaminhada para atendimento odontológico, caso necessário. Já a oficina de gestantes é realizada mensalmente com atividades educativas da odontologia, enfermagem, nutrição, atenção farmacêutica e medicina. Por meio dessa experiência, verifica-se que a inserção da odontologia na equipe multiprofissional possibilita a criação do vínculo com as gestantes, favorecendo o autocuidado, além de propiciar aos profissionais a troca de saberes, aspecto de suma importância para um efetivo trabalho multiprofissional. Para o acadêmico de Odontologia o conhecimento da relação entre as condições de vida da gestante e seus agravos à saúde bucal, bem como, da organização da atenção à saúde bucal da gestante no município de Colombo. Outra atividade realizada em parceria entre os programas é a proposta de trabalho sobre A Educação em Saúde realizada em grupos com obesidade; pois a obesidade é um problema de saúde pública, devido sua alta incidência e prevalência, por isso a atenção primária à saúde deve ser resolutiva para alcançar a promoção da saúde e prevenção da obesidade e redução do peso. Este estudo é realizado na US Jardim das Graças com a equipe de residentes multiprofissional em Saúde da Família e o Programa de Educação Tutorial para a Saúde (PET- SAÚDE), com atividades de de educação em saúde com um grupo de crianças e adolescentes obesos identificados nas consultas com a nutricionista residente. Com vistas às ações de educação em saúde multiprofissional, a equipe de saúde formou um grupo com reuniões mensais, o qual se reúne no Centro de Convivência, próximo à U.S. para trocar experiências sobre alimentação saudável junto à Nutricionista residente. A Odontologia (residente e acadêmicos) abordam a prevenção de cá- Revista da ABENO 11(1):

15 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK ries e doenças periodontais, orientando sobre o uso racional do açúcar e incentivando e orientando sobre a higiene bucal. A farmacêutica aborda a medicação para perda de peso: indicações e contra-indicações. Percebese assim, que a educação em saúde no grupo não está somente focada na doença (obesidade), apontando como principal foco a qualidade de vida do usuário inserido no meio (família e comunidade). Na perspectiva da promoção da saúde, as práticas educativas assumem um novo caráter, uma vez que seu eixo norteador é o fortalecimento da capacidade de escolha dos sujeitos. No entanto, para que isso ocorra, as informações sobre saúde necessitam serem trabalhadas de forma simples e contextualizadas, instrumentalizando as pessoas para fazerem escolhas mais saudáveis de vida. Nesse sentido, Libâneo 12 (1994), conceitua a prática educativa como o processo de prover os indivíduos dos conhecimentos e experiências culturais que os tornam aptos a atuar no meio social e a transformá-lo. Para que as pessoas possam fazer escolhas mais saudáveis de vida, é necessário que haja um processo de interação entre o conteúdo teórico e a experiência de vida de cada um e o estabelecimento da confiança e da vinculação do usuário ao serviço de saúde e ao profissional. Ao desencadear um diálogo com o usuário, o trabalhador da saúde deve certificarse de que ele entenda o conteúdo que está sendo discutido ou informado, pois, caso não isso não ocorra, a sua saúde pode estar sendo colocada em risco em razão do não estabelecimento do processo comunicativo. Mesmo tendo sido questionadas nos últimos anos, as práticas educativas ainda seguem um modelo autoritário, em que os trabalhadores da saúde continuam a fazer prescrições sobre o comportamento mais adequado para ter saúde e a população acata sem questionar ou relacionar esses conteúdos à sua realidade. Ainda hoje, vemos que as práticas educativas nos serviços de saúde obedecem a metodologias tradicionais e não se preocupam com a criação de vínculo entre os trabalhadores em saúde e a população. Com a inserção do Programa foi possível o reconhecimento, a partir da apropriação da realidade local, da condição de vida da população e seus agravos à saúde. O estabelecimento da relação entre perfil de grupo populacional e condições de vida subjetivas, a partir do estudo de um caso familiar. A percepção da importância do levantamento das necessidades das famílias como base para as ações de Promoção, Prevenção e Recuperação da Saúde na ESF. O estabelecimento da devida correlação entre as ações de saúde objetivando seu planejamento, execução, registro e avaliação como meios de sistematização, organização e evolução dos mesmos. A evidenciação da importância das ações de Educação em Saúde, de caráter eminentemente relacional (tecnologias leves), desenvolvidas na ESF. A compreensão sobre o papel fundamental dos profissionais de saúde coletiva em face da sua responsabilidade, compromisso, solidariedade, habilidade técnica e capacidade de atuação multiprofissional voltada para uma ação conjunta e totalizadora da ESF. E o aumento no interesse para a pesquisa, por meio da análise de dados e das demandas suscitadas, para uma maior efetividade nas ações de saúde de modo geral. Bem como conhecer a rotina e os programas odontológicos desenvolvidos dentro de uma Unidade de Saúde. Dentre os diversos espaços dos serviços de saúde, Vasconcelos 18,19 (1999) destaca os de atenção primária como contexto privilegiado para desenvolvimento de práticas educativas em saúde. Considerando as especificidades destes serviços que têm como base o estabelecimento do vínculo com a comunidade adscrita e a ênfase nas ações preventivas promocionais. Nesta perspectiva a educação em saúde tem sido cada vez mais requisitada, considerando o baixo custo e as possibilidades de impacto no âmbito público e coletivo. Neste contexto as atividades desenvolvidas pelo PET- Saúde contemplam com ênfase as ações de educação em saúde por toda a equipe, pois considera estas atividades imprescindíveis para que ocorram mudanças de hábitos e de comportamento que resultem na adoção de medidas preventivas aos agravos à saúde bucal, contribuindo com a mudança do perfil epidemiológico. CONCLUSÃO A vivência proporcionada pelo PET-Saúde integrada ao Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família tem possibilitado uma excelente atividade prática propiciando a inserção dos estudantes o mais precocemente possível em USF, além de ampliar os horizontes para uma realidade no campo da saúde coletiva, bem como a relação entre equipes e profissionais de saúde. As atividades realizadas viabilizam experiências concretas pertinentes a formação do acadêmico de saúde trabalhando-se nos marcos de uma ética comunitária aplicada, de modo impactante, instituindo uma ação voltada à promoção em saúde, sob a ótica da formação de profissionais capazes e comprometidos com a realidade local e social. Dessa forma, as atividades desenvolvidas possibilitam uma integração entre o ensino e o serviço, buscando sempre a dissemi- 14 Revista da ABENO 11(1):9-15

16 Contribuição do PET-saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Buffon MCM, Carvalho DS, Daniel E, Slomp Junior H, Pecharki GD, Mariot CA, Ferreira CM, Santos GBS, Madureira Junior JS, Massaro DCC, Mosimann MC, Bergami RH, Geraldo LC, Kai LKK nação do conhecimento e a universidade cumpre o seu papel de formar profissionais generalistas com capacidade de atender as demandas sociais. ABSTRACT Contribution of the PET-Health program to UFPR s Dentistry area in consolidating the national curriculum guidelines and the Unified Health System (SUS) in the cities of Curitiba and Colombo, PR The PET-Health program consolidates the partnership between UFPR and the Department of Health in the cities of Colombo and Curitiba. This integration also includes the participation of UFPR Residency Programs: Multidisciplinary in Family Health and Family and Community Medicine programs in the city of Columbo. The activities are aimed at training a professional with a comprehensive approach to the health-disease process and with the ability to practice humane healthcare at the individual and collective levels. Students and monitors, under the guidance and supervision of tutors, mentors, and residents participate in various activities in the USF, including: participation in group meetings, programs and workshops, assignment of regions and home visits, and comprehensive family care through educational, preventive and clinical-restorative actions, besides educational and preventive activities in social facilities such as schools, daycare centers, shelters and community centers. In addition, a study is being conducted in two phases to evaluate the oral health status of the schoolchildren and their families who reside in areas covered by the USF taking part in the PET-Health program. With respect to the partial results of the survey, it was found that 44.0% of 593 schoolchildren in Curitiba had highly severe dental caries, and in the city of Columbus, 36.6% of 798 schoolchildren showed a highly severe degree of the disease. PET-Health activities enable integration between teaching and service, always striving to disseminate knowledge and to train general practitioners able to meet social demands. Descriptors Health Systems. Oral Health. Family Health. REFERÊNCIAS Bibliográficas 1. Almeida-Filho N. Transdisciplinaridade e saúde coletiva. Cienc. Saude Colet. 1997,11(1/2): Alves MU, Volschan BCG, Haas NAT. Educação em Saúde Bucal: Sensibilização dos Pais de Crianças Atendidas na Clínica Integrada de duas Universidades Privadas. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2004;4(1): Andrade SM, Soares DA, Cordoni Júnior LC. (orgs.). Bases da saúde coletiva. Londrina: UEL, Assmann H. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: Vozes; Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Saúde da Família. Brasília, DF: COSAC, Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF, Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde, Brasil. Ministério da Saúde. O Programa Saúde da Família e a Atenção Básica no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; Brasil. Ministério da Educação. Portaria Interministerial n.45, de 12 de janeiro de Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde e institui a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 jan Seção 1, p Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Portaria Interministerial nº 1.802, de 26 de agosto de Folayan M, Sowole A, Kola-Jebutu A. Risk factors for caries in children from south-western Nigeria. J Clin Pediatr Dent. 2008,32(2): Libâneo JC. Didática. 16ª reimpressão. São Paulo:Cortez; Macedo PCM. Desafios atuais no trabalho multiprofissional em saúde. Rev SBPH. 2007,10(2): Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educación permanente en salud: una estrategia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud Colectiva. 2006,2(2): Pattussi MP, Hardy R, Sheiham A. The potential impact of neighborhood empowerment on dental caries among adolescents. Community Dent Oral Epidemiol. 2006;34(5): Pinto MEB, Gama CM, Gonçalves MR, Souza AC. Experiência Interdisciplinar em Equipe Multiprofissional na Graduação na Atenção Primária à Saúde, PET-Saúde UFCSPA, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre Teixeira CF, Paim JS. Política de formação de recursos humanos em saúde: conjuntura atual e perspectivas. Divulg. Saude Debate. 1996,12: Vasconcelos EM, organizador. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec; Vasconcelos EM. Educação popular e a atenção à saúde da família. 2ª ed. São Paulo: Sobral; Recebido em 07/07/2011 Aceito em 25/07/2011 Revista da ABENO 11(1):

17 Vivência da odontologia no PET-Saúde da Família da UFAL. Aprendizado de ações coletivas baseado no ensinopesquisa-extensão acadêmicos Antonio Carlos de Souza Neto*, Adeane Loureiro de Almeida***, Paulo Rosa dos Santos Junior**, Izabel Maia Novaes**** * Cirurgião-dentista graduado pela UFAL, ex-bolsista do Programa ** Graduando de Odontologia da UFAL, atual bolsista do Programa *** Cirurgiã-dentista graduada pela UFAL, especialista em Saúde Pública pela UGF, Preceptora do Programa **** Mestre em Saúde Coletiva pela UFPE, Professora da Disciplina Saúde Coletiva, Tutora da Odontologia do Programa RESUMO O ensino da Odontologia contemporânea pauta-se pelo tripé acadêmico do ensino, da pesquisa e da extensão. Baseando-se nesses princípios, o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) busca fazer a ligação do ensino teórico com a vivência prática, levando os alunos para fora dos muros da faculdade com a extensão, e estimulando-os também a realizar a pesquisa. Assim, o presente trabalho tem como objetivos relatar as atividades desenvolvidas segundo os objetivos do PET-Saúde da Família, as dificuldades e resultados esperados das ações propostas, assim como apontar as dificuldades encontradas para o seu desenvolvimento. Desde sua implantação até os dias atuais, o PET-Saúde da Família da UFAL realiza seleções anuais de alunos, tendo como pré-requisito a aprovação na disciplina Saúde Coletiva II da grade curricular, além de capacitações teórico-práticas, seguidas do estágio propriamente dito, onde a teoria apreendida seria aplicada à prática. Como resultados podem ser citados a diminuição de procedimentos curativos e aumento dos procedimentos preventivos, o incentivo à pesquisa, a apresentação de trabalhos de vivência em congressos e o despertar do interesse pela carreira acadêmica. Conclui-se que a realidade encontrada nas USF diverge dos conteúdos teóricos apreendidos quando observadas questões relacionadas à cobertura da população, acesso aos Serviços de Saúde, precárias condições de moradia, baixos níveis de escolaridade e de poder aquisitivo, porém conclui-se ainda que o PET-Saúde da Família propõe mudanças nessa situação, fazendo-se presente o acolhimento humanizado do paciente, olhar holístico do ser, tendo a saúde como multifatorial e de tratamento multidisciplinar. Descritores Saúde Coletiva. Odontologia. Experiência. O ensino da Odontologia contemporânea pauta-se pelo tripé acadêmico do ensino, da pesquisa e da extensão. Baseando-se nesses princípios, o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) busca fazer a ligação do ensino teórico com a vivência prática, levando os alunos para fora dos muros da faculdade com a extensão, e estimulando-os também a realizar a pesquisa. O PET-Saúde gera a integração ensino-serviço-comunidade, direcionadas para o fortalecimento de áreas estratégicas para o Sistema Único de Saúde SUS e, de acordo com seus princípios e necessidades, o Programa tem como pressuposto a educação pelo trabalho e disponibiliza bolsas para tutores, preceptores (profissionais dos serviços) e estudantes de graduação da área da saúde, sendo uma das estratégias do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde, o PRÓ-SAÚDE, em implementação no país desde Além disso, o próprio programa leva à educação em saúde bucal, componente do processo de promoção da saúde, com características específicas, seja como prática, seja como campo de conhecimento. 3 Baseando-se nisso, demonstrar a vivência 16 Revista da ABENO 11(1):16-8

18 Vivência da odontologia no PET-Saúde da Família da UFAL. Aprendizado de ações coletivas baseado no ensino-pesquisa-extensão acadêmicos Souza Neto AC, Almeida AL, Santos Junior PR, Novaes IM e os êxitos alcançados, além de todo o processo para que os mesmos ocorressem, torna-se interessante. OBJETIVOS Assim, o presente trabalho tem como objetivos relatar as atividades desenvolvidas segundo os objetivos do PET-Saúde da Família, as dificuldades e resultados esperados das ações propostas, dentre elas as palestras educativas sobre assuntos ligados à qualidade de vida, promoção da saúde e prevenção das doenças, aplicações tópicas de flúor, ações curativas, vinculados aos objetivos do próprio PET-Saúde, assim como apontar as dificuldades encontradas para o seu desenvolvimento, possibilitando um feedback e com isso uma melhoria tanto do Programa quanto do Sistema Único de Saúde, garantindo assim que a universalidade, a equidade e a integralidade, além da participação popular, descentralização, regionalização, hierarquização, sejam apreendidas e vivenciadas. 3,4,5 MATERIAIS E MÉTODOS A metodologia utilizada foi a seguinte: em seu primeiro ano de implantação, 2009, o PET-Saúde Odontologia realizou a seleção dos alunos que iriam participar, sendo necessário ter cumprido a matéria Saúde Coletiva III. Após a seleção houveram dois momentos: o embasamento teórico, a partir do levantamento de como funcionam os Serviços Públicos de Saúde na Secretaria Estadual de Saúde, e, principalmente, da Estratégia Saúde da Família no município de Maceió, capacitação em parceria com o SESC-Alagoas com o tema Promoção da Saúde, e multidisciplinar com alunos, preceptores e tutores das demais áreas da saúde (medicina, enfermagem, psicologia, serviço social, nutrição e farmácia), e suas comparações com a realidade, seja no que deveria ser feito, seja no que se tem sido feito para com os serviços de Atenção Básica de Saúde, demonstrando assim, as diretrizes do SUS; e em seguida, o momento prático, que se deu através da inserção dos alunos nas Unidades de Saúde da Família (USF), visita de apresentação, leitura de prontuários, informes e dados referentes às condições socioeconômicas da população, reconhecimento e mapeamento de área, confecção de mapa falante, palestras educativas seguidas de escovação em grupo com as crianças que estudavam na escola e na creche adjuntas a USF, palestras preventivas sobre cuidados bucais relacionados a gravidez com as gestantes, participação das reuniões do programa HIPERDIA, realizando palestras com hipertensos e diabéticos. Também houve a realização de sala de espera, avaliando os cuidados de saúde geral e relacionando-os com a saúde bucal, dentre outras atividades, além da inserção em eventos do Ministério da Saúde, como o SB- Brasil 2010, tanto na calibração como no momento da pesquisa epidemiológica. Salienta-se que reuniões periódicas com todos os participantes do PET-Saúde Odontologia eram organizadas com o intuito de compartilhar as experiências já vivenciadas, além de estimular a realização de uma pesquisa em cada USF. Já no segundo ano, 2010, houve uma nova seleção de alunos, e a inclusão de duas novas USF. Paralelamente à pesquisa que estava sendo realizada, três novas linhas de pesquisa foram instituídas para o PET-Saúde de todas as especialidades da saúde: humanização, controle social e mortalidade infantil, juntamente com reuniões para definir os caminhos para as linhas de pesquisas, capacitações com professores da própria Universidade, e fóruns de discussão para acompanhar e desenvolver as pesquisas. Com isso, além das palestras educativas de saúde geral e saúde bucal, também houveram capacitações com a linha de pesquisa escolhida, a humanização, para os profissionais da USF, para os técnicos e agentes comunitários de saúde, e para a população usuária. Essa etapa é preconizada e baseada pelo Programa Nacional de Humanização, que existe de desde 2003, e visa contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com os princípios e as diretrizes da humanização, fortalecer iniciativas de humanização existentes, desenvolver tecnologias relacionais e de compartilhamento das práticas de gestão e de atenção, aprimorar, ofertar e divulgar estratégias e metodologias de apoio a mudanças sustentáveis dos modelos de atenção e de gestão, implementar processos de acompanhamento e avaliação, ressaltando saberes gerados no SUS e experiências coletivas bem-sucedidas. 5 Já em 2011, houve uma nova seleção, dando continuação às pesquisas gerais e específicas. Salienta-se também que, nesses três anos, houveram reuniões periódicas para troca de experiências, avaliação das ações realizadas nas USF, além do estímulo para que a interdisciplinaridade e o atendimento multiprofissional acontecessem, fosse por ser um dos princípios do Programa, fosse pela necessidade de uma real mudança nas atitudes dos profissionais da saúde. RESULTADOS Dessa vivência, a inserção da Odontologia como parte integrante no cuidado integral do ser humano e também de forma coletiva, a multidisciplinaridade das especialidades da saúde de forma efetiva, a saída do cirurgião-dentista do ambiente ambulatorial (tratando Revista da ABENO 11(1):

19 Vivência da odontologia no PET-Saúde da Família da UFAL. Aprendizado de ações coletivas baseado no ensino-pesquisa-extensão acadêmicos Souza Neto AC, Almeida AL, Santos Junior PR, Novaes IM usuários individualmente em atividades curativas) para o ambiente externo da área abrangida pela USF (atingindo o coletivo com ações preventivas), o acontecimento da interdisciplinaridade com os grupos do PET-Saúde de outras áreas da saúde, tais como enfermagem, farmácia, serviço social, nutrição, entre outras, a execução das pesquisas específica e geral, a promoção da saúde, a prevenção de agravos como a cárie dentária e a periodontite, a diminuição de procedimentos curativos e aumento dos procedimentos preventivos são resultados, e por assim dizer, êxitos alcançados neste Programa. Ainda podem ser citados o estímulo à pesquisa e a participação de outros projetos de extensão, a apresentação de trabalhos de vivência em congressos e o despertar do interesse pela carreira acadêmica, além da troca de experiências de cunho popular, da aquisição de segurança na realização de procedimentos ambulatoriais curativos e palestras preventivas coletivas e a participação em levantamentos epidemiológicos, como o SBBrasil CONCLUSÃO Conclui-se que, por mais que as propostas do Programa sejam voltadas para a melhoria da formação do aluno e para o estreitamento da relação entre Universidade e os Serviços de Saúde, percebe-se que a realidade encontrada nas USF diverge dos conteúdos teóricos apreendidos quando observadas questões relacionadas à cobertura da população, acesso aos Serviços de Saúde, precárias condições de moradia, baixos níveis de escolaridade e de poder aquisitivo. Ademais, a constante falta de material para realização dos procedimentos preventivos e curativos. Apesar disso, ainda pode-se concluir que o PET-Saúde da Família veio fomentar a mudança dessa situação, visto que a saúde possui caráter multifatorial, sendo necessária a intervenção multiprofissional; também se faz presente o acolhimento humanizado do paciente, juntamente com a mudança do olhar sobre o mesmo, passando a ser de forma generalista (olhar holístico), e não específico como antes; propõe-se o empoderamento da população, partindo do princípio do protagonismo dos sujeitos da PNH, 5 tornando-a ativa nas suas decisões e na busca de solução desses problemas. Por fim, conclui-se que a finalidade maior é a melhoria no nível de qualidade de vida da população. ABSTRACT The dentistry experience of the PET-Family Health Program at UFAL. Learning public health actions based on academic teaching-researching-extension principles The teaching of modern dentistry is guided by the tripod of academic teaching, research and extension. Based on these principles, the Education Program through Health Work (PET-Health) seeks to link theoretical to practical experience, taking students beyond the walls of the college with the extension leg of the tripod, and also encouraging them to perform research activities. Thus, this study aimed at reporting the activities developed according to the objectives of the PET-Family Health program, and the difficulties and expected results of proposed actions, as well as identifying problems encountered in the development of these activities. From the time it was establishment until today, UFAL PET- Family Health conducts an annual selection of students, with the prerequisite of being approved in the discipline of the Public Health II curriculum, in addition to having theoretical and practical training. This selection is followed by the internship itself, where theory is applied to practice. The results that can be underscored are the decrease in curative procedures and the increase in preventive care, the encouraging of research, the presentation of work experience in conventions and the awakening of interest in academic pursuits. We can conclude that the reality found in Family Health Centers (USF) differs from the theoretical contents grasped when issues related to population coverage, access to health services, poor living conditions, and low schooling and purchasing power levels are observed. However, the study concludes that PET-Family Health proposes changes in this situation, by urging humanistic care of patients, and striving to be holistic, thus focusing on health as multifactorial and multidisciplinary. Descriptors Health. Dentistry. Experience. REFERÊNCIAS Bibliográficas 1. PET-Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; Atualizado em 18/05/2011; acessado em 24/06/2011. Disponível em portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_ texto.cfm?idtxt= 35306; 2. Pereira, A. C. Odontologia em Saúde Coletiva. Porto Alegre: Artmed Editora; 2008; 3. Pinto, V. G. Saúde Bucal Coletiva. 5ª ed. São Paulo: Editora Santos; 2008; 4. Secretaria de Estado de Saúde AL. Manual de Atenção Básica em Odontologia. Maceió: Governo do Estado de Alagoas; 2006; 5. Política Nacional de Humanização, Brasília: Ministério da Saúde; Acessado em 24/06/2011. Disponível em saude.gov.br/portal/saude/cidadao/area.cfm?id_area= Recebido em 07/07/2011 Aceito em 25/07/ Revista da ABENO 11(1):16-8

20 Formação profissional em odontologia: percepção discente da interação curricular Mariana Gabriel*, Elisa Emi Tanaka** * Estudante do curso de mestrado em Clínica Odontológica da Universidade Estadual de Londrina ** Coordenadora do Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Londrina/UEL Resumo Há algum tempo se faz necessária à mudança nos currículos de odontologia do Brasil, com um modelo de ensino voltado ao mercado de trabalho na qual o estudante tenha a excelência técnica associada a um pensamento crítico. Em 2005 ocorreu a mudança do currículo tradicional para o transdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina, orientados pelas Diretrizes Curriculares Nacionais de 2002 o qual almeja que o estudante consiga articular conceitos e necessidades específicas de cada caso. Com o objetivo de avaliar qual a percepção discente da mudança curricular ocorrida foi aplicado um questionário com questões extraídas do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE aos estudantes do quinto ano do Curso de Odontologia da primeira e segunda turma do currículo transdisciplinar e a última turma do currículo tradicional (n = 148). Os resultados foram analisados e quantificados pelo software estatístico SPSS versão 15.0 e Excel 2007 que possibilitou cruzar os dados das três turmas e fazer uma análise comparativa e nesse momento de renovação as variações entre as turmas foram pertinentes para apontar algumas mudanças ocorridas, como por exemplo, o avanço na atuação em conjunto com outras áreas profissionais, maior compreensão de processos, tomada de decisão e resolução de problemas no âmbito de sua área de atuação. Esses avanços não se devem apenas a mudança metodológica, mas a uma transformação na cultura pedagógica da instituição que ainda está em fase de construção por meio de ações que visam orientar adequações necessárias para um efetivo currículo integrado. Descritores Educação em Odontologia. Avaliação Educacional. Estudantes de Odontologia. E star em formação implica um investimento pessoal, um trabalho livre e criativo sobre os percursos e os projetos próprios, com vista à construção de uma identidade, que é também uma identidade profissional. 8 O modelo de ensino superior odontológico brasileiro é predominantemente centrado na formação técnica, 9 com dificuldades para encontrar e universalizar soluções adequadas à realidade do país. Sendo assim a educação superior deve assumir a formação de competências para atuar na solução dos problemas da Saúde Bucal do País. 2 O objetivo é que o aluno adquira a excelência técnica associada a um pensamento crítico para saber o quê fazer, quando fazer, como fazer, onde fazer, por que e para quem fazer o que significa estabelecer um diagnóstico ampliado da situação. Preparando o profissional para a solução dos problemas e ser ativo na construção do seu conhecimento, conduzindo, de maneira contínua, em direção a uma formação integral e mais humana. Para a proposição do novo modelo de profissional a ser formado deve ser analisado o mercado de trabalho, com suas tendências e indicações, e associar aos dados epidemiológicos atualizados, visando um profissional mais completo em ações não apenas reproduzindo técnicas consagradas da profissão, mas assimilando as reais necessidades para desviar o foco da doença e passar para a saúde do individuo. Vários marcos legais históricos do Brasil 1 proporcionaram transformações nas últimas décadas mediante institucionalização do Sistema Único de Saúde (SUS) o que direcionou a formação em Odontologia para a agregação de novos conhecimentos e tecnolo- Revista da ABENO 11(1):

Revista da ABENO 11(1):9-15 9

Revista da ABENO 11(1):9-15 9 Contribuição do PET-Saúde para a área de odontologia da UFPR na consolidação das Diretrizes Curriculares Nacionais e do SUS, nos municípios de Curitiba e Colombo-PR Marilene da Cruz Magalhães Buffon*,

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O EXTENSIONISMO NO PET-SAÚDE E O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O EXTENSIONISMO NO PET-SAÚDE E O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA A INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO NO PET-SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Resumo BORGES, Pollyanna Kássia de Oliveira Borges 1 - UEPG ZARPELLON, Lídia Dalgallo 2 - UEPG ZIMMERMANN,

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

INTRODUÇÃO. *Docente, coordenadora do Projeto **Discente, extensionista voluntário TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE

INTRODUÇÃO. *Docente, coordenadora do Projeto **Discente, extensionista voluntário TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE AUTORES: Kátia Suely Q. S. Ribeiro*; Mario José de Araújo Neto**. ; Alexandre Bertrand de Araújo**; Mônica Gonçalves Arangio**; Patrícia B. Nascimento S**.; Leandro Torres

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Rozany Cristina de Souza MELO¹ ; Mariana leão DOMICIANO² ; Marinalva Pereira CARVALHO³; Renata CAIXETA 4

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL

PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM PELA METODOLOGIA TUTORIAL Rosângela Vidal de Negreiros 1 ; Isaldes Stefano Vieira Ferreira 2 ; Tatianne da Costa Sabino 3 ; Cristiana Barbosa da Silva Gomes. 4 Universidade

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX

RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX RESUMO DE TRABALHO PARA APRESENTAÇÃO NO CONPEX -Título: Dor dentária e hábitos de higiene bucal em escolares de instituições com e sem programa de promoção de saúde. -Projeto de pesquisa apresentado ao

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Produto da pesquisa O Ensino da Atenção Primária á Saúde no Internato Médico das Universidades Públicas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA

A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA A ORGANIZAÇÃO DA RELAÇÃO ENSINO E SERVIÇO EM UMA POLICLÍNICA DE FORTALEZA O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) nasce da necessidade de reformular a formação dos cursos de graduação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Disciplina: FISIOTERAPIA NA SAÚDE DO TRABALHADOR Curso: FISIOTERAPIA Carga Horária: 120 h Nº. créditos:

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS

METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS METODOLOGIAS ATIVAS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO: EXPERIÊNCIA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA UFS INTRODUÇÃO Érika Hiratuka Andrezza Marques Duque Francisco Leal de Andrade Maria Natália Santos Silva Sandra Aiache

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM UEL/CCS CURSO DE ODONTOLOGIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Docentes: Lucimar Aparecida Britto Codato (coordenadora) Maria Celeste Morita Maria Luiza Hiromi Iwakura Kasai Maura Sassahara

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) são

As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) são Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS O conceito de saúde explicitado na Constituição e os princípios que nortearam a criação e implantação do SUS são fundamentais na definição das

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Proponente: Associação Paranaense de Cultura Executor: Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Proponente: Associação Paranaense de Cultura Executor: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Proponente: Associação Paranaense de Cultura Executor: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Metodologias de Avaliação de Estratégias de Promoção de Saúde no Brasil Março 2006 1. Justificativa A avaliação

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O ensino da Dermatologia através do Programa de Educação Tutorial (PET) e do internato em medicina na estratégia de saúde da família

O ensino da Dermatologia através do Programa de Educação Tutorial (PET) e do internato em medicina na estratégia de saúde da família P10 66º Congresso da Sociedade Brasileira de Dermatologia Florianópolis Setembro 2011 O ensino da Dermatologia através do Programa de Educação Tutorial (PET) e do internato em medicina na estratégia de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DO BAIRRO DA IPUTINGA Prof º Geraldo José Marques Pereira ( Coordenador Geral) Prof

Leia mais

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO O AMBIENTE ESCOLAR COMO ESPAÇO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE: PERSPECTIVAS A PARTIR DE UM PROJETO DE EXTENSÃO ALENCAR 1, Islany Costa BATISTA 2, Lais Duarte CRUZ 3, Pedro José Santos Carneiro Cruz SIMON 4, Eduardo

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN.

Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Integrando saberes para um novo fazer em saúde, a experiência do PET- SAUDE-Natal-RN. Autores: Antonio Medeiros Júnior, Jonia Cybelle Santos Lima, Francisca Nazaré Líberalino, Nilma Dias Leão Costa, Maria

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Autor (a): Daiane kuczynski Co Autor (a): Tássia Silvana Borges, Michele Chabat, Cláudia Fabiana

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Adriana Zampollo Marques

Adriana Zampollo Marques CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promovendo Equipes Saudáveis - Reflexões Coletivas Sobre a Saúde do Trabalhador da Saúde-Guarulhos/São Paulo Adriana

Leia mais

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde A formação profissional dos trabalhadores em Vigilância Epidemiológica: contribuições de uma abordagem politécnica de educação Mauro de Lima

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Mostra Local de: Londrina Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Núcleo Esoirita Irmã Scheilla

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS Zangirolani LTO, Santos ACA, Fuentes ACRC, Andrade JC, Stuck RC, Garcia MAA. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA A APRENDIZAGEM BASEADA NA IMPLANTAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA Galeazzi, Leiza 1 Deggeroni, Ariane Fátima 1 Rosalen, Camila 1 Hillesheim, Adriana Cristina 2 Resumo:

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações Circular S/SUBPAV/SAP n.º 10/2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Pagamento de gratificações Rio de Janeiro, 15 de abril de 2011. CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde

Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde Experiências de Formação de Nutricionistas para o Sistema Único de Saúde NOTA PEDAGÓGICA - CASO 1: A EDUCAÇÃO INTERPROFISSIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA O TRABALHO EM EQUIPE E PARA A

Leia mais

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde MANIFESTO : Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde INTRODUÇÃ O A Associação Brasileira de Ensino

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais