NOTÍCIAS MULTILATERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTÍCIAS MULTILATERAIS"

Transcrição

1 23 de junho de 2008 Vol. 3 No. 12 NOTÍCIAS MULTILATERAIS 1 Membros buscam maiores avanços em agricultura e NAMA 1 Conselho TRIPs: divergências persistem 3 NOTÍCIAS REGIONAIS 3 Brasil defende etanol em reunião da FAO 3 APEC: países buscam maior integração e México aprofunda cooperação com Peru e China 5 BREVES MULTILATERAIS 6 China: aumento no consumo de recursos naturais atrelado a exportações 6 G-77: reunião ressalta cooperação sul-sul 7 UE exigirá registro de produtos tóxicos para todas as importações do bloco 7 BREVES REGIONAIS 8 Parlamento da Europa e do Mercosul criam Comissão Mista 8 Representantes discutem programa da 2ª Cúpula África - América do Sul 8 EVENTOS 9 INFORMAÇÕES ÚTEIS 11 PONTES Quinzenal também está disponível online e é atualizado a cada duas semanas. Caso deseje cadastrar-se (gratuitamente) em nossa lista de envio do Pontes Quinzenal, envie uma mensagem para No título do escreva inscrição e, no corpo do texto, indique seus dados (nome completo e profissão) e como conheceu o periódico. NOTÍCIAS MULTILATERAIS Membros buscam maiores avanços em agricultura e NAMA Pelo quarto verão consecutivo, os Membros da OMC buscam agilizar os avanços na Rodada Doha de negociações comerciais antes da chegada das férias de agosto da Organização. As tentativas anteriores foram mal-sucedidas: em 2005, os governos mostraram-se incapazes de chegar a um consenso sobre as aproximações preliminares para um acordo antes da Conferência Ministerial de Hong Kong, que aconteceria ao final daquele ano. Em julho de 2006, um áspero desarranjo nas discussões entre ministros de seis Membros importantes levou o Diretor- Geral Pascal Lamy a suspender as negociações. Em 2007, houve mais um colapso de grande porte, quando a União Européia (UE), os EUA, o Brasil e a Índia encontraram-se na Alemanha para buscar um compromisso, mas terminaram trocando acusações mútuas. Desde então, os negociadores evitam reuniões de cúpulas e favorecem o trabalho na própria sede da OMC, em Genebra. A base dessas negociações é a compilação de diversos esboços de acordos, subsequentemente revisados pelos negociadores dos comitês de negociação em agricultura e acesso a mercados de bens não agrícolas (NAMA). Caso desejem alcançar um acordo, será preciso que os Ministros reúnam-se em algum momento, visto que são os únicos que podem assinar concessões sobre números cruciais, determinando os futuros níveis de tarifas e subsídios. Há poucos meses, a UE esperava realizar um encontro ministerial na segunda metade de junho, mas tais esperanças foram enfraquecidas pelas discordâncias persistentes entre os Membros, que enfraqueceram as chances de obtenção de um acordo. Com as eleições estadunidenses de novembro se aproximando e com dúvidas crescentes sobre a relevância dos assuntos sobre a mesa de discussões multilaterais que já chega aos 7 anos de duração, o futuro de Doha é cada vez mais incerto.

2 Desde o último ano, as discussões sobre agricultura possibilitaram progressos lentos, mas necessários, em um grande número de assuntos técnicos de pequenas proporções: a existência de maior clareza sobre a maneira como um eventual acordo afetaria os Membros coloca-os em uma posição mais propícia a efetivamente chegarem a um acordo. Contudo, divergências reais ainda precisam ser superadas. NAMA tem mostrado ser um assunto cada vez mais difícil. Os esboços mais recentes de textos sobre agricultura e NAMA foram veiculados em 19 de maio, sendo que este último foi recebido com menos entusiasmo. Desde então, o presidente das negociações em agricultura, o Embaixador Crawford Falconer, programou diversos encontros visando identificar possíveis pontos consensuais que poderiam refletir-se em uma revisão futura de seu texto original. Fontes afirmam que ele pode veicular um documento atualizado ainda na última semana deste mês. Durante a última semana, em uma tentativa de produzir idéias que poderiam levar à convergência, Falconer tem realizado reuniões fechadas com pequenos grupos de países sobre assuntos polêmicos: produtos especiais, mecanismo de salvaguarda especial (MSE), produtos sensíveis, produtos tropicais, erosão de preferências e redução de subsídios. A idéia por trás dessas discussões informais e não vinculantes, carinhosamente apelidadas pelos negociadores de passeio na floresta, é a de que os países podem sentir-se mais livres para levar em consideração novas idéias do que eles normalmente se sentiriam em uma reunião formal. Duas opções em especial foram mencionadas quanto ao MSE, um mecanismo que permite aos países em desenvolvimento (PEDs) aumentar temporariamente suas tarifas para além dos limites formalmente contratados na eventualidade de aumentos repentinos nas importações ou depressão de preços. Caso os países decidam manter a liberdade de impor tarifas adicionais a um número ilimitado de produtos, eles teriam que usar as tarifas consolidadas da Rodada Uruguai (isto é, cortes tarifários anteriores a Doha) como um teto às medidas do MSE baseadas em tarifas. Como alternativa, os países que optassem por uma cobertura a um número limitado de produtos estariam autorizados a exceder as tarifas consolidadas na Rodada Uruguai. Quanto aos produtos especiais, em relação aos quais apenas os PED estarão permitidos a postular cortes tarifários com base em critérios de segurança alimentar e desenvolvimento rural, uma das opções discutidas seria a divisão do tratamento tarifário: uma certa porcentagem de produtos especiais estaria isenta de cortes tarifários, ao passo em que os demais produtos sofreriam um corte médio, em proporções a serem negociadas (com cada produto sujeito a uma redução mínima). O grupo formado principalmente por países da América Latina, que busca uma liberalização mais rápida de produtos tropicais, tem reunido-se em intensas consultas com os países importadores. Espera-se que uma lista de produtos tropicais seja apresentada nas próximas duas semanas. Espera-se, ainda, que Falconer realize uma reunião informal com todos os membros da OMC em 20 de junho, para revisar o progresso dessas discussões. Enquanto isso, conversas informais entre uma dúzia de Membros influentes da OMC resultaram em pouco progresso no que diz respeito à superação do impasse nas discussões sobre comércio de produtos industriais, segundo fontes afirmam. Um delegado familiarizado com as discussões do chamado G-12, sediadas pela missão dos EUA em Genebra, afirmou que apesar de os delegados estarem conversando e comprometendo-se, eles não têm realmente explorado os compromissos potenciais nos assuntos mais polêmicos. Assuntos centrais ainda encontram-se pendentes, como o tamanho dos cortes tarifários e até onde os PED estarão autorizados a proteger seus produtos da liberalização. As discussões do G-12 estão direcionadas a tentar entender como as importações e exportações dos Membros seriam afetadas pelas várias propostas de tratamento tarifário especial, sobretudo no que tange às propostas veiculadas pelos países do Mercosul. Os delegados também analisaram os efeitos potenciais de uma medida anti-concentração, que impediria PEDs de proteger praticamente todos os produtos de uma redução tarifária plena em setores como o automotivo. Os delegados mais experientes estão entre aqueles que participam das reuniões do G-12. Diferentemente do que ocorre em agricultura, as negociações em NAMA não propiciaram a participação dos negociadores alocados nas capitais o que foi prejudicial à evolução do trabalho, afirmam alguns. Ainda não está claro quando ou se os ministros reunir-se-ão em julho. Uma reunião anterior à reunião do Grupo dos 8 países industrializados (prevista entre 7 e 9 de julho) parece improvável. 2

3 Um dos oficiais mais altos do governo indiano, o Secretário do Comércio G. K. Pillai, afirmou nesta semana que meados do mês talvez seja a data mais provável. Segundo ele, tudo indicaria que uma conferência ministerial está para acontecer. Tradução de artigo originalmente publicado em Bridges Weekly News Trade Digest, Vol. 12, N. 22, 18 jun Conselho TRIPs: divergências persistem A reunião do Conselho do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual relacionados ao Comércio (TRIPS, sigla em inglês), ocorrida em 17 de junho passado em Genebra, foi marcada pelas tradicionais divisões entre os Membros. Os temas centrais de divergência foram o requerimento da revelação de origem de recursos biológicos e a inclusão de temas de propriedade intelectual (PI) no futuro processo de negociações horizontais para modalidades em agricultura e acesso a bens não agrícolas (NAMA, sigla em inglês) da OMC. Negociações centrais Como de costume, temas como patentes, biodiversidade e proteção a conhecimentos tradicionais e folclore deveriam ter sido discutidos em conjunto. O debate focou-se, entretanto, em três temas: (i) o estabelecimento de um registro para indicações geográficas (IGs); (ii) a extensão de altos níveis de proteção para IGs que não se enquadram na categoria de vinhos e bebidas destiladas; e (iii) a possibilidade de emenda do Acordo TRIPS de modo a incluir o requerimento de revelação de origem para pedidos de patente. O recente debate sobre esta questão foca-se no fato de tal emenda ser a maneira mais efetiva de impedir a desapropriação de recursos genéticos e conhecimento tradicional associado. Consequentemente, foi questionado o paralelismo, que se refere ao tratamento conjunto de três temas no futuro processo de negociações horizontais da OMC, quais sejam: (i) registro de IGs; (ii) extensão de IGs; e (iii) revelação de origem. Aqueles contrários ao paralelismo argumentam que mais discussões técnicas e maiores evidências empíricas são necessárias, além de acreditarem que o tratamento conjunto dos temas atrasaria por demais o progresso das negociações de Doha. Outros itens na agenda O Brasil enfatizou que a clareza e o alcance dos dois relatórios deveriam servir como modelo para os relatórios dos países desenvolvidos sobre assistência técnica, de acordo com o artigo 66.2 e 67 do Acordo TRIPS. Ademais, o Brasil apresentou um comunicado adotado pelo Comitê da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) para Desenvolvimento e Propriedade Intelectual que inclui 14 recomendações para assistência técnica que deveriam ser levados em consideração quando da implementação do Artigo 67 do Acordo TRIPS. A Austrália apoiou o apelo por maior colaboração entre OMC e OMPI. A Uganda ressaltou a importância de uma clara definição de termos relevantes, como transferência de tecnologia, e também pediu a criação de ferramentas que facilitem a compreensão dos relatórios. O presidente do Conselho TRIPS, a Embaixadora Gail Marie Mathurin, da Jamaica, lembrou que a OMC já preparou um seminário sobre esse tema em resposta ao pedido dos PMDRs. Brasil, China, Equador e Índia foram a favor de conceder status de observador ao secretariado da Convenção da Biodiversidade (CBD, sigla em inglês) e Gail Marie Mathurin anunciou que consultas imediatas devem ocorrer com o secretariado da CDB. A reunião terminou com o anúncio de que Gail retornará a Jamaica e que, portanto, a Organização procurará um novo presidente para o Conselho TRIPS. Tradução e adaptação de artigo originalmente publicado em Bridges Weekly Trade News Digest Vol. 12, N. 22, 18 jun NOTÍCIAS REGIONAIS Brasil defende etanol em reunião da FAO Com discurso enfático de defesa do etanol brasileiro, o Presidente Lula abriu a conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, sigla em inglês), a qual teve como objetivo central discutir soluções à atual crise provocada pelo aumento no preço dos alimentos. O evento, Conferência de alto nível sobre segurança alimentar global: os desafios da mudança climática e da bioenergia, reuniu líderes de 181 países em Roma, Itália, entre os dias 3 e 5 de junho deste ano. Lula não poupou frases de efeito para defender seu argumento. Denunciou o poderoso lobby dos produtores de petróleo, responsável pela associação 3

4 direta do etanol à inflação nos preços alimentares. Os dedos apontados contra a energia limpa dos biocombustíveis estão sujos de óleo e de carvão, desferiu Lula. Em seguida, refutou a idéia de que a produção de etanol esteja provocando o desmatamento da Amazônia, afirmando que os canaviais brasileiros encontram-se a dois mil quilômetros da floresta. É a mesma distância entre o Vaticano e o Kremlin, comparou Lula. O Presidente identificou as razões que, no seu ponto de vista, são as verdadeiras causadoras da alta no preço dos alimentos: a alta do petróleo, as mudanças cambiais, a baixa nos estoques reguladores, o aumento da demanda em países emergentes e, por fim, o intolerável protecionismo dos países ricos. Nesse sentido, Lula defendeu que a solução da atual crise deve passar por uma verdadeira liberalização do comércio agrícola, objetivo almejado pelo Brasil na Rodada Doha de negociações da OMC. O Presidente brasileiro enfatizou, ainda, que os subsídios criam dependência, desmantelam estruturas produtivas inteiras, geram fome e pobreza onde poderia haver prosperidade. No mesmo tom de crítica aos subsídios, procurou estabelecer uma clara diferença entre o etanol brasileiro e o etanol estadunidense. Este último, menos eficiente por ser feito a partir do milho, tem sua viabilidade fundada em protecionismo tarifário e pesados subsídios. Embora não tenha conseguido apoio absoluto, o documento adotado ao final do evento - a Declaração sobre Segurança Alimentar Mundial - não reprova a produção de biocombustíveis. Limita-se a afirmar a importância de tratar dos desafios e oportunidades relacionados a tais produtos, o que foi considerado uma vitória pela delegação brasileira. A declaração propõe a criação de um fórum internacional para a apresentação de estudos mais aprofundados sobre biocombustíveis. O documento final da Conferência também dispõe sobre medidas de curto e longo prazo, com o objetivo de implementar o compromisso de seus signatários para eliminar a fome e assegurar alimentos para todos. Dentre as medidas de curto prazo, destacam-se a maior alocação de recursos a agências da ONU e a cooperação entre agentes de segurança alimentar nacionais e internacionais. As agências da ONU devem priorizar a compra de alimentos no local ou na região assistida, quando possível, e empreender esforços para que a entrega dos alimentos aos necessitados seja mais eficiente. Os participantes da reunião comentaram a delicada situação dos países mais pobres, que dependem de importação de comida. Alguns desses países possuem dificuldades orçamentárias e de balança de pagamentos, problema agravado pela alta dos alimentos. A declaração solicita às agências financeiras internacionais que facilitem a concessão de empréstimos que objetivem a adoção de medidas de ajuste, simplifiquem os mecanismos de acesso e favoreçam a renegociação dos empréstimos já concedidos. O documento também menciona a necessidade da atuação dos mecanismos financeiros em apoio à agricultura e ao meio-ambiente. A Conferência da FAO serviu de oportunidade para que seu Diretor-Geral, Jaques Diouf, reivindicasse o comprometimento da comunidade internacional com programas humanitários de assistência alimentar, severamente afetados pela alta dos alimentos. No entanto, Diouf não obteve êxito em sua tarefa: dos US$ 30 bilhões anuais solicitados, até o momento foram doados somente US$ 6,8 bilhões. Além de tratar da necessidade de ações humanitárias, a declaração enfatiza a importância de medidas de apoio aos produtores agrícolas, dentre as quais se destacam: integração dos mercados globais, redução das barreiras ao comércio e capacitação por meio da utilização de insumos agrícolas. Reconhecendo a urgência do aumento da produção, foram propostas iniciativas de assistência técnica com o objetivo de possibilitar aos pequenos produtores acesso a recursos que aumentem a produtividade de suas propriedades. A declaração também chama as instituições internacionais a prestar assistência aos países nessa tarefa, de maneira a reduzir potenciais oscilações nos preços, enfrentadas por produtores e consumidores. A declaração estabelece, ainda, objetivos e medidas de longo prazo com vistas à redução da fome e vulnerabilidade a choques sistêmicos no sistema alimentar. Nesse sentido, solicita-se aos governos que favoreçam a agricultura, a pesca e as práticas de gestão florestal para proteger os pequenos agricultores, os povos indígenas e as áreas de risco. A preservação da biodiversidade e a mitigação da mudança climática devem ser igualmente perseguidos, na medida em que podem ajudar os investimentos e a transferência de tecnologia. Tradução, adaptação e complementação de texto originalmente publicado em Bridges Weekly Trade News Digest, Vol 12, No. 21, 11 jun Fontes Consultadas: O Estado de São Paulo. Críticos do etanol têm dedos sujos de óleo (04/06/08). Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/noticiario/nacional/se lecao_detalhe3.asp?id_resenha=461185>. Acesso em: 23. jun

5 Folha de São Paulo. Cúpula da fome nada propõe contra "situação dramática". (06/06/08). Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/noticiario/nacional/se lecao_detalhe3.asp?id_resenha=462150>. Acesso em: 23 jun. 08. Valor Econômico. Para OCDE, etanol dos EUA e da UE é distorcivo (06/06/2008). Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/noticiario/nacional/se lecao_detalhe3.asp?id_resenha=462019>. Acesso em: 23 jun. 08. APEC: países buscam maior integração e México aprofunda cooperação com Peru e China A última reunião de ministros de comércio do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico (APEC, sigla em inglês), culminou, em 1º de junho, com acordos destinados a acelerar o processo de integração de suas economias e com o apoio de seus Membros às negociações da Rodada Doha. O México aproveitou a ocasião para firmar um acordo de transição sobre quotas compensatórias com a China e aprofundar suas negociações comerciais com o Peru. Rumo ao livre comércio Ásia-Pacífico As doze economias que compõem a APEC e que representam cerca da metade do comércio mundial acordaram sobre uma lista de tarefas conjuntas que tem como objetivo alcançar maior integração regional no âmbito econômico e criar, assim, uma Área de Livre Comércio Ásia-Pacífico no longo prazo. A declaração de Arequipa, de 1º de junho de 2007, acelerou o segundo Plano de Ação para a Facilitação de Comércio que busca reduzir em 5% os custos de transição das economias da APEC até Os Membros da APEC também chegaram a acordos em áreas como facilitação de comércio, direitos de propriedade intelectual, economia digital e bens e serviços ambientais. Não se comprometeram, entretanto, a colocar em prática medidas imediatas para esses temas. Os ministros da APEC solicitaram ao Comitê Econômico que intensifique os esforços para aprofundar as reformas de ajuste estrutural em cinco áreas definidas como prioritárias para 2010: (i) administração do setor público e governança; (ii) reforma regulatória; (iii) infra-estrutura econômica e legal; (iv) política da concorrência; e (v) governança corporativa. A Declaração enfatiza as preocupações de seus Membros com o potencial impacto negativo da política química da União Européia e reitera que a mesma pode tornar-se uma barreira comercial. Apoio à Rodada Doha Os ministros da APEC também declararam seu apoio e compromisso com o sistema multilateral de comércio, bem como sua vontade política e forte determinação para concluir a Rodada Doha com um resultado balanceado e ambicioso antes do final deste ano. A declaração dos ministros ressalta, ainda, a importância da conclusão da Rodada Doha como modo de promover o desenvolvimento econômico e aumentar os níveis de vida de todos. O documento também afirma que a Rodada é um fator importantes na superação do recente aumento dos preços dos alimentos. México faz acordo com China sobre quotas compensatórias Mexicanos e chineses aproveitaram a reunião da APEC para firmar, em 1º de junho, o Acordo Comercial de Transição em Matéria de Quotas Compensatórias após quatro rodadas de negociação, iniciadas ao final de O acordo estabelece um período de transição de quatro, contados a partir de dezembro de 2007 para que os produtos sensíveis do setor manufatureiro mexicano sigam protegidos, já que as quotas venceriam em 11 de dezembro de Os setores industriais incluídos nesta negociação são: têxteis, confecções, calcados, brinquedos, bicicletas, ferramentas, eletrodomésticos, máquinas e aparelhos eletrônicos, produtos químicos, lápis, válvulas, fechaduras e velas. Esses são bens de grande sensibilidade para o México, pois representam cerca de 9,5% da produção industrial e geram cerca de 1 milhão de empregos. Os setores declararam-se afetados pela eliminação das quotas compensatórias impostas a diversas importações chinesas. Tal eliminação resultou do vencimento das reservas estabelecidas no Protocolo de Adesão da China à OMC. Para aceitar o ingresso da China, ocorrido em novembro em 2001, o México solicitou que se prolongassem as quotas existentes por mais seis anos. Apesar do Acordo estimar a eliminação de quotas sobre 78% das linhas que enfrentam restrições atualmente, os representantes da Câmara de Indústria de Calçados de Guanajuato, México, classificaram-no como positivo. Por sua vez, o presidente da Associação de Agentes Alfandegários do Aeroporto do México (Aaadam), Virgilio Vallejo, classificou a 5

6 negociação como pouco realista, pois considera que grande parte das importações chinesas é realizada pela União Européia por meio de falsificação de certificados de origem. O Acordo será enviado ao Senado mexicano para análise e eventual ratificação. Avanços no TLC entre México e Peru Os ministros de comércio de Peru e México também reuniram-se em Arequipa para rever as negociações do Tratado de Livre Comércio (TLC) com base no Acordo de Complementação Econômica (ACE) Nº 8, firmado em 1987 e válido até 31 de dezembro deste ano. Os ministros avançaram em temas como valoração aduaneira, transparência e administração de informação, mas temas como desgravação de produtos usados e materiais provenientes de zonas francas situadas na fronteira mexicana seguem sem definição. Ademais, por manter uma postura restritiva em relação ao acesso de produtos agrícolas peruanos, o México solicitou a priorização de uma lista de seis produtos, dentre os quais constam páprica, uva, cebola e abacate. O Vice-ministro peruano para Comércio Exterior, Eduardo Ferreyros, ressaltou que, dada a situação e as sensibilidades enfrentados atualmente pelo México,, o Peru reduziu suas aspirações em relação à abertura que esperava. Ambos países esperam substituir seu TLC em novembro deste ano, durante a reunião presidencial da APEC. Em 2007, o Peru exportou US$ 269,1 milhões em produtos para o México, ao passo em que importou US$ 725 milhões. Tais números, entretanto, são marginais: em 2007 o Peru foi o 23 o parceiro comercial do México, representando somente 0,21% de seu comércio total. Para o Peru, o comércio com o México representou 2,18%, o que classifica o México como o 15 o parceiro comercial do Peru. Tradução de artigo originalmente publicado em Puentes Quincenal Vol. V, No jun BREVES MULTILATERAIS China: aumento no consumo de recursos naturais atrelado a exportações A China consome duas vezes mais recursos naturais que seu ecossistema é capaz de fornecer, tendo dobrado sua demanda desde a década de 60. Além disso, o país é também um grande exportador de recursos naturais. Estas são observações presentes no relatório elaborado conjuntamente pela ONG World Wild Fund (WWF) e pelo Conselho da China para a Cooperação Internacional em Meio-Ambiente e Desenvolvimento (CCICED, sigla em inglês), lançado em 10 de junho. O estudo advoga em prol de maior preservação e de soluções inovadoras para o desenvolvimento sustentável. Trata-se do primeiro relatório abrangente sobre a pegada ecológica da China, ou seja, a quantidade de terra e água necessária para sustentar as gerações atuais, tendo em conta todos os recursos materiais e energéticos gastos por uma determinada população. Em 2003, o consumo chinês de recursos naturais, calculado em 1,6 hectare per capita o 69 maior consumo do mundo, foi inferior à media mundial (2,2 hectares per capita). A China utiliza 15% da capacidade biológica mundial e seu principal desafio é conciliar o consumo de recursos naturais com o tamanho de sua população e seu grande crescimento econômico. O relatório sustenta que se a China apresentasse a mesma pegada ecológica per capita que os EUA, sua demanda equivaleria a toda capacidade mundial disponível. O estudo identifica o comércio como um dos causadores do maior consumo chinês de recursos naturais. O país importa matéria-prima com o objetivo de suprir seu déficit de recursos ecológicos, mas também exporta biocapacidade agregada em produtos manufaturados para países desenvolvidos. Uma análise recente da economia chinesa conduzida pela OMC sugere a adoção de medidas coordenadas de preservação ambiental. Por outro lado, a OMC reconhece que a China já está reduzindo suas exportações intensivas em energia por meio de taxas de exportação e outras medidas comerciais (ver Bridges Trade BioRes, 30 mai. 2008, disponível em: <http://www.ictsd.com/biores/ /inbrief.htm#3>). De acordo com o novo estudo sobre a pegada ecológica chinesa, o país deveria implementar uma dupla estratégia a fim de reduzir seu consumo. De um lado, a China poderia adotar mudanças financeiramente acessíveis em curto prazo, tal qual o uso de lâmpadas de baixo consumo. Por outro lado, em longo prazo, o país poderia investir em infraestrutura de consumo eficiente de recursos e em um desenvolvimento urbano mais compacto. Segundo o relatório, se a China for capaz de utilizar um novo modelo de desenvolvimento que conjugue qualidade ambiental, harmonia social e bem-estar 6

7 humano, tal fato servirá de exemplo para os demais países. Tradução e adaptação de texto originalmente publicado em Bridges Trade BioRes, Vol 8, No. 11, 12 jun G-77: reunião ressalta cooperação sul-sul Oficiais de mais de 70 países em desenvolvimento (PEDs) reuniram-se em Yamoussoukro, Costa do Marfim, entre os dias 10 e 13 de junho, para a XII Sessão do Comitê de Coordenação e Seguimento Inter-governamental para Cooperação Econômica entre PEDs (IFCC-XII, sigla em inglês). O evento reuniu os Membros do G-77 (coalizão de PEDs que inclui atualmente mais de 130 nações) e a China. Em um dos pronunciamentos mais importantes da Conferência, o Presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, propôs a criação de um Banco do Sul para o combate à pobreza das nações em desenvolvimento. Para ele, o banco poderia ser financiado por uma taxa imposta a certas exportações de PEDs. O conceito da instituição seria similar ao da estabelecida no ano passado pelo Presidente venezuelano Hugo Chávez. O Banco do Sul Latino americano foi criado para servir como uma alternativa às instituições financeiras lideradas por países desenvolvidos, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Os presentes à Conferência também adotaram uma plataforma oficial para o desenvolvimento dos Membros do G-77. Segundo o Embaixador de Antígua e Barbuda, John Ashe, a plataforma deverá servir como uma ferramenta estratégica de assistência e um compasso para o sul, especialmente no que se refere ao estabelecimento de coalizões com as nações desenvolvidas. Laurent Gbagbo pediu que a Organização da Nações Unidas estabeleça um fundo global de estabilização de alimentos para proteger os países contra as drásticas flutuações dos preços. Tradução de artigo originalmente publicação em Bridges Weekly Trade News Digest Vol. 12, N. 22, 18 jun UE exigirá registro de produtos tóxicos para todas as importações do bloco Uma nova medida em discussão na União Européia (UE) suscitou preocupação por parte dos parceiros comerciais do bloco. A emenda à Diretiva 67/548 altera o sistema conhecido como Reach (Registro, Avaliação e Autorização de Substâncias Químicas, sigla em siglês) e institui o registro prévio obrigatório de mais de 30 mil substâncias consideradas nocivas à saúde. O objetivo declarado do sistema é fornecer informação básica sobre os perigos e riscos relativos a substâncias fabricadas ou importadas para a UE, sejam elas novas ou já existentes. De acordo com a nova medida, até novembro deste ano os insumos químicos contidos na lista e importados em quantidade superior a uma tonelada deverão ser registrados, caso contrário o produto que contiver algum desses insumos em sua formulação terá sua entrada no bloco vetada. A gestão do cadastro foi atribuída à recém-criada Agência Européia de Produtos Químicos, situada em Helsinque, Finlândia. A nova regulamentação tem sido criticada pelos países que exportam para a UE como mais uma barreira comercial abusiva. Vários deles enviaram comunicados a Bruxelas, manifestando receio sobre o funcionamento do sistema, em especial quanto à sua transparência. Um deles foi o Brasil, para onde a Comissão Européia enviou representantes a fim de prestar esclarecimentos à Confederação Nacional da Indústria. Os governos deverão arcar com os custos de comprovar a não-existência de risco à saúde, o que representa uma inversão do ônus tradicionalmente suportado pelo mercado receptor na avaliação dos riscos toxicológicos dos produtos. Contudo, o novo sistema deixa aos produtores a escolha do método de avaliação. A indústria estima que o dispêndio do setor supere 28 bilhões de euros, contra a previsão mais modesta da UE, de cinco bilhões. A exigência afeta materiais como ácidos, metais e solventes, amplamente utilizados em bens de consumo imediatos, entre eles equipamentos diversos, têxteis, cosméticos e tintas. A tensão em torno da comercialização do etanol deve ser agravada, já que além das barreiras existentes, será necessário provar que o combustível não é nocivo à saúde. O enquadramento de seis compostos de níquel na lista de substâncias danosas, com potencial acréscimo de outros 140 até o final do ano, afeta diretamente as exportações da Vale. Com a aquisição da canadense Inco, a mineradora brasileira tornou-se a segunda maior exportadora mundial do minério. Até o momento, o Brasil não declarou oficialmente qualquer intenção de reclamar da medida perante a OMC. Reportagem Equipe Pontes Fontes consultadas: Ministério das Relações Exteriores. Assessoria de imprensa (17/06/08). 7

8 União Européia. Conselho aprova a posição comum sobre a nova legislação da UE em matéria de substâncias químicas o sistema REACH. (27/06/06). Disponível em: <http://www.consilium.europa.eu/uedocs/cms_data/do cs/pressdata/pt/misc/90380.pdf>. Acesso em: 18 jun Valor Econômico. UE vai avaliar grau de toxicidade de importados. (10/06/2008). Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/noticiario/nacional/se lecao_detalhe3.asp?id_resenha=463089>. Acesso em: 10 jun Valor Econômico. Medida vai atingir exportações de níquel da Vale. (10/06/08). Disponível em: <http://www.mre.gov.br/portugues/noticiario/nacional/se lecao_detalhe3.asp?id_resenha=463092>. Acesso em: 10 jun BREVES REGIONAIS Parlamento da Europa e do Mercosul criam Comissão Mista Com o objetivo de estreitar os laços institucionais, os representantes do Parlamento Europeu e do Mercosul (Parlasul) reuniram-se em Bruxelas na primeira semana de junho. Do encontro resultou um acordo que cria uma Comissão Mista envolvendo os dois blocos regionais. As reuniões terão periodicidade anual e serão realizadas de forma alternada entre Montevidéu e Bruxelas. O argentino José Pampuro, atual Presidente do Parlasul, e o alemão Hans Gert Pottering, Presidente do Parlamento Europeu, declararam que a iniciativa reflete a importância atribuída aos blocos em termos políticos e econômicos. Mais do que isso, reflete a expectativa de que a Comissão sirva de canal para que o Parlamento Europeu transmita sua experiência institucional ao Parlasul, que recentemente completou um ano de criação. A rodada de conversações também contou com a presença de parlamentares dos quatro países que compõem o Mercosul. A delegação brasileira foi representada por Dr. Rosinha, Cláudio Diaz e George Hilton; a delegação argentina, pelos parlamentares Fabián Rios, Adolfo Rodríguez Saá, Isabel Viudes, Beatriz Rojkes e Mariano West; a delegação uruguaia, por Roberto Conde, Juan Dominguez, Pablo Iturralde e Gustavo Borsari; e a delegação paraguaia foi representada unicamente pelo parlamentar Modesto Guggiari. Integraram, ainda, a rodada de conversações o parlamentar da representação venezuelana no Parlasul, Alfredo Murga, e o Embaixador argentino ante a União Européia (UE), Jorge Remes Lenicov. Durante as conversações, o impasse nas negociações sobre o acordo comercial entre Mercosul e a UE foi recorrentemente mencionado. Tal impasse tornou-se evidente em maio, quando da mini-cúpula que ocorreu entre os dois blocos regionais em Lima (ver Pontes Quinzenal, Vol. 3, No. 10; disponível em: <http://www.ictsd.org/pont_quinze/ /art3.htm>). Nessa ocasião, o Presidente da Comissão Européia, o português Durao Barroso, rejeitou qualquer possibilidade de que a UE voltasse atrás em sua política de subsídios agrícolas. Apesar das novas tentativas de concessões mútuas com vistas à implementação do acordo em um futuro próximo, os representantes europeus teriam rejeitado novamente a proposta de repensar sua política de subsídios agrícolas. Reportagem Equipe Pontes Fontes consultadas: Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br/comissoes/cpcms/composi cao/brasil.html>. Acesso em: 17 jun Parlamento Europeu. Disponível em: <http://www.europarl.europa.eu/news/public/toute_actu alite/default/default_es.htm>. Acesso em: 19 jun Parlamento do Mercosul. Encontro entre Parlamentares da Europa e do Mercosul (05/06/2008). Disponível em: <http://www.parlamentodelmercosur.org/index1_portug ues.asp>. Acesso em: 19 jun Somos Mercosur. Parlamentarios de Europa y el Mercosur decidieron crear una Comisión y reunirse anualmente para profundizar el diálogo bilateral (05/06/2008). Disponível em: MERCOSUR.org/?q=es/node/672. Acesso em 16 jun Representantes discutem programa da 2ª Cúpula África - América do Sul Altos funcionários sul-americanos e africanos reuniramse em Brasília no último dia 10 para elaborar um programa de cooperação a ser apresentado na 2ª 8

9 Cúpula de Chefes de Estado e de Governos da África e América do Sul (AFRAS, sigla em inglês), prevista para o final deste ano. A idéia de instituir um meio de aproximação entre as regiões surgiu durante a visita do presidente Luís Inácio Lula da Silva à Nigéria, em 2005, por iniciativa do então presidente nigeriano Olusegun Obasanjo. Os participantes celebram a iniciativa como uma oportunidade para constituir um fórum próprio, que trace objetivos comuns a serem perseguidos com parcerias que contribuam para estimular a capacidade de desenvolvimento sustentável das regiões. Na abertura da última reunião, o Ministro Celso Amorim defendeu a união dos países em desenvolvimento (PEDs) perante as 40 delegações presentes. O chanceler ressaltou, ainda, o papel dos PEDs nas agendas de temas vitais como crescimento, combate à pobreza e aquecimento global, bem como a necessidade da aproximação para enfrentar os atuais abalos financeiros internacionais. Amorim citou dados comerciais para demonstrar as vantagens comerciais advindas da aproximação. A África, quarto parceiro comercial do Brasil, responde hoje por 7% do comércio exterior do país. As exportações brasileiras para o continente cresceram 200%, saltando para US$ 8,5 bilhões, dos quais os produtos industrializados representam, aproximadamente, US$ 7 bilhões. O incremento nas importações foi ainda maior, 244%, alcançando a cifra de US$ 11,3 bilhões. A cooperação, conforme estipulado no Plano de Ação, abrange áreas diversas, como segurança, direitos humanos, agricultura, energia, meio-ambiente, comércio, investimento e assistência mútua em fóruns multilaterais. O documento define, ainda, os mecanismos de implementação dos objetivos. Entre eles, destaca-se a realização de Cúpulas de Chefes de Estado, intercaladas com reuniões ministeriais a cada dois anos, além de reuniões anuais de autoridades setoriais de ambas regiões. A 2ª Cúpula está prevista para o mês de novembro e ocorrerá na capital venezuelana, Caracas. Reportagem Equipe Pontes Fontes consultadas: Agência Brasil. Amorim defende união de países em desenvolvimento para enfrentar crise financeira. (10/06/08). Disponível em: <http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/06/10/m ateria /view>. Acesso em: 16 jun Globo. Autoridades preparam em Brasília 2ª Cúpula África-América do Sul. (10/06/08) <http://g1.globo.com/noticias/mundo/0,,mul ,00- autoridades+preparam+em+brasilia+cupula+africaamer ica+do+sul.html>. Acesso em: 16 jun Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Dados de comércio exterior - África. Disponível em: <http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/intern a.php?area=5&menu=1817&refr=576>. Acessado em: 12 jun Ministério das Relações Exteriores. Abuja Plan of Action. Documento cedido pela Assessoria de Imprensa do Gabinete. Ministério das Relações Exteriores. AFRAS: Cúpula África-América do Sul. Disponível em: <http://www2.mre.gov.br/afras/>. Acesso em: 17 jun OMC Local: Genebra, Suíça. EVENTOS Fóruns Multilaterais Informações: <http://www.wto.org/meets_public/meets_e.pdf>. 25 e 27 de junho Reunião do Órgão de Revisão de Políticas Comerciais Oman 26 de junho Reunião do Subcomitê sobre Países de Menor Desenvolvimento Relativo 01 de julho Conselho sobre Comércio de Bens 01 a 02 de julho Comitê sobre Barreiras Técnicas ao Comércio 01 a 03 de julho Workshop Acordo da OMC sobre Compras Governamentais 04 de julho Grupo de Trabalho sobre a Acessão da República Popular Democrática de Laos 9

10 UNCTAD Local: Genebra, Suíça Informações: <http://www.unctad.org/templates/startpage.asp?intite mid=2068> 08 a 09 de julho Reunião Preparatória para a Revisão de Meio-Termo da Implementação do Programa de Ação de Almaty 10 de julho XV Sessão Executiva do Conselho de Comércio e Desenvolvimento (África) Fóruns Regionais Mercosul Local: Buenos Aires, Argentina Informações: <http://www.mercosur.gov.ar/calendario.php>. 25 de junho Reunião Regional da Comissão Sócio-laboral 26 de junho Reunião de Ministros do Meio-Ambiente Reunião do Grupo Ad Hoc sobre Biocombustíveis 27 de junho Encontro por um Mercosul Produtivo e Social 30 de junho IX Reunião Especializada de Agricultura Familiar CEPAL Local: Santiago, Chile Informações: <http://www.eclac.org/noticias/calendarioactividades/de fault.asp?mes=12&agno=2007>. 10 de julho Seminário de lançamento do web site do observatório habitacional e urbano Outros Fóruns OCDE Informações: <http://www.oecd.org/document/49/0,3343,en_2649_ _ _1_1_1_1,00.html>. 25 de junho Conferência de apresentação da Pesquisa Econômica de Portugal Lisboa, Portugal Publicação do relatório de revisão do Comitê de Assistência ao Desenvolvimento sobre o Programa de Assistência da França Seminário Perspectivas para o Federalismo Fiscal Berlim, Alemanha 25 a 26 de junho Fórum Global sobre Comércio da OCDE Paris, França 26 de junho Conferência Políticas Agrícolas nos países da OCDE: Monitoramento e Avaliação Paris, França 26 a 27 de junho Reunião dos Ministros de Relações Exteriores do G-8 Quioto, Japão Simpósio Abordagens do Governo Chinês e da OCDE para encorajar condutas empresariais responsáveis Paris, França Workshop Construindo políticas e serviços orientados ao cidadão Ljubljana, Eslovênia 27 de junho Fórum Perspectivas Econômicas para África: Desenvolvimento de Capacidades Técnicas Paris, França 01 a 02 de julho Reunião anual Esquemas de Sementes Chicago, Estados Unidos da América 02 de julho Conferência sobre Perspectivas de Emprego para 2008 Paris, França 03 de julho Reunião Anual da Rede Internacional de Pequenos e Médios Empreendimentos Cantão, China 10

11 07 a 09 de julho Cúpula do G-8 Hokkaido, Japão INFORMAÇÕES ÚTEIS Embaixadas, ONU e OMC têm nomes de diplomatas aprovados O Senado aprovou, em plenária, a lista de nomes indicados pelo Presidente da República para as Embaixadas do Brasil em 12 países, ONU e OMC. Para a missão permanente do Brasil na ONU, em Genebra, foi aprovado o nome de Maria Nazareth Farani. Já a representação brasileira junto à OMC ficou a cargo de Roberto Carvalho de Azevedo. Cabe destacar, ainda, que o embaixador Hugueney Filho teve seu nome aprovado para representar o Brasil junto à República Popular da China, Mongólia e República Popular Democrática da Coréia. Para acessar a lista de todos os nomes aprovados, ver: <http://www.senado.gov.br/agencia/internacional/es/not _563.aspx>. Em apenas um mês, desmatamento na Amazônia equivale à área do Rio de Janeiro O desmatamento observado em abril na Floresta Amazônica registrou km², aproximadamente a área do município do Rio de Janeiro. Estes são dados do sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (DETER), divulgados em 2 de junho pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Em operação desde 2004, o DETER foi criado com o objetivo de auxiliar na fiscalização e no controle de desmatamento. O INPE estima que a área desmatada seja ainda maior, uma vez que o DETER só é capaz de detectar polígonos de desmatamento com área superior a 25 hectares por conta da resolução dos sensores espaciais. O estado em que o desmatamento se mostrou mais intenso foi Mato Grosso, seguido de Roraima. Para mais informações, ver: Lançamento de estudo sobre investimentos estrangeiros e desenvolvimento sustentável O Global Development and Environment Institute (GDAE), da Tufts University, lançará, em 19 de junho, o relatório intitulado Investimento Estrangeiro e Desenvolvimento Sustentável: Lições das Américas ( Foreign Investment and Sutainable Development: Lessons from the Americas ), evento que será realizado no Carnegie Endowment for International Peace, em Washington, DC. O estudo reúne análises de economistas latino-americanos sobre os impactos econômicos e ambientais do investimento estrangeiro na América Latina. O relatório pode ser acessado na íntegra, por meio do link: <http://ase.tufts.edu/gdae/workinggroup_fdi.htm>. O GDAE elaborou, ainda, um relatório, When More is Less, que apresenta as conclusões do projeto e recomendações de medidas políticas com o objetivo de conciliar aumento dos investimentos e desenvolvimento sustentável. O estudo pode ser acessado em: <http://www.ase.tufts.edu/gdae/pubs/rp/amerprogfdij un08.pdf>. IEA promove encontro sobre políticas para o desenvolvimento brasileiro O Instituto de Estudos Avançados promoverá, entre 24 a 26 de junho, o colóquio : um Período Promissor para o Brasil?. O evento debaterá as mudanças necessárias para assegurar o avanço nas áreas da ciência, tecnologia, energia, universidade e meio-ambiente. A programação pode ser acessada em: <http://www.iea.usp.br>; e as inscrições podem ser feitas pelo I Seminário Nacional de Ciência Política UFRGS Entre os dias 3 e 5 de setembro, será realizado o I Seminário Nacional de Ciência Política UFRGS, que debaterá as perspectivas das democracias contemporâneas a partir de diversos enfoques da Ciência Política. O evento tem por objetivos centrais a promoção da cooperação interinstitucional por meio da participação de pesquisadores do Brasil e de outros países e o desenvolvimento da área acadêmica. As propostas de trabalho para compor um dos Grupos de Trabalho não devem ultrapassar 900 caracteres com espaços. Os interessados em enviar suas propostas deverão inseri-las no site do evento até 30 de junho, no link: <http://www.cienciapolitica.ufrgs.br/democraciaemdebat e>. A divulgação das propostas aprovadas será feita em 7 de julho, no site do seminário. Bolsa Fulbright para doutorandos A Comissão brasileira da Fulbright abriu inscrições para aqueles interessados em concorrer à bolsa para Doutorado nos EUA. A data limite para envio de candidaturas, referente ao ano acadêmico é 25 de julho de Para mais informações, acessar: <http://www.fulbright.org.br/bolsas22.html>. 11

12 Curso de Direito Internacional de inverno O Centro de Direito Internacional (CEDIN), localizado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), realizará, de 7 a 25 de julho de 2008, o IV Curso de Inverno de Direito Internacional. Neste ano, o curso homenageará o Ministro Francisco Rezek e sua programação contará com conferências dedicadas às relações bilaterais do Brasil com França e EUA, aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, às missões de paz, entre outros temas. As inscrições podem ser feitas até 4 de julho. Para outras informações, acessar o site <http://www.cedin.com.br>; enviar para ou telefonar para 55 (31) Edições anteriores de PONTES Quinzenal podem ser acessadas em: PONTES é publicado pelo Centro Internacional para o Comércio e o Desenvolvimento Sustentável (ICTSD) e pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (DireitoGV). ICTSD é uma organização independente e sem fins lucrativos com sede em Genebra, Suíça, tel: (41-22) ; fax: Trechos de PONTES Quinzenal podem ser usados em outras publicações se forem citados de forma apropriada. Comentários e sugestões serão bem vindos e podem ser enviados para A produção de PONTES Quinzenal tem sido possível graças ao apoio generoso da Agência suíça para o desenvolvimento. 12

13

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

O valor da natureza para o desenvolvimento local: uma oportunidade econômica real a ser aproveitada

O valor da natureza para o desenvolvimento local: uma oportunidade econômica real a ser aproveitada O valor da natureza para o desenvolvimento local: uma oportunidade econômica real a ser aproveitada Simpósio Internacional para Formuladores de Políticas Públicas Sediado pela Cidade de Curitiba Curitiba,

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Brasil, 28 e 29 de agosto de 2006 MERCOSUL / SGT Nº 6 / ATA N. 2/06 IV REUNIÃO ORDINÁRIA DO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Por quê? Em nenhum outro país do mundo existem especialmente para a proteção do clima e tantas espécies de plantas e animais como conservação

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2013

RELATÓRIO Nº, DE 2013 RELATÓRIO Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 10, de 2013 (nº 28, de 1º de fevereiro de 2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras.

genético e, em seu lugar, propõe um mecanismo binário, que diferencia entre o acesso por empresas nacionais e estrangeiras. NOTA PÚBLICA CONJUNTA MUSEU GOELDI / INSTITUTO MAMIRAUÁ / INPA PROJETO DE LEI DE ACESSO À BIODIVERSIDADE, PATRIMÔNIO GENÉTICO E PROPRIEDADE INTELECTUAL Em face às recentes discussões concernentes ao processo

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Declaração do Capital Natural

Declaração do Capital Natural Declaração do Capital Natural Uma declaração do setor financeiro demonstrando nosso compromisso durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável [Rio +20 Earth Summit] em trabalhar

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o

Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o Esta apresentação baseia se no trabalho em curso no âmbito do projeto do Cindes e também em estudos anteriores que tenho vindo a desenvolver sobre o tema de cooperação brasileira para o desenvolvimento.

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 25, de 2013 (Mensagem nº 7, de 01/02/2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

SECRETARIA DE INOVAÇÃO

SECRETARIA DE INOVAÇÃO SECRETARIA DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 SEGUNDA CHAMADA PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA ENTRE BRASIL E ISRAEL O SECRETÁRIO DE INOVAÇÃO DO MINISTÉRIO DO

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008)

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD (Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África) é um colóquio político para o Desenvolvimento de África, que o Japão iniciou em 1993 e conduziu

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais