PROVA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS PROVA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS PROVA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS"

Transcrição

1 2º DIA MAIO 2014 PROVA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS PROVA DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES SEGUINTES NOME Nº de R.A. REGISTRO ACADÊMICO TURMA TURNO SALA FISCAL

2 2 Rascunho

3 3 PROPOSTA DE REDAÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema Copa do Mundo 2014: Nova política do Pão e Circo?, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista. Texto 1 Texto 2 De acordo com Raquel Rolnik, relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Moradia Adequada e urbanista da Universidade de São Paulo (USP), a primeira violação está no direito à informação. Além da falta de comunicação com as comunidades, os comitês também têm dificuldade no acesso à informação. As indenizações e realojamentos propostos também podem ser vistos como violações. "O reassentamento em locais com menor disponibilidade de serviços e emprego viola o direito de moradia adequada, que inclui o acesso aos demais direitos humanos educação, saúde, trabalho". Fonte: Texto 3 Certo é que a economia do País passará por um efeito alavanca, em que todas as áreas terão ganhos. As cidades que sediarão os jogos serão as primeiras a serem beneficiadas com grandes projetos de infraestrutura, como a preparação dos estádios, seja recuperando os já existentes, seja pela construção de novos prédios, além da reformulação do sistema de transporte público, melhoria no sistema de segurança e até mesmo na movimentação da iniciativa privada na infraestrutura de turismo, com a construção de novos hotéis, restaurantes, o que inevitavelmente acarretará a geração de empregos em diversos setores da economia. Fonte: INSTRUÇÕES O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção. Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que: Tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo considerada insuficiente. Fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo. Apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos. Apresentar parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto.

4 4 LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Questão de 01 a 90 Questões de 01 a 05 (opção Inglês) TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Leia o texto a seguir e responda à questão. Facebook Song Iyrics I wouldn t call myself a social butterfly And there s not much that separates me from the other guy But when I log in begin to live There s an online world where I am king Of a little website dedicated to me With pictures of me and a list of my friends And an unofficial record of the groups that I m in Before the internet, friendship was so tough You actually had to be in people s presence and stuff Who would have thought that with a point and a click I could know that Hope Floats is your favorite flick Facebook I m hooked on Facebook I used to meet girls hanging out at the mall Now I just wait for them to write on my wall Oh! Link s status changed, it says he s playing the recorder... How do you know this person? Did you hook up with this person? Do you need to request confirmation? Or did you just think they Iooked cute... From their picture on Facebook? If the internet crashed all across the land Or my Facebook account was deleted by the man I d carry around a picture of my face And a summary of me typed out on a page Adaptado de rhett_and_iink/facebook_song.html QUESTÃO The text above can be considered A) obscene. B) obsolete. C) religious. D) ironic. E) thrilling. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Radiohead A green plastic watering can For a fake Chinese rubber plant In the fake plastic earth That she bought from a rubber man In a town full of rubber plans To get rid of itself It wears her out, it wears her out It wears her out, it wears her out She lives with a broken man A cracked polystyrene man Who just crumbles and burns He used to do surgery For girls in the eighties But gravity always wins And it wears him out, it wears him out It wears him out, it wears him out She looks like the real thing She tastes like the real thing My fake plastic love But I can't help the feeling I could blow through the ceiling If I just turn and run And it wears me out, it wears me out It wears me out, it wears me out And if I could be who you wanted If I could be who you wanted All the time, all the time Disponível em: QUESTÃO A impossibilidade de realizar o desejo do outro é expressa no texto pelo verso: A) If I just turn and run. B) I could blow through the ceiling. C) If I could be who you wanted. D) But I can t help the feeling. E) NDA TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Leia a letra da música, interpretada por Amy Winehouse. Tears dry on their own

5 5 All I can ever be to you, Is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel at night I knew I hadn t met my match But every moment we could snatch I don t know why I got so attached It s my responsibility, And you don t owe nothing to me But to walk away I have no capacity He walks away The sun goes down, He takes the day but I m grown And in your way In this blue shade My tears dry on their own. I don t understand Why do I stress a man, When there s so many bigger things at hand We could have never had it all We had to hit a wall So this is inevitable withdrawal Even if I stopped wanting you, A perspective pushes through I ll be some next man s other woman soon [ ] I wish I could say no regrets And no emotional debts Cause as we kissed goodbye the sun sets So we are history The shadow covers me The sky above a blaze That only lovers see (http://letras.terra.com.br. Adaptado.) QUESTÃO Segundo a letra da música, qual das seguintes frases indica que um relacionamento amoroso acabou? A) It s my responsibility. B) The sun goes down. C) And in your way. D) I m grown. E) Tears dry on their own. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Observe the fragment taken from the blues Blow Wind Blow (Muddy Waters, Paul Butterfield). When the sun rose this morning, I didn't have my baby by my side. When the sun rose this morning, I didn't have my baby by my side. I don't know where she was, I know she's out with some another guy. QUESTÃO According to it, the author A) affirms he doesn t have his lover with him. B) wishes she had another man. C) wants her back anyway. D) believes she will return that morning. E) NDA QUESTÃO War Until the philosophy which holds one race superior And another inferior Is finally and permanently discredited and abandoned, Everywhere is war Me say war. That until there is no longer First class and second class citizens of any nation, Until the color of a mans skin Is of no more significance than the color of his eyes Me say war. [...] And until the ignoble and unhappy regimes that hold our brothers in Angola, in Mozambique. South Africa, sub-human bondage have been toppled, Utterly destroyed - WeII, everywhere is war Me say war. War in the east, war in the west, War up north, war down south War- war - Rumors of war. And until that day, the African continent wiii not know peace. We. Africans, will fight we find it necessary And we know we shall win As we are confident in the victory. MARLEY. B. Disponível em: Acesso em: 30 jun (fragmento). Bob Marley foi um artista popular e atraiu muitos fãs com suas canções. Ciente de sua influência social, na música War, o cantor se utiliza de sua arte para alertar sobre A) a inércia do continente africano diante das injustiças sociais. B) a persistência da guerra enquanto houver diferenças raciais e sociais. C) as acentuadas diferenças culturais entre os países africanos. D) as discrepâncias sociais entre moçambicanos e angolanos como causa de conflitos. E) a fragilidade das diferenças raciais e sociais como justificativas para o início de uma guerra. LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Questão de 01 a 90 Questões de 01 a 05 (opção Espanhol) QUESTÃO O grupo mexicano Maná, conhecido também por uma de suas canções que já fez parte da trilha sonora de uma novela brasileira, canta músicas pop rock. A partir de o trecho a seguir, e analisando cada frase, pode-se afirmar: Como quisiera Poder vivir sin agua Me encantaría robar tu corazón. Como pudiera un pez nadar sin agua. Como pudiera

6 6 un ave volar sin alas. Como pudiera la flor crecer sin tierra. I. Trata-se de uma denúncia social, sobre a falta de água no México. II. A letra faz referência a elementos de extrema necessidade para cada ser vivo citado. III. Como quisiera faz referência a um desejo pouco provável de se realizar. Marque a alternativa correta: Guerra de Sucesión Española el 11 de septiembre de 1714, tras catorce meses de sitio. Así, también se recuerda la consiguiente abolición de las instituciones catalanas tras la promulgación de los Decretos de Nueva Planta, en El Parlamento de Cataluña declaró el día Fiesta Nacional catalana en su primera ley tras su restablecimiento, en El artículo 8.1 del Estatuto de Autonomía de 2006 declara: «Cataluña, definida como nacionalidad en el artículo primero, tiene como símbolos nacionales la bandera, la fiesta y el himno». El artículo 8.3 establece: «La fiesta de Cataluña es el Día Once de Septiembre» Texto II A) Somente I está correta. B) Somente I e II estão corretas. C) Somente II e III estão corretas. D) Somente I e III estão corretas. E) Somente III está correta. QUESTÃO Gaturro é a personagem principal das tirinhas do argentino Nik. Na tirinha a seguir, o tom de humor se deve: Observando os dois textos anteriores, vemos que eles têm em comum: A) O fato de terem como tema a violência. B) O fato de lutarem pela paz. C) O fato de terem acontecido dia 11. D) O fato de terem como tema o terrorismo. E) O fato de lutarem por sua cidade. QUESTÃO (acesso em 16 maio 2012) A) ao uso de situações do cotidiano. B) à troca de significados feita com a palavra estrés. C) a um gato que fala como um humano. D) à crítica feita à nova forma de educar os filhos. E) à comparação das etapas da vida com a ordem matemática. QUESTÃO Texto I El Día Once de Septiembre es el nombre de la fiesta oficial de Cataluña (en catalán: Diada de l'onze de Setembre, Diada Nacional de Catalunya, o simplemente Diada). Con ello se conmemora la caída de Barcelona en manos de las tropas borbónicas al mando del duque de Berwick durante la

7 7 Al analizar la viñeta podemos entender que el avance de la tecnología ha A) cambiado la vida de los gatos. B) evolucionado la transmisión. C) mejorado la relación entre Gaturro y Ágatha. D) producido más problemas que soluciones. E) no es comprendido por Gaturro. QUESTÃO B) apesar de os modernistas registrarem as falas regionais do Brasil, ainda foram preconceituosos em relação às cariocas. C) a tradição dos valores portugueses foi a pauta temática do movimento modernista. D) Manuel Bandeira e os modernistas brasileiros exaltaram em seus textos o primitivismo da nação brasileira. E) Manuel Bandeira considera a diversidade dos falares brasileiros uma agressão à Língua Portuguesa. QUESTÃO Leia o que disse João Cabral de Melo Neto, poeta pernambucano, sobre a função de seus textos: Falo somente com o que falo: a linguagem enxuta, contato denso; falo somente do que falo: a vida seca, áspera e clara do sertão; falo somente por quem falo: o homem sertanejo sobrevivendo na adversidade e a míngua. Falo somente para quem falo: para os que precisam ser alertados para a situação da miséria no Nordeste. Para João Cabral de Melo Neto, no texto literário, O gênero textual história em quadrinhos pode ser usado com a intenção de provocar humor. Na tira, o cartunista Nik atinge o clímax dessa intenção quando A) apresenta, já no primeiro quadro, a contradição de humores nas feições da professora e do aluno. B) sugere, com os pontos de exclamação, a entonação incrédula de Gaturro em relação à pergunta de Ágatha. C) compõe um cenário irreal em que uma professora não percebe no texto de um aluno sua verdadeira intenção. D) aponta que Ágatha desconstrói a ideia inicial de Gaturro a respeito das reais intenções da professora. E) congela a imagem de Ágatha, indicando seu desinteresse pela situação vivida por Gaturro. QUESTÃO A discussão sobre gramática na classe está quente. Será que os brasileiros sabem gramática? A professora de Português propõe para debate o seguinte texto: PRA MIM BRINCAR Não há nada mais gostoso do que o mim sujeito de verbo no infinito. Pra mim brincar. As cariocas que não sabem gramática falam assim. Todos os brasileiros deviam de querer falar como as cariocas que não sabem gramática. As palavras mais feias da língua portuguesa são quiçá, alhures e miúde. (BANDEIRA, Manuel. Seleta em prosa e verso. Org: Emanuel de Moraes.4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, P. 19) Com a orientação da professora e após o debate sobre o texto de Manuel Bandeira, os alunos chegaram à seguinte conclusão: A) uma das propostas mais ousadas do Modernismo foi a busca da identidade do povo brasileiro e o registro, no texto literário, da diversidade das falas brasileiras. A) a linguagem do texto deve refletir o tema, e a fala do autor deve denunciar o fato social para determinados leitores. B) a linguagem do texto não deve ter relação com o tema, e o autor deve ser imparcial para que seu texto seja lido. C) o escritor deve saber separar a linguagem do tema e a perspectiva pessoal da perspectiva do leitor. D) a linguagem pode ser separada do tema, e o escritor deve ser o delator do fato social para todos os leitores. E) a linguagem está além do tema, e o fato social deve ser a proposta do escritor para convencer o leitor. QUESTÃO Quem não passou pela experiência de estar lendo um texto e defrontar-se com passagens já lidas em outros? Os textos conversam entre si em um diálogo constante. Esse fenômeno tem a denominação de intertextualidade. Leia os seguintes textos: I. Quando nasci, um anjo torto Desses que vivem na sombra Disse: Vai Carlos! Ser gauche na vida (ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma poesia. Rio de Janeiro: Aguilar, 1964) II. Quando nasci veio um anjo safado O chato dum querubim E decretou que eu tava predestinado A ser errado assim Já de saída a minha estrada entortou Mas vou até o fim. (BUARQUE, Chico. Letra e Música. São Paulo: Cia das Letras, 1989) III. Quando nasci um anjo esbelto Desses que tocam trombeta, anunciou: Vai carregar bandeira. Carga muito pesada pra mulher Esta espécie ainda envergonhada. (PRADO, Adélia. Bagagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986) Adélia Prado e Chico Buarque estabelecem intertextualidade, em relação a Carlos Drummond de Andrade, por A) reiteração de imagens. B) oposição de idéias. C) falta de criatividade. D) negação dos versos. E) ausência de recursos.

8 8 QUESTÃO E considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas. Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade. Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! Minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico. (BRAGA, Rubem. Ai de ti, Copacabana. 20.ed.) O poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu assim sobre a obra de Rubem Braga: O que ele nos conta é o seu dia, o seu expediente de homem, apanhado no essencial, narrativa direta e econômica. (...) É o poeta do real, do palpável, que se vai diluindo em cisma. Dá o sentimento da realidade e o remédio para ela. Em seu texto, Rubem Braga afirma que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. Afirmação semelhante pode ser encontrada no texto de Carlos Drummond de Andrade, quando, ao analisar a obra de Braga, diz que ela é A) uma narrativa direta e econômica. B) real, palpável. C) sentimento de realidade. D) seu expediente de homem. E) seu remédio. QUESTÃO Ferreira Gullar, um dos grandes poetas brasileiros da atualidade, é autor de Bicho urbano, poema sobre a sua relação com as pequenas e grandes cidades. Bicho urbano Se disser que prefiro morar em Pirapemas ou em outra qualquer pequena cidade do país estou mentindo ainda que lá se possa de manhã lavar o rosto no orvalho e o pão preserve aquele branco sabor de alvorada. [...] A natureza me assusta. Com seus matos sombrios suas águas suas aves que são como aparições me assusta quase tanto quanto esse abismo de gases e de estrelas aberto sob minha cabeça. (GULLAR, Ferreira. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1991) Embora não opte por viver numa pequena cidade, o poeta reconhece elementos de valor no cotidiano das pequenas comunidades. Para expressar a relação do homem com alguns desses elementos, ele recorre à sinestesia, construção de linguagem em que se mesclam impressões sensoriais diversas. Assinale a opção em que se observa esse recurso. A) "e o pão preserve aquele branco / sabor de alvorada." B) "ainda que lá se possa de manhã / lavar o rosto no orvalho" C) "A natureza me assusta. / Com seus matos sombrios suas águas" D) "suas aves que são como aparições / me assusta quase tanto quanto" E) "me assusta quase tanto quanto / esse abismo / de gases e de estrelas" QUESTÃO Poética, de Manuel Bandeira, é quase um manifesto do movimento modernista brasileiro de No poema, o autor elabora críticas e propostas que representam o pensamento estético predominante na época. Poética Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e [manifestações de apreço ao Sr. diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o [cunho vernáculo de um vocábulo Abaixo os puristas [...] Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbedos O lirismo difícil e pungente dos bêbedos O lirismo dos clowns de Shakespeare Não quero mais saber do lirismo que não é libertação. (BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1974) Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta: A) critica o lirismo louco do movimento modernista. B) critica todo e qualquer lirismo na literatura. C) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico. D) propõe o retorno ao lirismo do movimento romântico. E) propõe a criação de um novo lirismo. QUESTÃO Murilo Mendes, em um de seus poemas, dialoga com a carta de Pero Vaz de Caminha: A terra é mui graciosa, Tão fértil eu nunca vi. A gente vai passear, No chão espeta um caniço, No dia seguinte nasce Bengala de castão de oiro. Tem goiabas, melancias, Banana que nem chuchu. Quanto aos bichos, tem-nos muito, De plumagens mui vistosas. Tem macaco até demais Diamantes tem à vontade Esmeralda é para os trouxas. Reforçai, Senhor, a arca, Cruzados não faltarão, Vossa perna encanareis, Salvo o devido respeito. Ficarei muito saudoso Se for embora daqui. (MENDES, Murilo. Murilo Mendes poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.)

9 9 Arcaísmos e termos coloquiais misturam-se nesse poema, criando um efeito de contraste, como ocorre em: A) A terra é mui graciosa / Tem macaco até demais B) Salvo o devido respeito / Reforçai, Senhor, a arca C) A gente vai passear / Ficarei muito saudoso D) De plumagens mui vistosas / Bengala de castão de oiro E) No chão espeta um caniço / Diamantes tem à vontade QUESTÃO Miguilim De repente lá vinha um homem a cavalo. Eram dois. Um senhor de fora, o claro de roupa. Miguilim saudou, pedindo a bênção. O homem trouxe o cavalo cá bem junto. Ele era de óculos, corado, alto, com um chapéu diferente, mesmo. (José Lins do Rego. Menino de engenho) A cor local que a personagem velha Totonha colocava em suas histórias é ilustrada, pelo autor, na seguinte passagem: A) O seu Barba-Azul era um senhor de engenho de Pernambuco. B) Havia sempre rei e rainha, nos seus contos, e forca e adivinhações. C) Era uma grande artista para dramatizar. Tinha uma memória de prodígio. D) Andava léguas e léguas a pé, como uma edição viva das Mil e Uma Noites. E) Recitava contos inteiros em versos, intercalando pedaços de prosa, como notas explicativas. QUESTÃO Deus te abençoe, pequenino. Como é teu nome? - Miguilim. Eu sou irmão do Dito. - E o seu irmão Dito é o dono daqui? - Não, meu senhor. O Ditinho está em glória. O homem esbarrava o avanço do cavalo, que era zelado, manteúdo, formoso como nenhum outro. Redizia: - Ah, não sabia, não. Deus o tenha em sua guarda... Mas que é que há, Miguilim? Miguilim queria ver se o homem estava mesmo sorrindo para ele, por isso é que o encarava. - Por que você aperta os olhos assim? Você não é limpo de vista? Vamos até lá. Quem é que está em tua casa? - É Mãe, e os meninos... Estava Mãe, estava tio Terez, estavam todos. O senhor alto e claro se apeou. O outro, que vinha com ele, era um camarada. O senhor perguntava à Mãe muitas coisas do Miguilim. Depois perguntava a ele mesmo:...miguilim, espia daí: quantos dedos da minha mão você está enxergando? E agora?. (ROSA, João Guimarães. Manuelzão e Miguilim. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.) Esta história, com narrador observador em terceira pessoa, apresenta os acontecimentos da perspectiva de Miguilim. O fato de o ponto de vista do narrador ter Miguilim como referência, inclusive espacial, fica explicitado em: A) O homem trouxe o cavalo cá bem junto. B) Ele era de óculos, corado, alto (...). C) O homem esbarrava o avanço do cavalo, (...). D) Miguilim queria ver se o homem estava mesmo sorrindo para ele, (...). E) Estava Mãe, estava tio Terez, estavam todos. QUESTÃO A velha Totonha de quando em vez batia no engenho. E era um acontecimento para a meninada. (...) andava léguas e léguas a pé, de engenho a engenho, como uma edição viva das histórias de Mil e Uma Noites (...) era uma grande artista para dramatizar. Tinha uma memória de prodígio. Recitava contos inteiros em versos, intercalando pedaços de prosa, como notas explicativas. (...) Havia sempre rei e rainha, nos seus contos, e forca e adivinhações. O que fazia a velha Totonha mais curiosa era a cor local que ela punha nos seus descritivos. (...) Os rios e as florestas por onde andavam os seus personagens se pareciam muito com o Paraíba e a Mata do Rolo. O seu Barba-Azul era um senhor de engenho de Pernambuco. Desiguais na fisionomia, na cor e na raça, o que lhes assegura identidade peculiar, são iguais enquanto frente de trabalho. Num dos cantos, as chaminés das fábricas se alçam verticalmente. No mais, em todo quadro, rostos colados, um ao lado do outro, em pirâmide que tende a se prolongar infinitamente, como mercadoria que se acumula pelo quadro afora. (Nadia Gotlib. Tarsila do Amaral, a modernista) O texto aponta no quadro de Tarsila do Amaral um tema que também se encontra nos versos transcritos em: A) Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas. (Vinícius de Moraes) B) Somos muitos severinos iguais em tudo e na sina: a de abrandar estas pedras suando-se muito em cima. (João Cabral de Melo Neto) C) O funcionário público não cabe no poema com seu salário de fome sua vida fechada em arquivos. (Ferreira Gullar) D) Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. (Fernando Pessoa) E)

10 10 Os inocentes do Leblon Não viram o navio entrar (...) Os inocentes, definitivamente inocentes tudo ignoravam, mas a areia é quente, e há um óleo suave que eles passam pelas costas, e aquecem. (Carlos Drummond de Andrade) QUESTÃO E) negativa, pois retrata a formação do Brasil como incoerente e defeituosa, resultando em anarquia e falta de seriedade. QUESTÃO A polifonia, variedade de vozes, presente no poema resulta da manifestação do A) poeta e do colonizador apenas. B) colonizador e do negro apenas. C) negro e do índio apenas. D) colonizador, do poeta e do negro apenas. E) poeta, do colonizador, do índio e do negro. QUESTÃO Namorados Considerando que símbolos e sinais são utilizados geralmente para demonstrações objetivas, ao serem incorporados no poema Epithalamium II, A) adquirem novo potencial de significação. B) eliminem a subjetividade do poema. C) opõem-se ao tema principal do poema. D) invertem seu sentido original. E) tornam-se confusos e equivocados. As questões 17 e 18 referem-se ao texto abaixo: Brasil O Zé Pereira chegou de caravela E preguntou pro guarani da mata virgem Sois cristão? Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! O negro zonzo saído da fornalha Tomou a palavra e respondeu Sim pela graça de Deus Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum! E fizeram o Carnaval (Oswald de Andrade) QUESTÃO Considerando-se esse aspecto, é correto afirmar que a visão apresentada pelo texto é A) ambígua, pois tanto aponta o caráter desconjuntado da formação nacional, quanto parece sugerir que esse processo, apesar de tudo, acaba bem. B) inovadora, pois mostra que as três raças formadoras portugueses, negros e índios pouco contribuíram para a formação da identidade brasileira. C) moralizante, na medida em que aponta a precariedade da formação cristã do Brasil como causa da predominância de elementos primitivos e pagãos. D) preconceituosa, pois critica tanto índios quanto negros, representando de modo positivo apenas o elemento europeu, vindo com as caravelas. O rapaz chegou-se para junto da moca e disse: Antônia, ainda não me acostumei com o seu corpo, com a sua cara. A moca olhou de lado e esperou. Você não sabe quando a gente e criança e de repente vê uma lagarta listrada? A moca se lembrava: A gente fica olhando... A meninice brincou de novo nos olhos dela. O rapaz prosseguiu com muita doçura: Antônia, você parece uma lagarta listrada. A moca arregalou os olhos, fez exclamações. O rapaz concluiu: Antônia, você é engraçada! Você parece louca. (Manuel Bandeira. Poesia completa & prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.) No poema de Bandeira, importante representante da poesia modernista, destaca-se como característica da escola literária dessa época A) a reiteração de palavras como recurso de construção de rimas ricas. B) a utilização expressiva da linguagem falada em situações do cotidiano. C) a criativa simetria de versos para reproduzir o ritmo do tema abordado. D) a escolha do tema do amor romântico, caracterizador do estilo literário dessa época. E) E o recurso ao dialogo, gênero discursivo típico do Realismo. QUESTÃO Depois de um bom jantar: feijão com carne-seca, orelha de porco e couve com angu, arroz-mole engordurado, carne de vento assada no espeto, torresmo enxuto de toicinho da barriga, viradinho de milho verde e um prato de caldo de couve, jantar encerrado por um prato fundo de canjica com torrões de açúcar, Nhô Tome saboreou o café forte e se estendeu na rede. A mão direita sob a cabeça, a guisa de travesseiro, o indefectível cigarro de palha entre as pontas do indicador e do polegar, envernizados pela fumaça, de unhas encanoadas e longas, ficou-se de panca para o ar, modorrento, a olhar para as ripas do telhado. Quem come e não deita, a comida nao aproveita, pensava Nho Tome... E pos-se a cochilar. A sua modorra durou pouco; Tia Policena, ao passar pela sala, bradou assombrada: Eeh! Sinhô! Vai drumi agora? Nao! Num presta... Da pisadera e pode morre de ataque de cabeça! Despois do armoco num far-ma... mais despois da janta?! (Cornélio Pires. Conversas ao pé do fogo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1987.)

11 11 Nesse trecho, extraído de texto publicado originalmente em 1921, o narrador A) apresenta, sem explicitar juízos de valor, costumes da época, descrevendo os pratos servidos no jantar e a atitude de Nhô Tome e de Tia Policena. B) desvaloriza a norma culta da língua porque incorpora a narrativa usos próprios da linguagem regional das personagens. C) condena os hábitos descritos, dando voz a Tia Policena, que tenta impedir Nhô Tome de deitar-se após as refeições. D) utiliza a diversidade sociocultural e linguística para demonstrar seu desrespeito as populações das zonas rurais do inicio do século XX. E) E manifesta preconceito em relação a Tia Policena ao transcrever a fala dela com os erros próprios da região. QUESTÃO No romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos, o vaqueiro Fabiano encontra-se com o patrão para receber o salário. Eis parte da cena: Não se conformou: devia haver engano. (...) Com certeza havia um erro no papel do branco. Não se descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos. Passar a vida inteira assim no toco, entregando o que era dele de mão beijada! Estava direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria? O patrão zangou-se, repeliu a insolência, achou bom que o vaqueiro fosse procurar serviço noutra fazenda. Ai Fabiano baixou a pancada e amunhecou. Bem, bem. Não era preciso barulho não. (Graciliano Ramos. Vidas Secas. 91 ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.) No fragmento transcrito, o padrão formal da linguagem convive com marcas de regionalismo e de coloquialismo no vocabulário. Pertence a variedade do padrão formal da linguagem o seguinte trecho: A) Não se conformou: devia haver engano B) e Fabiano perdeu os estribos. C) Passar a vida inteira assim no toco D) entregando o que era dele de mão beijada! E) Ai Fabiano baixou a pancada e amunhecou. Os textos a seguir correspondem às questões 22 e 23. Texto 1 Agora Fabiano conseguia arranjar as ideias. O que o segurava era a família. Vivia preso como um novilho amarrado ao mourão, suportando ferro quente. Se não fosse isso, um soldado amarelo não lhe pisava o pé não. (...) Tinha aqueles cambões pendurados ao pescoço. Deveria continuar a arrastá-los? Sinha Vitória dormia mal na cama de varas. Os meninos eram uns brutos, como o pai. Quando crescessem, guardariam as reses de um patrão invisível, seriam pisados, maltratados, machucados por um soldado amarelo. (Graciliano Ramos. Vidas Secas. São Paulo: Martins, 23. ed., 1969, p. 75.) Texto 2 Para Graciliano, o roceiro pobre é um outro, enigmático, impermeável. Não há solução fácil para uma tentativa de incorporação dessa figura no campo da ficção. É lidando com o impasse, ao invés de fáceis soluções, que Graciliano vai criar Vidas Secas, elaborando uma linguagem, uma estrutura romanesca, uma constituição de narrador em que narrador e criaturas se tocam, mas não se identificam. Em grande medida, o debate acontece porque, para a intelectualidade brasileira naquele momento, o pobre, a despeito de aparecer idealizado em certos aspectos, ainda é visto como um ser humano de segunda categoria, simples demais, incapaz de ter pensamentos demasiadamente complexos. O que Vidas Secas faz é, com pretenso não envolvimento da voz que controla a narrativa, dar conta de uma riqueza humana de que essas pessoas seriam plenamente capazes. (Luís Bueno. Guimarães, Clarice e antes. In: Teresa. São Paulo: USP, n. 2, 2001, p. 254.) QUESTÃO A partir do trecho de Vidas Secas (texto I) e das informações do texto II, relativas às concepções artísticas do romance social de 1930, avalie as seguintes afirmativas. I. O pobre, antes tratado de forma exótica e folclórica pelo regionalismo pitoresco, transforma-se em protagonista privilegiado do romance social de 30. II. A incorporação do pobre e de outros marginalizados indica a tendência da ficção brasileira da década de 30 de tentar superar a grande distância entre o intelectual e as camadas populares. III. Graciliano Ramos e os demais autores da década de 30 conseguiram, com suas obras, modificar a posição social do sertanejo na realidade nacional. É correto apenas o que se afirma em: A) I. B) II. C) III. D) I e II. E) II e III. QUESTÃO No texto II, verifica-se que o autor utiliza A) linguagem predominantemente formal, para problematizar, na composição de Vidas Secas, a relação entre o escritor e o personagem popular. B) linguagem inovadora, visto que, sem abandonar a linguagem formal, dirige-se diretamente ao leitor. C) linguagem coloquial, para narrar coerentemente uma história que apresenta o roceiro pobre de forma pitoresca. D) linguagem formal com recursos retóricos próprios do texto literário em prosa, para analisar determinado momento da literatura brasileira. E) linguagem regionalista, para transmitir informações sobre literatura, valendo-se de coloquialismo, para facilitar o entendimento do texto. QUESTÃO A velha Totonha de quando em vez batia no engenho. E era um acontecimento para a meninada... Que talento ela possuía para contar as suas histórias, com um jeito admirável de falar em nome de todos os personagens, sem nenhum dente na boca, e com uma voz que dava todos os tons às palavras! Havia sempre rei e rainha, nos seus contos, e forca e adivinhações. E muito da vida, com as suas maldades e as suas grandezas, a gente encontrava naqueles heróis e naqueles intrigantes, que eram sempre castigados com mortes horríveis! O que fazia a velha Totonha mais curiosa era a cor local que ela punha nos seus descritivos. Quando ela queria pintar um reino era como se estivesse falando dum engenho fabuloso. Os rios e florestas por onde andavam os seus personagens se pareciam muito com a Paraíba e a Mata do Rolo. O seu Barba-Azul era um senhor de engenho de Pernambuco.

12 12 (José Lins do Rego. Menino de Engenho. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980, p (com adaptações).) Na construção da personagem velha Totonha, é possível identificar traços que revelam marcas do processo de colonização e de civilização do país. Considerando o texto acima, infere-se que a velha Totonha D) apresentação do personagem-narrador como uma projeção do próprio poeta, em sua crise existencial. E) descrição de Severino, que, apesar de humilde, orgulha-se de ser descendente do coronel Zacarias. QUESTÃO A) tira o seu sustento da produção da literatura, apesar de suas condições de vida e de trabalho, que denotam que ela enfrenta situação econômica muito adversa. B) compõe, em suas histórias, narrativas épicas e realistas da história do país colonizado, livres da influência de temas e modelos não representativos da realidade nacional. C) retrata, na constituição do espaço dos contos, a civilização urbana europeia em concomitância com a representação literária de engenhos, rios e florestas do Brasil. D) aproxima-se, ao incluir elementos fabulosos nos contos, do próprio romancista, o qual pretende retratar a realidade brasileira de forma tão grandiosa quanto a europeia. E) imprime marcas da realidade local a suas narrativas, que têm como modelo e origem as fontes da literatura e da cultura europeia universalizada. QUESTÃO TEXTO I O meu nome é Severino, não tenho outro de pia. Como há muitos Severinos, que é santo de romaria, deram então de me chamar Severino de Maria; como há muitos Severinos com mães chamadas Maria, fiquei sendo o da Maria do finado Zacarias mas isso ainda diz pouco: há muitos na freguesia, por causa de um coronel que se chamou Zacarias e que foi o mais antigo senhor desta sesmaria. Como então dizer quem fala ora a Vossas Senhorias? (NETO, J.C. Obra completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1994 [fragmento]) Texto II João Cabral, que já emprestara sua voz ao rio, transferea, aqui, ao retirante Severino, que, como o Capibaribe, também segue no caminho do Recife. A autoapresentação do personagem, na fala inicial do texto, nos mostra um Severino que, quanto mais se define, menos se individualiza, pois seus traços biográficos são partilhados por outros homens. (SECCHIN, A. C. João Cabral: a poesia do menos. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999) Com base no trecho de Morte e vida Severina (texto I) e na análise crítica (texto II) observa-se que a relação entre o texto poético e o contexto social a que ele faz referência aponta para um problema social expresso literariamente pela pergunta: Como então dizer quem fala / ora a Vossas Senhorias?. A resposta à pergunta expressa no poema é dada por meio da A) descrição minuciosa dos dados biográficos do personagemnarrador. B) construção da figura do retirante nordestino. C) representação, na figura do personagem-narrador, de outros Severinos que compartilham sua condição. O cartaz de Ziraldo faz parte de uma campanha contra o uso de drogas. Essa abordagem, que se diferencia das de outras campanhas, pode ser identificada A) pela seleção do público alvo da campanha, representado, no cartaz, pelo casal de jovens. B) pela escolha temática do cartaz, cujo texto configura uma ordem aos usuários e não usuários: diga não às drogas. C) pela ausência intencional do acento grave, que constrói a ideia de que não é a droga que faz a cabeça do jovem. D) pelo uso da ironia, na oposição imposta entre a seriedade do tema e a ambiência amena que envolve a cena. E) pela criação de um texto de sátira à postura dos jovens, que não possuem autonomia para seguir seus caminhos. QUESTÃO Pequeno concerto que virou canção Não, não há por que mentir ou esconder A dor que foi maior do que é capaz meu coração Não, nem há por que seguir cantando só para explicar Não vai nunca entender de amor quem nunca soube amar Ah, eu vou voltar pra mim Seguir sozinho assim Até me consumir ou consumir toda essa dor Até sentir de novo o coração capaz de amor VANDRE. G. Disponível em: Acesso em 29 jun Na canção de Geraldo Vandré, tem-se a manifestação da função poética da linguagem, que é percebida na elaboração artística e criativa da mensagem, por meio de combinações sonoras e rítmicas. Pela análise do texto, entretanto, percebe-se, também, a presença marcante da função emotiva ou expressiva, por meio da qual o emissor

13 13 A) imprime à canção as marcas de sua atitude pessoal, seus sentimentos. B) transmite informações objetivas sobre o tema de que trata a canção. C) busca persuadir o receptor da canção a adotar um certo comportamento. D) procura explicar a própria linguagem que utiliza para construir a canção. E) objetiva verificar ou fortalecer a eficiência da mensagem veiculada. QUESTÃO APADRINHE. IGUAL AO JOÃO, MILHARES DE CRIANÇAS TAMBÉM PRECISAM DE UM MELHOR AMIGO. SEJA O MELHOR AMIGO DE UMA CRIANÇA. Anúncio assinado pelo Fundo Cristão para Crianças CCF-Brasil. Revista IstoÉ. São Paulo: Três, ano 32, n 2079, 16 set Pela forma como as informações estão organizadas, observa-se que, nessa peça publicitária, predominantemente, busca-se A) conseguir a adesão do leitor à causa anunciada. B) reforçar o canal de comunicação com o interlocutor. C) divulgar informações a respeito de um dado assunto. D) enfatizar os sentimentos e as impressões do próprio enunciador. E) ressaltar os elementos estéticos, em detrimento do conteúdo veiculado. QUESTÃO Sobre a exposição de Anita Malfatti, em 1917, que muito influenciaria a Semana de Arte Moderna, Monteiro Lobato escreveu, em artigo intitulado Paranoia ou Mistificação: O anúncio publicitário está intimamente ligado ao ideário de consumo quando sua função é vender um produto. No texto apresentado, utilizam-se elementos linguísticos e extralinguísticos para divulgar a atração Noites do Terror, de um parque de diversões. O entendimento da propaganda requer do leitor A) a identificação com o público alvo a que se destina o anúncio. B) a avaliação da imagem como uma sátira às atrações de terror. C) a atenção para a imagem da parte do corpo humano selecionada aleatoriamente. D) o reconhecimento do intertexto entre a publicidade e um dito popular. E) a percepção do sentido literal da expressão noites do terror, equivalente à expressão noites de terror. Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem as coisas e em consequência fazem arte pura, guardados os eternos ritmos da vida, e adotados, para a concretização das emoções estéticas, os processos clássicos dos grandes mestres. (...) A outra espécie é formada dos que veem anormalmente a natureza e a interpretam à luz das teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica das escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. (...). Estas considerações são provocadas pela exposição da sra. Malfatti, onde se notam acentuadíssimas tendências para uma atitude estética forçada no sentido das extravagâncias de Picasso & cia. O Diário de São Paulo, dez./1917. Em qual das obras a seguir identifica-se o estilo de Anita Malfatti criticado por Monteiro Lobato no artigo? QUESTÃO A) B) C)

14 14 D) E) QUESTÃO Todo texto apresenta uma intenção, da qual derivam as escolhas linguísticas que o compõem. O texto da campanha publicitária e o da charge apresentam, respectivamente, composição textual pautada por uma estratégia O texto é uma propaganda de um adoçante que tem o seguinte mote: Mude sua embalagem. A estratégia que o autor utiliza para o convencimento do leitor baseia-se no emprego de recursos expressivos, verbais e não verbais, com vistas a A) ridicularizar a forma física do possível cliente do produto anunciado, aconselhando-o a uma busca de mudanças estéticas. B) enfatizar a tendência da sociedade contemporânea de buscar hábitos alimentares saudáveis, reforçando tal postura. C) criticar o consumo excessivo de produtos industrializados por parte da população, propondo a redução desse consumo. D) associar o vocábulo açúcar à imagem do corpo fora de forma, sugerindo a substituição desse produto pelo adoçante. E) relacionar a imagem do saco de açúcar a um corpo humano que não desenvolve atividades físicas, incentivando a prática esportiva. A) expositiva, porque informa determinado assunto de modo isento; e interativa, porque apresenta intercâmbio verbal entre dois personagens. B) descritiva, pois descreve ações necessárias ao combate à dengue; e narrativa, pois um dos personagens conta um fato, um acontecimento. C) injuntiva, uma vez que, por meio do cartaz, diz como se deve combater a dengue; e dialogal, porque estabelece uma interação oral. D) narrativa, visto que apresenta relato de ações a serem realizadas; e descritiva, pois um dos personagens descreve a ação realizada. E) persuasiva, com o propósito de convencer o interlocutor a combater a dengue; e dialogal, pois há a interação oral entre os personagens. QUESTÃO Observe a tirinha da personagem Mafalda, de Quino. QUESTÃO

15 15 O efeito de humor foi um recurso utilizado pelo autor da tirinha para mostrar que o pai de Mafalda A) revelou desinteresse na leitura do dicionário. B) tentava ler um dicionário, que é uma obra muito extensa. C) causou surpresa em sua filha, ao se dedicar à leitura de um livro tão grande. D) queria consultar o dicionário para tirar uma dúvida, e não ler o livro, como sua filha pensava. E) demonstrou que a leitura do dicionário o desagradou bastante, fato que decepcionou muito sua filha. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Um dia, os imigrantes aglomerados na amurada da proa chegavam à fedentina quente de um porto, num silêncio de mato e de febre amarela. Santos. - É aqui! Buenos Aires é aqui! - Tinham trocado o rótulo das bagagens, desciam em fila. Faziam suas necessidades nos trens dos animais onde iam. Jogavam-nos num pavilhão comum em São Paulo. - Buenos Aires é aqui! - Amontoados com trouxas, sanfonas e baús, num carro de bois, que pretos guiavam através do mato por estradas esburacadas, chegavam uma tarde nas senzalas donde acabava de sair o braço escravo. Formavam militarmente nas madrugadas do terreiro homens e mulheres, ante feitores de espingarda ao ombro. Oswald de Andrade. "Marco Zero II - Chão". Rio de Janeiro: Globo, Levando-se em consideração o texto de Oswald de Andrade e a pintura de Antonio Rocco reproduzida acima, relativos à imigração europeia para o Brasil, é correto afirmar que A) a visão da imigração presente na pintura é trágica e, no texto, otimista. B) a pintura confirma a visão do texto quanto à imigração de argentinos para o Brasil. C) os dois autores retratam dificuldades dos imigrantes na chegada ao Brasil. D) Antonio Rocco retrata de forma otimista a imigração, destacando o pioneirismo do imigrante. E) Oswald de Andrade mostra que a condição de vida do imigrante era melhor que a dos ex-escravos. QUESTÃO QUESTÃO Texto 1 Pode-se definir metalinguagem como a linguagem que comenta a própria linguagem, fenômeno presente na literatura e nas artes em geral. O quadro A perspicácia, do belga René Magritte, é um exemplo de metalinguagem porque: A) destaca a qualidade do traço artístico B) mostra o pintor no momento da criação C) implica a valorização da arte tradicional D) indica a necessidade de inspiração concreta E) NDA QUESTÃO

16 16 Texto 2 D) pela idade do observador. E) pela altura do ponto de observação. SONHO IMPOSSÍVEL Sonhar Mais um sonho impossível Lutar Quando é fácil ceder Vencer o inimigo invencível Negar quando a regra é vender Sofrer a tortura implacável Romper a incabível prisão Voar num limite improvável Tocar o inacessível chão É minha lei, é minha questão Virar esse mundo Cravar esse chão Não me importa saber Se é terrível demais Quantas guerras terei que vencer Por um pouco de paz E amanhã se esse chão que eu beijei For meu leito e perdão Vou saber que valeu delirar E morrer de paixão E assim, seja lá como for Vai ter fim a infinita aflição E o mundo vai ver uma flor Brotar do impossível chão. (J. Darione - M. Leigh - Versão de Chico Buarque de Hollanda e Ruy Guerra, 1972.) QUESTÃO Leia o texto e examine a ilustração: ÓBITO DO AUTOR (...) expirei às duas horas da tarde de uma sexta-feira do mês de agosto de 1869, na minha bela chácara de Catumbi. Tinha uns sessenta e quatro anos, rijos e prósperos, era solteiro, possuía cerca de trezentos contos e fui acompanhado ao cemitério por onze amigos. Onze amigos! Verdade é que não houve cartas nem anúncios. Acresce que chovia - peneirava - uma chuvinha miúda, triste e constante, tão constante e tão triste, que levou um daqueles fiéis da última hora a intercalar esta engenhosa ideia no discurso que proferiu à beira de minha cova: -"Vós, que o conhecestes, meus senhores, vós podeis dizer comigo que a natureza parece estar chorando a perda irreparável de um dos mais belos caracteres que tem honrado a humanidade. Este ar sombrio, estas gotas do céu, aquelas nuvens escuras que cobrem o azul como um crepe funéreo, tudo isto é a dor crua e má que lhe rói à natureza as mais íntimas entranhas; tudo isso é um sublime louvor ao nosso ilustre finado." (...) (Adaptado. Machado de Assis. Memórias póstumas de Brás Cubas. Ilustrado por Cândido Portinari. Rio de Janeiro: Cem Bibliófilos do Brasil, p.1.) A tirinha e a canção apresentam uma reflexão sobre o futuro da humanidade. É correto concluir que os dois textos A) afirmam que o homem é capaz de alcançar a paz. B) concordam que o desarmamento é inatingível. C) julgam que o sonho é um desafio invencível. D) têm visões diferentes sobre um possível mundo melhor. E) transmitem uma mensagem de otimismo sobre a paz. QUESTÃO Compare o texto de Machado de Assis com a ilustração de Portinari. Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo... Por isso minha aldeia é grande como outra qualquer Porque sou do tamanho do que vejo E não do tamanho da minha altura... (Alberto Caeiro) A tira "Hagar" e o poema de Alberto Caeiro (um dos heterônimos de Fernando Pessoa) expressam, com linguagens diferentes, uma mesma ideia: a de que a compreensão que temos do mundo é condicionada, essencialmente, A) pelo alcance de cada cultura. B) pela capacidade visual do observador. C) pelo senso de humor de cada um. É correto afirmar que a ilustração do pintor A) apresenta detalhes ausentes na cena descrita no texto verbal. B) retrata fielmente a cena descrita por Machado de Assis. C) distorce a cena descrita no romance. D) expressa um sentimento inadequado à situação. E) contraria o que descreve Machado de Assis. TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES: Capim-guiné (Raul Seixas) Plantei um sítio

17 17 No sertão de Piritiba Dois pés de guataíba Caju, manga e cajá Tem abacate, jenipapo E bananeira Milho verde, macaxeira Como diz no Ceará Com muita raça Fiz tudo aqui sozinho Nem um pé de passarinho Veio a terra semeá Agora veja Cumpadi, a safadeza Cumeçô a marvadeza Todo bicho vem prá cá Suçuarana só fez perversidade Pardal foi pra cidade Piruá minha saqué Qué! Qué! Dona raposa Só vive na mardade Me faça a caridade Se vire e dê no pé Sagui trepado No pé da goiabeira Sariguê na macaxeira Tem inté tamanduá... Minhas galinha Já num fica mais parada E o galo de madrugada Tem medo de cantá (Disponível em: Acesso em Adaptado) QUESTÃO Sobre o texto, é correto afirmar que A) o proprietário do sítio contou com a colaboração de amigos e de parentes no cultivo dos alimentos e na criação dos animais. B) a solidão tornou o eu lírico uma pessoa amargurada que tem dificuldades de conviver em sociedade. C) o homem se mostra indignado com seus vizinhos pela falta de solidariedade com que foi recebido pela comunidade local. D) o camponês se sente injustiçado e explorado pelos animais da região que resolveram invadir seu sítio. E) a tristeza do eu lírico está no fato de ele ter adquirido galinhas ariscas e um galo medroso. QUESTÃO Sobre a letra da música, é correto afirmar que A) os animais selvagens passaram a frequentar e usufruir do sítio depois que o proprietário cultivou todo tipo de alimentos. B) o eu-lírico ficou satisfeito ao ver chegar em sua propriedade uma diversidade de animais, tais como a suçuarana, a raposa e o sagui. C) o proprietário construiu um sítio a fim de encontrar sossego em meio à natureza selvagem, onde existia até tamanduá. D) o sítio fica localizado no sertão do Ceará, daí a dificuldade do agricultor em manter seu plantio longe dos animais silvestres. E) o sítio se tornou um lugar inóspito devido à seca que assola muitas regiões do Nordeste ainda hoje. QUESTÃO Nessa charge, o recurso morfossintático que colabora para o efeito de humor está indicado pelo(a) A) emprego de uma oração adversativa, que orienta a quebra da expectativa ao final. B) uso de conjunção aditiva, que cria uma relação de causa e efeito entre as ações. C) retomada do substantivo mãe, que desfaz a ambiguidade dos sentidos a ele atribuídos D) utilização da forma pronominal la, que reflete um tratamento formal do filho em relação à mãe. E) repetição da forma verbal é, que reforça a relação de adição existente entre as orações. QUESTÃO Leia a piada e marque a alternativa correta: O marido, ao chegar em casa, no final da noite, diz à mulher, que já estava deitada, - Querida, eu quero amá-la. A mulher, que está dormindo, com a voz embolada, responde: A mala... ah! Não sei onde está, não. Use a mochila que está no maleiro do quarto de visitas. - Não é isso, querida, hoje vou amar-te. - Por mim, você pode ir até Júpiter, Saturno e até ao raio que o parta, desde que me deixe dormir em paz... A) A ambiguidade mostrada no texto se dá apenas no nível semântico. B) A piada chama a atenção para o uso incorreto dos oblíquos. C) O sentido do texto foi prejudicado pela fusão do uso de você e tu na pessoa do discurso. D) A confusão do sentido se deu em razão do equívoco no uso dos oblíquos, pois o adequado seria o termo lhe. E) O humor da piada consiste no jogo fonético/semântico causado pelo uso dos pronomes oblíquos.

18 18 QUESTÃO No anúncio publicitário, a relação estabelecida entre texto verbal e não-verbal ocorre, respectivamente, por meio da associação entre A) a apresentação da necessidade de buscar respostas sustentáveis e a referência à produção de energia eólica. B) a referência ao Brasil do amanhã e a representação de uma alternativa para a preservação da água. C) a alusão ao futuro próspero do Brasil e a imagem do mar com fartura de peixes. D) a referência às respostas sustentáveis e a sugestão de uma alternativa para impedir a pesca predatória. E) a referência ao Brasil do amanhã e a representação do país submerso no mar. QUESTÃO Vista de cima, a Terra parece uma superfície enorme que pode ser compartilhada. Mas logo que se pisa em terra firme nos confrontamos com a rigidez das administrações de cada país e com a realidade que as fronteiras impõem aos homens símbolo da dificuldade de vivermos juntos. Hoje, a única ação possível é ir em direção ao Outro, entendê-lo. De agora em diante, não podemos ignorar o que nos une e as responsabilidades que nos impõem. Somos mais de 6 bilhões na Terra! E não há desenvolvimento sustentável se não conseguirmos viver juntos. Esta é a razão pela qual eu acredito no projeto 6 bilhões de Outros, e ele me é tão caro. Ele emociona cada um de nós e nos encoraja a agir. Yann Arthus-Bertrand. Catálogo da Exposição.

19 19 A proposta de ir em direção ao Outro, expressa pelo idealizador da Exposição, associa-se, na obra visual da Capa do catálogo, a alguns procedimentos. Assinale a alternativa que identifica adequadamente dois desses procedimentos. A) Diversidade visual dos rostos retratados, indicando diferenças de etnia e procedência; disposição lado a lado das imagens, como forma de propor a aproximação entre as pessoas. B) Mosaico de imagens visuais, indicando diversidades e semelhanças entre os habitantes do Planeta; organização fragmentada dos retratos, criando ideias de dispersão e afastamento. C) Diferenças no modo de enquadrar e exibir cada imagem, identificando a diversidade étnica; destaque, em tamanho maior, de algumas imagens, comprovando a desigualdade do tratamento dado a cada personagem retratado. D) Igualdade dos rostos retratados, como forma de mostrar a monotonia da existência humana; disposição lado a lado dos rostos, configurando a humanidade como um grande mosaico étnico. E) Repetição gemada de imagens, para assinalar a diferença étnica e religiosa entre as pessoas; organização das imagens em séries que possibilitam a identificação de rostos conhecidos e famosos. QUESTÃO As palavras e as expressões são mediadoras dos sentidos produzidos nos textos. Na fala de Hagar, a expressão é como se ajuda a conduzir o conteúdo enunciado para o campo da A) conformidade, pois as condições meteorológicas evidenciam um acontecimento ruim. B) reflexibilidade, pois o personagem se refere aos tubarões usando um pronome reflexivo. C) condicionalidade, pois a atenção dos personagens é a condição necessária para a sua sobrevivência. D) possibilidade, pois a proximidade dos tubarões leva à suposição do perigo iminente para os homens. E) impessoalidade, pois o personagem usa a terceira pessoa para expressar o distanciamento dos fatos.

20 20 MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Questão de 46 a 90 QUESTÃO As tabelas abaixo mostram os palpites de três comentaristas esportivos sobre os resultados de cinco diferentes times de futebol, em cinco partidas a serem realizadas. Comentarista A Time Empate Vitória Derrota 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x Comentarista B Time Empate Vitória Derrota 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x Comentarista C Time Empate Vitória Derrota 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x O resultado de cada time foi acertado por pelo menos dois comentaristas. Se N A, N B e N C são os números de palpites certos dos comentaristas A, B e C, a relação entre eles pode ser expressa por: N N N A) A B C N N N B) A B C N N N C) A B C N N N D) A B C E) N A = N B < N C QUESTÃO A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. A) 0 B) 1 C) 2 D) 3 E) 4 QUESTÃO O jogo da velha tradicional consiste em um tabuleiro quadrado dividido em 9 partes, no qual dois jogadores, alternadamente, vão colocando peças (uma a cada jogada). Ganha o jogo aquele que alinhar, na horizontal, na vertical ou na diagonal, três de suas peças. Uma versão chamada JOGO DA VELHA DE DESCARTES, em homenagem ao criador da geometria analítica, René Descartes, consiste na construção de um subconjunto do plano cartesiano, no qual cada jogador, alternadamente, anota as coordenadas de um ponto do plano. Ganha o jogo aquele que primeiro alinhar três de seus pontos. A sequência abaixo é o registro da sequência das jogadas de uma partida entre dois jogadores iniciantes, em que um anotava suas jogadas com a cor preta e o outro, com a cor cinza. Eles desistiram da partida sem perceber que um deles havia ganhado. Com base nessas informações, é correto afirmar que o jogador que ganhou a partida foi o que anotava sua jogada com a cor A) cinza, em sua terceira jogada. B) preta, em sua terceira jogada. C) cinza, em sua quarta jogada. D) preta, em sua quarta jogada. E) preta, em sua segunda jogada. QUESTÃO Sejam f e g funções reais dadas por f(x) = 2 + x 2 e g(x) = 2 + x. Os valores de x tais que f(x) = g(x) são: A) x = 0 ou x = 1 B) x = 0 ou x = 2 C) x = 0 ou x = 1 D) x = 2 ou x = 1 E) x = 0 ou x = 1/2 QUESTÃO Na figura abaixo está representado o gráfico de uma função real do 1º grau f(x). O número de raízes reais da equação 0,5 é P x 1 0 no intervalo A expressão algébrica que define a função inversa de f(x) é x y 1 A) 2 1 y x B) 2

21 21 C) D) E) y 2x 2 y 2x 2 y 2x 2 QUESTÃO A figura abaixo mostra a precipitação pluviométrica em milímetros por dia (mm/dia) durante o último verão em Campinas. Se a precipitação ultrapassar 30 mm/dia, há um determinado risco de alagamentos na região. De acordo com o gráfico, quantos dias Campinas teve este risco de alagamento? QUESTÃO O período do mês em que as variações diárias do nível do reservatório, independentemente se para enchê-lo ou esvaziá-lo, foram as maiores foi A) nos dez primeiros dias. B) entre o dia 10 e o dia 15. C) entre o dia 15 e o dia 20. D) entre o dia 20 e o dia 25. E) nos últimos cinco dias. QUESTÃO Num grupo de 87 pessoas, 51 possuem automóvel, 42 possuem moto e 5 pessoas não possuem nenhum dos dois veículos. O número de pessoas desse grupo que possuem automóvel e moto é A) 2 dias. B) 4 dias. C) 6 dias. D) 10 dias. E) 12 dias. QUESTÃO Escolha entre as alternativas aquela que mostra o maior número: A) ( 1) 3 B) ( 2) 4 C) ( 3) 5 D) ( 4) 6 E) ( 5) 7 QUESTÃO Qual é o valor da expressão numérica ? A) 0,2222 B) 0,2323 C) 0,2332 D) 0,3222 E) 0,3333 TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: O gráfico abaixo mostra o nível de água no reservatório de uma cidade, em centímetros. A) 4. B) 11. C) 17. D) 19. E) 21. QUESTÃO Uma ONG Antidrogas realizou uma pesquisa sobre o uso de drogas em uma cidade com 200 mil habitantes adultos. Os resultados mostraram que 11% dos entrevistados que vivem na cidade pesquisada são dependentes de álcool, 9% são dependentes de tabaco, 5% são dependentes de cocaína, 4% são dependentes de álcool e tabaco, 3% são dependentes de tabaco e cocaína, 2% são dependentes de álcool e cocaína e 1% dependente das três drogas mencionadas na pesquisa. O número de habitantes que não usa nenhum tipo de droga mencionada na pesquisa é: A) B) C) D) E) QUESTÃO A relação entre a quantidade em oferta de determinado produto e o seu preço, quando este for x reais por unidade, é dada pela 2 equação q x 3x 70. Já a procura por esse produto (quantidade que os consumidores estão dispostos a comprar), quando o preço for x reais, é dada pela equação d 410 x. O equilíbrio no mercado ocorre quando q e d são iguais. Sendo x 0 o preço e y 0 a quantidade quando ocorre o equilíbrio, o valor de y0 x0 é A) 366. B) 370. C) 390. D) 410. E) 414. QUESTÃO Preocupados com o lucro da empresa VXY, os gestores contrataram um matemático para modelar o custo de produção de um dos seus produtos. O modelo criado pelo matemático segue a seguinte lei: C = n + n 2, onde C representa o custo, em reais, para se produzirem n unidades do determinado produto.

22 22 Quantas unidades deverão ser produzidas para se obter o custo mínimo? A) 625. B) 125. C) D) 625. E) 315. QUESTÃO A receita obtida pela venda de um determinado produto é representada pela função R(x) = x x, onde x é a quantidade desse produto. O gráfico da referida função é apresentado abaixo. QUESTÃO A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) aconteceu no Rio de Janeiro, em julho de 2013, e atraiu visitantes do Brasil e de vários outros países. Segundo a Prefeitura do Rio, 3,2 milhões de pessoas compareceram à cerimônia de encerramento da JMJ, que ocorreu na Praia de Copacabana. (folha.uol.com.br/poder/2013/07/ calculo-oficial-de-3-milhoes-depessoasem-copacabana-e-superestimado-diz-datafolha.shtml Acesso em: Adaptado) A área da superfície ocupada pelas pessoas que compareceram à cerimônia de encerramento da JMJ equivale à área da superfície de cerca de N campos de futebol do estádio do Maracanã. Sabendo-se que o campo de futebol do Maracanã tem forma retangular com dimensões de 105 metros por 68 metros e adotando-se que, em uma concentração de grande porte como essa, um metro quadrado é ocupado por 4 pessoas, em média; então, considerando os dados apresentados, o número inteiro positivo mais próximo de N será A) 45. B) 57. C) 112. D) 136. E) 144. QUESTÃO Uma praça retangular é contornada por uma calçada de 2 m de largura e possui uma parte interna retangular de dimensões 15 m por 20 m, conforme a figura. É CORRETO afirmar que as quantidades a serem comercializadas para atingir a receita máxima e o valor máximo da receita são, respectivamente, A) 50 e B) 25 e C) 100 e D) 100 e E) 50 e QUESTÃO Seja uma função do 2º grau y = ax 2 + bx + c, cujo gráfico está representado a seguir. Nessas condições, a área total da calçada é, em metros quadrados, igual a A) 148. B) 152. C) 156. D) 160. E) 164. QUESTÃO A soma dos coeficientes dessa função é A) 2. B) 3. C) 4. D) 6. E) 8. Um paisagista deseja cercar um jardim quadrado de 25m 2. Sabendo-se que o metro linear da grade custa R$23,25 e que foi pago um adicional de R$1,75 por metro linear de grade instalado, a despesa com a cerca, em reais, foi de A) 420,25. B) 450,00. C) 500,00. D) 506,75. E) NDA

23 23 QUESTÃO Em um treinamento da arma de Artilharia, existem 3 canhões A, B e C. Cada canhão, de acordo com o seu modelo, tem um raio de alcance diferente e os três têm capacidade de giro horizontal de 360. Sabendo que as distâncias entre A e B é de 9 km, entre B e C é de 8 km e entre A e C é de 6 km, determine, em km 2, a área total que está protegida por esses 3 canhões, admitindo que os círculos são tangentes entre si. A) B) C) D) E) 23 2 π 23 4 π π π π QUESTÃO Numa festa junina, além da tradicional brincadeira de roubar bandeira no alto do pau de sebo, quem descobrisse a sua altura ganharia um prêmio. O ganhador do desafio fincou, paralelamente a esse mastro, um bastão de 1m. Medindo-se as sombras projetadas no chão pelo bastão e pelo pau, ele encontrou, respectivamente, 25 dm e 125 dm. Portanto, a altura do pau de sebo, em metros, é A) 5,0. B) 5,5. C) 6,0. D) 6,5. E) 7,0. Considere que as regiões da figura dividem a altura do triângulo em partes iguais. No que se refere às áreas das regiões ocupadas por cada grupo de alimentos, o grupo com predominância de carboidratos ocupa A) sete terços da área do grupo com predominância de proteínas. B) cinco sétimos da área do grupo com predominância de fibras. C) um sétimo da área do grupo com predominância de lipídios. D) o dobro da área do grupo com predominância de proteínas. E) cinco sétimos da área do grupo com predominância de vitaminas e sais minerais. QUESTÃO O limpador traseiro de um carro percorre um ângulo máximo de 135, como ilustra a figura a seguir. QUESTÃO O palco de um teatro tem a forma de um trapézio isósceles cujas medidas de suas linhas de frente e de fundo são respectivamente 15 m e 9 m. Se a medida de cada uma de suas diagonais é 15 m, então a medida da área do palco, em m 2, é A) 80. B) 90. C) 108. D) E) NDA QUESTÃO Um recurso visual muito utilizado para apresentar as quantidades relativas dos diferentes grupos de alimentos na composição de uma dieta equilibrada é a chamada pirâmide alimentar, que usualmente é representada por um triângulo dividido em regiões, como na figura a seguir. Sabendo-se que a haste do limpador mede 50 cm, dos quais 40 cm corresponde à palheta de borracha, determine a área da região varrida por essa palheta. Dado: π 3,14 A B C D E QUESTÃO Um show de rock foi realizado em um terreno retangular de lados 120 m e 60 m. Sabendo que havia, em média, um banheiro por cada 100 metros quadrados, havia no show: A. 20 banheiros B. 36 banheiros

24 24 C. 60 banheiros D. 72 banheiros E. 120 banheiros QUESTÃO Dois retângulos foram superpostos, e a intersecção formou um paralelogramo, como mostra a figura abaixo: A área da região sombreada, em 2 km, vale Sabendo-se que um dos lados do paralelogramo mede 4,5 cm, quanto mede a área desse paralelogramo? A) 12 cm 2 B) 16 cm 2 C) 24 cm 2 D) 32 cm 2 E) 36 cm 2 QUESTÃO Para a construção de uma caixa sem tampa, foi utilizado um pedaço retangular de papelão com dimensões de 35 cm de comprimento por 20 cm de largura. De cada um dos quatro cantos desse retângulo, foram retirados quadrados idênticos, de lados iguais a 5 cm de comprimento. Em seguida, as abas resultantes foram dobradas e coladas. Para revestir apenas a parte externa da caixa construída, foram necessários A) 600 cm 2 de revestimento. B) 615 cm 2 de revestimento. C) 625 cm 2 de revestimento. D) 610 cm 2 de revestimento. E) 605 cm 2 de revestimento. QUESTÃO Para a construção de uma caixa sem tampa, foi utilizado um pedaço retangular de papelão com dimensões de 35 cm de comprimento por 20 cm de largura. De cada um dos quatro cantos desse retângulo, foram retirados quadrados idênticos, de lados iguais a 5 cm de comprimento. Em seguida, as abas resultantes foram dobradas e coladas. A) 0,8642. B) 0,7913. C) 0,7654. D) 0,7531. E) 0,6936. QUESTÃO Juquinha comprou um terreno retangular com 20 m de comprimento e 30 m de largura. Neste terreno ele reservou m para fazer uma casa, 2 9m para fazer uma piscina e 2 3m para fazer um canil. A área disponível para ele fazer uma churrasqueira é de: A) B) C) D) E) m m m m m. QUESTÃO O Sr. Joaquim comprou um terreno em um loteamento numa praia do litoral sul de Pernambuco. O terreno tem a forma de um paralelogramo (figura abaixo) com a base medindo 20 metros e a altura medindo 15 metros. Os pontos M e N dividem a diagonal BD em três partes iguais. No triângulo CMN, ele vai cultivar flores. Qual é a área que o Sr. Joaquim destinou para esse cultivo, em m 2? Para revestir apenas a parte externa da caixa construída, foram necessários A) 600 cm 2 de revestimento. B) 615 cm 2 de revestimento. C) 625 cm 2 de revestimento. D) 610 cm 2 de revestimento. E) 605 cm 2 de revestimento. QUESTÃO Na figura a seguir, o lado do quadrado ABCD mede 876,55 m e o lado do quadrado AEFG mede 123,45 m. A) 37 B) 39 C) 45 D) 48 E) 50

25 25 QUESTÃO A tabela seguinte apresenta a média, em kg, de resíduos domiciliares produzidos anualmente por habitante, no período de 1995 a Produção de resíduos domiciliares por habitante em um país ANO kg Se essa produção continuar aumentando, mantendo o mesmo padrão observado na tabela, a previsão de produção de resíduos domiciliares, por habitante no ano de 2020, em kg, será Com base nessas informações, é correto afirmar que o volume de água do reservatório se reduzirá a 3.000m 3 em: A) 20 dias B) 24 dias C) 25 dias D) 28 dias E) 30 dias QUESTÃO O gráfico abaixo mostra o número de pessoas comprovadamente infectadas pelo vírus H1N1 numa certa cidade do Brasil, entre os meses de maio e setembro de Na hipótese de um crescimento linear desse surto, representado pela reta r, pode-se prever que o número de pessoas infectadas em dezembro de 2009 será igual a: A) 610. B) 640. C) 660. D) 700. E) 710. QUESTÃO Em janeiro de 2008, o Brasil tinha 14 milhões de usuários residenciais na rede mundial de computadores. Em fevereiro de 2008, esses internautas somavam 22 milhões de pessoas - 8 milhões, ou 57% a mais. Deste total de usuários, 42% ainda não usam banda larga (internet mais rápida e estável). Só são atendidos pela rede discada. Atualidade e Vestibular 2009, 1º semestre, ed Abril Baseando-se nessa informação, observe o gráfico, a seguir: A) 30 B) 36 C) 40 D) 44 E) 48 QUESTÃO As sacolas plásticas sujam florestas, rios e oceanos e quase sempre acabam matando por asfixia peixes, baleias e outros animais aquáticos. No Brasil, em 2007, foram consumidas 18 bilhões de sacolas plásticas. Os supermercados brasileiros se preparam para acabar com as sacolas plásticas até Observe o gráfico a seguir, em que se considera a origem como o ano de Se mantida, pelos próximos meses, a tendência de crescimento linear, mostrada no gráfico acima, o número de usuários residenciais de computadores, em dezembro de 2009, será igual a A) 178 x B) 174 x C) 182 x D) 198 x E) 201 x 10². QUESTÃO O reservatório de água que abastece certa cidade está com 6.000m 3 de água e, durante os próximos 40 dias, receberá 25m 3 de água por hora. Durante esse período, o reservatório perde diariamente 720m 3 de água. De acordo com as informações, quantos bilhões de sacolas plásticas serão consumidos em 2011? A) 4,0 B) 6,5 C) 7,0 D) 8,0 E) 10,0

26 26 QUESTÃO Uma empresa produz jogos pedagógicos para computadores, com custos fixos de R$ 1.000,00 e custos variáveis de R$ 100,00 por unidade de jogo produzida. Desse modo, o custo total para x jogos produzidos é dado por C(x) = 1 + 0,1x (em R$ 1.000,00). A gerência da empresa determina que o preço de venda do produto seja de R$ 700,00. Com isso a receita bruta para x jogos produzidos é dada por R(x) = 0,7x (em R$ 1.000,00). O lucro líquido, obtido pela venda de x unidades de jogos, é calculado pela diferença entre a receita bruta e os custos totais. O gráfico que modela corretamente o lucro líquido dessa empresa, quando são produzidos x jogos, é E) QUESTÃO A planta a seguir ilustra as dependências de um apartamento colocado à venda, onde cada quadrícula mede 0,5 cm 0,5 cm. Se o preço do m 2 de área construída deste apartamento é R$ 650,00, calcule o preço do mesmo. A) B) A) R$ ,00 B) R$ ,00 C) R$ ,00 D) R$ ,00 E) R$ ,00 QUESTÃO Em uma determinada região do mar, foi contabilizado um total de 340 mil animais, entre lontras marinhas, ouriços do mar e lagostas. Verificou-se que o número de lontras era o triplo do de ouriços e que o número de lagostas excedia em 20 mil unidades o total de lontras e ouriços. Pode-se dizer que o número de ouriços dessa região é C) A) 30 mil. B) 35 mil. C) 40 mil. D) 45 mil. E) 50 mil. QUESTÃO D) Para um show de um artista, foram vendidos ingressos para pista e camarote. Os ingressos foram vendidos antes do dia do show e no dia do show, sendo que os preços dos ingressos vendidos antes do dia do show tiveram 50% de desconto. Antes do dia do show, foram vendidos 300 ingressos para pista e 200 para camarote, arrecadando-se um total de R$ ,00. No dia do show, foram vendidos 100 ingressos para pista e 200 para camarote,

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own All I can ever be to you, is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel

Leia mais

ENEM 2011 English. Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91

ENEM 2011 English. Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91 Linguagens, códigos e suas tecnologias QUESTÃO 91 GLASBERGEN, R. Today s cartoon. Disponível em: http://www.glasbergen.com. Acesso em: 23 jul. 2010. Na fase escolar, é prática comum que os professores

Leia mais

Linguagem Visual e Intertextualidade

Linguagem Visual e Intertextualidade Aula n ọ 06 Linguagem Visual e Intertextualidade 01. (ENEM) De acordo com a história em quadrinhos protagonizada por Hagar e seu filho Hamlet, pode-se afirmar que a postura de Hagar a) valoriza a existência

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

História de Trancoso

História de Trancoso Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. História de Trancoso Joel Rufi no dos Santos Era uma vez um fazendeiro podre de rico, que viajava solitário. Ah, quem me dera

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

INGLÊS E N E M. Profa. Cláudia

INGLÊS E N E M. Profa. Cláudia INGLÊS E N E M Profa. Cláudia Desde 2010, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) cobra dos candidatos conhecimentos em língua estrangeira. Na prova de inglês, não existe mistério: questões gramaticais

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura

Atividade extra. Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais. Questão 1. Língua Portuguesa e Literatura Atividade extra Lingua falada. Lingua escrita e gêneros textuais Questão 1 Sabemos que linguagem é todo sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos, e pode ser percebido pelos diversos

Leia mais

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto

Questões com textos não verbais. Prof. Bruno Augusto Questões com textos não verbais Prof. Bruno Augusto (ENEM) Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI

AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI AULÃO DE LITERATURA XIV SIMULADO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA URI Professora: Marinice Argenta Movimentos Literários 1-Trovadorismo 2-Humanismo 3-Classicismo 4-Quinhentismo 5-Barroco 6-Arcadismo 7-Romantismo

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM 1. Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922

A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 A SEMANA DE ARTE MODERNA FEVEREIRO DE 1922 1822 1922 100 anos da Independência do Brasil ANTECEDENTES DA SEMANA DE ARTE MODERNA 1912 CHEGADA DE OSWALD DE ANDRADE DA EUROPA Oswald de Andrade retorna de

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

A um poeta Olavo Bilac

A um poeta Olavo Bilac A um poeta Olavo Bilac Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino, escreve! No aconchego Do claustro, na paciência e no sossego, Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! Mas que na forma se disfarce

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - Língua Portuguesa - 2º Bimestre O CASO DA CALÇADA DO JASMIM UM CRIME? Terça-feira, seis de Maio. São catorze horas. A D. Odete não é vista no seu bairro desde hoje de manhã. As janelas da sua casa estão abertas, mas o correio de hoje

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Tenho Sede - Gilberto Gil

Tenho Sede - Gilberto Gil Tenho Sede - Gilberto Gil Traga-me um copo d'água, tenho sede E essa sede pode me matar Minha garganta pede um pouco d'água E os meus olhos pedem teu olhar A planta pede chuva quando quer brotar O céu

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

NOVEMBRO/2012 OUTUBRO/2012. A Bandeira

NOVEMBRO/2012 OUTUBRO/2012. A Bandeira NOVEMBRO/2012 Salve, salve nossa bandeira Impõe respeito em qualquer fronteira Suas cores são brilhantes Brilha tanto como diamantes. Respeitada em todo mundo Nos momentos da vida Essa Bandeira é sempre

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa

Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Processo Seletivo 1.º Semestre 2012 004. Prova Dissertativa Técnico Concomitante ou Subsequente ao Ensino Médio Instruções Confira seu nome e número de inscrição impressos na capa deste caderno. Assine

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

CÓPULA CLODOALDO TURCATO

CÓPULA CLODOALDO TURCATO CÓPULA CLODOALDO TURCATO 2 CÓPULA Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 Titulo Original Cópula Primeira Edição 3 Copyright @ 2012 by Clodoaldo Turcato Copyright da edição @

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE EDUCAÇÃO - SIAQUE ESCOLA: PROFESSOR: ALUNO: DATA / / PORTUGUÊS - 4ª SÉRIE / 5º ANO TURMA: TURNO: DATA: / / - Instruções gerais: - Este instrumento de verificação

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave 70 TIMOR LESTE O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave PÁIS ALVO No Timor Leste as pessoas são muito acolhedoras, sempre com um sorriso,

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 18/03/2011 Nota: Professora: Letícia A. S. Ottoboni Valor da Prova: 40 pontos Assinatura

Leia mais

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si o 6 o e 7 a n os n o ve mb r o/ 20 4 desenvolva... pense... pratique... 10 Observe a imagem e recorra a seus estudos de espanhol para responder às questões 1 e 2. Pruébala durante um mês Si no te convence,

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário:

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Comentário: Comentário: A primeira frase do emissor do texto denota inicialmente sua intenção de se pôr em uma situação simétrica, e não submissa ou inferior, aos não índios. O código de vocês, adotado como contato e respeitado

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

O Açúcar. Leia este poema de Ferreira Gullar. Com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

O Açúcar. Leia este poema de Ferreira Gullar. Com que adoço meu café esta manhã em Ipanema. 8 Gramática -Revisão 8º ano DATA: /09/15: Unidade Centro Aluno (a) Professora: MARIA DO CARMO Leia este poema de Ferreira Gullar. O Açúcar O branco açúcar que adoçará meu café Nesta manhã de Ipanema Não

Leia mais