CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO"

Transcrição

1 CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO EQUIPE ADMINISTRATIVA DO CAMPUS Direção Geral: Professora M.S Ana Maria Almeida Leal Coordenador Administrativo: Dr. Clóvis Duarte Almeida Filho Chefe da Secretaria: Francielen Brum de Azevedo Santiago Coordenador do Curso de Administração: Professor Gualter Veras Junior Maricá, RJ 2011

2 APRESENTAÇÃO Este Projeto expressa a prática pedagógica do curso de Administração desenvolvido na Universidade Severino Sombra (USS) Campus - Maricá. Esta prática compromete-se com a formação de um profissional na área de Administração de acordo com o que preconizam as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Administração (MEC): um administrador que seja um profissional pluralista, com base teórica suficiente para atuar tanto nas instituições privadas quanto nas públicas, que saiba interagir em um mundo cujo avanço tecnológico e os desdobramentos socioeconômicos são complexos e exigem flexibilidade e capacidade de adaptação. A organização da proposta do curso pressupôs a necessidade de uma gestão flexível do currículo que envolvesse não somente os conteúdos disciplinares, como também práticas pedagógicas capazes de ampliar os espaços e os tempos de aprender. Por considerarmos que as Universidades são espaços complexos nos quais circulam culturas, ideologias e visão de mundo diferenciado e múltiplo, compreendemos que na discussão sobre o projeto pedagógico de um curso de graduação não são apenas as questões relacionadas ao como e por que aprender que devem estar sendo discutidas, como também as relacionadas ao ensino. Nesta perspectiva, o Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de Administração da USS - Maricá valoriza diferentes dimensões do processo de construção do conhecimento, considerando a integração entre a teoria e a prática, no sentido de propiciar ao Bacharel o aprender a ser um profissional de Administração. Assim moldado, o projeto não é um produto pronto e acabado, linear e estático, mas dinâmico e sempre passível de aperfeiçoamento e que tem a participação efetiva do Núcleo Docente Estruturante do Curso (NDE). Exigiu na sua construção, uma reflexão acerca da concepção e das finalidades da Administração, sua relação com a sociedade, sobre os pressupostos envolvidos no processo de formação de Administradores e sobre o homem a ser formado, a cidadania e a consciência crítica. A importância do Projeto Pedagógico do Curso de Administração centra-se na possibilidade de uma maior integração dos componentes curriculares, na maior aproximação dos profissionais de administração entre si e com a comunidade e, conseqüentemente, uma maior aproximação com a Missão e a Visão da USS, articulada aos objetivos do curso de Administração. Prof. Dr. Gualter Veras Junior Coordenador do Curso de Administração Página 2 de 156

3 S U M Á R I O 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pg. 1.1 Dados Gerais da Mantenedora e da Mantida Perfil e Missão da IES Dados socioeconômicos da região Breve histórico da instituição Políticas institucionais de ensino, pesquisa e extensão Novas Práticas Gestoras e Acadêmicas CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 2.1 Dados gerais do curso Breve histórico do curso Justificativa para abertura do curso ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Pg. 3.1 Projeto do Curso: aspectos gerais Objetivos do Curso Perfil do Egresso Articulação do PPC com o PPI e com PDI: Ações Implementadas Coerência PPC e Currículo e DCNs: Ações Implementadas Autoavaliação do Curso e ENADE: Ações Implementadas Autoavaliação do Curso ENADE Laboratório Especializado SOCIUSS SOLUÇÕES Empresa Junior Missão da SOCIUS SOLUÇÕES Pesquisa no Curso Extensão 38 Página 3 de 156

4 Projeto COMPANHEIRUSS Cursos de Extensão Projeto do Curso: formação Estrutura Curricular Adequação e Dimensionamento de Cargas Horárias LIBRAS: Opcional Conteúdos Curriculares Ementas atualizadas e coerentes com perfil do egresso e os objetivos do curso Procedimentos de Ensino-Aprendizagem Estratégias de Flexibilização Curricular, Contextualização e Interdisciplinaridade Metodologia comprometida com o desenvolvimento do espírito científico Atendimento ao Discente Nivelamento Atividades Extraclasse Apoio Psicopedagógico Políticas de Acompanhamento do Egresso Acesso a Registros Acadêmicos Condições de Acesso para portadores de necessidades especiais Procedimentos de Avaliação Atividades Acadêmicas articuladas à formação Estágio Curricular Supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso Atividades Complementares Estímulo à Participação em Eventos Internos e Externos CORPO DOCENTE, CORPO TÉCNICO E ADMINISTRATIVO Pg. 4.1 Da Coordenação do Curso Instâncias Coletivas do Curso Colegiado de Curso 55 Página 4 de 156

5 4.2.2 Núcleo Docente Estruturante - NDE Reunião com Representantes de Turma Do Corpo Docente Pesquisa e Produção Científica de Docentes Plano de Carreira Docente Do Corpo Técnico-administrativo INSTALAÇÕES FISICAS 5.1 Instalações Gerais Salas de Direção, Coordenação, Professores, Reuniões e de Aulas Laboratórios de Informática Laboratório de Prática de Administração (LPA) Empresa Junior Registros Acadêmicos Biblioteca Comissão Própria de Avaliação Setorial (CPA) 67 Pg. ANEXOS Pg. ANEXO I Matrizes Curriculares 67 ANEXO II Programas das Disciplinas 71 ANEXO III Composição do NDE (2011-1) 132 ANEXO IV - Regimento NDE 132 ANEXO V Regimento do Colegiado de Curso 134 ANEXO VI Corpo Docente (2011-2) 142 ANEXO VII Formulário de Atividades Complementares 143 ANEXO VIII Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 145 Página 5 de 156

6 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 1.1 Dados gerais da mantenedora e da mantida Denominação da Mantenedora: Fundação Educacional Severino Sombra Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Sul Fluminense C.G.C. / C.F. nº / Endereço: Praça Martinho Nóbrega, 40; Bairro: Centro; CEP: Telefones: 0XX (24) / Home page: http//.www.uss.br Ato de Credenciamento: Decreto de 03 de julho de 1997 Mantida: UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA (USS) Município - Sede: Vassouras Estado: Rio de Janeiro Região: Centro Sul Fluminense Ato de Credenciamento: Decreto de 03 de julho de 1997 Data de publicação no DO: 04/07/1997 Processo: /90-76 Endereço: Praça Martinho Nóbrega, 40 Bairro: Centro Cidade: Vassouras CEP: Telefones: 0XX (24) / Home page: Página 6 de 156

7 Caracterização Geral da IES: Instituição privada, sem fins lucrativos, declarada de Utilidade Pública pelo Decreto nº , de 17 de junho de 1.971, publicado no Diário Oficial da União em 18 de junho de USS - Campus Maricá Endereço: Av. Roberto Silveira, 437 Flamengo, Maricá - RJ CEP: Telefone: 0XX (21) Perfil e missão da IES Maricá A história da Universidade Severino Sombra Campus Maricá é recente, mas já nos destaca no cenário municipal enquanto primeira Instituição de Ensino Superior instalada oficialmente na cidade. O Campus Maricá da USS possui importância histórica no desenvolvimento econômico, social e cultural do município de Maricá não só pelo pioneirismo como também por se tratar de um momento em que a cidade se prepara para receber parte dos investimentos da Petrobrás para o Pólo Petroquímico da Região. Criar oportunidade de acesso ao ensino superior para a população é cumprir um papel social de ampliação da qualidade educacional do município. Este fato expressa-se em sua missão, em sua visão de futuro e nos princípios filosóficos que orientam as práticas gestoras e pedagógicas, como podemos observar em sua MISSÃO: Promover a formação integral do ser humano e sua capacitação ao exercício profissional, através do ensino, da pesquisa e da extensão, incentivando o aprendizado contínuo para o desenvolvimento nacional e em particular da região. A partir da sua missão, a Universidade Severino Sombra (USS) compromete-se com o desenvolvimento científico do país, com uma educação superior que valoriza e incorpora as inovações tecnológicas, educacionais, em uma perspectiva multicultural e globalizante, mencionada na VISÃO institucional: Página 7 de 156

8 Transformar o contexto da educação superior brasileira, através da implementação de uma gestão compartilhada e inovadora, capaz de concretizar uma idéia de formação multidimensional eficaz e de qualidade, atendendo às diferentes realidades sociais. Para promover a formação integral do ser humano, articulada ao desenvolvimento local, regional e nacional, há necessidade de princípios que orientem as práticas. Dentre eles podemos citar os valores que permeiam as práticas gestoras e pedagógicas da USS: Autonomia: Estimular o desenvolvimento autônomo de conhecimentos e a autotransformação em busca do fortalecimento da tomada de decisões para a resolução de problemas de forma adequada, em função da consciência de responsabilidade social; Conhecimento: Reconhecer o legado cultural que sustenta os indivíduos, favorecendo a critica e reflexão permanente; Relações éticas: Valorizar a diversidade ética e cultural, contribuindo para a difusão de práticas de inclusão; Trabalho cooperativo: Estimular a cooperação e o compartilhamento de visões de mundo, de sociedade, de trabalho de equipe; Formação permanente: Compreender a formação como um processo permanente que orienta nossas ações no mundo e sobre o mundo, que favorece o aprimoramento individual e coletivo, pessoal, organizacional e social. Considerando a Missão, a Visão e os valores, definem-se os OBJETIVOS da USS: Objetivo Geral: Oferecer ensino superior nos níveis de graduação e pós-graduação lato sensu de forma articulada com atividades de pesquisa e de extensão. Objetivos específicos: 1. Incentivar formação autônoma e pessoal, por meio de práticas pedagógicas modernas, despertando o desenvolvimento de múltiplas capacidades do discente; 2. Desenvolver formação humanista; Página 8 de 156

9 3. Incentivar a articulação eficaz do binômio, teoria e prática, buscando valorizar o aluno como um ser universal, que possa ter suas experiências desenvolvidas em diferentes espaços de aprendizagem; 4. Valorizar e promover a contínua busca do conhecimento para que, concluído o curso, o aluno promova seu próprio desenvolvimento intelectual e profissional autônomo e permanente; 5. Desenvolver habilidades e competências que possibilitarão ao aluno: Desenvolver comunicação eficaz; Manter um diálogo claro e convincente, apropriando-se do modo de argumentação adequado à sua formação e à sua área profissional; Utilizar línguas estrangeiras de maneira instrumental, ampliando sua eficiência profissional; Utilizar recursos tecnológicos que favoreçam a busca e o registro de dados, a produção intelectual e a comunicação; Articular com eficácia os instrumentos e as habilidades fundamentais de seu campo profissional, para nele atuar com responsabilidade e competência; Ter uma visão sistêmica de sua área de conhecimento, compreendendo para isto as relações multidisciplinares que ela estabelece;.pensar criticamente a própria experiência e o próprio contexto social; Conceber criativamente e coletivamente visões compartilhadas de futuro. A proposta do curso em sintonia com a MISSÃO da USS proporciona a alunos e professores o desenvolvimento de uma visão integrada do mundo e da vida, a partir de conhecimentos e experiências humanas diversificadas, de uma educação global, sistêmica focada na visão do todo e na integração das partes Dados socioeconômicos da região Página 9 de 156

10 O Município de Maricá foi reintegrado a Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, conforme a Lei complementar nº133 de 15 de dezembro de 2009, que o separou da Região dos Lagos, turística por excelência, aproximando-o do dinamismo econômico onde o foco está centrado na indústria. Localizada próxima a área onde está situado o COMPERJ (Pólo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro) na cidade de Itaboraí, Maricá tem ampliada as demandas por moradia, saneamento básico, transporte coletivo, instituições de ensino e qualificação profissional, segurança, saúde, comércio e serviços. O município de Maricá possui uma área geográfica de 362 quilômetros quadrados e população estimada em habitantes (IBGE 2010). Tem como limites os municípios de Itaboraí, Tanguá, Saquarema, São Gonçalo e Niterói. Seu contorno Sul, formado por belíssimas praias e lagoas, principal atração turística da região, é delimitado pelo Oceano Atlântico. Privilegiado por um clima tropical, com temperatura média anual de 23º o município está localizado à margem da Rodovia RJ 106 (Amaral Peixoto), que o liga à capital do Estado, Rio de Janeiro, situada a 60 Km com acesso privilegiado feito pela ponte Rio-Niterói. Por não possuir a característica de pólo industrial, não apresenta poluição ou grande densidade demográfica, tornando-se local calmo e aprazível, propício à vida estudantil. A história de Maricá remonta ao final do século XVI, quando foram concedidas as primeiras sesmarias aos requerentes: Antônio de Mariz, Manoel Teixeira e Duarte Martins Moirão, respectivamente, nos anos de 1574, 1578 e Antes, porém, do término do século, outras sesmarias foram concedidas; desse modo, em menos de um século, mostravase a região já bem habitada e devidamente explorada com atividades econômicas ligadas ao extrativismo, à agricultura e ao pastoreio. A colonização teve início em São José do Imbassaí, que circundava uma lagoa. Na região localizava-se a fazenda de São Bento, da Ordem dos Beneditinos do Rio de Janeiro, maior latifúndio maricaense com mais de alqueires, recebida pelos monges em sesmarias, em 31 de outubro de Era aquele estabelecimento agrícola associado ao de São Salvador dos Campos dos Goytacazes, da mesma ordem, um dos maiores criadores de gado e fornecedores de carne da capitania. Página 10 de 156

11 Com o crescimento da população, uma capela, em louvor a N. Sª. do Amparo foi edificada, tendo alcançado esse título, por alvará, em 12 de janeiro de Mais tarde, o povoado foi elevado à categoria de vila, com o nome de Santa Maria de Maricá, em homenagem à rainha reinante Dona Maria I, em 27 de agosto de Posteriormente, em 10 de maio de 1819, a vila é extinta e anexada à vila de Praia Grande, atual Niterói, mas, restaura a autonomia perdida com o advento do decreto geral de 15 de janeiro de Em 1889, logo após a Proclamação da República, a vila de Maricá apresentava tão grande progresso, que o governo resolveu elevá-la à categoria de cidade, por Decreto de 27 de dezembro. A instalação do Campus da Universidade Severino Sombra na região justifica-se por: Existência de significativa população, hoje carente de oferta de cursos de nível superior, tanto na cidade de Maricá como na circunvizinhança; Importância da articulação intermunicipal como forma de ampliação do universo do conhecimento possibilitando com isso a troca de experiências da Região Sul Fluminense com a Micro Região dos Lagos, e Instalação na região com COMPERJ Complexo Petroquímico da Petrobrás. Merecem destaque, ainda, as vizinhas cidades de Tanguá, Itaboraí, São Gonçalo e Niterói, devido à proximidade, às rodovias de boa qualidade e uma significativa infraestrutura de transporte que ligam à Maricá, é possível se fazer viagens rápidas e seguras, possibilitando a integração de pólos culturais, industriais e comerciais de grande porte, aliados aos atrativos turísticos que a região oferece. 1.4 Breve Histórico da Instituição A Universidade Severino Sombra surgiu na segunda metade da década de 1960, a partir da criação em 27/07/66 da Sociedade Universitária John F. Kennedy (SUNEDY) Página 11 de 156

12 e em 1967 foi eleito seu Presidente, o Prof. Severino Sombra de Albuquerque. Em 25 de março de 1975, cumprindo exigência do Conselho Federal de Educação, teve seu nome alterado para Fundação Educacional Severino Sombra (FUSVE). A partir de 03 de julho de 1997 as Faculdades Integradas Severino Sombra são transformadas na Universidade Severino Sombra (D.O. de 04/07/97). O primeiro curso a ser autorizado foi o de Medicina (decreto n de 13/12/68). A FACULDADE DE MEDICINA funcionou, inicialmente, em prédio cedido pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro - Palacete Barão de Massambará. Começava a realização do sonho do Professor Severino Sombra: o de implantar, na histórica cidade de Vassouras, a Coimbra Brasileira, isto é, uma Cidade Universitária. Tendo em vista o sentido humanitário de sua obra de prestar assistência às populações da região e, sobretudo, promover as atividades práticas do Ensino Médico, a FUSF, empenhou-se na instalação de um Hospital-Escola. Foi adquirida, em março de 1970, uma propriedade com m 2 de terreno, arborizado com um imóvel em que funcionava a Sociedade Feminina de Educação e Assistência. Em abril do mesmo ano, começou a funcionar o Ambulatório com quatorze (14) consultórios médicos e dois (2) anfiteatros. A inauguração do Hospital-Escola Jarbas Passarinho (HEJP), ocorreu em 27/04/72, com a presença do Ministro da Educação e Cultura, Professor Jarbas Passarinho. Em 1984, o ciclo básico da Faculdade de Medicina foi transferido do antigo Palacete do Barão de Massambará para as novas instalações do Conjunto Universitário. Em 1988, foi autorizado o funcionamento da Residência Médica nas 04 (quatro) áreas básicas (pediatria, ginecologia/obstetrícia, clínica médica e clínica cirúrgica), pela Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação e Cultura e, mais recentemente, através do Parecer nº 09/98, foram credenciadas as áreas de Anestesiologia, Nefrologia, Terapia Intensiva e, finalmente, em 2008, a de Medicina da Família. O Hospital Universitário foi reconhecido em 2005, pelo Ministério da Saúde e Ministério da Educação, como Hospital de Ensino. Paralelamente à criação do Curso de Medicina, observamos, no início da década de 1970, a criação e autorização, no município de Paraíba do Sul, da FACULDADE DE Página 12 de 156

13 FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS (Decreto n , de 21/09/71, publicado no D. O. de 23/09/71). Por exigência do Conselho Federal de Educação foi transferida para a sede do Município de Vassouras (04/06/75), instalando-se provisoriamente no imóvel do então Colégio Regina Coeli. No Final da década de 1970, visando ampliar seus Cursos, a Fundação Universitária Severino Sombra implantou a ESCOLA DE ENGENHARIA MECÂNICA E ELÉTRICA (Decreto n , de 14/05/84, publicado no D.O. de 15/04/84). Em função da ampliação das áreas de atuação, além do Curso de Medicina foi adquirido, a partir da década de 1970, o prédio da Estação Ferroviária do município de Vassouras e a Chácara Visconde de Araxá, onde foi construído o Campus Universitário. Foram também concluídas as obras de construção da quadra Polivalente Coberta do Centro Esportivo da FUSF e o Centro Esportivo Éric Tinoco Marques. O Campus Universitário ganhou em 1986, o Auditório Severino Sombra, com capacidade de 220 lugares. Como parte do Complexo Educacional Severino Sombra, foram criados: o COLÉGIO SUL FLUMINENSE DE APLICAÇÃO- COSFLAP- (Portaria n. 997/CDCE-E, de 04/12/90); o CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO HISTÓRICA (CDH), com a finalidade de desenvolver Pesquisa em Vassouras e no Vale do Paraíba; a FAZENDA EXPERIMENTAL e o HOSPITAL-ESCOLA VETERINÁRIO. A Universidade Severino Sombra oferece, na área do ensino, cursos de graduação, nas modalidades de bacharelado, licenciatura e tecnólogo. Na área de programas de pósgraduação oferece cursos em nível lato sensu e stricto sensu. Os cursos de graduação estão organizados em três (3) centros: a) Centro de Ciências da Saúde: Medicina, Fisioterapia, Farmácia, Psicologia, Medicina Veterinária, Odontologia, Enfermagem, Tecnólogo em Radiologia. b) Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza: Engenharia Elétrica, Engenharia Ambiental, Química, Matemática, Sistema de Informação, Ciências Biológicas, Tecnólogo em Gestão Ambiental. c) Centro de Letras, Ciências Humanas, Sociais e Aplicadas: História, Letras, Pedagogia, Turismo (Tecnólogo), Administração, Teologia, Tecnólogo em Página 13 de 156

14 Agronegócios, Tecnólogo em Gestão Pública, Tecnólogo em Negócios Imobiliários. No que tange à administração, o general Severino Sombra de Albuquerque legou a Universidade Severino Sombra ao Município de Vassouras. A gestão da Universidade e de sua mantenedora FUSVE foi estabelecida a partir de eleição de um Conselho Gestor, pelo voto da Comunidade Acadêmica e da Comunidade de Vassouras, representadas pelos membros dos Conselhos Eleitor, Diretor e Curador. 1.5 Políticas institucionais de ensino, pesquisa e extensão Atualmente as Políticas institucionais da Universidade Severino Sombra (USS) buscam articular ensino-pesquisa e extensão. É a PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO que implanta e coordena as políticas de ensino, através da oferta de cursos de graduação plena nas áreas das Ciências da Saúde; das Ciências Humanas e das Ciências Exatas e da Natureza. A política de ensino da Instituição busca estimular à inquietação, a dúvida, a provocação de novas idéias e a procura de novos métodos que comprometam o aluno com os problemas da sociedade através de uma formação multidisciplinar. Procura dotar os estudantes não apenas de uma excelente formação profissional, mas também de atitudes que expressem essa formação. Articulando formação profissional e formação política, a Instituição quer provocar, em seus estudantes, tomada de atitude frente à situação atual, tornando-os profissionais politicamente responsáveis. A compreensão do currículo como algo dinâmico, que se constrói cotidianamente, contribui para a reconfiguração das escolhas e decisões docentes, questionando uma suposta neutralidade do seu trabalho pedagógico, provocando reflexão e tomada de decisão que se desenvolvem assentadas em valores e princípios, na maioria das vezes, não explicitados. Pensar as mudanças no ensino e no Projeto Pedagógico implica pensar movimentos que envolvam ações em nível macro e micro. A mudança não se constrói somente em nível macro, nem somente no espaço intramuros, mas também com atuação no Página 14 de 156

15 espaço extramuros e sua participação. Os dois âmbitos devem estar articulados e os atores envolvidos têm que participar de algum modo nesses amplos espaços aqui configurados. A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO é o setor da Universidade Severino Sombra responsável por implantar, acompanhar e avaliar políticas institucionais de práticas de investigação e de iniciação científica. A Missão de uma Universidade não se restringe somente à transmissão do conhecimento, mas abrange também a produção de conhecimento científico. Diante disto, a Universidade Severino Sombra instituiu mecanismos de incentivo e viabilização para o desenvolvimento de pesquisas em sua comunidade acadêmica. Com a criação de meios que possibilitem gerar um ambiente propício à produção de novos conhecimentos, a Universidade busca contribuir para a qualificação e atualização de seu Corpo Docente, em relação aos avanços científicos, ao intercâmbio de conhecimento científico, ao crescimento de sua comunidade acadêmica e finalmente, para a melhoria do processo de ensino-aprendizagem, através da aproximação entre o ensino e a pesquisa. Através da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, a USS vem investindo em ensino continuado desde a década de 1970, através de seus cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. A USS, por atuar em toda a região Centro-Sul-Fluminense é um importante pólo formador e fomentador do desenvolvimento científico e cultural, possibilitando a (re)qualificação profissional e uma melhor perspectiva de inserção no mercado de trabalho. Por sua tradição e pela qualidade dos cursos oferecidos, a USS é hoje uma referência regional em Pós-Graduação nas áreas da Saúde, da Educação e em áreas multidisciplinares. Quanto a Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, oferece o Mestrado Acadêmico em História Social e a, partir do ano de 2008, oferece o Mestrado Profissional em Educação Matemática. A pesquisa na USS apresenta-se como atividade importante do campo científico a partir de duas tônicas combinadas. A primeira estimula os docentes nas discussões do mundo científico, incentivando a organização de Grupos de Pesquisa. A segunda tem como público-alvo os estudantes de graduação dos cursos superiores, que complementam sua formação através da participação em Grupos de Pesquisa e de atividades de Iniciação Página 15 de 156

16 Científica, contribuindo no despertar da vocação científica e no estímulo do desenvolvimento do pensar cientifico e criativo. A Iniciação Científica tem como objetivos despertar a vocação científica dos estudantes de graduação e incentivar talentos em potencial. Este Programa estabelece incentivo e normas para o desenvolvimento acadêmico dos alunos de graduação da Universidade Severino Sombra, estreitando vínculos entre o ensino e a pesquisa e contribuindo para uma melhor formação do discente, através de seu engajamento em Projetos de Pesquisa desenvolvidos e orientados pelos docentes da Instituição. Ao mesmo tempo, os novos questionamentos e as novas práticas decorrentes do trabalho de pesquisa incidem diretamente sobre o rendimento acadêmico do aluno, tanto no desenvolvimento de suas aptidões e seu raciocínio, quanto na sua motivação. A USS possui Grupos de Pesquisa cadastrados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq). Desses grupos participam professores e alunos das áreas: Ciências da Saúde; Ciências Exatas, da Natureza e Tecnológica; e Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas. Até o ano de 2007 a USS subsidiava os pesquisadores com gratificação de pesquisa e, a partir de janeiro de 2008, esta gratificação passou a ser feita através da FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular). Os resultados das atividades de pesquisa têm propiciado a docentes e discentes participação em congressos, reuniões científicas internacionais, nacionais e locais com apresentação de trabalhos. Como resultado desses trabalhos de investigação, tem ocorrido publicação em livros e revistas indexadas. Como inúmeros trabalhos possuem dimensão social tem ocorrido articulação das atividades de pesquisas e de extensão junto à comunidade local. Dentro desta perspectiva, a Universidade se propõe a ser um centro promotor e estimulador da pesquisa científica, definindo Linhas e Grupos de Pesquisa voltados para o desenvolvimento regional, empenhados em contribuir na diminuição dos desníveis setoriais da sociedade em que se encontra inserida consoante com o perfil de formação que pretende. As políticas de pesquisa da Instituição são definidas pelo Colegiado de Pesquisa, órgão colegiado, de natureza consultiva, normativa e deliberativa, formado por docentes Página 16 de 156

17 das diferentes áreas do saber abrangidas na USS e eleitos por seus pares. Desta forma, a Comunidade Acadêmica participa de forma atuante no estabelecimento das diretrizes de pesquisa e na criação das normas para sua operacionalização. O COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-USS) tem papel - chave no monitoramento dos Projetos de Pesquisa na Instituição, assegurando que o delineamento da pesquisa e o seu desenvolvimento sigam os parâmetros éticos estabelecidos. O Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) é um órgão colegiado interdisciplinar e independente, com múnus público, de caráter consultivo, deliberativo e educativo, que existe nas instituições que realizam pesquisas envolvendo seres humanos no Brasil, criado para defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e para contribuir no desenvolvimento da pesquisa dentro de padrões éticos (Normas e Diretrizes Regulamentadoras da Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Res. CNS 196/96, II.14).É responsável pela avaliação e acompanhamento dos aspectos éticos de todas as pesquisas envolvendo seres humanos. Sua missão é salvaguardar os direitos e a dignidade dos sujeitos da pesquisa e contribuir para sua qualidade com discussão do papel da pesquisa no desenvolvimento institucional e social da comunidade. O CEP da Universidade Severino Sombra foi criado e registrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), em 2000, sendo resultado de uma demanda apresentada por docentes do curso de medicina. Atualmente (em 2010), o Comitê é formado por dezessete participantes de diversas áreas de atuação, além de um representante dos usuários e vem promovendo campanhas educativas e realizando cursos de extensão gratuitos, abertos a toda a comunidade, sobre os procedimentos éticos em pesquisa envolvendo seres humanos. A CEUA, COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS, tem por finalidade fazer cumprir as determinações dos aspectos éticos envolvendo a utilização em animais tanto em experimentos e quanto em atividades de ensino. A CEUA é uma comissão multidisciplinar, formada por docentes, discentes e membros da sociedade civil que se reúne periodicamente, com o objetivo de acompanhar, avaliar e regulamentar os procedimentos envolvendo animais na Instituição, a partir dos parâmetros e os critérios estabelecidos pela COBEA e pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária. Página 17 de 156

18 Conceitualmente, a PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA deve atender a três marcos: a bilateralidade da relação Instituição de Ensino Superior e sociedade, a indissociabilidade pesquisa-extensão e a interdisciplinaridade. A Extensão Universitária é um processo social, educativo, cultural e científico que, articulado ao ensino e à pesquisa, viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e a Sociedade. Essa relação deverá ser praticada sempre como via de mão-dupla, com troca de saberes, resultante da atuação intencional dos Cursos na realidade e da participação efetiva da comunidade na construção da Universidade. O relacionamento com o ensino e a pesquisa reforça o processo extensionista como espaço de formação, alicerçado na produção de novos conhecimentos, na qual se incluem os novos métodos e tecnologias. No ensino da USS, a Extensão contribui para o aprofundamento do conceito compreensivo de sala de aula como espaço intra e extramural para a superação do conceito de aula como processo informativo, buscando uma maior responsabilização do aluno na sua formação e reforçando o papel do professor como facilitador do processo de ensino-aprendizagem e não mero repassador de informação. Considerando a relação entre extensão e pesquisa a USS criou, em 2009, o NÚCLEO DE EXTENSÃO E PESQUISA (NEXP). Este tem o objetivo de rever a concepção de extensão universitária, considerando-a em articulação com a pesquisa e o ensino Novas Práticas Gestoras e Acadêmicas O Projeto de Desenvolvimento Institucional (PDI) elaborado por um período determinado, no caso da USS de 2011 a 2015, tornou-se o instrumento principal para a gestão. A partir dele e do Projeto Pedagógico Institucional (PPI) as práticas acadêmicas na área do ensino, pesquisa e extensão se articularam em metas a serem cumpridas. Neste sentido, no ano de 2010 foi solicitado a todos os coordenadores de curso de graduação, assim como às pró-reitorias e suas coordenadorias que definissem metas a serem cumpridas no ano de Página 18 de 156

19 Novas práticas gestoras e acadêmicas foram instituídas a partir de Pode-se citar o estabelecimento de colegiado de diretores e coordenadores de curso; implantação e consolidação de planejamento por metas para cada semestre letivo; elaboração de portfólio, por cada curso de graduação, com as ações no campo do ensino, pesquisa e extensão; instituição de fórum anual de coordenadores de curso com o objetivo de tornar públicas as metas, as articulações entre cursos; implantação de fórum anual de pró-reitores e coordenadorias. Outra questão significativa para ampliar e fortalecer as potencialidades institucionais no campo da gestão acadêmica foi ampliar o conhecimento de coordenadores de curso e diretores de centro sobre todas as legislações que normatizam a oferta de cursos de graduação, inclusive dos instrumentais do MEC/INEP para reconhecimento de cursos e instituições. Entende-se que a qualificação da equipe gestora é fundamental. Neste sentido a instituição ampliou e fortaleceu o Núcleo de Capacitação e Seminários (NUCS) como espaço de formação continuada, de qualificação profissional, de integração entre diferentes áreas de formação. No sentido da qualificação do corpo docente considera-se como potencialidade a implantação de processo seletivo público para docentes. A partir de Edital se processa a seleção constituída de três instrumentos de avaliação, a saber: análise do currículo lattes; avaliação de prova didática; entrevista. O Edital é publicado no site da instituição e divulgado na mídia. Considerando esta prática observa-se ampliação do quadro de docentes com pós-graduação stricto sensu, buscando atender as exigências do MEC/INEP sobre titulação e experiência do corpo docente. Considerando a indissolubilidade do ensino, pesquisa e extensão a USS vêm estimulando e criando condições institucionais para ampliar a pesquisa. A consolidação de plano de carreira do corpo docente com professores 40 horas e 20 horas tem se apresentado como potencialidade para ampliar e fortalecer grupos de pesquisa com participação de professores e alunos. Este fato ganha também condições institucionais quando identificamos a criação de revistas como: Revista Discente e Docente do programa de pósgraduação stricto sensu em História social; Revista Teccen: centro de ciências exatas, tecnológicas e da natureza; Revista Pró-UniverSus; Revista Saúde; Revista Meio Ambiente; Página 19 de 156

20 Mosaico - Revista Multidisciplinar de Humanidades, do Centro de Letras, Ciências Sociais, Aplicadas e Humanas. Neste sentido também pode se citada como potencialidade a criação e implantação do Programa de Iniciação Científica da USS (PIBIC/USS), oferecendo bolsas de iniciação à pesquisa para alunos de graduação que participam de projetos de pesquisa cadastrados no CNPq. Tem sido a proposta da USS rever a concepção de extensão universitária e considerá-la em articulação com a pesquisa e o ensino. Para dar maior efetividade a esta ação criou-se o Núcleo de Extensão e Pesquisa (NEXP). A área da extensão na USS ganhou impulso maior com a criação do NEXP. Este definiu ÁREAS TEMÁTICAS E LINHAS DE EXTENSÃO: Comunicação; Cultura; Direitos Humanos e Justiça; Educação; Meio Ambiente; Saúde; Tecnologia e Produção; Trabalho. Também deve ser ressaltada como ação que gerou um espaço fundamental na estrutura acadêmica da USS, a criação da Central de Estágios, através da Portaria R- 010/2007 de 08 de agosto de 2007 para atuar a partir do segundo semestre de Desde sua criação, pode ser identificada a crescente importância deste espaço como local de referência para estagiários, como espaço de organização e discussão da formação profissional de licenciados e bacharéis. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO 2.1 Dados gerais do curso CURSO: Graduação em Administração MODALIDADE: Bacharelado Presencial REGIME DE MATRÍCULA: Presencial ATOS LEGAIS REGULATÓRIOS Processo de autorização do curso: publicado no D.O.U. Nº232, de 04 de dezembro de 2007 (em Ato correlato com o credenciamento do Campus Maricá). Avaliação para reconhecimento realizada de 23/03/2011 à 25/03/2011, com aprovação Página 20 de 156

21 NÚMERO DE VAGAS NO ATO DA CRIAÇÃO: 50 (cinqüenta) alunos por turma, totalizando 400 (quatrocentas) vagas por semestre TURNOS DE FUNCIONAMENTO: Noturno 2.2 Breve Histórico do Curso Para falar sobre o curso de Administração, no Campus Maricá, torna-se necessário abordar a história do curso na Universidade Severino Sombra. No ano de 1971 através do Parecer CFE 483/71, autorizava o funcionamento da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Paraíba do Sul. A partir daí todos os esforços foram congregados no sentido de realizar o primeiro vestibular para os Cursos de História; Geografia; Letras; Química; Pedagogia (Habilitações em Administração Escolar, Orientação Educacional e Inspeção Escolar); Ciências Biológicas; Física e Matemática. E foi assim que em 22/08/71 ocorre o 1º vestibular, em Paraíba do Sul tendo sua aula inaugural acontecido em 21/09/71, com a presença de autoridades do MEC e da região. De 1971 a 1975 a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, funcionou em Paraíba do Sul, num prédio cedido pela Casa de Caridade de Paraíba do Sul, porém em 04/06/75, a mantenedora optou por transferi-la para Vassouras, uma vez que aqui já funcionava a então Faculdade de Medicina. A formatura da primeira turma da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Paraíba do Sul foi realizada a 20 de setembro de 1975, já em Vassouras. Embora a Fundação Educacional já tivesse adquirido uma chácara para construção do Conjunto Universitário, este, ainda em obras, fez com que os transferidos de Paraíba do Sul estudassem no Colégio Regina Coeli e em outras unidades educacionais de Vassouras, colocadas à disposição da IES. No ano de 1976, mais precisamente em 11/05/76, o Conselho Federal de Educação reconhece os cursos de História, Letras, Pedagogia (Habilitação em Administração Escolar, Orientação Educacional e Inspeção Escolar), através do parecer 772/76 e Decreto 77574/76 de 11/05/76. E, em 1º/06/76 os demais cursos quais sejam de Ciências Biológicas, Física e Matemática, também são reconhecidos pelo Parecer 806/76 e Decreto 77729/76. Página 21 de 156

22 Em novembro de 1977, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, agora de Vassouras, transfere todos os seus alunos que estudavam em unidades cedidas, para seu prédio próprio, o Pavilhão E-2 do Conjunto Universitário. Através do Parecer nº 1512/79 e Portaria Ministerial nº 1228/79, de 18/12/79 é reconhecido o Curso de Geografia. O último curso reconhecido foi o de Química, através do Parecer 1651/79 e Portaria Ministerial 87/80, de 21/01/80. Em setembro de 1980 há uma grande comemoração em Vassouras, para comemorar o 1º decênio da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Vassouras. Em 1994 é aprovado o Regimento Unificado das Faculdades Integradas Severino Sombra e com ele ocorre uma reestruturação do organograma da FUSVE e decorre daí a criação dos Centros e Coordenadorias dos Cursos, surgindo então dentre outros, o Centro de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, que passaria a abrigar os Cursos de História, Geografia, Letras e Pedagogia. Em 03 de julho de 1997 as Faculdades Integradas Severino Sombra são credenciadas como Universidade Severino Sombra. Hoje o Centro que abriga o Curso de Administração, dentre outros, recebe a denominação de Centro de Letras, Ciências Sociais Aplicadas e Humanas. No final de 2007 obteve o curso de Administração a autorização para funcionar publicada no D.O. Nº232, de 04 de dezembro de 2007 (em Ato correlato com o credenciamento do Campus Maricá). 2.3 Justificativa para abertura do curso Situado no centro do município o Curso de Administração da Universidade Severino Sombra - Campus Maricá recebe alunos, no momento, em sua maioria, provenientes da cidade de Maricá e que, anteriormente a instalação do campus, para cursar o ensino superior precisariam recorrer a outros municípios. A formação de profissionais na área da Administração na Microrregião dos Lagos é limitada aos cursos oferecidos por instituições situadas nos Municípios de São Gonçalo e Página 22 de 156

23 Niterói, o que força os estudantes interessados em ter uma graduação de nível superior realizar um deslocamento diário, mínimo, de 100 km, entre a ida e a volta para a cidade. Grandes investimentos estão programados para a região, considerando os próximos 10 anos, alterando significativamente o cenário socioeconômico da Microrregião dos Lagos, principalmente no setor secundário com a implantação do Pólo Petroquímico (COMPERJ) e do Arco Rodoviário Metropolitano. O Arco Rodoviário Metropolitano, uma das maiores obras já realizadas em território fluminense, abrange trechos das rodovias RJ-106 (Amaral Peixoto) e RJ-114 (ligação dos municípios de Itaboraí e Maricá) e fará conexão logística com as rodovias RJ-116, que liga Itaboraí ao Município de Itaperuna, e BR-101, na Baixada Fluminense, com uma ferrovia e com pólos industriais de grande porte que estão sendo implantados na região, cujo investimento é R$ 900 milhões. É importante salientar que o Arco Metropolitano articula Maricá com os principais municípios em que ocorrem grandes investimentos e como conseqüência criando uma gama de novas e importantes organizações de todos os tipos. Este cenário aponta para uma forte demanda de formação e capacitação através de cursos técnicos, politécnicos e de nível superior, em especial de Administração, tanto para atender às necessidades da área industrial como para atender às necessidades da área de serviços, tendo em vista fomento gerado pela instalação das mais variadas organizações. Os futuros egressos do Curso de Administração deverão estar capacitados para assumir os postos de trabalho mais qualificados, gerados pelas organizações que se instalarão no município de Maricá e no seu entorno abrangendo os municípios do Arco Rodoviário e da Microrregião dos Lagos, o que ocasionará a retenção de capital humano e financeiro possibilitando, num futuro próximo, o crescimento sustentável. Nesse contexto regional, os profissionais egressos da área de Administração deverão atuar prioritariamente em todas as áreas referentes às organizações públicas e privadas que se instalarem na área dos municípios abrangidos pelo Arco rodoviário e da Microrregião dos Lagos. Assim, os contextos escolares regionais se caracterizam por uma necessidade no desenvolvimento das competências exigidas por uma sociedade que se caracteriza por exigir competências e habilidades atreladas a posse de um diploma de ensino superior. Página 23 de 156

24 Dessa forma, o Curso é concebido visando encaminhar os discentes para o mundo do trabalho, capacitados para lidar com as demandas profissionais na região sóciopolítico-educacional e geográfica em que a Universidade está inserida. Essa conjuntura educacional exorta a necessidade de professores reflexivos sobre sua prática. Não se encontra mais, nos dias de hoje, no âmbito do ensino superior, espaços para uma cultura conservadora, enraizada no retardamento de uma tomada de posição para medidas concretas de reformulação. Tem-se consciência de que as atividades formadoras do Curso de Administração, da Universidade Severino Sombra - Campus Maricá, estão inseridas na prática social e que o espaço institucional é palco das relações sociais. Dessa forma, a elaboração do Projeto Pedagógico pauta-se nas determinações das novas Diretrizes Curriculares do MEC, assim como da realidade educacional brasileira. Sabe-se que os novos paradigmas educacionais organizam-se a partir da concepção de que o conhecimento é a base do século XXI. A consciência de que a educação é fator primordial para o desenvolvimento, nos leva a preconizar a formação de profissionais que, possuidores de saberes fundamentais, que os capacitam para a área de administração, serão capazes de atuar coerentemente na pesquisa geradora e difusora de conhecimento científico, a partir da escola, compreendida, então, como instância de contenção social de grande relevância, face aos mecanismos de exclusão social do processo de modernização da sociedade. Para tal, o Curso de Administração, tem sua essência embasada em alguns aspectos relevantes que motivam a abertura do curso: 1. A visão de que a formação do profissional em Administração não é um processo estático, um conjunto isolado e abstrato de informações e práticas, que visem preparar e capacitar o profissional para o desempenho das funções desenvolvidas pelas organizações, mas uma atividade teórico-prático que expressa a prática social mais ampla, com a qual está articulada; 2. O potencial mercado de trabalho da região, não somente pela quantidade de organizações de todos os tipos no município, como também pela ampliação de ofertas em novos espaços com a implantação do Pólo Petroquímico da Petrobrás. Página 24 de 156

25 Considerando que o curso de Administração tem que transmitir aos alunos conhecimentos teóricos, bem como repassar experiência profissional alguns aspectos específicos visando esse desiderato foram estabelecidos, entre os quais podemos citar: oferecimento de maior diversidade de atividades complementares extraclasse, como palestras, visitas técnicas e cursos de extensão; organização de eventos regulares com o intuito não apenas de agregar novos conhecimentos, mas também de promover a integração entre as diversas turmas do curso, como o Circuito de Palestras, no primeiro semestre, e a Jornada da Administração, à época do Dia do Administrador (9 de setembro); estímulo ao desenvolvimento de atividades de pesquisa por parte dos professores e com a participação de alunos; reforço do papel dos colegiados, como o Colegiado de Curso, o NDE e o colegiado de representantes de turma. 3. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 3.1 Projeto do Curso: aspectos gerais O Projeto Pedagógico do Curso de Administração da USS Maricá está construído à luz das concepções pedagógicas, bem como de encontros com os professores e reuniões de Colegiado do Curso. Foi elaborado consoante às exigências estabelecidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Administração contidas na Resolução CNE Nº 4 de 13/07/2005. Para a construção deste Projeto Pedagógico, tomou-se como referência e por princípios: A valorização do trabalho pedagógico; A sólida formação teórica; A pesquisa como forma de conhecimento e de intervenção na realidade das organizações: O trabalho coletivo/partilhado; O trabalho interdisciplinar; Página 25 de 156

26 A relação/unidade teórica-prática. O Curso de Administração da Universidade Severino Sombra Campus Maricá tem como finalidade precípua a reafirmação da concepção hegemônica da educação, enquanto fenômeno político-sociocultural, propugnando uma formação voltada para a transformação da realidade e a importância social das organizações, em seus múltiplos níveis e dimensões Objetivos do Curso Objetivo Geral: Consoante toda a legislação vigente e também com base Resolução CNE.Nº 4 de 13/07/2005, o Curso de Administração da USS Campus Maricá tem como OBJETIVO GERAL: Formar profissionais formar profissionais criativos, generalistas e polivalentes, com competências para atuar nas diversas áreas de uma organização com responsabilidade, eficiência, ética e respeito ao ser humano Objetivos Específicos: Promover e disseminar o empreendedorismo e a utilização de práticas inovadoras de gestão; Disseminar valores relacionados à responsabilidade social, contribuindo para a disseminação e a aplicação de conhecimentos e de técnicas que promovam o desenvolvimento sustentável; Contribuir para o desenvolvimento sócio econômico de Maricá e da Microrregião dos Lagos; Produzir e difundir o conhecimento científico-tecnológico do campo educacional, em contextos escolares e não-escolares; Promover uma formação técnica e científica ampla e atualizada, em vista das novas técnicas e conhecimentos que vem sendo desenvolvidos na área da Administração na área nacional e internacional; Articular o ensino com a pesquisa e a extensão com o objetivo de formar administradores familiarizados com as práticas de investigação. Página 26 de 156

27 3.1.2 Perfil do Egresso O Administrador na sociedade moderna não deve se limitar a conhecer apenas os meandros da empresa em que atua. Deve ser um profissional que saiba entender e interpretar os vários e complexos cenários que o rodeiam. Nesse sentido, o perfil do Administrador exige eficácia na comunicação empresarial, capacidade de liderança, competência técnica, assertividade para lidar com situações complexas e conflituosas, agilidade nas decisões, inovação, criatividade, habilidade em negociações, ética, princípios humanísticos, capacidade de produção e geração de resultados, utilização de instrumentos tecnológicos, empreendedorismo, competitividade, preocupação com o meio ambiente, com a qualidade devida pessoal e cultural, empresarial e de comunidades, responsabilidade social e fiscal. O perfil do administrador formado pela USS é definido como o de um profissional pluralista, com base teórica suficiente para atuar tanto nas instituições privadas quanto nas públicas, que saiba interagir em um mundo cujo avanço tecnológico e os desdobramentos socioeconômicos são complexos e exigem flexibilidade e capacidade de adaptação. O profissional de administração que estamos formando irá pautar suas atividades na difícil tarefa de conciliar os interesses individuais e coletivos, primando pela legalidade, moralidade e responsabilidade social, adequando sempre novas técnicas e novos conceitos à realidade empresarial e social. O administrador, formado pela USS, possuirá não só conhecimentos técnicos orientados para o gerenciamento dos recursos materiais e humanos, como também deverá possuir a exata medida de sua aplicação prática, por meio do desenvolvimento de atividades extraclasse voltadas para esse fim, como o estágio supervisionado, os trabalhos desenvolvidos na SOCIUSS SOLUÇÕES, o Trabalho de Curso (TC) e os projetos e produtos desenvolvidos em diversas disciplinas ao longo do Curso. A USS assume como direcionamento de sua linha de ação as seguintes premissas: a) Capacidade: conjunto de fatores pré-disponíveis nos indivíduos e que os colocam em condições de poder realizar atividades diversas; b) Aptidão: capacidade que as pessoas têm de transformar conhecimentos em ação e que lhes permite saber fazer ou desempenhar funções ou tarefas; Página 27 de 156

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CENTRO DE LETRAS, CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E HUMANAS CAMPUS MARICÁ CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO EQUIPE ADMINISTRATIVA DO CAMPUS Direção Geral: Professora M.S Ana Maria Almeida Leal Coordenador

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária

XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária Competência, Habilidade e Atitude na capacidade de gestão de qualidade do curso Dr. Lázaro Manoel de Camargo Coordenador do Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas

TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas TÍTULO DO PROJETO: I FORUM DA GRADUAÇÃO da UENF: Educação Contemporânea Desafios e Perspectivas I-Introdução A Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF é uma Instituição Estadual de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa GESTÃO EDUCACIONAL INTEGRADA: Oferecendo 04 Habilitações: supervisão de ensino, orientação educacional, inspeção de ensino e administração escolar. JUSTIFICATIVA O Curso de Especialização em Gestão Educacional

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais