Prof. Acomerques Antonio da Silva Diretor. Prof. Fabricio Fernandes Coordenador. Elly Spader Secretaria Acadêmica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Acomerques Antonio da Silva Diretor. Prof. Fabricio Fernandes Coordenador. Elly Spader Secretaria Acadêmica"

Transcrição

1 4

2 Prof. Acomerques Antonio da Silva Diretor Prof. Fabricio Fernandes Coordenador Elly Spader Secretaria Acadêmica Doutores, Mestres e Especialistas Corpo Docente 5

3 Apresentação... 8 Palavra do Diretor... 9 I IES A nossa história Nossa Missão Nossos Objetivos PDI PPI II CURSOS E PROGRAMAS Organograma do Ensino Superior no Brasil Organograma do Ensino Superior da FIC CURSOS Cursos de Graduação Cursos Sequenciais Perguntas Frequentes Cursos Sequenciais são cursos Superiores? Para qual concurso posso me candidatar tendo curso sequencial? Os cursos superiores de tecnologia são de graduação? Posso concorrer a uma vaga em concursos públicos com diploma de Tecnólogo? Cursos Sequenciais e os programas Stricto Sensu (Mestrado e Doutorado) Programas da FIC PAPS Programa de Apoio Psicopedagógico e Social PROBEF Programa de Benefícios FIC PRONIVA Programa de Nivelamento de Aprendizagem PROEMP Programa de Empregabilidade FIC PROEG Programa de Valorização do Egresso Pesquisa e Extensão Pós Graduação Iniciação Científica Monitoria Núcleos de Extensão Órgãos de atendimento e apoio ao Discente Coordenação Secretaria Tesouraria Biblioteca Laboratório de Informática Ouvidoria III NORMAS ACADÊMICAS Matrícula Regime Disciplinar Uso de Imagem Uso de Equipamentos Eletrônicos Frequencia Limites de Faltas no Semestre Graduação Índice de frequencia abaixo de 75% Justificativa de falta

4 5.4 Regime Especial Trancamento de Matrícula Prazos para o trancamento Período de Trancamento Cancelamento de Matrícula Por iniciativa do aluno Por iniciativa da Faculdade Transferências Transferência Interna Transferência Externa Dispensa de disciplinas Aproveitamento de Estudos Forma de Avaliação e Rendimento Cursos de Graduação Cursos Sequenciais Modalidades de Avaliação Graduação Atribuição de notas Prova Substitutiva Segunda Chamada Revisão de Nota Atividades Complementares Estágio Supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso Enade Colação de Grau Diplomas

5 APRESENTAÇÃO Prezado estudante, Seja muito bem-vindo à FIC. Por dois ou três anos este espaço físico, social e intelectual será parte do seu mundo. Ele estará à sua disposição. Aqui o conhecimento é produzido e multiplicado por meio de sujeitos (Professores e Estudantes) autônomos, críticos e éticos. O presente Manual é um instrumento feito pra você. Use-o a seu favor. Ele é uma ferramenta útil para orientar sua relação com a Faculdade. É desejo da FIC que as normas e orientações aqui contidas facilitem a sua interação com os órgãos da Instituição e proporcionem maior segurança durante a sua estadia nesta academia. Obrigado pela escolha e por confiar parte da realização dos seus sonhos e do seu futuro a nós. Perfil do estudante FIC: Visão de futuro Compromisso com o conhecimento Busca permanente pela excelência Assiduidade e pontualidade Exercício da cidadania Cultivo ao hábito da leitura Respeito às idéias e pessoas Ético Se estes valores também são os seus temos uma parceria de sucesso!!! 8

6 PALAVRA DO DIRETOR Este manual tem o objetivo de facilitar e disciplinar a relação aluno/faculdade/aluno, e torná-la, portanto, mais ágil e objetiva uma vez que traz no seu bojo informações que praticamente antecipam ao aluno seu dia a dia, ensejando a possibilidade de planejar seus estudos, bem como, sua vida universitária. Isso para evitar transtornos de última hora, visto que, a partir de seu recebimento, é informado passo a passo como agir na solução de eventuais problemas surgidos na sua vida acadêmica. Ele também informa toda a estrutura organizacional da Instituição, o que por si só, facilita sobremaneira a sua relação com a Faculdade, explicitando detalhadamente os deveres e direitos do aluno ao longo do semestre, tornando a relação muito mais agradável. As dificuldades que não encontrem respostas através deste manual, o aluno deverá buscálas na Secretaria Acadêmica. Agradecemos a todos pela preferência e confiança. A Diretoria. 9

7 I IES A FIC, Faculdades Integradas de Cuiabá, nasceu da certeza de que o conhecimento é fundamental para o exercício da cidadania. O saber é um bem intangível e por meio dele a realidade pode ser transformada. O acesso à Educação é garantia constitucional e a FIC tem contribuído para que jovens e adultos tenham condições de ingressar em uma Faculdade com ensino de qualidade. A FIC se preocupa com a educação integral de seus acadêmicos. Formação intelectual, formação social, formação ética e formação humana para nós são indissociáveis. 1. A NOSSA HISTÓRIA A história da FIC coincide com os projetos assistenciais e na área da educação da Associação Metropolitana de Ensino Superior (AMES), que sem fins lucrativos, quis trabalhar com políticas afirmativas de inclusão educacional. Em 1992 foi credenciada pelo Ministério da Educação a primeira Faculdade mantida pela AMES, a Faculdade de Informática de Cuiabá. Dez anos depois, o projeto da segunda Faculdade foi consolidado com o credenciamento da Faculdade de Ciências Administrativas. Desde então a FIC tem atuado não apenas com cursos tecnológicos ligados à área de informática, mas também com cursos de bacharelado, sequenciais e pós graduação. 2. NOSSA MISSÃO A missão da FIC não é outra senão a de "formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimentos, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua". Três aspectos da nossa missão merecem destaque: a) Formar pessoas aptas à inserção em setores profissionais: A FIC quer ajudá-lo na apreensão de conteúdo, desenvolvimento de habilidades e aquisição de competências que farão a diferença no mercado de trabalho; b) Formar pessoas para participar do desenvolvimento da sociedade: Nossa instituição quer que o acadêmico exerça sua cidadania e coloque em prática seus conhecimentos para contribuir com o desenvolvimento e aperfeiçoamento de órgãos, instituições e empresas e assim colaborar no desenvolvimento da sociedade. c) Colaborar na formação contínua: O mundo é dinâmico, as estruturas e organizações mudam, assim como muda a nossa forma de pensar e se relacionar com as coisas. O mercado de trabalho requer do profissional preparo contínuo, visão sistêmica, holística e proatividade. Nesse sentido, a FIC oferece cursos de complementação, atualização, formação continuada e pós graduação para permitir ao egresso sua melhor qualificação. 3. NOSSOS OBJETIVOS Dentre os objetivos da FIC destaca-se seu programa de estímulo à produção do conhecimento. São nossos objetivos: Estimular a criação cultural e o desenvolvimento científico; 10

8 Incentivar os trabalhos de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e à criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive; Comunicar o saber por meio do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação; Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração; Promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição; Nossos Docentes, com titulação acadêmica e experiência profissional, contribuem na efetivação de tais objetivos. 4. PDI A FIC vive um momento de inovação. O novo Plano de Desenvolvimento Institucional para o qüinqüênio , elaborado com a contribuição de vários seguimentos da Instituição tem metas de crescimento, de aperfeiçoamento do ensino e de suas condições de oferta. Nossa Faculdade que interagir ainda mais com o entorno, quer diversificar a oferta de cursos e continuar cumprindo sua missão social de formar pessoas e partilhar o conhecimento com a sociedade. 5. PPI O Projeto Pedagógico da nossa Faculdade está alicerçado em princípios éticos e em práticas modernas de ensino. A formação ética, cidadã, responde pelo desenvolvimento integral da pessoa humana. As práticas de ensino fundamentam-se no tripé: conteúdo, habilidade e competência. As estratégias são pensadas para desenvolvê-los adequadamente. Conteúdos, habilidades e competências respondem pela necessidade mais urgente do mercado: um profissional qualificado e competente. O Projeto Pedagógico tem presente também o fenômeno do conhecimento como produto e como processo e, respeitando outros referenciais e práticas pedagógicas, prima pela interdisciplinaridade e transdisciplinaridade. Outro aspecto é que a materialização do projeto pedagógico, ao se dar no cotidiano e por uma multiplicidade de ações e atividades, termina por alcançar pessoas fora dos muros da FIC. E é esse o objetivo e a missão da FIC. Para a produção e socialização do conhecimento não há barreiras. Não pode haver limites físicos. É a Faculdade interagindo com o entorno por meio de suas práticas pedagógicas e andragógicas (arte de conduzir adultos). Os projetos pedagógicos dos cursos da FIC são construídos a partir das diretrizes curriculares nacionais (DCN), das orientações contidas no Catálogo dos Cursos Superiores de Tecnologia (CNCST), considerando aspectos relevantes da realidade local e com a participação de docentes experientes. Temos claro o perfil do egresso que queremos: capacitado e ético em sua postura e conduta. 6. Avaliação Institucional O processo de Avaliação Interna da FIC, ou autoavaliação, é conduzido pela Comissão Própria de Avaliação CPA. Esta Comissão é formada por membros do Corpo Docente, Discente e Técnico Administrativo. Também colabora nesta Comissão um membro externo, pertencente à sociedade civil organizada. 11

9 II CURSOS E PROGRAMAS Os cursos ofertados na FIC estão, evidentemente, inseridos na Estrutura da Educação Superior no Brasil. Os organogramas abaixo querem apresentar aos acadêmicos o modo como o ensino está organizado para que ele tenha pleno conhecimento de suas escolhas. 1. ORGANOGRAMA DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Os cursos superiores a partir da aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (1996) tem a seguinte organização: Sequencial Formação Específica (Diploma) Formação Complementar (Certificado) Bacharelado (Diploma) Destinação Coletiva Destinação Individual Destinação Coletiva Graduação Licenciatura (Diploma) ENSINO SUPERIOR Tecnológico (Diploma) Aperfeiçoamento (Valor Profissional) Lato Sensu (Certificado) Especialização (Valor Acadêmico) MBA Pós Graduação Extensão Stricto Sensu (Diploma) Mestrado Doutorado Profissional Acadêmico É interessante que você localize dentro desse organograma o tipo de curso escolhido para que não haja dúvidas quanto à sua formação dentro da FIC e ao tipo de documento que terá direito após a conclusão do ensino superior: diploma ou certificado. 12

10 2. ORGANOGRAMA DO ENSINO SUPERIOR DA FIC O organograma é a representação gráfica de uma estrutura organizacional. A FIC está atualmente estruturada a partir do seguinte organograma: MANTENEDORA MANTIDAS COLEGIADO CONSELHO DIREÇÃO CPA DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO- FINANCEIRO DEPARTAMENTO ACADÊMICO ORGÃOS DE APOIO TESOURARIA SECRETARIA GERAL COORDENAÇÃO GERAL PÓS GRADUAÇÃO PESQUISA E EXTENSÃO BIBLIOTECA SETOR DE RECEPÇÃO E ATENDIMENTO CONTAS A PAGAR/CONTAS A RECEBER COORDENÇÃO DE CURSOS SEQUENCIAIS NDE COLEGIADO LATO SENSU INICIAÇÃO CIENTÍFICA MANOEL DE BARROS SETOR JURÍDICO RH GRADUAÇÃO FORMAÇÃO COMPLEMENTAR SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA CRIMINOLOGIA NÚCLEOS DE EXTENSÃO VIRTUAL SETOR DE COMUNICAÇÃO E MARKETING COMPRAS BACHARELADO TECNOLÓGICO GESTÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA BANCO DE DADOS SETOR DE INFORMÁTICA SECRETARIADO TSI AGRONEGÓCIO GESTÃO PÚBLICA GESTÃO E EDUCAÇÃO DE TRÂNSITO OUVIDORIA SETOR DE SERVIÇOS, ASSEIO E BEM ESTAR SETOR DE SEGURANÇA O organograma da FIC em sua estrutura horizontal e vertical prima pela democratização no Ensino. Democratização não significa que todos dentro da Faculdade devam decidir acerca do que é melhor para ensino. Primeiro porque isso não é possível, uma vez que cabe ao Ministério da Educação regular, supervisionar e avaliar o ensino superior e as Instituições. Existe uma legislação própria a qual a Faculdade está submetida e deve cumprir. Em segundo lugar porque existe um Plano de Desenvolvimento Institucional que baliza as ações da Faculdade, cabendo à Administração a responsabilidade primeira pela sua execução. Democratização no Ensino significa: I - Abertura ao diálogo; II Incorporação à Gestão dos resultados produzidos pela Comissão Própria de Avaliação; III Valorização das instâncias de reflexão e decisão como Colegiados, Conselhos e Diretórios. 3. CURSOS Os cursos e programas da FIC procuram atender os acadêmicos em suas necessidades, anseios e buscas. A FIC oferta hoje cursos de graduação, sequenciais e de pós graduação. 3.1 CURSOS DE GRADUAÇÃO Os cursos de graduação autorizados pelo Ministério da Educação e ministrados pela FIC são três: 13

11 I Bacharelado em Secretariado Executivo Bilíngue; II Tecnológico em Sistema de Informação; III Tecnológico em Agronegócio (sem turmas formadas no corrente semestre) Duração dos Cursos Secretariado Executivo Bilíngue 6 semestres Sistema de Informação 5 Semestres Agronegócio 5 Semestres 3.2 CURSOS SEQUENCIAIS Os cursos sequenciais ofertados pela FIC são de formação complementar e ministrados em módulos. Eles tem duração média de 15 meses e conduzem a Certificado. I Gestão em Segurança Pública II Gestão e Educação de Trânsito III Gestão Pública 4. PERGUNTAS FREQUENTES 4.1 CURSOS SEQUENCIAIS SÃO CURSOS SUPERIORES? Sim. Os cursos sequenciais, seja de formação específica como complementar, são superiores. A diferença é que os de formação específica conduzem a diploma e os de formação complementar conduzem a certificado. 4.2 PARA QUAL CONCURSO POSSO ME CANDIDATAR TENDO CURSO SEQUENCIAL? Concursos que exijam em seu edital somente formação em nível superior. Caso conste no edital a exigência de diploma de nível superior ou diploma de graduação você não poderá se candidatar. Portanto, o fator determinante é o teor do edital de cada concurso. 4.3 OS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA SÃO DE GRADUAÇÃO? Sim, conforme a Resolução CNE/CP 3, de 18 de dezembro de 2002, os cursos superiores de tecnologia são de graduação, com características especiais, e obedecerão às diretrizes contidas no Parecer CNE/CES 436/2001 e conduzirão à obtenção de diploma de tecnólogo. 4.4 POSSO CONCORRER A UMA VAGA EM CONCURSOS PÚBLICOS COM DIPLOMA DE TECNÓLOGO? A designação da qualificação do servidor é de autonomia do contratante, contudo, caso a exigência seja de nível superior e/ou graduação, o formado em cursos tecnólogos está apto a prestar o concurso. Ressalte-se a exceção em caso de solicitação específica da formação em licenciatura e/ou bacharelado. Portanto, o fator determinante é o teor do edital de cada concurso no qual estarão discriminados os títulos exigidos. 4.5 CURSOS SEQUENCIAIS E OS PROGRAMAS STRICTO SENSU (MESTRADO E DOUTORADO) Os cursos Sequenciais não dão ao concluinte o direito de ingressar nos Programas de Mestrado ou Doutorado. 14

12 5. PROGRAMAS DA FIC 5.1 PAPS PROGRAMA DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO E SOCIAL O Programa de Apoio Psicopedagógico tem a preocupação de integrar saúde, educação e rendimento escolar. Um profissional qualificado atua na FIC no sentido de auxiliar o interessado no contínuo e dinâmico processo de aprendizagem. O trabalho consiste na identificação de dificuldades vencíveis que possam afetar o aprendizado, a memorização, a concentração. O programa em sua totalidade envolve palestras, orientação compartilhada e atendimento individual, sempre com o intuito de acompanhar e auxiliar os alunos em dificuldade familiares, emocionais e psicomotoras que possam comprometer o processo de ensino aprendizagem e a própria qualidade de vida. O programa atende também professores e funcionários. Atendimento Individual: primeira segunda feira do mês. Horário: 18h 5.2 PROBEF PROGRAMA DE BENEFÍCIOS FIC O Programa de Benefícios da FIC, em suas várias modalidades, atende os acadêmicos regularmente matriculados e que se enquadrem aos requisitos determinados pela Faculdade. O programa é constituído basicamente por concessões de Descontos ou Bolsas (parciais e integrais). O interessado deverá acompanhar o edital publicado semestralmente e, caso atenda aos requisitos, preencher o requerimento próprio e aguardar a análise. Lembramos que a FIC também tem parceria o programa Educa + Brasil. 5.3 PRONIVA PROGRAMA DE NIVELAMENTO DE APRENDIZAGEM Com o objetivo de proporcionar, sobretudo ao ingressante, condições de adaptação ao Ensino Superior e superação das dificuldades iniciais de aprendizagem, a FIC criou o PRONIVA. As lacunas de aprendizado são identificadas pelos professores em quase todas as áreas do conhecimento. Isso devido às diferenças econômicas, sociais, psicológicas, etárias ou familiares. Portanto esta realidade requer um programa que permita ao estudante ultrapassar as barreiras que possam direta ou indiretamente interferir no seu desempenho acadêmico. Do contrário ele pode, se não for assistido pela Faculdade, sentir-se, logo de início, desmotivado ao estudo, ou até mesmo incapaz de cursar o ensino superior. Acompanhar o ingressante e demais estudantes em suas dificuldades acadêmicas faz parte da filosofia de trabalho da FIC. Este tempo adicional de estudo foi então criado para auxiliar o estudante nas áreas do conhecimento dos respectivos cursos, em vista seja da aquisição de conteúdos e competências ligadas às disciplinas do semestre, seja ligadas às disciplinas dos semestres vindouros. Outra atualidade do programa está na sua preocupação com os inscritos no Enade. O Exame exige do acadêmico, além de conhecimentos específicos, formação cultural mais ampla e conhecimentos contemporâneos. Para conjugar os conhecimentos específicos com a realidade hodierna o programa estimula o acadêmico a confrontar os conteúdos das disciplinas com os saberes do mundo contemporâneo. 15

13 5.4 PROEMP PROGRAMA DE EMPREGABILIDADE FIC O Programa faz parte do núcleo de apoio ao estudante e visa, em primeiro lugar, a reinserção profissional do acadêmico. Como a reinserção profissional está condicionada, além da disponibilidade da vaga, à qualificação profissional do interessado, o PROEMP abrange a capacitação permanente do acadêmico. Fazem parte do programa, inclusive ações práticas como: Elaboração de Currículo; Postura e dicas para Entrevista; Network; Parcerias com Empresas para alocar o aluno FIC; Inserção de Currículos no site da FIC 5.5 PROEG PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO EGRESSO A valorização do Egresso FIC dá-se por meio de políticas e mecanismos para acompanhá-lo no mercado de trabalho. O Programa visa: Criação de cursos práticos para atualização profissional; Programas de especialização voltados aos egressos; Participação do interessado no PROEMP; Inscrições em disciplinas ou módulos isolados para aquisição de novos conhecimentos. 6. PESQUISA E EXTENSÃO 6.1 PÓS GRADUAÇÃO O programa de Pós Graduação da FIC está centrado nos cursos de especialização (Lato Sensu), com duração mínima de 360 horas, não computados o tempo destinado ao estudo individual e elaboração da Monografia. A especialização conduz a Certificado. 6.2 INICIAÇÃO CIENTÍFICA A iniciação científica da FIC tem o propósito de estimular discentes e docentes na produção do conhecimento. Os grupos de estudo, sob a orientação do professor, criam e desenvolvem um projeto que ao final da pesquisa é discutido e apresentado à Comunidade sob a forma de artigo, fórum, simpósio ou ações semelhantes. A iniciação científica além de identificar talentos e capacitar o estudante para a pós graduação contribui por meio de projetos impactantes para políticas de melhoria da vida social das pessoas. 6.3 MONITORIA A monitoria é uma atividade acadêmica destinada a promover a interação entre alunos e estimular a vocação à docência. I - Trata-se de um trabalho não remunerado em que os estudantes de períodos mais adiantados desenvolvem atividades, sob a orientação de um docente, com o objetivo melhorar a qualidade do ensino. II A seleção de monitores acontece no início de cada semestre e as vagas são definidas em Edital. III O desconto concedido aos monitores é de 20% sobre o valor da mensalidade. A carga horária semanal é de 4 horas. 16

14 6.4 NÚCLEOS DE EXTENSÃO O programa de Extensão da FIC existe para aprimorar sua comunicação com o entorno e socializar os conhecimentos produzidos pela Faculdade. O objetivo é diversificar a oferta de cursos voltados para diferentes seguimentos da sociedade a fim de que a comunidade participe ainda mais da vida acadêmica da Faculdade. Nesse sentido os Núcleos de Extensão desenvolvem projetos impactantes para beneficiar a sociedade e otimizar a interação da FIC com pessoas, grupos, associações, empresas. São atividades de Extensão: Eventos acadêmicos e científicos abertos à comunidade para que esta se aproprie de informações e conhecimentos capazes de promover o exercício da cidadania; Publicações científicas e não científicas; Cursos de extensão universitária, de aperfeiçoamento, de capacitação profissional, de especialização teórica e técnica, de ampliação cultural; Intercambio para ações sociais, ecológicas, afirmativas. Atuação de grupos de pesquisa; 7. ÓRGÃOS DE ATENDIMENTO E APOIO AO DISCENTE 7.1 COORDENAÇÃO Segunda feira: 18h 19h30 Terça feira: 18h 19h30 Quinta feira: 20h 21h 7.2 SECRETARIA Segunda a sexta: 14h às 21h Sábado: 8h às 16h30 Possui Regimento Próprio 7.3 TESOURARIA Segunda a sexta: 8h às 21h Sábado: 8h às 12h 7.4 BIBLIOTECA Segunda a sexta: 8h às 21h Sábado: 8h às 12h Possui Regimento Próprio 7.5 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Segunda a sexta: 8h às 21h Sábado: 8h às 12h Possui Regimento Próprio 17

15 7.6 OUVIDORIA A Ouvidoria da FIC foi constituída para estreitar a relação da Instituição com a Comunidade acadêmica e com o público externo e assegurar a existência de um canal direto de comunicação. I Este canal é reservado para manifestação de críticas, elogios, sugestões e reclamações acerca da prestação de serviços educacionais da FIC. II O contato com a ouvidoria pode ser feito por meio do site, da caixa de sugestões, telefone ou pessoalmente no horário de funcionamento. III - O serviço está sob a responsabilidade do Ouvidor. IV Cabe ao Ouvidor recolher as demandas, encaminhá-las aos departamentos ou pessoas competentes e responder ao solicitante dentro do prazo estipulado. V O ouvidor não atende grupos de alunos. O interessado: estudante, professor ou o cidadão externo, será ouvido individualmente. Atendimento ao Discente: Quinta feira: 18h às 20h30 III NORMAS ACADÊMICAS 1. MATRÍCULA A matrícula é o ato formal que vincula o aluno à Faculdade. Ela deve ser feita semestralmente e coincide com a assinatura do contrato de prestação de serviço educacional, com o pagamento da primeira parcela (matrícula) correspondendo ao mês de janeiro ou julho e entrega da documentação. Uma vez matriculado o aluno passa a fazer parte da Instituição e a observar seus Estatutos e Regimentos. O valor pago no ato da matrícula não será ressarcido, em hipótese alguma, em caso de cancelamento de vínculo. A matrícula deve ser renovada a cada semestre. A não renovação da matrícula dentro do prazo determinado no calendário escolar desobriga a Instituição de manter a vaga do aluno assegurada. Caso haja prorrogação da data, esgotado o novo prazo, não haverá mais possibilidade de vincular o aluno àquele semestre letivo. A renovação da matrícula só será deferida após a regularização dos débitos (se houver). 2. REGIME DISCIPLINAR Para salvaguardar a ordem, o respeito e a educação no ambiente interno da FIC o Regimento da FIC, capítulo III, apresenta os mecanismos disciplinares do corpo discente. O estudante regularmente matriculado está sujeito às seguintes penalidades em caso de descumprimento das normas estabelecidas: 1. Advertência Verbal em caso de comportamento inadequado em sala de aula ou nas dependências da Faculdade. 2. Repreensão por reincidência com Advertência Escrita nas faltas mencionadas, por desrespeito a docentes, funcionários e Administradores da FIC. 3. Suspensão nos casos em que a Direção julgar que houve falta grave. 4. Desligamento no caso de descumprimento às normas regimentais e disciplinares, por graves desajustes no convívio social. O registro das penalidades será feito em documento próprio. 18

16 3. USO DE IMAGEM A FIC reserva o direito de uso de imagem individual ou coletiva de seus acadêmicos em campanhas institucionais, publicitárias e afins. 4. USO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS É permitido o uso de equipamentos eletrônicos como celulares, MP3, MP4, computador pessoal, dentro das dependências da FIC observando as seguintes normas: I Em sala de aula o uso de computador pessoal está condicionado ao seu emprego para desenvolver atividades diretamente ligadas à disciplina e ao conteúdo que estão sendo ministrados; II O emprego indevido do computador pessoal ensejará ao professor, em sala, o direito de advertir o acadêmico e, em caso de reincidência, solicitar que o mesmo seja desligado, proibindo o seu uso no decorrer da aula; III O uso indevido, em sala, se dará nos seguintes casos: a. Comunicação por meio de redes sociais; b. Visualização de imagens ou vídeos; c. Uso de fone de ouvido; d. Visita a sites alheios ao assunto em pauta; e. Elaboração de trabalhos de outras disciplinas. IV Os celulares deverão estar no módulo silencioso durante todo o período de permanência em sala de aula, na Biblioteca ou nos Laboratórios. V O atendimento a chamada deverá ser feito somente em casos de urgência e fora da sala de aula; VI Não é permitida, durante a aula, desconcentrar-se, usando o celular para comunicação por meio de mensagens; VII O professor em sala tem autoridade e autonomia para julgar se está ou não havendo o uso indevido dos aparelhos eletrônicos por parte dos acadêmicos e tomar as medidas prescritas acima. VIII Na inobservância destas disposições serão aplicadas as penalidades contidas no Regime Disciplinar (item 2). 5. FREQUENCIA O acadêmico deve, desde a sua matrícula, ter ciência de que a frequência mínima exigida para a aprovação em qualquer dos cursos ministrado pela FIC é de 75% (setenta e cinco por cento) em cada disciplina, módulo ou unidade de estudo. Esse requisito, lembramos, é indispensável para sua aprovação. Portanto, a frequência às aulas e demais atividades acadêmicas, permitida apenas a estudantes regularmente matriculados, além de direito do estudante, é obrigatória. 5.1 LIMITES DE FALTAS NO SEMESTRE GRADUAÇÃO I Disciplinas com duas aulas semanais: 10 faltas II Disciplinas com quatro aulas semanais: 20 faltas 5.2 ÍNDICE DE FREQUENCIA ABAIXO DE 75%. No caso do estudante não alcançar o índice de frequencia exigido ele ficará retido naquela disciplina/módulo e deverá cursá-la novamente. 19

17 5.3 JUSTIFICATIVA DE FALTA O aluno que não comparecer às aulas por recomendação médica, atendimento odontológico, exames de saúde, deverá: I Protocolar na secretaria acadêmica o Termo de Justificativa de Ausência; II O prazo para protocolar o Termo é de até dois dias letivos a contar da data do atestado; III Na impossibilidade de comparecimento, o interessado poderá preencher o requerimento por meio de um membro comprovado da família. IV A Justificativa de Ausência não abona a falta, apenas confere ao acadêmico o direito às atividades avaliativas desenvolvidas em sala como: trabalhos, apresentações, seminários, exercícios, provas. V No caso de prova, permanece a obrigatoriedade de pagamento da taxa de segunda chamada. 5.4 REGIME ESPECIAL Há casos particulares, e amparados por lei, em que o aluno goza do direito ao tratamento excepcional, ou regime especial de estudo. O objetivo é compensar a ausência às aulas e não abonar as faltas Gestante A Lei 6202/75 atribui à estudante gestante o regime de exercícios domiciliares instituído pelo Decreto-lei 1.044/69. A partir do oitavo mês de gestação e durante três meses a estudante em estado de gravidez poderá ficar assistida pelo regime de exercícios domiciliares Enfermidades São considerados merecedores de tratamento excepcional, conforme a lei 1044/69, alunos portadores de afecções congênitas ou adquiridas, infecções, traumatismo ou outras condições adversas, caracterizadas por incapacidade física relativa, incompatível com a frequência aos trabalhos escolares; Serviço Militar: A Lei 4375/64 confere ao aluno matriculado em Órgão de Formação de Reserva que seja obrigado a faltar a suas atividades civis, por força de exercício ou manobras, ou reservista que seja chamado, para fins de exercício de apresentação das reservas ou cerimônia cívica, do Dia do Reservista, o direito ao regime especial Integrantes da CONAES (Comissão Nacional de Avaliação do Ensino Superior) Caso o discente venha a participar de reuniões da CONAES terá direito às atividades acadêmicas ou avaliações conforme o artigo 7 da Lei /04. Em qualquer dos casos o interessado deverá requerer o regime excepcional ou especial, mediante apresentação de documentação comprobatória. I O requerimento deverá ser protocolado no prazo de dois dias letivos a contar da data do atestado; II Poderá ser feito pelo interessado ou por membro da família, devidamente documentado. III O regime especial permite a compensação de faltas, mas não dispensa o estudante da obrigatoriedade de realização das avaliações nas datas previamente determinadas, sendo vedada qualquer prorrogação. IV A entrega de trabalhos e/ou exercícios fora do prazo preestabelecido levará o aluno à perda do direito de justificar-se, devendo o mesmo arcar com o ônus da negligência, podendo implicar reprovação. V Exceto nos casos previstos em legislação específica, visando não causar prejuízo pedagógico ao requerente, fica limitado a 20 (vinte) dias o deferimento de requerimentos de 20

18 tratamento excepcional, prorrogados por, no máximo, mais 20 (vinte) dias, mediante novo atestado médico. VI Na hipótese de não haver condições de dar continuidade aos estudos na forma de "regime excepcional", o aluno deverá proceder com o trancamento da matrícula e aguardar o momento mais oportuno para retomar os estudos. VII Caso o pedido de tratamento excepcional seja indeferido, e o estudante não efetuar o trancamento da matrícula ou o cancelamento das disciplinas/módulos ou unidades de estudo matriculadas, será considerado reprovado. 6. TRANCAMENTO DE MATRÍCULA O trancamento significa que o aluno manterá o vínculo com a Faculdade e terá sua vaga assegurada, porém, por motivos alheios à sua vontade, precisará afastar-se dos estudos por tempo determinado. 6.1 PRAZOS PARA O TRANCAMENTO O trancamento da matrícula pode ser efetuado a qualquer tempo, porém, se efetuado após a data limite haverá multa contratual Dentro do Prazo O prazo para o trancamento, conforme o Regimento da Faculdade, é de 45 dias a contar do primeiro dia letivo de aula. Nesse caso o aluno não arcará com a multa sobre as parcelas vincendas, devendo pagar apenas a taxa de Requerimento e estar adimplente Fora do Prazo O trancamento da matrícula fora do prazo implica em multa de 40% sobre as parcelas vincendas em seu valor integral. 6.2 PERÍODO DE TRANCAMENTO Cursos com duração de até cinco semestres Para cursos com duração de até cinco semestres o período de trancamento é de um semestre podendo ser prorrogado por mais um Cursos com duração acima de cinco semestres O período de trancamento é de dois semestres a contar da data da solicitação, podendo ser renovado por mais dois. 7. CANCELAMENTO DE MATRÍCULA O cancelamento da matrícula é a suspensão do vinculo do aluno da Faculdade. Caso o aluno, no futuro, queira reativar seu vínculo e concluir o curso deverá se submeter a novo processo seletivo. O cancelamento pode ser feito por iniciativa do aluno ou da Faculdade e a qualquer tempo. Porém, em alguns casos haverá multa contratual. 7.1 POR INICIATIVA DO ALUNO O cancelamento poderá ser solicitado pelo acadêmico a qualquer tempo Dentro do Prazo. Se solicitado até quinze dias após o início oficial das aulas, não haverá multa sobre as parcelas vincendas. Caso o aluno tenha efetuado o pagamento da segunda parcela, haverá a restituição de 50% do valor. Permanece a obrigação de pagamento da taxa de requerimento. 21

19 7.1.2 Fora do Prazo Se solicitado após o décimo quinto dia letivo, não haverá restituição de 50% do valor da segunda parcela e ainda haverá multa contratual de 30% sobre as parcelas vincendas. No caso dos cursos seqüenciais a multa por rescisão será de 10% sobre as parcelas vincendas. 7.2 POR INICIATIVA DA FACULDADE O aluno terá sua matrícula considerada insubsistente no caso de comprovação de adulteração de documentos para a matrícula e multa de 50% sobre o valor de uma mensalidade, independente se o pagamento da parcela do mês corrente foi efetuado. 8. TRANSFERÊNCIAS 8.1 TRANSFERÊNCIA INTERNA O aluno poderá requerer a transferência de um curso para outro, observadas as seguintes normas: a) Requerimentos: de Dispensa de Disciplina e de Transferência Interna caso, após a análise de aproveitamento, opte pela mudança. b) Desde que na mesma área do conhecimento c) No início de cada semestre d) Disponibilidade de vagas e) Adimplência f) Pagamento da taxa 8.2 TRANSFERÊNCIA EXTERNA O aluno de outra Faculdade poderá requerer a transferência para FIC. Nesse caso ele deverá ter cursado ao menos um semestre com aproveitamento e apresentar além dos documentos próprios para a matrícula: - Atestado atualizado de Vinculo com a Faculdade de origem; - Histórico Parcial; - Ementa das disciplinas cursadas. 9. DISPENSA DE DISCIPLINAS O estudante poderá requerer dispensa de disciplinas já cursadas com aproveitamento em outras Instituições de Ensino Superior ou na própria FIC, desde que apresente documentação comprobatória. I O requerimento é feito na Secretaria Acadêmica; II Análise de equivalência de conteúdo e carga horária cabe à coordenação; III Havendo equivalência o pedido poderá ser deferido. 10. APROVEITAMENTO DE ESTUDOS O aproveitamento está previsto na legislação educacional brasileira. A Lei 9.394/96 dispõe em seu artigo 47 2º. Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrado por meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino. 22

20 I Cabe aos professores responsáveis pelas disciplinas, julgar a possibilidade de aproveitamento de estudos, no prazo máximo de 15 (quinze) dias, contados da data do requerimento. II Os professores podem exigir do aluno outras informações ou documentos julgados indispensáveis. III Será exigido, para integralização do currículo, o cumprimento regular das demais disciplinas e da carga horária total. 11. FORMA DE AVALIAÇÃO E RENDIMENTO 11.1 CURSOS DE GRADUAÇÃO A FIC trabalha com um conceito amplo de avaliação. O acadêmico deve ser avaliado continuamente e por meio de diversos instrumentos. Isso significa que a presença em sala de aula é critério de avaliação, bem como atividades, trabalhos, seminários, fóruns, simpósios entre outros e as provas bimestrais. O aluno será aprovado se: I Possuir frequência mínima de 75% II Alcançar a média 7,0 no cálculo aritmético entre o primeiro Processo Avaliativo (PA1) 1 bimestre e o segundo Processo Avaliativo (PA2) 2 bimestre. PA1 + PA2 = M Exame final Caso o aluno tenha a frequência mínima exigida, porém não alcance a média 7,0 ele terá oportunidade de fazer o exame, desde que sua média semestral não seja inferior a 4,0. Para aprovação o aluno deverá obter na Prova Final (Exame) nota igual ou superior a 7,0. Não haverá calculo aritmético. O Exame abrange o conteúdo de todo o semestre Regime de Dependência O aluno que não obtiver a freqüência de 75% ou a média mínima para aprovação entrará para o Regime de Dependência. I O avanço para o próximo semestre se dará permanecendo a obrigação de cursar novamente a disciplina conforme a disponibilidade de vaga, oferta de disciplina no semestre e compatibilidade de horário; II Caso não haja vaga disponível, a oferta da disciplina no semestre ou a compatibilidade de horário o estudante deverá aguardar o semestre oportuno; III O aluno poderá gozar do Regime de Dependência em no máximo duas disciplinas. Acima de duas disciplinas o aluno deverá matricular-se apenas nas disciplinas cursadas sem aproveitamento, não podendo avançar para o semestre seguinte; IV Ao longo do curso não poderá haver acúmulo superior a cinco dependências. Nesse caso o estudante deverá eliminar as dependências para prosseguir nos estudos CURSOS SEQUENCIAIS Para ser aprovado no módulo/disciplina o aluno deverá ter frequencia mínima de 75% (setenta e cinco por cento) e nota final igual ou superior a 7,0 (sete). Caso o aluno tenha a frequencia, mas não a nota mínima, poderá solicitar prova complementar. A nota da prova complementar deverá ser igual ou superior a 7, Frequencia e/ou nota insuficiente. O aluno que não alcançar a nota para aprovação ou a frequência mínima deverá: 23

21 I Repetir o módulo quando este for novamente ministrado; II Pagar 75% do valor da mensalidade por módulo; III Não participará da colação de grau e não obterá certificação o aluno que não cumprir as exigências acima MODALIDADES DE AVALIAÇÃO GRADUAÇÃO As modalidades de avaliação são: I - Provas Escritas: 1ª Prova Específica (abril e setembro) específica de cada disciplina. 2ª Prova Integrada (maio e outubro) prova com questões de todas as disciplinas do semestre. 3ª Prova Específica (junho e novembro) II - Provas Orais ou Práticas: É permitida quando condizente com os objetivos da disciplina; III - Trabalhos e Atividades: Cabe ao professor esclarecer a priori a pertinência dos trabalhos e os critérios para a realização; Trabalhos digitalizados deverão obedecer as normas de metodologia; A critério do professor poderão ser solicitados como modalidade de avaliação trabalhos escritos, individual ou em grupo, atividades, exposições, seminários, relatórios de atividades extraclasse, elaboração e desenvolvimento de projetos e afins. IV - Assiduidade Será levado em consideração a freqüência do aluno, a pontualidade, a participação em sala, o cumprimento de prazos e o esforço no processo de aprendizagem ATRIBUIÇÃO DE NOTAS I Prova Escrita, Oral ou Prática: a. Prova Especifica: Será atribuída nota de 0,0 a 6,0 pontos na avaliação da aprendizagem através da prova escrita, considerando uma casa decimal sem arredondamento. O arredondamento será feito pelo Sistema; b. Prova Integrada: Será atribuída nota de 0,0 a 2,0 pontos na avaliação da aprendizagem através da prova escrita, considerando uma casa decimal sem arredondamento. O arredondamento será feito pelo Sistema. II - Trabalhos e atividades: a. No primeiro bimestre serão distribuídos 3,0 pontos; b. No segundo bimestre será distribuído 1,0 ponto; III Assiduidade: a. Será distribuído em cada bimestre 1,0 ponto. 12. PROVA SUBSTITUTIVA SEGUNDA CHAMADA I O direito à prova substitutiva será salvaguardado ao acadêmico, independente da motivação, apenas uma vez ao longo do semestre em cada disciplina. II O requerimento deve ser protocolado dentro do prazo estabelecido, com o devido recolhimento da taxa. III Casos especiais em que o acadêmico poderá solicitar segunda chamada mesmo já tendo usado desse direito anteriormente: a) Enfermidade Atestado Médico b) Acidente/assalto Boletim de Ocorrência c) Luto Atestado de óbito (obtido após o prazo determinado pela legislação) 24

22 IV Mesmo nos casos especiais acima mencionados, permanece o dever do interessado protocolar o requerimento por si ou por um membro da família dentro do prazo e a obrigatoriedade do pagamento da respectiva taxa; V Fora do prazo não poderá ser protocolado o requerimento para segunda chamada. VI Atestado médico não dispensa o acadêmico do pagamento da taxa; VII É de inteira responsabilidade do acadêmico verificar o calendário e estar presente no dia determinado para a aplicação da prova; VIII Para Prova Integrada não haverá segunda chamada (substitutiva) em nenhuma hipótese. 13. REVISÃO DE NOTA I O estudante que discordar da nota atribuída pelo professor, deverá em primeiro lugar tratar diretamente com o professor. II Persistindo o impasse o interessado deverá requerer na Secretaria Acadêmica a revisão de nota. III No ato do requerimento o aluno deverá pagar a taxa correspondente, apresentar uma cópia da prova e fundamentar adequadamente o seu pedido. IV A coordenação procederá com a análise ouvindo o professor da disciplina e mais dois docentes. V A decisão da coordenação é irrecorrível. VI Prazo para a solicitação de revisão: 03 dias da divulgação do resultado. 14. ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são importantes para aquisição de conhecimentos e desenvolvimento de competências e, quando obrigatórias, serão somadas à carga horária do curso. I As atividades poderão ser feitas dentro ou fora da FIC; II Para análise de cumprimento das atividades, o estudante deverá comprovar por meio de documentos oficiais a realização das mesmas. III O não cumprimento das atividades complementares, quando obrigatórias, é impedimento para a colação de grau. 15. ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagio supervisionado tem por objetivo auxiliar o acadêmico no aperfeiçoamento de seu desempenho profissional e inserção no mercado de trabalho. Ele pode ser obrigatório e não obrigatório. Quando obrigatório é acompanhado por um docente e os relatórios de atividade de estágio são preenchidos regularmente. 16. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Requisito indispensável para o encerramento dos cursos superiores ministrados na FIC é a elaboração de um trabalho de conclusão. Esse trabalho poderá ser em forma de monografia, artigo científico ou plano de negócio, sob a orientação de um docente da FIC. O objetivo do TCC é estimular a pesquisa, a produção do conhecimento e verificar a consolidação dos ensinamentos ministrados ao longo do curso. Há o Regulamento Próprio disponível na Biblioteca, na Secretaria Acadêmica e com o Docente de Metodologia, contendo todas as orientações e normas. 25

23 17. ENADE I O exame nacional de desempenho do estudante é realizado anualmente, mas cada curso é selecionado a cada três anos; II Ele é obrigatório para ingressantes e concluintes; III É de responsabilidade da Faculdade a inscrição dos alunos habilitados; IV O aluno inscrito que não realizar a prova estará em situação irregular e não poderá colar grau; V A situação regular no ENADE é essencial para a diplomação. 18. COLAÇÃO DE GRAU A colação de grau é o ato público, solene e oficial de outorga de grau. Ela não se confunde com a formatura. A formatura é o ato social, simbólico, festivo destinado a celebrar a conclusão do curso, sendo de inteira responsabilidade dos formandos. I A Colação de Grau, por seu caráter público, é aberta e obrigatória para a emissão do Diploma dos concluintes; II Cabe a Faculdade agendar e divulgar a data, o local e o horário da cerimônia; III Não há taxas para a colação de grau a não ser em casos especiais de colação extemporânea; IV A locação de becas não é de responsabilidade da Instituição; V Não há impedimento para que concluintes de vários cursos participem do mesmo ato de outorga de grau ou da formatura; VI Caso o aluno não possa colar grau na data definida poderá requerer a colação extemporânea mediante justificativa e o pagamento da taxa de R$ 85,00. VII Requisitos para participar da colação de grau: a) Solicitação formal mediante Requerimento Próprio b) Conclusão do curso com aprovação em todas as disciplinas c) Conclusão do Estágio (quando exigido pelo curso) d) Conclusão das Atividades Complementares (quando exigidas pelo curso) e) Conclusão e entrega do TCC f) Situação regular no Enade g) Adimplência financeira h) Documentação Completa DIPLOMAS Os Diplomas serão expedidos aos alunos que tiverem colado grau. O interessado deverá formalizar o pedido de Diploma por meio de Requerimento. Não há taxa para a emissão da primeira via do Diploma em papel simples. O tempo médio para o Registro do Diploma é de 6 meses. 26

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INGRESSO O ingresso na UNILAGOS é feito mediante processo seletivo (Vestibular) ou por outro processo previsto em lei. Também é possível ingressar por meio de transferência, dispositivo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Institui o Regulamento dos cursos de Pós-graduação lato sensu em da Escola de Direito de Brasília EDB, mantida pelo Instituto Brasiliense de Direito

Leia mais

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente.

O regime adotado pela Faculdade Metodista Granbery é o seriado semestral. A matrícula é feita por períodos e renovada semestralmente. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS 1. CURRÍCULO Para cada curso de graduação é organizado um currículo. O currículo abrange uma sequência de disciplinas/módulos hierarquizados(as) por períodos letivos, cuja

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba

Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro. Fundação Educacional de Além Paraíba Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro Fundação Educacional de Além Paraíba Regulamento de Monitoria Art. 1º A Faculdade de Ciências da Saúde Archimedes Theodoro admitirá, sem vínculo empregatício,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos 1 ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS Manual do Candidato da Graduação Processos Seletivos Rua Senador Dantas, 74 Térreo; 2º e 3º andares Centro Rio de Janeiro RJ Tel. 33801044 33801046 33801535 2 A Escola

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1.1 - A matrícula deve ser renovada semestralmente. O período para a renovação de matrícula para o 1º semestre será até o dia 31 de janeiro de 2014,

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM DO TRABALHO Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Título I. Da Monitoria

Título I. Da Monitoria MONITORIA O programa de monitoria tem como objetivo dar oportunidade de aprimoramento na formação do aluno e ainda despertar a valorização do ensino aprendizado de sua prática bem como estimular a seguir

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PARCERIA TECNOLÓGICA COM O COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA (CERS) Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

Portal do Aluno Parfor UFPA

Portal do Aluno Parfor UFPA Do Ingresso do Professor de Educação Básica no PARFOR/UFPA O ingresso do professor da Educação básica como aluno do PARFOR na UFPA dar-se-á através de algumas etapas. A primeira delas é a inscrição dos

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento)

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) 1 Contato com alunos O contato com o aluno de Pós-Graduação da UCS acontece, de forma preferencial,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR

REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR (Aplicado aos cursos de Graduação) Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu à distância da FAZU - Faculdades Associadas de

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N. 0146/2007 Regulamenta procedimentos acadêmicos e administrativos para os Cursos de Graduação da Universidade Estadual de Londrina. RESOLUÇÃO CEPE Nº XXX/2011 Regulamenta procedimentos

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Juiz de Fora-MG Regulamento do Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

MBA EM GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI FLORIANÓPOLIS DIREÇÃO GERAL DA FACULDADE: JOÃO ROBERTO LORENZETT COORDENAÇÃO DA FACULDADE: PRISCILA FAGUNDES COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RAFAEL PARACHEN

Leia mais

REGULAMENTO UNIFICADO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIÃO SOCIAL CAMILIANA CAPÍTULO I

REGULAMENTO UNIFICADO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIÃO SOCIAL CAMILIANA CAPÍTULO I REGULAMENTO UNIFICADO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIÃO SOCIAL CAMILIANA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA PROGRAMA DE MONITORIA 17/12/2006 PROJETO DE MONITORIA FACIS A FACIS, com atuação na área da Saúde, vem desde sua criação procurando iniciativas de promoção do desenvolvimento e aprimoramento dos alunos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da FEFISO destina-se

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE 2015 2015 MISSÃO: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo

Leia mais

Matrículas 1º semestre letivo de 2014

Matrículas 1º semestre letivo de 2014 EDITAL 17/2013 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Matrículas 1º semestre letivo de 2014 O UDF - Centro Universitário torna público o Edital de Matrícula dos Cursos de Graduação para o 1º semestre letivo de 2014, a

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades complementares que compõem o currículo pleno dos

Leia mais