Educação Profissional e Pós-Graduação: um desafio estratégico para transformação do espaço educacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação Profissional e Pós-Graduação: um desafio estratégico para transformação do espaço educacional"

Transcrição

1 Educação Profissional e Pós-Graduação: um desafio estratégico para transformação do espaço educacional Autoria: Tania Maria Diederichs Fischer, Claudiani Waiandt, Renata Lara Fonseca Resumo Os estudos preliminares do Plano Nacional de Pós-Graduação (BRASIL, 2010) ressaltam que a formação de pessoas para diversas áreas de atuação é o ponto de convergência entre os desafios que se colocam para o Brasil na perspectiva de se tornar um país com maiores índices de desenvolvimento. Nesse processo de formar pessoas, ressalta-se a importância da pós-graduação profissional que ainda que necessite de uma ressignificação como o estágio mais avançado de educação profissional, consolida uma trajetória formativa para os diferentes mundos do trabalho. Para contribuir para este debate, esse trabalho tem como objetivo sugerir uma reconfiguração do ensino e ações que ressignifiquem a pósgraduação em Administração como um itinerário estratégico para responder aos desafios do desenvolvimento nacional. Para isso, realizou-se uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e descritivo, com características da pesquisa histórica, que foi empreendida por meio de levantamento bibliográfico na área de Educação, mais especificamente, no campo da história da educação profissional, e na área de Administração Cunha (1974), Mattos (1997), Spink (1997), Wood Jr. e Paula (2002), Andrade, D Avilla e Oliveira (2004), Vergara e Afonso (2006), Giuliani e outros (2007) e Fischer (2010), sobre a pós-graduação brasileira; e, de pesquisa documental sobre a legislação brasileira de ensino profissional, realizada no Ministério da Educação e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. A análise sugere que os cursos tecnológicos e a pós-graduação profissional sejam ressignificados como componentes das políticas e estratégias de educação profissional e articulados em um eixo de formação simétrico ao eixo acadêmico. Assim, a graduação tecnológica seria simétrica aos bacharelados e licenciaturas; os cursos de especialização são uma modalidade de ensino comum aos dois eixos, podendo ser um espaço de experimentos pedagógicos; os mestrados profissionais e mestrados acadêmicos mantêm suas características de formadoras de profissionais para a academia e os mundos do trabalho, com terminalidades e intersecções possíveis entre o fazer acadêmico e o fazer em outras profissões; e, indica-se a criação do doutorado profissional, estimulando-se desenhos inovadores que incorporem a prática como elemento estruturante das teorias. A proposta de construir uma estrutura atual na pós-graduação brasileira com dois eixos em fluxos interconectados com a graduação e o ambiente profissional pode possibilitar: a) a formação orientada por competências com entradas e saídas no sistema, flexíveis e articuladas; b) a migração intra e interinstitucionais, podendo o estudante se mover entre as instituições, regiões e países, abrindo espaço para a cooperação nacional e internacional; c) o apoio ao desenvolvimento, contribuindo para a formação de profissionais efetivamente qualificados. Como meta integradora propõe-se estimular a realização de projetos compartilhados de construção e testagem de modelos inovadores de educação profissional possibilitando articulações com o setor produtivo, as diferentes esferas governamentais e as interorganizações de representação da sociedade civil. 1. Introdução Os desafios que se colocam para o Brasil na perspectiva de se tornar um país com maiores índices de desenvolvimento tem como ponto de convergência a necessidade de formar pessoas para diversas áreas de atuação como energia, gestão metropolitana, meio ambiente, defesa, transportes e multimobilidade, produção de alimentos, uso de recursos hídricos e desenvolvimento de serviços como segurança e educação, como referem os estudos preliminares do Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) (BRASIL, 2010). Nesse processo de formar pessoas, ressalta-se a importância da pós-graduação profissional em Administração que ainda que necessite de uma ressignificação como o estágio 1

2 mais avançado de educação profissional, consolida uma trajetória formativa para os diferentes mundos do trabalho que se inicia na educação básica quando competências essenciais são desenvolvidas pelos estudantes. Além de ser um espaço privilegiado da produção científica e tecnológica, a pós-graduação forma profissionais para a gestão dos processos de desenvolvimento, portanto, para a prática da gestão. Neste sentido, a educação profissional nasce da prática e para ela se orienta. Prática que não se polariza com a teoria, pois, como disse John Dewey: A única distinção que vale a pena traçar não é entre a prática e a teoria, mas entre as formas de prática que não são inteligentes nem prazerosas de uma forma intrínseca e imediata e aquelas que estão repletas de significados prazerosos (DEWEY, 1974). Zundel e Kokkalis (2010) complementam que a preocupação com a abstração contida na teoria ignora o engajamento visceral desta com a prática, sendo a teorização uma prática. A prática é o cerne da educação profissional e requer algumas condições, tais como a orientação pragmática, no sentido de tomar decisões e resolver problemas; ancoragem na materialidade; e, ancoragem na palavra, na comunicação, na mobilização discursiva e uma base histórico-cultural, como enumeram Ghirardi (2008). Portanto, um sistema de educação profissional deve levar em conta estas premissas, sendo não somente formativo, mas construtor do conhecimento, contendo espaços de atividade, experimentação e reflexividade que ressignifiquem continuamente as práticas profissionais. Os princípios de inovação, diversidade e regulação são imanentes à educação profissional. A educação profissional é um componente do sistema nacional de educação de grande diversidade de ofertas diferenciadas, mas complementares disponibilizadas pelo poder público em instituições de pequeno e grande porte, como os Institutos Federais de Ciência, Tecnologia e Inovação; pelo setor privado em todos os níveis; pelos sistemas de qualificação tão diversos quanto às iniciativas dos Serviços Nacionais de Aprendizagem, com destaque ao Sistema S i ; bem como às instituições com duplo papel (produção e formação profissional), como hospitais-escola, incubadoras e cursos por meio de componentes curriculares específicos como estágios e residência (MORAES, 2010). Devem-se incluir neste conjunto, as iniciativas de educação corporativa, em grande quantidade e variação. Para chegar a esta oferta diferenciada, abundante e dispersa, a educação profissional foi sendo construída pelas necessidades de educação para o trabalho até se constituir na política de estado que é hoje, reafirmada pelo Plano de Desenvolvimento de Educação (BRASIL, 2010). Destaca-se que o poder da educação profissional na indução do desenvolvimento é muito amplo e efetivo, considerando a Lei nº /08 que inscreve a educação profissional técnica de nível médio no capítulo da educação básica e tem como impactos: (1) O reconhecimento e a certificação de competências adquiridas na educação profissional e tecnológica e no trabalho para prosseguir ou concluir estudos; (2) A construção de cursos tecnológicos e profissionais por eixos, possibilitando diferentes itinerários formativos; (3) A abertura de cursos à comunidade, que poderá, modularmente, valer-se de soluções educacionais que integram cursos ou sequências de ensino (SANTOS, 2010). Há, portanto, um princípio de flexibilidade que permite conexões entre ofertas e níveis de ensino. Se existe um sistema de educação nacional, porque não se podem estender estes princípios à integração entre os níveis básicos de ensino, médio e superior, compreendendo a pós-graduação? Como a pós-graduação em Administração pode contribuir mais diretamente à formação de profissionais, sendo a própria, um espaço de reflexão e um locus de práticas inovadoras? Neste ambiente é importante destacar relativamente o reduzido número de mestrados profissionais desde sua implantação pela CAPES por meio da Portaria Normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009 (BRASIL, 2009). Em um total de programas de pós-graduação 2

3 registrados em 2011, pelo GeoCAPES (2011), encontram-se somente 243 mestrados profissionais, ou seja, cerca de 9% do total. A área de Ciências Sociais Aplicadas possui 344 programas de pós-graduação e 43 mestrados profissionais; e na área de Administração, 16 mestrados profissionais em 57 programas. Sendo a educação profissional uma política de estado, considerando os índices alarmantes de falta de profissionais em áreas estratégicas, pergunta-se como se posiciona a Administração nesse contexto? Para contribuir como debate esse artigo tem como objetivo geral propor uma reconfiguração do ensino de Administração e ações que ressignifiquem a pós-graduação como um itinerário estratégico para responder aos desafios do desenvolvimento nacional. Para isso buscou-se entender historicamente os desafios da educação profissional; questionar o papel marginal dos mestrados profissionais no Sistema Nacional de Pós-graduação em geral e, na Administração, em particular; resgatar a integração da pós-graduação na educação profissional; e, ressignificar o mestrado profissional. Com esse objetivo realizou-se uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e descritivo, com características da pesquisa histórica (SAVIANI, LOMBARDI, SANFELICE, 2006; RICHARDSON, 2008), pois se buscou a partir da compreensão da história recente contribuir para o debate de problemas atuais. O estudo dá prosseguimento aos estudos da linha de pesquisa proposta de História do Ensino de Administração e foi empreendido por meio de levantamento bibliográfico na área de Educação, mais especificamente, no campo da história da educação profissional, e na área de Administração, sobre a pós-graduação brasileira; e, por meio da pesquisa documental sobre a legislação brasileira de ensino profissional, realizada nas páginas institucionais da web do Ministério da Educação (MEC) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) com o objetivo de analisar as disposições da legislação sobre os cursos de graduação tecnológica e pósgraduação profissional. Realizou-se uma avaliação crítica dos dados considerando a compreensão do papel da pós-graduação profissional na formação de atores para esse novo ciclo desenvolvimentista por qual passa o Brasil. Por meio do levantamento bibliográfico, verificou-se que a educação profissional de pós-graduação tem sido objeto de estudo na área de Administração como, por exemplo, Cunha (1974), Mattos (1997), Spink (1997), Wood Jr. e Paula (2002), Andrade, D Avilla e Oliveira (2004), Vergara e Afonso (2006), Giuliani e outros (2007), Fischer (2010). Todavia, tornam-se fundamentais novos estudos analisando essa nova configuração das políticas da educação brasileira que incentivam a educação profissional em todos os níveis de ensino. Após essa introdução, a segunda seção trata das expectativas do ensino profissional no novo ciclo de desenvolvimento nacional, seguido da trajetória da educação profissional no país e a pós-graduação como modalidade de ensino profissional. A terceira parte destaca a pós-graduação como modalidade de educação profissional e a quarta apresenta proposições no sentido de se articular os níveis de ensino de primeiro, segundo e terceiro graus, com destaque ao papel da pós-graduação. Conclui-se com propostas que ressignifiquem a pós-graduação como um itinerário estratégico para responder ao desafio do desenvolvimento. 2. Expectativas do Ensino Profissional no novo ciclo de Desenvolvimento Nacional A universidade muda no mundo e no Brasil, revitalizando o ensino superior. A tecnologia quebra, radicalmente, paradigmas de ensino (FISCHER, 2010, p. 373). O sistema de ensino em construção precisa ser repensado, inclusive o de Administração, recuperando-se a concepção original da pós-graduação brasileira que já previa dois eixos acadêmico e profissional e indo além, para atender com maior criatividade e ousadia as necessidades de formação de profissionais para cenários que se desenham nos planos estratégicos do desenvolvimento nacional, que estabelecem como meta a qualificação da força de trabalho 3

4 (BRASIL, 2010). Revendo o passado, constata-se que o ensino profissional e o ensino acadêmico nasceram juntos, mas foram se distanciando como reflexo de um país desigual. Se a elite teve acesso a melhor educação bacharelesca, formando para as profissões imperiais (COELHO, 1999), o ensino profissional formava para os ofícios e as artes a serem exercidos pelas classes subalternas. Mesmo que o ensino profissional tenha se estigmatizado como ensino para pobres, os exemplos de boas políticas e práticas são notáveis na história da educação brasileira. De certa forma, paradoxalmente, as iniciativas e instituições de ensino profissional como liceus de artes e ofícios, as escolas técnicas e escolas normais de formação de professores foram e ainda são referencias de qualidade e ensino, não apenas tendo cumprido seu papel na formação de técnicos e professores desenvolvendo competências referindo-se a situação que exigem tomadas de decisões e resolução de problemas, bem como possibilitaram o acesso à formação cientifica em cursos de graduação e pós-graduação a muitos de seus egressos (SANTOS, 2010). Foi também determinante na mudança dessa mentalidade a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei Darcy Ribeiro que integra a educação profissional às diferentes formas de educação, conforme Parecer CNE/CP 29/2002 (BRASIL, MEC, 2002). Além disso, o Decreto nº 5.154/2004 estabeleceu os três níveis da educação profissional: o primeiro, a formação inicial e continuada de trabalhadores; o segundo, a educação técnica e profissional de nível médio e terceiro, a educação tecnológica de graduação e pós-graduação (BRASIL, 2004). Darcy Ribeiro, ao elaborar o texto base da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, propõe que o cidadão tenha oportunidades de desenvolver plenamente suas capacidades integradas aos diferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia (BRASIL, MEC, 2002, art.39). Em seu último trabalho sobre a formação e o sentido do Brasil, tendo por foco o povo brasileiro, diz Darcy Ribeiro: O grande desafio que o Brasil enfrenta é alcançar a necessária lucidez para concatenar essas energias e orientá-las politicamente, com clara consciência dos riscos de retrocesso e das possibilidades de liberação que eles ensejam (RIBEIRO, 1995, p. 25). Darcy Ribeiro poderia ter escrito hoje este texto, considerando os programas estratégicos da nova presidência da república de enfrentamento radical da pobreza, o que só pode ser obtido se garantir a educação profissional inovadora e sustentável, dentro de princípios de convergência e flexibilidade. Para além da regulação tão característica do ethos nacional, deve-se valorizar a criatividade para reimaginar a educação em momento de tantas possibilidades. A sustentabilidade econômica social, cultural e ambiental é um conceito transversal às políticas e ações em todas as escalas do desenvolvimento nacional. A tarefa de construir o Brasil depende de profissionais competentes e qualificados. Formá-los ao longo da vida, requalificando pessoas para novas atividades ou para os novos desafios de ocupações tradicionais e emergentes é uma possibilidade legal e política; que deve se tornar uma realidade sustentável. O desenvolvimento sustentável ocorre em um país que reconhece a diversidade cultural de suas regiões como um ativo estratégico, mas necessita aumentar o tempo de escolaridade, os serviços de infra-estrutura, melhorar a segurança cidadã e se qualificar para ser um dos líderes do século XXII (BRASIL, 2010). O desenvolvimento territorial é o epicentro de programas governamentais no novo ciclo desenvolvimentista do Brasil, caracterizado pelos programas de renda mínima e correção de assimetrias sociais, pelos projetos de infra-estrutura que reconfiguram territórios, pela emergência de novos pólos de desenvolvimento nas regiões norte, centro-oeste e nordeste (FISCHER, 2010, p. 358). O governo renova quadros, o setor de serviços ampliou- 4

5 se e o Brasil foi escolhido para a sede estruturante de eventos mundiais. Nesse contexto, os investimentos em formação de quadros para os setores produtivos na indústria, serviços em geral e governos em todos os níveis em particular são componentes dos programas de desenvolvimento de territórios de cidadania de mesoregiões e de aceleração do crescimento, entre outros. Cabe agora reconfigurar a educação profissional oferecida no Brasil a partir de uma compreensão de perspectiva histórica para compreender a pós-graduação stricto sensu de caráter profissional que se limita pela oferta de mestrados profissionais em quantidade reduzida considerando os desafios de formação de quadros. A compreensão da educação profissional como a real educação continuada que pode se iniciar na educação básica e continuar na educação superior, articulando lato e stricto sensu, requalificando a especialização e o mestrado profissional e dando espaço para projetos pertinentes e inovadores de doutorados para profissionais é o grande desafio. 3. História da Educação Profissional no Brasil: educação básica ao ensino superior Para compreender o grande desafio colocado é fundamental compreender o passado recente da educação profissional, cuja origem se dá em 1809, após a vinda da família real portuguesa, com a criação do Colégio das Fábricas no Rio de Janeiro, que objetivava capacitar órfãos portugueses em diferentes ofícios (BRASIL, MEC, 2009). No início da República, em um contexto marcado por um surto de industrialização, a partir do Decreto nº 7.566/1909, foram criadas por Nilo Peçanha as Escolas de Aprendizes e Artífices, em dezoito capitais de estados e uma na cidade de Campos. Essa trajetória foi marcada por aspectos de cunho social e beneficente, associada à população de baixa renda, sem identidade, destituída de intenções pedagógicas de desenvolvimento intelectual pleno: O governo e os industriais viam as escolas como instituições piedosas e não integradas à estrutura de produção, além dos aspectos limitados impostos à qualificação qualitativa mais ampla da mão-de-obra industrial (FONTES, 1985, p. 24). O aprendizado do trabalho foi um desafio para colonizadores e colonizados, e o estigma do trabalho manual é ainda associado ao trabalho escravo. [...] numa sociedade onde o trabalho manual era destinado aos escravos (índios e africanos), essa característica contaminava todas as atividades que lhes eram destinadas, as que exigiam esforço físico ou a utilização das mãos [...]. Aí está a base do preconceito contra o trabalho manual, inclusive e, principalmente, daqueles que estavam socialmente mais próximos dos escravos: mestiços e brancos pobres (CUNHA, 2000, p. 90). Evidentemente esta situação varia dentro de um país continental com a diversidade cultural do Brasil. Tem-se, por exemplo, a diferença da origem migratória, que faz com o que o trabalho manual seja mais valorizado historicamente em alguns estados da federação do que em outros. Sob a ótica da ética da religião, o trabalho dignifica o homem, ou seja, O dever de trabalhar para viver exprime o universal humano, inclusive no sentido de ser uma manifestação da liberdade. É exatamente por meio do trabalho que o homem se torna livre (ABBAGNANO, 2000, p. 966). Desta forma, o instrumental tecnológico e o desenvolvimento mais equitativo das regiões brasileiras estão ressignificando também o trabalho e formação profissional, o que ocorre, para exemplificar tanto na agroindústria quanto na agricultura familiar no campo da economia social. As Escolas de Aprendizes e Artífices são transformadas em Escolas Industriais e Técnicas, pelo Decreto nº 4.127/42, passando a oferecer a formação profissional em nível equivalente ao do secundário. A partir desse ano, inicia-se, formalmente, o processo de vinculação do ensino industrial à estrutura do ensino do país como um todo, uma vez que os 5

6 alunos formados nos cursos técnicos ficavam autorizados a ingressar no ensino superior em área equivalente à da sua formação (BRASIL, MEC, 2009, p. 4). A completa equivalência se deu com a publicação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (Lei nº 4.024/61). Pelo Decreto nº /59, as Escolas Industriais e Técnicas são transformadas em autarquias com o nome de Escolas Técnicas Federais, ganhando maior autonomia didática e de gestão. Com isso, intensifica-se a formação de técnicos, mão de obra indispensável diante da aceleração do processo de industrialização. Em pleno período de arbítrio, iniciado em 1964, fez-se necessário estabelecer mudanças radicais no campo educacional e, para viabilizá-las, foi assinada a Lei nº 5.692/71 que determinava a profissionalização compulsória, isto é, extinguia-se a separação entre a escola secundária e a escola técnica, instaurando um único currículo do segundo grau: técnico profissional. Todavia, essa Lei foi extinta em 1982, pois era equivocada em muitos aspectos. O que se percebe na educação brasileira a partir da década de 1980 é que o acesso à educação formal da classe média e baixa se dá em escola pública; enquanto que a educação dos ricos é mantida pela rede privada e assim perpetuando o ciclo. Incoerentemente, o ensino superior dos ricos em sua maioria se dá nas universidades públicas (que são mantidas por impostos da classe média) e dos pobres na rede privada, destacando que praticamente trocam o trabalho pelo estudo, com sérias dificuldades para arcar com as despesas e nem sempre tem um ensino de qualidade. Porque a educação não poderia ser acessada por todos, sem ser um privilégio de poucos? Oliveira (2003) tenta responder a esta questão com o seguinte argumento: muitos problemas e dificuldades da educação brasileira são oriundos da estrutura socioeconômica brasileira, na qual o capital tem interesses subordinados objetivando retirar do âmbito estatal a responsabilidade pelo financiamento da educação. Exemplo disso vê-se na década de 1990, quando ocorreu um retrocesso no desenvolvimento da educação profissional. A Lei nº 9.394/96 restringiu a educação profissional considerando-a como uma modalidade de educação, cujo custeio não se encontra sob a responsabilidade de qualquer instância governamental. Em síntese, a educação profissional tornou-se órfã do dever de estado em matéria de financiamento e sua responsabilidade ficou diluída (CURY, 2002, p. 25 apud AMARAL; OLIVEIRA, 2007, p. 172). Além disso, o Decreto nº 2.208/97 determinou a ruptura com o princípio da equivalência entre a educação geral e a profissional, pois apenas o ensino médio daria acesso ao ensino superior, resgatando, assim, a mencionada dualidade da estrutura. Essas leis culminaram na desvalorização do ensino profissional médio, por inviabilizar a prática da educação tecnológica, consubstanciada na integração entre educação geral e profissional, historicamente valorizada e reconhecida pelos setores: societário e produtivo (AMARAL; OLIVEIRA, 2007). Somente o Decreto nº 5.154/2004 permitiu a tentativa de mudança desse cenário com a integração do ensino técnico de nível médio ao ensino médio. Assim, permitiu-se uma educação politécnica (educação tecnológica) que correspondia a uma educação unitária e universal com o objetivo de superar a dualidade entre cultura geral e cultura técnica e voltada para o domínio dos conhecimentos científicos das diferentes técnicas que caracterizam o processo de trabalho produtivo moderno (SAVIANI, 2008, p.140). Sem, no entanto, privilegiar uma formação profissional stricto sensu, ou seja, formação profissional em cursos técnicos específicos. O ensino profissional de nível superior que se inicia pela graduação tecnológica também passou pelo mesmo desafio. O primeiro curso da graduação tecnológica no Brasil foi ofertado a partir da Portaria 60/63, do Conselho Federal de Educação (CEF), que instituiu o Curso de Engenharia de Operações, objetivando capacitar em tempo mais curto e em nível superior profissionais para atender às demandas do setor produtivo. Na década de 70, criam-se vários cursos devido ao incentivo da Lei nº 5.540/68 e Projeto 19, vinculado ao Plano Setorial 6

7 de Educação ( ). Apesar desse incentivo, os cursos passam por um esvaziamento, muitos alunos migram para a engenharia plena, pois enfrentam a dificuldade de complementação dos estudos, de inserção no mercado e de registro nos conselhos regionais. A oferta de cursos tecnólogos somente se multiplicou após publicação do Decreto nº 2.306/97, que reestruturou o ensino superior estabelecendo a criação dos Centros Universitários que passaram a ter autonomia para instaurar cursos superiores. O Parecer CNE/CES nº 436/2001 reconheceu os cursos tecnológicos como sendo de graduação, mas possuindo características diferenciadas das referentes às graduações plenas. As diretrizes curriculares para esses cursos foram determinadas pelo Parecer CNE/CP nº 29/2002, que estabeleceu as formas de credenciamento, as normas de implementação e a carga horária e o Parecer CNE/CP 29/2002 estabeleceu os critérios para normalizar a oferta de cursos de formação de tecnólogos. O entendimento de que o nível tecnológico da educação profissional integre à educação de nível superior já foi dado desde o Artigo 4º do Decreto Federal nº 2.406/97, todavia tem sido reafirmado pelo Conselho Nacional de Educação por meio dos pareceres: dois da Câmara de Educação Básica, os Pareceres CNE/CEB nº 17/97 e CNE/CEB nº 16/99; dois da Câmara de Educação Superior, os Pareceres CNE/CES nº 1051/00 e CNE/CES nº 436/01. Esse entendimento é fundamental para a superação da incongruência potencialmente preconceituosa em relação aos cursos de graduação em tecnologia. As disposições posteriores avançam no sentido de garantir a qualificação de profissionais nos vários níveis e modalidades de ensino, para os diferentes setores da economia, bem como a realização de pesquisas e desenvolvimento tecnológico de novos processos, produtos e serviços em estreita articulação com setores produtivos e a sociedade, oferecendo mecanismos para a educação continuada (BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPUBLICA, 2004). Refletindo sobre essa breve história do ensino profissional, fica a pergunta: e a pós-graduação neste contexto? 4. A Pós-graduação como Modalidade de Ensino Profissional Se o ensino médio e a graduação estão formatados para acolher as demandas de educação profissional, a pós-graduação não evoluiu da forma como foi inicialmente projetada, isto é, com dois eixos simétricos e complementares: o acadêmico e o profissional. Se foi pensada como uma estrutura com dois eixos (Parecer CNE 977/65), a pós-graduação brasileira decolou em uma direção predominante: a formação acadêmica em cursos stricto sensu. Como uma atividade complementar, os cursos de especialização ocuparam espaço na formação de profissionais para as empresas e governo. Na década de 60, desenvolveu-se o lato sensu e, nos anos 70 e 80, consolidou-se a pós-graduação stricto sensu fortemente orientada à formação de pesquisadores, configurando o eixo acadêmico que se estruturou como se vivencia hoje (FISCHER, 2005). A justificativa para essa ênfase acadêmica com a exclusão da vertente profissional era, conforme Lopes Neto e outros (2005, p. 140), de que a mesma seria suficiente para assegurar também a formação de pessoal de alta qualificação para atuar nas áreas profissionais, nos institutos tecnológicos e nos laboratórios industriais. Os anos 80 e 90 foram de diferenciação progressiva, os mestrados e doutorados tiveram expansão controlada pelo sistema de avaliação da CAPES e pela própria comunidade de programas, mas duas ocorrências merecem destaque. A primeira trata-se da versão glamourizada da especialização com a rotulação de MBA aos cursos de Administração. A sigla foi utilizada por outras áreas, como Engenharia perdendo o sentido original (Master Business Administration) e ganhando significados associados à competência profissional que o mercado requer em setores específicos. A segunda refere-se à indução do mestrado profissional pela 7

8 CAPES. Se o primeiro caso é um fenômeno de mercado, o segundo é a expressão de uma política clara da agência de estímulo a uma linha alternativa aos recursos acadêmicos. (FISCHER, 2005, p. 25). Assim, a CAPES defrontou-se na década de 2000 com várias propostas alternativas de mestrado, encontrando dificuldades em lidar com elas, pois toda a estrutura de reconhecimento, acompanhamento e avaliação dos programas de pósgraduação está centrada na concepção de mestrado como etapa preliminar da carreira científica (LOPES NETO e outros, 2005). Na área de Administração, Vergara e Afonso (2005) empreenderam esforços na diferenciação entre os MBA e Mestrados Profissionais em Administração (MPA). Para as autoras: Ambos os tipos de curso (MBA e MPA) se voltam para atender às demandas do mercado, têm base generalista e funcionalista, [...], porém, a forma e a profundidade pela qual isso acontece são diferentes. A forte base teórica dos MPAs, que os insere no contexto de uma área completa de conhecimento conforme preconiza o Parecer nº 977/65 (Brasil, 1965), assim como seu enfoque crítico, explicitado na pesquisa de campo, parecem apontar para a necessidade que têm a alta e a média gerência, público desses cursos, de encontrar fundamentos para a sua prática, sistematizá-la e reorientá-la, se for o caso. Os MPAs desempenham, então, um papel intermediário entre o mestrado acadêmico e os MBAs, como apontado por Ruas (2003) (VERGARA; AFONSO, 2005, p. 1300). O mestrado profissional, reconhecido pela Portaria nº 80/98, tinha como objetivo a formação de profissionais pós-graduados aptos a elaborar novas técnicas e processos, com desempenho diferenciado de egressos dos cursos de mestrado que visem preferencialmente um aprofundamento de conhecimentos ou técnicas de pesquisa científica, tecnológica ou artística (BRASIL, 1998). Onde anos depois, a Portaria Normativa nº 7, de 22 de junho de 2009, amplia os seus objetivos: I - capacitar profissionais qualificados para o exercício da prática profissional avançada e transformadora de procedimentos, visando atender demandas sociais, organizacionais ou profissionais e do mercado de trabalho; II - transferir conhecimento para a sociedade, atendendo demandas específicas e de arranjos produtivos com vistas ao desenvolvimento nacional, regional ou local; III - promover a articulação integrada da formação profissional com entidades demandantes de naturezas diversas, visando melhorar a eficácia e a eficiência das organizações públicas e privadas por meio da solução de problemas e geração e aplicação de processos de inovação apropriados; IV - contribuir para agregar competitividade e aumentar a produtividade em empresas, organizações públicas e privadas (BRASIL, 2009). Essa ampliação é fruto da política empreendida pelo governo federal a partir dos anos 2000 na tentativa de configurar a educação profissional como um eixo conformativo, institucionalizando-se tanto nos Institutos Federais de Ciência e Tecnologia com todos os níveis de ensino (da educação básica à pós-graduação) quanto nas Instituições Educacionais públicas e privadas com os mestrados profissionais e cursos de pós-graduação lato sensu (que já eram oferecidos em grande escala desde a década de 1960). Nesse sentido, merece destaque o V PNPG 2005/2010 que estimulou o fortalecimento de quadros para mercados não acadêmicos (BRASIL, 2005, p. 58), especificando as empresas, os órgãos de governo e organizações não governamentais e movimentos sociais, como as instituições alvo dos egressos da pós-graduação. Portanto, amplia-se, claramente, o alvo do sistema nacional de pós-graduação, reconhecendo-se os mercados não acadêmicos. Além da reiteração do eixo profissionalizante, o PNPG estabelece o acesso a cursos a partir de um perfil de competências. Além do PNPG, o Programa Brasil Profissionalizante, Decreto nº 6.302/07, ratifica a política de apoio à profissionalização, o que se concretiza com a transformação dos Centros 8

9 Federais de Educação Tecnológica (CEFETs) em Institutos Federais de Educação (IFETs), possibilitando a abertura de cursos superiores de graduação e pós-graduação (FISCHER, 2010a). Os 168 institutos brasileiros encontram-se no Distrito Federal e em 26 estados. Essas ações expandem as matrículas no ensino médio, bem como nos cursos tecnológicos de educação superior, que conferem títulos que habilitam tanto ao trabalho quanto ao prosseguimento de estudos na pós-graduação. Desta forma, o Brasil adota políticas já consolidadas em outros países, promovendo convergência entre a educação acadêmica, a educação profissional e a aprendizagem pela prática no mundo do trabalho, como ocorre nos Estados Unidos, Franca, Alemanha e Japão, entre outras experiências, conforme Parecer CNE/CES 436/2001 (BRASIL, MEC, 2001). Apesar das mudanças na regulamentação dos cursos de pós-graduação, a tradição acadêmica da pós-graduação brasileira, exemplar e qualificada, tem um elo perdido, ou seja, prevaleceu e se tornou hegemônica a formação de mestres e doutores para a academia, desconsiderando a formação para o trabalho. Não se valorizando a pós-graduação como espaço formativo de profissionais para a educação profissional. Nesse cenário, vale registrar a evolução do número de cursos de pós-graduação no Campo das Ciências Sociais Aplicadas (Gráfico 1): OBS.: M = Mestrado; M/D = Mestrado e Doutorado e F = Mestrado Profissional Gráfico 1 Quantidade de Cursos de Pós-Graduação agrupados por Programas ( ) Fonte: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES)/Ministério da Educação (MEC)/Geocapes. De acordo com o Gráfico 1, percebe-se que o crescimento dos cursos de mestrados profissionais é muito pequeno nos últimos três anos 2007 (40), 2008 (41) e 2009 (43); não seguindo o crescimento dos anos 2003 a 2004, quando os cursos de mestrados profissionais quase dobraram de 17 para 30 cursos. Os dados revelam que a política governamental de ampliação de ofertas de mestrados profissionais não tem atingido seu objetivo final: a expansão da oferta. Na área de Administração (Gráfico 2), os cursos passam por um momento de inflexão: 9

10 OBS.: M = Mestrado; M/D = Mestrado e Doutorado e F = Mestrado Profissional Gráfico 02 Cursos de Pós-graduação em Administração agrupados por Programas ( ) Fonte: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (CAPES)/Ministério da Educação (MEC)/Geocapes. De acordo com o Gráfico 2, percebe-se que o cenário na área de Administração é mais instável, pois há uma diminuição da oferta. Até 2007, houve um crescimento significativo dos mestrados profissionais, todavia, em 2008, há uma redução de 20 cursos para 16, permanecendo estável em Além disso, os cursos de mestrados acadêmicos também diminuíram em 2007, de 34 cursos em 2006, para 25 cursos em Por que a expansão pretendida pelo governo federal não se consolidou? Os mestrados profissionais ainda oscilam entre a aceitação e a rejeição da comunidade acadêmica, pois se defrontam com o modelo acadêmico metrificado que se ancora nos sistemas de qualificação de áreas consolidadas. O movimento de reconstrução da pós-graduação retoma o mestrado profissional como estratégia de formação para os setores não acadêmicos. E este movimento encontra um sistema instituído com estruturas de formação acadêmicas voltadas à formação de professores para o ensino superior com finalidades claramente voltadas à pesquisa e docência (FISCHER, 2010, p. 356). Outro ponto que inferiu na retração de ofertas dos mestrados é a regulação de oferta mediante chamadas públicas delegada a CAPES pela Portaria Normativa nº 7/2009, assinada pelo Ministério da Educação (BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLIA, 2009, art.10); bem como a avaliação dos cursos oferecidos. Pela primeira vez, desde a instituição do mestrado profissional pela Portaria nº 47/95 e a subseqüente regulamentação feita pela Portaria nº 080/98, o Ministério de Educação chama diretamente a si, ao poder executivo, a decisão sobre a oferta e a regulação de mestrados profissionais. O que esta realocação de poderes pode significar? Algumas hipóteses podem ser levantadas sobre o novo cenário institucional. Vive-se, na verdade, um momento de transformações significativas no ensino brasileiro em todos os níveis e de mudanças que sinalizam uma transformação estrutural que não diz seu nome, mas que acontece no aumento de vagas nas universidades públicas, na contratação de um número significativo de professores e funcionários, na expansão do ensino à distância e nas políticas de formação de professores para todos os níveis de ensino, conforme está expresso no V PNPG e, o que interessa diretamente ao tema deste texto, a ênfase à formação profissional, o que está sendo reiterado pelo VI PNPG em sua versão preliminar. A instituição do mestrado profissional recuperando a proposta já contida no Parecer Sucupira encontra um sistema fortemente orientado para a formação de professores e pesquisadores (FISCHER, 2010a, p. 356). Oscilando entre valores, padrões e critérios estritamente acadêmicos e as exigências de formação no mundo do trabalho, o mestrado profissional é a forma mais visível de disputas ideológicas entre áreas do conhecimento e 10

11 entre lideranças acadêmicas que defendem tradições versus inovações como se fossem excludentes, reforçando a inércia estrutural e a hipervalorização do eixo acadêmico. As tradições burocráticas brasileiras e ancestralidade cartorial em um sistema centralmente regulado como é o de educação brasileira em geral e o da pós-graduação em particular, leva a perguntar primeiro quais são as regras antes de criar um desenho de curso, pois o sistema de avaliação que se construiu, com mérito e pelo mérito, ostenta duas faces: estimula a qualidade e reprime a criatividade e a inovação, atributos fundamentais de processos artesanais, dos quais o mestrado profissional é um exemplo pleno de significado (FISCHER, 2010a). O mestrado profissional teve uma trajetória difícil, com rejeições explícitas de algumas áreas e dificuldades em ser reconhecido e valorizado. Talvez, porque seja um corpo relativamente estranho no desenho do eixo acadêmico. O que se propõe, a partir da experiência do mestrado profissional e que este tenha a função de elo perdido que contribui para a ressignificação da educação profissional (FISCHER, 2010b). Uma das restrições que está em processo de correção com propostas em andamento de sistemas de avaliação e qualificação (Qualis Tecnológicos) que corrigirá a falta de métricas adequadas para avaliar cursos de pós-graduação com natureza diferenciada como é o caso dos mestrados orientados à formação profissional. Chegar-se a um consenso sobre quais são os valores associados a produção tecnológica de relevância social do trabalho e representar estes valores por indicadores robustos é um primeiro passo para tentar diferenciar cursos orientados à formação de pesquisadores e professores dos orientados à formação de profissionais, mesmo que esteja implícito que profissionais podem (e talvez devam) ensinar e pesquisadores podem (e devem) ser bons profissionais. O mestrado profissional não é somente uma opção curricular de pósgraduação brasileira, mas [...] um recurso estratégico de mobilização para se discutir a pós-graduação do século XXI, que será um sistema de fluxos articulados entre si e com outros níveis de ensino, que vai incorporar a tecnologia quebrando as barreiras entre o chamado ensino presencial e o ensino à distância (FISCHER, 2010, p. 375). E, finalmente, entender que o professor pode ser formado em mestrados profissionais como já ocorre com as experiências exitosas no ensino de ciências. Outras áreas estão demandando professores com igual competência para atuar em áreas estratégicas do desenvolvimento nacional. A seguir apresenta-se o desenho da proposta integradora da educação profissional. 5. Reimaginar a Pós-Graduação: Construindo um Sistema de Formação Profissional para o Presente e o Futuro Considerando a necessidade de apoiar a qualificação ou requalificação de quadros para responder às demandas do desenvolvimento brasileiro no próximo decênio, sugere-se uma reconfiguração em que a educação profissional seja valorizada como um eixo de formação com forte singularidade e identidade, como a formação acadêmica se constituiu. Neste sentido, o foco da educação tecnológica e da formação profissional precisa ser ampliado como uma estratégia integradora de múltiplas ações formativas em cursos de diferentes níveis, que vão do ensino básico à pós-graduação, incluindo a proposta do doutorado para formar profissionais. Deve-se ter como premissa que a formação profissional, como política de Estado deve articular competências demandadas pelo mundo do trabalho e a academia, abrindo espaço para a inovação, apoiando a construção e testagem de modelos de ensino híbridos, articuladores dos espaços acadêmicos e profissionais, dos diferentes níveis e instituições de ensino. Nesta perspectiva, os cursos profissionais e a pós-graduação profissional serão ressignificados como componentes das políticas e estratégias de educação profissional e 11

12 articulados em um eixo de formação simétrico ao eixo acadêmico, como ilustra a figura 1: DA - Doutorado Acadêmico; DP - Doutorado Profissional; MA - Mestrado Acadêmico; MP - Mestrado Profissional; BACH Bacharelado; LIC Licenciatura; GT Graduação tecnológica. Nesta representação, ficam bem claros os eixos acadêmico e profissional e as conexões entre eles; bem como entre o ensino de graduação e o ensino de pós-graduação. Figura 1 - Eixo Acadêmico/ Eixo profissional Fonte: Elaboração Própria A melhoria de qualidade da educação básica é uma das metas do PNPG (BRASIL, 2011, p. 26), dentro das atribuições da Diretoria de Educação Básica da CAPES. Atualmente, é competência da CAPES o apoio à formação de professores, ao estabelecimento de padrões de qualidade para currículos, ensino e gestão da educação visando necessidades dos alunos do ensino médio em especial e da educação profissional em particular, deve-se dar um destaque ainda maior a concepção da educação como uma estrutura de dois eixos estreitamente articulados: o eixo acadêmico e o eixo profissional. O ensino fundamental e o médio (Figura 1) são responsáveis pelo desenvolvimento de competências essenciais na infância, juventude e vida adulta. Quer já inclua componentes curriculares diretamente implicados no mundo do trabalho ou não, a educação fundamental é a base da educação fundamental para o mundo do trabalho. Segue-se à educação básica a educação superior e é nela que os dois eixos se delineiam. Pela legislação brasileira, a graduação tecnológica, o bacharelado e a licenciatura habilitam ao exercício profissional; bem como a estudos avançados de pós-graduação de lato ou stricto sensu. Os cursos de especialização (ESP) são uma modalidade de ensino comum aos dois eixos, podendo ser um espaço de experimentos pedagógicos presenciais; virtuais ou bimodais. Os mestrados profissionais (MP) e mestrados acadêmicos (MA) mantêm suas características de formadoras de profissionais para a academia e os mundos do trabalho, com terminalidades e intersecções possíveis entre o fazer acadêmico e o fazer em outras profissões. A modalidade que ainda não existe é o doutorado profissional (DP) que deve merecer um apoio especial estimulando-se a criação de cursos com desenho inovador que preserve as características essenciais de um doutorado, mas que incorpore a prática como elemento estruturante das teorias. O doutorado é um novo desafio para a academia, pois há uma forte aderência entre o que se espera de profissionais que estarão liderando estrategicamente o desenvolvimento brasileiro e o que a Universidade pode contribuir para a formação destes. 12

13 A proposta de construir uma estrutura atual na pós-graduação brasileira com dois eixos em fluxos interconectados com a graduação e o ambiente profissional pode possibilitar: a) a formação orientada por competências com entradas e saídas no sistema, flexíveis e articuladas; b) a migração intra e interinstitucionais, podendo o estudante se mover entre as instituições, regiões e países, abrindo espaço para a cooperação nacional e internacional; c) o apoio ao desenvolvimento local, regional e nacional, contribuindo para a formação de profissionais efetivamente qualificados. Como meta integradora propõe-se estimular a realização de projetos compartilhados de construção e testagem de modelos inovadores de educação profissional na pós-graduação stricto e latu senso possibilitando articulações com o setor produtivo, de diferentes esferas governamentais e organizações e interorganizações de representação da sociedade civil. Para construção desta proposta recomendam-se algumas ações: Incentivar programas estratégicos de pós-graduação em educação profissional que articulem os cursos de especialização, mestrado profissional e o doutorado para profissionais como um eixo estruturante de formação, com identidade própria e avaliação adequada articulando estes cursos com os propósitos da educação básica, já que mestrados e doutorados formam professores e estes são profissionais. Apoiar a difusão de modalidades de pós-graduação em educação profissional considerando critérios de equalização de ofertas nos diferentes pólos de desenvolvimento do país; com incentivos à criação e ao desenvolvimento de programas profissionais com recursos públicos e em parcerias público-privadas, para formar técnicos, especialistas, mestres e doutores com competências gerais e profissionais específicas; Prever um conjunto de ações que estimulem a pesquisa sobre a educação profissional e experimentos controlados de qualificação para o trabalho em cursos de primeiro, segundo e terceiro grau; Garantir a qualidade de ofertas de cursos de natureza profissional elaborando critérios e indicadores a partir da identidade destes cursos (especialização, mestrado, doutorado) e dos impactos efetivos que a formação e produção científica e tecnológica tem no desenvolvimento do país em múltiplas escalas (do local ao nacional); Criar um sistema de avaliação adequado para a educação profissional que reconheça a natureza e especificidade da produção científico-tecnológica e técnica com a qualificação pertinente, que seja reflexiva dos impactos nos contextos em que as instituições formadoras operam; Formar professores da educação profissional na pós-graduação, incorporando aos mestrados e doutorados componentes curriculares apropriados, que garantam o domínio dos conhecimentos e das tecnologias das atividades profissionais em sintonia com a competência docente; Valorizar por meio de bolsas ou outros incentivos a participação de profissionais dos setores empresarial, governamental e associativo no corpo docente dos cursos de educação profissional, estimulando a cooperação com a educação profissional de lideranças atuantes em áreas estratégicas e oportunizando a qualificação dos mesmos como docentes; Estimular o uso de recursos de tecnologia de informação e comunicação no ensino profissional na pós-graduação stricto, latu senso, graduação e educação básica, de forma a se desenvolver modelos, estratégias e ferramentas de ensino profissional para cursos que possam ser utilizados no formato presencial, bi-modal e à distância. Promover a criação e aperfeiçoamento de dispositivos jurídico-institucionais que possibilitem a capacitação e o emprego adequado e legítimo de recursos por instituições públicas e privadas que podem garantir a sustentabilidade da educação profissional em todos os níveis. 13

14 Como ação concreta, propõe-se um programa multi-institucional, com apoio de órgãos públicos e parcerias público-privadas que estimule a formação profissional em todas as regiões do país como uma ação indutora de convergência. 6. Considerações Finais A educação profissional encontra o seu espaço e se configura como um eixo de formação que articula ofertas de ensino que vão do ensino básico à pós-graduação, considerando itinerários de formação de estudantes dentro de perfis de competências que as instituições governamentais, empresariais e associativas requerem. A educação profissional precisa ter um tratamento artesanal no que isso significa de mais autêntico: a criação, o desenvolvimento e a validação de modelos de ensino que incorporam a luz que ilumina as práticas, pois os estudantes (com ou sem experiência profissional) buscam na academia a teoria que dê a ancoragem para as boas práticas essencialmente reflexivas. As instituições formam pesquisadores e professores com grande experiência. Contudo, mais desafiador e interessante nestes novos tempos que resgatam ideais desenvolvimentistas é formar profissionais para o mundo do trabalho. Desta forma, programas profissionais são experiências de inovação e reinvenção das práticas acadêmicas e como tal devem ser tratados. Aprende-se muito tendo praticantes como alunos; talvez mais do que eles aprendem com os acadêmicos. Profissionais experientes buscam iluminar a prática com teorias apropriadas. Talvez seja esse o maior desafio em oferecer programas de natureza profissionalizante: a articulação orgânica entre a prática (que o aluno tem ou almeja ter) e a teoria que alimenta e alicerça essa prática. Referências ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, P ALMEIDA, C. T.; OLIVEIRA, M. A. Educação Profissional: um percurso histórico, até a criação e desenvolvimento dos cursos superiores de tecnologia. In.: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M. F. et. al. (orgs). Educação profissional e a lógica das competências. Petrópolis/RJ: Vozes, BRASIL. CAPES. Parecer CFE 977, de 03 de dezembro de Definição dos cursos de pós-graduação. Brasília, DF, 03 de dez Disponível em: <http://www.capes.gov.br /images/stories/download/legislacao/parecer_cesu_977_1965.pdf >. Acesso em: 30 set BRASIL. CAPES. Portaria n. 080, de 16 de dezembro de Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências. Brasília, DF, 08 de dez Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 11 jan Seção 1, p. 14. Disponível em: <http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data= 11/01/ 1999 &jornal=1&pagina=86&totalarquivos=144>. Acesso em: 30 set BRASIL. MEC. A expansão da rede federal de educação profissional, científica e tecnológica Acesso em: <http://redefederal.mec.gov.br/index.php>. Acesso em: 30 set BRASIL. MEC. Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, DF. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/centenario/historico_ educacao_ profissional.pdf>. Acesso em: 20 out BRASIL. MEC. Cursos Superiores de Tecnologia: Formação de Tecnólogos: Parecer CNE/CES 436/2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces04 36.pdf>. Acesso em: 20 set

15 BRASIL. MEC. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Portaria Normativa Nº 17, de 28 de dezembro de Disponível em: <http://www.fnmp.org.br/documentos/portaria-normativa-mec-n pdf>. Acesso em: 15 mar BRASIL. MEC. Lei n de 9 de Janeiro de Aprova o plano nacional de educação e dá outras providências. (2001). Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 30 set BRASIL. MEC. Plano de Desenvolvimento da Educação. Disponível em: <http://pde.mec.gov.br/>. Acesso em: 30 set BRASIL. MEC. Plano Nacional de Educação. Disponível em: < /arquivos/pdf/pne.pdf>. Acesso em: 30 set BRASIL. MEC. Relação de cursos recomendados e reconhecidos. Ministério da Educação Disponível em: <http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/projeto RelacaoCursosServlet?acao=pesquisarGrandeArea>. Acesso em: 15 set BRASIL. MEC. Trata das Diretrizes Curriculares Nacionais no Nível de Tecnólogo. PARECER CNE/CP n. 29/2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/ arquivos/pdf_legislacao/rede/legisla_rede_parecer pdf>. Acesso em: 10 out BRASIL. Presidência da República. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras Providências. Lei /2001 de 09 de janeiro de Brasília. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 30 set BRASIL. Presidência da República. Brasil Profissionalizante. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12325&itemid= 663>. Acesso em: 28 set BRASIL. Presidência da República. Decreto 6.302, de 12 de dezembro de Institui o Programa Brasil Profissionalizado. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 de dez Seção 1, p. 4. Disponível em: <http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=4&data=13/12/2007> Acesso em: 26 abr BRASIL. Presidência da República. Dispõe sobre o Mestrado Profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES. Portaria Normativa n. 7 de 22 de junho de (2009). Disponível em: <http://www.fnmp.org.br/documentos/portaria-normativamec- n />. Acesso em: 30 set BRASIL. Presidência da República. Lei n de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de dez Seção 1, p. 1. Disponível em: <http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=23/12/1996> Acesso em: 26 abr BRASIL. Presidência da República. Portaria Normativa n. 47 de 17 de outubro de (1995). Disponível em: <http://www.fnmp.org.br/documentos/portaria-no outubro pdf>. Acesso em: 30 set BRASIL. Presidência Da Republica. Regulamenta o 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Decreto 5.154, de 23 de julho de Brasília. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2004/decreto/d5154.htm>. Acesso em: 12 out BRASIL. V PNPG Publicado em dezembro de Disponível em: Acesso em: 20 jan

16 CAPES. Geocapes. Disponível em: < Acesso em: 12 mar COELHO, E. C. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Record, CUNHA, L. A. O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v.14, p , mai./ago DEWEY, J. Experiência e natureza. Trad. M.P.C. Leme. São Paulo: Victor Civita, FACHIN, R. C. Transferência de tecnologia administrativa, o ensino de graduação em administração e o papel da pós-graduação. Anais do XIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - ENANPAD Belo Horizonte, FISCHER, T. Documento - Sobre Maestria, Profissionalização e Artesanato Intelectual, RAC, Curitiba, v. 14, n. 2, p , Mar./Abr. 2010a. FISCHER, T. Documentos e debates: Tréplica - Reimaginar a Pós-Graduação: Resgatando o Elo Perdido, RAC, Curitiba, v. 14, n. 2, p , Mar./Abr. 2010b. FISCHER, T. Mestrado profissional como prática acadêmica. RBPG Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 2, n. 4, p , jul FONTES, L. B. Formação profissional & produtividade do desempenho humano. Rio de Janeiro: SENAI/DN, Fórum dos Mestrados Profissionais. Regimento interno do Fórum dos Mestrados Profissionais. Plenária do Encontro Nacional dos Mestrados Profissionais, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 5, out GHIRARDI, S. Storie di imprenditrici e di imprese artigiane. Milano: Franco Angeli, KUENZER, A. Z. Ensino de 2º grau: o trabalho como princípio educativo. 2. ed. São Paulo: Cortez, LOPES NETO, L et. al. Mestrado no Brasil a situação e uma nova perspectiva. RBPG, v. 2, n. 4, p , jul MATTOS, P. L. Dissertações não acadêmicas em mestrados profissionais: isso é possível? Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 1, n. 2, p , maio/ago MORAES, F. Empresa Escola: Educação para o trabalho versus educação pelo trabalho. São Paulo: Ed. SENAC Nacional, OLIVEIRA, R. A (des)qualificação da educação profissional Brasileira. São Paulo: Cortex, RIBEIRO, D. O povo brasileiro: A formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, J. Educação profissional e práticas de avaliação. São Paulo: Editora SENAE, SAVIANI, D. Pedagogia Histórico Crítica: primeiras aproximações. 10 ed. Campinas, SP: Autores Associados, SAVIANI, D.; LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. l. História e história da educação. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR, SENAI. Perguntas frequentes. Disponível em: <http://www.senai.br/br/paravoce/faq.aspx.> Acesso em: 10 mar SILVA, J. G. A reconstrução dos Caminhos da Educação profissional em Manaus ( ): refletindo sobre a criação da Casa dos Educandos Artífices. In.: CIAVATTA, M.; REIS, R. R. A pesquisa histórica em trabalho e educação. Brasília: Liber Livro Ed., P

17 SPINK, P. A formação acadêmica e a ciência: ampliando o debate sobre o mestrado profissional. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 1, n. 3, p , set./dez VELLOSO, J. (Org.). A pós-graduação no Brasil: formação e trabalho de mestres e doutores no país. Brasília: CNPq/IBICT/Unesco, VERGARA, S. C.; AFONSO, C. W. MBA e MPA: diferenças e similaridades. RAP, Rio de Janeiro, v.39, n. 6, p , Nov./Dez WOOD JR., T.; PAULA, A. P. P. O fenômeno dos MPAs brasileiros: hibridismo, diversidade e tensões. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 44, n. 1, p , ZUNDEL, M.; KOKKALIS, P. Theorizing as engaged practice. Organization Studies. Lyon, n. 31. p , i O chamado Sistema S é formado por organizações criadas pelos setores produtivos (indústria, comércio, agricultura, transportes e cooperativas) com a finalidade de qualificar e promover o bem-estar social de seus trabalhadores. As organizações do Sistema "S" subordinadas à Confederação Nacional da Indústria são o SENAI - a quem cabe a educação profissional e a prestação de serviços de assistência técnica e tecnológica às empresas do setor - e o SESI - que promove a melhoria da qualidade de vida do trabalhador e de seus dependentes por meio de ações em educação, saúde e lazer - e o IEL que promove o desenvolvimento da indústria através da capacitação empresarial e do apoio à pesquisa e à inovação tecnológica. As outras instituições que compõem o Sistema S são: SENAC; SESC; SENAR; SENAT; SEST; SEBRAE e, SESCOOP (SENAI, 2010). 17

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2011-2020

PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2011-2020 PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2011-2020 Documentos Setoriais Volume II Brasília, dezembro de 2010 Proposições sobre Educação Profissional em nível de Pós-Graduação para o PNPG 2011-2020 Profª.

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado A situação nacional e os caminhos para melhorar a qualidade do ensino profissionalizante Francisco Aparecido Cordão Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Área de Gestão e Negócios

Área de Gestão e Negócios Área de Gestão e Negócios O Complexo Educacional FMU é uma Instituição de ensino superior com uma longa tradição de prestação de relevantes serviços educacionais a sociedade brasileira. Fundado em 1968,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 27/12/2011, Seção 1, Pág. 30. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais