O BULLYING E A VIOLENCIA NA ESCOLA: CONCEPÇÕES DE UM PROFESSOR SURDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O BULLYING E A VIOLENCIA NA ESCOLA: CONCEPÇÕES DE UM PROFESSOR SURDO"

Transcrição

1 ISSN: O BULLYING E A VIOLENCIA NA ESCOLA: CONCEPÇÕES DE UM PROFESSOR SURDO RESUMO Marily Oliveira Barbosa Arlindo Lins de Melo Junior Arlete Rodrigues dos Santos Segundo Silva (2010) o bullying se manifesta através de insultos, intimidações, apelidos cruéis, gozações, acusações injustas, tomar pertences, meter medo, atuação de grupos que hostilizam e ridicularizam a vida de outros alunos, levando-os à exclusão, além de danos físicos, morais e materiais. Em relação a este fenômeno surge a importância de se desenvolver um trabalho nesta área, sendo assim buscamos analisar o posicionamento de um professor surdo sobre o bullying e seus efeitos dentro da escola, principalmente quando se refere a escola e ao que esta vem fazendo para eliminar novos casos de bullying. Este estudo é de natureza qualitativa, constituído pelo estudo de caso e envolveu um professor surdo que participou do estudo, de forma livre e esclarecida. Os resultados mostraram que existe a necessidade uma melhor divulgação sobre o bullying dentro da comunidade dos surdos. Contudo para que essa realidade seja modificada é necessário uma união entre escola, pais, alunos e comunidade, favorecendo assim que mudanças benéficas venham a ocorrer dentro da escola e que haja a prevenção de futuros casos de bullying. Palavras chaves: Bullying - Professor surdo. INTRODUÇÃO É notório que a escola vem passando por momentos difíceis em nossa nação, dificuldades estas, que podem gerar alguma forma de violência, e que geralmente envolve direta e indiretamente alunos, professores e funcionários. É importante salientar que violência vem sendo discutida, quer seja através dos debates em relação aos acontecimentos no entorno da escola ou pela violência gerada dentro da própria escola, de acordo com Abramovay e Rua (2003), a violência escolar é um fenômeno antigo em todo o mundo e configura um grave problema social, podendo ocorrer, conforme já classificado pela ciência e adotado pelo senso comum, como indisciplina, delinqüência, problemas de relação professor-aluno ou mesmo alunoaluno, entre outros. É inerente que a sociedade tenha o conhecimento sobre fenômeno bullying e que o mesmo é definido como violência, contudo nem toda violência é bullying. Lopes Neto (2005) diz que o bullying compreende todas as atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudante contra outro(s), causando dor e angústia, sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.

2 A palavra Bullying vem do inglês e não sendo traduzido para o português, por não haver nenhuma outra palavra que a substituísse e que tivesse um sentido tão amplo, sobre o qual o bullying se refere, significando todo e qualquer tipo de comportamento agressivo, cruel, proposital e sistemático inerente às relações interpessoais, principalmente através de escolares. Este termo vem do adjetivo em inglês bully que significa tirano, valentão, demonstrando a situação do aluno que se utiliza do poder para impor autoridade e manter suas vítimas sob total domínio ( SILVA, 2010). Ainda segundo a autora o bullying se diferencia das brincadeiras normais e sadias nas quais todos os participantes se divertem e interagem juntos sem nenhum tipo de agressão, pois quando apenas alguns se divertem às custas de outros que sofrem, isso ganha outra conotação, bem diferente de um simples divertimento, o bullying se manifesta através de insultos, intimidações, apelidos cruéis, gozações, acusações injustas, tomar pertences, meter medo, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos, levando-os à exclusão, além de danos físicos, morais e materiais. De acordo com Chalita (2008) o bullying pode ser classificado em direto e indireto. O bullying direto geralmente é manifestado por meninos que se utilizam de atitudes mais violentas, como agressões físicas, xingamentos, empurrões, murros, chutes e apelidos ofensivos repetitivos. Já o bullying indireto é praticado mais pelo sexo feminino e crianças menores, caracterizando-se por ações que levam ao isolamento social da vítima. As estratégias mais usadas são: as fofocas, boatos cruéis, intrigas e difamações e se utilizam de meios para obterem seus objetivos, principalmente por meio de pichações e do chamado cyberbullying que é o bullying executado por meios de comunicação virtual no qual o agressor não pode ser identificado, como é o caso de perfis falsos no Orkut, MSN e mensagens via celular. Este mesmo autor classifica os personagens ligados ao bullying como: agressores, vítimas, espectadores e as vitimas-agressores. Os agressores normalmente são alunos populares, reconhecidos como valentões que oprime e ameaça suas vítimas para impor autoridade, e segundo Lopes Neto (2005, p 167): O autor de bullying tende a envolver-se em uma variedade de comportamentos antisociais; pode mostrar-se agressivo inclusive com os adultos; é impulsivo; vê sua agressividade como qualidade; tem opiniões positivas sobre si mesmo; é geralmente mais forte que seu alvo; sente prazer e satisfação em dominar, controlar e causar danos e sofrimentos a outros. Além disso, pode existir um componente benefício em sua conduta, como ganhos sociais e materiais. As vítimas, alvos do bullying são escolhidas sem motivo evidente, apresentam comportamentos e hábitos diferentes dos demais, quer seja pela sua maneira de se vestir, aparência física fora do padrão de beleza, falta de habilidade em algum esporte, gagueira ou

3 deficiência física. Geralmente elas são inseguras, retraídas e possuem baixa auto-estima (CHALITA, 2008). Silva (2010) afirma que os espectadores também conhecidos como testemunhas são a grande maioria dos estudantes que assistem ao bullying e aprendem a conviver com ele ou simplesmente a escapar dele, acabam por não interferir quer seja para defender ou ameaçar. São omissos a dor do outro e acabam por entender o bullying como normal acreditando que alunos diferentes mereçam ser ridicularizados por outros, alguns destes não reagem por medo de represália ou para não serem atingidos. O último personagem que surge são as vítimas agressoras que ao mesmo tempo que sofrem cometem atos violentos contra outros. Observando tais fatos surge é interesse de se desenvolver um trabalho nesta área, principalmente quando se busca dar voz a determinados grupos, como neste caso especifico ao professor com surdez. Em relação ao professor surdo Vieira e Martins (2009), mencionam que o professor surdo possui algumas necessidades específicas que, por vezes, torna-o diferente dos demais, quer seja pelo fato deste professor não escutar ou pelo uso das Libras (Língua Brasileira de Sinais). Sendo assim buscamos analisar a visão de um professor com surdez acerca do bullying e da violência na escola, principalmente quanto a atuação deste professor frente a este fenômeno. METODOLOGIA O trabalho é de natureza qualitativa, pois se preocupa com uma realidade que não pode ser quantificada, trabalhando com a subjetividade dos participantes, em particular com as suas atitudes, valores, crenças, e buscando compreender suas respostas de forma a tornar o problema mais explícito (COSTA, 2001). Mais especificamente, trata-se de um estudo de caso, que visa descrever a concepções de um professor surdo sobre o bullying e violência dentro da escola. Para Gil (2002), o estudo de caso consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de modo que se consiga obter um amplo e detalhado conhecimento a respeito do objeto que se pretende estudar, tendo como propósito nessa pesquisa descrever a situação do contexto atual sobre o problema, identificando assim os possíveis fatores que influenciam na visão do sujeito. Por se tratar de um estudo de caso, com o objetivo especifico de buscar o ponto de vista de um determinado sujeito, realizamos a entrevista com um professor surdo da rede estadual, que trabalha numa escola, atuando com alunos surdos e ouvintes, em uma escola-polo voltada para o

4 atendimento de alunos com surdez. O instrumento escolhido foi a entrevista semi-estruturada que contém perguntas abertas e fechadas, segundo Boni e Quaresma (2005) o pesquisador deve seguir um conjunto de questões previamente definidas, e o faz em um contexto semelhante ao de uma conversa informal, podendo intervir durante a entrevista, com perguntas adicionais, tentando obter as respostas ao questionamento proposto. Os dados foram coletados dentro da própria escola, na qual o professor participou da entrevista. É inerente ressaltar que a mesma foi realizada com o auxilio de uma interprete que trabalha nesta mesma instituição. Todos os procedimentos seguiram estritamente os princípios éticos. Posteriormente a entrevista e sua transcrição, foram conferidas e estudadas, juntamente com uma análise minuciosa e exaustiva de todos os dados, onde partir destes realizamos a criação das categorias. Que se utilizou da análise de conteúdo que segundo Esteves (2006) é um conjunto de técnicas possíveis para tratamento de informação previamente recolhida, quer sejam por meios de dados de observação, entrevistas, entre outros. Foi possível levantar as seguintes categorias: O fenômeno bullying e a violência nas escolas e a atuação como educador e sua ação quanto ao bullying. RESULTADO E ANÁLISE DE DADOS Começamos a apresentação dos resultados com a descrição de algumas características do participante da pesquisa, que pode ser vista a seguir O estudo de caso foi baseado na percepção e vivência de um professor surdo, que atua como instrutor de Libras para alunos ouvintes e surdos, numa escola estadual voltada para o atendimento ao aluno com surdez. Para manter o sigilo do individuo usaremos um nome fictício determinado de Paulo. Tal professor nasceu com surdez profunda, e nunca descobriu o motivo que determinou a sua surdez, possui 27 anos e tem graduação em Letras-Libras. Atua como professor a um período de cinco anos. O bullying e a violência nas escolas Ao perguntarmos ao professor surdo acerca da palavra bullying, este mencionou não conhecê-la. Nem ele e nem a intérprete possuíam conhecimento do sinal equivalente a esta

5 palavra, no entanto quando a mesma foi exemplificada, ele soube falar sobre o fenômeno, embora não o relacionasse a palavra usada atualmente para estes fatos. Segundo Silva (2010), a palavra ainda é desconhecida pelo grande público, apenas uma parcela da comunidade tem conhecimento acerca deste assunto. A palavra bullying pode até ser desconhecida, mas o fenômeno da violência nas escolas, não passa por despercebido. Vale salientar ainda que as informações para os surdos são mais visuais dificultando ainda assim o conhecimento sobre determinados assuntos. Este desconhecimento pode ser observado na fala do entrevistado. Não conheço a palavra bullying. Houve brincadeiras, tem muito na época da infância, acredito que com crianças, a murro e tapas. (Professor Paulo) O professor pesquisado relacionou o bullying as brincadeiras da época da infância, e ainda mencionou sobre agressões físicas, contudo Rolim (2008) diferencia o bullying das brincadeiras ditas normais nas quais todos os participantes se divertem e interagem juntos sem nenhum tipo de agressão, no entanto se apenas alguns se divertem às custas de outros que sofrem a brincadeira ganha outra conotação, bem diferente de um simples divertimento. O mesmo professor mencionou tapas e murros envolvido com crianças dentro da escola e isto é caracterizado como bullying direto. Segundo Santos (2009) este tipo consiste na violência física relacionado a agressões como bater e chutar. Ao perguntamos ao professor pesquisado sobre suas lembranças sobre a violência na escola e também sobre o bullying em sua época de estudante, o mesmo relatou que se lembrava de confusões relacionadas a violência entre colegas de sala, como podemos observar a seguir: Lembro de fofocas, mentiras, confusão. Mas eu não me envolvia em brigas, nunca. Nunca briguei, só palavras. (Professor Paulo) O professor relatou lembrar de fatos relacionados a violência entre os estudantes, denominado atualmente como bullying, e é justamente por isso que Pereira (2009) menciona que o bullying sempre existiu na escola, mas a pouco tempo é que ele recebeu uma nomenclatura que exemplificasse tal fenômeno. Um fato interessante na fala do professor pesquisado é que ele não relaciona as brigas com palavras aos atos de violência, contudo Rodrigues (2010) afirma que o bullying direto verbal é caracterizado por ofensas verbais e que na maioria das vezes os responsáveis não imaginam o poder que uma palavra mal intencionada pode acarretar na vida do sujeito que sofreu tais ações, acarretando em conseqüências psicológicas que acompanharam o sujeito por longo período da sua vida. Ainda sobre o envolvimento com atos de bullying o professor pesquisado mencionou

6 que buscava manter-se longe das brigas ocorridas na escola, como veremos a seguir: Eu me afastava quando tinha brigas. Pois é muito ruim, eu queria paz e tranqüilidade. Acho bobagem pessoas perderem tempo. O importante é união! (Professor Paulo) De fato o bullying é algo complicado de se perceber, pois por mais que o professor pesquisado acreditasse estar fazendo o certo em apenas se distanciar dos atos de violência, alguns autores acreditam que esta postura também não é correta. Chalita (2008) relata que por mais que indivíduos mencionem não se relacionar com atos de violência ou com o bullying existem aqueles que se tornam praticantes do bullying como autor passivo, que é o estudante que observar os casos de bullying e apenas se distancia do fenômeno como relatou o professor pesquisado. Tais alunos nada fazem, nem tentam impedir as agressões físicas ou verbais, e também não reportam o fato aos professores. Ainda sobre isso Lopes Neto (2005) denomina estes alunos como testemunhas de bullying, que são a maioria dos alunos que não se envolve diretamente em atos de bullying e geralmente se calam por medo de ser a próxima vítima ou por não saberem como agir frente a estas situações. A atuação como educador e sua ação quanto ao bullying Como vimos anteriormente o professor pesquisado ao falar sobre o bullying interligou ao período da sua vida escolar, relacionando ao momento em que era aluno, contudo não mencionou o bullying na escola e sua fase atual, talvez por que atualmente este professor leciona em turmas de jovens. Rolim (2008) afirma que a incidência de casos de bullying diminui entre os alunos com mais idade. Por conta disto foi perguntado ao professor qual sua ação quando ocorre casos de bullying dentro de sua sala de aula, enquanto ele atua como professor e o mesmo mencionou que atua dependendo da situação que encontra, como veremos a seguir em sua fala: Bem, quando há um problema em sala... [pausa para pensar] Depende, tem que ter atitude, é da consciência de cada um... Geralmente mando parar, peço por favor e exijo que saía,até mesmo porque a diretora sempre fala e avisa aqui a escola não é lugar de confusão. (Professor Paulo) Como assim mencionou o professor depende da ação do aluno, para assim o professor ter uma reação, uma vez que cada situação necessita de uma solução diferenciada. Contudo o professor pesquisador mencionou que geralmente se refugia na solicitação da saída do aluno da sala de aula. E esta é uma prática bastante utilizada pelos professores, talvez pelo desconhecimento de como agir em situações dentro da sala de aula. Pingoello (2009, p. 54)

7 afirma que: O pouco ou nenhum conhecimento por parte dos professores sobre a forma como o bullying se apresenta e se propaga pode contribuir com a omissão, não por negligência, mas por falta de conhecimento em como atuar de forma ativa na tentativa de solucionar o problema [...] (PINGOELLO, 2009, p. 54). Vale mencionar ainda em relação ao nosso estudo que o professor pesquisador enfrenta ainda algumas dificuldades com uma parcela de seus alunos, no caso os alunos ouvintes, devido a barreira lingüística pelo uso das Libras, embora este professor em determinados momento receba o auxilio de uma interprete. Quando novamente indagado sobre o que fazer frente a situação de bullying ele mencionar que solicita o auxilio da direção da escola, principalmente por não saber como agir, como fica evidenciado a seguir: Mando chamar a diretora, O que eu faria? Lá no meu curso quando acontece eu paro e digo que existe regras. parem de falar! Eu fico olhando até eles deixarem de falar... e depois solicito que saiam da sala de aula. Existe uma regra. (Professor Paulo) Talvez pelo fato do bullying se mostrar em tantas faces seja difícil o diagnóstico, dificultando assim a ação dos professores. Seguindo este viés Silva (2010) relata que os professores e a direção da instituição educacional ainda estão falhando na identificação do problema. Tal fato pode ocorrer por desconhecimento do fenômeno. Ainda sobre isso Pingoello (2009) considera que os professores realmente necessitam de uma melhor formação para lidar com estes assuntos. Pois, eles enfrentam dificuldades em identificar o bullying. E uma formação continuada que abrangesse o tema violência escolar como um todo poderia auxiliá-los a lidar melhor com os conflitos ocorridos em sala de aula, na tomada de decisões adequadas para a solução e na prevenção dos problemas. Andrade e Capellini (2008) relatam que para prevenir a ocorrência do bullying, é necessário que exista um trabalho coletivo por parte da escola com os professores, pais, comunidade e alunos, pois o bullying nada mais é do que o dês respeito ao próximo, a não aceitação das diferenças, tanto físicas, quanto sociais, enfim, as diferenças existentes de um ser humano para outro. O professor surdo quanto ao significado da palavra bullying Sabe-se que grandes são os desafios de um educador brasileiro dito normal, imaginemos quando se fala de um professor surdo, trazer esclarecimentos sobre o que vem a ser a violência nas escolas e uma maneira eficaz de prevenir é inerente para a formação do

8 aluno como cidadão. Contudo é evidente que os desafios quanto a este esclarecimentos são imensos, e se dá pelo fato, de que não é sabido por parte do professor surdo a existência na língua brasileira de surdos, algum conceito ou significado da palavra bullying como conferimos na entrevista com professor quando perguntado enfaticamente sobre seu conhecimento a respeito da palavra bullying Novamente afirmo não conheço a palavra bullying... (Professor Paulo) Construir um conceito sobre o bullying revela-se importante para futuras intervenções contra essas praticas dentro da comunidade surda, possibilitando interações entre as diversas faixas etárias dos surdos para trazer clareza sobre este fenômeno, sobre isso Hautrive (2010), nos fala que a interação, com pares surdos da mesma idade e surdos adultos, possibilita influxos culturais, intelectuais e lingüísticos de sua comunidade, possibilitando a construção da identidade. O mesmo autor ainda nos fala que O educador surdo tem um papel fundamental dentro de uma escola com a proposta bilíngue, pois é o usuário experiente da língua e membro da comunidade surda isso, atua na mediação da aprendizagem em língua de sinais e na transmissão da cultura surda para os alunos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Acreditamos que a sociedade pode inferir para o combate do crescimento da violência na escola, considerando também dentro desta intervenção positiva, a concepção de um professor com surdez principalmente no que diz respeito a comunidade surda. Contudo, indaga-se em qual momento o professor poderá identificar a agressão física ou verbal como violência na escola e a partir de qual ponto estes acontecimentos transforma-se em bullying. Considerar vivencia e percepção deste professor em relação ao tema abordado é essencial para construção de estratégias que o mesmo utilizará com o seu alunado, contudo, para que essas estratégias tenham um resultado positivo acredita-se que necessário um conhecimento e um conceito próprio sobre o que vem a ser o bullying, o que evidentemente não acontece com o mesmo, pois desconhece a palavra, fala apenas da violência vivenciada por ele na infância e vista entre seus alunos não sabendo porem identificar o bullying. O mesmo descreve os tapas e murros envolvendo crianças dentro da escola e isto é caracterizado como bullying direto. Nesse sentido, acredita-se que os estudos no campo da Educação Especial devem se debruçar mais em discussões a respeito da necessidade de criar um sinal na Língua Brasileira de Sinais, que represente o bullying, trazendo a efetivação de

9 um conceito próprio sobre o assunto visando esclarecimento para gerar qualidade para o aluno surdo. No cerne da concepção e estudo de caso deste professor existe a necessidade latente de trazer o conceito e diferenciação do tema. Neste sentido, faz-se necessário pensar para além da dicotomia bullying versus violência nas escolas. Importa refletir sobre o tema na escola entre aluno e professor, isto é, o significado que a escola tem, pois quanto se pensa em qualquer tipo de violência seja ele repetido ou não, deve-se refletir muito além da eliminação de barreiras de comunicação para a transformação da realidade local, considerando-se os procedimentos didáticos, flexibilização curricular, metodologias de ensino diferenciadas. REFERÊNCIAS ABRAMOVAY, M., & RUA, M. G. Violências nas escolas:versão resumida. Brasília, DF: Unesco, BONI, V; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Disponível em: Acessado em: 20 de outubro de CHALITA, G. Pedagogia da amizade, Bullying: o sofrimento das vítimas e do agressores. São Paulo: gente, 2008 COSTA, M. Antonio F. da. Metodologia da pesquisa: conceitos e técnicas. Rio de Janeiro: Interciência, ESTEVES, M. Análise de conteúdo in LIMA, J. Á.; PACHECO, J. A. Fazer investigação: contributos para a elaboração de dissertações e teses. Porto, Portugal: Porto Editora, GIL, Antônio C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4º ed. São Paulo: Atlas, HAUTRIVE, Giovana M. F. A Construção da escrita na diferença: Saberes e fazeres em sala de aula ENDIPE, Belo horizonte, LOPES NETO, A. A. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria. 81(5Supl): pp , 2005 PEREIRA, S. M. S. Bullying e suas implicações no ambiente escolar. São Paulo: Paulus, 2009 PINGOELLO, I. Descrição comportamental e percepção dos professores sobre o aluno vítima do bullying em sala de aula. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - campus de Marília - SP, Marília, 2009.

10 RODRIGUES, J. R. M. violência velada: um estudo sobre bullying na escola. In Anais do IV seminário nacional sobre educação e inclusão social de pessoas com necessidades especais. pp 1-11, Natal, ROLIM, M. Bullying: o pesadelo da escola um estudo de caso e notas sobre o que fazer. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, Porto Alegre, SANTOS, A. P. T. A presença do bullying na mídia cinematográfica como contribuição para a educação. Dissertação (Mestrado)- Universidade de Marília. Unimar, Marília, 2009 SILVA, A. B. B. Bullying: Mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva, VIEIRA, F. B. A.; MARTINS, L. A. R. O aluno surdo em classe regular: concepções e práticas de professores. Revista educação em questão, v.34, n.20, pp , Edufrn, 2009.

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE. AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2

OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE. AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2 AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2 OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE Adir Luiz Ferreira 3 É comum, nos últimos anos, ouvirmos o termo bullying. Esta expressão tem sido bastante utilizada

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É?

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É? BULLYING NA ESCOLA O QUE É? HISTÓRICO Os primeiros trabalhos sobre o Bullying nas escolas vieram de países nórdicos, a partir dos anos 60 - Noruega e Suécia. CONCEITO É uma forma de agressão caracterizada

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Cristian Ericksson Colovini 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre a relação entre o Fenômeno Bullying e

Leia mais

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA Resumo Daiane Voltoline 1 - PUCPR Paulo Cesar de Barros 2 - PUCPR Grupo de Trabalho Violência nas Escolas Agência Financiadora: não

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA 2 Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião 3 Habilidades: Apreender a estruturação de um Artigo de opinião 4 Artigo de opinião

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR ESTANISLAU, Andrezza Mangueira 1 FONSÊCA, Patrícia Nunes da SANTOS, Jérssia Laís Fonseca dos ROBERTO, Jaciara de Lira

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ?

BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? CONCURSO PARA PROFESSORES do EM das Etecs: Trabalhando com os roteiros de aprendizagem ROTEIRO DE APRENDIZAGEM BULLYING EI! QUEM É VOCÊ? a) APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem como objetivo geral, trabalhar

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA Resumo BREZOLIN. Ligia Maria Teixeira de Faria PUCSP 1 ligia@lo.unisal.br MATTA. Claudia Eliane - UNISAL 2 claudia@lo.unisal.br Área Temática: Violências

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS Orientanda: Loriane Trombini Frick Orientadora: Profª Drª Maria Suzana

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROFESSOR DIANTE DO BULLYING NA SALA DE AULA: PREVENÇÃO E COMBATE

ATUAÇÃO DO PROFESSOR DIANTE DO BULLYING NA SALA DE AULA: PREVENÇÃO E COMBATE 1 ATUAÇÃO DO PROFESSOR DIANTE DO BULLYING NA SALA DE AULA: PREVENÇÃO E COMBATE Autora: Bartira Araújo da Silva Faculdades Integradas de Patos- FIP Bartira.araujo.silva@gmail.com Coautora Prof.ª Ms.Maria

Leia mais

ANÁLISE DAS REPROVAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO CÂMPUS URUTAÍ

ANÁLISE DAS REPROVAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO CÂMPUS URUTAÍ ANÁLISE DAS REPROVAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO CÂMPUS URUTAÍ ROSA, Marília Clara do Vale Mendes 1 ; LUZ, Geniffer Pereira de Souza 2 1 Licencianda em Matemática,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1

SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 SERÁ QUE É POR ESSE CAMINHO? 1 Gisela do Carmo Lourencetti - PPG Educação Escolar/ UNESP Araraquara Maria da Graça Nicoletti Mizukami - PPGE/ Universidade Federal de São Carlos. Introdução A literatura

Leia mais

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES Erika Alencar de Moura 1 ; Ângela Maria da Silva 2 ; Nailde Gonçalves da Silva 3 ; Maria dos Prazeres Albuquerque 4 ; Luciana Maria

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM.

AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. AS MANIFESTAÇÕES DE VIOLÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DE VALORES HUMANOS NO PROJETO ESPORTE NA COMUNIDADE, NA LOCALIDADE DE MONDUBIM. ALISON NASCIMENTO FARIAS. 1 LÚCIA REJANE DE ARAÚJO BARONTINI. 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

SOE Serviço de Orientação Educacional

SOE Serviço de Orientação Educacional SOE Serviço de Orientação Educacional Projeto: Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Bullying não é brincadeira Turma: 2º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica

Leia mais

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA Agressões físicas, morais ou assédios de todo tipo são situações enfrentadas por muita gente todos os dias e em todos os lugares. E quando

Leia mais

Escola secundária de S. Pedro da Cova BULLYING. Trabalho realizado por: Joana Aurora e Sara Sousa

Escola secundária de S. Pedro da Cova BULLYING. Trabalho realizado por: Joana Aurora e Sara Sousa Escola secundária de S. Pedro da Cova BULLYING Trabalho realizado por: 1 Joana Aurora e Sara Sousa INTRODUÇÃO Este trabalho foi realizado na disciplina de área de projecto. Este trabalho tem como objectivo

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 1333 RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 RESUMOS COM RESULTADOS 1334 DISCURSOS DE PROFESSORES/TUTORES DE LÍNGUA INGLESA: PRÉ-CONSTRUÍDOS SOBRE A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO EM EAD...

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO Revista Eventos Pedagógicos v.4, n.1, p. 72-79, mar. jul. 2013 BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos Edilaine Aparecida da Silva Isabela Augusta Andrade Souza RESUMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

NOVAS FACES DA VIOLÊNCIA ESCOLAR: POSSÍVEIS DIÁLOGOS ENTRE MORAL E VIOLÊNCIA

NOVAS FACES DA VIOLÊNCIA ESCOLAR: POSSÍVEIS DIÁLOGOS ENTRE MORAL E VIOLÊNCIA 609 NOVAS FACES DA VIOLÊNCIA ESCOLAR: POSSÍVEIS DIÁLOGOS ENTRE MORAL E VIOLÊNCIA Rodrigo Cesar Costa, Drielly Adrean Batista, Aline kadooka, Rita Melissa Lepre Programa de pós-graduação em psicologia da

Leia mais

MISSÃO Ser referência no mercado pela excelência em qualidade gráfica e cognitiva, por meio de uma linha editorial diversificada.

MISSÃO Ser referência no mercado pela excelência em qualidade gráfica e cognitiva, por meio de uma linha editorial diversificada. catálogo 2013 A Editora CAX é uma empresa moderna, comprometida com o Sistema Educacional Brasileiro e ingressa no mercado a fim de democratizar o acesso à informação, através de livros de qualidade. O

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Violência escolar: construindo diálogo na escola

Violência escolar: construindo diálogo na escola Violência escolar: construindo diálogo na escola O que é violência escolar? Influência é influenciada Escola inserida num contexto social permeado de violências Violência Violência ação intencional* que

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS CARVALHO, João Eloir PUCPR/ GELL joao.eloir@pucpr.br Eixo temático: Violências nas escolas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT.

Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT. Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT. O FACEBOOK COMO ESPAÇO DE CIRCULAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DE TEXTOS DE UMA TURMA DO 9º

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

BULLYING: novo desafio para as escolas

BULLYING: novo desafio para as escolas BULLYING: novo desafio para as escolas Hielma Nunes de Sousa 1 Débora Suzane Gomes Mendes 2 Mylena Coelho Jorge 3 Raphaela Christina Silva Mourão 4 Jéssyca Adiene Souza Silva 5 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA IVANOSKI, Nicolle. KASTELIC, Eloá Soares Dutra. TONTINI, Lidiane. 1 RESUMO Este artigo pretende expressar uma preocupação que esta posta

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): LÚCIO FLÁVIO

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética Luciene Regina Paulino Tognetta O que diríamos de uma situação como essa? Thereza é uma garota alta

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais