Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações)"

Transcrição

1 Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações) RELATÓRIO DE GESTÃO 1 - Apresentação O Funttel foi criado no contexto dos Fundos Setoriais, sendo preconizado no art. 77 da Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, conhecida como LGT (Lei Geral das Telecomunicações). O Funttel prioriza a capacidade tecnológica nacional, ampliando a competitividade das empresas brasileiras de telecomunicações e o compartilhamento do conhecimento tecnológico em telecomunicações, fundamentais para o progresso e bem estar da sociedade brasileira. De acordo com a Lei nº , de 28/11/2000, regulamentada pelo Decreto nº 3.737, de 30/11/2001o Funttel tem como objetivos: estimular o processo de inovação tecnológica; incentivar a capacitação de recursos humanos; fomentar a geração de empregos; e promover o acesso de pequenas e médias empresas a recursos de capital. Os objetivos do Funttel, tomados pelo seu conjunto, têm como foco a ampliação da competitividade da indústria brasileira de telecomunicações, nos termos do art. 77 da LGT, por meio de financiamentos voltados para o fortalecimento da capacidade inovadora das empresas brasileiras de telecomunicações. São Agentes Financeiros do Funttel: a Financiadora de Estudos e Projetos - Finep e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. A Fundação CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações é uma entidade destacada pela Lei que instituiu o Funttel, como beneficiária direta do Fundo. A resolução nº 12 do CGF estabelece recursos alocados na ordem de 30% (trinta por cento). O Funttel possui as seguintes referências na legislação: a) Lei nº 9.472, de 1997, conhecida como LGT; Funttel - Relatório de Gestão /22

2 b) Lei nº10.052, de 2000, que instituiu o Funttel, nos termos do art. 77 da Lei nº 9.472, de 1997; c) Decreto nº 3.737, de 2001, que regulamentou o Funttel; d) Lei nº , de 19/12/2001, que alterou a Lei nº , de 2000, especificamente para destinar despesas operacionais de planejamento, prospecção, análise e estruturação de operações, contratação, aplicação de recursos, acompanhamento de operações contratadas, avaliação de operações e divulgação de resultados, necessárias à implantação e manutenção das atividades do Funttel, não podendo ultrapassar o montante correspondente a 5% dos recursos arrecadados anualmente; e) Decreto nº 4.149, de 01/03/2002, que regulamentou a Lei nº de 19/12/2001, alterando por sua vez, o Decreto nº 3.737, de 2001; f) Decreto nº 5.220, de 30/09/2004 que dispõe sobre a Estrutura Regimental do MC e especificamente com relação ao Funttel atribui, adicionalmente às competências da Secretaria Executiva do MC: VI prestar o apoio técnico, administrativo e financeiro necessário ao exercício das atividades de competência do Conselho Gestor do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações Funttel; VII coordenar a gestão dos programas executados com os recursos dos fundos administrados pelo Ministério. g) Decreto nº 4.733, de 10/06/2003, que dispõe sobre as políticas públicas de telecomunicações, tratando dos aspectos de serviços de telecomunicações, da indústria e do desenvolvimento tecnológico do setor. 2 - Gestão O Funttel, a exemplo dos demais Fundos Setoriais, adota um modelo transparente de gestão, com a utilização de um Conselho Gestor e, por intermédio de representantes de Ministérios, Agência Reguladora e demais agentes envolvidos, torna a sua gestão compartilhada. Compete ao Conselho Gestor do Funttel: aprovar as normas de aplicação de recursos; aprovar, acompanhar e fiscalizar a execução do plano de aplicação de recursos propostos pelos Agentes Financeiros e pela Fundação CPqD; submeter, anualmente, ao Ministério das Comunicações a proposta orçamentária do Funttel; prestar conta da execução orçamentária e financeira do Funttel; Funttel - Relatório de Gestão /22

3 propor a regulamentação dos dispositivos da Lei nº , de 2000, no âmbito de sua competência; e estabelecer as normas referentes à operacionalização do Funttel. O Conselho Gestor do Funttel é constituído pelos seguintes membros: Presidente Representante do Ministério das Comunicações - MC Tito Cardoso de Oliveira Secretário Executivo do MC Conselheiro representante do Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Augusto César Gadelha Vieira Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT Conselheiro representante do Ministério do Desenv. Industria e Com. Exterior - MDIC Jairo Klepacz Secretário de Tecnologia Industrial do MDIC Conselheiro representante da Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel João Carlos Fagundes Albernaz Chefe da Assessoria Técnica da Presidência da Anatel Conselheiro representante do Banco Nac. de Desenvol. Econômico e Social - BNDES Carlos Gastaldoni Superintendente da Área Industrial Superintendência de Logística e Telecomunicações do BNDES Conselheiro representante da Financiadora de Estudos e Projetos - Finep Eduardo Moreira da Costa Superintendente da Área de Investimento em Inovação - AINV Diretoria de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - DRCT da Finep Funttel - Relatório de Gestão /22

4 3 - Realizações no Exercício Durante o exercício de 2005, o Decreto nº 5220, de 30 de setembro de 2004, que aprovou a estrutura regimental e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções gratificadas do Ministério das Comunicações, criou a Coordenação-Geral de Acompanhamento de Projetos Especiais que, dentre outras atribuições, teria a coordenação e gestão da execução orçamentária e financeira dos recursos do Funttel, e o acompanhamento e a fiscalização da execução dos projetos. Apesar da nomeação dos referidos gestores, ocorreram impropriedades na formalização dos convênios e na execução da despesa, assim como deficiências nas ações de fiscalização e apreciação de prestações de contas de recursos transferidos, quais sejam: Ineficácia de controles de gestão administrativa, financeira e orçamentária; Relatório da SFC condenando a gestão do Funttel sobre o exercício anterior; Inexistência de diretrizes políticas para aplicação do Funttel; Aplicações de recursos por demanda espontânea; Adoção de aporte de recursos obrigatórios no CPqD de no mínimo 30 %, sem critérios de avaliação de resultados efetivos das ações; Irregularidade na formalização dos Convênios com o CPqD; Irregularidade na formalização do contrato com a Finep; Arbitrariedade na publicação das Resoluções nºs 29 e 30 do CGF; Falta de controle da Arrecadação; Uma cultura separatista entre os setores do Ministério das Comunicações e o Funttel; Devolução dos processos do Funttel pela Consultoria Jurídica deste Ministério das Comunicações declarando serem incompetentes para exame das matérias relacionadas às atribuições específicas do Funttel. A Secretaria Executiva do Conselho Gestor do Funttel atuou no sentido de cumprir os compromissos assumidos na gestão anterior e atender as recomendações do Relatório de Auditoria da Secretaria Federal de Controle Interno - SFC referente à Gestão de Funttel - Relatório de Gestão /22

5 Em 08/07/2005, após a avaliação da gestão do Funttel pela SFC, com o Relatório de Auditoria n o , foi apresentado um diagnóstico, que pode ser assim resumido: a) Ausência de providências efetivas para correção de fragilidades nos controles de aplicação re recursos públicos, apontadas no Relatório de Auditoria nº Contas 2003; b) Início da vigência anterior a data da celebração de Convênios firmados no exercício de 2004 com o CPqD; c) Formalização de Convênio em desacordo com o Complemento do Plano de Aplicação de Recursos ; d) Ausência de parecer jurídico sobre os convênios firmados em 2004, com a Fundação CPqD; e) Fragilidades no acompanhamento e fiscalização da execução física dos projetos financiados com recursos do Funttel; f) Falta de destinação formal aos bens remanescentes adquiridos com recursos do Funttel, quando do encerramento do Convênio nº 002/2002; g) Falta de definição do direito de propriedade industrial e intelectual dos produtos resultantes dos projetos encerrados, provenientes do Convênio nº 002/2002; h) Realização de despesas com data anterior à vigência dos convênios firmados em 2004; i) Apropriação indevida de despesas com depreciação dos bens adquiridos com recursos próprios da Fundação CPqD. Diante das recomendações da SFC e dos pontos de revisões identificadas e mapeadas pela equipe do MC, foram realizadas as seguintes providências durante o ano de 2005: - Envio dos processos referentes aos convênios do CPqD e do contrato com a Finep para análise da Consultoria Jurídica deste Ministério das Comunicações que emitiu os Pareceres nº /2005, de 30/11/05 e nº /2005, de 08/11/05, respectivamente; - Resolução do CGF nº 39, de 14/12/2005, que decidiu: a) pela anulação dos 14 convênios firmados com a Fundação CPqD e a manutenção dos fatos já consolidados, tendo em vista que o CPqD não contribuiu para a invalidação do instrumento; b) repasse no valor de R$ ,16 para a Fundação CPqD, autorizado pela Portaria nº 633 de 20/12/05, a título de indenização relativa a valores já devidamente aplicados nos projetos aprovados pelo CGF com base nos convênios anulados; c) Formalização de novos convênios com a Fundação CPqD para a continuidade dos projetos em execução aprovado pelo CGF no PAR 2005/2007 daquela Fundação; - Novos convênios foram formalizados entre o Funttel e a Fundação CPqD e os extratos publicados no DOU de 23/12/05; - A glosa de despesas com depreciação dos bens adquiridos com recursos próprios da Fundação CPqD; Funttel - Relatório de Gestão /22

6 - Publicação da Resolução nº 35 do CGF, que anulou as Resoluções nºs 29 e 30 do CGF; - Publicação da Resolução nº 36 do CGF, que regula a gestão administrativa, financeira e orçamentária; - Publicação da Resolução nº 37 do CGF, que consolida os atos oriundos do Contrato nº 01/2004 da Finep; - Publicação da Resolução nº 38 do CGF, que libera recursos junto a Finep, no valor de R$ ,24, autorizado através da Portaria nº 634 de 20/12/05, publicada no DOU de 21/12/ Reuniões realizadas no Exercício: 17ª Reunião Ordinária - 18 de Março de Brasília-DF 18ª Reunião Ordinária - 28 de Junho de Brasília-DF 19ª Reunião Ordinária - 27 de Setembro de Brasília-DF 17ª Reunião Extraordinária - 17 de Novembro de Brasília-DF 20ª Reunião Ordinária - 15 de Dezembro de 2005 Campinas-SP Estratégias pré-agendadas para 2006: - Ativar o SAF - Sistema de Arrecadação do Funttel, programa desenvolvido pelo CPqD para acompanhamento e controle da arrecadação; - Implementação de Seminários de Acompanhamento de Resultados do Funttel junto a Finep com o objetivo de divulgar e debater os produtos desenvolvidos pelos projetos apoiados por este agente financeiro; - Recomposição da Secretaria Executiva do Funttel; 4 - Programa Inovação Tecnológica em Telecomunicações Ação Financiamento a Projetos de Desenvolvimento de Tecnologias nas Telecomunicações Principais Projetos: Funttel - Relatório de Gestão /22

7 Desenvolvimento de Equipamentos de Acesso Óptico e Correlatos Instituição Executora: ASGA/AS Aprovado na 9ª RE, de 15/08/02 Valor Total: R$ ,55 Liberado no Exercício: R$ ,00 Os objetivos do Programa de P&D da AsGa S/A são os seguintes: evolução da Linha Tradicional de Modems Ópticos PDH, migração para Produtos de Maior Capacidade (Família de Modems com tecnologia SDH), migração para Produtos de Menor Capacidade (multiplexadores Flexíveis), sistemas de Gerência de Rede. O desenvolvimento da nova placa LANFFD foi efetivamente iniciado. O novo modem 2E1 NG que será denominado de Broadband Integrated Access Device teve o seu desenvolvimento iniciado em 29 de setembro de 2004 e por isso o seu percentual de desenvolvimento foi considerado como zero. Com base no desenvolvimento do módulo LANFFD serão desenvolvidos em conjunto com o projeto Cooperativo ASGERA os módulos CMDC (Data Converter) e MNG34L (Módulo Brouter para os equipamentos 16E1 NG e 4E1 NG). O módulo CMDC é o terceiro elemento da família de Conversores de Meios. Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas para transmissão de TV Digital Instituição Executora: : Linear Equipamentos Eletrônicos S/A Aprovado na 11ª RE, de 10/12/02 Valor Total: R$ ,00 Liberado no Exercício: R$ ,00 O objetivo é desenvolver inovação tecnológica para a produção local de sistemas para transmissão de sinais de TV Digital, no padrão a ser estabelecido para o Brasil. Capacitar recursos humanos em telecomunicações, fomentando a geração de empregos, inclusive da exportação dos sistemas aqui desenvolvidos e produzidos. Não houve nenhuma razão para o atraso das metas estabelecidas. Redes de Comunicações Industriais Instituição Executora: ALTUS Sistemas de Informática Funttel - Relatório de Gestão /22

8 Aprovado na 10 ª RE, de 23/10/02 Valor Total: R$ ,00 Liberado no Exercício: R$ ,00 O objetivo é o desenvolvimento de software e hardware associados a redes de comunicação industriais, aplicadas na área de controles de processos industriais. O projeto vincula a pesquisa e desenvolvimento de tecnologia própria, possibilitando a integração de produtos de procedência nacional como os mais modernos padrões de comunicação de dados adotados a nível mundial. Os produtos resultantes deste desenvolvimento devem ser competitivos no mercado interno e externo, além de favorecer a exportação de bens de automação industrial. É escopo deste projeto a execução de projetos em parcerias com Universidades Públicas e Privadas, buscando a qualificação de corpo técnico competente para alavancar outros desenvolvimentos que vierem a complementar a proposta inicial. Também é proposta deste projeto a certificação dos produtos desenvolvidos, buscando o atendimento de normas de nível internacional e a homologação para exportação. Um dos problemas relacionado com o desenvolvimento do projeto está relacionado com o desenvolvimento técnico de recursos humanos e a dificuldade com os altos custos envolvidos na certificação dos produtos. Funttel - Relatório de Gestão /22

9 Demonstrativo Financeiro ARRE Projetos aprovados TOTAL VALOR PAGO VALOR PAGO SALDO VALOR DONDA APROVADO ATÉ COMO RAP PAGO A PAGAR Agente Financeiro FINEP PELO CGF 2004 DE Aceleração do Plano de Crescimento da empresa , , ,65 0,00 Desenvolvimento de Equipamentos de Acesso , ,00-214,44 (0,00) ,55 Óptico e Correlatos Redes de Comunicações Industriais , , ,00-97,22 (0,00) Pesquisa e desenvolvimento de sistemas para transmissão , ,00-36,40 0, ,00 de TV Digital Desenvolvimento de Produtos: Multiplexadores e , , ,00 Modem Rádio (Digitel) Remuneração ao Agente Financeiro pago ,00 - indevidamente neste ação TOTAL , , , , , ,00 Ação 6522: Remuneração a AF nas ações de Financiamento VALOR Projetos aprovados 3% S/ Projetos VALOR PAGO VALOR PAGO SALDO PAGO A Aprovados ATÉ COMO RAP ERRADO NA PAGAR pelo CGF 2004 DA AÇÃO 0505 AÇÃO Remuneração ao Agente - - Financeiro (3%) - Projetos - - Financiamento BNDES - Remuneração ao Agente ,39 Financeiro (3%) - Projetos , , ,26 Financiamento Finep 3.752,34 TOTAL , , , , ,34 Funttel - Relatório de Gestão /22

10 4.2 - Fomento a Projetos de Desenvolvimento de Tecnologias Inovadoras em Telecomunicações Principais Projetos: Sistema de reconhecimento Automático de Voz em Português e Espanhol - ASR Instituição Executora: Genius Instituto de Tecnologia Este projeto tem como objetivo desenvolver um sistema de reconhecimento automático de voz para português brasileiro e espanhol latino-americano, embarcado em um circuito integrado do tipo FPGA e capaz de reconhecer palavras com taxa de acerto de 95%. Aprovado na 10ª RE, de 23/10/02 Valor Total: R$ ,40 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/2005: Planejado 100%; Realizado 83% Giga 1 Rede Experimental de Alta Velocidade Instituição Executora: Fundação CPqD Aprovado na 8ª Ro, de 13/11/02 Valor Total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,33 Posição Física em Dez/05: Planejado 91%; Realizado 73% Este projeto tem como objetivo Desenvolver tecnologias de redes e de serviços de telecomunicações voltadas para aplicações de banda larga, suportadas por protocolo IP diretamente sobre uma rede óptica de múltiplos comprimentos de onda (tecnologia DWDM). Espera-se também envolver empresas brasileiras e instituições de P&D a fim de capacitar as empresas em tecnologias competitivas. Um outro objetivo deste projeto seria implantar e usar a Rede Experimental de Alta Velocidade (Rede GIGA) como plataforma de testes para verificação de desempenho de protótipos de equipamentos, de serviços e de protocolos. Algumas metas como especificar e desenvolver ferramentas de avaliação e medida da taxa de uso durante os testes, sofreu atraso no seu cumprimento pois o sistema de gerência contém as ferramentas para avaliação e medida, mas a implantação do sistema está atrasada porque depende de um detalhamento das necessidades dos usuários, em fase de elaboração. Devido ao atraso na assinatura dos Contratos P&D com as Universidades e dificuldade na integração dos esforços na integração dos módulos de SW desenvolvidos pelos diferentes grupos de P&D universitários, a meta de Funttel - Relatório de Gestão /22

11 desenvolvimento de protótipos de interfaces de gerência e protocolos de comunicação sofreu atraso. ASGERA - Aplicações, Sistemas de Gerência e Equipamentos para Redes de Acesso Instituição Executora: Fundação CPqD Aprovado na 9ª RE, de 15/08/02 Valor Total: R$ ,24 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 86,6% O principal objetivo deste projeto é desenvolver soluções para uma rede de banda larga baseada em tecnologia TDM e Ethernet. O projeto procurará desenvolver novos Elementos de Rede que facilitem a interconexão entre Redes de Acesso TDM, Redes de Acesso Ethernet e Redes backbone legadas, desenvolver os Sistemas de Gerência dos Elementos de Rede permitindo a operação, manutenção, configuração e aprovisionamento dos diversos elementos de rede, desenvolver Sistemas de Gerência de Qualidade de Rede de modo a permitir que as empresas operadoras avaliem a qualidade e disponham de informações que permitam eliminar falhas e perdas de receita Ao final do projeto espera-se que Novos Elementos de Rede (Modems PDH, Multiplexadores de Voz e Dados, Multiplexadores SDH tipo add-drop, Conversores de Meios, etc) sejam desenvolvidos, o Sistema de Gerência de Qualidade de Rede (Horus) esteja disponível. Os projetos de desenvolvimento permitirão que a AsGa aumente a sua capacidade de geração de tecnologia, diversificando a linha de produtos aumentando também a sua participação no mercado internacional. O Projeto ASGERA é um projeto de desenvolvimento de produtos (Hardware, Software, Firmware, Empacotamento Eletro-Mecânico). Devido à evolução do mercado a ser atendido, é necessário rever constantemente os requisitos exigidos e, quando necessário, rever o projeto para evitar desenvolver produtos que não venham a ter sucesso no mercado. Qualificação de Produtos de Telecomunicações Instituição Executora: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Aprovado na 12ª RO, de 03/12/02 Valor Total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,91 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 90% Funttel - Relatório de Gestão /22

12 O projeto visa atualizar e cobrir as deficiências da capacitação tecnológica do país, no que tange ao desenvolvimento e qualificação de satélites de comunicações e de desenvolvimento e certificação de produtos/sistemas de telecomunicações. Este projeto está associado ao Projeto de Extensão do LIT de ampliação dos meios de testes para ensaios de compatibilidade eletromagnética e de sistemas de telecomunicações. Como resultado espera-se a aquisição de um conjunto de Sistema/Equipamentos para Testes de Telecomunicações (atende Requisitos Anatel/INPE), aquisição conjunto Sistema/Equipamentos para Testes de Emissão Irradiada/Conduzida, aquisição conjunto Sistema/Equipamentos para Testes de Imunidade/Conduzida e a aquisição de Sistemas de Medida de SAR e Software de simulação. Neste momento não existem metas em atraso neste projeto. Pesquisa e Desenvolvimento de Sistemas de Transmissão para TV Digital Instituição Executora: Fundação Instituto Nacional de Telecomunicações Capacitar recursos humanos e desenvolver tecnologia para produção local de equipamentos para a transmissão digital de sinais de TV, no padrão a ser estabelecido pela Anatel. Formação de mão de obra especializada na nova tecnologia, bem como a exportação de produtos para sistemas de transmissão de TV Digital, uma vez que equipamentos similares com tecnologia analógica já vem sendo exportados, principalmente para a América Latina pela LINEAR EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS S.A. Aprovado na 11ª RE, de 10/12/02 NÃO FOMENTADO NO EXERCÍCIO Convergência em Telecomunicações (Projeto Trópico) Instituição Executora: Fundação CPqD Aprovado na 10ª RO, de 24/06/03 Valor Total: R$ ,85 Fomentado no Exercício: R$ ,99 Posição Física em Dez/05: Planejado 82%; Realizado 82% O objetivo do projeto é desenvolver um conjunto de produtos e soluções para acesso a serviços de dados, voz e imagem, em um ambiente de redes convergentes permitindo a convivência com as tecnologias hoje utilizadas na RTPC (Rede de Telefonia Pública Comutada). Os produtos e soluções abrangem diferentes campos de aplicação tais como: controle de chamada, acesso integrado, servidores de mídia, serviço de valor adicionado e gerência de rede. Além disso, esse projeto também tem por objetivo a Funttel - Relatório de Gestão /22

13 concepção de uma rede NGN Next Generation Network (Rede de Próxima Geração), aderente a paradigmas de desenvolvimento do estado da arte, assegurando, a uma família de produtos a serem desenvolvidos ao longo do projeto, evolução tecnológica e competitividade. Desenvolvimento de supressor de tensão a silício para Telecomunicações Instituição Executora: Fundação de Desenvolvimento da Unicamp Aprovado na 13ª RO, de 03/03/03 Valor total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Não informado pelo Executor. O objetivo do projeto é o desenvolvimento de supressor de tensão a silício para Telecomunicações. Espera-se alcançar o domínio do processo de produção. No terceiro trimestre de 2004 não houve gastos com recursos do projeto tendo em vista que a primeira liberação chegou apenas em 21 de setembro de 2004, ao final do trimestre. Os gastos realizados foram apenas com recursos de contrapartida, salário e encargos dos envolvidos na Aegis e na UNICAMP. Pesquisa e desenvolvimento de mecanismos de segurança, gerenciamento, planejamento e qualidade de serviço da rede de dados, voz e vídeo dos órgãos do Ministério da Justiça Instituição Executora: Fundação CPqD Aprovado na 12ª RO, de 03/12/03 Valor total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 90% Este projeto propõe a pesquisa e o desenvolvimento de arquiteturas e mecanismos para o suporte na operação, segurança e planejamento da rede nacional do sistema de segurança pública brasileiro. São propostas duas linhas de pesquisa: gerência de rede, incluindo segurança, integração da gerência de falha e gerência de QoS, e gestão de técnicas de planejamento e otimização de rede. Para a viabilização da pesquisa, é necessário o levantamento das redes atuais e o projeto para a interligação destas. Satélite Geoestacionário Brasileiro Instituição Executora: Fundação Casimiro Montenegro Filho Funttel - Relatório de Gestão /22

14 Aprovado na 12ª RE, de 23/10/03 Valor total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 79% Executar a fase de definição do Programa Satélite Geo-estacionário Brasileiro, que inclui a definição final da carga útil; da participação da indústria nacional no projeto; dos segmentos terrestres de telecomunicações, telecomando e navegação DGPS; das posições orbitais; dos sensores meteorológicos embarcados e sua estrutura de telecomunicações; e estudos de influência da ionosfera nas comunicações GPS. Estes satélites, de interesse do Ministério da Defesa, do Ministério das Comunicações e de vários outros Órgãos do Governo Federal acarretarão uma diminuição na necessidade de aluguel de canais de satélite de terceiros. O investimento feito retornará a longo prazo através da economia na contratação de serviços de terceiros. Desenvolvimento de Software para Aplicação de Produtos de Informática e Automação Instituição Executora: Fundação de Ensino da Engenharia em SC Aprovado na 9ª RE, de 15/08/02 Valor total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 96% O objetivo é desenvolver soluções em software para aplicação em produtos de informática e automação no segmento de telecomunicações. Giga 2 Rede Experimental de Alta Velocidade Instituição Executora: Associação Rede Nac. de Ens. e Pesq. RNP O objetivo do projeto é desenvolver tecnologias de redes e de serviços de telecomunicações voltadas para o novo conceito de serviços e aplicações de banda larga, suportadas por protocolo IP diretamente sobre uma rede óptica de múltiplos comprimentos de onda (DWDM). Este projeto deverá necessariamente envolver empresas brasileiras e instituições de P&D gerando protótipos de produtos e serviços; transformar tecnologias em valor para as empresas brasileiras; validar os resultados integrando as diferentes tecnologias numa Rede Experimental; fomentar o desenvolvimento tecnológico; e demonstrar novos serviços de Internet para Telecomunicações O atraso na assinatura dos contratos de cessão de fibras apagadas com as operadoras de telecomunicações, impossibilitou a liberação da 2ª. parcela do Funttel - Relatório de Gestão /22

15 financiamento. Esta não-liberação impediu a realização da chamadas para subprojetos e a subseqüente contratação para o atender das metas. Os contratos com terceiros (P.J.) atrasaram devido ao grande número de subprojetos aprovados (33) e as necessidades/considerações específicas de cada instituição a ser contratada (pública e privada). NÃO FOMENTADO NO EXERCÍCIO Aprovado na 8ª RO, de 13/11/02 Posição Física em Dez/05: Planejado 91%; Realizado 55% Sistema Brasileiro de Televisão Digital Instituição Executora: Diversos Aprovado na 15ª RE, de 22/07/04 Valor total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,45 Posição Física em Dez/05: Não informado pelo Executor. As pesquisas visam a geração e fixação de conhecimento com relação aos padrões existentes; aprimoramento das tecnologias para adequação aos objetivos do governo; geração de especificações técnicas; desenvolvimento de tecnologias inovadoras no campo de transmissão, como por exemplo, antenas inteligentes; formação e capacitação de pesquisadores na área de televisão digital; enfim, conhecer como funciona a caixa preta. Por último e não menos importante, os estudos aumentam o poder de barganha do governo brasileiro para negociar a adoção dos diversos padrões ou sistemas, pois saberá como cada um deles funciona e quais são as suas limitações. Rhodes Sistema de Telemetria e Geo-referenciamento Instituição Executora: CTA Aprovado na 16ª RO, de 15/12/04 Valor Total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Posição Física em Dez/05: Não informado pelo Executor. O objetivo do projeto é desenvolver um protótipo de uma plataforma MODULAR de monitoramento e controle global, com georeferenciamento gráfico embarcado. O produto compõe-se de um sistema híbrido de monitoramento satelital/celular/redes terrestres completo, de origem nacional, que pode acionar sistemas e comunicar pontos múltiplos, nas mais variadas condições, localmente ou a distância, através de qualquer meio de transmissão e em todo o território Funttel - Relatório de Gestão /22

16 brasileiro. Módulos: 1) Equipamento base de comunicação; 2) Receptor GNSS múltiplo; 3) Antenas especiais para comunicação satelital; 4) Servidor de Aplicação e banco de dados com comunicação bi-direcional; 5) Central de Operações com sistema GIS-Embarcado; O objetivo secundário é conhecer o estado da arte no exterior. Plataforma Educacional e de Serviços Integrados para Surdos - VIASKA Instituição Executora: Instituto UNDL Valor Total: R$ ,00 Fomentado no Exercício: R$ ,00 Aprovado na 16ª RO, de 15/12/04 Posição Física em Dez/05: Não informado pelo Executor. Contribuir para que a comunidade surda possa ter acesso a oportunidades de capacitação/formação e a meios de comunicação, que lhes permitam capacitar-se, interagir e colaborar exercendo plenamente sua cidadania. Para tanto, prevê-se o desenvolvimento de uma plataforma educacional e de serviços integrada para surdos, seu grupo de apoio e para os profissionais que atuam na sua educação, a plataforma VIAS-KA. Graças a tecnologia utilizada (Universal Network Language), os usuários dessa plataforma poderão, futuramente, também fazer contatos internacionais expressando-se a partir da LIBRAS. Funttel - Relatório de Gestão /22

17 Demonstrativo Financeiro Funttel - Relatório de Gestão /22

18 4.3 - Fomento a Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações na Fundação CPqD Projetos: Segurança em Informação e Comunicação Desenvolver soluções tecnológicas para segurança das comunicações (voz, dados, móveis, rádio); e desenvolver soluções de segurança de gestão inteligente das informações e conhecimento. Convênio MC/CPqD nº 007/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 60%; Realizado 42% Telecomunicações e seus Impactos na Saúde e no Meio-Ambiente Desenvolver estudos e tecnologia para monitoração e redução do impacto das radiações eletromagnéticas na população brasileira; e desenvolver ferramenta para gestão do impacto ambiente causado por produtos de telecomunicações. Convênio MC/CPqD nº 009/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 51%; Realizado 37% Sistema Brasileiro de Televisão Digital SBTVD Apresentar um modelo de referência a ser adotado como o modelo de televisão digital no Brasil; realizar estudos técnico-econômicos de viabilidade para as tecnologias e soluções consideradas no modelo de referência; subsidiar o Ministério das Comunicações e o Governo Federal nas suas decisões a respeito da questão TV digital terrestre ; e disponibilizar o conhecimento gerado no decorrer do projeto para os diversos agentes envolvidos Governo, emissoras, indústrias, empresas de software e de serviços. Convênio MC/CPqD nº 002/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado: sem posição Cenários Tecnológicos de Telecomunicações Servir como suporte à tomada de decisões que promovam o processo de inovação tecnológica no País na área de Telecomunicações, indicando, à luz de condicionantes sociais, políticas e econômicas, quais os temas mais relevantes para a pesquisa e desenvolvimento tecnológico no País e o potencial de sua produção local. Convênio MC/CPqD nº 003/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 52%; Realizado 33% Redes Ad Hoc Sem Fio Desenvolver tecnologia de rede sem fio baseada em arquitetura Ad Hoc que suporte voz e dados, visando: i) arquitetura de rede; ii) elemento de rede, terminais e dispositivos; iii) sistema de supervisão, provisionamento e gerência da rede; e iv) modelo de prestação de serviço e regulatório. Funttel - Relatório de Gestão /22

19 Convênio MC/CPqD nº 004/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 68%; Realizado 53% Redes de Chaveamento de Pacotes Ópticos Desenvolver tecnologia de rede de chaveamento no domínio óptico visando: i) arquitetura; ii) subsistemas de roteamento dinâmico; e iii) implementação do plano de controle. Convênio MC/CPqD nº 006/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 100% Gerência de Recursos e Serviços para Redes Ópticas i) desenvolver sistema integrado e componentizado de gerência e supervisão de recursos e serviços da rede externa e interna em Rede Óptica e Interoperação com redes de cabos coaxiais e pares metálicos; e ii) integrar os componentes de supervisão, cadastro e gerência da rede numa única infra-estrutura computacional e unificação de banco de dados. Convênio MC/CPqD nº 008/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 33% Sistema Global de Suporte a Operação e Negócio de Empresas de Telecomunicações Desenvolver sistema integrado e componetizado em tecnologia Java com funcionalidade de faturamento, atendimento a cliente, gerência de facilidades, gerência de cadastro e pendências; e integrar os componentes visando única interface, unificação de bancos de dados, monitoração completa do fluxo de serviços e única infra-estrutura computacional. Convênio MC/CPqD nº 005/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 100%; Realizado 100% Projeto Soluções de Telecomunicações para Inclusão Digital STID Propor soluções tecnológicas de rede, convergindo voz e dados a baixo custo; mostrar a viabilidade técnica e econômica para atendimento de comunidades de baixo poder aquisitivo; e soluções tecnológicas que permitam novos atores no mercado de telecomunicações. Convênio MC/CPqD nº 001/2005 Posição Física em Dez/05: Planejado 42,72%; Realizado 19,85% Funttel - Relatório de Gestão /22

20 Demonstrativo Financeiro Funttel - Relatório de Gestão /22

21 5 - Demonstração Orçamentária e Financeira A execução orçamentária e financeira do Funttel foi realizada em conformidade com sua lei de criação, decreto de regulamentação, resolução do Conselho do Fundo, bem como em estrita observância à legislação orçamentária e financeira. PROGRAMAS DOTAÇÃO 2005 Realizado Saldo de Dotação Gestão Administrativa do Programa , ,00 Fomento a Projetos Finep, BNDES , , ,30 Capacitação de Recursos Humanos , ,00 Fomento a Pesquisa CPqD , , ,00 Remuneração a Instituições Financeiras , ,00 Subtotal , , ,30 Financiamento a Projetos , , ,00 TOTAL , , ,30 Reserva de Contingência , ,00 TOTAL GERAL , , , Arrecadação Os rendimentos provenientes das aplicações financeiras dos recursos do Fundo na Conta Única do Tesouro Nacional foram positivas. Até 31/12/05 os rendimentos atingiram o valor de R$ ,34. (Cinqüenta e dois mil, oitocentos e oitenta e dois mil reais, novecentos e noventa e seis reais e quarenta e sete centavos). A arrecadação oriunda das contribuições das empresas prestadoras de serviços de telecomunicações foi de R$ ,88 apresentando uma média mensal de R$ 18,1 milhões. Funttel - Relatório de Gestão /22

22 5.2 - Resumo Financeiro Contribuição das Empresas de Telecomunicações/STN ,88 Rendimentos de Aplicações Financeiras ,34 Receita no Exercício ,22 Saldo de 2005 na Conta Única ( , ,34) ,94 Total de Recursos ,16 Apesar do volume de recursos demonstrado no quadro acima, a situação financeira das receitas do Fundo está longe da realidade orçamentária vivida pelos envolvidos no programa. Os valores de movimentação e empenho recebidos pelo Ministério das Comunicações impossibilita o atendimento dos compromissos assumidos pelo Conselho Gestor e prevemos uma situação ainda mais complicada no exercício 2006 conforme demonstra o quadro abaixo: Ações Gestão Administrativa do Programa Fomento a Projetos Finep, BNDES Capacitação de Recursos Humanos Fomento a Pesquisa CPqD Remuneração a Instituições Financeiras Compromissos Assumidos Perspectiva de Novos Projetos para 2006 LOA Déficit para o Exercício , , ,00 0, , , , , ,00 0, , ,00 0,00 0, , ,00 0, , ,00 0,00 T O T A I S , , , ,00 Tito Cardoso de Oliveira Neto Presidente do Conselho Gestor do Funttel Carlos Magno Chaves Brandão Secretário Executivo do Funttel Funttel - Relatório de Gestão /22

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE JULHO A SETEMBRO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, em cumprimento à recomendação do Comitê

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições e considerando o disposto na Lei nº 10.933, de 11 de agosto de 2004, que dispõe sobre o Plano Plurianual

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre adequação da Lei nº 1.253, de 12 de abril de 1996 que instituiu o Conselho de Alimentação Escolar do Município de Ananindeua, e dá outras providências.

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD

2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009. Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica ENITEE 2009 Marco Antonio Ongarelli Gestão da Inovação - CPqD O CPqD Instituição, focada na inovação com base nas tecnologias

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO LEI N. 1.598, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2004 Institui a Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre decreta

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO RESOLUÇÃO N.º 410, de 11 de julho de 2005 da ANATEL D.O.U. de 13/07/2005. INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES DE INTERESSE

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL Presidência da República Casa Civil da Presidência da República TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL 1 1. Introdução O Comitê Gestor da ICP-Brasil (CG ICP-Brasil) é a entidade

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 05/2015 Cria a Superintendência de Comunicação Social (SCS) da UFPB, Órgão Auxiliar vinculado à Reitoria da UFPB

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Portal dos Convênios

Portal dos Convênios Portal dos Convênios Um novo paradigma nas transferências voluntárias da União Carlos Henrique de Azevedo Moreira Brasília, junho de 2009 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Apresentação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores,

MENSAGEM 055/2015. Senhor Presidente, Senhores Vereadores, MENSAGEM 055/2015 Senhor Presidente, Senhores Vereadores, É com elevada honra que submeto à apreciação de Vossas Excelências e à superior deliberação do Plenário dessa Augusta Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007

POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Extrato de Programação de POA Emitido Em 19/12/2007 13:15:45 POA 2007 - TCE/MA De 01/01/2007 a 31/12/2007 Identificação Tipo: Projeto Nº de revisão: 1 Última modificação em: 06/03/2007 Setor Responsável:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais