0422 PROFESSOR DE LIBRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0422 PROFESSOR DE LIBRAS"

Transcrição

1 PORTUGUÊS QUESTÃO 01 Leia a tira: O diálogo entre Calvin e sua colega de classe é baseada no uso de pronomes. É correto afirmar que: A) O que no primeiro balão é classificado como pronome relativo; B) É possível identificar em toda a tirinha apenas o emprego de pronomes pessoais; C) Há, em um dos balões, um desvio de concordância em relação a um dos pronomes; D) No último quadrinho há um pronome indefinido; E) A expressão do Calvin no último quadrinho expressa entusiasmo. O texto a seguir servirá de base para as questões 02 e 03 "Pombo-correio leva celular para presos" A polícia da cidade paulista de Sorocaba apreendeu nas imediações da penitenciária Danilo Pinheiro dois pomboscorreios que carregavam peças de telefones celulares. O primeiro foi capturado por um agente penitenciário que achou o corpo da ave, pousada num fio elétrico, volumoso demais. Os pombos-correios sempre voltam ao lugar onde nasceram - por isso, a polícia acredita que eles tenham nascido na prisão e foram treinados fora dela para transportar, da rua para dentro dos muros, celulares e chips. (Fonte: Revista IstoÉ) QUESTÃO 02 Após a leitura do texto, não é possível afirmar apenas o que se diz em: A) O fato de os pombos voltarem sempre ao local onde nasceram é imprescindível para que eles realizassem tal atividade; B) O volume do corpo do pombo foi a característica que despertou a curiosidade que resultou na apreensão; C) O treinamento dos pombos no interior da penitenciária era realizado desde o nascimento das aves; D) O principal objetivo da faceta dos presidiários era garantir a comunicação fora dos muros da penitenciária; E) É possível afirmar que mais de uma ave foi capturada. QUESTÃO 03 Considere os seguintes itens: I. A expressão por isso é um elemento de coesão que denota conclusão; II. Os substantivos penitenciária e penitenciário estão, respectivamente, flexionados no feminino e no masculino para obedecer às regras de concordância nominal; III. O primeiro período do texto é formado por uma oração principal e uma oração subordinada adjetiva. Está(ão) correto(s) apenas: A) I e III; B) I; C) I, II e III; D) I e II; E) II. Página 1 de 14

2 Texto para as questões 04 e 05 Cambaio Chico Buarque Eu quero moça que me deixe perdido Procuro moça que me deixe pasmado Essa moça zoando na minha ideia Eu quero moça que me deixe zarolho Procuro moça que me deixe cambaio Me fervendo na veia Desejo a moça prestes A transformar-se em flor A se tornar um luxo Pro seu novo amor Moça que vira bicho Que é de fechar bordel Que ateia fogo às vestes Na lua-de-mel Eu quero moça que me deixe maluco Moça disposta a me deixar no bagaço Essa moça zanzando na minha raia Eu quero moça que me chame na chincha Com sua flecha que me crave um buraco Na cabeça e não saia [...] QUESTÃO 04 O texto em questão é uma canção, mas sua construção lembra um outro gênero textual. Qual? A) Bilhete; B) Anúncio; C) Carta; D) Propaganda; E) Crônica. QUESTÃO 05 O eu-lírico particulariza a moça que ele procura, esse detalhamento é pautado no(a): A) Disposição das orações substantivas predicativas; B) Constante uso de orações coordenadas explicativas; C) Grande quantidade de orações adjetivas explicativas; D) Disposição das orações absolutas; E) Grande quantidade de orações adjetivas restritivas. QUESTÃO 06 O uso dos recursos da linguagem está presente em tudo o que é falado ou escrito. Com os temas e assuntos que rodeiam o futebol, esporte de maior destaque no cenário mundial, não é diferente, pois constantemente pode-se observar o empregos de expressões metafóricas, que tem o objetivo de transpor o sentido próprio de uma palavra ou expressão para um sentido figurado. Das expressões dispostas a seguir, qual é um exemplo de metáfora utilizada na linguagem do futebol? A) João ficou morrendo de raiva quando seu time perdeu o jogo da semifinal; B) A seleção canarinho venceu mais uma partida; C) Hoje vamos estraçalhar nossos adversários; D) Aqueles jogadores, só porque estão ganhando, ficam fazendo cera; E) O rei do futebol esteve presente na cerimônia de encerramento das olimpíadas de Londres. Leia o poema para responder as questões 07 e 08: Soneto XIII - da obra Via-Láctea Olavo Bilac "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite, enquanto A via láctea, como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, Inda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: "Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?" E eu vos direi: "Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas." QUESTÃO 07 Assinale o item em que há erro na indicação da função sintática do termo destacado: A) E abro as janelas, pálido de espanto predicativo do sujeito; B) Direis agora: Tresloucado amigo! adjunto adnominal; C) Inda as procuro pelo céu deserto adjunto adverbial; D) A via láctea, como um pálio aberto, Cintila sujeito; E) E eu vos direi: Amai para entendê-las! objeto indireto. Página 2 de 14

3 QUESTÃO 08 Das análises linguísticas em relação ao poema, assinale a que não é correta: A) O verbo dizer no primeiro verso está conjugado na 2ª pessoa do plural. No futuro do presente do indicativo; B) A conjunção no entanto, do segundo verso, é adversativa; C) As palavras saudoso e em pranto localizadas no terceiro verso da segunda estrofe, exercem a função de aposto e se relacionam ao substantivo sol ; D) A conjunção pois na última estrofe é explicativa, justifica o fato de o eu lírico conversar com as estrelas; E) O verbo amar na última estrofe está conjugado na segunda pessoa do plural do imperativo afirmativo. QUESTÃO 09 O novo acordo ortográfico trouxe mudanças na norma padrão da linguagem. Qual das alternativas abaixo não é uma inovação trazida com o novo acordo? A) O nosso alfabeto, que antes era composto de 23 letras, agora possui 26, pois foram introduzidas as letras K, Y, W; B) As palavras proparoxítonas, todas elas, recebem acento gráfico; C) Os ditongos abertos em palavras paroxítonas não são mais acentuados. Exs: assembleia, ideia; D) Não há mais o acento diferencial. Agora precisamos reconhecer a palavra, que antes era diferenciada de outra igual pelo acento, através do contexto; E) Os verbos referentes à terceira pessoa do plural, terminados em (ee) e o hiato (oo) não são mais acentuados. Como por exemplo: enjoo, voo, que antes era acentuado, agora não é mais. Anotações QUESTÃO 10 Observe as afirmações a respeito da escrita das correspondências oficiais: I. O memorando é um tipo de comunicação eminentemente interna estabelecida entre as unidades administrativas de um mesmo órgão, de níveis hierárquicos iguais ou distintos; II. O ofício é uma correspondência expedido por órgãos públicos que contém matéria administrativa ou social, cujo destinatário tem que ser um órgão público; III. A impessoalidade, uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e uniformidade são características essenciais da Redação Oficial; IV. Um relatório é um conjunto de informações utilizado para reportar resultados parciais ou totais de uma determinada atividade, experimento, projeto, ação, pesquisa ou outro evento que esteja finalizado ou em andamento. São verdadeiras apenas as afirmações: A) I, II, e IV; B) I e III; C) III e IV; D) I, III e IV; E) I, II, III, IV. RACIOCÍNIO LÓGICO QUESTÃO 11 Dois jovens, Pedro e Gabriel, estão numa comemoração natalina. André, patrão de Pedro, pergunta se Gabriel é seu irmão e Pedro responde: O pai desse cavalheiro que está comigo é filho único de meu pai. Podemos concluir que Gabriel é: A) Irmão de Pedro; B) Filho de Pedro; C) Tio de Pedro; D) Pai de Pedro; E) Sobrinho de Pedro. QUESTÃO 12 O texto abaixo é um fragmento da música Cartaz cantada pela dupla Jorge e Mateus. Amanhã tudo pode acontecer Hoje a nossa vida é pequena Amanhã tudo pode anoitecer Se você vem comigo eu não choro mais Quando se escreve Se você vem comigo eu não choro mais é o mesmo que dizer que: A) Se você não vier comigo então continuarei chorando; B) Se você vier comigo continuarei chorando; C) Se eu não choro mais então você veio comigo; D) Se eu não choro mais então você não veio comigo; E) Se eu continuo chorando então você não veio comigo. Página 3 de 14

4 QUESTÃO 13 Um pai disse à filha: Sua mãe vai ao shopping ou você vai à praia. A negação dessa afirmação é: A) Sua mãe vai ao shopping e você vai à praia; B) Sua mãe vai ao shopping e você não vai à praia; C) Sua mãe não vai ao shopping e você vai à praia; D) Sua mãe não vai ao shopping e você não vai à praia; E) Sua mãe não vai ao shopping ou você não vai à praia. QUESTÃO 14 Considere duas proposições p e q de modo que p seja verdadeira e q seja falsa. Das proposições abaixo assinale aquela que possui valor lógico verdadeiro. QUESTÃO 15 Numa prateleira há 4 garrafas brancas e 4 garrafas verdes, todas iguais diferindo apenas na cor. O número de modos diferentes de enfileirar essas garrafas na prateleira é: A) 16; B) 64; C) 70; D) 256; E) 324. A) p q; B) p q; C) p q; D) p q; E) p q. ATUALIDADES QUESTÃO 16 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 teve variação de 0,38% em junho, divulgou nesta sexta-feira, 21/junho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Além deste, a inflação brasileira é medida por vários outros índices. As afirmações abaixo referem-se a alguns deles. I. Índice Geral de Preços - calculado pela Fundação Getúlio Vargas (doravante FGV). É uma média ponderada do índice de preços no atacado (IPA), de preços ao consumidor (IPC) no Rio de Janeiro e São Paulo, e do custo da construção civil (INCC). Usado em contratos de prazo mais longo, como aluguel; II. Índice de Preços por Atacado - batizado de Índice de Preços ao Produtor Amplo, é calculado pela FGV com base na variação dos preços no mercado atacadista; III. Índice Geral de Preços do Mercado - também produzido pela FGV, com metodologia igual à utilizada no cálculo do IGP-DI. A principal diferença é que, enquanto este abrange o mês fechado, o IGP-M é pesquisado entre os dias 21 de um mês e 20 do mês seguinte. Assinale a opção correta: A) São verdadeiras as afirmações I, II e III; B) Somente a afirmação I é verdadeira; C) Somente a afirmação II é verdadeira; D) Somente a afirmação III é verdadeira; E) Todas as afirmações são falsas. Página 4 de 14

5 QUESTÃO 17 "O mais importante é que a galera não está indo por partido e sim cada um por si. A frase é da estudante Jéssica Loyola, 22, que na última quarta-feira, 19/junho, se encaminhava para o protesto em Fortaleza. Se em outros momentos de efervescência política no Brasil as siglas partidárias tomaram a frente do processo, dessa vez elas foram deixadas à margem pelos próprios cidadãos. (Fonte: Jornal O Povo, 21/06/2013). Sobre os partidos políticos brasileiros NÃO é correto afirmar: A) O golpe militar de 1964 iniciou a quinta fase partidária, com o bipartidarismo, que segundo alguns teria sido "uma admiração ingênua do Presidente Castello Branco pelo modelo britânico" e segundo outros teria sido uma "mexicanização"; B) Os partidos políticos no Brasil têm suas origens nas disputas entre duas famílias paulistas, a dos Pires e a dos Camargos. Verdadeiros bandos, com o uso da força e da violência, eles formaram os primeiros grupos políticos rivais; C) Rede Sustentabilidade (REDE) é um partido político brasileiro fundado pela ex-ministra, ex-senadora Marta Suplicy. Foi fundado em 2013, num encontro, batizado de Encontro Nacional da Rede Pró Partido, que aconteceu em Brasília; D) Trinta e nove agremiações, como Movimento Integralista Brasileiro (MIB), Liga Bolchevique Internacionalista (LBI) e Partido Comunista Revolucionário (PCR), esperam pela aprovação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para se tornarem partidos. Se todos forem aprovados, o Brasil passará a ter 58 legendas; E) Em decisão individual, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a paralisação da tramitação de um projeto de lei que impõe amarras à criação de novos partidos políticos. A manifestação do magistrado, atendeu a um mandado de segurança impetrado pelo senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). QUESTÃO 18 O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (quer sejam países, estados ou cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. (Fonte: Wikipédia) Analise as afirmações abaixo: I. No Brasil, o cálculo do PIB é feito exclusivamente pela Fundação Getúlio Vargas, instituição federal subordinada ao Ministério do Planejamento; II. Confirmando as previsões de especialistas, o Brasil recebeu a confirmação no início de junho de que sua economia está em estado de recessão. Isso significa que, durante dois trimestres consecutivos, o valor do Produto Interno Bruto regrediu; III. Para se chegar ao PIB per capita de uma região, basta dividir o valor PIB pelo número de habitantes dessa área em estudo. Assinale a opção correta: A) São verdadeiras as afirmações I, II e III; B) Somente as afirmações II e III são verdadeiras; C) Somente as afirmações I e III são verdadeiras; D) Somente a afirmação III é verdadeira; E) Todas as afirmações são falsas. Página 5 de 14

6 QUESTÃO 19 Assinale a opção que contém erros nas informações apresentadas sobre os pontos turísticos de nosso Estado: A) Museu da Cachaça - localizado no município de Maranguape, o museu atrai turistas vindos de todo o país que buscam saber como é realizado o processo de um dos produtos regionais mais procurado no Nordeste, a cachaça. É uma oportunidade para conhecer um pouco mais sobre a cultura cearense, visitar prédios históricos e passear nas charretes que circulam nos locais; B) O Parque nacional de Ubajara - possui 563 hectares, é considerado o menor do Brasil, mas de uma beleza exuberante de encher os olhos de quem o visita. Uma das riquezas do lugar é a Gruta de Ubajara, conhecida desde o início do século XVIII, quando os portugueses realizaram expedições na região em busca de minérios, especialmente prata. Hoje, intensamente visitada por turistas brasileiros e estrangeiros, a gruta tem 1.120m de extensão, dos quais 420m estão abertos ao público com o acompanhamento de guias; C) Canoa Quebrada - localizada em uma região privilegiada na América do Sul, aproximadamente a 3º da linha do Equador, possui um clima estável, entre 27 C e 30 C durante todo o ano. Tem sim alguns meses de chuva que alcança para abençoar as praias com magníficos coqueiros, falésias, lagoas que nos surpreendem entre as enormes dunas de areia. Durante o decorrer do ano, o céu resplandece em um azul invejável e seus moradores sorriem com a satisfação de quem sabe ser dono de um pequeno paraíso. A origem desta antiga vila de pescadores foi no ano mil seiscentos e cinquenta, localizada no município de Aracati; D) Assentada no alto da Colina do Horto, o monumento em homenagem a Padre Cícero, tem 65 metros de altura - o equivalente a um prédio de 20 andares -, merece visita até mesmo de quem não é seu devoto. Dali se tem uma ótima vista para a cidade e da chapada do Araripe. No local há um pequeno museu e uma capela; E) O Parque do Cocó é um oásis no meio dos arranha-céus de Fortaleza. O Parque Ecológico do Rio Cocó foi criado em 1989 e é uma área de conservação, um parque estadual da vida natural. Tem esse nome devido ao rio que forma o bioma de mangue, o rio Cocó. O rio nasce em Pacatuba ainda pequeno e aí é chamado de riacho Pacatuba, mais adiante, passa a ser o riacho Gavião. Somente após o bairro Ancuri, o riacho recebe a denominação de Rio Cocó, onde dá início ao Parque. QUESTÃO 20 Assinale a única opção INCORRETA: A) O economista Guido Mantega assumiu o Ministério da Fazenda em Antes, no governo do presidente Lula, foi ministro do Planejamento e presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mantega se classifica como um social-desenvolvimentista, foco que tem sido mantido tanto na carreira acadêmica como na vida pública. Sua gestão na Fazenda tem sido marcada pelas iniciativas em favor do acesso popular ao consumo e do aumento da atividade econômica; B) Joaquim Barbosa nasceu em Paracatu, noroeste de Minas Gerais. É o primogênito de oito filhos. Pai pedreiro e mãe dona de casa, passou a ser arrimo de família quando estes se separaram. Aos 16 anos foi sozinho para Brasília, arranjou emprego na gráfica do Correio Braziliense e terminou o segundo grau, sempre estudando em colégio público. Obteve seu bacharelado em Direito na Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve seu mestrado em Direito do Estado. Embora se diga que ele é o primeiro negro a ser ministro do STF, ele foi, na verdade, o terceiro, sendo precedido por Hermenegildo de Barros (de 1919 a 1937) e Pedro Lessa (de 1907 a 1921); C) Paulo Bonavides é um destacado jurista brasileiro, lecionando por três décadas na Universidade Federal do Ceará, onde é professor emérito desde Um dos constitucionalistas mais respeitados do País, é autor de (dentre várias outras obras) Ciência Política e Curso de Direito Constitucional, duas das doutrinas mais tradicionais do pensamento jurídico brasileiro; D) Médico cirurgião torácico, cardiologista e inventor de métodos e equipamentos cirúrgicos brasileiro nascido em Xapuri, no Acre, Adib Jatene é um dos mais importantes cirurgiões cardíacos da história da medicina brasileira e mundial. Dedicado e estudioso, formou-se em medicina aos 23 anos pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, fazendo residência e sua pós-graduação no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, sob a orientação do Prof. Euríclides de Jesus Zerbini ( ), pioneiro dos transplantes de coração no país; E) Francisco, nascido Jorge Mario Bergoglio é o 266º Papa da Igreja Católica e atual chefe de estado do Vaticano, sucedendo o Papa Bento XVI, que abdicou ao papado em 28 de fevereiro de É o primeiro papa nascido no continente americano, o primeiro pontífice não europeu em mais de 1200 anos e o único jesuíta da história. Arcebispo de Montevidéu desde 28 de fevereiro de 1998 e cardeal-presbítero desde 21 de fevereiro de 2001, foi eleito em 13 de março de Página 6 de 14

7 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 21 Após um período longo de lutas, a comunidade surda brasileira, viu ser oficializada a Lei Federal Nº de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Assinale a alternativa que contenha a afirmação do artigo 1º da citada lei: A) A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e outros recursos de expressão gestual a ela associados constitui-se como sendo um conjunto de gestos e mímica usados pelos surdos para se comunicarem; B) A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados é reconhecida como sendo uma segunda língua do Brasil, sendo importante apenas para os surdos e deficientes auditivos; C) A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados não deve ser reconhecida como meio legal de comunicação e expressão, devendo os surdos aprender a ler e escrever usando a Língua Portuguesa; D) A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados é reconhecida como meio legal de comunicação e expressão oriunda das comunidades surdas do Brasil; E) A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados só será reconhecida como meio legal de comunicação e expressão quando os surdos aprenderem a ler e escrever usando a Língua Portuguesa. QUESTÃO 22 Uma das primeiras pesquisadoras da língua de sinais brasileira, a Doutora em linguística, Lucinda Ferreira Brito através de seus estudos pode esclarecer vários questionamentos sobre a legitimidade das línguas de sinais. Leia assertivas abaixo e em seguida assinale a correta: A) As línguas de sinais são línguas naturais porque, como línguas orais, surgiram espontaneamente da interação gestual entre pessoas ouvintes, surdas ou com deficiência auditiva; B) As línguas de sinais são línguas naturais porque, como as línguas orais, surgiram espontaneamente da interação entre pessoas e porque, devido à sua estrutura, permitem a expressão de qualquer conceito (...) decorrente da necessidade comunicativa e expressiva do ser humano; C) As línguas de sinais não se distinguem das línguas orais porque ambas se utilizam de um meio ou canal visual-espacial e não oral auditivo; D) As línguas de sinais são tão naturais quanto às orais, entretanto na sua apresentação há um bloqueio oralauditivo, tornando-as menos acessíveis; E) As línguas de sinais e as línguas orais possuem gramáticas iguais. QUESTÃO 23 Sobre as características das línguas de sinais, assinale a alternativa em que o conceito não condiz com a característica indicada: A) A produtividade diz respeito à possibilidade de combinar unidades, de forma ilimitada, para formar novos elementos; B) A flexibilidade se refere a mobilidade visível nos diversos usos de uma língua, possibilitando falar sobre o passado, discutir, ameaçar, prometer, etc.; C) A descontinuidade diz respeito à continuidade da fala. Caso o locutor comece uma frase ele precisa terminá-la senão ela perde o sentido; D) A criatividade diz respeito à combinação de vários sinais para a produção de novos conceitos; E) Quanto à arbitrariedade, dizer que as línguas têm essa característica é dizer que as línguas são convencionadas e regidas por regras específicas, não sendo possível saber o significado de uma palavra somente pela sua forma ou representação linguística. QUESTÃO 24 Em relação aos mitos sobre a língua de sinais e comunidade surda, observe as seguintes alternativas: I. As línguas de sinais não são universais, pois cada país possui a sua língua de sinais; II. Dominar a língua de sinais é suficiente para exercer a profissão de intérprete de língua de sinais; III. O fato de ser filho de pais surdos não é suficiente para garantir que o mesmo seja considerado Intérprete de Libras; IV. As línguas de sinais possuem gramática própria e se apresentam estruturadas em todos os níveis, como as línguas orais: fonológico, morfológico, sintático e semântico. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativas: A) I, II e III; B) I, III e IV; C) II, III, IV; D) I e IV; E) I, II, III e IV. Página 7 de 14

8 QUESTÃO 25 Assinale a alternativa incorreta sobre cultura e comunidade surda: A) Surdos e ouvintes encontram-se normalmente, no mesmo espaço físico, e partilham de uma cultura ditada pela maioria ouvinte: ambos compartilham uma série de atitudes, costumes e hábitos, ou seja, aspectos próprios da cultura ouvinte, fato que torna os surdos indivíduos multiculturais; B) A cultura dos surdos está intimamente ligada à sua construção de identidade e a língua de Sinais apresenta-se como um dos principais aspectos de construção da identidade; C) A cultura dos surdos por ser constituída de um grupo pequeno de pessoas em relação aos ouvintes, é considerada uma subcultura; D) As comunidades surdas se configuram num espaço que possibilita aos surdos momentos de discussão sobre o trabalho, a vida, as questões pessoais, educação e outras; E) Cultura surda diz respeito ao jeito de o surdo entender o mundo e modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável ajustando-o com as suas percepções visuais, que contribuem para a definição de identidades. QUESTÃO 26 A palavra cultura possui vários significados. Relacionando essa palavra ao contexto de pessoas surdas, ela mostra a identidade dessas pessoas, pois se pode afirmar que os surdos têm uma forma própria de compreender e apreender o mundo que os identifica como surdos. A partir desta concepção, analise as afirmações. 1. Uma comunidade surda é um ponto de apoio político e social porque, cada vez mais, os surdos se organizam nesses espaços na condição de minoria linguística que luta por seus direitos linguísticos e de cidadania, lutando não pela deficiência, mas pela diferença; 2. Em uma comunidade surda, podem existir ouvintes e surdos que não seguem a cultura da comunidade; 3. Membros de uma comunidade surda comportam-se como as pessoas surdas, usam a língua das pessoas surdas e compartilham as crenças das pessoas surdas entre si e com outras pessoas que não são surdas; 4. O surdo é diferente do ouvinte não só porque não ouve e, por isso, às vezes não fala, mas também por ter uma visão de mundo diferente, por ter sua própria língua e praticá-la dentro de sua comunidade ou com outras pessoas. QUESTÃO 27 A identidade surda é uma construção, um efeito, um processo e é crucial a adoção de uma teoria pedagógica que descreva e explique o processo de construção de identidade e da surdez enquanto diferença linguística e cultural. Observando as interferências da família, da escola, das associações e outras veremos constituições de identidades diversas. Um espaço importante para esta constituição se refere à escola x cultura surda. Favorecem essas circunstâncias: 1. Escola: espaço de identificação que opta pela presença de professores surdos, não para que eles sejam identificados como modelo de comportamento, mas como espaço ou marco de identificação cultural surdo x surdo; 2. Currículo: deve contemplar a abordagem da diferença cultural no caso surdo, a língua, a história, o jeito surdo de ensinar e compreender o mundo; 3. A escola que prima pela perspectiva da diversidade cultural obedecendo às posições da segregação, da inclusão, do bilinguismo e do multiculturalismo; 4. A escola deve adotar uma estratégia pedagógica para obedecer à legislação vigente, tolerando o surdo e suas crenças distorcidas, tratando psicologicamente, negando os processos de diferenciação. Atendem ao enunciado apenas as afirmações: A) 1 e 3; B) 2 e 3; C) 1, 2 e 3; D) 1 e 2; E) 1 e 4. Anotações Estão corretas apenas as afirmativas: A) 3 e 4; B) 2, 3 e 4; C) 1, 2 e 3; D) 1, 2, 3 e 4; E) 1 e 2. Página 8 de 14

9 QUESTÃO 28 A concepção atual de ensino da língua portuguesa como segunda língua para os surdos, requer uma mudança de postura no que diz respeito ao ensino formal em sala de aula. Além de lidar com aspectos que são específicos da língua portuguesa, sabemos ainda que os surdos devem lidar com aspectos da língua de sinais, que são específicos em função de seu caráter vísuo-espacial (QUADROS, 2004). Com relação a estas mudanças marque a assertiva incorreta: A) Professores e escolas que possuam alunos surdos incluídos, não podem mais abraçar um material didático que apresente a língua portuguesa como uma entidade estática; B) Precisa-se de materiais que apresentem a língua inserida em diferentes situações comunicativas, o que permite ao aprendiz fazer uso do que ele aprende em sala para se comunicar adequadamente nas mais diversas situações com as quais ele certamente vai deparar fora da sala de aula; C) No que diz respeito ao aprendiz-surdo, a seleção de textos adequados é fundamental, deve optar-se apenas por textos fáceis e visuais, como por exemplo, histórias em quadrinhos; D) O tratamento a ser dado deve ser o interacionista, pois proporciona ao aluno surdo maior envolvimento e interação com o texto; E) A internet é um recurso adicional que precisa ser inserido em trabalhos em sala de aula e/ou em casa. Anotações QUESTÃO 29 Os primeiros educadores de surdos surgiram na Europa, no século XVI, criando diferentes metodologias de ensino, as quais se utilizavam da língua oral nativa, língua de sinais, datilologia (representação manual do alfabeto) e outros códigos visuais. Com o decorrer dos anos filosofias e práticas referentes à educação de surdos foram se alternando cada uma com suas características próprias. De acordo com estas correntes, coloque (V) para verdadeira e (F) para a alternativa falsa: ( ) O Oralismo baseia-se na crença que a modalidade oral é a única forma desejável de comunicação e começou a ganhar forma a partir da segunda metade do século XIX, época em que a língua de sinais chegou a ser proibida; ( ) A Comunicação Total defende a utilização de todos os recursos linguísticos, orais ou visuais, simultaneamente, privilegiando a comunicação, e não apenas a língua; ( ) O Bilinguismo defende que o surdo deve adquirir a língua dos sinais como primeira língua, com a qual poderá desenvolver-se e comunicar-se com a comunidade de surdos, aprendendo também a língua oficial de seu país como segunda língua. Marque a opção correta: A) Apenas duas afirmações são verdadeiras; B) A única afirmação verdadeira é sobre a Comunicação Total; C) Nenhuma das afirmações é verdadeira; D) A única afirmação verdadeira é sobre o Oralismo; E) Todas as afirmações são verdadeiras. QUESTÃO 30 A história da educação dos surdos do Brasil marca que em 1857, o professor francês Hernest Huet, veio ao Brasil, a convite de D. Pedro II, com o objetivo de fundar a primeira escola para meninos surdos de nosso país, a ser mantida pelo governo federal. Desde então, os surdos brasileiros passaram a contar com uma escola especializada para sua educação e tiveram a oportunidade de criar a Língua Brasileira de Sinais (Libras), originária da Língua de Sinais Francesa mesclada aos sinais já usados pelos surdos brasileiros das mais diversas localidades. Essa instituição de ensino existe até hoje e seu atual nome e sigla são: A) Instituto Santa Terezinha para meninas surdas ISTS; B) Instituto Cearense de Educação dos Surdos ICES; C) Associação Norte Paranaense de Áudio comunicação Infantil ANPACIN; D) Instituto Nacional de Educação de Surdos INES; E) Associação Paulista de Surdos APAS. Página 9 de 14

10 QUESTÃO 31 O Brasil tem avançado significativamente no que diz respeito à inclusão e acessibilidade. Dentre as políticas educacionais referentes ao atendimento às pessoas com deficiências constantes na Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva (MEC/2008), podemos citar: I. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.694/96: preconiza que os sistemas de ensino devem assegurar aos alunos com deficiência currículo, métodos, recursos e organização específicos para atender às suas necessidades; II. Programa Educação Inclusiva (implementado pelo MEC em 2003): direito à diversidade, com vistas a apoiar a transformação dos sistemas de ensino em sistemas educacionais inclusivos, promovendo um amplo processo de formação de gestores e educadores nos municípios brasileiros para a garantia do direito de acesso de todos à escolarização, à oferta do atendimento educacional especializado e à garantia da acessibilidade; III. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (aprovada pela ONU em 2006 e da qual o Brasil é signatário): estabelece que os Estados - Partes devem assegurar um sistema de educação inclusiva em todos os níveis de ensino, em ambientes que maximizem o desenvolvimento acadêmico e social compatível com a meta da plena participação e inclusão, adotando medidas para garantir que as pessoas com deficiência possam ter acesso ao Ensino Fundamental inclusivo, de qualidade e gratuito, em igualdade de condições com as demais pessoas na comunidade em que vivem. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s): A) I. B) I e II; C) I e III; D) I, II e III; E) II e III. Anotações QUESTÃO 32 O trabalho pedagógico com os alunos com surdez nas escolas comuns deve ser desenvolvido em um ambiente bilíngue, ou seja, em um espaço em que se utilize a Língua de Sinais e a Língua Portuguesa. Um período adicional de horas diárias de estudo é indicado para a execução do Atendimento Educacional Especializado. Nele destacam-se três momentos didático-pedagógicos, sobre estes momentos é incorreto afirmar que: A) Momento do Atendimento Educacional Especializado em Libras na escola comum, em que todos os conhecimentos dos diferentes conteúdos curriculares, são explicados nessa língua por um professor, sendo o mesmo preferencialmente surdo. Esse trabalho é realizado todos os dias, e destina-se aos alunos com surdez; B) Momento do Atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras na escola comum, no qual os alunos com surdez terão aulas de Libras, favorecendo o conhecimento e a aquisição, principalmente de termos científicos; C) Momento do Atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras na escola comum é realizado pelo professor e/ou instrutor de Libras (preferencialmente surdo), de acordo com o estágio de desenvolvimento da Língua de Sinais em que o aluno se encontra; D) O momento de atendimento Educacional Especializado para o ensino de Libras não deve ser planejado a partir do diagnóstico do conhecimento que o aluno tem a respeito da Língua de Sinais, mas sim a partir do conhecimento do aluno na língua portuguesa; E) Momento do Atendimento Educacional Especializado para o ensino da Língua Portuguesa, no qual são trabalhadas as especificidades dessa língua para pessoas com surdez. Este trabalho é realizado todos os dias para os alunos com surdez, à parte das aulas da turma comum, por uma professora de Língua Portuguesa, graduada nesta área, preferencialmente. QUESTÃO 33 Assinale a afirmativa CORRETA: A) As línguas de sinais são mímicas e gestos soltos, utilizados pelos surdos para facilitar a comunicação; B) As línguas de sinais são universais; C) As línguas de sinais são línguas com estruturas gramaticais próprias inferiores as línguas orais; D) As expressões faciais e corporais são de fundamental importância para o entendimento real do sinal, sendo que a entonação em língua de sinais é feita pela expressão facial; E) As línguas de sinais são as línguas naturais criadas nas comunidades surdas a partir do fracasso na oralização, restando apenas aos surdos à comunicação por sinais resultante da comunicação gestual dos ouvintes. Página 10 de 14

11 QUESTÃO 34 Relacione as colunas a seguir, a partir da história da educação dos surdos: 1. Juan Pablo de Bonet; 2. Abade Charles de L Epée; 3. Samuel Heinicke. ( ) Não usou o método de comunicação manual, mas o oral. Ensinou fala e leitura de fala; ( ) Publicou o primeiro livro de ensino da língua de sinais a surdos, contendo o alfabeto manual; ( ) Demonstrou que os surdos podiam desenvolver a comunicação entre si e com a comunidade ouvinte através de um sistema de gestos convencionado, sinais manuais e digitais. A ordem está correta em: A) 3, 1, 2; B) 2, 3, 1; C) 3, 2, 1; D) 1, 2, 3; E) 2, 1, 3. QUESTÃO 35 Analise as afirmativas abaixo sobre a gramática da língua de sinais: I. Os sinais obrigatoriamente precisam ter movimento ou não; II. O ponto de articulação marca a entonação em língua de sinais; III. O entendimento do significado do sinal está diretamente ligado às expressões faciais que realizamos no momento da sinalização. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s): A) I e II; B) II e III; C) I e III; D) III; E) Nenhuma das afirmativas é correta. QUESTÃO 36 O capítulo II do Decreto Nº de 22 de dezembro de 2005, dispõe sobre a inclusão de Libras (Língua Brasileira de Sinais) como disciplina curricular. De acordo com este capítulo do citado decreto, pode-se afirmar que: A) A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia e Enfermagem, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; B) É opcional a oferta de Libras tanto nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério bem como nos demais cursos de educação superior e na educação profissional nas instituições de ensino, pública e privada, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, a partir da publicação deste Decreto; C) A Libras constituir-se-á em disciplina curricular optativa nos demais cursos de educação superior e na educação profissional, a partir de dois anos da publicação deste Decreto; D) A Libras constituir-se-á em disciplina curricular obrigatória nos demais cursos de educação superior e na educação profissional, a partir de um ano da publicação deste Decreto; E) Cada Instituição de Ensino que oferta cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, e cursos de Fonoaudiologia, de instituições de ensino, públicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios é livre para optar pela inserção, ou não, de Libras como disciplina curricular, cabendo essa oferta, apenas quando da existência de sua necessidade. QUESTÃO 37 Na década de 1960, os conceitos linguísticos configuração de mão, ponto de articulação (locação) e movimento foram inicialmente construídos e desenvolvidos, pelo(a) pesquisador(a): A) Marianne Stumpf; B) Ferdinand de Saussure; C) William Stokoe; D) Lucinda Ferreira Brito; E) Ronice Muller de Quadros. Página 11 de 14

12 QUESTÃO 38 A educação bilíngue, no que se refere ao ensino da língua portuguesa como segunda língua (L2) para alunos surdos, é correto afirmar: A) A oralidade do português sempre deve ter prioridade nos momentos de instrução; B) A primeira língua dos surdos, a língua de instrução deve ser a língua de sinais, promovendo a interação e aprendizagem; C) Num primeiro momento, a língua de sinais deve ser evitada, pois comprometeria a aprendizagem daqueles alunos que já são oralizados ; D) A língua portuguesa deve ser ensinada como segunda língua aos surdos seguindo a mesma metodologia de ensino de ouvintes; E) O português escrito deve ser o único meio de interação para ocorrer aprendizagem dos diversos conteúdos. QUESTÃO 39 A alternativa que melhor nos traz o conceito de Intérprete educacional é: A) Profissional que atua exclusivamente para formação de outros Interpretes para o contexto escolar; B) Profissional intérprete que atua na educação, em sala de aula mediando conteúdos e as relações aluno surdo x professor; aluno surdo x aluno ouvinte; C) Profissional intérprete que atua como professor, no contexto da sala de aula quando houver aluno surdo; D) Profissional imbuído da tarefa de ensinar, uma vez que não há possibilidade de formação de professor bilíngue; E) Profissional que deve estudar estratégias especiais para ensinar a Língua Portuguesa como segunda língua para alunos surdos. QUESTÃO 40 A formação do tradutor intérprete de Libras é regulamentada por qual instrumento legal? A) Lei Federal Nº de 24 de Abril de 2002; B) Lei Federal Nº de 20 de Dezembro de 1996; C) Decreto Federal Nº de 22 de Dezembro de 2005; E) Lei Federal Nº de 01 de Setembro de 2010; D) Ainda não existe instrumento legal que trate da formação do tradutor e intérprete de Libras; QUESTÃO 42 Ao longo da história os surdos sofreram uma pressão social que os fazia assumir uma identidade ouvintista, porque durante anos a escola negligenciou o ensino e a existência da Libras como língua natural dos surdos. Tal negligência gerou problemas sérios no desenvolvimento cognitivo dos surdos brasileiros, pois esses possuem uma experiência de língua vísuo-espacial, ao contrário dos ouvintes que realizam sua construção mental através de construções silábicas sonoras. Isso significa que: A) O potencial linguístico do surdo ocorre através das experiências sonoras; B) O potencial linguístico do surdo ocorre através das experiências sinestésicas, devido o uso das mãos; C) O potencial linguístico do surdo ocorre através da leitura labial com acompanhamento de fonoaudiólogos; D) O potencial linguístico do surdo ocorre através das experiências vísuo-espaciais; E) O potencial linguístico dos surdos ocorre através da comunicação total. QUESTÃO 43 Assinale a alternativa que apresenta apenas sinais compostos: A) PRIMO, CUNHADO E DIVÓRCIO; B) MÃE, IGREJA E CASA; C) ESCOLA, IGREJA E MÃE; D) UNIVERSIDADE, AEROPORTO E ÔNIBUS; E) CIDADE, AVIÃO E NETO. QUESTÃO 44 Segundo Gladis, o ouvintismo é a posição de superioridade do ouvinte em relação ao surdo. De acordo com a afirmação acima, podemos inferir que o ouvitismo se caracteriza por: A) Se limitar apenas a aprendizagem da língua de sinais; B) Se limitar apenas a utilização da língua oral; C) Conceituar e designar todas as tentativas de construção do surdo como ouvinte compreendendo tanto o oralismo como a comunicação total e o bilinguismo; D) Considerar a experiência cultural como cultura surda; E) Conviver com a inter-relação entre duas línguas: a língua oral e a língua de sinais. QUESTÃO 41 Para Skliar, o conceito de surdez na concepção sócioantropológica: A) Corresponde ao deficiente auditivo; B) Corresponde ao respeito à cultura ouvinte; C) Corresponde ao conceito de quem não pode ouvir; D) Corresponde à dificuldade de escutar mesmo com aparelho; E) É concebido como diferença e não como deficiência. Página 12 de 14

13 QUESTÃO 45 Atualmente, após quase cinco décadas de pesquisas e estudos sobre línguas de sinais, sabemos que a exploração de recursos visuais é um dos aspectos fundamentais que os tradutores e intérpretes de Libras devem dominar. Na sintaxe da Libras, por exemplo, as funções de sujeito e objeto em frases que envolvem os chamados verbos de concordância são estabelecidas através do seguinte recurso: A) Apontamento para os sinais que preenchem tal função através de gestos; B) Uso de expressões faciais e corporais que se modificam dependendo da função do sinal na frase; C) Uso da distribuição dos sinais com essas funções em posições específicas na frase; D) Direcionamento de sinais em pontos específicos do espaço; E) Uso da marcação de acento diferenciado sobre os sinais que realizam essas funções. QUESTÃO 46 Tendo como base o perfil do profissional tradutor e intérprete de língua de sinais, as assertivas abaixo constituem condições imprescindíveis para que se tenha uma interpretação significativa, COM EXCEÇÃO DE: A) Conhecimento referencial da área ou assunto que constitui o objeto de sua interpretação ou tradução; B) Domínio de técnicas e estratégias adequadas aos diferentes tipos de atividade interpretativa; C) Preocupação e comprometimento total do intérprete com a vida pessoal de seus clientes surdos; D) Proficiência avançada tanto na língua portuguesa quanto na língua de sinais; E) Flexibilidade para ajustar o discurso ao contexto social e ao público-alvo presente. Anotações QUESTÃO 47 As alternativas abaixo descrevem alguns princípios fundamentais da profissão de tradutor e intérprete de língua de sinais. Leia atentamente as afirmações e identifique aquelas que se mostram incompatíveis com o código de ética dos tradutores e intérpretes de Libras: I. Confiabilidade: o tradutor intérprete de Libras jamais deve quebrar a confiança depositada pelos que fazem uso de seus serviços, tratando as informações que interpreta como sigilosas; II. Equilíbrio emocional: em situações de conflito entre os interlocutores para os quais interpreta, é fundamental que o tradutor intérprete de Libras exponha seus sentimentos, afinal ele precisa ser sincero e manter o equilíbrio emocional controlado quando for possível; III. Discrição: independentemente da situação de interpretação, o TILS deve buscar manter sempre a discrição, tanto em termos de vestimenta quanto de comportamento; IV. Cultura: independentemente do nível de comunicação de seu cliente surdo, é fundamental que o TILS utilize sempre uma variedade culta e formal da Libras; V. Imparcialidade: deve ocorrer até o momento que o intérprete se sentir bem, caso seja atingido na sua moral pode expor sua opinião e se defender. Estão incorretas apenas as afirmativas: A) II, IV e V; B) II e V; C) I, III e V; D) IV e V; E) I e V. QUESTÃO 48 No momento do intervalo, com os alunos ainda se preparando para sair, o professor chama o intérprete de canto e faz uma pergunta sobre o desempenho do aluno surdo em suas aulas. Face ao exposto, embasado pelo seu código de ética, é dever do intérprete: A) Informar a sua opinião sobre o desempenho do aluno na disciplina, pois o intérprete é o único que pode tecer opiniões sobre a aprendizagem do aluno surdo; B) Agir como se não soubesse responder a questão e desculpar-se por não poder ajudar; C) Solicitar educadamente ao professor que coloque a questão diretamente para o aluno, e colocar-se à disposição para mediar a interação; D) Informar o que foi solicitado, preocupando-se apenas em não deixar o aluno surdo numa situação embaraçosa diante do professor; E) Disfarçar e solicitar ao professor que aguarde a saída dos alunos, pois seria antiético falar sobre o aluno surdo em sua própria presença. Página 13 de 14

14 QUESTÃO 49 Exploramos gramaticalmente os diferentes pontos no corpo e no espaço, na Libras, para: I. Apontar apenas os referentes no discurso; II. Distinguir substantivos e verbos; III. Distinguir sinais; IV. Estabelecer concordância verbal. São verdadeiras apenas as alternativas: A) I, III e IV; B) I, II e IV; C) II e III; D) III e IV; E) II e IV. QUESTÃO 50 Nos dias atuais, as pessoas surdas, estão politicamente organizadas e atuando para cada dia mais terem seus direitos culturais e linguísticos respeitados. Este grupo politizado faz uma distinção entre Ser Surdo e Ser deficiente auditivo. Para essas pessoas, o termo deficiente significa: A) Polêmico, por colocar todas as pessoas com alguma necessidade em um mesmo contexto sem perceber as necessidades de cada uma; B) Valorização, pois em virtude da deficiência ter-se-á seus direitos respeitados; C) Abrangência, congregando todos os tipos de necessidades especiais; D) Necessidade, uma vez que com o diagnóstico de deficiente a pessoa passa a ser vista como aquela que necessita de atendimento especial em todos os âmbitos, tornando tudo mais fácil; E) Estigma, denotando a exposição da pessoa sempre pelo que ela não tem, em relação às outras, e não, o que ela pode ter de diferente e, por isso, acrescentar às outras pessoas PROFESSOR DE LIBRAS Página 14 de 14

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

0405 ENFERMEIRO PLANTONISTA

0405 ENFERMEIRO PLANTONISTA PORTUGUÊS QUESTÃO 01 Leia a tira: O diálogo entre Calvin e sua colega de classe é baseada no uso de pronomes. É correto afirmar que: A) O que no primeiro balão é classificado como pronome relativo; B)

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras turma em: fortaleza/ce -> Aulas presenciais aos finais de semana; -> Professores altamente qualificados; -> Curso com

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA 1 JUSTIFICATIVA O Curso de Português Avançado com Ênfase em Linguagem Jurídica, na modalidade a distância, tem por finalidade atender a necessidade

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo? VIA LÁCTEA XIII Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite,

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Coordenador de Pós-Graduação. WALTER CÁCIO DA COSTA MILOMEM, Dr. Assistente de Coordenação JHUCYRLLENE C. DOS SANTOS RODRIGUES

Coordenador de Pós-Graduação. WALTER CÁCIO DA COSTA MILOMEM, Dr. Assistente de Coordenação JHUCYRLLENE C. DOS SANTOS RODRIGUES Especializar profissionais de diversas áreas, com conhecimentos teóricos, práticos e técnicos em LIBRAS para interagirem com a comunidade surda, assegurando atendimento especializado e uma educação bilíngüe,

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais.

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS Aula noite I a VI Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS HISTÓRIA Gerolamo Cardomo (1501 a 1576), médico e matemático

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Linguagens Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Prof. Anderson Simão Duarte Coordenador do Curso Letras-Libras Mestre em Estudos Linguísticos

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO

INÉDITO! COM ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 FACULDADES EDUCAÇÃO COM ÁREAS DE

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011. (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REQUERIMENTO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA N DE 2011 (dos Srs. Rogério Marinho, Otávio Leite e Mara Gabrilli) Requer que seja realizada Reunião de Audiência Pública com a presença

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís Danielle Vanessa Costa SOUSA Introdução O trabalho do tradutor/intérprete de língua brasileira de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, nº 100 - Aeroporto - Barretos - São Paulo Telefone: (17) 3321-3060 www.facisb.edu.br CURSO DE MEDICINA Atividades

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Índice remissivo - 2011 Assunto

Índice remissivo - 2011 Assunto Índice remissivo - 2011 Assunto Conheça as seções da revista AMAE Educando e as matérias publicadas em cada uma. ALFABETIZAÇÃO INTERAGINDO COM AS PALAVRAS. n. 380. p. 18/22. ARTE ARTE SEM AMARRAS. n. 384.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Curso de Semed 2013 Módulo DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais