HELOIR MONTANHER JEFFERSON DIEGO DE JESUS SUELI FERNANDES LETRAMENTO EM LIVRO DO PROFESSOR VOLUME II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HELOIR MONTANHER JEFFERSON DIEGO DE JESUS SUELI FERNANDES LETRAMENTO EM LIVRO DO PROFESSOR VOLUME II"

Transcrição

1 HELOIR MONTANHER JEFFERSON DIEGO DE JESUS SUELI FERNANDES LETRAMENTO EM LIBRA S LIVRO DO PROFESSOR VOLUME II IESDE BRASIL S.A. CURITIBA 2010

2 2010 É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais. M 764l Montanher, Heloir; Jesus, Jefferson Diego de; Fernandes, Sueli. / Letramento Em Libras. / Heloir Montanher, Jefferson Diego de Jesus, Sueli Fernandes. - Curitiba:, ( Volume II Livro do professor ). 394 p. ISBN: Libras (Língua de Sinais). 2. Inclusão Social. 3. Surdez. I. Título. CDD Capa: Imagem da capa: Todos os direitos reservados. Al. Dr. Carlos de Carvalho, CEP: Batel Curitiba PR

3 Sumário MEIOS DE COMUNICAÇÃO...8 MEIOS DE TRANSPORTE PARÂMETROS DA LIBRAS I ESCRITA DE SINAIS SIGNWRITING DIFERENTES CULTURAS O MEIO AMBIENTE E OS ANIMAIS O PATINHO SURDO...186

4 CINDERELA SURDA HUMOR SURDO POESIA SURDA MATERIAL DE APOIO...307

5 LETRAMENTO EM LIBRA S Apresentação A língua de sinais é utilizada pelas comunidades surdas no mundo todo, desde o século XIX. No entanto, apenas recentemente passou a ser objeto de interesse social e conteúdo que integra os currículos das escolas. Para as crianças surdas, aprender a Língua Brasileira de Sinais (Libras), na escola, significa vivenciar experiências linguísticas mediadas por uma língua acessível, de modalidade visual-espacial, pela qual ela irá ampliar as possibilidades de inclusão social e exercer seu direito de acesso ao conhecimento historicamente acumulado pelas gerações anteriores.

6 Este material, que ora apresentamos, integra o projeto de Letramento em Libras e Língua Portuguesa que se propõe ao desafio de criar oportunidades para que as crianças surdas tenham acesso a experiências comunicativas em Libras, na Educação Infantil, de maneira mais natural possível, de modo a constituir sua identidade linguística e cultural. Como a interação com profissionais fluentes em Libras na infância, preferencialmente surdos, é uma realidade que não se concretiza na maioria das escolas, este material idealizado e desenvolvido por uma equipe de especialistas bilíngues, surdos e não surdos, busca preencher essa lacuna, dando oportunidade para apropriação de conhecimentos básicos da Língua Brasileira de Sinais e da cultura visual dos surdos. Sendo o compromisso com a inclusão das crianças surdas um dos pressupostos deste projeto, todas as atividades previstas deverão integrar a formação dos demais colegas da turma, além de outras pessoas que integram seus círculos de interação: pais, irmãos, familiares, pares surdos, professores e outros adultos. Todas as estratégias teórico-metodológicas propostas para crianças na faixa etária entre quatro e seis anos têm como finalidade favorecer a vivência de experiências de letramento em ambas as línguas, Libras e português, de modo a concretizar o desafiador processo de bilinguismo em classes inclusivas. Bom trabalho a todos e todas!

7 MEIOS DE COMUNICAÇÃO Alguns dos principais meios de comunicação utilizados entre as pessoas na vida em sociedade será o tema desta unidade, na qual temos como objetivo explorar as inúmeras possibilidades de interação entre as pessoas, seja face a face, seja a distância. A primeira questão a ser refletida é: o que entendemos por comunicação? De modo geral, a comunicação se caracteriza por interações envolvendo pessoas, por meio de sistemas de símbolos e instrumentos criados pelo homem para comunicar ideias, fatos, sentimentos. Ao tratar de comunicação humana, estamos tratando de linguagem e de seus múltiplos domínios, ou seja, precisamos ampliar o sentido conferido à linguagem no senso comum que a toma como sinônimo de fala. Na verdade, chamamos linguagem a todo o sistema simbólico socialmente aceito que nos permite realizar atos de comunicação. A linguagem é comumente dividida em verbal e não verbal, isso, dito de outra forma, significa: linguagem com palavras ou linguagem sem palavras. Ao se utilizar a palavra falada, escrita ou sinalizada como meio de comunicação, estamos nos utilizando da linguagem verbal ou daquilo que conhecemos como língua. Por isso, inicialmente, destacaremos as principais formas de linguagem verbal fala, escrita e sinais a fim de que a criança perceba que os sinais da Libras têm o mesmo valor que as palavras faladas na comunicação, sendo sistemas linguísticos que pertencem a comunidades distintas: surdos e ouvintes. Em seguida, apresentaremos os meios de comunicação que são utilizados em massa pela sociedade, fazendo considerações aos recursos de acessibilidade para os surdos. Ben Bahan, importante escritor Surdo estadunidense, propôs que as pessoas Surdas fossem chamadas de pessoas visuais, conforme argumento que segue: Usando essa palavra eu me coloco na posição das coisas que eu posso fazer, ao invés das que não posso fazer. Identificando-me como uma pessoa visual, isso explicaria tudo ao meu redor: os aparelhos TDDs, os decodificadores, as campainhas luminosas, a leitura labial e a emergência de uma língua visual, a língua de sinais americana. (BAHAN apud WILCOX; WILCOX, 2005, p. 32) 1 1 WILCOX, SHERMAN; WILCOX, PHYLLIS PERRIN. APRENDER A VER. TRADUÇÃO DE: LEITE, TARCÍSIO DE ARANTES. DISPONÍVEL EM: <WWW.EDITORA-ARARA-AZUL.COM.BR/LIVROS.PHP>. PETRÓPOLIS: ARARA AZUL, 2005.

8 Ao colocar a experiência visual como a essência do que definiria uma pessoa surda, ele exemplifica que os meios de comunicação a serem utilizados por elas também têm referências visuais: a campainha luminosa, em substituição à sonora, a língua de sinais, o telefone para surdos. Os meios de comunicação de massa têm um incrível alcance na socialização de informações, mas, em sua maioria não são acessíveis para os surdos. Vejamos o rádio, por exemplo, difundido no mundo todo e inacessível para os surdos, considerando que veicula informações priorizando o meio sonoro, já a televisão, que está presente em todo o mundo e alia os sistemas visual e sonoro na transmissão da notícia, apenas se presta parcialmente a preencher a função social de acesso à informação, uma vez que a imagem, desprovida de áudio, não é autoexplicativa. Recentemente, tem sido utilizada a legenda oculta, ou closed caption, conhecida pela sigla CC, que é um sistema pensado para que surdos possam acompanhar os programas transmitidos. As legendas ficam ocultas, até que o usuário do aparelho acione a função no controle remoto do aparelho. No entanto, tem como desvantagem o fato de as legendas serem muito rápidas, repleta de erros e serem acessíveis apenas a surdos adultos letrados, que conseguiriam dividir sua atenção visual entre imagem e leitura da legenda. O ideal seria que toda a programação e noticiários de TV incluíssem a janela para intérpretes, de modo a oportunizar o acesso às informações na língua de sinais, como prevê a Lei de Acessibilidade /2000. No entanto, apenas algumas redes de TV contemplam esse recurso, geralmente em programas religiosos e nos períodos de campanha eleitoral. Você sabia que há critérios de qualidade para a utilização de janelas com intérpretes na TV, previsto pela ABNT? Observe a seguir os itens previstos e avalie, na programação disponível, se eles vêm sendo seguidos.

9 7.1.2 Janela Na janela com intérprete da LIBRAS: Recorte ou wipe Os contrastes devem ser nítidos, quer em cores, quer em preto e branco; Deve haver contraste entre o pano de fundo e os elementos do intérprete; O foco deve abranger toda a movimentação e gesticulação do intérprete; A iluminação adequada deve evitar o aparecimento de sombras nos olhos e/ou seu ofuscamento. Quando a imagem do intérprete da LIBRAS estiver no recorte: A altura da janela deve ser no mínimo metade da altura da tela do televisor; A largura da janela deve ocupar no mínimo a quarta parte da largura da tela do televisor; Sempre que possível, o recorte deve estar localizado de modo a não ser encoberto pela tarja preta da legenda da tela oculta; Quando houver necessidade de deslocamento do recorte na tela do televisor, deve haver continuidade na imagem da janela. ( A B N T N B R Acessibilidade em Comunicação na Televisão. N ov ) Requisitos para a interpretação e visualização da LIBRAS Para boa visualização da interpretação, devem ser atendidas as seguintes condições: A vestimenta, a pele e o cabelo do intérprete devem ser contrastantes entre si e entre o fundo. Devem ser evitados fundo e vestimenta em tons próximos ao tom da pele do intérprete; Na transmissão de telejornais e outros programas, com o intérprete da LIBRAS em cena, devem ser tomadas medidas para a boa visualização da LIBRAS; No recorte não devem ser incluídas ou sobrepostas quaisquer outras imagens.

10 O celular é um dos meios de comunicação mais utilizado entre os surdos, na atualidade. Por meio dos serviços de mensagens SMS (conhecidos como torpedos), os surdos se comunicam rapidamente, mas nem sempre de maneira eficaz, já que esbarramos nas possíveis dificuldades com a escrita entre o grande número de surdos analfabetos, ou analfabetos funcionais, que desconhecem a escrita do português. Atualmente, há disponível um serviço de mensagens em Libras pelo celular, viabilizado por um software desenvolvido pela Rybená, é uma tecnologia de comunicação digital, que oferece à comunidade surda serviços de envio de suas mensagens para aparelhos celulares com tradução para Libras. Por meio do Torpedo Rybená, surdos podem se comunicar em Libras através da animação de imagens no celular e ouvintes podem enviar textos em português aos surdos, que receberão a mensagem traduzida em Libras. Divulgação. Outra tecnologia de comunicação para os surdos são os telefones para surdos, chamados TS ou TDD (sigla para Telecommunication Device for the Deaf Dispositivo de Telecomunicação para Surdos). É um aparelho não muito utilizado, devido ao alto custo, mas que facilitaria a comunicação se fosse amplamente disponibilizado em locais públicos. Ele funciona com um teclado e visor de legenda para enviar e receber mensagens para pessoas que também têm esse tipo de aparelho ligado à linha telefônica. No caso de comunicação com uma pessoa que não possui o TDD, aciona-se o serviço de atendimento aos surdos, disponibilizado pela Anatel, sem custos adicionais.

11 Observem o TS a seguir e o símbolo que indica acessibilidade telefônica para surdos. Divulgação. Divulgação. Outras tecnologias que facilitam a comunicação entre surdos e ouvintes e que se valem de mecanismos visuais ou táteis são a campainha para surdos, que funciona pela adaptação de uma lâmpada à campainha comum, e a babá eletrônica para mães surdas, dispositivo que aciona a luz, ou o vibrador, quando capta ondas sonoras (o choro do bebê, por exemplo). Divulgação. Por fim, não podemos deixar de destacar o uso da internet como importante meio de comunicação entre os surdos pelas possibilidades de dispor de recursos visuais, como animação de imagens e sinais gráficos. A utilização da web cam e do Youtube para envio de videomensagens, aliado ao MSN, tem possibilitado o contato entre surdos de diferentes partes do mundo, favorecendo sua comunicação e mobilização em relação a diferentes pautas políticas, como o reconhecimento da Libras, a defesa do bilinguismo, a reivindicação de intérpretes e assim por diante. São inúmeras as listas de discussão, comunidades no Orkut e sites específicos para a difusão da cultura visual e elementos da comunidade surda.

12 SUGESTÕES DE ATIVIDADES A fim de sistematizar os principais meios de comunicação estudados, sugerimos ao professor a produção de um mural com recortes com os meios de comunicação mais utilizados pela turma. Não esquecer de destacar elementos específicos da cultura visual dos surdos como a janela com intérpretes e os torpedos. Selecionar um pequeno vídeo (comercial, desenho animado, noticiário etc.) e assisitir com as crianças, sem áudio. É uma vivência enriquecedora que possibilita refletir sobre a importância da janela com intérpretes para os surdos. Fazer perguntas sobre o possível conteúdo da mensagem e depois passá-la novamente, com áudio, para comprovar ou não hipóteses iniciais. É bastante interessante para perceber as barreiras enfrentadas cotidianamente pelas crianças surdas. PARA SABER MAIS Para conhecer mais sobre tecnologias de acessibilidade para surdos, consulte alguns sites específicos na área: SURDO-SOL (comunidade de surdos) <www.rede.surdosol.com.br/home.php> RYBENÁ <www.rybena.org.br> INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS (INES) <www.ines.gov.br>

13 ANOTAÇÕES

14 MEIOS DE COMUNICAÇÃO

15

16 MEIOS DE COMUNICAÇÃO 10

17 COMUNICAÇÃO MEIOS DE COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO ORAL COMUNICAÇÃO EM LIBRAS 11

18 TELEVISÃO (COM JANELA PARA INTÉRPRETE E LEGENDA OCULTA) 12 FILME RÁDIO JORNAL

19 GIBIS FAX REVISTA COMPUTADOR INTERNET 13

20 MSN 14 ORKUT WEB CAM

21 TELEFONE PARA SURDOS (TS OU TDD) TELEFONE IESDE BRASIL S.A. MENSAGEM CELULAR 15

22 ATIVIDADES 1. CIRCULE OS SINAIS CORRESPONDENTES AOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO: 16

23 2. LIGUE OS SINAIS AOS SEUS RESPECTIVOS DESENHOS: 17

24 3. V A M O S E N C O N T R A R O C A M I N H O Q U E C O R R E SP O N D E A O SI N A L: 18

25 4. QUAL A CONFIGURAÇÃO DE MÃO CORRETA? A) INTERNET ( ) ( ( ) ) B) JORNAL ( ( ( ) ) ) C) CELULAR ( ) ( ( ) ) 19

26 5. ANA E BETO SÃO SURDOS. VEJA O QUE ESTÁ FALTANDO NA TV PARA QUE ELES POSSAM ENTENDER A PROGRAMAÇÃO E DESENHE. 20

27 6. AGORA VOCÊ PODE SE DIVERTIR COM O JOGO DA MEMÓRIA QUE PREPARAMOS PARA VOCÊ, ELE SE ENCONTRA NO MATERIAL DE APOIO. 21

28 MEIOS DE TRANSPORTE Nesta unidade, tomando como tema os meios de transporte, apresentaremos, além do vocabulário em Libras específico, algumas noções de perspectiva e direção, explorando alguns recursos espaciais da língua de sinais. Sabe-se que conhecer uma língua não se reduz a aprender seu vocabulário, mas dominar as regras que compõem sua gramática e praticá-las em situações de uso social. Por ser uma língua de modalidade visual-espacial, muitas dessas regras são determinadas pela exploração do espaço no momento da sinalização, que seria o meio, digamos assim, de realização da Libras. Z Y X 80

29 Observem na figura anterior que o espaço da sinalização é determinado, não sendo utilizado arbitrariamente pelo sinalizador. As relações sintáticas da língua exploram esse espaço, de forma a estabelecer concordância, referenciação, localização, entre outras possibilidades discursivas. Outro aspecto interessante são as relações adverbiais na Libras. Os advérbios PERTO e LONGE, por exemplo, podem ter seu significado intensificado pelo uso de expressões faciais e a exploração do espaço de sinalização. Segundo Felipe (2006) 1, há três formas de sinalizar PERTO-LONGE: Para demarcar a distância entre dois lugares específicos 1 FELIPE, TANYA A. LIBRAS EM CONTEXTO: CURSO BÁSICO LIVRO DO PROFESSOR. BRASÍLIA: MEC/SEESP, 2006.

30 Para estabelecer uma distância determinada, em perspectiva Para estabelecer uma longa distância, em perspectiva

31 Assim, ao aprender a sinalizar os meios de transporte, a professora poderá estimular a percepção da criança na associação entre meios de transporte, percursos e trajetos que costumam realizar, estabelecendo relações espaciais em que elas façam uso dos advérbios de lugar na sinalização. Verbos que podem ser explorados, relacionados a essa temática, são os verbos de locomoção, como IR-VIR, VIAJAR, DIRIGIR, PEDALAR e assim por diante. Uma especificidade relacionada ao tema dessa unidade, é que na Libras existem sinais que são quase idênticos, mas possuem significados diferentes e pertencem a classes de palavras distintas (VERBO-SUBSTANTIVO) que são percebidos no contexto, como é o caso de CARRO-DIRIGIR, BICICLE- TA-PEDALAR, AVIÃO-VOAR. Em síntese, a temática dessa unidade possibilitará a apreensão de vocabulários relativos aos meios de transporte, verbos de locomoção e advérbios de lugar. Um bom trabalho! SUGESTÕES DE ATIVIDADES Como forma de fixação do vocabulário em Libras, o professor poderá organizar uma exposição de meios de transporte confeccionados com sucata pelos alunos. As peças poderão ser utilizadas em brincadeiras e dramatizações que oportunizem a prática da conversação em Libras pelas crianças. A partir de uma coletânea de fotos de locais conhecidos pelas crianças, o professor poderá instigar o diálogo com perguntas do tipo: Você mora perto ou longe daqui? Qual o meio de transporte mais rápido para chegar a esse lugar? Esse lugar é longe ou muito longe da escola? Vamos de carro ou a pé? E assim por diante...

32 PARA SABER MAIS Orientamos a consulta do dicionário digital de Libras para conhecer sinais de outros meios de transporte não contemplados nesta unidade. <www.acessobrasil.org.br>

33 ANOTAÇÕES

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO

GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO GRUPO 5 - COMUNICAÇÃO Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir que todo material produzido pelo poder público e privado seja produzido e veiculado em sistema de braile, texto digital, caracteres

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva

Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva Tecnologias para pessoas com deficiência auditiva ANTONIO BORGES TDD é a abreviatura de Telecommunications Device for the Deaf (Aparelho de telecomunicações para o surdo). O TDD é um sistema de comunicação

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais.

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS Aula noite I a VI Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS HISTÓRIA Gerolamo Cardomo (1501 a 1576), médico e matemático

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

PRODUTOS B2B SAMSUNG APPS SUPORTE MY SAMSUNG BUSCA. Tweetar 3. Escolhe a melhor foto para você

PRODUTOS B2B SAMSUNG APPS SUPORTE MY SAMSUNG BUSCA. Tweetar 3. Escolhe a melhor foto para você ALL SHARE ACESSIBILIDADE SOBRE A SAMSUNG C C C PRODUTOS B2B SAMSUNG APPS SUPORTE MY SAMSUNG BUSCA Página principal Celulares & Tablets Smartphones Galaxy S III Compatível com impressora GT I9300 59 Tweetar

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3.

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3. TRADUÇÃO E INTÉRPRETAÇÃO DE LIBRAS EM PROCESSOS SELETIVOS: O CASO DA UEPA. 1 ANDRÉ LUIZ SILVA DANTAS 2 Resumo: A proposta deste artigo é, de maneira inicial e exploratória, discutir como a tradução/interpretação

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula.

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula. COMUNICAÇÃO VISUAL O tema da nossa primeira aula é a Comunicação Visual, que pode ser definida como todas as formas de expressão da linguagem que possam ter seus conteúdos apreendidos pela visão. A manifestação

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

JOOPP O construtor de sites mais rápido do mundo!

JOOPP O construtor de sites mais rápido do mundo! O construtor de sites mais rápido do mundo! DIFERENÇAS ENTRE PÁGINA DO FACEBOOK (FANPAGE) E PERFIL Página no Facebook (Fanpage) Fanpage é uma página no facebook própria para empresas; Vantagens: Pode ser

Leia mais

REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL

REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL Página 1 de 5 REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL O EVENTO A Rede RITMOS propõe para o Dia Mundial Sem Carro 2012 a realização de um formato diferente para o tradicional desafio intermodal: a Maratona Intermodal.

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior

Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior Um Sistema informatizado desenvolvido com alto padrão tecnológico para maior segurança e bem-estar dos condôminos. Oferecemos a mais nova solução tecnológica, ideal contra invasão domiciliar, objetivando

Leia mais

Utilização das redes sociais e suas repercussões

Utilização das redes sociais e suas repercussões Utilização das redes sociais e suas repercussões O papel da escola : @ Orientação aos professores, alunos e pais @ Acompanhamento de situações que repercutem na escola @ Atendimento e orientação a pais

Leia mais

[conectando vozes ao mundo]

[conectando vozes ao mundo] [conectando vozes ao mundo] »VOJO [ AMPLIANDO VOZES PELO BRASIL ] O Instituto Mídia Étnica, em parceria com o Center for Civic Media, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), vem desenvolvendo o

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 QUESTÃO 1 Os classificadores são recursos da Libras representados por configurações de mãos usadas para expressar formas de objetos, pessoas e animais,

Leia mais

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual Este manual descreve um procedimento para o registro de Concursos Públicos por meio de áudio e vídeo utilizando-se recursos tecnológicos básicos i. A gravação segue o disposto na Resolução 020/09 da UFSM

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III 1ª ETAPA COMPONENTE CURRICULAR - BRINCAR Objetos e Significados na brincadeira Participar das brincadeiras exploradas. Utilizar os brinquedos de maneira cuidadosa. Participar de jogos com ou sem a intervenção

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS

O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DACTYLS Introdução: Quando uma pessoa não pode ouvir, começa a viver utilizando outros sistemas de comunicação. Os sistemas que utilizam depende do seu tipo de surdez: congênita

Leia mais

1. Ao clicar no link http://edukatu.org.br/ você verá a página inicial do Edukatu.

1. Ao clicar no link http://edukatu.org.br/ você verá a página inicial do Edukatu. Bem vindo ao Edukatu! Para nós, do Instituto Akatu, é uma grande alegria contar com sua participação e engajamento no Edukatu Rede de Aprendizagem para o Consumo Consciente! Para participar, é fácil! Siga

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência. Campinas, 26 de março de 2009

Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência. Campinas, 26 de março de 2009 Modelo de interação humano-computador para analfabetos e pessoas com deficiência Campinas, 26 de março de 2009 Modelo de Interação Guia para projetistas de interfaces de usuários e desenvolvedores de sistemas

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO Autoras: Vera Lucia Vieira Souza; Miryam Bonadiu Pelosi Universidade Federal do Rio de Janeiro. Introdução A

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

INSTRUMENTO NORMATIVO 004 IN004

INSTRUMENTO NORMATIVO 004 IN004 1. Objetivo Definir um conjunto de critérios e procedimentos para o uso do Portal Eletrônico de Turismo da Região disponibilizado pela Mauatur na Internet. Aplica-se a todos os associados, empregados,

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma viagem de balão. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O Senhor Borracha fica sabendo de uma competição

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

CLIQUES PARA UM MUNDO SUSTENTÁVEL REGULAMENTO 1. OBJETIVO DO CONCURSO

CLIQUES PARA UM MUNDO SUSTENTÁVEL REGULAMENTO 1. OBJETIVO DO CONCURSO REGULAMENTO 1. OBJETIVO DO CONCURSO A intenção é despertar nos alunos o interesse para as questões ambientais por meio de tecnologias como: câmeras fotográficas digitais, telefones celulares, tablets entre

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade

Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade Recursos de Tradução Audiovisual aplicados à área de educação e acessibilidade Ana Beatriz Taube Stamato UNESP/Bauru e-mail: ana_stamato@hotmail.com Lucinéa Marcelino Villela UNESP/Bauru e-mail lucinea@rocketmail.com

Leia mais

Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios

Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios 97 Lição 5 Instrumentos de Divulgação dos Correios Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: Associar os instrumentos de divulgação utilizados nos Correios às suas respectivas características.

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL 2013

REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL 2013 Página 1 de 6 REGULAMENTO DA MARATONA INTERMODAL 2013 O EVENTO A Rede RITMOS das Cidades propõe para o Dia Mundial Sem Carro 2013 a realização de um desafio diferente: a Maratona Intermodal. Tendo como

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio?

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? O que é o Facebook? É uma rede social que permite conectar-se com amigos, familiares e conhecidos para trocar informações como fotografias, artigos, vídeos

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

play Guia de uso no Computador

play Guia de uso no Computador play Guia de uso no Computador 1 Bem-vindo Agora, com seu Vivo Play, você se diverte na hora em que der vontade. São milhares de filmes, séries e shows só esperando você dar um play. Você pausa, volta,

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais