USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS PELAS PESSOAS SURDAS COMO UM MEIO DE AMPLIAÇÃO DA CIDADANIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS PELAS PESSOAS SURDAS COMO UM MEIO DE AMPLIAÇÃO DA CIDADANIA"

Transcrição

1 USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS PELAS PESSOAS SURDAS COMO UM MEIO DE AMPLIAÇÃO DA CIDADANIA MARY GRACE PEREIRA ANDRIOLI 1 CLAUDIA REGINA VIEIRA 2 SANDRA R. L CAMPOS 3 Universidade de São Paulo RESUMO: Esta pesquisa investigou o uso das Tecnologias Digitais por pessoas surdas sinalizadoras, como um meio de conquista de cidadania, a partir da percepção de um grupo de surdos considerados como lideranças sociais, pela posição que ocupam na comunidade e por sua militância e vivência dentro da comunidade surda. A metodologia utilizada, de abordagem qualitativa, foi realizada por meio entrevistas semiestruturadas gravadas em vídeo e transcritas posteriormente, bem como a análise dos materiais disponíveis em sites públicos. Observou-se a partir da perspectiva dos entrevistados, o quanto a evolução das tecnologias digitais e o acesso a estes recursos tem facilitado a comunicação e participação social dos surdos em diversas atividades com maior autonomia. Palavras-chave: Surdez. Cidadania. Tecnologias Digitais. Acessibilidade. Inclusão Social. INTRODUÇÃO Eu vivo em um mundo de palavras do outro. E toda a minha vida é uma orientação nesse mundo; é a reação às palavras do outro (uma reação infinitamente diversificada), a começar pela assimilação delas (no processo de domínio inicial do discurso) e terminando na assimilação das riquezas da cultura humana (expressas em palavras ou em outros materiais semióticos) (BAKHTIN, 1992, p. 379). O computador e a Internet são recursos que podem fazer toda a diferença com relação à equiparação de oportunidades de acesso e compartilhamento de conhecimentos, desde que seja garantido o seu uso a todos os cidadãos. As múltiplas linguagens permitidas e a comunicação em rede possibilitam que um maior número de pessoas possam se comunicar de maneiras diferenciadas e com sujeitos diversos, revelando que a diferença pode ser enriquecedora (BENEVIDES, 1994, p. 7). No caso da pessoa surda a presente pesquisa 4, mostra o quanto as tecnologias digitais podem contribuir como um meio importante de ampliação do exercício de sua cidadania, favorecendo sua participação social, por meio da comunicação online, facilitada pela Internet. 1 Doutoranda e mestre em educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 2 Doutoranda e mestre em educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 3 Doutoranda e mestre em educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 4 A pesquisa foi realizada ao longo do Segundo semestre de 2013, proposta pela disciplina Metodologias Qualitativas, na Faculdade de Educação da USP, orientada pela Professora Dra. Jutta Gutberlet 1793

2 O significado clássico de cidadania é associado à participação política, vindo de uma história que já percorreu mais de dois mil e quinhentos anos. Atualmente, de acordo com Rezende Filho e Câmara Neto (2001), esse termo não é mais restrito a participação política mas refere-se também aos direitos e deveres da sociedade para com o cidadão. CARVALHO (2002) destaca a diferença entre a cidadania expressa por meio das leis, ou seja, no papel, e a cidadania cotidiana, sendo, a última, conquistada no dia a dia, no exercício da vida prática e resultado de muita luta. Como foi o caso dos negros ao longo da história, tendo conquistado a cidadania por meio da lei Áurea, mas, ainda com a necessidade de lutar, diariamente, contra o preconceito. É nessa linha que foi direcionada esta pesquisa, investigando se os surdos utilizam as tecnologias como um meio de conquista de cidadania, ou seja, se eles as utilizam de alguma forma e se esse uso contribui, ou não, com a efetivação de seus direitos e deveres, com destaque especial à consideração do público-alvo investigado, que foram as lideranças sociais responsáveis pela luta para garantia e realização da efetivação de direitos no dia a dia. 2. SURDEZ, LINGUAGEM E CIDADANIA Há dez anos, falar sobre a inclusão social do surdo, viabilizada pela tecnologia, poderia ser considerado um requinte científico de pouca importância e pouco interesse social, uma vez que, ainda que, na prática do cotidiano, a participação do surdo já viesse a acontecer, oficialmente esse fato podia ser negligenciado, pois, apesar da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) ser a forma de comunicação entre os surdos, a única língua oficial do país ainda era somente a língua portuguesa, ou seja, a língua materna desses sujeitos não era reconhecida enquanto língua oficial. No primeiro semestre do ano de 2002 a comunidade surda pôde ver legislada uma das suas mais insistentes lutas. No dia 24 de abril desse ano a Língua Brasileira de Sinais passou a ser reconhecida como língua oficial da República Federativa do Brasil. No Art. 1º: É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados. Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil (BRASIL, 2002). Dessa forma, ações que, até então, ocorriam de modo informal puderam, por força de lei, serem oficializadas, o que permitiu, a este grupo minoritário linguístico, a possibilidade de ter visibilidade social, ao mesmo tempo em que efetivou suas atuações sociais. No entanto, somente cinco anos depois esse documento foi regulamentado, com o Decreto Lei nº 5626, do dia 22 de dezembro de 2005, o que garantiu os modos necessários pelos quais a lei seria executada. É nesse contexto que a LIBRAS foi legalmente reconhecida e o reconhecimento proporcionou ao sujeito surdo suas primeiras empreitadas sociais e políticas, respaldados pela lei. Nessa primeira década da sua regulamentação a Língua de Sinais vem sendo o veículo linguístico usado pela comunidade surda no uso das diversas tecnologias às quais têm acesso. É possível perceber, em uma rápida pesquisa pela web, a presença massiva desse grupo linguístico minoritário em diferentes perspectivas. Sejam elas para expressar opiniões e posicionamentos, 1794

3 sejam para discussões, e, mais fortemente, para esclarecimentos de acontecimentos políticos e sociais, dos quais estavam distanciados até o advento da web. A própria lei nº , foi objeto de comemoração e discussões no último dia 24 de abril de 2013, mostrando-nos a força dessa ferramenta para esse grupo. Entende-se assim que, embora o surdo esteja inserido em uma sociedade e em um núcleo familiar cuja maior parte utiliza a língua oral majoritária, ele também está ligado direta ou indiretamente a espaços e pessoas que se comunicam por uma Língua de Sinais. Reconhecer, portanto, a condição bilíngue do surdo implica aceitar que ele transita entre essas duas línguas e, mais do que isso, que ele se constitui e se forma a partir delas (PEIXOTO, 2006, p. 206). Se em 1999 SKLIAR (p. 143) afirmava que as escolas especiais constituem o microcosmos de emergência da identidade surda e de aquisição da Língua de Sinais, o ano de 2000 trouxe novas possibilidades, dentre elas a aglutinação via web, ou seja, o microcosmo passa a ser a rede. Dessa forma, um espaço virtual, não dimensionável, torna-se o espaço onde a identidade e a cultura surdas transitam. Na perspectiva dos direitos a lei nº proporcionou mais do que o direito à uma língua oficial, que pôde transitar por toda a sociedade, mas trouxe o que, para STUKNABB-KANGAS (1994, p. 139) se trata dos direitos humanos linguísticos. No texto a autora enfatiza os direitos linguísticos do sujeito surdo tomando como referência a Declaração dos direitos das pessoas pertencentes a minorias, nacionais ou éticas, religiosas e linguísticas, documento da ONU (1992, p. 39), que declara, em seu artigo de número nove, que: O Estado deve cooperar nas questões relativas a pessoa pertencente a minorias, designadamente, trocando informações e experiências, a fim de promover mútua compreensão e confiança. Artigo que pode ser plenamente assegurado quando o sujeito surdo tem acesso ao mundo virtual e suas tecnologias nas diferentes ferramentas tecnológicas. Ao longo da última década caminhamos tanto com o reconhecimento da LIBRAS no Brasil, como também com a evolução das tecnologias digitais, sendo que essas vêm se tornando cada vez mais multimídia e acessíveis à grande parcela da população, chegando também à comunidade surda. Ao mesmo tempo em que a LIBRAS era reconhecida e disseminada, as tecnologias, à medida que evoluíam, já contribuíam para que os surdos pudessem se comunicar, dentro e fora de sua comunidade, e, ainda, com os ouvintes (não surdos), como foi destacado pelos entrevistados para esta pesquisa. Em 2002 o Google, que hoje é o buscador mais conhecido para pesquisas, era apenas uma ferramenta promissora. Não existiam, ainda, YouTube (para compartilhamento de vídeos) e Facebook (a maior rede social), e poucos navegam na internet utilizando celular, o que era muito lento para a época. 3. METODOLOGIA Para atender os propósitos desta pesquisa descrever e analisar de que maneira os surdos que atuam como lideranças sociais utilizam, ou não, as tecnologias em uma perspectiva que contribua com o exercício da cidadania, as pesquisadoras optaram pela abordagem qualitativa que, dentre suas características envolve a obtenção de dados descritivos, obtidos no contato 1795

4 direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes (LUDKE & ANDRÉ, 1986, p.13). Esta pesquisa foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, com o objetivo de coletar dados em um pequeno estudo de caso. Além disso, foram realizados levantamentos no ambiente virtual, principalmente YouTube e Facebook, para verificação da qualidade e as manifestações dos surdos no espaço virtual. As entrevistas foram registradas em vídeo, dada à especificidade das Línguas de Sinais que, sendo línguas visuomotoras espaço/visuais, privilegiam o registro em vídeo para melhor capturar todas as suas nuances. Os dados foram transcritos pelas pesquisadoras, procurando respeitar o conteúdo da fala e mediar a relação linguístico cultural entre as línguas (LIBRAS e Língua Portuguesa). A partir do contato inicial, via , e do agendamento da entrevista, a equipe discutiu as questões aqui propostas, tendo como ponto de partida o roteiro previamente organizado, com base na questão norteadora: Os surdos utilizam as tecnologias digitais como um meio de conquista de cidadania? De que maneira? Partindo dessa questão foram definidas três outras perguntas, para a entrevista semiestruturada: Como usam os recursos tecnológicos? O que entendem por cidadania? Como os recursos tecnológicos mudaram sua atuação como cidadão? A escolha dos sujeitos foi pensada a partir das lideranças da comunidade, nos seguintes setores: político, religioso e educacional. Levando em consideração os surdos ativos na comunidade e com posições de destaque perante os demais surdos. Ainda foi pensada a faixa etária, porque era importante, para esta pesquisa, que os entrevistados estivessem em faixas etárias próximas e que pudessem contar o antes e o depois do avanço tecnológico da última década. Isso era fundamental para entender o que esse avanço significou para essa população. Outro ponto importante é que os surdos entrevistados foram todos usuários exclusivos da Língua de Sinais. Para a pesquisa era imprescindível contar com os surdos sinalizadores uma vez que nosso objetivo era o de investigar as tecnologias digitais e a participação cidadã e, como discutiremos logo mais, a Língua de Sinais para os surdos como grande marco e significado de participação social. Importante ressaltar que os sujeitos desta pesquisa foram surdos sinalizadores da LIBRAS que consideram, e são considerados por sua comunidade, que a Língua de Sinais é sua língua materna, independente do momento de aquisição da mesma. As entrevistas foram combinadas previamente com os surdos e o local para realização foi acordado entre entrevistador e entrevistados, pois, de acordo com Lalanda o entrevistado deve sentir-se à vontade e ser levado a ocupar lugar central durante a entrevista. Daí que seja ele a tomar em muitos momentos a iniciativa do discurso (1998, p. 874). A escolha dos sujeitos para esta entrevista também se deu de modo a proporcionar o entendimento de como eles compreendem a entrada da tecnologia para a emancipação dos surdos, na perspectiva de quem já experienciou o mundo, e os embates e lutas antes dessa evolução, pois gostaríamos de conhecer as histórias de vida, a partir do nosso tema de interesse. A entrevista em profundidade permite abordar, de um modo privilegiado, o universo subjectivo do actor, ou seja, as representações e os significados que atribui ao mundo que o rodeia e aos acontecimentos que relata como fazendo parte da sua história (LALANDA, 1998, p. 875). 1796

5 Logo após a etapa das entrevistas foram realizadas as transcrições. Num primeiro momento cada entrevistadora ficou responsável pela transcrição de sua entrevista e, logo após, os dados foram transcritos e traduzidos para a Língua Portuguesa escrita e então disponibilizados aos entrevistados para que a transcrição fosse validada, uma vez que, como diz Bakhtin, apud Fiorin, aquele que pratica um ato de compreensão (também o caso do pesquisador) passa a ser participante do diálogo (BAKTIN apud FIORIN, 2008, p. 5). O resultado das transcrições levou a três categorias a serem analisadas para composição dos resultados deste trabalho. Foram elas: Identidade, Cultura e Autonomia. A técnica escolhida (entrevista), por permitir aos entrevistados possibilidades de falarem das experiências vividas, encaminhou a análise da pesquisa para as categorias acima, uma vez que cidadania e desenvolvimento da tecnologia acabaram se fundindo na própria história de reconhecimento e afirmação da comunidade surda. Não há dúvida de que a narrativa de vida, que em parte se obtém através da técnica da entrevista em profundidade (compreensiva), é uma metodologia que conduz o investigador a procurar o «essencial». O ponto de partida da investigação deixa de ser exterior à realidade, mas nasce desta. (LALANDA, 1998, p. 882). Dos três surdos atuantes na comunidade surda selecionados para esta pesquisa, dois eram educadores e, o terceiro, analista de sistemas. Os nomes dos participantes foram preservados, com autorização dos mesmos, por não fornecerem nenhuma informação que comprometa a integridade dos envolvidos. O primeiro entrevistado foi Ricardo, de 36 anos, que hoje é presidente da Associação de Surdos de São Paulo ASSP. Por isso, podemos dizer que é um surdo que consegue atingir uma parcela considerável da comunidade surda. É graduado em análise de sistemas. Faz uso fluente da Língua de Sinais, LIBRAS, embora utilize, em alguns momentos, aparelho de amplificação sonora individual, o que, na sua própria fala, é um hábito, já que durante muitos anos foi obrigado a usá-lo. Tiago foi o segundo surdo pesquisado. Tem 30 anos e é professor em dois colégios com surdos matriculados. No entanto, não ensina apenas a surdos, mas aos ouvintes também. É formado em pedagogia e letras LIBRAS e cursou pós-graduação em docência do ensino superior. Comunicase exclusivamente em LIBRAS e desenvolve domínio considerável do português escrito. O terceiro entrevistado foi o Fábio, de 28 anos. Ele é professor de LIBRAS, para surdos e ouvintes. Trabalha em um colégio para crianças surdas e em cursos universitários para alunos ouvintes. É formado em Letras LIBRAS e sua comunicação é totalmente realizada através da LIBRAS. 4. CULTURA, IDENTIDADE E AUTONOMIA O decreto No. 5626/05, que regulamenta a Lei /02, da maneira como está proposto, ressalta a importância da LIBRAS na educação e promoção da autonomia das pessoas surdas. Destaca, especificamente, a necessidade de viabilizar a educação bilíngue, na qual se fazem presentes a LIBRAS e a Língua Portuguesa e, ao mesmo tempo, está claramente motivado pela perspectiva da inclusão que, nesse contexto, indica que o grupo minoritário se adeque aos costumes do grupo majoritário e, dessa forma, possam se sentir participantes do contexto social. 1797

6 Por isso, apenas aceitar a Língua de Sinais não resolve, pois é preciso aceitar tudo o que vem junto com a língua, ou seja, a cultura, a identidade, a visão de mundo e a constituição de sujeito, a valorização da diferença compondo o universo social. Essa visão nos remete à necessidade de exposição e aquisição da LIBRAS por crianças surdas o mais precocemente possível, para que possam construir bases sólidas, identidades positivas e autonomia. Segundo Held (2009, p. 2) o conceito de cidadania deve estar associado ao significado de direitos, entendendo direito como [...] estudo dos domínios nos quais os cidadãos têm tentado desenvolver suas próprias atividades dentro das restrições da comunidade. Para o autor, a autonomia se faz representada por agrupamentos de direitos, que o cidadão pode gozar como membro da sociedade. O conceito de autonomia foi um dos que ficaram bastante marcados nos discursos dos sujeitos surdos entrevistados. Podemos constatar que cidadania, direito e identidade se amalgamam, como pode ser percebido na fala de Fábio quando diz: [...] Em Pirituba... Era diferente. Os surdos eram avançados, os sinais fluíam. Eu fiquei admirado, boquiaberto e eu senti, é isso, não estava pronto, não é isso, mas os surdos conversavam, trocavam ideias interagiam, era vida. Depois eu cresci, começaram as discussões, palestra, fui a discussões na Prefeitura sobre o fechamento das escolas de surdos, coisa antiga, eu entrei, fui percebendo, percebendo, percebendo, falando de decreto, direito, conquista. Eu entendi, comecei a entender, o que significa cidadania, me entender. Entendi, eu sou surdo de verdade, isso mostra o que? Surdo tem direito, identidade. Várias coisas [...]. Esse mesmo espírito pode ser notado na fala de Ricardo, a autonomia o poder ser livre para falar aquilo que sente e aquilo que diz respeito aos surdos e que a tecnologia permitiu que se tornasse realidade: Antes eu sofria tinha que pedir para minha mãe ligar para minha namorada, era ruim, podia gerar fofoca, pedir para mãe tratar de meus assuntos particulares, não tinha privacidade (Ricardo). Assim, o direito de usar sua língua lhe faz constituir-se como cidadão, uma vez que pode nessa língua, a LIBRAS, exercer seus direitos e conectar-se a seus deveres. Para grupos minoritários, em particular os surdos, a inclusão diz respeito ao exercício dos direitos, tais como o do acesso à cidade, aos equipamentos de educação, ao trabalho, à assistência e previdência social, à saúde, a lazer e à cultura... Mas sim à participação na sua (re)configuração e (re)construção para que novos direitos relativos à diversidade sejam incorporados (KAUCHAKJE, 2003, p.67). A perspectiva de perceber-se cidadão atuante também se faz marcante quando os sujeitos entrevistados falam sobre como a possibilidade de conexão e informação. Essa ferramenta, de forma rápida e eficaz, viabilizada pelas tecnologias da informação, lhes permite agir em condição equânime aos outros cidadãos, sem que o déficit auditivo seja posto como referência para sua atuação, sabendo-se diferente, o que fortalece sua identidade ao mesmo tempo em que evidencia sua diferença. Como pode ser constatado na fala de Thiago: [...] Cidadania é quando a pessoa é. Ela nasce em um lugar, tem direitos, deveres participa da vida da comunidade, tem informação, circula essa informação, trabalha, mantém contato com os outros, tem opinião própria, identidade, participar ativamente, acho que isso significa cidadania. É isso! 1798

7 O direito de ser, na perspectiva desses surdos, está intimamente ligado ao uso da sua Língua de Sinais, o que, segundo Skliar (1995) é um fator aglutinador dessa comunidade. Isso reafirma o já acima exposto, que é nessa língua que as interações reais e virtuais acontecem e podem, assim, fazer com que esses sujeitos possam se constituir como surdos podendo, também, interagir com o resto da sociedade, compartilhando experiências, por meio de diferentes ferramentas tecnológicas, como pode ser verificado no discurso de Ricardo: [...] Hoje, nossa! Muito melhor (Pega o próprio celular)! Os celulares têm câmera, muito melhor para os surdos, nossa! Têm Internet... É um computador pequeno. Dá p rá se comunicar via web. Antes, nossa, o surdo sofria muito. Agora o sofrimento sumiu. Sumiu. Surdez e as tecnologias digitais O ano de 2002 foi marcado pelo reconhecimento oficial da LIBRAS no Brasil, como segunda língua. Porém, apenas em 2005 a LIBRAS passou a fazer parte do currículo escolar dos alunos surdos. Traçando um paralelo, com relação à evolução tecnológica, é possível notar que nessa época o uso da Internet era limitado, se comparado aos dias atuais. Principalmente com relação aos recursos mais utilizados e recomendados pelas lideranças surdas, aqui entrevistadas: vídeo, celulares e redes sociais. O infográfico a seguir ilustra a evolução, em número de usuários, em uma abordagem comparativa entre os anos de 2002 e Figura 1: Evolução da Internet Brasileira. Fonte: IG

8 Em uma década foi bastante significativo o aumento do número de usuários dos serviços de internet. Vale considerar, também, a ampliação dos recursos e possibilidades, bem como o acesso também à comunidade surda, uma vez que este foi ampliado à população em geral. Esta pesquisa, inclusive, foi bastante facilitada pelas próprias tecnologias. Há uma década não teríamos nem mesmo como contar, além das entrevistas realizadas, com tantos materiais no formato de vídeo, localizados por meio de busca pelos espaços digitais, na procura das manifestações dos surdos. Encontramos também muitos sites dedicados à divulgação da cultura e identidade. Assim, como os nossos entrevistados dizem o quanto foi libertador o uso das tecnologias, pudemos constatar que, por meio delas eles se comunicam e divulgam suas conquistas e conhecimentos. Qualquer pessoa pode, atualmente, localizar esses materiais utilizando palavras-chave no maior portal de vídeos que temos hoje, o YouTube. Vale ressaltar que esse portal foi criado em 2005, nos Estados Unidos, e é possível localizar nele inúmeros vídeos produzidos por pessoas surdas, com diferentes finalidades. Nota-se que há vídeos com legenda ou tradução para língua oral, feitos para a comunidade ouvinte, porém, com informações consideradas relevantes pelos surdos, e outros vídeos, feitos totalmente em Língua de Sinais, reduzindo o acesso da comunidade majoritária que não compreende LIBRAS. Nesse último caso os vídeos abordam demandas específicas para organização da comunidade. Dada a imensa quantidade de materiais no formato de vídeo produzida pela comunidade surda, não nos dedicamos, neste trabalho, a analisá-las por completo, mas vale destacar que foram encontrados materiais que contribuem com a disseminação da cultura surda e outros com objetivo de conquista de direitos, como, por exemplo, conseguir um intérprete para a escola, por meio de vídeo produzido e entregue a um deputado 5. Outro exemplo de material localizado é um convite ao Movimento Setembro Azul 6. Nesse vídeo, que contém legendas, o visualizador pode conhecer a história do movimento surdo e entender as razões para o convite. Por se tratar de um site público, de fácil visualização, esse vídeo, que favorece e empodera os surdos, pode ser entendido pelos não surdos (ouvintes) e, dessa forma, pode disseminar a cultura bem como dar visibilidade à língua. Uma das principais contribuições das Tecnologias Digitais para as pessoas surdas é o fato de facilitar a sua comunicação com o mundo, tirando-os do isolamento em que viveram durante tanto tempo. Os dados coletados mostram o quanto o desenvolvimento tecnológico, especialmente nas últimas duas (?) décadas, significou para os surdos. Os depoimentos do Ricardo e Fábio mostram o quanto a tecnologia possibilitou a sua participação social, com maior autonomia: Antes, os surdos estavam fechados no espaço social. Os ouvintes estavam livres, se comunicando, e o surdo, fechado, convivendo apenas com a família, sempre. Hoje, os surdos transitam, circulam iguais aos ouvintes, e se misturam. Por isso, a evolução tecnológica tirou o surdo desse lugar (Ricardo). Eu sempre junto com a minha mãe e quando ela morrer, eu ignorante, como seria? Com autonomia, eu tenho que fazer por mim mesmo, e assim fui trabalhando. Comecei a faculdade... Eu mesmo escolhi, sem interferência da minha mãe, de ninguém. Eu fiz o caminho. Cidadania significa: - Eu sou surdo! Tenho uma vida dentro de mim. Dois 5 Disponível no link: 6 Disponível no link https://www.youtube.com/watch?v=wfu74grr5u

9 significados: tenho uma cultura, respeito à cada uma das pessoas, também respeito a minha própria cultura. OK? (Fábio). Ao iniciarmos o nosso trabalho acreditávamos que o recurso que mais seria mencionado fosse o computador. No entanto, nos surpreendemos quando eles trouxeram o celular como um recurso que facilitou a comunicação e permitiu uma maior participação e comunicação, entre eles e os outros. Eu vivo em um mundo de palavras do outro. E toda a minha vida é uma orientação nesse mundo; é a reação às palavras do outro (uma reação infinitamente diversificada), a começar pela assimilação delas (no processo do domínio inicial do discurso) e terminando na assimilação das riquezas da cultura humana (expressas em palavras ou em outros materiais semióticos) (BAKHTIN, 1992, p. 379). Os surdos pesquisados utilizam bastante as tecnologias digitais por meio dos celulares, incluindo seus múltiplos recursos, como vídeos, câmeras, bate-papo, redes sociais (Facebook e YouTube), tanto para atividades de lazer, como também discussões políticas. Conhecem muitos recursos e aplicativos. Esses aplicativos auxiliam na comunicação, dando independência e autonomia aos surdos. Acreditam que a evolução das tecnologias contribuiu bastante com o desenvolvimento da autonomia e participação social dos surdos, por meio de celulares, recursos de web conferência e mensagens de texto, principalmente. Isso! Por exemplo, dois surdos conversando, têm as câmeras. Antes, precisava de um interprete para pedir uma pizza, ir ao médico. Agora, sinalizo pela câmera para o intérprete e a informação vai e volta, é legal! É tecnologia, é bom! Por outro lado, tem, no metrô, aquelas telas de TV transmitindo informações. Em alguns, não todas as linhas de metrô, tem explicações. É rápido. Não são todas as linhas, tem na Barra Funda, Butantã... (Fábio). Quando a Internet começou usava o ICQ e depois MSN para conversar com outros surdos, isso facilitou para os surdos porque as reuniões e festas da associação podiam ser marcadas mais rápido, com o correio demorava um mês, com o fax 15 dias, mas com o computador uma semana. Ficou melhor e mais rápido. Dava pra se encontrar mais (Ricardo). Antes, na Associação, chegavam informações, mas o surdo precisava ir à associação receber a informação e, depois, passar para os outros que não tinham ido. Demorava muito. A mesma coisa acontecia com a escola. Quando tinha um campeonato de futebol, por exemplo, só ficava sabendo quem pertencia aqueles espaços, não dava nem pra trocar, um não frequentava o outro. Eram sempre as mesmas pessoas, ficava tudo fechado, cada um no seu espaço isolado. Com o avanço tecnológico isso mudou, não existe mais este isolamento, existe circulação (Tiago). Os depoimentos mostram o quanto a tecnologia significou, ao longo do tempo, mais autonomia para o exercício das atividades diárias, bem como acesso às informações e participação social. Também foi destacada a importância de haver múltiplos recursos, especialmente os que envolvem vídeo e texto como um recurso facilitador da comunicação de maneira clara e fluida: Por exemplo, eu uso muitos aparelhos tecnológicos. Exemplo: tenho celular. Meu celular é completo, tem tudo, mensagens, WhatsUp, Skype que pode mandar mensagem escrita ou de vídeo. Eu uso todos esses. A minha família não tem chamada de vídeo, 1801

10 então, uso com eles mensagem de texto. Às vezes tenho problemas para escrever, mas eles entendem, da pra nos comunicarmos. Com outros surdos, mensagem de texto é mais difícil. Então, conversamos por vídeo, é mais fácil e bem melhor, é mais clara a comunicação, flui bem. Às vezes, uso conversas por vídeo, ou webcam, quando converso com surdos de longe, como do Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, por exemplo. A conversa pode ser sobre vários temas como: família, lazer, palestras e outras informações. Isso facilita muito. Antes, tudo isto era via carta e demorava muito,. O contato é mais rápido e melhor (Tiago). Além disso, observa-se que os surdos conseguem comunicar-se da mesma forma que qualquer ouvinte por meio das tecnologias superando, também, barreiras de tempo e espaço, com apoio da Internet. Por outro lado, parece fazer ainda mais sentido, para os surdos, o uso das tecnologias como meio de exercício da cidadania, uma vez que, historicamente, sem esses recursos, grande parte dos surdos vivia em isolamento. Enquanto a grande maioria de nós já utilizava o telefone, por exemplo, os surdos ainda não podiam usufruir desse recurso e dependiam de correio, ou do acesso presencial às informações, sempre contando com a ajuda de uma terceira pessoa. Da mesma forma que as tecnologias agilizaram processos para a sociedade em geral, para os surdos propiciaram formas de comunicação que fizeram toda a diferença em sua vida social, profissional e atuação cidadã. CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio desta pesquisa, foi possível observar e discutir o quanto as Tecnologias Digitais tem contribuído com a ampliação da cidadania de pessoas surdas, usuárias da Língua de Sinais, especialmente no caso de lideranças sociais. A evolução e a crescente democratização do acesso às Tecnologias Digitais, bem como o reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) como segunda língua oficial do Brasil, foram aspectos essenciais para ampliação da autonomia e participação social dos surdos. É possível, ainda, afirmar que a própria tecnologia facilitou a disseminação da LIBRAS, por meio da comunicação online dos próprios surdos, seja por celulares ou mesmo outros dispositivos. Com relação aos serviços web utilizados, os mais frequentes indicados foram as redes sociais, como o Facebook, e o portal de vídeos YouTube. São acessados tanto pelo celular como por computador comum. Os surdos relataram, inclusive, suas percepções a respeito da evolução tecnológica e a conquista da autonomia ao longo dos anos, uma vez que os celulares tornaram-se mais acessíveis e com recursos multimídia, especialmente o vídeo, permitindo que fizessem, sozinhos, coisas que antes dependiam de ajuda de terceiros, como marcar encontros, informar-se a respeito de reuniões e compartilhar conteúdos por meio da Web. Um fator importante observado foi a própria percepção de cidadania pelos próprios surdos facilitada pelas tecnologias, a medida em que conseguiam conquistar mais autonomia para ter acesso a informações importantes e de seu interesse e ao mesmo tempo podendo compartilhá-las de diferentes maneiras, especialmente pelo uso de celulares e internet. Destacamos, ainda, a necessidade de maiores estudos e aprofundamentos a partir dos inúmeros materiais disponíveis na própria internet, produzidos por pessoas surdas, seja para a própria comunidade ou mesmo para ouvintes, como meio de disseminação de sua cultura e até 1802

11 participação política. Vale investigar o impacto que estas produções podem ter na efetivação de seus direitos e emancipação social. REFERÊNCIAS BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 13ª ed. São Paulo: Hucitec, Estética da criação verbal. São Paulo: Editora Martins Fontes, BENEVIDES, M. V. de M. Cidadania e Democracia. In: Lua Nova. Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 33, p. 5-16, BARROS REZENDE FILHO, C. & ALBUQUERQUE CÂMARA NETO, I. A evolução do conceito de cidadania. Departamento de Ciências Sociais e Letras da Universidade de Taubaté. Disponível em: <www.unitau.br>. Acesso em: 14 abr BRASIL. Lei nº , de 24 de abril de Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abr Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 22 mai Decreto-Lei nº 5.626, de 22 de dezembro de Regulamenta a Lei nº , de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei n , de 19 de dez Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2005/decreto/d5626.htm>. Acesso em: 22 mai CARVALHO, J.M. Cidadania no Brasil o longo caminho. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, p HELD, D. Cidadania e Autonomia. Revista de Ciências Sociais. São Paulo, vol.22, p , Disponível em <http://www.seer.fclar.unesp.br>. Acesso em: 25 mai FIORIN, J.L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, IG Tecnologia. Veja a evolução da Internet ao longo dos anos. Disponível em <http://tecnologia.ig.com.br/ /veja-a-evolucao-da-internet-brasileira-nos-ultimos-dezanos.html>. Acesso em: 25 mai KAUCHAKJE, S. Comunidade Surda: As demandas identirárias no campo dos direitos, da inclusão e da participação social. In: SILVA, KAUCHAKJE e GESUELI (Org.) Cidadania, Surdez e Linguagem - Desafios e realidades. São Paulo: Plexus Editora, LALANDA, P. Sobre a metodologia qualitativa na pesquisa sociológica. Análise Social, vol. XXXIII (148), 1998 (4.º),

12 LÜDKE, M. e ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, ONU. Declaration on the Rights of Persons Belong to National or Ethnic, Religious and Linguistic Minorities Disponível em <http://www.ohchr.org/documents/issues/minorities/booklet_minorities_english.pdf>. Acesso em: 30 mai PEIXOTO, R.C. Algumas considerações sobre a interface entre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e a Língua Portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. In: Caderno Cedes, Campinas, vol. 26, nº 69, 2006, p SKLIAR, C. Uma perspectiva sócio histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In: Educação e Exclusão - Abordagens Sócio Antropológicas em Educação Especial. Porto Alegre: Mediação, SKUTNABB-KANGAS, T. Linguistic Human Rights. A Prerequisite for Bilingualism. In: Bilingualism in Deaf Education, INGER, A. & KENNETH, H. (Eds.), Signum-Vert. Germany, RECONHECIMENTOS Agradecemos aqui todos os entrevistados que contribuíram com esta pesquisa. 1804

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE Denise Nunes de Campos Bühler Dr. Ricardo Vianna Martins Neste artigo trazemos dados preliminares de uma pesquisa 1, em execução no Litoral Norte/RS, que visa mapear

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Breve histórico da profissão de tradutor e intérprete de Libras-Português

Breve histórico da profissão de tradutor e intérprete de Libras-Português O TRABALHO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS-PORTUGUÊS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS. Resumo Autores: Sônia Aparecida Leal Vítor Romeiro Isabella Noceli de Oliveira Carla Couto de Paula Silvério

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A INSERÇÃO DA DISCIPLINA LIBRAS NA FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO Gabriela Geovana Pinho, Claudia

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais