CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE"

Transcrição

1 CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE 2014

2 FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE FAMERP SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

3 Organizadores e Revisores Sérgio Luis Aparecido Brienze Diretor Adjunto de Ensino Medicina FAMERP. Júlio César André Coordenador Geral Medicina FAMERP. Elizabeth Abelama Sena Somera Diretora do Núcleo Pedagógico Educacional. Pedro Belchior da Silveira Junior Analista de Serviço Administrativo Ensino. Núcleo Pedagógico Educacional (NuPE). Ficha Catalográfica Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Manual do Estudante. Curso de Graduação em Medicina / organizadores e revisores Sérgio Luis Aparecido Brienze; Júlio César André; Elizabeth Abelama Sena Somera e outros. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, p; 21 cm. 1. Educação superior. 2. Organização institucional. 3. Manuais, guias, etc. 4. Guias informativos. 5. Medicina. I Brienze, Sérgio Luis Aparecido (org.) II. André, Júlio César (org.) III. Somera, Elizabeth Abelama Sena (org). III. Título. NLM WA CDU

4 SUMÁRIO 1. FAMERP - UM BREVE HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO DAS ATIVIDADES FIM ESTRUTURA ACADÊMICA DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) ESTRUTURA-DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) ESTRUTURA FÍSICA INFORMES GERAIS: FORMAS DE COMUNICAÇÃO OFICIAL NORMA REGULAMENTAR VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR ESTRUTURAS DE APOIO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA FAMERP SERVIÇO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CIENTÍFICA (SBDC) OPÇÕES DE ATIVIDADES EXTRACURRICULARES LABORATÓRIOS CONJUNTO POLIESPORTIVO APOIO PSICOPEDAGÓGICO E SOCIAL AO ALUNO REPRESENTAÇÃO DISCENTE FAEPE INFORMES ESPECÍFICOS: CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR ANEXOS Anexo A - REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Anexo B - VACINAS Anexo C - RECOMENDAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO DE MATERIAL COM RISCO BIOLÓGICO... Anexo.D.-.RECOMENDAÇÕES PARA ABORDAGEM DA EXPOSIÇÂO OCUPACIONAL A MATERIAIS BIOLÓGICOS DE RISCO: HIV E HEPATITES B E C Anexo E - DIRETRIZES DA NR Anexo F - SITES DE INTERESSE

5 d 1. 1-FAMERP - UM BREVE HISTÓRICO 1968 Autorizado o funcionamento da Faculdade Regional de Medicina São José do Rio Preto (FARME) Reorganização da instituição que culminou no surgimento da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) Encaminhada a proposta para instalação do Curso de Graduação em Enfermagem ao Conselho Federal de Educação Autorizado o funcionamento do Curso de Graduação em Enfermagem Estadualização da Faculdade, que passou a denominar-se Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) - Autarquia Estadual Reconhecimento do Curso de Graduação em Enfermagem no âmbito Federal pela Portaria Ministerial nº 193 de 14/01/ Implantação da Nova Proposta Pedagógica para o Curso de Medicina. 2..Estudos para elaboração da Nova Proposta Pedagógica para o Curso de Graduação em...enfermagem. 3..Evolução do conceito C para B do Curso de Medicina no Exame Nacional de...cursos (Provão) Conceito B do Curso de Medicina e A do Curso de Enfermagem no Exame Nacional de Cursos (Provão) Implantação da Nova Proposta Pedagógica do Curso de Graduação em Enfermagem. 2. Implantação dos Componentes Eletivos no Ciclo Composicional do Curso de Medicina. 3. Criação e oficialização do Núcleo de Apoio ao Ensino de Enfermagem NAENF Conceito B dos Cursos de Medicina e Enfermagem no Exame Nacional de Cursos (Provão) e nota 4 da Pós-Graduação Stricto sensu Implantação dos Componentes Eletivos no Ciclo Composicional do Curso de Graduação em Enfermagem..2. Implantação do Ciclo Profissional do Curso de Graduação em Medicina Implantação do Ciclo Profissional do Curso de Graduação em Enfermagem..2..Reestruturação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação em Medicina e..enfermagem da FAMERP após conclusão da avaliação dos mesmos..3. Aprovação da FAMERP (Medicina) no PRÓ-SAÚDE I..4. Criação da Comissão Interna de Avaliação CIAv Implantação das alterações na reestruturação dos projetos pedagógicos dos Cursos de Graduação em Enfermagem e Medicina. 2...Estabelecimento das normas para as atividades complementares nos cursos de Medicina e Enfermagem. 3...Participação do Curso de Enfermagem e de Medicina no Exame Nacional de Cursos.(ENADE). 4...Certificação do Curso de Enfermagem com 3 estrelas pelo Guia do Estudante da.editora Abril, publicada na edição Guia do Estudante Melhores Universidades Renovação do Reconhecimento do Curso de Medicina até 2012 (Parecer CEE n. 643/2007). 1...Classificação da FAMERP pelo MEC como uma das 10 melhores faculdades do país - nota 5 da Pós-Graduação Stricto sensu. 2. O Curso de Enfermagem obteve conceito 5 no ENADE, no IDD e no Conceito.Preliminar de Curso, classificando-o entre os 25 melhores cursos do país. 3. Certificação do Curso de Enfermagem com 4 estrelas pelo Guia do Estudante da.editora Abril, publicada na edição Guia do Estudante Melhores Universidades 2008/2009 e.classificação da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto como melhor escola...médica do Interior do Brasil. 4..Aprovação da FAMERP (Enfermagem) no PRÓ-SAÚDE II. 5..Aplicação dos instrumentos avaliativos elaborados pela Comissão Interna de Avaliação CIAv. 4

6 Nota máxima (5,0) no Índice Geral de Cursos (IGC) quanto à qualidade dos seus cursos e da instituição referente ao ano de Participação do Curso de Graduação em Medicina no Teste do Progresso em parceria com os Cursos de Medicina da UNICAMP, FURB, USP (São Paulo e Ribeirão Preto),UNIFESP, UNESP (Botucatu) FAMEMA e UEL e iniciativa individualizada do...curso de Graduação em Enfermagem com o teste próprio. 3. Implantação do Centro de Bioterismo da FAMERP. 4. Implantação do Distrito Escola em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de São.José do Rio Preto como cenário de prática para alunos de graduação, pós-graduação lato...sensu, residência médica, aprimoramento e aperfeiçoamento Otimização do Corpus Docente dos Cursos de Graduação em Medicina e Enfermagem com contratação, por concurso público, de 29 Professores em áreas especializadas. 2. Aprovado e iniciado, com 24 vagas, o Programa de Residência Multiprofissional nas áreas de Enfermagem e Nutrição (Edital nº 24 de 02/12/2009 Ministérios da Saúde e da Educação). 3. Aprovado o projeto Pró-Ensino na Saúde (Edital nº 24/2010 Programa da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, em parceria com a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde). 4..Certificação do Curso de Enfermagem com 4 estrelas pelo Guia do Estudante da Editora Abril, publicada na edição Guia do Estudante Melhores Universidades Comemoração dos 20 anos do Curso de Enfermagem. 2..Renovação do Reconhecimento dos Cursos de Medicina e Enfermagem da FAMERP...devido à obtenção do conceito 5 no ENADE de 2010, com resultado divulgado em...17/11/2011, segundo Portaria do Conselho Estadual de Educação CEE/GP n. 522, de Implantação da prova prática Objective Structured Clinical Examination (OSCE) Certificação do Curso de Enfermagem com 4 estrelas pelo Guia do Estudante da Editora Abril, publicada na edição Guia do Estudante Melhores Universidades 2012/ FAMERP encontra-se entre as 27 melhores instituições de Ensino Superior do país, com conceito IGP contínuo =.4,18 e considerada faixa 5 ( Conceito máximo ). 3..Aprovação da FAMERP no PRÓ-SAÚDE III. 4..Aprovação de 4 novos programas de Residência Multiprofissional (Atenção ao Câncer, Saúde da Criança, Vigilância em Saúde e Reabilitação). 5..Início do Mestrado Acadêmico em Enfermagem 15 vagas A FAMERP foi a primeira faculdade do Estado a ter incremento de vagas já no ano letivo de Um acréscimo de 25% no vestibular de 2014, com o aumento de 64 para 80 vagas no curso de Medicina. 2. Segundo dados do Ministério da Educação e Cultura (MEC), das 35 instituições de ensino superior na região de São José do Rio Preto avaliadas pelo MEC em 2012, somente a Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP) obteve nota 5, a máxima no Índice Geral de Cursos (IGC). 3. Início do Programa de Pós-graduação em Psicologia e Saúde. 4. Início das atividades do Hospital da Criança e Maternidade (HCM). 5. Aprovação de 54 novas vagas de residência médica pelo programa Pró-Residência. 5

7 2-ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIRETORIA GERAL/FAMERP Diretor Geral: Prof. Dr. Dulcimar Donizeti de Souza Vice-Diretor Geral: Prof. Dr. Francisco de Assis Cury DIRETORIAS ADJUNTAS/FAMERP Administração: Prof. Dr. Aldenis Albaneze Borim Alunos: Prof. Dr. Irineu Luiz Maia Ensino: Prof. MSc. Sérgio Luís Aparecido Brienze Extensão de Serviços à Comunidade: Prof.ª Dr.ª Lúcia Marinilza Beccaria Pesquisa: Prof.ª Dr.ª Suzana Margareth Ajeje Lobo Pessoal: Prof. Dr. Helencar Ignácio Pós-Graduação: Prof. Dr. José Victor Maniglia DIRETORIA EXECUTIVA/FUNFARME Diretor Executivo: Prof. Dr. Horácio José Ramalho DIRETORIA ADMINISTRATIVA/ FUNFARME Diretor Administrativo: Dr. Jorge Fares DIRETORIA EXECUTIVA/FAEPE Diretor Executivo: Prof. Dr. Aldenis Albaneze Borim Diretor Financeiro: Prof. Dr. Luiz Carlos de Mattos Diretor Administrativo: Prof. MSc. Sérgio Luis Aparecido Brienze Telefone: (17) SECRETARIA GERAL Secretária Geral: Prof.ª Maria Aparecida Barbosa da Silva Contatos: Eric Nunes Viana Oliveira Telefone: (17) COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA Coordenador Geral: Prof. Dr. Julio César André Telefone: (17) COORDENADORIA DE GESTÃO ACADÊMICA (VIDA ESCOLAR) Assessora Técnica: Vanda Maria Barbosa Telefone: (17) Contatos: Lúcia H. Praconi Mendonça Telefone: (17) Marisa Jordão Martins Alves Telefone: (17) Wellington da Silva Oliveira Telefone: (17)

8 DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) Diretor Adjunto de Ensino: Prof. MSc. Sérgio Luis Aparecido Brienze Coordenador Geral: Prof. Dr. Júlio César André SECRETARIA DA DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) Sirlei Maria da Silva Lucas Telefone: (17) / Sonia Maria Cestari Telefone: (17) SECRETARIA INTERNATO - DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) Rosemeire Cássia Moura de Freitas: Telefone: (17) SEÇÃO DE ENSINO, CONTROLE DE FREQUÊNCIA E ORGANIZAÇÃO DE AMBIENTES ÀS AULAS TEÓRICAS (DAEM) Sirlei Costa Telefone: (17) NÚCLEO PEDAGÓGICO EDUCACIONAL (DAEM) Diretora: Prof.ª Dr.ª Elizabeth Abelama Sena Somera Telefone(17) Pedro Belchior da Silveira Junior Telefone (17) Rangel Luiz dos Santos Telefone (17) NÚCLEO DE PROCESSOS AVALIATIVOS - (DAEM) Responsável: Prof.ª Dr.ª Alba Regina de Abreu Lima Telefone: (17) NÚCLEO DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS - (DAEM) Responsável: Prof. Dr. Luiz Carlos de Mattos Telefone: (17) SERVIÇO DE BIBLIOTECA DE DOCUMENTAÇÃO CIENTÍFICA (SBDC) -(DAEM) Coordenador: Prof.ª Dr.ª Ana Cláudia Polli Lopes Telefone: (17) Bibliotecária: Rosângela Maria Moreira Kavanami Telefone: (17) Contatos: balcão de atendimento Telefone: (17)

9 3-ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP Estrutura Organizacional Administração Superior Congregação Câmara de Graduação Conselho Departamental Câmara de Extensão de Serviços à Comunidade Câmara de Pós-Graduação Câmara de Pesquisa Diretoria Geral Chefia de Gabinete e Assessorias Dir. Adj. Administração Dir. Adj. Alunos Dir. Adj. Ensino Dir. Adj. Extensão Dir. Adj. Pesquisa Dir. Adj. Pessoal Dir. Adj. Pós- Graduação Órgãos de decisões Filosófico-Político-Administrativas Órgãos Consultivos Órgão Executivo Central Órgãos Executivos Setoriais Assessorias 4-ADMINISTRAÇÃO DAS ATIVIDADES FIM Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP Estrutura Organizacional Administração das atividades fim Conselho Departamental Diretoria Geral e Adjuntas Departamentos Colégio Chefia Corpo Docente Secretaria Corpo Discente Corpo Não Docente 8

10 Anatomia Biologia Molecular Cardiologia e Cirur. Cardiovascular Ciências Neurológicas Cirurgia Doenças Dermatológicas, Infecciosas e Parasitárias Epidemiologia e Saúde Coletiva Especialidades Cirúrgicas Ginecologia e Obstetrícia Imagem Medicina I Medicina II Ortopedia e Traumatologia Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço Patologia e Medicina Legal Pediatria e Cirurgia Pediátrica Psiquiatria e Psicologia Médica Enfermagem Geral Enfermagem Especializada Enfermagem em Saúde Coletiva e Orientação Profissional 5-ESTRUTURA ACADÊMICA Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP Estrutura Organizacional Estrutura Acadêmica D E P A R T A M E N T O S Medicina Enfermagem DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO DE MEDICINA (DAEM) A Diretoria Adjunta de Ensino de Medicina é a responsável por elaborar a política da FAMERP referente à área de Ensino, juntamente com Departamentos, Centros Interdepartamentais e Câmaras específicas. Com a atribuição de definir as diretrizes para o planejamento, a execução e a avaliação das atividades educacionais, tem por objetivo interagir com as interfaces internas e externas na busca de conhecimentos e experiências que favoreçam a visão científica, a pedagógica e a tecnológica do desempenho da FAMERP. Através de seus núcleos específicos (Núcleo Pedagógico Educacional; Processos Avaliativos; Relações Institucionais; Educação Permanente e Docente Estruturante) organiza processos de desenvolvimento pessoal e organizacional de formação e informação sob a forma de educação permanente e de educação continuada, cursos, seminários e palestras, além de propor a realização de eventos, envolvendo a comunidade interna e externa, no âmbito das Ciências da Saúde. 9

11 7-ESTRUTURA DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) DIRETORIA GERAL Diretoria Adjunta Ensino Medicina CÂMARA DE GRADUÇÃO Núcleo Pedagógico Educacional Coordenação do Curso de Medicina Núcleo de Educação Docente Permanente Núcleo de Relações Institucionais Secretaria e expediente NDE Núcleo de Processos Avaliativos NÚCLEO DE CIÊNCIAS BÁSICAS NÚCLEO DE CLÍNICA NÚCLEO DE PEDIATRIA Avaliação Institucional Exame de transferência EXTERNO S EXTERNO S ENADE IFOM Teste de Progresso NÚCLEO DE CIRURGIA NÚCLEO DE GINECOLOGI A E OBSTETRÍCIA NÚCLEO DE SAÚDE COLETIVA NÚCLEO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA e-test plus 10

12 8-ESTRUTURA FÍSICA Croqui do Campus AV. BRIG. FARIA LIMA 11

13 IDENTIFICAÇÃO DO ESQUEMA DA ESTRUTURA FÍSICA 1 Portaria. 2 Diretoria Geral, Diretoria Adjunta de Administração, Contabilidade, Departamento de Compras, Assessoria Jurídica. 3 Núcleo de Informática, Seção de Recursos Didáticos e Xerox, Diretoria Adjunta de Pesquisa. 4 Banco Santander. 5 Diretoria de Extensão; Departamentos: Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular, Ortopedia e Traumatologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Diretoria de Extensão, Ginecologia e Obstetrícia, Imagem, Ciências Neurológicas, Especialidades Cirúrgicas, Psiquiatria e Psicologia Médica. 6 Diretoria Adjunta de Pós-Graduação. 7 Departamentos: Biologia Molecular, Morfologia, Patologia e Medicina Legal. Salas dos professores: Farmacologia, Fisiologia, Histologia, Imunologia e Parasitologia. Laboratórios de Histologia e Toxicologia. 8 Serviço de Verificação de Óbito (SVO). 9 Diretoria Adjunta de Ensino, Núcleo Pedagógico Educacional. 10 Almoxarifado e Manutenção. 11 Departamentos: Medicina I e II, Doenças Dermatológicas, Infecciosas e Parasitárias - DIP, Cirurgia, Pediatria e Cirurgia Pediátrica, Anatomia e Cirurgia Pediátrica sala do Prof. Humberto. 12 Diretoria Adjunta de Pessoal. 13 Anfiteatro Central. 14 Secretaria Geral, Protocolo, Arquivo e Documentação e Gestão Acadêmica. 15 Coordenação de Tutoria. 16 Laboratório de Anatomia. 17 Diretoria Adjunta de Alunos, CASA, SOPPA, Laboratório de Psicologia e Saúde. 18 Laboratório de Ciências Neurológicas e Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço. 19 Centro Acadêmico da Medicina CAEZ. 20 Cantina. 21 Departamento de Epidemiologia e Saúde Coletiva DESC. 22 Laboratórios: Microscopia, Microbiologia, Bioquímica, Farmacologia, Fisiologia, Biologia Molecular e Endocrinologia e Metabolismo. 23 Fundação de Apoio ao Ensino, à Pesquisa e à Extensão de Serviços à Comunidade da FAMERP FAEPE. 24 Comitê de Ética em Pesquisa da FAMERP. 25 Laboratório de Marcadores Moleculares e Bioinformática Médica. 26 Centro Acadêmico da Enfermagem. 27 Unidade Mário Covas (secretarias, coordenação e departamentos de Enfermagem, salas de aula, laboratórios, biblioteca e setor de crachá). 28 Unidade Fleury (Anfiteatro Fleury, salas de aula, sala de aula digital e recursos audiovisuais) 29 Unidade Mário Covas (salas de aula, laboratórios de enfermagem, secretarias e offices do Curso de Enfermagem). 30 Laboratórios: Virologia, Microbiologia, Biologia Molecular, Pesquisa Transplante Renal Centro Investigação Microrganismos, Epidemiologia, Investigação Doenças Neuromusculares, Núcleo Transdisciplinar Estudos do Caos, Bioquímica e Biologia Celular, Fisiologia, Marcadores Moleculares Bioinformática Médica, Fisiopatologia Renal, Sepse e Microcirurgia. 31 Laboratórios: Cirurgia Experimental, Técnicas e Habilidades Cirúrgicas e Biotério. Conjunto Poliesportivo. 12

14 9-INFORMES GERAIS FORMAS DE COMUNICAÇÃO OFICIAL Serviços de Expediente A Secretaria Geral, o Setor de Protocolo e a Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar) estão à disposição dos acadêmicos para quaisquer esclarecimentos, das 07:30h às 17:00h de 2ª a 6ª feira. Informação no Site da FAMERP Acessando no menu Graduação - Secretaria Geral você obterá informações sobre Rendimento Escolar, Regime Domiciliar e Prova Substitutiva clicando em Normas. Clicando em Requerimentos você poderá acessar os modelos de requerimentos para: trancamento de matrícula, cancelamento de matrícula, regime domiciliar saúde, regime domiciliar gestante e outros. Divulgação de Assuntos da Diretoria Resoluções, Portarias, Comunicados, Editais e Avisos são publicados em quadros próprios, localizados na Portaria da Faculdade. Circulação do Alunado pelo Campus O aluno poderá circular no complexo da FAMERP e FUNFARME desde que porte o crachá de identificação acadêmica. A confecção do crachá é feita no Setor de Crachá (junto à Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar), após pagamento de taxa junto a tesouraria (Setor de Contabilidade) da FAMERP. ATENÇÃO: todos os alunos deverão se apresentar trajados apropriadamente, sendo proibido o uso de chinelos, shorts, além de blusas decotadas e qualquer outra indumentária inadequada para a participação nas atividades acadêmicas (Portaria FAMERP n. 035/2008). 13

15 Trancamento de Matrícula O pedido de trancamento de matrícula poderá ser requerido até o transcurso de 2/3 (dois terços) do ano letivo. Cancelamento de Matrícula Poderá ser realizado mediante requerimento ao Diretor Geral. Será cancelada a matrícula do candidato, que tiver ausência injustificada em todas as aulas, nas duas primeiras semanas do primeiro período letivo (semestre) do ano de ingresso. Divulgação de Notas e Faltas Para verificar notas e faltas online acesse o endereço eletrônico Não serão fornecidas quaisquer informações por telefone, a respeito de notas, provas e frequência. Maiores informações poderão ser obtidas na Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar). ATENÇÃO: O ALUNO DEVE ESTAR ATENTO AO CONTROLE QUANTITATIVO DE SUAS FALTAS QUE NÃO PODEM EXCEDER A 25% DA CARGA HORÁRIA DE CADA DISCIPLINA. FALTAS ACIMA DESSE LIMITE INCORREM EM REPROVAÇÃO, INDEPENDENTEMENTE DAS NOTAS OBTIDAS. RECOMENDA-SE A LEITURA DO ARTIGO 124 DO REGIMENTO INTERNO DA FAMERP DISPONÍVEL NA BIBLIOTECA. 10- NORMA REGULAMENTAR - Dispõe Regulamentação do Rendimento Escolar 1. A verificação do rendimento escolar será feita por disciplina incidindo sobre a frequência e o aproveitamento escolar. 2. A frequência às aulas e às demais atividades programadas constantes dos planos de ensino é obrigatória, vedado o abono de faltas, exceção feita ao Decreto Lei 715/69 - Serviço Militar. 3. A duração da hora/aula é de 50 (cinquenta) minutos, conforme disposto no 2º do artigo 84 do Regimento em vigor. O professor deverá registrar a frequência em cada unidade de aula. 4. O parâmetro para aprovação, no que se refere à frequência, é o índice de 75% da carga horária total programada pela disciplina, calculado sobre a unidade de aula. 5. Ficará reprovado por infrequência, o aluno que não alcançar o índice de 75% de frequência, independentemente dos demais resultados obtidos na avaliação do aproveitamento escolar. 6. As faltas coletivas serão registradas nas datas em que ocorrerem e contarão para o cálculo da porcentagem final de frequência, ficando a reposição da matéria a critério do professor. 14

16 6.1. O professor apresenta ao coordenador de série/núcleo um mínimo de 3 (três) possibilidades para a data e hora de reposição, dentro do horário letivo O coordenador de série/núcleo em concordância com o representante oficial da classe definem a data e hora para a reposição de acordo com o disponibilizado pelo professor Compete ao coordenador de série/núcleo comunicar o professor da data e hora definido para a reposição Em situações especiais que necessitem de cancelamento de aula, a reposição se fará de acordo com o disposto nos itens 6.1., 6.2. e 6.3. sem registro de frequência na data cancelada. Neste caso, a frequência incidirá sobre a reposição. 7. A verificação de frequência far-se-á da seguinte maneira: A verificação, aferição e registro da frequência, em lista apropriada, será da responsabilidade do professor, bem como a sua entrega imediata após o término da aula na Secretaria do Departamento ou na Secretaria de Controle de Alunos e Organização de Ambientes Secretaria Fleury Ao final de cada dia, ou no primeiro dia útil subsequente, o(a) secretário(a) do Departamento ou secretário(a) da Secretaria Fleury confere as listas de frequência e carga horária junto ao cronograma de execução do plano de ensino, e as encaminha para o Setor de Vida Escolar. O Setor de Vida Escolar terá até cinco dias úteis para disponibilizar as frequências no Sistema de Gestão FAMERP SGF Aos alunos com representatividade nos órgãos colegiados convocados para reunião, não será imputada infrequência nas aulas em que os horários coincidirem, ficando sob a responsabilidade do Setor de Vida Escolar a compensação da falta, mediante comprovação. 8. A compensação de frequência será possível nas seguintes situações: 8.1. Assistência Pedagógica Domiciliar Decreto Lei 1.044/69 e Regime de Exercícios Domiciliares para Doenças Graves: O interessado ou seu representante autorizado deverá requerer o formulário próprio no Setor de Protocolo e preenchê-lo adequadamente, anexando ao mesmo o atestado médico, no prazo máximo de três (03) dias úteis, após o último dia da frequência do aluno Somente será autorizado regime de exercícios domiciliares para período igual ou superior a 07 (sete) dias; as ausências por períodos menores serão computadas como faltas Os casos excepcionais serão julgados pela Câmara de Graduação Regime de Exercícios Domiciliares à estudante em estado de gestação, definidos na Lei Federal 6202/75: 15

17 A gestante a partir do oitavo mês e durante três meses poderá requerer no Protocolo, em formulário próprio, o seu afastamento, anexando ao mesmo atestado médico constando que a interessada encontra-se no oitavo mês de gestação A Lei 6202/75 beneficia a estudante gestante, em 3 (três) meses a contar do 8º mês de gestação Se a interessada o requerer depois do nascimento da criança, deverá anexar ao requerimento à cópia da certidão do nascimento, e a contagem passa a ser de dois meses a partir da data do nascimento O setor de Protocolo encaminha o processo de regime domiciliar ao coordenador do curso para ciência e na sequência à Secretaria do Departamento que deverá comunicar o chefe de disciplina, para que o professor tenha ciência do afastamento do aluno Da leitura e análise dos dispositivos legais indicados (8.1. e 8.2.) não se infere que o regime domiciliar se aplica aos Ensinos Clínicos, aos Estágios Supervisionados e ao Internato, que por sua natureza são insubstituíveis. Deve o (a) requerente arcar com a obrigatoriedade do cumprimento total da carga horária exigida, uma vez findo o período de regime domiciliar O cumprimento da carga horária total exigida se fará mediante calendário especial compatível com as atividades acadêmicas regulares e considerando a(s) disponibilidade(s) docente(s) proposto pelo Departamento ao qual está vinculada a disciplina. O calendário especial proposto deverá ser apreciado e autorizado pela Câmara de Graduação, bem como os casos excepcionais e/ou omissos No caso do(a) requerente residir fora do município de São José do Rio Preto, as despesas com transporte serão por conta do(a) requerente. 9. A porcentagem de frequência do aluno que ingressar por transferência, será computada com base nas aulas e demais atividades realizadas, após a data da efetivação da sua matrícula. 10. O aluno que obteve M2 menor que 5,0 (cinco inteiros) e igual ou maior que 3,5 (três inteiros e cinco décimos) deverá requerer à Diretoria Adjunta de Ensino, via Setor de Protocolo, a avaliação pós-letiva. O prazo é de 03 (três) dias úteis, a contar da publicação oficial da nota da avaliação final. 11. O aluno poderá fazer avaliação pós-letiva em todas as disciplinas da série, desde que tenha requerido autorização à Diretoria Adjunta de Ensino, junto ao Setor de Protocolo 12. Poderão ser realizadas até duas avaliações pós-letivas por dia, que não poderão ser simultâneas. 16

18 13. O prazo para o requerimento da revisão de resultados das avaliações letivas e pósletiva no Setor de Protocolo é de 03 (três) dias úteis a contar da data de afixação da nota, desde que esses instrumentos sejam documentais e estejam arquivados no setor de Vida Escolar. 14. O aluno que perder a avaliação em processo poderá requerer a segunda chamada no Setor de Protocolo, justificando a sua ausência, em até 03 (três) dias úteis, a contar da data da aplicação. 15. O Setor de Protocolo deverá comunicar imediatamente o professor sobre a segunda chamada, que deverá agendar a mesma com ciência do aluno. 16. As provas de segunda chamada poderão ser orais, desde que realizadas por banca examinadora composta por, no mínimo 2 docentes. 17. A solicitação de alteração de datas de provas preestabelecidas no Calendário Escolar será feita através de ofício, com 100% (cem por cento) de anuência dos alunos da classe e o ciente e de acordo do professor responsável pela disciplina, protocolado à Coordenadoria dos respectivos cursos, que poderá deferir ou não. 18. É vedada a mudança das datas das avaliações pós-processo (final) e pós-letiva, bem como segunda chamada. As situações excepcionais serão julgadas pela Diretoria Adjunta de Ensino, considerando-se o histórico escolar do aluno e o parecer do professor responsável pela disciplina. 19. O aluno reprovado em uma ou várias disciplinas, independentemente de sua carga horária, poderá cursar as outras disciplinas da série. No ano seguinte, poderá requerer, na data da matrícula, aproveitamento de estudos, devendo cursar somente a(s) disciplina(s) em que foi reprovado. 20. O aluno seguirá a Matriz Curricular em vigor na data de sua primeira matrícula. 21. Em período de transição, no caso de reprovações que o obriguem a cursar disciplinas componentes de outra estrutura curricular vigente, o aluno deverá regularizar sua situação de adaptação à nova grade, mediante ato oficial. 22. Os instrumentos da avaliação em processo deverão ser no mínimo de 02 (dois) para disciplinas com 30 horas, podendo caracterizar-se como: provas escritas, orais, dissertativas ou objetivas, seminários, trabalhos escritos, relatórios técnicos de atividades em laboratório ou unidades de serviços e outras formas que deverão constar obrigatoriamente dos Planos de Ensino. 23. Os chefes das disciplinas serão responsáveis pela obtenção e organização das questões das provas, e por apresentá-las à Secretaria do Departamento com antecedência mínima de 17

19 24 (vinte e quatro) horas. Também coordenarão as correções, devolutivas e revisões das provas. 24. O professor terá até as 16 horas do 5º (quinto) dia útil, a contar da data da aplicação, para a correção das provas e entrega das notas, em impresso próprio, na Secretaria do Departamento que encaminha no mesmo dia ao Setor de Vida Escolar Caso o professor exceda o prazo de correção, o Chefe de Disciplina deverá encaminhar comunicado ao Chefe do Departamento para providências e este para o Diretor Adjunto de Ensino para o caso de possíveis advertências. 25. O docente responsável pela disciplina deverá prever no cronograma no mínimo 1 (uma) hora/aula para discussão de cada avaliação aplicada. 26. Fica sob a responsabilidade do respectivo Departamento a afixação das notas das avaliações intermediárias e em processo de cada disciplina, bem como o envio das mesmas ao Núcleo Pedagógico Educacional (NuPE) Caberá ao setor de Vida Escolar a divulgação no SGF das notas do Internato que compõe cada Área da Medicina e do Estágio Supervisionado da Enfermagem. 27. As avaliações em processo, pós-processo e pós-letivas serão arquivadas no setor de vida escolar por tempo a ser determinado pela TABELA DE TEMPORALIDADE da IES. Após esse período as mesmas deverão ser eliminadas. 28. O professor terá até as 16 horas do 5º (quinto) dia útil, a contar da data de sua aplicação, para entregar as notas da avaliação final (pós-processo), em impresso próprio, na Secretaria do Curso que encaminhará ao Setor de Vida Escolar no mesmo dia O prazo máximo para afixação do resultado de M1 pelo Departamento será de 10 dias antes da avaliação final. 29. O Setor de Vida Escolar terá o prazo de 03(três) dias úteis, após a entrega pelo professor, para a divulgação no SGF da nota da avaliação final e da situação do alunado. 30. A avaliação pós-letiva será realizada após, no mínimo, 15 (quinze) dias corridos, contados da data da divulgação da nota no SGF da avaliação final. 31. Todas as notas entregues ao Setor de Vida Escolar deverão ter aproximação de uma casa decimal, respeitados os critérios de notação científica. 32. Em casos não contemplados nessas normas poderá se constituir um Conselho de Classe convocado pelo Coordenador de Curso, a qualquer momento, composto pelo menos pelos professores responsáveis das disciplinas da série, coordenador de série/núcleo e presidido pelo Coordenador de Curso As decisões do Conselho de Classe deverão ser ratificadas pela Diretoria Adjunta de Ensino respectiva e homologadas pela Câmara de Graduação. 18

20 11-VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR Frequência maior ou igual a 75% Frequência menor que 75% AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO ESCOLAR Média (1) igual ou maior que 6,5 Media (1) menor que 6,5 AVALIAÇÃO FINAL Média (2) com aproveitamento igual ou maior que 5,0 Media (2) com aproveitamento menor que 5,0 e igual ou maior que 3,5 Média (2) com aproveitamento menor que 3,5 AVALIAÇÃO PÓS-LETIVA Nota igual ou maior que 5,0 Nota Menor que 5,0 Aprovação por Mérito Aprovação por Avaliação Final Aprovação por Avaliação Pós - letiva Reprovação Legenda: Média 1: Avaliação em processo, compreendendo as situações realizadas durante o desenvolvimento curricular, que é resultante da média aritmética ou ponderada das notas atribuídas às avaliações realizadas. Média 2: Avaliação pós-processo, compreendendo a realização da avaliação final, que é resultante da média aritmética entre Média (1) e a nota da avaliação final. 19

21 12- ESTRUTURAS DE APOIO 12.1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA FAMERP Núcleo de Informática - Responsável: Prof. Dr. João Marcelo Rondina O Núcleo de Informática é o setor responsável pela gestão da tecnologia da informação (TI) na FAMERP. FAMERPNET A FAMERPNET é o sistema de rede que realiza a gestão de todos os serviços e aplicações de TI da FAMERP: internet, SGF, Periódicos Eletrônicos (Portal Capes), Sistema de Biblioteca, dentre outros. SGF SGF (Sistema de Gestão FAMERP) é uma plataforma formada por uma coleção de programas (Softwares) e uma base de dados única com informações da FAMERP. SGF Alunos O SGF Alunos é uma aplicação disponível aos alunos de graduação do curso de Enfermagem e Medicina da FAMERP. Nesta aplicação, o aluno tem acesso a várias informações e serviços: Registro de notas e frequência. Pendências de documentos junto a Secretaria de Gestão Acadêmica. Conferência de informações pessoais: documentos, classificação e notas do vestibular, s, endereços, dentre outros. Emissão de requerimentos, com 30 tipos disponíveis, divididos em três grupos: gerais, histórico escolar e regime domiciliar. O endereço de internet do SGF Alunos é Estações de Pesquisa na Biblioteca Estão disponíveis na biblioteca da FAMERP 32 computadores, equipados com a versão completa do MS Office 2010 (Word, Excel e PowerPoint), que possibilitam ao aluno produzir textos, planilhas e apresentações. SAD Sala de Aula Digital A FAMERP conta com uma moderna sala de aula digital, equipada com 22 computadores, climatizada, com lousa interativa, móveis modernos e ergonômicos. 20

22 RGC (login) e senha Cada aluno recebe um login e senha únicos para acessar a FAMERPNET e suas aplicações, como por exemplo, o SGF Alunos. Esse login e senha, também chamado de RGC (registro geral na comunidade), são entregues ao aluno pela Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar). Por medida de segurança o aluno não deve revelar seu RGC para terceiros. Serviço FAMERP WI-FI O recurso de internet sem fio é gratuito para todos os alunos matriculados regularmente na FAMERP, e está disponível na instituição desde A tecnologia utilizada para disponibilizar este serviço é a Wi-Fi (Wireless Fidelity), baseada no padrão A política de acesso é a mesma da FAMERPNET. Cerca de 90% do campus da FAMERP possui cobertura Wi-Fi. O acesso é permitido para clientes que possuam notebooks, netbooks, tablets ou smartphones. Em caso de dúvidas, é disponibilizado um manual de apoio à rede Wi-Fi. O mesmo pode ser acessado através do SGF Alunos. DÚVIDAS MAIS FREQUENTES Não tenho RGC (login), o que devo fazer? Entre em contato com a Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar) da FAMERP e solicite o seu RGC (login e senha da FAMERPNET). Esqueci minha senha, o que devo fazer? Entrar em contato com a Coordenadoria de Gestão Acadêmica (Vida Escolar) e solicitar a 2ª via. Quais outros serviços podem ser utilizados com o RGC? Além da consulta de notas e frequência pela Internet, todo o acesso aos computadores da biblioteca e da sala de informática é feito através do RGC. Qual endereço de internet para consultar as notas e frequência? Deve-se acessar o endereço eletrônico SERVIÇO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CIENTÍFICA (SBDC) Coordenação: Prof.ª Dr.ª Ana Cláudia Polli Lopes Bibliotecária: Rosângela Maria Moreira Kavanami Horário de Atendimento: Segunda à Sexta-feira das 07h às 21h Sábados das 08h às 13h Serviços oferecidos: Livre acesso ao acervo de livros; Acesso monitorado ao acervo de TCCs/dissertações/teses, periódicos e CD-ROM; Empréstimo domiciliar de materiais para a comunidade acadêmica e empréstimo local para a comunidade externa; Acervo totalmente informatizado; Levantamento bibliográfico em bases de dados, através da Internet: MEDLINE, LILACS, COCHRANE LIBRARY e outros; Acesso ao Portal CAPES, que disponibiliza textos completos com mais de 31 mil (atualizado em janeiro de 2014) periódicos eletrônicos, por meio do site: Computadores à disposição da comunidade acadêmica para realizar pesquisas na Internet; Orientação à pesquisa no acervo local e Internet; Normalização de trabalhos, de acordo com as normas ABNT ou Vancouver; Comutação bibliográfica (pedidos de fotocópias) no Brasil e Exterior; Serviço de reprografia: fotocópia, impressão; 21

23 Empréstimo e devolução de materiais: Todos os acadêmicos devidamente matriculados na FAMERP, que constem no SGF (Sistema Gestão FAMERP) poderão retirar materiais. Condições de empréstimo para alunos: QUANTIDADE PRAZO Livros 02 1 semana Monografias/Dissertações/Teses 02 1 semana Fitas de vídeo 02 3 dias Periódicos Consulta local - Slide Quantos precisar 1 semana CD-ROM Consulta local - Clube do Rim Quantos precisar 1 semana Observações: O material emprestado deverá ser devolvido dentro do prazo determinado. O atraso na devolução implica em pagamento de multa. Contatos: A renovação e a reserva de materiais, bem como a consulta ao acervo da FAMERP podem ser efetuados por meio do endereço eletrônico da biblioteca. Telefone: (17) Ramais: 5711 (Administração) 5804 (Comutação Bibliográfica) 5807 (Recepção/Acervo) 5802 (Documentação/Coleções Especiais) 5803 (Serviços Técnicos/Periódicos) 12.3 OPÇÕES DE ATIVIDADES EXTRACURRICULARES A FAMERP oferece muitas oportunidades para complementação da formação acadêmica conforme o interesse e disponibilidade de horários do aluno. Durante o ano letivo são oferecidas atividades de extensão como as Ligas, o Projeto Rondon, Ciências sem fronteiras, dar aulas no Cursinho FAMERP; atividades de pesquisa com Bolsas de Iniciação Científica e Grupos de Pesquisa; Tutoria; Monitorias; Eventos Científicos Culturais; Teste do Progresso Interinstitucional; ser membro do Centro Acadêmico e da Atlética LABORATÓRIOS Há vários laboratórios na FAMERP para ensino, pesquisa e assistência. É importante informar-se com os técnicos responsáveis de cada um sobre horário e normas de funcionamento quando necessitar usá-los fora do horário de desenvolvimento das atividades curriculares. Você tem laboratórios de Anatomia, Enfermagem, Microscopia, Histotecnologia, Pesquisa em Enfermagem, Genética e Biologia Molecular, Bioquímica, Farmacologia, Fisiologia, Microbiologia, dentre outros. 22

24 12.5 CONJUNTO POLIESPORTIVO De segunda à sexta-feira, das 8:00h às 18:00h, o aluno poderá utilizar o conjunto poliesportivo, desde que este esteja disponível. Para utilização fora deste horário, o aluno deverá requerer à Secretaria da Unidade Fleury, ramal 5853, com Sirlei APOIO PSICOPEDAGÓGICO E SOCIAL AO ALUNO Diretoria Adjunta de Alunos - D.A.A. Em parceria com outros setores da FAMERP, a D.A.A. visa promover o bem estar do corpo discente e seu relacionamento com a instituição, com o corpo docente e com a comunidade. Funcionam junto à D.A.A., o S.O.P.P.A. e o C.A.S.A. Serviço de Orientação Psicopedagógica ao Aluno - S.O.P.P.A. Fornece atendimento psicológico e pedagógico aos estudantes, mediante entrevista inicial de triagem ou em momentos de crise, bem como programas preventivos para problemas comuns durante a graduação (ex.: estresse, ansiedade, dificuldades de rendimento acadêmico). Centro de Apoio Social ao Aluno - C.A.S.A. O Centro de Apoio Social ao Aluno - C.A.S.A. tem por finalidade dar acolhimento aos alunos matriculados no ensino de graduação que apresentem em sua expressão social, estado de desequilíbrio que requer orientação e apoio nos campos pessoal e/ou econômico (artigo 3º, capítulo I do Estatuto do Centro de Apoio Social ao Aluno). Os Programas de Bolsas Auxílio são destinados aos alunos que participarem do processo de seleção realizado pelas Assistentes Sociais, através de criteriosa análise social e econômica. As Bolsas Auxílio são as seguintes: Bolsa Alimentação Bolsa Alimentação Externa Bolsa Trabalho Auxílio Transporte (para estágio curricular) Isenção de taxas - da Gestão Acadêmica e de Inscrição para os Cursos de Aprimoramento e Residência Médica de Medicina e Enfermagem. Bolsa Auxílio- Processo Seletivo Alunos ingressantes calouros Inscrições online e entrevista presencial: de 04/02/14 a 28/03/14 Resultado final: 01/04/2014 ATENÇÃO: Entrevistas com as Assistentes Sociais deverão ser agendadas somente após inscrição online e com todos os documentos (xerox) em mãos. Maiores informações no site ou Contato com a D.A.A., S.O.P.P.A. e C.A.S.A. Secretária: Adriana Freire Rocha Tel. (17) /(17) Ramal:

25 13-REPRESENTAÇÃO DISCENTE COLÉGIO DO DEPARTAMENTO A representação do corpo discente do Colégio no Departamento equivale a 01 (um) representante de cada curso envolvido (artigo 80, do Regimento da FAMERP, 1999 disponível para consulta na Biblioteca da faculdade). CÂMARA DE GRADUAÇÃO A representação do corpo discente, na Câmara de Graduação, será de 01 representante de cada curso, cuja escolha será feita pelos pares entre os grupos da segunda ou terceira série para o Curso de Enfermagem e da segunda à quinta série do Curso de Medicina. CONSELHO DEPARTAMENTAL O Conselho Departamental reunir-se-á ordinariamente a cada mês, iniciando-se no mês de fevereiro de cada ano e, extraordinariamente, quando convocado pelo seu presidente. A representação discente dos cursos de graduação (Medicina e Enfermagem) no Conselho Departamental está definida no Artigo 50, do Regimento Interno da FAMERP, CONGREGAÇÃO A Congregação reunir-se-á ordinariamente, duas vezes ao ano. A representação discente dos cursos de graduação (Medicina e Enfermagem) na Congregação está definida no Artigo 45, do Regimento da FAMERP, COLÉGIO ELEITORAL A representação discente no Colégio Eleitoral será 15% (quinze por cento) do total de docentes deste colegiado. Os representantes serão eleitos por seus pares conforme definido no artigo 63 do Regimento da FAMERP, COMISSÃO DE INTERNATO (CI) A representação discente na CI será de 01 representante da 5ª série e 01 representante da 6ª série, cuja escolha será feita pelos pares de cada série. 14-FAEPE: FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, À PESQUISA E À EXTENSÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE DA FAMERP Integra o complexo FAMERP (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto) /FAEPE / FUNFARME ( Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto), e objetivando o integral alcance de sua finalidade atualmente oferece 64 cursos de pós graduação Lato Sensu, mais de 10 mil alunos formados desde 1999 nas especializações, com aproximadamente matriculados em mais de 70 turmas, contribuindo para a formação de profissionais nas áreas das ciências médicas, enfermagem, engenharia, agronomia, administração, biologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, fisioterapia, psicologia, nutrição, odontologia e outras áreas afins, possibilitando aos pós-graduandos formação específicas para atender as exigências do mercado de trabalho, cada vez mais competitivo. Os programas de Pós Graduação oferecem, ainda, assistência à comunidade, por meio de suas atividades práticas em Hospitais, Ambulatórios e Unidades Básicas de Saúde e conta também com programas de Stricto Sensu, com Mestrado e Doutorado, onde atualmente, 216 alunos estão matriculados, sendo 123 no Mestrado e 93 no Doutorado. Em 2012 foi oferecido um novo programa de Mestrado em Enfermagem, hoje com 46 alunos matriculados. A partir de 2013 passou também a ser oferecido o Mestrado em Psicologia e Saúde, atualmente com 20 alunos regulares matriculados. 24

26 15- INFORMES ESPECÍFICOS A Faculdade de Medicina de São José Preto é uma Autarquia Estadual de Ensino Superior, que mantém cursos de graduação em Medicina desde 1968 e Enfermagem desde Visa a formação de profissional para a promoção, prevenção, recuperação e reabilitação do ser humano A primeira turma de Medicina formou-se em Quarenta anos depois, a Faculdade contabiliza a formação de mais de dois mil e quinhentos médicos. A Instituição oferece programas de residência médica e de aprimoramento, cursos de especialização e os cursos de pós-graduação em Ciências da Saúde, em Enfermagem e em Psicologia e Saúde, que formam mestres e doutores. Por meio de um convênio entre a FAMERP e a Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME), que administra o Hospital de Base (HB), a Instituição atende 460 municípios de 17 Estados brasileiros. Os cursos de graduação em Medicina e Enfermagem propiciam o contato do aluno com a população, realizado por meio de parcerias com a Secretaria Municipal de Saúde e a FUNFARME, e no Programa intitulado Integração Ensino e Serviço. CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA FAMERP Oferece: 80 vagas Período: integral/diurno Duração: 6 anos com carga horária de horas Formou de 1968 a 2013: médicos Perfil Profissiográfico do Curso Após seis anos de formação, pretende-se colocar no mercado de trabalho o profissional médico, com características: generalista, humanista, crítica e reflexiva. A atuação desse profissional deverá pautar-se em princípios éticos, na responsabilidade social e compromisso com a cidadania. Deverá atuar no processo de saúde-doença com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, como promotor da saúde integral do ser humano. Objetivos Gerais e Específicos do Curso Os objetivos gerais do Curso de Graduação em Medicina são: propiciar a formação na área da Saúde de Médicos Generalistas, com competências e habilidades, capazes de favorecer a atuação dos egressos com a atenção integral à saúde, tanto em nível individual quanto coletivo, além de responderem às necessidades concretas da população brasileira, prestando assistência, orientação e contribuindo para o fortalecimento do sistema de saúde vigente no país (SUS), e de produzirem conhecimentos. Os objetivos específicos são os seguintes: Favorecer aos estudantes atividades teóricas e práticas de compreensão da composição e funcionamento do corpo humano, os mecanismos das doenças e os que são relacionados com a existência individual e coletiva do ser humano; Facilitar atividades realizadas em diversos cenários de ensino, no campus universitário e nos locais extramuros; Abordar o conteúdo programático das diferentes áreas médicas, essenciais para a formação geral do Médico, a saber: Clínica Médica, Cirurgia, Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria, Psiquiatria e Saúde Coletiva, desenvolvendo atitudes em prol da propedêutica, tratamento, recuperação e reabilitação; Aprimorar o conhecimento e as habilidades obtidas com atividades práticas realizadas de forma integrada e contínua nos estágios profissionalizantes das diversas áreas, nas atividades de plantões médicos, compreendendo e contemplando o Sistema Único de Saúde (SUS), a atenção integral da saúde num sistema regionalizado e hierarquizado de referência e contra referência e o trabalho em equipe; Incluir nas atividades acadêmicas, a pesquisa, por meio das produções de iniciação científica voltadas para o desenvolvimento de práticas investigativas; a extensão universitária, com entidades parceiras, efetuada com estudos de casos, pequenos trabalhos de campo, trabalhos que configurem atividades integrantes da formação dos alunos de graduação, sempre sob a orientação dos docentes. ATENÇÃO: OS ALUNOS DA 1ª À 6ª SÉRIE DEVEM PROVIDENCIAR SEGURO DE VIDA E ATUALIZAÇÃO DA CARTEIRA DE VACINAÇÃO A CADA ANO (ANEXOS). 25

27 16-ESTRUTURA CURRICULAR CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1ª à 6ª SÉRIE MÉDICA PARA INGRESSANTES A PARTIR DE ª SÉRIE MÉDICA Disciplinas Anatomia Biologia Celular Biologia Molecular Bioquímica das Moléculas e Metabolismo Embriologia Formação Humanística I Histologia Imagem Introdução à Metodologia Científica Psicologia Médica I Recursos de Informática Aplicada Saúde Coletiva I Atividades Complementares I SUBTOTAL C/H 374h 070h 072h 110h 076h 030h 170h 040h 030h 050h 030h 060h 030h 1142h 2ª SÉRIE MÉDICA Disciplinas Atividade Física e Saúde Bioquímica Médica Fisiologia Formação Humanística II Fundamentos da Bioestatística Aplicada Imunologia Inglês Instrumental I Introdução à Comunicação com Pacientes Microbiologia Parasitologia Patologia I Patologia II Políticas Públicas e Gestão em Saúde Primeiros Socorros e Atendimento Pré-Hospitalar Psicologia Médica II Saúde Coletiva II Atividades Complementares II SUBTOTAL C/H 030h 040h 270h 030h 030h 060h 030h 030h 050h 050h 120h 162h 090h 030h 038h 105h 075h 1240h 3ª SÉRIE MÉDICA Disciplinas Biologia e Dinâmica Dos Agentes Infecto-Parasitários* Cirurgia Geral I Clínica Médica I Dermatologia I Formação Humanística III Farmacologia Genética Médica Neurologia I Inglês Instrumental II Pediatria Psiquiatria I Saúde Coletiva III SUBTOTAL Disciplinas integradas: * Microbiologia, Parasitologia, Dermatologia e Doenças Infecciosas e Parasitárias. C/H 150h 205h 400h 030h 075h 150h 064h 044h 030h 060h 060h 085h 1353h 26

28 4ª SÉRIE MÉDICA Disciplinas C/H 1 Clínica Geral Cardiologia 124h Clínica Médica II 126h Dermatologia II 084h Doenças Infecciosas e Parasitárias 084h Endocrinologia 084h Nefrologia 042h Geriatria e Gerontologia 042h Neurologia II 042h Psiquiatria II 084h 2 Cirurgia Anestesiologia 042h Angiologia e Cirurgia Cardiovascular 042h Cirurgia Geral II 126h Otorrinolaringologia 042h Oftalmologia 042h Ortopedia 042h Urologia 042h 3 Ginecologia e Obstetrícia Ginecologia 084h Obstetrícia 084h 4 Pediatria e Puericultura 084h Saúde Coletiva IV 042h Formação Humanística IV 030h SUBTOTAL 1414h INTERNATO 5ª SÉRIE MÉDICA Áreas da Medicina C/H Estágios C/H Plantões C/H TOTAL Cirurgia 480h 192h 672h Clínica Médica 360h 192h 552h Doenças Infecciosas e Parasitárias 120h h Ginecologia-Obstetrícia 240h 072h 312h Pediatria 300h 096h 396h Pronto Socorro h 120h SUBTOTAL 1500h 672h 2172h 6ª SÉRIE MÉDICA Áreas da Medicina C/H Estágios C/H Plantões C/H TOTAL Cirurgia 300h 120h 420h Clínica Médica 390h 192h 582h Ginecologia-Obstetrícia 240h 072h 312h Pediatria 210h 072h 282h Pronto Atendimento (Emergência) h 240h Saúde Coletiva (Programa de Saúde da Família) 090h h SUBTOTAL 1230h 696h 1926h CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO 9247h 27

29 17- ANEXOS: ANEXO A REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares no âmbito do Curso de Graduação em Medicina na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP. Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares no Curso de Graduação em Medicina FAMERP. Art. 2º As Atividades Complementares, cuja obrigatoriedade está em função do Projeto Político Pedagógico do Curso e das normas legais pertinentes (Diretrizes Curriculares), têm a finalidade de enriquecer o processo de ensino-aprendizagem privilegiando: 1. Complementar a formação profissional e social; 2. Ampliar os horizontes do conhecimento, bem como de sua prática, para além da sala de aula, em atividades de ensino, pesquisa e complementar extensão; 3. Favorecer o relacionamento entre grupos e a convivência com as diferentes realidades sociais no contexto regional em que se insere a instituição; 4. Propiciar a inter e a transdisciplinaridade no currículo; 5. Estimular práticas de estudos independentes, visando a uma progressiva autonomia profissional e intelectual do aluno; 6. Encorajar a aquisição de conhecimentos, habilidades e competências adquiridas fora da estrutura curricular obrigatória; 7. Fortalecer a articulação da teoria com a prática, valorizando a pesquisa individual/ coletiva e a participação em atividades de extensão. Art. 3º As Atividades Complementares deverão ser cumpridas pelo aluno a partir de seu ingresso até o término do curso, obedecendo à carga horária de 205 horas, sendo 135 horas para a primeira série e 70 horas para a segunda série. Art. 4º A integralização das Atividades Complementares é condição necessária para a colação de grau e deverá ocorrer durante o período em que o aluno estiver regularmente matriculado, excetuando-se eventuais períodos de trancamento. Art. 5º São consideradas Atividades Complementares pelo Curso de Graduação em Medicina FAMERP as atividades oferecidas pela instituição e que são extracurriculares como: 1. Atividades técnicas e de ensino relacionadas à área de conhecimento do curso, como por exemplo: palestras, seminários, encontros científicos, visitas técnicas, congressos, cursos extracurriculares, oficinas, jornadas acadêmicas, workshops. 2. Atividades relacionadas a programas e projetos de produção intelectual e técnico-científica tais como: grupos de pesquisa da medicina, iniciação científica e tecnológica; grupos de estudo; publicações em anais e revistas; apresentação de trabalhos em eventos, prêmios recebidos. 3. Atividades relacionadas a programas e projetos de extensão certificados pela Diretoria Adjunta de Extensão de Serviços à Comunidade. 28

30 4. Atividades esportivas, artísticas, culturais, sociais e humanísticas tais como: atleta em campeonatos; coral; tutoria; representação acadêmica junto aos Órgãos Colegiados da FAMERP, representação acadêmica de série, membro centro acadêmico e atlético, representação acadêmica em eventos estudantis; cursinho; semana cultural; estudo de um idioma estrangeiro. Parágrafo 1 Serão considerados 10% da carga horária para atividades descritas no art. 5 oferecidas e certificadas por outras instituições e serviços. Parágrafo 2 Outras Atividades Complementares dentro de cada grupo poderão ser analisadas, validadas e pontuadas por um Conselho constituído pela coordenação do curso, pelos coordenadores de série mais 1 (um) representante docente. Art. 6º Por se tratar de uma atividade, o registro da mesma deverá ser anual e de acordo com a tabela de pontuação (Anexo). SEÇÃO II DO ALUNO Art. 7º O aluno deverá desenvolver as Atividades Complementares segundo sua própria conveniência, oportunidade e compatibilidade de horário com disciplinas curriculares, não havendo a possibilidade de abono de faltas devido à realização destas atividades. SEÇÃO III DA AVALIAÇÃO Art. 8º A realização de qualquer Atividade Complementar não poderá ser parte integrante da avaliação de disciplina pertencente ao currículo do curso. Art. 9º A Atividade Complementar será registrada somente quando o aluno realizar todas as atividades pertinentes à mesma e apresentar documento comprobatório no prazo determinado. SEÇÃO IV DO REGISTRO ACADÊMICO Art. 10º O aluno deverá protocolar os documentos (instrumento de pontuação preenchido e xerox de declarações e/ou certificados) referentes a cada Atividade Complementar desenvolvida no Setor de Protocolo trinta dias antes do término do ano letivo. Art. 11º As cópias dos documentos serão arquivadas no prontuário do aluno no Setor de Vida Escolar após conferência com os documentos originais. Parágrafo único Os documentos apresentados e encaminhados são de responsabilidade do aluno. SEÇÃO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS e TRANSITÓRIAS Art. 12º Os alunos ingressantes no ano de 2008 e as turmas em curso serão enquadrados nas normas aqui fixadas. Art. 13º Os casos omissos neste Regulamento serão avaliados pelo Conselho de coordenadores e coordenação do Curso de Graduação em Medicina, posteriormente encaminhado para os órgãos colegiados. Art. 14º Este Regulamento entra em vigor a partir da data de sua aprovação pela Direção Geral e homologação pelos órgãos colegiados da FAMERP. 29

31 TABELA DE PONTUAÇÃO 1 - Atividades técnicas e de ensino relacionadas à área de conhecimento do Pontuação prevista Curso de Medicina Congressos 20 Palestras 10 Participação em eventos como ouvinte Seminários/ 10 Simpósios Jornadas/ 10 Encontros Workshops 10 ECIF/CAIC 30 Fórum/ Pró-Saúde 05 Teste Progresso 05 Participação em eventos com apresentação de Congressos 30 trabalhos Seminários/ 30 Simpósios Jornadas/ 30 Encontros Workshops 20 ECIF/CAIC 50 Monitorias Disciplinas 30 Eventos 10 Variável de acordo com o Certificado Cursos Emitido (10 a 50) Campanhas de Saúde/ Doação de Sangue 10 Visitas a Hospitais e Serviços de Saúde/ Estágios 10 Membros de Comissão Organizadora de Eventos Variável (10 a 50) 2- Atividades relacionadas a programas e projetos de produção intelectual e Pontuação prevista técnico-científica 30 Iniciação Científica regulamentada pela Diretoria Adjunta de Pesquisa (com ou sem bolsa) Membro do Grupo de pesquisa (CNPq) 10 Grupo de estudo 10 Relator de Trabalhos e Eventos FAMERP (ou parecerista) 10 Regionais 10 Prêmios Recebidos Nacionais 30 Internacionais 50 Anais de Eventos 10 Resumos Publicados Periódicos 10 Nacionais Periódicos 20 Internacionais Anais de Eventos 20 Artigos Publicados Periódicos 30 Nacionais Periódicos 50 Internacionais Membro de Comissão Científica de Eventos Atividades Relacionadas a Programas e Projetos de Extensão. Pontuação prevista 20 Ligas regulamentadas pela Diretoria Adjunta de Extensão 10 por evento 4- Atividades Esportivas, Artísticas, Culturais, Sociais e Humanísticas. Pontuação prevista Atleta em Campeonatos representando a FAMERP 10 por evento Expectador em eventos do item 4 05 por evento Membro do Coral/ Instrumentista 10 30

32 Participação em grupo de Tutoria 10 Professor do Cursinho Ingresso/ FAMERP 80 Estudo de um Idioma Estrangeiro (iniciado e concluído durante a faculdade) 30 Participação ativa em evento cultural FAMERP 10 por evento Conselho Departamental 10 Congregação 5 Câmara de Graduação 10 Série/ Classe 20 CEM 20 Representação CASA 10 Acadêmica Coordenador Centro Acadêmico 50 Coordenador Centro Atlético 50 Comissão de Avaliação Interna 10 Eventos Estudantis 10 ANEXO B VACINAS - CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DO ADOLESCENTE E DO ADULTO (MINISTÉRIO DA SAÚDE ) Mantenha sua carteira de vacinação atualizada IDADE VACINA DOSE DOENÇAS DISPONIBILIDADE EVITADAS DAS VACINAS Posto público Ambulatório do HB Hepatite B 3 doses Hepatite B Sim Sim (2ª - 6ª f) 11 a 59 anos Dupla tipo adulto (dt) Febre Amarela Tríplice Viral (SCR) Influenza sazonal 1 dose a cada dez anos 1 dose a cada dez anos 2 doses Dose única anual Difteria e Tétano Febre Amarela Sarampo, Caxumba e Rubéola Influenza sazonal ou gripe Sim Sim Sim Sim (2ª 6ª f) Sim (3ª f manhã) Sim (3ª f manhã) Sim para pessoas da área da Saúde ANEXO C RECOMENDAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO DE MATERIAL COM RISCO BIOLÓGICO (SANGUE, SECREÇÕES E EXCREÇÕES, E CONTATO COM MUCOSAS E PELE NÃO ÍNTEGRA). A melhor prevenção é não se acidentar! Precauções Universais 31

33 Usar equipamentos de proteção individual: Luvas evita o contato com sangue, secreções e excreções, mucosas ou pele não íntegra (ferimentos, escaras, feridas cirúrgicas). Óculos de proteção. Protetores faciais e respiradores: evita os respingos de sangue e de outros fluidos corpóreos nas mucosas da boca, nariz e olhos. Capotes evita o contato com material biológico, inclusive superfícies contaminadas. Calçado fechado de acordo com a NR32. Cuidados com Materiais Pérfuro-Cortantes: Máxima atenção durante os procedimentos. Não utilizar dedos como anteparo nos procedimentos. As agulhas não devem ser reencapadas, entortadas, quebradas, retiradas da seringa com as mãos nem utilizadas para fixar papéis. Todo material pérfuro-cortante (agulhas, escalpes, lâminas de bisturi), mesmo estéril, deve ser desprezado nas caixas coletoras de pérfuro-cortantes. Os recipientes para descarte de material não devem ser preenchidos acima de 2/3 da capacidade total e devem ser colocados próximos ao local dos procedimentos. ANEXO D RECOMENDAÇÕES PARA ABORDAGEM DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAIS BIOLÓGICOS DE RISCO: HIV E HEPATITES B E C. [Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - Disciplina de Doenças Infecciosas e Parasitárias - Hospital de Base de São José do Rio Preto DEZ., 2012]. Dra. Luciana Souza Jorge 1. Considerações iniciais As exposições acidentais a sangue e a outros fluidos potencialmente contaminados devem ser tratadas como casos de emergência médica, uma vez que, para se obter maior eficácia, as intervenções para profilaxia da infecção pelo HIV e pelo VHB, denominadas Profilaxias Pós-Exposição (PEP), devem ser iniciadas logo após a ocorrência do acidente. 2. Avaliação do paciente-fonte No momento do acidente solicitar sorologias anti-hiv, HBsAg e anti-vhc. Considerar informações disponíveis no prontuário: exames laboratoriais, história clínica e diagnóstico. PACIENTE-FONTE CONHECIDO: Exames laboratoriais do paciente-fonte: Solicitar teste rápido anti-hiv, HBsAg e anti-vhc no momento do acidente Se sorologias não reagentes para infecção pelo HIV/VHB/VHC: não solicitar testes adicionais da fonte nem exames de seguimento do profissional de saúde. PACIENTE-FONTE CONHECIDO COM SOROLOGIA DESCONHECIDA: óbito, transferência hospitalar, fuga: Procurar registros em prontuário de doenças e de situação epidemiológica de risco para a infecção. Se as sorologias não forem possíveis: realizar o acompanhamento clínico laboratorial do profissional de saúde. PACIENTE-FONTE DESCONHECIDO Avaliar a probabilidade de risco para infecção: prevalência da infecção na população local em que o material perfurante foi encontrado, procedimento ao qual o acidente esteve associado e presença ou não de sangue Realizar acompanhamento clínico-laboratorial do profissional de saúde. 32

34 3. Procedimentos recomendados nos casos de exposição a materiais biológicos. Exposições percutâneas ou cutâneas Exposições de mucosas Cuidados imediatos com a área de exposição. Lavar exaustivamente o local exposto com água e sabão. Opção: soluções antissépticas degermantes Lavar exaustivamente com água ou com solução salina fisiológica Contraindicação - cuidados da área exposta: Não realizar procedimentos que aumentem a área exposta (cortes e injeções locais) Não utilizar soluções irritantes, tais como éter, hipoclorito ou glutaraldeído. Profilaxia Pós-Exposição (PEP) para o HIV: Recomendar a PEP aos profissionais de saúde que sofrerem exposições com risco significativo de transmissão do HIV. Considerar a PEP para exposições com menor risco, mas na presença de carga viral elevada no paciente-fonte. Não indicar a PEP nas situações com risco insignificante de transmissão nem quando o risco de toxicidade dos medicamentos superar o risco da transmissão do HIV. Quando indicada, iniciar a PEP o mais rapidamente possível, de preferência nas primeiras duas horas após o acidente. A PEP não é efetiva se for prescrita após mais de 72 horas da exposição. A duração da PEP é de 28 dias. Orientar o profissional de saúde quanto aos potenciais eventos adversos relacionados à PEP bem como sobre o risco de soroconversão. É direito, do profissional, recusar a PEP e a coleta de exames sorológicos. Sugere-se, então, a documentação sobre a recusa com registro no prontuário. Sorologia desconhecida do paciente-fonte: Avaliar o uso de PEP individualmente, considerando o tipo de exposição e a probabilidade clínica e epidemiológica do paciente-fonte estar infectado pelo HIV. Se a possibilidade de infecção pelo HIV for considerada, a PEP com o esquema básico de dois antirretrovirais (ARV) é indicada até que os resultados dos exames laboratoriais do paciente-fonte sejam conhecidos para assim se decidir por modificação ou suspensão do esquema ARV. Observação: A ausência de um médico infectologista no momento do atendimento pós-exposição não é razão para retardar o início da quimioprofilaxia. Recomenda-se então a profilaxia com AZT + 3TC + TDF ou AZT + 3TC + LPV/r até que o profissional acidentado seja reavaliado quanto à adequação da PEP. SITUAÇÕES EM QUE A PROFILAXIA PÓS-EXPOSIÇÃO NÃO É RECOMENDADA: Profissionais de saúde infectados pelo HIV previamente à exposição atual Exposição sem risco de transmissão, tais como: Exposição de pele intacta.exposição a fluidos corpóreos cujo risco de transmissão seja inexistente: saliva, urina, lágrima, suor ou fezes.exposição a fluidos corpóreos de indivíduos sabidamente soronegativos para o HIV, exceto se estes estiverem sob alto risco de infecção recente, incluindo o período de janela imunológica Casos em que o atendimento ocorra mais de 72 horas após o acidente. 33

35 RECOMENDAÇÕES PARA A PROFILAXIA DA HEPATITE B PÓS-EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO DE ACORDO COM A SITUAÇÃO SOROLÓGICA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE (PS) EXPOSTO. Os profissionais que sofreram infecção por VHB estão imunes à reinfecção e não necessitam de PEP. A vacina e a IGHAHB devem ser administradas preferencialmente nas primeiras 24 horas pós-acidente e não devem exceder o período de sete dias. MEDIDAS PÓS-EXPOSIÇÃO RELACIONADAS AO VÍRUS DA HEPATITE C Não existe nenhuma medida específica, tal como vacinas ou imunoglobulinas, eficaz para a redução do risco de infecção pelo VHC pós-exposição ocupacional. O único fator de eliminação deste risco é a prevenção do próprio acidente. Realizar o acompanhamento clínico e laboratorial de todo profissional de saúde exposto ao VHC. Diante da possibilidade de tratamento da infecção aguda, é possível evitar a cronicidade da doença. ANEXO E DIRETRIZES DA NR Finalidade: Estabelecer os requisitos MÍNIMOS e diretrizes BÁSICAS para implementar as medidas de proteção à segurança e saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde. 2. Abrangência: Todas as edificações destinadas à promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino a saúde. 3. Grupo de Profissionais enquadrados: Todo os colaboradores com exposição a agentes biológicos ou que estão dentro do complexo hospitalar, mesmo que não tenha exposição direta ao agente. ENFERMAGEM (Todos) MÉDICOS RESIDENTES APRIMORANDOS FISIOTERAPEUTAS PSICÓLOGOS ASSISTENTES SOCIAIS OPERACIONAIS ADMINISTRATIVOS (dentro do Complexo hospitalar). COLABORADORES DA MANUTENÇÃO COLABORADORES SHL 34

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE 2015 FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA MANUAL DO ESTUDANTE FAMERP SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP 2015 1 Organizadores

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE 2014 FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE FAMERP SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP 2014 1 Organizadores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV

RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV RESOLUÇÃO Nº 012/2007 CONSUNIV Fixa o currículo do Curso de Graduação em Medicina, na modalidade Bacharelado, da Universidade do Estado do Amazonas. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 179/2012 Altera o Currículo do Curso de Medicina, para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED- 035/2012, aprovou e eu promulgo

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE 2015 FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MANUAL DO ESTUDANTE FAMERP SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP 2015 1 Organizadores

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento)

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) 1 Contato com alunos O contato com o aluno de Pós-Graduação da UCS acontece, de forma preferencial,

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015.

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. O torna público o Edital para os cursos de Aperfeiçoamento Multiprofissional, segundo semestre

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado

Mestrado Profissional em Administração Centro Universitário Álvares Penteado PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 2º SEMESTRE DE 2015 - E D I T A L O Centro Universitário FECAP, mantido

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 1 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção e do Curso de Engenharia Civil, da

Leia mais

CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção e do Curso de Engenharia Civil, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria,

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. OBJETIVOS O Objetivo das Atividades Complementares é estimular o aluno a participar de experiências diversificadas que contribuam para o seu futuro profissional,

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

EDITAL Nº 5/2015 NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 01/2016

EDITAL Nº 5/2015 NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 01/2016 EDITAL Nº 5/2015 NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO 01/2016 A Direção Geral da Faculdade Iguaçu, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, de acordo com a legislação vigente e Regimento Geral, torna

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DIREITO PENAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição e matrícula

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A 5ª TURMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA - CEEO - VAGAS REMANESCENTES

EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A 5ª TURMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA - CEEO - VAGAS REMANESCENTES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO DESPORTO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO ACRE EDITAL PROPEG Nº 005/2013 EXAME DE SELEÇÃO PARA A

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA EDITAL N.º 004/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA A Direção Geral da Faculdade de Americana - FAM torna público que até 12 horas do dia 12 de janeiro de

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS (PPGCM) da Universidade Federal

Leia mais

EDITAL Nº 01, de 21 de março de 2013

EDITAL Nº 01, de 21 de março de 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE ACADÊMICA EM DIREITO CCJS/UFCG/SOUSA-PB PROGRAMA

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Norma para realização dos Cursos de Extensão Universitária (Especialização, Aperfeiçoamento, Atualização e Difusão) no âmbito da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - EEUSP (Aprovada na 348ª

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 02/2015

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 02/2015 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 02/2015 A Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS PARA PROFESSOR-MONITOR DO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL, N 2 DE 03 DE SETEMBRO DE 2012. A Coordenação do Projeto Cursinho

Leia mais

FACULDADE DE RIO CLARO SUMÁRIO

FACULDADE DE RIO CLARO SUMÁRIO SUMÁRIO CAPÍTULO I: DA DEFINIÇÃO, PRÍNCÍPIOS E FINALIDADE... 1 CAPÍTULO II: DA ORGANIZAÇÃO...2 CAPÍTULO III: DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 3 CAPÍTULO IV: DISPOSIÇÕES FINAIS...5 ANEXO I TABELA AVALIATIVA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE DIREITO As Atividades complementares serão desenvolvidas especialmente a partir da extensão universitária.

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Especialização e MBAs FACULDADES INTEGRADAS ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP

Especialização e MBAs FACULDADES INTEGRADAS ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP FACULDADES INTEGRADAS ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE - SP MANUAL DO ALUNO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Agosto/2009 INFORMAÇÕES IMPORTANTES Dia e Horário das aulas: As aulas serão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOÉTICA EDITAL No. 01/2010

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOÉTICA EDITAL No. 01/2010 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOÉTICA EDITAL No. 01/2010 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOÉTICA PARA OS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 02 Qd. 07 - Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600 - CNPJ

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FARMÁCIA CACOAL - RO 2011 Considerando as exigências da LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, no atinente às Atividades Complementares

Leia mais

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ

EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO EDITAL DE TRANSFERÊNCIA Nº 001/2013 DRCA/UFAL CAMPUS MACEIÓ O Departamento

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos E D I T A L Nº 04/2007 Seleção ao II Curso de Especialização em Mastologia A Coordenação do, extensão do Departamento de Cirurgia da da Universidade Federal do Ceará FAZ SABER aos interessados que estarão

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

3. DOS REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO NO PROCESSO SELETIVO

3. DOS REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO NO PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA. O MINISTÉRIO DA SAÚDE, representado

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 12/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE - ESTÁCIO DE NATAL FATERN PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA

RIO GRANDE DO NORTE - ESTÁCIO DE NATAL FATERN PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA RIO GRANDE DO NORTE - ESTÁCIO DE NATAL FATERN PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA A FACULDADE ESTÁCIO DE NATAL FATERN divulga processo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE MONITORES

PROCESSO SELETIVO DE MONITORES PROCESSO SELETIVO DE MONITORES A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), por meio da Pró-Reitoria de Ensino (PRE), torna pública a abertura das inscrições para seleção de Monitores do Programa Institucional

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças)

PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO (ênfase em Finanças) - PERÍODO LETIVO 1º SEMESTRE DE 2016 - E D I T A L O, mantido pela Fundação Escola

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CACOAL 2010 Considerando as exigências

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras

Programa Ciência sem Fronteiras Programa Ciência sem Fronteiras Apresentação Este GUIA foi elaborado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI), Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e Pró- Reitoria de Pesquisa (PRP) da UFLA para orientar

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Enfermagem, modalidade bacharelado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE EDITAL PROPEG Nº 010/2011 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA, INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PARA A A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Acre em associação

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO SEGUNDO PROCESSO SELETIVO PARA DOUTORADO 2015

EDITAL DE ABERTURA DO SEGUNDO PROCESSO SELETIVO PARA DOUTORADO 2015 EDITAL DE ABERTURA DO SEGUNDO PROCESSO SELETIVO PARA DOUTORADO 2015 1. PREÂMBULO 1.1 A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, no uso de suas atribuições legais, torna

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS Art. 1º O ingresso como docente na UNISC faz-se mediante Concurso Público de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Regulamento Específico do Curso de Especialização em Homeopatia Veterinária CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

Flexibilizar o currículo pleno do Curso em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas;

Flexibilizar o currículo pleno do Curso em Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas; REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS ASSIS CHATEAUBRIAND CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 EDITAL DPPG N. 09/2013 A DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED Modelo implantado a partir das mudanças determinadas com a aprovação das Diretrizes Curriculares do Curso Medico do MEC em 2001. COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO... 3 3. PRÉ-REQUISITOS... 4 4. INSCRIÇÃO... 4 5.

Leia mais

Resolução N 0 06/2010 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2011

Resolução N 0 06/2010 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2011 Universidade Federal de Campina grande CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Resolução N 0 06/2010 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2011 O Colegiado

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CRÔNICAS

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA WEB E GOVERNO ELETRÔNICO CONFORME ANEXO IV DA RESOLUÇÃO CONSEPE N o.

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA WEB E GOVERNO ELETRÔNICO CONFORME ANEXO IV DA RESOLUÇÃO CONSEPE N o. EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA WEB E GOVERNO ELETRÔNICO CONFORME ANEXO IV DA RESOLUÇÃO CONSEPE N o. 55/2014 1. Da organização geral: a) Unidade Proponente: Instituto

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

Programa de Bolsas de Iniciação Científica - CNPq 2015/2016 CHAMADA PÚBLICA PRPGP - URCA 04/2015 - PIBIC-CNPq

Programa de Bolsas de Iniciação Científica - CNPq 2015/2016 CHAMADA PÚBLICA PRPGP - URCA 04/2015 - PIBIC-CNPq Programa de Bolsas de Iniciação Científica - CNPq 2015/2016 CHAMADA PÚBLICA PRPGP - URCA 04/2015 - PIBIC-CNPq A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa da Universidade Regional do Cariri URCA, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA INGLÊS SEM FRONTEIRAS EDITAL 13/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA INGLÊS SEM FRONTEIRAS EDITAL 13/2013 PROGRAMA INGLÊS SEM FRONTEIRAS EDITAL 13/2013 Vitória, 21 de novembro de 2013 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Relações Internacionais (SRI) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA, GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL E GESTÃO EM SAÚDE MODALIDADE

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais