Sistema. Fique por dentro do Sistema OCB/SESCOOP-GO. e saiba tudo o que ele tem a oferecer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema. Fique por dentro do Sistema OCB/SESCOOP-GO. e saiba tudo o que ele tem a oferecer"

Transcrição

1 Entrevista Haroldo Max de Sousa, presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO Revista do Sistema OCB/SESCOOP-GO Ano 2 -nº 5 janeiro/fevereiro-2015 Autogestão Assessoria Jurídica / Contábil Agentes de Desenvolvimentos Humano Assembleia Apoio logístico Biblioteca Boletim Goiás Cooperativo Banco de dados CECOOP-GO Convenção Coletiva de Trabalho Constituição de Cooperativa Consultorias Conselho Administrativo Conselho Fiscal CNCOOP CGU Dia C Defesa e Representação Sistema Institucional de Estatuto Social Educação Cooperativista Encontro Goiano de Mulheres Cooperativistas Encontro de Jovens Cooperativistas Espaço multimídia Formação A a Z profissional Filiação Fomento Fórum de Presidentes Fecoop CO/TO Frencoop Gedoc Fique por dentro do Sistema OCB/SESCOOP-GO Governança Guia Sindical GDA GDH Hall de Serviços ISO 9001 Instrutoria e saiba tudo o que ele tem a oferecer Identidade Cooperativista Encontro para as cooperativas de Jovens goianas Cooperativistas Jornal Goiás Cooperativo Know-how cooperativista Kit para treinamentos e eventos LDO Laserfiche Licitações Monitoramento MTH Negociação coletiva do trabalho Números do Cooperativismo OCB-GO OQS Programa de Visitas Prestação de contas Publicações Promoção Social Programa 8 S Palestras Qualificação profissional Representação Política Representação Sindical Registro Relatório de Atividades Revista Goiás Cooperativo Redes Sociais Sistema Cooperativista SESCOOP-GO Senior Seminário Cooperativista Sistema de Gestão da Qualidade Treinamentos sobre cooperativismo Transparência TCU Unidade Nacional Unicidade de representação Voz Cooperativa Visita Técnica Valores Cooperativistas Workshop Wi-fi Website Portal Goiás Cooperativo X Censo do Cooperativismo Goiano You Tube Zeus

2 goiascooperativo.coop.br Vem aí um novo portal Aguarde!

3 Uma Mensagem do Conselho de Administração Encontrei uma casa organizada e estabelecida, pronta para ampliar seus horizontes de atuação, aperfeiçoar seus processos e inovar. caminhada repleta de desafios e realizações O setor cooperativista brasileiro cresce e se consolida como importante ator socioeconômico. É cada vez maior a nossa participação e contribuição para o setor produtivo e para a construção de uma sociedade mais justa e equânime, alicerçada em princípios solidários e participativos, que são inerentes ao DNA cooperativista. Em quatro anos à frente do Sistema OCB/SESCOOP-GO, vi o caminho construído por aqueles que me antecederam na gestão desta importante Casa se sedimentar. Plantamos e colhemos frutos de um trabalho árduo e coletivo. Encontrei uma casa organizada e estabelecida, pronta para ampliar seus horizontes de atuação, aperfeiçoar seus processos e inovar. E foi exatamente isso que o Sistema fez e continua fazendo no seu dia a dia, sempre disposto a oferecer informação e serviços de qualidade e a seguir crescendo. Neste período, alcançamos conquistas importantes, como a elaboração e implantação do Plano de Cargos e Salários, a reformulação do setor de Comunicação Social, a realização coroada de sucesso do Dia C, entre tantas outras. Mas sabemos que ainda há muito o que se fazer. Grandes desafios nos aguardam. Desafios que passam pelo reconhecimento da importância social e econômica do nosso Sistema para o País e para a sociedade. Seguiremos juntos nesta caminhada. Nesta edição da revista, trazemos um mapeamento dos serviços oferecidos pelo Sistema OCB/SESCOOP-GO, apresentados numa espécie de glossário de A a Z. Contamos com a valorosa contribuição do coordenador do Centro de Agronegócio da FGV, embaixador especial da FAO para as Cooperativas e presidente da Academia Nacional de Agricultura (SNA), Roberto Rodrigues, que discorre sobre os desafios a serem enfrentados pelo setor. E também, entre várias outras, uma matéria sobre a obtenção da Certificação Internacional ISO 9001:2008, que coroa o esforço de anos de trabalho na busca da excelência dos processos e serviços disponibilizados a nossos cooperados. Uma excelente leitura a todos! HAROLDO MAX DE SOUSA - Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS NO ESTADO DE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: Presidente: Haroldo Max de Sousa (Coapro) / Vice-presidente: Vanderval José Ribeiro (Sicoob do Vale) / / Secretário:Aguilar Ferreira Mota (Comigo) / Conselheiros: Pedro Jaime de Araújo Caldas (Sicredi Planalto Central GO), Joaquim Guilherme Barbosa de Souza (Complem), Jocimar Fachini (Coperpamplona), Neirimar Norberto de Sousa (Uniodonto Goiânia) Conselho Fiscal (efetivos): Lister Borges Cruvinel (Sicoob Centro-Sul), João Gonçalves Vilela (Cagel), Nilton Carlos da Silva (Coopersil) // Suplentes: José Lourenço de Castro Filho (Coapil), Elton José de Oliveira (Coopercampi) / / Superintendente:Valéria Mendes da Silva Av. H com Rua 14 nº Jardim Goiás Goiânia/GO - CEP Fone: (62) Fax: (62) CNPJ: / SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente: Haroldo Max de Sousa // Conselheiros efetivos: / Conselheiros: Antonio Chavaglia (Comigo), Sizenando da Silva Campos Jr. (Unimed Goiânia), Astrogildo Gonçalves Peixoto (Sicoob Goiás Coapil), Gesmar João Amorim (Coapil) // Suplentes: Julio Sânzio Vilela (Comiva), João Batista da Paixão Jr. (Cooperbelgo), Renato Nobile (Sescoop Nacional), Antonio Moraes Resende (Centroleite) //Conselho Fiscal (Efetivos): Enio Freitas de Sene (Sicredi Vale GO), José Mário Pereira Lima (Comai), Carlos Henrique Arruda Duarte (Coacal) // Suplentes: Leopoldo José de Araújo (Sicoob Credicapa), Cinézio Rezende (Codrhil), Esmeraldo Alves Barbosa (Cotrac) // Superintendente: Valéria Mendes da Silva REDAÇÃO E EDIÇÃO: Carla de Oliveira (JP G0) e Luisa Dias (GO n JP) // COLABORAÇÃO: Eliane Almeida Dias / DESIGN GRÁFICO: Fábio Salazar (Mtb 722/GO) // FOTOGRAFIAS: Arquivo Sistema OCB/SESCOOP-GO e divulgação / IMPRESSÃO: Gráfica Aliança / Tiragem: 3 mil exemplares / DISTRIBUIÇÃO: Publicação dirigida às cooperativas e entidades ligadas direta ou indiretamente ao cooperativismo no Estado de Goiás. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não correspondendo necessariamente à opinião do Sistema OCB/SESCOOP-GO. Permitida a reprodução total ou parcial dos textos, desde que citada a fonte. Este jornal está disponível em versão eletrônica no site do Sistema OCB/SESCOOP-GO: 3

4 Pensar e Cooperar Um senhor desafio, artigo de Roberto Rodrigues 34 COOPERATIVA EM FOCO Cocari constrói entreposto em Silvânia Nova unidade representa um avanço para a Cocari Cerrado 14 Sistema de A a Z Conhecendo o Sistema Saiba tudo o que o Sistema OCB/SESCOOP-GO pode fazer pela sua cooperativa 18 Fábio Salazar ENTREVISTA Haroldo Max de Sousa Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO fala sobre as conquistas alcançadas nos últimos anos e os principais desafios do cooperativismo, em Goiás e no Brasil 6 giro CooperAtivistA 11 por DeNtro Do sistema 12

5 Sumário REVISTA Edição nº 05 - janeiro/fevereiro/2015 Fábio Salazar R E L I G I O S I D A D E Procissão do Fogaréu Tradicional procissão, que ocorre na cidade de Goiás desde o século XVIII, na Quarta-Feira Santa, evento atrai milhares de fiéis católicos e turistas 32 vitrine CooperAtivistA 16 BoAs práticas 26

6 HAROLDO MAX DE SOUSA Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO É preciso enxergar o Sistema Prestes a completar quatro anos à frente do Sistema OCB/SESCOOP-GO, com fim do mandato em abril, Haroldo Max de Sousa faz um balanço de sua gestão. Também presidente da Coapro, da Centralrede e da Centroleite, em entrevista à revista, ele aponta as principais conquistas do período, destaca a necessidade de se desenvolver uma visão sistêmica do cooperativismo e aponta os desafios a serem enfrentados pelo próximo presidente do Sistema e pelo setor, em Goiás e no Brasil. Confira a seguir. Como iniciou sua relação com o Sistema OCB/SESCOOP-GO? Eu sou, primariamente, um produtor rural. Minha origem cooperativista é agropecuária. Presido, há muitos anos, a Cooperativa Agropecuária dos Produtores Rurais de Orizona (COAPRO) e estou há mais de dez anos à frente da Cooperativa Central de Laticínios de Goiás (CENTROLEITE) e recém criamos a Cooperativa Agropecuária Central Rede de Abastecimento. (CENTRALREDE). Estive junto à OCB-GO, como conselheiro de 1999 a 2011, e a minha origem, de cooperativa agropecuária e de central, me permitiu construir uma visão, bem clara e nítida, da importância e da relevância que as cooperativas têm na comunidade onde estão inseridas, e, tão importante quanto, é a visão e atuação sistêmica das Entidades que representam o cooperativismo em nosso país. Talvez esses sejam os pontos que mais tiveram peso em minha decisão de presidir a Casa, quatro anos atrás. O senhor assumiu a gestão do Sistema há quatro anos. Como encontrou a Casa? Organizada. Sem dúvida nenhuma, eu tenho que destacar duas coisas muito importantes: a primeira é que meu antecessor, Antônio Chavaglia, que havia presidido o Sistema OCB/SESCOOP-GO pelos últimos 15 anos, deixou uma Casa enxuta e organizada, e uma equipe muito bem focada, capacitada e comprometida. E a segunda, não tenho dúvida nenhuma, é que o que fizemos, nesses quatro anos de nossa gestão, foi deixar essa equipe trabalhar. A base estava pronta, os alicerces estavam estabilizados e, na medida em que permitimos, através dos colaboradores e da superintendente, que a Casa trabalhasse, criasse, fizesse as contratações necessárias, as mudanças vieram e, entendemos, a partir daí, que prestamos o melhor serviço possível às nossas cooperativas. Em que consiste, a seu ver, o ponto de maior relevância do Sistema OCB/SESCOOP-GO? Desde o meu primeiro discurso, e será até o último, venho pregando a necessidade de se fortalecer a visão sistêmica de nossos dirigentes cooperativistas, que precisam ser lembrados, a todo momento, que o cooperado, em sua base, é representado por um conjunto de entidades coligadas, que trabalham em diversos níveis (local-cooperativa, estadual-ocb/sescoop- GO/FECOOP CO-TO, nacional-ocb/sescoop/cncoop e internacional-aci) e atuam, dentro de seus objetivos, para a representação, defesa e desenvolvimento do cooperativismo, e que, somente, assim, respeitando e solidificando essa estrutura representativa, obteremos sucesso no presente e no futuro. Ressalto que, antes até de apresentar um serviço, e a Casa presta vários, é preciso ter clareza da importância representativa institucional e de formação educacional do Sistema OCB/SESCOOP-GO, do qual as cooperativas, Centrais e Federações goianas fazem parte, e que essa importância seja, devidamente, respeitada e transmitida, pelos dirigentes das 6

7 cooperativas, aos seus cooperados e colaboradores. Eu não vejo as cooperativas crescerem e se fortalecerem, sem uma base sistêmica muito bem constituída. Este é um desafio e um discurso, que deve ser levado, constantemente e incansavelmente, às nossas bases. Como o senhor entende o papel e a representatividade do Sistema OCB/SESCOOP-GO perante as cooperativas e a sociedade? Atualmente, temos 239 cooperativas, em 11 ramos de atividades, presentes em cerca de 85 municípios goianos, que contam com mais de 132 mil cooperados e que geram, no Estado, em torno de 10 mil empregos diretos. A OCB-GO, que comemora 60 anos no próximo Exercício, congrega todas essas cooperativas e tem um papel bastante significativo no debate de assuntos relacionados ao cooperativismo e sua vertente junto às políticas públicas, dos diversos setores da economia, ao mesmo tempo em que vem, ano a ano, tendo participação e presença forte na área sindical, coordenando as negociações coletivas de trabalho da categoria. Da mesma forma, o SESCOOP/GO, sem sombra de dúvida, é um referencial de formação profissional, sendo visível, em qualquer ação comparativa, os efeitos no desenvolvimento cooperativista promovidos pelo nosso S. Pela lisura, embora importância e complexidade, da Casa, em nenhum momento temi o desafio de presidi-la e tive o privilégio de contar com um conselho de primeira linha, que, cada qual, ao seu tempo, contribuiu para mais esse estágio de construção deste importante Sistema, que é o Sistema OCB/SESCOOP-GO e, para vê-lo crescer, cada vez mais, precisaremos da participação de nossos dirigentes e de mais compromisso, não só com a organização em si, mas, com os valores cooperativistas. A OCB-GO não é só uma organização. Tem atuação, também, como sindicato patronal. Como aliar essas atribuições? Desempenhar esses dois papéis é uma responsabilidade e um desafio muito grande para a Casa, mas, que ambas se complementam, na promoção da defesa política e econômica das cooperativas do estado de Goiás, através de ações e serviços que apoiam o pleno e efetivo desenvolvimento sustentado das cooperativas em todos os ramos de atividade, mantendo unidade doutrinária de acordo com princípios universais do cooperativismo. Pesa sobre os ombros da OCB- GO toda a discussão e representatividade sindical do cooperativismo goiano (exceto de trabalho médico), que, nesses 7

8 HAROLDO MAX DE SOUSA Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO quatro anos, resultaram em quatro CCT (Convenções Coletivas e do Trabalho) assinadas, sem celeumas, com a bancada laboral, representando um feito muito importante para o Sistema cooperativista como um todo. Uma entidade como a OCB-GO precisa estar atenta às demandas dos seus representados e se posicionar diante de fatos ou medidas que possam atingi-los. É seu papel exercer a representatividade política e institucional do setor. Como isso tem sido feito? Enquanto OCB-GO, somos, por força da Lei 5.764/71, a voz das cooperativas perante os três poderes do Estado, congregando e representando todos os ramos do cooperativismo em Goiás e prestando serviços às cooperativas filiadas, conforme o interesse e as necessidades das mesmas, além de representar e defender seus interesses perante as autoridades constituídas e a sociedade. Existem mais de 600 leis em discussão, hoje, que têm a ver, de uma maneira ou de outra, com cooperativas de vários ramos. Dessa forma, faz-se necessário que o sistema cooperativista esteja atento às discussões no Congresso Nacional, tanto, àquilo que é de nosso interesse, quanto, ao que não é. Este é um trabalho que tem sido feito pela Frencoop (frente cooperativista no Congresso Nacional), sob a coordenação da OCB Nacional, defendendo os interesses dos diferentes ramos de cooperativa. Isto, mais uma vez, reforça a importância da capilaridade sistêmica, que já falamos, e do nosso grande desafio, que é fazer com que toda nossa cadeia de cooperativas e cooperados tenha a noção, clara e nítida, do sistema político e institucional que representamos e do qual todas as cooperativas fazem parte. Eu não vejo as cooperativas crescerem sem uma base sistêmica muito bem constituída. Este é um desafio e é um discurso constante, que deve ser levado à base. Além da representação, o Sistema OCB/SESCOOP- GO oferece uma série de serviços a suas cooperativas filiadas. O que tem a falar sobre eles? O Sistema OCB/SESCOOP-GO presta serviços educacionais, consultorias nas áreas do direito, da contabilidade, da administração, de constituição de cooperativas, e outros. A Casa está sempre de portas abertas, oferecendo suas instalações para assembleias, reuniões e eventos de nossas cooperativas, bem como, auxiliando-as em demandas outras que se fazem necessárias. Ressalto que, vários são os serviços prestados, mas, volto a frisar que, as cooperativas, através de seus dirigentes, precisam perceber que, mais do que esses serviços, o mais importante, nosso grande feito, é a existência do Sistema, em si só, e de tudo o que ele representa e significa, em prol do cooperativismo. Digo e repito que nós somos, e seremos, tão grandes quanto a capacidade de nos enxergarmos e agirmos como sistema. Manter-se atualizado é uma necessidade cada vez mais premente. Também, nesse campo, o Sistema presta alguma contribuição? À OCB-GO, como representante das cooperativas goianas, estatutariamente comprometida com a defesa do cooperativismo, coube-lhe, ao longo dos últimos anos, o papel de cobrar dos agentes públicos, o cumprimento do dever, sempre mantendo-se próxima dos governos e em sintonia com as necessidades de nossas cooperativas. Complementarmente, ao SESCOOP/GO, como braço educador do cooperativismo, o nosso S, coube o papel primordial de capacitar nossas cooperativas, tornando-as mais profissionalizadas, eficientes e estratégicas, para lutar, de igual para igual, nesse mercado acirrado e competitivo. Esse trabalho vem sendo realizado, indubitavelmente, para os colaboradores de nossas cooperativas, cooperados e dirigentes. Nestes quatro anos, demos continuidade à realização de inúmeras atividades que, sem dúvida, contribuíram para profissionalizar, ainda, mais os quadros funcionais e sociais das cooperativas goianas, em um mercado que muda a toda hora e que demanda, cada vez mais, qualidade e competência. Quais os principais projetos que foram desenvolvidos pelo Sistema OCB/SESCOOP-GO na sua gestão? O Sistema OCB/SESCOOP-GO priorizou a qualificação, tanto dos colaboradores e dirigentes das cooperativas, quanto do seu próprio quadro funcional, para desenvolvimento sólido e amplo do cooperativismo no Estado. A Casa vem trabalhando, assiduamente, na implantação do Programa 8S de Qualidade, concomitante, ao Projeto de Certificação ISO 9001:2008, ambos, a serem finalizados este ano. É certo que, por meio de pessoas bem preparadas, estaremos mais aptos a difundir conhecimento, a formar profissionais mais engajados e a prestar melhor serviço às nossas 8

9 cooperativas. Também, investimos em tecnologia, e, começará a funcionar, a partir de abril, um novo portal do Sistema OCB/SESCOOP-GO, totalmente, inovador e com várias condições de interação para as cooperativas e público em geral. Além de uma interface WEB nova e, totalmente, instigante, os usuários contarão com links para vários serviços da Casa, consultas sobre assuntos jurídicos, contábeis, administrativos, cooperativismo em geral e muitos outros, que almejam o fortalecimento de nosso sistema cooperativo. Além disso, vimos nos preparando, internamente, ao longo dos últimos anos, para o retorno de uso, por parte das cooperativas goianas, do Sistema GDA, antigo AG, que será trabalhado, a partir do segundo semestre de 2015, para que estas tenham à mão, e sob o seu domínio, todos os indicadores de gestão, necessários ao seu acompanhamento situacional de desempenho econômico-financeiro. Da mesma forma, já estamos disponibilizando, às cooperativas, o Sistema GDH, para acompanhamento dos seus processos de qualificação funcional e social. Os Sistema GDA e GDH, virão numa versão ultramoderna, e estarão disponíveis via WEB, gratuitamente, para utilização das cooperativas que desejarem. Tratam-se, ambos, de ferramentas de auxílio ao funcionamento das cooperativas, com foco na modernização das práticas e na sustentabilidade financeira e administrativa. Temos visitado, a cada ano, todas as cooperativas registradas na Casa, e, ainda, algumas não registradas, no intuito de avaliar e conhecer as necessidades e peculiaridades de cada uma delas. Este propósito nos ajuda a montar um Raio-X do cooperativismo no nosso Estado e a estruturar um menu de opções para serviços e ações que, já estão sendo, ou que serão executadas. No tocante aos líderes cooperativistas, conseguimos alargar suas visões, realizando nesses últimos 04 anos, além, de eventos de capacitação, 09 viagens de estudos internacionais, representando um benefício a vários dirigentes de poderem usufruir de programas consagrados de aperfeiçoamento de gestão, que propiciarão às nossas cooperativas, um arsenal de experiências, visando o incremento do cooperativismo goiano. Qual a avaliação de sua gestão frente à entidade e o que teria a destacar quanto aos feitos desse Conselho? A sensação para mim, neste momento, é de dever cumprido. O Sistema OCB/SESCOOP-GO, ao longo desses quatro últimos anos, trilhou caminhos cheios de retas, curvas, subidas e, até, meio abismos. Porém, manteve-se ereto, graças à coragem de expressar, em todos os momentos, o pensamento ético e independente, sem cores partidárias e sem vinculações ideológicas, que não fosse o comprometimento com o cooperativismo. As gestões anteriores foram vitoriosas, de grandes realizações e avanços para o cooperativismo. Por isso, foi, ainda, maior a responsabilidade da nossa gestão. Foi um somos e seremos tão grandes quanto a capacidade de nos enxergarmos como sistema. Nós período de grandes transformações sociais e econômicas, mas, soubemos enfrentar e adequar o nosso trabalho aos novos desafios. Nossa gestão buscou cumprir com aquilo que nos propusemos quando tomamos posse em Além do fortalecimento do cooperativismo e da defesa institucional do setor, o Sistema OCB/SESCOOP-GO participou, ativamente, dos principais debates de interesse estratégico das cooperativas. Internamente, como pontos importantes da atual gestão, destaco, além do já mencionado, uma importante conquista para os nossos colaboradores do Sistema OCB/SESCOOP-GO, encabeçado, corajosamente, pelo Conselho, que foi a concepção e implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). Outro ponto importante foi o fortalecimento da nossa comunicação, onde buscamos novas formas de apresentar nossa atuação. Um exemplo disso é o Voz Cooperativa, programa de rádio idealizado por mim, que faz chegar a voz do Sistema a vários municípios do Estado. Os desafios são constantes e, entre eles, cito, também, como um passo de grande relevância, e que ressoará no futuro do Sistema, a decisão assemblear, muito bem pautada, de demolir o antigo prédio-sede da OCB-GO e erguer, em seu lugar, um novo e moderno, ao invés de, simplesmente, revitalizá-lo. Tomamos a decisão, há dois anos, e já estão prontos e aprovados pela prefeitura, todos os projetos para a nova construção, que deverá ser iniciada, ainda, no primeiro semestre. Será um prédio de 11 pavimentos (02 subsolos de garagem e 09 pavimentos de salas). A OCB-GO deverá utilizar dois desses pavimentos e os demais serão alugados, preferencialmente, para cooperativas. Nosso objetivo é que o retorno destes aluguéis, possa contribuir, à médio e longo prazo, para a sustentabilidade financeira da OCB-GO. Em 2014, o Sistema realizou o DIA C - Dia de Cooperar. O que esta ação significou para o cooperativismo goiano? O Dia C é um divisor de águas que veio, não só para reiterar o papel e o trabalho das cooperativas, mas, para mostrar, à 9

10 HAROLDO MAX DE SOUSA Presidente do Sistema OCB/SESCOOP-GO sociedade em geral, a importância que elas têm em suas respectivas comunidades. Não foi uma ação realizada com vistas ao marketing ou apenas ao social simplista. Ela foi realizada dentro de uma visão de voluntariado, encapado por dirigentes, cooperados e empregados de cooperativas e, também, da sociedade como um todo. A preocupação social já é inerente ao DNA das cooperativas, mas, o Dia C veio dar uma nova roupagem e visibilidade a essa questão. Não é uma cooperativa fazendo um aporte de recurso financeiro, para qualquer ação ou entidade, mas, as pessoas se doando a uma causa maior, se doando para outros seres humanos, dentro de uma visão social e cooperativista. Como o senhor enxerga o futuro do cooperativismo? O cooperativismo é um movimento social que ganha, a cada dia, uma importância econômica maior. No Brasil, temos muito a caminhar. Há necessidade de uma reforma na nossa lei. Precisamos que se resolva, definitivamente, a questão do ato cooperativo. As cooperativas desempenham um papel econômico e social muito importante, mas, muitas vezes não tão bem compreendido e respeitado pelos entes de governo e sociedade, por isso os desafios são grandes. Nós, ainda, precisamos investir muito na educação cooperativista e no negócio cooperativo. Pesa sobre os ombros do Sistema, dar voz política a esse movimento, fazer canalizar as demandas dos vários segmentos cooperativos junto aos governos. As cooperativas, apesar de terem toda essa conformação e visão social, estão inseridas no mesmo mercado de todos os outros agentes. Está sujeita às mesmas dificuldades, daí a necessidade maior, ainda, de, constantemente, formar e capacitar as pessoas, o que fazemos por meio do SESCOOP/GO, para dar musculatura de gestão a essas cooperativas e que elas possam fazer frente às demandas desse mundo competitivo e globalizado. Nosso trabalho exige determinação, paciência, sabedoria, sinceridade de propósitos. Exige, sobretudo, compromisso com a diversidade, com o outro, o que pensa diferente. Compromisso com os princípios e valores que regem esse movimento universal que é o cooperativismo. Compromisso com o desenvolvimento, fortalecimento e sustentabilidade de nossas cooperativas. Quais são os principais desafios que o novo gestor do Sistema OCB/SESCOOP-GO terá pela frente? Foram várias batalhas travadas até aqui, avançamos muito, mas, ainda, temos uma demanda antiga que é um assento, como vogal, na Junta Comercial do Estado de Goiás (JUCEG) e, também, no Conselho do Sebrae, e que não conseguimos efetivar. Da mesma forma, e motivo de lutas antigas, é o grande gargalo que temos em nosso Estado, de não ter, em nenhuma instituição de ensino de nosso Estado, desde o ensino fundamental passando pela graduação até os cursos stricto sensu, o cooperativismo como disciplina curricular obrigatória. Portanto, não formamos em nosso estado, nenhum profissional para atuar em cooperativas, a exemplo de contadores, advogados, administradores, etc., que muitas vezes, colocam cooperativas em dificuldade, por não saberem das particularidades desse tipo societário. Infelizmente, em nossa gestão, apesar de grande luta, não tivemos a alegria de termos nosso pleito atendido pelo governo do Estado. Eu diria que estas são as três principais demandas. Mas, o grande desafio do Sistema, reforço, de forma incansável, é pregar, educar e preparar as pessoas para terem a visão sistêmica necessária e dar força a essa visão, para que a Casa seja mais pujante e forte, alcançando condições ideais para representar e defender o cooperativismo em nosso Estado. Como já disse, ainda, há muito por fazer. Há, ainda, a bem da verdade, várias iniciativas e ações que terão, da parte do próximo gestor, que ser dada a máxima atenção, para que se alcance êxito para nossas cooperativas. cooperativas desempenham um papel econômico e social muito importante, muitas vezes, não tão compreendido e respeitado. Nós ainda precisamos investir muito As na educação cooperativista e no negócio cooperativo. 10

11 giro CooperAtivistA LEGISLAÇÃO Governo federal regulamenta esocial O Decreto nº 8.373/2014, que institui oficialmente o esocial - Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas -, já está em vigor, mas a data para início obrigatório do uso do sistema pelas cooperativas ainda não foi definida. Espera-se que esta decisão seja tomada em O objetivo do esocial é reduzir a burocracia ás empresas, simplificando a prestação das informações obrigatórias (fiscais, previdenciárias e trabalhistas). Com o sistema, as empresas/ cooperativas passarão a comunicar ao governo, de forma unificada, as informações relativas aos trabalhadores, como vínculos, folha de pagamento, contribuições previdenciárias, comunicações de acidente de trabalho, aviso prévio, escriturações fiscais e FGTS. A proposta é que a obrigatoriedade do esocial seja escalonada, conforme o porte da empresa e a natureza da informação. ACORDO Unimed Goiânia adere ao Programa Acelerar A Unimed Goiânia aderiu, no final de janeiro, ao Projeto Acelerar, que tem como objetivo facilitar e tornar mais rápidos os trâmites de processos judiciais. A adesão da cooperativa foi feita no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO), em encontro conduzido pelo coordenador das ações bancárias do Acelerar, juiz Eduardo Perez, e pelo juiz-auxiliar da Presidência, Carlos Magno Rocha da Silva. Na ocasião, a Unimed foi representada pela gerente do Setor Jurídico, Tatiana Accioly Fayad. (Fonte: TJ_GO e Unimed Goiânia) Cooperativa inaugurou quatro novas plantas industriais RIO VERDE Comigo inaugura quatro novos empreendimentos O ano de 2015 já está marcado por mais uma expansão da Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), em Rio Verde, a 231 quilômetros de Goiânia. Foram inauguradas, em 11 de janeiro, quatro novas plantas industriais, que vão elevar a capacidade produtiva nas áreas de óleo de soja, rações, laticínio e fertilizantes. O investimento na expansão foi de R$ 213 milhões. Nos últimos quatro anos, a Comigo investiu mais de R$ 400 milhões na ampliação e modernização das indústrias, armazéns e lojas agropecuárias, em um momento positivo do agronegócio. Parte das obras já foi concluída e, oficialmente, já entraram em operação em várias cidades de sua área de ação. (Fonte: Ascom Comigo) CRÉDITO Aumento do IOF traz vantagem competitiva O aumento no Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), alíquota básica cobrada em empréstimos bancários destinados à pessoa física, não afetará os associados de cooperativas de crédito. Isso porque a legislação prevê um tratamento diferenciado para as instituições financeiras cooperativas. Até o momento, não está prevista sua alteração, que continua sendo apenas 0,38% do valor financiado, independente do prazo da operação, explica o presidente do Sicredi Brasil Central, Celso Figueira. O aumento na alíquota, de 1,5% ao ano (a.a.) para 3% a.a., foi determinado pelo Governo Federal e publicado no Diário Oficial no dia 21 de janeiro, por meio do Decreto 8.392, com efeito imediato. Tal medida trará uma vantagem competitiva frente ao mercado, visto a vantagem econômica crescente de pertencer a uma instituição financeira cooperativa, argumenta Celso. 11

12 por DeNtro Do sistema Desde maio de 2014, o Sistema OCB/SESCOOP-GO trabalha vigorosamente para obter a certificação internacional ISO 9001:2008, título que reconhece a qualidade na prestação e entrega de bens e serviços Sistema em busca da excelência com certificação ISO 9001 Trabalho focado na certificação é realizado desde maio de 2014 Para o Sistema OCB/SESCOOP-GO, obter a certificação é uma forma de demonstrar para as cooperativas, clientes da entidade, e principalmente para as pessoas que têm algum vínculo com o Sistema ou que usufruem de seus serviços, que a qualidade está presente na instituição e é buscada ao nível máximo. O objetivo do corpo técnico do Sistema OCB/SESCOOP-GO é alcançar a excelência no atendimento e também servir de modelo para as cooperativas goianas. Lançado o desafio, de maio até agora, a Casa do Cooperativismo Goiano tem passado por boas e significativas mudanças. A primeira delas foi a implantação do Programa 8S, que contempla oito sensos. Trata-se de uma metodologia de origem japonesa, distinta da ISO, mas que visa otimizar a organização, a padronização e a limpeza do ambiente de trabalho. Em paralelo a implantação do 8S, foram introduzidas as atividades pertinentes a conquista da ISO. Desde o primeiro semestre do ano passado foram feitos mapeamentos e identificados os processos realizados na Casa do Cooperativismo Goiano. No SESCOOP/GO, serão 53 processos apresentados em fluxogramas e, na OCB-GO, serão 44 processos. Além do mais, foi desenvolvido, para o Sistema, o Manual de Gestão da Qualidade, que norteará todos os procedimentos para a manutenção da excelência, quando a entidade estiver certificada. Para cada um dos processos foi produzido um fluxograma. Dentro desses fluxos, para as etapas mais complexas e atendendo às exigências da norma ISO, foram elaboradas instruções de trabalho e/ou procedimentos, detalhando particularidades e/ou instruindo os colaboradores da entidade sobre como executar determinada atividade. Com a ISO, a Casa do Cooperativismo Goiano irá prezar pela melhoria contínua dos serviços prestados, com o aperfeiçoamento dos procedimentos internos. Para isso, todos os funcionários foram mobilizados e conscientizados, por meio de reuniões, treinamentos e workshops, para esclarecimento do que é a certificação, como ela é alcançada, porque é importante e quais os resultados esperados. É importante ressaltar que o Sistema trabalha para a certificação e, mesmo após essa conquista, dará continuidade ao trabalo de melhoria da eficiência e qualidade dos serviços oferecidos pela Casa às cooperativas goianas. 12

13 Os 8S são oito conceitos criados com base na filosofia japonesa, e que preveem a melhor condução das atividades, a partir da transformação do ambiente de trabalho. Cada S faz parte de um conjunto de oito conceitos simples que, ao serem praticados, são capazes de modificar o ambiente de trabalho. O programa 8S deve ser iniciado de forma a mobilizar as pessoas em torno de objetivos simples, gerando resultados, que irão sustentar a motivação do pessoal envolvido. Tratase de um processo educativo que possibilita a mudança comportamental e cultural das pessoas na organização, com o objetivo de uma vida harmoniosa no trabalho. Os 8S no Brasil foram interpretados como senso, para manter o nome original do programa. De origem japonesa, as oito atividades começam com a letra S. 0 significado de senso é: aplicação correta da razão para julgar ou racionar. Os oito sensos Shikari Yaro Senso de determinação e união Shido Senso de treinamento Seiri Senso de descarte, utilização ou seleção Seiton Senso de ordenação, arrumação ou organização Seiso Senso de limpeza ou zelo Setsuyaku Senso de economia e combate aos desperdícios Seiketsu Senso de higiene, asseio, bem-estar, padronização ou saúde Shitsuke Senso de autodisciplina, disciplina ou manutenção da ordem 1º 2º 3º 4º 5º 6º Política da Qualidade SATISFAZER às necessidades e expectativas das cooperativas, de acordo com as exigências de mercado, legais e estatutárias. GARANTIR a representatividade, a defesa institucional e sindical e promoção da cultura do cooperativismo no âmbito estadual. PROVER suporte ao fomento e monitoramento das cooperativas, visando à melhoria de seu desempenho. FORNECER ensino de formação profissional de qualidade e a promoção social dos empregados de cooperativas, cooperados e seus familiares. APERFEIÇOAR os processos e serviços do Sistema OCB/SESCOOP-GO, comprometendo colaboradores nos temas relacionados ao cooperativismo, visando qualidade e melhoria contínua de seus serviços. DIVULGAR o cooperativismo, suas práticas, valores, conceitos e princípios para as cooperativas e comunidade em geral. 13

14 CooperAtivA em FoCo Cocari Cooperativa vai expandir operações em Silvânia Com 53 anos de atuação no Brasil e umas das empresas mais fortes do agronegócio na região Sul do País, a Cocari (Cooperativa Agropecuária e Industrial) começa uma trajetória de sucesso e inovação em Goiás, com expansão de sua estrutura e atuação, ainda neste ano Fábio Salazar 14 Em Silvânia, o entreposto aberto em 2012 atende agricultores do município com linha de insumos para o cultivo de lavouras. No município, será inaugurado, ainda neste semestre, unidade com estrutura completa, também com capacidade para armazenar a produção dos cooperados. Os produtores terão à disposição todos os serviços prestados no entreposto, além de assistência técnica, recebimento, armazenagem e comercialização dos cereais, auxiliando-os no ciclo produtivo, desde o cultivo da terra até a fase final, com a venda da produção agrícola. A nova unidade será um avanço para a Cocari Cerrado, formada com as unidades de Campo Alegre de Goiás, Cristalina e Santo Antônio do Rio Verde, em Goiás, e Guarda- Mor, em Minas Gerais. A obra é financiada pelo Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) do Banco do Brasil. Estrutura Em 2014, a Cocari começou o ano com colaboradores, saltando para empregos diretos no final do ano, um crescimento de quase 60%. Hoje, possui mais de cooperados, na maioria, pequenos produtores, atuando nos Estados do Paraná, Goiás e, mais recentemente, em Minas Gerais. A cooperativa atua no agronegócio, no recebimento e comercialização da produção de seus cooperados e, também, Nova unidade vai oferecer os mesmos serviços disponíveis no entreposto no segmento industrial. A avicultura e o plantio de eucalipto são os principais nichos da Cocari, que também aposta na verticalização da produção de grãos dos cooperados. A Cocari foi agraciada, pela quarta vez consecutiva, no ano passado, com o Prêmio Chico Mendes. Pela primeira vez no Prêmio Cooperativa do Ano, concedido pelo Sistema OCB, ganhou no quesito Desenvolvimento Sustentável. O trabalho comprometido da cooperativa com o meio ambiente, desenvolvimento sustentável e as comunidades locais envolve todos os colaboradores. A cooperativa mantém em todas as unidades o Projeto Cocarinho, que, em 2014, arrecadou brinquedos para doação a crianças carentes. Também apoiou a arrecadação de R$ na Campanha Cocari Solidária, sendo que estes recursos permanecem integralmente nas entidades que arrecadaram. Outro destaque da cooperativa é o Projeto Meio Ambiente Eu Cuido!, que tem como objetivo ensinar as crianças sobre a importância de se preservar o meio ambiente.

15 CUrsos e eventos Avanços na formação Para garantir os avanços do cooperativismo em Goiás, o Sistema OCB/SESCOOP-GO investiu, no último quadriênio, permanentemente na expansão de oferta de cursos, treinamentos, capacitações, palestras e formações voltada para os públicos interno e externo, o que inclui dirigentes, conselheiros, cooperados e colaboradores. Só em 2014 foram realizadas 562 atividades de formação, que beneficiou um número de pessoas de Goiás, presentes em 136 cooperativas (veja box). Este trabalho foi realizado conforme um calendário de eventos que priorizam a formação qualificada de dirigentes, gestores e colaboradores ligados ao cooperatividmo, o que inclui parceria com as cooperativas na realização de treinamentos, cursos e palestras, voltados para a disseminação da filosofia cooperativista e para a atualização em temas como desenvolvimento humano, gestão, legislação e contabilidade, em busca da fidelização dos cooperados. Entre alguns cursos, pode-se destacar os de formação de dirigentes cooperativistas (Formacoop), de multiplicadores cooperativistas, de conselheiros fiscais e administrativos e de secretárias cooperativistas. NÚMEROS DO SESCOOP/GO 2014 Atividades realizadas 562 Cooperativas atendidas 136 Pessoas beneficiadas Horas de atividades realizadas

16 vitrine CooperAtivistA Formação anterior da Frente Parlamentar do Cooperativismo FRENCOOP Sistema OCB vai intensificar atuação no Congresso Nacional Com nova formação no Congresso Nacional, o Sistema OCB irá focar na defesa dos interesses das cooperativas brasileiras com o fortalecimento da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) e a sensibilização dos novos parlamentares que acabam de assumir o posto nas duas Casas de Lei do país. No dia 1º de fevereiro, foi realizada a posse de 513 deputados federais e de 27 senadores da República, além da eleição dos presidentes das respectivas Casas. Com o início da 55ª Legislatura, a Câmara contará com 198 novos deputados e 25 novos senadores, dentre os eleitos e os suplentes que assumirão o mandato. Para o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, a renovação dos parlamentares exige um esforço concentrado do movimento cooperativista em evidenciar a importância social e econômica do cooperativismo. Para tanto, durante o ano de 2015, o Sistema OCB irá realizar uma série de visitas institucionais para apresentar as atividades realizadas pelo cooperativismo em Brasília, disponibilizar a força de trabalho da entidade e abrir com eficácia os canais de comunicação com os parlamentares. A Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) tomará posse no dia 24 de março de (Fonte: Brasil Cooperativo) COMUNICAÇÃO Unimed Goiânia substitui site por portal O Setor de Tecnologia da Informação da Unimed irá substituir o site por um portal, para aperfeiçoar a comunicação com seus diversos públicos, o gerenciamento das informações e a segurança. A principal diferença entre os dois formatos é que o portal tem 100% do foco nos públicos e cria conteúdos específicos para cada um. O portal oferecerá ferramentas que constroem um real relacionamento entre quem produz e quem consome a informação, como fóruns bem conduzidos e compilados, pesquisas on-line bem organizadas e chats. Serão permitidos múltiplos níveis de gerenciamento; personalização avançada de telas, baseada em perfis mais dinâmicos; sistema de gestão de conteúdos amplamente disponíveis com indexação automática dos documentos, funcionalidades de processos e workflow; mecanismo de busca avançado, em tempo real. (Fonte: Assessoria de Imprensa da Unimed Goiânia) 16

17 ESTRUTURA Sicoob Credi-Rural reinaugura posto de atendimento de Santa Helena de Goiás O Sicoob Credi-Rural reinaugurou, no dia 9 de fevereiro, o Posto de Atendimento (PA) da cidade de Santa Helena de Goiás. Agora os associados do município contam com uma unidade de atendimento mais ampla e moderna e com muito mais conforto. O novo prédio está localizado em um ponto estratégico e de melhor acesso para os associados, no Centro. O presidente da cooperativa, Antonio Chavaglia, destacou, durante a solenidade, a importância da participação efetiva dos associados para o desempenho eficaz da cooperativa em oferecer os melhores e mais econômicos produtos e serviços financeiros. Atualmente, para atendimento dos mais de cooperados, o Sicoob Credi-Rural possui postos de atendimento em 13 cidades goianas: dois em Rio Verde, Jataí, Acreúna, Paraúna, Montividiu, Indiara, Santa Helena de Goiás, Iporá, São Luís de Montes Belos, Caiapônia, Edéia, Catalão e Jandaia. (Fonte: Sicoob Credi-Rural) CONQUISTA Pleito das cooperativas é contemplado na Lei /2015 A Lei /2015, sancionada no dia 20 de janeiro pela presidente Dilma Rousseff, contempla pleitos do setor cooperativista. Um deles encontra-se no artigo 140, do Capítulo XV e trata do tema Capital Social das Cooperativas. O texto sancionado traz a garantia de que o capital social das cooperativas deve ser classificado como patrimônio líquido e não como um passivo financeiro, esclarece o analista econômico e financeiro do Sescoop Paraná, Devair Mem. (Fonte: Paraná Cooperativo) PARCERIA Junior Achievement divulga resultados com Unimed Cerrado O presidente da Unimed Cerrado, José Abel Ximenes, recebeu agradecimento da Junior Achievement (JA) Goiás instituição que há 12 anos desenvolve ações educativas de empreendedorismo jovem em todo o Estado pela parceria em Segundo a entidade, a participação da Unimed Cerrado foi determinante para o sucesso das ações da Junior Achievement Goiás, seja pelo envolvimento voluntário, seja pela parceria institucional que nos fortalece e promove o engajamento de outras empresas e instituições. A Junior Achievement Goiás atendeu alunos no ano passado. Neste período, esses alunos participaram de projetos, como o Vamos falar de ética e As vantagens de se permanecer na escola, desenvolvidos por voluntários das instituições parceiras. Em 2014, os voluntários da Unimed Cerrado doaram quase 40 horas de trabalho, que beneficiaram cerca de 50 estudantes. (Fonte: Ascom Unimed Cerrado) 17

18 Autogestão Assessoria Jurídica / Contábil Agentes de Desenvolvimentos Humano AssembleiaApoio logístico Biblioteca Boletim Goiás Cooperativo Banco de dados Convenção Coletiva de Trabalho Constituição de Cooperativa Consultorias Conselho Administrativo Conselho Fiscal CNCOOP Sistema de A a Z Prazer em conhecer Sistema OCB/SESCOOP-GO oferece extensa gama de serviços para auxiliar as cooperativas filiadas Auxiliar as cooperativas, funcionários e dirigentes, em todas as suas demandas relativas ao cooperativismo, sua formação e seu funcionamento; disponibilizar informações e serviços; defender os interesses do cooperativismo nos campos institucional, sindical e político, dentre outras, são atribuições do Sistema OCB/SESCOOP-GO. Para cumprir sua missão, alinhado aos valores, princípios e fundamentos cooperativistas, o Sistema oferece uma extensa gama de serviços às suas filiadas. Confira, a seguir, quais são as opções e como utilizá-las em favor de sua cooperativa. 18

19 CGU Dia C Defesa e Representação Institucional Estatuto Social Educação Cooperativista Encontro Goiano de Mulheres Cooperativistas Encontro de Jovens Cooperativistas Espaço multimídia Formação profissional Filiação Fomento Fórum de Presidentes Fecoop CO/TO A AGENTES DE DESENVOLVIMENTOS HUMANO - ADH O SESCOOP/GO atua na formação Profissional e promoção social, com apoio dos ADH, que são empregados das cooperativas, indicados pelo presidente, que têm a função de fazer o levantamento de T&D, planejar, elaborar e executar projetos e prestar contas dos eventos realizados em parceria com a Entidade. O ADH é o braço do SESCOOP/GO dentro da cooperativa. APOIO LOGÍSTICO A OCB-GO oferece serviço de apoio às cooperativas instaladas fora da Região Metropolitana de Goiânia, para protocolos documentais junto a repartições públicas e demais órgãos competentes na capital; compras; acompanhamentos de processos e demais serviços congêneres. ASSEMBLEIA A OCB-GO orienta e acompanha, quando necessário, as assembleias de cooperativas, que é o órgão supremo da cooperativa, que, conforme a Legislação e o Estatuto Social, tomará toda e qualquer decisão de interesse da sociedade. AUTOGESTÃO O sistema OCB/SESCOOP-GO assiste suas cooperativas na profissionalização da gestão, propiciando um ambiente qualificado e capaz de garantir a competitividade de mercado, já que a autogestão é o processo pelo qual os próprios cooperados, líderes e dirigentes assumem a total responsabilidade pela gestão da cooperativa, sem a necessidade de interferência estatal em seu funcionamento. B BIBLIOTECA O Sistema OCB/SESCOOP-GO disponibiliza, através de sua biblioteca, um acervo com mais de 4 mil títulos, além de periódicos e multimídia, promovendo o acesso e a transferência de informação dentro da comunidade cooperativista. BOLETIM É a principal publicação noticiosa virtual do Sistema OCB/SESCOOP- GO. Postado no portal, semanalmente, contém notícias da entidade e das cooperativas goianas. É um canal de informação e de divulgação do trabalho e ações do universo cooperativista goiano. 19

20 Cooperativistas Encontro de Jovens Cooperativistas Espaço multimídia Formação profissional Filiação Fomento Fórum de Presidentes Fecoop CO/TO Frencoop Gedoc Governança Guia SindicalGDA GDH Hall de Serviços Sistema de AZ a C CNCOOP A Confederação Nacional das Cooperativas é a nossa entidade sindical maior, com sede em Brasília, sendo a legítima representante da categoria econômica das cooperativas em todos os seus ramos de atividades. A CNCOOP é responsável pela definição da tabela sindical a ser aplicada para o cooperativismo em todo o território nacional. CONSELHO ADMINISTRATIVO E CONSELHO FISCAL O Sistema OCB/SESCOOP-GO realiza cursos de formação para conselheiros, objetivando prepará-los para o exercício do cargo nas cooperativas. CONSULTORIAS A OCB-GO orienta grupos interessados em constituir cooperativas, esclarecendo acerca de aspectos gerais para essa constituição. Presta, também, às suas cooperativas filiadas e regulares, consultoria nas áreas do Direito Cooperativo, Tributário, Comercial, Previdenciário, Administrativo, Trabalhista e Cível, Contábil-Fiscal, além de orientações sobre procedimentos internos da cooperativa, inclusive, relativas à comunicação. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - CCT Como sindicato, a OCB-GO tem sua função negocial para garantir a CCT anual, que é o instrumento pactuado com os sindicatos de empregados, para o estabelecimento de regras nas relações de trabalho no âmbito das cooperativas do Estado, buscando resguardar seus interesses. D DEFESA E REPRESENTAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL A OCB-GO se empenha para representar e defender os interesses políticos e institucionais do sistema cooperativista goiano perante as autoridades constituídas e a sociedade. Para isso, está presente em diversos cenários de debate, seja em órgãos governamentais, entidades de classe e conselhos, para participar das decisões que possam afetar o movimento cooperativista. DIA C É um movimento de voluntariado, encampado pelo cooperativismo brasileiro, onde, em cada município, as cooperativas participantes (pequenas, médias ou grandes), seja individualmente ou em grupo, desenvolvem, em suas localidades, um elenco de realizações sociais, na forma de projetos, atividades e iniciativas locais que, priorizaram o trabalho voluntário e demonstram a capacidade e o empenho do setor cooperativista para atuar socialmente e poder transformar para melhor uma realidade. Em 2014, com a coordenação do Sistema OCB/SESCOOP-GO, o Dia C envolveu 41 cooperativas e mais de voluntários em Goiás. DIA INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Comemorado no primeiro sábado de julho, a criação dessa data especial objetiva aumentar a conscientização sobre o cooperativismo, ajudando a promover o movimento. O Sistema OCB/SESCOOP-GO, de acordo com a temática de cada ano, atua numa comemoração apropriada que venha promover uma maior aproximação com a sociedade, o governo e instituições afins. E EDUCAÇÃO COOPERATIVISTA Treinamentos e palestras ministradas pelo Sistema OCB/SESCOOP-GO, com foco na educação cooperativista, que objetivam promover a fidelização dos cooperados, a profissionalização e o desenvolvimento das cooperativas. ENCONTRO GOIANO DE JOVENS E MULHERES COOPERATIVISTAS Evento de promoção social promovido pelo Sistema OCB/SESCOOOP-GO com foco em cooperadas, esposas e filhos de cooperados, com o objetivo de estimular a participação ativa dos jovens e mulheres na gestão das cooperativas, para fortalecer o movimento cooperativista, através de informação, integração e dinâmicas motivacionais. ESPAÇO MULTIMÍDIA A Casa do Cooperativismo possui ambientes qualificados para utilização das cooperativas na realização de assembleias, reuniões, treinamentos, palestras, dentre outros eventos. Ao todo, são quatro salas, que podem ser usados para treinamentos de forma individual, com capacidade entre 40 e 80 pessoas, ou podem ser unidas e adaptadas para um ambiente único, com capacidade para até 300 pessoas. Todos os ambientes são climatizados, equipados com som e projetor multimídia. ESTATUTO SOCIAL A OCB-GO orienta na elaboração, bem como, disponibiliza modelos de estatuto social para grupos interessados em constituir cooperativas, além, de analisar e emitir pareceres sobre o tema, primando sempre pelo atendimento à legislaão, doutrina, filosofia e princípios do cooperativismo, já que esse instrumento se constitui no conjunto de normas que regem funções, atos e objetivos da sociedade cooperativa, para atender às suas necessidades e a de seus cooperados. F FECOOP CO-TO A Federação dos Sindicatos das Cooperativas do DF, GO, MT, MS e TO é uma entidade sindical patronal de 2º grau, que tem a finalidade de desenvolver o estudo, a defesa da categoria e das atividades compreendidas pelos Sindicatos a ela filiados. FILIAÇÃO Filiada é toda cooperativa que, por ato isolado de vontade, resolveu se tornar sócia da OCB-GO e que contribui mensalmente como associada. Ao se filiar a cooperativa passa a gozar do direito de voto nas assembleias, além de poder gozar dos benefícios que a OCB-GO possa oferecer-lhe, tais como: cursos, consultorias administrativa/contábil/jurídica, dentre outros. 20

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: OCB/SESCOOP-TO Data de realização do seminário: 23/04/2010 Local: Sede da OCB/SESCOOP-TO Palmas-TO Número de participantes:

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Gerência de Comunicacão

Gerência de Comunicacão Gerência de Comunicacão Quem somos? Representação política e institucional Representação sindical Educação cooperativista, promoção social e monitoramento Gecom Marketing Publicidade e propaganda Assessoria

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS)

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) 1 A seguir apresentamos o fluxo para a Implantação de um Observatório Social(OS), dentro do Sistema de Franquia Social da Rede

Leia mais

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008

MINAS GERAIS 12/04/2008. Diário do Judiciário. Portaria 2.176/2008 MINAS GERAIS 12/04/2008 Diário do Judiciário Chefe de Gabinete: Dalmar Morais Duarte 11/04/2008 PRESIDÊNCIA Portaria 2.176/2008 Institucionaliza o Programa Conhecendo o Judiciário do Tribunal de Justiça.

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação

Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação Cleuza Rodrigues Repulho Dirigente Municipal de Educação de São Bernardo do Campo/ SP Presidenta da Undime A Undime como organização

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

MISSÃO VALORES VISÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO Representar, defender, integrar e dignificar a categoria, assegurando direitos e prerrogativas, garantindo a sua atuação e fortalecendo a importância do tributo na construção de uma sociedade justa,

Leia mais

Regulamento do Prêmio Concred Verde

Regulamento do Prêmio Concred Verde Regulamento do Prêmio Concred Verde Brasília-DF, fevereiro de 2012. Para ocorrer desenvolvimento sustentável é preciso comprometimento com uma visão responsável que busca o equilíbrio social e a interação

Leia mais

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA!

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! Apresentação O Instituto Sicoob PR foi criado para cumprir o 7º princípio cooperativista Interesse pela comunidade. Com o suporte das Cooperativas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes:

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes: 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Sistema OCB/SESCOOP-RR Data de realização do seminário: 17 de Junho de 2010 Local: Auditório do Sistema FAERR/SENAR-RR

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional ROTEIRO PPT DICA: TREINE ANTES O DISCURSO E AS PASSAGENS PARA QUE A APRESENTAÇÃO FIQUE BEM FLUIDA E VOCÊ, SEGURO COM O TEMA E COM A FERRAMENTA. Para acessar cada uma das telas,

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Economia Solidária A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Economia Solidária A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de A Santa Maria que Queremos Visão: Que Santa Maria e região sejam referências no fortalecimento de um novo modelo de organização e sustentabilidade da

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS

X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS X SEMINÁRIO DO FÓRUM NACIONAL DE GESTÃO DA ÉTICA NAS EMPRESAS ESTATAIS PAINEL : FERRAMENTA PARA A GESTÃO DA ÉTICA E DOS DIREITOS HUMANOS RONI ANDERSON BARBOSA INSTITUTO OBSERVATORIO SOCIAL INSTITUCIONAL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

O desafio de construir sem degradar

O desafio de construir sem degradar Construindoum um mundosustentável O desafio de construir sem degradar Missão Missão Promover, divulgar e fomentar a utilização dos conceitos e tecnologias sustentáveis na Construção Civil. Escopo Espaço

Leia mais

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social.

E-SOCIAL. Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. E-SOCIAL Comunicamos que entrará em vigor, a partir de Abril de 2014, o novo projeto do governo, denominado E-Social. O E-Social é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 PRÊMIO COOPERJOVEM ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011

Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 PRÊMIO COOPERJOVEM ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011 PRÊMIO COOPERJOVEM Professor Fernando Rosa, de Piracanjuba, entre os vencedores 3 Jornal do Sistema OCB/SESCOOP-GO www.ocbgo.org.br ANO V Nº 36 NOVEMBRO/DEZEMBRO 2011 APROVADO PLANO DE TRABALHO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais