Capítulo 8. Arquitetura de processadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 8. Arquitetura de processadores"

Transcrição

1 Arquitetura de processadores Capítulo 8 Mostraremos neste capítulo alguns conceitos importantes sobre o funcionamento interno dos processadores. Tomaremos como exemplo os processadores Intel, e com eles você entenderá conceitos como execução especulativa, pipeline, previsão de desvio, paralelismo, micro-operações, linguagem assembly, memória virtual, paginação e outros termos complexos. O assunto é difícil, mas vale a pena, pois o leitor passará a ter um conhecimento mais profundo sobre o que se passa dentro de um processador. Registradores internos do processador Para entender como um processador executa programas, precisamos conhecer a sua arquitetura interna, do ponto de vista de software. Dentro de um processador existem vários circuitos chamados de registradores. Os registradores funcionam como posições de memória, porém o seu acesso é extremamente rápido, muito mais veloz que o da cache L1. O número de bits dos registradores depende do processador. Processadores de 8 bits usam registradores de 8 bits Processadores de 16 bits usam registradores de 16 bits Processadores de 32 bits usam registradores de 32 bits Processadores de 64 bits usam registradores de 64 bits A figura 1 mostra os registradores internos dos processadores 8086, 8088 e 80286, todos de 16 bits. Todos os processadores têm uma linguagem baseada

2 8-2 Hardware Total em códigos numéricos na memória. Cada código significa uma instrução. Por exemplo, podemos ter uma instrução para somar o valor de AX com o valor de BX e guardar o resultado em AX. As instruções do processador que encontramos na memória são o que chamamos de linguagem de máquina. Nenhum programador consegue criar programas complexos usando a linguagem de máquina, pois ela é formada por códigos numéricos. É verdade que alguns programadores conseguem fazer isso, mas não para programas muito longos, pois tornam-se difíceis de entender e de gerenciar. Ao invés disso, são utilizados códigos representados por siglas. As siglas são os nomes das instruções, e os operandos dessas instruções são os registradores, valores existentes na memória e valores constantes. Figura 8.1 Registradores internos do processador Por exemplo, a instrução que acabamos de citar, que soma o valor dos registradores AX e BX e guarda o resultado em AX, é representada por: ADD AX,BX Esta instrução é representada na memória pelo seguinte código de máquina: 01 D8 Portanto a instrução ADD AX,BX é representada na memória por dois bytes, com valores 01 e D8 (em hexadecimal). Os bytes na memória que formam os programas são o que chamamos de linguagem de máquina. Esse códigos são lidos e executados pelo processador. Já as representações por siglas, como ADD AX,BX, formam o que chamamos de linguagem assembly. Quando programamos em linguagem assembly, estamos utilizando

3 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-3 as instruções nativas do processador. A linguagem assembly é usada para escrever programas que têm contato direto com o hardware, como o BIOS e drivers. O assembly também é chamado linguagem de baixo nível, pois interage intimamente com o hardware. Programas que não necessitam deste contato direto com o hardware não precisam ser escritos em assembly, e são em geral escritos em linguagens como C, Pascal, Delphi, Basic e diversas outras. Essas são chamadas linguagens de alto nível. Nas linguagens de alto nível, não nos preocupamos com os registradores do processador, nem com a sua arquitetura interna. Os programas pensam apenas em dados, matrizes, arquivos, telas, etc. Apresentamos abaixo um pequeno trecho de um programa em linguagem assembly. Em cada linha deste programa temos na parte esquerda, os endereços, formados por duas partes (segmento e offset). A seguir temos as instruções em códigos de máquina, e finalmente as instruções em assembly. Endereço Código Assembly B8D: D8 ADD AX,BX 1B8D:0102 C3 RET 1B8D: PUSH SS 1B8D:0104 B03A MOV AL,3A 1B8D: D5 CMP [D585],AL 1B8D:010A 750E JNZ 011A 1B8D:010C 804E0402 OR BYTE PTR [BP+04],02 1B8D:0110 BF86D5 MOV DI,D586 1B8D:0113 C MOV BYTE PTR [BP+00],00 1B8D:0117 E85F0B CALL 0C79 1B8D:011A 8B7E34 MOV DI,[BP+34] 1B8D:011D 007C1B ADD [SI+1B],BH Quando estamos programando em linguagem assembly, escrevemos apenas os nomes das instruções. Depois de escrever o programa, usando um editor de textos comum, usamos um programa chamado compilador de linguagem assembly, ou simplesmente, Assembler. O que este programa faz é ler o arquivo com as instruções (arquivo fonte) e gerar um arquivo contendo apenas os códigos das instruções, em linguagem de máquina (arquivo objeto). O arquivo objeto passa ainda por um processo chamado link edição, e finalmente se transforma em um programa, que pode ser executado pelo processador. O Assembler também gera um arquivo de impressão, contendo os endereços, códigos e instruções em assembly, como no trecho de listagem que mostramos acima. O programador pode utilizar esta listagem para depurar o programa, ou seja, testar o seu funcionamento.

4 8-4 Hardware Total Os códigos hexadecimais que representam as instruções do processador são chamados de opcodes. As siglas que representam essas instruções são chamadas de mnemônicos. Daremos neste capítulo, noções básicas da linguagem assembly dos processadores modernos. Não ensinaremos a linguagem a fundo, mas o suficiente para você entender como os processadores trabalham. Como a programação nos processadores modernos é relativamente complexa, começaremos com o 8080, de 8 bits. A arquitetura do 8080 deu origem à do 8086, que por sua vez deu origem ao 386 e aos processadores modernos. Entendendo o 8080, que é bem mais simples, será mais fácil entender os processadores modernos. Linguagem Assembly 8080 Aprender assembly do 8080 não é uma inutilidade, por duas razões. Primeiro porque você entenderá com muito mais facilidade o assembly dos processadores modernos, que afinal foram inspirados no Segundo que nem só de PCs vive um especialista em hardware. Você poderá trabalhar com placas controladoras que são baseadas nos processadores 8051 e Z80. Ambos são de 8 bits e também derivados do 8080, e são bastante utilizados em projetos modernos. A figura 2 mostra os registradores internos do São registradores de 8 bits, com exceção do PC (Program Counter) e do SP (Stack Pointer), que têm 16 bits. Figura 8.2 Registradores internos do O registrador mais importante é o acumulador. Ele é o valor de saída da unidade lógica e aritmética (ALU), na qual são realizadas todas as operações. Processadores atuais permitem fazer operações com todos os registradores, mas no 8080, o acumulador deve obrigatoriamente ter um dos operandos, e sempre é onde ficam os resultados. Os registradores B, C, D, E, H e L são de uso geral. Servem como operandos nas operações lógicas e aritméticas envolvendo o acumulador. O PC é um registrador de 16 bits, e seus valores são usados para formar o barramento de

5 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-5 endereços do processador durante as buscas de instruções. O PC tem sempre o endereço da próxima instrução a ser executada. O SP (Stack Pointer) é muito importante. Ele serve para endereçar uma área de memória chamada stack (pilha). A pilha serve para que os programas possam usar o que chamamos de subrotinas, que são trechos de programa que podem ser usados em vários pontos diferentes. Por exemplo, se em um programa é preciso enviar caracteres para o vídeo, não é preciso usar em vários pontos deste programa, as diversas instruções que fazem este trabalho. Basta fazer uma subrotina com essas funções e chamá-la onde for necessária. A subrotina deve terminar com uma instrução RET, que faz o programa retornar ao ponto no qual a subrotina foi chamada. Para chamar uma subrotina, basta usar a instrução CALL. Quando esta instrução é executada, é automaticamente armazenado na pilha, o endereço da instrução imediatamente posterior à instrução CALL (endereço de retorno). Subrotinas podem chamar outras subrotinas, permitindo assim criar programas mais complexos. O Stack Pointer sempre aponta para o topo da pilha, e é automaticamente corrigido à medida em que são usadas instruções CALL e RET. A instrução RET consiste em obter o endereço de retorno existente no topo da pilha e copiá-lo para o PC (Program Counter). Isso fará com que o programa continue a partir da instrução posterior à instrução CALL. Os FLAGS são um conjunto de 8 bits que representam resultados de operações aritméticas e lógicas. São os seguintes esses bits: Símbolo Nome Descrição Z Zero Indica se o resultado da operação foi zero CY Carry Indica se uma operação aritmética teve vai um ou pede emprestado P Parity Indica a paridade do resultado da operação. S Signal Indica o sinal de uma operação, se foi positivo ou negativo AC Aux. Carry Carry auxiliar, em algumas instruções especiais. Apesar de ser um processador de 8 bits, o 8080 é capaz de realizar algumas operações de 16 bits. Nessas operações, os registradores B e C são tratados como um valor de 16 bits. O mesmo ocorre com o par D/E e H/L. Além de manipular os registadores, o 8080 também permite obter valores na memória. Esses valores podem ser de 8 ou 16 bits, e nas instruções que fazem esses acessos, basta indicar o endereço de 16 bits da posição de memória que desejamos acessar. Além disso é possivel usar os registradores HL, BC e DE como apontadores para posições de memória. Nas instruções do assembly do 8080, o pseudo registrador M é na verdade a posição de memória (8 bits) cujo endereço está em HL.

6 8-6 Hardware Total Programar em assembly do 8080 consiste em utilizar suas instruções, manipulando seus registradores para executar as funções que desejamos. Instruções de movimentação de dados MOV: Move dados entre dois registradores diferentes. Assim como na maioria das instruções que envolvem registradores, podemos usar M como sendo a posição de memória apontada por HL. Exemplos: MOV A,C MOV C,E MOV D,M MOV M,A ; A=C ; C=E ; D=M, ou seja, a posição de memória indicada ; por HL ; M=A Note que quando escrevemos programas em assembly, podemos usar comentários em cada linha, bastando usar um ponto-e-vírgula após a instrução. Tudo o que estiver depois do ponto-e-vírgula será ignorado pelo assembler. Aqui aproveitamos este convenção para colocar também comentários explicativos nas instruções de nossos exemplos. MVI: Carrega um valor constante de 8 bits em um registrador de 8 bits ou na posição de memória apontada por HL. Exemplos: MVI C,200 MVI A,15h MVI M,150 MVI L,32 ; Carrega o registrador C com 200 (decimal) ; Carrega o acumulador com 15 hexadecimal ; Armazena o valor 150 em [HL] ; Carrega o registrador L com 32 em decimal Aproveitamos para além de exemplificar essas instruções, apresentar mais algumas convenções usadas na linguagem assembly. Os números podem ser representados nos formatos binário, octal, hexadecimal ou decimal. Quando não usamos sufixos após os números, considera-se que são números decimais. Para números hexadecimais, usamos o sufixo H. Quando um número hexadecimal começa com A, B, C, E, E ou F, temos que usar um 0 no início, para que o assembler não pense que se trata de uma variável, e não um número. Números binários devem terminar com b, e números octais devem terminar com q. Exemplos: b 325q 8BC3h

7 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-7 Os quatro números acima estão expressos respectivamente em decimal, binário, octal e hexadecimal. Outra convenção que vamos introduzir aqui é usar o símbolo [HL] para indicar a posição de memória cujo endereço é dado por HL. Na linguagem assembly do 8080, este é o papel do símbolo M. Não usamos [HL], porém esta convenção foi adotada no assembly do 8086 e outros processadores mais novos. Da mesma forma vamos usar os símbolos [BC] e [DE] para indicar as posições de memória apontadas por BC e por DE. LXI: Carrega um valor constante de 16 bits em um dos pares BC, DE, HL e no Stack Pointer. Exemplos: LXI H,35AFh ; Carega HL com o valor 35AF hexadecimal LXI D,25100 ; Carrega DE com o valor decimal LXI B,0 ; Carrega BC com 0 LXI SP,200 ; Carrega o Stack Pointer com 200 decimal Note que os números de 8 bits podem assumir valores inteiros positivos de 0 a 255 decimal (ou de 0 a FF em hexadecimal). Os números inteiros positivos de 16 bits podem assumir valores entre 0 e decimal (ou 0 a FFFF hex). Obseve a instrução LXI H, 35AFh. Este valor 35AF é formado por 16 bits, sendo que os 8 bits mais significativos têm o valor 35 hex, e os 8 bits menos significativos têm o valor AF hex. No par HL, o registrador H é o mais significativo, e o registrador L é o menos significativo. Sendo assim o registrador H ficará com 35 hex e o registrador L ficará com AF hex. LDA e STA: A instrução LDA carrega o acumulador (registrador A) com o valor que está no endereço de memória especificado. A instrução STA faz o inverso, ou seja, guarda o valor de A na posição de memória especificada. Exemplos: LDA 1000h STA 2000h ; Carrega A com o valor existente em [1000h] ; Guarda o valor de A em [2000h] Estamos utilizando a partir de agora a notação [nnnn] para indicar a posição de memória cujo endereço é nnnn. Esta notação não é usada no assembly para 8080, mas é usada no assembly do 8086 e superiores. LHLD e SHLD: A instrução LHLD carrega nos registradores H e L, o valor de 16 bits existente nas duas células de memória cujo endereço é especificado. A instrução SHLD faz o inverso. Exemplos:

8 8-8 Hardware Total LHLD 1000h SHLD 2000h ; Faz L=[1000h] e H=[1001h] ; Guarda L em [2000h] e H em [2001h] Aqui vai mais um conceito importante. A memória do 8080 é uma sucessão de bytes, mas podemos também acessar words, ou seja, grupos de 16 bits. A operação envolve dos bytes consecutivos, e nas instruções indicamos apenas o endereço do primeiro byte. Os 8 bits menos significativos estão relacionados com a posição de memória indicada, e os 8 bits seguintes estão relacionados com a próxima posição. A figura 3 ilustra o que ocorre ao usarmos a instrução SHLD 2000h, levando em conta que H está com o valor 35h e L com o valor 8Ch. Figura 8.3 Armazenando HL em [2000h]. Esta convenção é utilizada por todos os processadores Intel. Sempre que é feita uma leitura ou escrita na memória, as partes menos significativas dizem respeito aos endereço menores, e as partes mais significativas correspondem aos endereços maiores. LDAX e STAX: Essas instruções fazem respectivamente operações de load (carrega) e store (guarda) do acumulador, usando a posição de memória cujo endereço está no par BC ou DE. Exemplos: LDAX D STAX B LDAX B STAX D ; A = [DE] ; [BC] = A ; A = [BC] ; [DE] = A Note que estamos usando as notações [BC] e [DE] para indicar as posições de memória cujos endereços são dados por BC e DE. Observe que as instruções LDAX H e STAX H não existem, mas em seu lugar temos MOV A,M e MOV M,A que fazem a mesma coisa.

9 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-9 XCHG: Troca o valor de HL com o valor de DE. Esta instrução só é usada na forma: XCHG ; DE HL Trecho de programa com movimentação de dados Mostraremos agora uma seqüência de instruções de movimentação de dados apresentadas aqui. Usaremos depois de cada instrução, um ponto-e-vírgula, seguido de comentários. Esta é uma prática comum nos programas em assembly e em outras linguagens. O comentário não produz instruções para o processador, apenas serve para o programador explicar melhor o seu programa. INIC: MVI A,100 ; Carrega A com o valor 100 decimal MOV C,A ; Copia o valor de A para o registrador C LXI H, 300h ; Carrega HL com o valor 300h. H ficará com 03 e L ficará com 00 MVI M,40 ; Armazena no endereço 300h (apontado por HL), o valor 40 LXI D, 1000h MOV A,M STAX D ; Carrega DE com o valor 1000h ; Move para A o valor armazanedo no endreço 300h ; Guarda o valor de A na posição 1000h da memória SHLD 2000h ; Guarda o valor de HL nas posições 2000 e 2001 XCHG ; Troca os valores de DE e HL Na listagem acima, INIC: é o que chamamos de LABEL. Ele será entendido pelo assembler como um endereço que deverá ser utilizado posteriormente em alguma instrução. Instruções aritméticas ADD: Soma com A, o valor do registrador especificado, ou da posição de memória apontada por HL (M). O resultado da operação é armazenado em A. Exemplos: ADD B ADD C ADD L ADD M ; A = A+B ; A = A=C ; A = A+L ; A = A+[HL] Assim como ocorre com todas as instruções aritméticas e lógicas, os flags (Z, CY, P, S e AC) são atualizados de acordo com o resultado da operação. Por exemplo, se somarmos C8h com 72h, o resultado será 13Ah. Este valor não cabe em 8 bits, portanto o resultado será 3Ah e o bit Carry será ligado para indicar que ocorreu um vai 1.

10 8-10 Hardware Total ADI. Soma com A, o valor constante especificado. O resultado fica armazenado em A. Exemplos: ADI 90 ; A = A+90 ADI 35 ; A = A+35 ADC: Semelhante à instrução ADD, exceto que o bit Carry também é adicionado. Esta operação serve para fazer somas com vai 1. Desta foram podemos dividir números grande em valores de 8 bits, e somar 8 bits de cada vez. Sempre que fazemos uma soma, o Carry ficará com o vai 1 da operação, e assim poderá ser usado para somar a parcela seguinte. Exemplos: ADC L ADC D ADC M ; A = A+L+carry ; A = A+D+carry ; A = A+[HL]+carry ACI: Semelhante à instrução ADI, exceto pelo Carry também entrar na soma. Exemplos: ACI 90 ACI 84 ; A = A+90+carry ; A = A+84+carry SUB: Faz uma subtração de A com o registrador (A = A-registrador) ou com M. Exemplos: SUB D SUB C SUB M ; A = A-D ; A = A-C ; A = A-[HL] Nesta operação, o carry é ligado para indicar o resultado negativo, o que serve para fazer cálculos com vários dígitos, usando o método de pedir emprestado. SUI: Subtrai do acumulador, o número especificado. Por exemplo: SUI 20 ; A = A-20 SUI 82 ; A = A-82 SUI 0DFh ; A = A-DF (hex) SBB: Similar à instrução SUB, exceto que leva em conta o valor do carry. Serve para fazer cálculos com o método de pedir emprestado. Exemplos: SBB C SBB L SBB M ; A = A-C-carry ; A = A-L-carry ; A = A-[HL]-carry

11 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-11 SBI: Similar à instrução SUI, exceto que leva em conta o valor do carry. Serve para fazer cálculos com o método de pedir emprestado. Exemplos: SBI 2Fh SBI 73h ; A = A-2Fh-carry ; A = A-73h-carry INR: Incrementa em uma unidade o valor do registrador especificado. Serve para implementar contadores. Exemplos: INR A ; A = A+1 INR C ; C = C+1 INR D ; D = D+1 INR L ; L = L+1 INR M ; [HL] = [HL]+1 Quando o valor do registrador é FF e usamos esta instrução, ele passará a ficar com o valor 00 e o bit Carry será ligado. O bit Zero também será ligado, indicando que o resultado da operação foi zero. DCR: Diminui de uma unidade o conteúdo do registrado especificado. Esta instrução é usada para implementar contagens decrescentes. Exemplos: DCR A ; A = A-1 DCR C ; C = C-1 DCR D ; D = D-1 DCR H ; H = H-1 DCR M ; [HL] = [HL]-1 Quando o registrador tem o valor 1 e usamos esta instrução, o seu conteúdo passará a ser 00. O bit Zero será ligado, indicando que o resultado da operação foi 0. Se o registrador estiver com o valor 00 e usarmos novamente esta instrução, seu valor passará a ser FF. O bit Carry será ligado, para indicar que o resultado tem valor negativo. INX e DCX: Essas instruções são similares às instruções INR e DCR, exceto que operam com pares de registradores (BC, DE e HL) e com o Stack Pointer. Não podem ser usadas diretamente para implementar contadores, pois elas não afetam os valores dos flags, ou seja, não avisam se o resultado foi zero, positivo ou negativo. Essas instruções não tinham objetivo de fazer contagem, mas sim de usar os registradores como ponteiros para a memória. Ao lançar o 8086, a Intel corrigiu este deslize. As instruções correspondentes nos processadores de 16 bits afetam os valores dos flags, o que é importante para tomar decisões posteriores em função do resultado da contagem. Exemplos:

12 8-12 Hardware Total INX H INX D DCX B INX SP ; HL = HL+1 ; DE = DE+1 ; BC = BC-1 ; SP = SP+1 Note que apesar do 8080 ser um processador de 8 bits, INX e DCX são consideradas instruções de 16 bits. DAA: Esta instrução é usada na manipulação de números codificados no formato BCD (Bynary Coded Decimal). Nesta representação, um valor de 8 bits é dividido em 2 grupos de 4 bits. Um grupo de 4 bits representa o dígito das unidades e o outro grupo representa o dígito das dezenas, no formato decimal. Números neste formato podem ser somados e subtraídos pelas mesmas instruções que manipulam números binários. A única diferença é que no final da operação é preciso usar a instrução DAA para fazer o ajuste decimal. Por exemplo, se quisermos somar os números 48 e 36 (BCD), usamos as instruções comuns (ADD, ADI, etc.) e encontraremos o resultado 7E (hex). Entretanto o resultado esperado, considerando o formado BCD, seria 84 (pensando em decimal). Logo após fazer a soma, se usarmos a instrução DAA, aquele valor 7E resultará em 84. DAD: Esta é uma operação de soma em 16 bits. Soma o valor de 16 bits presente em HL com o par de registradores especificado. Este par pode ser BC, DE, HL ou SP. O resultado é colocado em HL, e o bit Carry é afetado, refletindo um eventual vai 1. Exemplos: DAD B ; HL = HL+BC DAD D ; HL = HL+DE DAD H ; HL = HL+HL DAD SP ;HL = HL+SP Para exemplificar as instruções apresentadas até aqui, vamos mostrar um exemplo no qual movemos 30 bytes localizados a partir do endereço 1000h para o endereço 2000h. LXI H, 1000h ; HL vai apontar para a origem LXI D, 2000h ; DE vai apontar para o destino MVI C, 30 ; C será usado como contador: TRAN: MOV A,M ; Pega o byte da origem STAD X ; Guarda no destino INX H ; Aponta para o próximo byte INX D ; Aponte para o próximo byte DCR C ; Decrementa o contador JNZ TRAN ; Vai para TRAN se não chegou a ZERO

13 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-13 Além das instruções já conhecidas, estamos usando a instrução JNZ (Jump if not Zero). Este instrução é um exemplo de desvio condicional. O programa continuará a partir do endereço TRAN caso o bit ZERO não esteja ativado, ou seja, se o resultado da operação anterior (C=C-1) não foi zero. Quando a contagem chegar a zero, a instrução JNZ não provocará o desvio, e o programa continuará com a instrução seguinte. Instruções lógicas As instruções lógicas são necessárias para que os programas possam tomar decisões em função dos dados. São instruções que realizam operações AND, OR, XOR (ou exclusivo) e NOT (negação). Existem ainda instruções de comparação, instruções para manipular o bit carry e instruções para rotação de bits. Para entender o funcionamento dessas instruções, temos que lembrar as tabelas verdade dos operadores NOT, AND, OR e XOR: X NOT X X Y X AND Y X Y X OR Y Como vemos na tabela acima, o operador NOT faz a inversão do bit sobre o qual atua. O operador AND dará resultado 1 apenas quando ambos os bits forem 1, e dará 0 em caso contrário. O operador OR dará resultado 0 somente quando ambos os bits forem 0. O operador XOR dará resultado 1 se os dois bits forem diferentes, e 0 se ambos os bits forem iguais. X Y X XOR Y Essas operações são envolvem apenas um bit, mas nas instruções lógicas dos processadores, atuam individualmente sobre cada um dos bits. Por exemplo, se calcularmos AND , teremos o seguinte resultado: AND

14 8-14 Hardware Total Note que o primeiro bit do resultado é obtido fazendo a operação AND com os primeiros bits das duas parcelas, e assim por diante. ANA e ANI: Realiza uma operação AND, bit a bit, do acumulador com o registrador especificado. O resultado da operação fica no acumulador. A instrução ANI faz o AND do acumulador com um valor constante. ANA B ANA C ANA A ANA M ANI 3Fh ; A = A AND B ; A = A AND C ; A = A AND A ; A = A AND [HL] ; A = A AND 3F Uma das várias aplicações desta instrução é testar se determinados bits são zero ou 1. Por exemplo, se fizermos ANI b, podemos usar a seguir uma instrução JZ ou JNZ que causarão desvio ou não dependendo do fato do bit 2 estar ligado ou desligado. Chegou a hora de apresentar mais um conceito: a identificação dos bits. Em um grupo de 8 bits, chamamos cada um desses bits, da direita para a esquerda, de bit 0, bit 1, até bit 7, ou seja: bit7 bit6 bit5 bit4 bit3 bit2 bit1 bit0 ORA, ORI, XRA, XRI: ORA faz a operação OR do acumulador com o registrador especificado; ORI faz o mesmo com um valor constante; XRA faz a operação XOR (OU Exclusivo) do acumulador com o registrador especificado, XRI faz o mesmo com um valor constante. Exemplos: XRA B XRA C ORA L ORI 20h XRI 04h XRA A ; A = A XOR B ; A = A XOR C ; A = A XOR L ; A = A OR 20h ; A = A XOR 04h ; A = A XOR A Aproveitamos para mostrar alguns macetes de programação assembly. A instrução ORI serve para ligar um bit selecionado. Para ligar os bits 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1 e 0 basta fazer um ORI com valores 80h, 40h, 20h, 10h, 8, 4, 2 e 1, respectivamente. A instrução XRI fará a inversão do bit correspondente (use os mesmos valores que indicamos para a instrução ORI). A instrução XRA A tem o efeito de zerar o acumulador. CMP, CPI: A instrução CMP compara o acumulador com outros registradores. A instrução CPI compara o acumulador com um valor

15 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-15 constante de 8 bits. O resultado do acumulador não é afetado. As instruções apenas afetam os bits Zero e Carry. Após essas instruções podem ser usados desvios condicionais que testam esses dois bits. Esses bits ficarão ligados ou desligados de acordo com os valores comparados: A maior que Valor Z=0 Cy=0 A igual a Valor Z=1 Cy=0 A menor que Valor Z=0 Cy=1 Exemplos: CMP C CMP L CMP M CPI 4Ch ; Compara A com C ; Compara A com L ; Compara A com [HL] ; Compara A com 4C RLC, RRC: Essas duas instruções são usadas para deslocar os bits do acumulador. RLC desloca para esquerda e RRC desloca para a direita. A operação é mostrada na figura 4. Figura 8.4 Instruções RLC e RRC. Na instrução RLC, cada bit assume o lugar do bit imediatamente à sua esquerda (ou seja, o bit imediatamente mais significativo). O bit 7 é transferido para o bit 0, e uma cópia do bit 7 é feita no Carry. Na instrução RRC, o deslocamento é feito de forma inversa. O bit 0 é copiado para o bit 7 e para o Carry. Essas instruções têm diversas aplicações, entre as quais, a implementação de operações de multiplicação e divisão, já que o 8080 não as possui no seu conjunto de instruções. Essas instruções não têm parâmetros. São usadas simplesmente nas formas RRC e RLC. RAL, RAR: Também fazem deslocamentos dos bits do acumulador, para a esquerda e para a direita. A diferença é que neste caso, a rotação é feita com

16 8-16 Hardware Total 9 bits, sendo 8 do acumulador e mais o Carry. A operação dessas instruções é mostrada na figura 5. Figura 8.5 Instruções RAL e RAR. CMA: Complementa o acumulador, ou seja, faz a inversão de todos os seus bits. STC, CMC: Essas instruções servem para carregar valores no Carry. A instrução STC faz Carry=1, e a instrução CMC inverte o valor do Carry. Note que não existe uma instrução para zerar o Carry. Ao invés dela, podemos usar STC seguida de CMC, ou então usar a instrução ANA A ou ORA A, que não alteram o valor de A mas zeram o Carry. Instruções de desvio As instruções de desvio são importantíssimas, e são executadas o tempo todo. O processador tende a seguir uma seqüência de instruções, na mesma ordem na qual são encontradas na memória, ou seja, depois de cada instrução é executada a instrução seguinte. Um programa que só executa instruções na sequência não tem muita utilidade. Todos os processadores precisam de insruções de desvio, que fazem com que a execução seja continuada a partir de um outro ponto qualquer do programa. Já mostramos um exemplo de trecho de programa que usa a instrução JNZ (jump if not zero) para implementar a repetição de um trecho um certo número de vezes. Um trecho de programa que é executado diversas vezes é chamado de LOOP. JMP: Esta é a principal e mais simples instrução de desvio. É o que chamamos de desvio incondicional, ou seja, sempre será executada, não importa em que condições. Por exemplo, ao encontrar a instrução JMP 8000h, o processador continuará a execução do programa a partir das instruções localizadas no endereço 8000h.

17 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-17 CALL e RET: A instrução CALL também é um desvio, mas bem diferente do JMP. É uma chamada de rotina. Uma rotina é um trecho de programa que pode ser chamado de vários pontos de um programa principal. No final de uma rotina deve exitir uma instrução RET, que faz o processador retornar ao ponto imediatamente após a instrução CALL. Comparando as instruções CALL e JMP, a única diferença é que no caso da instrução CALL, o endereço da próxima instrução (endereço de retorno) é guardado no topo da pilha. O valor do SP (stack pointer é atualizado para permitir novos empilhamentos). A instrução RET simplesmente obtem o endereço no topo da pilha e o coloca em PC (Program Counter), fazendo com que a execução continue de onde parou. Mostraremos novamente nosso pequeno trecho de programa que move um certo número de bytes de uma parte para outra da memória, mas desta vez usando uma rotina. O trecho começa no endereço 1000, onde carregamos o par HL com o endereço da origem, DE com o endereço do destino e o registrador C com o número de bytes (no caso são 16 bytes, que corresponde a 10 em hexadecimal). A seguir é chamada uma rotina que está no endereço Esta é a rotina responsável pela movimentação. Depois que a rotina é chamada, a próxima instrução a ser executada é JMP 0, que está no endereço 100A. 1000: LXI H, : LXI D, : 0E 10 MVI C, : CD CALL A: C JMP : 7E MOV A,M 1021: 12 STAX D 1022: 23 INX H 1023: 13 INX D 1024: 0D DCR C 1025: C JNZ : C9 RET Observe que a rotina de movimentação localizada no endereço 1020 é genérica. Ela pode mover dados entre duas posições quaisquer de memória, dadas por HL e DE. O número de bytes também pode ser qualquer (de 1 a 255), e deve ser dado em C. Dizemos então que HL, DE e C são os parâmetros desta rotina. É importante entender o que acontece com a stack ao executarmos instruções CALL e RET. Na instrução CALL, o endereço de retorno e empilhado. Na instrução RET, o endereço de retorno é desempilhado. No

18 8-18 Hardware Total trecho de programa mostrado acima, a instrução CALL causará o empilhamento do endereço 100A, que é o endereço da instrução seguinte, e será o endereço de retorno. Figura 8.6 Empilhamento de um endereço de retorno na stack, feito por uma instrução CALL. A figura 6 ilustra o que está ocorrendo. Digamos que o registrador SP (Stack Pointer) esteja com o valor inicial A stack aumenta para trás, ou seja, para endereços menores. Ao executar a instrução CALL, o processador empilhará o endrereço 100A nos bytes imediatamente anteriores ao endereço indicado por SP. Portanto ocupará os endereços 00FF e 00FE. O SP será atualizado para 00FE, que será o novo topo da pilha. Assim novos endereços poderão ser empilhados quando forem executadas outras instruções CALL. A instrução RET fará exatamente o inverso do mostrado na figura 6. O Stack Pointer estará com o valor 00FE, portanto irá obter o endereço de retorno nas posições 00FE e 00FF da memória, e encontrará 100A. O Stack Poitner será então atualizado para 0100, que será o novo topo da pilha. JMPs, CALLs e RETs condicionais Além das instruções JMP, CALL e RET, que são incondicionais, existem suas versões condicionais, que são executadas apenas quando uma determinada condição é satisfeita. Essas condições são baseadas nos flags: Zero, Carry, Parity e Signal. São elas: Instrução Ação Interpretação JZ Pula se Zero está ligado Pula se o resultado é zero, Pula se iguais JNZ Pula se Zero está desligado Pula se o resultado não é zero, Pula se diferentes JC Pula se Carry está ligado Pula se menor, pula se carry JNC Pula se Carry está desligado Pula se maior ou igual, pula se não carry JPE Pula se paridade Par Pula se número de bits 1 é par JPO Pula se paridade Ímpar Pula se número de bits 1 é ímpar JP Pula se sinal positivo Pula se resultado positivo ou zero JM Pula se sinal negativo Pula se resultado negativo

19 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-19 Nesta tabela mostramos a ação de cada uma desas instruções, e ainda uma interpretação dessas ações. Por exemplo, a instrução JZ pode ser usada logo depois uma operação aritmética e queremos que seja feito o desvio se o resultado foi zero. Pode ainda ser usada depois de uma comparação e queremos que o desvio seja feito se os valores comparados forem iguais. Da mesma forma existem as chamadas condicionais de rotinas e os retornos condicionais: CZ, CNZ, CC, CNC, CPE, CPO, CP, CM RZ, RNZ, RC, RNC, RPE, RPO, RP, RM RST n: Esta instrução é similar a uma instrução CALL. A diferença é que ela não precisa que seja indicado o endereço, pois está implícito. Podemos usá-la de 8 formas diferentes: RST 0 / RST 1 / RST 2 / RST 3 / RST 4 / RST 5 / RST 6 / RST 7 Essas instruções têm o mesmo efeito que: CALL 0000 / CALL 0008 / CALL 0010 / CALL 0018 / / CALL 0038 O objetivo dessas instruções é economizar bytes, já que ao invés dos 3 bytes ocupados por uma instrução CALL, usa apenas um byte. Quando uma certa rotina é usada muitas vezes em um programa, podemos colocá-la a partir de um desses endereços e chamá-las através das instruções RST. Note que esses endereços estão separados apenas por 8 bytes, portanto não é possível colocar diretamente neles, rotinas maiores que este tamanho. O que normalmente fazemos é usar nesses endereços, instruções de JMP para outra área onde ficam as rotinas. PCHL: Carrega em PC o valor existente em HL. Isto é equivalente a executar um JMP para o endereço especificado por HL. É útil quando queremos desviar para um local variável, em função do valor em HL, obtido por exemplo, de uma tabela de endereços. Operações com a pilha, E/S e controle Para completar o conjunto de instruções do 8080, falta apenas uma pequena miscelânea de instruções para para manipulação da stack, entrada/saída e controle.

20 8-20 Hardware Total PUSH e POP: Já vimos como a stack é usada para emplilhar e desempilhar endereços nas instruções CALL e RET. São sempre valores de 16 bits. Além de endereços, podemos ainda empilar e desempilhar dados na stack. Por exemplo, a instrução PUSH H guardará o valor de HL no topo da stack. A instrução POP H fará o inverso, ou seja, retirará da pilha o valor do seu topo e o copiará para HL. As instruções PUSH e POP podem ser usadas com os parâmetros B, D e H, que operam com os pares BC, DE e HL. Podemos ainda usar PUSH PSW, que salva em um grupo de 16 bits, o valor do acumulador e dos flags. A instrução POP PSW faz o inverso. XTHL: Lembra da instrução XCHG, que troca os valores de HL e DE? A instrução XTHL faz algo parecido. Troca os valores de HL e do topo da pilha. SPHL: Já vimos também a instrução LXI SP, Valor, que carrega um valor fixo no stack pointer. Isto é necessário na inicialização dos programas, quando temos que definir onde ficará a pilha. A instrução SPHL é mais flexível. Ela cria a stack em qualquer ponto da memória, bastando indicar seu endereço em HL. IN, OUT: São instruções importantíssimas que servem para o processador trocar dados com o mundo exterior. Através da instrução IN podemos obter dados provenientes de interfaces que estão ligadas aos periféricos. O dado lido ficará no acumulador. A instrução OUT faz o inverso, ou seja, transfere para o endereço de E/S especificado, o valor que está no acumulador. Exemplos: IN 70h OUT 40h ; Lê dado que está no endereço de E/S 70h ; Envia para o endereço de E/S 40h, o valor de A DI, EI: Essas instruções controlam as interrupções de hardware. DI faz com que as interrupções sejam desabilitadas. EI faz com que sejam habilitadas novamente. São úteis durante o atendimento a interrupções de hardware e em certos trechos críticos que não podem ser interrompidos. HLT: Halt. Faz o processador parar de executar instruções. O processador só sai deste estado quando ocorre uma interrupção. NOP: No Oparation. Esta instrução não faz nada. É usada quando queremos fazer uma pausa entre duas instruções seguidas. Normalmente isso é necessário quando temos um programa que faz controle direto do hardware.

21 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-21 Isto pode ser necessário, por exemplo, para fazer o processador esperar um pouco mais pela execução das funções de certos circuitos lentos. Um pequeno programa para 8080 Finalizamos a apresentação das instruções do 8080, mostrando um pequeno programa. Este programa faz o recebimento dos caracteres do teclado e os coloca na memória a partir do endereço 1000h. O número máximo de caracteres que poderá ser recebido é 80. Quando terminarmos de digitar a linha, devemos teclar ENTER, cujo código hexadecimal é 0Dh. Estamos supondo aqui que o computador tem um console (teclado/vídeo combinados) ligado em uma interface serial que ocupa os endereços de E/S 80h e 81h. O endereço 80h é a porta de dados, que envia caracteres do para o vídeo (escrita) e lê caracteres do teclado (leitura). A porta 81h é usada como status. Seus bits 0 e 1 indicam respectivamente se a interface tem um dado vindo do teclado e se está pronta para enviar um dado para o vídeo. LXI H, 1000h ; Aponta para a área de memória MVI C,0 ; Zera o contador de bytes LECH: CALL INCHAR ; Lê caractere do teclado CPI 0Dh ; Testa se foi ENTER JZ FIM ; Vai para o fim se teclou ENTER MOV B,A ; Se não foi enter, guarda caracter em B MOV A,C ; Pega o contador de caracteres CPI 80 ; Testa se chegou a 80 JZ LECH ; Se há chegarm 80, ignora e volta a ler MOV A,B ; Se não chegou a 80, pega o caracter MOV M,A ; Guarda caracter na memória CALL OUTCHAR ; Envia o caracter para o vídeo INR C ; Incrementa o contador de caracteres INX H ; Incrementa o ponteiro JMP LECH ; Vai ler o próximo caracter FIM: JMP 0 ; Pula para 0000 quando terminar o programa ; Rotina de leitura de caracter INCHAR: IN 81h ; Lê o status da porta serial ANI 01 ; Testa se o bit 0 está ligado JZ INCHAR ; Se está desligado continua tentando IN 80h ; Lê o código do caracter RET ; e retorna com o caracter em A ; Rotina que envia para o vídeo, caracter ; que está em A OUTCHAR: PUSH B ; Salva para BC na pilha MOV B,A ; Guarda em B o caracter OUTC1: IN 81h ; Lê o status da porta serial ANI 02 ; Testa o bit 1 JZ OUTC1 ; Se bit 1 está zerado, continua esperando MOV A,B ; Pega o caracter OUT 80h ; Envia o caracter POP B ; Restaura o valor original de BC RET ; e retorna

22 8-22 Hardware Total Códigos das instruções do 8080 Apresentamos a seguir uma tabela com os códigos de todas as instruções do Não que você vá programar 8080, mas para que você tenha uma idéia da relação entre as instruções e os seus códigos. Na tabela que se segue, temos as seguintes convenções: D8 representa um dado constante de 8 bits D16 representa um dado constante de 16 bits Addr representa um endereço de 16 bits Op Cod e Mnemonic Op Code Mnemonic Op Cod e Mnemonic Op Cod e Mnemonic Op Code Mnemonic Op Code Mnemonic 00 NOP 2B DCX H 56 MOV D,M 81 ADD C AC XRA H D7 RST 2 01 LXI B,D16 2C INR L 57 MOV D,A 82 ADD D AD XRA L D8 RC 02 STAX B 2D DCR L 58 MOV E,B 83 ADD E AE XRA M D9-03 INX B 2E MVI L,D8 59 MOV E,C 84 ADD H AF XRA A DA JC ADDR 04 INR B 2F CMA 5A MOV E,D 85 ADD L B0 ORA B DB IN D8 05 DCR B 30-5B MOV E,E 86 ADD M B1 ORA C DC CC ADDR 06 MVI B,D8 31 LXI SP,d16 5C MOV E,H 87 ADD A B2 ORA D DD - 07 RLC 32 STA ADDR 5D MOV E,L 88 ADC B B3 ORA E DE SBI D INX SP 5E MOV E,M 89 ADC C B4 ORA H DF RST 3 09 DAD B 34 INR M 5F MOV E,A 8A ADC D B5 ORA L E0 POR 0A LDAX B 35 DCR M 60 MOV H,B 8B ADC E B6 ORA M E1 POP H 0B DCX B 36 MVI M,D8 61 MOV H,C 8C ADC H B7 ORA A E2 JPO ADDR 0C INR C 37 STC 62 MOV H,D 8D ADC L B8 CMP B E3 XTHL 0D DCR C MOV H,E 8E ADC M B9 CMP C E4 CPO ADDR 0E MVI C,D8 39 DAD SP 64 MOV H,H 8F ADC A BA CMP D E5 PUSH H 0F RRC 3A LDA ADDR 65 MOV H,L 90 SUB B BB CMP E E6 ANI D8 10-3B DCX SP 66 MOV H,M 91 SUB C BC CMP H E7 RST 4 11 LXI D,D16 3C INR A 67 MOV H,A 92 SUB D BD CMP L E8 RPE 12 STAX D 3D DCR A 68 MOV L,B 93 SUB E BE CMP M E9 PCHL 13 INX D 3E MVI A,D8 69 MOV L,C 94 SUB H BF CMP A EA JPE ADDR 14 INR D 3F CMC 6A MOV L,D 95 SUB L C0 RNZ EB XCHG 15 DCR D 40 MOV B,B 6B MOV L,E 96 SUB M C1 POP B EC CPE ADDR 16 MVI D,D8 41 MOV B,C 6C MOV L,H 97 SUB A C2 JNZ ADDR ED - 17 RAL 42 MOV B,D 6D MOV L,L 98 SBB B C3 JMP ADDR EE XRI D MOV B,E 6E MOV L,M 99 SBB C C4 CNZ ADDR EF RST 5 19 DAD D 44 MOV B,H 6F MOV L,A 9A SBB D C5 PUSH B F0 RP 1A LDAX D 45 MOV B,L 70 MOV M,B 9B SBB E C6 ADI D8 F1 POP PSW 1B DCX D 46 MOV B,M 71 MOV M,C 9C SBB H C7 RST 0 F2 JP ADDR 1C INR E 47 MOV B,A 72 MOV M,D 9D SBB L C8 RZ F3 DI 1D DCR E 48 MOV C,B 73 MOV M,E 9E SBB M C9 RET F4 CP ADDR 1E MVI E,D8 49 MOV C,C 74 MOV M,H 9F SBB A CA JZ ADDR F5 PUSH PSW 1F RAR 4A MOV C,D 75 MOV M,L A0 ANA B CB - F6 ORI D8 20-4B MOV C,E 76 HLT A1 ANA C CC CZ ADDR F7 RST 6 21 LXI H,D16 4C MOV C,H 77 MOV M,A A2 ANA D CD CALL Addr F8 RM 22 SHLD ADDR 4D MOV C,L 78 MOV A,B A3 ANA E CE ACI D8 F9 SPHL 23 INX H 4E MOV C,M 79 MOV A,C A4 ANA H CF RST 1 FA JM ADDR 24 INR H 4F MOV C,A 7A MOV A,D A5 ANA L D0 RNC FB EI 25 DCR H 50 MOV D,B 7B MOV A,E A6 ANA M D1 POP D FC CM ADDR 26 MVI H,D8 51 MOV D,C 7C MOV A,H A7 ANA A D2 JNC ADDR FD - 27 DAA 52 MOV D,D 7D MOV A,L A8 XRA B D3 OUT D8 FE CPI D8

23 Capítulo 8 Arquitetura de processadores MOV D,E 7E MOV A,M A9 XRA C D4 CNC ADDR FF RST 7 29 DAD H 54 MOV D,H 7F MOV A,A AA XRA D D5 PUSH D 2A LHLD ADDR 55 MOV D,L 80 ADD B AB XRA E D6 SUI D8 Observe que alguns códigos, ao serem recebidos pelo processador, não representam instrução alguma. No caso do 8080, esses códigos são: 08, 10, 18, 20, 28, 30, 38, CB, D9, DD, ED e FD. Ao encontrar uma dessas instruções inválidas, o 8080 não fazia nada. Alguns ciriosos descobriram que certos códigos inválidos eram na verdade instruções não documentadas da Intel, porém nenhum programador sério ousava utilizá-las. Como eram instruções não oficiais, não era garantido que fossem implementadas em todas as versões do processador. No 8085, uma evolução do 8080, a Intel utilizou duas novas instruções: RIM (20h) e SIM (30h). A Zilog utilizou esses códigos para usar com as novas instruções do seu processador Z80. Nos processadores modernos, não é permitido executar instruções inválidas. Quando isso ocorre, o próprio processador gera uma interrupção e indica operação ilegal. No Windows, isso resulta em uma mensagem como: Erro o programa xxxx executou uma operação ilegal em... Linguagem Assembly do 8086 Depois desta breve apresentação do assembly do processador 8080, estamos finalmente entrando na era dos PCs, com o assembly do processador Os seus registradores internos são de 16 bits, mas foram inspirados nos registradores do Na figura 7, os registradores indicados em branco são herdados do 8080, enquanto os indicados em cinza são novos, próprios do 8086.

24 8-24 Hardware Total Figura 8.7 Registradores internos do Os regisradores AX, BC, CX e DX são de 16 bits, mas podem ser tratados como duas partes de 8 bits. AX é dividido em AH e AL, BX é dividido em BH e BL, e assim por diante. AX é o acumulador, portanto AL corresponde ao registrador A do O registrador BX do 8086 corresponde ao par HL do 8080 (assim como BH corresponde a H e BL corresponde a L). Da mesma forma, CX corresponde ao par BC e DX corresponde ao par DE. O contador de programa (PC) do 8080 é chamado no 8080 de IP (Instruction Pointer). O Stack Pointer (SP) é similar, e os flags (Cy, Z, AC, P e S) ficam em um registrador de flags, com 16 bits. Esta correspondência entre os registradores do 8086 e do 8080 foi proposital. Permitiu que programas escritos em assembly do 8080 fossem rapidamente convertidos para o 8086, mesmo que não da forma mais eficiente. Por exemplo, as instruções MOV D,B / MOV E,C podiam ser diretamente traduzidas por MOV DH,CH / MOV DL,CL. Entretanto é muito melhor usar os recursos de 16 bits, com a instrução MOV DX,CX. Depois de converter os antigos programas assembly de 8080 para 8086, os produtores de software passaram a criar programas novos já usando os recursos mais avançados do 8086, resultando em programas mais eficientes. Programas em linguagem de alto nível (C, Pascal, etc.) podiam ser convertidos com mais facilidade, já que eram desvinculados do assembly. Novas instruções Além de ter todas as instruções do 8080 ou instruções similares, o 8086 trouxe novas instruções bem mais avançadas, com execução mais rápida. Alguns exemplos:

25 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-25 Multiplicacão de números inteiros de 16 bits Divisão de números inteiros de 32 bits Rotações com qualquer número de bits Movimentação e comparação de strings Instruções para manipulação direta de bits Instruções de repetição Registradores BX, BP, SI e DI Esses registradores permitem várias operações comuns em outros registradores, e além delas, podem ser usados como índices. Por exemplo, podemos usá-los para apontar posições de memíria usando expressões como: [BX+valor] [BP+valor] [SI+valor] [DI+valor] [BX+SI+valor] [BX+DI+valor] [BP+SI+valor] [BP+DI+valor] Exemplos: MOV BX,1000h MOV AL,[BX+15h] MOV BX,2000h MOV SI,100h MOV AL,[BX+SI+20h] ; Aponta para o endereço 1000h ; Lê para AL o valor que está em 1015h ; Lê para AL o valor que está em 2120h O uso de índices torna a programação extremamente mais simples quando temos que lidar com estruturas de dados na memória, como strings e matrizes. Registradores de segmento O 8086 podia endereçar 1 MB de memória, muito mais que os 64 kb permitidos pelo No 8080, toda a memória era tratada como uma única coleção de bytes, contendo instruções, dados e stack. No 8086, esses elementos também ficam nesta mesma memória, apesar de maior. Apesar da memória ser homogênea do ponto de vista físico, seu uso é dividido em áreas chamados segmentos. Instruções devem ficar no segmento de código, dados devem ficar no segmento de dados ou no segmento extra, e a stack deve ficar no segmento de stack. Para manter essas 4 áreas de memória diferentes, o 8086 possui 4 registradores de segmento, que são: CS: Code segment

26 8-26 Hardware Total DS: Data segment ES: Extra segment SS: Stack segment Cada segmento no 8086 é uma área de memória com 64 kb. Os registradores de segmento indicam o endereço inicial dos respectivos segmentos. Note que esses registradores têm 16 bits, enquanto os endereços de memória do 8086 têm 20 bits. O processador obtém o endereço inicial de cada segmento adicionando 4 bits zero (ou um dígito 0 hexadecimal) à direita do valor existente no regitrador de segmento. Por exemplo, se o registrador CS está com o valor 7BC3, então o segmento de dados começa no endereço 7BC30. Figura 8.8 Regitradores de segmento indicam os inícios dos respectivos segmentos. A figura 9 mostra como é feito o endereçamento da memória dentro de um segmento. Todos os acessos a instruções são feitas automaticamente no segmento de dados. Digamos que CS esteja armazenando o valor 2800h, o que indica que o segmento de dados começa em 28000h. Digamos que o registrador IP (Instriction Pointer) esteja com o valor 0153h. Para obter o endereço de memória, fazemos a seguinte conta: adicionar um zero à direita do valor do segmento e somar este resultado com o offset, que no caso é o valor de IP. Encontramos então 28000h+0153h=28153h.

27 Capítulo 8 Arquitetura de processadores 8-27 Figura 8.9 Determinação de um endereço absoluto a partir do segmento e do offset. Todos os endereços do 8080 são compostos desta forma. O endereço usado para acessar a memória (de a FFFFF) é o que chamamos de endereço absoluto. O endereço absoluto sempre é formado por um valor de segmento e um offset. O valor do segmento é adicionado de um zero hexadecimal à sua direita e somado com o valor do offset, resultando no endereço absoluto. Vejamos um outro exemplo. Digamos que tenhamos DS=8A9Fh e BX=7CB6h. A instrução MOV AL,[BX] buscará um byte do endereço absoluto dado por: 8A9F0h +7CB6h = 926A6h Observe que cada posição de memória pode ser endereçada de várias outras formas. Por exemplo, o mesmo endereço absoluto 926A6H pode ser obtido fazendo DS=9000h e BX=26A6h. Todas as instruções a serem executadas são buscadas no segmento de código, portanto o registrador CS é usado na determinação do endereço absoluto. Todos os acessos a dados são feitos no segmento de dados, portanto o processador usa o valor de DS no cálculo do endereço absoluto. Certas instruções que manipulam strings utilizam o segmento extra (ES é a base para o cálculo), e as operações com a stack são feitas no segmento de stack, determinado por SS. Usando 4 segmentos de 64kB (código, dados, stack e extra), somos levados a concluir erradamente que um programa de 8086 pode ter no máximo 64 kb. Na prática não é isso o que ocorre. Para programas pequenos, não é necessário usar integralmente os 64 kb de cada segmento, portanto pode

28 8-28 Hardware Total ocorrer interseção entre os segmentos. Além disso, instruções especiais alteram automaticamente o valor de CS em operações de desvio e chamadas de rotinas, resultando em programas de maior tamanho, podendo até mesmo usar toda a memória disponível. Um mesmo programa pode ter múltiplos segmentos de código e de dados, manipulando assim quantidades maiores de memória. Modos de endereçamento O 8086 possui vários modos de endereçamento: Imediato: Opera com valores constantes. Exemplos: MOV AX,0 ; Carrega AX com 0 MOV BX,1000h ; Carrega BX com 1000h MOV DL,20h ; Carrega DL com 20h MOV SI,3500h ; Carrega SI com 3500h Registrador: Quando envolve apenas registradores. Exemplos: MOV AX,BX MOV CX,SI MOV DS,AX OR BX,CX ; Copia BX em AX ; Copia SI em CX ; Copia AX em DS ; Faz um OR de BX com CX. Resultado fica em BX Direto: Qundo faz referência a um endereço fixo de memória. Exemplos: MOV AX,[1000h] ADD CX,[2000h] CMP SI,[1020h] ; Carrega o valor do endereço 1000h em AL e do endereço 1001h em AH ; Carrega o valor de 16 bits dos endereços 2000h/2001h em CX ; Carrega o valor de 16 bits dos endereços 1020h/1021h em SI Indexado: Este é o modo de endereçamento mais flexível. Usa os registradores BX, BP, SI e DI como índices. Os índices podem ser usados sozinhos ou combinados, ou seja, o valor da soma de BX ou BP com SI ou DI. Sobre este valor ainda pode ser adicionada uma constante. Exemplos: MOV CL,[BX] MOV DL,[BP] MOV AX,[SI] MOV AH,[DI] MOV CX,[BX+5] MOV DL,[BP+50] MOV AL,[SI+100] MOV AX,[DI+1200] MOV AX,[BX+SI] MOV CL,[BX+SI+200] MOV AH,[BP+DI] MOV DX,[BP+DI+300] MOV CX,[DI+4800]

Experiência 1 -Introdução ao Módulo Didático MC-1 e Instruções de Transferência de Dados

Experiência 1 -Introdução ao Módulo Didático MC-1 e Instruções de Transferência de Dados UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE MICROPROCESSADORES I ELE 1078 Experiência 1 -Introdução

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

1345 Arquitectura de Computadores

1345 Arquitectura de Computadores 1345 Arquitectura de Computadores Relatório do 2º Teste formativo Ano lectivo 1999/2000 Resolução da questão 1 O mapa de memória pedido é o seguinte: Endereço do fim da página FFFFH DFFFH BFFFH 9FFFH 7FFFH

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Cap1.1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. Conceitos básicos Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou 1 elemento básico de informação Byte Word = 8 bits processados em paralelo (ao

Leia mais

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Gerenciador de Boot Simples

Gerenciador de Boot Simples Gerenciador de Boot Simples Este tutorial é uma simples caminhada através de um Gerenciador de Boot Hello World. Este, como qualquer outro gestor, tem que obedecer a algumas regras. Termos utilizados:

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos

Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos Conjunto de instruções e modos de endereçamento aula 4 Profa. Débora Matos Conjunto de Instruções A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) A H denotam posições da memória endereços As arquiteturas possuem as seguintes

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

Funcionamento básico de um computador

Funcionamento básico de um computador Funcionamento básico de um computador Processador Unidade de dados Unidade de controlo Arquitetura de computador básica Linguagem assembly Exemplos Arquitetura de Computadores Funcionamento básico de um

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

8. Instruções de multiplicação e divisão

8. Instruções de multiplicação e divisão Cap8.1 8. Instruções de multiplicação e divisão 8.1 Instruções de multiplicação MUL fonte IMUL fonte MUL (multiply) -> usada com números em representação não-sinalizada IMUL (integer multiply) -> usada

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação

PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação PCS-2302 / PCS-2024 Lab. de Fundamentos de Eng. de Computação Aula 02 Anarosa Alves Franco Brandão (PCS 2302) Jaime Simão Sichman (PCS 2302) (PCS 2024) Ricardo Luís de Azevedo da Rocha (PCS 2024) Monitores:

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 5 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções O Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções (ISA - Instruction Set Architecture) é a interface entre software

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Procedimentos e a Pilha Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 O que é a pilha? A pilha é uma estrutura

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander Objetivos Gerais Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2005 ISA Parte II: Arquiteturas-Exemplo Simuladores e Máquinas Reais Demonstrar os conceitos genéricos

Leia mais

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS

LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS LABORATÓRIO DE LINGUAGEM DE MONTAGEM INTERRUPÇÕES DO DOS E DA BIOS Capítulo 15 do livro-texto, págs. 309 a 330 Impressora Scanner Monitor Flop Disk Modem Floppy drive "CPU" HD CD ROM Teclado Mouse Dispositivos

Leia mais

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Capítulo 5 Nível ISA Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Compatibilidade com os níveis ISA anteriores!! => Pressão

Leia mais

Microprocessador 8085 V.Lobo, Escola Naval v1.6 2007

Microprocessador 8085 V.Lobo, Escola Naval v1.6 2007 INTRODUÇÃO es Intel 8080 Primeiro microprocessador de 8 bits da Intel Sucessor do primeiro microprocessador do mundo (de 4 bits) Arquitectura interna D7-D0 B1-DIRECTIONAL DATA BUS DATA BUS BUFFER/LATCH

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

Microprocessador 8085 V.Lobo, Escola Naval v1.6 2007

Microprocessador 8085 V.Lobo, Escola Naval v1.6 2007 es INTRODUÇÃO Intel 8080 Primeiro microprocessador de 8 bits da Intel Sucessor do primeiro microprocessador do mundo (de 4 bits) Intel Versão melhorada do 8080 Primeiro microprocessador com grande sucesso

Leia mais

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo

CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo CRIANDO UM SISTEMA OPERACIONAL BÁSICO Por: Fernando Birck aka Fergo 2 SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. Aplicativos 4 3. Processo de boot 5 4. Interrupts 6 5. Criando o Loader 7 6. Criando o Kernel 9 7. Gravando

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2011 VW Soluções 1 Apresentação O adaptador ADP.v01 é utilizado para facilitar a instalação de display Lcd 16x2 ou display Lcd 20x4 nos CLP PIC28 ou CLP PIC40 através de um flat cable de 10vias de acordo com a necessidade

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS Graduação em Processamento de Dados Especialização em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação SISTEMAS OPERACIONAIS Aula 1 Sistemas operacionais (so)

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 7 Unidade Central de Processamento (UCP): O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento e de controle, durante a execução de um

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Introdução Todos sabemos que existem diferentes tipos de números: fraccionários, inteiros positivos e negativos, etc. Torna-se necessária a representação destes dados em sistema

Leia mais

Evolução dos Processadores

Evolução dos Processadores Evolução dos Processadores Arquitetura Intel Arquitetura x86 Micro Arquitetura P5 P6 NetBurst Core Processador Pentium Pentium Pro Pentium II Pentium III Pentium 4 Pentium D Xeon Xeon Sequence Core 2 Duo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - O NÍVEL DA ARQUITETURA DO CONJUNTO DAS INSTRUÇÕES (ISA) (Nível Convencional de Máquina) 1. INTRODUÇÃO Este é o nível responsável por fazer a ligação entra a parte de hardware e a parte de software

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - O NÍVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. INTRODUÇÃO É relativamente fácil compreender os fundamentos da programação de computadores, sob o ponto de vista da inteligibilidade dos comandos de alto

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE

Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Ambiente de desenvolvimento de Programação Assembly MCU 8051 IDE http://mcu8051ide.sourceforge.net/ Tela inicial Criar novo projeto:

Leia mais

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY 1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY Antes de se escrever em assembly, é conveniente construir um fluxograma do programa. Um fluxograma não faz referência à linguagem a utilizar, pelo que pode ser utilizado

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

Arquitectura de Computadores. Dicas e Truques do Assembly do P3

Arquitectura de Computadores. Dicas e Truques do Assembly do P3 Instituto Superior Técnico Arquitectura de Computadores Dicas e Truques do Assembly do P3 Prof. Renato Nunes Versão 2.0 03/03/2008 1. Introdução Este documento contém vários pedaços de código, instruções

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração E Sistemas de numeração Aqui estão apenas números ratificados. William Shakespeare A natureza tem algum tipo de sistema de coordenadas geométrico-aritmético, porque a natureza tem todos os tipos de modelos.

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Organização de Computadores Hardware

Organização de Computadores Hardware Organização de Computadores Hardware Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Computador Ferramenta

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

x86 Assembly Mini-Course

x86 Assembly Mini-Course x86 Assembly Mini-Course Part 1 Bruno P. Evangelista bpevangelista@gmail.com Introdução Assembly é uma linguagem de programação de baixo nível em formato mnemonico Ela possibilita trabalhar diretamente

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Parte 1 José Wilson Lima Nerys www.eee.ufg.br/~jwilson jwilson@eee.ufg.br 1 Prof. José Wilson Lima Nerys 1 Microprocessadores MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES

Leia mais

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL Introdução Números decimais Números binários positivos Adição Binária Números negativos Extensão do bit de sinal Adição e Subtração Overflow Aritmético Circuitos Aritméticos

Leia mais

Introdução à programação em linguagem assembly

Introdução à programação em linguagem assembly Introdução à programação em linguagem assembly Espaço de endereçamento Instruções de acesso à memória Modos de endereçamento Diretivas Tabelas Pilha Rotinas Arquitetura de Computadores Introdução à programação

Leia mais

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Um computador pode ser esquematizado de maneira bastante simplificada da seguinte forma: Modelo Simplificado de Computador: Memória Dispositivo de Entrada Processador

Leia mais

Organização de Computadores Como a informação é processada?

Organização de Computadores Como a informação é processada? Curso de ADS/DTEE/IFBA Organização de Computadores Como a informação é processada? Prof. Antonio Carlos Referências Bibliográficas: 1. Ciência da Computação: Uma visão abrangente - J.Glenn Brokshear 2.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema.

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. Unidade aritmética e lógica - Executa operações aritméticas (cálculos);

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Aula 01 Introdução Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011.1 1 Processamento de dados 2 Organização de Computadores 3 Sistemas de Numeração Processamento de dados Processamento

Leia mais

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre

Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre Unidade bases I: numéricas 0 Unidade: Arquitetura de computadores e conversão entre bases numéricas 1 - Conceitos básicos sobre arquitetura de computadores

Leia mais

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP.

A Unidade Central de Processamento é a responsável pelo processamento e execução de programas armazenados na MP. A ARQUITETURA DE UM COMPUTADOR A arquitetura básica de um computador moderno segue ainda de forma geral os conceitos estabelecidos pelo Professor da Universidade de Princeton, John Von Neumann (1903-1957),

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores

SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores André Barbosa Verona, João Angelo Martini, Tiago Lopes Gonçalves UEM - Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves Implementação do Processador ARM7 em ArchC Wesley Nunes Gonçalves 23 de novembro de 2007 ARM7 Instruções Implementadas O ARM possui 37 registradores, sendo 31 registradores de propósito geral e 6 registradores

Leia mais

Nível da Microarquitetura

Nível da Microarquitetura Nível da Microarquitetura (Aula 10) Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos: Camilo Calvi - LPRM/DI/UFES Máquina de Vários Níveis Modernas (ISA)

Leia mais

Visão Geral de Pipelining

Visão Geral de Pipelining Pipeline Visão Geral de Pipelining Instruções MIPS têm mesmo tamanho Mais fácil buscar instruções no primeiro estágio e decodificar no segundo estágio IA-32 Instruções variam de 1 byte a 17 bytes Instruções

Leia mais

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES PROVA 1 1. A expressão a seguir pode ser usada para avaliar o desempenho de um microprocessador. Comente cada um dos termos dessa expressão. Valor: 2,5 Tempo de

Leia mais

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (CCET) DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Microprocessadores e Microcontroladores Prof. Edilson R. R. Kato Simulação do computador SAP-1

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais