MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA. Grupo de Pesquisa: Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA. Grupo de Pesquisa: Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia."

Transcrição

1 MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA THEOPHILO ALVES SOUZA FILHO; MARIELA MIZOTA TAMADA; ROSALIA MARIA PASSOS; NAYME PETRUS ABI-ABIB; UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PORTO VELHO - RO - BRASIL APRESENTAÇÃO ORAL Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA Grupo de Pesquisa: Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia. Resumo Este artigo propõe, a partir de uma discussão conceitual, o modelo de banco de dados predominante para o ambiente de agronegócios, relacionando-o com o tipo de dados geográficos, que são importantes para a agropecuária. É feito uma análise dos modelos de bancos de dados, especificamente aqueles utilizados nos Sistemas de Informação de Geoprocessamento (SIG), um sistema amplamente utilizado na área de agronegócios. Para aplicações deste tipo é fundamental a definição de modelagem de dados. A abordagem parte dos aspectos teóricos e conceituais de Geoprocessamento, banco de dados, sistema gerenciador dos dados e da modelagem de dados em geoprocessamento, para abstrair a forma de armazenagem ao usuário. Em seguida, trata a funcionalidade de um banco de dados geográfico, os seus limites e cita exemplos de aplicações na agricultura. Sob o ponto vista conceitual, espera-se que o estudo contribua para o entendimento dos modelos de banco de dados e seu uso para geoprocessamento, na medida em que serão utilizadas teorias para descrever os modelos existentes, verifica como trata as características dos dados de agronegócio e georeferenciados, propondo o modelo mais adequado. Este banco de dados permitirá que uma grande gama de informações seja mais facilmente encontrada e armazenada, gerando relatórios e o trabalho posterior com os dados coletados. Palavras-chave: Modelagem de Dados, Geoprocessamento, Agropecuária

2 Abstract This paper considers, from a conceptual quarrel, the model of predominant database for the agribusiness environment, relating it with the type of geographic data, that are important for the agropecuary. An analysis of the database models is made, specifically those used in the Geographical Information System (GIS), widely used in the agribusiness. For applications of this type is essencial to specify the definition of the data modeling. The paper contains the theoretical and conceptual aspects of Geoprocessing, database, data management system and the data modeling, to abstract the form of storage to the user. After that, it deals with the functionality of a geographic database, its limits and cites examples of applications in agriculture. From a conceptual point of view, it expects that the study contributes for the agreement of the models of database and its use for geoprocessing, in the measure where theories will be used to describe the existing models and to define the most adequate model. This database will allow to access information and become more easily searching and storing, to generate reports and the posterior work with the collected data. Key Words: datamodeling, geoprocessing, agropecury 1 INTRODUÇÃO As diversas atividades envolvidas nos processos produtivos sempre demandaram um planejamento, dada a sua complexidade ao interagir com a natureza, necessitando cada vez mais de um rígido controle de execução, visto estarem intrinsecamente ligadas entre si, à questão econômica e principalmente à ambiental. Segundo Soares (2001), a ampliação do espaço agrícola do País, vem ocorrendo anualmente com extensas áreas de cultivo sendo trabalhadas, exigindo para isso, uma agricultura mecanizada moderna, sofisticada e pesada, executando a maior parte dessas tarefas, minimizando muito o esforço do homem nesse sentido. Todo esse processo de desenvolvimento vem acarretando exclusivamente o aumento quantitativo da nossa produção agrícola, desconsiderando as severas agressões ao ambiente. Esses fatos vêm exigindo atenção especial, considerando possíveis perdas de mercado de produtos brasileiros no âmbito internacional, devido à grande competitividade que vem ocorrendo e as exigências mundiais para uma agricultura ecologicamente correta. Em vista disso, surge a necessidade para a adoção de um novo paradigma na agricultura, apoiado na racionalização e gerenciamento dos processos agropecuários, com a utilização de ferramentas técnicas de sensoriamento remoto, conhecida como Geoprocessamento. Em um mercado cada vez mais competitivo, como nas commodities agrícolas onde todos vendem pelo mesmo preço, leva vantagem o produtor que tiver uma produção mais barata e eficiente. No caso do pequeno produtor, para ter um custobenefício favorável, também precisa do controle orçamentário, custeio e planejamento. Nas organizações, desde o nível estratégico até o operacional, é crescente a necessidade de ampliar o volume de informações para a geração de oportunidades de negócio, vantagem competitiva e a melhoria de processo de tomada de decisão.

3 A agricultura de precisão para que possa funcionar satisfatoriamente, necessita formar um acervo de informações de fácil busca, recuperação e processamento, para que possam ser feitas simulações no sentido de bem orientar o agricultor. A aquisição de equipamentos, adoção de rotinas hierarquizadas categoricamente, voltadas ao geoprocessamento são atitudes importantes a serem tomadas. A introdução deste tipo de tecnologia, começa pela organização e gestão dos dados num banco de dados. Os dados que foram cuidadosamente coletados não seriam totalmente aproveitados se não tiver um histórico das informações devidamente armazenadas, pois estas geram mais informações e conhecimento se relacionadas corretamente entre eles ou a outras informações. Isto será possível com o uso de banco de dados e de ferramentas que permitem consultas eficientes com fácil busca e recuperação, que também permitem efetuar previsões e simulações. A maneira mais prática de classificar bancos de dados é de acordo com a forma que seus dados são vistos pelo usuário, ou seja, seu modelo de dados. Um modelo de dados conjunto de conceitos que são usados para descrever a estrutura de um banco de dados- fornece o signifcado necessário para permitir a abstração dos dados, ocultando detalhes do armazenamento, que são desnecessários para a maioria dos usuários de bancos de dados.

4 2 BASE TEÓRICA 2.1 Banco de Dados (BD), modelo de dados e Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Os bancos de dados e a sua tecnologia estão provocando um grande impacto no crescimento do uso de computadores. Eles representam um papel crítico em quase todas as áreas em que os computadores são utilizandos. A palavra banco de dados é tão comumente utilizada que, primeiro, devemos defini-la. O banco de dados, (ou base de dados), é uma coleção de dados relacionados. Os dados são fatos que podem ser gravados e que possuem um significado implícito (ELSMASRI, 2006). Por exemplo, nomes e números telefônicos armazenados em um computador são uma coleção de dados com um significado implícito, consequentemente, um banco de dados. Estes dados estão estruturados de forma a facilitar o acesso a conjuntos de informações que descrevem determinadas entidades do mundo. Diversos modelos de dados foram e vem sendo utilizados ao longo da história, com vantagens para um ou para outro por determinados períodos. Atualmente, a classificação tem 4 modelos básicos: 1. Modelos Navigacionais, divididos em: Modelo Hierárquico e Modelo em Redes 2. Modelo Relacional 3. Modelo Orientado a Objetos 4. Modelo Semi-Estruturados O único modelo que foi extensamente tratado de forma teórica foi o modelo relacional. Os modelos pré-existentes foram fruto de implementações, enquanto os modelos subsequentes, não apresentavam um campo tão rico para novas teorias, mas apresentam grandes desafios para a implementação eficiente das operações necessárias. A técnica mais adotada atualmente é o modelo relacional, utilizado em sistemas convencionais empresariais, onde as estruturas têm a forma de tabelas, compostas por linhas e colunas, sendo que cada linha da tabela é denominada de registro. Normalmente um registro está associado a um conceito completo e é dividido em campos, ou atributos, que dão valores a propriedades desses conceitos. Possivelmente alguns registros podem apontar diretamente ou referenciar indiretamente outros registros, o que faz parte da caracterização do modelo adotado pelo banco de dados (DATE, 2004). Podemos identificar o aparecimento do que pode ser chamado modelo plano (tabular) para fins mais diretos e simples. Nesse caso, os dados estão simplesmente arranjados em uma única matriz bi-dimensional de elementos de dados na qual todos os membros de uma dada coluna possuem valores de mesmo tipo, e todos os membros de uma linha estão relacionados entre si. Seu melhor exemplo é a planilhas eletrônica. O modelo relacional é uma teoria matemática desenvolvida por Edgar Frank Codd para descrever como as bases de dados devem funcionar. Embora esta teoria seja a base para o software de bases de dados relacionais, muito poucos sistemas de gestão de bases de dados seguem o modelo de forma restrita, e todos têm funcionalidades que violam a teoria, desta forma variando a complexidade e o poder. De acordo com a arquitetura ANSI / SPARC, os bancos de dados relacionais consistem de três componentes (BODIE, 1981):

5 uma coleção de estruturas de dados, formalmente chamadas de relações, ou informalmente tabelas, compondo o nível conceitual; uma coleção dos operadores, a álgebra e o cálculo relacionais, que constituem a base da linguagem Structured Query Language (SQL); e uma coleção de restrições da integridade, definindo o conjunto consistente de estados de base de dados e de alterações de estados. As bases de dados relacionais permitem aos utilizadores (programadores e usuários) escreverem consultas (queries), reorganizando e utilizando os dados de forma flexível e não necessariamente antecipada pelos projetistas originais. Esta flexibilidade é especialmente importante em bases de dados que podem ser utilizadas durante décadas, tornando as bases de dados relacionais muito populares no meio empresarial. Um dos pontos fortes do modelo relacional de banco de dados é a possibilidade de definição de um conjunto de restrições de integridade. Estas definem os conjuntos de estados e mudanças de estado consistentes do banco de dados, determinando os valores que podem e os que não podem ser armazenados. Por exemplo, um banco de dados de funcionários de uma empresa contém ao menos dois arquivos: dados pessoais (nomes, endereço, CPF, telefone) e dados funcionais (cargo, lotação, data de admissão). Um exemplo de restrição seria validar o dígito verificador (DV) do CPF. Na década de 90, o modelo baseado na orientação a objeto foi aplicado também aos bancos de dados, criando um novo modelo de programação conhecido como bancos de dados orientados a objeto. Os objetos são valores definidos segundo classes, ou tipos de dados complexos, com seus próprios operadores (métodos). Com o passar do tempo, os sistemas gestores de bancos de dados orientados a objeto e os bancos de dados relacionais se aproximaram. Atualmente vários princípios de orientação a objeto foram adotados pelos bancos de dados relacionais, gerando o que pode ser chamado de banco de dados relacional extendido. Mais recentemente ainda, apareceram os bancos de dados semi-estruturados, onde os dados são guardados e manipulados na forma de XML (extended Markup Language). Novamente, os produtores de bancos de dados relacionais responderam estendendo suas capacidades para tratar dados semi-estruturados. O Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD), também conhecido como "Aplicativo de Banco de dados, é um software para manter, gerenciar e acessar um banco de dados. Muitas vezes o termo banco de dados (BD) é usado como sinônimo de Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGDB). De forma estrita, o termo banco de dados (BD) deve ser aplicado apenas aos dados, enquanto o termo SGBD deve ser aplicado ao software com a capacidade de manipular bancos de dados de forma geral, como mostra a figura 1.

6 Aplicação 1 Aplicação 2 Aplicação n Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados Fig. 1 Ambiente de um sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD). Fonte: Câmara, 2003, p.33 Um SGBD é um sistema de banco de dados que funciona independentemente do sistema aplicativo, armazenando os dados em arquivos no disco rígido e carregando-os em memória para sua manipulação. Este tipo de sistema tem assegurado três requisitos importantes na operação de dados: integridade controle de acesso por vários usuários; eficiência acesso e modificações de grande volume de dados; e persistência manutenção de dados por longo tempo, independente dos aplicativos que dão acesso ao dado (CÂMARA, 1995). Os principais objetivos de um SGBD são: tornar disponíves dados integrados para uma grande variedade de usuários através de interfaces amigáveis; garantir a privacidade dos dados através de medidas de segurança dentro do sistema; permitir o compartilhamento de dados de forma organizada, atuando como mediador entre as aplicações e o banco de dados, garantindo assim o controle e a redução do nível de redundância e administrando acessos concorrentes; controlar a administração dos dados com garantia de manutenção de padrões de qualidade e integridade; possibilitar a independência dos dados no sentido de poupar ao usuário detalhes físicos de organização e armazenamento. Exemplos de SGDB são Microsoft Access, dbase, MySQL, PostgreSQL, Microsoft SQL Server, Sybase, Oracle e outros. Os bancos de dados geográficos distinguem-se dos bancos de dados convencionais por duas razões principais: a) natureza dos dados: por armazenarem dados relacionados com a localização das entidades, além dos dados alfanuméricos. Seguindo o exemplo anterior, um banco de dados geográfico de funcionários, teria um terceiro arquivo associando o endereço de cada funcionário a uma localização geográfica e; b) a diferença se estende aos tipos de operações que podem ser realizadas, como consulta do tipo qual a distância entre as casas dos funcionários x e y.

7 2.2 Modelagem de Banco de Dados A maneira com que os dados são armazenados em um banco de dados facilita a organização, a consulta e a atualização das informações. No entanto, para obter esta estruturação, é preciso que se realize a modelagem de dados, que é a atividade de especificar as necessidades de um conjunto de aplicações de forma a estruturar o armazenamento de dados corretamente. Com isto, os mesmos dados podem ser utilizados por aplicações diferentes, reduzindo espaço e esforço de programação. Segundo Medeiros e Pires (2003), um modelo é uma abstração de fatos ou de entidades do mundo real. Um modelo de dados fornece as ferramentas e os formalismos necessários para descrever a organização lógica de um banco de dados, além de definir as operações de manipulação de dados. Modelagem de Dados é a atividade de especificação das estruturas de dados e regras necessárias para suportar uma área de negócios específica, sendo a representação de um conjunto de requerimentos de informações do negócio. Assim como em qualquer aplicação padrão, a concepção de uma aplicação geográfica deve passar pelos estágios de análise, projeto e implementação. A fase de análise concentra-se principalmente na modelagem de dados e de processos. A abordagem que se dispensa ao assunto normalmente atende a três perspectivas: Modelagem Conceitual, Modelagem Lógica e Modelagem Física. A primeira é usada como representação de alto nível e considera exclusivamente o ponto de vista do usuário criador do dado, a segunda já agrega alguns detalhes de implementação e a terceira demonstra como os dados são fisicamente armazenados (KENT, 1978). Anteriormente foi explicado um modelo relacional convencional, onde os conjuntos de entidades e relacionamentos apresentam duas dimensões: a primeira refere-se às instâncias (registros da tabela) e a segunda aos atributos (colunas da tabela). Em um modelo relacional temporal, uma nova dimensão é acrescentada: a dimensão temporal. Permite armazenar todos os estados de uma aplicação (presente, passado e futuro), registrando sua evolução com o passar do tempo. Uma análise de dados espaço-temporais requer uma distinção entre o momento em que o evento ocorreu, conforme a representação adotada (tempo de validade), e o momento em que essa ocorrência foi registrada no banco de dados (tempo de transação), que indica a partir de quando a informação correspondente ao evento se tornou disponível para o usuário. A maioria das aplicações de tecnologia de geoinformação utiliza representações estáticas de fenômenos espacias. Isto se deve ao fato que a principal abstração utilizada em Sistemas de informação Geográficas (SIG) é o mapa (sistema de coordenadas). No entanto, um significativo conjunto de fenômenos espacias, como o rastreamento de animais, de plantações, composição e ocupação da terra, fluxos hidrológico e poluição são inerentemente dinâmicos e as representações estáticas comumente utilizadas não os capturam de forma adequada. Deste modo, pelas características dos dados da agropecuária, é necessário o desenvolvimento de modelos espaço-temporais, que sejam capazes de representar

8 adequadamente fenômenos que variam tanto no espaço como no tempo. A modelagem conceitual de dados deve ser capaz de capturar estes aspectos para implementação. Modelos espaço-temporais reúnem dois aspectos distintos: a escolha de conceitos adequados do espaço e do tempo e a construção de representações computacionais apropriadas correspondentes a esses conceitos. A visão do espaço (do grego choros) e do tempo (chronos) é uma experiência subjetiva do ser humano. O espaço e o tempo se misturam ao se descrever uma realidade (KAVOURAS, 2001). Podemos modelar a superfície da terra usando geoobjetos, correspondentes a parcelas do solo, ou usando geo-campos, indicando a variação espacial da plantação da mesma área. Geo-objetos podem ser estáticos, como uma montanha; mudar de lugar, como o traçado de uma linha férrea, ou se movimentar, como um carro (FRANK, 1997). Conforme a semântica associada ao geo-objeto, suas características espaciais (incluindo localização) e não espaciais (atributos alfanuméricos) podem sofrer alterações ao longo do tempo. Em particular quando lidam com aspectos espaciais e temporais simultaneamente, ontologias buscam capturar as propriedades dos objetos e os conceitos que determinam sob que condições eles são criados ou deixam de existir, e quais mudanças podem ocorrer em suas características (GRENON; SMITH, 2003). Ainda não existe um consenso sobre as técnicas de modelagem de dados espaçotemporais, ou mesmo sobre extensões das técnicas de modelagem de dados de agronegócios atualmente existentes para refletir as necessidades de aplicações que envolvam simultaneamente tempo e espaço. É necessário estudar as alternativas de representação específicas. A representação dos aspectos espaço-temporais ainda não é suportada pela maioria dos Sistemas de informação Geográficas (SIG) comerciais hoje existentes. Entretanto, diversos trabalhos de pesquisa estão sendo realizados para incorporar a dimensão temporal ao SIG. Para o armazenamento dos objetos espaço-temporais, a maioria dos autores propõe extensões a estruturas de dados espaciais já existentes. Tais estruturas são adaptadas para que possam armazenar o rótulo temporal associado ao dado espacial. Definido a modelo de banco de dados, e possível planejar uma forma de integrar estas informações com outras bases de dados e/ou sistemas, como o da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), onde existem produtos disponíveis como: Base de dados da pesquisa agropecuária, software de recuperação de informação, e ferramenta para acesso a base de dados via web (EMBRAPA, 2002). Um possível esquema da rede é representado no AnexoI. 2.3 Sistema de Informação Geográfica (SIG) No ambiente de agronegócios, os dados de desmatamento, clima, análise e tratamento do solo, cultivo, colheita e de pecuária são dependentes dos dados geográficos. Para tratar estes dados, existem os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), que são sistemas computacionais ampliamente utilizados, capazes de capturar, armazenar, consultar, manipular, analisar e imprimir dados referenciados espacialmente à superficie da terra.

9 O termo Geoprocessamento denota uma disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento de informações geográficas. Esta tecnologia tem influenciado de maneira crescente as áreas de Cartografia, Análise de Recursos Naturais, Transportes, Comunicações, Energia e Planejamento Urbano e Regional. Nos países de grande dimensão continental como o Brasil, e com carência de informações adequadas para tomada de decisões sobre problemas urbanos e ambientais. O Geoprocessamento apresenta um enorme potencial, principalmente se baseado em tecnologias de custo relativamente baixo, em que o conhecimento é adquirido localmente (CÂMARA; MEDEIROS, 2003, p.3). Os instrumentos computacionais do Geoprocessamento, chamados de Sistemas de Informações Geográficas (SIG ou GIS - Geographic Information System, do acrónimo inglês), permitem a realização de análises complexas ao integrar dados de diversas fontes e ao criar bancos de dados georreferenciados. No Brasil, além do próprio termo Geoprocessamento, passa-se a adotar o termo Geotecnologias para representar o mesmo conceito. Algumas definições de SIG citadas por Câmara (2003): Um conjunto manual ou computacional de procedimentos utilizados para armazenar e manipular dados georreferenciados (ARONOFF, 1989); Conjunto poderoso de ferramentas para coletar, armazenar, recuperar, transformar e visualizar dados sobre o mundo real (BURROUGHT, 1986); Um sistema de suporte à decisão que integra dados referenciados espacialmente num ambiente de respostas a problemas (COWEN, 1988); Um banco de dados indexados espacialmente sobre o qual opera um conjunto de procedimentos para responder a consultas sobre entidades espaciais (SMITH et al., 1987). A partir desses conceitos, é possível indicar as principais características de SIGs: Integrar, numa única base de dados, as informações espaciais provenientes de dados cartográficos, dados de censo e cadastro urbano e rural, imagens de satélite, redes e modelos numéricos de terreno; Oferecer mecanismos para combinar as várias informações, através de algoritmos de manipulação e análise, bem como para consultar, recuperar, visualizar e plotar o conteúdo da base de dados georreferenciados. Segundo Câmara e Medeiros (2003), um SIG tem os seguintes componentes: Interface com usuário; Entrada e integração de dados; Consulta, análise espacial e processamento de imagens; Visualização e plotagem; e Armazenamento e recuperação de dados (organizados sob a forma de um banco de dados geográficos). Esses componentes têm uma relação hierárquica como mostra a figura 2

10 Fig 2 Arquitetura de Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Fonte: Câmara, 2003, p. 9 Exemplos de seleção e consulta sobre o conjunto de dados armazenados: Dados relativos à carta de Ji-Paraná (RO) (restrição por região de interesse); Cidades do estado de Rondônia com produção de açaí entre 100 e 1000 toneladas/ano (consulta por atributos não-espaciais); Mostre os pontos com pivô-central num raio de 100 km da cidade de Porto Velho (RO) (consulta com restrições espaciais). O objetivo principal do geoprocessamento é fornecer ferramentas computacionais para que os diferentes analistas determinem as evoluções espacial e temporal de um fenômeno geográfico e as inter-relações entre diferentes fenômenos. Por exemplo, ao analisar uma região geográfica para fins de zoneamento agrícola, é necessário escolher as variáveis explicativas, como o solo, a vegetação e a geomorfologia, e determinar qual a contribuição de cada uma delas para a obtenção de um mapa resultante. No Brasil, existem empresas que investiram no geoprocessamento, entre elas se destaca o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que em 1984 estabeleceu um grupo específico para o desenvolvimento de tecnologia de geoprocessamento e sensoriamento remoto (a Divisão de Processamento de Imagens - DPI). De 1984 a 1990, a DPI desenvolveu o SITIM (Sistema de Tratamento de Imagens) e o SIG (Sistema de Informações Geográficas), para sistema operacional PC/DOS, e, a partir de 1991, o SPRING (Sistema para Processamento de Informações Geográficas), para ambientes UNIX e Windows (Inpe, 2000a). O SPRING (Sistema de Processamento de Informações Geográficas) unifica o tratamento de imagens de Sensoriamento Remoto (ópticas e microondas), mapas temáticos, mapas cadastrais, redes e modelos numéricos de terreno. A partir de 1997, o SPRING passou a ser distribuído de forma gratuita pela INPE via Internet i. No decorrer dos anos 80, com a grande popularização e barateamento das estações de trabalho gráficas, além do surgimento e evolução dos computadores

11 pessoais e dos sistemas gerenciadores de bancos de dados relacionais, ocorreu uma grande difusão do uso de SIG. A incorporação de muitas funções de análise espacial proporcionou também um alargamento do leque de aplicações de SIG. Na década atual, observa-se um grande crescimento do ritmo de utilização do SIG nas organizações, devido em grande parte aos custos decrescentes do hardware e do software, e também pelo surgimento de alternativas menos custosas para a construção de bases de dados geográficas. A partir de 1988, o Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados CPAC, da Empresa brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, começou a utilizar a primeira versão do Sistema de Informações Geográficas (SIG) desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A partir dessa época os sistemas foram melhorados. O CPAC criou o Laboratório de Biofísica ambiental tendo como missão o desenvolvimento e/ou adaptação de metodologias para aplicação de técnicas de sensoriamento remoto e de sistemas de informações geográficas para uso na agricultura. Os anos 90 consolidaram definitivamente o uso do Geoprocessamento como ferramenta de apoio à tomada de decisão, tendo saído do meio acadêmico para alcançar o mercado rapidamente. Instituições do Governo e grandes empresas começaram a investir no uso de aplicativos disponíveis no mercado. No fim dos anos 90 e inicio desse século o uso da WEB ii já está consolidado e as grandes corporações passam a adotar o uso de intranet. O SIG, em busca de mais popularização (por demandas do próprio mercado), evolui e passa a fazer uso também do ambiente WEB. Os aplicativos são simples, com funcionalidades básicas de consulta a mapas e a bases alfanuméricas. Após o surgimento de sistemas como Google Maps iii e do Google Earth iv, as pessoas que até pouco tempo não tinham qualquer contato com ferramentas SIG, podem ter acesso a qualquer parte do planeta por meio de aplicações que misturam Imagens de Satélite, Modelos 3D e GPS v, tendo apenas uma conexão à internet. Técnicas tradicionais de modelagem de dados como o modelo relacional mencionado anteriormente não são suficientes para tratar informações geográficas, principalmente pelo fato de que dados geográficos precisam ser considerados com relação à sua localização, tempo de observação e precisão (CHRISMAN, 1990; GOODCHILD, 1991a; COUCLELIS, 1992 apud MEDEIROS, 2003). Criar um modelo de dados geográficos é uma tarefa complexa, pois envolve a representação discreta de uma realidade que é contínua e espacial. O modelo de dados para Geoprocessamento está baseado em uma técnica conhecida como orientação-por-objetos. Num nível de abstração mais alto, os usuários finais entendem a realidade geográfica conforme dois modelos básicos: a visão de campos e a visão de objetos (FRANK et al, 1992; GOODCHILD, 1991b apud CÂMARA, 2003). A visão de campos entende o mundo como uma superfície contínua (camada) sobre a qual as propriedades variam em uma distribuição contínua (por exemplo, pressão atmosférica, tipo de cultivo, insumos e retorno financeiro de uma área ou região). Cada camada corresponde a um tema diferente (vegetação, composição do solo, etc.). Entidades individuais são criadas no processo de modelagem e não existem

12 independentemente (GOODCHILD, 1993 apud CÂMARA, 2003). A ênfase está no conteúdo destas áreas e não nos seus limites. A visão de objetos trata o mundo como uma superfície povoada de objetos identificáveis que existem independentemente de qualquer definição (por exemplo, um rio). Nessa visão, dois objetos podem ocupar o mesmo lugar no espaço. As visões de campo e de objeto são traduzidas para diferentes modelos de representação, em diferentes estruturas de dados no SIG, usando operações específicas para cada tipo de representação. Um modelo de dados é um conjunto de ferramentas conceituais utilizado para descrever como a realidade geográfica será representada no sistema. O modelo descreve como a realidade geográfica será representada no computador. Nenhuma outra decisão pode limitar tanto a abrangência e o crescimento futuro de um sistema quanto à escolha do modelo de dados (CÂMARA, 2003). Os modelos mais comuns em SIG são o modelo Raster ou Matricial, para processar a visão de campo, e o modelo Vectorial, para representar a visão de objetos. Como mencionado por Soares (2001), o modelo de SIG matricial centra-se nas propriedades do espaço, compartimentando-o em células regulares (habitualmente quadradas, mas podendo ser rectangulares, triangulares ou hexagonais). Na verdade essa representação vem a ser a fragmentação de qualquer outro objeto em uma malha de células quadradas. Cada célula representa um único valor. Quanto maior for a dimensão de cadas célula (resolução) menor é a precisão ou detalhe na representação do espaço geográfico, conforme figura 3. Fig. 3. Diferentes resoluções de representações matriciais. A esquerda é quatro vezes menor que a direita. Fonte: Inpe (2000b). No caso do modelo de SIG Vectorial, é a tentativa de reproduzir, com bastante fidelidade, qualquer elemento gráfico de um mapa. O Ponto é a unidade de representação que é feita através de suas coordenadas x, y. Dois pares de Pontos compõem uma Linha. Um conjunto de coordenadas, compondo uma linha, fechando uma área é denominado Polígono, como mostra a figura 4.

13 Fig. 4. Elementos de representação vetorial. Fonte: Inpe (2000b). Os SIG permitem compatibilizar a informação proveniente de diversas fontes, como informação de sensores espaciais (detecção remota / sensoriamento remoto), informação recolhida com GPS ou obtida com os métodos tradicionais da Topografia ou dados em planilha. Os campos de aplicação dos SIG, por serem muito versáteis, são muito vastos, podendo-se utilizar na maioria das atividades com uma componente espacial, da cartografia a estudos de impacto ambiental ou de prospeção de recursos ao marketing, constituindo o que poderá designar de Sistemas Espaciais de Apoio à Decisão (SEAD). A profunda revolução que provocaram as novas tecnologias afetou decisivamente a evolução da análise espacial. A informação geográfica apresenta uma natureza dual: um dado geográfico possui uma localização geográfica, expressa como coordenadas em um espaço geográfico, e atributos descritivos, que podem ser representados num banco de dados convencional. De forma intuitiva, pode-se definir o termo espaço geográfico como uma coleção de localizações na superfície da Terra, sobre a qual ocorrem os fenômenos geográficos. O espaço geográfico define-se, portanto, em função de suas coordenadas, sua altitude e sua posição relativa. Sendo um espaço localizável, o espaço geográfico é possível de ser cartografado (DOLFUS, 1991 apud CÂMARA). O requisito de armazenar a geometria dos objetos geográficos e de seus atributos representa uma dualidade básica para SIGs. Para cada objeto geográfico, um SIG necessita armazenar seus atributos e as várias formas de representações gráficas associadas. Devido à sua ampla gama de aplicações, onde estão incluídos temas como agricultura, floresta, cartografia, cadastro urbano e redes de concessionárias (água, energia e telefonia), há pelo menos três grandes maneiras de utilizar um SIG: como ferramenta para produção de mapas; como suporte para análise espacial de fenômenos; como um banco de dados geográficos, com funções de armazenamento e recuperação da informação espacial. Estas três visões do SIG são convergentes e refletem a importância relativa do tratamento da informação geográfica dentro de uma instituição. Explicado os conceitos mais relevantes de SIG, a continuação será tratada a aplicação do geoprocessamento na agricultura.

14 A disponibilidade de informações confiáveis sobre os tipos de culturas instaladas, área plantada e distribuição espacial dentro de uma determinada região, são fundamentais na tomada de decisões para o planejamento, definição de prioridades e liberação de financiamento pelos setores públicos ou privados envolvidos na agricultura. Tais informações podem ser obtidas através de métodos convencionais, envolvendo questionários aplicados diretamente aos produtores, ou através da utilização de dados de Sensoriamento Remoto. A partir dos anos 90, dois órgãos ficaram responsáveis por estas informações no Brasil: a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE) e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A metodologia da FIBGE consiste em reunir, todos os meses, representantes de entidades relacionadas à produção agrícola (Banco do Brasil, secretarias de Agricultura, cooperativas, e outros) para coleta de informações, posteriormente enviadas ao escritório central no Rio de Janeiro, onde são feitos os ajustes finais dos dados. Quanto à Conab, as principais áreas de interesse são as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e o Estado de Rondônia. Nestas regiões, os técnicos fazem periodicamente um percurso preestabelecidos, abrangendo os principais municípios de cada região, para coleta de dados com as entidades ligadas à produção agrícola, e posteriormente enviados ao escritório central em Brasília. Colwell (1979 apud SANO, 2003) afirmou que é muito difícil obter informações precisas e rápidas de grandes áreas diretamente do campo, utilizando questionários. Dentro deste contexto, a utilização de dados orbitais de sensoriamento remoto para o levantamento e quantificação de ocupação agrícola por regiões, tem-se tornado freqüente no Brasil. Para obter uma boa estimativa de produção local, regional ou nacional, há dois componentes básicos; área plantada e produtividade. Ainda existem poucos trabalhos relacionados com estimativa de produtividade utilizando imagens de satélite. Segundo Sano (2003), para ter estimativas, precisa medir quatro variáveis, utilizando imagens de satélite: a variedade selecionada; os componentes climáticos em escala regional; o tipo de solo e seu manejo; e a ocorrência de doenças. Institutos de pesquisas como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto Agronômico de Campinas (IAC) e algumas universidades, têm pesquisado cada um desses componentes de forma individualizada. Segundo o site oficial da Conab, o levantamento de safras agrícolas, por meio de satélite, começou a ser realizado pelo governo federal em O projeto GeoSafras, idealizado pela Conab, já realiza levantamentos de várias culturas agrícolas, como café, laranja, milho, cana-de-açúcar, soja e arroz. Participam do projeto órgãos governamentais e da iniciativa privada. A literatura referente à estimativa de área plantada utilizando sensores remotos é extensa, e os resultados são satisfatórios. Entretanto, quando se pretende fazer um acompanhamento em tempo hábil de grandes extensões territoriais, como é o caso do Brasil, os resultados obtidos podem ser insatisfatórios, levando-se em consideração o tempo e o volume de dados para analisar, além da grande dificuldade de se obter dados orbitais com pequena ou nenhuma cobertura de nuvens.

15 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O computador e seus programas tornaram-se uma ferramenta poderosa no cenário agrícola demonstrando ter uma importância fundamental em todas as fases do processo produtivo e organizacional, dando apoio à tomada de decisão para melhor racionalização dos recursos disponíveis, maximizando lucros, minimizando os impactos ambientais, garantindo desta forma a sustentabilidade do processo. Uma aplicação amplamente utilizada é o SIG. Os especialistas, porém deverão aprofundar-se na utilização da ferramenta objetivando o aperfeiçoamento das mesmas. O desempenho dos vários parâmetros das diversas atividades comportam-se diferentemente, não existindo uma regra geral na utilização dessas técnicas. Na área das ciências ambientais está havendo um grande aumento no número de informações que necessitam ser manipuladas, os profissionais dessa área devem redirecionar suas pesquisas no sentido de incrementar seus estudos visando um melhor resultado. Sem dúvida, um dos fatores fundamentais para o sucesso continuado de uma aplicação SIG é a possibilidad de manutenção de dados atualizados. Outros fatores importantes são a garantia de integração dos vários tipos de dados e a garantia de que as aplicações podem ser mudadas ao longo do tempo, ajustando-se à medida que vão surgindo novos requisitos. Todos esses fatores exigem que o banco de dados geográfico seja especificado adequadamente. No entanto, a especificação adequada é dificultada pelo fato de que os usuário que coletam e armazenam os dados normalmente não têm conhecimentos de modelagem, além dos SIG existentes, em geral, não explorarem adequadamente as facilidades oferecidas pelos SGDBs e nem oferecerem a possibilidade de modelagem aos usuários. Grande parte dos artigos técnicos na área de Geoprocessamento publicados no Brasil se dedica a relatar métodos, técnicas e tecnologias para se lidar com dados geográficos. Muitos focalizam sobre aspectos práticos da utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), como mecanismo de manipulação e análise da informação, associados a relato de casos. Poucos relacionam o verdadeiro papel destas tecnologias, que é auxiliar nas tomadas de decisões.

16 REFERÊNCIAS ANSI/X3/Sparc. Study group on Data Base Management Systems: Interim report, FDT (boletim da ACM SIGMOD), 7, Número 2 (1975). BRODIE, Michael L; SCHMIDT, Joachim W. Final Report of the ANSI/X3/SPARC DBS-SG: Relational Database Task Group. September Disponível em Acessado em 12/03/2007. CÂMARA,Gilberto.; CASANOVA, Marcos A; HEMERLY, Andrea S. Anatomia de Sistemas de Informação Geográfica. Artigo conjunto da INPE, IBM, Telebrás e Unicamp CÂMARA, Gilberto.; MEDEIROS, José S. de. Princípios Básicos em Geoprocessamento. In: ASSAD, E. D., SANO, E. E. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2. ed. Brasília, Embrapa SPI; Embrapa CPAC, p CÂMARA, Gilberto. Análise de Arquiteturas para Bancos de Dados Geográficos Orientados a Objetos. Technical report, INPE, CÂMARA, Gilberto Antonio Miguel Vieira Monteiro CONCEITOS BASICOS EM CIÊNCIA DA GEOINFORMAÇÃO INPE-8563-PRE/4307. São José dos Campos, DATE, C. J.. Introdução a Sistemas de BANCOS de DADOS, Tradução da 8ª. Edição Americana. 4ª. tir. Petropolis-RJ: Campus, EMBRAPA. Arquitetura de Software para a Manutenção de Dados da Agência de Informação Embrapa. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 6. Disponível em: Acesso 15 mar ELMASRI, Ramez; NAVATHE, Shamkant B.. Sistemas de Banco de Dados. Pearson Addison Wasley, FRANK, A.U., Spacial ontology: A geographical information point of view. In STOCK, O. ed., Spatial and Temporal Reasoning, p Kluwer Academic Publishers, Dordrecht GRENON, P.; SMITH, B. SNAP and SPAN: Towards Dynamic Spacial Ontology, Spatial Cognition and Computation, v.4, n.1, pag O site da Embrapa Informática Agropecuária foi totalmente reestruturado em A versão anterior ficará disponível no endereço até março de 2008.

17 INPE. SPRING - sistema de processamento de informações georeferenciadas: release 3.5. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/spring/usuario/indice.htm>. Acesso em: 12/12/2007. KAVOURAS, M. Understanding and Modelling Spatial Change. Chapter 4. London: Taylor & Francis, GISDATA Series 8, MEDEIROS, Cláudia B.; Pires, Fátima. Bancos de Dados e Sistemas de Informações Geográficas. In: ASSAD, E. D., SANO, E. E. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2. ed. rev. ampl. Brasília, DF: Embrapa SPI: Embrapa CPAC, p SANO, Edson E.; ASSAD, Eduardo D. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2. ed. rev. ampl. Brasília, DF: Embrapa SPI: Embrapa CPAC, SANO, Edson E.; ASSAD, Eduardo D.; ORIOLI, Álvaro L. Monitoramento da Ocupação Agrícola. In: ASSAD, E. D., SANO, E. E. Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2. ed. rev. ampl. Brasília, DF: Embrapa SPI: Embrapa CPAC, p SOARES, Armarindo S. Sistema de Informações Geográficas SIG/SPRING para Modelagem e Espacialização de Dados de Fertilidade do Solo. Comunicado técnico Embrapa ISSN Campinas, 2001.

18 APÊNDICES Anexo I Desenho de uma possível estrutura de rede para visualizar as conexões com o servidor de banco de dados. ANEXO II Sites especializados em SIGs (site especializado em Geotecnologias) (site especializado em Geotecnologias) (Geoprocessamento para Gestão Pública) ANEXO III - Softwares para SIGs ArcGIS (ArcView, ArcInfo) da ESRI AutoCad Map Bentley PowerMap ERDAS IMAGINE Geomedia GeoSys da Viageo.com.br GRASS (open source) ismart (WEB 2.0 GIS) MapInfo MapWindow (Open Source) Microstation Geographics SmallWorld SPRING (Sistema de Processamento de Informações Georreferenciadas) QGIS (open source)

19 i através do website ii Web de World Wide Web, que significa "rede de alcance mundial", em inglês, é um sistema de documentos em hipermídia que são interligados e executados na Internet. iii Google Maps é um serviço de pesquisa e visualização de mapas e imagens de satélite da Terra gratuito na web fornecido pela empresa Google. Disponibiliza imagens via satélite do mundo todo, com possibilidade de um zoom nas grandes metrópoles. iv Google Earth é um programa desenvolvido e distribuído pelo Google cuja função é apresentar um modelo tridimensional do globo terrestre, construído a partir de fotografias de satélite obtidas em fontes diversas. Desta forma, o programa pode ser usado simplesmente como um gerador de mapas bidimensionais e fotos de satélite ou como um simulador das diversas paisagens presentes no Planeta Terra. Com isso, é possível identificar lugares, construções, cidades, paisagens, entre outros elementos. O programa é similar, embora mais complexo, ao serviço também oferecido pelo Google conhecido como Google Maps. v GPS (do acrónimo do inglês Global Positioning System), é um sistema de posicionamento por satélite americano, utilizado para determinação da posição de um receptor na superfície da Terra ou em órbita.

MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA. Grupo de Pesquisa: Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia.

MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA. Grupo de Pesquisa: Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia. MODELAGEM DE BANCO DE DADOS DE GEOPROCESSAMENTO APLICADO NA AGRICULTURA THEOPHILO ALVES SOUZA FILHO; MARIELA MIZOTA TAMADA; ROSALIA MARIA PASSOS; NAYME PETRUS ABI-ABIB; UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica

Centro Federal de Educação Tecnológica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Unidade de Florianópolis Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Unidade Curricular: Geociências Extraido de www.wikipedia.org

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO?

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? 1 INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? O termo Geoprocessamento denota a disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica. Esta

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 3 ARQUITETURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Gilberto Câmara Gilberto Ribeiro de Queiroz 3.1 DESCRIÇÃO GERAL O termo Sistemas de Informação Geográfica (SIG) é aplicado para sistemas que realizam

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública

A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública A utilização de Sistema de Informação Geográfica baseada em software livre na área de Segurança Pública Alan Peixoto Medeiros Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Conceitos básicos de Banco de Dados

Conceitos básicos de Banco de Dados Modelagem de Banco de Dados Conceitos básicos de Banco de Dados Professor: Anderson D. Moura Março, 2009 Banco de Dados Bancos de dados, (ou bases de dados), são conjuntos de dados com uma estrutura regular

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE Adriana Dias Moreira PIRES (1); Bruno César Dias de ALBUQUERQUE (2); Daniel Bruno Alves dos SANTOS

Leia mais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Samuel R. de Sales Campos 1, Adriana Z. Martinhago 1, Thomas C.

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Sistemas de Informações Geográficas. Unidade 4: Arquitetura de SIG Prof. Cláudio Baptista 2004.2

Sistemas de Informações Geográficas. Unidade 4: Arquitetura de SIG Prof. Cláudio Baptista 2004.2 Sistemas de Informações Geográficas Unidade 4: Arquitetura de SIG Prof. Cláudio Baptista 2004.2 Arquitetura em Camadas Separar as camadas de Armazenamento Manipulação Visualização Arquitetura em Camadas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

INPE-8562-PRE/4306 INTRODUÇÃO: POR QUE GEOPROCESSAMENTO?

INPE-8562-PRE/4306 INTRODUÇÃO: POR QUE GEOPROCESSAMENTO? INPE-8562-PRE/4306 INTRODUÇÃO: POR QUE GEOPROCESSAMENTO? Gilberto Câmara Clodoveu Davis INPE São José dos Campos 2001 1 INTRODUÇÃO Gilberto Câmara Clodoveu Davis 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? A coleta

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento Engenharia Agrícola Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário I Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Banco de Dados Geográficos. Márcio Fernando Machry Rafael Orssatto

Banco de Dados Geográficos. Márcio Fernando Machry Rafael Orssatto Banco de Dados Geográficos Márcio Fernando Machry Rafael Orssatto Sistema de Informação Geográfico (SIG) Um Sistema de Informação Geográfico (SIG ou GIS Geographic Information System) é um sistema de hardware,

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

SISTEMA WEB DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA PARA MONITORAMENTO DA RESERVA AMBIENTAL DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO SÃO LOURENÇO

SISTEMA WEB DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA PARA MONITORAMENTO DA RESERVA AMBIENTAL DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO SÃO LOURENÇO SISTEMA WEB DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA PARA MONITORAMENTO DA RESERVA AMBIENTAL DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO SÃO LOURENÇO Prof. Msc. Júlio Cesar Gavilan 1 Prof. Renato Arnaut Amadio 2 RESUMO A região

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico 3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico Este capítulo apresenta uma introdução aos conceitos referentes ao Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico. Será apresentada a estruturação

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO Profa. Adriana Goulart dos Santos Aula 2 o INTRODUÇÃO A SIG o MODELAGEM DE DADOS Por que Geoprocessamento? Porque

Leia mais

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Eduilson L. N. C. Carneiro, Gilberto Câmara, Laércio M. Namikawa Divisão de Processamento de Imagens (DPI) Instituto

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

AS ROUPAS NOVAS DO IMPERADOR. Gilberto Câmara. Revista InfoGeo, 12, 2000.

AS ROUPAS NOVAS DO IMPERADOR. Gilberto Câmara. Revista InfoGeo, 12, 2000. AS ROUPAS NOVAS DO IMPERADOR Gilberto Câmara Revista InfoGeo, 12, 2000. Em 1994, publiquei o artigo "Anatomia de Sistemas de Informação Geográfica", que apresentava os diferentes componentes da tecnologia

Leia mais

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto

Introdução a Banco de Dados. Adão de Melo Neto Introdução a Banco de Dados Adão de Melo Neto 1 Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em uma disciplina da universidade cadastro

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Fernando Martins Pimenta 2, Elena Charlotte Landau 3, André Hirsch 4 e Daniel Pereira Guimarães 3 1 Projeto financiado pela FAPEMIG

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 02 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade I: Introdução aos Sistemas de Banco de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 Plataforma TerraLib Lúbia Vinhas E.F.Castejon, K.R.Ferreira, J.P.Garrido, L.T.Hara, A.M.V.Monteiro, M.Motta, G.Ribeiro EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 DPI Divisão de Processamento de Imagens

Leia mais

O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano

O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano Clodoveu Davis Centro de Desenvolvimento e Estudos da PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS FERRAMENTAS ELETRÔNICAS NO APRIMORAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com

Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados. Ceça Moraes cecafac@gmail.com Banco de Dados, Integração e Qualidade de Dados Ceça Moraes cecafac@gmail.com Sobre a professora CeçaMoraes Doutora em Computação (UFPE) Áreas de atuação Desenvolvimento de Software e Banco de Dados Experiência

Leia mais

Seminário. Banco de Dados II Banco de Dados Espaciais. Alunos: Lucas Alves Teixeira e Vinícius Dias Villar Professor: Guilherme Tavares de Assis

Seminário. Banco de Dados II Banco de Dados Espaciais. Alunos: Lucas Alves Teixeira e Vinícius Dias Villar Professor: Guilherme Tavares de Assis Seminário Banco de Dados II Banco de Dados Espaciais Alunos: Lucas Alves Teixeira e Vinícius Dias Villar Professor: Guilherme Tavares de Assis Descrição do Tema Bando de Dados Espaciais é um recurso que

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA GEOINFORMAÇÃO

INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA GEOINFORMAÇÃO INPE-10506-RPQ/249 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DA GEOINFORMAÇÃO Editado e organizado por Gilberto Câmara Clodoveu Davis Antônio Miguel Vieira Monteiro INPE São José dos Campos 2001 1 INTRODUÇÃO Gilberto Câmara

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Uma Visão Simplificada das Atividades Um Breve Resumo Histórico Situação da Informação em 1995

Leia mais

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS Neste anexo estão delineadas, de forma sugestiva, as possíveis maneiras de se executar o Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab com duração

Leia mais

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source 1 02 DESTINATÁRIOS Todos os que trabalhando ou que virão a trabalhar com tecnologia

Leia mais