Manual do. Aluno. Colégio ANCHIETA ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ACADÊMICO ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE ENSINO PROFISSIONALIZANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do. Aluno. Colégio ANCHIETA ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ACADÊMICO ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE ENSINO PROFISSIONALIZANTE"

Transcrição

1 Colégio ANCHIETA Manual do Aluno ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ACADÊMICO ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE ENSINO PROFISSIONALIZANTE

2 SUMÁRIO Apresentação Missão Valores e Objetivos Cursos Equipe Diretiva Professores Inspetores de Alunos CCO: Caderno de Controle de Ocorrências CADI: Comissão de Assuntos Disciplinares Atendimento aos Pais, Responsáveis e alunos Reunião de Pais Educação Inclusiva Avaliação do Rendimento Escolar EF e EM Acadêmico Avaliação do Rendimento Escolar Ensino Profissionalizante OPI: Orientação de Práticas Integradoras Recuperação Biemestral Recuperação Final ou Intensiva Promoção após a recuperação final (RF) Cálculo da Média de Aproveitamento final Retenção Regime Domiciliar Progressão Parcial Simulados EF e EM Aulas de Reforço Ensino Fundamental Aulas de Aprofundamento EM Aulas de Laboratório Semana de Provas Prova Substitutiva Correção e Devolução das Avaliações Tarefa de Casa Trabalhos e Pesquisas 47ª Feira de Ciências Anchieta Composição das Turmas Frequência às aulas e dispensa das aulas de Educação Física Sala de Bem Estar Biblioteca Outros Espaços Normas, Orientações e Critérios Disciplinares É Expressamente Vedado ao Aluno Grades Curriculares (Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante) Grades Curriculares (Ensino Técnico) Calendário Escolar

3 APRESENTAÇÃO Senhores Pais e Querido (a) Aluno (a), Aprender e ensinar atitudes e comportamentos em ambientes coletivos, em vista da formação de pessoas autônomas e seguras é uma das mais importantes tarefas que o Colégio Anchieta assume para ajudar os alunos e as famílias. Aprender atitudes é tão complexo quanto adquirir conhecimentos e requer medidas concretas para que se tornem visíveis e coerentes nas diferentes formas de comportar-se. Neste sentido, a parceria entre a Escola e a Família é fundamental para reverem as normas de funcionamento da disciplina e verificarem se concordam com os valores pretendidos e estabelecidos; para difundirem não somente as normas, mas, principalmente e de forma explícita, os valores que as fundamentam e dão sentido ao seu cumprimento e, enfim, para possibilitarem a participação das crianças, adolescentes e jovens, ao estabelecerem as normas de convivência e as atitudes correspondentes, bem como a postura a ser adotada quando os combinados não se cumprirem. Portanto, ao retomarmos as atividades do ano letivo de 2012, somos convidados a refletir sobre as nossas atitudes pessoais e coletivas e avaliá-las a partir das metas que estabelecemos. Além disso, é momento de reorganizar o que foi priorizado, de renovar nossas metas e optar por coisas que julgamos significativas, certos de uma parceria não se estabelece, simplesmente, em base à troca de serviços, mas em base aos valores e às atitudes que, responsavelmente, cada um assume em benefício de todos. Sucesso é o que desejamos a todos! Feliz 2012 no Colégio Anchieta! São os votos de toda a Equipe Pedagógica do Colégio 02

4 MISSÃO Proporcionar na região do ABC o melhor ensino, considerando a melhor relação entre custo e benefício. VALORES E OBJETIVOS O Colégio Anchieta promove uma educação de qualidade, formativa e informativa que garante o desenvolvimento humano nos aspectos: cognitivo, físico, social e afetivo. Busca a formação permanente do educando para que possa atuar na sociedade e tem por objetivo geral proporcionar ao educando, a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades como elementos de auto-realização, visando transformá-lo em um cidadão crítico, atuante, observador e empreendedor, preparado e habilitado para o mercado de trabalho e o mundo em que vive. CURSOS Ensino Fundamental (Matutino e Vespertino) Ensino Médio (Matutino e Noturno (3º EM) Ensino Médio Profissionalizante Matutino (3 anos): Administração, Eletrônica (CREA), Informática, Química (CRQ) e Turismo e Guia Regional. Ensino Profissionalizante Noturno (1 ano) Administração, Contabilidade (CRC), Logística Organizacional, Recursos Humanos, Eletrônica (CREA), Eletrotécnica, Informática, Jogos Digitais, Rede de Computadores, Química (CRQ), Petroquímica: Petróleo e Gás, Análises Química, Segurança do Trabalho (MTB) e Turismo e Guia Regional. EQUIPE DIRETIVA Com o objetivo de garantir o sucesso do processo educativo, a escola mantém a seguinte estrutura organizacional: Diretoria Aministrativa e Equipe: Financeiro, RH e Infraestrutura Diretoria Pedagógica e Auxiliar de Direção Coordenação Pedagógica: -Ensino Fundamental I 1º ao 5º ano e Auxiliar de Coordenação Espaço ABC -Ensino Fundamental II 6º ao 8º ano e Auxiliar de Coordenação -Ensino Fundamental (9º. Ano) e Ensino Médio Acadêmico e Auxliares de Coordenação -Ensino Médio Concomitante Técnico e Cursos Técnicos e Auxiliares de Coordenação Orientação Educacional EF (1º ao 8º ano) e Auxiliar de OE Orientação Educacional EF (9º ano) e EM e Técnico e Auxiliar de OE Inspetores de Alunos Estagiárias de Pedagogia e Letras Auxiliares de Laboratório: Quimica e Eletrônica 03

5 PROFESSORES O Colégio Anchieta trabalha com professores capacitados para o exercício da docência e os acompanha permanentemente, através das observações em sala de aula e do processo continuado de avaliação de desempenho. Em seu projeto de Formação e Capacitação, o Colégio determina como princípios básicos: a postura profissional e ética do professor na sua relação com os alunos e com os membros da instituição, a capacidade de trabalhar em equipe colaborando, efetivamente, para que o ambiente escolar se torne centro de conhecimento coletivo e de solidariedade; como gestor da sala de aula, a capacidade de abertura às mudanças e transformações e de lidar com as diferenças e situações problema, desenvolvendo nos alunos competências e habilidades importantes para a aquisição de novos conhecimentos e para a cidadania. INSPETORES DE ALUNOS O Inspetor é o responsável por manter os espaços comuns num clima de harmonia e respeito, procurando garantir a segurança dos alunos, a preservação do patrimônio da instituição e as normas da escola. Esse funcionário trabalha sob a supervisão da Orientação Educacional. CCO: CADERNO DE CONTROLE DE OCORRÊNCIAS É uma ferramenta pedagógica organizacional que possibilita o registro diário de presença, dos conteúdos ministrados nas aulas, das tarefas e dos trabalhos propostos pelos professores, bem como, situações e/ou ocorrências atitudinais do aluno em sala de aula. Este caderno permanece em sala de aula, aos cuidados dos professores e, ao término das aulas, é encaminhado ao setor de Orientação Educacional para os devidos relatórios. CADI: COMISSÃO DE ASSUNTOS DISCIPLINARES O Colégio Anchieta instituiu a Comissão de Assuntos Disciplinares CADI, para subsidiar a Direção Pedagógica a apurar ocorrências disciplinares graves na comunidade escolar. Esta comissão é composta por membros da Instituição, indicados pelo Corpo Diretivo. O CADI emitirá seu parecer com relação aos encaminhamentos, todavia, não têm caráter deliberativo. A decisão caberá sempre, em última instância, á direção Pedagógica do Colégio ATENDIMENTOS AOS PAIS, RESPONSÁVEIS E ALUNOS Os atendimentos a pais, responsáveis e alunos serão realizados, de acordo com a necessidade e/ou interesse, pela Orientação Educacional, pela Coordenação Pedagógica ou Direção Pedagógica, mediante agendamentos prévios através do telefone ou pessoalmente na recepção. 04

6 REUNIÃO DE PAIS A reunião de pais é um importante instrumento de comunicação da família do aluno com o Colégio Anchieta. Portanto, a participação nessas reuniões é fundamental para que se estabeleça uma parceria entre a família e a escola, com o objetivo de partilhar informações que auxiliem os alunos em suas dificuldades. As reuniões de pais acontecem após o término de cada bimestre e as datas podem ser conferidas no Calendário Escolar que se encontra no final deste Manual. EDUCAÇÃO INCLUSIVA A Educação inclusiva assegura ao aluno com dificuldades e necessidades educacionais especiais a formação básica indispensável e os meios para desenvolver atividades produtivas para prosseguir os estudos e ingressar no trabalho. Em sintonia com os princípios orientativos legais, o Colégio se empenha em adequar seus objetivos e metas de trabalho aos alunos com necessidades especiais, reconhecendo a identidade própria de cada um, valorizando suas diferenças e potencialidades e mantendo-os inseridos no processo de ensino e aprendizagem. AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR - EF e EM ACADÊMICO A avaliação da aprendizagem será contínua e considerará o desempenho do aluno a prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. Terá como base o aproveitamento escolar e a participação nas atividades programadas, respeitando o Projeto Político Pedagógico da Instituição e a Legislação em vigor. A média bimestral de aproveitamento estabelecida pelo Colégio é 6,0 (seis). A avaliação da aprendizagem, durante o bimestre, será composta por diferentes instrumentos avaliativos e observarão os seguintes critérios: Avaliação Bimestral = Valor 0,0 a 10,0 (prova com questões objetivas e/ou subjetivas) Avaliação Mensal: Valor total = 5,0 (cinco) Avaliações Pedagógicas = Valor de 0,0 a 10,0, considerando os Projetos interdisciplinares, trabalhos, exercícios, seminários, pesquisas, tarefas e outros. Avaliação Atitudinal = 0,0 a 5,0, considerando os critérios de: 1.Assiduidade: pontualidade e presença. 2.Postura: respeito, tolerância e participação no desenvolvimento das atividades escolares. 3.Responsabilidade: material didático diário, tarefa de casa, uniforme, apresentação de trabalho (formatação comum) 05

7 AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR - ENSINO PROFISSIONALIZANTE Considerando a especificidade dos cursos Profissionalizantes, os critérios de avaliação serão: Avaliação Bimestral = Valor 0,0 a 10,0 (prova com questões objetivas e/ou subjetivas) Avaliação Mensal: Valor total = 5,0 (cinco) Avaliações Pedagógicas = Valor de 0,0 a 10,0, considerando os Projetos interdisciplinares, trabalhos, exercícios, seminários, pesquisas, tarefas e outros. Avaliação Atitudinal = 0,0 a 5,0, considerando os critérios de: 1.Assiduidade: pontualidade e presença. 2.Postura: respeito, tolerância e participação no desenvolvimento das atividades escolares. 3.Responsabilidade: material didático diário, tarefa de casa, uniforme, apresentação de trabalho (formatação comum). Projeto de OPI: Valor de 0,0 a 10,0 que será atribuída às disciplinas do curso Técnico. OPI: ORIENTAÇÃO DE PRÁTICAS INTEGRADORAS O Colégio Anchieta, verificou a necessidade de enriquecer o currículo de seus alunos, e incorporou nos cursos técnicos as Orientações das Práticas Integradoras - OPI, com caráter técnico e científico, destinado a oportunizar novos conhecimentos, complementares àqueles tradicionalmente oferecidos. A OPI será desenvolvida por um professor designado pelo Coordenador Pedagógico, porém todas as disciplinas do currículo deverão contemplar a prática, entendendo-se como uma abordagem interdisciplinar que será concluída com um Projeto Integrador, que será apresentado pelos alunos, individualmente ou em grupo, a uma banca avaliadora, designada pelo Colégio. Diante do exposto, serão competências do professor Orientador do Projeto: Orientar os alunos na execução do Projeto Integrador. Acompanhar e controlar a participação dos alunos em atividades relacionadas aos projetos. Apresentar à Coordenação de Curso, até o término de cada bimestre ou semestre letivo, relatório detalhando as atividades desenvolvidas. Entregar, no período estabelecido pela Coordenação, a parte teórica do Projeto, para que seja encaminhada, com antecedência, para os avaliadores. A avaliação da OPI para o Ensino Médio Concomitante Técnico (diurno), ocorre a partir do 1º ano e compõe-se como prática de avaliação de cada bimestre, somente nas disciplinas técnicas. No Ensino Técnico (noturno) ocorre ao final de cada Módulo. 06

8 RECUPERAÇÃO BIMESTRAL Os estudos de recuperação bimestral serão destinados a alunos com média bimestral (MB) inferior a 6.0 (seis) e se caracterizarão por uma prova de verificação do conteúdo estudado e um trabalho. As notas serão somadas e divididas por dois (2). Ao final do processo, será mantida a média maior obtida pelo aluno. Os procedimentos da recuperação serão informados aos alunos e aos pais, através de comunicação formal. Para os alunos do Ensino Médio da manhã as provas de recuperação serão realizadas no período da tarde. No 4º. Bimestre, não há recuperação bimestral, somente recuperação final. RECUPERAÇÃO FINAL OU INTENSIVA A recuperação final ou intensiva será após o encerramento do 4º bimestre e será oferecida ao aluno que possui freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) das aulas dadas e média de aproveitamento (MA) final inferior a 6,0 pontos. Máximo de disciplinas para Recuperação Final no Ensino Fundamental e Médio: 5 disciplinas. Máximo de disciplinas para Recuperação Final no Ensino Médio Concomitante e Técnico: 4 disciplinas. Para a Recuperação Final (RF) será considerado o conteúdo trabalhado durante o ano letivo que possibilite condições de prosseguir a série subseqüente. A média da Recuperação Intensiva será resultado da média aritmética de no mínimo dois instrumentos de avaliação. A Média Final anual em cada disciplina será calculada por meio da média aritmética entre a Média de Aproveitamento e a média da Recuperação Intensiva. PROMOÇÃO APÓS A RECUPERAÇÃO FINAL (RF) Após o período de recuperação final, será considerado promovido para série e/ou módulo subseqüente, o aluno que atingir a média final (MF) igual ou superior a 5,0 (cinco inteiros) ou, por decisão do Conselho de classe. CÁLCULO DA MÉDIA DE APROVEITAMENTO FINAL A apuração da Média de Aproveitamento (MA) final em cada disciplina será a média aritmética das quatro médias bimestrais (MB), ao final do ano letivo: MA = (MB1 + MB2 + MB3 + MB4) 4 Será considerado aprovado o aluno que obtiver a Média de Aproveitamento (MA) final igual ou superior a 5,0 (cinco inteiros) e com freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) das aulas dadas. MA 6.0 pontos. 07

9 RETENÇÃO Será considerado retido na mesma série, após os estudos de recuperação final, o aluno com: I.Freqüência inferior a 75% (setenta e cinco por cento) das aulas dadas; II.Média inferior a 5.0 pontos, após a recuperação em mais de duas disciplinas. DELIBERAÇÃO CEE Nº 11/96: Dispõe sobre pedidos de reconsideração e recursos referentes aos resultados finais de avaliação de alunos do sistema de ensino de 1º e 2º Graus do Estado de São Paulo, público e particular. Quando da discordância do resultado final do aluno, os responsáveis têm o direito de interpor o pedido de reconsideração dirigido ao Diretor Pedagógico da Escola até o 5º dia subseqüente à data de afixação dos resultados finais. A comunicação da decisão sobre o pedido de reconsideração deverá ser feita pelo Diretor Pedagógico, aos pais ou responsáveis, até o décimo dia subseqüente à interposição do pedido, mediante termo de ciência assinado pelo responsável. (Cfr. Deliberação CEE CEE Nº 11/96, 2º)] REGIME DOMICILIAR Considerando que condições de saúde nem sempre permitem freqüência do educando à escola, na proporção mínima exigida em lei (n 1.044/69), embora se encontrando em condições de aprendizagem, o responsável deverá procurar o setor de Orientação Educacional para preenchimento de formulário próprio e orientações sobre o programa de estudos específicos que se realizarão em domicílio. PROGRESSÃO PARCIAL De acordo com a INDICAÇÃO CEE Nº 22/97, o aluno com rendimento insatisfatório em até 2 (dois) componentes curriculares, exceto nas séries finalis do segmento (9º ano do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio), poderá ser aprovado para a série /módulo subsequente em regime de Progressão Parcial (DP), desde que preservada a sequência do currículo, devendo submeter-se, nessa série/módulo, a programa especial de estudos. Tal programa será desenvolvido, obrigatoriamente, no ano letivo imediato ao da ocorrência da progressão parcial e não estará vinculado às exigências dos 200 dias letivos, à carga horária anual e à freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento), podendo ser concluído em qualquer período do ano letivo, de acordo com a determinação da Coordenação Pedagógica. Portanto, no início do ano letivo, a Coordenação Pedagógica reunirá os alunos que se encontrarem nestas condições e informará sobre as orientações e os procedimentos específicos para o desenvolvimento do programa de estudos previstos, bem como, os respectivos professores que os acompanharão. Para os pais ou responsáveis de alunos em regime de Progressão Parcial lembramos que conforme o contrato, estes serviços serão cobrados à parte. O aluno que possui disciplinas em regime de Progressão Parcial será obrigado a cumprir as determinações do Colégio e responder, satisfatoriamente, ao programa de estudos propostos. Lembramos que, a matrícula à série subsequente, dependerá da frequência e aprovação das disciplinas pendentes e que devem ser concluidas no ano em curso. 08

10 SIMULADOS EF E ENSINO MÉDIO Sabendo que os Simulados representam uma oportunidade de verificar os conhecimentos, através de uma simulação com as mesmas características dos exames vestibulares, o Colégio propõe, de acordo com o Calendário Escolar Anual: 1.Para os alunos do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) e do EM (1ª e 2ª séries): 01 simulado de verificação geral ao término de cada semestre (02 simulados anuais). 2.Para os alunos da 3ª série do Ensino Médio: Simulados periódicos (Cfr. Calendário Escolar 2012). Os Simulados farão parte do critério de avaliação dos alunos e valerão até valerão até 1,0 (um ponto) que será acrescido à média bimestral. AULAS DE REFORÇO ENSINO FUNDAMENTAL O Colégio propicia aos alunos do Ensino Fundamental, de forma contínua, paralela e fora do período regular de estudo, as Aulas de Reforço com o objetivo de colaborar na superação de dificuldades sinalizadas e/ou percebidas no processo de aprendizagem dos diferentes conteúdos estudados. Dado a sua importância, as aulas de reforço atenderão os alunos nas dificuldades relacionadas às disciplinas de Matemática e Língua Portuguesa e serão ministrados por profissionais e/ou estagiários qualificados e competentes nestas áreas. Os horários, locais e respectivos responsáveis das aulas de reforço serão informados pela Coordenação Pedagógica no início do ano letivo. Os alunos que apresentarem dificuldades pedagógicas, serão convocados para as aulas, com termo de ciência enviado aos pais. AULAS DE APROFUNDAMENTO EM Com o objetivo de proporcionar ao aluno estudos de aprofundamento, as aulas se organizam em continuidade aos estudos desenvolvidos pelos professores em sala de aula e permitem aos alunos, fora do período regular, terem sempre próximo de si um professor qualificado para aprofundar conteúdos aprendidos. Além disso, possibilitam aos alunos com dificuldades, um acompanhamento mais individualizado e capaz de reforçar a aprendizagem de conteúdos. As aulas serão relacionadas aos conteúdos específicos de Matemática, Física, Química e Língua Portuguesa/Laboratório de Redação. Os horários, locais e respectivos professores serão informados aos alunos pela Coordenação Pedagógica no início do ano letivo. Os alunos interessados deverão se inscrever junto à coordenação. AULAS DE LABORATÓRIO Com o objetivo de intensificar a formação científica e tecnológica, as aulas de laboratório constituem uma prática experimental que propicia ao aluno compreender melhor os conteúdos da área de ciências naturais. As aulas serão ministradas pelos respectivos professores e serão preparadas de comum acordo com o Técnico de laboratório. Os alunos deverão registrar as aulas em instrumento específico. É obrigatório o uso deste material pedagógico, bem como do avental e outros indicados pelos professores. 09

11 SEMANA DE PROVAS Conforme o calendário escolar, para os alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, na Semana de Provas as aulas e os horários serão determinados e organizados pela Coordenação Pedagógica e, previamente, comunicados aos alunos. Lembramos que as aulas se desenvolvem normalmente neste período. PROVA SUBSTITUTIVA O aluno que, durante o bimestre, perder provas bimestrais poderá fazê-las, posteriormente, nas datas definidas em calendário escolar para as provas substitutivas, desde que as faltas sejam justificadas pelos pais ou responsáveis através do formulário específico, preenchido e entregue na secretaria da escola, anexando o documento que comprove o motivo da ausência. A solicitação deverá ser feita no prazo de 3 (três dias) úteis, a contar da data do retorno do aluno ao Colégio. Conforme os procedimentos institucionais, o aluno que perder a prova bimestral, deverá dirigir-se ao APA e, após o preenchimento do formulário de requerimento e pagamento da taxa, entregar no setor da Orientação Educacional, até 48 horas, antes da prova, o comprovante pago. Os horários das avaliações serão definidos pela Coordenação Pedagógica. IMPORTANTE: Não há 3ª chamada para os alunos que perderem a prova substitutiva e essas, não podem ser substituídas por trabalhos escolares ou realizadas em grupo. CORREÇÃO E DEVOLUÇÃO DAS AVALIAÇÕES As avaliações do Ensino Fundamental, corrigidas pelos professores, serão entregues para os alunos, para que tomem ciência da nota e informem aos seus pais ou responsáveis. No caso das avaliações cujo aproveitamento for abaixo da média, estas ficarão sob os cuidados da Coordenação Pedagógica e os pais serão comunicados para comparecerem ao Colégio e assinarem o termo de ciência específico. Em caso de reclamação ou dúvidas sobre a correção da prova, o aluno deverá procurar, imediatamente, o próprio professor e resolvê-las. As atividades realizadas nas aulas de reforço e/ou plantões de dúvida e as avaliações da recuperação final, também, ficarão no prontuário pedagógico do aluno, sob os cuidados e acompanhamento da Coordenação pedagógica. O prazo para a entrega da prova corrigida ao aluno é o de até 10 (dez) dias úteis. Importante lembrar que, em todas as avaliações, as respostas deverão ser a tinta. TAREFA DE CASA Considerando que as tarefas escolares têm sua utilidade, não só como fixação e/ou preparação de novos conteúdos programáticos, mas também como elemento importante na construção de uma aprendizagem significativa, o Colégio Anchieta propõe, para todas as séries/anos escolares, o desenvolvimento da tarefa de casa ou lição de casa. Neste sentido, é fundamental a participação da família, acompanhando os trabalhos solicitados e ajudando o aluno a desenvolver sua autonomia e responsabilidade. 10

12 TRABALHOS E PESQUISAS Trabalhos escolares são processos importantes na construção do conhecimento, quando ministrados adequadamente. Toda atividade nesse sentido merece atenção do aluno às orientações do professor quanto à elaboração, forma, estética e conteúdo que deverá: Os grupos serão formados de acordo com os critérios definidos pelos professores e apresentados aos alunos. Para os trabalhos escritos, serão observados os seguintes aspectos: -Delimitação do tema; -Roteiro do trabalho; -Forma estética a ser apresentada; -Prazo de entrega; -Critérios para pontuação; -Instruções precisas para o aluno quanto à Bibliografia e fontes de pesquisa; -A capa do trabalho deverá conter o nome da escola; o título do trabalho; o nome da disciplina; o nome, série e número do aluno; o nome do professor da disciplina e a data. -Protocolar o pedido do trabalho por meio de impresso próprio. -O professor pode receber trabalhos entregues com atraso, porém deve diminuir o seu valor. 47ª FEIRA DE CIÊNCIAS A Feira de Ciências é um evento que, anualmente, o Colégio Anchieta oferece à comunidade como uma oportunidade de apreciar os trabalhos realizados pelos alunos e professores durante o ano letivo. Do ponto de vista pedagógico e metodológico, a Feira de Ciências estimula o aprofundamento dos estudos e da busca de novos conhecimentos; possibilita uma maior proximidade com a comunidade científica e cria, dentro da escola, um espaço para iniciação científica; além disso, promove a integração entre a escola, a comunidade e a sociedade e desenvolve nos alunos o espírito criativo e a capacidade de discussão de problemas sociais. Neste ano, os temas norteadores da Feira de Ciências serão os propostos pela ONU: Ano Internacional das Cooperativas: Cooperativas constroem um mundo melhor que destaca a contribuição das cooperativas para o desenvolvimento socioeconômico e reconhece seu trabalho para a redução da pobreza, geração de emprego e integração social.... (ONU/UNESCO) Ano Internacional da Energia sustentável para todos com o objetivo de incentivar todos os estados-membros à consciencialização para as questões energéticas, incluiindo os serviços modernos de energia para todos. COMPOSIÇÃO DAS TURMAS (SALAS) A composição das turmas é de responsabilidade da equipe pedagógica e orientação educacional, e é determinada por critérios pedagógicos e por fatores que favoreçam, ao aluno, a aprendizagem, a sociabilidade, a tolerância frente ao diferente e a otimização dos recursos disponíveis. 11

13 FREQUÊNCIA ÀS AULAS e DISPENSA DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA A freqüência às aulas e às atividades escolares programadas serão registradas em documentos próprios, pelos professores e lançadas em sistema próprio ao final de cada bimestre. No caso da Educação Física Escolar e, e de acordo com a legislação vigente, poderá ser dispensado das aulas, o (a) aluno (a) que estive em situação de: exercício de uma atividade profissional em jornada igual ou superior a 6 horas; maior de 30 anos de idade; serviço militar inicial, quando a aula acontece fora do período escolar; gravidez; doença ou problemas de saúde justificados por atestado médico. Em todos os casos, a dispensa será feita mediante documento comprobatório e o (a) aluno (a) deverá apresentar trabalhos ou estudos dirigidos, conforme orientação do professor para atribuição da média bimestral. SALA DE BEM ESTAR O Colégio Anchieta conta com uma sala de bem estar, com um funcionário habilitado para atender aos alunos nas questões de saúde e ministrando medicamentos somente com a prescrição médica e encaminhamento escrito pelos pais ou responsáveis, com descrição de quantidade e horário, em atendimento ao artigo 15 da lei 7498/86. BIBLIOTECA A biblioteca da Instituição é constituída por livros, periódicos e multimeios que possibilitam aos usuários realizar seus trabalhos de pesquisa científica e investigação, além de prestar-se a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos, elaborados pelo homem. A manutenção da biblioteca, enquanto espaço que atende as necessidades do processo educacional desenvolvido, tem como objetivos: 1.Prestar serviços de informação, documentação e comunicação aos seus usuários. 2.Formar e conservar o acervo bibliográfico, incluindo a identificação, seleção, aquisição, catalogação informatizada e o intercâmbio com outras bibliotecas. 3.Oferecer condições para o contato livre e amigável dos alunos com os livros, que favorece o espírito crítico e torna o educando uma pessoa melhor por meio do acesso a experiências e idéias registradas por escrito. 4.Divulgar eventos culturais como teatro, cinema, dança, música, exposições de arte, cursos e palestras. 5.Tornar-se um espaço integrado com as atividades pedagógicas, desde que o tema da aula proposto pelo professor tenha relação com o ambiente da biblioteca. Para entrar na biblioteca é necessário a apresentação da carteirinha escolar e os procedimentos para o empréstimo de livros são: 1.Para os títulos com mais de dois volumes no acervo, o aluno pode ficar com o livro durante 7 (sete dias). 2.Para os periódicos, a consulta é permitida somente in loco. 12

14 3.Para os livros didáticos, o prazo é de 7 (sete) dias. 4.Livros paradidáticos (literatura), o prazo é de 15 (quinze) dias. No caso de atraso na entrega de livros, o usuário ficará sujeito ao pagamento de multa diária, que deverá ser pago via boleto. O Regulamento Interno da Biblioteca está à disposição de todos para consulta. OUTROS ESPAÇOS A Instituição oferece aos alunos outros espaços de complementação pedagógica e de convívio social, possibilitando o seu desenvolvimento em todos os aspectos formativos. Estes espaços são: -Laboratórios: Informática, Eletrônica e Quimica. -Salas de Criatividade (Arte e Comunicação), Brinquedoteca, Quadras Poliesportivas, Auditórios, Cantinas, Papelaria e Xerox. NORMAS, ORIENTAÇÕES E CRITÉRIOS DISCIPLINARES O aluno do Colégio Anchieta se propõe a: 1.Apropriar-se da missão, dos valores e princípios da Instituição, agindo como multiplicador e transformador da cultura organizacional e cumprindo as normas estabelecidas. 2.Estar ciente das Orientações e Normas disciplinas. 3.Colaborar com todas as ações pedagógicas da Escola que estejam previstas em calendário escolar. 4.Efetuar pontualmente o pagamento de taxas e contribuições devidas nos prazos fixados pela Instituição, conforme termo de compromisso a ser assinado pelo aluno, quando maior, ou seu responsável quando menor, na ocasião da matrícula. 5.Praticar a cidadania com todos os membros da comunidade escolar e em todos os ambientes, especialmente na sala de aula. 6.Chegar pontualmente no horário de início das aulas consciente de que, por parte da escola, haverá uma tolerância de 05 minutos para entrar na 1ª aula. Ultrapassados os 5 minutos, será considerado atraso e o aluno deverá aguardar a 2ª aula, lembrando que o professor iniciou a aula no horário previsto para cada segmento. 6.1.O aluno poderá entrar atrasado (2ª aula), somente 03 vezes no bimestre. 6.2.Em cada atraso, os pais serão notificados e, no 3º atraso, chamados a comparecer na Escola para ciência dos procedimentos futuros, caso aconteçam novos atrasos, ou seja: após o 3º atraso, no bimestre, o aluno não poderá chegar atrasado e, caso aconteça, só poderá entrar acompanhado dos pais ou responsáveis para preenchimento do termo de ciência. Caso contrário, não será permitida a entrada do aluno, e o mesmo, deverá retornar à casa com uma orientação de estudos a ser entregue no dia seguinte. 6.3.A reincidência dos atrasos incorrerá na perda de nota, segundo os critérios da Avaliação Atitudinal e, tornando-se abusivo, a Escola poderá emitir um relatório e encaminhar ao CADI, para análise do caso. 13

15 7.Freqüentar as aulas e demais atividades curriculares aplicando-se com o máximo interesse no seu aproveitamento, respeitando o horário de entrada e saída; 8.Só será permitida a permanência do aluno do Ensino Fundamental na escola após o término das aulas com autorização por escrito assinada pelo pai / mãe ou responsável, contendo o horário de permanência e a atividade a ser desenvolvida. Salientamos que não será autorizada a permanência no Colégio, via telefone. 9.Sair do Colégio somente no término previsto pelo horário escolar. Nos casos de saídas antecipadas, serão permitidas somente com justificativa e autorização por escrito assinada pelo pai / mãe ou responsável, e mediante liberação do Setor de Orientação Educacional ou substituto nomeado pela Direção Pedagógica. 10.O acesso às dependências da Escola, com exceção da Biblioteca (uso da carteirinha escolar), será através das catracas biométricas que identificarão os alunos na entrada e na saída. 11.Trajar-se, diariamente, com o uniforme do Colégio, conforme os critérios estabelecidos: para alunos do Ensino Fundamental compreende-se uniforme completo: agasalho do Colégio, calça e blusão, camiseta do Colégio e tênis de livre escolha. Para os alunos do Ensino Médio é autorizada a entrada com calça jeans nos dias que não houver aulas de Educação Física. Não será permitida qualquer alteração no uniforme. O Colégio não abrirá exceções através de bilhetes ou ligações telefônicas, em respeito a todos os outros alunos uniformizados. 12.Não há uniforme para o período noturno, todavia não será permitido o (ingresso) acesso de alunos às dependências do Colégio trajando shorts, chinelos, mini-saias, roupas transparentes e tops (para as mulheres), regatas (para os homens) ou outros, que não sejam condizentes com o ambiente escolar. 13.Trazer para o colégio todo o material necessário para o dia de aula, sabendo que não é permitido o empréstimo de materiais dos colegas. O aluno que não estiver com o material, será notificado no CCO e, posteriormente, os pais serão convocados pela Orientadora Educacional, a comparecerem no colégio. 14.Participar das aulas de reforço pedagógico e/ou recuperação paralela, conforme as determinações do Colégio. 15.Ser assistido em suas dificuldades e necessidades por quem de direito da Escola. 16.Utilizar os serviços administrativos e técnicos oferecidos pelo Colégio. 17.Acompanhar, por meio do boletim, os registros referentes às notas e faltas, que será expedido pela Secretaria bimestralmente, impressos ou on-line. 18.Apresentar a documentação obrigatória solicitada pela secretaria. 19.O Colégio prevê, no calendário escolar, reuniões com os pais ou responsável. A presença é imprescindível para o acompanhamento do aluno em suas dificuldade, bem como os êxitos. Sua ausência será registrada. 20.Consultar sempre o site do Anchieta. Além das informações referentes aos cursos oferecidos e eventos realizados, ele divulga notas, faltas e outros informativos. 14

16 21.Realizar as avaliações e as atividades junto à turma e no dia previsto em calendário. No caso das avaliações, o aluno poderá fazê-las no período das provas substitutivas, também previsto em calendário, somente mediante apresentação de justificativa (atestado médico). Não havendo justificativa, o aluno solicitará uma 2ª prova e pagará a taxa estabelecida pelo Colégio. 22.Durante a realização das provas, simulados e demais atos escolares, espera-se do aluno uma conduta de honestidade e sinceridade, consciente de que a cola é considerada uma falta grave, que resultará na atribuição da nota zero na (s) prova (s). Neste caso, a cola deverá ser afixada à avaliação e o aluno deverá assinar ciência do seu ato. Não havendo prova concreta, porém, evidenciado uma postura inadequada durante a avaliação, o aluno deverá ser advertido e o professor escreverá a observação na prova. Na insistência do aluno, a avaliação será retirada, usando-se dos mesmos procedimentos, citados anteriormente. 23.Respeitar o ambiente escolar e colaborar na conservação do prédio escolar e do material de uso coletivo. Nos casos de danificação do patrimônio escolar ou de objetos de propriedade dos colegas, funcionários, professores ou outros, cuja participação for comprovada, o (s) responsável (s) arcará (ao) com as despesas de reposição e de conserto. 24.Objetos estranhos, aparelhos eletrônicos e máquinas digitais não podem ser trazidos ao Colégio. 25.A Instituição não se responsabiliza, sob quaisquer aspectos, pelos objetos perdidos dentro das suas instalações, inclusive em eventos como Feira de Ciências, Gincana Cultural, Festa Junina e outros, portanto é de suma importância o cuidado com pertences pessoais e materiais de trabalho, especialmente aparelhos celulares. 26.No caso de objetos que sejam danificados por outrem e, após detalhada investigação da situação, não seja identificado autor do ato, a Instituição não se responsabilizará pelo ressarcimento do objeto. 27.O uso do boné, touca ou chapéu não é permitido dentro da sala de aula ou nos ambientes de atividades pedagógicas (apresentação de trabalhos, palestras, aulas de laboratórios, quadras esportivas, auditórios ou anfiteatros). 28.A saída da sala de aula durante o período de aulas, só é permitida com autorização do professor. 29.Em caso extremo, quando o aluno for solicitado a se retirar da sala de aula, o professor deverá preencher o formulário próprio e encaminhá-lo à Orientação Educacional para as devidas providências. 30.Observar o regime escolar e disciplinar e comportar-se, dentro e fora do Colégio de acordo com os princípios éticos condizentes. 31.Quando ocorrer, no interior das dependências do colégio, qualquer tipo de falta disciplinar ou agressão física, verbal ou moral, o aluno assumirá as seguintes determinações: a)advertência oral; b)advertência por escrito e solicitação da presença dos pais ou responsáveis no colégio; c)suspensão de 01 a 07 dias corridos, com apresentação de trabalho pedagógico sobre a situação ocorrida; d)transferência compulsória aplicável ao aluno reincidente, já suspenso conforme o item anterior ou que praticar atos incompatíveis com a dignidade da vida escolar. 15

17 É EXPRESSAMENTE VEDADO AO ALUNO: 1.Considerando que o instrumento prova é um documento de verificação do aproveitamento escolar, não é permitido ao aluno utilizar-se deste instrumento para quaisquer tipo de manifestações escritas que não sejam pertinentes à prova, como: expressões de baixo calão (palavrões), recados ou insultos ao professor ou outros. Caso ocorra tal situação, o aluno será advertido e a prova será cancelada (valor = zero) e não haverá substitutiva. 2.Ocupar-se durante as aulas com atividades estranhas à disciplina, fazendo uso de objetos que dificultem ou impeçam a atenção dos trabalhos escolares, tais como: revistas, jogos eletrônicos e outros, os quais poderão ser retirados e serão entregues aos pais ou responsável pelo setor de Orientação Educacional. 3.A Lei Federal nº 9.294/96, art. 2º, estabelece a norma geral e proíbe o fumo em recinto coletivo privado ou público. 4.Sair para os corredores, banheiros ou beber água nas trocas de aulas, devendo permanecer na própria sala até a chegada do professor. 5.Permanecer dentro da sala de aula ou nos corredores no horário do intervalo ou do recreio. 6.O Decreto No , art. 1º, estabelece a proibição, durante as atividades pedagógicas, dentro ou fora da sala de aula, do uso do telefone celular por alunos. Portanto, não é permitido o uso do celular nos ambientes de desenvolvimento das atividades pedagógicas (salas de aula, laboratórios, quadras esportivas, auditórios, cyber e biblioteca). O aluno deverá deixar o aparelho desligado e dentro da mochila ou bolsa escolar. Caso contrário, o professor retirará o aparelho do aluno e o entregará à Orientadora Educacional ou Coordenadora Pedagógica e só poderá ser retirado ao final do período de aula. O COLÉGIO NÃO SE RESPONSABILIZA POR SITUAÇÕES DE PERDAS E/OU DANOS DOS APARELHOS. 7.Trazer à escola objetos perigosos que possam perturbar os estudos ou atentar contra a segurança própria ou de outrem. 8.Porte ou uso de droga ou de qualquer outra substância (bebidas alcoolicas) nas dependências e/ou nas imediações da escola. 9.Impedir a entrada de colegas ou incitá-los à ausência coletiva. 10.Deixar de observar determinações relativas à ordem interna do estabelecimento. 11.Comportar-se inconvenientemente, de maneira desrespeitosa em solenidades. 12.Participar das aulas de Educação Física usando objetos ornamentais ou sem o uniforme completo. São considerados competentes para a aplicação das penalidades: As penas de advertência oral e as penas de advertência escrita: Direção e Orientação. As penas de suspensão deverão ser autorizadas pela Direção. As penas de transferência compulsória somente serão aplicadas pela Direção. 16

18 ANCHIETA MAIS QUE ENSINO. EDUCAÇÃO PARA A VIDA. GRADE CURRICULAR ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE

19 GRADE CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANOS LEGISLAÇÃO COMPONENTES CURRICULARES CARGA HORÁRIA SEMANAL 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º LEIS FEDERAIS Nº 9.394/1996 E /2006 RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 2/1998 BASE NACIONAL COMUM PARTE DIVERSIFICADA Língua Portuguesa História Geografia Ciências Ciên. Fís. e Biol. e Programas de Saúde Matemática Arte e Comunicação Educação Física Linguagem Oral e Escrita Natureza e Sociedade Noções Básicas de Matemática TOTAL DA CARGA HORÁRIA L.E.M. Inglês L.E.M. Espanhol Filosofia Xadrez Música 01 Atividades Lúdicas 02 Programa de Orientação Vocacional e Prof TOTAL DA CARGA HORÁRIA TOTAL DA CARGA HORÁRIA SEMANAL HORÁRIO DAS AULAS Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano) Manhã: das 7h20 às 11h50 Intervalo: 1º e 2º anos (ABC) e 5º e 6º anos (Vergueiro) = das 09h às 09h20 3º e 4º anos (ABC) = das 09h50 às 10h10 Tarde: das 13h às 17h30 Intervalo: 1º e 2º anos (ABC) e 5º e 6º anos (Vergueiro) = das 14h40 às 15h 3º e 4º anos (ABC) = das 15h30 às 15h50 Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) Manhã: das 7h20 às 12h40 Intervalo: 7º ao 9º anos = das 09h50 às 10h10 Tarde: das 13h às 18h20 Intervalo: 7º ao 9º anos = das 15h30 às 15h50 18

20 GRADE CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO LEGISLAÇÃO COMPONENTES CURRICULARES CARGA HORÁRIA SEM. LEIS FEDERAIS Nº 9.394/1996 E /2006 RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 2/1998 BASE NACIONAL COMUM EM REGULAR NOTURNO 1ª 2ª 3ª 1ª 2ª 3ª Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física * Matemática Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia TOTAL DA CARGA HORÁRIA L.E.M. Inglês L.E.M. Espanhol TOTAL DA CARGA HORÁRIA PD TOTAL DA CARGA HORÁRIA SEMANAL Para os alunos do Ensino Médio Noturno, as aulas de Educação Física serão desenvolvidas no período da tarde. No caso em que os alunos trabalham, façam outros curso ou por questões de saúde, deverão apresentar a declaração de dispensa. HORÁRIO DAS AULAS Ensino Médio Diurno (1ª a 3ª série) De 2ª a 6ª feira Diurno : Das 7h às 12h20 (6 aulas) - Duração da aula: 50 minutos Intervalo: das 09h30 às 09h50-3º anos do EM das 10h20 às 10h40-1º e 2º anos do EM Noturno : Das 18h30 às 22h45 (6 aulas) - Duração da aula: 40 minutos - POLITEC Intervalo: das 20h30 às 20h50 19

21 GRADE CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE ( CONCOMITANTE) HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO LEG. LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEM. EM 1ª 2ª 2ª C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO CURSO TÉCNICO Empreendedorismo Matemática Comercial Comportamento Organizacional e Liderança Comunicação Empresarial Contabilidade Geral Rotinas de Departamento Pessoal Administração de Vendas Escrituração Fiscal Rotinas e Operações em Tesouraria Logistica Organizacional Seleção e Treinamento Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/2004 3º Ensino Médio Concomitante (1ª a 3ª série) De 2ª a 6ª feira Diurno: Das 7h às 12h20 (6 aulas) - Duração da aula: 50 minutos - Intervalo: das 09h30 às 09h50-3º anos - das 10h20 às 10h40-1º e 2º anos do EM 20

22 HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM TURISMO E GUIA REGIONAL LEG LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. 3º DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO CURSO TÉCNICO Técnicas de Comunicação História da Arte e Cultura História Aplicada ao Turismo Geografia Aplicada ao Turismo Psicologia Aplicada ao Turismo Teoria e Técnica de Turismo Empreendedorismo e Est. de Emp. Turísticas Primeiros Socorros Informática Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/

23 CURSO DE HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM QUÍMICA LEG LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO TÉCNICO EM QUÍMICA Higiene e Segurança do Trabalho Fisicoquímica Química Orgânica Química Inorgânica Gestão Ambiental Organização e Normas Análise Qualitativa Análise Quantitativa Gestão da Qualidade Tecnologia Química Orgânica Tecnologia Química Inorgânica Operações Unitárias Corrosão Orientações das Práticas Integradoras (OPI) ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/2004 C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO 41 2º 3º

24 HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA LEG. LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/2004 C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. 3º ÁREA ESPECIFICA DO ENSINO MEDIO Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Introdução à WEB Informática na Empresa Lógica Hardware Rede de Computadores Sistemas Operacionais Banco de Dados Linguagem de Programação Modelagem de Sistemas WEB com Banco de Dados SQL Linguagem de Programação (POO) Empreendedorismo Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

25 CURSO DE HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ELETRÔNICA LEG. LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/2004 C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. 3º ÁREA ESPECIFICA DO ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Matemática Aplicada Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO TÉCNICO EM ELETRÔNICA Eletrotécnica Eletrônica Geral Instalações Elétricas Organização e Normas Análise de Circuitos Experimentos Laboratoriais Técnicas Digitais Eletrônica Industrial Eletrônica Aplicada Mecatrônica Aplicada Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

26 HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM JOGOS DIGITAIS LEG. LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE ÁREA ESPECIFICA DO ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa e Literatura 3 Arte e Comunicação 1 Educação Física 1 Inglês 2 Espanhol 1 Matemática 4 Biologia 2 Física 2 Química 2 História 1 Geografia 1 Filosofia 1 Sociologia 1 2ª SÉRIE 2ª SÉRIE DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Sistemas de Comunicação Lógica e Algoritmos Arquitetura de Computadores Linguagem de Programação Banco de Dados Introdução a Web Computação Gráfica Representação gráfica de jogos Animação Multimídia Linguagem de Programação Visual Ferramentas de Desenvolvimento Empreendedorismo Infra-estrutura Web Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO - ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/ C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. 3º

27 CURSO DE HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ELETRÔNICA LEG LEGISLAÇÃO: LEI FEDERAL Nº 9394/96 COMPONENTES CURRICULARES C.H. SEMANAL ENSINO MÉDIO 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE C.H.SEMANAL TÉCNICO/CON 1º 2º. 3º ÁREA ESPECIFICA DO ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa e Literatura Arte e Comunicação Educação Física Inglês Espanhol Matemática Matemática Aplicada Biologia Física Química História Geografia Filosofia Sociologia DISCIPLINAS ESPECÍFICAS DO TÉCNICO EM ELETRÔNICA Eletrotécnica Eletrônica Geral Instalações Elétricas Organização e Normas Análise de Circuitos Experimentos Laboratoriais Técnicas Digitais Eletrônica Industrial Eletrônica Aplicada Mecatrônica Aplicada Orientações das Práticas Integradoras (OPI) TOTAL CARGA HORÁRIA SEMANAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ENSINO TÉCNICO DECRETO 5.154/

28 ANCHIETA MAIS QUE ENSINO. EDUCAÇÃO PARA A VIDA. GRADE CURRICULAR ENSINO TÉCNICO (CURSO DE 1 ANO - NOTURNO)

29 HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 1 MÓDULO: ASSISTENTE DE ADMINISTRAÇÃO E PESSOAL 2 MÓDULO: ASSISTENTE DE VENDAS E RECURSOS HUMANOS LEG. LEGISLAÇÃO: LEI FEDERA L Nº 9394/96 DECRETO 5.154/2004 C.H. SEM. COMPONENTES CURRICULARES 1º 2º Empreendedorismo 4 Matemática Comercial 2 Comportamento organizacional e liderança. 2 Comunicação empresarial 2 Contabilidade Geral 4 Informática Básica 2 2 Rotinas de Departamento Pessoal Administração de Vendas 4 Escrituração Fiscal 4 Rotinas e Operações em Tesouraria 2 Logística Organizacional 4 Seleção e Treinamento 4 Orientação das Práticas Integradoras OPI 5 5 TOTAL C.H. SEMANAL TOTAL C.H.CURSO

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO

PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO São Paulo, 26 de novembro de 2014. PRESSUPOSTOS, REGRAS E PROCEDIMENTOS 2015 ENSINO MÉDIO O Colégio Santa Maria acredita que responsabilidade social e liberdade se aprendem e se exercitam na interação

Leia mais

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO MANUAL DO ALUNO No presente Manual você encontrará uma síntese de procedimentos pedagógicos adotados pela Instituição e conhecerá as instalações e departamentos de apoio ao aluno. SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO

1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO 1 2 Sumário 1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO...4 1.1) PAA Projeto de Auxílio Aprendizagem...4 2) PROVAS E TRABALHOS...5 2.1) Provas Atrasadas...5 Como proceder:...5 2.2) Provas de Recuperação...5 2.3) Trabalhos...5

Leia mais

Reunião de Pais Escolas Idaam - 2012

Reunião de Pais Escolas Idaam - 2012 Reunião de Pais Escolas Idaam - 2012 Escolas Idaam Sejam bem-vindos às Escolas Idaam! Horários Procurar estar 15 minutos antes do horário na escola TURNO MATUTINO: Educação Infantil: 07h30 às 11h30 1º

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO

OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES ENSINO FUNDAMENTAL 6º ANO AO 9º ANO 2º SEMESTRE DE 2014 OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO 1) Solicitamos aos alunos que estejam na sala 10 minutos antes do horário

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

Se já é aluno, bom retorno; se está chegando agora, bom ingresso. Bem-vindos à Fundação das Artes de São Caetano do Sul!

Se já é aluno, bom retorno; se está chegando agora, bom ingresso. Bem-vindos à Fundação das Artes de São Caetano do Sul! Muitas pessoas estão acostumadas a lembrar da Fundação pelas centenas de atrações que ela promove ao longo de todo o ano (espetáculos, recitais, exposições etc.). Aqui, entretanto, apresentamos uma das

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO

OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES ENSINO MÉDIO 2º SEMESTRE DE 2014 OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO 1) Solicitamos aos alunos que estejam na sala 10 minutos antes do horário marcado para o início

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

B1 - ATELIER BALÉ JOVEM (CICLO INTERMEDIÁRIO E CICLO PROFISSIONALIZANTE)

B1 - ATELIER BALÉ JOVEM (CICLO INTERMEDIÁRIO E CICLO PROFISSIONALIZANTE) B) PROJETOS ESPECIAIS O eixo de PROJETOS ESPECIAIS engloba as atividades extracurriculares, complementares ao PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM DANÇA. São atividades promovidas pela Escola com artistas convidados,

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano

AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano AVALIAÇÃO EDUTEc Ensino Fundamental 6º ao 9º ano Em consonância com a Legislação Vigente e as práticas pedagógicas adotadas pela Escola, estabeleceu-se como sistemática para cálculo da média anual do Ensino

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO COTIDIANO E ROTINA ESCOLAR ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano) E MÉDIO

ORGANIZAÇÃO DO COTIDIANO E ROTINA ESCOLAR ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano) E MÉDIO ORGANIZAÇÃO DO COTIDIANO E ROTINA ESCOLAR ENSINO FUNDAMENTAL II (6º ao 9º ano) E MÉDIO Neste texto, encontram-se instruções sobre horários, atrasos, uniformes, faltas; processo de avaliação, recuperação

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Escola SENAI Anchieta

Escola SENAI Anchieta REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO Versão 02 1. Do estágio O diploma de técnico só será conferido ao aluno que realizar, no país, a complementação curricular obrigatória, na forma de estágio supervisionado prevista

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2015

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2015 OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO 1) Solicitamos aos alunos que estejam na sala 10 minutos antes do horário marcado para o início das avaliações e que não a deixem sem assinar a lista, que

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS IESB / PREVE CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS MISSÃO / IESB Proporcionar um espaço de contínua aprendizagem onde alunos, professores e colaboradores

Leia mais

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2015

HORÁRIO DAS AVALIAÇÕES 2015 OBSERVAÇÕES E PROCEDIMENTOS EM DIAS DE AVALIAÇÃO 1) Solicitamos aos alunos que estejam na sala 10 minutos antes do horário marcado para o início das avaliações e que não a deixem sem assinar a lista, que

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

Apresentação. Prezado aluno,

Apresentação. Prezado aluno, A Faculdade São Judas Tadeu tem como missão promover a emancipação do indivíduo através da educação, compreendida pelo desenvolvimento do conhecimento, atitudes e valores e respeito à dignidade humana.

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Cursos de Bacharelado e Licenciatura REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Cursos de Bacharelado e Licenciatura 2ª EDIÇÃO JANEIRO DE 2014 Mod. 02-01/2014 1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 CAPÍTULO II DOS REQUISITOS E DA CARGA HORÁRIA...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental 1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental A avaliação do processo de aprendizagem no Ensino Fundamental terá o aproveitamento

Leia mais

INSTITUTO CIMAS DE ENSINO

INSTITUTO CIMAS DE ENSINO INSTITUTO CIMAS DE ENSINO MANUAL DO ALUNO NORMAS E PROCEDIMENTOS ACADÊMICOS ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO EM MAMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICO EM NÍVEL MÉDIO EM TOMOGRAFIA Autorização de Funcionamento

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1. USO DA BIBLIOTECA...3 2. ACERVO...3 3. ATENDIMENTO AO PÚBLICO...3 4. USUÁRIOS...3 5. INSCRIÇÃO...3 5.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA...4 6. SERVIÇOS...4 6.1

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO FATEP 2016 1º SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO FATEP 2016 1º SEMESTRE FATEP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PIRACICABA MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO FATEP 2016 1º SEMESTRE DISPOSIÇÕES GERAIS A FATEP está realizando o Processo Seletivo 2016-1, para o preenchimento das

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS São Paulo, 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL EDITAL DE ABERTURA DE VAGAS PARA PROFESSOR-MONITOR DO CURSINHO DA INCLUSÃO SOCIAL, N 2 DE 03 DE SETEMBRO DE 2012. A Coordenação do Projeto Cursinho

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

segunda-feira, 22 de setembro de 2014 18:41:29

segunda-feira, 22 de setembro de 2014 18:41:29 segunda-feira, 22 de setembro de 2014 18:41:29 segunda-feira, 22 de setembro de 2014 18:41:33 APRESENTAÇÃO O Centro Educacional Unitec, é mantenedor da escola de Educação Profissioanal Universitário, que

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

Orientações gerais para as famílias

Orientações gerais para as famílias Orientações gerais para as famílias ENSINO MÉDIO HORÁRIOS Para 1ª e 2ª séries, das 7h15 às 13h e das 14h15 às 17h30 (integral às segundas, terças e quintas-feiras). PREZADOS PAIS, Favorecer o autodesenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MENSAGEM DA DIRETORA GERAL. SEJAM MUITO BEM VINDOS! Dra. Aparecida Najar

MANUAL DO PROFESSOR MENSAGEM DA DIRETORA GERAL. SEJAM MUITO BEM VINDOS! Dra. Aparecida Najar MANUAL DO PROFESSOR MENSAGEM DA DIRETORA GERAL É com muita alegria que estamos iniciando um novo período letivo. Para aqueles que estão iniciando e também para nossos Mestres veteranos, votos de boas vindas,

Leia mais

Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015.

Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015. INFORMATIVO ESCOLAR Conforme REGIMENTO ESCOLAR, seguem informações importantes para o ano letivo 2015. PROFISSIONAIS EXPERIENTES Contamos com uma equipe de profissionais capacitados e qualificados para

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS DO CURSO DE LOGÍSTICA AEROPORTUÁRIA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS DO CURSO DE LOGÍSTICA AEROPORTUÁRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS DO CURSO DE LOGÍSTICA AEROPORTUÁRIA Agosto 2010 I. APRESENTAÇÃO As atividades acadêmico-científico-culturais têm por finalidade

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia

Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia Regulamento de TCC do curso de Fisioterapia A atividade de trabalho de conclusão de curso é desenvolvida em área escolhida pelo aluno, sob a orientação professor (es) orientador(es). O aluno descreverá

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenador do Curso de Administração Prof. Marcos Eduardo dos Santos Supervisor de Estágio do Curso Prof. Marcos Eduardo dos Santos JUIZ DE

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

ORIENTAÇÕES EDUCAÇÃO INFANTIL e ENSINO FUNDAMENTAL I

ORIENTAÇÕES EDUCAÇÃO INFANTIL e ENSINO FUNDAMENTAL I ORIENTAÇÕES EDUCAÇÃO INFANTIL e ENSINO FUNDAMENTAL I Educação Infantil A professora estará na sala de aula recebendo os alunos nos seguintes horários: No período matutino a partir das 7h30min. No período

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS:

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS: FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 A FACULDADE DO SUL DA BAHIA, credenciada pela Portaria Ministerial nº 944, de 17/05/2001 publicada no DOU em 21/05/2001 e o INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 1 JUSTIFICATIVA 1. SUPEN/SEDUC.PI mediação tecnológica do Programa Mais Saber; 2. PI quarto lugar: índice de 35,9 matriculadas

Leia mais

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05)

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Dos Discentes Todos os alunos matriculados na Unidade Escolar integram o corpo discente tendo o DIREITO de: Valer-se

Leia mais

EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2

EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2 EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2 A Comissão Coordenadora do Processo Seletivo das Faculdades Integradas de Vitória FDV, para conhecimento de todos os interessados, torna público

Leia mais

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO 1. TABELA DE SERVIÇOS INSTRUÇÕES DA ESCOLA PERMANÊNCIA (pós-horário) (1) R$ 27,40 LANCHE DIÁRIO avulso (2) R$ 4,40 ALMOÇO DIÁRIO avulso (2) R$ 7,70 CONTRATO DE REFEIÇÃO MENSAL ALMOÇO (2) R$ 161,00 CONTRATO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

Leia mais

MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL FUNDAÇÃO DE APOIO CEFET ESCOLA TÉCNICA MARACANÃ UCP UNIDADE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL ACADÊMICO E OPERACIONAL DO CURSO TÉCNICO E/OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REDE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DO RIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO Art.1º Este Regulamento define,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Cursos de Licenciatura FACCAMP QUÍMICA Campo Limpo Paulista ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO O Estágio Curricular Supervisionado, a ser desenvolvido em escola particular

Leia mais

REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS

REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS REGULAMENTO PARA O DESFILE DOS JOGOS ESCOLARES/2014 TEMA DOS JOGOS 2014: PAÍSES E SUAS CULTURAS Visão Ser referência na Educação. Missão Educar para formar cidadãos competentes. Valores Bom Relacionamento

Leia mais

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014

Apresentação sobre a 3ª Série do Ensino Médio em 2014 1 Roteiro da Apresentação: Grade Curricular em 2014 Apresentação sobre Premiação pelo Desempenho Individual no ENEM de 2014 Programa de Mentoria Formatura em 2014 2 Grade Curricular em 2014 3 Em 2014,

Leia mais