LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F."

Transcrição

1 PORTUGUÊS/INGLÊS

2 LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no exercício de sua função, estabelecer cultos religiosos ou mantiver relação de dependência com seus representantes, bem como aliar-se a seus representantes, salvo em caso de colaboração de interesse público, nos termos e limites da lei, estará ferindo a Constituição Federal, assim como o fará caso se recuse a dar fé a documentos públicos ou crie distinção entre brasileiros ou preferências entre si. ( ) É competência exclusiva da União legislar sobre as diretrizes e as bases da educação nacional. O servidor público tem a obrigação de zelar pelo fiel cumprimento das leis, conservar o patrimônio público, cuidar da proteção e da garantia das pessoas portadoras de deficiência, proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência; combater as causas da pobreza e os fatores de marginalização, promovendo a integração social dos setores desfavorecidos. ( ) Os Institutos Federais, enquanto instituição de Educação Básica e Superior podem manter programas de Ensino Fundamental com os municípios por meio de cooperação técnica, como, por exemplo, para oferta de PROEJA-FIC, de formação continuada, dentre outros. ( ) Ao ingressar no serviço público federal, o servidor passa a fazer parte da organização da administração pública ficando, assim, obrigado a observar em todos os seus atos, inclusive quando não estiver em horário de trabalho ou exercício da função, os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. Questão 02: São deveres dos docentes: I. participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino quando convocados pelas autoridades competentes. II. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo critérios e condições que julgar mais apropriados para a qualidade do ensino a ser ministrado. III. zelar pela aprendizagem dos alunos e estabelecer estratégias de recuperação, inclusive paralela, para os alunos de menor rendimento. IV. ministrar os dias letivos e as horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional. V. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade sempre que a(s) disciplina(s) que ministra estiver(em) relacionada(s). As afirmativas corretas são APENAS: a) III e IV. b) I, II e V. c) I, II e III. d) II, IV e V. e) II, III e V. 2

3 Questão 03: Marque a alternativa INCORRETA. a) Ao ensinar, os docentes do IF Farroupilha deverão observar, rigorosamente, dentre outros: os princípios da igualdade de condições para a permanência na escola; a gestão democrática do ensino público, na forma da lei; e a garantia de padrão de qualidade. b) É dever do Estado com a educação garantir a educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria, além de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. Nesse sentido, para cumprir esse dever do Estado, os docentes do IF Farroupilha deverão atuar na educação básica em oferta regular e na Educação de Jovens e Adultos desde que integrada à educação profissional. c) O Estado tem o dever de atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de programas suplementares de material didático escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde. d) De acordo com a Constituição Federal (Art. 207) as universidades obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Os Institutos Federais (IFs) por serem instituição de Educação Básica e Superior, mas criados prioritariamente para o Ensino Profissional Técnico em nível médio e para a formação de professores por meio das licenciaturas, podem desenvolver, além do ensino, a pesquisa e a extensão, mas não lhes é exigida essa indissociabilidade prevista para as universidades, uma vez que os IFs não tem a obrigação de se tornar referência em pesquisa e extensão. e) O Instituto Federal Farroupilha, enquanto autarquia tem autonomia de organização didático pedagógica. No entanto, essa autonomia é limitada, pois deverá observar, por exemplo, o plano nacional de educação e demonstrar claramente como sua organização possibilita a melhoria da qualidade de ensino, como garante a formação para o trabalho e como conduz o educando à promoção humanística, científica e tecnológica. Assim, o próprio princípio constitucional que prevê o respeito ao pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas deve ser interpretado de forma restritiva, caso coloque em risco esses objetivos. Questão 04: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) O servidor público docente que não zelar pelo preenchimento do Diário de Classe poderá responder administrativa, civil e criminalmente, por exemplo, por ação, ao não preencher correta e diariamente o Diário de Classe ou por omissão, caso deixe de realizar a chamada a fim de verificar a frequência dos alunos. ( ) Os docentes do IF Farroupilha em regime de dedicação exclusiva com quarenta horas semanais, terão sua jornada de trabalho fixada conforme a necessidade das atribuições pertinentes à docência. Assim, o docente poderá, por exemplo, trabalhar quatro horas no turno matutino e quatro horas no período noturno. Caso o servidor venha a ocupar cargo em comissão ou função de confiança, como Coordenação de Curso, por exemplo, submeter-se-á a regime de integral dedicação ao serviço, podendo ser convocado sempre que houver interesse da Administração. ( ) O servidor público deverá observar, durante o estágio probatório, no desempenho do cargo: assiduidade; disciplina; capacidade de iniciativa; produtividade; responsabilidade. Após decorrido o prazo de dezoito meses, relativo ao estágio probatório, o servidor se torna efetivo e a observação dessas orientações deixa de ser objeto de avaliação para sua progressão e carreira, passando a ser compromisso do servidor público para com a instituição. ( ) É dever de todo servidor público e de qualquer outro cidadão, ao tomar conhecimento do fato, denunciar o colega que receber passagens e diárias destinadas a indenizar as parcelas de despesas extraordinárias com pousada, alimentação e locomoção urbana, não destinadas única e exclusivamente em interesse da administração pública, ou que não restituir os valores, na íntegra ou parcialmente, no prazo de 5 (cinco) dias, quando recebê-los e não se afastar da sede ou retornar antes do prazo previsto. 3

4 ( ) O servidor estudante poderá solicitar horário especial quando comprovar a incompatibilidade entre o horário escolar e o da repartição, desde que não haja prejuízo do exercício do cargo e que sejam compensados os horários de trabalho sem ultrapassar a duração semanal do mesmo. Assim, por exemplo, o servidor poderá concentrar sua jornada de trabalho em três turnos diários para poder realizar seus estudos no tempo restante. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - F - F - V. b) V - V - F - V - F. c) V - V - V - V - F. d) F - F - V - F - V. e) V - F - V - F - V. Questão 05: Sobre os Institutos Federais, assinale a afirmativa INCORRETA. a) O órgão superior da administração dos IFs é o Colégio de Dirigentes, instância executiva e administrativa de cada Instituto Federal. b) Os Institutos Federais (IFs) podem ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, desde o ensino fundamental até o doutorado, nos termos limites da legislação vigente desde que com foco na atuação profissional dos educandos. c) A Lei /2008, ao afirmar que o ensino nos IFs deve ser voltado à investigação empírica, faz concluir que o ensino deve considerar a pesquisa aplicada como princípio educativo. d) Os IFs têm a finalidade de promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e à educação superior, otimizando a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão. e) Na prática docente, os servidores dos IFs, ao realizar a pesquisa, o ensino e a extensão, devem estimular a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico. Questão 06: Avalie as proposições a seguir: I. ao servidor docente é permitido, desde que em interesse da docência, ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato, e retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, qualquer documento ou objeto da repartição, podendo comunicar à autoridade competente e ou à chefia imediata posteriormente. II. antes de dar fé a documentos públicos, o servidor deve analisar o pedido e decidir podendo opor resistência injustificada ao andamento de documento e processo ou execução de serviço no caso de suspeita de erro no documento e/ou processo em andamento. III. trata-se de liberdade de expressão promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição desde que o servidor não venha a valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública. IV. é proibido ao servidor público participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada; exercer o comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário; e/ou atuar, como procurador ou intermediário, junto a repartições públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou companheiro. V. o servidor público que utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares; que proceder de forma desidiosa; que cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias; ou exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho poderá responder a Processo Administrativo Disciplinar. VI. a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa. As afirmativas corretas são APENAS: a) III e IV. b) I, II e III. c) I, II e V. d) I, III e VI. e) IV, V e VI. 4

5 Questão 07: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) Ao se atender ao princípio administrativo da publicidade, os servidores devem divulgar amplamente os atos, os programas, as obras e os serviços realizados no setor público. Nesse sentido, é importante que o servidor destaque seu nome, símbolos e/ou imagens que possam destacá-lo em seu trabalho, a fim de que, promovendo-se, promova junto consigo a instituição pública que representa. ( ) A Associação Sindical é livre. No entanto, o direito de greve é limitado por lei. ( ) A Constituição Federal (CF) prevê a acumulação remunerada de cargos públicos quando houver compatibilidade de horários para o exercício de dois cargos de professor ou de um cargo de professor com outro cargo técnico ou científico. Sendo assim, o docente efetivo do Instituto Federal Farroupilha em regime de dedicação exclusiva poderá atuar como docente em outra instituição ou ainda como docente e técnico no mesmo instituto. ( ) Caso algum servidor docente do Instituto Federal Farroupilha venha a causar dano moral a um aluno, colega ou qualquer outro membro da comunidade acadêmica interna ou externa, quem responderá pelos danos é a instituição pública. No entanto, o servidor poderá responder por meio do direito de regresso nos casos de dolo ou culpa. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) V - V - V - F. b) F - V - F - V. c) F - F - F - V. d) V - F - V - F. e) F - V - V - V. Questão 08: Sobre a Educação Profissional no Brasil, analise as afirmações a seguir: I. o Instituto Federal Farroupilha atua, em vários câmpus, com cursos voltados para o atendimento da população rural. Sendo assim, essa instituição pode promover adaptações de conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e aos interesses dos alunos da zona rural, inclusive modificando a organização escolar própria, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas para adequação à natureza do trabalho na zona rural. II. os alunos de PROEJA são considerados alunos com atraso escolar e, por isso, a instituição de ensino pode realizar a avaliação do rendimento escolar com vistas à aceleração de estudos. III. é obrigação dos docentes promover a recuperação de estudos, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, conforme os regimentos institucionais vigentes. IV. é exigida a frequência mínima de setenta e cinco por cento (75%) do total de horas letivas para a aprovação. Assim, por exemplo, num curso cuja matrícula é por disciplina, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da disciplina, mas, num curso cuja matrícula é seriada, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da série, podendo, assim, faltar mais que 25% em uma determinada disciplina da série sem ser reprovado por falta, caso esse percentual não ultrapasse 25% do total do período letivo. V. o ensino da História do Brasil levará em conta as contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e europeia. Esses conteúdos inclusive são transversais e não devem se resumir à oferta na disciplina de História. VI. todos os alunos deverão cursar, obrigatoriamente, no mínimo duas línguas estrangeiras modernas a serem previstas na matriz curricular dos cursos. VII. os currículos do ensino médio devem incluir os princípios da proteção e da defesa civil e a educação ambiental de forma integrada aos conteúdos obrigatórios. É correto afirmar que: a) apenas VI é falsa. b) apenas VI é verdadeira. c) V e VI são falsas. d) I, III e VII são falsas. 5 e) II, IV, VI e VII são verdadeiras.

6 Questão 09: Marque a alternativa INCORRETA. a) O Instituto Federal Farroupilha poderá reclassificar os alunos, inclusive quando se tratar de transferências entre estabelecimentos situados no País e no exterior, tendo como base as normas curriculares gerais. b) O Instituto Federal Farroupilha tem autonomia para organizar o calendário escolar adequando-o às peculiaridades locais, inclusive climáticas e econômicas, possibilitando, assim, que os câmpus tenham calendários acadêmicos diferentes entre si, embora pertencentes ao mesmo Instituto. c) A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar. d) A verificação do rendimento observará como critérios a avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos, e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais. Assim, por exemplo, embora o aluno tenha reprovado por nota em uma ou duas disciplinas, o conselho de classe final poderá progredi-lo para a etapa seguinte independente da concordância do(s) docente(s) responsável(is) por esta(s) disciplina(s). e) A carga horária mínima anual, no ensino médio, será de oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, incluindo o tempo reservado aos exames finais, quando houver. Questão 10: Marque a alternativa INCORRETA. a) A Educação Profissional e Tecnológica abrange cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional; de educação profissional técnica de nível médio; e de educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação. Assim, pode-se afirmar que os Institutos Federais estão aptos a atuar, diretamente ou por meio de parcerias e convênios, em todos os níveis, formas e modalidades de ensino. b) Na Educação Profissional Técnica de Nível Médio, os docentes deverão considerar o trabalho como princípio educativo, a pesquisa como princípio pedagógico e buscar a formação integral do estudante. c) A Educação Profissional Técnica de Nível Médio é desenvolvida nas formas articulada e subsequente ao Ensino Médio. A articulada, por sua vez, é desenvolvida nas seguintes formas: integrada, concomitante, concomitante na forma, uma vez que é desenvolvida simultaneamente em distintas instituições educacionais, mas integrada no conteúdo. A forma concomitante poderá ainda ser por concomitância interna, na qual os alunos fazem o Ensino Médio separado do Ensino Técnico, mas com matrícula na mesma instituição, ou por concomitância externa, quando o aluno está matriculado em duas instituições, podendo fazer, inclusive, o Ensino Médio no Instituto Federal e o Ensino Técnico em outra instituição profissionalizante. d) A Educação de Jovens e Adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional. Nesse caso, os docentes devem usar metodologias de ensino e avaliação diferenciadas e apropriadas, consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho. e) Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrados têm as cargas horárias totais de, no mínimo, 3.000, ou horas, conforme o número de horas, para as respectivas habilitações profissionais indicadas no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, seja de 800, ou horas. Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, na forma articulada integrada com o Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, têm a carga horária mínima total de horas. 6

7 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questão 11: A linha de pesquisa que trata a língua como representação do pensamento, desvincula a língua de suas características mais relevantes, ou seja, seu aspecto histórico e social. Nessa concepção, o sujeito da enunciação é o responsável pelo sentido consciência individual no uso da linguagem. Portanto, interpretar é descobrir a intenção do falante para o ouvinte. Nesse sentido, é correto afirmar que: a) ensinar os aspectos gramaticais, segundo essa teoria, é dar predominância ao texto. Assim, o ensino de Língua Portuguesa considera o contexto dos sujeitos envolvidos. b) ensinar os aspectos gramaticais, segundo essa teoria, é dar predominância à frase e ao texto. Assim, o ensino de Língua Portuguesa considera a interação entre os sujeitos. c) ensinar os aspectos gramaticais, segundo essa teoria, é dar predominância à frase, ao texto e ao contexto. Assim, o ensino de Língua Portuguesa considera a interação entre os sujeitos. d) ensinar os aspectos gramaticais, segundo essa teoria, é dar predominância à frase, ao texto e ao contexto. Assim, o ensino de Língua Portuguesa considera a interação entre os sujeitos falantes e ouvintes. e) ensinar os aspectos gramaticais segundo essa teoria, é dar predominância a gramática da frase. Dessa maneira, o ensino da Língua Portuguesa fica restrito a frases descontextualizadas, pré-moldadas para determinada finalidade. Questão 12: Podemos conceituar a coesão como o fenômeno que diz respeito ao modo como os elementos linguísticos presentes na superfície textual se encontram interligados entre si, por meio de recursos também linguísticos, formando sequência veiculadora de sentidos. É correto afirmar que: a) existe uma modalidade nomeada remissão. b) existe uma modalidade nomeada sequenciação. c) existem duas grandes modalidades de coesão: a remissão e a sequenciação. d) existem duas grandes modalidades de coesão: anáfora e catáfora. e) existem duas grandes modalidades de coesão: anáfora semântica, mediada ou profunda e catáfora. Questão 13: A importância da língua falada para o estudo científico está, principalmente, no fato de ser nessa língua falada que ocorrem as mudanças e as variações que, incessantemente, vão transformando a língua. É correto afirmar que: a) é aconselhável corrigir quem fala muleque, bêjo, minino, bisôro. b) é importante dar ênfase à escrita, pois a partir dela, ensinamos a falar. c) é preciso ensinar a escrever de acordo com a ortografia oficial, dando ênfase para a norma culta, pois a escola tem um compromisso social com essa variação linguística. d) é preciso ensinar a escrever de acordo com a ortografia oficial, mas não se pode fazer isso tentando criar uma língua falada artificial e reprovando como erradas as pronúncias que são resultado natural das forças internas que governam o idioma. e) as variações linguísticas existem, mas devem ser desconsideradas no ensino de Língua Portuguesa, pois há um compromisso em ensinar a norma culta. 7

8 Questão 14: A Linguística Textual desenvolveu-se como ciência da estrutura e do funcionamento dos textos na década de 60 na Alemanha. Em relação à Linguística Textual é correto afirmar que: a) a Linguística Textual é a capacidade de explicar fenômenos inexplicáveis por meio de uma gramática do enunciado, também chamada de Linguística do Discurso, há uma ampliação do objeto de análise e um progressivo distanciamento da influência teórico-metodológico da Linguística Estrutural saussuriana. b) a Linguística Textual é a capacidade de explicar fenômenos inexplicáveis por meio de uma gramática do enunciado, também chamada de Linguística do Discurso, há uma ampliação do objeto de análise e uma progressiva aproximação da influência teórico-metodológico da Linguística Estrutural saussuriana. c) a Linguística Textual é a capacidade de explicar fenômenos por meio de uma gramática, também chamada de Linguística Estruturalista, há uma ampliação do objeto de análise e uma progressiva aproximação da influência teórico-metodológico da Linguística Estrutural saussuriana. d) a Linguística Textual é a capacidade de explicar fenômenos inexplicáveis por meio de uma gramática do enunciado, tendo como aliada a Linguística Estrutural saussuriana. e) a Linguística Textual tem como objeto de investigação a palavra e a frase, assim existe a necessidade de fazer uma descrição, porém as condições de uso são irrelevantes. Questão 15: A escola, ao realizar a fragmentação do ensino de Língua Portuguesa entre leitura e compreensão, história da literatura, gramática e produção textual, não permite aos alunos uma reflexão/ação em relação à linguagem. É correto afirmar, em relação a Linguística Aplicada, que: a) o professor precisa desenvolver em sala de aula formas de ampliar a capacidade comunicativa do estudante, partindo da produção e recepção de textos de diferentes variedades linguísticas, considerando o contexto. b) a Linguística Aplicada mostra que o ensino de língua materna não deve partir da valorização da língua falada, já que é a modalidade intrínseca ao ser humano, pois aprendem naturalmente. c) não precisamos mais considerar as evoluções linguísticas na sala de aula e viver na concepção da gramática tradicional, sob o domínio da língua escrita. É importante mostrar que a língua falada possui especificidades que precisam ser trabalhadas, mas o foco é a língua escrita. d) os PCNs enfatizam que o ensino de gramática pode ser desarticulado da leitura e da produção de textos, uma vez que estes configuram a totalidade. e) é importante realizar alguns recortes para facilitar o estudo, as frases são unidades significativas e por si trazem muitas informações aos leitores. Questão 16: Morfologia é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras. A morfologia estuda as palavras, olhando para elas isoladamente, e não dentro da sua participação na frase ou período. Portanto, é correto afirmar que: a) a morfologia tem a palavra como objeto de estudo, sendo que a palavra encontra no morfema a sua unidade mínima de análise. A morfologia está agrupada em substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição. b) a morfologia tem a frase como objeto de estudo, sendo que a frase encontra no morfema a sua unidade de análise. c) a morfologia encontra na frase explicações, quando não consegue analisar a palavra isoladamente, a frase ou o período tornam-se aliados dos estudos morfológicos. d) a morfologia tem a palavra como objeto de estudo, sendo que a palavra encontra no morfema a sua unidade mínima de análise. A morfologia está agrupada em substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio e preposição. e) a morfologia concentra-se em estudar somente as classes gramaticais variáveis: substantivo, verbo, adjetivo, artigo, numeral e pronomes. 8

9 Questão 17: O português falado no Brasil apresenta uma diversidade muito grande, para dar conta dessa realidade, a escola precisa considerar no ensino de língua materna os seguintes aspectos: a) apenas a idade e origem geográfica. b) idade, origem geográfica, situação socioeconômica e grau de escolarização. c) apenas a origem geográfica, pois ela é a principal definidora das variações linguísticas da língua portuguesa falada no Brasil. d) apenas idade e grau de escolarização do estudante. e) a situação socioeconômica é importante, mas não definidora das variações linguísticas no português falado no Brasil, portanto, torna-se um aspecto pouco significativo. Questão 18: Podemos dizer que os gêneros textuais estão em movimento constante: alguns desaparecem, outros voltam, sob formas parcialmente diferentes, de acordo com a necessidade de comunicação, surgem novos gêneros. Marque a alternativa correta em relação às formações discursivas dos gêneros textuais. a) o literário: poema, bilhete, diário, panfleto, anedota e recado. b) o publicitário: spot, anotação, convite, protocolo e ensaio. c) o religioso: sermão, crônica, debate e jingle. d) o acadêmico: notícia, reportagem, crônica, resumo e resenha. e) o jornalístico: notícia, reportagem, crônica, tirinha, entrevista e debate. Questão 19: Relacione as colunas, identificando as ideias expressas pelos verbos modais em destaque: 1. I ll reward the son who is the most intelligent. 2. Each of you take one and buy something that will fill my room. 3. The oldest son went to the market, but at first he could not decide [ ] 4. [ ] whether he should buy flowers or straw. ( ) Incapacidade descrita no passado. ( ) Promessa de fazer uma ação futura. ( ) Possibilidade verbalizada no presente. ( ) Certeza quanto a um acontecimento futuro. ( ) Recomendação quanto a uma certa ação. 5. What can I buy with this coin that will fill a whole room? Marque a alternativa que apresenta a sequência correta: a) b) c) d) e)

10 Questão 20: Em relação ao uso das novas tecnologias e do ensino de língua estrangeira, especialmente no ensino de língua inglesa. I. A internet permitiu ao aluno usar a língua-alvo para se integrar em comunidades autênticas e trocar experiências com pessoas do mundo todo que estudam a língua utilizada. II. Propicia situações reais de uso da língua inglesa bem como a interação sobre as questões culturais. III. Tal situação prejudica a atuação do professor como mediador no processo de ensino-aprendizagem. A(s) afirmativa(s) correta(s) é/são APENAS: a) I. b) II. c) I e II. d) I e III. e) II e III. Questão 21: Em relação à formação e transformação da literatura brasileira: eixo temporal e espacial das heranças coloniais e pós-coloniais até a contemporaneidade, podemos destacar a seguinte afirmação: a) as origens da nossa literatura podem formular-se exclusivamente em termos de Europa, onde foi a maturação das grandes nações modernas que condicionou toda a história cultural. b) o problema das origens da nossa literatura não pode formular-se em termos de Europa, onde foi a maturação das grandes nações modernas que condicionou toda a história cultural. c) o problema das origens da nossa literatura não pode formular-se em termos de americana, onde foi a maturação das grandes nações modernas que condicionou toda a história cultural. d) o problema das origens da nossa literatura pode formular-se em termos de Europa, onde foi a maturação das grandes nações modernas e também das literaturas americanas e africanas. e) o problema das origens da nossa literatura não pode formular-se em termos de Europa, onde foi a maturação das grandes nações modernas que condicionou toda a história cultural, mas nos mesmos termos das outras literaturas americanas, isto é, a partir da afirmação de um complexo colonial de vida e de pensamento. Questão 22: Em uma época em que os processos sociais, políticos, econômicos, tecnológicos e culturais são tão dinâmicos, globalizados e complexos, e tendo em vista que as mudanças oriundas de tais processos, geralmente, são construídas e circulam na internet, em primeira instância, em inglês, o professor de línguas, principalmente o de inglês, tem um papel fundamental na educação linguística. Fonte: MOITA LOPES, É por meio da educação linguística que o professor de inglês pode contribuir para que seus alunos se situem, entendam a dinâmica e a complexidade de uma sociedade que exclui e seleciona, e possam agir consciente e politicamente com o intuito de melhorá-la. Assim, saber inglês e informática, nessa nova ordem mundial, é a possibilidade de o ser humano se incluir nos discursos dominantes e de rápida circulação no mundo contemporâneo. A alternativa que complementa essa ideia é: a) later waves of more mechanised technologies like PCs, and language laboratories, have not removed the bottlenecks but have, on the contrary, implicated fresh bottlenecks, mainly due to the requirements of the machines to represent things in terms of codes that are processed the way humans process natural language. b) talking about blogs means to talk about student-centered learning, collaborative knowledge spaces. c) the teacher guides empowers students to discover the facts, processes and concepts necessary to complete their understanding of a topic and to use this in writing a paper, creating a plan, or carrying out a project. There isn t strong evidence that students become empowered and engaged in the activities they carry out while using computers. 10

11 d) it is assumed that one first learns how to manipulate structures, that one gradually builds up a repertoire of structures and then, somehow, learns how to put the structures to use in discourse. We would like to consider the possibility that just the reverse doesn t happen. One learns how to do conversation, one learns how to interact verbally, and out of this interaction syntactic structures are developed. e) by using the Internet, English learners fell more motivated toward language learning, not only because they can find a real context for authentic communication and cross-cultural interaction with native speakers or other English learners from all parts of the world, but also because they can find several advantages which are extremely important for their language learning process. Questão 23: O crescimento da demanda do ensino de inglês para fins específicos (ESP) ocorreu com o fim da Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, com o enriquecimento dos países produtores de petróleo, devido à crise dos anos 70. A abordagem do inglês para fins específicos baseia-se em três principais domínios do conhecimento: linguagem, pedagogia e a área específica de conhecimento do aluno. O desenvolvimento do ensino de inglês para fins específicos ocorreu devido a três fatores importantes: I) enorme expansão científica, técnica e econômica; II) desenvolvimento das pesquisas em Linguística; e III) desenvolvimento da Psicologia Educacional. A partir disso, é correto afirmar que: a) o desenvolvimento do ensino de inglês para fins específicos advém do desenvolvimento no campo da Linguística. No momento em que os cursos de inglês começaram a considerar as necessidades dos alunos, novas ideias começaram a surgir nos estudos sobre o uso real da língua na comunicação. Com isso, observou-se uma mudança de foco, passou-se de uma visão de linguagem como veículo de comunicação para a descrição de regras gramaticais. b) a expansão científica, técnica e econômica criou um mundo unificado, globalizado, gerando uma demanda por uma língua internacional. Devido ao poder econômico dos Estados Unidos no mundo pós-guerra, esse papel recaiu sobre o inglês. Surgiu, então, uma nova geração de aprendizes com objetivos e necessidades para aprender a língua inglesa: comerciantes que queriam vender seus produtos, mecânicos que precisavam ler manuais, médicos que precisavam se manter informados acerca do desenvolvimento de pesquisas dentro de sua área, e estudantes que precisavam acessar materiais, tais como livros e periódicos, em inglês. c) o desenvolvimento do ensino de inglês para fins específicos encontra-se diretamente ligado ao desenvolvimento da Psicologia Educacional, ressaltando a importância do aluno e suas atitudes em relação à aprendizagem. Com isso, as diferentes necessidades e interesses do aluno deixaram de ser consideradas como uma importante influência na motivação para aprender e na eficácia de sua aprendizagem. Isso acarretou o desinteresse dos alunos pelos cursos de inglês. d) as necessidades dos alunos são compreendidas em termos de conteúdos gramaticais e lexicais necessários a determinadas áreas de interesse. Com o objetivo de elaborar um programa de curso mais relevante para as necessidades dos alunos, é necessário analisar o registro almejado a fim de identificar as características linguísticas típicas desses registros, que depois são utilizadas como programa de curso. A análise de registro, como é denominada, caracterizou a primeira fase de desenvolvimento do ensino de inglês para propósitos específicos, e, por ser assim, voltou-se para o nível do discurso. e) anteriormente, a preocupação recaía sobre o que se faz com a língua; a partir de então, o interesse centra-se nos processos de aprendizagem de línguas em como se aprende uma língua. Essa abordagem leva em consideração o fato de que os alunos aprendem da mesma maneira, mesmo tendo interesses diferentes. 11

12 Questão 24: No ensino da Língua Inglesa para fins específicos, as habilidades de leitura são desenvolvidas por diferentes tipos de atividades que visam desenvolver as estratégias de leitura. Marque a alternativa que apresenta a estratégia de leitura condizente ao propósito de ensino e aprendizagem: a) skimming: motivar o aluno a ler rapidamente o texto a fim de obter a ideia principal, com a ajuda do título e de figuras; responder perguntas de compreensão geral sobre o que trata o texto; resumir o texto ou parágrafo a partir das sentenças que o sintetizam. b) antecipação: motivar o aluno a refletir sobre o texto antes mesmo de lê-lo e a antecipar o tema, a tese e os argumentos defendidos pelo autor. c) previsão: motivar o aluno a adivinhar sobre um determinado texto simplesmente pela análise de figuras, quando houver, e a prever a ordem cronológica de acontecimentos em caso de sequências narrativas ou expositivas. d) inferência: motivar o aluno a deduzir o significado e uso de itens lexicais desconhecidos por meio de dicas contextuais e, a partir disso, deduzir a organização semântica do texto. e) scanning: motivar o aluno a ler minuciosamente o texto com o objetivo de encontrar as informações necessárias à compreensão contextual. Questão 25: Em relação à formação de palavras em Língua Inglesa, é correto afirmar que: a) os prefixos un-, in-, im-, mis-, dis- acrescentam um significado negativo ou oposição de ideia às palavras de origem, como em information. b) o sufixo ness é acrescentado a adjetivos para formar substantivos, como em emptyness. c) o sufixo less é acrescentado a substantivos e forma adjetivos com o sentido de provido de, como em moonless. d) o sufixo ship é acrescentado a substantivos abstratos e forma substantivos concretos, como em partnership. e) o sufixo ness é acrescentado a adjetivos para formar substantivos abstratos, como em homesickness. Questão 26: Uma pessoa que adquire a competência comunicativa: a) adquire conhecimento sobre a língua. b) adquire tanto o conhecimento quanto a habilidade de usar a língua. c) adquire apenas a habilidade de usar a língua. d) adquire apenas as habilidades de speaking and reading. e) adquire apenas as habilidades de writing and listening. 12

13 Questão 27: Relacione os mecanismos de coesão da primeira coluna de acordo com os exemplos de enunciados em Língua Inglesa da segunda coluna: 1. Referência anafórica 2. Substituição 3. Elipse 4. Conjunção 5. Coesão Lexical ( ) Carol bought a red T-shirt, but your boyfriend preferred a green one. ( ) Mac Cartney left England after interstitium. ( ) He had three cars: he drove the cheaper every day, the most beautiful every Saturday, and the most expensive once a month. ( ) The boy seemed to be scarred, because there was a big road traffic accident and lots of ambulances were taking victims to the hospital. ( ) Victor and Alexsia are excellent lawyers. He and she studied at the same institution. A sequência correta é APENAS: a) b) c) d) e) Questão 28: Mais de 40 mil estudantes voltam às aulas em Porto Alegre Rede municipal de ensino tem 96 escolas, 55 de Ensino Fundamental Cerca de 44 mil estudantes matriculados em 55 escolas de Ensino Fundamental da rede municipal de Porto Alegre voltaram às aulas nesta quarta-feira. Conforme a titular da Secretaria de Educação (Smed) da Capital, Cleci Jurach, as instituições de ensino estão preparadas para receber os alunos. A secretária garante que os problemas encontrados na rede estadual, como danos na estrutura de prédios, não ocorrem em Porto Alegre. A rede municipal de ensino possui 96 escolas. São 4 mil professores e 1,2 mil funcionários. A Prefeitura oferece Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Educação Profissional de Nível Técnico, e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Segundo a secretária, o número de matriculados pode subir para 50 mil estudantes no final do período de inscrições. Fonte: Tópico frasal é a ideia central do parágrafo exposta num período, também conhecido como período tópico ou frase síntese. Podemos destacar a seguinte ideia como tópico frasal do texto: a) rede municipal de ensino tem 96 escolas, 55 de Ensino Fundamental. b) cerca de 44 mil estudantes matriculados em 55 escolas de Ensino Fundamental da rede municipal de Porto Alegre voltaram às aulas nesta quarta-feira. c) conforme a titular da Secretaria de Educação (Smed) da Capital, Cleci Jurach, as instituições de ensino estão preparadas para receber os alunos. d) a secretária garante que os problemas encontrados na rede estadual, como danos na estrutura de prédios, não ocorrem em Porto Alegre. e) a rede municipal de ensino possui 96 escolas. São 4 mil professores e 1,2 mil funcionários. 13

14 Questão 29: Marque a alternativa que apresenta uma sentença na voz passiva: a) The virus H1N1 was first detected in people in the United States in April b) People eat avocado with sugar in Brazil. c) The balloon is in an area of blockage and is inflated. d) Alfred raises cows and pigs. e) Leonardo da Vinci painted Mona Lisa. Questão 30. A abordagem comunicativa defende a aprendizagem: a) centrada apenas no livro didático. b) centrada no professor como única fonte de conhecimento. c) centrada no aluno não só em termos de conteúdo, mas também de técnicas usadas em sala de aula. d) centrada em técnicas audiolinguais. e) centrada em regras gramaticais. Questão 31: Analise as assertivas a respeito de gêneros textuais e o ensino de Língua Estrangeira (Inglês): I. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) de Língua Estrangeira, um dos maiores desafios para os professores está em buscar constantemente meios para motivar seus alunos à aprendizagem de uma segunda língua, além de levá-los à conscientização de que a aprendizagem de uma ou mais Línguas Estrangeiras pode ser entendida como força libertadora, tanto em termos culturais quanto em profissionais. Diante disso, a proposta de se trabalhar com gêneros textuais no ensino de Língua Inglesa já é peça fundamental nos Projetos Políticos Pedagógicos das escolas brasileiras. II. A proposta de se trabalhar com gêneros textuais fundamenta-se na compreensão de que ensinar gênero não é apenas ensinar a se comunicar, mas também é, principalmente, formar sujeitos agentes do mundo e no mundo, agentes que irão transformar o mundo e serão transformados por ele (Fonte: Abreu-Tardelli, 2007), ou seja, partimos da compreensão de que o gênero possibilita a comunicação e a ação no mundo, por isso a importância de o professor utilizar-se dos vários gêneros discursivos disponíveis na internet para ensinar Língua Inglesa, inserindo o aluno em contextos reais de interação sócio-comunicativa. III. Ao objetivar propor mudanças significativas no ensino-aprendizagem da Língua Estrangeira, os PCN s (2000) estabelecem a eficácia dos gêneros discursivos no ensino e direcionam os currículos para um ensino mais eficaz. Essas diretrizes têm o objetivo de promover a aprendizagem competente, levando o aluno a construir apenas a habilidade comunicativa. IV. Entre as competências e habilidades que devem ser desenvolvidas em Língua Inglesa, com o ensino de gêneros textuais, estão a representação e comunicação (escolha do registro adequado à situação na qual se processa a comunicação e o vocabulário que melhor reflete a ideia que se pretende comunicar, utilizando processos de coerência e coesão na produção oral e escrita, estratégias verbais e não verbais para compensar as falhas e usar as línguas estrangeiras como instrumento de acesso a culturas diferentes e outros grupos sociais) e a contextualização sócio-cultural (no que se refere a saber distinguir as variedades linguísticas e compreender em que medida os enunciados refletem a forma de ser, pensar, agir e sentir de quem os produz). A(s) alternativa(s) corretas é/são APENAS: a) IV. b) I e II. c) I, II e III. d) I, II e IV. e) II, III e IV. 14

15 Questão 32: Os marcadores discursivos em Língua Inglesa, frequentemente representados por conjunções, são termos utilizados para ligar orações e ideias, indicando como elas se relacionam. Esses elementos constituem um importante recurso de coesão textual. Relacione as colunas, indicando o que cada marcador discursivo está sinalizando: 1. Sometimes it is not only wise to listen to your parents but also interesting. 2. On the one hand I d like a job which pays more, but on the other hand I enjoy the work I m doing at the moment. 3. Progress so far has been very good. Therefore, we are confident that the work will be completed on time. ( ) Tempo / sequência cronológica ( ) Adição ( ) Conclusão ( ) Contraste ( ) Causa 4. All the arrangements should be completed prior to your departure. 5. To sum up, for a healthy heart you must take regular exercise and stop smoking. Marque a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo: a) b) c) d) e) Questão 33: Na competência comunicativa: a) as quatro habilidades (ouvir, ler, falar, escrever) são vistas de maneira integrada e fazendo parte das competências: gramatical, sociolinguística, discursiva e estratégica. b) os textos não devem ser autênticos e o ambiente da sala de aula não interfere na aprendizagem. c) as atividades e tarefas não são os principais meios no processo de ensino-aprendizagem da língua. d) há sistematização em termos de estrutura ou do ensino de itens e situações. e) não considera as variantes da segunda língua e as situações reais de comunicação que o aprendiz possa vir a entrar em contato. Questão 34: Pair of work "and" Role play "are some of the activities related to: a) total physical response. b) silent way approach. c) audio lingual method. d) communicative approach. e) grammar translation method. 15

16 Questão 35: In task based language teaching is believed that, in the communicative foreign language teaching, the ends and the means are equal. This is equivalent to stating that: a) on longer content to be evaluated, only communicative practice activities. b) learn to communicate in a foreign language by communicating it since the beginning of learning. c) communicate in a foreign language should not be the main objective. d) grammar is no longer needed in communicative teaching. e) courses in foreign language, with communicative teaching, have become endless. Questão 36: With regard to the teaching and learning of languages in an interactive approach, the classroom is not only seen as the place to learn the mother tongue or foreign language. It is also the place for: a) learning to think about learning and the factors that affect the process of teaching and learning. b) strengthen the role of the teacher as the center of the process. c) eliminating student interaction in that case. d) teaching concepts of discipline and good behavior, aiming at optimal learning of the English language. e) reproducing cultural patterns of countries where English is the official language. Questão 37: Following a procedure in a foreign language class, the correct sequence is: ( ) test and use: is the stage where the student tests the correct and fluent use in specific situations. ( ) presentation: the student is familiar with the language in use to be imaged. ( ) feedback: stage for recognition of what has been worked in this class. ( ) climate and trust: the stage where the teacher seeks to minimize discouraging factors. a) b) c) d) e) Questão 38: How long have you at the American consulate? a) is working. b) had worked. c) has worked. d) been working. e) was worked. 16

17 Questão 39: The child mustn t get out of his room. The underlined word indicates: a) no necessity. b) prohibition. c) inability. d) no obligation. e) no possibility. Questão 40: The sociolinguistic competence: a) decreases the opportunity to practice the language because knowledge of the social rules that govern the use of language is not important. b) does not expose the speaker in the language. c) allows you to choose the appropriate linguistic form in accordance with the conditions of the speech act: the situation and the goals and intentions of the speaker. d) does not allow to choose the appropriate linguistic form in accordance with the conditions of the speech act: the situation and the goals and intentions of the speaker. e) does not provide knowledge of the particularities of social and verbal behavior of speakers. 17

18 18 Concurso Público Docente - PORTUGUÊS/INGLÊS

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

Art. 3º Os detentores de cargo de Educador Infantil atuarão exclusivamente na educação infantil.

Art. 3º Os detentores de cargo de Educador Infantil atuarão exclusivamente na educação infantil. LEI Nº 3464/2008 de 20.03.08 DÁ NOVA DENOMINAÇÃO AO CARGO DE MONITOR, INCLUI SEUS OCUPANTES NO PLANO DE CARGOS, CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE FRANCISCO BELTRÃO, NA ÁREA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação básicab Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Ementa da Disciplina Os caminhos da educação brasileira. A estrutura e organização do ensino no

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio. Professor: Uilson Nunes de Carvalho Júnior

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio. Professor: Uilson Nunes de Carvalho Júnior PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular:

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. LIBRAS LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no exercício de

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a regulamentação e o funcionamento do Sistema de Organização Modular de Ensino SOME, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e dá outras Providências. Lei: A

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ESPAÑOL: INTERMEDIARIO

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares constituem ações que devem ser desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará.

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. RESOLUÇÃO N.º 361/2000 Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. O Conselho de Educação do Ceará (CEC), no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade de regulamentar

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. FINANÇAS E ECONOMIA LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Supervisor do Curso Titulação Nome do Curso Características

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Encontro Nacional da Uncme Outubro/2013 (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

Regulamento Interno INCO-CEPEL

Regulamento Interno INCO-CEPEL Regulamento Interno INCO-CEPEL 1. DA NATUREZA DO PROGRAMA O Centro de Estudos e Pesquisas em Ensino de Línguas (CEPEL) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP) destina-se à pesquisa,

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Jairo de Oliveira EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. Jairo de Oliveira EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Hospedagem FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura (

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn

RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn RESOLUÇÃO N 26/95 - CUn INSTITUI O PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO E ESTABELECE NORMAS PARA A CONCESSÃO DE HORÁRIO PARA SERVIDORES ESTUDANTES, AFASTAMENTO PARA ESTUDOS E PROMOÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto

REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU. Título I Do objeto REGULAMENTO DA AGÊNCIA EXPERIMENTAL DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA AGÊNCIA BARU Título I Do objeto Art. 1º. A Agência Experimental é um laboratório vinculado ao Curso de Comunicação Social - com habilitação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais