Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura"

Transcrição

1 Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura Capítulo I Da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) Artigo 1º A Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) é um colegiado autônomo, de caráter representativo de Pontos e Pontões de Cultura inscritos no Cadastro Nacional de Pontos e Pontões de Cultura, instituído por iniciativa dos Pontos e Pontões de Cultura, e integrada por representação eleita em Fórum Nacional de Pontos e Pontões de Cultura e Fóruns Estaduais de Pontos e Pontoes de Cultura. Parágrafo Primeiro Sua articulação permanente se dá por meio da articulação da Rede Nacional de Pontos de Cultura, nos grupos Estaduais, Regionais e Temáticos, com a participação dos representantes em encontros presenciais e\ou virtuais do Fórum Nacional dos Pontos de Cultura. Parágrafo Segundo Entendem-se como pontos de cultura entidades jurídicas de direito privado sem fins lucrativos, grupos ou coletivos sem constituição e/ou personalidade jurídica, de natureza ou finalidade cultural, que desenvolvam e articulem atividades culturais em suas comunidades. Parágrafo Terceiro: O Fórum Nacional dos Pontos de Cultura é uma instância colegiada e representativa da Rede de Pontos e Pontões de Cultura inscritos no Cadastro Nacional de Pontos de Cultura, de caráter deliberativo, no âmbito da sociedade civil participante da Política Nacional de Cultura Viva, instituído por iniciativa dos Pontos e Pontões de Cultura e realizado com apoio da gestão pública, integrado por instâncias de caráter territorial em âmbito nacional, estadual, do Distrito Federal, municipal ou regional, de caráter temático e/ou identitário, com o objetivo de propor diretrizes e recomendações à gestão pública e compartilhada da Política Nacional de Cultura Viva, bem como eleger representantes dos Pontos e Pontões de Cultura junto às instâncias de participação e representação da PNCV que se reúne, obrigatoriamente, de modo presencial, a cada dois anos. Parágrafo Quarto: O Movimento e a Rede Nacional dos Pontos de Cultura são compostos por Pontos de Cultura, Pontões e Ações Estruturantes, reconhecidas pelo MinC e/ou Secults, e inseridos no Cadastro Nacional de Pontos de Cultura, instituído pela Lei da Cultura Viva. Parágrafo Quinto: A CNPdC é um espaço de representação formal, reconhecida pela Instrução Normativa que regulamente a Lei 13018, deve ter garantia de estruturação executiva e realização de, no mínimo, três encontros presenciais anuais, manutenção de plataforma para discussão virtual permanente e garantia de recursos para mobilização e articulação dos planos de trabalho dos GTs Estaduais e Temáticos, com recursos do orçamento da Política Nacional de Culta Viva. Capítulo II Dos Objetivos

2 Artigo 2º A CNPdC tem como objetivo geral garantir o fortalecimento dos Pontos e Pontões de Cultura em todo o território brasileiro, sendo instância permanente de deliberações sobre a atuação e representação político-cultural dos Pontos e Pontões, apontando e identificando demandas e elaborando propostas para o desenvolvimento de políticas públicas e ações culturais no país. Artigo 3º São objetivos específicos da CNPdC: Elaborar propostas de Políticas Públicas de Estado para a Cultura no Brasil, em especial no que se refere aos Pontos de Cultura, à Política Nacional de Cultura Viva, ao Sistema Nacional de Cultura e demais ações governamentais que envolvam a participação social e o protagonismo da sociedade civil. Atuar na formulação, acompanhamento e fiscalização da Lei Cultura Viva e outros marcos legais que afirmem a Cultura como direito de cidadania e dever do Estado, reconhecendo a autonomia e o protagonismo e a diversidade cultural da sociedade brasileira. Articular, mobilizar e contribuir para o fortalecimento dos Fóruns, Redes estaduais e regionais de Pontos de Cultura. Fortalecer ações transversais em rede entre Pontos de Cultura e movimentos sociais de todo o país. Promover o diálogo sobre os desafios institucionais da gestão compartilhada das Políticas Públicas de Cultura entre o Estado e a sociedade civil. Construir uma pauta política e uma agenda de ações do Movimento Nacional dos Pontos de Cultura, Articular o Movimento Nacional dos Pontos de Cultura com os movimentos e redes de cultura viva comunitária na América Latina. Elaborar modelos de gestão e avalição de Redes de Pontos de Cultura no Brasil, de forma a fortalecer as ações transversais entre os Pontos. Capítulo III Do funcionamento Artigo 4º A CNPdC será formada por representações de Grupos de Trabalho Estaduais e representações de Grupos de Trabalho (GTs) Temáticos Parágrafo Primeiro: As Representações ou Colegiados Estaduais serão escolhidas e indicadas pelos respectivos Fóruns Estaduais, observando a autonomia organizativa de cada estado, e tomará posse na CNPdC imediatamente após sua indicação pelo Fórum Estadual. Parágrafo Segundo: Os representantes ou Colegiados dos Grupos Temáticos (GTs) serão eleitos e empossados no FNPdC, observando sua autonomia organizativa, com mandato até a realização do próximo FNPdC. Parágrafo Terceiro Todos os membros que compõem os Colegiados e os representantes titulares e suplentes têm direito a voz na lista de discussão virtual da CNdPC.

3 Parágrafo Quarto: Nos GTs com representação de titularidade e suplência, os (as) representantes titulares da CNPdC têm direito a voz e voto nas reuniões presenciais e participação virtual na lista de discussão. Os representantes suplentes substituem os titulares, com as mesmas prerrogativas de voz e voto, em caso de ausência dos mesmos nas reuniões presenciais. Em caso de afastamento temporário ou definitivo do representante titular, o suplente eleito no assume em caráter definitivo a titularidade. Parágrafo Quinto: Nos GTs cuja representação é colegiada, para cada decisão virtual e/ou reunião presencial, o Colegiado indicará um representante do GT para participação plena. Os indicados têm direito a voz e voto nas reuniões presenciais e nas reuniões deliberativas virtuais. Parágrafo sexto: Para as reuniões presenciais e deliberações virtuais, a indicação do representante dos GTs Colegiados deverá ser feita dentro do prazo determinado pela convocação no espaço virtual pela Subcomissão Permanente interna de Comunicação, conforme metodologia e dinâmica de cada GT. A Falta de indicação no prazo determinado, ou em caso de mais de uma indicação, o GT ficará impedido de participar da reunião presencial. Parágrafo Sétimo A representação de titulares e suplentes, ou dos membros dos Colegiados Temáticos é intransferível e será reconhecida a partir da eleição no Fórum Nacional. Os GTs Estaduais, respeitado o princípio de autonomia dos Fóruns Estaduais para as escolhas de suas representações estaduais, deverão enviar à CNPdC a Ata da reunião que decidir pela troca dos seus representantes ou membros do Colegiado, devidamente assinada pelos participantes que legitimaram o Ato. Paragrafo Oitavo: Gestor público federal, estadual ou municipal não poderá ser integrante da CNPdC. Caso um representante se torne gestor, este deverá comunicar e se desligar prontamente da CNPdC. Artigo 5º Todos os representantes, titulares, suplentes e membros colegiados da CNPdC terão autonomia para representar esta comissão junto a reuniões, plenárias, fóruns, conselhos e eventos, cabendo ao representante comunicar esta participação na lista de discussão virtual, observando os objetivos da CNdPC e as deliberações aprovadas no FNPdC. O mesmo deverá apresentar relatório de participação à CNdPC na lista virtual da referida Comissão. Artigo 6º Todos os representantes titulares, suplentes e membros colegiados da CNPdC que participam da lista virtual de discussão devem zelar pelo bom funcionamento dessa ferramenta, observando o regulamento específico definido e consensuado na rede. A moderação da lista é atribuição da Comissão Executiva da CNPdC. Artigo 7º A CNPdC deverá tornar públicas, em espaço oficial, as ações gerais e especificas das representações e/ou colegiados dos Gts Estaduais e Temáticos, assim como seus relatórios de atividades e documentação do debate, a fim de

4 facilitar a participação por parte da Rede dos Pontos de Cultura nas discussões da CNPdC. Artigo 8º Cada Grupo de Trabalho da CNPdC deve elaborar um plano de trabalho com a definição dos objetivos, atividades e metodologias, com a finalidade de avaliar o funcionamento e contribuição de sua atuação. Parágrafo Primeiro: Os planos de trabalho serão apresentados e validados na primeira reunião presencial da CNdPC, após a realização do FNPC. Parágrafo segundo: Excepcionalmente, na gestão da CNPdC eleita no IV Fórum Nacional de Pontos de Cultura, terão prazo de 60 dias, a partir da aprovação do presente regimento, para a apresentação de seus Planos de Trabalho. Parágrafo Terceiro: Os GTs que não apresentarem seus planos de trabalho ou em caso de não cumprimento das metas estabelecidas nos mesmos, terão sua participação suspensa nas reuniões presenciais da CNPdC, até a regularização de sua situação, tendo direito a voz e voto nas discussões virtuais. Capítulo IV Sobre os Grupos de Trabalho (GTs) de Áreas Temáticas e Ações: Artigo 09 Os representantes dos GTs da CNPdC foram constituídos na Plenária Final do IV FNPdC (2014) e representam as Ações Nacionais do Programa Cultura Viva, e diversas Áreas Temáticas que expressam a diversidade da rede nacional dos Pontos de Cultura. Parágrafo Único Os GTs Temáticos que compõem a CNPdC são: 1. ACAO GRIÔ 2. ACESSIBILIDADE CULTURAL 3. AMAZÔNICO 4. AUDIOVISUAL 5. CAPOEIRA 6. CIRCO 7. COMUNICAÇÃO COMUNITARIA 8. CRIANÇA E ADOLESCENTE 9. CULTURA DIGITAL 10. CULTURAS E ARTE NEGRA 11. CULTURA E SAÚDE 12. CULTURA POPULAR 13. DANCA 14. ECONOMIA SOLIDARIA 15. ESCOLA VIVA 16. GÊNERO 17. HIP HOP 18. INDÍGENAS

5 19. JUVENTUDE 20. INTEGRAÇÃO LATINO AMERICANA 21. LEGISLAÇÃO E GESTÃO 22. LGTB/SEXUALIDADES 23. LIVRO, LEITURA E LITERATURA 24. MATRIZ AFRICANA 25. MEMORIA E MUSEOLOGIA SOCIAL 26. MÚSICA 27. PATRIMONIO IMATERIAL E CULTURAS TRADICIONAIS 28. PATRIMÔNIO MATERIAL 29. CULTURA DE PAZ 30. PESQUISA 31. PONTÕES E ARTICULAÇÃO DE REDES 32. PONTOS DE CULTURA RURAIS 33. SUSTENTABILIDADE 34. TEATRO Artigo 10 Os (as) representantes dos GTs terão autonomia para elaboração de pauta, programação e metodologia de ação e organização de suas redes específicas, observando os objetivos da CNPdC, e a pauta política do Movimento e da Rede Nacional dos Pontos de Cultura, expressas nas resoluções do FNPdC. Artigo 11 Os (as) representantes dos GTs, caso estejam impedidos de representar suas respectivas Áreas Temáticas e Ações, serão substituídos pelos suplentes que tenham sido indicados pelas Áreas Temáticas e Ações na CNPdC, no respectivo Fórum. Capitulo V Das Subcomissões Internas Permanentes da CNPdC Artigo 12 São Subcomissões Internas e Permanentes da CNPdC: 1. Mobilização 2. Sustentabilidade 3. Produção 4. Articulação / Secretaria 5. Pesquisa / Memória 6. Comunicação 7. Legislação e Gestão Artigo 13: As subcomissões Internas e Permanentes da CNPdC terão como função primordial a condução e os tramites internos da mesma, sendo essas subcomissões instrumentos de apoio para os GTs Temáticos e Estaduais na implementação de seus planos de Trabalho.

6 Parágrafo Primeiro: As subcomissões Internas serão formadas por Cinco representantes cada, que serão indicados na primeira reunião presencial de cada nova gestão da CNPdC. Parágrafo Segundo: Cada subcomissão Internas indicará um (a) representante titular para fazer parte da Comissão Executiva da CNPdC. Parágrafo Terceiro: Os Representantes das Subcomissões Internas poderão ser substituídos(as) a qualquer tempo, sendo essa substituição realizada pela plenária das reuniões presenciais da CNPdC, desde que justificada, fundamentada e de plena concordância dos presentes. Parágrafo Quarto: As Subcomissões terão autonomia para elaboração de pauta, programação e metodologia de ação e organização, inclusive na substituição de Representante Titular que compõe a Comissão Executiva. Capitulo VI Da Comissão Executiva da CNPdC Artigo 14 A Comissão Executiva da CNPdC será formada por um(a) Representante Titular de cada uma das subcomissões Internas permanentes da CNPdC. Artigo 15 A Comissão Executiva será a instância de administração interna e operacional da CNPdC, cabendo a mesma a responsabilidade pelos trabalhos de secretaria, articulação, comunicação, produção, memória, sustentabilidade e cumprimento deste regimento Interno e demais Documentos que regem a CNPdC Artigo 16 Os casos omissos neste Regimento serão resolvidos pela CNPdC ad referendum a realização do FNPdC. Artigo 17 Este Regimento entra em vigor na data de sua aprovação. Brasília, 11 de dezembro de 2014

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO

E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO E S T A T U T O TÍTULO I DA NATUREZA, CONSTITUIÇÃO E DURAÇÃO Art. 1º - O Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária, ForExt, instituído em 29 de outubro de 1999 1 é entidade representativa das Universidades

Leia mais

Sistema Nacional de Cultura

Sistema Nacional de Cultura Sistema Nacional de Cultura O Sistema Nacional de Cultura (SNC) é um instrumento de gestão compartilhada de políticas públicas de cultura entre os entes federados e a sociedade civil. Seu principal objetivo

Leia mais

IV CONFERÊNCIA INTERMUNICIPALDE POLÍTICAS PARA AS MULHERES MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA- PARANÁ Mais direitos, participação e poder para as mulheres

IV CONFERÊNCIA INTERMUNICIPALDE POLÍTICAS PARA AS MULHERES MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA- PARANÁ Mais direitos, participação e poder para as mulheres REGULAMENTO Capítulo I Da Conferência Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade definir regras gerais de funcionamento da IV Conferência Intermunicipalde Políticas para as Mulherese estabelecer

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COLEGIADO DE CURSO São Paulo 2011 TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza e das Finalidades

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO

FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM REGIME DE ABRIGO NO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE FÓRUM DE ABRIGOS REGIMENTO INTERNO TITULO I Da natureza e das diretrizes Art.1º O Fórum

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2012 CONSUNI Homologa o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade Federal da Fronteira Sul. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade Federal da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Abril/ Secretaria Executiva: (96) /

REGIMENTO INTERNO. Abril/ Secretaria Executiva: (96) / REGIMENTO INTERNO Abril/2017 1. DA NATUREZA E DAS ATRIBUIÇÕES 2. DOS OBJETIVOS 3. DA COMPOSIÇÃO 4. DOS DIREITOS E DEVERES 5. DA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO 6. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS DA NATUREZA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência REGIMENTO INTERNO

PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da natureza, da finalidade e da sede Art. 1º - O PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência - é uma instância de integração, discussão

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS 9º Congresso Regional de Psicologia (COREP) do Conselho Regional de Psicologia - Minas Gerais - 4ª Região (CRP-MG) Etapa Regional do 9º Congresso Nacional de Psicologia (CNP) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA 11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE Curitiba / 2011 APROVADO NA 5ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS 9º Congresso Regional de Psicologia (COREP) do Conselho Regional de Psicologia - Minas Gerais - 4ª Região (CRP-MG) Etapa Regional do 9º Congresso Nacional de Psicologia (CNP) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DOS CURSOS OFERECIDOS PELA FATESP Teresina PI /2014. REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º O presente Regulamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de São João del-rei

Prefeitura Municipal de São João del-rei Mensagem n 045/2013 Do: Gabinete do Prefeito Ao: Exmº Sr. Vereador Antônio Carlos de Jesus Fuzatto Presidente da Câmara Municipal de São João del-rei Senhor Presidente, Com os nossos respeitosos cumprimentos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.735, DE 3 DE MAIO DE 2016 Dispõe sobre a composição, a estruturação, as competências e o funcionamento do Conselho Nacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS - UNILAGO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO São José do Rio Preto 2015 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008)

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) 1 DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) Cria a Comissão Nacional de Combate à Desertificação - CNCD e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I.

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - Este regimento tem como objetivo orientar a realização da 5ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (SANS)

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

MUNiCíPIO DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO

MUNiCíPIO DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO / / MUNiCíPIO DE PORTO ALEGRE FÓRUM REGIONAL DE PLANEJAMENTO - REGIÃ$ 1 REGIMENTO INTERNO CAPITULO I - NATUREZA, FINALIDADE E ATRIBUIÇÕES Art. 1. O Fórum Regional de Planejamento (FRP-I) é a instância

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 19, DE 23 DE MAIO DE 2016.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 19, DE 23 DE MAIO DE 2016. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 19, DE 23 DE MAIO DE 2016. Retifica o Regulamento do Comitê de Tecnologia da Informação do IFSC e dá outras providências. A PRESIDENTE DO DO IFSC no uso das atribuições que lhe foram

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE BARBALHA-CE

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE BARBALHA-CE SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE BARBALHA-CE Ofício Nº 0012204/2010 Da: Presidente do Sindicato dos Servidores dos Servidores Públicos Municipais de Barbalha-Ceará Professora Teresa Maria

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO do município de Areal, no âmbito de ação e conforme preceitua sua Lei de Criação

Leia mais

Lei do Estado de Pernambuco nº , de

Lei do Estado de Pernambuco nº , de Lei do Estado de Pernambuco nº 13.490, de 01.07.2008 Cria o Conselho Estadual das Cidades do Estado de Pernambuco ConCidades-PE, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Faço saber

Leia mais

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprova o Regimento Interno da Câmara de Saúde Suplementar CSS. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A ATUALIZAÇÃO ESTRUTURAL E ADMINISTRATIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE NOBRES CMAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. SEBASTIÃO

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências. Decreto Nº 4.829, de 3 de setembro de 2003 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de

Leia mais

LEI Nº , DE 22 JULHO DE 2014.

LEI Nº , DE 22 JULHO DE 2014. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13018.htm LEI Nº 13.018, DE 22 JULHO DE 2014. Mensagem de veto Institui a Política Nacional de Cultura Viva e dá outras providências. A PRESIDENTA

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS CAMPUS CANOAS CAPÍTULO I DO CONCEITO REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRS Regulamenta o funcionamento dos Colegiados dos Cursos Superiores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus

Leia mais

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS ANEXO EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENAÇÃO DO FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO LUÍS O Fórum Permanente Municipal de Educação de São Luís FME/SL com sede nesta cidade, através de sua Coordenação, devidamente

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia

Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia TÍTULO I Da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia - ENEBio Art. 1 A ENEBio é a entidade representativa, a partir de suas instâncias horizontais

Leia mais

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA 1 Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 PROGRAD/PRODOCÊNCIA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA Art. 1º. A Conferência das Licenciaturas, biênio 2015/2016, promovida pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve: BA-Itagibá, 01 de Abril de 2015. Resolução nº. 001/CMDCA/2015 Dispõe sobre a CONVOCAÇÃO da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e outras Providências. O Conselho Municipal dos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR SSPES REGULAMENTO DO NDE 1 REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) Artigo 1º - O Núcleo Docente Estruturante é órgão de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS FACIG REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS FACIG REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS FACIG REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE 1 Sumário TÍTULO I... DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... TÍTULO II... DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE)... CAPÍTULO I DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Deliberativo da PREVI NOVARTIS ( Regimento

Leia mais

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FEFISO Faculdade de Educação Física da ACM de Sorocaba - Comissão Própria de Avaliação CPA REGULAMENTO INTERNO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento contém as disposições

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

Regulamento do Corpo de Delegados. Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 20 de outubro de 2016

Regulamento do Corpo de Delegados. Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 20 de outubro de 2016 Regulamento do Corpo de Delegados Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 20 de outubro de 2016 Capítulo I (Disposições Introdutórias) Artigo 1º (Definição) 1. O Corpo de Delegados é a estrutura a quem compete,

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos

RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE R E S O L V E: CAPÍTULO I. Das Finalidades CAPÍTULO II. Da Natureza Jurídica e Objetivos RESOLUÇÃO Nº 75/99 - CEPE Estabelece normas para a constituição e funcionamento dos Comitês Central e Setoriais de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora 1 Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora REGIMENTO INTERNO O Plenário do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora/MG, deliberou em assembléia

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A 11ª Conferência Municipal de Assistência Social será presidida pelo Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social CMAS e realizada em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013*.

RESOLUÇÃO Nº 35, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013*. RESOLUÇÃO Nº 35, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013*. Aprova o Regulamento da IX Conferência Nacional de Assistência Social. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS, em reunião ordinária realizada no dia

Leia mais

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE REGULAMENTO CAPÍTULO I Das

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO

Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO Governo do Estado do Rio Grande do Norte FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO COMITÊ GESTOR DO NÚCLEO DE PRODUÇÃO DIGITAL DO RN REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO SEÇÃO I Do objeto de gestão Art.1º Das Finalidades

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno da Diretoria Executiva da PREVI NOVARTIS ( Regimento

Leia mais

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA Art.1 - A FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA, constituída de acordo com o Ato

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE ESTÁCIO DO AMAPÁ ESTÁCIO AMAPÁ MACAPÁ-AP MARÇO DE 2015 0 CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º A COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO da Faculdade Estácio

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA TÍTULO I DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO Art. 1º - O presente Regulamento Interno

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

REGIMENTO GERAL DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS - GOIÁS

REGIMENTO GERAL DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS - GOIÁS REGIMENTO GERAL DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS - GOIÁS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVOS DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DE GOIÁS Art. 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. RESOLUÇÃO Nº 147-CONSELHO SUPERIOR, de 18 de fevereiro de 2014. APROVA O REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DOS CURSOS SUPERIORES DO IFRR. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

Sumário. O que é um Centro de Referências?

Sumário. O que é um Centro de Referências? Sumário O que é um Centro de Referências? Plano de ação para o Grupo Nacional Cultura Infância Meta 1 - Fundo Nacional da Cultura Infância Meta 3 - Planos Estaduais Articulação com outras redes Articulação

Leia mais

Conselhos e Conferências Nacionais

Conselhos e Conferências Nacionais Conselhos e Conferências Nacionais Conferências Nacionais Caro prefeito e cara prefeita, As conferências constituem importantes instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Rede Comunitária de Educação e Pesquisa da Região de Goiânia GO - METROGYN

Rede Comunitária de Educação e Pesquisa da Região de Goiânia GO - METROGYN Rede Comunitária de Educação e Pesquisa da Região de Goiânia GO - METROGYN Título I REGIMENTO DA METROGYN CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. A Rede Comunitária de Educação e Pesquisa da Região

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E. 16-08-2017, p. 24 Aprova a criação do Comitê Institucional de Pós-Graduação (CIPÓS) da

Leia mais

PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013.

PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013. PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013. EMENTA: Convoca a II Conferência Distrital do Meio Ambiente do Distrito Estadual de Fernando de Noronha e dá outras providências. O ADMINISTRADOR

Leia mais

Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai

Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai apresentam Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai Os Conselhos de Saúde são órgãos colegiados deliberativos de caráter permanente, com funções de formular

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regimento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO

REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO 2016 REGULAMENTO DOS ENCONTROS SETORIAIS DO PT RIBEIRAO PRETO Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores 07/3/2016 1 Art. 1º - Os setoriais municipais que tiverem mais de um ano de funcionamento

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 100, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Define os procedimentos de indicação dos representantes do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS.

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA -

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º O presente regulamento interno disciplina a organização,

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL PROJETO DE LEI Nº... Cria o Conselho Municipal de Transparência e Controle Social de São Paulo, estabelecendo suas

Leia mais

SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS

SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS SUGESTÃO DE REGIMENTO DA CADEC AVES E SUÍNOS DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º. A Comissão para Acompanhamento, Desenvolvimento e Conciliação da Integração CADEC, prevista no contrato de Integração, de composição

Leia mais

Procuradoria Geral do Município

Procuradoria Geral do Município LEI Nº 2.336, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010 Cria o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Estatuto DO ESTATUTO O Estatuto vigente do Fórum de Assessorias das Universidades Brasileiras para Assuntos Internacionais FAUBAI foi descrito e aprovado por ocasião da V Reunião Anual, ocorrida no Auditório

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(,16758d 21250$7,9$1ž01, '(20'(0$,2'( Divulga orientações aos municípios, Estados e Distrito Federal para constituição de instância de controle social do Programa

Leia mais