Módulo. A.Relatórios com. Eclipse BIRT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo. A.Relatórios com. Eclipse BIRT"

Transcrição

1 Módulo F A.Relatórios com Eclipse BIRT Este é um módulo prático, que traz tutoriais com passos detalhados para confecção de relatórios Web com Eclipse BIRT. Além de dicas básicas para a construção de páginas mestre (cabeçalhos e rodapés), reúso de estilos, agrupamentos, totalizações e quebras de página, este módulo também provê dicas e exemplos arquiteturais para uma liberação adequada (segura e eficiente) de relatórios para usuários finais.

2 Capítulo F19

3 A6Introdução ao Eclipse BIRT Capítulo 19 Implementação do Caso de Uso UC006 Auditar Operação! - Analisando a Especificação O nosso próximo Caso de Uso tem por objetivo prover um relatório para usuários com papel "Administrador" realizarem auditoria em operações sobre o cadastro de funcionários, conforme especificado na Figura A6.1. Figura A6.1. Especificação para "UC006 Auditar Operação!". Por chamarmos de "relatório", e não "consulta", estamos enfatizando a importância de provermos um resultado para o usuário com formato excepcionalmente bem ajustado para impressão *, que permita o uso de recursos tais como quebras de página, totalizações e gráficos. Muito embora tenhamos desenvolvido uma solução em HTML com razoável qualidade para impressão no módulo B, para a Ficha do Funcionário, ela não seria suficiente para atender a requisitos mais rigorosos de impressão. Alguns exemplos de problema surgiriam quando fosse exigido o posicionamento exato de campos quando impressos (como para impressão sobre formulários préimpressos), quebras de página bem feitas ou mesmo a impressão de um grande volume de páginas. Tudo isso porque os Navegadores atuais e a tecnologia HTML ainda são limitados, nesta área. * No jargão de épocas passadas, "relatórios" emitiam informações impressas diretamente em papel e "consultas" emitiam informações em um terminal de vídeo. Na medida em que se tornou possível "visualizar relatórios em terminais de vídeo" e/ou "enviar para a impressora quaisquer consultas", este critério ficou mais difuso. Portanto, como convenção, iremos chamar de relatório saídas produzidas em tecnologia Eclipse BIRT que possuam formatação (mesmo que alternativa) mais adequada para impressão, em padrão PDF ou DOC.

4 Capítulo F19 Por este motivo, quando especificamos um "relatório" e não uma "consulta", estamos requerendo uma saída em formato PDF ou outro que possa ser impresso por um programa que não seja o Navegador (como o Adobe Acrobat Reader, por exemplo), mais apropriado para esta finalidade. No caso do jcompany Developer Suite, utilizaremos preferencialmente o Eclipse BIRT, solução Open Source de base homologada para este fim *. - O Eclipse BIRT O Eclipse BIRT é uma solução de Business Intelligence de origem comercial cedida pela empresa Actuate Corporation à comunidade Open Source há alguns poucos anos atrás. O Eclipse BIRT traz plugins no Eclipse que permitem a confecção visual (WYSIWYG) de relatórios incluindo quebras e totalizações, cubos, consultas tipo "planilha" (Crosstab), sub-relatórios e muitos outros recursos, obtidos com recursos de "arrasta e solta" e conhecimentos de SQL apenas. Além dos utilitários de desenvolvimento, o Eclipse BIRT também provê uma arquitetura que facilita a criação de "frameworks de relatório" que permite a criação de estilos e componentes reutilizáveis entre relatórios pela empresa. Por fim, em tempo de execução, além de componentes de motor (engine) que permitem a execução de relatórios com produção de informações em múltiplos formatos (PDF, DOC, XLS, PPT, CSV, DOC, etc.), o Eclipse BIRT também traz uma aplicação que facilita significativamente a tarefa de disponibilizar relatórios para a WEB: o Eclipse BIRT Viewer. Muito embora seja uma solução recentemente incorporada, o jcompany agrega valor ao Eclipse BIRT com: o o o Gerência de Configuração: Instalação e pré-configuração tanto do ambiente de desenvolvimento quanto do de execução do Eclipse BIRT no Tomcat, garantindo uso imediato sobre uma versão homologada. Framework geral: Framework de base simples, contendo estilos visuais (similares a estilos CSS) para serem imediatamente aplicados em componentes e seções típicas de relatórios. jcompany BIRT Viewer: Especializações ao BIRT Viewer, incluindo traduções básicas para português e uma arquitetura que possibilita liberação ultra-simplificada e com soluções de reforço na área de segurança. No espaço que possuímos neste livro, cobriremos apenas uma pequena parte das inúmeras possibilidades que traz o Eclipse BIRT. Sugerimos os livros de nossa referência bibliográfica "BIRT - A Field Guide to Reporting" [Peh, Hannenmann, Reeves, Hague 2006] e "Integrating and Extending BIRT" [Weathersby, French, Bondur, Tchell, Chatalbasheva 2006] para um aprofundamento certamente compensador nesta área. - Criando o relatório com modelo "Tabular" 1. No Eclipse, crie o diretório "rel" abaixo de "src/main/webapp" no projeto "rhtutorial". Você verá que o nome rel não é um qualquer - ele segue uma convenção do jcompany que conheceremos mais a frente, importante para implementação de políticas de segurança de acesso em tempo de execução. 2. Clique direito sobre o novo diretório e procure a opção "New -> Report" (Se "Report" não aparecer, clique em "New -> Other... -> Business Intelligence and Reporting Tools -> Report"). 3. Dê o nome "funcionarioauditoria" ao nosso primeiro relatório, preservando o sufixo padrão ".rptdesign" do Eclipse BIRT. * Uma outra opção seria a dupla Jasper Reports e ireports, recomendadas até a versão 3.1 do jcompany e ainda mantidas em homologação, em paralelo ao Eclipse BIRT. Mas há, no mercado, uma clara tendência ao uso do Eclipse BIRT devido à sua melhor integração com o Eclipse, documentação e acabamento diferenciado - especialmente devido à sua origem comercial.

5 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.2. Criação de um novo relatório. 4. Vá para o próximo passo do Assistente e selecione o modelo "jcompany - Relatório Tabular". Figura A6.3. Relatório utilizando modelo jcompany Relatório Tabular. Note que existem diversos modelos (templates) padrões do BIRT e dois do jcompany disponíveis. Basicamente, estes modelos trazem versões iniciadas de relatórios para facilitar a vida de novatos. Com a experiência, a tendência é usar os modelos mais simples ou mesmo novos modelos, criados sob medida para a empresa ou projeto.

6 Capítulo F19 O modelo que utilizaremos se presta ao nosso primeiro relatório que visa trazer uma lista de valores, sem quebras e nenhum recurso especial. 5. Clique em "Finish". Perceba que o Eclipse irá mudar de "perspectiva", apresentando as visões disponibilizadas pelos plugins do Eclipse BIRT, para confecção de relatórios. Figura A6.4. Perspectiva do Eclipse BIRT no Eclipse. #1. Paleta de componentes de relatório para "arrastar e soltar". #2. A visão de "Outline" exibe a estrutura de componentes do relatório e é especialmente importante quando se trabalha com bibliotecas e para seleções refinadas de componentes do relatório, como veremos. #3. A área de "Layout" do relatório traz alguns componentes pré-configurados no modelo do jcompany, inseridos em uma tabela de dados (objeto Table). #4. A área de "Property Editor - Report" traz propriedades diversas de configuração para componentes de relatório, sensíveis ao contexto! Clique em objetos na área de "Layout" e perceba como estas propriedades se modificam. #5. Diversos painéis agrupam propriedades para cada objeto com um grande número de opções de estilos básicos (Fonte, Cor, Tamanho, Cor de Fundo, alinhamento etc.); formatações para datas, números, dinheiro; expressões de avaliação dinâmica; eventos para programação; etc. 6. Clique na aba "Preview", conforme a Figura A6.5.

7 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.5. Visualização de relatório conforme disponibilizado pelo modelo. #1. Note que a parte central oferece outras visões além da principal de "Layout", a saber: o "Layout": Editor WYSIWYG do relatório. o "Master Page": Página "mestre", contendo área para definições de topo e rodapé, globais para o relatório. o "Script": Seção para programação. O BIRT expõe eventos que permitem programação via "script" utilizando sintaxe Javascript ou até Java, mediante configurações especiais. Com isto, é possível se obter efeitos de alto dinamismo com possibilidades ilimitadas. o "XML Source": Todas as definições que se faz nos diálogos visuais ("Layout" e "Property Editor") terminam por gerar entradas em XML, que também pode ser editado ou consultado diretamente nesta aba. o "Preview": Permite a visualização do relatório, inclusive conectando-se com o Banco de Dados e utilizando dados reais de teste. #2. Janela de captura de argumentos automaticamente gerada pelo BIRT *. Note que o modelo "Tabular" do jcompany já traz um conjunto de argumentos apenas para exemplo e referência. 7. Clique em "Ok" para aceitar os valores de argumentos propostos. O modelo "Tabular" do jcompany pode ser então melhor compreendido, como mostra a Figura A6.6. * Esta janela aparece traduzida quando utilizamos o jcompany BIRT Viewer, em tempo de teste e produção, no Tomcat. Além disso, ela é automaticamente omitida quando enviamos os argumentos dos relatórios via URL, técnica que usaremos mais adiante.

8 Capítulo F19 Figura A6.6. Estilos do modelo "Tabular" em ação. #1. Um logotipo "da empresa" já vem configurado no canto esquerdo do topo, definido na aba "Master Page". #2. O título do relatório é exibido com o estilo "mastercabecalhotituloplc". #3. O subtítulo do relatório é exibido com o estilo "mastercabecalhosubtituloplc". #4. A data e hora de criação é disponibilizada no canto da direita, com estilo "mastercabecalhodatacriacaoplc". #5. A barra de "argumentos" é destinada a exibir os valores informados como parâmetros pelo usuário. Ela é incluída em uma grade ("Grid"), que por sua vez fica na primeira linha da tabela ("Table") que é vinculada (Binding) com uma Tabela de Dados do SGBD-R. - Os rótulos estáticos desta área de argumentos recebem o estilo "cabecalho1rotuloalinhadodireitaplc". - As partes dinâmicas de argumentos são exibidas em um estilo que produz um contorno de destaque, chamado "cabecalho1valorcombordaplc". #6. Os rótulos que aparecem no cabeçalho da tabela de dados em si utilizam uma variação sutil de estilos que exibem sublinhados e cores de fundo cinza. - Os que se apresentam centralizados utilizam estilos chamados "tabela1rotulonumeroplc". - Os que se apresentam alinhados à esquerda utilizam estilos chamados "tabela1rotulogeralplc". #7. Os valores de dados numéricos utilizam o estilo "tabela1valornumeroplc" que alinha os valores à direita (como é comum para números). #8. Os valores textuais utilizam o estilo "tabela1valortextoplc" com alinhamento à esquerda. #9. Os valores monetários utilizam o estilo "tabela1valordinheiroplc" que formata o símbolo do real e casas decimais, além do alinhamento também à direita. #10. Os valores de data são formatados com "dd/mm/yyyy" e centralizados através do estilo "tabela1valordataplc". #11. Os valores de data e hora são formatados com "dd/mm/yyyy HH:mm:ss" através do estilo "tabela1valordatahoraplc". #12. Na parte de rodapé da tabela de dados uma nova grade é inserida com dois objetos: - Um rótulo indicando valor de total com estilo "rodape1rotuloplc". - E um campo agregado ( Aggregation ) que conta o total de registros exibidos no relatório, exibindo-os com o estilo "rodape1totalplc". #13. Por fim, também definido na página mestre está o contador de páginas de rodapé contendo uma linha de divisão do corpo. O uso de estilos como os acima descritos deve ser incentivado para relatórios BIRT, assim como o uso de CSS para páginas HTML. Com os estilos obtém-se maior produtividade na revisão e melhor qualidade na padronização. Naturalmente, também é possível especializar e/ou modificar algumas das propriedades dos estilos. 8. Vamos conferir a arquitetura de framework para relatórios BIRT para localizar os estilos utilizados. Clique novamente na aba "Layout" e, na seção da esquerda, na aba de "Resource Explorer".

9 Introdução ao Eclipse BIRT 9. Clique direito sobre "Shared Resources" procure a opção " Add Resource...". Preencha o diálogo conforme Figura A6.7 Figura A6.7. Adicionando biblioteca de base do jcompany para relatórios BIRT. 10. Em seguida, expanda a pasta "jcompanygeneral.rptlibrary", "Themes" e os dois temas existentes. Figura A6.8. Biblioteca de base do jcompany para relatórios BIRT. #1. Na visão da esquerda, além da aba "Palette" também é possível abrir o "Data Explorer" (Explorador de Dados) e o "Resource Explorer" (Explorador de Recursos). O "Resource Explorer" exibe recursos que o arquivo atual eventualmente reutiliza. #2. No caso do modelo do jcompany "Tabular", uma biblioteca chamada "jcompanygeneral.rptlibrary" já vem pré-configurada, contendo basicamente estilos para reúso e maior padronização. #3. Os estilos são agrupados, em bibliotecas, na pasta "Themes" (Temas).

10 Capítulo F19 O tema "jcompanydefaulttheme" define novos estilos não existentes no BIRT, como os citados no passo 7. #4. O tema "defaulttheme" contém estilos que sobrepõem os valores default utilizados pelo BIRT. Deste modo, os objetos "itens de relatório" disponíveis na paleta já são introduzidos nos relatórios com alguns dos tipos "primitivos" (como "Table","Grid", etc.) já recebendo customizações do jcompany. Assim, recapitulando até aqui, tivemos contato com os três tipos de arquivos principais do BIRT: o rptdesign, o rpttemplate e o rptlibrary. Criamos um novo relatório "funcionarioauditoria.rptdesign" a partir de um modelo de relatório do jcompany (existe com nome "jcompanytabular.rpttemplate", pré-configurado nos diretórios dos plugins BIRT). Este novo relatório, por sua vez, graças ao modelo, já vem com os estilos da biblioteca "jcompanygeneral.rptlibrary" disponíveis. Importante: Note que, para os maiores ganhos, deve-se realizar um trabalho preliminar de padronização de topos, rodapés, estilos etc., para toda a empresa ou ao menos para um projeto. Novos arquivos dos tipos ".rpttemplate" e ".rptlibrary", contendo generalidades do negócio, podem então ser disponibilizados em nível da arquitetura para facilitar os relatórios do dia a dia, a partir daí. - Alterando propriedades gerais do relatório A primeira providência após criarmos um novo relatório é alterarmos os seus dados globais. 1. Abra o diálogo de "Outline" do Eclipse (se não estiver visível, utilize "Show -> View -> Outline"). 2. Clique na raiz da Treeview, em "Relatório Tabular", e localize a aba de "Property Editor - Report" no painel mais central. Altere os valores conforme os descritos na Figura A6.9. Figura A6.9. Definições globais do relatório. - Configurando a conexão com o SGBD-R para o projeto Quando clicamos em "Preview" conseguimos visualizar uma linha de dados em nosso relatório colocada com valores constantes pelo modelo fornecido pelo jcompany. Mas o mais interessante é podermos nos conectar diretamente com a base de desenvolvimento para confeccionar nosso relatório de forma viva, com alta produtividade, utilizando dados reais de teste. Para isso, temos inicialmente que criar um Data Source (Fonte de Dados), em nosso caso apontando para o nosso banco de dados local, em Apache Derby. 1. Clique na aba "Data Explorer" e expanda o item "Data Sources". 2. Clique direito no Data Source que veio pré-configurado, "BancoLocal", e, em seguida, em "Edit". Este é um Data Source que traz configurações para conexão com o Apache Derby, SGBD-R que utilizamos como padrão até aqui.

11 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.10. Data Source BIRT com dados de conexões para Banco Local padrão do jcompany. #1. Classe do Driver JDBC específico. Note que, como veio pré-configurado, o Data Source já traz o Driver do Apache Derby selecionado, homologado para acesso ao nosso SGBD local. Para alterar a configuração para qualquer outro SGBD (ou mesmo se houver algum problema nesta configuração), basta utilizar o botão "Manage Drivers..." para configurar um novo Driver. #2. URL de acesso específica para o Driver. Esta URL pode ser obtida do arquivo "rhtutorial.xml" (arquivo de contexto do Tomcat, ou do manual de cada Driver JDBC utilizado). Esta URL nos atende, já que o jcompany utiliza sempre o nome "bancolocal" como nome do banco de dados local. #3. Usuário "APP" e senha "APP", conforme vêm pré-configurados pelo jcompany. #4. O campo "JNDI URL" é um dos mais importantes desta configuração. Apesar de não ter efeito no desenvolvimento do relatório em si (se não alterar este campo, ainda assim a conexão em desenvolvimento irá funcionar), se não informarmos um endereço de pool de conexões que seja válido em tempo de produção, em produção o Apache Derby irá tentar criar uma nova conexão (com o usuário e senha "APP"/"APP") a cada execução para cada usuário, o que degrada consideravelmente a performance! Felizmente, é mais provável que o relatório não execute, pois o usuário e senha de desenvolvimento utilizados provavelmente não terão sucesso em conexão no ambiente de produção. Mas note que, se tiver sucesso, este problema pode ser mascarado e, apesar da baixa performance, o relatório executar de forma sofrível para os usuários o que pode ser ainda pior do que uma falha, que logo é corrigida. 3. Troque o endereço de "###POOL###" para "rhtutorial", que referenciará corretamente o pool de conexões pré-configurado pelo jcompany (basta adicionar o prefixo "java:comp/env" ao Data Source declarado no "web.xml"). 4. Clique em "Test Connection..." para ver se uma mensagem "Connection Sucessfull" aparece. Se não aparecer, certifique-se de que o banco de dados foi ativado no projeto "rhtutorial" e/ou reconfira os parâmetros informados para conexão. - Configurando Data Sets para um relatório Uma mesma Fonte de Dados (Data Source) será possivelmente reutilizada por vários relatórios dentro de um mesmo projeto *, mas um Conjunto de Dados (Data Set) tende a ser específico. Isso porque, ao contrário do que pode parecer em um primeiro momento, um Conjunto de Dados é mais do que um simples mapeamento para uma "Tabela" - ele representa dados já preparados para a finalidade a que se destinam, no relatório em questão. * Por este motivo, quando você estiver mais fluente em Eclipse BIRT, o correto será definir o Data Source em uma biblioteca de escopo do Projeto para que não fique redundado em vários relatórios, mas seja reutilizado.

12 Capítulo F19 Um Data Set será representado, tipicamente *, por um "cláusula select" que pode envolver projeções, junções e agregações próprias do SQL. Além disso, uma definição de Data Set poderá conter decorações na forma de "nomes mais significativos" para colunas (propriedades), fórmulas e filtros executados no "cliente" (e não no SGBD), dentre outros recursos adicionais ao "select" básico. Por tudo isso, o recomendado é que se definam Data Sets específicos para atendimento ao relatório em questão, com a maior especialização possível. Vamos, então, definir o Data Set para atendimento ao nosso Caso de Uso. 1. Acione clique direito em "Data Set" e a opção "New Data Set". Preencha o primeiro diálogo conforme a Figura A6.11. Figura A6.11. Definição de um primeiro Data Set. 2. No segundo passo, perceba que nossas tabelas e colunas estão disponíveis em painel da esquerda para auxiliarem na confecção do SQL. Posicione na cláusula "from", dê um espaço e dê um duplo clique na tabela "Funcionario" para preencher a cláusula. * Note que o Eclipse BIRT não trabalha somente com bases relacionais (SGBD-R). Ele pode produzir relatórios tendo arquivos convencionais como Data Source, por exemplo. Neste livro iremos focar somente em acesso a bancos de dados relacionais.

13 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.12. Início da confecção da cláusula SQL, com auxílio. 3. Posicione o cursor agora na parte "select" e abra uma linha para cada coluna que vamos selecionar. Procure a coluna na relação à esquerda e, com duplo clique, selecione cada uma que precisaremos, conforme a Figura A6.13. Figura A6.13. Relação de colunas definidas no SQL. Importante: Lembre-se de dar espaço após a última coluna para separá-la do "from". Um erro comum é esquecer de dar espaços entre as linhas, quando editando SQLs neste diálogo, quando não há vírgulas. 4. Crie agora uma cláusula "where" sempre lembrando de dar espaços ao final das linhas. Preencha a cláusula conforme a Figura A6.14.

14 Capítulo F19 Figura A6.14. Cláusula SQL para o Data Set finalizada. #1. Intervalo de datas verificado utilizando uma interrogação "?" em lugar de argumentos do relatório (que veremos a seguir). #2. Para que determinados argumentos tenham o efeito de QBE (Query By Example), ou seja, de não filtrarem quando não informados, podemos utilizar esta técnica. No caso, se o usuário for informado iremos recuperar apenas modificações realizadas pelo mesmo. Do contrário, recuperaremos de todos ("? is null"). Importante: Note que se mantemos o dono ("owner") "APP", esperamos que ele também exista em produção - do contrário devemos omiti-lo. 5. Clique em "Finish". O próximo diálogo se abrirá permitindo que se informe nomes mais significativos para as colunas e também rótulos que serão utilizados como default. Informe os valores conforme a figura abaixo. Figura A6.15. Preparando colunas para saída (output). #1. Em "Name" fica o nome da coluna, incluindo todas que definimos na cláusula "select" do SQL.

15 Introdução ao Eclipse BIRT #2. Em "Type" fica o tipo BIRT assumido para a representação da coluna no relatório. #3. Em "Alias" pode-se definir um valor alternativo para cada coluna, apresentado em diálogos com o Desenvolvedor durante a confecção do relatório - mas também em alguns utilitários do BIRT que podem ser utilizados pelos usuários finais, como "para exportação de dados". Portanto, vale à pena informar um nome significativo para cada coluna aqui. #4. Em "Display Name" pode-se definir um rótulo padrão para a coluna, utilizado pelo BIRT como default, em algumas situações. #5. Em "Display Name Key" pode-se utilizar I18n no relatório colocando chaves para arquivos de mensagens (como fizemos em HTML) em lugar dos rótulos em português diretamente. Não utilizaremos este recurso neste livro, mas o Desenvolvedor não encontrará problemas em entender como funciona na própria documentação do Eclipse BIRT. #6. Ao acionar um "duplo clique" ou o botão "Edit..." um diálogo se abrirá, permitindo informar os valores, para cada coluna. Importante: É um erro saltar este diálogo sem preenchê-lo cuidadosamente para "queimar etapas". Ao informarmos bons valores nestas colunas já estamos avançando em nosso objetivo e ganharemos tempo mais adiante, com os valores e rótulos já bem definidos. 6. Clique agora, na lista da esquerda, em "Parameters" *. Note que aparecem quatro valores já preenchidos, ou seja, quatro "argumentos" ou "parâmetros" do Conjunto de Dados (Data Set). O Eclipse BIRT já inclui um parâmetro para cada interrogação "?" que definimos em nossa cláusula SQL. Precisaremos neste diálogo, basicamente, vincular os parâmetros do Data Set com os parâmetros do relatório (Report Parameters). Note que, na arquitetura flexível do BIRT, um relatório pode requisitar, digamos, dois parâmetros do usuário (Report Parameters) que, por sua vez, podem ser vinculados a vários parâmetros de conjuntos de dados (Data Set Parameters), inclusive de vários Data Sets diferentes. Este relatório modelo já possui, por exemplo, três parâmetros definidos para o relatório, como vimos no "Preview", requisitando "data de início", "data de fim" e "usuário" - exatamente os argumentos que precisaremos em nosso Caso de Uso. Assim, edite cada um dos quatro valores de argumentos para o Data Set, conforme exemplifica a Figura A6.16. Figura A6.16. Parâmetros de Data Set já associados a Parâmetros do Relatório. * Iremos saltar "Computed Columns", mas seu uso pode ser experimentado pelo Desenvolvedor - é um diálogo que, como o nome sugere, permite que criemos "colunas" com valores derivados das demais através de fórmulas diversas. Neste livro, propusemos uma primeira especificação de relatório próxima do modelo que vem no jcompany para facilitar o primeiro caso.

16 Capítulo F19 #1. Diálogo de "Data Set Parameters", que nos permite definir melhor cada parâmetro "?" incluído na cláusula SQL e vinculá-lo a um Report Parameter. #2. Em "Name", substitua os nomes gerados por outros mais significativos. #3. Esta campo não é de preenchimento obrigatório e não o usaremos uma vez que ele é um opcional ao campo "Name". #4. Em "Data Type", o Eclipse BIRT já assume valores apropriados. #5. Em "Direction", deixe o padrão "Input". #6. Em "Default Value", também não modifique. O valor será assumido dos parâmetros do relatório. #7. Em "Linked to Report Parameter", selecione um parâmetro correspondente na lista, utilizando o "usuarioultalteracao" duas vezes, para o caso especial (tipo QBE) que definimos. #8. Acione "duplo clique" ou "Edit..." em cada linha para alterar. 7. Agora clique na opção "Preview Results". Se existirem atualizações realizadas com o usuário "admin", no intervalo de datas que vem no modelo como default (ou o último informado no "Preview"), aparecerão resultados como na figura abaixo. Figura A6.17. Valores retornados pela cláusula SQL utilizando valores de argumentos. 8. Finalize a definição do Data Set com "Ok". - Entendendo os parâmetros de relatórios Uma vez criado o Data Set, vamos entender um pouco mais sobre parâmetros de relatórios. 1. Expanda o item "Report Parameters" da aba "Data Explorer". É possível criar novos argumentos com um clique direito em "Report Parameters" ou editar os que vêm como padrão com um duplo clique. Acione duplo clique em "dataultalteracaoiniarg".

17 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.18. Parâmetros de relatório com agrupamento para intervalo de datas. #1. Definição de parâmetros para o relatório como um todo. São os parâmetros aqui definidos que serão requisitados aos usuários. #2. Podem-se agrupar parâmetros para que apareçam em uma caixa segmentada no diálogo com o usuário e/ou para vinculá-los (como no caso de listas encadeadas de valores. Ex.: Unidades da Federação -> Municípios -> Bairro"). No caso do projeto modelo "Tabular", um grupo vem pré-configurado para agrupar o intervalo de datas. #3. Um terceiro argumento é definido fora do grupo, no modelo, que é o usuário responsável pelas alterações. #4. Nome do argumento. #5. Em "Prompt Text:" informe o texto que se deseja exibir para usuários no diálogo que requisita os parâmetros para o usuário. #6. Em "Data Type" informe o tipo dos argumentos. #7. Em "Display Type" pode-se definir para que um valor seja exibido em formatos tais como "Combos", "Listas", "Radio", etc. #8. Em "Display As -> Help Text" informe um texto que aparecerá como um balão de ajuda no campo de parâmetro. #9. Em "Display As -> Format As" é possível definir um formato para exibição dos parâmetros. No caso de datas, o formato sugerido, por hora, é dd/mm/yyyy ou "Medium Date". #10. Existem outras opções que podem ser informadas para cada argumento. A principal é "Is Required" para obrigatório e "Hidden"/"Do not echo input" para não requisitar ao usuário (assumindo um valor default como constante, por exemplo). #11. Em "Default Value" pode-se informar um valor default que será exibido para o usuário. Vimos estes valores em ação quando clicamos em "Preview" e a janela de argumento se abriu com valores já preenchidos. 2. Acione um duplo clique agora no parâmetro de usuário. Perceba que neste caso o parâmetro vem como opcional. O valor default é "admin" (mas seria pouco provável deixar um valor default neste campo, em um caso real).

18 Capítulo F19 Figura A6.19. Parâmetro do tipo String, para usuário. 3. Se tornarmos a conferir a janela padrão de coleta de parâmetros de relatório do Eclipse BIRT (também chamamos de janela de argumento) compreenderemos um pouco melhor seu funcionamento. Confira com a Figura A6.20. Figura A6.20. Diálogo de solicitação de valores para parâmetros de relatório. #1. O título da janela pode aparecer em inglês, mas em produção virá traduzido. #2. Um texto de explicação de obrigatoriedade também aparece traduzido em tempo de execução. #3. Os grupos de argumento são apresentados com este destaque. #4. Valores obrigatórios aparecem com a marca de asterisco. #5. Os valores default estão na formatação definida. #6. Campos opcionais aparecem com uma opção adicional de valor nulo. - Exibindo tabelas de dados (Table) em relatórios Vamos agora associar o nosso conjunto de dados a um elemento visual chamado "tabela" (table), capaz de exibi-lo imediatamente e com formatações apropriadas. O nosso relatório modelo já traz um objeto deste tipo com valores constantes que iremos substituir. 1. Abra a janela de "Outline" do Eclipse e expanda o item "Body" da Treeview "Relatório de Auditoria de Funcionários".

19 Introdução ao Eclipse BIRT 2. Clique em "Table", abaixo de "Body", e na visão "Property Editor - Table". Selecione a pasta "Binding". Em seguida, selecione "FuncionarioAuditoria" (Data Set recém-criado) na lista "Data Set". Figura A6.21. Diálogo de solicitação de valores para parâmetros de relatório. #1. A Treeview do outline exibe a estrutura do arquivo XML que contém toda a definição do relatório (inclusive Data Sources, Data Sets e Libraries), facilitando a seleção de determinados elementos. #2. O segmento corpo contém a parte de apresentação do relatório em si, excetuando-se a "Master Page", que provê cabeçalhos e rodapés globais. #3. A visão "Property Editor" é dinâmica, como já vimos, e exibe informações complementares (propriedades) para o elemento selecionado, seja no Outline, seja na visão de Design principal. Em nosso caso, exibe propriedades para "Table". #4. A pasta "Binding" permite que se vincule um objeto "tabela" a um "conjunto de dados". #5. Ao vincular, perceba que o nome que definimos é utilizado tanto em "Name" quanto em "Expression". 3. Agora vamos seguir para a visão principal de "Layout WYSIWYG. Clique nos campos de amostra na linha "Detail Row" e remova-os. Note que é possível marcar vários objetos simultaneamente com as técnicas de edição convencionais de "Control+Clique". 4. Em seguida, selecione a pasta "Data Explorer", expanda a relação de "Data-Sets" e o nosso Data Set "FuncionarioAuditoria". Clique na coluna "Cód." e a arraste para a coluna do Design, conforme a Figura A6.22. Figura A6.22. Arrasta e solta do Data Set para a tabela na visão de Design WYSIWYG. #1. Objetos originais do modelo removidos. #2. Objeto "Cód." criado a partir da coluna do Data Set. Note que somente é possível arrastar porque o objeto Table está vinculado ao Data Set. 5. Arraste as demais colunas que possuem uma correspondência para a coluna respectiva da tabela do Design. Troque o rótulo de Salário para CPF e deixe em branco as colunas sem correspondência, conferindo com a Figura A6.23.

20 Capítulo F19 Figura A6.23. Colunas acomodando dados do Data Set. 6. Agora realize novamente um "Preview" para vermos o resultado até aqui. Figura A6.24. Visualização do relatório com dados de teste. #1. Se não vierem dados, altere os valores dos parâmetros conforme sua amostragem (utilize o plugin Quantum DB se for preciso para ver datas das últimas alterações e usuários). #2. Agora vemos dados reais recuperados do banco de dados de teste local, configurado no Data Source. #3. Note que os alinhamentos de números deveriam estar à direita e de data, centralizado, segundo recomenda o modelo. Além disso, a fonte não é a mesma. Em suma, os novos objetos ainda não estão seguindo a formatação padrão. #4. O objeto "Aggregation" pré-definido agora não é renderizado, pois excluímos objetos por ele utilizados. O Eclipse BIRT gera então uma mensagem de erro que aparece de vermelho logo abaixo do relatório. 7. Vamos melhorar a formatação do nosso relatório para nos adequarmos à especificação. Comece por excluir a coluna que contém "Nascido em", retornando para a visão "Layout" e seguindo as instruções abaixo.

21 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.25. Exclusão de coluna no Design. #1. Clique nas caixas cinza superiores ou laterais para selecionar uma coluna ou linhas inteiras do objeto Table. #2. Clique direito para opções de edição básicas como exclusão ou alteração de estilo. Utilize "Delete" para excluir a coluna. 8. Agora vamos inserir uma nova linha na seção de cabeçalho para conter os totais de incluídos, alterados e excluídos, conforme a especificação da Figura A6.1. Note que temos duas linhas de cabeçalho e que, para o efeito especificado, devemos incluir uma nova entre as existentes. Figura A6.26. Inserindo uma nova linha de cabeçalho. #1. Linhas de cabeçalho. Clique direito na primeira e seleciona "Insert -> Row -> Below" para incluir uma nova linha entre as duas existentes. #2. Perceba o ícone diferenciado para linha de detalhe. Também é possível criar quantas linhas de detalhes forem necessárias - e todas as criadas se repetirão conforme o número de linhas do conjunto de dados. #3. Ao final, há uma linha de rodapé preenchida por default com uma totalização. Foi solicitado que os totais ficassem acima - portanto, iremos retirá-la daqui, logo adiante. 9. Selecione todas as colunas da nova linha criada e clique direito para acessar a opção "Merge Cells". Acione-a para que possamos mesclar estas células em uma única.

22 Capítulo F19 Figura A6.27. Mesclando colunas de uma linha. 10. Agora clique na linha que possui o rótulo "Total de Registros". Repare que, ao fazê-lo, uma aba com indicador "Grid" aparece dinamicamente, revelando o contêiner do rótulo. Esta aba permite que se selecione o contêiner em si (e não algum dos objetos contidos) - seja para edição de suas propriedades, seja para redimensioná-lo ou arrastá-lo, como é o nosso caso. Com este recurso, o Eclipse BIRT evita aquelas chatas alterações de camadas "para baixo" ou "para cima" de editores visuais. Clique na aba "Grid" e arraste este objeto todo (contendo o Total de Registros e a Agregação) para a nossa linha recém criada. Figura A6.28. Arrastando um Grid. Por que nós não incluímos os totais nas próprias colunas da tabela principal, em vez de criar um Grid? Incluir um Grid permite que possamos definir um subleiaute independente das seções principais da tabela para cabeçalhos, rodapés ou mesmo outras linhas especiais de detalhe. Na maioria das vezes esta prática se mostra mais apropriada. Quando, porém, precisamos apenas de um total perfeitamente alinhado com a coluna que está totalizando, o uso das próprias colunas da tabela pode ser mais prático. 11. Crie mais quatro colunas no Grid original. Precisaremos para os rótulos e totalizadores que constam na especificação. Para tanto, clique direito na coluna e selecione "Insert -> Column to the Right". Figura A6.29. Incluindo colunas em um Grid. 12. Crie os rótulos de totais para incluídos, alterados e excluídos, deixando colunas vazias para os valores de totalização que faremos mais adiante. Para tanto, copie o rótulo existente e cole nas novas colunas, em seguida editando o texto dos rótulos em si. 13. Exclua, também, a primeira coluna da tabela principal, antes de código (se não lembrou de fazer juntamente com "Data de Nascimento"). Confira o resultado com a Figura A6.30.

23 Introdução ao Eclipse BIRT Figura A6.30. Espaço para totais criado. #1. Rótulos para totais, com espaços para as agregações em si. #2. Primeira coluna removida para finalização da estrutura do relatório, de acordo com a especificação. - Alterando a Master Page (Página Mestre) A visão de Master Page, acionável pela aba "Master Page", além de permitir as definições de conteúdo para "Topo" e "Rodapé" que já apresentamos, também permite diversas opções de formatação globais para o relatório ou para um conjunto de páginas. Note que um mesmo relatório pode ter mais de uma Master Page e, deste modo, ser formado por diversas "seções" com margens, topos e rodapés distintos - bem no estilo de editores de texto como o MS Word. Veja, na Figura A6.31, uma breve explanação para esta visão. Figura A6.31. Visão Master Page. #1. A aba "Master Page" permite edição WYSIWYG mas também de propriedades na visão "Property Editor - Master Page -> Properties". #2. Os conteúdos do cabeçalho e do rodapé podem ser modificados. #3. Várias opções de configuração estão disponíveis, que dizem respeito ao relatório como um todo ou ao conjunto de páginas que usam uma Master Page específica.

24 Capítulo F19 #4. Diversas propriedades permitem a formatação das páginas do relatório como um todo, incluindo margens, bordas, leiaute (carta, legal, A4 etc.), orientação, etc. #5. Vamos agora alterar o cabeçalho, para conter o logotipo de nossa empresa e o título apropriado. Clique no texto do título principal e digite "Relatório de Auditoria" e no subtítulo "Relatório de Auditoria de Manutenção de Funcionários" *. 2. Agora clique no logotipo e com clique direito acione "Edit". Siga as instruções da Figura A6.32. Figura A6.32. Inserção de imagem em relatórios. #1. Clique direito na imagem e acione "Edit" para modificá-la. #2. Existem várias opções no Eclipse BIRT para se referenciar imagens: - URI: Aceita endereço de imagens relativo (imagens existentes no arquivo da aplicação) ou absoluto (existentes fora da aplicação). É o preferível, porém a imagem não será visualizada no caso de endereços relativos em modo de desenvolvimento (apenas por isso não utilizamos inicialmente). - Image File in shared resources: Aceita endereço de imagens em sistema convencional de arquivos (como um driver padrão compartilhado na rede interna). Em geral não é recomendável. - Embedded Image: Embute a imagem (em formato hexadecimal) no XML de design do relatório. Traz a vantagem de encapsular e tornar a imagem "própria para o relatório". Por isso não é o ideal para um logotipo (se ele muda, deve-se mudar em todos os relatórios! Vamos melhorar isso no próximo relatório). - Dynamic Image: Permite acesso a imagens armazenadas dentro de colunas de SGBD-R (Blobs). Pode ser necessária em determinadas situações. #3. Vamos adicionar uma imagem embutida além da que existe do jcompany. Ela foi disponibilizada pelo Web-Designer especificamente para fins de impressão contendo o logotipo da empresa ACME. Clique em "Add Image..." e procure pela imagem "acme_logo.gif" na pasta "[jcompany]\jcompany_documentacao\rhtutorial\gui\acme". * A especificação não pede os dois, mas gostamos de sugerir melhorias. Note que esta imagem aparece no projeto, mas não pode ser removida, pois se encontra no framework "jcompanygeneral.rptlibrary".

25 Introdução ao Eclipse BIRT 3. Execute um novo "Preview" e confira o resultado com a especificação. Estamos quase lá - faltam os totais e um embelezamento final! Figura A6.33. Visualização do estágio atual do relatório. - Utilizando agregações (Aggregation) Para efetuarmos as totalizações de incluídos, alterados e excluídos, o Eclipse BIRT oferece poderosos recursos. Usaremos o mais simples deles, que é suficiente em nosso caso. Apesar disso, é recomendado ao Desenvolvedor que se aprofunde nas possibilidades que o BIRT oferece para programações em linguagem de script (com sintaxe Javascript) ou mesmo em Java. Antes de fazer o cálculo em si, vamos compreender como podemos diferenciar incluídos, alterados e excluídos, no conjunto de dados recuperados em um período, fazendo um retrospecto de recursos do jcompany que já vimos em outros tutoriais: o o o No primeiro tutorial do capítulo 6, vimos que o jcompany propõe a utilização do que chama de "Auditoria Pauta Mínima" em todos os objetos, através do acréscimo de propriedades para "usuário da última alteração" e "data da última alteração". Vimos também que o próprio JPA/Hibernate propõe a utilização de uma propriedade de versão, anotada com com o propósito interno de tratamento de concorrência otimista (O JPA usa este valor na "where" de todo "update" ou "delete"). Mas esta propriedade termina também por dar uma informação de "versão" de cada objeto, pois é incrementada a cada atualização, automaticamente. Um outro recurso discutido mais a frente foi "exclusão lógica", que utilizamos para a manutenção de funcionários. Neste padrão, em lugar de remover o objeto da persistência efetivamente, o jcompany altera sua situação de sithistoricoplc='a' para sithistoricoplc='i'. Assim, após a retrospectiva acima, podemos definir os conjuntos desejados com os seguintes critérios: o o o Incluídos no período: objetos com versão 0 (zero) e data da última alteração dentro do período. Alterados no período: objetos com versão maior que 0 (zero) e data da última alteração dentro do período. Excluídos no período: objetos com situação "Inativo" (sithistoricoplc='i') e data da última alteração dentro do período. Vamos, agora, implementar estas totalizações no Eclipse BIRT, segundo os critérios acima. 1. Selecione a visão de "Palette" e arraste o componente "Aggregation" para a linha de cabeçalho, na coluna a frente do rótulo "Total Incluídos". 2. Um diálogo irá se abrir chamado "Aggregation Builder". Preencha-o como na Figura A6.34.

26 Capítulo F19 Figura A6.34. Criação de um componente "Aggregation", para conter fórmulas e totalizações. #1. A paleta é rica em componentes. Veremos uma boa parte deles em nossos tutoriais. #2. Usaremos o componente "Aggregation" para realizar computações em nível do relatório. Note que seria também possível utilizar SQL e recursos do servidor SGBD-R para tal. #3. Dê nomes para o componente. #4. Altere o valor de "Function" para "COUNT". Ao fazê-lo, percorra todas as funções disponíveis para conhecer as demais possibilidades oferecidas por este componente. #5. Em Data Field, selecione o campo "Código" (algum que dê unicidade a cada linha, preferencialmente). 3. Deixando desta forma, nosso componente já apresentará o total de linhas recuperadas, pois o componente Aggregation assume suas operações sobre o contêiner Table. Mas como queremos contar incluídos, alterados e excluídos em separado, teremos que adicionar um "filtro". Acione o botão "fx" em "Filter Condition". O diálogo genérico "Expression Builder" aparecerá, como mostra a Figura A6.35. Este diálogo é utilizado em diversos contextos onde uma expressão pode ser inserida e é um recurso chave a ser dominado para obtenção de fluência em Eclipse BIRT. Figura A6.35. Filtro definido no diálogo "Expression Builder". #1. A expressão que montaremos pode ser informada manualmente neste campo, mas as janelas abaixo auxiliam na sua montagem. #2. Em "Category" estão as categorias de recursos que podem ser utilizados em expressões BIRT, desde Data Sets até funções e operadores. Em "Avaliable Column Bindings" são exibidos os objetos gerados para o

27 Introdução ao Eclipse BIRT relatório quando vinculamos o Data Set ao Table. Estes objetos podem possuir formatações e programações adicionais às colunas disponíveis no Data Set. #3. Em "Avaliable Data Sets" pode utilizar uma coluna do Data Set diretamente, que não seja através dos "Column Bindings". É importante notar a distinção dos dois: O Aggregation que criaremos, por exemplo, passará a existir no "Avaliable Column Bindings", mas não em "Avaliable Data Sets"! Acione duplo clique nesta opção e clique na única "Sub-Category" para selecionar a coluna "Versão", como na Figura A6.35. #4. Em "Reports Parameters", podemos usar os valores informados pelo usuário (ou parâmetros constantes!) definidos para o relatório, nas fórmulas. #5. As três últimas opções trazem duas categorias de funções e operadores que podem ser utilizados nas expressões. A quantidade de opções é impressionante - somente com o tempo será possível compreendêlas em toda a sua abrangência. #6. Em "Sub-Category", um segundo nível de classificação aparece. #7. Conforme a categoria e subcategoria selecionadas, uma lista diferente será exibida à direita. No caso da figura são exibidas as colunas do Data Set selecionado. Altere para "Operators -> Primeira Sub- Categoria" e acione duplo clique em "==" para incluir uma igualdade na expressão. 4. Faça um novo "Preview". Talvez você precise incluir novos registros para ter uma boa amostragem para teste. Figura A6.36. Contador com expressão condicional funcionando. 5. Faça agora o contador para "alterados", conforme a Figura A6.37. Figura A6.37. Aggregation para "Total de Alterados". 6. E também o contador para "excluídos", conforme a Figura A6.38.

28 Capítulo F19 Figura A6.38. Aggregation para "Total de Excluídos". 7. Arraste os Aggregations para suas posições definitivas e confira o resultado final com mais um clique em Preview. - Aplicando estilos aos componentes de relatórios No ponto em que estamos já temos um relatório que atende a nossa especificação do ponto de vista estrutural e da informação exibida, mas que ainda não segue as diretrizes de estilo (aparência) estabelecidas pela arquitetura! Em nossa hipótese, mesmo que nossa especificação não traga detalhes (o que é ótimo, pois fica sucinta), o Desenvolvedor deve estar a par dos estilos padronizados pela empresa para relatórios. Na prática, estes estilos existirão customizados com base nos existentes no jcompany, através da camada Bridge. Em nosso caso, assumiremos os estilos default do jcompany FS Framework que vêm no "jcompanygeneral.rptlibrary". Vamos então aplicar os estilos para melhorar a fonte, tamanho e alinhamentos das diversas seções do relatório. 1. Vá para a área de "Layout" do relatório e selecione os três Aggregations. Acione clique direito e "Style -> Apply Style". Note que uma lista de estilos prefixados com "jcompanydefaulttheme" aparecem. São estes os estilos padrões que temos que utilizar, preferencialmente. 2. Selecione o estilo "rodape1totalplc" (este era o estilo originalmente utilizado no Total que veio como referência, no relatório Modelo). Figura A6.39. Aplicando estilos padrões do framework aos campos de formulários.

29 Introdução ao Eclipse BIRT #1. Aggregations selecionados, para aplicar estilo em todos simultaneamente. #2. Diálogo que permite a aplicação de estilos, exibindo estilo homologados do "jcompanygeneral.rptlibrary". #3. Estilo para totais "rodape1totalplc" *. 3. Utilizando a mesma técnica, faça a aplicação do estilo "tabela1valornumeroplc" aos objetos "Código" e "Versão" (valores, não os rótulos!). 4. Faça a aplicação do estilo "tabela1valortextoplc" aos objetos "Nome do Funcionário", "CPF" e "Usuário da Última Alteração". 5. Faça a aplicação do estilo "tabela1datahoraplc" ao objeto "Data da Última Alteração". 6. Agora realize um novo "Preview" e confira a melhoria. Repare que a fonte utilizada para caracteres agora é "Arial" e o tamanho é "Medium" (assumido como um tamanho mediano pelo BIRT). Figura A6.40. Visão do relatórios com estilos nos campos. #1. Os códigos (números) ficam agora alinhados à direita. #2. Os campos textuais ficam alinhados à esquerda #3. O campo data fica centralizado. - Modificando formatações para ajustes finos Mas e se desejarmos realizar refinamentos nos estilos? Será que somente estes estilos cobrem todas as possibilidades de formatação possíveis? Os estilos não irão cobrir todos os casos - são apenas referências iniciais para as situações mais comuns, mas que ainda preservam um grau de flexibilidade para criatividades finais (na mesma filosofia do jcompany como um todo). Portanto, teremos que realizar ajustes de refinamentos, bem possivelmente. É importante, no entanto, fazê-lo somente após a exploração de tudo o que os estilos podem oferecer. As possibilidades aqui são muito grandes. Vamos apenas realizar uma pequena variação de alinhamento do CPF, por exemplo. Iremos alterar o alinhamento de CPF para que fique centralizado porque, apesar de termos utilizado este valor como "texto", ele representa um código de tamanho fixo que ficará mais bem disposto desta forma. 1. Selecione o objeto "CPF do Funcionário" e consulte a aba "Properties -> General", em "Property Editor - Data". Selecione "Center". Note que há opções de alinhamento horizontal, que é normalmente mais utilizado, mas não há opções de alinhamento vertical... * O uso de numerações é utilizado para manter espaço para outras variações padrões (2, 3, 4 etc.), previstas para versões futuras do jcompany.

30 Capítulo F19 Figura A6.41. Opções de propriedades para o objeto "CPF do Funcionário". Isto poder feito da seguinte forma: o alinhamento vertical vem selecionado por default como "Auto", e ele é uma propriedade da célula que contém o objeto e não do objeto em si. Você pode selecionar a célula que contém o "CPF do Funcionário" com o mouse (e um cuidado cirúrgico) ou, o que é mais prático, via o Outline. 2. Localize a visão de Outline e clique na aba "Cell" acima de "Data (CPF do Funcionário)". É o mesmo efeito do mouse. Note que agora novas opções para a "célula" aparecem. Selecione "Top" em "Vertical alignment". Figura A6.42. Alinhamento vertical de célula para "Top".

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o

Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o SisMoura Objetivo Configurar o Reporting Services Como criar relatórios Como publicar relatórios Como acessar os relatórios

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

O próximo relatório que iremos desenvolver nos exigirá novos conhecimentos para implementar alguns requisitos bastante comuns nesta área:

O próximo relatório que iremos desenvolver nos exigirá novos conhecimentos para implementar alguns requisitos bastante comuns nesta área: A6Relatórios com Quebras e Gráficos Capítulo 21 Implementando o Caso de Uso UC007 Consultar/Imprimir Folha de Pagamento - Entendendo a especificação O próximo relatório que iremos desenvolver nos exigirá

Leia mais

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal Word 1 - Introdução O Word para Windows ou NT, é um processador de textos cuja finalidade é a de nos ajudar a trabalhar de maneira mais eficiente tanto na elaboração de documentos simples, quanto naqueles

Leia mais

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0

Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Novas Funcionalidades do MyABCM v.4.0 Seguem abaixo as novas funcionalidades e melhorias do MyABCM e um resumo de como utilizar essas funcionalidades. 1. Nova funcionalidade para aplicação de fatores de

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

CERTIDÕES UNIFICADAS

CERTIDÕES UNIFICADAS CERTIDÕES UNIFICADAS Manual de operação Perfil Cartório CERTUNI Versão 1.0.0 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Departamento de Inovação Tecnológica Divisão de Tecnologia da Informação Sumário LISTA DE FIGURAS... 2

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

BrOffice.org, Writer e Calc. Introdução. Software que compõe a suíte

BrOffice.org, Writer e Calc. Introdução. Software que compõe a suíte Introdução O BrOffice.org traz uma proposta de software gratuito, onde encontramos poderosos aplicativos comerciais para edição de texto, planilha eletrônica, software de apresentação entre outros. A cada

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br

POWERPOINT BÁSICO. Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWERPOINT BÁSICO Facilitador Alisson Cleiton dos Santos Analista Programador / Professor contato@alissoncleiton.com.br POWER POINT INICIANDO O POWERPOINT 2000 Para iniciar o PowerPoint 2000. A partir

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Excel 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Adicionar comandos à Barra de Ferramentas

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Microsoft Access: Criar relatórios para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos

Microsoft Access: Criar relatórios para um novo banco de dados. Vitor Valerio de Souza Campos Microsoft Access: Criar relatórios para um novo banco de dados Vitor Valerio de Souza Campos Conteúdo do curso Visão geral: O produto final Lição: Inclui oito seções Tarefas práticas sugeridas Teste Visão

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Mic crosoft Excel 201 0 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Interface... 4 Guias de Planilha... 5 Movimentação na planilha... 6 Entrada de textos e números... 7 Congelando painéis... 8 Comentários nas Células...

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Sistema Hospitalar - Módulo Auditoria v.1.0

Sistema Hospitalar - Módulo Auditoria v.1.0 Sistema Hospitalar - Módulo Auditoria v.1.0 Manual do usuário Versão 01.02 [Este template faz parte integrante do Processo de Desenvolvimento de Sistemas da DTI (PDS-DTI) e deve ser usado em conjunto com

Leia mais

WORD. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

WORD. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 WORD Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 WORD Mala direta Cartas Modelo Mesclar Etiquetas de endereçamento Formulários Barra

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Programação Visual. ireport Introdução. Prof. Edwar Saliba Júnior Novembro de 2012. Unidade 07 ireport - Introdução

Programação Visual. ireport Introdução. Prof. Edwar Saliba Júnior Novembro de 2012. Unidade 07 ireport - Introdução ireport Introdução Prof. Edwar Saliba Júnior Novembro de 2012 1 O que é o ireport? O ireport é um gerador de relatórios gratuito feito para a linguagem Java. Criado pela empresa Jaspersoft Corporation.

Leia mais

Impressão de Relatórios com Data Report Professor Sérgio Furgeri. A figura seguinte ilustra a geração de um relatório a partir de uma tabela de...

Impressão de Relatórios com Data Report Professor Sérgio Furgeri. A figura seguinte ilustra a geração de um relatório a partir de uma tabela de... OBJETIVOS DA AULA: Demonstrar a utilização da ferramenta Data Report do Visual Basic para a geração de relatórios. Apresentar os procedimentos para a criação de um relatório simples a partir dos dados

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet

Livro Caixa. www.controlenanet.com.br. Copyright 2015 - ControleNaNet www.controlenanet.com.br Copyright 2015 - ControleNaNet Conteúdo Tela Principal... 3 Como imprimir?... 4 As Listagens nas Telas... 7 Clientes... 8 Consulta... 9 Inclusão... 11 Alteração... 13 Exclusão...

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice

Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE. Índice CAPA Universidade Federal do Mato Grosso - STI-CAE Índice 1. Página da área administrativa... 1.1 Botões e campo iniciais... 2. Explicar como funcionam as seções... 2.1. Seções dinâmicos... 2.1.1 Como

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS BRADESCO NO FINANCE 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pelo Bradesco... 3 Como gerar os arquivos de Remessa para o Banco pelo Finance... 14 Como enviar

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

Validação de dados. Determinamos qual tipo de informação será aceita e dentro de qual intervalo.

Validação de dados. Determinamos qual tipo de informação será aceita e dentro de qual intervalo. Validação de dados Por meio do recurso de validação, podemos definir que tipo de informação gostaríamos que fosse aceita em um intervalo de células ou uma mensagem de auxílio ao usuário indicando qual

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt 1 Índice Menu e-mail marketing...03 Conteúdo da mensagem...04 Listas de contatos...15 Ações de e-mail marketing...19 Perguntas frequentes...26 2

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR 8VDQGRSDUkPHWURV

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR 8VDQGRSDUkPHWURV 8VDQGRSDUkPHWURV O envio de parâmetros para um relatório é uma das funções mais úteis do Report Manager, com eles você pode: Permitir que o usuário final altere palavras ou sentenças de um relatório; Atribuir

Leia mais

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet

Vendas. Manual do Usuário. Copyright 2014 - ControleNaNet Manual do Usuário Copyright 2014 - ControleNaNet Conteúdo A Ficha de Vendas...3 Os Recibos...6 Como imprimir?...7 As Listagens...9 Clientes... 10 Consulta... 11 Inclusão... 13 Alteração... 14 Exclusão...

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Digitalização. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Digitalização Este capítulo inclui: Digitalização básica na página 4-2 Instalando o driver de digitalização na página 4-4 Ajustando as opções de digitalização na página 4-5 Recuperando imagens na página

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Treinamento em BrOffice.org Calc

Treinamento em BrOffice.org Calc Treinamento em BrOffice.org Calc 1 Índice I. INTRODUÇÃO...3 II. NÚMEROS, TEXTOS, FÓRMULAS E DATAS...4 III. MENUS BÁSICOS...5 1. Arquivo...5 2. Editar...5 3. Formatar...5 IV. FÓRMULAS...8 V. REFERÊNCIAS

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

0079 - Relatórios Protheus

0079 - Relatórios Protheus Relatórios Todos os direitos autorais reservados pela TOTVS S.A. Proibida a reprodução total ou parcial, bem como a armazenagem em sistema de recuperação e a transmissão, de qualquer modo ou por qualquer

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva Conceitos Fundamentais de Microsoft Word Professor Rafael www.facebook.com/rafampsilva Introdução É um editor de texto ou processador de texto? editores de texto: editam texto (assim como uma máquina de

Leia mais

1. ACESSO AO SISTEMA. LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com.

1. ACESSO AO SISTEMA. LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com. Manual de uso 1. ACESSO AO SISTEMA LOGIN E SENHA Para ter acesso ao painel administrativo de seu site, acesse o link: http://atualiza.urldosite.com.br Após acessar o link acima, favor digitar seu LOGIN

Leia mais

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos Manual do Usuário Presidente Prudente, outubro de 2010 Índice 1. Introdução e Instruções

Leia mais

Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar

Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar Manual do site do Comitê do Itajaí: como inserir e atualizar conteúdo autor: Fábio Roberto Teodoro 25 de março de 2010 Sumário 1 Definições 3 2 Interface Administrativa 4 3 Conteúdo 6 3.1 Notícias............................................

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Tutorial Plone 4 Manutenção de Sites Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Sumário Introdução 1 Como fazer a autenticação do usuário 1.1 Através do

Leia mais

Relatórios com Quickreport

Relatórios com Quickreport C A P Í T U L O 6 Relatórios com Quickreport O QuickReport permite a criação de relatórios que podem ser impressos diretamente a partir do Delphi. Ele elimina alguns problemas verificados em ferramentas

Leia mais

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU

Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU Treinamento de Drupal para Administradores do Site Bibliotecas UFU 1 1. Como logar no sistema como usuário autenticado Para logar no sistema como usuário autenticado é necessário digitar /user na frente

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA AGENDA

Leia mais

Google Docs EDITOR DE TEXTOS

Google Docs EDITOR DE TEXTOS Google Docs Um destes serviços oferecidos é o Google Docs, uma espécie de suíte de aplicativos online, bastante semelhante ao Microsoft Office e ao OpenOffice.org/BrOffice.org. O serviço da Google possui

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS

CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS CRIANDO TEMPLATES E LEGENDAS Este tutorial tem como objetivo instruir passo à passo como criar templates de peças, utilizar os novos recursos de cadastro de propriedade de peças e criação de legenda. 1-

Leia mais

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima:

Guia de Uso. O Pro-Treino tem uma divisão clara de funções, apresentada a seguir: E três tipos de usuários que executam as funções descritas acima: Sumário 1. Introdução... 2 2. Conceitos básicos... 2 2.1. Fluxo do sistema... 3 2.2. Acesso ao sistema... 4 2.2.1. Login... 4 2.2.2. Logoff... 4 2.2.3. Esqueci minha senha... 5 2.3. Conhecendo o Sistema...

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros:

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Menu Notas Fiscais Entradas (não é um manual) Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Loja desejada. Fornecedor desejado (com marcas homologadas). Filtro para ignorar

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais

www.gerenciadoreficaz.com.br

www.gerenciadoreficaz.com.br Fone: (62) 4141-8464 E-mail: regraconsultoria@hotmail.com www.gerenciadoreficaz.com.br Guia Prático do Usuário Manual de Instalação Gerenciador Eficaz 7 2 Manual do Usuário Gerenciador Eficaz 7 Instalando

Leia mais

Questão - 01. Essência do Excel 2003...

Questão - 01. Essência do Excel 2003... Valdir Questão - 01 Como deve proceder o usuário do Microsoft para que sejam atualizados os cálculos das funções ou fórmulas utilizadas nas planilhas? a) Pressionar a tecla F9 no teclado b) Pressionar

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Página: 1/16 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Módulo CBDS (Central de Banco de Dados Senior) A quem se destina: Todos que tiverem a necessidade de administrar os dados da base de dados da Senior Sistemas

Leia mais

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web

Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI GERÊNCIA DE REDES - GEREDES Webmail UFMA Tutorial de Operações Básicas do Usuário Cliente Web São Luís 2014 1. INICIANDO...

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior 2000 Mozart de Melo Alves Júnior INTRODUÇÃO O Excel 7.0 é um aplicativo de planilha desenvolvido para ser usado dentro do ambiente Windows. As planilhas criadas a partir desta ferramenta poderão ser impressas,

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

Curso LibreOffice - Apostila de Exercícios

Curso LibreOffice - Apostila de Exercícios Exercício 1 1. Crie um novo documento e digite: Testando 2. Salve-o em algum local de fácil acesso e que seja de sua preferência com o nome Doc1. 3. Acrescente o texto Salvar Como ao final do texto escrito

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Tutorial Folha Express. Como otimizar a confecção da folha de pagamento.

Tutorial Folha Express. Como otimizar a confecção da folha de pagamento. Tutorial Folha Express Como otimizar a confecção da folha de pagamento. Índice Apresentação Pág. 2 Passo 1 Pág. 3 Disponibilização da Folha de Pagamento Passo 2 Pág. 5 Exportação de clientes e Folha de

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

Apostila de Word 2013

Apostila de Word 2013 Iniciando o word 2013...01 Regras Básicas para digitação de um texto...02 Salvando um arquivo com senha...02 Salvando um arquivo nas nuvens (OneDrive).... 02 Verificando a ortografia e a gramática do texto...

Leia mais

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções.

Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. 13. Editor de leiautes Voltado para novos usuários, este capítulo fornece uma instrução para edição de Leiaute do SILAS e suas funções. Neste capítulo uma breve explicação será apresentada sobre a organização

Leia mais