ALTERAÇÕES FÍSICO-QUÍMICAS E COLORIMÉTRICAS DE GELÉIAS DE ARATICUM (Annona crassiflora)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALTERAÇÕES FÍSICO-QUÍMICAS E COLORIMÉTRICAS DE GELÉIAS DE ARATICUM (Annona crassiflora)"

Transcrição

1 397 ISSN ALTERAÇÕES FÍSICO-QUÍMICAS E COLORIMÉTRICAS DE GELÉIAS DE ARATICUM (Annona crassiflora) Aroldo Arévalo-Pinedo 1, Bruna Lorena Aguiar Carneiro 2, Abraham Damian Giraldo Zuniga 1, Zilda Doratiotto Salles Arévalo 1, Audirene Amorim Santana 3, Rosalinda Arévalo Pinedo 4 RESUMO O araticum é uma fruta nativa do cerrado brasileiro, pertence à família das anonnacea a mesma da cherimoia, atemoia e fruta-do-conde. Este trabalho teve como objetivo estudar as alterações físicoquímicas e colorimétricas de geléias tipo convencional e light formuladas com polpa de araticum (Annona Crassiflora Mart). Durante o armazenamento as geléias foram avaliadas quanto às características físico-químicas (ph, acidez, Aw, ºBrix, açúcares redutores e totais), colorimétricas e microbiológicas (bolores e leveduras). Dos resultados observou-se que às características físicoquímicas apresentaram poucas variações na geléia light, entretanto, na convencional houve aumento no conteúdo dos açúcares redutores. Similarmente os parâmetros colorimétricos sofreram alterações, verificando-se constante diminuição da luminosidade na light. Microbiologicamente as geléias se mantiveram estáveis durante os 6 meses de armazenamento. Palavras-chave: araticum; geléia; processamento; estabilidade. PHYSICOCHEMICAL AND COLORIMETRIC CHANGES OF ARATICUM (Araticum crassiflora) JELLIES ABSTRACT Araticum (Annona crassiflora) is a native and exotic fruit of the Brazilian savanna region, which belongs to the anonnaceae botanical family, the same as cherimoya, sugar apple, and soursop. This study aimed to study of physicochemical and colorimetric changes of standard and low calorie jellies of araticum pulp (Annona crassiflora Mart). Standard and Low-calorie jelly was developed with sucralose sweetener. During storage were evaluated their physicochemical (ph, acidity, Aw, ºBrix, total and reducing sugars), colorimetric (L, a*and b*), and microbiological (yeasts and molds) characteristics. As for the physical-chemical characteristics, was observed little variation in the light jelly; however, in the conventional jelly, there was a pronounced increase in the content of reducing sugars. Their colorimetric parameters changed, and there was a constant luminosity reduction in the low-calorie jelly. Microbiologically, the jellies were stable during the 6 months of storage. Keywords: Annona crassiflora; jelly; processing; stability. Protocolo de 07/11/ Professor Doutor do Curso de Engenharia de Alimentos, Universidade Federal do Tocantins, UFT, Av. NS 15, ALCNO 14, , Palmas, TO, Brasil. Autor para correspondência 2 Aluna de graduação do Curso de Engenharia de Alimentos, Universidade Federal do Tocantins, UFT, Av. NS 15, ALCNO 14, , Palmas, TO, Brasil. 3 Aluna de doutorado da Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, , Campinas, SP, Brasil. 4 Professora Doutora do Curso de Engenharia de Alimentos, Universidade Federal da Grande Dourados, , Dourados, MS, Brasil

2 INTRODUÇÃO A região dos cerrados é muito rica em espécies frutíferas nativas, oferecendo grande quantidade de frutas comestíveis, algumas com excelentes características nutricionais, cujo aproveitamento pela população humana dá-se desde os primórdios de sua ocupação. As frutas oferecem um elevado valor nutricional, além de atrativos sensoriais como, cor, sabor e aroma peculiares e intensos, ainda pouco explorados comercialmente. Algumas frutas nativas do cerrado, como o araticum, o buriti, a cagaita e o pequi, apresentam teores de vitaminas do complexo B, tais como as vitaminas B1, B2 e PP, equivalentes ou superiores aos encontrados em frutas como abacate, a banana e a goiaba, tradicionalmente consideradas como boas fontes destas vitaminas (Oliveira et al. 2008). Estudos realizados mostram que frutas de araticum procedentes de populações nativas do sul de Minas Gerais apresentaram teores de próvitamina A que variou entre 70 e 105 retinol equivalente por 100g de polpa, ph variando de 4,7 a 5,5. A geléia caseira de araticum, processada termicamente, conservou melhor os teores de carotenóides, de vitamina C e o potencial pró-vitamina A do que o licor caseiro que foi obtido por infusão alcoólica a frio (Almeida et al. 1997). O araticum (Annona crassiflora Mart.), também conhecido como marolo, bruto ou cabeça-de-negro, pertencente à família das Annonaceae, é muito utilizado na alimentação e apreciado por sua polpa doce, amarelada e de aroma bastante forte. Sendo considerada uma importante fonte de carotenóides (Silva et al. 2001). Portanto, dentre as frutas nativas brasileiras, o araticum é uma fruta que apresenta um alto índice de aproveitamento culinário. Sua importância está vinculada ao uso expressivo das frutas pela população local, tanto sob a forma de sucos, licores, doces, geléias, tortas e iogurtes, como pelo consumo in natura (Oliveira et al. 2008; Silva et al. 2001; Almeida et al. 1997). Portanto, o processamento da polpa do araticum na forma de geléia representa uma alternativa tecnológica para diversificação dos produtos derivados desta fruta nativa do cerrado brasileiro. No desenvolvimento da maioria dos produtos com reduzido teor ou ausência de açúcar, faz-se uso de edulcorantes como a sucralose e o acesulfame-k, por caracterizarem-se como substâncias não glicídicas e serem capazes de conferir sabor doce, com um mínimo ou ausência de calorias (Cardello e Damásio, 1997). A sucralose tem demonstrado vantagens em relação aos demais edulcorantes para uso em produtos alimentícios, pois apresenta sabor muito semelhante ao da sacarose, sem deixar residual desagradável, além de ser obtida por processo industrial relativamente simples, através da cloração seletiva da sacarose. Uma das características mais marcantes da sucralose é sua notável estabilidade, tanto a altas temperaturas quanto em grandes variações de ph (Wasik, 1991; Nachtigall et al., 2004a). Na elaboração de geléias, a pectina é empregada como agente geleificante, espessante e estabilizante. Nas geléias de baixo teor de sólidos solúveis, é utilizado pectina de baixo teor de metoxilação (BTM), a qual forma gel em presença de íons metálicos bivalentes, normalmente o cálcio, não sendo necessária a presença de açúcares. Em geléias convencionais utiliza-se pectina de alta metoxilação (ATM), as quais formam géis firmes e estáveis em meios que contenham conteúdo de sólidos solúveis superiores a 50%. No entanto, para formação de géis estáveis com pectina BTM ou com pectina ATM, se faz necessário o controle do ph do meio (Campos e Cândido, 1994; Nachtigall et al., 2004a, Nachtigall et al., 2004b). Granada et al. 2005, elaboraram geléias com reduzido teor calórico, utilizando como agentes de corpo diferentes combinações dos hidrocolóides xantana, carragena e locusta. Como comparativo utilizou-se uma formulação padrão de geléia de abacaxi (controle), elaborada com sacarose e xarope de glicose na proporção de 4:1 (p/p), e com teor final de sólidos solúveis de 65ºBrix. As quatro formulações light foram preparadas pela substituição de 50% da quantidade de açúcar da formulação controle, sendo que para equiparar a doçura, adicionaram o edulcorante sucralose. Os autores concluíram que o uso do edulcorante sucralose mostrou-se satisfatório no sentido de repor a doçura das geléias light e não inferiu em sabor característico diferenciado e que todas as formulações de geléia light se enquadraram na legislação quanto à redução de calorias e aos limites de contaminação microbiana. O objetivo desta pesquisa foi desenvolver o processamento e estudar a estabilidade da geléia light de araticum (Annona Crassiflora Mart) durante o armazenamento. Matéria-prima MATERIAIS E MÉTODOS

3 Alterações físico-químicas e colorimétricas de geléias de araticum (Annona crassiflora) Arévalo-Pinedo et al. 399 Os frutos de araticum foram provenientes das fazendas do município de Palmas, Tocantins. Os frutos foram colhidos maduros (coloração marrom), selecionados segundo à presença de injúrias mecânicas e sanidade, lavados em água corrente para retirada de sujidades grosseiras como areia e palha, imersos em solução de hipoclorito de sódio 400 ppm para sanitização e a seguir foram lavados em água corrente. Após lavagem, os frutos foram despolpados em despolpadeira de aço inoxidável com malha de 1,5 mm de diâmetro, tomando-se todos os cuidados de higiene e sanidade. Em seguida, a polpa foi acondicionada em sacos de plástico e armazenada em freezer a -18 ºC, até o momento dos experimentos. Elaboração das geléias A polpa foi descongelada e através de uma curva de titulação foi corrigido o ph para 3,2 com ácido cítrico. À polpa acidificada foi adicionada de sacarose e 0,5 % de pectina ATM (marca comercial Kelko, Brasil) para formulação da geléia convencional e de sacarose e sucralose e 1,5 % de pectina BTM para a geléia light. A formulação da geléia convencional utilizada como controle (F1) foi elaborada considerando as proporções para uma geléia do tipo extra, proporção 1:1 de polpa e sacarose (Mota, 2007). Para a formulação da geléia light (F2), foram substituídas 50% do açúcar pelo edulcorante sucralose, calculado considerando-se a doçura equivalente (600 vezes maior que a sacarose), porém respeitando o limite máximo de 45 mg de edulcorante por 100 g de produto final (Cândido e Campos, 1996; Granada et al., 2005). À formulação light também foi adicionado 55 mg de Ca 2+.g -1 (Cloreto de cálcio) de pectina BTM para auxiliar na formação do gel (Nachtigall et al. (2004b). As formulações foram concentradas em tacho aberto de aço inoxidável até 66 ºBrix para a geléia convencional e de 46 ºBrix para a light. Depois de atingido o ºBrix desejado foi adicionado a pectina e 0,05 % de sorbato de potássio como conservante. As geléias foram envasadas a quente (80 ºC) em embalagens de vidro com capacidade de 250 ml, previamente esterilizadas e estocadas em temperatura ambiente (Lago et al., 2006). Análises físico-químicas A polpa e a geléia de araticum após o processamento foram submetidas às análises físico-químicas de umidade, lipídeos, proteína e acidez, de acordo com métodos preconizados pela AOAC (1998); ph, açúcares redutores, açúcares totais e vitamina C pelos métodos do Instituto Adolfo Lutz (1985) e atividade de água. A cor foi determinada a 25 C usando um colorímetro digital (Minolta CR4000, fonte de luz D65 em espaço de cor L*a*b* do sistema CIE L*a*b). A calibração foi realizada com placa branca padrão, seguindo as instruções do fabricante. Os resultados foram expressos em L* (luminosidade) que varia de 0 (preto) a 100 (branco); o a* varia de -a* (verde;) a +a* (vermelho) e o b* de b* (azul) a +b* (amarelo). Estabilidade das geleias A estabilidade foi estudada por um período de 6 meses através de análises de ph, acidez total titulável, Brix, açúcares totais e redutores, presença de mesófilos, bolores e leveduras, coliformes totais e termotolerantes e colorimetria Hunter Lab, utilizando colorimetro Minolta CR-400. As análises microbiológicas das geléias foram realizadas quanto a presença de bolores e leveduras, coliformes totais e termotolerantes de acordo com a metodologia da APHA (Vanderzant e Splittstoesser, 1992). Os resultados foram avaliados por análise de variância e teste de Tukey quando adequado, ao nível de significância de 5 % de probabilidade (p<0,05), utilizando o programa Statistica 5.0 for Windows. RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 1 apresenta os valores das análises físico-químicas da polpa e das geléias convencional e light formuladas com a polpa de araticum (Annona crassiflora Mart). De acordo com os dados da Tabela 1 a polpa apresenta alta aumidade (67 %), 26 % de sólidos slúveis, de 15,20 % e 13,69 % de açúcares redutores e totais e pouca acidez e alto ph (5,15 %). O valor de 4,54 % de gordura é superior ao reportado por (Almeida, 1998). Na polpa de araticum, cerca de 80% dos ácidos graxos são monoinsaturados; 16%, saturados e 4%, poliinsaturados, destacando-se os ácidos oléicos, palmíticos e linolênico, respectivamente (Almeida, 1998). O alto valor da relação ºBrix/acidez indica o alto grau de doçura da polpa, o que mostra a grande possibilidade do seu uso na fabricação de geléias e doces. A polpa contém também pouca quantidade de minerais refletida no conteúdo de

4 cinzas de 1,07 %. As geléias apresentaram valores de sólidos solúveis de 66,75 % e açúcares totais de 40 % para a convencional e de 46,0 % e 37,5 % para a light. A geléia convencional apresenta maior valor de sólidos solúveis e açúcares totais devido à maior quantidade de sacarose utilizado na formulação e ao maior tempo de concentração. Os valores de ph, acidez enquadram dentro dos valores apresentados por Granada et al. (2005) para geleía light de abacaxi e por Nachtigall et al. (2004) para geléias light de amora-preta. A polpa de araticum apresentou luminosidade L* de 22,82; de cromaticidade a* e b* de 4,72 e 13,78 respectivamente, que mostra uma polpa pouco clara, com predominante coloração vermelho-amarelada, devido à presença dos carotenóides (Roesler et al. 2007). Fazendo comparação com a polpa observou-se uma maior perda de coloração na geléia convencional que na light, com queda de mais de 56 % na luminosidade e alto aumento da coloração amarela (b* de 69,47). Tabela 1. Resultados das análises físico-químicas da polpa e das geléias de araticum. Análises Composição Polpa Geléia convencional Geléia light Umidade 67,0 18,96 44,60 Gorduras 4, Cinzas 1,07 0,18 0,24 Acidez total titulável 0,24 1,07 0,22 ºBrix 26,0 66,75 46,0 Açúcares redutores 15,20 13,44 11,85 Açúcares totais 13,69 40,0 37,5 Ph 5,15 3,19 4,60 Aw - 0,818 0,98 Cor: L* 22,82 9,93 19,46 A* 4,72 8,73 3,29 B* 13,78 69,47 10,02 As Tabelas 2 e 3 mostram os resultados das análises físico-químicos, de colorimetria e das geléias convencional e light de araticum, que foram avaliados durante os 6 meses de armazenamento. Quando se aplica o teste de Tukey na comparação das médias para as características físico-químicas das geléias durante o armazenamento, verificou-se que, apesar de serem observadas poucas variações entre os valores durante o período de armazenamento, estatisticamente algumas delas foram significativas, como, por exemplo, nos valores de açúcares redutores e totais da geléia convencional (Tabela 2) e de açúcares redutores na geléia light (Tabela 3). Observou-se um aumento (p<0,5) de açúcares, redutores e totais, a partir do primeiro mês na geléia convencional e dos 2 meses de armazenamento na light, após este período os valores mantiveram-se praticamente constante. O aumento de açúcares redutores pode ser atribuído à hidrólise da sacarose em meio ácido, visto que não houve crescimento microbiano durante este período. Esta hidrólise pode ser atribuída a reações químicas ocasionadas pela presença de ácidos orgânicos, uma vez que açúcares não-redutores como a sacarose é hidrolisada em meio ácido (Yuyama et al. 2008). Estas variações nos açúcares também foram observados por Zambiazi et al. (2006) durante o estudo de vidade-prateleira de geléias light de morango e por Yuyama et al durante o armazenamento de geléia de cubiú. Neste trabalho não se observou variações significativas da acidez e do ºBrix durante o armazenamento. Quanto ao ph das geléias de araticum verificou-se que ocorreram algumas diferenças significativas entre as condições de armazenamento (p 0,05) na geléia convencional, mantendo-se praticamente inalterado na light (Tabela 3). Verificou-se, primeiramente aumento do ph a partir dos 30 (ph de 3,19) até os 90 (ph de 3,34) dias na geléia convencional, quando depois diminui até atingir os valores iniciais e permanece constante até os 6 meses. Mesmo havendo variação, observa-se que o ph manteve-se dentro da faixa de formação de um gel consistente (Jackix, 1998). Silva (1999) relatou uma redução do ph nos primeiros 2 meses de armazenamento e posterior aumento ao final de 6 meses, em polpa de acerola tratada e não tratada

5 Alterações físico-químicas e colorimétricas de geléias de araticum (Annona crassiflora) Arévalo-Pinedo et al. 401 termicamente. Este autor atribui o aumento do ph à degradação do ácido ascórbico durante o armazenamento, uma vez que o maior aumento desta variável ocorreu nos tratamentos em que houve maior degradação do ácido ascórbico. A atividade de água na geléia convencional sofreu uma leve diminuição de 0,82 para 0,77 após 6 meses e de 0,98 a 0,92 após 3 meses, porém em ambas as amostras manteve-se praticamente constante durante todo o período de armazenamento. Das Tabela 2 e 3 pode-se oberservar as mudanças de coloração das geléias durante o armazenamento em condições ambientais por 6 meses. A cor dos alimentos expressa pelos parâmetros estudados de colorimetria, indica o índice de transformação natural dos alimentos frescos assim como as mudanças ocorridas no processo industrial (Pinheiro, Vilas-Boas, 2005). Em geléias de araticum a cor relaciona-se com os pigmentos carotenóides encontrados na polpa (Almeida et al. 1997). Os carotenóides são responsáveis por colorações que vão desde o amarelo ao vermelho, de fácil degradação. Sua estabilidade ao longo do tempo depende de uma serie de fatores, como temperatura, disponibilidade de O 2, transmissão de luz do material de embalagem, aw, entre outros (Azeredo et al. 2004). No início do armazenamento as geléias, convencional e light, apresentaram valores diferentes significativamente (p<0,05) de luminosidade de 9,93 e 19,46; de cromaticidade a* de 8,73 e 3,29; de b* de 69,47 e 10,02 respectivamente. Ambas as geléias apresentaram baixos valores de luminosidade que nos reporta que são produtos pouco translúcidos tendendo para escuro característico de produtos concentrados por calor, caso dos doces e geléias. Entretanto, um menor valor inicial de luminosidade da geléia convencional nos indica um maior escurecimento causado possivelmente pela perda dos pigmentos e pelo escurecimento não enzimático de caramelização da sacarose devido ao maior tempo de concentração dessa geléia. Durante o armazenamento as características relativas à luminosidade da geléia light modificaram significativamente (p<0,05), entretanto, não se observaram grandes mudanças de luminosidade na geléia convencional. Na light os valores de luminosidade variaram de 19,46 a 7,12 verificando-se um escurecimento gradual da geléia a partir dos 2 meses de armazenamento, causado pela perda dos pigmentos como mostra a queda da coloração amarela b* (de 10,02 a 5,15). Produtos de frutas, como sucos e geléias, são susceptíveis à deterioração na cor resultante de efeitos combinados da degradação dos pigmentos e da formação de pigmentos escuros (Skrede et al., 1992). Nas Tabelas 2 e 3, também, são apresentados os valores das análises microbiológicas (contagem de bolores e leveduras) realizadas nas geléias do tipo convencional e light de araticum quando armazenadas durante 6 meses a temperatura ambiente. Em relação ao tempo de armazenamento, todas as geléias permaneceram estáveis microbiologicamente, apresentando ausência de coliformes totais e contagem de bolores e leveduras <10 UFC/g de produto durante o armazenamento, de acordo com os padrões microbiológicos estabelecidos pela legislação vigente para este tipo de alimento, a qual estabelece uma tolerância de 10 4 UFC/g para bolores e leveduras (Brasil, 2001). Tabela 2. Determinações físico-químicas de geléia convencional de araticum durante o armazenamento à temperatura ambiente. Análises Tempo (meses) ph 3,19 a - 3,34 b 3,33 b 3,16 a 3,21 a Acidez 1,07 a 1,11 a 1,15 a 1,11 a 1,01 b 1,04 a Aw 0,82 a 0,82 a 0,81 a 0,81 a 0,79 a 0,77 a ºBrix 66,75 a ,47 a 66,5 a 66,3 a Açúcares redutores 13,44 a 20,59 b 20,96 b 23,10 b 38,33 c 39,82 c Açúcares totais 40,0 a 57,14 b 45,0 c 45,0 c 45,0 c 45,2 c Cor: L* 9,93 a 8,21 a 11,68 b 8,48 a 8,30 a 10,23 b A* 8,73 a 2,72 b 3,06 c 3,32 c 3,51 c 2,92 c B* 69,47 a 5,03 b 5,37 b 4,30 b 4,52 b 4,16 c Bolores e leveduras ausente ausente Ausente Ausente Ausente Ausente (UFC/g) Letras iguais na mesma linha significam que não há diferenças significativas entre os diferentes tempos de armazenamento (ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey, p<0,05).

6 Tabela 3. Determinações físico-químicas de geléia light de araticum durante o armazenamento à temperatura ambiente. Análises Tempo (meses) ph 4,60 a 4,60 a 4,63 a 4,64 a 4,58 a 4,61 a Acidez 0,22 a 0,22 a 0,22 a 0,21 a 0,22 a 0,19 a Aw 0,98 a 0,98 a 0,93 b 0,93 b 0,93 b 0,92 b ºBrix 46,0 a ,3 b 48,0 b 48,0 b Açúcares redutores 11,85 a 10,56 a 15,02 c 14,85 c 16,63 d 16,93 d Açúcares totais 37,50 a 31,91 b 38,09 c 37,22 a 37,50 a 32,50 b Cor: L* 19,46 a 19,47 a 13,26 b 12,17 b 10,09 b 7,12 d A* 3,29 a 2,70 b 6,90 c 4,42 d 4,48 d 4,36 d B* 10,02 a 6,11 b 11,05 a 5,66 b 5,89 b 5,15 b Bolores e leveduras (UFC/g) ausente ausente Ausente Ausente ausente ausente Letras iguais na mesma linha significam que não há diferenças significativas entre os diferentes tempos de armazenamento (ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey, p<0,05). CONCLUSÕES As características físico-químicas da polpa de araticum nos reportam que esta fruta é uma excelente matéria-prima para a fabricação de geléias, devido principalmente aos sólidos solúveis apresentados e ao aroma e cor atrativa avermelhada da polpa. As geléias do tipo convencional e light de araticum se mostraram estáveis físico-quimicamente e microbiologicamente durante o armazenamento a temperatura ambiente. Quanto a cor houve alteração durante o armazenamento, observando-se uma maior perda da coloração na geléia light. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analytical chemists. 20 ed. Washington. 1998, 1094 p. Almeida, S. P.; Proença, C. E. B.; Sano, S. M.; Ribeiro, J. F. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: Embrapa CPAC, p. Almeida, S.P; Silva, J.A.; Ribeiro, J.F. Aproveitamento alimentar de espécies nativas dos cerrados: araticum, baru, cagaita e jatobá. Brasília, DF: EMBRAPA, CPAC, p. (Documentos, 26). Campos, A. M; Cândido, L.M.B. Comportamento de géis de pectinas amidadas em presença de diferentes adoçantes e teores de cálcio. Boletim do CEPPA, Curitiba, v. 12, n. 1, p.39-54, Cândido, L.M.B.; Campos, A.M. Alimentos para fins especiais: dietéticos. São Paulo: Varela, p. Cardello, H. M. A. B.; Damásio, M. H. Edulcorantes e suas características: revisão. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 31, n. 2, p , Granada, G. G., Zambiazi, R. C., Mendonça, C. R. B., Silva, E. Caracterização física, química, microbiológica e sensorial de geléias light de abacaxi. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25, n. 4, p , Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos Químicos e Físicos para Análise de Alimentos. 3ª ed. São Paulo: IAL, p. Lago, E. S., Gomes, E., Silva, R. Produção de geléia de jambolão (Syzygium cumini Lamarck): Processamento, parâmetros físico-químicos e avaliação sensorial. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n. 4, p , Lobo, A. R.; Silva, G. M. L. Aspectos Tecnológicos de Produtos de Panificação e Massas Alimentícias com Teor Calórico Reduzido. Boletim do sbcta, v. 37, n. 1, p 1-8, Mariath, J. G. R., Lima, M. C. C., Santos, M. P. Vitamin A of buriti (Maurita vinifera Mart) and its effectiveness in treatment and prevention of xerophtalmia. American Journal of Clinical Nutrition, v. 49, p , Mota, R. V. Características Químicas e Aceitabilidade de Geléias de Amora-preta de Baixo Teor de Sólidos Solúveis. Brazilian

7 Alterações físico-químicas e colorimétricas de geléias de araticum (Annona crassiflora) Arévalo-Pinedo et al. 403 Journal of Food Technology, v. 10, n. 2, Nachtigall, A. M., Souza, E. L., Malgarim, M. B., Zambiazi, R. C. Geléias light de amorapreta. Boletim do CEPPA, v. 22, n. 2, p , 2004a. Nachtigall, A. M., Zambiazi, R. C., Carvalho, D. S. Geléia light de hibisco: Características físicas e químicas. Alimentos e nutrição, Araraquara, v. 15, n. 2, p , 2004b. Oliveira, K. A. M; Ribeiro, L. S; Oliveira, G. V; Pereira, J. M. A. T; Mendonça, R. C. S; ASSUMÇÃO, C. F. Desenvolvimento de formulação de iogurte de araticum e estudo da aceitação sensorial. Alimentos e nutrição, Araraquara, v. 19; n. 3, Pinheiro, A. C. M.; Vilas Boas, E. V. B. Influencia do CaCl2 sobre a qualidade poscolheita do abacaxi cv. Perola. Ciência de Alimentos, Campinas, v. 25(1), p , jan.-mar, Roesler, R; Malta, L. G; Carrasco, L. C. Atividade antioxidante de frutas do cerrado. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 27(1): 53-60, jan.-mar Skrede, G. et al. Color stability of strawberry and blackcurrant syrups. Journal of Food Science, v. 57, n. 1, p , Silva, D.B. et al. Frutas do cerrado. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, p. Vanderzant, T., Splittstoesser, E.F. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 3ª ed. Washington, American Public Health Association (APHA), p. Wasik, R. A sweet new alternative. (sucralose, a derivative of table sugar). Food in Canada, v. 51, n. 6, p. 27, june Yuyama, L. K. O., Pantoja, L., Maeda, R. N., Aguiar, J. P. L., Silva, S. B. Desenvolvimento e aceitabilidade de geléia dietética de cubiú (Solanum sessiliforum DUNAL). Ciência e tecnologia de alimentos, Campinas, v. 24, n. 8, p , 2008.

8 404 Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.15, n.4, p.404, 2013

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 INTERFERÊNCIA DA SUBSTITUIÇÃO DE SACAROSE POR EDULCORANTES SOBRE AS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE GELÉIA LIGHT DE MAROLO (Annona crassiflora Mart.) LAÍS GALGANI RIBEIRO 1, CAMILA CARVALHO MENEZES

Leia mais

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI

MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI MAPA DE PREFERÊNCIA INTERNO DE GELEIAS MISTAS DE MAMÃO COM ARAÇÁ-BOI Eliseth de Souza Viana 1, Jaciene Lopes de Jesus 2, Ronielli Cardoso Reis 1, Mercia Damasceno Fonseca 4, Célio Kersul do Sacramento

Leia mais

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET

OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET OBTENÇÃO DE GELÉIA DIET ELABORADA COM SUCO DE MARACUJÁ* Ana Cândida Barbieri Lamante** Marcela Aparecida Dada** Mariana Furquim** Camila Gravena** Flávia Berwerth Bellarde*** Flávia Della Lucia**** Introdução

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA Gilsimeire Rodrigues MORAIS* 1 ; Maria Raquel Hidalgo CAMPOS** 2 ; Thaísa Anders Carvalho SOUZA* 3 ; Tiago DIAS** 4 ; Luciana de Oliveira

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess)

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Emerson Divino PEREIRA 1 ; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI 3 ; Jéssica Ribeiro HENRIQUE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses

FRUTAS E DERIVADOS. Profa. Flávia Meneses Maturação e metabolismo pós-colheita Fonte de vida: Fotossíntese CO 2 + H 2 O + energia solar Glicose + H 2 O + O 2 Respiração Glicose + O 2 CO 2 + H 2 O + energia Após a colheita: transformações químicas

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sorbet. Curso técnico profissionalizante. Engenharia de Alimentos

PALAVRAS-CHAVE Sorbet. Curso técnico profissionalizante. Engenharia de Alimentos 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

Os desafios da indústria de alimentos e a preocupação com a redução de aditivos em alimentos processados

Os desafios da indústria de alimentos e a preocupação com a redução de aditivos em alimentos processados I Workshop: Dia Mundial da Alimentação Produção da Alimentos e Alimentação Saudável Os desafios da indústria de alimentos e a preocupação com a redução de aditivos em alimentos processados Prof. Paulo

Leia mais

GROINDÚSTRIA PALAVRAS-CHAVE: ABACAXI; RESÍDUOS DE CASCA; GELÉIA; ANÁLISE SENSORIAL.

GROINDÚSTRIA PALAVRAS-CHAVE: ABACAXI; RESÍDUOS DE CASCA; GELÉIA; ANÁLISE SENSORIAL. ACEIT CEITABILID ABILIDADE ADE DE GELÉIAS CONVENCIONAL E LIGHT DE ABACAXI OBTIDAS DE RESÍDUOS DA AGR GROINDÚSTRIA AMANDA FISS RODRIGUES E SILVA* RUI CARLOS ZAMBIAZI** No presente estudo verificou-se a

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA

ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS AO PROCESSO DE DESIDRATAÇÃO OSMÓTICA SEGUIDA DE SECAGEM EM ESTUFA Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 ANÁLISE DO RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAJÁ-MANGA SUBMETIDOS

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO Tânia Brugnerotto 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Raquel Pileti 3 Palavras-chave: sensorial, formulação, uva. INTRODUÇÃO A uva é uma das frutas mais consumidas no mundo,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE.

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. Anastácia Maria Mikaella Campos NOBREGA 1, Maria Elita Martins DUARTE 2, Renata Duarte ALMEIDA 3, Suellton Rodrigues ANDRÉ 4. 1 Departamento

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

GELÉIA DE AMORA ELABORADA COM A POLPA E O SUCO DA FRUTA: DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DOS PARÂMETROS SENSORIAIS RESUMO

GELÉIA DE AMORA ELABORADA COM A POLPA E O SUCO DA FRUTA: DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DOS PARÂMETROS SENSORIAIS RESUMO 439 ISSN: 1517-8595 GELÉIA DE AMORA ELABORADA COM A POLPA E O SUCO DA FRUTA: DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DOS PARÂMETROS SENSORIAIS Daniela Helena Guimarães Pelegrine 1, Jamile Sertori Sumere 2 RESUMO A fruticultura

Leia mais

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura.

Palavras-chave: Índice de acidez; óleo vegetal; fritura. ACIDEZ EM ÓLEOS E GORDURAS VEGETAIS UTILIZADOS NA FRITURA Álvaro Ramos Junior 1* ; Cleiton Teixeira 1 ; Vinícius Jatczak Amazonas 1 ; Daniela Trentin Nava 2 ; Raquel Ribeiro Moreira 2 ; Ricardo Fiori Zara

Leia mais

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Wallber Carneiro Ferreira 1, Maria Climene Bezerra de Medeiros Almeida 2, Patrício Borges

Leia mais

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo.

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Felipe Machado TROMBETE ¹ *; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 ; Marcos

Leia mais

AVALIAÇÃO QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCOS DE FRUTAS INTEGRAIS: ABACAXI, CAJU E MARACUJÁ 1

AVALIAÇÃO QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCOS DE FRUTAS INTEGRAIS: ABACAXI, CAJU E MARACUJÁ 1 AVALIAÇÃO QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCOS DE FRUTAS INTEGRAIS: ABACAXI, CAJU E MARACUJÁ 1 Anália Maria PINHEIRO 2, Aline Gurgel FERNANDES 2, Ana Elizabeth Cavalcante FAI 2, Giovana Matias

Leia mais

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva

CAFÉ COQUETÉIS. destruídos, restando apenas a cafeína, que não é destruída com a excessiva Café Coquetéis CAFÉ COQUETÉIS O café é uma bebida estimulante, agradável, reanimadora, que apresenta aroma e sabor característicos e é capaz de agradar aos mais variados paladares. Versátil, compõe receitas

Leia mais

SUCRALOSE. Adoçante. Informações Técnicas. INCI Name: Sucralose CAS number: 56038-13-2. Fórmula Molecular: C 12 H 19 Cl 3 O 8 Peso Molecular: 397.

SUCRALOSE. Adoçante. Informações Técnicas. INCI Name: Sucralose CAS number: 56038-13-2. Fórmula Molecular: C 12 H 19 Cl 3 O 8 Peso Molecular: 397. Informações Técnicas SUCRALOSE Adoçante INCI Name: Sucralose CAS number: 56038-13-2. Fórmula Molecular: C 12 H 19 Cl 3 O 8 Peso Molecular: 397.64 INTRODUÇÃO A Sucralose é o único adoçante derivado do açúcar,

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS Marina Massarollo (UNICENTRO), Vivian Buriol (UNICENTRO), Katielle R. V. Córdova (Orientadora), e-mail: kvcordova@hotmail.com

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

1. Descrição MS: 6.05426-4 ANEXO 1. 3. Características

1. Descrição MS: 6.05426-4 ANEXO 1. 3. Características 1. Descrição Alimento protéico para preparo de bebida que fornece a quantidade ideal de colágeno hidrolisado com vitaminas e minerais quelatos (precursores de colágeno) que favorecem a saúde da pele e

Leia mais

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes Faculdade de Gastronomia AÇÚCAR Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes No singular açúcar, refere-se à sacarose proveniente da cana-de-açúcar e beterraba No plural açúcares diz respeito aos vários

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana

Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana Utilização de fibras alimentares como substitutos de gordura em linguiça tipo toscana Beatriz Silva Reis TEIXEIRA 1 ; Rogério Amaro GOLÇALVES 2 ; Ana Karoline Ferreira IGNÁCIO 3 1 Aluna do Curso Superior

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.16, n.3, p.313-317, 2014 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO

Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.16, n.3, p.313-317, 2014 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO 313 ISSN: 1517-859 ARTIGO TÉCNICO ELABORAÇÃO, QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DA SALADA DE FRUTAS EM CALDA Florisvaldo Gama de Souza 1, Carla Detenborn de Cól 2 RESUMO A finalidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

51 ALTERAÇÕES DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DA POLPA DE MARACUJÁ AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES TÉCNICAS DE CONGELA- MENTO INICIAL RESUMO

51 ALTERAÇÕES DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DA POLPA DE MARACUJÁ AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES TÉCNICAS DE CONGELA- MENTO INICIAL RESUMO 51 ALTERAÇÕES DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DA POLPA DE MARACUJÁ AMARELO SUBMETIDO A DIFERENTES TÉCNICAS DE CONGELA- MENTO INICIAL Elaine Donata Ciabotti 1 ; Maria Elita Duarte Braga 2 ; Mario Eduardo

Leia mais

VALOR NUTRITIVO E COMPOSIÇÃO FITOQUÍMICA DE VARIEDADES DE MAÇÃ DE ALCOBAÇA

VALOR NUTRITIVO E COMPOSIÇÃO FITOQUÍMICA DE VARIEDADES DE MAÇÃ DE ALCOBAÇA VALOR NUTRITIVO E COMPOSIÇÃO FITOQUÍMICA DE VARIEDADES DE MAÇÃ DE ALCOBAÇA Domingos P.F. Almeida 1 ; Manuela Pintado; Francisco Xavier Malcata Centro de Biotecnologia e Química Fina Escola Superior de

Leia mais

DIZERES DE ROTULAGEM- PICOLÉ

DIZERES DE ROTULAGEM- PICOLÉ Página 1 de 19 SORVETE: Picolé Sabor de Milho Verde AROMATIZADO E COLORIDO ARTIFICIALMENTE. INGREDIENTES: água, açúcar, leite em pó integral, gordura de palma, glicose em pó, creme de milho, proteína de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DE GELÉIA DE TOMATE

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DE GELÉIA DE TOMATE 165 ISSN 1517-8595 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DE GELÉIA DE TOMATE Ana Claudia Tsuchiya 1, Ana da Graça M. da Silva 1, Marinêz de Souza 1, 2, Carla A. P. Schmidt 3 RESUMO

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN

EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN EMPREGO DAS FARINHAS DE BANDINHA DE FEIJÃO EXTRUSADA E QUIRERA DE ARROZ NA FORMULAÇÃO DE BOLOS SEM GLÚTEN Luciana de Oliveira FROES 1 ; Priscila Zaczuk BASSINELLO 2 ; Raquel de Andrade Cardoso SANTIAGO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ FAVARIN, Fernanda Reis²; RODRIGUES, Alessandra²; BOSI, Greice Fracari²; BASSO, Cristiana³; STORCK, Cátia Regina³; ¹ Iniciação científica

Leia mais

ESTABILIDADE DO SUCO TROPICAL DE ACEROLA (Malpighia emarginata D.C.) ADOÇADO ENVASADO PELOS PROCESSOS HOT-FILL E ASSÉPTICO

ESTABILIDADE DO SUCO TROPICAL DE ACEROLA (Malpighia emarginata D.C.) ADOÇADO ENVASADO PELOS PROCESSOS HOT-FILL E ASSÉPTICO ESTABILIDADE DO SUCO TROPICAL DE ACEROLA (Malpighia emarginata D.C.) ADOÇADO ENVASADO PELOS PROCESSOS HOT-FILL E ASSÉPTICO Claisa Andréa Silva de FREITAS 2, *, Geraldo Arraes MAIA 2, José Maria Correia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO Thaise Ananele de Lima 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 ; Diego Palmiro Ramirez Ascheri 3 1 Química Industrial, UnUCET/Anápolis

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

O Batido. O leite e a fruta apresentam na sua constituição um. Os batidos constituem-se como uma excelente fonte de

O Batido. O leite e a fruta apresentam na sua constituição um. Os batidos constituem-se como uma excelente fonte de O Batido Resulta de uma extraordinária combinação de sabores! O leite e a fruta apresentam na sua constituição um interessante perfil nutricional a sua combinação é, por isso, de excelência! Os batidos

Leia mais

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes!

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Alimentos Diet: Alimento dietético

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 RESUMO Rita de Cássia Zanúncio Araujo 2 Sára Maria Chalfoun de Souza 3 Joelma Pereira 4

Leia mais

Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas

Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas SCIENTIA PLENA VOL. 7, NUM. 1 211 www.scientiaplena.org.br Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas J. D. R. Pimentel¹; D. S. Souza¹; T. V. Oliveira¹;

Leia mais

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários;

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº- 270, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Nº uso

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C)

ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C) ACEITAÇÃO SENSORIAL E CARACTERIZAÇÃO FÍSICO- QUÍMICA DE SORVETE SABOR CHOCOLATE SUBMETIDA AO CONGELAMENTO RÁPIDO (-80 C) E LENTO (-18 C) C. C. de S. BERY 1*, A. C. A. VIEIRA 1, N. C. GUALBERTO 1, A. A.

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA DE MASSA ALIMENTICIA MISTA ESTABILIZADA Rebeca de Lima DANTAS 1, Gabriela dos Santos SILVA 2, Ana Paula Trindade ROCHA 3 1 Rebeca de Lima Dantas, aluna de mestrado

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE FRUTAS INDUSTRIALIZADOS

ANÁLISE QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE FRUTAS INDUSTRIALIZADOS 1 ANÁLISE QUÍMICA, FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE FRUTAS INDUSTRIALIZADOS Marcos Vinícius de Castro 1 Jairo Pinto de Oliveira 2 Marcos Jorge de Magalhães Junior 3 Elaine Alves de Oliveira Assunção

Leia mais

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009.

II Seminário Iniciação Científica IFTM, Campus Uberaba, MG. 20 de outubro de 2009. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E ENZIMÁTICA EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DA FRUTA DE UVAIEIRA (EUGENIA PYRIFORMIS CAMBESS), CULTIVADA NO TRIÂNGULO MINEIRO AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI,

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL

PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL a 9 de novembro de 13 Campus de Palmas PROCESSAMENTO E ACEITABILIDADE DE BEBIDA MISTA DE EXTRATO LEITE DE BABAÇU E DE CASTANHA-DO-BRASIL Bruna Lorena Aguiar Carneiro 1 ; Aroldo Arévalo Pinedo. 1 Aluna

Leia mais

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015 MONITORAMENTO DA MATURAÇÃO PÓS-COLHEITA DE TOMATE VERDE MADURO DOS GRUPOS ITALIANO PIZZADORO E SALADETE ALAMBRA ANJOS, Valéria Delgado de A 1 ; ZANINI, Juliana Salvetti 2 ; ABRAHÃO, Roberta Maria Soares

Leia mais

BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS

BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS Ministério da Abastecimento Data de atualização: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS Nome Empresarial: BIOAGRI ANÁLISES DE ALIMENTOS LTDA. CNPJ: 00.000.410/0001-32 Endereço:

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie

Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Análise sensorial de diferentes formulações de Smoothie Maria Alice NASCIMENTO¹; Sabrina VARGAS MONTEIRO¹; Sônia OLIVEIRA DUQUE PACIULLI². 1Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Alimentos. Instituto

Leia mais

Características físico-químicas dos méis do município de São Fidelis-RJ 1

Características físico-químicas dos méis do município de São Fidelis-RJ 1 Características físico-químicas dos méis do município de São Fidelis-RJ 1 Maria Aparecida Alves AZEREDO 2, Laerte da Cunha AZEREDO 2,*, Joelma Gonçalves DAMASCENO 3 RESUMO De acordo com a tonalidade as

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005 título: Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico referente a Gelados Comestíveis, Preparados, Pós para o Preparo e Bases para Gelados Comestíveis, constante

Leia mais

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Magalhães, Everaldo Farias; Maia, Geraldo Arraes; Figueiredo, Raimundo Wilane de; Silva Lima, Andréa da; Brito,

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITAÇÃO DE GELEIA NATURAL DE GRAVIOLA COM FRUTAS CÍTRICAS E VERMELHAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITAÇÃO DE GELEIA NATURAL DE GRAVIOLA COM FRUTAS CÍTRICAS E VERMELHAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO E ACEITAÇÃO DE GELEIA NATURAL DE GRAVIOLA COM FRUTAS CÍTRICAS E VERMELHAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO 1 CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO Flávia Andriza Bedin Tognon 1 Marina Daros Massarollo 2 Franciele Ani Caovilla Follador 3 Ana Paula Vieira 4

Leia mais

Análises Físicas e Químicas De Geléia Light De Morango Com Associação Dos Edulcorantes Acesulfame-K e Sucralose

Análises Físicas e Químicas De Geléia Light De Morango Com Associação Dos Edulcorantes Acesulfame-K e Sucralose Análises Físicas e Químicas De Geléia Light De Morango Com Associação Dos Edulcorantes Acesulfame-K e Sucralose Kênia Cristiny Ribeiro da Silva 1, Nycoli Ferreira Silva 2, Aline Manke Nachtigall 3, Brígida

Leia mais

O que tem no meu Lanche Escolar?

O que tem no meu Lanche Escolar? O que tem no meu Lanche Escolar? Bolo de CENOURA Caseiro -> farinha de trigo, cenoura, ovos, óleo, açúcar e fermento químico. Ingredientes FARINHA DE TRIGO ENRIQUECIDA COM FERRO E ÁCIDO FÓLICO, RECHEIO

Leia mais

Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar

Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar Caracterização química e microbiológica de pêras secadas em estufa solar BARROCA Maria João*, GUINÉ Raquel, PINTO António, GONÇALVES Fernando, SALOMÉ Cristina, MONTEIRO Vera, FERREIRA Dulcineia Departamento

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE GELEIAS DE GOIABA PREPARADAS COM AÇÚCAR MASCAVO

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE GELEIAS DE GOIABA PREPARADAS COM AÇÚCAR MASCAVO 167 ISSN 1517-8595 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE GELEIAS DE GOIABA PREPARADAS COM AÇÚCAR MASCAVO Luis Guilherme Virgílio Fernandes 1, Cleiton Marcio Pinto Braga 2, Shizuko Kajishima 3, Marta

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Matéria de capa O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Introdução Roberta Sasso Farmacêutica Bioquímica Divisão AminoScience Ajinomoto do Brasil Fone: 11-5908-8788 A indústria de laticínios

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais