GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETA GUARAÚ REDUÇÃO DE CUSTOS PARA A EMPRESA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA PARA O PAÍS Alexandre Saron Engenheiro Químico da Cia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP, trabalhando à nove anos na Estação de tratamento de Água do Guaraú. Graduado pela Faculdades Oswaldo Cruz em 1994 e participante do curso de Mestrado em Engenharia Civil na UNICAMP. Endereço: Rua Joaquim José dos Santos Camargo, Jardim Garcia Campinas - SP - CEP: Brasil - Tel: (011) Fax: (011) RESUMO A utilização racional de energia elétrica implica em muitos estudos. Há necessidade de conhecimentos na área elétrica para as informações de dimensionamento de equipamentos, bem como das instalações elétricas. Para a elaboração de procedimentos operacionais, visando a diminuição de consumo de energia elétrica na ETA Guaraú, houve a necessidade também de um bom conhecimento das técnicas operacionais. A somatória destes dois itens ligados ao fator bom senso, pode-se realizar um estudo, gerenciando a energia elétrica na ETA Guaraú, tendo redução de custos para a empresa e economia de energia elétrica para o País. PALAVRAS-CHAVE: Estação de Tratamento de Água, Redução de Custos, Energia Elétrica, Procedimentos Operacionais, Horário de Ponta, Horário fora de Ponta. INTRODUÇÃO A Estação de Tratamento de Água do Guaraú (Sabesp) opera 24 horas por dia e possui uma vazão média de tratamento de 33,5 m 3 /s. Trabalhando no sistema convencional, isto é, com etapas de coagulação, floculação, decantação e filtração, é contabilizado os gastos com os seguintes itens: Produtos químicos utilizados no tratamento; Salários de funcionários que trabalham na ETA; Demanda de potência contratada e consumo de energia elétrica; Requisições de compras e solicitações de pagamento de peças e serviços realizados na ETA; Consumo de combustíveis para a realização de transportes. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4057

2 Ocorrem poucas variações de cada um dos gastos apresentados sendo que para o mês de Outubro/97 esta distribuição ficou na seguinte forma: CUSTO PERCENTUAL Energia 8,2% S.P. 1,6% S.C. 2,6% Transp. 1,8% Pessoal 36,1% Prod.Quím. 49,5% A energia elétrica utilizada na ETA Guaraú é a de Alta Tensão e proveniente da companhia Eletropaulo - Metropolitana. A energia elétrica fornecida é de corrente alternada trifásica, freqüência de 60 Hz e tensão nominal de V. A entrada da energia ocorre em uma Cabine Primária da E.T.A. e desta é distribuída para cinco subestações de energia, localizadas próximo as etapas de tratamento. As subestações são responsáveis pelo encaminhamento de energia elétrica para o funcionamento de equipamentos e instalações elétricas. Para as indústrias que consomem energia elétrica de alta tensão, a ELETROPAULO formaliza a entrega de energia através de um Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica - Tarifa Azul. Por este instrumento, a fornecedora de energia coloca à disposição do consumidor a potência ( kw ) cujos valores constituem as demandas contratadas. Estas demandas contratadas bem como o consumo efetivo de energia elétrica são diferenciadas no seu valor financeiro na duração de 24 horas de um dia. A tabela 1 informa a denominação de período do dia. Também ocorrem denominações de acordo com o mês vigente. A tabela 2 informa as denominações de cada período do ano. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4058

3 Tabela 1 - Denominação da Eletropaulo para os horários do dia. HORÁRIO DENOMINAÇÃO 00:30 às 06:30 h Fora de Ponta Capacitivo 06:30 às 17:30 h Fora de Ponta Indutivo 17:30 às 20:30 h Ponta 20:30 às 00:30 h Fora de Ponta Indutivo Tabela 2 - Denominação da Eletropaulo para os meses do ano. MESES DENOMINAÇÃO de Maio à Novembro Ponta Seca de Dezembro à Abril Ponta Úmida FATURA O valor faturado da conta de energia elétrica é a somatória de três subtotais: demanda de potência contratada, consumo efetivo de energia e imposto (ICMS). DEMANDA DE POTÊNCIA CONTRATADA A parcela de demanda corresponde a um valor, em reais, referente a 1 kw de potência demandada, que dá o direito à sua utilização pelo período de um mês. Para saber qual o valor da potência a ser contratado para a ETA Guaraú efetuou-se inicialmente um levantamento da potência total instalada e da potência consumida por um determinado período de dias. A potência instalada pode ser de dois tipos distintos: Potência Ativa, medida em kw, e que efetivamente realiza trabalho gerando calor, luz, movimento, etc. e Potência Reativa, também chamada de potência aparente, medida em kvar, usada apenas para criar e manter os campos eletromagnéticos das cargas indutivas A razão entre a potência ativa e a potência aparente de qualquer instalação se constitui no fator de potência. O fator de potência indica qual a porcentagem da potência total fornecida (kva) é efetivamente utilizada como potência ativa (kw). Assim, o fator de potência conhecido também como cos (ϕ) mostra o grau de eficiência do uso dos sistema. elétricos. Valores altos de fator de potência (próximos de 1,0) indicam uso eficiente da energia elétrica, enquanto valores baixos evidenciam seu mau aproveitamento, além de representar uma sobrecarga para todo o sistema elétrico. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4059

4 Tabela 3 - Evolução dos valores de fator de potência na ETA Guaraú. FATOR DE POTÊNCIA ( cos(ϕ) ) MÊS 1997 PONTA FORA DE PONTA INDUTIVO FORA DE PONTA CAPACITIVO Junho 0,992 0,984 0,982 Julho 0,989 0,977 0,971 Agosto 0,986 0,971 0,965 Setembro 0,994 0,976 0,972 Outubro 0,996 0,978 0,973 A E.T.A. Guaraú possui um sistema informatizado para a contabilização energética de suas instalações. Este sistema consta de um banco de capacitores instalado na chegada de energia elétrica na E.T.A. o qual estão interligados a um P.L.C. efetuando a correção automática do fator de potência. A portaria 1569 de 23/12/93 do Departamento Nacional de Água e Energia Elétrica fixou em 0,92 como valor referência de fator de potência. VALORES DE DEMANDA DE POTÊNCIA CONTRATADA Após a verificação das potências instaladas na E.T.A. Guaraú determinou-se que a potência a ser contratada deveria ser de 1550 kw tanto para os horários fora de ponta como também nos horários de ponta. Sobre o valor de potência contratado, ocorre uma tolerância de 10 %, portanto o valor contratado poderá atingir até 1705 kw. Acima deste valor tolerado, ocorrem multas altíssimas. Desta forma iniciou-se um acompanhamento rigoroso, através de um gerenciador, informando a potência consumida a cada 15 minutos. Este gerenciador informa também o perfil de fator de potência. VALORES DE FATURA Os valores de fatura apresentados na tabela 4 são válidos para ponta seca ou úmida Tabela 4 - Valores de fatura referente ao mês de Outubro/98. HORÁRIO VALOR ( R$ / kw ) * MULTA ( R$ / kw ) * Fora de Ponta Cap./ Ind. 3,71 13,11 Ponta 11,14 39,31 *Valores com desconto devido ser empresa de saneamento básico. DEMANDA DE POTÊNCIA REGISTRADA / FATURADA A partir de levantamentos de contas de energia elétrica verificou-se qual a demanda de potência que estava sendo registrada. O valor apresentado na conta corresponde ao valor máximo da potência registrado no mês. Se o valor de potência estiver abaixo do contrato efetuado, isto é, 1550 kw, o valor faturado é o contratado. Por outro lado, ultrapassando os 10% do limite de tolerância, é efetuado a cobrança de multas. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4060

5 Tabela 5 - Valores de demanda de potência máxima registrada e o respectivo valor faturado no mês. POTÊNCIA REGISTRADA (kw ) FATURA ( R$ ) MESES 1997 Ponta Fora de Ponta Indutivo Fora de Ponta Capacitivo Ponta Fora de Ponta Junho 1470,0 1488,1 1474, , ,50 Julho 1140,3 1474,2 1435, , ,50 Agosto 1071,0 1358,3 1469, , ,50 Setembro 1103,8 1474,2 1372, , ,50 Outubro 1105,0 1461,6 1362, , ,50 VERIFICAÇÃO DE DEMANDA DE POTÊNCIA CONTRATADA Através do programa de gerenciamento de energia elétrica houve a possibilidade de se verificar a potência consumida quando de início e durante a operacionalização de bombas e equipamentos de grande porte instalados na E.T.A. Guaraú, conseguindo elaborar procedimentos operacionais, visando uma diminuição de energia elétrica, para as diversas etapas do tratamento de água. As bombas de maiores portes na ETA Guaraú são as de água de lavagem de filtros e as de recalque de água do sistema de recuperação de água de lavagem dos filtros. BOMBAS DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS A ETA Guaraú possui sete bombas de água de lavagem de filtro. Cada uma delas é de 250 H.P. e vazão de 300 m 3 /h. Lava-se em média 40 filtros por dia, sendo que o volume de água de lavagem gasto por filtro é de m 3.O procedimento operacional desenvolvido visa a lavagem de filtros somente no período de horário fora de ponta. Assim no horário de ponta estas bombas (necessário sempre duas bombas) ficam desligadas. Observa-se também que o horário de ponta insere o horário de pico de consumo de energia elétrica para a região metropolitana de São Paulo. BOMBAS DE ÁGUA DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO O sistema de recuperação de água de lavagem dos filtros possui três bombas de recalque. Cada bomba de 250 H.P. e vazão de 440 m 3 /h. O procedimento operacional desenvolvido visa a utilização de somente uma bomba em operação. Através de cálculos percebeu-se que, às vezes, para recuperar toda a água proveniente da lavagem dos filtros haveria a necessidade de operar estas bombas durante o horário de ponta também. Este problema foi resolvido com a utilização, quando necessário para o horário de ponta, de um gerador de energia elétrica, ligado às bombas de água de recuperação. Como a prática destes procedimentos operacionais, verificou-se através dos gráficos do gerenciador de energia elétrica uma uniformidade na distribuição de potência consumida no horário fora de ponta e uma grande redução no consumo de potência para o horário de ponta. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4061

6 Para a visualização dos procedimentos operacionais no que diz respeito à energia elétrica, foi selecionado um mês ao acaso antes do procedimento operacional (junho/96) e um após a prática do procedimento (Outubro/98). Tabela 6 - Potência máxima diária no horário fora de ponta capacitivo / indutivo e horário de ponta do mês de Junho/96. DIA FORA DE PONTA PONTA DIA FORA DE PONTA PONTA * Valores expressos em kw Gráfico 1 - Verificação dos valores de potência máxima no horário de ponta e fora de ponta no mês de Junho/96. Potência (kw) Dias Fora de Ponta Ponta 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4062

7 Tabela 7 - Potência máxima diária no horário fora de ponta capacitivo / indutivo e horário de ponta do mês de Outubro /98. DIA FORA DE PONTA PONTA DIA FORA DE PONTA PONTA * Valores expressos em kw Gráfico 2 - Verificação dos valores de potência máxima no horário de ponta e fora de ponta no mês de Outubro/98. Potência (kw) Dias Fora de Ponta Ponta 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4063

8 Os valores zero de potência no horário de ponta correspondem aos sábados e domingos, pois nestes dias não são contabilizados pela Eletropaulo. Verifica-se que para o primeiro mês de procedimento operacional das lavagens de filtro e recuperação da água de lavagem do filtro, no que diz respeito à energia elétrica, pode-se reduzir a demanda de potência contratada para o horário de ponta e fora de ponta capacitivo / indutivo. Solicitou-se à ELETROPAULO, a redução do valor da demanda de potência contratada, ficando, a partir de março/98 com os seguintes valores: Tabela 8 - Alteração no valor de demanda de potência contratada. Demanda de Potência Contratada Faturamento da Demanda Contratada HORÁRIO ATÉ Fev/98 A PARTIR A PARTIR ATÉ Fev/98 DE Mar/98 DE Mar/98 FORA DE PONTA 1550 kw 1250 kw R$ 5.750,50 R$ 4.637,50 PONTA 1550 kw 650 kw R$ ,00 R$ 7.241,00 A partir de Março/98, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo- Sabesp diminuiu o valor gasto com energia elétrica para a ETA Guaraú em aproximadamente R$ ,00 por mês devido a alteração, de forma supervisionada e ordenada, do valor da demanda de potência contratada. Além da diminuição em custos para a ETA Guaraú, ocorre também uma diminuição no consumo de energia elétrica, no horário de pico, para o Estado de São de Paulo. O horário de pico é compreendido entre 18:00h às 20:00h e este está inserido no horário de ponta. CONSUMO EFETIVO DE ENERGIA O consumo de energia elétrica é aquela utilizada durante um intervalo de tempo. Este consumo é medido, normalmente, a cada 30 dias pela Companhia de energia elétrica e seu valor é expresso em kwh. A elaboração e implantação dos procedimentos operacionais de lavagens de filtro e recuperação da água de lavagem fez com que o consumo de energia em um mês também diminuiu (cerca de 8.000kW / mês o que eqüivale ao consumo médio de 30 residências). VALORES DE FATURA Toda energia elétrica consumida é faturada. Existem diferenças nos valores de faturados conforme o mês corrente e os horários do dia. Verifica-se que para os meses úmidos e horários do dia em fora de ponta o valor de fatura é menor. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4064

9 Tabela 9 - Valores de fatura. HORÁRIO PONTA FORA DE PONTA VALOR SECA ÚMIDA SECA ÚMIDA R$ / kw 0, , , ,03069 *Referente ao mês de Março e Outubro/98 Na ETA Guaraú o consumo de energia elétrica ocorre na seguinte ordem crescente durante o dia: horário de ponta, horário fora de ponta capacitivo, horário fora de ponta indutivo. Tabela 10 - Consumo registrado em KW. HORÁRIO MESES FORA DE PONTA PONTA 1998 INDUTIVO FORA DE PONTA CAPACITIVO Junho Julho Agosto Setembro Outubro Com a implantação do procedimento operacional pelos técnico de sistema de tratamento de água da ETA Guaraú, houve uma redução também no consumo faturado, uma vez que no horário de ponta, o qual apresenta maior valor de fatura, não haverá funcionamento das grandes bombas. Algumas outras medidas também foram adotadas para diminuir o consumo de energia elétrica: Procedimentos para utilização de equipamentos e bombas Melhor distribuição de holofotes, com a eliminação de alguns, para a iluminação noturna; Alteração das iluminações de poços e galerias subterrâneas. Com estas medidas adotadas, verificou-se também uma diminuição de manutenções preventivas e corretivas no corpo operacional da elétrica no que se refere à iluminação. IMPOSTO O imposto cobrado pela Eletropaulo é o Imposto de Consumo sobre Mercadorias e Serviços (ICMS). Este imposto corresponde à 18% ( * ) do valor total faturado em demanda de potência contratada e energia consumida. *Referência - Outubro/98 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4065

10 COMENTÁRIOS E DISCUSSÕES Este trabalho iniciou-se verificando os números registrados nas contas de energia elétrica. A partir daí, a C.I.C.E. (Comissão Interna de Consumo de Energia) da E.T.A. Guaraú, fundada em Junho/95, iniciou pesquisas quanto à utilização racional de energia elétrica, efetuando-se dentre vários estudos, um levantamento de potências reais das bombas de água de lavagem dos filtros e bombas do sistema de recuperação de água de lavagem dos filtros. Outras medidas também foram estudadas pela C.I.C.E. a fim de diminuir o consumo de energia elétrica, conforme mencionado anteriormente. A redução na participação da eletricidade no custo final no processo de tratamento e potabilização de água, tem-se como conseqüência direta uma diminuição no consumo de energia elétrica, tão solicitado pelas empresas de eletricidade do país. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 4066

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Gerenciamento de Energia. Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Gerenciamento de Energia Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas de tarifario Brasileiro: Conceitos Dois modelos de tarifação: Convencional e Horo-Sazonal. Clientes do Grupo

Leia mais

A energia elétrica alternada não pode ser armazenada

A energia elétrica alternada não pode ser armazenada FUNDAMENTOS BÁSICOS A energia elétrica alternada não pode ser armazenada Necessidade de gerar, transmitir, distribuir e suprir a energia elétrica de forma praticamente instantânea Geração no Brasil: essencialmente

Leia mais

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT

6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT 6 Avaliação da Penetração da Microturbina no Mercado da LIGHT O presente capítulo tem como objetivo determinar o mercado potencial de energia elétrica deslocado da concessionária pública de distribuição

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Correção do Fator de Potência em uma Subestação Elevatória de Bombeamento de Água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda

Leia mais

Tarifa de Energia Elétrica

Tarifa de Energia Elétrica Tarifação - GTD : Tarifa de Energia Elétrica A tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia; R$/kWh; Preço da energia elétrica: formado pelos custos incorridos desde a geração até a sua disponibilização

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA

ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA ANÁLISE TARIFÁRIA E AVALIAÇÃO DO FATOR DE CARGA PARA AUXILIO A DECISÃO:ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA SIDERÚRGICA Orlando Moreira Guedes Junior engorlandojunior@yahoo.com.br UFF Resumo:Este trabalho apresenta

Leia mais

Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais

Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais e Pro je to s Conselho de Consumidores da Coelce Projeto Especial Correção do Fator de Potência dos Consumidores Comerciais Fortaleza, 9 de outubro de 2000 Preparado por Consultoria e Projetos Elétricos

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br RECAPITULANDO A MATÉRIA Conceito de energia e eficiência energética; Lei da dissipação da energia; Potência e consumo;

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2016 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Marcos Danella 29/julho/2015 Agenda Quem somos Cenários/Diagnósticos de Campo Metodologia Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo/Gerencial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU*

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* Autores: Felix de Carvalho Augusto (apresentador) Técnico em Química (Colégio São José RJ), Químico Industrial (Faculdade da

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

Experiência Nº Definição de potência ativa, potência reativa, potência aparente e fator de potência.

Experiência Nº Definição de potência ativa, potência reativa, potência aparente e fator de potência. 3.1 Experiência Nº 3 1 Assunto Correção do fator de potência. Objetivo Entendimento dos conceitos de potência ativa e reativa. ostrar a importância de um fator de potência alto nas instalações elétricas.

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EFE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br RECAPITULANDO A MATÉRIA Demanda x Consumo; PLANO DE AULA Objetivos Fator de carga; Preço médio; DEMANDA FATOR DE CARGA»

Leia mais

Resumo Expandido. Resumo:

Resumo Expandido. Resumo: Resumo Expandido Título da Pesquisa: Adequação do contrato de energia no sistema de abastecimento de água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda.

Leia mais

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Por Flávio Resende Garcia Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Este artigo objetiva mostrar os resultados obtidos com as medições e os estudos de harmônicos

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência SEL-0437 Eficiência Energética Correção do Fator de Potência Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Introdução Fator de potência: É possível quantificar numericamente as discrepâncias

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS.

POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. POTÊNCIA EM CIRCUITOS SENOIDAIS. EXERCÍCIO 1: Um transformador com capacidade para fornecer a potência aparente máxima de 25kVA está alimentando uma carga, constituída pelo motor M1 que consome 4.8kW com

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 10 Planejamento na utilização da energia elétrica no meio rural:

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Infraestrutura de Abastecimento

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Filipe QUINTAES (1); Emerson LOPES (2); Luiz MEDEIROS (3); Ítalo FREITAS (4) (1) IFRN Campus Mossoró, Endereço: Rua Raimundo Firmino de Oliveira, 400, Conjunto

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1 ESCOL POLITÉCNIC D UNIVERSIDDE DE SÃO PULO PE - Departamento de Engenharia de Energia e utomação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 1 1. Circuitos em corrente contínua 2. Circuitos monofásicos

Leia mais

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL:

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: 103 9 RETROFIT EM AR CONDICIONADO Retrofit é uma modificação de um equipamento ou instalação existente, visando a melhoria de seu desempenho, de sua operação ou de ambos. Surgiu em meados da década de

Leia mais

Revisão. Eficiência Energética:

Revisão. Eficiência Energética: Revisão Eficiência Energética: o Demanda crescente por energia o Recursos energéticos com duração finita o Desenvolvimento sem degradação ambiental Incentivos no Brasil o PROCEL o PEE Programa de Eficiência

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Marcello Mezaroba mezaroba@joinville.udesc.br Material elaborado e cedido pelo 1 Capítulo 1 Com o avanço dos dispositivos semicondutores, o número de cargas não-lineares

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.025, DE 29 DE JUNHO DE 2010. Nota Técnica nº 212/2010-SRE/ANEEL Relatório Voto Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1003984-8 UNIDADE: FÓRUM TERESINA

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS

TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS 16 TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE MICROGERAÇÃO FOTOVOLTAICA EM RESIDENCIAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ENIAC AUTOR(ES):

Leia mais

INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA i INDICADORES DE DEMANDA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA São CristóvãoSE AGOSTO de 214 ii Ministério da Educação Universidade Federal de Sergipe Reitor Prof. Dr. Ângelo Roberto Antoniolli ViceReitor Prof.

Leia mais

EFICIÊNCIA E QUALIDADE ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO NAS INSTALAÇÕES DO IFC CAMPUS LUZERNA

EFICIÊNCIA E QUALIDADE ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO NAS INSTALAÇÕES DO IFC CAMPUS LUZERNA EFICIÊNCIA E QUALIDADE ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES PÚBLICAS ESTUDO DE CASO NAS INSTALAÇÕES DO IFC CAMPUS LUZERNA Autores: João Pedro SCHEURICH, Marcos FIORIN, Jessé de PELEGRIN, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO São Cristóvão-SE Janeiro de 217 Painel n. 1/217/UFS 2 Ministério da Educação Universidade Federal de Sergipe Reitor Prof. Dr. Ângelo Roberto

Leia mais

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO

REDE BÁSICA DO METRÔ DE SÃO PAULO 10 º SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO CONSERVAÇÃO DE ENERGIA UTILIZAÇÃO DE BENEFÍCIOS LEGAIS COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ APRESENTADORES: DAVID TURBUK MASSARU SAITO REDE

Leia mais

O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO METROFERROVIÁRIO

O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO METROFERROVIÁRIO O IMPACTO DA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA NO SISTEMA METROFERROVIÁRIO 9ª Semana de Tecnologia Metroviária 2 a 5 de setembro de 2003 São Paulo - Brasil CONRADO GRAVA DE SOUZA SETOR DE TRANSPORTE METROFERROVIÁRIO

Leia mais

IMOP BENEFICIOS FINANCEIROS E TÉCNICOS IMOP

IMOP BENEFICIOS FINANCEIROS E TÉCNICOS IMOP IMOP BENEFICIOS FINANCEIROS E TÉCNICOS IMOP ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS: O IMOP é um equipamento DESENHADO para OTIMIZAÇÃO DE MOTORES INDUTIVOS Melhorar, localmente, o fator potência de uma carga indutiva,

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 95116-1 UNIDADE: PRÉDIO SEDE PERÍODO:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE RESOLUÇÃO SS-45 DE 31 DE JANEIRO DE 1992 Institui o Programa de Vigilância

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 Homologa o reajuste das tarifas de fornecimento de energia elétrica da Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São

Leia mais

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Fernando Cunha Sistemas de Energia CTCV 25 de fevereiro de 2014 1 Unidade de Sistemas de Energia SGCIE Revisão do D.L.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

AÇÕES DO PROFISSIONAL DE MANUTENÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

AÇÕES DO PROFISSIONAL DE MANUTENÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM EMPRESAS DE PEQUENO PORTE AÇÕES DO PROFISSIONAL DE MANUTENÇÃO PARA CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Márcio Zamboti Fortes (1) Erick Scabelo Entringer (2) Tadeu Lima dos Santos (3) Resumo Este artigo tem como

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 02 Potência elétrica Fator de potência Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Tensão e corrente elétrica Nos condutores, existem partículas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: BANCOS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 817187-4 UNIDADE: PRÉDIO ANEXO PERÍODO:

Leia mais

Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda de Energia Elétrica

Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda de Energia Elétrica Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Planejamento de Sistemas Elétricos de Potência- TE157 Aula 3.1 Tópico da Aula: Estudo e Projeção da Demanda

Leia mais

www.maconeglian.com.br Quem Somos A MA CONEGLIAN é uma empresa dedicada ao ramo da engenharia elétrica, com 17 anos de atividade e grande experiência. Temos o intuito de oferecer à sua empresa nossos serviços

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente - 2017 Ensino Técnico Plano de Curso nº 239 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13 / 09 / 2013. Etec Sylvio de Mattos Carvalho Código: 103 Município: Matão Eixo Tecnológico:

Leia mais

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB

GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB GESTÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CAMPUS DA UnB MsC. Eng a. Lilian Silva de Oliveira (UnB/PRC/CICE) Prof. Dr. Marco Aurélio Gonçalves de Oliveira (UnB/FT/ENE) HISTÓRICO DE ATIVIDADES RELACIONADAS

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 04 Correção de Fator de Potência NOME TURMA DATA 1. OBJETIVOS Compreender na prática os conceitos de potência aparente (S), potência ativa (P) e potência reativa

Leia mais

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento Ferramenta para o Gerenciamento de Redes MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER mkutscher@comusa.com.br Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos.

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Fabio Dias Agenda Processos industriais e a geração de energia Autoprodução para a indústria Alternativas e viabilidade de projetos de geração distribuída

Leia mais

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia

WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia WORKSHOP: Inversores Híbridos com Sistemas de Armazenamento de Energia 1 Aplicações dos Inversores Híbridos com Sistema de Armazenamento de Energia Ildo Bet Ricardo Souza Figueredo Agenda 2 INTRODUÇÃO;

Leia mais

Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014

Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp. SENAI/SC 3 de outubro de 2014 Eficiência Energética e Gestão de Energia na Sabesp SENAI/SC 3 de outubro de 2014 A Sabesp em números Os Números da Sabesp 364 municípios, quase 60% da população urbana de São Paulo Os Números da Sabesp

Leia mais

Aluno(a): Data: / / Lista de Exercícios I IEX

Aluno(a): Data: / / Lista de Exercícios I IEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO Curso Técnico em Eletrotécnica Lista de Exercícios I: Instalações Elétricas (IEX) Professor:

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Manutenção Preditiva - Fator de Potência

Manutenção Preditiva - Fator de Potência 1. CONCEITOS DE ENERGIA ELÉTRICA: Energia é a capacidade de um corpo ou sistema de corpos de realizar trabalho. A energia apresenta-se sob as mais variadas formas. Assim, podemos ter a energia mecânica,

Leia mais

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = ndutor; C = Capacitor No Resistor Considerando uma corrente i( = m cos( ω t + φ) circulando no resistor, teremos nos seus terminais

Leia mais

GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DO DIAGRAMA DE CARGAS

GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DO DIAGRAMA DE CARGAS GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DO DIAGRAMA DE CARGAS F. Maciel Barbosa 2004/2005 F.Maciel Barbosa 1 O DIAGRAMA DE CARGAS A ENERGIA ELÉCTRICA NÃO É UM PRODUTO SIMPLES, MENSURÁVEL ATRAVÉS DUM ÚNICO PARÂMETRO AS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. Nota Técnica nº 176/2011-SRE/ANEEL Relatório e Voto Homologa as tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

20 o CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

20 o CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL A AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS EM INSTALAÇÕES DE SANEAMENTO BÁSICO OTIMIZANDO PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO PARA REDUÇÃO DOS GASTOS COM ENERGIA ELÉTRICA, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Antonio Carlos Bacic Kravosac (1) Gilberto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 21, DE 21 DE JANEIRO DE 2000. Estabelece os requisitos necessários à qualificação de centrais cogeradoras de energia e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico

PROGRAMA. 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions. 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico ROGRAMA 14h30_ Apresentação Rexel Energy Solutions 14h45_ Balanço de potências nas Instalações com Autoconsumo Fotovoltaico 15h20_ Acesso aos rogramas Operacionais Financiados _Apresentação da Status Valor

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Nota Técnica Relatório Voto Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

PEA 3420 : Produção de Energia. SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico)

PEA 3420 : Produção de Energia. SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico) PEA 3420 : Produção de Energia SISTEMAS HÍBRIDOS (Solar Eólico) 1 SISTEMAS HÍBRIDOS Definição: Sistema que utiliza mais de uma fonte de energia que, dependendo da disponibilidade dos recursos, deve gerar

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1003984-8 UNIDADE: FÓRUM TERESINA

Leia mais

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares 40 De modo geral, as cargas são agrupadas em um transformador de distribuição, que, desse modo, passa a fornecer energia para vários consumidores. Cada consumidor apresenta uma curva de demanda similar

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 832, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Homologa o resultado definitivo da segunda revisão tarifária periódica, com a fixação das tarifas de

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN

I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN I-104 BOIA DO ALEMÃO : UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AUTOMAÇÃO DE ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA TIPO TORREZAN Osvaldo Rodrigues Carreiro Mecânico de Manutenção da SABESP Divisão de Manutenção

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

R. PURPURINA 155 CONJ. 33 VILA MADALENA S.PAULO SP CEP.: TEL.:

R. PURPURINA 155 CONJ. 33 VILA MADALENA S.PAULO SP CEP.: TEL.: Histórico A WRS é uma empresa possuidora de mais de 30 anos de experiência na conceituação de projetos e supervisão de campo e sua execução para prédios altos, hotéis,shopping centers, espaços culturais,

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp CV - 14809/17 sabesp PLANILHA DE ORÇAMENTO Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid.

Leia mais

Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores

Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores Relatório Sobre o Uso da Energia no Campus de Ilha Solteira Maiores Consumidores I. Justificativa Trata se de um relatório com o detalhamento da composição tarifária e o uso da energia pelas seis ores

Leia mais

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK ENTENDENDO SOBRE REDES ELÉTRICAS A REDE ELÉTRICA PODE SER DIVIDIDA EM 3 GRUPOS, DE ACORDO COM A TENSÃO: BAIXA TENSÃO acima de 50V até 1.000V MÉDIA TENSÃO acima de 1.000V até 69.000V

Leia mais

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA

CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO TÉCNICO-ECONÔMICA DA ENERGIA Versão 2.0 Dirreitos Reservados PROCOBRE 2009 INTRODUÇÃO O custo da energia elétrica é um fator importante na economia de uma familia, comércio e indústria.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N o 218, DE 18 DE ABRIL DE 2002 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa os valores da Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia

Leia mais

SANTOS DUMONT HOSPITAL

SANTOS DUMONT HOSPITAL UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SANTOS DUMONT HOSPITAL Responsável: Felix Aidar Quem é o SDH? a. Características funcionais i. Planejado/Executado entre 2007 e 2009 ii. 70 leitos de internação iii. 10 leitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 2 Conceitos básicos de eletricidade voltados às instalações

Leia mais

Programa de Eficiência Energética

Programa de Eficiência Energética Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Programa de Eficiência Energética Schaeffler Brasil Ltda. Programa de Eficiência Energética EnEffPro Guilherme Megda Mafra Engº Ambiental Aproximadamente

Leia mais

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Programa de Eficiência Energética Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Objetivos: Contribuir para a eficientização de todos os sistemas da Cagece e redução das despesas com energia. Conscientizar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 639, DE 17 DE ABRIL DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

Tarifação de. Consumidores Cativos. Autor: Dr. Antônio César Baleeiro Alves

Tarifação de. Consumidores Cativos. Autor: Dr. Antônio César Baleeiro Alves Tarifação de Consumidores Cativos Sumário: Composição da tarifa Fatura do consumidor B Classificação e estrutura tarifária Como é faturada a demanda? Modalidades tarifárias Regras de tarifação (Resolução

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP

Projeto de Pesquisa. Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP Projeto de Pesquisa Dentro do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas da FAPESP NOVOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO REGIONAL VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Processo 03/06441-7 RTC/PIRnaUSP-

Leia mais

Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES

Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Laboratório 5 AVALIAR CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTERNAS AVALIAR O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM INSTALAÇÕES OBJETIVOS:

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais 11ª Semana de Tecnologia Metroviária 20 a 23 de setembro de 2005 São Paulo - Brasil CONRADO GRAVA DE SOUZA

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Aproveitamento Energético com Biogás Beatriz Blauth Schlobach Conceito de Biogás É o gás obtido a partir da fermentação anaeróbica de material orgânico: resíduos

Leia mais