SAUDE E A.SS1STÊNCIA SOCIAl DUM INSTITUiÇÃO BENEFICENTE CEL MASSOT GESTÃO CAP LAURENTINO ROORIGUES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAUDE E A.SS1STÊNCIA SOCIAl DUM 19211. INSTITUiÇÃO BENEFICENTE CEL MASSOT GESTÃO CAP LAURENTINO ROORIGUES 201112015"

Transcrição

1 --, i I BCM-+. SAUDE E A.SS1STÊNCIA SOCIAl DUM INSTITUiÇÃO BENEFICENTE CEL MASSOT GESTÃO CAP LAURENTINO ROORIGUES INSTITUIÇÃO BENEFICENTE CORONEL MASSOT - mc.. ESTATUTO APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, NO DIA 09/08/2013 MESA DIRETORA Daniel Lopes dos Santos Presidente Sidney Souza Silveira Relator Djeison Falavigna Silveira Secretário Praxedes da Silva Machado Assessor Jurídico Porto Alegre 2013 t!~64849

2 CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza, Sede, Fins, Foro e Organização. Art. 1. A Instituição Beneficente Coronel Massot, abreviadamente!bcm, é u~~ pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos ou econômicos, criada em 18;«: setembro de 1928, com duração por tempo indeterminado, com sede administrativa na rua BarJo do Triunfo, n. O 175, Bairro Menino Deus, em Porto Alegre. Estado do Rio Grande do Sul e foro no município de Porto Alegre. Art. 2" A!BCM tem por finalidades a prestação assistencial na árca de saúde, que se regerá por este Estatuto, Normas Regimentais e pela Legislação Vigente. Art. 3 A fim de alcançar suas finalidades, a!bcm promoverá a assistência odontológica, médica e/ou hospitalar aos seus Associados e Dependentes, mediante contribuições dos seus participantes, através da operação de planos privados de assistência á saúde de acordo com a legislação vigente. S 10 A Instituição Beneficente Cel. Massot -!BCM não distribui entre seus associados, conselheiros, diretores, empregados ou doadores eventuais excedentes operacionais, brutos ou liquidos, dividendos, bonificações, ou parcelas de seu patrimônio, auferidos mediante o exercício de.suas atividades, devendo aplicá-los integralmente na consecução do seu objetivo social. S 2 Instituição Beneficente Cel. Massot -!BCM remunera os dirigentes da instituição que atuam efeti vamente na Gestão Executiva ou prestam a ela serviços específicos desde que respeitados, em ambos os casos, os valores praticados pelo mercado na região onde atua. Art. 4. No desenvolvimento de suas atividades, a!bcm observará os princípios da Icgalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência, e não fará qualquer discriminação de raça, cor, gênero ou religião. Parágrafo único: A Instituição adotará práticas de Gestão Administrativas necessárias e suficientes a coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de beneficios e vantagens pessoais, em decorrência da participação em processos decisórios. Art. 5. A!BCM poderá receber contribuições, doações, legados c subvcnções de pessoas fisicas ou jurídicas, nacionais e internacionais, destinados à formação e ampliação de seu patrimônio ou á realização de trabalhos específicos. Ar!. 6". Os recursos financeiros da!bcm, sejam eles gerados no Brasil ou oriundos de doações dc instituições internacionais, governamentais e não governamentais, serão aplicados única e exclusivamente em atividades no BrasiL Art. 7. Para cumprir seu propósito, a Instituição atuará por meio da execução direta de projetos, programas ou planos de ações, da doação de recursos fisicos, humano "'I -- ~ O"etor Presidente da IBeM CPF n' d d' ~amachado - ~o ~ ~_.16648~ Daniel '5 5 Santos A>ses J tídicodalbcm

3 <;b~jurl. q.,.7 financeiros, ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organiz ~es e fins lucrativos e a órgãos do setor público, que atuam em áreas afins. ~ "1j, Art. 8". A fim de cumprir seus objetivos, a instituição se organizará em tantas lintilade de prestação de serviços quantas se fizerem necessárias, as quais se regerão Per? disposições estatutárias, bem como poderá realizar parcerias com pessoas físicas e organizações públicas ou privadas, em nível nacional ou internacional. Art. 9". A!BCM. terá Regimento Geral, Regulamentos e Regimentos Intern s aprovados pelo Conselho Deliberativo. Art. 10. Os a~sociados não respondem subsidiariamente pclas obrigações da Instituição. CAPÍTULO 11 Do Patrimônio Social Art. 11. O Patrimônio da Instituição é constituído de: I - móveis e utensílios; II - imóveis de quaisquer espécic, adquiridos, doados ou legados; III - títulos de rendas, adquiridos, doados ou legados; IV - depósitos bancários; V. bens adquiridos, doados ou legados; VI - auxílios e subvenções;. VII - rendas diversas; VIII - quotas da participação em sociedades comerciais e/ou de prestação de serviços; IX - marcas e patentes. CAPÍTULO III Dos Associados Art. 12. A!BCM será constituida por número ilimitado de associados, distribuídos nas seguintes categorias/classes: [ - Efetivos - são aqueles associados: a) militares Estaduais; b) funcionários Civis da Brigada Militar; ~ _ c) servidores da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul; d) viúvas(os) - dcstes servidores(as) desde que segurados junto ao [PERGS; e) facultativamente, empregados da mcm independentemente do contrato de trabalho, 11- Especiais - São aqucles associados: a) servidores Públicos Civis do Estado do Rio Grande do Sul, da Administração Direta ou Indireta, estáveis ou pensionistas que sejam segurados. do IPE - Saúde. b) servidores Públicos Municipais do Estado do Rio Grande do Sul, da Administração Direta ou Indireta, estáveis ou pensionistas que sejam segurados do IPE - Saúde. c) parentes consanguíneos e por afinidade, até rceiro grau de parent~sc, d s associados previstos neste artigo. Praxedesd Si achado OABIR 2 Daniel L d Santos d. IBeM Diretor PreSidente da IBeM AsseSSO! ju I!CO a CPFn' I

4 Art. 13. São direitos dos associados efetivos: I votar e ser votado para os cargos eletivos; II. fazer parte da Assembleia Geral; III usufruir dos serviços e beneficios que a Instituição oferece. IV. solicitar seu desligamento da Instituição; Parágrafo único: São direitos dos associados especiais: I. acesso aos serviços e beneficios disponibilizados pela Instituição; II - solicitar desligamento do quadro associativo. Ar!. 14. São deveres dos associados: I - cumprir as disposições estatutárias e regimentais; II - acatar as decisões dos Poderes Constituídos. CAPÍTULO IV Dos Órgãos da Administração: Art. 15. A!BeM contará, em sua estrutura administrativa, I-Assembleia Geral-"AG"; 11- Conselho Deliberativo -"CD"; III - Conselho Fiscal -"CF"; IV - Diretoria Executiva."DE". com os seguintes Órgãos: Seção I Da Assembleia Geral: Ar!. 16. A Assembleia Geral é o poder soberano da Instituição e scrá constituída pelos associados fundadores e efetivos, em pleno gozo de seus direitos estatutários. Art. 17. Compete à Assembleia Geral: I - eleger a Diretoria Exccutiva Conselho Deliberativo e o Conselho Fiscal. ~ II - decidir sobre reformas do Estatuto III - decidir sobre a extinção da Instituição. IV - decidir sobre a conveniência de alienar, transigir, hipotecar ou pennutar bens patrimoniais. V - homologar ou não o Regimento Geral da!bcm. VI - homologar ou não o Parecer do CF referente ao Balanço Anual da Instituição. VII - homologar ou não os Relatórios anuais das atividades da DE, CD e CF. VlIl - destituir a DE, CD e CF, ou membros destes, nos casos em que deixem de cumprir as obrigações e objetivos para os quais foram eleitos, comprovadamente justificadas, com direito da ampla defesa e contraditório.. IX - sugerir, aprovar, alterar e encerrar os programas assistcnciais na área da saúde a serem desenvolvidos pela!bcm em prol de seus associados e dependentes fi ê serão regidos por regulamentos próprios. Daniel L s dos Santos Diretor Presidente da IBCM CPF n'

5 I ' S 1 Para as deliberações referidas nos' incisos I, II, IV, V, VI, VII, VIII e I.gserão exigidos o voto concorde da maioria simples dos presentes (cinquenta por cen ~ ais osum voto) à Assembleia Geral, especialmente convocada para essc fim, não podcnd a t; deliberar em primeira chamada sem a maioria dos seus associados regulares no pleif" ~ o'" ljue~.' gozo dc scus direitos cstatutários; em segunda chamada deliberará com qualquer número de associados presentes. S 2 A destituição de membros da DE, CO e C"~ bem como a reforma estatutária citadas nos Incisos li e VIII dcste Artigo, poderá ser feita a qualquer tempo, 9 3 A extinção da Instituição citada no inciso III deste Artigo será por decisão da Assembleia Geral Extraordinária, especialmente convocada para este fim, observandose o voto concorde qualificado de 2/3 dos associados prescntes na Assemblcia, não podendo deliberar em primeira chamada sem a maioria absoluta dos associados quites com suas obrigaçõcs estatutárias e em segunda chamada deliberará com a presença de 1/3 dos associados efetivos. Art. \li. A Assembleia Geral se realizará: I - ordinariamente para; a) aprcciar os Relatórios Anuais das atividades administrativas da Instituição, do Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal; b) homologar o Parecer do Conselho Fiscal relativo ao Balanço Anual do Exercicio Anterior; c) Para eleger os membros da Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. 11- Extraordinariamente, quando convocada: a) pela Diretoria Executiva; b) pelo Conselho Deliberativo; c) pelo Conselho Fiscal; d) por requerimento de 1/5 dos associados quites com suas obrigações sociais Em Sessão Solene para: a) comemorar o aniversário da Instituição; b) para dar posse aos membros da Diretoria Executiva, Conselho Delibemtivo e Conselho Fiscal. Aft. 19. A convocação da Assembleia Geral será feita por meio de cdital alixado na sede da Instituição e/ou publicado na imprensa local, por circulares ou outros meios convenientes, com antecedência minima de 08 (oito) dias úteis. 9 I A Assembleia Geral tratará exelusivamente dos assuntos contidos no Edital de convocação IIssembleia Gemi será deelarada em Sessão Permanente quando inst concluir a pauta no mesmo dia, delibemndo com qualquer quoro subscqucntes. ~ _ ada não sessões

6 Do Conselho Sessão 11 Deliberativo ~ " ~.~ Art. 20. O Conselho Deliberativo, órgão legislador da!bcm, será constituído õe'-15' (quinze) membros efetivos e 05 (cinco) suplentes, todos eleitos em Assembleia Geral. com mandato de 04 (quatro) anos. Pc> Art. 21. O Conselho Deliberativo terá um Presidente, um Vice-Presidente, e um Secretário, todos eleitos entre seus pares. Art. 22. Os membros do Conselho Deliberativo poderão ser reeleitos independente de desi ncompalibil ização. Art. 23. Os membros do Conselho Deliberativo que forem candidatos a cargos eletivos para a Diretoria Executiva deverão licenciar-se com antecedência de 10 (dez) dias do pleito e, se eleitos, serão considerados renunciantes aos cargos de conselheiros; caso contrário retornam à condição anterior, na primeira reunião após a eleição. Parágrafo único: Os membros do Conselho Deliberativo, efetivos ou suplentes, que aeeitarem eargos ou função executiva na administmção da Instituição deverão renunciar ao cargo de Conselheiro. Art. 24. Perderá o mandato e será substituído por um suplente, o membro do Conselho Deliberativo que faltar a 03 (três) sessões consecutivas ou 05 (cinco) alternadas anualmente, sem motivo plenamente justificado, a juízo da plenária. Art. 25. Não havendo mais suplentes a convocar, o Presidente do Conselho Deliberativo solicitará ao Diretor Presidente da Diretoria Executiva convocação da Assembleia Geral para, em eleição suplementar, preencher as vagas existentes. Art. 26. Todas as deliberações do Conselho Deliberativo serão através do voto de seus membros, regulamentadas no "Regimento Interno" do referido Conselho. Art. 27. O Conselho Deliberativo reunir-se-á ordinariamente duas vezes por mês, e extraordinariamente sempre que necessário. Art. 28. As sessões do Conselho Deliberalivo estarão legalmente constituídas acharem presentes, no mínimo, a metade mais um de seus membros efetivos. quando se Art. 29. As convocações para as reuniões do Conselho Deliberativo deverão ser com antecedência mínima de 48 (quarenta e. oito) horas, e sem prazo estipulado quando a urgência do assunto assim o exigir. Art. 30. São competências do Conselho Deliberativo; I - oportunizar aos acusados o contraditório e a ampla defesa; II - aprovar ou vetar matéria que for submetida à sua apreciação; 1lI - Elaborar o Regimcnto Intcrno do CD e o Regulamento Eleitoral, aprovar o Regimento Interno do Conselho Fiscal e da Diretoria Executiva' IV - autorizar despesas extra-orçanlentária~; como, Daniel. Diretor r Idenle da IBCM. CPF n

7 v - autorizar construções, vendas ou aquisições de bens imóveis, propo Diretoria Executiva, dentro das quotas fixadas no orçamento, ou atra"t suplementação de verbas; '" ::>~ VI - aprovar ou não suplementação ou transfcrências de verbas, por rubricas, solic' â. pela Diretoria Executiva; VII - convocar Assembleias Gerais; VIII - conhecer o parecer do Consclho Fiscal sobre o Balancctc Mensal da!bcm; IX - ratificar, atenuar, ou tomar sem efeito punições aplicadas pela Dirctoria Executi em grau de recurso. X - conhecer as licenças para afastamento das funções, encaminhadas pela Diretoria Executiva. Xl - solicitar à Diretoria Executiva a contratação de auditoria ou Assessoria externa, sempre que julgar necessário e devidamente justificada. XII - elaborar e apresentar à Assembleia Geral o Relatório Anual de sua~ atividades. XIII - aprovar ou não a Programação Anual da Instituição submetida pela Diretoria Executiva. XIV - aprovar ou não os regulamentos dos programas assistenciais na área da saúde desenvolvidos pela Diretoria Executiva, a serem ratificados pela Assembleia Geral. Art. 31. Ao Conselho Deliberativo assiste o direito de solicitar e obter da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal todas as informações c esclarecimentos que julgar necessàrios. Art. 32. São atribuições da mesa do Conselho Deliberativo: Do Presidente: I - convocar e presidir as sessões do Conselho Deliberativo; li - exercitar o direito de voto em casos de empate nas decisões do Conselho Deliberativo; substituir o Diretor-Presidente da Diretoria Executiva, nos seus impedimentos. quando ausente o Diretor Vice-Presidente. Art. 33. São atribuições do Viec- Presidente: 1 - substituir o Presidente nos seus impedimentos. Art. 34. Do Secretário: I - rcsponsabilizar-se pelas Atas das reuniões do Conselho Deliberativo, correspondência, expedir convocações e outros expedientes necessários; li - manter atualizada a escrituração da Secretaria do Conselho Deliberativo. ler toda a Seção III ~ _ Do Conselho Fiscal Art. 35. O Conselho Fiscal, órgão fiscalizador da!bcm, será constituído de 05 (cin membros efetivos e 03 (três) suplentes, eleitos em Assembleia Geral, com ma at 04 (quatro) anos. Daniel L s dos Santos Diretor Presidente da IBeM CPF n'

8 Art. 36. A mesa dirctora do Conselho Fiscal será constituída dc um Prcsidcnt ~c u Sccretário, eleitos entre seus pares.'.,. Art. 37. Os membros do Conselho Fiscal poderão ser reeleitos dcsi ncom pati biiização. Art. 38. Os membros do Consclho Fiscal que forem candidatos a cargos eletivos para Diretoria Exccutiva deverão licenciar-se com antcccdência de (dez) 10 dias do pleit c, se eleitos serão considerados renunciantes aos cargos de conselheiros, caso contrário retornarão á condição anterior, na primeira reunião após a eleição. Parágrafo único: Os membros do Conselho Fiscal, efetivos ou suplentes, que aceitarem cargos ou função executiva na administração da Instituição deverão renunciar ao cargo de Conselheiro. Art. 39. Perderá o mandato e será substituído por um suplente, o membro do Conselho Fiscal que faltar a 03 (três) scssões contínuas ou 05 (cinco) alternadas anualmente, sem motivo plenamente justificado, ajuízo da plenária. 9 I Não havendo mais suplentes a convocar, o Presidente do Consclho Fiscal solicitará ao Diretor Presidente da DE convocação da Assembleia Geral para, em eleição suplementar preencher as vagas existentes. 9 2 Todas as Deliberações do Conselho Fiscal serão através do voto de seus membros, regulamentadas no Regimento Intcrno do referido Conselho. 9 3 O Conselho Fiscal reunir-se-á ordinariamente 02 (duas) vezes por mês para examinar o Balancete da Instituição, referente ao mês anterior, e extraordinariamente sempre que necessário. 9 4 As sessões do Conselho Fiscal estarão legalmente constituídas quando se acharem presentes no mínimo a metade mais um de seus membros efetivos. 9 5 As convocações para as reuniões do Conselho Fiscal deverão ser com antecedência minima de 48 (quarenta e oito) horas e sem prazo estipulado quando o assunto assim o exigir. Art. 40. Ao Conselho Fiscal assiste o direito de solicitar e obter da DE e CD todas as informações que julgar necessárias. Art. 41. São competências do Conselho Fiscal. ~.166_4_~~~_ I convocar Asscmbleia Geral; 11- elaborar seu Regimento Interno; "I _ 111- aprovar ou não o Balancete mensal da Instituição; IV - aprovar ou não o Balanço anual da Instituição; V - rcmeter ao Conselho Deliberativo para conhccimen~o o Parecer sobre o Balancctc mensal da Instituição, bem como uma síntese da situação financeira. VI - solicitar à Diretoria Executiva assessoramento técnico, sc julgar necessári o bom dcscmpenho de suas funções. Daniel Lop dos Santos Diretor PreSidente da IBeM CPF n'

9 Seção IV Da Diretoria Executiva Art. 42. A Diretoria Executiva, órgão responsável pela Gestão Executiva da!bcm, ser/ constituída obrigatoriamente, por um Diretor Presidente. um Diretor Vice-Presidente. um Diretor Administrativo e um Diretor Financeiro, eleitos diretamente pela Asscmblcia Geral. Parágrafo único: O mandato da Diretoria Executiva será de 04 (quatro) anos, podendo ser reeleita por mais 02 (duas) gestões consecutivas. Art. 43. A Diretoria Executiva se reunirá no mínimo uma vez por mês. Art. 44. Compete ao Diretor Presidente: I - representar a IBCMjudicialmente e extrajudicialmente.; 11- cumprir e fazer cumprir este Estatuto o Regimento Geral e o Regimento Interno da Diretoria Executiva; TIl- presidir a reunião da Assembleia Geral; IV - convocar c presidir as reuniões da Diretoria Executiva; V - juntamente com o Diretor Financeiro, outro Diretor ou procurador, sempre em dois. abrir e movimentar contas bancárias, emitir e endossar cheques, bem como aceitar e emitir títulos de crédito e a liberação de auditoria Pós Gestão; VI - adquirir e alienar bens patrimoniais, contrair empréstimos e financiamentos, após a aprovação do Conselho Deliberativo; VII - nomear procurador ou representante nas relações com terceiros; VllI - nomear o responsável pela área técnica de saúde. Art. 45. Compete ao Diretor Vice-Presidente: I - substituir o Diretor Presidente em suas faltas ou impedimento; 11- assumir o mandato, em caso de vacância, até o término; III - prestar, de modo geral, sua colaboração ao Diretor Presidente. IV - a gestão das atividades expressas no Art. 2 deste Estatuto Art. 46. Compete ao Diretor Administrativo: I - substituir o Diretor Vice-Presidente c/ou Diretor rinanceiro nos seus impedimentos eventuais. 11- a gestão dos Recursos Humanos e Patrimoniais da Instituição Art. 47. Compete ao Diretor Financeiro: I - substituir o Diretor Administrativo e, excepcionalmente, o Diretor Vice-Presidente nos seus impedimentos eventuais. 11- a gestão financeira e contábil da Instituição. Art. 48. Compete à Diretoria Executiva: I - executar a programação anual de atividades da Instituição; "'"i.ld'~",~ Diretor Presidente da IBeM CPF n'

10 11 - elaborar e apresentar à Assembleia Geral o Relatório Anual das atividad - Instituição; I 1Il- reunir-se com instituições públicas c privadas para mútua colaboração em atividaas" de interesse comum; IV- contratar e demitir funcionários; V- regulamentar as ordens normativas da Assembleia Geral e emitir ordens executivas para disciplinar o funcionamento interno da Instituição; VI -apresentar relatório completo de auditoria externa para a nova Diretoria, que venh ser eleita, referente a sua Gestão VII- receber, avaliar e aprovar ou não proposta de admissão ou exclusão de a~sociado; VIII- convocar Assembleia Geral; IX- submeter sua decisão a Assembleia Geral ou Conselho Deliberativo dos assuntos que por sua natureza e relevância escaparem de sua competência. X- supervisionar os serviços das Clinicas c Policlínicas da Instituição. XI- criar e preencher outros cargos quando o volume de atividades o exigir. XII- os membros da DE são nominalmente responsáveis pelos atos administrativos que praticarem no exereicio da função, à exceção daqueles que em Ata se expressarem contrários. XIII - operacionalizar os programas assistenciais c sociais na forma de seus regulamentos. XIV - estabelecer convênios com empresas em geral com o intuito de promover atendimento aos programas assistenciais e sociais elaborados pela lbcm; XV - submeter as demonstrações financeiras da Instituição, anualmente, à auditoria independente, e divulgá-ia junto ao quadro associativo c órgãos competentes. CAPITULO V Dos Recursos Financeiros Art. 49. Os recursos financeiros necessários à manutenção da Instituição poderão scr obtidos por: I - termo de parceria, convênios e contratos firmados com poder público para financiamento de projetos na sua área de atuação; 11- contratos e acordos firn1ados com empresas e agências nacionais e internacionais; 1Jl- doações, legados e heranças; IV - rendimentos de aplicações de seus ativos financeiros e outros pertinentes ao patrimônio sob a sua administração; V - contribuições dos associados; ~ VI - recebimentos de direitos autorais, etc Parágrafo Único: A Diretoria Executiva fixará as mensalidades, taxas, e outras obrigações pecuniárias a serem satisfeitas pelos associados, assim como estabelecerá as condições gerais que devem reger o sislema de cobrança, ressalvado o que constar dos regulamentos específicos de cada progranja social e assistencial, que participe o associado e/ou seus dependentes, mediante prévia apreciação do Conselho Deliberativo. Daniel Lope dos Santos Diretor Presir;iente da IBeM CPF n'

11 CAPÍTULO Do Patrimônio ~ó! Ó' Art. 50. O patrimônio do!bcm será constituído de bens móveis, imóveis, veículo., semoventes, ações c títulos da dívida pública. S 10 No caso de dissolução da Instituição, o respectivo patrimônio líquido ser: transferido a outra' Pessoa Jurídica qualificada nos termos da Lei , preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. S 2 0 Por deliberação dos associados podem estes, antes da destinação do remanescente do patrimônio líquido, receber em restituição, atualizado, o respectivo valor das contribuições que tiverem prestado ao patrimônio da Instituição. Art. 51. Na hipótese da Instituição obter e, posteriormente, perder a qualificação instituída pela Lei 9.790/99, o respectivo acervo patrimonial disponível, adquirido com recursos público durante o período em que perdurou aquela qualilicação, será contabilmente apurado e transferido a outra pessoa jurídica qualificada nos temlos da Lei 9.790/99, preferencialmente que tenha o mesmo objetivo social. VI :i rjo CAPÍTULO VII Da Prestação de Contas Art. 52. A prestação de contas da Instituição observará no mínimo: I - os princípios fundamentais de contabilidade e as Norma~ Br'dSileiras de Contabilidade; 11- a publicidade, por qualquer meio elicaz, no encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações financeiras da entidade, incluindo as certidões negativas de débitos junto ao INSS e o FGTS, colocando-os à disposição para o exame de qualquer interessado; III - a realização de auditoria, inclusive por auditores externos independentes, se for o caso, da aplicação dos eventuais recursos objetivo de Termo e Parceria. conforme previsto em regimento; IV - a prestação de contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos será feita, conforme determina o parágrafo único do Art. 70 da Constituição Federal. CAPÍTULO VIII Sessão I Da Eleição Art. 53. As eleições dos membros da Diretoria Executiva, Conselho Conselho Fiscal da!bem ocorrerão: Daniel Lo es dos Santos Diretor Presidente da \BeM CPF n'

12 91 - Quadrienalmente: I - Para a Diretoria Executiva na segunda quinzena do mês de março; o ~~ 11- Para o Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal na primeira quinzena do mes~, " dezembro Vacância nos cargos da Diretoria Executiva, quando ocorrer o fato 93 - As eleições ocorrerão através de chapas; 94 - Serão instaladas a~ mesa~ eleitorais nas Policlinicas e clínicas da IBCM, bcm como nas localidades que tenham mais de 300 (trezentos) associados, podendo ocorrer aglutinação de municípios próximos um do outro, desde que a distância entre ambos não exceda 50 Km;!15 - As eleições da IBCM reger-sc-ão por Regulamento Eleitoral, sistematizado e aprovado pelo Conselho Deliberativo. Sessão 11 Do Mandato Art. 54. O mandato dos membros da Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal é de 04 (quatro) anos; Sessão 111 ~ ª- Do Processo Eleitoral "' Art. 55. O processo Eleitoral para escolher os membros da Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, ocorrerá da seguinte forrna: I - Voto presencial: ocorrerá nas localidades que tcnham mais de 300 (trezentos) associados da IBCM; 11- Voto por correspondência: ocorrerá na~ localidades que não tenham mesas eleitorais, desde que tenham mais de I00 (cem) associados da IBCM; 111- Por aclamação. ç 1 - A eleição realizada por voto presencial e por correspondência será através de sufrágio direto c secreto quando ocorrer a inscrição de 02 (duas) ou mais chapas; I - O voto será atribuído à Chapa, sendo vedada ia votaçiio nominal dos candidatos c/ou por procuração; ~ 11 - Nas localidades onde residem menos de 100 (cem) associados, do votar em qualquer seção eleitoral da IBCM; Praxed ~/ Machado OAB RS Daniel es dos Santos AssesSOI Ju!COda /BeM Diretor PresIdente da IBeM L CPF n' ' 5

13 92 - A eleição por aclamação ocorrerá quando houver a inscrição de apena Chapa; <! Constatada a inscrição de apenas urna chapa para a eleição dos membro ~da...; ~ CO e CF e não havendo nenhum pedido de impugnação, no prazo de 03 (três) dl;~ t ~ as' contados da data do encerramento das inscrições de chapas, o Presidente da ComisSão IIU Eleitoral elaborará a Ata de encerramento das eleições e encaminhará ao Conselho Deliberativo O Presidente do Conselho Deliberativo, de posse da Ata de encerramento da eleição, convocará a Assembleia Geral Ordinária no prazo de até 10 (dez) dias contados da data de encerramento da eleição para a aclamação dos eleitos. g Sessão IV Da Comissão Eleitoral Art. 56. A comissão eleitoral será constituída por 05 (cinco) associados efetivos não pertencentes aos poderes constituídos da!bcm (DE, CO, CF), todos indicados pelo Conselho Deliberativo A comissão eleitoral s~rá nomeada em no mínimo 75 (setenta e einco) dias antes da data da realização do pleito A inscrição de chapas ocorrerá em 45 (quarenta e cinco) dias antes da data da realização do pleito, observando-se o cronograma da Comissão Eleitoral. Sessão V Da Composição das Chapas ~ Art Para efeito de eleição dos Órgãos Dirigentes da!bcm, o Inciso I do Art 12 deste Estatuto, observará a seguinte subdivisão: a) Militares Estaduais de Nível Superior da Brigada Militar, ativos e inativos; b) Militares Estaduais de Nível Médio da Brigada Militar, ativos e inativos; c) Funcionários Civis da Brigada Militar; d) Servidores da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul; e) Viúvas (os) dos associados constantes das alíneas a, b e c dcste Artigo; f) Empregados da IBCM, faeultativamente e independentemente do contrato de trabalho. Art As eleições para escolher os membros da DE, CO, CF ocorrerá. de chapas assim constituídas, observando o disp.ostolo. 57 deste Estatuto: ~ Praxede d. Machado OA S n' Daniel os Santos Assessor Jurl!COda IBeM Diretor PreSIdente da 'SeM / CPF n'

14 I - Membros do Conselho Deliberativo: 1) Titulares: a) 04 (quatro) a~soeiados da alínea a); b) 10 (dez) associados da alínea b); e) OI (um) associado da~ alíneas c) ou d), ou e) ou 1). 2) Suplentes: a) OI (um) assoeiados da alínea a); b) 03 (três) associados da alínea b); c) OI (um) associado das alíneas c) ou d), ou e), ou 1). 11- Membros do Conselho Fiscal: I) Titulares: a) OI (um) associado da alínea a); b) 03 (três) associados da alínea b); c) OI (um) associado das alíneas c), ou d), ou e) ou 1). 2) Suplentes: a) OI (um) associado da alínea a); b) OI (um) associado da alínea b); c) OI (um) associado das alíneas c), ou d), ou e) ou 1). l1i - Membros da Diretoria Executiva a) 02 (dois) associados da alínea a); ~ _ h) 02 (dois) associados das alíneas b), ou c) ou d) ou e) ou I) 91 - Não havendo candidatos associados das alíneas c), d), e) ou 1), para compor a chapa do Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, a vaga será preenchida por associado da alínea b) Para efeitos de convocação de suplentes será observada a ordem de inscrição na Chapa Eleita. Sessão VI Dos Requisitos para Inscrição Art. 59. São e1egivcis aos cargos eletivos da lbem os associados previstos no i eis do Art. 12 deste Estatuto, que se enquadrem no que dispõe a RN n 311 da AN e Praxe a Machado. OA IR.n' Daniel L s Santos Assessor uridico daibem Diretor P~ ente da IBCM ' CPF n'

15 posteriores alterações e preencham os seguintes requisitos: I - Ter 05 (cinco) anos de efetividade inintemlpta como associado; li - Ter dedicação exclusiva à!bcm para os cargos da Diretoria Executiva; III - Não estar cumprindo pena ">: i3 o~ -'ao ~o-~ Parágrafo único - Para fins da efetividade citada no inciso I deste artigo, contar-se 05 (cinco) anos ininterruptos anteriores á data de inscrição do pleito. Sessão VII 1)0 Registro de Candidatura Art. 60. Para concorrer aos cargos eletivos previstos neste Estatuto, os candidatos compõem as chapas deverão apresentar os seguintes documentos: que a) Certidão Negativa da Justiça Federal, Estadual, Justiça Militar e Rcceita Federal; b) Rol dos bens declarados no imposto de renda ou declaração de bens firmada em tabelionato Cartório de Registro Civil. c) Cópia de Parecer que comprove ter suas contas anteriores aprovadas, para candidatos que ocuparem cargo eletivo como gestores da IBCM Sl - O registro de chapa junto à comissão eleitoral deve ser acompanhado de uma plataforma administrativa dos candidatos à Diretoria Executiva; S2 - No caso de Certidão positiva condenatória o pedido será analisado pela comissão eleitoral; S3 - Para as eleições previstas neste Estatuto, o número das chapas concorrentes será atribuído, conformc ordem de registro, junto à comissão eleitoral. S4 - É proibido o registro de candidatos que no desempenho de cargo eletivo ou associado em geral, não tenha a prestação de contas do exercício anterior à deflagração do processo eleitoral aprovada pelos órgãos competentes da!bcm ou tenha causado prejuízo de ordem moral e/ou financeira à Instituição, desde que comprovado através de comissão nomeada pelo Conselho Deliberativo, submetida à apreciação da Assembleia Geral, por auditoria ou ação transitada em julgado. S5 - O registro de chapas para os cargos da Diretoria Executiva ocorrerá na primeira quinzena do mês de fevereiro do ano em que for marcada a eleição, dc acordo com cronograma da Comissão Eleitoral. S6 - O registro de chapas para os membros do Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, ocorrerá na sel:,'llnda quinzena do mês de outubro do ano em que for marcada a eleição, de acordo com cronograma da Comissão Eleitora.1.~ ~16648~~_ Daniel Lopes do antos Diretor Presidente da IBCM CPF n'

16 Sessão VIII Da I'osse. Art. 6 I. A posse dos eleitos se dará: I - Dos Diretores da Diretoria Executiva, na segunda quinzena do mês de abril; " - Dos Conselhos Deliberativo e Fiscal,na segunda quinzena do mês de dezembro. Art A chapa eleita para a Diret~ria Executiva, mesmo sem ter tomado possc. poderá solicitar reexame do plano orçamentário correntc. CAPÍTULO IX msposlções GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 63. A!BCM não poderá solicitar concordata e nem será sujeita à falência, ma~ tãosomente ao regime de liquidação extrajudicial. Art. 64. O disposto no parágrafo único do Art. 42 deste Estatuto entra em vigor a partir de abril de 2011, data em que encerrará o período da gestão executiva Art. 65. Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Deliberativo pela Asscmbleia Geral. e referendados Art. 66. A Assembleia Geral da Instituição Beneficente Coronel Massot - \BCM resolve homologar a presente reforma estatutária, que passa a vigorar após registro no Oficio de Registro Civil das Pessoas Jurídicas, scndo revogadas as disposições em contrário. ~ ,

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE DO PARAISÓPOLIS ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º O PROJETO MORADIA PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA COMUNIDADE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES (ITIE) SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DE TECNOLOGIAS DE INDUSTRIALIZAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social 1 ESTATUTO SOCIAL MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A organização não-governamental Moinhos da Cidadania - Projetos de Desenvolvimento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - O ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL,

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - Da Denominação, da Sede, do Foro e do Prazo de Duração Art. 1º - A Brigada 1, também designada pela sigla B1, constituída aos vinte e três dias de março de dois mil e três,

Leia mais

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Integração também designado IACI. Aos 18 dias do mês de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO ESTRE DE RESPONSABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL CNPJ/MF N.º 08.483.074/0001-38 CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - O Instituto Estre de Responsabilidade Sócio-Ambiental,

Leia mais

Associação Pelotas Pró Turismo

Associação Pelotas Pró Turismo Associação Pelotas Pró Turismo ESTATUTO SOCIAL Capítulo I: Da Denominação, Regime, Sede, Foro e Duração. Artigo 1º: Artigo 2º: Artigo 3º: A Associação Pelotas Pró-Turismo, que para efeitos promocionais

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA

SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA SEGUNDA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS USUÁRIOS DE MEIOS DE TRANSPORTE TERRESTRE À PROPULSÃO HUMANA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º: A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Estatuto da Associação. de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Estatuto da Associação de Assistência ao Adolescente CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1º A Associação de Assistência ao Adolescente, associação civil sem fins lucrativos, fundada e instalada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I: DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR CIÊNCIA E TECNOLOGIA, também designada

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS

ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA - ABO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E FINS Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA, doravante designada pela sigla ABO, é uma pessoa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE FANFARRAS E BANDAS Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. A Associação Paulista de Fanfarras e Bandas, também designada pelas siglas, OCIFABAN (Organização Cultural

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS também designado pela sigla,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO INSTITUTO CRESCER LEGAL CAPÍTULO I - DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Associação Instituto Crescer Legal, doravante denominado simplesmente Instituto, é

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES ESTATUTO PREMATURIDADE.COM CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Artigo 1º A Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros, desde já também designado pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL

ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL ABRIGO DO JELLO - PROTEÇÃO A ANIMAIS DE RUA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E OBJETIVO SOCIAL Art. 1 - Aos 24 dias do mês de maio de 2011, fica constituída, através deste instrumento

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO OSCIP Capítulo I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1º - O Instituto CicloBR de Fomento à Mobilidade Sustentável, neste estatuto designada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL INSTITUTO DO CARSTE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1 - O Instituto do Carste, também designado pela sigla IC, constituído em 15 de dezembro de 2007, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO INSTITUTO DE SOLIDARIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL - ISEC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. O Instituto de Solidariedade Educacional e Cultural também

Leia mais

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura.

Estatuto Social. Contribuir para a revitalização do Distrito Industrial, tanto na sua imagem quanto na sua infra-estrutura. Estatuto Social Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Associação Distrito Vivo (ADV) é uma associação civil, de pessoas jurídicas instaladas no Distrito Industrial de duração indeterminada, apartidária,

Leia mais

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Objetivo, Sede, Foro e Duração Artigo 1º - Sob a denominação Fundação Britânica de Beneficência, foi constituída a Fundação projetada

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - Constitui- se sob a denominação de Contemporâneo pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

2/5 Art. 16 XI Art.55 - Parágrafo único Art. 57 - III VII VIII

2/5 Art. 16 XI Art.55 - Parágrafo único Art. 57 - III VII VIII 1/5 Alterações de dispositivos do Estatuto Social aprovadas pelo Conselho Deliberativo em 10 de novembro de 2014 visando atender à Portaria nº 224, de 18/09/2014, do Ministério do Esporte, de forma a ser

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO

ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO ESTATUTO INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS ALTERNATIVAS NA AMÉRICA LATINA PREÂMBULO O grande desafio deste século é o de descobrirmos quais as fontes de energia que irão mover a humanidade no

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, PATRIMONIO HISTORICO E DIFUSÃO DA CULTURA E EDUCAÇÃO APRECED - TITULO I DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO E FINALIDADES Art.

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU 'I r/"- /,,_\, - _ ~J" ~, ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE, EDU E ASSISTENCIAL "GENTE AMIGA". Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A Associação Beneficente, Educacional e Assistencial Gente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO RODA D ÁGUA Capitulo Primeiro Nome e Natureza Jurídica Art. 1 - Sob a denominação de INSTITUTO RODA D ÁGUA, ou pela forma abreviada RODA D ÁGUA fica instituída esta associação

Leia mais

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art.

ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 1 ADMISSÃO DE ASSOCIADOS art. 6º, 1º ALTERAÇÃO DE ESTATUTO art. 17, V, 1º ASSEMBLÉIA GERAL art. 16 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA art. 19 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA art. 18 ASSOCIADOS art. 6º COMPETÊNCIA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º - A FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA - FFM é pessoa jurídica de direito privado de fins não lucrativos, com

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO

ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO ESTATUTO SOCIAL Agência de Promoção Eco Sustentável APECO CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica Art. 1º - Sob a denominação de Agência de Promoção Eco Sustentável, ou pela forma abreviada APECO, neste

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO PALAVRA ABERTA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1º O INSTITUTO PALAVRA ABERTA é classificado como pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos

Leia mais

Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil

Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil Ata da fundação e Adequação do Estatuto Social ao Novo Código Civil Sociedade do Sol Sosol CNPJ n 05202923/0001-40 Ata da Assembleia Geral de Fundação da Sociedade do Sol No dia vinte e nove de novembro

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS

ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS. Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS ESTATUTO DO CENTRO DE TECNOLOGIA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA CTGRAPHICS Capítulo I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS GERAIS Art. 1º - O Centro de Tecnologia de Computação Gráfico, também designado pela sigla CTGRAPHICS,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Duração e Finalidades. ARTIGO 1º O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais