Engenharia de Sistemas e Informática. Descrição geral ESI-004/005/006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Sistemas e Informática. Descrição geral ESI-004/005/006"

Transcrição

1 Engenharia de Sistemas e Informática Descrição geral ESI-004/005/006

2 Conteúdo 1 Enquadramento Perfil de entrada Perfil de saída Organização Plano curricular Áreas científicas Tronco comum (ESI-004) Primeiro ano Segundo ano Variante Sistemas e Informática (ESI-005) Terceiro ano Quarto ano Variante Multimédia e Tecnologias Interactivas (ESI-006) Terceiro ano Quarto ano Seminários Seminário de antropologia / Seminário de Pensamento crítico, Ciência e Sociedade Outros seminários s MAT007 Álgebra linear e geometria analítica INF N2 Algoritmos e estruturas de dados INF009 Análise de sistemas MAT001 Análise matemática INF004 Arquitectura de computadores INF039 Arquitectura de sistemas de informação INF010 Bases de dados INF030 Codificação e representação multimédia INF028 Computação e animação gráfica INF029 Computação e animação gráfica INF014 Desenvolvimento de sistemas de informação CCO003 Design e técnicas gráficas CCO004 Design e técnicas gráficas INF040 Engenharia de software EST002 Estágio de Licenciatura MAT003 Estatística descritiva MAT004 Estatística matemática CCO006 Fotografia, cinema, vídeo GES008 Gestão de empresas GES009 Gestão de projectos CCO002 Inglês INF017 Inteligência artificial INF020 Interacção Homem-máquina INF001 Introdução à Informática INF034 Introdução à programação...16 ESI /22

3 MAT005 Investigação operacional MAT002 Matemática discreta MEM002 Memória de Licenciatura INF036 Programação por objectos INF038 Programação em sistemas distribuídos INF037 Redes de computadores INF022 Segurança e auditoria informática SOC026 Seminário de antropologia SOC 081 Seminário de pensamento crítico, ciência e sociedade INF026 Sistemas de autoria INF027 Sistemas de autoria CCO005 Psicossociologia da comunicação INF019 Sistemas de apoio à decisão INF012 Sistemas de informação INF011 Sistemas operativos CCO001 Técnicas de expressão oral e escrita...22 ESI /22

4 1 Enquadramento O século XIX marcou a era da industrialização com o surgimento dos motores e máquinas de diversos tipos o que correspondeu a uma verdadeira revolução na vida das pessoas. Actualmente, vivemos na era da Informação. Assim, uma nova revolução é realizada, operando mudanças substanciais nos mais diversos âmbitos da vivência das pessoas, desempenhando as novas tecnologias da Informação o papel de motor dessa transformação. Num mundo cada vez mais globalizado, essas tecnologias revestem-se de uma peculiaridade importantíssima extrapolando fronteiras e idiomas e promovendo oportunidades de emprego e negócios mesmo à distância. Para que se possa efectivamente adequar as empresas as instituições e a própria sociedade a esta nova realidade, tornando-as capazes dar resposta aos desafios levantados por estas mudanças, é indubitavelmente premente uma sólida formação de quadros capazes de acompanhar os desafios desta nova realidade sobretudo quando se considerar que efectivamente a Internet e a educação constituem grandes niveladores da nossa época, contribuindo decisivamente para a redução do fosso social e aproximação das pessoas. Essa necessidade de formação é incrementada consideravelmente quando considerarmos as especificidades de Cabo Verde, caracterizada por condições naturais muito adversas, traduzidas em constrangimentos climatéricos e escassez de recursos. Essas particularidades fazem com que este arquipélago tenha nos seus Homens, todo seu capital. Assim, a educação e formação dos recursos Humanos afiguram-se como elementos imprescindíveis para um desenvolvimento sustentável destas ilhas insulares. É neste quadro que se insere o curso de Licenciatura em Engenharia de Sistemas e Informática, na senda da formação de recurso humanos aptos a dar resposta a esses desafios e à necessidade de pessoas talentosas, com habilidades e know how, para colocar as instituições na linha da frente desta revolução. 2 A licenciatura em Engenharia de Sistemas e Informática visa essencialmente fornecer aos estudantes uma formação alargada nos mais diversos domínios da Informática, acompanhando sempre a evolução das ideias e produtos. Consequentemente este curso almeja: Capacitar os alunos a fim de que, com rigor científico e actualidade tecnológica, possam lidar com domínios que vão da concepção à modelação, produção, operação e manutenção de sistemas, redes e aplicações; Incutir nos estudantes os conhecimentos que os fazem rapidamente profissionais competentes e capazes de actualizar permanentemente as suas competências quer de forma autodidacta, quer através de auxílio de outras acções de formação; e flexibilizar os percursos de aprendizagem e oferecer oportunidades de especialização 2.1 Perfil de entrada O curso de Engenharia de Sistemas e Informática está especialmente direccionado aos alunos com apetência pelas Tecnologias de Informação e Comunicação. O candidato ao curso deve possuir os requisitos definidos na legislação cabo-verdiana, cumprindo as condições de ingresso ao ensino superior, isto é, ter o 12º ano do ensino secundário ou equivalente. Nuclear obrigatória: Matemática 2.2 Perfil de saída Os alunos formados em Engenharia de Sistemas e Informática são passíveis de emprego em organizações de todos os sectores económicos que usam computadores: bancos, companhias de seguros, empresas industriais, empresas de serviços, telecomunicações, administração pública, fornecedores de equipamentos informáticos, empresas de desenvolvimento de software, ensino, etc. Com a cada vez mais crescente utilização dos computadores e das tecnologias de informação em quase todos os sectores económicos e devido ao esmero e rigor pela qualidade impostos neste curso, prevê-se uma absorção privilegiada dos ESI /22

5 bacharéis e licenciados em Engenharia de Sistemas e Informática pela Universidade Jean Piaget de Cabo Verde. 3 Organização Este curso tem uma estrutura monoetápica de quatro anos com uma carga horária total obrigatória de 2490 horas de contacto e uma carga horária suplementar (sob forma de seminários) com um total máximo de 360 horas, o que dará o direito ao título de Licenciado em Engenharia de Sistemas e Informática, com especialização em áreas afins. Todos os anos lectivos estão divididos em dois semestres de 300h de contacto cada, com quinze semanas efectivas de duração. O curso comporta oito semestres, sendo os três primeiros, tronco comum e os cinco restantes reservados às áreas afins, apresentadas sob forma de variantes. Assim, este plano curricular oferece duas variantes: Sistemas e Informática (ESI-005) e Multimédia e Tecnologias Interactivas (ESI-006). No final o estudante deverá desenvolver e apresentar perante o público académico, um trabalho de síntese de carácter científico sob forma de monografia de Licenciatura. A defesa desta é condicionada à validação de todas as cadeiras curriculares. 4 Plano curricular 4.1 Áreas científicas As áreas científicas intervenientes neste curso, num total de 2490 horas de contacto obrigatórias, são estas: Tronco comum (ESI-004) 0630 h - INF Área Científica da Informática (8 s) 0300 h - MAT Área Científica da Matemática (4 s) 0120 h - CCO Área Científica das Ciências da Comunicação (2 s) 0090 h - SOC Área Científica da Sociologia (1 ) Variante Sistemas e Informática (ESI-005) 0810 h - INF Área Científica da Informática (10 s) 0200 h - EST Área Científica dos Estágios (1 ) 0120 h - GES Área Científica da Gestão (2 s) 0120 h - MAT Área Científica da Matemática (2 s) 0100 h - MEM Área Científica das Memórias (1 ) Variante Multimédia e Tecnologias Interactivas (ESI-006) 0600 h - INF Área Científica da Informática (8 s) 0330 h - CCO Área Científica das Ciências da Comunicação (4 s) 0200 h - EST Área Científica dos Estágios (1 ) 0120 h - GES Área Científica da Gestão (2 s) 0100 h - MEM Área Científica das Memórias (1 ) ESI /22

6 4.2 Tronco comum (ESI-004) Primeiro ano Primeiro semestre INF 001 Introdução à informática INF 034 Introdução à programação MAT 001 Análise Matemática MAT 007 Álgebra Linear e geometria analítica Segundo semestre CCO 001 Técnicas de expressão oral e escrita CCO 002 Inglês INF 035 Algoritmos e estruturas de dados MAT 002 Matemática discreta Segundo ano Primeiro semestre INF 004 Arquitectura de computadores INF 009 Análise de sistemas INF 036 Programação por objectos MAT 003 Estatística descritiva Segundo semestre INF 010 Bases de dados INF 037 Redes de computadores segundo a variante (ver lista a seguir) segundo a variante (ver lista a seguir) Lista de disiplinas para os que optarem pela variante Sistemas e Informática (ESI-005) INF 038 Programação em sistemas distribuídos MAT 004 Estatística matemática Lista de disiplinas para os que optarem pela variante Multimédia e Tecnologias Interactivas (ESI-006) CCO 005 Psicosociologia da comunicação CCO 006 Fotografia, cinema e vídeo ESI /22

7 4.3 Variante Sistemas e Informática (ESI-005) Terceiro ano Primeiro semestre GES 008 Gestão de empresas INF 011 Sistemas operativos INF 012 Sistemas de informação INF 020 Interacção Homem-máquina Segundo semestre INF 017 Inteligência artificial INF 039 Arquitectura de sistemas de informação INF 040 Engenharia de software MAT 005 Investigação operacional Quarto ano Primeiro semestre GES 009 Gestão de projectos INF 014 Desenvolvimento de sistemas de informação INF 019 Sistemas de apoio à decisão INF 022 Segurança e auditoria informática Segundo semestre EST 002 Estágio de licenciatura MEM 002 Memória de licenciatura Todas Variante Multimédia e Tecnologias Interactivas (ESI-006) Terceiro ano Primeiro semestre CCO 003 Design e técnicas gráficas GES 008 Gestão de empresas INF 012 Sistemas de informação INF 020 Interacção Homem-máquina Segundo semestre CCO 004 Design e técnicas gráficas INF 026 Sistemas de autoria INF 028 Computação e animação gráfica INF 030 Codificação e representação multimédia ESI /22

8 4.4.2 Quarto ano Primeiro semestre GES 009 Gestão de projectos INF 022 Segurança e auditoria informática INF 027 Sistemas de autoria INF 029 Computação e animação gráfica Segundo semestre EST 002 Estágio de licenciatura MEM 002 Memória de licenciatura Todas Seminários Seminário de antropologia / Seminário de Pensamento crítico, Ciência e Sociedade 1 Este seminário é complemento de formação em todos os cursos da universidade e visa, antes de mais, oferecer aos estudantes a oportunidade de adquirir uma sensibilidade especial que lhes permita descobrir a complexidade das sociedades humanas e, concomitantemente, perceber a diversidade sempre presente na unidade, eliminando possíveis discriminações ou exclusões na comunidade onde vierem, profissionalmente, a inserir-se. SOC 026 Seminário de antropologia SOC 081 Seminário de Pensamento crítico, Ciência e Sociedade Este tipo de seminário é composto por um conjunto de sessões plenárias, num total de 30 horas, seguidas de uma oficina de 15 horas e de um trabalho de campo, correspondente a 45 horas, realizado fora do período normal de aulas Outros seminários Um ou mais seminários, de cariz suplementar ou de reforço, aprovados pelo conselho científico mediante proposta da coordenação do curso. 4.6 s MAT007 Álgebra linear e geometria analítica 1 Pretende-se que o aluno implemente a sua capacidade analítica de modo a solucionar uma grande variedade de problemas da Engenharia, nomeadamente construir e resolver modelos matemáticos que descrevam os efeitos das acções sobre uma grande variedade de estruturas. Pretende-se que o aluno implemente a sua capacidade analítica de modo a solucionar uma grande variedade de 1 O estudante, assessorado pela Comissão do Curso, escolhe um seminário conforme os seus interesses ESI /22

9 problemas da Engenharia, nomeadamente construir e resolver modelos matemáticos que descrevam os efeitos das acções sobre uma grande variedade de estruturas. Matrizes: Definições e generalidades; Álgebra das matrizes: Igualdade, adição, multiplicação por um escalar, multiplicação de matrizes; Transposição de matrizes; Dependência e independências de filas paralelas; Condensação; Característica duma matriz; Matriz triangular; Matriz adjunta; Inversão de matrizes INF N2 Algoritmos e estruturas de dados Aquisição de conhecimentos sobre os Algoritmos e Estruturas de Dados que suportem o desenvolvimento de programas eficientes. Aprendizagem de métodos de análise de algoritmos, Estudos de algoritmos elementares para um determinado conjunto de problemas. Utilização da linguagem C para a aplicação prática dos conhecimentos relativos ao uso de Algoritmos e Estruturas de Dados para o desenvolvimento de programas eficientes. Contextualização e motivação. Introdução ao sistema linux. Estrutura de um programa em C. Tipos de dados: Carater, inteiro, real; Prefixos short, long e unsigned. Constantes e variáveis. Estruturas de controlo: While, do while, for. Funções: passagem de parâmetros, âmbito das variáveis. Outros tipos de dados: Arrays, registos, tipos enumerados e ficheiros. Tipos de dados dinâmicos: Gestão de memória, estruturas dinâmicas. Listas. Pilhas. Filas. Pesquisa sequencial e binária. Algoritmos de ordenação: Selectionsort, Insertionsort, Bubblesort, Shellsort, Quicksort, Mergesort. Conjuntos. Tabelas de dispersão: Introdução, componentes, funções de dispersão, Resolução de colisões. Teorias de grafos e algoritmos em grafos: Definições e propriedades, adjacências, caminhos, procura e caminhos mais curtos. Árvores: Introdução, propriedades, Arvores binárias de pesquisa, Inserção, Percurso, Amontoados, Árvores AVL, Árvores 2-3, Pesquisa e ordenação em árvores INF009 Análise de sistemas A tem como objectivo fornecer aos alunos os conceitos e técnicas que permitam levar a bom termo a análise de sistemas de informação. Os tópicos incluem assuntos gerais como técnicas de observação e de recolha de informação bem como métodos de análise e representação das várias características dos sistemas de informação. Estas competências destinam-se a preparar os alunos para desempenhar as funções de analista de sistemas ou de contratantes de equipas de análise e desenvolvimento de sistemas de informação com responsabilidade de decisão durante o desenrolar do processo. Conceitos elementares sobre análise de sistemas: definições, vantagens e limitações, características e competências do analista de sistemas, o ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas, recolha de informação, entrevistam, observação, inquéritos, auditorias, amostragem (sistemática, estratificada e aleatória), ferramentas, diagramas clássicos, a Unified Modeling Language. O Unified Software Development Process: introdução, determinação dos requisitos do sistema, os objectivos e os resultados da análise de sistemas, da analise ao produto final. Projecto: planeamento e realização. ESI /22

10 4.6.3 MAT001 Análise matemática 1 Pretende-se que os discentes assimilem os conhecimentos necessários ao prosseguimento dos estudos no ensino superior. Espera-se ainda potenciar e desenvolver capacidades ao nível da organização dos conhecimentos, do rigor, da concentração, do raciocínio lógico-dedutivo, e da modelação matemática de problemas referentes ao contexto profissional futuro. Nesta são ministrados os conceitos fundamentais de análise matemática em IR (cálculo diferencial, cálculo integral e séries) INF004 Arquitectura de computadores Identificar e perceber as quatro funções básicas de qualquer computador; processamento de dados, armazenamento de dados, movimentação de dados e controlo. Conhecer os principais tipos de barramentos de dados, dispositivos de memória interna e externa e mecanismos de entrada e saída e saber identificar as funções elementares de um sistema operativo. Compreender a unidade principal de processamento e saber identificar as diferenças entre as várias implementações do conceito. Perceber o funcionamento e os conceitos básicos da unidade de controlo. Computadores. Organização, arquitectura, estrutura e funções. Breve história sobre a sua evolução e desempenho. Lógica digital. Barramentos de dados. Memória interna. Memória externa. Periféricos. Introdução aos sistemas operativos. A unidade central de processamento (CPU). A aritmética do computador e os sistemas de numeração. Conjuntos de instruções. Características e funções. Linguagem Assembly. Formatos e modos de endereçamento. Estrutura e funções da CPU. Computadores com um reduzido conjunto de instruções (RISC). Processadores superescalares. A unidade de controlo. Micro-operações. Controlo da CPU. Controlo micro-programado. Aplicações da micro-programação. Processamento paralelo. Multiprocessamento. Coerência de cache e o protocolo MESI. Computação vectorial. Processadores paralelos INF039 Arquitectura de sistemas de informação Dominar o projecto, o desenvolvimento e a implementação de sistemas de informação, com particular ênfase nas componentes funcionais e de dados das organizações; Compreender a importância do desenvolvimento de sistemas de Data Warehousing e DataMarts na implementação de Sistemas de Suporte à Decisão; Planeamento de Sistemas de Informação. Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação. Ciclo do Planeamento Estratégico. Métodos e Técnicas para o Planeamento Estratégico de Sistemas de Informação. Projecto e Implementação de Sistemas de Informação. Modelação contextual do Sistema de Informação da Organização. Análise e modelação de requisitos funcionais. Análise e modelação de requisitos de informação. Desenho e concepção de esquemas conceptuais. Integração de perspectivas de utilização. Normalização da informação. Refinamento dos requisitos de informação. Análise e modelação da distribuição de dados. Desenho e concepção de esquemas físicos. Implementação, monitorização e modificação de sistemas de dados. ESI /22

11 4.6.6 INF010 Bases de dados Perceber os sistemas de bases de dados e as suas aplicações recentes, de forma a permitir projectar ou manter sistemas de informação com recurso às tecnologias de bases de dados. Introdução aos sistemas de bases de dados: arquitectura e funções principais. Revisões do modelo relacional e de álgebra relacional. Projecto conceptual usando o modelo entidade-relação; passagem do modelo e/a para o modelo relacional; refinamento do esquema e dependências funcionais. Projecto físico da base de dados; afinação da base de dados INF030 Codificação e representação multimédia Perceber e dominar os métodos e técnicas relacionados com a codificação e representação de informação multimédia Conceitos de compressão: modos, categorias, entropia, codificação, compressão e descompressão. Modelos e normas para compressão sem perdas: modelo genérico, de Huffman, aritmético, JBIG, JPEG e JPEG-LS. Métodos e normas para a compressão de som e para a representação de música: compressão de voz, MPEG-Audio, Dolby AC-3 e MIDI. Fundamentos de compressão de imagem com perdas. Esquemas básicos, codificação e algoritmos DCT. Fundamentos de compressão de vídeo com perdas: conceitos básicos e previsão de movimentos. O JPEG e o MPEG INF028 Computação e animação gráfica 1 Esta pretende agrupar os conceitos da computação gráfica e da concepção assistida por computador numa abordagem pragmática de estudo das ferramentas existentes e na especificação e desenvolvimento de um protótipo de uma aplicação de concepção assistida por computador. Conceitos: primitivas e transformações gráficas 2D e 3D, estruturas de armazenamento em memória, formatos de armazenamento em suportes magnéticos ou ópticos, desenho e concepção assistida por computador. Estudo de casos práticos: Corel Draw, AutoCAD, 3DStudio. Projecto: planeamento e implementação. Concepção assistida por computador: sistemas e aplicações. Parametrização e especialização: AutoLISP no AutoCAD. Projecto: planeamento e realização INF029 Computação e animação gráfica 2 Esta fornece os conceitos associados aos sistemas actuais de realidade virtual proporcionando uma visão geral da tecnologia envolvida. São também estudados vários exemplos de aplicação e são experimentados sistemas de desenvolvimento e protótipos funcionais. O objectivo final é preparar os alunos para conceber e desenvolver protótipos de ambientes sintéticos que permitam explorar alguns dos conceitos estudados. ESI /22

12 A realidade virtual e a sua tecnologia de suporte. Sistemas de realidade virtual. Sistemas de suporte. Aplicações. Ferramentas de desenvolvimento. Projecto: planeamento e Realização INF014 Desenvolvimento de sistemas de informação Gerir o processo de desenvolvimento, exploração e manutenção de sistemas de sistemas de informação Analisar e melhorar a qualidade dos sistemas de informação, capacitando-os para o suporte fiável aos processos de tomada de decisão. Saber escolher as melhores tecnologias a serem usadas no desenvolvimento, exploração e manutenção de sistemas de informação. UML estrutura de conceitos, linguagem de modelação, modelo, esquema, processo (metodologia), método (abordagem), ciclo de vida de um sistema de software. Processo de desenvolvimento de software: Introdução e visão histórica. Processos baseados em métodos estruturados. Processos baseados em objectos. Ferramentas CASE. Exemplos práticos. Casos de estudo CCO003 Design e técnicas gráficas 1 Conhecer as noções básicas do design e as potencialidades tecnológicas do webdesign. Sensibilizar os alunos aos códigos da estética pós-moderna e indicar-lhes programas informáticos mais utilizados na área de realização visual. Oferecer-lhes a possibilidade de desenvolver as faculdades criativas na base dos suportes tecnológicos sofisticados. Breve introdução à história de design industrial e computacional. Principais programas informáticos de construção e tratamento da imagem, por exemplo, CAD ou PhotoShop. Relevância dos aspectos visuais e imagéticos na apresentação dos produtos publicitados. Sinergias estéticas entre vários códigos disponíveis nos multimédia CCO004 Design e técnicas gráficas 2 Aprofundar e consolidar os conhecimentos da Design e técnicas gráficas 1 Adquirir uma competência para planificação, realização e avaliação dos projectos gráficos no computador. Compreender e dominar as vantagens de ferramenta informática diversificada disponível dentro de http e de Flash. Perceber o design moderno como forma particular de comunicação artística onde desaparece a divisão tradicional entre a forma e o conteúdo. Processamento de imagem pelo computador. Digitalização das imagens analógicas vs. criação original através da programação visual. Formatos do design electrónico. Regras de troca de ficheiros informáticos contendo imagens, texto, vídeo e outros suportes multimédia. Valores mnemónicos de diferentes tipos de imagens. Relações entre a entropia e a redundância na construção da mensagem visual. ESI /22

13 INF040 Engenharia de software Estudar os diferentes modelos de desenvolvimento e manutenção de aplicações informáticas, nomeadamente, o ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas e a protótipagem. Proporcionar uma introdução geral aos problemas do desenvolvimento de sistemas e aplicações com base nas necessidades do utilizador e nos princípios da interacção Homem-máquina. Modelos da engenharia de aplicações informáticas: aplicações informáticas - questões e problemas actuais, ciclo de vida clássico, protótipagem, combinação de modelos de desenvolvimento. Projecto de aplicações informáticas: modelos clássicos de desenvolvimento de aplicações informáticas, programação estruturada, modularidade, decomposição funcional, desenvolvimento de aplicações informáticas na era da Internet. Fundamentos: o Homem, a máquina, a interacção EST002 Estágio de Licenciatura Confrontar o saber teórico adquirido durante o curso com a realidade profissional concreta no contexto cabo-verdiano ou internacional. Possibilitar ao aluno melhor conhecer o meio profissional, as vantagens, limites e dificuldades da profissão. Estabelecer uma plataforma de contacto entre a Universidade e o meio empresarial e institucional envolvente. Facilitar a entrada no mundo laboral ou a consolidação da posição ocupada no mesmo. Sensibilizar o aluno sobre o papel do relacionamento interpessoal no mundo de trabalho: relações entre colegas, hierarquias da organização, tratamento com o público externo etc. Aplicação e verificação dos conhecimentos científicos no exercício da profissão dentro das organizações líder no sector Desenvolvimento do sentido da responsabilidade profissional do aluno através das tarefas confiadas. Aperfeiçoamento das competências técnicas adquiridas na Universidade. Preparação para entrada no mundo laboral ou para a consolidação do exercício profissional MAT003 Estatística descritiva Reconhecer a importância da estatística para o processo de tomada de decisão. Identificar as etapas de um método estatístico. Organizar, representar e interpretar os dados. Proporcionar o domínio das técnicas e medidas estatísticas que lhes permitam analisar os dados estatísticos, fazendo análises descritivas. Estudar a associação entre duas variáveis. Estabelecer as estratégias a seguir a curto, médio e longo prazo e desenvolver políticas específicas para realizar os objectivos estratégicos. Exercitar os conceitos discutidos em situações reais ou de simulação da realidade. Sensibilizar os alunos sobre alguns conceitos-base das probabilidades. A estatística é uma ciência importante a diversos níveis, o que é confirmado pelo destaque e pela frequência com que os seus estudos surgem nos meios de comunicação social. A Estatística descritiva pretende assim preparar os formandos a saber construir e interpretar os resultados desses mesmos estudos, dominar técnicas simples e explorá-las ao nível da interpretação ESI /22

14 dos fenómenos concretos em observação e ajustar o trabalho estatístico à realidade em estudo, confrontando os resultados com ela em cada etapa do processo MAT004 Estatística matemática Apresentar uma panorâmica das metodologias da Estatística (praticamente apenas técnicas de estatística univariada) com suficiente fundamentação, de forma a ficarem bases para eventual desenvolvimento futuro. Breve introdução à estatística descritiva e à análise exploratória dos dados (abordagem univariada, abordagem multivariada, complementos). Elementos de inferência estatística (as ferramentas probabilísticas essenciais na inferência estatística, estimação, métodos não paramétricos, análise da variância) CCO006 Fotografia, cinema, vídeo Introdução às noções básicas de fotografia, cinema e videm quer ao nível de semiologia e estética quer ao nível de tecnologias digitais e analógicas. Explicar aos alunos o peso na cultura moderna de tradição artística de 150 anos de história de fotografia, e 100 anos de cinema assim como as tendências actuais na produção artística universal. Realizar pequenos trabalhos de fotografia e de filmagem usando a webcam, câmara de vídeo e máquina fotográfica. A avaliação toma em conta igualmente factores estéticos com a performance técnica. Funcionamento das máquinas fotográficas analógicas e digitais. Tratamento laboratorial da imagem digital. Géneros artísticos de filme e fotografia. Linguagens de fotografia e de cinema. Guião do projecto fotográfico ou fílmico a realizar. Critérios de avaliação de produção fílmica e fotográfica GES008 Gestão de empresas Compreender a evolução do pensamento da gestão e perspectivar o seu futuro. Compreender a gestão e o papel dos gestores no actual quadro de crescente complexidade organizacional e rápidas mudanças ambientais. Conhecer e compreender as principais funções nas organizações e interpretar as suas inter-relações A gestão e as funções de um gestor. Estruturas organizacionais. Abordagens da gestão. Gestão num ambiente global. As funções da empresa. As tecnologias na organização e a mudança organizacional: o impacto das tecnologias nas organização; a gestão e as tecnologias de informação; a gestão da mudança; inovação. ESI /22

15 GES009 Gestão de projectos Dotar os alunos de conhecimentos técnicos e científicos que lhes permitam elaborar, gerir e avaliar projectos, quer de desenvolvimento, quer de investimentos. Contexto: política do governo, características do sector, principais beneficiários e intervenientes, documentação disponível. Intervenção: objectivos globais e específicos, resultados e actividades. Hipóteses e riscos e flexibilidade. Execução do projecto; factores que asseguram a viabilidade; acompanhamento e avaliação CCO002 Inglês 1 Treino das quatro destrezas linguísticas: falar, compreender o texto falado, escrever e compreender do texto escrito. Léxico: campos semânticos relacionados com: a vida profissional, o respectivo curso, o tempo livre, as viagens, a divisão do tempo. Verbos e estruturas modais que possibilitem expressar gostos, opiniões, preferências e comparações. Topics: Jobs and occupations; Hobbies and interests; Travel and journeys; Specific subjects; Education and learning. English for specific purpose: Reading articles in the main area of study; Collecting vocabulary in the main area of study; Where appropriate, dialogues and speaking activities are to be prepared, specifically for the area of study INF017 Inteligência artificial Compreender em que consiste a inteligência artificial (ia), o que a caracteriza e distingue das abordagens tradicionais da informática. Compreender a noção de agente inteligente e de sistemas multi-agente. Aprender métodos de resolução de problemas envolvendo conhecimento. Saber como representar o conhecimento e utilizar a lógica. Utilizar a programação em lógica (linguagem prolog) e a programação em lógica com restrições para desenvolver aplicações de ia. Discutir algumas técnicas avançadas da ia tais como a aprendizagem, redes neuronais, linguagem natural e robótica. Introdução à inteligência artificial (ia). Fundações e história da ia. Domínios de aplicação e estado da arte da ia. Agentes inteligentes e sistemas multi-agente. Métodos de resolução de problemas. Estratégias de pesquisa. Pesquisa em largura (feixe), de custo uniforme, em profundidade e bidireccional. Métodos informados de pesquisa: melhor primeiro e algoritmo a*. Problemas considerando adversários (jogos): minimax, cortes alfa-beta. Representação do conhecimento, raciocínio e lógica. Manipulação de estruturas simbólicas. Lógica de primeira ordem e suas extensões. Programação em lógica prolog e programação em lógica com restrições. Tópicos avançados: planeamento, sistemas periciais, aprendizagem, redes neuronais, linguagem natural, visão por computador e robótica. Conclusões: algumas questões sobre a ia no futuro. ESI /22

16 INF020 Interacção Homem-máquina Reconhecer a importância do estudo da interacção entre homens e máquina. Identificar as características físicas e mentais do homem que estão directamente relacionadas com a qualidade da sua interacção com as máquinas. Proporcionar o domínio dos princípios, modelos e técnicas de interacção que permitem analisar, avaliar e melhorar as interfaces entre homens e máquinas. Estudar e discutir a importância da usabilidade e da acessibilidade dos sistemas de informação. Exercitar os conceitos discutidos em situações reais ou de simulação da realidade. Fundamentos: interacção Homem-máquina (IHM), a IHM e as outras s, a importância da IHM, o papel da IHM no desenvolvimento de software. Características físicas do utilizador: cognição, os sentidos, visão, considerações de concepção, audição, tacto, paladar e olfacto. Características mentais do utilizador: visão geral da memória, a memória em acção, experiências com a memória, linhas gerais para a construção de interfaces, memória e aprendizagem. A interface: princípios da concepção de interfaces, classificação dos estilos de interacção, manipulação directa e linguística, considerações de concepção. Concepção de sistemas para pessoas: tipos dos utilizadores, o processo de concepção, recolha de dados sobre o sistema, a análise de tarefas. Teste e avaliação: a importância da avaliação, quando e como avaliar, técnicas de avaliação, experiências, questionários, entrevistas, observação. Ergonomia: Saúde e segurança, postura e ergonomia, o ambiente de utilização, implicações sociais e o futuro da HCI INF001 Introdução à Informática Pretende-se levar o aluno a experimentar e a desmistificar os conceitos associados à utilização de um computador e ganhar confiança para efectuar, por conta própria, uma maior exploração dos programas nele disponíveis. O aluno fica assim preparado para tirar o maior partido da tecnologia de que dispõe durante o seu ciclo de estudos. Esta pretende que o aluno saiba distinguir sistema informático, sistema de comunicação de dados e sistema de informação. Pretende-se também explicar e descrever a arquitectura e os componentes de um sistema informático bem como rever e aprofundar o domínio de ferramentas de produtividade pessoal e da Internet. Para terminar identificam-se sucintamente os conceitos relacionados com a segurança informática e abrem-se pistas para o desenvolvimento e utilização de sistemas de informação INF034 Introdução à programação Aquisição de conhecimentos sobre os principais conceitos de programação. Desenvolvimento de capacidades para analisar programas, descobrir algoritmos que resolvam problemas e de implementá-los de forma clara e estruturada. Utilização da linguagem PASCAL para a aplicação prática dos conhecimentos relativos aos principais conceitos de boa programação. Cultivar o gosto pela programação e pela manutenção da aprendizagem nessa matéria. ESI /22

17 Fundamentos: exemplos de problemas de programação, algoritmos - definição, características e abstracções. Estrutura de um programa em PASCAL: conceito básico, estrutura, subprogramas, regras da linguagem. Tipos de dados: boleano, caracter, inteiro real, enumerado, intervalar; constantes e variáveis. Estruturas de controle - sequenciação e selecção: comando sequencial, if then else, sintaxe, semântica, exemplos. Estruturas de controle - repetição: while, repeat, for, exemplos. Subprogramas: funções e procedimentos, passagem de parâmetros, variáveis locais e globais, recursividade. Tipos de estruturas de dados: arrays, algoritmos de procura e ordenação, registos, ficheiros. Tipos de dados dinâmicos - apontadores: Gestão de memória, estruturas dinâmicas, implementação dinâmica de pilhas, listas e filas de espera MAT005 Investigação operacional A pretende, após uma primeira referência à Metodologia da Investigação Operacional, apresentar um conjunto das técnicas mais utilizadas em Investigação Operacional, seleccionadas tendo em consideração um critério de relevância para a formação em Engenharia de Produção, bem como o tempo e esforço despendido pelos alunos na sua apreensão, e o desenvolvimento da capacidade para a sua aplicação na solução de problemas reais. Seleccionaram-se as seguintes técnicas: Programação Matemática, Programação Dinâmica, Gestão de Inventários. Técnicas de Previsão. Filas de Espera. Estas técnicas incluem o desenvolvimento e aplicação de modelos determinísticos e estocásticos. É também objectivo da, através do estudo das técnicas seleccionadas, transmitir o conceito-filosofia de modelagem e optimização Introdução à Investigação Operacional. Programação linear (PL). Método Simplex. Dualidade e análise de sensibilidade. Análise pós-optimal. Problema de transportes, trans-expedição e afectação. Programação inteira. Programação matemática. Programação dinâmica (Modelos determinísticos). Controlo de inventário (Modelos determinísticos). Análise de cobertura. Gestão de stocks (Modelos estocásticos). Técnicas de previsão a curto prazo. Programação dinâmica (modelos estocásticos). Filas de espera MAT002 Matemática discreta Pretende-se levar o aluno ao contacto com a álgebra booleana e com o cálculo combinatório Conjuntos. Lógica. Álgebra de Boole. Grafos. Aritmética inteira e modular. Cálculo Combinatório MEM002 Memória de Licenciatura Demonstrar a capacidade de aluno de realização de trabalho científico minimamente original. Incentivar o aluno a realizar pesquisas bibliográficas aprofundadas na área científica do curso. Aplicar os conhecimentos teóricos adquiridos durante o curso a resolução de algum problema científico. ESI /22

18 Revisão crítica da bibliografia relacionada com o tema analisado. Aplicação dos conhecimentos teóricos a um corpus de exemplos reais. Utilização correcta das metodologias científicas, verificação das hipóteses levantadas e formulação correcta das conclusões INF036 Programação por objectos O objectivo desta é permitir a consolidação de métodos e técnicas de programação em ambientes integrados de desenvolvimento de aplicações. A programação em Visual Basic. Objectos: métodos, eventos e propriedades. Procedimentos e Funções. Estruturas de decisão. Estruturas de repetição. Vectores. Interface com o utilizador. Tratamento de erros. Acesso a Base de Dados INF038 Programação em sistemas distribuídos Esta tem como objectivo proporcionar uma introdução geral aos problemas do desenvolvimento de sistemas e aplicações Internet. A abordagem pretende proporcionar o domínio dos conceitos e tecnologias que permitem desenvolver sistemas flexíveis e baseados nas necessidades dos seus utilizadores. Tecnologias de suporte: sistemas operativos, sistemas distribuídos, bases de dados, redes de dados, protocolos de comunicação, linguagens de programação, scripting e markup. Concepção de sistemas e aplicações: paradigmas e princípios de usabilidade, o processo de concepção, o modelo do utilizador, análise de tarefas, concepção de diálogos, o modelo do sistema, implementação, avaliação, documentação. Estudo de casos práticos: World Wide Web. Projecto: planeamento e implementação INF037 Redes de computadores O objectivo da de Comunicação de Dados é proporcionar aos alunos um conjunto de conceitos que lhes permita compreender e raciocinar sobre qualquer dispositivo de comunicação por e entre computadores. Os tópicos abordados abrangem as componentes analógica e digital do problema e estendem-se desde as redes telefónicas até às redes de dados, passando pelo estudo da sua transmissão, codificação e comutação. Desenvolvimento histórico, comunicações digitais, serviços de telecomunicações, sistemas de transporte. A rede telefónica pública comutada, dados em redes telefónicas, métodos de modulação, desempenho dos esquemas de modulação digital, categorias de modems, multiplexing, transmissão de dados, meios de transmissão, forma da onda de transmissão, qualidade de transmissão, codificação, pcm, nrz, rz, bi-polar, bi-fásica (de manchester), 4b/5b, transmissão síncrona e assíncrona, controlo e verificação de erros, interfaces, comutação de dados, comutação de circuitos, comutação de mensagens, comutação de pacotes, temporização de eventos e mudanças de ESI /22

19 velocidade, controlo da rede, encaminhamento, controlo de fluxo, optimização, redes de comunicação, topologia, comunicação digital ponto-a-ponto, comutadores, sinalização, hierarquias digitais, redes de valor acrescentado, dimensionamento do tráfego INF022 Segurança e auditoria informática O tema da Segurança de Sistemas de Informação constitui actualmente um dos principais factores de desenvolvimento de uma sociedade baseada em interacção digital. São analisados os principais factores de segurança, e explicados os procedimentos de implementação dos mecanismos de segurança, de detecção de falhas de segurança, e de protecção da informação. São estudadas técnicas actuais de criptografia, e processos de criptoanálise. Segurança de sistemas de informação: classificação dos recursos, sinistros tipo, medidas de segurança e avaliação do risco. Organização do programa de segurança. Práticas de segurança. Política de segurança. Análise de risco. Gestão do ciclo de vida dos sistemas. Criptografia: simétrica e assimétrica. Certificados e assinaturas digitais. Protocolos de segurança SOC026 Seminário de antropologia Dotar os estudantes de um instrumental teórico e metodológico, bem assim uma capacidade e um saber ser indispensáveis a uma inserção optimal nas comunidades, grupos e organizações de trabalho e de vivência sócio-cultural. Antropologia como ciência: objecto, métodos e técnicas de trabalho de campo; a etnografia e a etnologia. A antropologia social e cultural; o relativismo cultural. Preparação ao trabalho de campo; Investigação antropológica SOC 081 Seminário de pensamento crítico, ciência e sociedade Oferecer aos estudantes a oportunidade de adquirirem uma sensibilidade especial que lhes permita descobrir a complexidade das sociedades humanas e, concomitantemente, perceber a diversidade sempre presente na unidade, eliminando possíveis visões unilaterais e limitadas no seio da comunidade científica e/ou profissional em que se inserem. O entrosamento do sujeito e do objecto resulta num processo construtivo do que, ao longo dos tempos, constitui o património de um povo/sociedade, expresso pela sua cultura e a sua história. A vertente de Cultura, História e Património analisa esta questão a partir do ângulo do fruto das relações sujeito/objecto havidas ao longo da história; por sua vez, a vertente Transridade analisa-o a partir da visão crítica do sujeito. ESI /22

20 INF026 Sistemas de autoria 1 Fornecer ao aluno um panorama das aplicações multimédia existentes e das tecnologias que as suportam. Identificar com clareza os princípios fundamentais e as questões envolvidas no desenvolvimento de aplicações multimédia. Descrever os aspectos técnicos sobre os quais se fundamentam estas aplicações e responder às questões mais frequentes que surgem nesta área. Preparar o aluno com conhecimentos teóricos e capacidades técnicas que lhe permitam explorar as capacidades de texto, imagem, áudio, vídeo e interactividade das diversas tecnologias da comunicação multimédia. Introdução ao multimédia: visão geral, enquadramento e caracterização do conceito multimédia, tipos de informação multimédia, caracterização dos sistemas multimédia. Informação digital e Interactividade: sistemas multimédia controlados por computador, representação digital da informação, noção de interactividade, tipos de aplicações multimédia, tipos de interacção homemmáquina, regras para a concepção de interfaces interactivas. Tipos de Informação Multimédia: texto, gráficos, imagem, vídeo, animação, áudio, música e discurso. Autoria e projecto multimédia: noção de autoria multimédia, fases do projecto de autoria multimédia, planeamento, design: guiões e mapas de navegação. Sistemas Multimédia: Flash, tecnologia Compact Disc, formatos CD-DA, CD-ROM, CD-i, PhotoCD, VideoCD, CD-E, tecnologia DVD INF027 Sistemas de autoria 2 Esta proporciona uma oportunidade para estudar e perceber as características temporais e cronológicas dos produtos e apresentações multimédia. O objectivo é explorar e perceber a importância e as limitações da dimensão tempo no multimédia e explorar ferramentas que permitam controla-la e aproveita-la. Tempo e multimédia: estudo de exemplos, o modelo de um documento multimédia, descrição de objectos multimédia, paradigmas de autoria multimédia, disposição temporal e espacial. Ferramentas de autoria: demonstrações, SMIL. Projecto: planeamento, realização CCO005 Psicossociologia da comunicação Aproximação ao fenómeno comunicativo como núcleo das interacções dentro sociedade. Pretende-se explicar diferentes formas de comunicação, nomeadamente: informação, persuasão, questão. O programa inclui também o comentário dos abusos e da manipulação informativa de diversa índole. O objectivo principal da consiste na assimilação da problemática da media literacy (literacia mediática) compreendida como contacto consciente com a mensagem.. Factores tais como a postura crítica frente ao efeito mediático, distinção dos comunicados persuasivos dos informativos, avaliação da credibilidade das fonte ou selecção dos meios utilizados. Teorias de Marshall McLuhan relativas à influência do meio utilizado sobre o conteúdo da mensagem e sobre o envolvimento da audiência na interpretação da mensagem. Tipologia de relações entre ESI /22

21 sociedade, os media e a cultura. Perspectivas ideológicas e formas ritualizadas da comunicação social. Abordagens sociológicas e psicológicas da problemática do efeito dos mass-media INF019 Sistemas de apoio à decisão Complementar o estudo dos sistemas de informação, analisando a sua relação com a resolução de problemas de decisão e estudando diversos métodos de planeamento, desenvolvimento e implementação de sistemas de informação. Compreender os conceitos de apoio à decisão e sistema de apoio à decisão. Estudar a estrutura, componentes e forma de projecto de um sistema de apoio à decisão. Estudar em que consistem os problemas de decisão multicritério e quais as principais metodologias de apoio à decisão utilizadas actualmente. Estudar os problemas de optimização combinatória analisando alguns exemplos típicos. Estudar algumas meta-heurísticas tais como os algoritmos genéticos, arrefecimento simulado, pesquisa tabu e redes neuronais. Analisar exemplos práticos de sistemas de apoio à decisão. Projectar um sistema de apoio à decisão para um caso prático. Sistemas de informação (SI) e resolução de problemas. Funções de um SI. Componentes de um si: humanos, software, hardware e outros. Tecnologias da informação. Definição de sistema de apoio à decisão (SAD). Características e vantagens dos SADs. Comparação dos SDAs com os sistemas periciais. Estrutura, filosofia, classificação e componentes dos SDAs. Metodologia e ferramentas para a implementação dos SADs. Problemas de decisão multicritério: o agente de decisão, níveis de decisão, tipos de problemas de decisão e fases no processo de tomada de decisões. Conceitos fundamentais da teoria da decisão, teoria dos jogos e problemas multicritério. Metodologias de apoio à decisão. Problemas de optimização combinatória. Meta-heurísticas para resolver problemas de optimização combinatória: algoritmos genéticos, arrefecimento simulado, pesquisa tabu e redes neuronais. Análise de alguns exemplos de SADs INF012 Sistemas de informação Os principais da cadeira são mostrar o que são, como se desenham, se implementam e se avaliam sistemas de informação e soluções apoiadas em tecnologias de informação para a resolução de problemas em empresas e noutras organizações; descrever e analisar os mais recentes desenvolvimentos em hardware e software; e proporcionar conceitos válidos e de longa duração sobre sistemas e tecnologias de informação que possam ser aplicados nas futuras carreiras profissionais. O mundo dos Sistemas de Informação. Introdução aos Sistemas de Informação. A utilização de Sistemas de Informação nas empresas. Desafios e oportunidades para a utilização de Sistemas de Informação. Fundamentos sobre Tecnologias de Informação. Processamento por computador. Tecnologias de entrada, armazenamento e saída de informação. Software para Sistemas de Informação. A organização da informação. Redes de dados e telecomunicações. A resolução de problemas com Sistemas de Informação. Análise de problemas e o pensamento crítico. Desenho de Sistemas de Informação. Abordagens alternativas para a concepção de Sistemas de Informação. Segurança e Sistemas de Informação. Sistemas de Informação em acção. Sistemas empresariais ESI /22

22 simples. Sistemas para escritórios e profissionais. Sistemas de inteligência artificial. Sistemas e suporte à gestão INF011 Sistemas operativos Perceber os sistemas operativos como componente chave de qualquer sistema informático. Introdução aos Sistemas Operativos - O que é um sistema operativo; História dos sistemas operativos; Diversos tipos de sistemas operativos; Breves Conceitos de Hardware ; Conceitos básicos de sistemas operativos; Chamadas ao sistema System Calls ; A estrutura do sistema operativo. Processos e Threads - Processos.; Threads ; Comunicação entre processos; Problemas clássicos de comunicação entre processos; Escalonamento. Deadlocks - Recursos; Introdução aos Deadlocks ; O algoritmo de Ostrich; Detecção e recuperação de Deadlocks ; Prevenção de Deadlocks ; Outros Tópicos. Gestão da Memória - Gestão Básica da Memória; Swapping ; Memória Virtual; Algoritmos de substituição de páginas; Desenho e Implementação de sistemas de memória paginada; Segmentação. Entrada / Saída - Princípios de hardware de entrada / saída; Princípios de software de entrada / saída; Camadas de software de entrada / saída; Discos; Relógios; Terminais de caracter; Interfaces gráficas; Terminais de rede; Gestão da energia. Sistemas de Ficheiros Ficheiros; Directórios; Implementação de sistemas de ficheiros; Exemplos de Sistemas de Ficheiros CCO001 Técnicas de expressão oral e escrita Adquirir e aperfeiçoar técnicas de expressão consideradas como fundamentais para a prossecução dos estudos superiores e para futura vida profissional. Conjugar destrezas e conhecimentos linguísticos com literacia e competências comunicativas. Além de aspectos gramaticais e funcionais da língua portuguesa, dá-se também alguma ênfase à estética e à cultura da linguagem. O programa de técnicas de expressão oral e escrita permite aos alunos adquirir competências no domínio da oralidade e da escrita. Visa ainda adquirir conhecimentos sobre a estrutura da língua de forma a os alunos obterem uma maior fluência na Língua Portuguesa. Inclui técnicas de redacção, argumentação, assim como alguns princípios de oratória. ESI /22

Informática de Gestão. Descrição geral IGE004

Informática de Gestão. Descrição geral IGE004 Informática de Gestão Descrição geral IGE004 Conteúdo 1 Enquadramento... 4 2... 5 2.1 Perfil de entrada... 5 2.2 Perfil de saída... 5 3 Organização... 5 4 Plano curricular... 6 4.1 Licenciatura (IGE004)...

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Departamento de Ciências e Tecnologias

Departamento de Ciências e Tecnologias Futuro Departamento de Ciências e Tecnologias Licenciatura em Engenharia Informática Missão Dotar os alunos de uma sólida formação teórica e experimental que garanta aos futuros licenciados a capacidade

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Administração Pública e Autárquica. Descrição geral APA004

Administração Pública e Autárquica. Descrição geral APA004 Administração Pública e Autárquica Descrição geral APA004 Conteúdo 1 Enquadramento... 4 2... 4 2.1 Perfil de entrada... 4 2.2 Perfil de saída... 4 3 Organização... 5 4 Plano curricular... 5 4.1 Primeiro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática Regulamento do Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática (Ciclo integrado de estudos superiores) (Registado na DGES através do n.º R/A-Cr 21/2013) Artigo 1.º Regulamento geral aplicável O Curso

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE DE DADOS E GESTÃO DE INFORMAÇÃO Grupo de trabalho Armando Mendes Áurea Sousa Fátima Brilhante Rita Marques Brandão Osvaldo Silva Fevereiro 2010 Enquadramento e justificação

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Prototipagem Digital II Área Científica: Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo: 2008/2009 Semestre:

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular

Plano Curricular Plano Curricular PlanoCurricular Área de formação 522. Eletricidade e Energia Curso de formação Técnico/a de Instalações Elétricas Nível de qualificação do QNQ 4 Componentes de Sociocultural Duração: 775 horas Científica Duração: 400

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO FOTOGRAFIA DIGITAL E PÓS-PRODUÇÃO DE IMAGEM EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fotografia Digital e Pós-produção de imagem. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER O "Curso de Fotografia

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO A disciplina aborda o estudo da área de Informática como um todo, e dos conceitos fundamentais,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign Sessão de Esclarecimento Curso de Webdesign Alguns factos: A industria de serviços de Webdesign representa um mercado de $24B apenas nos EUA. Todos os meses são publicados cerca de 16M novos websites.

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Apresentação do programa e bibliografia; Regras de funcionamento e de avaliação; Organização interna de um computador

Apresentação do programa e bibliografia; Regras de funcionamento e de avaliação; Organização interna de um computador Ano Lectivo: Docente: Disciplina: Turma: SIG4 2003/2004 Semestre: 2 António Nabais Análise e Avaliação de Sistemas de Computação Data de Impressão: 09/06/04 Data Inicio Nº Pres. Sumários Observações 3-Mar-04

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Ciências Sociais Graduação em Ciência Política, Sociologia, Filosofia ou Antropologia. Seminários Graduação em Administração Pública, Administração

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Tema Objetivos Conteúdos

Tema Objetivos Conteúdos Nº módulo CURSO VOCACIONAL - ELETRICIDADE, INFORMÁTICA E NOÇÕES BÁSICAS DE FINANÇAS 3.º Ciclo 2 anos. DISCIPLINA: Área Vocacional de Informática Distribuição Modular Tema Objetivos Conteúdos Aulas 45 1

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Domínios TECNOLOGIA E SOCIEDADE Subdomínios/Sugestões de Exploração Tecnologia e necessidades Humanas: Tecnologia como resposta às necessidades

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO ENTRE O PLANO DE ESTUDOS EM VIGOR ATÉ AO ANO LETIVO 2014/2015 E O NOVO PLANO Artigo 1º (Âmbito) O presente plano regula o processo de transição

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Curso de Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 A globalização da Sociedade da Informação em

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO

POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO POR ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALENTEJO ACÇÃO-TIPO: 2.3.1 ACÇÕES DE FORMAÇÃO NA ROTA DA QUALIFICAÇÃO VALORIZAÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO SECTOR AGRO-ALIMENTAR E TURÍSTICO CURSO N..ºº 11 TTÉCNI

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Serviço Social. Descrição Geral SSO-003

Serviço Social. Descrição Geral SSO-003 Serviço Social Descrição Geral SSO-003 Conteúdo 1 Enquadramento... 4 2... 4 2.1 Perfil de entrada... 4 2.2 Perfil de saída... 4 3 Organização... 5 4 Plano curricular... 5 4.1 Áreas científicas... 5 4.2

Leia mais

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion

Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Universidad Lusófona /Universidad de Alcalá Ciencias Documentales: bibliografía y Documentación Gestion electrónica de documentos y acesso a la informacion Trabajo de doctorado: Problemas em torno da Gestion

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais