Revista Canavieiros - Março de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Canavieiros - Março de 2013"

Transcrição

1 1

2 2

3 Editorial 3 Nos últimos seis anos, o método de plantio mecanizado começou a ganhar espaço nos canaviais, atingindo uma área de 65% no Estado de São Paulo. Os principais fatores que levaram a este número foram as dificuldades de atendimento às exigências da NR 35, o aumento do custo da mão de obra e a própria expansão do setor. A mecanização na lavoura é o tema da reportagem de capa desta edição, e para explicar melhor sobre este assunto a Canavieiros conversou com os consultores da Datagro Alta Performance, Paulo Zancaner Castilho e Otavio Tufi. O diretor Comercial e de Logística do Grupo São Martinho, Helder Gosling e o representante da Unica (União da Indústria da Cana-de- -açúcar), de Ribeirão Preto, Sérgio Prado, são os entrevistados do mês, que falaram à Canavieiros assuntos de grande importância para a economia do país, como logística e perspectivas para a safra 2013/14, respectivamente. Logística, Mecanização e Produtividade Como destaque, a Canavieiros traz a cobertura da 9ª Reunião Técnica Regional do CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) que aconteceu no auditório da Canaoeste, reunindo produtores rurais, empresários do agronegócio, empresas e usinas. Na secção Ponto de Vista o mestre em Agroenergia e diretor da Datagro, Guilherme Nastari, aborda as boas perspectivas para a safra 2013/14, onde fala sobre os pontos positivos para a safra de cana-de- -açúcar a ser processada. Na coluna Caipirinha, o professor Marcos Fava Neves, traz boas expectativas para o açúcar. De acordo com ele, os analistas de mercado já preveem que a China possa importar mais de 1,5 milhão de toneladas neste ano. Já em Notícias Canaoeste, o leitor poderá acompanhar o Encontro de Variedades, realizado pela Canaoeste em parceria com a Copercana e Sicoob Cocred na Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro; a conquista da Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo que foi contemplada pelo Consórcio Intermunicipal Culturando com uma verba para a aquisição de novos materiais e a apresentação das atividades dos gestores da Canaoeste a serem realizadas durante o ano de Em Assuntos Legais, o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, alerta aos fornecedores de cana-de- -açúcar e unidades produtoras sobre a obrigatoriedade de obter a autorização do órgão ambiental (Secretaria Estadual do Meio Ambiente), para se efetuar a queima de palha de cana-de-açúcar. No artigo Técnico, o engenheiro agrônomo da Canaoeste, Ivan Burjali, fala sobre a importância da correção dos solos para a implantação da lavoura de cana-de-açúcar. A correção do solo é um dos requisitos básicos para obter maior produtividade agrícola e garantir o sucesso do canavial. Confira também as informações setoriais do mês de fevereiro e os prognósticos climáticos para os meses de março a maio divulgadas pelo consultor, Oswaldo Alonso. O leitor ainda poderá encontrar dicas de leitura e português. RC Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Carla Rossini - MTb Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues, Fernanda Clariano, Murilo Sicchieri e Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: Marília F. Palaveri (16) Ramal: 2008 Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Tiragem DESTA EDIçÃO: exemplares ISSN: Boa leitura! Conselho Editorial A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matérias assinadas e informes publicitários são de responsabilidade de seus autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Augusto Zanini, 1591 Sertãozinho SP - CEP: Fone: (16) (ramal 2190)

4 4 Ano VII - Edição 81 - Março de Circulação: Mensal Foto: Arquivo Datagro Índice: Capa - 22 Mecanização na lavoura Preparo de solo e escolha da variedade correta são fatores que influenciam na qualidade do plantio mecanizado 05 - Entrevista Helder Gosling Diretor Comercial e de Logística do Grupo São Martinho Logística x Produtividade E mais: Ponto de Vista...página 10 Coluna Caipirinha:...página 12 Artigo Técnico...página Notícias Copercana - Agronegócios Copercana 14 - Notícias Canaoeste - Canaoeste realiza encontro de variedades - Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo é contemplada pelo Consórcio Intermunicipal Culturando - Gestores da Canaoeste e Reunições Técnicas 20 - Notícias Sicoob Cocred - Balancete Mensal Sérgio Prado representante da Unica Safra 2013/2014 da cana-de-açúcar inicia de forma otimista 24 - Artigo Técnico A Importância da Correção dos Solos para a Implantação da Lavoura de Cana-de-Açucar A correção do solo é um dos requisitos básicos para termos maior produtividade agrícola e garantir o sucesso da implantação da lavoura de cana-de-açucar. Destaque - CTC...página 26 Destaque - SPMEC...página 28 Informações Setoriais...página 30 Assuntos Legais...página 32 Classificados...página 36 Cultura...página 38

5 Entrevista 5 Logística x Produtividade Alguns especialistas do setor sucroenergético, acredita que a logística é o grande gargalo para o escoamento da produção sucroalcooleira no país. Já o diretor Comercial e de Logística do Grupo São Martinho, Helder Gosling, acredita que este é o grande gargalo da competitividade do Brasil, que atinge todos os setores da economia. Para explicar melhor sobre este assunto de grande relevância para o país, Gosling concedeu entrevista exclusiva à Canavieiros. Confira! Helder Gosling Fernanda Clariano Revista Canavieiros: Quais as perspectivas e desafios para a logística e infraestrutura no Brasil, e o que esperar do Governo? Helder: O panorama veiculado pela mídia neste início do ano, com filas de caminhões chegando aos portos, retrata o cenário da logística brasileira (neste caso usando commodities como exemplo). No momento de pressão de volume, de qualquer produto, nossos gargalos ficam potencializados. Isto se reflete não só na longa distância e produtos de escala, bem como nas movimentações internas nos perímetros urbanos e rodovias vicinais. No âmbito governamental, o Programa de Investimentos em Logística, com Investimento previsto de R$ 133 bilhões, bem como a criação da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), são passos importantes. O que esperamos do governo é que sejam colocadas em prática as medidas anunciadas e não fiquemos mais uma vez na esfera de mais um Programa anunciado. Revista Canavieiros: Em termos de investimentos, o que o Brasil precisa fazer para melhorar a logística? Helder: Isto já é um tema recorrente. São muitas medidas para conseguirmos vencer o tempo que ficamos remendando nossos gaps. Investir em multimodalidade (rodoferroviário, hidroviário e dutoviário), revisão dos marcos regulatórios, principalmente nos setores de transportes e portuário, plano diretor de adequação do porto de Santos, maior porto de movimentação no Brasil, ampliação das PPPs para viabilizar investimentos. Espero que os R$ 133 bilhões sejam suficientes. Mais uma vez, o Programa de Investimentos contempla o que deve ser feito. O importante é que seja feito de forma planejada pensando no longo prazo. Olhando em detalhes o Plano de Investimento, há a necessidade de tomar cuidado para o foco somente em menor tarifa como balizador. Como usuário, obviamente, buscamos sempre a menor tarifa, mas o binômio qualidade do serviço x custo é fundamental. Em logística sabemos que o muito barato no início será o ineficiente no médio prazo e mais caro no futuro. Mais uma vez, há a necessidade de planejamento e decisões acertadas. Revista Canavieiros: Qual é a importância do custo de transporte e logística para o setor sucroenergético? Helder: Fundamental. Somos supridores de commodities que é um produto com foco em ganho de escala. Desta forma, precisamos de transporte de escala para mantermos nossa competitividade. Hoje no açúcar o custo logístico chega a representar 15% do valor do produto. Possuímos o menor custo de produção de açúcar no mundo e deixamos parte de nossa competitividade, adquirida nas áreas agrícola e industrial, para a logística. Como o crescimento dos mercados consumidores hoje se concentram em grande parte no continente asiático, já possuímos uma restrição de logística natural. Desta forma há a necessidade de sermos extremamente eficientes no inland para quebrarmos esta barreira geográfica. O mesmo ocorre com o etanol, dado que possuímos um limitador no preço final de nosso produto no mercado interno, qualquer aumento de custo na cadeia repercute em queda da margem de contribuição. Revista Canavieiros: Devido a logística, a distribuição de produtos no Brasil se torna complicada, isso por causa da dimensão continental e da dificuldade de mobilidade nos grandes centros urbanos e até roubos de cargas. Como se prevenir contra esses fatores e como gerenciar riscos? Helder: Como mencionei anterior-

6 6 Entrevista mente, o foco em transporte de escala é o único instrumento para vencermos a dimensão continental que você menciona. O fracionamento da carga e foco somente em um modal restringe o controle eficiente na longa distância. Ainda mais quando este modal é o rodoviário, no qual o acesso à carga é direto. Porém, os sistemas de inteligência, rastreamento aliado a controles informatizados, são importantes ferramentas para minimização de riscos. O avanço tem sido grande neste sentido. O único ponto é que a indústria do roubo tenta acompanhar na mesma velocidade. Revista Canavieiros: Como a logística ajuda o setor a se diferenciar no mercado e ganhar produtividade? O que melhorou após a inauguração do terminal rodoferroviário? Helder: O foco da logística é alta produtividade com menor custo. Esta equação sempre foi o foco de nosso grupo. Desde a área agrícola, até a colocação do nosso produto no cliente final tentamos ser os mais eficientes. A inauguração do terminal rodoferroviário representou uma melhoria de eficiência de nossas operações e também, com certeza, um benefício para a região. Movimentamos mais de um milhão de toneladas de açúcar entre volume nosso e de terceiros. Creio que não só conseguimos ganhar competitividade em nosso produto, mas tiramos uma boa pressão sobre o frete da região em um ano que o incremento foi surpreendente. Revista Canavieiros: Transporte e logística custam 10% do PIB Nacional, esse custo poderia ser menor se tivéssemos mais infraestrutura? Helder: Podemos utilizar países de dimensões continentais semelhantes para criarmos targets, ou seja, objetivos a serem seguidos. A comparação absoluta nem sempre é a melhor análise. Nos EUA, o custo de transporte e logística representa aproximadamente 8 % do PIB (base 2011/12). O país é focado em multimodalidade e utilização dos recursos naturais de forma eficiente (transporte hidroviário, por exemplo). Se conseguirmos 1% de melhoria, já serão aproximadamente US$ 23 bilhões (tomando como base o número de 10% do PIB Nacional), tendo em vista que somos a sétima economia mundial. Revista Canavieiros: Para alguns especialistas do setor sucroenergético, a logística é o grande gargalo para o escoamento da produção sucroalcooleira no país. O senhor concorda que a logística pode ser o grande gargalo do setor? Helder: É o grande gargalo da competitividade do Brasil, ou seja, atinge todos os setores da economia. Produtos de valor agregado baixo, alto, mobilidade urbana, todos os setores são afetados diretamente e no item de maior sensibilidade, que são os custos diretos. Para termos como base, há dois anos o BID lançou o LIP (Logistics Perfomance Index) e o Brasil ficou em 45º atrás de países como Índia, Tunísia, África do Sul, Taiwan entre outros. Revista Canavieiros: O Grupo São Martinho tem novos projetos em termos de logística e infraestrutura? Quais serão os principais investimentos? Helder: Em breve teremos mais projetos de logística como foco em etanol e açúcar. Ainda estão na fase de viabilidade, mas ocorrerão em curto espaço de tempo. Temos de manter nossa competitividade e transformar a adversidade em oportunidade. RC

7 7 Safra 2013/2014 da cana-de-açúcar inicia de forma otimista A nossa expectativa é positiva em relação a essa safra que se inicia, esperamos que ela seja maior do que no ano passado porque houve chuva na medida necessária para a cultura e também nas últimas safras, houve um avanço da renovação do canavial que deve melhorar a produtividade em todas as regiões produtoras. Esta afirmação é do representante da Unica (União da Indústria da Cana-de-açúcar), Sérgio Prado, que conversou com a Canavieiros e durante a entrevista, abordou questões relacionadas ao clima, estimativas de produção e perspectivas para a safra 2013/2014. Confira abaixo! Sérgio Prado Fernanda Clariano Revista Canavieiros: A safra da cana-de-açúcar deste ano está começando com o otimismo dos agricultores motivados pelo aumento da mistura do etanol na gasolina de 20% para 25% a partir de 1º de maio, aprovado pelo Governo Federal. Como o senhor vê isso? Sérgio Prado: Adição maior na gasolina, é um fator importante para o equilíbrio do abastecimento e também para que o produtor, fabricante de etanol, consiga diversificar o mix de produção e tenha ganho com isso. Nós temos uma questão de logística muito complicada e complexa no país no que se diz respeito ao abastecimento. Quando nós temos uma cultura maior de etanol na gasolina, nós temos uma vantagem ambiental e logística em relação à garantia de abastecimento. A Unica e o seguimento todo, que representa a atividade em outros Estados insistiram durante 2012 que era necessário ter um planejamento, para que as empresas tivessem condições de se preparar para isso; A medida foi anunciada e é considerada muito positiva para todos nós. Revista Canavieiros: Algumas usinas na região já começaram a colheita e moagem da cana. Qual é a perspectiva para a safra 2013/2014? Sérgio Prado: Nossa expectativa é positiva, e esperamos uma safra maior do que o ano passado. Ainda não temos como quantificar o quanto vai ser possível moer, porque o levantamento ainda não está pronto, os fornecedores estão passando para Unica os dados com suas previsões. Muitas usinas ainda estão se planejando e há uma previsão que durante o mês de abril nós tenhamos uma boa parte das empresas já processando cana e outras no início de maio. Assim que tivermos o levantamento preciso, iremos divulgar, mas a expectativa é positiva, em função do comportamento do clima que foi bom para a atividade nas regiões produtoras. Houve chuva na medida necessária para a cultura e também nas últimas safras, houve um avanço da renovação do canavial que deve melhorar a produtividade em todas as regiões produtoras. Revista Canavieiros: Qual é a estimativa de moagem? Sérgio Prado: Não temos uma estimativa hoje que aponte com exatidão o que será possível colher. A nossa estimativa sempre é divulgada no mês de abril, porque recebemos material com os dados das empresas e fornecedores de outros Estados também, é um trabalho demorado, mas que precisa ser bem criterioso para não haver uma falsa expectativa. Não adianta trabalharmos sem esse repasse dos dados, do contrário seria uma espécie de chute e isso nós não queremos. Temos uma tradição há muitos anos de divulgar os dados com a previsão mais aproximada possível do que de fato existe no campo para colher. Revista Canavieiros: Em termos de açúcar e etanol, qual será a estimativa de produção? Sérgio Prado: É lógico que se tivermos uma safra maior, teremos uma maior produção. Se existir mais matéria-prima no campo, se existir cana, vamos ter mais açúcar e mais etanol e isso é muito importante porque há uma demanda crescente não só do etanol, mas também de açúcar. Revista Canavieiros: O aumento na estimativa de cana safra, pode ser refletido no preço do etanol? Sérgio Prado: A questão do preço do etanol não depende apenas da safra de cana em si, depende de diversos outros fatores. Tudo o que temos condições de produzir nesse momen-

8 8 to ainda é insuficiente para atender o mercado crescente de açúcar e etanol e em específico em relação ao etanol. Nós temos uma disparidade entre o que o mercado espera da possibilidade de consumo criada pela venda de carro novo e seminovo que é flex. Veja só, já tivemos 50% da frota de carro flex abastecido por etanol, hoje temos pouco mais de 30%, porque nossa oferta ficou parada, travada nos problemas que tivemos de clima e falta de recurso para investimento na lavoura nos últimos anos a partir de Isso impediu que nós tivéssemos condições de ampliar nossa oferta. Também houve problemas estruturais, projetos que precisavam andar ficaram parados em função do contexto que nós vivemos. Hoje o etanol hidratado remunera a cadeia da forma que é preciso para ela ter classe saudável e ser sustentável. Se o etanol hidratado não remunera, o investidor se retrai e é isso o que acontece com o setor nesse momento. Nós temos dito ao longo dos últimos anos que é necessário uma política pública que privilegie a produção de etanol, possibilite o investidor ter retorno, do contrário nós ficaremos andando em círculos e o investimento novo não virá. Revista Canavieiros: O clima possibilitou o desenvolvimento do canavial? O que isso representa para a safra? Sérgio Prado: Representa uma possibilidade de melhora da produtividade agrícola, nós tivemos uma queda muito acentuada da produtividade, principalmente em 2011 e Já nos recuperamos um pouco, mas a produtividade está abaixo do que é possível em função da falta de renovação e trato cultural correto na lavoura, e também trouxe problemas climáticos principalmente em 2008 que foram refletindo em 2011/2012. Agora com o comportamento do clima favorável, temos condição de recuperar a produtividade média por hectare, já tivemos a produtividade 85 t/h no Centro-sul e caímos abaixo de 75 t/h na safra de 2011, então isso demonstra o baque que teve a área produtiva de cana, em função do clima desfavorável e também claro a questão estrutural que é a falta de renovação. Revista Canavieiros: O plantio e a safra estão de acordo com o que foi planejado? Sérgio Prado: Sim, dentro das possibilidades que temos agora, o plantio da cana foi ideal, houve uma lição de casa feita pelas empresas e pelos fornecedores e isso é óbvio que vai se refletir nessa safra e nas próximas em função do trato cultural correto....a palha da cana é muito importante no ponto de vista econômico, pode gerar mais energia e suprir uma possibilidade importante também, você pode vir a fazer o etanol de segunda geração a partir da biomassa da cana... Revista Canavieiros: Os produtores estão reaprendendo a fazer suas operações agrícolas de plantio e colheita, antes era tudo manual e agora mecanizado. Esse processo pode dar mais agilidade e lucro para a safra ou pode trazer perdas? Sérgio Prado: A questão da mecanização é complexa, nós temos que ter no nosso horizonte um caminho sem volta, é uma pista de uma mão só (para fazermos uma analogia a estrada). Iniciamos um processo de intensificação da mecanização da lavoura a partir de 2007, com o advento do protocolo agroambiental e isso trouxe evidentes problemas porque o setor não estava preparado com o processo de mecanização acelerado desta forma, o que causou evidentes perdas na eficiência da atividade, mas que com o tempo será superado. O ganho que nós temos com a mecanização é muito grande, seja ambiental ou econômico. As empresas e os produtores têm consciência de que a palha da cana é muito importante no ponto de vista econômico, pode gerar mais energia e suprir uma possibilidade importante também. Você pode vir a fazer o etanol de segunda geração a partir da biomassa da cana, e o ganho ambiental é fundamental. É muito importante também porque deixa de emitir gases de efeito estufa com o processo de colheita da cana e sendo assim, o ganho vem por todos os lados com o processo de mecanização. Se tivermos problemas localizados na forma, no manejo agrícola, isso com o tempo está sendo superado, nós já avançamos bastante e vamos avançar ainda mais, até que em 2014 teremos o fim estipulado pelo protocolo da queima da palha para efeito de colheita nas áreas planas do Estado de São Paulo, e em 2017 nas outras áreas restantes, que são áreas mais íngremes, ou de pequenos fornecedores. Para resumir, o protocolo estabelece o seguinte: nas áreas onde é possível ser a colheita mecanizada, a queima da palha da cana-de-açúcar poderá ser realizada até 2014 e nas áreas onde hoje não é possível mecanização, em Revista Canavieiros: Quando deve terminar a safra 2013/2014? Sérgio Prado: A nossa safra tende a ser dentro do normal, de abril até novembro, essa é a nossa previsão e isso fica dentro da normalidade. RC

9 9

10 10 Ponto de Vista Boas perspectivas para a safra 13/14 *Guilherme Nastari O clima favorável, a elevada taxa de renovação dos canaviais em 2012, e tratos culturais realizados dentro das melhores práticas do setor são os elementos que justificam as perspectivas positivas para a safra de cana a ser processada em 2013/14. A precipitação abundante no segundo trimestre e dentro de condições normais desde o final do ano passado, associada a temperaturas acima da média, impulsionaram o desenvolvimento dos canaviais a serem colhidos no início e meio da próxima temporada, gerando boas perspectivas de aumento do rendimento agrícola e industrial. Embora a chuvas tenham sido menores do que a média entre outubro e dezembro, as temperaturas se mantiveram em nível elevado, o que favoreceu os canaviais nos estágios iniciais e médios de desenvolvimento, por demandarem menor volume de umidade para atingir o seu máximo potencial de crescimento. Para canas em estágios mais avançados, a chuva observada neste período não foi suficiente para atingir o pleno potencial de crescimento. Ainda as- sim, considerando todas as variáveis, a Datagro classificou o desenvolvimento dos canaviais na região Centro-sul como satisfatório, apontando para uma diminuição de falhas de brotação e recuperação das plantas. Contribuem também para o otimismo em relação à próxima safra os melhores índices de expansão e renovação da lavoura, que vão permitir uma nova redução da idade média dos canaviais e menores índices de infestação de ervas daninhas. A taxa de reforma dos canaviais é de aproximadamente 20,5%, aumento significativo à média de 15% dos últimos 12 anos. Caso as condições climáticas mantenham-se próximas aos índices normais durante os dois primeiros trimestres de 2013, há expectativa de aumento no rendimento agrícola dos canaviais da região Centro-sul entre 7% e 9%. Com um canavial melhor perfilhado e mais produtivo, as usinas devem melhorar a eficiência da colheita mecanizada, permitindo controle dos custos de CTT (corte, transbordo e transporte). Foto: Arquivo Case As preocupações permanecem, entretanto, no volume de chuvas observado em março, que agora precisam parar para que a safra possa começar, e nos impactos que a elevação do preço do diesel e da implementação da Lei do Descanso do Caminhoneiro (Lei /12) poderá causar no custo geral das operações agrícolas. Estimamos que moagem de cana-de- -açúcar na região Centro-sul do Brasil será de 587 milhões de toneladas no ciclo 2013/14, contra 532,3 milhões de toneladas da safra 2012/13. Este incremento assegura o abastecimento de etanol ao mercado interno, tanto hidratado quanto anidro, dando plena garantia de que haverá anidro suficiente para garantir o retorno da mistura de 25% na gasolina, a recuperação desejada de demanda do etanol hidratado, bem como o já esperado aumento nas exportações do biocombustível. Para o mercado de açúcar, o cenário continuará dominado pelo fato de que a atual safra mundial, de 12/13, a se encerrar em 30 de setembro, é o terceiro ano consecutivo de superavit, e o preço da commodity continuará muito sensível a notícias sobre o desenvolvimento da safra em países-chave como India, Rússia, Tailandia, União Europeia e Brasil. *Guilherme Nastari é mestre em agroenergia e diretor da DATAGRO. RC

11 11

12 12 Coluna Caipirinha O mês: O clima vem ajudando e devemos ter uma super safra. Quase 83 milhões de toneladas de soja e 76 milhões de milho, e um total de 184 milhões de toneladas em grãos, incríveis 16% a mais que em Janeiro também surpreendeu com compras chinesas de açúcar, estimadas em mais de 250 mil toneladas. Analistas de mercado já preveem que a China possa importar mais de 1,5 milhão de toneladas neste ano. Também em janeiro o Brasil teve excelente desempenho exportador, quase 2,3 milhões de toneladas, o que é recorde para este mês. Começa-se bem o ano. Empresas: A BM&F Bovespa também colocou a partir de janeiro dois contratos futuros importantes para o setor, o do açúcar cristal e do anidro. É mais um importante movimento, e se estes contratos ganharem musculatura, serão importante fonte de referência e planejamento no setor. E o BNDES anunciou desembolsar mais de R$ 5 bilhões em 2013 ao setor. Além de crescer fortemente o programa Pro-Renova, com regras mais ajustadas às necessidades do setor, destacam-se os apoios do Banco junto com a FINEP para o desenvolvimento do etanol celulósico, bioquímicos e gaseificação. Portanto, a bola está na quadra do setor privado para fazer bons projetos, captar estes recursos e fazer o Brasil liderar na inovação, criando e capturando valor. Vale ainda ressaltar a importante contribuição que o bagaço de cana deu nas Usinas listadas em bolsa no terceiro trimestre do ano. As margens operacionais das Usinas estão bem melhores, o que mostra que o cenário está mudando. Pessoas Canavieiras (homenagem do mês): neste mês queria fazer uma homenagem especial a Embrapa, na sua unidade de agroenergia, que vem sendo liderada pelo Manoel Souza Jr. A Embrapa, verdadeiro patrimônio brasileiro, vem atuando em diversas frentes para promover a inovação na cana, desde variedades, aspectos agrícolas e industriais. Também compartilho com o leitor que perdemos o grande cientista Caetano Ripoli. Segue a Se avolumam as boas notícias minha postagem no facebook hoje perdi meu professor da Esalq e um amigo de admiração mútua, um cara com quem aprendi sobre cana, sobre mecanização e principalmente, sobre vida. Crítico, falava sempre o que pensava, de maneira simples e direta. Um cara de muita luta, como a que travou com a doença que o tirou de nós ainda muito jovem. Tenho seus livros autografados, lí, aprendi e ri com eles todos. Descansa em paz nosso guerreiro Caetano Ripoli, obrigado pelos quase 30 anos em que te conheci, ganhei muito com isto. Fico feliz que fizemos nesta coluna uma homenagem a ele em vida, e tenho guardado comigo o telefonema emocionado que recebi dele quando viu a revista Canavieiros. Aprendizado de Viagem: Passei sete dias na África do Sul. O assunto biocombustível está efervescendo. Devem entrar com a mistura de etanol na gasolina e biodiesel no diesel ainda neste ano, com grande plano de investimentos. Eles também acreditam muito no desenvolvimento da cana nos países vizinhos, destacando principalmente o Moçambique e o Zimbabue. Agora escrevo este texto dos EUA, vim para uma imersão de 15 dias na Universidade de Purdue, é meu ano sabático, e devo vir a cada 15 dias, e passar o segundo semestre aqui. Eu tenho muita admiração pelos EUA na forma como os negócios funcionam. Cheguei em Chicago e em 15 minutos um ônibus me deixou na locadora. Lá havia um painel com os diversos sobrenomes de pessoas que tinham alugado carros pela internet. Um rapaz se aproximou, perguntou meu nome, olhou no I-Pad e mostrou uma sequência de 15 carros na categoria que havia escolhido, estacionados de ré, com o porta-malas aberto. Escolhi um e fui embora. Minha carteira de motorista foi conferida pela pessoa que fica na guarita de saída. Um processo de três a cinco minutos, no total, ate estar com o carro na rua. Cana: Muitas usinas já devem iniciar a moagem no final de março, diferentemente do ano passado, onde se atrasou o início. A Datagro estimou a renovação de cana em 20%, e continuam as ex- Marcos Fava Neves pectativas que a produtividade será de até 10% maior, voltando a casa das 80 toneladas/ha. O problema agora passa a ser novamente a capacidade de processamento. Estima-se uma capacidade instalada máxima de 700 milhões de toneladas no Brasil, e o processamento pode chegar a mais de 600 milhões. Já em 2014 podemos ter usinas operando a capacidade máxima, o que também pode gerar ineficiências e aumento de custos, principalmente devido a desperdícios. Haja limão: Apesar de sequenciais alertas feitos por mim e por muitos outros estudiosos do setor, o desastre da importação de gasolina se verificou. Fechados os números em 2012, gastamos US$ 3 bilhões para comprar 3,8 bilhões de litros. E o mais incrível é ver a evolução... Em 2009 importou-se US$ 70 mil, em 2010 US$ 285 milhões, em 2011 US$ 1,6 bilhão para finalizar com os US$ 3 bilhões em Quanto será em 2013? Não será nada bom se observarmos como está a balança comercial neste início de ano. Considero este um dos erros, se não o principal erro do atual Governo brasileiro, mais injustificável ainda pelo fato da Presidente ser uma pessoa que tem um passado na área de energia. MARCOS FAVA NEVES é professor titular de planejamento e estratégia na FEA/USP Campus Ribeirão Preto e coordenador científico do Markestrat. RC

13 13

14 14 Notícias Canaoeste Canaoeste realiza encontro de variedades Carla Rodrigues Evento contou com a participação dos principais institutos de pesquisas e melhoramento genético em cana-de-açúcar Preocupada em atender as necessidades de seus associados, a Canaoeste, em parceria com a Copercana e Sicoob Cocred, realizou um Encontro de Variedades com o objetivo de levar até o fornecedor informações valiosas sobre as principais variedades de cana-de-açúcar disponíveis atualmente no mercado. Participaram deste encontro os principais institutos de pesquisas e melhoramento genético, sendo eles: Ridesa (Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético), IAC (Instituto Agronômico), CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) e Canavialis. O evento contou com grande presença dos associados garantindo o sucesso do encontro O evento aconteceu na Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro e contou com o apoio de empresas parceiras como LL Cultivar, Syngenta, Ihara, DuPont, Stoller, Basf, Bio Soja, Omex e FMC e com a presença de fornecedores, produtores, representantes de unidades industriais e as equipes técnicas da Canaoeste e Copercana, reunindo aproximadamente 270 pessoas. O professor Hermann Paulo Hoffmann, coordenador do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de- -açúcar (PMGCA) da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), que faz parte da Ridesa, foi quem iniciou as apresentações sobre o manejo das principais variedades desenvolvidas pela equipe. Durante sua exposição, ele abordou temas relacionados à fitossanidade das plantas, apresentou os resultados do censo varietal realizado anualmente pela Ridesa (área de cultivo e área de plantio) e apresentou os clones RB s mais promissores: RB , RB , RB , RB , RB , RB e RB Hoffmann falou também sobre as variedades RB s mais plantadas nos Estados de São Paulo e Mato Grosso, realizou importantes recomendações e discorreu sobre as principais características destas variedades. Variedades RB s: RB : rústica e produtiva, adaptada a solos de média e baixa fertilidade e colheita no meio e fim da safra; Hermann (Ridesa), Marcos Landell (IAC), Gustavo Nogueira (Canaoeste), Mauro Violante (Canavialis) e Rodrigo de Almeida (CTC) RB : rica e precoce, excelente colheitabilidade, para ambientes de alta fertilidade e colheita no início da safra; RB : precoce e produtiva, para ambientes B, C e D e colheita no início da safra; RB : excelente brotação de soqueira, para ambientes de alta e média fertilidade, para colheita no meio da safra; RB : hiper precoce, para ambientes de alta e média fertilidade e colheita em abril e maio; RB92-579: muito produtiva, exigente em água, para ambientes A, B e C e colheita no meio da safra; RB : alta produtividade, para ambientes B e C e colheita no meio da safra. O diretor do Centro de Cana e pesquisador do IAC, (Instituto Agronômico) de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Marcos Landell, conversou com os presentes sobre manejo varietal. Também aproveitou a oportunidade para falar sobre as características das principais e futuras variedades do instituto agronômico, como: - IAC : boa estabilidade de produção e boa adaptação ao plantio mecânico; - IACSP : excelente colhei-

15 15 O encontro recebeu o apoio de empresas parceiras como LL Cultivar, Syngenta, Ihara, DuPont, Stoller, Basf, Bio Soja, Omex e FMC tabilidade, ereta, rica e possui crescimento lento; - IACSP : novo biótipo, ótima colheitabilidade, ereta, elevada tolerância a seca e pode ser alocada em ambientes restritivos; - IACSP : ótima colheitabilidade, ereta, vai bem em final de safra e em solos médios até ambientes D; - IACSP : estável, ereta, excelente plantio mecânico e desempenho similar a RB ; Futuras variedades: - IACSP : não tem hábito ereto; - IACSP : precoce com alta produtividade, elevado teor de sacarose, boa brotação, ótima soqueira, produtiva e PUI longo. Para o coordenador Técnico do CTC, Rodrigo de Almeida, hoje a realidade do produtor é diferente de antigamente, têm-se o plantio e a colheita mecânicos e variedades que são mais produtivas, e é por este motivo que a instituição, através de pesquisas, busca evoluir junto com as necessidades do produtor. Durante sua apresentação, Almeida falou sobre as características das variedades precoces, médias e tardias e também destacou a série CTC9000, desenvolvida para climas restritivos (cerrados), colheita e plantio mecânicos. Variedades CTC: - CTC9: início de safra, ambientes B, C e D, desenvolvimento rápido, riqueza e plantio mecanizado; - CTC 17: início de safra, ambientes restritivos (C, D e E), rusticidade, plantio mecanizado e longevidade de soqueira; - CTC 2: meio de safra, ambientes A, B, C e D, longevidade de soqueira, estabilidade de soqueira, produtividade e plantio mecanizado; - CTC 4: meio de safra, ambientes A, B e C, longevidade de soqueira, estabilidade de soqueira, produtividade e plantio mecanizado. - CTC 15: meio de safra, ambientes A, B, C, D e E, rústica, produtividade alta - CTC 20: meio de safra, ambientes A, B e C, alta produtividade e perfilhamento alto; - CTC 21: precoce e alta produtividade; - CTC 24: tardia, melhores ambientes, alta produtividade, alto perfilhamento e não floresce. O representante da área de desenvolvimento tecnológico da Canavialis, Mauro Violante, dividiu com os participantes a experiência da empresa com a cultura de sorgo sacarino e apresentou as variedades lançadas pela empresa em São elas: - CV7231: vigor e riqueza, alta produtividade e ambientes intermediários; - CV 7870: boa produtividade, ereta, ótima brotação de soqueira, ambientes C e D; - CV6654: ciclo médio, ambientes intermediários, ereta e boa colheitabilidade. RC

16 16 Notícias Canaoeste Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo é contemplada pelo Consórcio Intermunicipal Culturando Fernanda Clariano com informações de Haroldo Beraldo A biblioteca pública municipal Prof. Sônia Regina Mossin Garcia, localizada em Cruz das Posses, distrito de Sertãozinho, recebeu no dia 1º de março, autoridades do poder público local, além de personalidades ligadas à cultura e educação para a entrega simbólica dos prêmios relacionados aos Pontos de Leitura sertanezinos, conquistados junto ao CIC - Consórcio Intermunicipal Culturando. Um dos projetos contemplados com a premiação de R$20.000,00 foi elaborado pelo colaborador Haroldo Luís Beraldo, bibliotecário responsável da Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo, que é mantida pela Canaoeste há mais de 40 anos. O projeto Todo dia é dia de ler foi concebido no intuito de fomentar a leitura entre os associados e cooperados do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred que usufruem dos serviços da biblioteca, além dos munícipes de Sertãozinho e região. A verba conquistada será aplicada para aquisição de livros de literatura universal e infantojuvenil, livros em Braille, áudio books, livros técnicos e científicos de diversas áreas do conhe- Verba será aplicada na aquisição de novos materiais cimento. Parte da verba também será direcionada para aquisição de itens de ambiência e estrutura da biblioteca, sempre visando o aprimoramento das instalações para receber os visitantes e usuários, assim como a melhora constante dos serviços prestados pela biblioteca, sejam eles de empréstimo de material ou até serviços de referência ligados às novas tecnologias de informação e comunicação. A biblioteca pública municipal Prof. Sônia Regina Mossin Garcia, localizada em Cruz das Posses, distrito de Sertãozinho, recebeu no dia 1º de março a entrega simbólica dos prêmios relacionados aos Pontos de Leitura sertanezinos, conquistados junto ao CIC - Consórcio Intermunicipal Culturando. Um dos projetos contemplados foi elaborado pelo colaborador Haroldo Luís Beraldo, bibliotecário responsável da Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo A entrega do Ponto de Leitura à biblioteca da Canaoeste é muito significativa no cenário cultural e educacional de Sertãozinho. Essa iniciativa vai de encontro à nova proposta de trabalho da biblioteca que é a de atendimento público e democrático à população. Esse projeto é uma conquista para a biblioteca, e essa verba que está vindo do Ponto de Leitura, vai potencializar o nosso trabalho, melhorando ainda mais o acervo, assim como a estrutura, adquirindo móveis, materiais de multimídia, itens de ambiência para proporcionar um ambiente mais agradável e um atendimento melhor aos visitantes e com isso, teremos também a oportunidade de diversificar as opções educacionais e culturais em Sertãozinho de acesso à informação, fundamental para colaborarmos com o crescimento social de nosso município e de nossa região. Só lembrando que, através do trabalho realizado pela biblioteca, nós conseguimos atender leitores no entorno de 45 municípios da nossa região através de malotes de comunicação interna, são os nossos colaborados e também os associados e cooperados que residem nessas cidades, afirmou Haroldo Luís Beraldo bibliotecário responsável da Biblioteca General Álvaro Tavares Carmo. RC

17 17

18 18 Notícias Canaoeste Thiago de Andrade Silva Gestor de Planejamento, Controle e Topografia Gestores da Canaoeste - Pagamento de Cana: Sistematização da Metodologia; Treinamento de Funcionários; Orientação às Unidades Produtoras para elaboração e correção de cálculos; Apresentação e acompanhamento dos resultados; Conferência, negociação e orientação à Produtores Associados quanto ao pagamento de cana. - Acompanhamento do Andamento de Safra: Produção relatórios e artigos de acompanhamento de safra; Sistema ATR: Acompanhamento da qualidade da matéria-prima; Acompanhamento do ATR Relativo; Acompanhamento Amostragem de Análise; Acompanhamentos diversos para tomada de decisão. - Acompanhamento do Comportamento do Mercado; - Plano de Queima / Protocolo Agro-ambiental / Cadastro Ambiental Rural: Planejamento e estruturação; Informação aos Associados; Acompanhamento do ingresso de planos de queima e protocolos; Solução de Problemas; Acompanhamento das alterações junto a SMA (Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo). - Diversos: Reuniões Grupo Técnico Orplana; Desenvolvimento de sistemas de apoio (PEQ/PAA/CAR, Agenda Eletrônica, Agrosist, entre outros); Site da Canaoeste (atualizações); Busca de novas tecnologias; Treinamento / Capacitação de utilização de software; Avaliação Informática para Contratação; Elaboração e Busca de Artigos para a Revista Canavieiros, Site e Informe Canaoeste. Alessandra Durigan Gestora Técnica do Departamento Técnico da Canaoeste - Promover Cursos de Capacitação e Treinamentos: Áreas: manejo varietal, alocação de variedades por ambiente de produção e época de colheita; manejo de pragas e doenças, levantamento e controle; manejo de solos, correção e adubação; manejo de ervas daninhas, levantamento e controle; levantamento e classificação dos ambientes de produção; produção de mudas sadias. - Desenvolvimento Agronômico: Experimentação Agrícola, implantação no campo de ensaios de Competição de Variedades e ensaios para a avaliação de eficiência de corretivos, fertilizantes e defensivos agrícolas; difusão de tecnologia; participação efetiva em novos projetos técnicos como: equipe de pragueiros e produção de mudas pré-brotadas; aperfeiçoamento de novas tecnologias como: agricultura de precisão, plantio e colheita mecanizados, condomínios e consórcios; suporte técnico para aprimoramento dos custos de produção. - Contato com Multinacionais: Posicionamento e treinamento técnico sobre novas moléculas, produtos e inovações tecnológicas. - Relacionamento com Centros de Pesquisa: CTC; IAC; UFSCar (Ridesa); CanaVialis; Unesp; Esalq; Fafran e outras. - Administração Técnica da Fazenda Santa Rita: Produção de mudas e multiplicação de novos materiais (clones e variedades). - Diversos: Atendimentos internos a associados; participação em congressos, seminários e eventos promovidos pelas multinacionais; palestras técnicas para produtores; participação efetiva nas reuniões do grupo fitotécnico; relacionamento com a STAB; apoio na execução de palestras técnicas realizadas pela Canaoeste; atualização do site Canaoeste; elaborar artigos, apoiar o planejamento e buscar artigos para a Revista Canavieiros; divulgar as atividades realizadas pelo Departamento Técnico; atendimento a visitas; apoio técnico ao PEQ, PAA, CAR e PRA; monitoramento das estações meteorológicas.

19 19 Gustavo de Almeida Nogueira Gestor Operacional do Departamento Técnico Canaoeste Gestão Operacional dos Escritórios da Canaoeste localizados nos Municípios de Bebedouro, Barretos, Cravinhos, Descalvado, Ituverava, Morro Agudo, Pitangueiras, Pontal, Serrana, Sertãozinho, Severínia e Viradouro. Estruturação, divisão, definição da área de atuação e das metas, do Departamento Técnico, gestão Operacional dos Agrônomos e Secretárias de todos os Escritórios Regionais da Canaoeste, atualizações do Sistema de Relatórios e Acompanhamento de Metas. Gestão Operacional dos Laboratórios de Solo e Sacarose: Planejamento, acompanhamento e elaboração das Metas, busca de novos serviços. Gestão Operacional da Fazenda Santa Rita: Viveiro de Produção de Mudas de Cana-de-açúcar. Diversos: Participação nas Reuniões do Grupo Técnico da Orplana, realizadas em Piracicaba; participação nas Reuniões do Conselho Administrativo da ABAG-RP; visita aos Laboratórios das Unidades Industriais, novos projetos da Canaoeste. Relacionamento institucional com a Unica: novas parcerias para o aumento dos serviços oferecidos aos associados. Relacionamento Institucional com Centros de Pesquisa: CTC, IAC, UFSCar. Reuniões Técnicas da Canaoeste Abril e Maio de Datas Escritórios Apoio Tema 09 de abril Pitangueiras Dow Controle de Ervas Daninhas em Cana-de-açúcar 11 de abril Ituverava Syngenta Encontro sobre Variedades de Cana-de-açúcar 16 de abril Pontal Dupont Controle de Ervas Daninhas em Cana-de-açúcar 17 de abril Bebedouro Stoller Utilização de Micronutrientes e Bioreguladores na Cana-de-açúcar 18 de abril Cravinhos Dupont Controle de Ervas Daninhas em Cana-de-açúcar 18 de abril Morro Agudo a definir Controle de Ervas Daninhas em Cana-de-açúcar 25 de abril Severinia Bio Soja Utilização de Micronutrientes e Bioreguladores na Cana-de-açúcar 25 de abril Viradouro Syngenta Ferrugens na Cana-de-açúcar 28 de maio Sertãozinho LL Cultivar Agricultura de Precisão Para mais informações, consulte os Eng Agrônomos nos escritórios da Canaoeste

20 20 Notícias Sicoob Cocred Balancete Mensal - (prazos segregados) COOPERATIVA DE CRÉDITO DOS PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁ- RIOS DO INTERIOR PAULISTA - BALANCETE - Fevereiro/2013 Valores em Reais

21 21

22 22 Matéria de Capa Mecanização na lavoura Preparo de solo e escolha da variedade correta são fatores que influenciam na qualidade do plantio mecanizado Carla Rodrigues Nos últimos seis anos, o método de plantio mecanizado começou a ganhar espaço nos canaviais, atingindo uma área de 65% no Estado de São Paulo. Os principais fatores que levaram a este número foram as dificuldades de atendimento às exigências da NR 35, o aumento do custo da mão de obra e a própria expansão do setor. Esta modalidade de plantio exige um maior controle de qualidade, desde a escolha da muda, até a cobrição, uma vez que os fatores de risco para o insucesso, são ainda maiores que no plantio manual. Isto acarretará a valorização do trabalho das equipes de qualidade. Segundo os consultores da Datagro Alta Performance uma unidade de negócios da Datagro, que cuida dos aspectos técnicos e operacionais da produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol Paulo Zancaner Castilho e Otavio Tufi, ainda existem situações em que se considera o dano causado pela broca, como dano causado pela colhedora de muda, o que não é verdade. Para eles, os principais fatores que podem influenciar o plantio são o tipo de máquina escolhida e a tecnologia empregada, o preparo de solo e a variedade da cana. Também é importante utilizar insumos como fungicidas e inseticidas corretamente, além do treinamento e adaptação das equipes que irão Consultores da Datagro Otavio Tufi e Paulo Castilho realizar o plantio. Ainda há a necessidade de uma atenção maior em relação ao déficit hídrico, já que esta modalidade de plantio vem mostrando que é preciso ser mais cauteloso em relação à disponibilidade de água.

23 23 Foto: Arquivo Datagro Castilho e Tufi também afirmam que dificuldades podem ser deparadas no plantio mecanizado, e consequentemente comprometer a qualidade da operação. A principal dificuldade é manter a qualidade das mudas após a colheita, pois os danos às gemas e toletes, se não forem tomados alguns cuidados, em geral são muito elevados, como também mantermos a uniformidade na distribuição de gemas/metro, sem exceder o consumo de muda, disseram. Vantagens também podem ser encontradas neste método, como o menor número de funcionários envolvidos por hectare plantado, a possibilidade do trabalho 24 horas e a regularidade da operação, além da otimização do uso da frota agrícola, reduzindo o custo fixo da estrutura de safra. Já no caso da plantadora é possível preservar a umidade do solo, já que é realizado o sulco, a distribuição da muda e o cobrimento concomitantemente, não deixando o sulco aberto evitando a perda da umidade residual. Os consultores explicam que hoje não é verificada diferença quanto à brotação dos talhões plantados manual e mecanicamente. Isso somente ocorre, quando alguns cuidados na operação não são tomados, pois hoje em dia a técnica do plantio mecânico está dominada e não é para ter diferença significativa entre os dois sistemas. É claro que melhorias podem ser realizadas para garantir a qualidade da brotação das gemas e uniformidade de distribuição de mudas, por exemplo, um bom planejamento, o uso de equipamentos bem ajustados e regulados e a escolha da variedade de cana correta, que nem sempre estão sendo utilizados ao mesmo tempo e isso é essencial para que o plantio tenha sucesso, pois é um sistema que por um lado traz ganhos, porém pelo outro exige um pouco mais de atenção do agricultor, além da necessária capacitação da equipe, explicaram. De acordo com Castilho e Tufi, em relação ao consumo de mudas por hectare plantado no sistema mecanizado, eles levantaram, junto ao setor, um número próximo a 22 toneladas, o que é muito alto e ainda tem que melhorar. Este consumo elevado está relacionado com os danos provocados nas gemas, na manipulação da muda em todos os processos mecânicos, que força o técnico ajustar a quantidade colocada no sulco para garantir a brotação. Um fator relevante para este excessivo consumo de mudas é a insegurança da equipe em relação a germinação do plantio, que será mudada com conscientização e treinamentos. Hoje o que se costuma ver são sulcos adubados com muda, pela excessiva quantidade deste insumo no sulco de plantio. Foto: Arquivo Datagro Sabemos que dentro da formação do custo de plantio, o custo da muda é um dos que mais impacta. Este fato dificulta um maior ganho de competitividade do plantio mecanizado em relação ao manual. Entendemos que um número bom atualmente seria consumir em torno de 18 toneladas e equipes com experiência podendo chegar a 15 toneladas por hectare, comentaram os consultores. Eles ainda fazem uma comparação entre o número de pessoas necessárias para realizar o trabalho de uma máquina. Em média hoje são utilizadas de 2,5 a 3,0 pessoas por hectare no plantio mecanizado, mas existem casos de 1,5 pessoas por hectare, sendo o ganho de eficiência fundamental para a melhoria deste índice. Já no plantio manual são necessárias 8,5 pessoas por hectare. Conforme dados da Datagro, hoje o plantio mecanizado está 14,88% mais caro que o manual, sobretudo pelo consumo maior de muda, mas com a adequação deste consumo e a diluição do custo fixo da frota, e com a utilização plena da mesma durante todo o ano, o custo do plantio mecanizado será menor que o manual. O rendimento médio está entre sete a oito hectares por dia, o que, segundo Castilho e Tufi, ainda é baixo. Fazendo uma analogia com a colheita mecanizada, vale lembrar que num passado não muito distante, as colhedoras de cana colhiam 250 toneladas por dia e hoje estão em 700 toneladas por dia, chegando a alguns casos a 900 toneladas por dia. Isto deixa bem claro o quanto ainda temos que caminhar, em eficiência do aproveitamento do tempo, no plantio mecanizado. Quando o assunto é mercado, os consultores afirmam que hoje a maioria das empresas fabricantes de implementos e equipamentos canavieiros tem em sua linha a plantadora e/ou distribuidora de cana, o que facilita muito na hora da aquisição. Eles ainda alertam sobre a importância da avaliação do produto para que ele se adeque à utilização conjunta com a frota já existente. RC

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

Manejo Varietal na Usina Iracema

Manejo Varietal na Usina Iracema Manejo Varietal na Usina Iracema Eng Agro. Ivan Barcellos Dalri Gerência Agrícola Usina Iracema Março de 2012 INTRODUÇÃO Localização Geográfica Grupo São Martinho Goiás Quirinópolis Boa Vista São Martinho

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 REGIÃO CENTRO-SUL RESUMO O censo varietal e de produtividade de cana-de-açúcar é realizado pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, na Região Centro-Sul do

Leia mais

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil Resultados Fenasucro 2014 A feira 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil O maior evento mundial do setor sucroenergético O setor sucroenergético do Brasil já

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar em São Paulo: uma reflexão a partir de dados do Protocolo

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

CTC. Rogério Salles Loureiro 04.08.10. Gerente de TI e Gestão do Conhecimento. CTC-Centro de Tecnologia Canavieira

CTC. Rogério Salles Loureiro 04.08.10. Gerente de TI e Gestão do Conhecimento. CTC-Centro de Tecnologia Canavieira CTC Rogério Salles Loureiro Gerente de TI e Gestão do Conhecimento CTC-Centro de Tecnologia Canavieira 04.08.10 ROGÉRIO SALLES LOUREIRO Graduação : Engenharia Elétrica UFMG Pós-Graduação: Análise de Sistemas

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A Edição nº 20 maio de 2011 EDIÇÃO ESPECIAL DE FECHAMENTO SAFRA O Informe Especial da Canaoeste tem como objetivo, transmitir aos associados todas as informações relevantes da safra 2010/2011, encerrada

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM. Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18 Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.BR Agronegócio Brasileiro: Cana-de-açúcar O que será do Brasil

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO

DERAL-Departamento de Economia Rural A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO A CANA-DE-AÇÚCAR E O SETOR SUCROALCOOLEIRO PROGNÓSTICO 2014/15 Maio de 2014 A previsão ao setor sucroalcooleiro no Paraná é de um pequeno crescimento ao longo da safra 2014, confirmando a recuperação ocorrida

Leia mais

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

Um ano de farta colheita

Um ano de farta colheita Um ano de farta colheita Estamos muito felizes, pois o trabalho que realizamos em 2012 rendeu uma farta colheita, como demonstramos neste balanço: o Balanço de Atividades ANDEFedu de 2012. Além de palestras

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP

Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Cortadores de cana têm vida útil de escravo em SP Pressionado a produzir mais, trabalhador atua cerca de 12 anos, como na época da escravidão Conclusão é de pesquisadora da Unesp; usineiros dizem que estão

Leia mais

OBSERVADOR. Empresa Equipamentos de qualidade garantiram bons resultados no Leilão de Ativos p.04

OBSERVADOR. Empresa Equipamentos de qualidade garantiram bons resultados no Leilão de Ativos p.04 OBSERVADOR ano 43 n 505 outubro de 2014 Empresa Equipamentos de qualidade garantiram bons resultados no Leilão de Ativos p.04 Carpa Touros da Carpa são destaque no cenário nacional p.06 Empresa Conheça

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET Sediada em Cuiabá, Mato Grosso, a Nuvem Tecnologia Ltda desenvolve softwares para empresas de médio e grande porte no centro-oeste do país. A partir do know-how adquirido sobre rastreabilidade, lançou

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil

Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil Avaliação do potencial competitivo do E2G no Brasil O Panorama brasileiro e mundial Diego Nyko - Departamento de Biocombustíveis Rio de Janeiro, 07-04-2015 // 1 1 Agenda 1. Contexto setorial: produtividade

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Informa vo Trimestral das Usinas Batatais e Lins

Informa vo Trimestral das Usinas Batatais e Lins Ano 12 - Edição 56 Março, Abril e Maio de 2015 Informa vo Trimestral das Usinas Batatais e Lins ECONOMIZE DESLIGUE FAÇA PARTE AVALIE OTIMIZE CONSERVE DESSA IDEIA! Campanha de Conscien zação Com o objetivo

Leia mais

1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas BELO HORIZONTE 08/10/09

1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas BELO HORIZONTE 08/10/09 1º Encontro de Comunicação do Setor Sucroenergético de Minas Gerais BELO HORIZONTE 08/10/09 . Jornal Canavial SIAMIG-SINDAÇÚCAR-MG EVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO. Criação do Boletim Eletrônico. Criação do Site

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 12 Outubro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Chuvas intensas no mês de setembro atrasaram a colheita de cana-de-açúcar nas principais

Leia mais

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP

Currículo. Mestre em Engenharia de Sistemas Agrícolas - ESALQ/USP 2013. Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP Gestão Financeira e Custo de Produção de Cana-de-açúcar Taquaritinga/SP Outubro/21 João Henrique Mantellatto Rosa PECEGE/ESALQ/USP jhmrosa@pecege.esalq.usp.br Currículo Formação: Engenheiro Agrônomo ESALQ

Leia mais

CTC Centro de Tecnologia Canavieira

CTC Centro de Tecnologia Canavieira Título da Apresentação CTC Centro de Tecnologia Canavieira Autor Divulgação Livre CTC Centro de Tecnologia Canavieira 148 associadas 131 usinas e/ou destilarias 17 assoc. fornecedores de cana 214,5 milhões

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba

Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba Empresas Eba Antonio Donizeti de Oliveira Presidente das Empresas Eba Caros senhores A Eba Consultoria Empresarial é uma empresa versátil, comprometida com os resultados e pronta para atender os clientes

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Edição 38 (Março/2014)

Edição 38 (Março/2014) Edição 38 (Março/2014) Cenário Econômico: A atividade do comércio varejista registrou crescimento de 6,1% em fevereiro ante o mesmo período do ano anterior, na terceira aceleração consecutiva do resultado

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos?

O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Workshop BNDES -Desafios para o Investimento em Novas Usinas de Etanol no Brasil O custo atual de produção de etanol viabiliza novos investimentos? Carlos Eduardo Osório Xavier Gestor de projetos PECEGE/ESALQ/USP

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 13/agosto/2015 n. 458 VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Os dados mais atualizados disponibilizados pela ANP sobre a venda de combustíveis

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%.

Então, é difícil para a gente afirmar um número ainda, mas vai estar nesse intervalo entre estabilidade e alguma coisa perto de 2% ou 3%. Q&A de Teleconferência Resultado 3T08 ALL América Latina Logística 13 de novembro de 2008 Na redução de guidance de vocês, essa expressão interessante, um crescimento marginal de yield. Em um crescimento

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8%

Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 519 Ano XVI 05/maio/2014 Nova York segue dentro do atual canal lateral. Margem de ganho mensal supera 8% Nos mercados futuros internacionais, a última semana

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

REVISTA CENSO CTC. Safra 2013/14 - Brasil. Plante certezas.

REVISTA CENSO CTC. Safra 2013/14 - Brasil. Plante certezas. REVISTA CENSO CTC Safra 2013/14 - Brasil Plante certezas. Timeline CTC Lançamento das primeiras variedades desenvolvidas no CTC com a sigla SP As variedades desenvolvidas pelo CTC atingem 57% da área cultivada

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil

I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil I Seminário sobre Perspectivas Econômicas e Técnicas da Agropecuária no Brasil Estado Atual e Perspectivas do Plantio de Cana-de-Açúcar no Brasil Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Halan Vieira de Queiroz

Leia mais

Abioeletricidade cogerada com biomassa

Abioeletricidade cogerada com biomassa bioeletricidade Cana-de-Açúcar: um pr energético sustentável A cana-de-açúcar, a cultura mais antiga do Brasil, é hoje uma das plantas mais modernas do mundo. A afirmação é do vice-presidente da Cogen

Leia mais

Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10

Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10 Renda agropecuária dos Estados Unidos deve cair 13,8% em 2014, di... Página 1 de 10 RuralBR Agricultura Pecuária Canal Rural Tempo Cotação Blogs Especiais Últimas Notícias C2Rural Lance Rural Agricultura

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Segundo Trimestre 2014 Principais Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais