Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM"

Transcrição

1 Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM

2 Regulamento de Acesso e Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM Preâmbulo A Associação Promotora do Ensino de Enfermagem em Chaves (APEEC), disponibiliza aos utilizadores, docentes, investigadores, não docentes e alunos da Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado (ESEDJTMM), um conjunto de recursos informáticos para apoio às actividades de ensino e de investigação, que incluem: redes de dados e respectivos equipamentos de rede; computadores, servidores e clusters de servidores; impressoras e outros equipamentos; aplicações e recursos informáticos; sala de informática; serviços de apoio técnico e de resolução de problemas nos equipamentos de informática da APEEC. Estes recursos informáticos são geridos pelo Centro de Informática. Os recursos informáticos constituem um bem valioso, fundamental para o funcionamento da APEEC/ESEDJTMM. Os actos abusivos sobre eles praticados afectam todos aqueles que os utilizam e o seu impacto no exterior põe em causa a reputação e a imagem da Escola. Os mesmos princípios morais e éticos das comunidades sociais aplicam-se também aos ambientes informáticos e às comunidades virtuais. Por isso os recursos informáticos da APEEC devem ser usados: apenas para actividades do âmbito da missão da ESEDJTMM, de ensino e investigação ou outras desde que devidamente autorizadas; apenas por aqueles que a eles têm legítimo direito de acesso e autorização e que se comprometam a aceitar e cumprir os presentes regulamentos; recorrendo apenas a meios legais e legítimos; responsavelmente, com parcimónia e respeitando as normas de segurança informática; respeitando as normas de ética social e do respeito dos direitos e liberdades individuais, nomeadamente da reserva da vida privada;

3 respeitando os limites razoáveis na utilização para fins exclusivamente pessoais. e não podem ser usados, entre outras situações, para: actividades ofensivas da dignidade de terceiros; actividades comerciais (não autorizadas); actividades ilegais (quer concretizadas quer tentadas); actividades ilegítimas ou que de alguma forma possam afectar o bom nome da APEEC/ESEDJTMM. Artigo I. Âmbito e aplicação O presente regulamento aplica-se a: Equipamentos pertencentes ou não à APEEC, enquanto integrados lógica e/ou fisicamente na APEEC/ESEDJTMM e como tal perceptíveis do resto do universo informático. Estrutura lógica e infra-estrutura física de suporte à actividade informática da APEEC/ESEDJTMM, para o ensino e investigação. Pessoas, enquanto utilizadores dos recursos informáticos integrados temporária ou permanentemente na APEEC/ESEDJTMM; Este regulamento é composto por uma parte de âmbito genérico, pelos anexos de regulamentação de serviços e recursos específicos e pelo resumo e declaração de aceitação deste regulamento. Artigo II. Acesso aos recursos e serviços de informática Têm direito a aceder aos recursos e serviços de informática da APEEC, os seguintes utilizadores: 1. Todos os elementos do pessoal (docente e não-docente) da ESEDJTMM, seja qual for o tipo de vínculo laboral, enquanto este permanecer; 2. Os alunos, com registo activo no Sistema de Informação da ESEDJTMM, seja qual for o seu grau, proveniência ou período de frequência; 3. Pessoal envolvido em projectos de investigação ou com protocolos de colaboração, enquanto possuir registo válido nos serviços da ESEDJTMM e enquanto durar o projecto ou o protocolo; 4. Antigos alunos, por períodos renováveis e sujeitos a redução de serviço; 5. Professores eméritos, docentes, investigadores e outros funcionários; 6. Outras pessoas, desde que com justificação apropriada, sujeitas a uma apreciação casuística, com os serviços e a duração definidos, e mediante autorização expressa do órgão executivo competente; 7. Entidades colectivas, internas à APEEC, ou a ela vinculadas, com responsável identificado e verificável; 8. Entidades colectivas de duração limitada, desde que com responsável identificado, justificação apropriada, sujeitas a uma apreciação casuística, com

4 os serviços e a duração definidos, e mediante autorização expressa do órgão executivo competente; A lista de recursos e serviços disponíveis, bem como as condições em que podem ser utilizados por cada tipo de utilizador estão definidos no ANEXO I - Regulamentação de Serviços e Recursos Específicos. Para obter autorização de acesso o utilizador deve registar-se, estando este registo condicionado à expressa aceitação do presente regulamento. Os processos e procedimentos de registo são adequados a cada tipo de utilizador, sendo definidos no ANEXO I - Regulamentação de Serviços e Recursos Específicos. A autorização de acesso aos recursos informáticos da APEEC mantém-se enquanto se mantiver válido o respectivo direito de acesso. A autorização de acesso pode ser temporariamente suspensa, ou mesmo cancelada, por motivos disciplinares, pelo não cumprimento do presente regulamento, por razões de segurança, ou por suspensão do direito de acesso correspondente. A autorização de acesso pode ser cancelada em casos especialmente graves, mediante decisão do órgão disciplinar adequado. Caducando o direito de acesso, os utilizadores devem retirar todos os dados existentes nas áreas de trabalho que disponham, num prazo máximo de 1 dia. Findo este prazo, considera-se automaticamente cancelada a autorização de acesso, pelo que a APEEC/ESEDJTMM, ou outros responsáveis pelos equipamentos ou serviços, se reservam o direito de impedir o acesso a estes aos utilizadores, e de retirar dos sistemas todos os seus ficheiros, após o que os utilizadores não poderão reclamar a sua recuperação. Artigo III. Propriedade, Privacidade e Confidencialidade As informações respeitantes a cada utilizador existente nos serviços de informática da APEEC/ESEDJTMM respeitam as normas legais relativas à protecção de dados pessoais. A sua divulgação nos processos internos da APEEC/ESEDJTMM rege-se pelos princípios da necessidade, suficiência, razoabilidade, proporcionalidade e boa fé. Os dados depositados nos sistemas informáticos da APEEC são propriedade e responsabilidade dos seus autores ou dos utilizadores que lhes deram origem. Os serviços responsáveis pela sua gestão farão tudo o possível para assegurar a sua inviolabilidade, privacidade e confidencialidade. A APEEC/ESEDJTMM mantém e arquiva registos e estatísticas de funcionamento, muitos com identificação do utilizador. Apenas em caso de determinação pelo Órgão de Gestão competente, e em caso de suspeita de utilização abusiva ou ilegítima, ou de falha de segurança poderá o serviço responsável inspeccionar e revelar, no âmbito desse processo, os ficheiros, dados, ou registos de um utilizador sem o seu consentimento estando obrigado a sigilo, não podendo revelar a terceiros a identidade daqueles que tenham identificado no seguimento das referidas acções. Artigo IV. Serviços e Recursos A APEEC, e os serviços sobre ela disponibilizados, estão em permanente evolução, quer física quer tecnológica.

5 À APEEC deverá corresponder sempre o papel de topo na organização informática da ESEDJTMM, pelo que qualquer alteração tecnológica deverá reflectir essa característica. Em consequência, não são autorizadas redes locais nas instalações da APEEC, que utilizem a infra-estrutura de comunicação de dados da APEEC (passiva e/ou activa), que não respeitem essa característica. A definição de sub-redes do domínio de topo é da exclusiva competência da APEEC. A instalação de recursos e aplicações informáticas deve respeitar todas as condições de legalidade, nomeadamente quanto a licenciamento e protecção dos direitos de autor. A ligação de qualquer computador ou outro equipamento à infra-estrutura da APEEC obriga ao seu registo prévio na APEEC. A ligação ou instalação de quaisquer equipamentos que interfiram com as infraestruturas de rede da APEEC, com e/ou sem fio (wi-fi), carece da autorização, prévia, da APEEC. Os recursos e serviços disponibilizados, bem como as suas características, limitações, custo e tempo durante o qual estes estão disponíveis a cada um dos tipos de utilizador serão objecto de regulamentação e aprovação, e apensos ao presente regulamento, no ANEXO 1 - Regulamentação de Serviços e Recursos específicos. Caso a complexidade de um serviço ou recurso o justifique, poderá ser elaborado regulamento próprio. Esse regulamento específico deverá respeitar os princípios e disposições do presente regulamento e será a este anexado. Artigo V. Ética e regras de utilização Os princípios éticos da utilização dos recursos de informática da APEEC são os expostos no preâmbulo deste regulamento. O uso, ou tentativa de uso, não autorizado, ilegítimo ou fraudulento de qualquer recurso informático, nomeadamente, computadores, redes, equipamentos periféricos, aplicações ou dados, constitui uma violação ao presente regulamento e é punível. Não é permitido em sistemas informáticos da APEEC, sendo punível: Aceder a dados de outros utilizadores, estejam eles protegidos ou não, sem permissão expressa dos próprios. Fornecer ou tentar fornecer informação ou identificação incorrecta na tentativa de aceder a recursos alheios. Ler, ou tentar ler, mensagens de correio electrónico alheias. Enviar mensagens de correio electrónico anónimas ou em nome de outrem, ou mensagens de conteúdo ofensivo ou obsceno. Interferir com ou prejudicar o trabalho de outro utilizador, seja qual for o meio utilizado para o tentar ou levar a cabo. Manter ou visualizar, em qualquer equipamento da APEEC, informação ofensiva ou obscena.

6 Usar os recursos de informática para fins que não os previstos neste regulamento ou de outro modo expressamente autorizados. Tentar deliberadamente aceder, interceptar, utilizar, ou prejudicar recursos informáticos da APEEC, incluindo equipamentos, redes, aplicações, dados e comunicações, aos quais não tenha direito de acesso ou de utilização. Aceder, reproduzir ou publicar, na forma consumada ou tentada, sem autorização, informação associada aos sistemas informáticos da APEEC, nomeadamente o conteúdo total ou parcial de ficheiros de configuração ou, outras informações, obtidas à custa destes. Usar a APEEC/ESEDJTMM como base para a prossecução de actividades internas ou externas, ilegítimas, ilegais, fraudulentas, ou que de alguma maneira resultem danosas para a APEEC e ESEDJTMM. Danificar qualquer equipamento, aplicação, infra-estrutura de comunicação e repositório de dados. Cada utilizador é responsável por toda e qualquer actividade que seja efectuada com os recursos informáticos que lhe forem disponibilizados. Os utilizadores devem reportar imediatamente aos responsáveis pelos equipamentos ou serviços, qualquer violação ao regulamento ou à segurança que porventura detectem, seja ela de que tipo for. Artigo VI. Disciplina O não cumprimento de qualquer norma prevista no presente regulamento, regulamentos especiais ou anexos que o compõem pode ser objecto de sanção, adequada à gravidade da falta. A reincidência, ou violações de especial gravidade, ou que indiciem responsabilidade civil ou criminal serão objecto de comunicação, por parte do Serviço que a detecte, ao Órgão de Gestão competente. O Anexo II Sanções, prevê as sanções para faltas de pequena gravidade, de aplicação automática. Artigo VII. Disposições finais Ao presente regulamento estão apensos os seguintes anexos: Anexo I - Regulamentação de serviços e recursos específicos; Anexo II - Sanções; Anexo III Responsabilidades da APEEC/EDJTMM; Anexo IV - Regulamento de atribuição e uso de contas; Anexo V - Regulamento das Sala de Informática; Anexo VI - Regulamento dos Serviços de Impressão; Anexo VII Resumo e declaração de aceitação. A aprovação de regulamentos específicos de recursos ou serviços e sua anexação, bem como a revisão do ANEXO I, ANEXO II, ANEXO III, ANEXO IV, ANEXO V, ANEXO VI e ANEXO VII serão da responsabilidade do órgão de gestão competente.

7 Os casos omissos serão decididos mediante parecer e aprovação do órgão de gestão competente. O Anexo VII Resumo e declaração de aceitação deverá ser apresentado aos utilizadores no acto do seu registo ou da primeira utilização. A APEEC/ESEDJTMM deverá assegurar que todos os utilizadores, discentes e não discentes, tenham acesso a este regulamento, publicitando-o através dos canais apropriados.

8 Anexo I - Regulamentação de serviços e recursos específicos 1.1 Utilizadores: As categorias de utilizadores actualmente previstos na APEEC/ESEDJTMM são as seguintes: 1. Todos os elementos do pessoal (docente e não-docente) da APEEC/ESEDJTMM, seja qual for o tipo de vínculo laboral, enquanto este permanecer; 2. Os alunos, com registo activo no Sistema de Informação da ESEDJTMM, seja qual for o seu grau, proveniência ou período de frequência, incluindo alunos de licenciatura, mestrado, doutoramento, pós-graduação, alunos provenientes de acordos (Erasmus); 3. Pessoal envolvido em projectos de investigação ou com protocolos de colaboração, enquanto possuir registo válido nos serviços da ESEDJTMM e enquanto durar o projecto ou o protocolo, incluindo investigadores, pessoal técnico e administrativo; 4. Antigos alunos, por períodos renováveis e sujeitos a redução de serviço; 5. Professores eméritos, docentes, investigadores e outros funcionários, provenientes dos quadros da APEEC; 6. Outras pessoas, desde que com justificação apropriada, sujeitas a uma apreciação casuística, com os serviços e a duração definida, e mediante autorização expressa do órgão executivo competente; 7. Entidades colectivas, internas à APEEC/ESEDJTMM, ou a ela vinculadas, com responsável identificado e verificável, incluindo direcções de serviços, departamentos, licenciaturas, Associação de Estudantes, Comissões de Curso, organismos culturais ligados à APEEC/ESEDJTMM; 8. Entidades colectivas de duração limitada, desde que com responsável identificado, justificação apropriada, sujeitas a uma apreciação casuística, com os serviços e a duração definida, e mediante autorização expressa do órgão executivo competente; Todo o utilizador necessita de uma conta para ter acesso aos serviços e recursos da APEEC/ESEDJTMM. Entende-se por conta a credencial que permite o acesso a um sistema especifico e que é identificada pelo par username/password. Por omissão, nos sistemas geridos pela APEEC, a conta de um utilizador é idêntica nos diferentes sistemas.

9 1.2 Serviços: Os serviços actualmente disponíveis na APEEC/ESEDJTMM são os seguintes: Utilizador Docentes/Fun Alunos Projectos Antigos alunos Outros cionários Web Total Total Total Restrita Casuística Casuística WebMail Casuística Home Directory Central TCPGATE/VP N Impressão Aplicações informáticas Sala de Informática Rede, no campus (Wireless / fio) Apoio técnico Casuística Não aplicável Casuística Total Total Casuística Não Casuística Quota inicial gratuita/ restante oneroso oneroso oneroso Não aplicável oneroso Total Total Restrita Não aplicável Casuística Total Total Não Não aplicável Casuística Total Total Casuística Não aplicável Casuística Total, nos serviços e equipamentos disponibilizad os pela APEEC Total, para utilização dos serviços disponibilizad os pela APEEC Casuística Casuística Casuística

10 Anexo II Sanções 1. A previsão de sanções visa, em primeiro lugar, evitar e, em segundo, punir comportamentos danosos da segurança e do funcionamento dos recursos, das infraestruturas e sistemas. A reincidência poderá determinar o aumento do grau de penalização. Os graus de penalização previstos apresentam-se na Tabela 1. Grau Grau I Grau II Grau III Medida preventiva/penalização Período de 1 semana sem acesso aos sistemas informáticos Período de 2 semanas sem acesso aos sistemas e possível processo disciplinar Bloqueio do acesso aos sistemas e possível processo disciplinar, comunicação às autoridades (Policia e Tribunais) Tabela 1 - Grau de penalização 2. Serão objecto de aplicação de penalizações os seguintes comportamentos, para além dos que, em geral, constituam uma violação das regras estabelecidas nos presentes regulamentos: Grau I - Abandono de uma área/conta aberta; Instalação ou utilização de software não permitido; Instalação de hardware não autorizado; Alterações ao hardware; Envio abusivo de mensagens de correio electrónico através do sistema informático da APEEC; empréstimo de área/conta; Grau II - Acesso ou tentativa de acesso a informação alheia; Utilização de software com objectivo de captura de informação na rede ou nos sistemas; Interferir com o trabalho de outro utilizador, sem o consentimento deste, seja qual for o motivo; Grau III - Maus-tratos ao equipamento; Desrespeito a funcionários; Apropriação e uso de uma área/conta; Roubo ou tentativa de roubo de equipamento ou consumíveis; Manter em disco ou visualizar informação ofensiva ou obscena; Acção deliberada, tentada ou consumada, para prejudicar o normal funcionamento dos serviços de informática. Utilização dos serviços para causar danos a terceiros. 3. As penalizações de Grau I serão propostas pelo órgão de gestão competente. A existência de indícios fortes da prática de um dos comportamentos que originam penalizações de grau II e III poderá determinar a aplicação imediata das medidas preventivas previstas na tabela. As situações de grau II e grau III, em todo o caso, encaminhadas para o órgão de gestão competente.

11 Anexo III - Responsabilidades da APEEC/ESEDJTMM O Centro de Informática da APEEC procura, no âmbito das suas competências, disponibilizar aos elementos da comunidade académica da ESEDJTMM o acesso aos recursos informáticos e assegurar a sua correcta utilização garantindo, nomeadamente, a segurança dos sistemas e das redes. É da responsabilidade da APEEC a manutenção e gestão dos recursos informáticos afectos ao Centro, assim como das redes de comunicação de dados da APEEC, garantindo a continuidade de operação dos equipamentos, a elevada disponibilidade dos serviços e o respeito pelas normas de segurança, visando o efectivo controlo dos acessos aos diferentes ambientes operacionais bem como a confidencialidade da informação neles contida. Neste contexto, compete à APEEC assegurar a confidencialidade dos dados dos utilizadores nestes sistemas informáticos e na rede, em conformidade com a tecnologia disponível e as necessidades de resolução de problemas, de realização de backups, obtenção de estatísticas, ou outras inerentes às actividades da APEEC e da ESEDJTMM. O armazenamento de dados em meios magnéticos e as comunicações não são completamente seguros. Há limitações, quer de hardware quer de software, que podem comprometer a segurança. A APEEC procura minimizar os riscos mas eles existem. 1. Após ser informado de qualquer problema relacionado com a operacionalidade de um recurso informático da APEEC, é da responsabilidade da APEEC providenciar pela sua resolução no menor período de tempo possível, intervindo directamente ou, no caso do recurso em causa não lhe estar afecto, alertando o respectivo responsável. 2. A APEEC/ESEDJTMM não garante a confidencialidade da informação enviada para as impressoras geridas pelo Centro. Os utilizadores devem procurar levantar as listagens o mais rapidamente possível, dentro do horário afixado para o efeito, no sentido de ser garantida alguma privacidade. As listagens não podem ser reclamadas pelos utilizadores passado um dia após a data da impressão. 4. A APEEC/ESEDJTMM não se responsabiliza pelo eventual desaparecimento de quaisquer listagens enviadas remotamente para as impressoras geridas pelo Centro. 5. Devido a limitações, quer de hardware quer de software, pode ocorrer a destruição da informação ou a avaria de disquetes, de CDs, DVDs, ZIPs, PENs ou de outros meios normalmente usados pelos utilizadores para recuperar ou armazenar informação nos sistemas da APEEC. Não se tratando de erros determinados pela incorrecta configuração efectuada pelo Centro dos equipamentos ou do software, a APEEC não se responsabiliza por estes danos. 6. Para protecção dos ficheiros dos utilizadores, APEEC realiza diariamente backups na área do domínio da rede ligada ao servidor. É necessário reconhecer, no entanto, que em determinadas situações pode não ser possível recuperar a informação. 7. A APEEC poderá, sempre que possível com aviso prévio do utilizador de 24 horas, comprimir ou retirar de disco ficheiros que ocupem espaço excessivo.

12 8. A APEEC poderá alterar a prioridade ou mesmo terminar a execução de qualquer processo de um utilizador que esteja a usar recursos excessivos do sistema e, consequentemente, a degradar gravemente o seu desempenho, prejudicando o trabalho dos restantes utilizadores. Em caso de manifesta urgência este tipo de acção poderá ser tomada sem aviso prévio do utilizador. 9. A APEEC obriga-se a avisar os utilizadores de paragens previsíveis dos sistemas e da rede. 10. Por razões de segurança, a APEEC/ESEDJTMM poderá, de acordo com o previsto no ponto Sanções, cancelar temporariamente, o acesso aos recursos informáticos da APEEC por parte de um utilizador, até obter da parte deste explicações sobre um comportamento anómalo associado ao uso das suas contas. ANEXO IV - Regulamento de atribuição e uso de contas 1. Direitos e deveres na utilização de contas A utilização dos serviços e recursos disponíveis na APEEC/ESEDJTMM necessita da atribuição ao utilizador de uma conta, de um nome de utilizador e de uma palavra passe para o conjunto de serviços a que tem direito de acesso. O utilizador será responsável pela segurança da conta e pela sua utilização, não devendo permitir a sua utilização por terceiros, nem em caso algum lhes dar conhecimento da sua palavra passe. O utilizador tem direito a aceder aos recursos e serviços de informática da APEEC, que incluem: redes de dados e respectivos equipamentos de rede; computadores, servidores e clusters de servidores; impressoras e outros equipamentos; aplicações e recursos informáticos; sala de informática; serviços de apoio técnico e de resolução de problemas nos equipamentos de informática da APEEC. O utilizador deverá nomeadamente: Uma vez atribuída uma palavra-chave de acesso a um recurso informático, modificá-la no primeiro acesso a esse recurso, tendo em vista a segurança dos seus dados; Na escolha de palavras-chave, orientar-se pelas regras básicas de selecção de palavras-chave seguras; Adoptar procedimentos seguros na utilização dos equipamentos.

13 O uso, ou tentativa de uso, não autorizado, ilegítimo ou fraudulento de qualquer recurso informático da APEEC, nomeadamente, computadores, redes, equipamentos periféricos, aplicações ou dados, constitui uma violação ao regulamento de acesso e de utilização dos recursos informáticos da APEEC/ESEDJTMM e é proibido. Os seus autores ficam sujeitos às penalizações previstas. Não é autorizado em sistemas informáticos da APEEC, ou em sistemas externos à APEEC/ESEDJTMM, quando usados através de recursos informáticos da APEEC: Aceder ou ler ficheiros de outros utilizadores, estejam eles protegidos ou não, sem permissão explícita dos próprios. Aceder ou ler ficheiros protegidos dos sistemas, seja qual for o meio usado para o fazer. Fornecer ou tentar fornecer informação ou identificação incorrecta na tentativa de aceder à área de trabalho de outrem. Ler, ou tentar ler, mensagens de correio electrónico alheias. Enviar mensagens de correio electrónico em nome de outrem, ou mensagens de conteúdo ofensivo ou obsceno. Enviar mensagens ou executar programas que provoquem prejuízos na área de trabalho de outrem. Interferir com o trabalho de outro utilizador, seja qual for o meio utilizado para o fazer. Manter em disco, mesmo que temporariamente, ou visualizar, em qualquer equipamento da APEEC, informação ofensiva ou obscena. Usar os recursos informáticos da APEEC/ESEDJTMM para fins que não os relacionados com as actividades da APEEC/ESEDJTMM ou para fins comerciais ou de lazer. Tentar deliberadamente aceder sem autorização, local ou remotamente, a recursos informáticos da APEEC/ESEDJTMM, incluindo equipamentos, redes, aplicações ou dados. Tentar deliberadamente impedir o correcto funcionamento dos recursos informáticos da APEEC/ESEDJTMM ou interferir no seu desempenho. Reproduzir ou divulgar, sem autorização, informação associada aos sistemas informáticos da APEEC/ESEDJTMM, nomeadamente informações do conteúdo total ou parcial de ficheiros de configuração ou obtidas à custa destes. Tentativas de o fazer são igualmente proibidas. Capturar ou tentar capturar, sem autorização da APEEC/ESEDJTMM, quaisquer dados transmitidos através das redes da APEEC/ESEDJTMM. Aceder ou interferir com o normal funcionamento de equipamentos, redes, aplicações ou dados exteriores à APEEC/ESEDJTMM a partir de computadores ou de recursos de comunicação da APEEC/ESEDJTMM, sem autorização prévia para o fazer. Usando endereços da APEEC/ESEDJTMM, enviar mensagens para redes exteriores, nomeadamente para a Internet, que de algum modo violem a normas éticas em vigor nessas redes e possam afectar a reputação da APEEC/ESEDJTMM. Danificar qualquer equipamento, aplicação, infra-estrutura de comunicação e repositório de dados. Cada utilizador é responsável por toda e qualquer actividade que seja efectuada com os recursos informáticos que lhe foram disponibilizados.

14 Os utilizadores são responsáveis pela protecção dos seus ficheiros relativamente à leitura/escrita por outros utilizadores, usando para isso os mecanismos disponíveis no sistema operativo. Os utilizadores devem procurar gerir o espaço em disco, de modo a utilizar o mínimo indispensável, comprimindo ou removendo ficheiros pouco utilizados. A APEEC/ESEDJTMM, ou outros responsáveis pelos equipamentos, reservam-se o direito de limitar o espaço disponível para cada utilizador, de acordo com as s regulamentadas. Um utilizador não deve sobrecarregar os sistemas com a execução de processos a ponto de impedir trabalho útil a outrem. Caso os programas a executar sejam demasiado exigentes em termos de recursos para o sistema atribuído ao utilizador, este deve contactar previamente a APEEC/ESEDJTMM, ou outros responsáveis pelos equipamentos, para que, se possível, lhe sejam facultadas as condições necessárias à execução dos seus programas, minimizando os prejuízos dos restantes utilizadores. O anteriormente exposto aplica-se igualmente aos trabalhos relativos às disciplinas dos cursos. Quando o número de alunos e/ou os programas que estes necessitam de executar sobrecarregam demasiadamente um sistema, é da responsabilidade do docente da disciplina coordenar a execução faseada desses programas, de modo a não impedir o trabalho de outros utilizadores desse sistema. Os utilizadores devem reportar imediatamente á APEEC/ESEDJTMM, ou a outros responsáveis pelos equipamentos, qualquer violação de segurança que porventura detectem, seja ela de que tipo for. Por razões de segurança, a APEEC/ESEDJTMM, reserva-se o direito de suspender temporariamente a autorização de acesso dos utilizadores aos sistemas informáticos, quando estes não a utilizem por períodos de tempo prolongados. A APEEC/ESEDJTMM não se responsabiliza por eventuais perdas de informação que daí possam resultar. 2. Manutenção de Contas Entende-se por conta a credencial que permite o acesso a um sistema específico e que é identificada pelo par username/password. Por omissão, nos sistemas geridos pelo APEEC, a conta de um utilizador é idêntica nos diferentes sistemas. 2.1 Criação de contas As contas para docentes e funcionários serão criadas após os Serviços Administrativos fazerem constar, no sistema informatico, o respectivo registo de colaborador. Todas as contas para novos alunos (licenciatura, mestrado, etc...) serão criadas, automaticamente, no inicio do ano lectivo, pelos serviços administrativos e têm associada uma folha onde constam os códigos de acesso, que, apenas os próprios poderão levantar nos mesmos serviços, ou no local que se entender mais apropriado, mediante documento comprovativo de identificação (Ex: B.I.)

15 Anexo V - Regulamento da Sala de Informática A APEEC dispõe de sala de informática, que devem ser exclusivamente usados no âmbito das actividades da APEEC/ESEDJTMM. Informações sobre a sua localização, horário de funcionamento e ocupação estão disponíveis nas páginas Web e nos serviços administrativos. Estas salas são geridas inloco e mantidas por Técnicos, de quem os utilizadores devem acatar as instruções. A utilização destas salas segue as seguintes regras: 1. Todos os utilizadores devem usar a sala de informática com civismo, sentido de organização e disciplina, e devem ajudar, em todas as circunstâncias, a preservar os equipamentos, a sala e um bom ambiente de trabalho. 2. É obrigatório respeitar o direito de trabalho dos outros utilizadores, evitando fazer barulho, limitando voluntariamente a sessão de trabalho ao mínimo de tempo indispensável, particularmente nos períodos em que a afluência de utilizadores não permite um posto de trabalho para todos, e ajudando a manter a sala limpa e arrumada, não deixando lixo em cima das mesas ou no chão e não alterando a posição quer dos equipamentos quer do mobiliário. 3. A utilização de recursos nas salas de informática é prioritária para execução de trabalhos no âmbito das actividades da ESEDJTMM, tendo os utilizadores a obrigação de ceder, imediatamente, o posto, ocupado para outros fins, se não houver mais recursos livres. 4. Em nenhuma circunstância é permitido fumar, comer ou beber na sala de informática. 5. Normalmente são permitidos até dois utilizadores por posto de trabalho, excepto se não prejudicar o normal funcionamento da sala. 6. Sem autorização específica, nenhum utilizador poderá retirar das salas de informática qualquer recurso informático, ou mobiliário, seja de que tipo for. 7. Os utilizadores não devem, sem autorização específica, mudar ou tentar mudar a configuração de hardware ou de software dos equipamentos informáticos. 8. Sem autorização específica nenhum utilizador pode ligar, seja por que meio for, equipamentos próprios a equipamentos da sala de informática da APEEC. 9. Não está autorizada a ligação de portáteis ou quaisquer outros equipamentos próprios aos pontos de acesso à rede que estejam a ser utilizados por equipamentos da APEEC. 10. Caso um equipamento não esteja a funcionar correctamente é obrigação do utilizador avisar os técnicos responsáveis pelo funcionamento da sala de informática, ou os serviços administrativos. 11. Em todas as ocasiões, qualquer utilizador que verifique existir um uso inadequado dos equipamentos tem o dever de, em primeiro lugar, corrigir a situação, e caso

16 necessário pedir a presença dos Técnicos responsáveis pelo funcionamento da sala de informática ou outro pessoal dos serviços administrativos. 12. Os Técnicos, devidamente identificados, podem solicitar a identificação em qualquer altura e a qualquer utilizador de uma sala de informática. 13. A sala de informática pode dispor, por razões de segurança, de sistemas de vigilância vídeo, sendo o acesso e utilização do sistema registados. 14. É proibido deixar computadores com a área de trabalho aberta sem o detentor desta área estar presente, por mais de 10 minutos. Após este período de tempo qualquer utilizador tem direito de encerrar a sessão de trabalho desse computador e iniciar a sua sessão de trabalho. Aos utilizadores que deixarem as áreas abertas serão aplicadas as sanções previstas. 15. Sempre que o número de utilizadores na sala de informática atinja o número máximo possível, o Técnico poderá impedir o acesso à sala tendo os potenciais utilizadores que aguardar vaga fora da sala. 16. Os sistemas da sala de informática são repostos diariamente sendo, nesta operação, eliminada toda a informação presente nas diferentes áreas de armazenamento, cabendo ao utilizador a responsabilidade pela cópia da informação produzida para a sua área de trabalho. 17. Os computadores da sala de informática podem possuir áreas partilhadas, com permissões de acesso total, com o objectivo de possibilitar a troca de informação entre computadores. A informação colocada nestas áreas é da responsabilidade do próprio utilizador. 18. É da responsabilidade do utilizador fazer cópias de segurança regulares da informação, não sendo imputada qualquer responsabilidade à APEEC/ESEDJTMM, ou quaisquer outros Serviços, em situações de perda de trabalho provocada por situações inesperadas. 19. Os utilizadores podem solicitar apoio ao Técnico que presta apoio à sala. A este não será possível imputar qualquer responsabilidade por perda de trabalho provocada por mau funcionamento do equipamento, por mau funcionamento das unidades de armazenamento do próprio utilizador, ou por más práticas deste. 20. Só é possível o acesso à sala de informática sempre que a mesma não se encontre em actividades lectivas, ou outras devidamente programadas pela APEEC/ESEDJTMM. 21. O horário de funcionamento da sala de informática será devidamente afixado, bem como os períodos em que estejam a decorrer actividades oficiais (lectivas ou outras). 22. A todos os equipamentos informáticos existentes nas salas de aulas, biblioteca e sala dos professores aplica-se este regulamento. 23. O acesso aos equipamentos das salas de aulas e sala dos professores por parte dos elementos previstos no Artigo II do presente regulamento exceptuando o corpo docente,

17 só pode ser efectuado se devidamente autorizado pela entidade gestora, ou acompanhados por um docente. 24. No âmbito do número anterior o docente é responsável por tudo o que ocorrer com os equipamentos informáticos. 25. Os docentes sempre que se encontrem em actividades lectivas e durante o período das mesmas são responsáveis pelos equipamentos informáticos que as salas onde decorrem as actividades possuam. 26. O acesso a todos os equipamentos enquadrados pelo presente regulamento e no âmbito do Artigo II exceptuando o corpo docente, é pago. O valor a pagar é definido e publicado juntamente com a tabela de emolumentos da ESEDJTMM. Anexo VI - Regulamento dos Serviços de Impressão 1. A utilização dos serviços de impressão da APEEC/ESEDJTMM está sujeita ao Regulamento de Acesso e de utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM. 2. O serviço de impressão está sujeito a pagamento. 3. O valor a pagar por impressão é definido e publicado juntamente com a tabela de emolumentos da ESEDJTMM. 4. Ao estabelecido no Anexo II do Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM exceptua-se o corpo docente. 5. Eventuais reclamações relativas aos registos de impressão na página do utilizador só serão aceites se as impressões em apreço tiverem sido efectuadas há menos de 2 dias. 6. A APEEC/ESEDJTMM não se responsabiliza por listagens que tenham sido levantadas por outros utilizadores que não o próprio.

18 Anexo VII Resumo e declaração de aceitação do Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM Resumo e declaração de aceitação do Regulamento de Acesso e de Utilização dos Recursos Informáticos da APEEC/ESEDJTMM O acesso e utilização dos recursos informáticos da APEEC rege-se pelos princípios que a seguir se enunciam. O utilizador tem direito a aceder aos recursos e serviços de informática da APEEC, que incluem: redes de dados e respectivos equipamentos de rede; computadores, servidores e clusters de servidores; impressoras e outros equipamentos; aplicações e recursos informáticos; salas e laboratórios de informática; serviços de apoio técnico e de resolução de problemas nos equipamentos de informática. - Os recursos devem ser usados: principalmente para actividades do âmbito da missão da APEEC/ESEDJTMM, de ensino e investigação. A utilização para fins exclusivamente pessoais deve respeitar os limites razoáveis. apenas por aqueles que a eles têm legítimo direito de acesso e autorização e que se comprometam a aceitar e cumprir os presentes regulamentos; recorrendo apenas a meios legais e legítimos; responsavelmente, com parcimónia e respeitando as normas de segurança informática; respeitando as normas de ética social e do respeito dos direitos e liberdades individuais, nomeadamente da reserva da vida privada; respeitando os limites razoáveis. - Os recursos não podem ser usados, entre outras situações, para: actividades ofensivas da dignidade de terceiros; actividades comerciais;

19 actividades ilegais (quer concretizadas quer tentadas); actividades ilegítimas ou que de alguma forma possam afectar o bom nome da APEEC/ESEDJTMM. O uso dos recursos informáticos da APEEC é registado. O desrespeito pelo presente regulamento pode ser motivo de aplicação de sanções. A primeira utilização de qualquer equipamento ou serviço constitui declaração de conhecimento e aceitação do presente regulamento.

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Espaço Internet de Moura define-se como um local destinado aos cidadãos que pretendam utilizar

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa e Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa Capitulo I Da Biblioteca Professor Morais Barbosa Artigo 1.º Missão: A Biblioteca Professor Morais Barbosa (BPMB) tem por missão organizar, tratar,

Leia mais

TP.100. Política de Segurança da Informação

TP.100. Política de Segurança da Informação Manual do utilizador TP.100 Política de Segurança da Informação Órgão: Versão: 1.0 Data inicial: 2006/05/25 Última alteração: 2006/05/25 (referência) 2/8 Índice de conteúdos 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- INFORMAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA 1. FUNDOS BIBLIOGRÁFICOS Os fundos disponíveis na Biblioteca têm classificações diferenciadas e estão sujeitos a condições

Leia mais

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático Ano lectivo 2009/2010 Áreas de trabalho individualizadas A utilização dos computadores

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE

CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE CONDIÇÕES GERAIS DA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS ONLINE Os serviços online que o Município de Aveiro disponibiliza através da Internet aos utilizadores estabelecem relações com a Câmara Municipal de Aveiro,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1 Preâmbulo O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas (CEDOPORMAR),

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova

Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A- Regulamento do Espaço Internet de Condeixa-a-Nova Preâmbulo A Câmara Municipal de Condeixa-a-Nova constituiu um Espaço Internet no município, ao abrigo do programa operacional

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito)

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviços de Acção Social Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) 1. O objectivo dos Laboratórios

Leia mais

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição:

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Uma subscrição de um espaço web da One.com oferece acesso aos servidores

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK

REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK REGULAMENTO DA INCUBADORA DO TAGUSPARK Data: Outubro de 2013 PARTE I Aspectos Gerais Artigo 1º (Âmbito) No presente regulamento definem-se os procedimentos de funcionamento da Incubadora do Taguspark,

Leia mais

Políticas de utilização dos laboratórios de informática

Políticas de utilização dos laboratórios de informática FACULDADE VALE DO SALGADO ICÓ CEARÁ Missão: Formar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento do país, embasados na responsabilidade social e na ética, visando o bem estar e a qualidade

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se à utilização dos recursos informáticos e audiovisuais disponibilizados na BMFC. 2. Entende-se por recursos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

1) Termos e Condições

1) Termos e Condições 1) Termos e Condições Termos e Condições Plataforma Compras Públicas A informação contida nesta área regula o uso da presente página de Internet www.compraspublicas.com e de todo o seu conteúdo. Recomenda-se

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento -

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA. - Normas de Funcionamento - BIBLIOTECA MUNICIPAL DE NISA - Normas de Funcionamento - 1º - Definição A Biblioteca Municipal de Nisa é um equipamento cultural da Câmara Municipal de Nisa, estando ao dispor de toda a população, sem

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO AVISO AO UTILIZADOR Leia cuidadosamente este contrato. O acesso e uso desta plataforma implica, da sua parte uma aceitação expressa e sem reservas de todos os termos

Leia mais

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE

Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE Condições Gerais de Garantias, RMA e Tempos de Prestação de Serviços (SLA) WALLFUTURE GARANTIA WALLFUTURE 1 Descrição das Garantias WALLFUTURE 1.1 A Garantia WALLFUTURE destina-se a repor a normalidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO

LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO LABORATÓRIO DE ARTE DIGITAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU REGULAMENTO Artigo 1º (Definição) O Laboratório de ArteDigital adiante designado por LAD, é um dos laboratórios adstritos à Área Científica

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A.

TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. TERMOS E CONDIÇÕES Nutri Ventures Corporation, S.A. O presente documento regula a utilização do sítio de Internet http://www.nutri-ventures.com/ e respectivas subpáginas (doravante, o Sítio de Internet

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM 1. Objeto, Âmbito e Finalidade Este documento define as regras gerais de utilização do Portal ZOOM, cuja propriedade e administração compete à CASES COOPERATIVA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

Regulamento de Utilização das salas de Informática

Regulamento de Utilização das salas de Informática Agrupamento de Escolas de Cuba EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA - CUBA 2008/2009 Regulamento de Utilização das salas de Informática REGULAMENTO Utilização das Salas de Informática Este regulamento aplica-se a

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta

Leia mais

Adesão ao Serviço MB WAY

Adesão ao Serviço MB WAY Adesão ao Serviço MB WAY 1) Objecto Pelo presente contrato, o Banco Santander Totta SA obriga-se a prestar ao Utilizador o Serviço MB WAY, nas condições e termos regulados nas cláusulas seguintes, e o

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática. Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização das

UIFCUL. Unidade de Informática. Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização das UIFCUL Unidade de Informática Universidade de Lisboa Infraestruturas de Comunicação da FCUL (Rede de Dados wired, wireless e sistema VoIP) Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável

Leia mais

Regulamento da Acção Promocional Ganhe 250 para tratamentos dentários por semana

Regulamento da Acção Promocional Ganhe 250 para tratamentos dentários por semana Regulamento da Acção Promocional Ganhe 250 para tratamentos dentários por semana 1- Entidade responsável e objecto da promoção A COLGATE-PALMOLIVE UNIPESSOAL, LDA., com sede no Lagoas Park, Edifício 15,

Leia mais

1.1. O objectivo do presente passatempo, a ser realizado pela marca Roger&Gallet Portugal na rede social Facebook, é promover os produtos marca.

1.1. O objectivo do presente passatempo, a ser realizado pela marca Roger&Gallet Portugal na rede social Facebook, é promover os produtos marca. REGULAMENTO DO PASSATEMPO PEQUENOS PRAZERES, GRANDES FRAGRÂNCIAS A L ORÉAL PORTUGAL UNIPESSOAL, Lda., pessoa colectiva n.º 500250839, com sede na Rua Dr. António Loureiro Borges, 7, Arquiparque, Miraflores,

Leia mais

Política de Utilização Aceitável (PUA)

Política de Utilização Aceitável (PUA) Política de Utilização Aceitável (PUA) HOST TUGATECH Host TugaTech HOST.TUGATECH.COM.PT HOST@TUGATECH.COM.PT A Política de Utilização Aceitável (PUA) do Host TugaTech é disponibilizada com o objetivo de

Leia mais

2. Duração do Passatempo O Passatempo Ainda se Lembra decorre de 4 de Novembro de 2013 a 1 de Dezembro de 2013 (inclusive).

2. Duração do Passatempo O Passatempo Ainda se Lembra decorre de 4 de Novembro de 2013 a 1 de Dezembro de 2013 (inclusive). 1.Passatempo Ainda se Lembra O promotor da presente promoção é a Mundicenter II Gestão de Espaços Comerciais, S.A., com sede no Spacio Shoppig, Rua Cidade de Bolama, Nº4 1800-079 Lisboa Portugal, doravante

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO. 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt.

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO. 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt. 1.1. As presentes Condições Gerais de Utilização (doravante Condições Gerais ), regulam a utilização da página

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES Nota Justificativa A aposta do Município de Guimarães nas novas tecnologias de informação, tem sido uma

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

I. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso do Portal

I. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso do Portal O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso e publicação de informações no Portal do Governo, Portal do Cidadão e Portal dos Ministérios, utilizando recursos e serviços do Portal Administrativo.

Leia mais

Parecer N. 02/P/2011/GPDP

Parecer N. 02/P/2011/GPDP Parecer N. 02/P/2011/GPDP Assunto: Criação do sistema de consulta online do Título de Identificação de Trabalhador Não-Residente (TI/TNR) pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública O Corpo de Polícia de

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE A BIDDING LEILÕES, Lda., adiante designada e identificada, apenas por Bidding Leilões, sujeita a sua atividade leiloeira online, aos Termos e Condições Negociais

Leia mais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Preâmbulo O presente regulamento visa proporcionar um enquadramento normativo adequado à disponibilização das infra-estruturas e

Leia mais

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA

Parte F REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA REGULAMENTOS SOBRE A UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTA À DISTÂNCIA Termos utilizados nos Regulamentos: Utilizador o Cliente que solicitou ou utiliza o Sistema de Gestão de Conta à

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 2011 / 2012 REGULAMENTO SALA 25 (TIC) A Sala 25 (Sala TIC) destina-se preferencialmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Política WHOIS do Nome de Domínio.eu

Política WHOIS do Nome de Domínio.eu Política WHOIS do Nome de Domínio.eu 1/7 DEFINIÇÕES Os termos definidos nos Termos e Condições e/ou nas Normas de Resolução de Litígios do domínio.eu são utilizados no presente documento em maiúsculas.

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

Regulamento do Provedor do Estudante do ISPAJ. Aprovado para Conselho de Direcção aos 9 de Julho de 2015

Regulamento do Provedor do Estudante do ISPAJ. Aprovado para Conselho de Direcção aos 9 de Julho de 2015 Regulamento do Provedor do Estudante do ISPAJ Versão aprovada em Conselho de Direcção no dia 9 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Provedor do Estudante do ISPAJ Data 09/06/2015 Conselho de Direcção

Leia mais

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS)

Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Regulamento de Utilização do Serviço de Documentação e Informação Arquitectónica e Artística da Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS) Este Regulamento aplica-se a todos os utilizadores do Serviço

Leia mais

Regulamento de utilização da Biblioteca

Regulamento de utilização da Biblioteca Regulamento de utilização da Biblioteca REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DA BIBLIOTECA A Biblioteca do atmosfera m é um local dedicado à leitura e consulta de documentos e constitui uma das valências que o Montepio

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de rastreio e

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1. Preâmbulo REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E UTILIZAÇÃO DO CENTRO MUNICIPAL DE JUVENTUDE /CENTRO DE ACTIVIDADES 1 Preâmbulo O Centro Municipal de Juventude/Centro de Actividades de Vila do Conde é uma extensão do Centro

Leia mais

REGULAMENTO PASSATEMPO M&M s MEGA DE M&M s PORTUGAL

REGULAMENTO PASSATEMPO M&M s MEGA DE M&M s PORTUGAL REGULAMENTO PASSATEMPO M&M s MEGA DE M&M s PORTUGAL 1. Descrição do Passatempo a. O Passatempo M&M s MEGA é promovido pela empresa Mars Portugal, Inc., doravante designada por Promotor e obedecerá às condições

Leia mais

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ATENDIMENTO AO LEITOR SEMANÁRIO SOL Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ou ligue 210 434 000 Horário de Atendimento

Leia mais

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning

REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning REGULAMENTO Formação pós-graduada em modalidade de e-learning Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 3.1 (José João Amoreira) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente Regulamento de Bolsas de Estudo

Leia mais

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade Site CML 1. Termos e Condições de Utilização O uso por todo e qualquer utilizador deste sítio será regulado pelos presentes Termos e Condições,

Leia mais

Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática. Regras de utilização da Rede do DEI AUP (Acceptable Use Policy)

Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática. Regras de utilização da Rede do DEI AUP (Acceptable Use Policy) Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Regras de utilização da Rede do DEI AUP (Acceptable Use Policy) Introdução A Rede do Departamento de Engenharia Informática da FCTUC (DEI)

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe Condições de utilização para a MediaPedia 1 Generalidades/definições 1. A MediaPedia é um serviço que permite a publicação gratuita na plataforma de informação MediaPedia, bem como o acesso a contribuições

Leia mais

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com

João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 30 de Junho de 2010 João Gonçalves de Assunção joao.g.assuncao@abreuadvogados.com 1 LOCAL : AB - PORTO DATA : 01-07-2010 CIBERCRIME Lei 109/2009, de 15 de Setembro Disposições penais materiais: Falsidade

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DO CONCELHO DE REGUENGOS DE MONSARAZ Reguengos de Monsaraz, 21 de Dezembro de 2008 Apartado

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO A globalização das trocas comerciais, que no caso particular

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Capitulo I Âmbito e Estrutura Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento do Fórum Municipal da Juventude, adiante também designado apenas por Regulamento,

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Acordo de alojamento de servidor

Acordo de alojamento de servidor Acordo de alojamento de servidor Estabelecido entre o Centro de Informática do Instituto Superior Técnico e Docente /Instituto / Secção Março de 2006 Acordo de alojamento de servidor entre o Centro de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Termos e Condições Gerais para utilizadores (desde setembro de 2015)

Termos e Condições Gerais para utilizadores (desde setembro de 2015) Termos e Condições Gerais para utilizadores (desde setembro de 2015) Estes Termos e Condições Gerais a seguir designados "TCG" regem os direitos e obrigações do utilizador no uso do website da Matool AG

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais