SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO FLAVIO RODRIGUES SILVA LAVRAS MINAS GERAIS BRASIL 2008

2 FLAVIO RODRIGUES SILVA SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Produção de Software Livre, para a obtenção do título de especialização. Orientadora Professora Ângela Maria Alves LAVRAS MINAS GERAIS BRASIL

3 FLAVIO RODRIGUES SILVA SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Produção de Software Livre, para a obtenção do título de especialização. APROVADA em de de. Prof. Prof. Prof. UFLA (Orientador) LAVRAS MINAS GERAIS BRASIL

4 Dedico este trabalho a toda minha família que me sempre me apoiou e sempre se orgulhou de mim. Aos meus amigos que me ensinaram o caminho do Rock and Roll. 4

5 Agradecimentos Em primeiro lugar quero agradecer o Carpinteiro do Universo, que sempre me guiou pelo caminho da Luz. A minha orientadora, Professora Ângela Maria Alves, que transmitiu segurança ao meu grupo de estudos ao longo do desenvolvimento do trabalho. Aos professores da pós-graduação da turma PSL207/UFLA que me mostraram outros horizontes no mundo do software livre. E a todos os meus grandes amigos Fernando, Saulo, Sérgio e Sandro que contribuíram demais neste projeto e me guiaram ao longo do curso de pós-graduação. 5

6 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO SOFTWARE LIVRE, CÓDIGO ABERTO E SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO História do Software Livre Software Livre e Código Aberto Software Público SOFTWARE INVESALIUS Um pouco de história: Quem foi Vesalius? Sobre o Software InVesalius Objetivos e Funcionalidades do Software InVesalius DICOM e PACS DICOM PACS DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO Ferramentas necessárias para a criação das Janelas Plataforma Python wxpython Boa Constructor Prototipagem das Janelas Janela do ponto DICOM receptor Janela do ponto DICOM transmissão Janela do ponto DICOM importar busca CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO A ANEXO B

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Logo da Free Software Foundation Figura 2. Logo do Movimento Open Source Figura 3. Andréas Vesalius Figura 4. Software InVesalius Figura 5. Equipamentos que compõem o PACS Figura 6. Esboço do esquema dos Cliente-Servidor PACS Figura 7. Plataforma Python Figura 8. wxpython Figura 9. Boa-Constructor - IDE Python Figura 10. Janela ponto DICOM receptor Documentada Figura 11. Prototipagem da Janela ponto DICOM receptor Figura 12. Janela ponto DICOM transmissão Documentada Figura 13. Prototipagem da Janela ponto DICOM transmissão Figura 14. Janela ponto DICOM importar Documentada Figura 15. Prototipagem da Janela ponto DICOM importar

8 Sistema de importação de dados de clínicas radiológicas para o projeto InVesalius: Desenvolvendo a Camada de Apresentação Flávio Rodrigues Silva Departamento de Ciência e Computação Universidade Federal de Lavras (UFLA) Caixa Postal Lavras MG Brasil Abstract. This paper describes the development of the presentation layer of the module "point DICOM" project implemented in InVesalius free software. Resumo. Esta monografia descreve o desenvolvimento da camada de apresentação do módulo "ponto DICOM" implementado no projeto de software livre InVesalius. Introdução Com o objetivo de desenvolver um projeto de software livre, reuniu-se uma equipe de alunos da UFLA, através da orientadora professora Ângela Maria Alves e foi realizado um contato com um dos responsáveis pelo portal do Software Público Brasileiro (SPB), Corinto Meffe. Uma lista de projetos que precisavam de colaboração foi enviada para o grupo, desta lista os alunos da UFLA escolheram o projeto InVesalius, um Software Livre e Público, atualmente desenvolvido e mantido pelo Centro Tecnológico de Informação CTI. Dentro das propostas do InVesalius havia 3 demandas de desenvolvimento da qual escolhemos o: SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS. O projeto consiste na criação de um módulo para o InVesalius que adicionará a funcionalidade de importar imagens diretamente de servidores PACS. Esse documento tem como objetivo descrever o desenvolvimento da camada de apresentação do módulo ponto DICOM. Esta monografia está estruturada na seguinte forma: 8

9 Capítulo 1 Software Livre, Código Livre e Software Público Brasileiro: o objetivo deste capítulo é mostrar os conceitos básicos de cada um. Capítulo 2 Software InVesalius: o objetivo deste capítulo é descrever qual é a finalidade dessa ferramenta. Capítulo 3 Dicom e Pacs: citar de uma maneira geral os conceitos de DICOM e PACS. Capítulo 4 Desenvolvendo a camada de apresentação: o objetivo é dar uma introdução a plataforma Python e as bibliotecas usadas no desenvolvimento do software InVesalius e prototipagem das janelas camada de apresentação. Por fim serão apresentadas as conclusões do trabalho. 1. SOFTWARE LIVRE, CÓDIGO ABERTO E SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Software Livre é qualquer programa produzido, que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído com algumas restrições (GNU, 2008), segundo a definição da Free Software Foundation (FSF). Por mais que estes softwares tenham sucesso, eles geralmente são produzidos não profissional através de ferramentas simples. É justamente a percepção informal que faz o sucesso destes softwares, como é o caso do Python, PHP, Apache, Ubuntu Linux dentre outras ferramentas. Entretanto, para ser considerado software livre, é necessário que existam determinadas liberdades : - De executar o programa; - De modificar o programa; - De distribuir livremente o programa original; - De distribuir cópias da versão modificada. 1.1 História do Software Livre A história do software livre tem início com o sistema operacional Unix, pois era um sistema que usufruía do conceito de portabilidade, possibilitando o uso por diversas arquiteturas de computadores. E baseado nesses conceitos, os softwares livres foram produzidos com muito êxito. Em 1975 foi fundada a FSF por Richard Stalman, com o objetivo de criar um sistema operacional completamente livre. Porém, para que esta liberdade fosse garantida, foi preciso criar a GNU GPL, ou seja, a licença de software livre (a qual é a mais utilizada atualmente). A formulação da GPL ao invés de limitar a distribuição do software por ela protegido, impede que este software seja integrado em software proprietário. Já em 1991, Linnus Torvalds, quando ainda era um estudante, começou a desenvolver um núcleo de sistema operacional o Linux. Para que este software fosse desenvolvido, Linnus convidou desenvolvedores a fim de ajudá-lo a pôr o Sistema Operacional em prática e torná-lo uma realidade. O impasse principal foi à constatação 9

10 de que construir um sistema operacional seria uma tarefa difícil de ser concluída a partir do uso de um software com o código fonte fechado. Sendo assim, Linnus prontificou-se a criar um sistema operacional com o código aberto a fim de ser aperfeiçoado através de contribuições de colaboradores com o objetivo de aperfeiçoar e corrigir defeitos. Comunidade de software livre ou Open Source é a denominação do grupo de colaboradores ( ou interessados) em desenvolver softwares livres. As características mais importantes dos colaboradores são: tem como objetico desenvolver um software para ser redistribuído livremente; desenvolve software com excelência técnica, modularidade, reuso, portabilidade e observância a padrões publicados; com a Internet, não há distância geográfica entre eles e os projetos de software. Os softwares livres se apóiam uns nos outros, incentivando, desta forma, a interação dos mesmos. E o sucesso do sistema operacional Linux, deu-se ao uso da licença GPL escolhida, garantindo a preservação do trabalho contribuído. Diante do exposto nessa introdução, podemos afirmar que o software livre e Código Aberto estão evoluindo cada vez mais, trazendo inúmeras contribuições à sociedade mundial. 1.2 Software Livre e Código Aberto Os defensores do software livre argumentam que a liberdade é valiosa não só do ponto de vista técnico, mas também sob a ótica da moral e ética. Esse movimento é encabeçado Free Software Foundation (Figura 1). Figura 1. Free Software Foundation Os defensores do código aberto ou open source (Figura 2) argumentam a respeito das virtudes pragmáticas do software livre ao invés das questões morais. Esse movimento é encabeçado pela OSI - Open Systems Interconnection. Figura 2. Movimento Open Source A discordância básica dos movimentos está no discurso. Enquanto o foco do movimento encabeçado pela FSF chama a atenção para valores morais, éticos, direitos e liberdade o movimento encabeçado pela OSI defende um discurso mais agradável às empresas. Por este fato, o movimento de software livre condena o uso e desenvolvimento de software proprietário, enquanto o movimento de código aberto é conivente com o desenvolvimento de software proprietário. 10

11 As definições oficiais de software livre e de código aberto são praticamente as mesmas, porém escritas de formas distintas. E partindo deste princípio todo software de código aberto é também software livre. O movimento software livre não costuma tomar uma posição sobre trabalhos que não sejam software e documentação dos mesmos, mas alguns defensores do software livre acreditam que outros trabalhos que servem um propósito prático também devem ser livres. Para o movimento do software livre, que é um movimento social, não é ético aprisionar conhecimento científico, que deve estar sempre disponível, para assim permitir a evolução da humanidade. Já o movimento pelo código aberto, que é um movimento mais voltado ao mercado, prega que o software desse tipo traz diversas vantagens técnicas e econômicas. Ou seja, o movimento do Código Aberto surgiu para levar as empresas a adotarem o modelo de desenvolvimento de software livre. E como a diferença entre os movimentos "software livre" e "Código Aberto" está apenas na argumentação em prol dos mesmos softwares, é comum que esses grupos se unam em diversas situações. 1.3 Software Público O conceito do Software Público Brasileiro - SPB é utilizado como um dos alicerces para definir a política de uso e desenvolvimento de software pelo setor público no Brasil. Tal política compreende a relação entre os entes públicos, em todas as unidades da federação e demais esferas de poder, e destes com as empresas e a sociedade. A idéia para estruturação de um portal de soluções livres surgiu no ano de 1995 em função de uma proposta feita pela ABEP - Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação, durante um encontro entre a diretoria executiva da entidade e o Conselho Nacional de Secretários de Administração (Consad). Inicialmente a proposta da ABEP tinha como principal objetivo o compartilhamento de soluções entre as instituições públicas, em particular as instituições de informática pública. Com a experiência do sistema de inventário CACIC, disponibilizado pela Dataprev, sob a Licença Pública Geral-GPL, a visão deste compartilhamento foi ampliada para toda sociedade. A iniciativa do Portal do Software Público Brasileiro facilita a implantação de novas ferramentas nos diversos setores administrativos dos estados, promove a integração entre as unidades federativas e oferece um conjunto de serviços públicos para sociedade com base no bem software. 2. SOFTWARE INVESALIUS 2.1 Um pouco de história: Quem foi Vesalius? O nome do software, InVesalius, é uma homenagem ao médico belga Andreas Vesalius (Figura 3), que nasceu em Bruxelas a 31 de dezembro de Os conhecimentos de anatomia e fisiologia da época limitavam-se às descobertas feitas na Antigüidade, baseadas na dissecação de animais. A ausência de aulas práticas de anatomia na 11

12 Universidade de Paris o levou a freqüentar cemitérios em busca de ossadas de criminosos executados e vítimas de praga. Graduou-se doutor em Medicina pela Universidade de Pádua, na Itália, e em 1538 publicou seu primeiro trabalho, as Tabulae Sex, um conjunto de seis desenhos de anatomia feitos por ele mesmo. Figura 3. Andréas Vesalius A obra máxima de Andréas Vesalius, De Humani Corporis Fabrica, foi concluída em 1543, após inúmeras dissecações de cadáveres humanos. Dividida em sete partes ossos, músculos, sistema circulatório, sistema nervoso, abdômen, tórax e cérebro, o atlas traz magníficas ilustrações das estruturas do corpo e representa o marco inicial da anatomia moderna. Vesalius morreu em 1564, provavelmente em um naufrágio, na volta de uma peregrinação à Terra Santa. É considerado o pai da anatomia moderna. 2.2 Sobre o Software InVesalius InVesalius é um software público que busca revolucionar os procedimentos cirúrgicos em hospitais brasileiros. A partir de imagens bidimensionais (no formato DICOM) de equipamentos de Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética, o programa permite criar modelos virtuais tridimensionais de estruturas anatômicas, fornecendo ao cirurgião uma visão mais clara da situação clínica de seu paciente. Desenvolvido desde julho de 2001 no contexto do projeto ProMED (Prototipagem Rápida na Medicina), sob responsabilidade da Divisão para Desenvolvimento do Produto (DDP) do Centro de Pesquisas Renato Archer (CenPRA), o programa tem sido amplamente empregado por cirurgiões e hospitais brasileiros desde Entretanto, apenas em agosto de 2007 o software aderiu ao conceito de Software Público, obtendo dentre muitas vantagens a possibilidade de se ter uma excelente infraestrutura de desenvolvimento e de suporte - o Portal do Software Público. O software InVesalius (Figura 4)permite criar, a partir de imagens médicas tomográficas, modelos virtuais e até mesmo réplicas tridimensionais em tamanho natural de estruturas anatômicas como crânios, mandíbulas e sistemas vasculares, através da técnica de prototipagem rápida. 12

13 A metodologia proposta é resultado da estreita colaboração entre engenharia e medicina, tendo nascido da convergência das tecnologias de aquisição de imagens médicas, computação gráfica e prototipagem rápida. Tanto o modelo virtual gerado pelo software como o modelo real obtido através da aplicação de prototipagem possibilitam planejar e simular intervenções cirúrgicas, a fim de se modelar implantes exclusivos para cada paciente, de acordo com suas características individuais. Figura 4. Software InVesalius Os protótipos são gerados com base nos dados obtidos em exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética. As imagens são processadas pelo software, que reconstrói computacionalmente um modelo tridimensional da estrutura de interesse. Este volume é então transformado em um modelo físico preciso e detalhado por meio da prototipagem rápida. Embora seja relativamente nova na área médica, a técnica de biomodelagem vem demonstrando ótimos resultados no planejamento de cirurgias complexas, principalmente as bucomaxilofaciais e de reconstrução craniofacial. Além da Medicina, o software InVesalius está sendo aplicado em outras áreas, como: antrolopologia; paleontologia e veterinária. 2.3 Objetivos e Funcionalidades do Software InVesalius O Software InVesalius tem como objetivo: auxiliar no diagnóstico e planejamento cirúrgico; auxiliar no ensino de medicina, odontologia, veterinária, paleontologia; oferecer ferramentas de computação gráfica e processamento de imagens de modo acessível a profissionais da área de saúde. As principais funcionalidades suportadas são: reconstrução tridimensional de imagens médicas bidimensionais no formato DICOM; visualização bi e tridimensional dos dados; simulação de câmera endoscópica; segmentação de estruturas de interesse; geração de malha STL usada para prototipagem rápida, a fim de fazer reconstruções físicas. 13

14 3. DICOM e PACS 3.1 DICOM DICOM (Digital Imaging Communications in Medicine) ou comunicação de imagens digitais em medicina é um conjunto de normas para tratamento, armazenamento e transmissão de informação médica (imagens médicas) em um formato eletrônico, estruturando um protocolo. As dificuldades de se criar um padrão estão no seu planejamento e desenvolvimento, o que envolve os interesses das empresas. A padronização só será eficiente se os usuários forem beneficiados com as mudanças feitas e se for amplamente utilizado. Grande parte do tempo é perdida nas negociações. O sistema DICOM vem sendo desenvolvido há uma década, e, só agora está sendo posto em funcionamento. O sistema DICOM foi desenvolvido pela indústria de imagem, representada por membros do NEMA (National Electric Manufacturers Association dos EUA) e pela comunidade de usuários de imagens médicas, como o American College of Radiology, o American College of Cardiology e o European Society of Cardiolgy. Atualmente existe o DICOM Standars Committee formado pelas companhias que geram as imagens e representantes de grandes sociedades médicas. O comitê se reúne três vezes por ano e discute as mudanças necessárias para o sistema, bem como a utilização do padrão em outras áreas da medicina. DICOM é a terceira versão do padrão de imagens, pois já existiam o ACR/NEMA 1.0 e 2.0 que foram desenvolvidos em meados da década de 80. A tendência é que, no futuro, esse sistema seja amplamente utilizado no mundo e para isso alguns grupos presentes na Europa, Ásia e América tentam difundir a utilização do sistema dentro dos países. 3.2 PACS Com o surgimento da Tomografia Computadorizada no inicio dos anos 70 iniciou-se o uso de imagens digitais no diagnóstico. Conseqüentemente, um Sistema de Informação Hospitalar (SIH) contém um grande conjunto de informações digitais, as quais incluem dados financeiros, gerenciais, informações de paciente. Devido ao tipo de tecnologia empregada, as imagens médicas são consideradas como um sistema à parte, e são organizadas em um sistema de transmissão e arquivamento de imagens médicas chamado PACS (Figura 5). O PACS é um sistema que proporciona o armazenamento e comunicação de imagens geradas por equipamentos médicos que trabalham com imagens originadas em equipamento de Raio-X, Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Ultrassonografia, Mamografia, Endoscopia, etc., de uma forma normalizada possibilitando que as informações dos pacientes e suas respectivas imagens digitalizadas e, armazenadas em mídia eletrônica sejam compartilhadas e visualizadas em monitores de alta resolução, distribuídos em locais fisicamente distintos. 14

15 Figura 5 - Equipamentos que compõem o PACS Os principais elementos a serem observados na estrutura do PACS são: Dispositivos de entrada (Raio-X, Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Ultrassonografia, Mamografia, Endoscopia, etc.); Rede de computadores; Servidor de DICOM; Integração com o Sistema de Informação Radiológica (SIR) e o Sistema de Informação Hospitalar (SIH) ; Dispositivos de saída (monitores, impressoras, gravadoras). 4. DESENVOLVENDO A CAMADA DE APRESENTAÇÃO A camada de apresentação do módulo ponto DICOM foi desenvolvida a partir criação do documento Escopo do ponto DICOM (ANEXO A) e especifica as informações a respeito do sistema, mostrando as funcionalidades que serão agregadas ao software InVesalius, ou seja, tem como objetivo fornecer um módulo de software livre que satisfaça as necessidades do próprio Projeto InVesalius. Essa implementação é um módulo para importação de dados dos PACS (Picture Archiving and Communication System) para o Software Invesalius pela intranet ou internet (Figura 6). 15

16 Figura 6. Esboço do esquema dos Cliente-Servidor PACS 4.1 Ferramentas necessárias para a criação das Janelas As ferramentas necessárias para criação das janelas da camada de apresentação no projeto serão: O código fonte do software InVesalius; Plataforma Python 2.5.2; Biblioteca wxpython 2.8; IDE Boa Constructor 0.6.1; Plataforma Python Python é uma linguagem de programação de alto nível interpretada, interativa, orientada a objetos e de tipagem dinâmica e forte, lançada por Guido van Rossum em Atualmente possui um modelo de desenvolvimento comunitário e aberto gerenciado pela organização sem fins lucrativos Python Software Foundation (Figura 7). Apesar de várias partes da linguagem possuírem padrões e especificações formais, a linguagem como um todo não é formalmente especificada. A linguagem foi projetada com a filosofia de enfatizar a importância do esforço do programador sobre o esforço computacional. Prioriza a legibilidade do código sobre a velocidade ou expressividade. Combina uma sintaxe concisa e clara com os recursos poderosos de sua biblioteca padrão e por módulos e frameworks desenvolvidos por terceiros. Python suporta a maioria das técnicas da programação orientada a objeto. Qualquer objeto pode ser usado para qualquer tipo, e o código funcionará enquanto haja métodos e atributos adequados. O conceito de objeto na linguagem é bastante abrangente: classes, funções, números e módulos são todos considerados objetos. 16

17 Também há suporte para metaclasses, polimorfismo, e herança (inclusive herança múltipla). Há um suporte limitado para variáveis privadas. A linguagem e seu interpretador estão disponíveis para as mais diversas plataformas, desde Unix (Linux, FreeBSD, Solaris, MacOS X, etc.), Windows, versões antigas de MacOS até consoles de jogos eletrônicos ou mesmo alguns celulares, como a série 60 da Nokia e palmtops. O nome Python teve a sua origem no grupo humorístico britânico Monty Python, criador do programa Monty Python's Flying Circus, embora muitas pessoas façam associação com o réptil do mesmo nome (em português, Pitão). Figura 7. Plataforma Python wxpython A wxpython (Figura 8) é uma ferramenta de GUI para a linguagem de programação Python. Permite aos programadores Python gerarem programas com a interface gráfica de interação com o usuário, de um modo simples e fácil. É implementado como uma extensão módulo Python (código nativo) que envolve a popular biblioteca GUI wxwidgets (escrito em C++). Assim como Python e wxwidgets, wxpython é Open Source, o que significa que ele é livre para qualquer um poder usar o código fonte e está disponível para qualquer um contribuir com correções ou melhorias para o projeto. Além disso, wxpython é multi-plataforma. Isto significa que o mesmo programa será executado em múltiplas plataformas sem qualquer modificação. Figura 8. wxpython Boa Constructor Boa Constructor é uma IDE para plataforma Python e que utiliza wxpython para construir as interfaces de interação com o usuário. Muito parecido com o ambiente de trabalho do VB/Delphi, o Boa-Constructor cria automaticamente os códigos em Python, a medida que você vai "desenhando" as janelas. Além do mais essa IDE tem : uma grande variedades de controles; um ótimo depurador; integração com FTP, CVS e Zope; recurso de autocompletar ("CTRL+<ESPAÇO>"); gera o UML das suas classes; desenvolvida totalmente em Python. No presente momento essa IDE (Figura 9) está na versão beta

18 Figura 9. Boa-Constructor - IDE Python 4.2 Prototipagem das Janelas A prototipagem das janelas foram criadas a partir do documento ponto DICOM Prototipagem das Janelas (ANEXO B) e foram geradas utilizando a IDE Boa- Constructor Janela do ponto DICOM receptor O ponto DICOM receptor vai permitir ao usuário configurar e ver as configurações do seu ponto DICOM local. O ponto DICOM receptor terá acesso através do menu PREFERÊNCIAS submenu TRANSMISSÃO VIA REDE item RECEPTOR. Ao clicar no item receptor será aberta uma janela (Figura 10) onde terá os seguintes campos: AETitle, TCP/IP, Número da porta do TCP/IP, Nome Computador + Domínio, Verificação de atualização, Time-out de comunicação, Tempo de armazenamento de log e Diretório. Para cada campo haverá ao lado uma opção de ajuda que permitirá o usuário a ter um melhor entendimento do termo utilizado no campo e como deverá ser preenchido este campo, caso necessário. 18

19 Figura 10. Janela ponto DICOM receptor Documentada Abaixo segue uma tabela mostrando as características de cada campo, sendo que todos os campos poderão ser alterados pelo usuário: AETitle --> Será gerado um nome automático (INVESALIUS-CLIENTE- XXX). Endereço TCP/IP --> Deverá ser capturado automaticamente do computador. Porta TCP/IP --> Padrão: 4096 (mas deverá poder ser alterado pelo usuário) Nome Computador + Domínio --> Exemplo: laptop.empresa.com.br. Deverá ser capturado automaticamente do computador. Verificação de atualização --> Padrão: 30 segundos. Irá verificar se há novos arquivos de 30 em 30 segundos. Time-out de comunicação --> Padrão: 2 segundos. Tempo máximo para aguardar requisição de determinado conjunto de arquivo DICOM. Tempo de armazenamento de log --> Padrão: semanalmente. Tempo de armazenamento de logs contendo informações de transmissão e possíveis erros. Diretório Padrão --> /home/nome-usuario/invesalius ou C:\Documents and Settings\usuario\invesalius. Diretório onde serão armazenados localmente os arquivos. Após análise do User Story foi criado uma versão alfa dessa janela através da IDE Boa-Constructor conforme demonstrado abaixo (Figura 11). Figura 11. Prototipagem da Janela ponto DICOM receptor 19

20 4.2.2 Janela do ponto DICOM transmissão O ponto DICOM transmissão permitirá ao usuário visualizar servidores DICOM central previamente instalados, os quais já estarão na intranet, sendo possível configurá-los e também cadastrar novos servidores DICOM central, onde será necessário ao utilizar a internet para acesso ao servidor. O ponto DICOM transmissão terá acesso através do menu PREFERÊNCIAS submenu TRANSMISSÃO VIA REDE item TRANSMISSÃO. Ao clicar no item transmissão será aberta uma janela (Figura 12) onde será mostrada em tipo de lista os servidores já cadastrados, mostrando os campos AETitle, Endereço TCP/IP, Porta TCP/IP, Descrição e Status (onde será informado se o servidor está ou não disponível) e no fim um botão permitindo a configuração manual. Nessa janela também haverá um botão para que possa ser acrescentado novos servidores DICOM, ao clicar neste botão aparecerá uma nova janela com os seguintes campos para serem preenchidos: AETitle, Endereço TCP/IP, Porta TCP/IP, Descrição, sendo que apenas os campos Endereço TCP/IP, Porta TCP/IP serão obrigatórios. Caso o servidor DICOM central necessite de senha para autenticação, o usuário pode já deixar a senha armazenada. Para saber o status do servidor(s), será feito uma verificação através de testes como ping, C-Echo. Figura 12. Janela ponto DICOM transmissão Documentada Abaixo é mostrado exemplos de dados de servidores: 1) AETitle = PACS_X ; Endereço TCP/IP = ; Porta TCP/IP = 4445 ;Descrição = Servidor X;Status = Ativo 2) AETitle = PACS_Y ; Endereço TCP/IP = ; Porta TCP/IP = 4444 ;Descrição = PACS da Clinica Y;Status = Inativo Após análise do User Story foi criado uma versão alfa dessa janela através da IDE Boa-Constructor conforme demonstrado abaixo (Figura 13). 20

21 Figura 13. Prototipagem da Janela ponto DICOM transmissão Janela do ponto DICOM importar busca O ponto DICOM importar permitirá ao usuário pesquisar dados em um determinado servidor DICOM central e fazer a importação dos dados que o usuário estiver necessitando. O ponto DICOM importar terá acesso através do menu NOVO item IMPORTAR DO SERVIDOR. Ao clicar em Importar do Servidor, será aberta uma janela (Figura 14) mostrando ao usuário os servidores encontrados e se estão ou não ativos, ao selecionar o servidor almejado (se necessitar de autenticação, será pedida ao usuário), depois abrirá uma nova janela onde o usuário poderá fazer uma busca no servidor DICOM central, ele poderá pesquisar utilizando um dos seguintes campos ou uma combinação deles, Nome do Paciente, Modalidade (TC, MR, US,...), Data de Aquisição, Idade, Sexo. Figura 14. Janela ponto DICOM importar Documentada 21

22 Após análise do User Story foi criado uma versão alfa dessa janela através da IDE Boa-Constructor conforme demonstrado abaixo (Figura 15). Figura 15. Prototipagem da Janela ponto DICOM importar 5. CONCLUSÃO A filosofia do software livre e do código aberto é uma energia que contagia os colaboradores novatos, comunidades de software, empresas e instituições governamentais. Todos com um objetivo em comum de criar uma solução em software com baixo custo, alto nível técnico e acessível a todos os interessados. Pois os colaboradores entram com as idéias, as comunidades organizam as informações (e direcionam o projeto) e as empresas e as instituições governamentais dão o suporte necessário à execução do projeto de software. O InVesalius é um software livre que foi desenvolvido em cima da plataforma Python que é código aberto. Mas o mais importante é o fato do projeto de software livre InVesalius estar cativando mais e mais colaboradores para a sua comunidade, não apenas pelo motivo de ser uma solução de software para área médica, mas também por estar se mostrando muito útil em outras áreas. Este trabalho teve como objetivo mostrar o desenvolvimento da camada de apresentação do módulo ponto DICOM, onde esta camada permitirá o usuário a visualizar seu exame independente de onde esteja, sendo que o maior beneficiário será o médico, que poderá analisar os exames de qualquer lugar do mundo. Para trabalhos futuros, pode-se ajudar a comunidade do InVesalius a agregar mais valores ao software e/ou ajudar nos diversos projetos existente no portal do software livre brasileiro. 22

SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO E OS PASSOS DA CRIAÇÃO DO PROJETO

SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO E OS PASSOS DA CRIAÇÃO DO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS SISTEMA DE IMPORTAÇÃO DE DADOS DE CLÍNICAS RADIOLÓGICAS PARA O PROJETO INVESALIUS: AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO E OS PASSOS DA CRIAÇÃO DO PROJETO FERNANDO ROBERTO RODRIGUES

Leia mais

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS

ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ESTUDO SOBRE SOFTWARE DE VISUALIZAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS DIGITAIS: INVESALIUS ADRIANY DA S. CARVALHO * EDUILSON LÍVIO NEVES DA C. CARNEIRO ** Resumo. O presente trabalho se propõe, através de uma revisão

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA.

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. Informações do curso O Ministério da Educação, por intermédio da Secretaria de Educação Básica, convida você para conhecer o Programa Nacional

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário

InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário Versão 1.0 (26/01/2009) 1 Sobre o InVesalius InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de modelos anatômicos virtuais,

Leia mais

Manual de Utilização do GLPI

Manual de Utilização do GLPI Manual de Utilização do GLPI Perfil Usuário Versão 1.0 NTI Campus Muzambinho 1 Introdução Prezado servidor, o GLPI é um sistema de Service Desk composto por um conjunto de serviços para a administração

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Schooltool: Software de Gestão Escolar Para Criação e Manutenção de Quadro de Horários

Schooltool: Software de Gestão Escolar Para Criação e Manutenção de Quadro de Horários Universidade Federal de Lavras UFLA Ciência da Computação Programa de Pós-Graduação Informática em Educação Autor(es) José Maria Ferreira Faria Wendell Bento Geraldes Schooltool: Software de Gestão Escolar

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação de soluções de informática para a área médica. Criada em meados da

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Integração com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Página 2 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1. O Moodle... 4 1.2. Objetivo da integração...

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Faculdade de Direito - Ciências do Estado e Governança Mundial A CONTRIBUIÇÃO DO SOFTWARE LIVRE PARA O FOMENTO À EDUCAÇÃO Brener Fidelis de Seixas Belo Horizonte Junho/2011

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Guia ineocontrol. iphone e ipod Touch

Guia ineocontrol. iphone e ipod Touch Guia ineocontrol iphone e ipod Touch Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das interfaces criadas

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Compras de Software do Governo. eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br

Compras de Software do Governo. eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Compras de Software do Governo eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Modelos de Negócios O que você vende? Qual é o modelo de negócios da sua empresa? Quanto você está faturando?

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Sistemas Operacionais: Aplicativos. Prof. Rafael J. Sandim

Sistemas Operacionais: Aplicativos. Prof. Rafael J. Sandim Sistemas Operacionais: Aplicativos Prof. Rafael J. Sandim Aplicativos Programa de computador que desempenha uma tarefa específica; Em geral ligada ao processamento de dados; Podem ser divididos em duas

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal

Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal DIRETORIA DE OPERAÇÕES DO GERÊNCIA DE GESTÃO DE AMBIENTES GGA Salvando arquivos em PDF nos Sistemas Mainframes, utilizando emuladores de terminal Documento Versão 1.0.1 Adaptado por Coordenação Data de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online GESTÃO DE PROJETOS EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM GINECOLÓGICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL

GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL GUIA PRA TICO DO ALUNO DA PO S GRADUAÇA O PRESENCIAL Processos Acadêmicos, Portal ÚNICO e Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA Guia prático sobre os procedimentos acadêmicos, utilização das ferramentas

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Sumário Introdução_... 3 Detalhamento_... 5 Importação_... 8 Funcionalidades na Intranet_... 13 Geração de nova senha... 14 Lembrete de expiração da senha... 15

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology Vue PACS Radiology UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Já está aqui: acesso rápido e fácil a todas as ferramentas e aplicações clínicas dos quais os radiologistas

Leia mais

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário Setor de Tecnologia da Informação 2012 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web

Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web AÇÕES IMPORTANTES Ao tentar acessar o Cadastro Web por meio da certificação digital, é fundamental realizar

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Guia Prático de Acesso

Guia Prático de Acesso Guia Prático de Acesso 1. Como acessar o novo e-volution? O acesso ao novo e-volution é feito através do endereço novo.evolution.com.br. Identifique abaixo as possíveis formas de acesso: 1.1 Se você já

Leia mais

M A N U A L D O U S U Á R I O

M A N U A L D O U S U Á R I O M A N U A L D O U S U Á R I O S I S T E M A D E A B E R T U R A D E C H A M A D O S D E S E R V I Ç O S Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução do GLPI... 4 3. Acessando o GLPI... 5 4. Abertura e Registro

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais