FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do colaborador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do colaborador"

Transcrição

1 Manual do colaborador

2 Manual do colaborador Bem-vindo à Fael! N este manual, pretendemos elucidar para você todas as informações necessárias para lhe ajudar a estabelecer e incrementar sua trajetória profissional. Cuide de si, de seus colegas e da empresa! Você está convidado a fazer parte dessa história! Contamos com você. Tenha certeza disso! Sede Acadêmica: Rod. Olívio Beliche, s/nº - Km 33 Boqueirão CEP Lapa-PR Sede Administrativa: Av. Silva Jardim, 167-2º andar Rebouças CEP Curitiba-PR Produtora: Rua Castro Alves, 362 Água Verde CEP Curitiba-PR Site: 1

3 Nossa História Manual do colaborador A Faculdade Educacional da Lapa FAEL foi criada em 1998, com o propósito de permitir o acesso ao conhecimento e à educação de qualidade, por intermédio da inovadora metodologia de ensino a distância. Localizada na cidade da Lapa, no estado do Paraná, a Instituição possui planos pedagógicos atualizados e corpo docente composto por professores doutores, mestres e especialistas. Desta forma, ela oferece cursos qualificados de graduação, pós-graduação Lato sensu, técnicos profissionalizantes e de extensão, além de manter projetos sociais, convênios com diversas Instituições renomadas e parceria com o Prouni. A missão da FAEL é a de oferecer educação com seriedade, competência e dedicação ao ensino, firmando compromisso com a sociedade, mediante a formação de cidadãos éticos e dinâmicos, capazes de atuar no processo de melhoria da qualidade de vida da sociedade brasileira. A Instituição procura estimular a criação cultural e o desenvolvimento científico, formando profissionais competentes para o mercado de trabalho, cônscios das suas responsabilidades sociais. Sempre motivada em cumprir sua função social, ou seja, de formar pessoas com conteúdo científico e de vida, a FAEL possui uma excelente estrutura física e tecnológica, um Campus Universitário, organizado para atender suas demandas e para oferecer seus cursos presencias. Já para proporcionar cursos a distância, os polos de apoio presencial da instituição possuem bibliotecas e laboratórios de informática. Desta forma, os alunos podem assistir às videoaulas em salas adaptadas à metodologia EAD ou em qualquer computador com acesso à internet. Evolução da FAEL A história da Faculdade Educacional da Lapa iniciou em 1996, quando o médico Dr. Luiz Carlos Borges da Silveira, em parceria com empresários, fundou a instituição. Após um ano, iniciaram-se as obras e a organização de projetos educacionais. Sendo inaugurada no dia 12 de setembro de 1998, o CETES Centro Técnico Educacional Superior da Lapa, contava com 12 colaboradores e possuía um projeto pedagógico autorizado pelo Ministério da Educação - MEC, para o curso de administração rural, que oferecia 100 vagas. No dia 24 de janeiro de 1999, foi realizado o primeiro vestibular para este curso e todas as vagas foram preenchidas. Em agosto deste ano, o CETES passou a ser chamado de FAEL Faculdade Educacional da Lapa, nome dado pelos próprios alunos da instituição. No ano de 2000, foram autorizados pelo MEC, os cursos de administração com habilitação em: Comércio Exterior; Marketing; Gestão Hoteleira e Gestão da Informação. Assim, a faculdade passou a ser mantida pela Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/C Ltda., com sede na Rodovia do Xisto, localizada na BR 476, um eixo importante para a economia paranaense. Em 2001, a instituição teve autorizado o curso de pedagogia, que contava com 100 2

4 vagas e iniciou os cursos de pós-graduação Lato sensu nas áreas de Gestão Pública Contemporânea, Gestão Empresarial e Gestão, Orientação e Supervisão Escolar. Com seu crescimento contínuo, a FAEL construiu seu campus universitário, que foi inaugurado no dia 26 de julho de 2003, tornando-se uma das referências educacionais da região. No ano de 2004, a faculdade foi credenciada para educação a distância, com 6000 vagas autorizadas para o curso normal superior. Em setembro de 2011, uma nova gestão assumiu, promovendo alterações principalmente na condução dos processos gerenciais. Buscou-se, e busca-se continuamente, a aplicação das melhores práticas, com vistas a tornar a FAEL uma das principais Instituições de Ensino do Brasil. Com a renovação do reconhecimento do curso de Pedagogia, em novembro de 2012, e com o pedido de autorização para o MEC de outra série de cursos de graduação, a FAEL procura, juntamente com todos os seus colaboradores, parceiros e alunos, contribuir cada vez mais com o desenvolvimento do Brasil por meio da educação sociabilizada e de qualidade. Hoje, com estrutura administrativa e acadêmica bem formada, e com uma equipe de 374 colaboradores, a FAEL oferece os seguintes cursos: Graduação presencial em Pedagogia e Administração; Graduação em Pedagogia, na modalidade a distância; Pós-Graduação a distância em Educação, nas áreas: coordenação pedagógica; educação a distância e novas tecnologias; educação e escola em tempo integral: desafios e perspectivas; educação especial e inclusiva; educação infantil; educação, diversidade e cidadania; gestão escolar; libras; metodologia do ensino de língua portuguesa e literatura; metodologia do ensino de matemática; metodologia para o ensino superior na educação a distância e psicopedagogia institucional. Pós-Graduação a distância em Gestão, nas áreas: auditoria e perícia contábil; gestão de negócios comerciais; gestão em finanças empresariais; gestão em marketing organizacional; gestão em negócios imobiliários; gestão em processos gerenciais; gestão empreendedora; gestão estratégica de pessoas; gestão estratégica na área de saúde; gestão estratégica na área social e gestão pública. Cursos de extensão. Com uma eficiente política pública educacional, a instituição permanece comprometida com a comunidade da Lapa e com o intuito de oferecer educação de qualidade para estudantes de todo o país. Crescimento colaboradores colaboradores Nossos Clientes Parceiros: Grupo 1: Nossos parceiros são compostos, em sua grande maioria, por educadores e 3

5 profissionais da educação. Este é um grupo repleto de idealismo e convicções, envolvido no dia a dia dos alunos e em suas preocupações e desafios. Oriundos de outras instituições de ensino, secretarias de estado, entre outras associações, os parceiros acreditam na educação a distância e viram, por intermédio da FAEL, a grande chance de prover a educação nesse imenso Brasil com qualidade e acessibilidade. Grupo 2: O outro grupo de parceiros é formado por empreendedores, não menos entusiasmados ou idealistas que o grupo anterior, mas focados, também, na ampliação da oferta de cursos, polos de apoio presencial e alunos. Alunos: Grupo 3: tão ou mais importante que os dois grupos anteriores, estão os nossos alunos. Eles são a razão e a finalidade da existência da FAEL, como instituição, e do parceiro, como polo e fornecedor deste serviço. São eles que contam com nosso olhar, nosso apoio e nossa expertise para proporcionar-lhes, ou pelo menos mostrar-lhes a possibilidade, de melhoria em sua qualidade de vida, não só no âmbito econômico, mas também no âmbito pessoal, aumentando sua autoestima e contribuindo para que ele busque, cada vez mais, seu aprimoramento. Dessa forma, a FAEL realiza um trabalho que abrange não somente as questões educacionais, mas sim uma contribuição efetiva no desenvolvimento do nosso país. Valores Desde o início de sua história, a FAEL orienta-se por princípios como: democratização do ensino, valorização e respeito pela diversidade cultural, formação integral e permanente do cidadão. Pautada por esses valores, a FAEL segue cumprindo sua missão de oferecer educação de qualidade, desenvolver e difundir o conhecimento e a cultura, assim como promover a formação de cidadãos e de profissionais éticos, solidários, proativos e capazes de atuar no processo de melhoria da qualidade de vida da sociedade brasileira. Os princípios da instituição A Faculdade Educacional da Lapa é regida por princípios éticos que norteiam suas atividades. Os colaboradores da instituição devem estar sempre atentos e comprometidos com essas regras, as quais disciplinam os serviços prestados, respeitando os requisitos e os limites estabelecidos. Seguem, abaixo, os princípios fundamentais do sistema institucional da FAEL: Legalidade a FAEL segue o princípio de legalidade; portanto, as atividades desenvolvidas pela instituição devem sempre respeitar a legislação vigente, baseando-se na não contradição do que é expressamente instituído pela lei. No âmbito educacional, ela também atua de acordo com as normas estabelecidas pelo Ministério da Educação (MEC) e pelas Diretrizes Nacionais dos Cursos, estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE); Qualidade visando proporcionar à satisfação de seus clientes e prestando serviços que atendam às expectativas de todos os envolvidos em seus processos, desde colaboradores, fornecedores e parceiros, a FAEL compromete-se com a gestão 4

6 de qualidade no desenvolvimento de suas atividades. Este processo engloba: as práticas de controle e de eficiência, foco no interesse e na satisfação dos clientes, organização e envolvimento pessoal, melhoria e aperfeiçoamento contínuo dos serviços, liderança, entre outras. A busca incansável pela qualidade deve estar presente em todas as estratégias e em todos os níveis da instituição, desde que não fira a legalidade em nenhuma de suas formas. Custo no desenvolvimento de suas atividades, a instituição tem como objetivo a redução de custos dos processos administrativos. O intuito é o de aperfeiçoar os procedimentos realizados, reduzindo gastos, sem comprometer a qualidade e a eficiência dos serviços. A supressão dos custos também envolve a política de conscientização ambiental dos colaboradores da FAEL, em busca de um consumo controlado dos recursos disponibilizados pela instituição. Entretanto, essa redução não pode, em momento algum, ferir a legalidade das ações e a qualidade dos serviços e dos produtos que entregamos aos nossos clientes. 5

7 Regulamento Interno As normas, abaixo citadas, têm o objetivo de deixar claros os comportamentos mínimos exigidos na organização e/ou na representação desta Instituição. Elas cabem a todos os colaboradores, terceiros e visitantes (quando for o caso). Vale ressaltar, também, que a segurança e a integridade dos colaboradores e da empresa estão acima de qualquer outra norma ou procedimento. Todos os admitidos, em seus respectivos cargos, deverão seguir as Instruções de Trabalho de cada função e orientações de seus superiores imediatos, assim como têm total liberdade de expor suas ideias, suas sugestões e suas críticas para melhorar o andamento dos processos. Contratação Mensalista contratados em regime de 36 ou 44 horas semanais ou de 180 ou 220 horas mensais. Horista contratado por uma determinada quantia de horas na semana, de acordo com a necessidade da empresa. Horários de Funcionamento Curitiba das 8h30min às 12h e 13h às 18h15min, de 2ª à 6ª feira. Lapa das 7h45min às 12h e 13h às 22h30min, de 2ª à 6ª feira. Produtora das 8h30min às 12h e 13h às 22h, de 2ª à 6ª feira e das 8h às 12h, aos sábados. Os horários de trabalho podem variar de acordo com as escalas e as necessidades de cada local. Filiação Sindical Os colaboradores da FAEL estão filiados nos sindicatos, abaixo mencionados, conforme a categoria profissional: SAAEPAR são filiados os colaboradores que trabalham na área administrativa, com data base em 01 de março; SINPROPAR são filiados os colaboradores que exercem a função de Docente, com data base em 01 de março; SINTELL são filiados os colaboradores que trabalham na área de call Center, com data base em 01 de janeiro. Registro de Ponto Eletrônico Deverão registrar o ponto eletrônico todos os colaboradores submetidos a controle de jornada, sendo que: O Ponto Eletrônico é fechado no período do dia 21 ao dia 20 do mês subsequente; O Cartão Ponto e o Demonstrativo do Banco de Horas, quando for o caso, serão enviados às sedes na primeira semana de cada mês e deverão ser conferidos e devolvidos, assinados, ao RH até o final de cada mês. 6

8 Estão isentos do controle de jornada e, portanto resguardados pela legislação (Artigo 62, da CLT ou isenção de controle para localidades com menos de 10 colaboradores), os Consultores Comerciais, Coordenadores de Polo, Assistentes de Sala, Assistentes Acadêmicos e Professores que trabalham em casa (home office). Colaboradores com Controle de Ponto Biométrico É dever do colaborador fazer o registro das 04 (quatro) batidas diárias (entrada ao trabalho/saída para refeição retorno ao trabalho/saída do trabalho) no ponto eletrônico, sob pena de receber advertência. As ausências de batidas, e/ou o não cumprimento da carga horária prevista em contrato, inclusive a hora de descanso para refeição, são de responsabilidade de cada colaborador. A falta do registro ou registro errado com assiduidade permite ao Empregador aplicar advertência, suspensão e até mesmo fazer o desligamento do colaborador por justa causa. Quando houver necessidade de alteração de horário, o mesmo deverá ser solicitado pelo gestor de cada área ao RH. Somente após a alteração no ponto é que será liberado o registro ao colaborador e a sua efetiva mudança de horário. As inconsistências geradas no ponto eletrônico serão tratadas semanalmente pelo RH. Entende-se por tratamento dar uma justificativa ao erro, tendo visto que não é possível manipular os dados no Relógio Eletrônico de Ponto (REP). Não é possível corrigir uma inconsistência com batidas pares; ou seja, caso o colaborador se esqueça de bater o ponto no retorno do intervalo e ao final do expediente, o sistema entende como falta no período. Para que a correção possa ser feita, é necessário que o colaborador preencha o Formulário de Justificativa de Ponto e o entregue ao seu superior imediato, no dia seguinte ao esquecimento, para que este possa anexar as justificativas do período. Banco de Horas A validade do Banco de Horas é anual, com sistema de crédito e de débito, utilizando para fechamento o mês de DEZEMBRO de cada ano. O Banco de Horas permite o acúmulo somente de 120 horas dentro do período; após ultrapassar esse limite, será pago como hora extra, mensalmente. A compensação é de 1 x 1, ou seja, para cada hora de acréscimo em sua jornada, o colaborador terá direito à 1 hora de descanso, inclusive quando as horas de acréscimo ocorrerem aos sábados e domingos. A compensação das horas de direito deverá ser previamente combinada com a Chefia Imediata, que pode ou não liberar a ausência do colaborador. Em caso de a Chefia Imediata fazer solicitação de compensação das horas que constam como negativas no banco e o colaborador não saldar o débito, ele terá essas horas descontadas ao final do período de fechamento. A compensação das horas débito ou de crédito poderá ser feita no dia, na semana, no mês ou até mesmo dentro do período de fechamento do Banco de 7

9 Horas, sempre com prévia autorização do gestor. As Horas Crédito, contabilizadas no fechamento de cada banco, serão pagas em folha de pagamento com um acréscimo de 50%. As Horas Débito que não forem compensadas serão descontadas como Hora Normal. O controle do ponto e dos saldos positivos ou negativos, de cada colaborador, é de responsabilidade do gestor de área. Estão EXTINTOS do sistema de Banco de Horas todos os colaboradores vinculados ao SINPROPAR e ao SINTELL. Horas Extras A autorização e a liberação de Horas Extras são de responsabilidade do gestor de cada área, devendo este justificar a necessidade destas nos indicadores mensais. O colaborador que fizer Hora Extra sem prévia autorização de seu Superior Imediato incorrerá em falta grave, passível de advertência e justa causa. A CLT concede autorização prévia para apenas 2 horas de extras ou no máximo 10 horas de jornada/dia, ou seja, para aqueles colaboradores que compensam o sábado durante a semana, a autorização máxima é de 1h15min/dia. As horas extraordinárias serão direcionadas para o pagamento mensal em folha ou deverão ser direcionadas ao Banco de Horas, de acordo com o vínculo sindical ao qual está submetido. Sindicatos Filiados: SAAEPAR Horas Extras são direcionadas ao Banco de Horas. SINPROPAR Horas Extras são pagas no mês. SINTELL Horas Extras são pagas no mês. Percentual sobre o valor da Hora Extra: dia normal acréscimo de 50%; domingos e feriados acréscimo de 100%. Atrasos e Faltas Atrasos serão descontadas em holerite, minutos ou horas de atraso, respeitando o limite de 10 minutos/dia e, para os que possuem acordo de Banco de Horas, serão computadas Horas Débito. Saída Antecipada todo colaborador que necessite se ausentar em horário de expediente, deverá solicitar ao seu Superior Imediato o preenchimento do formulário de liberação de saída, que deverá ser encaminhado e assinado ao RH. 8

10 Faltas as faltas podem ser justificadas ou não: Faltas Justificadas serão somente àquelas previstas em Lei, consideradas como Ausências Legais, não tendo estas, prejuízos ao colaborador (atestados, certidões e declarações oficiais); Faltas Injustificadas serão todas e quaisquer ausências ao trabalho sem justificativa. Ausências Legais 01 (um) dia a cada 12 (doze) meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue, desde que devidamente comprovada. Nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame vestibular, para ingresso em estabelecimento de Ensino Superior. Pelo tempo que se fizer necessário, quando tiver que comparecer a juízo. 02 (dois) dias, para cada dia trabalhado como mesário, durante o processo eleitoral. 05 (cinco) dias consecutivos de licença paternidade. 03 (três) dias consecutivos, em virtude de casamento. 02 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento de cônjuge ou pessoa que possua dependência econômica. Aos professores é garantida a ausência de 09 (nove) dias tanto para casamento como para luto; Aos operadores de atendimento (call center) é garantido 03 (três) dias para luto e 05 (cinco) dias para casamento. Férias Todo colaborador após 01 (um) ano completo de trabalho tem direito a 30 (trinta) dias de férias, podendo sugerir a Chefia Imediata qual a data mais conveniente para retirá-las. Porém, o Empregador tem direito de concedê-las ou não no período solicitado. A programação das férias deverá ser encaminhada ao RH pelo Gestor da Área com, no mínimo, 45 (quarenta e cinco) dias de antecedência. O aviso de férias será entregue ao colaborador também com 30 (trinta) dias de antecedência. O pagamento das férias ocorrerá 02 (dois) dias antes de sua concessão. Modalidade Concessão: férias normais o colaborador goza 30 (trinta) dias corridos; férias por período o colaborador poderá sair em até dois períodos, desde que um deles não seja inferior a 10 dias e o saldo seja quitado dentro do período de concessão; 9

11 férias com abono quando a empresa disponibiliza a opção de comprar 1/3 (um terço) dos dias de direito, ou seja, 10 (dez) dias, sendo 20 (vinte) dias de férias e 10 (dez) dias de abono; férias coletivas respeita uma legislação específica, podendo ser concedida sem que o colaborador possua 30 (trinta) dias completos de direito. Neste caso, o período adquirido passa a ser a data de saída para as férias coletivas. Período Aquisitivo: é aquele que conta da data de admissão até o dia anterior antes de completar 01 (um) ano. Período de Concessão: é o período que a empresa tem para conceder o benefício de férias que é o de, até, 30 (trinta) dias antes de completar o segundo período aquisitivo. Feriados Consideramos como feriados os dias previstos no Calendário Nacional ou Municipal. O dia 15 (quinze) de outubro é considerado feriado aos colaboradores filiados ao SAAEPAR e ao SINPROPAR. O feriado-ponte será tratado com acordo de compensação de horas ou debitado do Banco de Horas. Atestados e Declarações Somente será aceito atestado médico devidamente preenchido com o Código Internacional da Doença (CID). A Declaração de Comparecimento somente será aceita se estiver no nome do colaborador e constando o período de atendimento. Os atestados e as Declarações deverão ser entregues ao RH após visto da Gerên cia Imediata. Informamos que o CID deve ser solicitado ao médico no momento da emissão do Atestado Médico. Lembramos que o paciente pode se recusar a solicitar e/ou deixar explícito o CID no documento; porém, alertamos que sem o código o documento justifica a ausência, porém não a abona. Não serão aceitas declarações para justificativa de um dia inteiro de trabalho. Afastamentos/Licenças 120 (cento e vinte) dias em caso de Licença Maternidade. 05 (cinco) dias para Licença Paternidade. 02 (dois) períodos de descanso, de 30 (trinta) minutos cada, para amamentação de filhos de até 06 (seis) meses de idade. Auxílio Doença conforme prazo determinado pela perícia médica e concedido pela Previdência Social (INSS). 10

12 Garantias/Estabilidade 30 (trinta) dias após o retorno da licença previdenciária por Doença. 01 (um) ano após o retorno da licença previdenciária por Acidente de Trabalho. 01 (um) ano antes da contemplação do tempo para aposentadoria integral por tempo de contribuição. à empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até 05 (cinco) meses após o parto. 60 (sessenta) dias, ao Professor que se torne Pai. Advertências Cabe a aplicação de advertência ao colaborador que incorrer no descumprimento de qualquer um dos itens descritos como normas e/ou regulamentos deste manual, ou de qualquer outro documento emitido pela empresa. A advertência deverá seguir o procedimento abaixo descrito e poderá ser aplicada nas modalidades de: verbal deverá ser aplicada verbalmente pelo Superior Imediato, quando se tratar da primeira ocorrência deste ato indisciplinar, respeitando o prazo máximo de 24 horas, salvo quando o ato ocorrer em horário no qual o superior não esteja presente e/ou o infrator não apareça para trabalhar no dia seguinte; escrita diante da recorrência, ao mesmo ato indisciplinar, ou em outras que causem danos e/ou prejuízos à empresa ou aos demais profissionais. Depois de advertido verbalmente, o colaborador deverá receber a advertência por escrito, devendo assiná-la na presença de duas testemunhas que tenham presenciado o fato. Importante: se o colaborador recusar-se a assinar o documento, o Superior Imediato deverá recolher a assinatura das testemunhas, fato que comprovará a indisciplina relatada. Suspensões Cabe a aplicação da suspensão ao colaborador que receber duas advertências escritas, seguindo o procedimento: 1ª suspensão 1 (um) dia, com prejuízo de salário; 2ª suspensão 5 (cinco) dias, com prejuízo de salário; 3ª suspensão 15 (quinze) dias, com prejuízo de salário. Após a terceira suspensão, o colaborador será desligado da empresa por JUSTA CAUSA. A saber... A aplicação da penalidade varia de acordo com o grau do prejuízo ou o dano causado pelo infrator à empresa ou aos colaboradores. Neste caso, é possível aplicar uma das penalidades, acima descritas, sem obrigatoriamente passar por todo o procedimento de advertência verbal, escrita e suspensão. 11

13 Desligamento Aviso Prévio em caso de encerramento de contrato, tanto por parte do Empregado como do Empregador, o Aviso Prévio será estabelecido conforme a Lei nº /2011, que prevê: contratos até 01 (um) ano: 30 (trinta) dias e, após cada ano completo, serão acrescidos mais 03 (três) dias; ou seja, colaborador com 11 (onze) meses e 29 (vinte e nove) dias terá direito a 30 (trinta) dias de aviso. Com 12 (doze) meses completos mais 1(um) dia, será acrescido mais 03 (dias) dias, ou seja, 33 (trinta e três) dias de aviso, e assim sucessivamente a cada ano. o recebimento ou o cumprimento do aviso estabelecido pela regra aplicada-se a qualquer caso, desligamento ou pedido de demissão. Entrega de Carteirinha de Convênio todas as carteirinhas de convênios, tanto do colaborador quanto dos dependentes deverão ser entregues no ato do desligamento, ou dias antes da homologação. Sem a entrega, não há possibilidade de se realizá-la. Devolução de Equipamentos todos os equipamentos fornecidos pela empresa ao colaborador deverão ser entregues no ato do desligamento, implicando no desconto em rescisão, caso a entrega não seja realizada: Esses equipamentos deverão ser testados e acompanhados por uma pessoa de TI (Tecnologia da Informação), RH (Recursos Humanos) ou Gestor da Área; para os colaboradores que atuam fora de Curitiba ou da Lapa, a responsabilidade do recebimento dos equipamentos é do Gestor da Área. Exame Demissional será realizado em clínica conveniada (agendado pelo RH): o não comparecimento ao dia e horário agendado, acarretará desconto do valor da consulta em rescisão; não será possível a homologação sem a apresentação do exame demissional. Pagamento Rescisório o pagamento pelo empregador deverá ser nas seguintes datas: em 10 (dez) dias, em caso de Aviso Indenizado ou de Antecipação do Término do Contrato; 01 (um) dia após o cumprimento do Aviso ou Término de Contrato. Homologação após o recebimento de toda a documentação pelo RH, o prazo final deverá ser de no máximo 30 (trinta) dias. Entrega de Carteira de Trabalho CTPS a liberação da CTPS para o colaborador poderá ser feita independente da homologação realizada. Medicina Ocupacional Atualmente, a FAEL possui parceria com a CLINISEG, empresa que realiza e revisa, anualmente, todos os programas de medicina e saúde ocupacional, ou seja, Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e o Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO), determinados pelas NR7 e NR9 do Ministério do Trabalho e do Emprego (TEM). 12

14 Nestes programas constam os riscos ocupacionais para cada função, bem como os exames necessários para: admissão, demissão e periódicos, e a sua periodicidade. Modalidades de Exames: admissional deve ser feito antes da admissão na empresa; periódico deve ser repetido anualmente e/ou quando determinado pelo PCMSO; demissional deve ser feito em até 10 (dez) dias, quando o colaborador NÃO cumprir o aviso prévio, e no período dos últimos 07 (sete) dias antes do término do aviso, quando cumprido; retorno ao trabalho para os casos de retorno de afastamento superior a 15 (quinze) dias; mudança de função para colaboradores que mudaram de função, desde que altere a área de risco. Acidentes de Trabalho/Trajeto É considerado acidente de trabalho todo aquele que ocorrer dentro da empresa ou quando estiver em serviço. Já o acidente de trajeto é estabelecido mediante o trajeto realizado pelo trabalhador de casa ao trabalho ou vice-versa, considerando a primeira parada e desde que não haja desvio para tratar de assuntos pessoais. Na ocorrência de acidentes de trabalho/trajeto, o colaborador deverá comunicar, imediatamente, seu Superior Imediato, assim como ao departamento de Recursos Humanos, para que seja emitido o Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT). Na ocorrência de acidentes fora das dependências da empresa e/ou do posto de trabalho e a serviço da empresa, como, por exemplo, em viagens, o colaborador deverá procurar atendimento médico imediato e solicitar atestado médico constando o CID e preenchimento do CAT. Utilização de Recursos Disponíveis São de responsabilidade do colaborador a guarda, o manuseio e o cuidado com todas as máquinas, os equipamentos e as ferramentas disponibilizadas pelo empregador para o exercício de suas atividades. As avarias causadas por culpa do colaborador serão descontadas em folha de pagamento e estão sujeitas a aplicação de advertências. O uso de celulares da empresa deve ser restrito ao seu horário de trabalho. O uso de veículo locado é de inteira responsabilidade do condutor; caso ocorra algum imprevisto em que seja necessário algum reparo, e o colaborador condutor for o responsável pela avaria, o valor do conserto será descontado em folha, valor este dividido em parcelas não superiores a 30% do salário e mediante assinatura de recibo de confissão de dívida. As multas são de responsabilidade do condutor e serão descontadas em folha de pagamento, logo após o seu recebimento. 13

15 Pagamentos Adiantamento Salarial não há previsão de pagamento de adiantamento quinzenal aos colaboradores da FAEL. Pagamento de Salário será efetuado em Conta Salário, por intermédio, atualmente, do banco Caixa Econômica Federal (CEF), em todo o 5º (quinto) dia útil de cada mês, com os devidos descontos: o pagamento do salário refere-se ao mês de competência, ou seja, do primeiro ao último dia do mês. As informações do ponto eletrônico, como as faltas, os atrasos, as horas extras, etc., serão computadas somente as que se referem ao período de fechamento do ponto, sendo do dia 21 (vinte e um) ao dia 20 (vinte) de cada mês. As demais serão efetivadas na folha do mês seguinte. 1. Não será realizado nenhum pagamento por outro meio que não seja conta salário por intermédio da CEF. 2. Os colaboradores podem optar pela abertura da CONTA SALÁRIO na CEF com PORTBILIDADE para outra Conta Corrente em banco de sua preferência. Salário Família valor de direito ao trabalhador que percebe salário bruto inferior ao piso estabelecido pelo INSS, para cada filho de até 14 (quatorze) anos de idade incompletos ou filho(s) inválido(s). O piso para o ano de 2013 é o de R$ 971,78 (novecentos e setenta e um reais e setenta e oito centavos). Descanso Semanal Remunerado (DSR) verba de pagamento devida a todos os colaboradores: para os HORISTAS o DSR é destacado no holerite; para os MENSALISTAS o DSR está incluso na composição do salário mensal, aparecendo no holerite apenas quando são pagas Horas Extras. Hora Atividade (HA) verba de pagamento devida somente aos professores, e somente sobre as horas que incidem tal reflexo, sendo o percentual estabelecido pelo Sindicato. Comissões verba de pagamento devida aos colaboradores que trabalham com remuneração variável ou que participam de campanhas institucionais. 13º Salário pagamento feito em duas parcelas, sendo a 1 a (primeira) até o dia 30 (trinta) do mês de novembro, correspondendo a 50% (cinquenta por cento) do salário base, e, em dezembro, até o dia 20 (vinte), correspondendo os outros 50% (cinquenta por cento), mais reflexos de variáveis, DSR, HA, comissões, etc., com os seus devidos descontos. Adicional Noturno é devido ao colaborador que trabalhe em regime de controle de ponto eletrônico, e corresponde ao período das 22h às 5h, com um adicional de 20% (vinte por cento) ao valor da hora. Quinquênio é devido aos colaboradores filiados aos sindicatos SAAEPAR e SIN- PROPAR após 05 (cinco) anos completos, respeitando o índice da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). 14

16 Contribuições Manual do colaborador Contribuição Sindical desconto de 01 (um) dia de salário no mês de março. Taxa de Reversão Salarial desconto de 4% do salário atualizado após o aumento salarial no mês em que sair a CCT. Pacote de Benefícios Vale Transporte (VT)_ recarga todo dia 1 (primeiro), na quantidade informada no pedido da concessão do VT, considerando os dias úteis de trabalho, sendo que: Haverá desconto de 6% (seis por cento) do salário ou do valor do vale, o que for menor; Será permitida a alteração do benefício somente a cada seis meses. Auxílio Alimentação (Sodexo) atualmente é disponibilizado por meio de cartão magnético com senha. O colaborador ao assinar o termo de concessão do benefício, poderá OPTAR por UMA das duas formas de recebimento, sendo elas: Cartão Alimentação para utilização em mercados, panificadoras e lojas de conveniência em geral; ou Cartão Refeição para utilização em restaurantes. Com recarga todo dia 1, no valor de R$12,00 (doze reais) por dia trabalhado, com : * Convênio Farmácia (Brasil Convênios) atualmente é disponibilizado por meio de cartão magnético com senha. O limite de crédito do seu cartão é 10% do seu salário. m caso de perda ou roubo, entre imediatamente em contato com a Brasil Convênios ou com o RH da sua empresa. o prazo para a 1ª (primeira) carga será de até 10 (dez) dias; * as faltas injustificadas, ocorridas na apuração do mês anterior, acarretarão descontos na recarga do mês seguinte; * somente os colaboradores que façam mais de 6 horas por dia ou acima de 20 horas terão direito ao recebimento do Auxílio Alimentação. Você poderá escolher a farmácia que melhor lhe atende, pois poderá contar com uma ampla rede credenciada, composta por mais de 2000 lojas em todo o território nacional. Em cada compra, você tem a informação do seu saldo atualizado. Não há custo de mensalidades ou anuidades. Apenas se você perder o cartão e solicitar 2ªvia, será cobrada uma taxa de R$ 5,00. Todas as despesas do seu cartão virão descontadas na sua folha de pagamento. Para utilizar o seu cartão, tenha sempre em mãos a sua carteira de identidade, pois você deverá comprovar que é o titular do cartão. Seu melhor dia para compras é o dia 21, pois o que você comprar a partir, pois o que você comprar a partir desta data, virá descontado apenas na folha de pagamento do próximo mês. 15

17 Assistência Médica (atualmente Unimed) plano de saúde disponível mediante adesão dos colaboradores e extensivo aos dependentes legais (cônjuge, filhos e agregados, desde que exista documentação oficial comprovando vínculo), sendo que: plano nacional de cobertura total e livre de carências para adesões até 30 (trinta) dias da data de admissão; após os 30 (trinta) dias, o colaborador poderá fazer a adesão ao plano; porém, deverá respeitar as carências previstas pela Agência Nacional de Saúde (ANS); o plano possui modalidades de enfermaria e de apartamento, com ou sem obstetrícia, com coparticipação de 25% (vinte e cinco por cento) para consultas e exames de baixo custo. Para conhecer os valores, solicite a tabela ao RH; o plano é pago integralmente pelo colaborador, tanto o seu quanto o dos seus dependentes; a exclusão do plano deverá ser solicitada até o dia 20 (vinte) de cada mês; o colaborador poderá solicitar a qualquer momento a exclusão de um ou mais dependentes, respeitando a data limite do mês; a exclusão do beneficiário, neste caso o colaborador, exclui, automaticamente, todos os seus dependentes; a inclusão de beneficiários recém-nascidos deverá ser em até 30 (trinta) dias; caso contrário, deverá respeitar o período de carência; a primeira consulta do recém-nascido poderá ser com a carteirinha da Mãe. Bolsa de Estudos, Graduação e Pós-Graduação o colaborador FAEL tem direito a bolsa de estudos nos cursos da FAEL, sendo de: 100% (cem por cento) para os cursos de Pós-Graduação em Metodologia do Ensino em EAD e Novas Tecnologias; obrigatório para Assistentes Acadêmicos; 50% (cinquenta por cento) para os demais cursos de Graduação e Pós-Graduação. Para solicitar bolsa de estudos, o pedido deverá ser encaminhado por para: Ana Chornobay Departamento de Cobrança edu.br). Empréstimo Consignado (CEF) empréstimo com taxas de juros acessíveis e desconto direto em folha de pagamento. Concedido aos colaboradores com mais de 06 (seis) meses de vínculo empregatício, que não possuam débitos pendentes e mediante aprovação e consulta de saldo pelo RH, sendo que: valor negociado diretamente com CEF. A empresa não interfere nesta negociação; prazo empréstimo com prazo máximo de 36 (trinta e seis) meses; desconto o valor de desconto não poderá ultrapassar a margem de 30%(trinta por cento) do salário bruto, ficando a critério da empresa a liberação, da porcentagem e da margem, para a negociação. 16

18 Para solicitar o empréstimo junto à CEF, o colaborador deverá fazer o seguinte procedimento: * enviar para o endereço: sendo que o prazo para resposta é de até 48 horas úteis; * após receber a carta com a margem e os três últimos holerites, é preciso juntar a eles a documentação pessoal (RG, CPF e comprovante residencial, atualizado e em seu nome, dos últimos 90 (noventa) dias) e dirigir-se até uma CEF para a verificação e a liberação do valor solicitado; O desconto é gerado no mês subsequente ao empréstimo, por intermédio de arquivo enviado pelo próprio banco. Ginástica Laboral a FAEL disponibiliza aos colaboradores que trabalham nas unidades de Curitiba e da Lapa um profissional de fisioterapia para aplicar ginástica laboral duas vezes por semana, durante 15 minutos. Normas Internas Avisos Gerais e Segurança do Trabalho Não é permitida a circulação de colaboradores nas dependências da empresa fora do seu horário de trabalho, salvo com autorização da gerência imediata. Todos devem colaborar com a FAEL no cumprimento das Normas de Segurança e de Saúde no Trabalho. Não promover qualquer tipo de brincadeira que possa causar transtornos aos seus colegas de trabalho, desviando-lhes a atenção e provocando possíveis acidentes. É proibido fazer uso de bebidas alcoólicas ou de qualquer tipo de droga alucinógena durante o expediente de trabalho e/ou apresentar-se em estado de embriaguez. É proibido fumar nas dependências da empresa. Colaborar com a manutenção da higiene, da ordem e da limpeza de seus locais de trabalho e das dependências de uso coletivo. Zelar por sua aparência pessoal. Cuidados! Evite quedas ao trafegar em escadas e em locais com pisos irregulares. Cuidado com portas dos armários ou das gavetas abertas. Atenção aos fios de equipamentos móveis, como, por exemplo: projetor, notebook, celular, ventiladores, etc. Este manual estará disponível em arquivo eletrônico para acesso do colaborador a qualquer momento por intermédio do link <http:// /manual_do_colaborador_fael.pdf>. 17

19 Telefones e Contatos Úteis Atendimento: Call Center Geral Curitiba (para discagem direta no ramal - alterar numeração final) Recursos Humanos Departamento de Pessoal: Cleidy Santos e Izabel Anjos Processo RH/ Treinamento: Dieme Santos Recrutamento e Seleção: Herta Plasse Preposto Trabalhista/ Homologações : Simone Martins Gestão de RH: Vivian Santos: 9400 Financeiro Sinara Monn 9404 Cobrança Ana Chornobay 9402 Administrativo/Compras Tiago Santos e Alessandra Berdacki TI Infraestrutura Maxmiliano e Ricardo 9419 Comercial/MKT Camile Bittencourt Mattar 9407 Riggle Niccolas 9431 Logística Raquel Lorenz Geral Lapa * (para discagem direta no ramal - alterar numeração final)* Administrativo Luana Ramos 8452 Gestão de Rede Juliana Margaretha 8473 Produtora Curitiba Administrativo / Recursos Midiáticos Fabiola Ramos

20 Comprovante de Conhecimento Prezado Colaborador, Os regulamentos e as normas contidas neste documento têm o objetivo de preservar a segurança e a integridade dos colaboradores desta empresa, assim como de orientar a todos, inclusive terceiros, consultores e prestadores de serviço, sobre quais são os comportamentos mínimos exigidos nas dependências e/ou na representação da FAEL. Contamos com a sua colaboração! Declaro ter conhecimento dos direitos, deveres, regras, e demais informações contidas neste Manual do Colaborador, bem como suas recomendações e sanções. Nome: Função: Setor: Assinatura: Data: / /. Este manual estará disponível em arquivo eletrônico para acesso do colaborador a qualquer momento por intermédio do link <http:// /manual_do_colaborador_fael.pdf>. 19

Manual do colaborador

Manual do colaborador Bem-vindo à Fael, A seguir você conhecerá um pouco mais da empresa que irá te receber. 1 Neste manual, você terá todas as informações necessárias para construir uma bela trajetória profissional. Cuide

Leia mais

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador Manual do Colaborador FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A Manual do Colaborador Bem-vindo à Fael! Neste manual, pretendemos elucidar para você todas as informações necessárias para lhe ajudar

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador Manual do Colaborador FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A Manual do Colaborador Bem-vindo à Fael! Neste manual, pretendemos elucidar para você todas as informações necessárias para lhe ajudar

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde 3 Benefícios O Processo de Benefícios atua como agente visando minimizar as situações problemas existentes na relação homem-trabalho, através de orientações e esclarecimentos aos empregados sobre os benefícios

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO 1. OBJETIVO O departamento de Recursos Humanos da FECAP pretende com esse manual de normas e procedimentos sobre a jornada de trabalho, informar os seus

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE CUIABÁ e VARZEA GRANDE, e do outro lado, representando os empregadores

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000566/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070788/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.014471/2010-70 DATA DO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0

MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANILHA DE HORAS 7.0 Funcionamento da Planilha de Horas Resumo das Etapas Preenchimentos Obrigatórios Abono Cliente Falta Férias Horas Extras Observações Importantes Envio da Planilha

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Guia prático de bolso PSC e Portal RH

Guia prático de bolso PSC e Portal RH Guia prático de bolso PSC e Portal RH O QUE É PSC? O PSC (Positivo Serviços Compartilhados) é um sistema de gestão que centraliza todos os processos administrativos do Positivo. Tem como principal objetivo

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001249/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030888/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46304.001732/2014-15 DATA DO

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

Como contratar seu empregado

Como contratar seu empregado MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Produto: Conjunto: Subconjunto: Título: TRABALHO CONTRATO ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO 1. OBJETIVO: 1.1. Definir as políticas, metodologia e diretrizes referentes à rotina

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015 1 - Manutenção de todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015, celebrados entre Sinproep-DF e Sinepe-DF com os seguintes

Leia mais

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DEFINIÇÃO O estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal:

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal: TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: CEP: Telefone: Representante legal: RG: CPF: 1. Por este termo, o associado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000334/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039626/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001278/2014-33 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS Capítulo 1 Recrutamento... 3 1.1 Possíveis ocorrências de recrutamento... 4 1.1.1 Ampliação do quadro de pessoal... 4 1.1.2 Desligamento de empregado... 5 1.1.3 Promoção...

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002026/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020428/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004564/2012-89 DATA DO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador

Manual do Colaborador. FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A. Manual do Colaborador Manual do Colaborador FAEL - Sociedade Técnica Educacional da Lapa S/A Manual do Colaborador Bem-vindo à Fael! Neste manual, pretendemos elucidar para você todas as informações necessárias para lhe ajudar

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA - 1º SEMESTRE DE 2015

RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA - 1º SEMESTRE DE 2015 RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA - 1º SEMESTRE DE 2015 ORIENTAÇÕES GERAIS Processo O processo de renovação de matrícula constitui-se de três etapas válidas para todos os alunos veteranos dos cursos de graduação:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenador: Prof. Dr. Antônio Corrêa de Lacerda Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Regina Maria d Aquino Fonseca Gadelha Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a

Leia mais

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: NÚMERO DO PROCESSO: DATA DO PROTOCOLO: Página 1 de 8

NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: NÚMERO DO PROCESSO: DATA DO PROTOCOLO: Página 1 de 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ENTRE A EMPRESA MOINHO CANUELAS LTDA E O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA SINDALIMENTAÇÃO-BA 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001597/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024152/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.007124/2015-16 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE 2012/2013 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE que entre si fazem, o SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE CRICIÚMA E REGIÃO, entidade representativa sindical da categoria profissional

Leia mais

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação EDITAL n. 06.2012 - FAEL- EAD, 30 de maio de 2012 Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação A Faculdade Educacional

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS Prezados Senhores, Ref. VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS A Associação Comercial de Ilhabela está disponibilizando para as empresas da cidade, que fornecem para seus funcionários cestas básicas (ou vale-alimentação),

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002030/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054079/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.033057/2010-51 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

Programa Nota CAPES COTA

Programa Nota CAPES COTA PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO A FAPESB tem como um de seus principais objetivos apoiar a formação científica através da concessão

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO

CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVÊNIOS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO A Imediata Consultoria e Serviços LTDA possui convênios com instituições de ensino no âmbito de divulgação de vagas de estágio e de percentual de bolsas de estudos.

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000685/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026595/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.007774/2010-05 DATA DO

Leia mais

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior

FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior FIES Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior Perguntas frequentes 1 O que é o FIES? O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Ministério da Educação

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA Art. 1º Este regulamento fixa normas e procedimentos para o serviço circulação das coleções pertencentes às bibliotecas

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000058/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/01/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR003190/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.000754/2010-34 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si fazem, nos termos do artigo 611 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, artigos 7º, XXVI, e, 8º VI, da Constituição da República, SINDICATO DOS PROFESSORES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA

TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA SEGURO DE VIDA 1- Objeto da Licitação: Prestação de serviço para contratação de seguro de vida em grupo para os empregados da Empresa Municipal de Informática S.A - IplanRio, visando

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS 1 CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE PROGRAMAS DE VIAGENS IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES O(a)Sr(a)., RG n.º, CPF, telefone(s),e-mail, endereço, Bairro,Cidade, Cep, de ora em diante denominado(a) simplesmente

Leia mais

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS CATAVENTOCULTURAL E EDUCACIONAL MA UAL D RECUR O HUMA O 13187 MA UAL DE ECURSOS HUMANOS Catavento Cultural e Educacional Organização Social de Cultura CATA VENTO CULTURAL E EDUCACIONAL MANUAL DE RECURSOS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 1997 / 1998 A presente cópia foi registrada e arquivada na DRT/DF sob o n.º: 46206.006203/97-55 em 01/07/97 Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada por professores, alunos e funcionários da UNIESP. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA A Direção da UNIESP estabelece normas disciplinando o funcionamento da Biblioteca, no ano de 2013/1. CAPÍTULO I DO USO DA BIBLIOTECA Art. 1º - A Biblioteca poderá ser utilizada

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário

NORMA 1 OBJETIVO. Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS. 2.1 Abono Pecuniário 1/6 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão e pagamento de férias. 2 CONCEITOS 2.1 Abono Pecuniário Valor pago ao beneficiário que optar expressamente por converter 1/3 (um terço) do seu período

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais