Índice EXPEDIENTE. Relatório de Atividades Conselho de Administração Secretaria e atividades da Diretoria Executiva, Conselho de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice EXPEDIENTE. Relatório de Atividades 2007. Conselho de Administração...02. Secretaria e atividades da Diretoria Executiva, Conselho de"

Transcrição

1 EXPEDIENTE Relatório de Atividades de 2007 da Cooperativa de Trabalho Médico Unimed de Marília Rua Bororós, 225 Bairro Salgado Filho CEP Marília - São Paulo Tel.: Fax.: Diretoria Executiva Dr. Francisco Quirici Neto Presidente Dr. Gustavo Aníbal Rojas Prieto Vice-Presidente Dr. José Augusto Prado Superintendente Administração e Financeiro Paulo Rosa Produção Editorial Werbus$ Marketing Integrado Av. Rui Barbosa, 890 Conj. 7 Cep: Tel.: Diretor de Edição e Produção: Ricardo Costa Textos: Foram fornecidos pelos responsáveis dos departamentos. Projeto Gráfico: Werbus$ Marketing e Comunicação Diagramação e Arte Finalização: Anderson Meira Fotos: Paulo Casini Logística: Maria de Lourdes Dalmazzo Caetano Impressão e acabamento: MaxGráfica Nota do Editor Este relatório é um meio de comunicação das atividades realizadas pela Cooperativa em Os assuntos são tratados de forma pontual a fim de proporcionar uma leitura rápida e dinâmica. Índice Conselho de Administração...02 Secretaria e atividades da Diretoria Executiva, Conselho de Administração e demais Conselhos...03 Editorial...06 Novos Cooperados...07 Reconhecimento Social...08 XV Encontro de Secretárias dos médicos cooperados da Unimed de Marília...09 T.I. - Tecnologia da Informação...10 Departamento de Vendas...10 Central de Compras...10 Farmácia Unimed...11 Departamento de Órteses, Próteses e Materiais Especiais...11 Marketing e Comunicação...12 Unijovem Jovens Voluntários...13 Mulher Unimed...14 ISO 9001: Qualidade em atendimento...15 NAS - Núcleo de Atendimento à Saúde...16 Programas Sociais...17 Medicina Ocupacional...18 Home Care...18 Unidade da Garça...19 Administração, Financeiro e Indicadores de Desempenho...20 Relatórios de Demonstrativos Contábeis...31 Parecer dos Auditores Independentes...43 Parecer do Conselho Fiscal

2 Conselho de Administração DIRETORIA EXECUTIVA Diretor Presidente: Dr. Francisco Quirici Netto Diretor Vice-Presidente: Dr. Gustavo Anibal Rojas Prieto Diretor Superintendente: Dr. José Augusto Prado VOGAIS Dr. Alexander Fantoni Dr. Cesar Emile Baaklini Dr. João Alberto Salvi Dr. José Carlos Nardi Dr. José João Marques Ribeiro Dr. Paulo Roberto Teixeira Micheloni CONSELHO TÉCNICO Dr. Alfredo Rafael Dell'Aringa Dr. Carlos Eduardo Bueno Dr. Paulo Eduardo de Oliveira Carvalho Dr. Roberto R. Mizobuchi Dr. Roberto Strozze Catharin Dr. Ronaldo de Oliveira Junior CONSELHO FISCAL Dr. Dagoberto Teixeira Filho Dr. Edgard Camilo de Oliveira Dr. José Joaquim Madeira Alves da Silva Dra. Lucienne Santos ferro Dr. Marcos Lopes Miranda Dr. Massao Hayashi Relatório da Secretaria da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração e Demais Conselhos 02 Ao centro, Lourdes, responsável pela Secretaria e atividades do Conselho de Administração

3 Conselho de Administração e/ou Diretoria Executiva Atividades Datas Locais 24ª SUESP 04,05,06,07,08/07 Guarujá CONAU 10,11,12,13,14 e 15/10 Natal Assembléia Geral Ordinária 28/03 Sede da APM Assembléia Geral Extraordinária 06/11 Sede da APM Reunião Geral 15/02 Sede da Unimed Reunião Geral 21/03 Sede da Unimed Reunião Geral 24/04 Sede da Unimed Reunião Geral 14/05 Sede da Unimed Reunião Geral 17/07 Sede da Unimed Reunião Geral 25/09 Sede da Unimed Reunião Geral 01/10 Sede da Unimed Reunião Geral 27/11 Sede da Unimed Reunião Geral 19/12 Sede da Unimed Reunião na Fesp 26, 27 e 28/01 São Paulo Reunião na Fesp 23 e 24/02 São Paulo Reunião na Fesp 24/03 Rib. Preto Reunião na Fesp 28/04 Campos de Jordão Reunião na Fesp 25, 26/05 São Paulo Reunião na Fesp 22 e 23/06 São Paulo Reunião na Fesp 20,21/07 São Paulo Reunião na Fesp 23, 24 e 25/08 São Paulo Reunião na Fesp 27, 28 e 29/09 São Paulo Reunião na Fesp 25, 26 e 27/10 São Paulo Reunião na Fesp 22, 23 e 24/11 São Paulo Reunião na Fesp 20, 21 e 22/12 São Paulo Reunião Unicop 05 e 06/01 Bauru Reunião Unicop 02 e 03/02 Jaú Reunião Unicop 02 e 03/03 Bauru Reunião Unicop 16, 17 e 18/03 São Pedro Reunião Unicop 13 e 14/04 Ourinhos Reunião Unicop 04 e 05/05 Bauru Reunião Unicop 01 e 02/06 Bauru Reunião Unicop 13 e 14/07 Presid. Prudente Reunião Unicop 03 e 04/08 Dracena Reunião Unicop 31/08 Marília Reunião Unicop 7 e 08/09 Ourinhos Reunião Unicop 21/03 Lençóis Paulista Reunião Unicop 05 e 06/10 Bauru Reunião Unicop 09 e 10/11 Tupã Reunião Unicop 09 e 10/12 Bauru Reunião Geral das Unimeds 30/11 e 01/12 Santos 03

4 Reunião Geral 28/02 Relatório de Atividades 2007 Conselho Fiscal Atividades Datas Locais Sede da Unimed Reunião Geral 19/03 Sede da Unimed Reunião Geral 22/03 Sede da Unimed Reunião Geral 09/05 Sede da Unimed Reunião Geral 20/06 Sede da Unimed Reunião Geral 04/07 Sede da Unimed Reunião Geral 01/08 Sede da Unimed Reunião Geral 27/08 Sede da Unimed Reunião Geral 17/10 Sede da Unimed Reunião Geral 12/12 Sede da Unimed Conselho Técnico Atividades Datas Locais Reunião Geral 29/01 Sede da Unimed Reunião Geral 05/02 Sede da Unimed Reunião Geral 02/05 Sede da Unimed Reunião Geral 16/05 Sede da Unimed Reunião Geral 27/08 Sede da Unimed Reunião Geral 17/09 Sede da Unimed Reunião Geral 24/09 Sede da Unimed Reunião Geral 01/10 Sede da Unimed Reunião de Especialidades Atividades Datas Locais Ginecologia e Obstetrícia 04/01 Dermatologia 26/03 Gastroenterologia 29/03 Cirurgia Geral 29/03 Ginecologia e Obstetrícia 19/06 Urologia 24/10 Comissão de Honorários Médicos Atividades Datas Locais Reunião 08/01 Sede da Unimed Reunião 29/01 Sede da Unimed Reunião 07/03 Sede da Unimed Reunião 02/04 Sede da Unimed Reunião 23/04 Sede da Unimed Reunião 29/05 Sede da Unimed Reunião 30/07 Sede da Unimed Reunião 307/08 Sede da Unimed Reunião 23/08 Sede da Unimed Reunião 28/08 Sede da Unimed Reunião 23/10 Sede da Unimed Reunião 25/10 Sede da Unimed Reunião 22/11 Sede da Unimed Reunião 21/12 Sede da Unimed 04

5 Encontro Home Care na Fesp 08, Relatório de Atividades 2007 Reunião da Diretoria Executiva e Membros da Unimed em Eventos, Cursos e Empresas Atividades Datas Locais Pós Graduação em Auditoria 19 e 20/01 Bauru Médica Pós Graduação em Auditoria 09 e 10/02 Bauru Médica Pós Graduação em Auditoria 09 e 10/03 Bauru Médica Pós Graduação em Auditoria 11 e 12/05 Bauru Médica I Seminário Jurídico C.O.Pta. 09/02 Bauru III Jornada de Desenvolvimento 22 e 23/03 Rib.Preto 09 e 10/03 São Paulo I Encontro de Auditoria Médica 20 e 21/04 São Paulo Fesp III Painel Jurídico 26 e 27/04 Campos de Jordão Reuniãoa de Farmácias 21/04 Rib. Preto Reunião Home Care - Fesp 31/05 São Paulo 2ª Jornada de Medicina 14/06 São Paulo Ocupacional Curso de Conselho Fiscal - 30/06 Bauru Unicop Curso ref. NBR ISSO 9001: /06 Marília Reunião de Farmácias na 11/07 Bauru UNICOP 2º Congresso Nacional de 20, 21 e 22/09 Guarulhos Auditoria Workshop de Cardiologia 22/09 Bauru Encontro de Méd. Baseada 23 a 27/10 Evidências Reunião de Auditoria em 30/10 São Paulo Ortopedia Reunião de Auditoria em 28/11 São Paulo Ortopedia Curso de Auditoria 23 e 24/11 Interna/colaboradores Reunião do NAE 08/12 Bauru Reunião com Prestadores ref. 06/02 Sede da Unimed TISS Reunião com Prestadores ref. 13/02 Sede da Unimed TISS Reunião ref. ANS aos 01/03 Casa do Médico Cooperados e Prest. Reunião com Prestadores ref. 13/03 Sede da Unimed TISS Auditores 16/05 Sede da Unimed Câmara Técnica Fesp 24/05 São Paulo Auditoria Técnica 21/06 Buru Hospitais e Cooperados 03/10 Garça Hospitais e Cooperados 16/10 Pompeia ACIM 24/01 05

6 Editorial Ao chegarmos ao fim de mais um ano, ficamos gratificados ao constatar que mesmo com todas as dificuldades por que passa o sistema cooperativo de trabalhos médico, a tutela permanente do Estado e da agência Nacional de Saúde em uma estrutura social bem definida constitucionalmente a concorrência nem sempre leal e ética de alguns convênios, a insegurança da economia que esmaga a classe média e dificulta a classe empresarial, nossos clientes mais importantes, temos apesar disto motivos para comemorar. Crescimento significativo na quantidade de beneficiários, nos índices econômicos financeiros e na produção de serviços aos cooperados. De forma inédita, no sistema Unimed, principalmente no Estado de São Paulo, fomos os primeiros a implantar a tabela de honorários médicos atual CBHPM desenvolvida pela Associação Médica Brasileira. De início com os 20% de deflação, ou seja, 80% do valor definido pela tabela e hoje já estamos com 100% do valor da tabela para a consulta médica e 85% para os procedimentos médicos em geral. Paralelamente e na mesma proporção fomos aumentando o SADT através da unidade de serviço (ch) e corrigindo algumas distorções, ainda encontradas na tabela atual, como por exemplo, as urgências, o acompanhamento puerperal obstétrico, o acréscimo de percentuais em atendimentos fora do horário, etc. Com todas as imposições e obstáculos criados pela ANS de origem gerencial, econômicos e política, uma vez que coloca a população, bastante desinformada dos problemas do sistema de saúde como um todo, contra o segmento de saúde complementar, que como o próprio nome diz veio para complementar as dificuldades que o Sistema Único de Saúde (SUS) tem para cumprir a prerrogativas de nossa Constituição, tivemos resultados bastante positivos. Todos nós, 419 cooperados, serviços cadastrados, hospitais, clínicas, clientes internos e externos, conseguimos chegar ao fim deste exercício com a sensação de dever cumprido. A cooperativa conseguiu manter em dia todos os compromissos econômicos, financeiros e sociais com os cooperados e ainda, como todos poderão ver, conseguimos uma sobra liquida considerável à disposição desta Assembléia Geral Ordinária. No que se refere à técnica médica e administrativa, devido à competência de nossos cooperados e o trabalho desenvolvido em nossa região conseguimos o reconhecimento e o respeito do Sistema Unimed, principalmente das singulares que fazem parte da Federação Intrafederativa Centro Oeste Paulista, onde se comprova que a união tem feito a força. A ingerência cada vez mais obstinada da agência reguladora sobre a atividade médica da cooperativa, em grande parte devido ao desconhecimento legal, operacional e filosófico do que é uma cooperativa nos coloca apenas como operadora de saúde complementar confundindo-nos com outros convênios médicos e ou com medicinas de grupos mercantilistas que há décadas vem explorando o trabalho médico. As últimas resoluções normativas, por exemplo, se aplicadas, ampliarão as dificuldades em manter a nossa política de aumentar gradativamente o repasse dos recursos para os honorários dos cooperados o que é inaceitável. Apesar disto, de nossa parte manteremos o compromisso de continuar lutando pela valorização do trabalho médico de nossos cooperados. Em resumo, com a ajuda de todos os cooperados, com uma medicina de qualidade em nossa cidade, com a união em torno de um ideal cooperativo e com a convicção que o caminho escolhido, pelo menos na atualidade, é o melhor a ser seguido, conseguimos vencer obstáculos e pretendemos continuar mantendo um crescimento sustentável e organizado. Parabéns a todos é a nossa mensagem. Diretoria Executiva 06

7 Novos Cooperados O Conselho de Administração apresenta os colegas que passaram a integrar o quadro de cooperados da Unimed de Marília. Aos novos cooperados as nossas Boas Vindas e votos de felicidades! Dr. Alexandre de Faria Rodrigues Oftalmologia Dr. Alexandre Raful Psiquiatria Dr. Cláudio José Rubira Cirurgia Toráxica Dra. Cristiane B. da Costa Silva Neuropediatria Dra. Edna Eiko Shimada Hiromoto Psiquiatria Dra. Fabiana Márcia Colucci Dermatologia Dr. Fernando Camargo C. Faria Anestesiologia Dr. José Luis Martins Penachio Anestesiologia Dr. José Raphael de N. Montoro Cirurgia da Cabeça e Pescoço Dra. Juliana Hortense Dermatologia Dr. Vitor Barion C. de Pádua Ortopedia e Traumatologia 07

8 Reconhecimento social 08

9 XV ENCONTRO DE SECRETÁRIAS DOS MÉDICOS COOPERADOS DA UNIMED DE MARÍLIA Vibração e participação animaram o ambiente. Integração e confraternização marcaram o encontro entre as secretárias. A Unimed promoveu o XV Encontro de secretárias do Sistema Unimed de Marília com o objetivo de promover a educação cooperativista, conhecimentos profissionais e organizacionais,integração e confraternização entre as Secretárias, bem como homenagear e valorizar a profissão. XX ENCONTRO NACIONAL DE COMITÊS EDUCATIVOS E DESENVOLVIMENTO HUMANO A Unimed de Marília esteve presente no XX ENCONTRO NACIONAL DE COMITÊS EDUCATIVOS E DESENVOLVIMENTO HUMANO com o intuito de obter informações e práticas cooperativista que possam auxiliar na maior integração e participação dos cooperados, bem como melhorar a remuneração. O evento tratou de assuntos macroeconômicos que afetam as operadoras de planos de saúde e da preocupação existente com a longevidade dos cooperados e suas atvidades profissionais.foram apresentados casos de sucessos de pagamento de férias remuneradas aos cooperados e Comitês Educativos constituídos há tempo. A programação contou com os temas: - Os Desafios da Atualidade para o Cooperativismo e a Saúde Suplementar; - A Multiplicidade do Sistema Unimed: Convergências Singulares nas Cooperativas; - Projetos de Ações Educacionais - Casos de Sucesso; - Atuação Médica: Perspectivas Profissionais com Qualidade de Vida; Oficina de Trabalho: Comitê Educativo/Núcleo de Desenvolvimento Humano: Transformando Idéias em Ações; 09

10 T.I. - Tecnologia da Informacão O setor de Tecnologia da Informação da Unimed de Marilia teve diversas inovações nesse ano, porém algumas se destacaram como as mais importantes frente às necessidades que já existiam e outras que sugiram no percurso do ano. O sistema de controle de consultórios e prestadores sofreu diversas alterações para atender as normas preconizadas pela ANS através da implantação padrão TISS. Essas mudanças foram inúmeras. Tomamos o cuidado de não se tornarem visíveis aos usuários do sistema. Com essa medida tivemos poucas dificuldades nas trocas de versões. Realizamos treinamento com a maioria das secretárias, prestadores e médicos para utilização do sistema - autorização online-, O sistema se mostrando como uma importante ferramenta de uso diário no atendimento aos beneficiários. Investimos em redundância de Servidores fazendo com que as requisições fossem respondidas em menos tempo, apesar de um significativo aumento, mais de quinze vezes a quantidade de transações. A instalação desse novo recurso manteve em praticamente o mesmo tempo de resposta. A ampliação de servidores aumentou a segurança no armazenamento dos dados e a disponibilidade das informações. A redundância faz com que mesmo que um equipamento tenha problemas outro de igual capacidade assuma imediatamente as operações do servidor principal. O departamento de Tecnologia da Informação passou a contar com uma área específica para tratamento de dados que são transformados em Informações Inteligentes para tomada de decisões. Essa área deve atender ao Conselho de Administração e setores estratégicos da cooperativa que necessitam de informações compiladas dados aleatórios que quando comparados entre si e analisados sob uma ótica crítica e objetiva tornam-se informações estratégicas. O departamento de TI fica à disposição dos cooperados e prestadores para quaisquer duvidas, bem como para suporte técnico de hardware (computadores e periféricos) e software (programas, aplicativos e sistemas operacionais). Departamento de Vendas Encerramos o ano com beneficiários correspondendo ao crescimento de 7,14% em termos relativos, e novos beneficiários em termos absoluto. Os números são passíveis de uma pequena variabilidade devido a flutuação dos beneficiários que entram e que saem. Em média temos mantido em torno de beneficiários. O volume de operações de vendas é derivado de contratos de pessoas jurídicas e físicas, nas modalidades de pré-pagamento, hospitalar e custo operacional. São contratos novos e/ou contratos antigos com novas inclusões de vidas. A rentabilidade dos contratos tem se mantido estáveis. Os contratos que apresentam riscos na rentabilidade ou que já se mostraram deficitários foram negociados com êxito. A cooperativa tem se limitado a comercialização de planos tradicionais, pois está impedida de criar e lançar outros produtos que não sejam aqueles determinados pela ANS- Agência Nacional de Saúde. Central de Compras A partir das planilhas de cotações de compras foi possível medir os resultados obtidos em cada negociação, o que somou R$ ,90, sendo o ganho em materiais e medicamentos de 93,52%, e insumos de 3,48%. As vendas totalizaram R$ ,31 durante o ano, representando aumento de 78% quando comparado ao ano de O crescimento é vertical, pois os mesmos clientes passaram a comprar volumes maiores e com mais freqüência. Atribuímos este crescimento a uma política comercial mais agressiva, diminuindo o tempo de resposta na compra e entrega de produtos, e a implantação de novos processos de melhoria no atendimento. 10

11 Farmácia Unimed A Farmácia Unimed em 2007 teve um crescimento de cerca de 1% nas suas vendas, mas considerando que os medicamentos em 2007, tiveram um reajuste de cerca de 4%, ela teve pela primeira vez na sua história, um crescimento negativo. Vendas em 2006 e , , , , , , , , Este resultado foi devido ao fato de que em 2007, tivemos a abertura em Marília, de pelo menos quatro redes de farmácias de grande porte, todas, praticando políticas agressivas de preços e de trabalho junto aos médicos, sendo que alguns destes, mesmo cooperados, passaram a indicar estas farmácias em detrimento da nossa farmácia. Com relação à alguns medicamentos, em especial, àqueles que podem ser adquiridos com cupons, nossa farmácia tem praticado preços um pouco maiores, mas no mix, o nosso é melhor e para alguns medicamentos temos preços consideravelmente mais baixos. Continuamos com nossas entregas em domicílio nas cidades de Marília, Garça e Pompéia, sem custos e sem valores mínimos e também continuamos com nossas aplicações de injetáveis em domicílio na cidade de Marília, sem custos para os beneficiários, portanto agregando valores aos seus planos. Departamento de Órteses, Próteses e Materiais Especiais Atualmente o departamento funciona com Leila Critistina Ferreira, coordenadora; Dr. Sérgio Oliveira Beluci, médico auditor em ortopedia; Hélio Borges, tráfego e demandas; Manoel Pereira, serviços gerais. Compreende a atividade de aquisição de materiais para implantação em cirurgias, nas especialidades oferecidas pela cooperativa. As aquisições estão vinculadas as coberturas contratuais e as preconizações da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar, rastreabilidade dos produtos e comprovação científica. 11

12 Marketing e Comunicação O Departamento de Marketing e Comunicação da cooperativa criou, produziu e distribuiu materiais publicitários para: Campanhas de vendas: Plano Universitário; Plano Hospitalar Jornais: Diário de Marília, Jornal da Manhã. Revistas: D Marília; Universo Unimed Rádios: Jovem Pan; Universitária de Garça; Dirceu; Itaipu AM e FM; 950deVeraCruz. TV Fechada: TV Marília; TV Comunitária; Canal 9 Operacionalização dos Programas estratégicos de atendimento ao cliente, responsabilidade socioambiental e fortalecimento da marca. - CRM - Núcleo de Responsabilidade Social - Selo da Unimed do Brasil - Selo Abrinq - Mapeamento de Marketing na área de abrangência - Patrocínio e apoio aos programas sociais - Participação em Eventos do Sistema Nacional Unimed Algumas peças veiculadas durante o ano: 12

13 UNIJOVEM - Jovens Voluntários A Força Jovem do Cooperativismo Os integrantes do grupo de jovens voluntários da Unimed de Marília (Unijovem) estiveram fazendo um balanço das atividades desenvolvidas no ano de 2007 e iniciaram o estudo de planejamento para a temporada de Foi um ano de experiências novas e de novos desafios disse o presidente do grupo mariliense, André Luís da Silva, ao destacar o trabalho contínuo dos jovens voluntários na Escola Estadual Amilcare Mattei. Está sendo uma participação diferenciada, em razão de uma realidade, que até então, não conhecíamos, comentou ao recordar o início da parceria com a escola pública. Em 2007 o Unijovem manteve todos os eventos considerados tradicionais, além de criar novas situações para um trabalho específico com jovens carentes. Atividades como: Dia das mães; Encontro de Jovens e Adolescentes; Dia dos Pais; Viajem Teatral; Desfile Cívico de Sete de Setembro; Campanha da Saúde; Dia das Crianças; Festival de Basquete Feminino CTU; Visita ao Asilo e a entrega dos presentes de Natal, são atividades que em todos os anos acontecem. As ações realizadas no Centro de Treinamento Unimed (CTU), na cidade de Vera Cruz, também foram destacadas pelos voluntários do Unijovem de Marília. Foram recordados: as três reuniões com os pais; a palestra Sexo na Adolescência; o festival de basquete CTU (Campeão da categoria mini); entrega do Troféu do II Festival; festa de confraternização pelo título de Campeão do II Festival CTU; entrega de calçados esportivos às alunas; e visita da coordenadora do projeto CTU, entre outras atividades realizadas. As atividades culturais também foram realizadas com crianças carentes, como as apresentações de dança e teatro: a peça O Jogo da Vida, a apresentação dos 25 Anos da Academia Jazz Bell; o Undokai; a apresentação na EMEF Bento de Abreu Sampaio Vidal, no Shopping Esmeralda, no Hospital das Clínicas e as participações no Miss Primavera, Miss e Mister Jazz Bell. Foram realizadas peças de teatro em eventos específicos como: dia das Mães, encontro de jovens e adolescentes; dia dos Pais; peça teatral de Natal e as atividades festivas no encerramento das aulas na escola Amilcare Mattei e no Asilo. A realização destas atividades foi desenvolvida em parceria com várias empresas e entidades, que, segundo André Luis da Silva deve continuar na programação para 2008, como são os casos da Academia Jazz Bel, CCBEU, Colégio Cristo Rei, Prefeitura Municipal de Vera Cruz, Federação Unimed Centro Oeste Paulista, e a Unimed de Marília que é a base dos trabalhos do Unijovem. Estamos definindo as atividades deste ano, e poderemos ter novidades, falou o presidente que se reunirá com o grupo para concluir o planejamento atual. Relatório de Atividades 2007 Equipe de basquete feminino do CTU na cidade de Vera Cruz Entrega de calçados esportivos Jovens engajados em campanhas de promoção a saúde 13

14 MULHER UNIMED 14 Relatório de Atividades 2007 Dia Internacional em parceria com SICREDI, palestra e coquetel beneficente (arrecadação de alimentos para o Restaurante Infantil de Marília); Entrega de 5 oftalmoscópios para os Hospitais de Marília, Pompéia e Garça; Doação de cachecóis nos asilos: Casa do Caminho e Mansão Ismael; Doação de parte do piso para o Hospital Materno Infantil; Chá Beneficente com bingo (julho) para compra de óculos especiais aos assistidos: Venicius e Sabrina; Colaboração mensal à Adevimari: Música aos assistidos da AMUM: Colaboração mensal à Ecoterapia para 04 assistidos da AMUM; Aulas de pintura, papel mache, argila, etc... durante o ano, sob a coordenação da artista plástica Profª. Amanda Rafaela Belém; Doação de 02 computadores novos mais avançados para os assistidos: Venícius e Sabrina; Compra de material escolar trimestralmente para Sabrina, Bruno e Venícius; Bazar e Exposição dos trabalhos das Voluntárias e assistidos (dezembro); Noite de autógrafos - lançamento do livro da Voluntária Adélia Romero Dalmazzo; Participações em reuniões da AMUCOP, AMUSP (Jaú, Campos de Jordão, Bauru, São Paulo, etc...); Participação na SUESP em Guarujá; Inauguração da nova sede da Associação: Rua Paes Leme, 334; Participação das Voluntárias e assistidos no Encontro das Voluntárias das AMUs do Estado de S.Paulo (agosto); Participação no Encontro de Assistidos. em Jogos competitivos realizados em Tupã; Participação do Encontro de Voluntários e Assistidos em Bauru (AMUCOP) Campanha de armação de óculos pela AMUCOP, sendo que Marília foi campeã na arrecadação; Participação na confraternização de final de ano na Adevimari e Polícia Militar; Confraternização de final de ano entre as Voluntárias e assistidos pela AMU Marília. Integrante do programa Vida Iluminada, Adélia, lança livro de poesias intitulado Simplesmente Adélia.. Agradeço a Associação da Mulher Unimed de Marília, através da presidente, que ao saber deste meu sonho e conhecer o meu trabalho me incentivou e colaborou para realização deste. A Unimed que através de seu incentivo colabora com o crescimento do programa Vida Iluminada de Marília. A meus familiares, me esposo em especial às companheiras voluntárias. Adélia Romero Dalmazzo

15 ISO 9001:2000 Qualidade em atendimento Iniciamos o processo de certificação de Qualidade da Cooperativa. Para implantarmos os processos e métodos exigidos pelas Normas Internacionais de Qualidade contratamos o engenheiro Queiroz Benega. Profissional de comprovada experiência e que teve a seu favor o fato de residir em Bauru, cidade próxima, o que diminui o custo de locomoção e hospedagem do consultor. Por exigência das Normas devemos indicar Grasiele F. Stuart Representante da diretoria junto a Gestão da Qualidade Eng.º Queiroz Benega Consultor da Qualidade um colaborador para ser o representante da diretoria junto a certificadora. A representante indicada foi a senhora Grasiele F. Stuart. O processo está a todo vapor. Colocamos uma meta audaciosa à nossa equipe para que obtenhamos a certificação nos processos de atendimento aos benefeciários no prazo de seis meses. Já tivemos a primeira pré-auditoria da certificadora BVQI ( Bureau Veritas Q. Certification) a fim de auditar e buscar as não conformidades que impedem a outorga do Certificado. Tudo correu dentro da normalidade nessa primeira pré-auditoria. Uma vez apontadas as não conformidades nossa equipe esta trabalhando para resolvê-las no prazo estabelecido. Esclarecemos aos colegas que o processo de certificação, que compreende um repensar organizado da forma como fazemos as tarefas e porque as fazemos é o que nos motivou a busca da certificação. E de fato é o que está acontecendo. A equipe se pôs a pensar sobre o que fazem, por que fazem e onde estão os gargalos de produtividade e de qualidade. Acreditamos que ao final desta primeira etapa teremos uma rotina de trabalho mais enxuta, mais produtiva e com menos custos na entrega dos serviços aos beneficiários, cooperados e prestadosres de serviços. Afinal é o que fazem as organizações de sucesso mundial. Equipe de coordenadores e atendesntes recebendo treinamento sobre as normas e gestão da qualidade. 15

16 NAS - NÚCLEO DE ATENÇÃO À SAÚDE Programa de Atenção e Promoção à Saúde é Determinante na Composição do IDSS Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - junto a ANS À ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar compõe o IDSS das operadoras a partir de quatro indicadores, ou dimensão são chamados pela Agência, são eles: 1) Atenção à Saúde; 2) Estrutura e Operação; 3) Econômico-Financeiro; 4) satisfação do Beneficiário. A dimensão que diz respeito a Atenção à Saúde tem peso de 50% no computo total. É determinante para as operadoras desenvolver programas de atenção e promoção à saúde se quiserem se manter dentro do IDSS desejável ou no mínimo aceitável. A Unimed de Marília, identificada na ANS como operadora obteve em Maio de 2007, data de processamento, o IDSS de 0,68, lembrando que o máximo é 1,00. Considerado um bom desempenho quando comparado com operadoras da região ou de porte equivalente. O cooperado que quiser conhecer um pouco mais sobre a metodologia e os índices obtidos pela sua cooperativa pode acessar o link: Outra recomendação (exigência) da ANS é que os programas de Medicina Ocupacional e Preventiva sejam classificados em linhas de programas de atenção à Saúde. Na Unimed, através do NAS Núcleo de Atenção à Saúde as linhas ficaram assim organizadas: Linha: Atenção à Saúde Materno Infantil - Programa: Orientação as Gestantes - Programa: Saúde para a Infância e Adolescência Linha: Atenção à Saúde do Idoso - Programa: Caminhar com Saúde Linha: Gerenciamento de Doenças Crônicas - Programa: Co-morbidade Linha: Atenção à Saúde Coletiva e Trabalhadores - Programa: Empresas Saudáveis com palestras e eventos nas empresas - Programa: Imunizações Linha: Atenção à Doenças Metabólicas - Programa: Obesidade Infantil - Programa Obesidade - Programa Obesidade Grave Linha: Apoio aos Programas - Programa: Uniarte Festa Junina da terceira idade Linha: Capacitação e Educação Permanente Programa: Treinamento Interno Ações promovidas em Atenção a Saúde Programas Atividades Produção Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Palestras 5 Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Bingo 4 Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Coralmed 25 apresentações Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Quadrilha 04 apresentações Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Parceria AMU 2 Caminhar com Saúde, 19 grupos e 664 participantes Festa de 1 Confraternização Orientação as Gestantes, 55 participantes 1º semestre 4 Orientação as Gestantes, 47 participantes 2º semestre 4 Empresas Saudáveis Palestras nas 37 empresas Empresas Saudáveis Tabagismo/Marilan com 62 Encontros 15 participantes Semanais Obesidade (infantil/adolescente/adulto) com 212 Atendimentos 862 participantes Obesidade grave com 23 participantes ambulatoriais Atendimentos ambulatoriais

17 PROGRAMAS SOCIAIS COOPERATIVISMO, A ESCOLHA CERTA. É bom para o cooperado, é bom para a sociedade. Em 2007 a cooperativa manteve o patrocínio e apoio aos programas sociais. O balanço social passou a ser uma exigência da ANS e um compromisso da singular com o Sistema Nacional Unimed. Os dados de 2007 estão sendo finalizados e tão logo estejam prontos serão disponibilizados aos cooperados. Lar São Vicente de Paula Educandário Bento de Abreu APAE Restaurante Infantil Mulher Unimed Craquinho Unijovem Centro Espírita Luz e Verdade Cacam CTU - Centro de Treinamento Unimed - Projeto: Ferinhas do Basquete GACCH Grupo de Apoio as Crianças com Câncer e Hemopatias 17

18 MEDICINA OCUPACIONAL Foram celebrados 13 contratos de adesão com novas empresas; Foram expedidos exames ocupacionais de empresas novas e já existentes, pelos médicos do trabalho cooperados do sistema Unimed; Foram realizadas 132 visitas à empresas contratantes; Foram elaborados 29 documentos de Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO); 03 empresas foram assessoradas no processo de implementação de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPA); Foram ministrados 05 cursos e palestras informativas de prevenção a acidentes de trabalho e suas conseqüências; de conscientização sobre o uso de Equipamentos de Proteção Individual e princípios básicos para implantação do ISO 9000, Empresas conveniadas= 95 Número de beneficiários= Programas e serviços comercializados; - PCMSO - PPRA - Laudos - P.P.P. - Perfil Profissiográfico Previdenciário Home Care Levantamento de pacientes admitidos e readmitidos em 2007 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Marília Garça Pompéia Total Nº. Atend Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Adm. Read. Marília Garça Pompéia Total Nº. Atend Atendimento domiciliar - Unimed Marília Avaliação do Desempenho - 2º Semestre Indicadores Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Beneficiarios Ativos Taxa de Mortalidade para modalidade Internação Domiciliar Taxa de internação após Atenção Domiciliar Taxa infecção para a modalidade Internação Domiciliar Taxa de Alta da modalidade Assistência Domiciliar Taxa de Alta da modalidade Internação Domiciliar Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % Qtde % 3 2,10% 6 3,95% 9 5,66% 4 2,35% 8 4,71% 3 2,03% 1 0,70% 1 0,66% 2 1,26% 3 1,76% 5 2,94% 2 1,35% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% 0 0,00% 31 21,68% 33 21,71% 19 11,95% 28 16,47% 30 17,65% 21 14,19% 10 6,99% 9 5,92% 11 6,92% 19 11,18% 16 9,41% 3 2,03% Continuaram ativos (Crônicos) 98 68,53% ,76% ,21% ,24% ,29% ,41% TOTAL % % % % % % 18

19 UNIDADE DE GARÇA Unimed e Santa Casa de Garça firmam parceria Com o objetivo de ganhar mais mercado, firmar a marca Unimed na cidade de Garça, valorizar e gerar trabalho para os cooperados e reduzir custos de internações de doentes crônicos, a cooperativa estabeleceu uma parceria com a Santa Casa. A parceria compreende a destinação pela Santa Casa de uma ala com 14 leitos específicos para os beneficiários da Unimed, sendo 10 para doentes crônicos e 4 para emergências. A intenção é transferir doentes crônicos de Marília para serem atendidos naquela cidade, depois de aprovado pela família, a custos menores. A contrapartida é a cooperativa investir em reformas nos leitos e na área destinada aos mesmos. Com isso se pretende que os cooperados passem a atender os beneficiários na cidade possibilitando que outras especialidades, hoje inexistentes, possam ser oferecidas em Garça. Unimed de Marília comemora respeito a marca e a imagem criada pela cooperativa médica UNIDADE DE ATENDIMENTO DE GARÇA Unimed de Marília comemorou resultado de recente pesquisa desenvolvida pela Instituto Data Folha que aponta a excelente performance da Unimed no contexto de saúde suplementar no Brasil. Os números mostraram que a cooperativa médica é a maior e o melhor plano de saúde do País, além de possuir o maior índice de satisfação da categoria e para o qual os médicos mais gostam de trabalhar. A pesquisa foi contratada para conhecer a percepção do médico e do consumidor a respeito da marca Unimed. Os resultados mostram que 65% dos médicos que atendem clientes de vários planos de saúde, inclusive da cooperativa, consideram a Unimed o plano mais importante em seus consultórios. Na leitura dos resultados, considerando somente os médicos cooperados, esse índice chega a 91% dos médicos. Parte desta pesquisa foi apresentada na abertura da 37ª Convenção, pelo presidente da Unimed do Brasil, Dr. Celso Barros. Quando se pergunta ao médico qual o plano que ele mais gosta de trabalhar, a Unimed tem 51% de preferência na totalidade dos entrevistados, e 77% da preferência daqueles que são cooperados. Por outro lado, 51% dos médicos brasileiros reconhecem que a Unimed é quem melhor remunera o seu trabalho, índice que também sobe bastante quando se considera apenas a opinião dos que são cooperados. Na pesquisa com a população com 18 anos ou mais, que ouviu pessoas, os dados levantados mostram que a Unimed continua liderando com absoluta predominância o mercado de planos de saúde suplementar, com 32%, enquanto o concorrente direto mais próximo tem 2% de participação. Para o médico Celso Barros, os dados revelados pelo Datafolha, que entrevistou médicos que atendem planos de saúde, é uma manifestação de excelência. "Da mesma maneira, proporcionar atendimento cada vez mais qualificado e manter estruturas assistenciais bem organizadas e eficientes, sob os olhos do consumidor, é uma demonstração de nosso empenho na busca de sua satisfação. Segundo essa amostra, que representa a opinião da população e tem uma margem de erro máximo de 3 pontos percentuais, 79% dos clientes Unimed entendem que estão no melhor plano de saúde do Brasil e 82% deles estão satisfeitos ou muito satisfeitos com a escolha que fizeram. Fonte: Assessoria de Imprensa Unimed de Marilia 19

20 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ ATIVO CIRCULANTE CRESCIMENTO DE 12,92 % R$ R$ R$ CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES, PRESTAÇÕES À RECEBER, TÍTULOS À RECEBER R$ R$ ATIVO REALIZÁVEL LONGO PRAZO CRESCIMENTO DE 17,79 % R$ R$ R$ R$ R$ DEPÓSITO JUDICIAL (I.R.) R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ ATIVO PERMANENTE CRESCIMENTO DE 15,20 % R$ INVESTIMENTOS IMÓVEIS BENS MÓVEIS R$

21 TOTAL DO ATIVO CRESCIMENTO DE 14,14 % Relatório de Atividades 2007 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ BENS DIREITOS PASSIVO CIRCULANTE CRESCIMENTO DE 4,21 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ FORNECEDORES À PAGAR TRIBUTOS À PAGAR DEMAIS OBRIGAÇÕES R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ EXIGÍVEL LONGO PRAZO DIMINUIÇÃO DE 10,39 % R$ R$ PROVISÕES TRIBUTOS FINANCIAMENTOS 21

22 RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS CRESCIMENTO DE 278,21 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ JUROS SOBRE DEPÓSITOS JUDICIAIS R$ R$ R$ TOTAL DO PASSIVO CRESCIMENTO DE 6,61 % , ,00 R$ R$ R$ PROVISÕES OBRIGAÇÕES À PAGAR FORNECEDORES À PAGAR R$ R$ R$ PATRIMONIO LÍQUIDO CRESCIMENTO DE 22,12 % , ,00 R$ R$ R$ CAPITAL SOCIAL RESERVAS SOBRAS A DISPOSIÇÃO DA AGO 22

23 QUANTIDADE DE BENEFICIÁRIOS CRESCIMENTO DE 7,52 % CONSULTAS REALIZADAS CRESCIMENTO DE 6,96 % INTERNAÇÕES REALIZADAS CRESCIMENTO DE 25,47 %

24 Superávit R$ ,00 Resultado do Intercâmbio Recebido R$ ,00 Pago R$ ,00 R$ R$ RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CRESCIMENTO DE 9,67 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ PRODUÇÃO DOS COOPERADOS CRESCIMENTO DE 14,90 % R$ R$ R$ R$ R$ R$

25 PRODUÇÃO DOS COOPERADOS EM % SOBRE A RECEITA Relatório de Atividades ,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 42,86 43,73 43,53 43,78 42,43 41,79 39,08 39,16 40,16 39,40 38,01 36,66 36, GASTOS COM PLANO UTILMED CRESCIMENTO DE 4,57 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ CONSULTAS + BENEFÍCIOS 2007 Total pago com consultas R$ ,00 + Seguros / Aposentadoria R$ ,00 + Previdência Privada R$ ,00 + Utilmed Direto R$ ,00 TOTAL R$ ,00 Dividido por consultas realizadas no ano R$ 44,75 por consulta 25

26 DESPESAS COM HOSPITAIS CRESCIMENTO DE 8,84 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ DESPESAS COM LABORATÓRIOS CRESCIMENTO DE 13,74 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ DESPESAS COM RADIOLOGIAS CRESCIMENTO DE 9,79 % R$ R$ R$ R$ R$ R$

27 DESPESAS COM FISIOTERAPIAS CRESCIMENTO DE 26,76 % Relatório de Atividades 2007 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ P.P. 53 % C.O R$ PP P.P. CO C.O 47 % 50,73 % 49,27 % R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ HOME CARE CRESCIMENTO DE 0,81% R$ R$ R$ R$ MEDICINA PREVENTIVA DIMINUIÇÃO DE 5,34% R$ R$ R$ R$ R$

28 R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ DESPESAS GERAIS CRESCIMENTO DE 13,80 % R$ R$ R$ R$ R$ PUBLICIDADE E AÇÕES SOCIAIS CRESCIMENTO DE 44,40 % R$ R$ Verba Federação 24 % R$ R$ R$ R$ INCLUI VERBA RECEBIDA DA FEDERAÇÃO (Filme Unimed + Publicidade) R$ R$ R$ DESPESAS COM VENDAS CRESCIMENTO DE 7,22% R$ R$ R$ R$ R$

29 R$ R$ DESPESAS TRIBUTÁRIAS CRESCIMENTO DE 18,02% R$ R$ R$ R$ R$ CPMF + TAXAS DA ANS R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ DESPESAS FINANCEIRAS CRESCIMENTO DE 64,05% R$ R$ DESPESAS BANCÁRIAS PERDA COM CLIENTES DESCONTOS CONCEDIDOS R$ RESULTADO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DIMINUIÇÃO DE 3,18% R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ DIMINUIÇÃO DA TAXA SELIC 29

30 SOBRA OPERACIONAL CRESCIMENTO DE 2,71% R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ A DISPOSIÇÃO DA A.G.O = R$ ,34 SOBRA OPERACIONAL R$ ,22 (-) 6% JUROS S/ CAPITAL R$ ,13 (-) 5% FUNDO FATES R$ ,61 (-) 10% FUNDO DE RESERVA R$ ,22 (-) AJUSTE EXERC. ANT. INSS R$ ,92 SOBRA A DISPOSIÇÃO DA A.G.O. R$ ,34 Objetivos e Princípios Missão Através de médicos comprometidos com os valores e objetivos da cooperativa, prestar os melhores serviços de saúde, a preços justos, utilizando-se de práticas médicas baseadas em evidências científicas. Estabelecer parcerias éticas com prestadores de serviço de excelência, conscientes do propósito da Unimed. E dessa forma, sustentar a liderança na área de atuação. Valores Satisfação plena dos clientes: cooperados, usuários e colaboradores. Valorização e defesa da ética em todas as relações da cooperativa. Defender os princípios cooperativistas. Atividade médica humanizada. Respeito à atividade médica. 30

31 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) A T I V O CIRCULANTE Disponível Caixa e Bancos Conta Depósito Realizável Aplicações Financeiras Créditos de Operações com Planos de Assist.à Saúde Contraprestações Pecuniárias a Receber Operadoras de Saúde Assistência Médico-Hospitalar Outros Créditos de Operações c/ Planos de Assistência à Saúde Títulos e Créditos a Receber Outros Valores e Bens REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Títulos e Créditos a Receber Valores e Bens Outros Créditos a Receber a Longo Prazo PERMANENTE Investimentos Participações Societárias Investimentos no País Imobilizado Imóveis de Uso Próprio - Não Hospitalares Bens Móveis - Não Hospitalares Outras Imobilizações T O T A L D O A T I V O As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) P A S S I V O CIRCULANTE Provisões Técnicas de Operações de Assistência à Saúde Provisão de Risco Provisão de Benefícios Concedidos Eventos a Liquidar com Operações de Assistência à Saúde Débitos de Operações de Assistência à Saúde Operadoras de Planos de Assistência à Saúde Contraprestações de Co-Responsabilidade Transferida Intercâmbio a Pagar Obrigações com Pessoal Tributos e Contribuições a Recolher Tributos e Contribuições a Recolher - Parcelamento Fornecedores Aluguéis a Pagar Empréstimos e Financiamentos Provisões Débitos Diversos EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Provisões Técnicas de Assistência à Saúde Tributos e Contribuições a Recolher - Parcelamento Empréstimos e Financiamentos a Pagar RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS Resultado de Exercícios Futuros PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas Reservas de Sobras Resultados Sobras à Disposição da A.G.O T O T A L D O P A S S I V O As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 31

32 DEMONSTRAÇÃO DE SOBRAS E PERDAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) Contraprestações Efetivas de Operações de Assistência à Saúde Contraprestações Líquidas Variação das Provisões Técnicas ( ) ( ) Eventos Indenizáveis Líquidos ( ) ( ) Eventos Indenizáveis ( ) ( ) Recuperação de Eventos Indenizáveis Recuperação de Despesas com Eventos Indenizáveis RESULTADO DAS OPERAÇÕES COM PLANOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Outras Receitas Operacionais de Assist.à Saúde Não Real.c/Planos de Saúde Outras Despesas Operacionais de Assist.à Saúde Não Real.c/Planos de Saúde ( ) ( ) Tributos Diretos de Outras Atividades de Assistên cia à Saúde ( ) ( ) RESULTADO BRUTO Despesas de Comercialização ( ) ( ) Despesas Administrativas ( ) ( ) Outras Receitas Operacionais Outras Despesas Operacionais ( ) ( ) Provisão p/perdas sobre Créditos ( ) ( ) Outras ( ) ( ) RESULTADO OPERACIONAL Resultado Financeiro Líquido Receitas Financeiras Despesas Financeiras ( ) ( ) Resultado Patrimonial Receitas Patrimoniais Resultado não Operacional RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Imposto de Renda (2.752) (59.756) Contribuição Social (1.651) (25.832) Juros sobre Capital ( ) - RESULTADO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 32

33 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) Capital Social Reserva Técnica Fundo de Reserva FATES Ajustes de Exercícios Anteriores Sobras (Perdas) Total do Patrimônio Saldos em 31 de Dezembro de Destinações conf. A.G.O. Distribuição de Sobras ( ) ( ) Movimentação no Exercício: Admissão de Cooperados Exclusão de Cooperados (15.570) (15.570) - Movimentação de Reservas: - Baixas por Utilização ( ) - - ( ) - Resultado do Exercício - Sobras Apuradas Destinações Legais e Estatutárias: - Transf p/ FATES Result Atos não Cooperativos (52.621) - Fundo de Reserva 10% ( ) - FATES 5% ( ) - Juros sobre Capital ( ) ( ) Saldos em 31 de Dezembro de Destinações conf. A.G.O. Distribuição de Sobras ( ) ( ) Incorporação de Sobras ( ) - Movimentação no Exercício: Admissão de Cooperados Exclusão de Cooperados (16.616) (16.616) Ajustes de Exercícios Anteriores ( ) - ( ) - Movimentação de Reservas: - Baixas por Utilização do FATES ( ) - - ( ) Absorção Ajustes Exercícios Anteriores ( ) - Resultado do Exercício - Sobras Apuradas Destinações Legais e Estatutárias: - Fundo de Reserva 10% ( ) - FATES 5% ( ) - Saldos em 31 de Dezembro de

34 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais) ORIGENS DE RECURSOS Das Operações Sobras do Exercício Depreciação e Amortização (-) Equivalência Patrimonial - (78.569) Dos Quotistas Integralização Capital Baixa no Imobilizado De Terceiros Baixa de Investimentos Aumento Resultado de Exercícios Futuros Total das Origens APLICAÇÕES DE RECURSOS Aquisições de Direitos do Imobilizado, ao Custo Integralização de Novos Investimentos Utilização do FATES Baixa de Cooperados Juros s/ Capital Transf. de Exigível a Longo Prazo p/passivo Circulante Aumentos no Realizável a Longo Prazo Ajustes de Exercícios Anteriores Distribuição de Sobras Total das Aplicações Variação do Capital Circulante Líquido VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE LIQUÍDO Saldos em 31/12/ /12/2006 ATIVO CIRCULANTE No Final do Exercício No Início do Exercício PASSIVO CIRCULANTE No Final do Exercício No Início do Exercício CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO

ANEXO - CAPÍTULO III - Modelo de Publicação BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO 200Y 200X ATIVO Contas ATIVO CIRCULANTE 12 Disponível 121 Realizável 122+123+124+125+126+127+128+129 Aplicações Financeiras 122 Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas 1221

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

PREFEITURA DE XINGUARA

PREFEITURA DE XINGUARA 50/000-20 Anexo IV - Programas, Metas e Ações - (PPA Inicial) Página de 5 Programa: 000 AÇÃO LEGISLATIVA Manutenção da CMX através do apoio financeiro às atividades legislativas, custeio de despesas administrativas,

Leia mais

EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE

EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE EDUARDO ERNESTO CHINAGLIA PRESIDENTE MÉDICO CRM 27962 Graduação em Medicina no ano de 1976 Faculdade de Medicina de Itajubá Itajubá MG Cargos Administrativos: Diretor Presidente da Unimed Leste Paulista

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONTRAÇÕES CONTÁBEIS FINDAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 NOTA 01- Contexto Operacional: SIMPROEL Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages - SC Fundado em 17/12/1997,

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DOS PLANOS ASSISTENCIAIS CEB/FACEB REGISTRO ANS Nº 30936-2 EXERCÍCIO DE 2013 2 Apresentação Contexto Operacional A FACEB Fundação de Previdência dos Empregados da CEB é Entidade

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

ESTRUTURA DE CONTROLES E GESTÃO DE RISCOS NAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. Antonio Carlos Nasi

ESTRUTURA DE CONTROLES E GESTÃO DE RISCOS NAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. Antonio Carlos Nasi ESTRUTURA DE CONTROLES E GESTÃO DE RISCOS NAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS Antonio Carlos Nasi ESTRUTURA DE GOVERNANÇA NAS COOPERATIVAS DIRETRIZES DA GOVERNANÇA MODELOS DE COMUNICAÇÃO DA GOVERNANÇA ESTRUTURA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Saúde Coordenação Acadêmica: Profª TANIA FURTADO EMENTA DO CURSO 1) Gestão dos Serviços em Saúde A participação dos serviços em uma Organização

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014

SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 SIND.TRAB.EM.EMPR.PLAN.DES.URBANO-SINCOHAB C.N.P.J: 66.661.372/0001-77 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 CONTAS DO ATIVO DE 2014 DE 2013 Fls.: 051 DE 2012 CIRCULANTE DISPONÍVEL 6.204,56 6.866,64

Leia mais

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3-4 Balanços

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 94331 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio social 7 Demonstrações

Leia mais

CNPJ: 17.543.402/0001-35 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

CNPJ: 17.543.402/0001-35 DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Rio de Janeiro, 13 de Maio de 2015. DT-P 15-022. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DEMONSTRAÇÃO DA MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DE

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL

ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL ANEXO I MODELO DE PROJEÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) MÊS 1 MÊS 2 MÊS 3 MÊS N ATIVO ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Aplicações Vinculadas a Provisões Técnicas Aplicações

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ASSEMP ACSMA DE TUDO, A FRATERNfQADI

ASSEMP ACSMA DE TUDO, A FRATERNfQADI ASSEMP ACSMA DE TUDO, A FRATERNfQADI PARECER DO CONSELHO FISCAL Os membros do Conselho Fiscal da ASSEMP, no uso de suas atribuições, tendo examinado o Balanço Patrimonial, a Execução Orçamentaria, o Resultado

Leia mais

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.

UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56. UNIMED VALE DO SÃO FRANCISCO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA Rua do Coliseu nº 123 Centro Petrolina-PE CEP 56.302-390 CNPJ (MF) 40.853.020/0001-20 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31.12.2007 Mutações Capital

Leia mais

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE

ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE QUADRO I BALANÇOS PATRIMONIAIS ATIVO Nota 2012 2011 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 2.630.185 2.070.467 Fornecedores 115.915 76.688 Contas

Leia mais

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES

GAIDAS & SILVA AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI Examinamos as demonstrações contábeis do GRÊMIO RECREATIVO BARUERI, que compreendem

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2005 e Parecer dos Auditores Independentes CENTRO ESPÍRITA NOSSO LAR CASAS ANDRÉ LUIZ CNPJ 62.220.637/0001-40 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal: o Conselho Diretor submete à apreciação de

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO VEÍCULO: NATAL NOTÍCIAS DATA: 02.12.15 01 Dez 2015 Presidente Marcelo Queiroz participa da 17ª Convenção do Comércio e Serviços

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento das ações promovidas no decorrer deste projeto, terão como resultado o estreitamento dos laços Cooperado\Cooperativa que vai integrar

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR CNPJ: Folha 20 BALANÇO PATRIMONIAL MISSAO AMOR Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 MISSAO AMOR Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de (Valores expressos em milhares de reais) 2009 2008

Leia mais

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança

Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Pro-Bem Assessoria e Gestão Criança Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Exercício findo em 31 de dezembro de 2014 (Em Reais) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Pró-Bem é pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e 2004

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e 2004 ABCD Instituto Consulado da Mulher Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e 2004 ABCD Instituto Consulado da Mulher Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e 2004 Conteúdo Parecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 FUNDAÇÃO LAR HARMONIA CNPJ: 00.405.171/0001-09 NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 I- OBJETIVOS DA ENTIDADE E CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Lar Harmonia

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE JULHO A SETEMBRO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - ANPCONT Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências

Leia mais

ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL

ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL ASPECTOS FINANCEIROS DA COOPERATIVA E CAPITAL SOCIAL Operadoras de Plano de Saúde ANTES E DEPOIS LEI 9656/98 E ANS LEI 9656/98 Regulamenta a atividade das Operadoras de Planos de Saúde na área Suplementar

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 NO CONTEXTO OPERACIONAL DEVE TER OS REQUISITOS QUE ENQUADRAM A ENTIDADE COMO SEM FINS LUCRATIVOS: A) pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE

1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE PLANO DE CONTAS Associações, Sindicatos e Outras Entidades. 1.0 ATIVO 1.1. ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. Disponibilidades 1.1.1.1. Caixa 1.1.1.2. Bancos c/ Movimento 1.1.1.3. Aplicações Financeiras 1.1.2. Créditos

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2012 Acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES CNPJ:

BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES CNPJ: Folha 47 BALANÇO PATRIMONIAL CRECHE LAR DOS INOCENTES Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de 2009 2008 CRECHE LAR DOS INOCENTES Demontrações Contabeis em 31 de Dezembro de (Valores expressos em milhares

Leia mais

APAE - ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE DIADEMA Demonstrações financeiras de 2013 comparativo 2012 BALANÇO PATRIMONIAL

APAE - ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE DIADEMA Demonstrações financeiras de 2013 comparativo 2012 BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL A T I V O 2013 2012 ATIVO CIRCULANTE 500.580 566.437 DISPONIBILIDADES 477.026 544.078 Caixa e Bancos Recursos Livres - Assistência Social 6.774 23.649 Bancos Recursos Terceiros - Assistência

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3.

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3. CNPJ: 30.276.570/0001-70 BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO CIRCULANTE 2014 2013 DíSPONIVEL 1.399.149,86 934.204,07 CAIXA 3.1 1.501,05

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS OBJETIVO 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação, de registro dos componentes e variações

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas SESI /DR/ACRE Painel 3 Educação e Saúde SESISAÚDE Programa de Saúde do Trabalhador Aparecida Ribeiro Tagliari Costa Sumário O Programa SESISAUDE foi implantado no ano

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano.

Guia. do beneficiário. Aqui você encontra informações sobre seu plano. Guia do beneficiário Aqui você encontra informações sobre seu plano. BEM VINDO À UNIMED SETE LAGOAS! A partir de agora você e sua família podem contar com uma operadora do maior sistema cooperativista de

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5224 - NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO Objetivo: CRIAR UM NÚCLEO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPAZ DE MAPEAR, CATEGORIZAR, ORGANIZAR E DISTRIBUIR INFORMAÇÕES PARA OS DIVERSOS

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais