UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PLANOS DE SAÚDE UNIMED PAULISTANA: RECONSTRUÇÃO DE UMA COOPERATIVA EM TEMPOS DE CRISE ANA REGINA CRUZ VLAINICH SÃO PAULO /SP 2011 Artigo apresentada para Trabalho de conclusão de curso de pós-graduação à Universidade Anhanguera, Curso: Gestão em planos de saúde Descritivo de caso de empresa Cooperativa em planos de saúde como requisito para obtenção de título. Área de concentração: Administração Orientadora: Dra. Alba Valéria Eira Fleury

2 DEDICATÓRIA; Dedico este trabalho a meu muito amado esposo, Roberto, que sempre me estimula e sem seu apoio eu não teria conseguido crescer profissionalmente e aos meus filhos Gabriel, Catarina e Vitor pela paciência em entender a minha ausência, em uma abdicação egocêntrica que a dedicação profissional exige de companheiros de viagem. 2

3 AGRADECIMENTOS Agradecer é só o que posso fazer, num mar de doações e compreensões onde fica, solitariamente, uma mulher que escolhe o aprimoramento em detrimento do tempo que deixa de estar com os que ama. Grande é minha lista de agradecimentos, (o que me torna uma pessoa de sorte): Deus, Jesus amado, tenho antes uma obrigação, pois mesmo sabendo de minha pequenez, o Senhor se dignou a me orientar neste caminho. Agradeço a minha orientadora, Alba, pela atenção e exemplo de inteligência e dignidade, orgulho das mulheres na administração, Aos meus Pais, Adriano (in memorian) e Anna Vera, por tudo em minha vida, Ao colega e professor Marcos Santos, pelo auxílio e companheirismo, Sou eternamente grata! Um estudante tem a força do pensamento de Gandhi: O que você pensa - passa a ser. Humildemente, peço que Deus devolva a todos em paz de espírito. 3

4 RESUMO Descrição da reconstrução de Cooperativa da saúde suplementar em crise pelo grande passivo tributário, Governança Corporativa enfraquecida por direção autocrática prolongada e estrutura administrativa interna desconstruída. Estudo realizado através da análise evolutiva cronológica de balanços, documentos, dados e descrição dos fatos mais marcantes neste período tão conturbado e das ações visando a manutenção das atividades da empresa, retorno aos princípios cooperativistas, adequação às normas regulatórias da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), constituição das Provisões técnicas, reforma do estatuto e principalmente regularização do passivo tributária que constava de árdua e trabalhosa valoração do montante, reconhecimento pelos cooperados, inserção e regularização no balanço. Análise das ameaças externas concomitantes: pandemia de gripe suína, crise mundial, decreto dos SAC (Serviços de atendimento ao consumidor) e adequação às normas contábeis internacionais. Palavras-chave: COOPERATIVA, BALANÇO, CRISE, REGULAÇÃO, GOVERNANÇA CORPORATIVA, PASSIVO TRIBUTÁRIO ABSTRACT A case description of a health care Cooperative reconstruction in crisis due to the enormous tax liabilities, weakened cooperative governance by a long time of autocratic management and internal administrative structure ruined. This study was done by the analyses of the chronological evolutionary balance sheet, documents, data and descriptions of the most remarkable facts of this disturbing period and the actions done to preserve the corporation activity, return to the cooperative principles, adjustment to regulatory demands of the National Health Care Agency (ANS), constitute the technical provisions, amendment to the bylaws of the company and tax liabilities regularization by arduous and slogging determination of the real value, the cooperative members (doctors) acceptance, insertion in the balance sheet. It was also done an analysis of the external threats concurring: Swine flu pandemic, world crisis, contact-centers edict and adjustment to the International Financial Reporting Standards (IFRS). Keywords: COOPERATIVE, BALANCE SHEET, CRISIS, REGULATION, CORPORATIVE GOVERNANCE, TAX LIABILITIES 4

5 SUMÁRIO: PÁGINA 1. INTRODUÇÃO PROBLEMA DA PESQUISA OBJETIVO METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO HISTÓRICO e SITUAÇÃO FISCAL: a- ANO b- ANO Quadro 1: AGO realizadas, número total de cooperados, presença de cooperados na assembléia em % Quadro 2: AGE realizadas, número total de cooperados, presença de cooperados na assembléia em % e pautas c- ANO d- ANO e- ANO FATOS EXTEMPORÂNEOS COMPLICANTES de 2007 a 2009: a- CONTEXTO NACIONAL b- CONTEXTO GLOBAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Parecer dos auditores ano-2005, BALANÇO 2006: AGO março Figura 2: Ativo, Passivo Figura 3: DRE (Demonstração do resultado do exercício) Figura 4: Nota explicativa sobre as Contingências passivas Figura 5: Ressalvas do Conselho fiscal Figura 6: Parecer dos auditores independentes BALANÇO 2007: AGO março Figura 7: Ativo, Passivo Figura 8: DRE Figura 9:Contingências tributárias Figura 10: Parecer dos auditores independentes. BALANÇO 2008: AGO março Figura 11: Ativo, Passivo Figura 12: DRE e Contingências tributárias Figura 13: Parecer dos auditores independentes. BALANÇO 2009: AGO março Figura 14: Conta corrente cooperados Figura 15: Ativo, Passivo Figura 16: DRE Figura 17: Parecer dos Auditores independentes. BALANÇO 2010: AGO março Figura 18: Ativo, Passivo Figura 19: Parecer dos auditores independentes. Figura 20: DRE 6

7 1. INTRODUÇÃO Este tema é particularmente interessante pois hoje o Sistema Unimed é a maior experiência cooperativista em saúde no mundo e a maior rede de planos de saúde do Brasil; 372 cooperativas detém 37% do mercado, presentes em 83% do território nacional; 17 milhões de clientes; mais de 110 mil cooperados médicos, há 17 anos marca Top of Mind (Unimed do Brasil, 2011). Neste universo, a singular Unimed Paulistana cooperativa de trabalho médico (UP) é hoje uma das maiores. As dificuldades enfrentadas por empresas são assuntos delicados para seus dirigentes havendo poucos casos descritos que tenham passado por sensíveis reformas. Deseja-se a análise retrospectiva das diversidades vividas nesta empresa que já é naturalmente do mais alto grau de complexidade: é cooperativa, com sua inerente instabilidade política e conflito de interesses pois os sócios são também dirigentes, prestadores e clientes; é composta de profissionais liberais de nível superior, médicos, todavia com pouco interesse e/ou formação administrativa; em uma metrópole com o mais alto grau de concorrência (São Paulo); é um ramo de negócio que passa por reforma regulatória da Agência Nacional de Saúde (ANS); além de já ter alto grau de regulação já existente (conselhos de classe, órgãos de vigilância sanitária nacional, estadual, municipal e órgãos de defesa do consumidor). A UP nasceu em 1971 e em 1978 assumiu um presidente que, sem cláusula estatutária restritiva à reeleição, permaneceria até 2007 (29 anos) Desde então tem seu Conselho de administração (CA) composto por 8 membros (5 vogais e 3 diretores executivos). Este case da UP teve ainda a agravante sensação de déjà vu com a falência da Unimed São Paulo em 2000, histórico assustador para todos os stakeholders (clientes, prestadores, cooperados). À partir da percepção, em 2006, pelo Conselho Fiscal (CF) da existência de perigoso passivo tributário, iniciou-se período marcado por conturbadas e imprescindíveis mudanças econômicas, financeiras e políticas. Para a manutenção das atividades da empresa foi necessária a árdua identificação do valor real das pendências tributárias, seu reconhecimento pelos cooperados, regularização no balanço, composição das provisões exigidas pela ANS, reedificação das estruturas internas (Governança) e retorno aos princípios cooperativistas. 7

8 2. PROBLEMA DA PESQUISA As cooperativas são modelos de empresas mundiais há quase 200 anos precursoras de governança bem antes das outras corporações, mas sua gestão ainda representa um desafio à administração moderna. De base democrática, deveriam ser extremamente transparentes, coletivas e construtivas, mas inerente ao caráter sociológico do ser humano e suas inter-relações com estruturas de poder, a participação dos cooperados (sócios) é ínfima e não são poucos os casos em que se nota a perpetuação de grupos com interesses individuais autocráticos que enfraquecem tanto as estruturas de Governança Corporativa quanto as defesas para situações de crise. Estudos que identifiquem o grau de evolução interno das empresas e a compreensão das relações psico-sociológicas em universo tão repleto de variáveis, contribuem para a escolha do melhor modo de gestão e na seleção de técnicas que serão determinantes na eficiência desta. As cooperativas se propõem a união de forças para melhorar não só a situação econômica mas também a sócio-cultural. Enquanto inseridas no mercado, algumas prosperam com modelos modernos, governança bem desenhada e sob forte regulação, contrastando com outras obsoletas, lentas, atropeladas pela eficiência das corporações de capital atuais. Nada melhor que a avaliação de erros e acertos (case) para se aprender com as experiências anteriores e valorizar, antes de criticar, o quão árduo pode ser aos dirigentes uma empreitada. Para isto este estudo usa a descrição do complexo processo de reconstrução em cooperativa de saúde suplementar em crise dado o grande passivo tributário, Governança Corporativa enfraquecida por governo autocrático e estrutura administrativa interna desconstruída embasada na análise econômico-financeira e de fatos ocorridos neste período de grande conturbação. 3. OBJETIVO O objetivo deste artigo é, através do privilégio da visão retrospectiva, perceber quão complexas são as dificuldades encontradas no enfrentamento da grave situação desta empresa, disponibilizando às gerações futuras elementos para pesquisa e estudos administrativos, servir de alicerce e aprendizado para situações 8

9 semelhantes (em cooperativas ou não) e contribuir inclusive para a construção de normas regulatórias. 4. METODOLOGIA Como método demonstrativo utilizou-se descritivo histórico retrospectivo de balanços e informações contábeis, informações na imprensa, fatos, estatutos, assembléias e outros, sendo todos os documentos de domínio público, apresentando a evolução cronológica dos caminhos percorridos nos processos de reconstrução interna e equalização do passivo tributário, melhoria da Governança Corporativa da UP de 2006 a 2010, baseando-se em Cardoso (2009) que defende a boa qualidade da informação contábil como reflexo de boa gestão. 5. REFERENCIAL TEÓRICO Entender suas fraquezas o faz descobrir quem é realmente seu inimigo. Em A arte da guerra (Sun Tzu, 2000) encontram-se recomendações que tendem a garantir segurança, diminuir riscos, referentes ao reconhecimento tático, à observação, ao patrulhamento dos flancos. Assim também devem fazer as empresas em situações de crise, criando os responsáveis CF, CA e executivos, além de estratégias, novos mecanismos de fiscalização, redimindo riscos e permitindo a perpetuação das empresas (Manual de CF, 2011). A inobservância de Leis (5764 das Cooperativas e 9656 dos Planos de saúde) e das normas dos Órgãos reguladores, aliada à baixa profissionalização são os perigos mais comuns nas empresas familiares e cooperativas. Segundo estudos do respeitado IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa), Fontes Filho (2009) refere que o desenvolvimento de governança sustentável deve ser avaliado com urgência em épocas de riscos elevados, sejam internos ou externos, especialmente, complementa Ferraz, 2008, em mercado globalizado e tão complexo como o dos planos de saúde no Brasil. Como afirma Farr (2002,p.145), A principal razão de se examinar criticamente o passado é compreender melhor o presente e, acrescentamos, lançar alguma luz sobre tendências futuras. Trabalhar com história significa não 9

10 chegar jamais ao fim, novos documentos e indícios podem ser encontrados e cada pesquisa contribui com uma pequena pedra para um edifício que não tem fim. Este descritivo pode ser considerado inédito, porque a literatura do ramo cooperativista descreve crises em áreas como agronegócio mas não há estudos nas cooperativas Unimed (nem mesmo nos arquivos da Fundação Unimed ou Capes), fato que enobrece esta análise. O caso da Unimed São Paulo é citado apenas na imprensa, como em 2000 no Jornal O Estado de São Paulo que já alertava do risco abranger todo o sistema. A relevância deste estudo está em valorizar o fato de que os gestores das empresas devem utilizar os índices da análise contábil-financeira para tomarem decisões relativas às forças, fraquezas, oportunidades e ameaças à organização (Macedo,2003), como também o mercado e stakeholders podem se utilizar destas informações para evitar erros e analisar riscos. 6. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 6.1- HISTÓRICO e SITUAÇÃO FISCAL: 6.1.a- ANO DE 2006: O CF é órgão que deve ter participação imprescindível de fiscalização e exercer seu trabalho com independência, não importando se é de situação ou oposição, pois representa os melhores interesses para a empresa conforme foi exaltado por Fontes Filho e Lancellotti (2009). Em 2006 o CF da UP trabalhando em situação precária, em sala isolada, sem qualquer tecnologia detectou que a empresa tinha montante de passivo tributário, que não constava dos balanços anteriores a não ser em apenas discreta citação no parecer dos auditores independentes em 2005,(Fig. 1) se omitindo em 2006, com valor estimado, à época, de R$339milhões (Fig. 4), os quais se acumularam pois, as direções anteriores e a assessoria jurídica interpretavam a lei das cooperativas de modo a não recolher estes impostos por terem tratamento tributário diferenciado. Neste mesmo raciocínio, também notou o CF que não havia provisão contábilfinanceira para tal fim e que a empresa nem mesmo reconhecia a ANS como reguladora do setor. O CF, de maneira responsável, levou os fatos à diretoria e ao CA mas não obteve respaldo, conforme fez constar em suas atas. Levou então, à 10

11 assembléia pela primeira vez, apesar da pressão que acompanhou tal ato, posicionamento escrito onde apontava ressalvas à gestão (Fog. 5). Isto conseguiu exercer nos cooperados efeito de alerta sobre a situação real e se tornaria um plano de vôo para os próximos anos. Inicia-se grande batalha pois as mudanças descortinariam situação extremamente complicada, própria de quedas ditatoriais, com interesses próprios de forças estabelecidas e a fragilidade interna pela realidade do passivo tributário de 30 anos a ser entendido, quantificado e equalizado; sempre sob a ameaça de instauração de direção fiscal pela ANS. Figura 1: Parecer dos auditores de 2005: Figura 2: Nota explicativa sobre as Contingências passivas-2006 BALANÇO 2006: AGO março

12 Figura 3: Ativo, Passivo Figura 4: DRE (Demonstração do resultado do exercício) 12

13 Figura 5: Ressalvas do Conselho fiscal 13

14 Figura 6: Parecer dos auditores independentes 6.1.b- ANO DE 2007: Na Assembléia Geral Ordinária (AGO), os cooperados, tomando ciência da situação fiscal e administrativa, solicitaram e a Diretoria e CA se demitiram. Em primeiro de junho, em Assembléia Geral Extraordinária (AGE) com presença inédita de 59% dos cooperados, o novo CA e Diretoria assumem, após rápido processo eleitoral disputado entre duas chapas. Não houve qualquer passagem de funções pelos antecessores ou período intermediário dificultando o conhecimento das rotinas administrativas, inclusive os diretores assinaram neste mesmo dia, que era data limite de envio à ANS, Plano de Recuperação que já estava pronto. Este seria recusado assim como alguns outros posteriores, pois havia a necessidade de real valoração do passivo tributário e inserção em balanço. Importante ressaltar que, rompendo padrões, a presença inédita (em 35 anos) da mulher na gestão da UP, foi em 2006 (CF) e em 2007 (CA e Diretoria executiva). Inicia-se então período de conturbado processo político interno. Por vários anos ninguém ousou se antagonizar ao poder do presidente; mas com a abertura 14

15 surgem as naturais oposições e, neste clima, um dos membros do CA solicita demissão do cargo. A estratégia escolhida para a sobrevivência da empresa foi o retorno aos princípios cooperativistas e a melhoria da governança com: valorização do trabalho do cooperado (o atendimento médico era realizado em sua maioria por pessoas jurídicas); criação de espaço para estes ( Casa do cooperado );incentivo amplo à entrada de novos cooperados (aumento de 34%) (Quadro 1); valorização dos Conselhos (salas equipadas, secretarias e assessorias); criação através da eleição direta de Comissão de estatuto para incentivo à disseminação dos conhecimentos e discussão de propostas e reforma deste. Quadro 1: Participações nas AGO, número total de cooperados, presença de cooperados na assembléia em % Observar crescimento do n o. de cooperados e da presença de 2007 a 2009 AGO Nºcooperados %participação 10% 27% 21% 24% 18% A transparência incentivou o entendimento e participação dos cooperados que, sendo médicos, detinham pouco conhecimento administrativo; para tanto foram realizadas várias AGEs em 2007, além de 2 workshops de gestão.(quadro 2) Quadro 2: AGE realizadas, número total de cooperados, presença de cooperados na assembléia em % e pautas AGE 29/03/ /07/ /12/ /04/ /05/ /11/2007 Nºcooperados %participação 7% 5% 25% 14% 59% 21% Assuntos em pauta Reforma do estatuto Criação de previdência privada Plano de re - adequação Reforma do estatuto. Eleição de Diretoria e CA Reforma do estatuto. AGE 16/10/ /11/ /02/ /06/ /09/2009 Nºcooperados %participação 15% 8% 45% 24% 5% Assuntos em pauta Apresentações da gestão e gravidade da situação dos tributos Reforma ampla do estatuto Aprovação da IN 20- ANS. Não aprovada Inserção das pendências tributárias em balanço Aprovação do plano de recuperação- 24meses 15

16 Foi necessário grande esforço para cumprimento das quase 260 Resoluções e Instruções normativas (IN) já editadas de 2000 a 2007 pela ANS, que variavam desde correção de contratos com prestadores até a composição financeira das provisões exigidas, mas a tarefa principal era identificação do valor real e regularização no balanço das pendências tributárias. Para tantos desafios contou-se com a assessoria da Fundação Unimed que trouxe a visão técnica do negócio, contratando profissionais do mercado e orientando sobre particularidades da gestão complexa de planos de saúde e de cooperativas. Profundas mudanças são observadas no balanço de No parecer da auditoria é importante ressaltar o último parágrafo, onde se explica que devido aos muitos ajustes efetuados para melhorar a qualidade da contabilidade tornou-se impossível comparar os dados de um ano e outro. Nas notas explicativas é possível observar que os ajustes de exercícios anteriores (em torno de 63 milhões) consumiram todo o resultado gerado pelo trabalho incessante da nova diretoria, restando ainda, saldo a ser compensado no ano seguinte. Observe-se que a contingência tributária em 2006 era calculada pela gestão anterior em R$339 milhões, enquanto em 2007, foi constatado valor acima de R$1 bilhão, valor que seria ainda revisto nos anos subseqüentes. Em estudo sobre o endividamento das empresas baseado no balanço anual publicado, calculado pela relação exigível sobre o ativo total, a UP aparece como a empresa mais endividada do Brasil com 230,4%. (Revista Exame -2011). 16

17 BALANÇO 2007 (AGO ) Figura 7: Ativo, Passivo Figura 8: DRE 17

18 Figura 9:Contingências tributárias Figura 10: Parecer dos auditores independentes 18

19 6.1.c- ANO DE 2008: As áreas contábil, financeira e jurídica dedicaram grande esforço durante todo o ano de 2008, para identificar a verdadeira quantia deste passivo. As dificuldades advinham dos vários problemas administrativos internos, precárias descrições de processos e confuso armazenamento dos dados contábeis, dependia-se dos conhecimentos pessoais dos colaboradores pois grave era também a situação da Tecnologia de Informação com obsolescência, insegurança em sistemas e até de área física (risco de incêndio). O esforço para regularização da empresa e para se adequar às demandas do IFRS foi reconhecido neste ano, recebendo das mãos do presidente do Banco Central o Prêmio Balanço Anual Gazeta Mercantil. Ao fim do ano conseguiu-se alguma definição do valor das contingências passivas tributárias, faltava ainda, inserção em balanço. A ANS lançou a IN nº 20 em outubro de 2008 que permitia em seu Art. 4º que facultava: As Operadoras de Planos...Cooperativas Médicas...na AGO de 2008 que deliberarem pela transferência para seus cooperados da responsabilidade de pagamento das Obrigações Legais... e contabilizados...no Passivo Circulante ou no Passivo Exigível a Longo Prazo, poderão, excepcionalmente, transferi-los da conta de Lucros ou Prejuízos Acumulados para o Ativo Realizável a Longo Prazo. Restava explicar aos cooperados desta necessidade e oportunidade de inserção no passivo e ativo simultaneamente. Vários pareceres foram enviados aos cooperados, realizados workshops diários nos vários municípios da empresa, abertos inclusive à presença de advogados e contadores que fossem da confiança do cooperado. À medida que se definiam a complexidade e a gravidade da situação do passivo tributário era sensível o crescimento do temor dos cooperados, totalmente compreensível. Muitos já estavam envolvidos no processo de falência da Unimed São Paulo e eles desconheciam a real situação devido às informações vagas até 2006, conforme pode ser verificado nos balanços. Assim, sob a constante ameaça de direção fiscal, os cooperados se tornaram alvos fáceis para informações confusas pois, houve grande incentivo da nova gestão à discussão e à participação, então surgiram nas redes sociais um número enorme de s questionadores, soluções mirabolantes, ofensas pessoais e a familiares, 19

20 que não ficaram restritos aos sócios, sendo enviados a empresas clientes, concorrentes, corretores, ANS, imprensa, colaboradores e órgãos públicos. Assim, a situação financeira foi muito afetada com aumento do uso do plano pelos clientes (sinistralidade) e prejudicando suas vendas, além de perda de colaboradores importantes, como a Superintendente financeira e da saída voluntária de vários cooperados inclusive a esposa de um Conselheiro de Administração, gerando grande insegurança sobre a situação da empresa no mercado. Neste ambiente, foi realizada em fevereiro uma conturbada AGE mas os cooperados presentes (45% do total) votaram contra a opção facultada pela ANS de inserção em balanço, dissociados do resto do sistema pois as outras Unimed em situação semelhante a aprovaram. Assim, em março o balanço foi aprovado ainda fora das normas contábeis por decisão dos sócios (AGO ) Figura 11: Ativo, Passivo 20

21 Figura 12: DRE e Contingências tributárias Figura 13: Parecer dos auditores independentes. 21

22 6.1.d- ANO DE 2009: Após a AGO outro membro do CA abandona o cargo. Alguns cooperados, inclusive, entraram com ação contra a IN20 e perderam sofrendo por isto até bloqueio judicial de seus bens. Em junho de 2009 a ANS permitiu a reavaliação da inserção da contingência em balanço e, numa AGE, os cooperados aceitaram provisionar com denominação conta-corrente com o cooperado. Uma vez regularizada esta exigência foi possível o envio de Plano de Recuperação, aprovado numa AGE em setembro. Com a criação do Refis em 2009, foi decidido em Assembléia pela inscrição dos passivos tributários federais que, dadas as dificuldades do Governo Federal, só seria realizado em A empresa bastante impactada por toda esta sequência de eventos acrescida de decreto federal (do SAC) e epidemia de gripe, que elevaram em muito seus custos, crise mundial comprometendo o crédito financeiro, apresentou importante comprometimento do fluxo de caixa; diante disto, os diretores da ANS decidiram em setembro de 2009 instalar Regime de direção fiscal. Um questionamento jurídico foi aprovado pelo CA sem êxito. Em novembro de 2009 a Diretoria Executiva foi afastada com a alegação da ANS, de obstrução a este regime. Os 3 membros da Diretoria foram então substituídos pelos 3 Conselheiros vogais restantes, em polêmico processo político supostamente permitido pelo estatuto com o aval do CF. Fecha-se o ano com Resultado negativo que seria neutralizado pela devolução dos valores já realizados da Provisão de risco que a ANS extinguiu neste ano. BALANÇO 2009 (AGO ) Figura 14: Conta corrente cooperados 22

23 Figura 15: Ativo, Passivo Figura 16: DRE 23

24 Figura 17: Parecer dos Auditores independentes. 24

25 6.1.e- ANO 2010 Em maio, dois dos ex-diretores se demitiram, sobrando apenas uma Conselheira vogal e, baseados na fraca definição estatutária para tão profunda situação de crise e ausência de manifestação da Agência reguladora, não houve convocação de eleição para preencher o CA. Durante o ano de 2010 a cooperativa, inserida em um bom contexto nacional de tranqüilidade com eleições federais, país apresentando importante crescimento econômico, sem percalços de epidemias, realizou a inscrição no programa de parcelamento incentivado do ISS e puderam ser realizadas também várias adequações aos padrões de contabilidade internacional e ao Plano de contas padrão da ANS. A direção fiscal foi suspensa em março na AGO. Não foi realizado nenhum workshop ou AGE neste ano. BALANÇO 2010 (AGO ) Figura 18: Ativo, Passivo 25

26 Figura 19: Parecer dos auditores independentes: Figura 20: DRE 26

27 6.2- FATOS EXTEMPORÂNEOS COMPLICANTES de 2007 a 2009: 6.2.a- CONTEXTO NACIONAL: Em meio a toda esta complexidade, o Brasil decidiu seguir os padrões internacionais de contabilidade como complicador, exigindo adequação ao IRFS (International Financial Reporting Standards). Conforme o Jornal do CFC (2008) Após tramitar 8 anos no Congresso Nacional foi promulgada, em 28 de dezembro de 2007, a Lei n.º Esta adequação difícil e trabalhosa, foi sendo evolutivamente implantada nos balanços pelos departamentos financeiro e contábil. Não bastasse, foi promulgado o decreto que exigia normas rígidas encarecendo os já custosos e particularmente complexos serviços de atendimento ao consumidor (SAC) de planos de saúde (6.523/2008 -LEI 8.078/1990) mas a UP conseguiu se adequar mesmo em meio às outras premências, nunca recebendo multas e aparecendo várias vezes na imprensa como exemplo de adequação. 6.2.b- CONTEXTO GLOBAL: Crise mundial ( ): teve início ainda em 2007, no mercado subprime, um tipo de hipoteca existente nos Estados Unidos... Em 15 de setembro de 2008, a concordata do Lehman Brothers destruiu a confiança no sistema financeiro e agravou a crise. (Revista época,2009). E os Economistas refletem em seu Jornal, Adicionalmente, a redução da liquidez nos mercados financeiros internacionais vem implicando aumento do custo do (re)financiamento externo para as empresas brasileiras, além de diminuição do crédito (Filgueiras, 2008) Além disso, o temor de ser demitido levou ao maior uso do Plano de saúde, segundo o Blog das seguradoras de saúde, Epidemia de Influenza A H1N1 - Gripe suína ( ): A grande preocupação das empresas é com as despesas causadas pelo crescimento dos atendimentos, já que hospitais do Rio e de São Paulo registram alta de até 50% na demanda por atendimento emergencial... o número de atendimentos a crianças este mês aumentou 68% em relação a julho do ano passado... 95% são clientes de planos de saúde. Nos consultórios médicos, segundo a Unimed-Rio, o crescimento é de 20%. Em São Paulo, os hospitais privados registram alta de até 30% nos prontos- 27

28 socorros em relação ao inverno de dos quais oito em UTI. "...E a expectativa epidemiológica é que o volume de internação cresça até setembro". (Valor econômico, 2009) A combinação de uma epidemia global da doença e uma crise econômica mundial vem causando estragos na América do Sul. Segundo o Banco Mundial, os custos associados com a mortalidade, a doença em si, ausência do trabalho e com os esforços para evitar a infecção poderiam diminuir o PIB dos países (The Economist, 2009) CONSIDERAÇÕES FINAIS Com tantas crises atingindo empresas neste mundo globalizado vale perguntar o porquê. As pessoas não adoecem porque os germes as contaminam e sim, em geral, por que seus organismos enfraquecidos são incapazes de reagir. As empresas pelo mesmo mecanismo entram em crise. Neste caos há tanto esforço e desordem nos fatos que, os indivíduos que atuaram na luta muitas vezes são desprezados e apagados de seus memoriais. Comete-se, então, o grave erro de perderem-se lições vividas e ensinamentos da sua cultura empresarial que reduzem as possibilidades de se ganhar maior clareza às próprias operações e viabilizar mecanismos de defesa. Este estudo não tenciona dar respostas, muito antes, encorajar pessoas guardadoras de vivências em crises que realizem empreitadas equivalentes, valorizando suas experiências, já que as pessoas jurídicas não existem sem as físicas e se houvessem mais histórias descritas, tanto melhor seriam os comportamentos. Neste descritivo salta aos olhos a evidência do perigo na ausência de Governança Corporativa bem estabelecida: estatutos claros, que visem maximizar valor em prol do grupo e minimizem os interesses políticos; Conselhos atuantes, não submissos, que fiscalizem diretorias profissionais, realmente executivas, cooperados integrados, sem aprovar e perpetuar grupos por simples leniência, pois, imprescindível é a alternância de poder nas cooperativas assim como o equilíbrio da natureza precisa do dia e da noite. 28

29 REFERÊNCIAS As 15 campeãs de endividamento no Brasil. Revista exame, 26 set Caderno: Melhores e Maiores. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/negocios/noticiasmelhores-e-maiores/noticias/as-15-campeas-de-endividamento-no-brasil>. Acessado em BRASIL. Lei nº 5764 de 16 de dezembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm>. Acesso em:07 de set. de BRASIL. Lei nº 9656 de 03 de junho de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm>. Acesso em:07 de set. de BRASIL.Lei nº de 28 de dezembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l11638.htm>.acesso em:07 de set de Cardoso, R.L. et al, Qualidade da informação contábil, crises e governança corporativa. In: Fontes Filho, J. R., Lancellotti, R. W. et al. Governança corporativa em tempos de crise. São Paulo: Saint Paul, p Unimed Paulistana. Estatuto social, São Paulo. Sociedade cooperativa de trabalho médico Farr, Robert. As raízes da Psicologia Social moderna. Petrópolis: Vozes, Trad. Pedrinho Guareschi e Paulo Maya Ferraz, M. B. Dilemas e escolhas do sistema de saúde. São Paulo: Medbook, Filgueiras, L. Os efeitos da crise mundial na economia brasileira. Jornal dos economistas. Disponível em: <http://www.corecon-rj.org.br/pdf/je_novembro_ 2008.pdf>. Acessado em Fontes Filho, J. R., Lancellotti, R. W. O papel do conselho fiscal no fortalecimento das boas práticas de GC. In: Fontes Filho, J. R., Lancellotti, R. W. et al. Governança corporativa em tempos de crise. São Paulo:. Saint Paul, 2009.p Fundação Unimed. Manual de conselhos fiscais, Disponível em: <www.fundacaounimed.org>. Acesso em 11 de maio Gripe e crise afetam rentabilidade dos planos de saúde Disponível em: <http://segurarsaude.com.br/blog/?p=182> de 22 de dez Produzido por Wordpress.org. Acesso em: 09 de set. de

30 Gripe suína eleva custo dos planos de saúde. Valor econômico. Seção Notícias- Ciências. Em Disponível em: <http://port.pravda.ru/news/science/ /27615-gripesuinapsau-0/> Acesso em: 01 de novembro de Jinzenji, N.M. A Lei n.º /07 e a classe contábil brasileira. Jornal do CFC no. 91, jan/fev Disponível em: Acesso em: 11 de set. de Lima, J.A., Fagundes, R. D. A crise mundial, um ano depois. Revista época, São Paulo. 13, set Caderno Economia e negócios. Disponível em: <http: //revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,emi ,00- A+CRISE+MUNDIAL+UM+ANO+DEPOIS.html>. Macedo, H.D.R. Análise de performance Financeira: Um Estudo de Caso em Unidades de Negócio Trabalho de conclusão de curso (Gestão e estratégia em negócios)- Universidade Federal rural do RJ.Rio de Janeiro, Martins, R.M. Princípios de governança sustentável. In: Fontes Filho, J. R., Lancellotti, R. W. et al. Governança corporativa em tempos de crise. São Paulo:. Saint Paul, p The cost of swine flue. The economist, London. 27, jul Disponível em: <http://www.economist.com/node/ ?story_id= >. Tzu, S. A arte da guerra.são Paulo: LPM, 2000 Unimed do Brasil. Dados do Sistema Unimed Disponível em: <http://www.unimed.com.br/pct/index.jsp?cd_canal=49146&cd_secao=49094>. Acesso em 11 de maio Unimed: crise pode ser nacional. O estado de SP, São Paulo, 01, dez Caderno Cidades. Disponível em < 2000/not p11141.htm>. Acessado em 20 de maio de TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Declaro que este trabalho é original, foi elaborado individualmente por mim não sendo copiado de nenhuma outra fonte. 30

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News Março 2010 SUSEP INSURANCE Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Normas Contábeis Carta-Circular CGSOA 01, de 31.03.2010 Demonstrações Financeiras Dispõe sobre as normas contábeis das sociedades

Leia mais

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe voltadas para ter e exercer esses valores diariamente.

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA

PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA PROGRAMA DE PONTUAÇÃO PARTICIPATIVA 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento das ações promovidas no decorrer deste projeto, terão como resultado o estreitamento dos laços Cooperado\Cooperativa que vai integrar

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Constituído em 1990, no início das grandes discussões tributárias no país, sob a

Constituído em 1990, no início das grandes discussões tributárias no país, sob a 02 Perfil: Colângelo e Corrêa Advogados e Consultores tornou-se referência de vanguarda, seriedade e eficiência no ramo do direito tributário, prestando relevantes serviços para empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside

Há quase três décadas, o O PRAZER DO RECONHECIMENTO. inside O PRAZER DO RECONHECIMENTO Por Fabiane Abel Há quase três décadas, o Prêmio Anefac Profissional do Ano escolhe anualmente os melhores executivos das áreas de Finanças, Administração e Contabilidade, levando

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

GR TREINAMENTO E EVENTOS DE NEGÓCIO. INSCRIÇÕES até 16/03/2015

GR TREINAMENTO E EVENTOS DE NEGÓCIO. INSCRIÇÕES até 16/03/2015 Palmas, 19, 20 de março de 2015 Prof. Izaias de Carvalho INSCRIÇÕES até 16/03/2015 ASPECTOS GERAIS O CONTROLE INTERNO, é obrigatório para as Administrações Públicas e, também necessária para as Entidades

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ADMINISTRAÇÃO OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO, DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O ARQUITETURA E URBANISMO PROMETO NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE INERENTE À PRÁTICA DA ARQUITETURA E URBANISMO, RESPEITAR OS PRINCÍPIOS

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE ITG 2002 ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS Índice Item CONTETO 1 6 ALCANCE 7 8 RECONHECIMENTO 9 10 REGISTROS CONTÁBEIS 11 22 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 23 25 CONTAS DE

Leia mais

A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES.

A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES. A INSPEÇÃO DO TRABALHO SEM NÚMEROS, MAS EM VALORES. Com a missão de proteger milhares de crianças sacrificadas pelas duras condições de trabalho nas fábricas, nasce em 17 de janeiro de 1891 a Inspeção

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico 10a Jornada Agenda 1 ANAHP 2 Governança Corporativa 3 Timeline 4 Reforma Estatutária 5 Modelo de Planejamento Estratégico 6 Modelo de Arquitetura Organizacional 7 Benefícios Governança Corporativa ANAHP

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALOG SOLUÇÕES DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA S.A., sucessora por incorporação de ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2012 ALOG

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

LAM AUDITORES INDEPENDENTES

LAM AUDITORES INDEPENDENTES COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CERRP Relatório de Auditoria das Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012. LAM AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Questões sobre conhecimentos complementares Técnico do Seguro Social - Caderno Vermelho Professor Amilton Küster. Amigos (as)

Questões sobre conhecimentos complementares Técnico do Seguro Social - Caderno Vermelho Professor Amilton Küster. Amigos (as) Questões sobre conhecimentos complementares Técnico do Seguro Social - Caderno Vermelho Professor Amilton Küster Amigos (as) Das 28 questões sobre administração, ética, responsabilidade sócio-ambiental,

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 52, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2003 (*) Dispõe sobre os Regimes Especiais de Direção Fiscal e de Direção

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

São Paulo, 05 de dezembro de 2014

São Paulo, 05 de dezembro de 2014 São Paulo, 05 de dezembro de 2014 Prezadas Senhoras Prezados Senhores Membros do quadro associativo da Associação Auxiliadora das Classes Laboriosas reunidos no Salão Nobre da entidade para participarem,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento LUCIANA BARBOSA SILVEIRA Superintendente de Jurídico e Compliance Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento Sumário A partir de out/2015, novas normas passarão a reger a indústria de fundos

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15

Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações. São Paulo, 22/09/15 Compliance e Gestão de Terceiros A Importância para as Organizações São Paulo, 22/09/15 Nossa Agenda 1. Preocupações atuais no ambiente corporativo 2. Gestão de riscos e controles internos 3. Terceiros

Leia mais

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações contábeis Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 GOVERNANÇA CORPORATIVA Equidade; Transparência; Prestação de contas; e Conformidade com

Leia mais