UNIVERSIDADE UNIMED: Gerenciando o conhecimento em meio à diversidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE UNIMED: Gerenciando o conhecimento em meio à diversidade"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE UNIMED: Gerenciando o conhecimento em meio à diversidade Daniel César Pereira Gerente de Desenvolvimento Corporativo, Fundação Unimed Universidade Unimed Introdução O objetivo deste capítulo é relatar a experiência da Universidade Unimed como instituição de educação corporativa em um ambiente peculiar, altamente complexo, que, em nada pode ser comparado ao das demais Empresas que possuem atividade semelhante. O sistema Unimed difere, basicamente, por ser constituído por centenas de unidades cooperativas médicas autônomas, jurídica e administrativamente independentes, fragmentadas e distribuídas em todo o território nacional. A não ser a marca e o processo de gestão cooperativista todos os demais elementos componentes dessas estruturas autônomas podem ser diferentes e, às vezes, divergentes. Aqui, procuramos explicar como é a organização do sistema Unimed, como a sua Universidade corporativa vem atuando e qual o seu posicionamento frente ao desafio de sedimentar um perfil efetivamente corporativo ao sistema. Entendendo o sistema Unimed A primeira cooperativa de trabalho médico Unimed surgiu em dezembro de 1967, na cidade de Santos, como resposta da classe médica à exploração da saúde como fonte de lucros, encabeçada por empresas mercantis, e que estava transformando a saúde em uma atividade econômica como qualquer outra. É um modelo alternativo e democrático que, ao invés de visar o lucro, oferece trabalho digno e fortalece a ética médica. A partir dessa primeira experiência, outras cooperativas foram sendo criadas e, dez anos depois, já havia cerca de 60 em todo o Brasil. No início da década de 70 as várias cooperativas já estavam reunidas em federações, surgidas primeiramente nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. A confederação foi fundada em 1972, quando alguns dirigentes de federações, mediante um protocolo de intenções, anteciparam-se à ação da AMB que planejava fundar uma confederação e assumir seu comando.

2 Com o passar do tempo, foram constituídas outras estruturas, destinadas a prestar serviços complementares à atividade-fim da cooperativa médica. Atualmente a organização Unimed é composta por um complexo que reúne diferentes entidades jurídicas interligadas, numa instituição de caráter virtual, reunindo sistemas ou segmentos de diferentes atividades e naturezas jurídicas, tais como as cooperativas de trabalho médico, de economia e crédito mútuo, de consumo, uma corretora de seguros, uma seguradora, uma empresa de administração e serviços e a Fundação Unimed. Esta última, fundada em 1995, com o objetivo promover ações de responsabilidade social, pesquisa, capacitação e desenvolvimento dos cooperados através da implementação e disponibilização de meios de aprendizado contínuo aos profissionais da área de saúde e gestão das cooperativas. Na Fundação Unimed, as ações voltadas para a consolidação do processo de educação corporativa são reunidas em um núcleo denominado Universidade Unimed, a exemplo do que vem sendo adotado por dezenas de empresas no Brasil. O uso dos termos "universidade corporativa" é uma interpretação da expressão trazida da literatura americana: corporate university. A palavra "corporate" incorpora o fato de que tais instituições estão vinculadas a empresas, e o termo "university" pode ser explicado para demonstrar a seriedade e o comprometimento com os objetivos pretendidos. Meister (1999) destaca que também é arrolado, como justificativa para uso do termo, o objetivo de criação de uma marca para os seus programas educacionais, materiais didáticos e processos. (Alperstedt, 2001). É evidente que o uso do termo "university" não confere a essas instituições a mesma conotação que a palavra possui no sistema educacional. A palavra universidade no contexto do ensino superior é utilizada para caracterizar uma "instituição de ensino superior que compreende um conjunto de faculdades ou escolas para a especialização profissional e científica, e tem por função precípua garantir a conservação e o progresso nos diversos ramos do conhecimento, pelo ensino e pela pesquisa" (Ferreira, 1995). Wanderley (1983). Para entendermos o processo de educação corporativa dentre as cooperativas de trabalho médico do sistema Unimed é necessário compreender como o mesmo está constituído. Sua estrutura está organizada em três níveis distintos. Na base encontram-se as cooperativas médicas denominadas singulares que abrangem um ou mais municípios. As singulares estão agrupadas em federações que, de acordo com sua área de atuação, estaduais ou regionais,

3 podem estar reunidas em intra ou inter federações. No topo da estrutura está a Unimed do Brasil, que pode ser entendida como uma confederação de âmbito nacional. Os médicos filiam-se às singulares e, através das regras estabelecidas nos processos eletivos periódicos definidos nos seus estatutos, podem candidatar-se aos cargos de dirigentes. Da mesma forma ocorre nas federações, às quais estão vinculadas as singulares, nas demais estruturas intra e interfederativas e na Unimed do Brasil. As singulares são autônomas e independentes, nos aspectos jurídico, econômico e administrativo não havendo, nem mesmo informalmente, sistema decisório hierárquico estabelecido entre os diferentes graus. Atualmente o sistema Unimed possui 381 singulares e 19 federações, reunindo cerca de 98 mil médicos cooperados, cerca de colaboradores, com atuação em 80% dos municípios em todo o território nacional.... Criar um modelo de educação corporativa em um sistema com tais características é uma experiência única que requer não só a utilização dos meios educativos convencionais utilizados em várias Empresas, mas implica na criação de um formato original adaptável ao modelo institucional adotado no sistema Unimed. Para facilitar a compreensão das diferenças entre os modelos de educação corporativa adotados pelas empresas em geral e pela Universidade Unimed, comparamos no quadro 1 as características de cada ambiente.

4 Quadro 1 : Comparativo entre as Empresas em geral e o Sistema Unimed, nos aspetos que influenciam a educação corporativa. Empresas em geral Sistema Unimed Comando da organização determinado pelos acionistas ou proprietários. Quadro de empregados com vínculo trabalhista com a organização CLT. Dirigentes eleitos em assembléia de cooperados. Os médicos cooperados são os donos das cooperativas. A CLT se aplica somente aos colaboradores que trabalham na administração das singulares. Departamentos ou divisões internas da estrutura submetidos à mesma missão, objetivos e metas. A Universidade corporativa é fundeada por verbas do orçamento da própria Empresa ou através de parcerias com outras instituições. A capacitação e o treinamento tem foco na instituição de diferenciais competitivos e na excelência dos processos empresariais. Os programas de treinamento são parte da estratégia organizacional e o empregado pode ser treinado durante o horário do expediente. A Universidade corporativa pertence à estrutura formal da Empresa o que facilita o conhecimento e a percepção dos empregados quanto à sua função. Cada cooperativa é autônoma jurídica, econômica e administrativamente. A Universidade corporativa se sustenta mediante contribuição dos mantenedores e comercialização dos seus cursos. Foco na consolidação da marca, na preparação dos médicos para a gestão cooperativista e na educação médica continuada. Cada cooperativa possui sua própria regra. O cooperado é que decide se deixa de trabalhar em seu consultório para poder participar dos treinamentos. A Universidade Unimed é uma instituição autônoma que se reporta à Unimed do Brasil e ainda não é conhecida por todas as singulares. Nem todas as singulares possuem núcleos voltados para o desenvolvimento dos cooperados.

5 As diferenças acima retratadas são fatores preponderantes para o estabelecimento do modelo de ensino proposto pela Universidade Unimed. É de se esperar que o fato dos dirigentes serem eleitos pelos próprios cooperados acarreta o aparecimento de tendências políticas antagônicas que podem influenciar nos rumos do processo de educação corporativa. Entretanto, este fator vem sendo, a cada dia, minimizado pela aproximação dos gestores da Fundação Unimed, à qual está submetida a Universidade corporativa, com os dirigentes da Unimed do Brasil, provocando um alinhamento entre os objetivos de ambas as instituições e que refletem em todo o sistema. A combinação desses objetivos é fundamental e imprescindível ao processo de conhecimento e percepção da missão da Universidade Unimed, não só das cooperativas médicas, enquanto instituições, como também de todos os 98 mil médicos cooperados, individualmente. No entanto, a desagregação do cooperado com sua cooperativa, fruto do próprio desconhecimento de seus direitos estatutários, faz com que várias ações empreendidas pela gestão central do sistema, incluindo-se aí as atividades da Universidade corporativa, não sejam conhecidas nem percebidas como valor intrínseco ao mesmo. As singulares, enquanto instituições autônomas, estão submetidas aos mesmos processos de gestão, como qualquer outra empresa, com seus planos, objetivos, metas, receitas, despesas e estruturas administrativas. Obrigações financeiras com fornecedores e com a manutenção da estrutura, de um modo geral, costumam ter prioridade sobre as demais, inclusive sobre o investimento em educação. Além disto, a maioria das singulares não possui em sua estrutura, um núcleo destinado às atividades de capacitação dos cooperados, fato que potencializa o desconhecimento da Universidade e a pouca sensibilização dos dirigentes sobre a importância do aprendizado contínuo. Nem toda cooperativa possui dotação orçamentária para subsidiar os gastos com capacitação de seus cooperados, obrigando-os a assumir integralmente os ônus financeiros decorrentes. Desta forma, ao analisar a questão, devem ser considerados os fatores econômicos adjacentes, pois além do valor do seu investimento em educação, a receita decorrente do período de ausência do consultório, clínica, laboratório ou hospital é interrompida. A limitação orçamentária do investimento em capacitação, por muitas vezes faz com que a singular contrate serviços educacionais de outra entidade fora do sistema, por uma simples questão de preço, deixando para um segundo plano a experiência corporativa que pode ser aplicada pela Universidade Unimed. As singulares, relativamente à área educacional, reservam para si o direito

6 de investir quando, como e onde desejam, uma vez que não há obrigatoriedade de se contratar os serviços da Universidade corporativa. Por outro lado, muitas singulares são mantenedoras da Fundação, investindo nos projetos desenvolvidos pela Universidade corporativa. Mensalmente contribuem com valores diferenciados para a manutenção da instituição, fazendo jus a benefícios educacionais, gerenciais e administrativos, e às ferramentas estratégicas no auxílio à gestão das entidades. Muitos dos benefícios recebidos são repassados aos cooperados sob a forma de descontos nas mensalidades dos cursos ministrados pela Universidade Unimed, ou pela realização de alguns cursos gratuitos para os mesmos. As grandes empresas, que também possuem abrangência nacional, por mais que os seus diversos departamentos estejam distribuídos pelo território, não podem ser integralmente comparadas com o sistema Unimed, em se considerando as peculiaridades deste, tais como fragmentação, diversidade cultural, distribuição geográfica, gestão cooperativista e orientações políticas diferenciadas. Convivem, sob esta marca, as 381 cooperativas médicas distribuídas em todo o país, dos mais diversos portes econômicos, com uma vasta dispersão estatística de número de cooperados, submetidas às mais variadas culturas e cenários econômicos locais, oferecendo produtos diferentes uns dos outros, sem parametrização dos preços e da remuneração dos cooperados. Nestas circunstâncias, é natural que as necessidades sejam diferenciadas umas das outras e é sobre este fator que reside a principal missão da Universidade Unimed: entender que, mesmo sob uma mesma égide, instituições diferentes requerem ações diferentes. Para exemplificar a diversidade apresentamos os quadros 2 e 3: Quadro 2: Distribuição porcentual das 381 singulares por número de médicos cooperados Número de médicos cooperados Porcentual Singulares Acima de ,4 9 De 1001 a ,9 15 De 501 a ,3 24 De 301 a 500 7,2 27 De 101 a ,3 135 Abaixo de ,9 171

7 O quadro acima deixa claro que o sistema Unimed possui cerca de 80% de singulares com número de cooperados menor que 300. Quase metade de todas singulares possui menos de 100 cooperados, ratificando a percepção de que os meios de aprendizado a serem disponibilizados para o sistema devem contemplar cada um dos estratos dessa distribuição. Quadro 3: Distribuição do porcentual de singulares por Região Região Porcentual Região Norte 4,80 Região Centro Oeste 8,69 Região Nordeste 17,94 Região Sudeste 47,91 Região Sul 20,66 A concentração de singulares nas diversas regiões é compatível com a própria distribuição da população brasileira. Maiores concentrações no sudeste e no sul do país ensejam a ocorrência de um maior volume de necessidades nestas regiões, em números absolutos. A ação da Universidade Unimed Desde sua criação, em 1995, a Fundação Unimed vem se dedicando ao atendimento das necessidades específicas e peculiares do sistema Unimed, observadas ou mediante processos empíricos ou como fruto da experiência e observação dos seus dirigentes e colaboradores. Na ocasião, questões fundamentais, como o alinhamento estratégico com as diretrizes globais do sistema, nem chegaram a ser discutidas visto que, naquela ocasião, não estava devidamente clara a importância da criação de um perfil corporativo. Haviam muitos obstáculos e o primeiro deles era o imenso trabalho de fazer com que a Fundação se tornasse conhecida e percebida pelas singulares e cooperados, em âmbito nacional, como uma instituição que iria disseminar as sementes do processo de gestão de conhecimento. Em segundo lugar, era definir por onde começar, em face da complexidade do projeto e das particularidades do sistema Unimed. Finalmente, havia uma importantíssima questão a ser definida: de onde viriam os recursos financeiros.

8 No início, os recursos financeiros foram captados através de um grupo de mantenedores, singulares, federações e pessoas físicas que acreditaram no projeto, e, através do giro deste pequeno capital, vários cursos compactos, com duração de até 40 horas, foram sendo desenvolvidos e comercializados. Além disto, a Fundação passou a ser a organizadora de eventos no sistema Unimed, o que também contribuía para a sua sustentação financeira. Entretanto, muitos dos clientes da Fundação Unimed, com o decorrer do tempo, passaram a não se sentir mais atraídos pelos seus produtos, substituindo-a por fornecedores locais a preços menores. Além disto, no final da última década, o sistema Unimed mergulhou em uma crise política, que seccionou o sistema em dois grupos distintos, e que acarretou dezenas de solicitações de cancelamentos de mantenedores. Para enfrentar os efeitos decorrentes dessa crise, era necessário um reposicionamento estratégico da Fundação. E assim, em 1999, criou-se a Universidade Unimed, com o objetivo de fortalecer os laços das singulares com a marca Unimed, promover o ensino corporativo e fazer parcerias com instituições de ensino, que lhe proporcionaria condições de disponibilizar e certificar cursos de pós-graduação. Desde então, a Universidade Unimed ampliou seu foco de atuação em quatro modalidades distintas: desenvolvimento e disponibilização de cursos de pósgraduação, cursos de aperfeiçoamento, cursos compactos e palestras. Estas modalidades foram concentradas em duas áreas de conhecimento distintas: uma voltada para a educação médica continuada e a outra visando preparar os profissionais da área de saúde para serem gestores de suas cooperativas. Apesar de todo o esforço realizado neste período, observa-se que, se por um lado a Fundação Unimed encontrou seu equilíbrio, por outro, a visão corporativa, imprescindível à filosofia que norteia as universidades ligadas a grupos empresariais, ainda não está, até o momento, devidamente consolidada. Dado o cenário anteriormente descrito, vimos que a Fundação Unimed passou por dois momentos distintos, desde sua criação, entre os quais se observou importante mudança no foco de suas atividades:

9 Quadro 4: Alterações da percepção dos clientes internos e do foco das atividades Período de 1995 a 1998 Período de 1999 a 2005 Percepção dos clientes internos Produtos muito caros Crise política institucional Criação da Universidade Unimed Facilitadora na área educacional Baixa credibilidade no sistema gerando Disponível para o cliente perda de mantenedores Não cumpria com os seus objetivos Possui maior visibilidade, mas ainda é pouco conhecida no sistema. Preços continuam caros Não exerce educação corporativa. É muito focada em pós-graduação Não guarda nem dissemina o conhecimento Atividades executadas Foco em cursos de curta duração Realização de workshops e eventos Foco em pós-graduação Redução do número de cursos de curta duração e eventos Início dos trabalhos de assessoria de gestão Com a mudança de foco, a Universidade Unimed certificou de 1999 até junho de 2005, através das instituições de ensino parceiras, 1665 alunos de pós-graduação, em 55 turmas, distribuídos nos cursos de Auditoria em Saúde, Gestão Empresarial, Administração Hospitalar, Perícia Médica e Sexologia. Realizou mais de 200 cursos de curta duração, coordenou mais de uma centena de palestras ou eventos, atendendo a mais de 180 singulares ou Federações, abrangendo um público total acima de cinco mil pessoas. Atualmente, encontram-se em andamento 48 turmas de pós-graduação, distribuídas por 11 estados da federação, mais o Distrito Federal, somando 1250 alunos. Como se pode observar, o volume de ações realizadas pela Universidade Unimed cresceu em proporção geométrica nos últimos anos. Contudo, todo o esforço empreendido pela Fundação Unimed, mediante a potencialização das ações de sua Universidade, ainda não a tornaram

10 percebida no âmbito do sistema Unimed como uma instituição de cunho corporativo, voltada para o fortalecimento dos laços entre singulares, federações e Unimed Brasil, para a criação de uma identidade própria e muito menos como gestora do conhecimento. Essa constatação fica patente quando se analisa o resultado de enquête recentemente realizada com representantes de várias singulares e federações acerca de qual deve ser o papel da Fundação Unimed, especialmente da sua Universidade, para que a mesma se consolide como uma entidade corporativa. De acordo com a enquête, a Universidade Unimed deve: a) Realizar ações focadas na preparação e conscientização do dirigente e do cooperado relativas às suas responsabilidades na gestão da cooperativa. b) Fomentar a criação e fornecer subsídios para a manutenção de núcleos responsáveis pelo processo educativo em cada unidade. c) Reunir, analisar, classificar, organizar, disseminar e compartilhar o conhecimento gerado dentro do sistema Unimed. d) Tomar para si a responsabilidade pela gestão do conhecimento no sistema Unimed. e) Incentivar ações inovadoras que auxiliem os processos de gestão das cooperativas. Observa-se que, embora a Universidade Unimed esteja realizando cursos e disseminando conhecimentos relativos ao aprimoramento dos cooperados em gestão e outros assuntos da área médica, o foco requerido pelos clientes internos parece apontar para um outro caminho, haja vista que as necessidades do sistema revelam carências básicas somente passíveis de ser atendidas por uma instituição com foco corporativo. A prática da educação corporativa e da gestão do conhecimento reveste-se de um sentido muito mais amplo e abrangente do que o desenvolvimento e implementação de cursos. A gestão do conhecimento não se resume em ações estanques e desagregadas entre si visto que é um processo sistemático, devidamente planejado, que se apoia na geração, classificação, disseminação e apropriação do conhecimento, convergindo sempre para as intenções de excelência organizacional. Ainda que o sistema Unimed, através de sua administração central, não determine metas empresariais a serem atingidas pelas suas singulares, a exemplo do que ocorre na maioria das organizações com os seus departamentos, os componentes corporativos do sistema são muito fortes, tais como a própria marca, o cooperativismo, o modelo de gestão cooperativista, os direitos e deveres dos cooperados e dirigentes, o intercâmbio entre as singulares, sem contar um sem-número de processos de gestão similares, existentes em cada cooperativa.

11 O anseio das cooperativas tem origem nas deficiências ou na inexistência dos processos de desenvolvimento humano em suas estruturas internas, cuja ocorrência os torna carentes de soluções para problemas recorrentes, como a delicada relação dirigente/cooperado/cooperativa e a necessidade de criar seus próprios núcleos de desenvolvimento humano. No sistema Unimed, todos os dirigentes são médicos, que, dada a sua formação específica, necessitam de um outro tipo de conhecimento para capacitar-se em técnicas de gestão. Além disto, os clientes internos ainda aludem à necessidade de fazer com que o saber e o conhecimento, adquiridos em quase 40 de história, sejam organizados e possam circular amplamente no âmbito do sistema Unimed. É reforçada a necessidade da inovação, da busca do novo conhecimento, do fomento à geração de novas idéias que incrementem o positivo efeito das ações corporativas, reforçando o papel da Universidade Unimed como incentivadora da geração de idéias vanguardistas dentro do sistema. O modelo de gestão do conhecimento para o sistema Unimed As experiências pelas quais passou a Fundação Unimed, especialmente a Universidade Unimed, nos últimos anos, se ainda não consolidaram o seu modelo corporativo, foram fundamentais para identificar o caminho a ser seguido. Na medida em que se ampliou o mercado e as opções de aplicação dos meios de aprendizado, elevou-se sobremaneira o nível de conhecimento acerca das reais necessidades corporativas das singulares. Outros fatores também contribuíram para que, atualmente, a Universidade corporativa possua uma visão mais clara sobre os seus alvos e focos de atuação. A maior proximidade com os dirigentes e cooperados das singulares, o alinhamento com as estratégias institucionais capitaneadas pela Unimed Brasil, a ampliação da abrangência territorial de sua atuação, a consciência da própria necessidade de aprendizado e da reunião de esforços por parte das singulares, são os demais motivadores do realinhamento do foco de atuação. O título de universidade corporativa, vem sendo, gradativamente, justificado através de inúmeras ações que, em uma primeira instância, visam consolidar sua imagem e influenciar a percepção dos dirigentes de singulares e dos cooperados e, subsequentemente, consolidar um projeto consistente e de amplo escopo para a gestão do conhecimento e do capital intelectual no sistema Unimed. A gestão do conhecimento pode ser entendida como uma estratégia de integração dos ativos intelectuais da organização informações registradas e os talentos de seus colaboradores

12 convertidos em maior produtividade, inovação e aumento de competitividade, mediante aperfeiçoamento de habilidades em uma entidade coletiva. O foco da gestão do conhecimento, sob esse prisma, pode ser interpretado como a criação de condições viabilizadoras para que o conhecimento dos indivíduos seja transformado em ação inovadora (Baêta et al, 2001;Cisalpino, 2002; Ferreira e Vasconcelos, 2001) Capital intelectual é definido como uma combinação de ativos intangíveis, frutos das mudanças nas áreas da tecnologia da informação, mídia e comunicação, que trazem benefícios tangíveis para as empresas e que capacitam seu funcionamento. Brooking (1996). Enquanto gestão do conhecimento dá idéia de processo, de ação, a expressão capital intelectual transmite noção de armazenamento, de estoque, o qual pode e deve ser gerenciado. No sistema Unimed, a gestão do conhecimento e do capital intelectual, liderada pela Universidade Unimed, teve seu escopo reformulado e passa a adotar o que se segue: 1- Premissas do processo de gestão do conhecimento e do capital intelectual Os meios de aprendizado são alinhados com a orientação estratégica e corporativa e com as necessidades intrínsecas do singulares. O conhecimento e as experiências individuais ou coletivas, especialmente os inovadoras, são disponibilizadas para o sistema Unimed através da criação de canais e processos. As informações são democratizadas e têm canais de livre acesso a todos os cooperados. Os interesses dos cooperados são o objeto e o fundamento do desenvolvimento de cursos treinamentos. As melhores práticas de gestão do sistema cooperativista são captadas, organizadas, classificadas, armazenadas, disponibilizadas e disseminadas pela Universidade corporativa. A consolidação de uma cultura corporativa no sistema Unimed é conseqüência das ações empreendidas pela Universidade corporativa. 2 Ações que intensificam os processos de gestão de conhecimento Estreitamento do relacionamento com os dirigentes e cooperados.

13 Fomento à criação de núcleos destinados ao desenvolvimento e capacitação dos cooperados nas próprias singulares. Pesquisa de campo para identificação das necessidades de singulares e cooperados. Utilização de tecnologia do ensino à distância. Utilização dos recursos da internet para captação do conhecimento informal. 3 Ações que intensificam a construção da identidade corporativa Consolidação do sistema de gestão da identidade visual da marca Unimed. Disseminação do aprendizado sobre cooperativismo. Capacitação dos médicos em processos de gestão de cooperativas. Incentivo à democratização do conhecimento informal próprio e das melhores práticas de gestão. 4 - Forma de atuação - Oferta de cursos, organizados nas seguintes linhas de aprendizado: Cooperativismo, Gestão de cooperativas médicas (foco no sistema Unimed), Gestão de negócios, Educação médica continuada (incluindo a Humanização da Medicina, Bioética e Medicina baseada em evidências), Gestão de pessoas. Cada linha de aprendizado inclui as modalidades de pós de graduação, extensão, cursos compactos e palestras. O cliente interno, à luz de sua realidade, contrata a modalidade que mais se adequar à sua necessidade, de acordo com a linha de aprendizado requerida. - Disponibilização de cursos que fortalecem a cultura corporativa. Estes cursos podem ser presenciais ou virtuais e são de livre acesso a todas as instituições vinculadas ao sistema Unimed e abrangem temas como: Gestão da identidade visual da marca Unimed, Formação cooperativista, Preparação de novos dirigentes, Critérios de admissão de novos cooperados, Formação de núcleos de gestão do conhecimento e outros que vierem a ser demandados pelo sistema ou determinados pela Unimed do Brasil. - Desenvolvimento de cursos virtuais destinados às entidades mantenedoras, com temática relativa aos problemas comuns às singulares tais como: Excelência no atendimento ao Cliente, Atendimento em consultórios, Administração de consultórios, Manual de referência em gestão de cooperativas, dentre outros.

14 Desenvolvimento de metodologia e assessoramento para implantação de núcleos de gestão de conhecimento nas singulares. - Desenvolvimento de metodologia e assessoramento para implantação nas Unimeds de institutos que fomentam a cultura e a responsabilidade social nas comunidades. Estabelecimento de parcerias estratégicas com instituições de ensino de excelência, com outras Empresas e Universidades corporativas, visando aprimorar a qualidade do ensino corporativo, permutar e disseminar conhecimentos diversos e oferecer facilidades aos cooperados,. - Desenvolvimento de projetos culturais relacionados com a história do sistema Unimed, do cooperativismo e das ações relevantes em educação corporativa. Tratamento da base de dados do sistema Unimed, visando compilar informações quantitativas e qualitativas que sejam referência para o desenvolvimento, pela Universidade Unimed, de meios de aprendizado para o sistema, visando maior adequação da temática às necessidades do sistema. Criação e manutenção de videoteca, CDteca e DVDteca, sobre os assuntos relacionados às linhas de aprendizado ou à consolidação da cultura corporativa, para atendimento às singulares e instituições vinculadas ao sistema Unimed. Implementação, através da internet, de um banco de dados virtual no qual os próprios usuários poderão cadastrar suas experiências e registrar seus próprios talentos literários e consultar o que está sendo realizado por outros cooperados ou instituições. Os temas são classificados segundo sua natureza: Experiências de sucesso em gestão de cooperativas, Projetos de educação corporativa em cooperativismo, Histórias pitorescas do sistema Unimed, Produções literárias. Classificação, organização e disponibilização da consulta a todo o acervo de monografias produzidas nos cursos de pós graduação. Disponibilização, através do site da Fundação Unimed, de links com bibliotecas virtuais, bancos de artigos, revistas e jornais relacionados com o cooperativismo ou práticas médicas, Agência Nacional de Saúde e Conselho Federal de Medicina. Cadastramento virtual de palestrantes, instrutores de cursos e professores através do site da Fundação Unimed, visando revelar as potencialidades existentes dentro do próprio sistema e fazer circular o conhecimento adquirido pelos mesmos no âmbito da Unimed. Promoção de ações para inclusão digital do médico cooperado.

15 Promoção de chats virtuais, através da internet ou videoconferência. Criação de grupos de discussão sobre temas diversos, mediante fóruns de discussão virtuais acessíveis em todo o país através do site da Fundação Unimed. Criação de comunidades virtuais no sistema Unimed, baseadas em preferências ou hobbies pessoais dos participantes, visando aproximar a Fundação Unimed com os cooperados através dos temas de interesse dos vários grupos. Publicação de jornais e revistas, contendo os temas relativos às linhas de aprendizado e àqueles que visam disseminar e fortalecer a cultura corporativa. Publicação de livros, preferencialmente coletâneas de artigos escritos pelos próprios cooperados, em assuntos corporativos ou relativos à gestão de cooperativas. No sistema Unimed a educação corporativa é uma estratégia para a gestão de conhecimento, que extrapola a simples oferta de cursos em parceria com uma instituição de ensino superior. As possibilidades da Universidade corporativa são teoricamente infinitas com base no fato de que o conhecimento é renovado todos os dias, especialmente em uma instituição com a abrangência e a complexidade do sistema Unimed. A missão e os objetivos organizacionais, vão, gradualmente, ganhando espaço em meio ao escopo das ações da Universidade Unimed sem, com isso, reduzir o seu raio de atuação atual, com foco na oferta de cursos. O alinhamento político, combinado com a revisão da estratégia de atuação e a adequação do seu foco à consolidação de um perfil corporativo são os mais claros indícios de que o caminho encontrado pela Universidade Unimed, em um ambiente com tanta diversidade e heterogeneidade, parece ser o que consolidará sua permanência e seu sucesso. Referências bibliográficas ALPERSTEDT, Cristiane. Universidades corporativas: discussão e proposta de uma definição. Revista de Administração Contemporânea (RAC), v. 5, n. 3, set./dez BAÊTA, A. M.C. (2001). Knowledge Management: The experience of Science-Based Companies in Brazil. Proceedins of Second European Conference on Knowledge Management. Bled School of Management, Bled:Slovenia, November, 8-9, 2001.

16 BROOKING, Annie. Intellectual Capital: Core Assets for the Third Millenium. Thomson Business Press, London, England, 1996 CISALPINO, Lais S. (2002) Learning Organization e Gestão do Conhecimento Propostas para a Competitividade. 93f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) Faculdade de Ciências Humanas de Pedro Leopoldo, Minas Gerais. FERREIRA, Marta & VASCONCELOS, Maria Celeste R.L. (2001). The Practice of Knowledge Management in Industry. Proceeding of the 2 nd European Conference on Knowledge Management. MCIL: Management Centre International Limited; Bled School of Management, Bled, Slovenia, november, pp FERREIRA, Aurélio B. de H. Novo dicionário básico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, MEISTER, Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books, WANDERLEY, Luiz Eduardo W. O que é universidade. São Paulo: Brasiliense, (Coleção Primeiros Passos, 91).

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR

ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR cenário geral de organizacão ORÍGENS DO COOPERATIVISMO COMUNIDADE UNIMED ASSOCIAÇÃO NEGÓCIO (EMPRESA) PLANO DE SAÚDE MERCADO (COMUNIDADE) RESPONSABILIDADE SOCIAL cenário

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

Vigilância Alimentar Nutricional. Colocar aqui a página inicial do curso. Curso de. Vigilância. Alimentar. Nutricional

Vigilância Alimentar Nutricional. Colocar aqui a página inicial do curso. Curso de. Vigilância. Alimentar. Nutricional Colocar aqui a página inicial do curso Curso de Vigilância Alimentar Nutricional FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz Educação a Distância Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen)

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Histórico A UniBacen é um departamento vinculado diretamente ao Diretor de Administração do Banco Central do Brasil (BCB), conforme sua estrutura

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades.

com parceiros na produção de informações e conhecimento, compartilhamento de trabalhos com vistas a alavancar os resultados e abolir duplicidades. TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de consultoria especializada para desenvolvimento dos serviços técnicos necessários à elaboração da metodologia para a estruturação da Rede de Parceiros para o

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais