Diagnóstico do Sector da Biotecnologia e das Ciências da Vida em Portugal Abril de 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico do Sector da Biotecnologia e das Ciências da Vida em Portugal Abril de 2005"

Transcrição

1 Diagnóstico do Sector da Biotecnologia e das Ciências da Vida em Portugal Abril de 2005 Produzido por

2 ÍNDICE PREÂMBULO 6 1. BREVE ENQUADRAMENTO MUNDIAL DA BIOTECNOLOGIA Estados Unidos da América Europa Brasil Outras regiões Canadá Ásia-Pacífico Conclusões comparativas A BIOTECNOLOGIA EM PORTUGAL Caracterização geral do Sector em Portugal Unidades de Investigação em Portugal PRINCIPAIS RESULTADOS DAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AO SECTOR DE BIOTECNOLOGIA Breve descrição da metodologia de auditoria Caracterização geral das empresas Caracterização da base tecnológica Capacidade de gestão da tecnologia Estrutura e estratégia Interacção com a envolvente Caracterização da envolvente Interacção com a envolvente Análise SWOT PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR EM PORTUGAL - VISÃO DAS EMPRESAS CONTACTADAS CONCLUSÕES GERAIS Realidade actual Potencialidades Medidas urgentes para o sector Existem Bio-regiões em Portugal? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 65 ANEXO

3 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Distribuição do número de empresas nos EUA por área de actividade, de acordo com o directório da OECD DSTI/DOC [2]... 9 Figura 2: Montante de Fundos de capitais de risco angariados (C.R.) e das ofertas públicas de venda (OPV.) em empresas de biotecnologia dos E.U.A. [3] Figura 3: Número de empresas de biotecnologia de alguns países pertencentes à OCDE(2003) [3] Figura 4: Distribuição do número de empresas por sector na Suécia [4], Bélgica e Finlândia [2].. 11 Figura 5: Montante de Fundos de capitais de risco angariados (C.R.) e das ofertas públicas de venda (O.P.V) em empresas de biotecnologia na Europa [3] Figura 6: Distribuição de empresas no Brasil por área em 2001 [14] Figura 7: Distribuição do número de empresas por área em Minas Gerais [14] Figura 8: Número total de empresas, empresas que receberam Capital de Risco (C.R.) e número de patentes por empresa em 2001 e 2004 para o Estado de Minas Gerais, Brasil [14] Figura 9::Distribuição de empresas canadianas por área (2003) [8, 9] Figura 10: Países da região Ásia-Pacífico com desenvolvimento no sector de biotecnologia Figura 11: Investimento de capital de risco em empresas de biotecnologia da Austrália entre 2002 e 2004 [12] Figura 12: Distribuição de empresas por área na Austrália, Coreia do Sul e Índia [12] Figura 13: Número de empresas de biotecnologia (cotadas e não cotadas) na Europa, EUA, Canadá e Região Ásia-Pacífico em 2003 [16] Figura 14: Lucros, despesas em investigação e número de empregados nas empresas (cotadas) de biotecnologia do Canadá, Região Ásia-Pacífico, EUA e Europa [16] Figura 15: Evolução das empresas de Biotecnologia Tradicional em Portugal [17] Figura 16: Evolução das empresas da Indústria Farmacêutica em Portugal [17] Figura 17: Unidades de Investigação com actividades de Investigação e Desenvolvimento em Portugal. Os números nas zonas de intersecção indicam unidades que se incluem em mais do que uma área Figura 18: Distribuição de Investigadores segundo sector de execução, para um número total de [20] Figura 19: Modelo Conceptual de Avaliação Figura 20: Evolução do número de empresas de Nova Biotecnologia e de trabalhadores (dados da amostra) Figura 21: Distribuição de empresas por área de actividade Figura 22: Fases de desenvolvimento económico das empresas em função do sector da biotecnologia Figura 23: Estrutura jurídica das empresas nas três fases de desenvolvimento económico Figura 24: Investimento de capital de risco (C.R.) nas empresas analisadas considerando as três fases de desenvolvimento económico Figura 25: Estrutura do mercado alvo em função da fase de desenvolvimento da empresa Figura 26: Existência de estratégia de internacionalização das empresas Figura 27: Vectores de classificação da base tecnológica da empresa Figura 28: Níveis atribuídos aos indicadores de capacidade tecnológica (A-Arranque; D- Desenvolvimento; C-Consolidação)

4 Figura 29: Importância Interna vs. Relevância Externa Figura 30: Esquema representativo da análise do potencial de desenvolvimento da tecnologia Figura 31: Potencial de desenvolvimento das tecnologias (A-Arranque; D-Desenvolvimento; C- Consolidação) Figura 32: Indicadores da capacidade de gestão da tecnologia (A-Arranque; D-Desenvolvimento; C-Consolidação) 1(mínimo) e 5 (máximo) Figura 33: Critérios considerados para a apropriação de tecnologias (A-Arranque; D- Desenvolvimento; C-Consolidação) 1(mínimo) e 5 (máximo) Figura 34: Número de patentes por empresa, segundo a sua fase de desenvolvimento económico Figura 35: Desenvolvimento de I&D segundo a fase de desenvolvimento económico das empresas Figura 36: Estratégia de internacionalização das empresas segundo o sector de actividade Figura 37: Existência de plano de formação contínua nas empresas segundo a fase de desenvolvimento económico Figura 38: Tipo de relação entre as empresas e os clientes e fornecedores, de acordo com a fase de desenvolvimento económico Figura 39: Interacção entre as empresas e possíveis competidores Figura 40: Associativismo das empresas de acordo com a fase de desenvolvimento económico. 54 Figura 41: Fontes de financiamento externo a I&D Figura 42: Percentagem de empresas que estabelecem relações de parceria/consórcio com o SCT Figura 43: Representação gráfica das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças das 24 empresas analisadas

5 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Países europeus envolvidos em algumas bio-regiões Tabela 2: Segmentos de mercado das empresas de biotecnologia no Brasil [26] Tabela 3: Distribuição de empresas de biotecnologia no Brasil por estado segmento de mercado [26] Tabela 4: Indicadores de biotecnologia para os EUA e Brasil (2001) [14] Tabela 5: Empresas de Biotecnologia Tradicional em Portugal [17] Tabela 6: Empresas na Indústria Farmacêutica em Portugal [17] Tabela 7: Empresas na Protecção Ambiental em Portugal [17] Tabela 8: Unidades de Investigação no Ensino Superior [19] Tabela 9: Unidades de Investigação do Estado [19] Tabela 10: Unidades de Investigação de IPsFLs [19] Tabela 11: Números de CAE das empresas que constituem a amostra Tabela 12: Caracterização dos indicadores de capacidade tecnológica Tabela 13: Caracterização dos indicadores da importância da tecnologia Tabela 14: Níveis do indicador de potencial de desenvolvimento da tecnologia Tabela 15: Caracterização dos indicadores da capacidade de gestão da tecnologia

6 Preâmbulo Este estudo do sector da Biotecnologia insere-se no âmbito do projecto FIVE (Fomento da Inovação e Valorização Empresarial). O objectivo central do Programa FIVE é a criação de mecanismos que permitam estimular a articulação entre a oferta e a procura nacional de tecnologia e inovação, promovendo a apropriação de conhecimento/tecnologia pelas empresas nacionais e a criação de uma nova dinâmica de empreendedorismo baseado na valorização empresarial da tecnologia e da inovação. O diagnóstico realizado visa a identificação das reais capacidades tecnológicas das empresas (assessment), com uma forte incidência na análise de áreas passíveis de criação de spin-offs tecnológicos, em virtude da existência de competências fortes nas empresas e que estejam subexploradas. Paralelamente, pretende-se a realização de análises tecnológicas prospectivas (forecasting), com as mesmas empresas, com vista à identificação de necessidades tecnológicas e trajectórias de desenvolvimento da tecnologia, que permitam antecipar necessidades futuras. Desta forma, foram obtidos inputs, que associados à análise da oferta de tecnologia pelas universidades e centros de I&D, permitem induzir um plano de desenvolvimento e apropriação de novas tecnologias pelo tecido empresarial. Para este estudo foram contactadas 35 empresas, na sua maioria pertencentes ao Directório da Biotecnologia [1], e 26 aceitaram integrar este estudo (Anexo 1). Numa primeira fase foi enviado um questionário, sendo posteriormente realizada uma entrevista com um ou dois gestores de topo de cada empresa. Os dados obtidos por ambas as fontes de informação foram analisados de acordo com o metodologia de diagnóstico de empresas de base tecnológica, desenvolvido pela INTELI no âmbito do projecto FIVE. A análise dos resultados obtidos é descrita nos Capítulos 3 e 4 deste relatório e no Capítulo 5 são apresentadas as conclusões gerais deste estudo. Nos primeiros capítulos é apresentado um enquadramento sumário da biotecnologia a nível mundial (Capítulo 1) e a nível nacional (Capítulo 2). 6

7 1. Breve enquadramento mundial da biotecnologia Existem várias definições para biotecnologia, dependendo do contexto e do grau de abrangência que se pretende. Uma definição consensual do que é a biotecnologia consiste na aplicação de microrganismos ou componentes de sistemas biológicos para a obtenção de produtos ou serviços de valor acrescentado. Neste sentido, a biotecnologia está entre nós há mais de 5000 anos, desde que o ser humano descobriu as primeiras bebidas fermentadas tais como a cerveja e o vinho ou como outros produtos fermentados como o pão ou o iogurte. Também os produtos lácteos, tais como a manteiga ou o queijo, são igualmente produzidos por meio de processos que envolvem enzimas na sua produção, e todos estes produtos já têm milénios de existência. Pode então designar-se por Biotecnologia Tradicional toda a tecnologia relacionada com a produção destes produtos, baseada inicialmente em conhecimentos empíricos, embora incluindo desenvolvimentos científicos recentes. Por outro lado, a descoberta da estrutura do DNA nos anos cinquenta e a elucidação do mecanismo do código genético na década seguinte deu origem a um novo ramo da biologia, a engenharia genética, cuja aplicação deu origem à Nova Biotecnologia. O conhecimento aprofundado dos mecanismos celulares e moleculares permitiu a manipulação do genoma de organismos com vista à produção de proteínas recombinadas com as mais variadas finalidades, desde a atribuição de resistência a plantas em relação a fungos ou insectos (criando-se assim os Organismos Geneticamente Manipulados, ou OGMs), até à produção de fármacos por via biológica ou enzimática. O próprio desenvolvimento das técnicas de cultura de células e tecidos abriu perspectivas na obtenção de novos produtos biológicos de interesse. De acordo com o presente estudo, a biotecnologia tem a sua aplicação maioritariamente em cinco áreas: Agro-Alimentar: área onde desde sempre a Biotecnologia Tradicional tem sido utilizada, e onde a Nova Biotecnologia tem originado vários resultados de relevo, desde os OGM a um melhoramento dos processos de produção dos vários produtos da Biotecnologia Tradicional; Ciências da Vida: a indústria farmacêutica tem sido dominada tradicionalmente pela síntese química orgânica e pela purificação de antibióticos, mas tem tido um grande desenvolvimento com a Nova Biotecnologia devido à utilização de organismos recombinados para a produção de proteínas de aplicação terapêutica, quer em humanos quer em animais. Na área do diagnóstico, tem sido fundamental a intervenção da Nova Biotecnologia, associada ao desenvolvimento dos conhecimentos nas áreas da biologia, fisiologia e medicina, para a criação de novos métodos de identificação e análise de patologias; 7

8 Indústria: esta designação abrange as várias áreas onde a Nova Biotecnologia encontra aplicação na indústria química, na indústria dos têxteis, na indústria de celulose, na indústria dos detergentes e na indústria energética. Recorre-se ao uso de microrganismos ou sistemas biológicos para a produção de enzimas ou outros produtos de interesse industrial ou comercial. A aplicação da Biotecnologia a estes sectores industriais é também é conhecida como Biotecnologia branca ou industrial; Protecção Ambiental: onde se utilizam microrganismos para o tratamento de águas residuais, fitoremediação de solos e efluentes; Serviços: todos as vertentes de desenvolvimento da Nova Biotecnologia necessitam de uma série de métodos padronizados que podem ser subcontratados a empresas que prestem esse tipo de serviços, como por exemplo a síntese ou sequenciação de ácidos nucleicos ou de proteínas, a clonagem de genes, mas também serviços de índole jurídica ou de consultoria, tais como a transferência de tecnologia. Na abordagem que se segue apenas se considera a Nova Biotecnologia, uma vez que é na sua aplicação industrial que reside um grande potencial Estados Unidos da América Os debates em torno da biotecnologia datam desde o início dos anos 70, aquando do desenvolvimento da tecnologia de DNA recombinado nos Estados Unidos da América (EUA) e da necessidade que surgiu de explorar estas tecnologias com fins comerciais. A novidade do mercado, o seu grande potencial e rápido crescimento criaram elevadas expectativas em relação ao impacto social e económico da indústria biotecnológica. Desde o aparecimento da primeira empresa de biotecnologia nos Estados Unidos em 1976, a Genentech Inc., fundada pelo investidor de capital de risco Robert Swanson (da Kleiner & Perkins venture) e pelo bioquímico Herbert Boyer (cientista da UCSF), ocorreu um grande desenvolvimento das Ciências da Vida, surgindo novos campos de aplicação, tais como a Agro- Alimentar, Protecção Ambiental e a prestação de Serviços. O número de empresas aumentou acentuadamente, verificando-se em 2001 um total de 1273, das quais 300 são empresas cotadas em bolsa. O gráfico seguinte apresenta a distribuição das empresas de biotecnologia por sectores de actividade nos EUA. 8

9 11% 3% 31% 55% Ciências da vida Agro-alimentar Serviços Protecção ambiental Figura 1: Distribuição do número de empresas nos EUA por área de actividade, de acordo com o directório da OECD DSTI/DOC [2]. Na década de 90, empresas situadas nos Estados Unidos passaram a contar com mecanismos de captação de recursos financeiros, tais como o capital de risco e os mercados bolsistas como o NASDAQ. Todavia, mesmo no caso dos EUA, o papel dos fundos de natureza governamental foi fundamental para a sustentação do fluxo de inovações e dos programas de desenvolvimento científico associados à criação de empresas em biotecnologia. Isso ocorreu tanto através do apoio aos institutos de investigação e universidades como por meio da criação de fundos de investimento seed. O desenvolvimento sector da Biotecnologia depende fortemente da disponibilidade de capital de risco pelo facto de se tratar de uma industria muito capital intensiva, com um elevado risco associado. Por sua vez, o desenvolvimento do sector do capital de risco depende fortemente da existência de mercados de capitais líquidos onde os investidores de capital de risco possam sair dos investimentos realizando mais valias assinaláveis. É desde os anos 90 que ocorre um aumento progressivo do investimento de capital de risco nas empresas de biotecnologia, tendo-se verificado um aumento de mais de 50% de 1999 para No entanto, maus resultados obtidos por empresas do sector conduziram à decepção de alguns investidores face às expectativas iniciais e, por consequência, a uma diminuição do número de investimentos nos anos seguintes. As ofertas públicas de venda decaíram drasticamente e somente em 2004 houve uma ligeira recuperação, ficando no entanto o valor muito aquém do obtido em

10 Milhões $ OPV. C.R Ano Figura 2: Montante de Fundos de capitais de risco angariados (C.R.) e das ofertas públicas de venda (OPV.) em empresas de biotecnologia dos E.U.A. [3]. Actualmente, os investidores nos EUA já estão na fase de recuperação do capital investido e continuam a investir em empresas nos estágios iniciais de desenvolvimento. Os EUA, em conjunto com a Europa, mantêm-se na linha da frente da investigação em biotecnologia e no aparecimento de novas empresas de biotecnologia Europa As vantagens em termos de crescimento económico e competitividade dos Estados Unidos devidas ao desenvolvimento e investimento no sector da biotecnologia conduziram a uma reacção da Europa com a opção estratégica de promover o sector na União Europeia. De facto, durante a década de 80 a biotecnologia na Europa era desenvolvida apenas em grandes empresas, ao contrário do que acontecia nos EUA, já então com um número crescente de pequenas empresas. A bolha financeira dos anos noventa deu origem a grandes disponibilidades de fundos de investimento de capital de risco, promovendo a inovação nos Estados Unidos e na Europa. Porém, os empreendedores europeus eram menos numerosos, tendo avançado mais lentamente. Foi no início dos anos 90 que surgiram as primeiras pequenas empresas de biotecnologia no Reino Unido, criadas por investigadores ligados a centros de investigação e universidades. Pouco tempo depois, numa tentativa de recuperar o tempo perdido, o governo alemão também encorajou e promoveu a criação de pequenas empresas através do programa BioRegio (1995). Actualmente, a Alemanha já ultrapassou o número de empresas de biotecnologia do Reino Unido (Figura 3). 10

11 Bélgica Filândia Holanda Dinamarca Suíça Israel Suécia França Reino Unido Alemanha Nº de empresas Figura 3: Número de empresas de biotecnologia de alguns países pertencentes à OCDE(2003) [3]. Tal como nos EUA, a actividade da maioria das empresas de biotecnologia na Europa está relacionada com a área das Ciências da Vida (40-60%), no qual se verificam os maiores investimentos. Na figura 4 são apresentados os dados da distribuição do número de empresas por sector em alguns países pertencentes à União Europeia. 21% Filândia 41% 23% 15% Ciências da Vida Agro-Alimentar Serviços Biotecnologia Industrial Protecção Ambiental Suécia Bélgica 4% 21% 32% 34% 20% 55% 16% 18% Figura 4: Distribuição do número de empresas por sector na Suécia [4], Bélgica e Finlândia [2]. 11

12 Em 2002 foi publicada uma estratégia da União Europeia para o desenvolvimento do sector das Ciências da Vida e da biotecnologia [5]. Neste plano, a cumprir até 2010, são reforçadas as iniciativas que têm sido tomadas para o desenvolvimento da biotecnologia na Europa, como por exemplo a criação de bio-regiões. De facto, nos finais dos anos 90 a necessidade de coordenação dos agentes envolvidos no desenvolvimento da biotecnologia originou a criação destas bioregiões, promovendo a transferência do conhecimento e investigação para o mercado. Actualmente existem várias bio-regiões espalhadas pela Europa, com uma estrutura que envolve grandes biofarmacêuticas, empresas médias e em fase de arranque (start-up), empresas de distribuição e de serviços, empresas ou centros governamentais de transferência de tecnologia, universidades, institutos de investigação e hospitais, onde existe uma interligação bem definida e com objectivos comuns, criando um ciclo virtuoso de atracção de investimento e criação de empresas. Tabela 1: Países europeus envolvidos em algumas bio-regiões. Bioregiões europeias Países envolvidos Biovalley Lyon-Rhone Alps Life Science Network ScanBalt Bioregion Medicon Valley Academy Biotech Region Munich Stockholm-Uppsala Turku Bio Valley Cambridge Biotech Cluster BioRegio Regensburg França (Alsácia), Suiça (Basel), Alemanha (Freiburg) França Dinamarca, Estónia, Finlândia, Islândia, Letónia, Lituânia, Noruega, Polónia, Suécia, Alemanha (norte) e Rússia (NO) Suécia e Dinamarca Alemanha (Munique) Suécia Finlândia Reino Unido Alemanha Algumas destas bio-regiões são coordenadas por agências que actuam como centros de contacto, funcionando como pontos de partida excelentes para quem pretenda informações aprofundadas da região ou contactos entre a indústria e a academia. No País Basco o governo regional lançou um programa no segundo semestre de 2001 (BioBask), no qual disponibilizou 52 milhões de Euros para financiar investigação, educação e a criação de novas empresas, incluindo uma incubadora de empresas de biotecnologia e um novo centro de investigação. Actualmente o sector privado e os centros de investigação estão já a despertar o interesse dos investidores europeus, e uma das primeiras empresas constituídas aquando do lançamento do referido programa está a revelar-se um caso de sucesso. [25] 12

13 O investimento de capitais de risco em empresas de biotecnologia tem sido constante desde o ano 2000, mas poucas têm sido as empresas de biotecnologia europeias que desde o ano 2001 passaram a ter cotação na bolsa (Figura 5) Milhões USD OPV C.R Ano Figura 5: Montante de Fundos de capitais de risco angariados (C.R.) e das ofertas públicas de venda (O.P.V) em empresas de biotecnologia na Europa [3]. O sector da biotecnologia na Europa tem um atraso de aproximadamente 10 relativamente aos EUA. As 1700 empresas privadas europeias (dados de 2003) são muito pequenas, precisando de se consolidar de modo a poder competir com as 1100 empresas privadas de biotecnologia americanas [3] Brasil Em 2001 o Brasil posicionava-se entre os 10 países com maior número de empresas no sector da biotecnologia. Com efeito, identificaram-se 314 empresas neste país, com uma facturação aproximada de 4 mil milhões de dólares e cerca de 27,8 mil trabalhadores [14]. 32% 20% 4% 12% 32% Agro-alimentar Ciências da Vida Protecção Ambiemtal Serviços Outros Figura 6: Distribuição de empresas no Brasil por área em 2001 [14]. Apesar da actividade da maioria das empresas de biotecnologia no Brasil estar relacionada com o área das Ciências da Vida, quando é feita uma análise por estados é evidente uma diferença 13

14 quanto à área mais desenvolvida: São Paulo apresenta um maior número de empresas na área de Serviços, enquanto que Minas Gerais se encontra mais orientada para as Ciências da Vida. Tabela 2: Segmentos de mercado das empresas de biotecnologia no Brasil [26]. Segmentos de Mercado Saúde Humana Saúde Humana, Animal e Vegetal Saúde Animal Agronegócio Meio Ambiente Instrumental Complementar Química Fina/Enzimas Em Sinergia Fornecedores MNCs, Públicas, Fármacos, Genéricos Definição Diagnósticos, fármacos, fitofármacos, vacinas, soros, biodiversidade Identificação genética, análise de transgénicos Veterinária, reprodução animal, vacinas, probióticos, aquacultura Melhoramento de plantas, transgénicos, produtos florestais, plantas ornamentais e medicinais, flores, bioinseticidas, biofertilizantes, inoculantes Biorremediação, tratamento de resíduos, análises Software, Internet, bioinformática, e-commerce, P&D Química fina, enzimas Biomaterais, biomedicina, consultoria em biotecnologia Equipamentos, consumíveis, suprimentos Empresas Multinacionais, públicas e outras Tabela 3: Distribuição de empresas de biotecnologia no Brasil por estado segmento de mercado [26]. Segmentos de Total por São Paulo Minas Rio de Paraná Distrito Restantes Mercado Segmento Gerias Janeiro Federal Estados Saúde Humana Saúde Humana, Animal e Vegetal Saúde Animal Agronegócio Meio Ambiente Instrumental Complementar Química Fina/Enzimas Em Sinergia Fornecedores MNCs, Públicas, Fármacos, Genéricos Total Como as empresas de biotecnologia investem muito em I&D, têm necessidades elevadas de capital elevada, o que torna por vezes difícil o arranque de novas empresas por falta de disponibilidade de recursos financeiros. No Brasil, apesar de toda a movimentação financeira que existe para o apoio de empresas nascentes de base tecnológica, a maioria dos investimentos ainda se aplica em sectores não tecnológicos. Podemos observar que no Brasil o número de 14

15 empresas que recebeu apoio financeiro ainda é bastante pequeno (apenas 3% teve apoio de capital de risco para o seu arranque em 2001), quando comparado com os Estados Unidos, onde a percentagem chegou aos 30% (Tabela 4). Tabela 4: Indicadores de biotecnologia para os EUA e Brasil (2001) [14]. EUA Brasil Número de empresas Facturação (10 9 USD) 28,5 3,9 Número de empregados Investimento I&D (10 9 USD) 15,7 N/D Investimento de Capital de Risco 31 % 3% Apesar de não existirem dados pormenorizados sobre investimento em I&D para o Brasil, de acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Montes Claros para o estado de Minas Gerais observou-se que, em 2002, 42% das empresas de biotecnologia investiram mais de 10% da sua facturação em I&D, 30% investiram entre 4 a 10%, e apenas cerca de 27% investiu menos de 2%. Em relação aos EUA o investimento em I&D chega a 55% do valor da facturação das empresas [14]. 18% 2% 9% 71% Agro-alimentar Ciências da vida Protecção ambiental Serviços Figura 7: Distribuição do número de empresas por área em Minas Gerais [14] Nº de empresas Nº de patentes por empresa Ano 0 Total empresas Empresas que receberam C.R. Patentes por empresa Figura 8: Número total de empresas, empresas que receberam Capital de Risco (C.R.) e número de patentes por empresa em 2001 e 2004 para o Estado de Minas Gerais, Brasil [14]. 15

16 É no entanto de referir que, apesar de Portugal ter relações privilegiadas com o Brasil, que poderiam contribuir para o desenvolvimento de determinadas áreas da biotecnologia, ainda não foram estabelecidas parcerias estratégicas suportadas por iniciativas governamentais conjuntas de modo a estimular esse desenvolvimento Outras regiões O sector da biotecnologia tem vindo a aumentar continuamente as suas receitas, onde os Estados Unidos detêm cerca de 81% das receitas da indústria global, enquanto a Europa é responsável por penas 16% das receitas em No entanto, outras regiões começam a ter algum relevo no sector da biotecnologia, tais como o Canadá e a região da Ásia-Pacífico Canadá Com mais de 400 empresas (2003), o Canadá apresenta uma das maiores indústrias de biotecnologia a nível mundial. A indústria de biotecnologia deste país é essencialmente constituída por pequenas e médias empresas (PMEs), que foram criadas desde 1996 devido à existência de investimento de capital de risco na fase de arranque e de desenvolvimento das empresas [8]. Das 470 empresas de biotecnologia (389 não cotadas em bolsa), 312 têm pouco mais de 20 empregados [9]. A existência de muitas empresas novas e pequenas, altamente dependentes da disponibilidade de capital de risco, fez com que o sector fosse bastante afectado pela diminuição dos investimentos norte-americanos na área das ciências da vida, que de certa forma se espalhou ao Canadá. No entanto, esta falta de disponibilidade de capital veio a ser colmatada pelo auxílio governamental. Tal como na Europa, também no Canadá foi reconhecido um forte potencial económico às bio-regiões, fazendo com que muitos governos regionais se juntassem ao governo federal para criar fundos de investimento, incubadoras e centros de investigação. O desenvolvimento das principais bio-regiões localiza-se preferencialmente em locais onde existe uma rede de apoio significativa incluindo universidades e hospitais, tais como Montreal, Toronto e Vancouver [7]. As empresas de biotecnologia canadianas estão sobretudo concentradas na área das Ciências da Vida tendo-se verificado um aumento de 37% para 69% entre 1997 e 2003 (Figura 9) [8, 9]. Agro-alimentar 12% 12% 3% 4% 69% Ciências da vida Protecção Ambiental Serviços Biotecnologia Industrial Figura 9: Distribuição de empresas canadianas por área (2003) [8, 9]. 16

17 Ásia-Pacífico A contribuição da região Ásia-Pacífico para a indústria global da biotecnologia é ainda reduzida. Com efeito, este sector encontra-se em fase de arranque quando comparado com as regiões dos Estados Unidos e Europa. No entanto, é de considerar a enorme potencialidade do sector, uma vez que se encontra num período de grande crescimento, como é evidenciado pelo elevado número de novas empresas e centros de investigação que surgiram recentemente tendo como base um substancial suporte financeiro [10]. Figura 10: Países da região Ásia-Pacífico com desenvolvimento no sector de biotecnologia. De acordo com o relatório da Ernst & Young de 2002 para a biotecnologia mundial, a região Ásia- Pacífico encontra-se em pleno desenvolvimento. Trata-se, no entanto, de uma região pouco homogénea, sendo os países mais desenvolvidos a Austrália em conjunto com outros cinco países emergentes, onde se incluem a Índia e a China [11]. A Austrália, o país líder em biotecnologia na região da Ásia-Pacífico, encontra-se igualmente bem posicionada a nível mundial, ocupando a sexta posição no ranking deste sector e sendo responsável por 60% das receitas daquela região. Foram vários os factores que a posicionaram como o país mais desenvolvido nesta região: Investigação e Desenvolvimento (I&D) forte e bem fundamentada, legislação estruturada para a protecção da propriedade intelectual, recursos humanos altamente qualificados e governos federais e estatais bastante empenhados na atracção de investimento para o apoio da biotecnologia [7]. 17

18 Investimentos (milhões USD) Nº investimentos Nº empresas Figura 11: Investimento de capital de risco em empresas de biotecnologia da Austrália entre 2002 e 2004 [12]. Tal como para os EUA e Europa, na região Ásia-pacífico a área das Ciências da Vida é a mais beneficiada pela Nova Biotecnologia (Figura 16). A Austrália, mais precisamente a região de Vitória, está em vias de se tornar numa das cinco principais bio-regiões da biotecnologia mundial, conjuntamente com San Diego, Cambridge, São Francisco e Boston [13]. Austrália Coreia 21% 15% 57% 58% 12% 9% 22% 6% Índia 15% 37% 9% 15% 24% Agro-alimentar Ciências da vida Protecção Ambiental Serviços Biotecnologia Industrial Figura 12: Distribuição de empresas por área na Austrália, Coreia do Sul e Índia [12]. Em relação aos países emergentes, a sua principal força reside nas pessoas que adquiriram experiência na indústria biofarmacêutica no estrangeiro e que ao regressarem ao país natal aplicam o conhecimento adquirido. Como explica David Kryl, director científico da SciTrax (empresa de transferência de tecnologia em Londres) e membro da Organização para o 18

19 Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas, a vantagem da Ásia em relação à Europa é o regresso de recursos humanos que, para além de ideias, trazem igualmente dinheiro. A cultura de negócio que invade a região Ásia-Pacífico, que contrasta com a cultura académica da biotecnologia Europeia, incitou um grande número de empresários a aproveitar a oportunidade oferecida pelos baixos salários e custo do produto naquela região. No entanto, o que está realmente a levar ao desenvolvimento da biotecnologia nestes países é o seu enorme mercado interno. Prevê-se que em 2010 o mercado potencial das indústrias de biotecnologia irá ultrapassar as fronteiras nacionais em toda a região Ásia-Pacífico, devido ao acordo alcançado pela Associação das Nações do Sudeste Asiático com a China, no sentido de criar a maior zona mundial de mercado livre [11] Conclusões comparativas Em 2003, a indústria de biotecnologia mundial estava representada por cerca de 4500 empresas concentrada em quatro mercados principais Estados Unidos, Europa, Canadá e Ásia-Pacífico. Os Estados Unidos lideram a indústria, enquanto o Canadá aparece em segundo lugar em relação ao número de empresas de biotecnologia, com mais de 400 em 2003 (Figura 13). A Europa continua em larga expansão, actualmente com o maior número de produtos aprovados e de investimento de capital de risco observados até à data. A região da Ásia-Pacífico apresenta um mercado emergente que se encontra em crescimento, sendo os países intervenientes a Austrália, Índia, China e Singapura [15]. Europa EUA Ásia-Pacífico Privadas Públicas Canadá Nº de Empresas Figura 13: Número de empresas de biotecnologia (cotadas e não cotadas) na Europa, EUA, Canadá e Região Ásia-Pacífico em 2003 [16]. O sector da biotecnologia na região Ásia-Pacífico apresenta um crescimento superior ao da Europa, o que a torna um sério competidor no que se refere à indústria de biotecnologia Americana [11]. Este crescimento tem origem em diferentes linhas de apoio: estímulos governamentais, regresso de pessoal qualificado e perspectiva de derivar num enorme mercado. No entanto, a escassez de capital de risco e obstáculos ao nível da regulamentação na região Ásia-Pacífico podem atrasar o desenvolvimento do sector e permitir, desta forma, a consolidação 19

20 da posição Europeia, pois a Europa apresenta uma indústria de capital de risco mais estabelecida e, além disso, as empresas europeias têm um acesso mais fácil aos mercados de capitais [11]. Para o total mundial de empresas (cotadas) do sector, os lucros totalizaram em 2003 cerca de 46 mil milhões de dólares (40 mil milhões em 2002). Mais de 75% destes lucros provêm de empresas Norte Americanas, enquanto que a Europa contribuiu com 16%, o Canadá com 4% e a região da Ásia-Pacífico com apenas 3% USD (mil milhões) Nº de Colaboradores Canadá Ásia-Pacífico Europa EUA Lucros Despesas de I&D Nº Colaboradores 0 Figura 14: Lucros, despesas em investigação e número de empregados nas empresas (cotadas) de biotecnologia do Canadá, Região Ásia-Pacífico, EUA e Europa [16]. O reconhecimento do potencial crescimento do sector da biotecnologia por parte de muitos governos estimulou a sua expansão, através de um aumento de fundos governamentais para a indústria. Se por um lado a separação geográfica do sector tornou essencial o estabelecimento de colaborações além-fronteiras, por outro lado, o aumento da competitividade global da indústria da biotecnologia conduziu os investidores a procurarem quer os melhores negócios quer as tecnologias mais promissoras, independentemente da sua localização [15]. 20

21 2. A Biotecnologia em Portugal 2.1. Caracterização geral do Sector em Portugal A Biotecnologia Tradicional em Portugal está associada a um grande número de empresas pertencentes ao sector Agro-Alimentar, como é ilustrado na tabela seguinte: Tabela 5: Empresas de Biotecnologia Tradicional em Portugal [17]. CAE Descrição do CAE Número de Empresas Valores médios Número de VAB empregados Indústrias do leite e derivados Panificação Fabricação de fermentos, leveduras e adjuvantes para panificação e pastelaria Fabricação de bebidas alcoólicas destiladas Fabricação de álcool etílico de fermentação Indústria do vinho Estas empresas caracterizam-se por serem de média a pequena dimensão, com excepção das indústrias do leite e derivados. Estas últimas apresentam um Valor Acrescentado Bruto (VAB) médio elevado em comparação com todas as restantes, enquanto à indústria de panificação corresponde o VAB médio mais reduzido. Recorrendo a dados do Banco de Portugal [17], constata-se que esta tipologia de empresas se tem mantido em número aproximadamente constante, com excepção para as indústrias panificadoras, que exibiram um grande crescimento até 1998 seguido de uma queda abrupta, e da indústria do vinho, que tem tido um crescimento tendencialmente constante (Figura 15). 21

22 Nº de empresas Nº de empresas panificadoras Ano Indústria do vinho Fabricação de bebidas alcoólicas destiladas Fabricação de álcool etílico de fermentação Indústrias do leite e derivado s Fabricação de fermentos, leveduras e adjuvantes para panificação e pastelaria Fabricação de malte e cerveja Panificação Figura 15: Evolução das empresas de Biotecnologia Tradicional em Portugal [17]. Estas indústrias encontram-se normalmente localizadas perto da origem da matéria-prima, tendo as indústrias do leite e derivados preponderância nos distritos da Guarda (7 empresas), Castelo Branco (5) e Ponta Delgada (5), enquanto as indústrias do vinho se encontram principalmente no norte (28 empresas no distrito do Porto, 12 em Viseu e 11 em Vila Real). Na indústria farmacêutica, independentemente de se utilizarem processos biotecnológicos ou não, as empresas portuguesas têm baseado a sua actividade no fabrico de produtos farmacêuticos de base e de preparações farmacêuticas, entre as quais a produção de medicamentos, como se ilustra na tabela seguinte: Tabela 6: Empresas na Indústria Farmacêutica em Portugal [17]. CAE Descrição do CAE Número de Empresas Valores médios Número de VAB empregados Fabricação de produtos farmacêuticos de base Fabricação de preparações farmacêuticas Fabricação de medicamentos Esta indústria é caracterizada por um número reduzido de empresas, em que a produção de princípios activos está concentrada em apenas cinco empresas. Os princípios activos são tipicamente produzidos por via química, embora mais recentemente sejam produzidos por microrganismos (nomeadamente antibióticos) e posteriormente extraídos e sujeitos a um 22

23 processamento químico de derivatização. Esta indústria é caracterizada por VABs médios bastante elevados Nº de Empresas Ano Fabricação de produtos farmacêuticos de base Fabricação de preparações farmacêuticas Fabricação de medicamentos Figura 16: Evolução das empresas da Indústria Farmacêutica em Portugal [17]. Geograficamente, estas empresas encontram-se concentradas no distrito de Lisboa (27 empresas num total de 33). O sector da Protecção Ambiental pode associar-se ao CAE 90 (Saneamento, higiene pública e actividades similares), que foi introduzido no ano 2000 e exibe também um pequeno número de empresas. Estas empresas surgiram provavelmente devido à crescente preocupação com o tratamento de águas residuais e protecção do ambiente e já se encontram empresas com alguma dimensão a trabalhar nesta área, nomeadamente na gestão de resíduos e limpeza pública em geral (Tabela 7). Tabela 7: Empresas na Protecção Ambiental em Portugal [17]. CAE Descrição do CAE Número de Empresas Valores médios Número de VAB empregados Recolha e tratamento de águas residuais Gestão de resíduos e limpeza pública em geral Gestão de outros resíduos e actividades Estas empresas encontram-se predominantemente no distrito de Lisboa, mas existem empresas de CAE em praticamente todos os distritos, reflectindo uma necessidade local de tratamento dos resíduos urbanos. Dada a recente introdução (2000) desta nova categoria de CAE, a evolução das empresas baseada na evolução do CAE é necessariamente pouco informativa. 23

24 As empresas que investem na Nova Biotecnologia em Portugal caracterizam-se por serem recentes, constituídas na década de 90 com capital quase sempre exclusivamente nacional proveniente de pequenos investidores, e devido a esta situação, o seu impacto na economia portuguesa ainda é muito reduzido Unidades de Investigação em Portugal Segundo a base de dados do Observatório da Ciência e do Ensino Superior [19], existem 1153 Unidades de Investigação em Portugal com actividades de Investigação e Desenvolvimento, das quais 139 se incluem na área das Ciências Biológicas, 423 na área das Ciências da Saúde e 39 na área da Engenharia Bioquímica, sendo estas as áreas relacionadas com a biotecnologia. Algumas destas unidades de investigação incluem-se em mais do que uma área conforme é ilustrado no seguinte construir o diagrama. Ciências Biológicas 46 Ciências da Saúde Engenharia Bioquímica Figura 17: Unidades de Investigação com actividades de Investigação e Desenvolvimento em Portugal. Os números nas zonas de intersecção indicam unidades que se incluem em mais do que uma área. As Unidades de Investigação mencionadas encontram-se em três tipologias de instituições: Ensino Superior (228 unidades), Estado (253) e Instituições Privadas sem Fins Lucrativos (IPsFL, 31). instituições e empresas identificadas As Unidades de Investigação do Ensino Superior encontram-se distribuídas segundo a Tabela 8. 24

25 Tabela 8: Unidades de Investigação no Ensino Superior [19]. Instituição (Distrito) Secção Nº Unid. CB* CS* EB* Instituto Jean Piaget (Setúbal) Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação 1 1 Instituto Politécnico de Beja Escola Superior Agrária 1 1 Escola Superior de Educação 1 1 Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior Agrária 1 1 Escola Superior de Enfermagem 1 1 Instituto Politécnico Castelo Branco Escola Superior Agrária 1 1 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária 1 1 Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Enfermagem Escola Superior de Tecnologia do Mar 1 1 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Enfermagem Maria 1 1 Fernanda Resende Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Educação 1 1 Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior Agrária 1 1 Escola Superior de Desporto Rio Maior 1 1 Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Saúde 1 1 Instituto Politécnico de Viana do Escola Superior Agrária Ponte de Lima Castelo Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Superior de Ciências da Saúde (Porto, Setúbal) 3 3 Instituto de Ciências do Intelecto e do Físico, para o Bem-Estar e a Segurança (Porto) Instituto Sup. Psicologia Aplicada (Lisboa) 1 1 Unidade de Investigação em Eco-Etologia 1 1 Universidade dos Açores Universidade do Algarve Universidade de Aveiro Universidade da Beira Interior (Castelo Branco) Universidade Católica Port. (Porto) Universidade de Évora Univ. Fernando Pessoa (Porto) Universidade (Lisboa) Universidade de Lisboa Independente Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências Faculdade de Farmácia Faculdade de Medicina Faculdade de Medicina Dentária Instituto Bacteriológico de Câmara Pestana 1 1 Escola Nacional de Saúde Pública Faculdade de Ciências e Tecnologia Faculdade de Ciências Médicas Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Instituto de Higiene e Medicina Tropical Instituto de Tecnologia Química e Biológica

26 Instituição (Distrito) Secção Nº Unid. CB* CS* EB* Universidade Técnica de Lisboa Universidade do Porto Universidade de Coimbra Faculdade de Motricidade Humana Instituto Superior de Agronomia Instituto Superior Técnico Centro de Materiais CEMUP Faculdade de Ciências 1 1 Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação Faculdade de Farmácia Faculdade de Medicina Faculdade de Medicina Dentária 5 5 Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar Faculdade de Ciências e Tecnologia Faculdade de Farmácia Faculdade de Medicina Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Universidade da Madeira Universidade do Minho (Braga) Universidade de Trás-os-Montes Alto Douro (Vila Real) * - CB: Ciências Biológicas; CS: Ciências da Saúde; EB: Engenharia Biológica É de realçar que cerca de 90% das Unidades de Investigação pertencentes ao ensino superior estão associadas a Universidades, dos quais 81% se situam nos distritos de Lisboa (50%), Porto (19%) e Coimbra (12%), revelando uma forte polarização da investigação nestes três distritos. Também é de notar que a grande parte das instituições se dedica essencialmente às Ciências da Saúde ou às Ciências Biológicas, como já seria de esperar a partir da distribuição apresentada no diagrama da Figura 17. As Unidades de Investigação pertencentes ao Estado distribuem-se de acordo com a Tabela 9. 26

27 Tabela 9: Unidades de Investigação do Estado [19]. Instituição Distrito Nº Unid. CB* CS* EB* Câmara Municipal de Setúbal Setúbal 1 1 Governo Regional da Madeira R. A. Madeira 4 1 Governo Regional dos Açores R. A. Açores 2 2 Ministério da Economia Lisboa Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas Aveiro 1 1 Coimbra 1 1 Lisboa Santarém Viseu 1 1 Ministério da Ciência e da Tecnologia Lisboa Ministério da Cultura Lisboa 2 2 Ministério da Defesa Nacional Lisboa 1 1 Ministério da Justiça Coimbra Lisboa Porto 1 1 Ministério da Reforma do Estado e da Administração Pública Lisboa 1 1 Ministério da Saúde Aveiro 5 5 Braga 5 5 Bragança 1 1 Coimbra Faro 3 3 Lisboa Portalegre 2 2 Porto R. A. Açores 1 1 R. A. Madeira 1 1 Santarém 1 1 Setúbal Viana do 2 2 Castelo Vila Real 1 1 Viseu 2 2 Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território Lisboa 1 1 Ministério do Equipamento Social Lisboa 1 1 Ministério do Trabalho e da Solidariedade Lisboa 3 3 Porto 1 1 * - CB: Ciências Biológicas; CS: Ciências da Saúde; EB: Engenharia Biológica Relativamente às Unidades de Investigação associadas ao Estado, nota-se que a maioria está relacionada com o Ministério da Saúde (87%), destacando-se os distritos de Lisboa, Porto e Coimbra. O Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, o segundo Ministério em 27

28 termos de número de Unidades, abarca apenas 3,6% do número total, com preponderância do distrito de Lisboa. Como seria de esperar, devido ao peso do Ministério da Saúde, a grande maioria das Unidades de Investigação concentra-se na área das Ciências da Saúde. Finalmente, as Unidades de Investigação pertencentes a IPsFLs encontram-se distribuídas no território português de acordo com a Tabela 8. Tabela 10: Unidades de Investigação de IPsFLs [19]. Distrito Nº Unid. CB* CS* EB* Braga 1 1 Coimbra Évora Lisboa Porto Região Autónoma da Madeira Região Autónoma dos Açores 1 1 Setúbal 1 1 * - CB: Ciências Biológicas; CS: Ciências da Saúde; EB: Engenharia Biológica O padrão manifestado anteriormente continua a revelar-se nas Instituições Privadas sem Fins Lucrativos (IPsFLs): a densidade maior de Unidades de Investigação concentra-se mais uma vez nos distritos de Lisboa (35%), Porto (26%) e Coimbra (23%), onde as áreas predominantes voltam a ser as Ciências da Saúde e as Ciências Biológicas. Desta análise pode concluir-se que a investigação em Portugal na área das Ciências da Saúde, Ciências Biológicas e Engenharia Bioquímica, se encontra muito concentrada em três distritos: Lisboa, Porto e Coimbra, de onde será de esperar que surjam mais iniciativas empresariais na área da Nova Biotecnologia, uma vez que estas estruturas é que podem albergar os futuros empresários. Por outro lado, as estatísticas efectuadas mais recentemente para contabilizar o total de investigadores em Portugal datam de 2001 [20], e mostram uma evolução crescente de cerca de 27% entre 1997 e 1999, seguido de um abrandamento no crescimento para 10% de 1999 a 2001, ano em que o total de investigadores se cifrava em A distribuição de investigadores segundo o sector onde executam as actividades de I&D é ilustrada pelo gráfico ilustrado na Figura

29 15% 17% 13% 55% Empresas Estado Ensino Superior IPsFL Figura 18: Distribuição de Investigadores segundo sector de execução, para um número total de [20]. É de salientar que Portugal detém uma das percentagens mais reduzidas (0,34%) de investigadores em relação ao total da população activa em toda a União Europeia, onde a Finlândia lidera com uma fracção de 1,34% da população activa [20]. 29

30 3. PRINCIPAIS RESULTADOS DAS AUDITORIAS TECNOLÓGICAS AO SECTOR DE BIOTECNOLOGIA 3.1. Breve descrição da metodologia de auditoria Com base na metodologia de auditoria de inovação desenvolvida para o Projecto FIVE foram realizadas auditorias a 24 empresas. O modelo conceptual subjacente à metodologia baseia-se numa leitura do funcionamento da empresa relativamente à gestão dos activos tecnológicos e da inovação no seio da organização e no quadro das suas relações com a envolvente. A presente metodologia considera que as empresas possuem um conjunto de capacidades que lhes permitem gerir de forma mais ou menos eficaz a sua base tecnológica. Assim, as capacidades de gestão de tecnologia de uma empresa são entendidas como um conjunto complexo de competências e conhecimento acumulado, desenvolvidos através de processos de aprendizagem organizacional, que permitem às empresas a coordenação das suas actividades e a utilização dos seus activos tecnológicos. Estas capacidades são postas ao serviço da empresa, para que, de uma forma dinâmica, esta possa gerir o conjunto dos activos tecnológicos que possui (a sua base tecnológica), no sentido de promover uma atitude inovadora e de gerar mais-valias para a organização. Nesta sequência, a avaliação da base tecnológica da empresa torna-se determinante, para se aferir as suas necessidades e capacidades tecnológicas e quais as perspectivas de evolução futura. A análise da base tecnológica da empresa é o elemento central de toda a metodologia de análise, uma vez que é com base nesta avaliação que se determinam as competências da empresa (procurando as possíveis soluções de valorização empresarial da tecnologia), bem como as suas necessidades (que, por exemplo, possam dar indicações quanto a possíveis apoios a processos de spin-offs académicos). Por outro lado, a gestão tecnológica está necessariamente relacionada com a estrutura organizacional da empresa, pelo que se torna premente averiguar a arquitectura subjacente à gestão, concretizada na dimensão estrutura e estratégia. Por fim, o processo de interacção com a envolvente, uma vez que a empresa é um sistema aberto, a estruturação dos processos e as trajectórias de inovação dependem, não só de factores internos, mas também da sua articulação com o meio circundante. Esta articulação opera-se quer ao nível do ambiente geral, que é constituído pelos aspectos da envolvente que influenciam o comportamento da empresa mas que não são controláveis por esta aspectos sociais, políticos, legais, económicos, científicos, tecnológicos -, quer ao nível do ambiente específico, integrado por agentes que desenvolvem relações de troca com a empresa, nomeadamente clientes e fornecedores, e que a influenciam e são influenciados por ela. A Figura 19 apresenta uma 30

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO

BIOCANT PARK A NOSSA VISÃO 01 A NOSSA VISÃO O PARQUE DE BIOTECNOLOGIA DE PORTUGAL ESTÁ A CRIAR VALOR PARA A REGIÃO E PARA O PAÍS FOMENTANDO INVESTIMENTOS E INI- CIATIVAS EMPRESARIAIS DE BASE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. A NOSSA VISÃO

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instituição Grau (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) 3122 9670 Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior de Tecnologia e GestãoAdministração de Publicidade e Marketing L1 27 18 111,3 9 3102

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE da Nome da Nome Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 10 134,0 5 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 215-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instit. Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Ministério da Educação e Ciência - Direcção Geral do Ensino Superior

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de

A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de Turismo de Natureza e Sustentabilidade QUEM SOMOS A APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, constituída por escritura pública em 17 de Janeiro de 2007,

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

Direção-Geral do Ensino Superior Página 1 de 21

Direção-Geral do Ensino Superior Página 1 de 21 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 8 1 0 9 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição (Preparatórios) PL 14

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima:

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima: Acordo Ibérico entre Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e Universidade Alfonso X El Sabio de Madrid permite o ingresso de alunos licenciados em Ciências Biomédicas pela

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 10 1 1 10 127,3 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição (Preparatórios)

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS:

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: FACTOS E MITOS VÍTOR COELHO E ANA AMARO OBSERVATÓRIO DE EMPREGABILIDADE DA OPP Durante os últimos anos, periodicamente, têm sido apresentados dados contrastantes sobre os

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE Nome da Nome do Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 11 130,8 4 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Código Instit. Código Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) (1) (2)

Leia mais

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas iniciais de 2013

Nome da instituição Nome do curso Grau Vagas iniciais de 2013 Nome da instituição Nome do Grau na 1.ª fase de pelo 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) Prep. Mestrado Integrado 15 15 155,8 0110 8085 Universidade

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE Nome da Nome do Grau Coloca 0110 8031 Universidade dos Açor - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 11 130,8 4 0110 8085 Universidade dos Açor - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE Nome da Nome do Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 11 130,8 4 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO ANO ECONÓMICO DE 2010 Página 1 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL DA MADEIRA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL

Leia mais

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES

METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Atlas das Cidades de Portugal Volume II 2004 01 de Abril de 2005 METADE DA POPULAÇÃO RESIDENTE EM CIDADES CONCENTRADA EM APENAS 14 DAS 141 CIDADES Apesar das disparidades ao nível da dimensão populacional

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA

GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA GUIA BIOTRAINING A SUA EMPRESA BIOTECNOLÓGICA MAIS PRÓXIMA 1 BIOTECNOLOGIA... 3 2 BIOTRAINING... 4 O QUE É?... 4 OBJECTIVOS... 4 A QUEM SE DIRIGE?... 5 QUE POSSO OBTER PARTICIPANDO EM BIOTRAINING?... 5

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

WWW.WEB-EMPREGO.COM. 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO: 2010 Código Código Iniciais. (vagas adicionais)

WWW.WEB-EMPREGO.COM. 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO: 2010 Código Código Iniciais. (vagas adicionais) (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 15 0 155,8 0 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais