UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DE CASO ENVOLVENDO IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA TDM X TELEFONIA IP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DE CASO ENVOLVENDO IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA TDM X TELEFONIA IP"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DE CASO ENVOLVENDO IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA TDM X TELEFONIA IP Área de Telecomunicações Wilson Rodrigo Pinheiro de Azevedo Autor Eduardo José Sartori, MSc Orientador Campinas (SP), Dezembro de 2009

2 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DE CASO ENVOLVENDO IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA TDM X TELEFONIA IP Área de Telecomunicações Wilson Rodrigo Pinheiro de Azevedo Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica para análise e aprovação. Orientador: Eduardo José Sartori, MSc Campinas (SP), Dezembro de 2009 i

3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a meus pais, minha irmã e a minha namorada Viviane pela participação e incentivo em todos os momentos da minha vida. ii

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter dado forças e condições para conclusão deste trabalho. Agradeço meu professor e orientador Eduardo José Sartori pela dedicada orientação para a realização deste trabalho. Agradeço também meus colegas de graduação e professores que participaram de forma direta ou indireta na realização deste trabalho. iii

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... v LISTA DE FIGURAS... vi LISTA DE TABELAS... vii LEGENDA DE FIGURAS... viii RESUMO... ix ABSTRACT... x 1. INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO TEMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SISTEMA TDM PROTOCOLO IP DADOS ESTATISTICOS DO SETOR PROJETO PROJETO DE TELEFONIA TDM TOPOLOGIA PROJETO DE TELEFONIA IP TOPOLOGIA COMPARATIVO INFRAESTRUTURA INTERNA ANÁLISE DE CASO DE NEGÓCIO ANÁLISE FINANCEIRA VANTAGENS E DESVANTAGENS CENÁRIOS VIÁVEIS À IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA IP CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 20

6 LISTA DE ABREVIATURAS TCC USF IPT TDM WAN LAN PSTN TFTP PABX IP PABX TDM SLA Trabalho de Conclusão de Curso Universidade São Francisco IP Telephony Telefonia IP Time Division Multiplex Padrão de Telefonia Wide Area Network Rede Extendida Local Area Network Rede Local Public Switched Telephone Network Rede Pública de Telefonia Trivial File Transfer Protocol Protocolo de Transferência de Arquivos Private Branch Exchange Internet Protocol Private Branch Exchange Time Division Multiplex Service Level Agreement Acordo de Nível de Serviço v

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Metodologia utilizada no desenvolvimento do Estudo de Caso... 4 Figura 2: Previsão de Faturamento do Mercado de Telefonia TDM x Telefonia IP... 6 Figura 3: Topologia de Conexão de Rede com Telefonia TDM Site Central e Sites Remotos... 8 Figura 4: Telefonia TDM: Diagrama de Conexão Interna Site Central aos Sites Remotos... 9 Figura 5: Topologia de Conexão de Rede com Telefonia IP Site Central e Sites Remotos Figura 6: Telefonia IP: Diagrama de Conexão Interna Site Central aos Sites Remotos Figura 7: Infraestrutura Interna Cabeamento e Periféricos Figura 8: Custo Total e Redução de Custos Figura 9: Relação de Custo Site Central e Site Remoto TDM x IP vi

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Critérios Gerais de Projeto... 7 Tabela 2. Especificação Projeto Telefonia TDM... 7 Tabela 3. Especificação Projeto Telefonia IP Tabela 4. Vantagens e Desvantagens entre Telefonia TDM e Telefonia IP Tabela 5. Cenários Viáveis vii

9 LEGENDA DE FIGURAS V viii

10 RESUMO RODRIGO PINHEIRO DE AZEVEDO, Wilson. Estudo de Caso Envolvendo Implementação de Telefonia TDM x Telefonia IP. Campinas, Ano Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade São Francisco, Campinas, Com o avanço tecnológico no setor de telecomunicações nos últimos anos, tecnologias inovadoras foram surgindo e substituindo sistemas telefônicos convencionais, ampliando o horizonte de comunicações e ao mesmo tempo reduzindo custos. Neste ambiente todo, um dos grandes avanços se diz respeito ao mundo IP (Internet Protocol), que possibilitou o aumento das comunicações em larga escala, seja por dados, voz ou imagem, introduzindo assim um modelo de convergência. A Telefonia sem dúvida foi umas das grandes beneficiadas por todo este desenvolvimento, criando um ambiente propicio para o tráfego da voz sobre IP. Embora muitas organizações tenham se beneficiado do desenvolvimento das telecomunicações, muitas ainda resistem ou até mesmo desconhecem tais benefícios. Este trabalho apresenta um estudo de caso detalhado envolvendo implementação de Telefonia TDM, que sãos os sistemas implementados em larga escala atualmente nos ambientes corporativos, versus Telefonia IP, a fim de desmistificar os paradigmas atuais, que estão principalmente relacionado à custos, oferecendo assim uma visão clara e ampla desta tecnologia que fará parte do futuro de toda a sociedade, concluindo então o estudo de viabilidade. Palavras-chave: Telefonia TDM, Telefonia IP. ix

11 ABSTRACT With the technology advance in the telecommunications area in the last years, innovative technologies has arisen and substituting usual telephony systems, expanding the communications horizon and at the same time reducing costs. Considering all this, one of the biggest developments is related to the IP (Internet Protocol) world that has allowed the increase of communications in large scale by data, voice or image, introducing in this way a convergence model. The telephony area, without doubts, was one of the most benefited for all this development, creating an environment fit for purpose for the traffic of voice over IP. Although, lots of organizations are already experiencing the benefits of the telecommunications development, there are lots other companies that still resist adopting or even don t know these benefits. This case study presents a detailed study case involving the adoption of IP Telephony against TDM Telephony, that are the currently implemented systems in large scale inside the corporate environments, versus IP Telephony, demystifying the paradigms faced today, that are mainly related to cost, offering a clear and comprehensive view of this technology, which will be part of the future society, concluding the viability study. Keywords: TDM Telephony, IP Telephony. x

12 1. INTRODUÇÃO 1.1. APRESENTAÇÃO DO TEMA Desde a invenção do telefone, no século 19, passando pelo desenvolvimento das centrais de comutação telefônica manuais, centrais telefônica eletromecânicas, introdução do PBX (Private Branch Exchange) e mais tarde, entre 1980 e 1990, a introdução do PABX (Private Branch Automatic Exchange), cada vez mais tem-se experimentado mudanças significativas com relacionadas ao ambiente de telecomunicações, principalmente relacionado a transmissão de voz. Com todo este avanço tecnológico experimentado ao longo dos últimos anos, tecnologias inovadoras foram surgindo e substituindo sistemas telefônicos convencionais, ampliando o horizonte de comunicações e ao mesmo tempo reduzindo custos. Neste ambiente todo, um dos grandes avanços se diz respeito ao mundo IP (Internet Protocol), que possibilitou o aumento das comunicações em larga escala, seja por dados, voz ou imagem, introduzindo assim um modelo de convergência. A telefonia foi umas das grandes beneficiadas por todo este desenvolvimento, criando um ambiente propicio para o tráfego da voz sobre IP. Embora muitas organizações tenham se beneficiado do desenvolvimento das telecomunicações, muitas ainda resistem ou até mesmo desconhecem tais benefícios. A competitividade e redução de custos são os grandes fatores associados à tendência pela busca de soluções inovadoras e convergentes, fazendo com que corporações conquistem seu espaço no mercado ao mesmo tempo acelerando seu crescimento e desenvolvimento. Como um dos principais fatores está relacionado à custo, fornecedores de soluções geralmente propõem uma redução de custo através da adoção da nova tecnologia, tornando-se um modelo de negócio muito atrativo, eficiente e estratégico para as empresas. Esta demanda de redução de custo também se dá por parte do cliente, onde durante processos de licitações indicam seu atual TCO (Total Cost of Ownership custo total de operação/propriedade) relacionado ao objeto da licitação em especifico e como parte integrante da proposta pelos fornecedores, uma redução do TCO mínima estabelecida, que geralmente gira em torno de 15%, deverá ser considerada como objeto da proposta. 1

13 1.2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Telefonia IP é mais do que apenas redução nos custos de mudanças, adições e alterações na rede de telefonia. Tem se tornado, mais do que um reduzido e simplificado cabeamento estruturado, transcende a redução de custos de manutenção. Todos estes são importantes, e podem ajudar no controle de custos. De qualquer forma, para verdadeiramente apreciar o potencial da Telefonia IP, telefones devem ser vistos como novos clientes. Uma breve análise do presente com o passado mostra, onde se tinham discadores de mesa e agora estações de trabalho na rede que se comunicam com as aplicações diversas, as quais são usadas pelas empresas nos negócios e operações do dia a dia. Os negócios de hoje apontam a Telefonia IP, então o desafio é apresentar a tecnologia em sua capacidade como um cliente [1]. 2

14 1.3. OBJETIVOS Objetivo Geral Justificar a viabilidade de se implementar a uma solução de Telefonia IP em ambientes corporativos, quando comparado com uma solução de Telefonia TDM. Objetivos Específicos Apresentar um detalhado estudo de caso levando em consideração aspectos decisivos como benefícios operacionais e financeiros, tendências, assim como o retorno sobre o investimento a fim de justificar a viabilidade e eficiência da adoção da Telefonia IP no ambiente corporativo. Para tal, os seguintes serão resultados deste estudo de caso: TCO (Total Cost of Ownership) Custo de se ter a tecnologia ROI (Return of Investment ) Retorno sobre o investimento Comparativo de benefícios vantagens e desvantagens das tecnologias envolvidas 1.4. METODOLOGIA Este trabalho utilizará uma metodologia objetiva composta por uma investigação detalhada a respeito das tecnologias envolvidas a serem comparadas. Os seguintes blocos de atividades delimitam as atividades que compõem a metodologia utilizada no desenvolvimento do projeto: Projeto: desenvolvimento de um projeto de telefonia TDM e telefonia IP, a fim de visualização das topologias, documentação e obtenção da lista de materiais empregados. Para tal utilizaremos uma situação hipotética de uma empresa com um escritório central e demais escritórios espalhados ao longo de outras regiões. Coleta de Dados: levantamento de custos de envolvidos com as duas soluções. Tal levantamento visa adotar valores comparativos praticados no mercado brasileiro. Tabulação e apresentação dos dados: tabulação dos custos das soluções apresentadas, gerando um gráfico comparativo. 3

15 Análise e Discussão dos Resultados: Com base na apresentação dos resultados, será discutida e analisada a viabilidade, vantagens e desvantagens das soluções envolvidas, bem como a respectivas redução de custos. Conclusão da Análise e dos Resultados Obtidos: Após todos os comparativos e embasamento de cada solução, será apresentada a conclusão da solução a se adotar. Figura 1: Metodologia utilizada no desenvolvimento do Estudo de Caso 1.5. ESTRUTURA DO TRABALHO O capítulo 1 desta monografia trata da apresentação do tema, seus objetivos e metodologia empregada no desenvolvimento do estudo de caso. O capítulo 2 refere-se a fundamentação teórica do estudo abordando dados estatísticos e previsões do setor de telefonia. No capítulo 3 são relatados os critérios para o desenvolvimento dos projetos de Telefonia TDM e Telefonia IP, assim como suas respectivas topologias. O capítulo 4 trata da análise de caso de negócio e sua justificativa para investimento. Finalmente, o capítulo 5 trata das considerações finais e suas devidas conclusões como parte de objeto deste estudo de caso. 4

16 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação teórica deste trabalho aborda um breve resumo teórico das tecnologias TDM e IP, assim como dados estatísticos e realísticos obtidos através da condução de estudos detalhados em anos anteriores por renomadas instituições. Também como parte desta fundamentação, dados do atual cenário de telecomunicações foram considerados. Este trabalho não tem por objetivo apresentar uma detalhada teoria compreendida pelas tecnologias TDM e IP, mas sim partir de um ponto de conhecimento mínimo fornecendo embasamento para a leitura deste estudo SISTEMA TDM O termo TDM (Time Division Multiplex), que em português significa multiplexação por divisão de tempo, é um sistema tipo digital ou analógico usado em redes de comutação de circuitos. A utilização desta tecnologia no ambiente de telecomunicações se dá pela necessidade de se transmitir sinais de vários assinantes ao mesmo tempo compartilhando o mesmo meio. Canais de 64 Kbit/s são criados a fim de permitir a transmissão do sinal de voz, que posteriormente são multiplexados utilizando tecnologia TDM. Este é o sistema que tem sido utilizado nos sistemas de telefonia atuais PROTOCOLO IP O IP (Internet Protocol), em português, protocolo IP tem sido o protocolo de código aberto utilizado nas comunicações do dia a dia das empresas e pessoas. Atualmente, estamos na era do IPv4 (versão 4), mas estudos e algumas empresas já se utilizam da versão 6 deste protocolo. No caso da telefonia IP, é necessário a utilização de protocolos de camadas superiores como o UDP (User Datagrama Protocol), que não exige confirmação dos dados enviados pois o sinal de voz não pode sofrer atrasos. Devido a este fato, para que a transmissão do sinal de voz sobre IP ocorra de maneira eficiente, a rede deve estar preparada com QoS (Quality of Service) priorizando pacotes de voz entre os demais na rede. A telefonia baseada em protocolo IP é a próxima geração de sistemas de telefonia, substituindo a telefonia TDM, abrindo caminho para aplicações baseadas em IP. 5

17 2.3. DADOS ESTATISTICOS DO SETOR Em junho de 2003, o Grupo Lehman Brothers produziu um estudo neutro e detalhado do mercado de Telefonia IP Corporativo, chamado O Guia do Investidor para VoIP Corporativo. O escopo deste estudo foi o de investigar o tamanho deste mercado, taxa de crescimento e posicionamento de fabricantes lideres, assim como desafios que a industria de telefonia IP estava enfrentando para uma adoção em larga escala desta. Como resultado na época, chegou-se a conclusão que a adoção de telefonia IP não era mais um questão de entendimento, mas sim uma questão de quando a adotariam, pois empresas que pretendiam renovar seu parque tecnológico ou implementar novos projetos tinham a intenção de adotar a Telefonia IP como parte estratégica de seus objetivos de negócios, porém não sabiam o momento exato de o fazer. Também, como parte deste estudo, foi previsto que entre os anos de 2004 e 2005 haveria crescimento em larga escala de Telefonia IP, como de fato houve. De acordo com o estudo, uma previsão de taxa de faturamento entre os anos de 2001 e 2007 pode ser estabelecida com bases nas atuais demandas da época e nas decisões das quais as empresas estavam por fazer [2]. Mercado de Telefonia TDM x Telefonia IP - Previsão de Faturamento Faturamento (US$ M) TDM IP Figura 2: Previsão de Faturamento do Mercado de Telefonia TDM x Telefonia IP 6

18 3. PROJETO Como parte deste estudo de caso, dois projetos foram conduzidos, um para Telefonia TDM e outro para Telefonia IP, considerando cenários típicos de médias e grandes empresas, tendo critérios de projeto idênticos para ambos os casos: Tabela 1. Critérios Gerais de Projeto Critérios de Projeto 5 Sites Novos: Infraestrutura Inexistente Sites (escritórios ou fábricas) em regiões geograficamente distantes Site central (matriz) com 90 usuários de dados e voz Sites remotos com 45 usuários de dados e voz cada um 3.1. PROJETO DE TELEFONIA TDM O projeto de Telefonia TDM envolve a implementação de um PABX TDM independente em cada localidade distinta. Neste caso, a infraestrutura de dados é totalmente independente da infraestrutura de voz. Como parte do dimensionamento do projeto, os seguintes fatores foram utilizados como requisitos de projeto: Tabela 2. Especificação Projeto Telefonia TDM Especificação Projeto Telefonia TDM Ramais Digitais: 35% Ramais Analógicos: 65% PABX: Central Telefônica, Placas de Ramais Digitais e Analógicas, Placa Tronco de Entrada Contrato de Manutenção para PABX Aparelhos Telefônicos Digitais Aparelhos Telefônicos Analógicos Cabeamento Estruturado Cat 5e para pontos de voz Projeto da Rede de Dados Switch LAN 10/100 MB interface RJ45 Roteador de Dados Contrato de Manutenção para Switchs e Roteadores Cabeamento Estruturado Cat 5e para pontos de dados 7

19 Para o tráfego de dados os sites remotos são conectados ao site central através de links de WAN (Wide Area Network). Os PABXs são conectados diretamente à rede pública de telefonia (PSTN Public Switched Telephone Network) para tráfego de voz (ligações locais e longa distâncias). TOPOLOGIA A figura abaixo descreve a topologia básica de conexão de uma rede baseada em telefonia TDM, tendo sua transmissão de dados sendo realizada de forma totalmente independente da transmissão de voz. Esta figura mostra como a comunicação é realizada no ambiente externo. Rede de Dados e Telefonia TDM LAN Site Central São Paulo Sites Remotos Curitiba Roteador Dados Rede WAN Provedor Rio de Janeiro PABX TDM Rede Pública de Telefonia Belo Horizonte Florianópolis Figura 3: Topologia de Conexão de Rede com Telefonia TDM Site Central e Sites Remotos A figura abaixo descreve o diagrama de conexão interna, tanto no site central como nos sites remotos. Esta figura mostra como a comunicação é realizada no ambiente interno. 8

20 Site Central Telefones Digitais e Analógicos Roteador Dados PABX TDM Usuários do Site Central Rede WAN Provedor Rede Pública de Telefonia Roteador Dados PABX TDM Rede de Dados Telefones Digitais e Analógicos ` ` Switches de Acesso Usuários dos Sites Remotos Figura 4: Telefonia TDM: Diagrama de Conexão Interna Site Central aos Sites Remotos 9

21 3.2. PROJETO DE TELEFONIA IP O projeto de Telefonia IP consiste de um site centralizado que hospedará o servidor Call Manager (PABX IP), servidores de correio de voz e armazenamento de arquivos e configurações (TFTP), provendo todas as funcionalidades de telefonia aos demais sites remotos. Neste caso o site central é a matriz do cliente, embora este conjunto também possa ser hospedado em um data center de um provedor de serviços. Os sites remotos são conectados ao site central através de links WAN (Wide Area Network) para tráfego de dados e voz entre os escritórios remotos e terminações de chamadas em outros Estados. A intenção da utilização de linhas públicas comutadas é a realização de chamadas locais nos sites remotos e também como backup de telefonia quando a rede WAN não está disponível para o tráfego de voz. Para tal, os roteadores locais possuem a funcionalidade de suportar os usuários locais quando o cluster de servidores não está disponível, provendo maior confiabilidade a rede. Nos sites remotos a infraestrutura de rede local LAN (Local Area Network) é única tanto para os telefones IP como para o computador. Esta é uma das grandes vantagens das utilização da telefonia IP, pois através desta mantém-se uma infraestrutura única de cabeamento. Os telefones são conectados aos switchs de LAN. A partir do telefone IP uma conexão é derivada para atender o computador do usuário final. Como parte do dimensionamento do projeto, os seguintes fatores foram utilizados como requisitos de projeto: Tabela 3. Especificação Projeto Telefonia IP Especificação Projeto Telefonia IP Ramais IP: 100% PABX IP: Servidores Call Manager, Servidor de Correio de Voz, Servidor de armazenamento de arquivos e configurações (TFTP) Contrato de Manutenção para Servidores Aparelhos Telefônicos IP Projeto da Rede de Dados Switch LAN 10/100 MB interface RJ45 Roteador de Dados e Voz com funcionalidade de suportar autenticação de usuários local em caso de falha na conexão com o site central (PABX IP) Contrato de Manutenção para Switchs e Roteadores Cabeamento Estruturado Cat 5e para dados e voz (cabeamento único) 10

22 TOPOLOGIA A figura abaixo descreve a topologia básica de conexão de uma rede baseada em telefonia IP, tendo sua transmissão de dados e voz sendo realizada de forma integrada entre os sites. Quando a WAN não está disponível a conexão local com a rede pública de telefonia (PSTN) é utilizada como contingência. Esta figura mostra como a comunicação é realizada no ambiente externo. Rede de Dados e Telefonia IP Site Central São Paulo Cluster IPT LAN V Roteador Dados e Voz Rede WAN Provedor Sites Remotos Curitiba V Rio de Janeiro V V Roteador Voz Servidores Rede Pública de Telefonia V Belo Horizonte V Florianópolis Figura 5: Topologia de Conexão de Rede com Telefonia IP Site Central e Sites Remotos 11

23 A figura abaixo descreve o diagrama de conexão interna, tanto no site central como nos sites remotos. Esta figura mostra como a comunicação é realizada no ambiente interno. Site Central (Cluster IPT) Telefones IP UNITY 1 CM SUB Roteador Dados e Voz Roteador Voz V V TFTP CM PUB Usuários do Site Central Servidores Rede WAN Provedor Rede Pública de Telefonia V Roteador Dados e Voz Telefones IP Telefones IP Usuários dos Sites Remotos Switches de Acesso Figura 6: Telefonia IP: Diagrama de Conexão Interna Site Central aos Sites Remotos 12

24 3.3. COMPARATIVO INFRAESTRUTURA INTERNA A infraestrutura de cabeamento única é umas das principais vantagens da adoção de Telefonia IP, pois através desta é possível reduzir grande parte dos custos com construção de infraestrutura. A figura abaixo mostra detalhes da infraestrutura interna quando da utilização de Telefonia TDM e Telefonia IP e suas conexões com os periféricos (computadores e telefones). Rede Pública de Telefonia Rede WAN Provedor Rede Pública de Telefonia Rede WAN Provedor PABX TDM PABX TDM Roteador Dados V Roteador Dados e Voz Conexão DG Patch Panel LAN Switch LAN Switch Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Tomada RJ45 Tomada RJ45 Cabo UTP Cat 5e Cabo UTP Cat 5e Cabo UTP Cat 5e Cabo UTP Cat 5e ` ` Telefone Analógico ou Digital Computador Telefone IP Computador Topologia Interna Telefonia TDM Topologia Interna Telefonia IP Figura 7: Infraestrutura Interna Cabeamento e Periféricos 13

25 4. ANÁLISE DE CASO DE NEGÓCIO ANÁLISE FINANCEIRA TCO (Custo Total de Operação) Como parte da análise deste caso de negócio, um resultado financeiro foi obtido para ambas as soluções consideradas de acordo com os critérios de projeto estabelecidos. A figura abaixo mostra os custos associados com implementação e operação das redes ao longo de um período de 7 anos, assim com a redução de custo associada com a implementação de Telefonia IP quando comparada com a Telefonia TDM. Figura 8: Custo Total e Redução de Custos Como mencionado anteriormente neste estudo, uma redução de TCO esperada gira em torno de 15% ao longo do contrato, conforme práticas de mercado. Neste caso pode-se observar que foi possível alcançar uma redução total de 18%, ou seja, além do esperado. 14

26 ROI (Retorno sobre o Investimento) O retorno sobre o investimento consiste de uma medida de performance para avaliar a eficiência do investimento. Muitas das vezes o ROI está também associado ao payback (tempo para recuperação do dinheiro investido) de maneira genérica. Resumindo, a intenção é saber em quanto tempo um investimento leva para se pagar quando comparado à um TCO atual. Neste caso, como o custo inicial é de implementação de Telefonia TDM é de R$ e o de Telefonia IP é de R$ , tem-se um investimento de retorno imediato. VANTAGENS E DESVANTAGENS Como parte da justificativa de investimento na tecnologia de Telefonia IP, alguns pontos foram sendo apresentados ao longo deste trabalho. A tabela abaixo apresenta uma comparativo de aspectos considerado como vantagens e desvantagens das soluções apresentadas. Tabela 4. Vantagens e Desvantagens entre Telefonia TDM e Telefonia IP Item Telefonia TDM Telefonia IP Cabeamento Estruturado Uso de cabeamento estruturado Uso de cabeamento estruturado distinto para voz e dados comum (único) para voz e dados Gerenciamento de Falhas Gerenciamento Reativo. Gerenciamento remoto do PABX só é possível com integração de soluções especificas, geralmente com inclusão de dispositivos (modens) que necessitam de uma linha externa disponível para acesso remoto. Falhas na Rede Na Telefonia TDM os sites são independentes, desde que 1 PABX dedicado é disponibilizado em cada localidade. Caso haja a falha do site central esta não afetará os sites remotos, porém este ficará isolado dos demais. Caso haja a falha ocorra nos sites remotos este também ficará isolado dos demais. Gerenciamento Pró Ativo. O gerenciamento se dá através da rede de dados. Possibilidade de diagnóstico e resolução de problemas remotamente. Alta disponibilidade da rede, desde que o ponto de falha é centralizado em uma infraestrutura especifica (Site Central ou Data Center). Os sites remotos contam também com funcionalidade de suportar autenticação e conexão de usuários com a rede pública local em caso de falha do site central. 15

27 Item Telefonia TDM Telefonia IP Tempo de Recuperação de Falhas (SLA) Provedor Único de Serviços para Voz e Dados Alto tempo de recuperação de falhas, geralmente 10 horas ou NBD (Next Business Day dia seguinte), dependendo da hora em que ocorrer a falha pode-se levar até 2 dias para recuperação dos serviços. Diferentes provedores para voz e dados. Dificuldade de se administrar empresas distintas. Segurança Menor Segurança. Desde que através do jumpeamento do par telefônico é possível ouvir as conversas telefônicas. Recuperação de falhas em até 4 horas. A disponibilização de equipamentos sobressalentes para Telefonia IP segue o mesmo padrão para equipamentos de dados (4 horas). Provedor único para voz e dados. Facilidade para se administrar uma só empresa. Maior Segurança. Desde que não é possível a realização de jumpers para ouvir as conversas telefônicas devido ao sinal elétrico que trafega pelo cabo ser IP. Existem métodos mais complexos que permitem a escuta das conversas, embora isso seja algo regulamentado pelo governo com a finalidade de investigações, não é um método trivial como na Telefonia TDM. Competitividade / Custos Menos competitivo. Elevado custo de implementação e operação. Alta Competitividade. Baixo custo de implementação e operação. Gerenciamento de Mudanças Tendência de Mercado Integração com Novas Tecnologias Mudanças de ramais requerem alterações nos jumpers da central telefônica ou blocos de conexão. Não é possível usar o ramal de origem em um site do qual o usuário não faz parte. Tende a desaparecer no ambiente de médias e grandes empresas, fazendo com que o custo cresça, devido a tendência de redução de produção. Terá um foco maior em micro e pequenas empresas, com soluções customizadas para tal. Difícil integração com novas tecnologias, principalmente devido as novas tecnologias tenderem para o lado de comunicações por IP. Usuários podem se logar, através de login e senha, em qualquer telefone da rede sem a necessidade de mudanças físicas. Inclusive em sites remotos é possível logar no ramal de origem. Tende a crescer cada vez mais no ambiente de médias e grandes empresas, fazendo com que o custo seja reduzido, devido a tendência de crescimento de produção. Custo muito alto para implementação em micro e pequenas empresas. Fácil integração com novas tecnologias, principalmente devido as novas tecnologias tenderem para o lado de comunicações por IP. A Telefonia IP é o primeiro passo para integração com soluções de Contact Center IP. 16

28 CENÁRIOS VIÁVEIS À IMPLEMENTAÇÃO DE TELEFONIA IP Diversas situações são consideradas quando da adoção, troca ou renovação do parque tecnológico. Um dos aspectos mais influente é o financeiro, que acaba se tornando um dos maiores indicadores para tomada de decisões. Mas este deve ser considerado em conjunto com outros aspectos, pois não é somente o investimento inicial que conta, mas sim o custo ao longo dos anos. Após o período de depreciação (7 anos), a facilidade para migração para outras tecnologias é um fator que pode ajudar na tomada da decisão inicial, pois isto se deve a tendência de mercado, pois conforme certos produtos começam a sair de linha, mais caro custa para mantê-los. Muitas das vezes através da construção de um detalhado caso de negócio pode-se evitar grandes gastos futuros levando em conta os aspectos estratégicos futuro do negócio. Abaixo apresenta-se uma análise de cenários com situações viáveis para implementação de Telefonia IP: Tabela 5. Cenários Viáveis Cenário Sites Novos Sites Existentes Empresas com um grande número de sites remotos Descrição devido a construção de infraestrutura de cabeamento estruturado única para voz e dados. Isto inclui abertura de novos escritórios / fábricas, mudanças de localidade / edifício. durante a renovação de contratos de manutenção de PABX necessidade upgrade de tecnologia de telefonia a fim de suportar novas funcionalidades requeridas pelos negócios da empresa. Exemplo: integração com Contact Center IP. Substituição da infraestrutura de cabeamento estruturado por categoria maior. Exemplo: categoria 3 (10 Mbps) para categoria 5e (100 Mbps). Devido ao maior custo de implementação da Telefonia IP estar concentrado na construção do site central (cluster IPT), os sites remotos a serem adicionados tem um menor custo, fazendo com que o valor investido na construção do site central se amortize com a implementação de sites remotos. Quanto maior o número de sites remotos, mais economicamente viável o projeto se torna. Veja figura 8 abaixo: 17

29 Figura 9: Relação de Custo Site Central e Site Remoto TDM x IP 18

30 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora cada vez mais há uma tendência para a migração de aplicações, plataformas e serviços para a rede IP, por um longo tempo ainda haverá espaço para a Telefonia TDM, que predominará mais no ambiente de micro e pequenas empresas devido ao custo elevado da Telefonia IP para estes ambientes. Isto se deve ao fato de que a Telefonia IP tem um custo inicial elevado para a construção do site central, onde estão a maioria dos equipamentos. Porém o custo de implementação de um site remoto é muito mais barato do que o site central e principalmente quando comparado à Telefonia TDM, que praticamente tem um custo igual para todos os sites TDM baseado no número de usuários. A Telefonia IP tem hoje seu espaço definido no ambiente de médias e grandes empresas. Através deste estudo de caso, pode-se concluir que a Telefonia IP não tenha mais paradigmas para sua adoção em larga escala, desde que o maior mito era o do custo financeiro, pode-se observar que nem o custo inicial e nem os custos recorrentes são maiores que o da Telefonia TDM. Pelo contrário, a Telefonia IP provou ser viável para aceitação, inclusive com um custo efetivo muito melhor em relação a Telefonia TDM. Durante os próximos anos poderá ser observada uma tendência à migração para aplicações baseadas em IP, e isto não só ocorrerá no mundo de voz e dados, mas também em muitos outros ambientes diversos. O protocolo IP tem se mostrado um forte aliado na automatização e melhora de processos, possibilitando maior agilidade e redução de custos nas operações diárias das empresas. 19

31 V REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Brown, Kevin. Haven't We Been Here Before? A Case for IP Telephony. Disponível em: Acesso em: 04 Abr [2] LUKE,Tim, LEVY,Steve, Jeffrey,Stuart. The investors Guide to Enterprise VoIP. Publicado por Lehman Brothers. Estados Unidos, junho [3] CIOARA,Jeremy, CAVANAUGH,Michael J., KRAKE,Kris A., CCNA Voice, 6а edição, Editora Cisco Press, Indianapolis, [4] BERNAL, Huber Filho. Telefonia IP. TELECO. 19 maio Disponível em: Acesso em: 05 Abr [5] SATO, Alberto Mitsuo. PABX IP. TELECO. 22 novembro Disponível em: Acesso em: 1 Mar

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção.

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. Estrutura de servidor e banco de dados para multijogadores massivos Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. São Paulo SP, Fevereiro/2013

Leia mais

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial

REDES CORPORATIVAS. Soluções Avançadas para Comunicação Empresarial REDES CORPORATIVAS Presente no mercado há 31 anos, a Compugraf atua em vários segmentos da comunicação corporativa, oferecendo serviços e soluções de alta tecnologia, com reconhecida competência em diversos

Leia mais

Soluções de Voz. Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz.

Soluções de Voz. Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz. Nossas Soluções Soluções de Voz Otimize os serviços de comunicações e os custos de telefônia com nossas soluções integradas de voz. lâmina_option_voz.indd 1 10/30/13 2:47 PM Soluções de Voz Soluções Integradas

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Atendimento Sempre Ligado Sidnei Dimas Bortolotti Alex Pitrie Braz Marcos Artur Rolim

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções C O M U N I C A Ç Ã O D I G I T A L A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções para o trafego de

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação.

Buscamos sempre a solução mais eficaz, de acordo com o avanço tecnológico dos sistemas de Telecomunicações e Tecnologia da Informação. A T7 Solutions Informática e Telecomunicações atua como prestadora de serviços de Infraestrutura de TI e Telecom, com foco no desenvolvimento e implementação de soluções de Infraestrutura, Dados e Voz.

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

EMBRATEL WHITE PAPER

EMBRATEL WHITE PAPER EMBRATEL WHITE PAPER CARRIER ETHERNET Neste artigo, a Embratel destaca a história, arquitetura, princípios e serviços que a solução de Carrier Ethernet possui. A tecnologia Ethernet foi concebida na década

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa.

Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. PABX Digital PABX Muito mais do que um simples PABX. Uma solução de economia para sua empresa. O ACTIVE IP é PABX inovador que possibilita a utilização da telefonia IP e convencional garantindo eficiência

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX

Guia do Usuário. Embratel IP VPBX Índice Guia do Usuário EMBRATEL IP VPBX 3 Tipos de Ramais 4 Analógicos 4 IP 4 FACILIDADES DO SERVIÇO 5 Chamadas 5 Mensagens 5 Bloqueio de chamadas 5 Correio de Voz 5 Transferência 6 Consulta e Pêndulo

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG. Eng. Leonardo E.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG. Eng. Leonardo E. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG Eng. Leonardo E. Guimarães Telecomunicações/telefonia no Brasil CONCESSÕES (MEADOS DO SÉCULO

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Redes de Computadores e Internet Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Descrever a importância das redes de computadores. Explicar a importância da Internet. Redes de Computadores Rede:

Leia mais

Tecnologias aplicadas em Call Center. José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br

Tecnologias aplicadas em Call Center. José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br Tecnologias aplicadas em Call Center José Henrique Guedes VOICE Technology guedes@voicetechnology.com.br Agenda Visão Geral Switch / PABX Gerenciador Call Center Anunciador digital URA / IVR Gravador digital

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS FÁBRICA DE SOFTWARE Quem somos A Fábrica de Software da Compugraf existe desde 1993 e atua em todas as etapas de um projeto: especificação, construção, testes, migração de dados, treinamento e implantação.

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

CA Protection Suites Proteção Total de Dados

CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA. Líder mundial em software para Gestão Integrada de TI. CA Protection Suites Antivírus Anti-spyware Backup Migração de dados Os CA Protection Suites oferecem

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Utilização da Planilha de Análise de Decisão

Utilização da Planilha de Análise de Decisão Utilização da Planilha de Análise de Decisão METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO - VERSÃO 1. A planilha apresentada está pronta e formatada para ser utilizada no processo de Análise de Decisão envolvendo

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais