ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA"

Transcrição

1 ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA SOUZA, Luciana Santana de¹; CARVALHO, Maria das Neves de Oliveira¹; MARTINS, Selma de Oliveira¹; LANCIA, Maria da Conceição Furtado²; CORRÊA, Ana Lourdes². Faculdade de Ciências da Saúde Enfermagem Univap Avenida Shishima Hifumi, 2911 Urbanova. São José dos Campos São Paulo Resumo - A mortalidade neonatal compreende os óbitos de recém nascidos (RN s) durante os primeiros 28 dias de vida, sendo subdividida em precoce e tardia. Os principais fatores que levam a mortalidade neonatal e perinatal são os ligados à saúde da mãe e a condição da assistência durante o pré-natal. O objetivo desta pesquisa foi conhecer a incidência de mortalidade de neonatos em uma Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN) de um hospital do Vale do Paraíba. Trata-se de um estudo retrospectivo exploratório de campo com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada no livro de registro da UTIN da instituição durante o ano de A incidência da mortalidade neonatal aconteceu em 16,5% dos RN s internados, com predominância em prematuros de baixo peso, sexo masculino e de parto cesárea. Concluiu-se, que apesar de existir tecnologia, pessoal treinado e capacitado ainda existe uma incidência significativa de óbito, sendo o controle realizado no pré-natal fundamental para a prevenção de morbidade e mortalidade de RN s. Palavras-chave: Prematuridade, UTI Neonatal, Mortalidade Neonatal. Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Introdução A mortalidade neonatal corresponde os óbitos de Recém Nascido (RN) durante os primeiros 28 dias de vida, sendo subdividida em precoce, a que ocorre durante os primeiros sete dias de vida, e a tardia, entre o sétimo e o vigésimo oitavo dias de vida. Os principais fatores que levam a mortalidade neonatal e perinatal são os ligados à saúde da mãe e a condição da assistência durante o pré-natal. Entre os riscos relacionados à saúde materna incluem: idade materna, intervalo interpartal, paridade, obesidade e ganho de peso durante a gestação, historia de aborto, natimorto ou morte neonatal prévia e doenças maternas. São fatores que podem apresentar: hipoxemia neonatal, baixo peso ao nascer, prematuridade, más-formações congênitas, entre outras. O Ministério da Saúde (MS) recomenda no mínimo seis consultas durante o pré-natal (MAGALHÃES; CARVALHO, 2003). A medicina perinatal tem apresentado grande avanço técnico científico nas últimas décadas, o que tem propiciado um aumento significativo na sobrevida de RN s extremamente prematuros (IMAMURA, 2000). Nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, os serviços especializados são deficientes em tecnologias mais complexas de apoio ao diagnóstico e terapêutica, colocando em risco a qualidade da assistência prestada ao recém-nascido, aumentando a preocupação com os fatores de risco perinatal e neonatal relacionados aos cuidados à saúde (SCOCHI, 2003). Para que essas taxas de mortalidade diminuam e haja a recuperação de alguma patologia que venha ocorrer neste período, sem que haja seqüelas, é necessário o encaminhamento para a UTIN (Figura 1). Com isso a assistência a um RN estabelece vigilância constante de pessoal altamente, capacitado e treinado e uma tecnologia avançada (SANTOS; OLIVEIRA; BEZERRA, 2006). Este trabalho tem por objetivo conhecer a incidência de mortalidade de recém nascidos internados no período do ano de 2008, em uma 1

2 UTIN de um Hospital de médio porte do Vale do Paraíba. Os resultados da pesquisa foram analisados sob a forma de números absolutos e percentuais que serão demonstrados em tabelas. Resultados Tabela 1 - Distribuição da evolução do quadro dos RN s internados na UTIN. Jacareí, N=133 Evolução da nº % internação Alta ,5 Óbito 22 16,5 Figura 1 - UTIN. Fonte: Acervo pessoal Metodologia O cenário desta pesquisa foi em uma UTIN de um hospital de médio porte do Vale do Paraíba, de referência para gestação de alto risco abrangendo todos os registros de recém nascidos internados no ano de A pesquisa foi realizada após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Vale do Paraíba São José dos Campos, nº H255/CEP/2008 conforme a Resolução n.º 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Trata-se de um estudo retrospectivo exploratório de campo com abordagem quantitativa. Para a coleta de dados usou-se um formulário contendo questões abertas e fechadas, fundamentadas em artigos publicados que apontam dados que podem influenciar na morbidade e mortalidade neonatal. A pesquisa foi realizada no livro de registro da UTIN da instituição, coletando dados de 207 RN s internados no ano de Optou-se por excluir 74 RN s que não constavam dados completos no livro, estudou-se somente as variáveis de 133 RN's tais como: idade gestacional (IG), sexo, tipos de parto, peso, diagnóstico e evolução do recém nascido por óbito ou alta hospitalar. Os dados foram coletados nos meses de março e abril de Encontrou-se dificuldade para coleta de dados, por não ter acesso aos prontuários para completar as informações do livro de registro. Nos dados coletados na UTIN da instituição pesquisada no ano de 2008, obteve-se um total de 133 RN s internados. Dentre eles 111 (83,5%) RN s evoluíram para alta e 22 (16,5%) RN s evoluíram para óbito, como demonstrado na Tabela 1. Tabela 2 - Distribuição do sexo dos RN s internados na UTIN. Jacareí, N=133 Sexo nº % Masculino 68 51,1 Feminino 65 48,9 Conforme mostrado na Tabela 2, identificou-se que 68 (51,1%) RN s eram do sexo masculino e 65 (48,9%) RN s do sexo feminino. Tabela 3 - Distribuição dos óbitos, segundo o peso ao nascer dos RN s internados na UTIN. Jacareí, n=22 Peso (gramas) nº % < , a ,5 > ,1 2

3 Foram identificados 22 óbitos segundo o peso em gramas dos RN s internados: sendo 19 (86,4%) com peso abaixo de 1500g, 01 (4,5%) com peso entre 1500g e 2499g e 02 (9,1%) com peso acima de 2500g. Conforme indicado na Tabela 3. Tabela 4 - Distribuição dos óbitos, segundo as doenças dos RN s internados na UTIN. Jacareí, n=22 Diagnósticos nº % Prematuridade 20 91,0 Hipertensão pulmonar 01 4,5 Anóxia 01 4,5 Dos RN s que foram a óbito, 20 (91,0%) tiveram diagnóstico de prematuridade, 01 (4,5%) por hipertensão pulmonar e 1 (4,5%) por anóxia, conforme demonstrado na Tabela 4. Referente aos partos realizados, pode-se observar que: 85 (64%) partos foram cesarianas e 48 (36,0%) partos foram normais, segundo dados da Tabela 6. Tabela 7 - Distribuição dos óbitos, segundo a idade gestacional dos RN s internados na UTIN. Jacareí, n=22 Idade nº % Gestacional <37 semanas 20 91,0 37 a 41 semanas 02 9,0 Com base no resultado da Tabela 7, identificou-se que 20 (91,0%) dos óbitos ocorridos foram de RN s com idade gestacional menor que 37 semanas e 02 (9,0%) foram com idade gestacional entre 37 e 41 semanas. Discussão Tabela 5 - Distribuição dos óbitos, segundo o sexo dos RN s internados na UTIN. Jacareí, n=22 Sexo nº % Masculino 14 63,6 Feminino 08 36,4 Segundo o sexo dos RN s internados: 14 (63,6%) óbitos do sexo masculino e 08 (36,4%) do sexo feminino. Conforme mostrado na Tabela 5. Tabela 6 - Distribuição dos partos que foram submetidos às mães dos RN s internados na UTIN. Jacareí, N=133 Partos nº % Cesariana 85 64,0 Normal 48 36,0 Entende-se que seja necessário salientar nesta pesquisa aos fatores relacionados com a metodologia. Neste estudo encontrou-se dificuldade na utilização dos sistemas de informações de RN s vivos e de óbitos para identificar as determinantes da mortalidade neonatal. Os dados coletados restringiram-se somente ao livro de registro da UTIN. Optou-se, então em realizar a coleta de dados somente nas variações contidas no livro de registro, portanto não foi possível verificar a residência, grau de instrução e idade materna, que poderiam ser considerados dados importantes para a realização da pesquisa em relação à mortalidade neonatal. As causas determinantes de óbitos com RN s são associadas a nível cultural e socioeconômico da família, assim como o processo imediato de atendimento durante a gestação, o parto, pós-parto e aos cuidados imediatos aos RN s (BARROS; MARIN; ABRÃO, 2002). Do total de 133 RN s da instituição estudada, 16,5% evoluíram para óbito. A comparação dos resultados observados neste estudo concorda com os de outros trabalhos, que utilizam a mesma abordagem metodológica nos artigos revisados nesta mesma variável. O RN apresenta maior risco de morte nos períodos neonatal e pós-neonatal (BECERRA et al., 1993). 3

4 Observou-se dados relevantes de óbitos de RN s do sexo masculino em relação ao sexo feminino, tendo um percentual de 27,2% de diferença entre eles. Os resultados obtidos seguem as características já conhecidas, em estudos anteriores, isto é, uma mortalidade maior no sexo masculino, tanto na natimortalidade quanto na mortalidade neonatal precoce. O amadurecimento pulmonar fetal ocorre mais precocemente no sexo feminino, sendo este um dos principais motivos do índice de mortalidade serem mais baixo nos RN s do sexo feminino. Como o amadurecimento pulmonar do RN do sexo masculino é mais lento, há, portanto maior incidência de problemas respiratórios destes RN s, levando a óbito no período neonatal (ARAÚJO; BOZZETTI; TANAKA, 2000). Os óbitos neonatais que tiveram maior incidência foram com idade gestacional abaixo de 37 semanas e baixo peso ao nascer. Após o parto prematuro, o RN quando encaminhado para a UTIN, sua permanência hospitalar se torna prolongada, passando por vários procedimentos e intercorrências peculiares a este período. O baixo peso ao nascer e a prematuridade são os fatores de risco descritos na literatura que apresentam a maior força de associação com a mortalidade infantil. Durante este tempo o RN corre risco de vida, sendo este período responsável por alta taxa de mortalidade (CUNHA; DUARTE, 1998). O maior percentual de nascimento foi de parto cesárea. Este tipo de parto somente é indicado quando há risco materno-fetal. Cabe, portanto à equipe de saúde orientar a gestante todas as possíveis complicações e mudanças de planos que podem porventura surgir até o nascimento. Atualmente, os índices de cesáreas no país vêm crescendo, representando, atualmente, 43% dos partos (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). Conforme observação realizada durante a pesquisa, percebeu-se a importância do pré-natal durante o período de gestação, e o registro destes dados. Várias causas de óbito podem ser prevenidas reduzindo o número de mortalidade do RN e complicações para a mãe, a partir de acompanhamento durante gestação e parto (CALDEIRA A.P. et al., 2005). Conclusão Os dados pesquisados revelaram que os óbitos ocorreram em 16,5% nos RN s internados na UTIN no ano de 2008, tendo uma predominância em prematuros de baixo peso, do sexo masculino e nascidos de parto cesárea. Conclui-se que, apesar da tecnologia avançada e pessoal altamente capacitado na UTIN, ainda existe uma incidência significativa de óbito, lembrando que a instituição pesquisada é de referência para gestante de alto risco que atende a população do Vale do Paraíba. Os resultados deste trabalho mostraram que a assistência à gestante no pré-natal é muito importante para detectar precocemente as patologias que evoluem para o óbito dos RN s. Referências ARAÚJO, B.F; BOZZETTI, M.C; TANAKA, A.C.A. Mortalidade neonatal precoce no município de Caxias do Sul: um estudo de coorte; Jornal de Pediatria, v. 76, n.3, Disponível em: Acesso em: 14 julho BARROS, S.M.O.; MARIN, H.F.; ABRÃO; A.C.F.V. Enfermagem obstétrica e ginecológica: guia para a prática assistencial. São Paulo: Roca, BECERRA, J.E., et al., Low birth weight and infant mortality in Puerto Rico. American Journal of Public Health, v. 83, p Disponível em: i?artid= Acesso: 28 junho CALDEIRA, A.P. et al., Evolução da mortalidade infantil por causas evitáveis. Rev. Saúde Pública, v. 39, n. 1, Disponível em: Acesso: 02 julho CUNHA, S.P.; DUARTE, G. Gestação de alto risco. Rio de Janeiro: Medsi, p. IMAMURA, P.E.A. Manual de Neonatologia: Humanização do atendimento neonatal. 2. ed. São Paulo: Revinter, p. MAGALHÃES, M.C.; CARVALHO, M.S. Atenção hospitalar perinatal e mortalidade neonatal no município de Juiz de Fora, Minas Gerais. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., v. 3, n. 3, Disponível em: Acesso: 15 setembro MINISTÉRIO DA SAÚDE. IDB2000: Indicadores de dados básicos para a saúde. Brasília (DF);

5 SANTOS, F.L.B.; OLIVEIRA, M.I.V.; BEZERRA, M.G.A. Prematuridade entre recém-nascidos de mães com amniorrexe prematura. Esc Anna Nery R Enferm, v. 10 n. 3, Disponível em: v10n3a11.pdf. Acesso: 15 setembro SCOCHI, C.G.S. et al., Incentivando o vínculo mãe-filho em situação de prematuridade: as intervenções de enfermagem no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 11, n. 4, Disponível em: Acesso: 15 setembro

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ANALISE DAS INFORMAÇÕES E QUALIDADE DAS FICHAS DE INVESTIGAÇÃO DE ÓBITOS INFANTIS DA 15ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ Jéssica Teixeira Lourenço 1 Vivianne Peters da

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE Tatiane Patrícia da Silva 1 ; Maria Gorete Lucena de Vasconcelos 2 1 Estudante do Curso de Enfermagem- CCS UFPE; E-mail: tatianne_ps@hotmail.com,

Leia mais

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato

Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato Método Mãe Canguru: avaliação do ganho de peso dos recém-nascidos prematuros e ou de baixo peso nas unidades que prestam assistência ao neonato EDILAINE APARECIDA FREITAS(UNINGÁ) 1 HILTON VIZI MARTINEZ(UNINGÁ)

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS RELATÓRIO ANUAL 2011 2 RELATÓRIO ANUAL 2011... 1 INTRODUÇÃO... 3 Informações Referentes ao Pré-Natal... 4 Quadro 1 Dados maternos... 4 Quadro 2 - Corticóide Antenatal...

Leia mais

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES

INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES INDICADOR DE MORTALIDADE ESTATISTICAS VITAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO PRINCIPAIS INDICADORES ESTATISTICAS VITAIS Compreende o estudo de eventos vitais : Nascimentos Óbitos Devem ser de boa qualidade No Brasil

Leia mais

Caracterização de recém nascidos em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino

Caracterização de recém nascidos em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino Caracterização de recém nascidos em unidade de terapia intensiva de um hospital de ensino 2002 2006 Greice Machado Pieszak* Eliane Tatsch Neves** Leonardo Bigolin Jantsch*** Andrea Moreira Arrué**** Kellen

Leia mais

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA QUALIFICAÇÃO E MÉTODO DE CÁLCULO DE INDICADORES BÁSICOS BRASIL 1 1. Propostos pela Secretaria Técnica do Grupo de Trabalho MS/OPAS IBGE, USP,

Leia mais

Mortalidade Infantil: Afecções do Período Perinatal

Mortalidade Infantil: Afecções do Período Perinatal Mortalidade Infantil: Afecções do Período Perinatal Samuel Kilsztajn, Dorivaldo Francisco da Silva, André da Cunha Michelin, Aissa Rendall de Carvalho, Ivan Lopes Bezerra Ferraz Marcelo Bozzini da Camara

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 Institui o Sistema Municipal de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

PERFIL DOS BEBÊS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO CANGURU

PERFIL DOS BEBÊS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO CANGURU 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL DOS BEBÊS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO CANGURU Paolla Furlan Roveri 1 ; Darci Aparecida Martins Corrêa 2 ; Herika Faganello Gonzales 1 ; Larissa Camila

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal Halei Cruz Coordenador da Área Técnica de Saúde da Criança e do Comitê Estadual de Prevenção dos Óbitos Maternos, Infantis e Fetais INTRODUÇÃO

Leia mais

Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará

Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará Ana Cristina Álvares Guzzo Coordenação Estadual de Saúde da Criança/DASE/DPAIS/SESPA Grupo Condutor da Rede Cegonha do Pará Comitê Estadual de Mortalidade Materna,

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 Morgana Prá 1 Maria Helena Marin 2 RESUMO Vários fatores influenciam no progresso e no resultado

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD MATRICIAMENTO PEDIÁTRICO EM AD NO DF Colaboradores: Bibiana Coelho Monteiro, Elaine Horta de Souza, Eduardo André Viana Alves e Maria Leopoldina de Castro

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DO PACIENTE IDOSO INTERNADO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA Paulo César Gottardo 1, Ana Quézia Peixinho Maia¹, Igor Mendonça do Nascimento

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO Anna Paula Soares Carvalho¹, Monielle Guerra Justino², Danielle Rosa Evangelista³, Tiago Barreto de Castro e Silva4 ¹Aluna do Curso de Enfermagem;

Leia mais

XIX SEMEAD Seminários em Administração

XIX SEMEAD Seminários em Administração XIX SEMEAD Seminários em Administração novembro de 2016 ISSN 2177-3866 RECURSOS DESTINADOS AOS NASCIMENTOS NO SUS: Um estudo de caso do município de São José do Rio Preto/SP MÁRCIA MELLO COSTA DE LIBERAL

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

Parto domiciliar na visão do pediatra

Parto domiciliar na visão do pediatra 1º SIMPÓSIO DE ASSISTÊNCIA AO PARTO EM MINAS GERAIS 20 a 21 de março Parto domiciliar na visão do pediatra Cons. Fábio Augusto de Castro Guerra CRMMG Situação Atual CONFLITO Humanização do atendimento

Leia mais

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO

ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO ASPECTOS PSICOSSOCIAIS QUE ACOMPANHARAM UMA SÉRIE DE PARTOS PREMATUROS ACONTECIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE TERESÓPOLIS CONSTANTINO OTTAVIANO VASCONCELLOS, Marcus José do Amaral. Docente do Curso de

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica DETECÇÃO DE PATOLOGIAS VENTRICULARES EM CÉREBROS DE NEONATOS PREMATUROS ATRAVÉS DA ULTRA-SONOGRAFIA TRANSFONTANELA Ludmilla Marques Rabello 1,4 ; Patrícia D Angelles Pereira 1,4 ; Josy Paula Souza Vieira

Leia mais

PERFIL DAS GESTANTES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS 1

PERFIL DAS GESTANTES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS 1 PERFIL DAS GESTANTES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL DE MÉDIO PORTE NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS 1 WACHHOLZ, A 5 ; ARGENTA. F²; BERGER, D²; COSTA. P²; DIAZ. C³; NICOLA,G.D.O 4 ; SEBALHOS, A²; SEIXAS, L². ¹Trabalho

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL

PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL PROJETO DE EXTENSÃO CEPP: INDICE CONTRASTIVO ENTRE Área temática: Saúde PARTO CESÁREA E PARTO NORMAL Camila Batista Woicizack¹; Cláudia Felczak 2 ; Larissa do Col Dalazoana Bayer 3 ; Ana Paula Xavier Ravelli

Leia mais

PRÁ-SABER: Informações de Interesse à Saúde SINASC Porto Alegre Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis

PRÁ-SABER: Informações de Interesse à Saúde SINASC Porto Alegre Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis 1 SINASC RELATÓRIO 2007 Parte I 2 Prefeitura Municipal de Porto Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Cyro Ciari Junior * Iara Lucia Brayner Mattos * Keiko Ogura Buralli * Malaquias Baptista Filho ** Néia Schor*

Leia mais

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização Em 2005 nasceram em Portugal 109 399 nados vivos, dos quais 6,6 % (7260) foram prematuros (idade gestacional abaixo das 37 semanas), 7,5% (8200)

Leia mais

Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil ( )

Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil ( ) José Dionísio de Paula Júnior 1 Emanuela Santana Lucas 1 Luciane Madalena Costa da Cunha 1 Maria das Graças Medeiros Machado 1 Renato Laureano Pedrosa 1 Profile of neonatal mortality in the municipality

Leia mais

Recém-nascido de termo com baixo peso

Recém-nascido de termo com baixo peso Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013

TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013 TÍTULO: ANÁLISE DA SÉRIE HISTÓRICA DA MORTALIDADE INFANTIL NA BAIXADA SANTISTA ENTRE 1998 A 2013 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Tanto as patologias como as anomalias que têm origem no período perinatal estão classificadas no capítulo 15 da CID-9-MC e categorias 760 779. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva Rede Cegonha PORTARIA No- 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha Com objetivo de assegurar: APRESENTAÇÃO - Organizar a Rede de Atenção à Saúde

Leia mais

Caracterização dos Óbitos Investigados em 2003 pelo Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Perinatal em Belo Horizonte

Caracterização dos Óbitos Investigados em 2003 pelo Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Perinatal em Belo Horizonte Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Caracterização dos Óbitos Investigados em 2003 pelo Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Perinatal

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

MORTALIDADE INFANTIL POR CAUSAS EVITÁVEIS NAS MESORREGIÕES DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 2004 A 2014

MORTALIDADE INFANTIL POR CAUSAS EVITÁVEIS NAS MESORREGIÕES DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 2004 A 2014 MORTALIDADE INFANTIL POR CAUSAS EVITÁVEIS NAS MESORREGIÕES DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 24 A Thainá Rodrigues Evangelista (1); Valéria Falcão da Silva Freitas Barros (1); Antonio Araujo Ramos Neto (2); João

Leia mais

CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL

CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL CUSTO DA HOSPITALIZAÇÃO COMPARADO COM ATENÇÃO AMBULATORIAL EM GESTANTES E PARTURIENTES DIABÉTICAS EM CENTRO TERCIÁRIO RIO NO BRASIL Autores: Ana Claudia Molina Cavassini, Silvana Andréa Molina Lima, Iracema

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

CARACTERISTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS E OBSTÉTRICAS DE GESTANTES ASSISTIDAS EM CONSULTA DE ENFERMAGEM 1

CARACTERISTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS E OBSTÉTRICAS DE GESTANTES ASSISTIDAS EM CONSULTA DE ENFERMAGEM 1 CARACTERISTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS E OBSTÉTRICAS DE GESTANTES ASSISTIDAS EM CONSULTA DE ENFERMAGEM 1 BISOGNIN, P. 2 ; ALVES, C.N. 2 ; BARRETO, C. N. 2 ; BUBLITZ, S. 2 ; STUMM, K. E. 2 ; WILHELM, L. A. 2

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA:

ISSN ÁREA TEMÁTICA: 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DURAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO

Leia mais

Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro,

Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro, Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro, 1999-2001 2001 Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sérgio S Arouca Autores: Ana Paula Esteves

Leia mais

Título do Trabalho: Relação entre Tipo de Parto e Complicações Maternas nos Indicadores Neurocomportamentais de Recém-Nascidos Pré-Termo

Título do Trabalho: Relação entre Tipo de Parto e Complicações Maternas nos Indicadores Neurocomportamentais de Recém-Nascidos Pré-Termo Introdução Os avanços da perinatologia nos últimos anos trouxeram uma significativa redução nos índices de morbi-mortalidade de bebês prematuros. (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2012). A queda desses índices

Leia mais

Vigilância do RN de Risco

Vigilância do RN de Risco Vigilância do RN de Risco Área Técnica de Saúde da Criança e do Adolescente Objetivo principal: propor e implantar programas e projetos relacionados à melhoria da saúde da criança e do adolescente, conforme

Leia mais

Estudo da mortalidade de recém-nascidos internados na UTI neonatal do Hospital Geral de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul

Estudo da mortalidade de recém-nascidos internados na UTI neonatal do Hospital Geral de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES Estudo da mortalidade de recém-nascidos internados na UTI neonatal do Hospital Geral de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul Newborn mortality study in the neonatal intensive

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel EPIDEMIOLOGIA Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel O QUE É EPIDEMIOLOGIA? Compreende: Estudo dos determinantes de saúdedoença: contribuindo para o avanço no conhecimento etiológico-clínico Análise das

Leia mais

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA BARBOSA, Raul Carlos i ; SANTOS Natália Mirelle Carrijo ii ; VELÁSQUEZ, Paola Castillo iii ; AMARAL,

Leia mais

Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal

Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal Contexto da saúde no Brasil Transição demográfica Transição epidemiológica Transição nutricional Transição obstétrica Transição demográfica Transição epidemiológica

Leia mais

Palavras-chave: Mortalidade neonatal. Morbidade materna. Fator de risco materno.

Palavras-chave: Mortalidade neonatal. Morbidade materna. Fator de risco materno. 1 MORBIDADE MATERNA E MORTALIDADE NEONATAL: FATORES ASSOCIADOS. Emanuela de Almeida Oliveira¹ Raquel Reis Aibe² RESUMO A mortalidade neonatal configura-se no componente da mortalidade infantil que sofreu

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS CONGÊNITAS: UM ESTUDO DA MACRORREGIÃO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS CONGÊNITAS: UM ESTUDO DA MACRORREGIÃO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA As anomalias congênitas, usualmente conhecidas como malformação, perturbação e deformação, é todo defeito funcional ou estrutural prehttp://dx.doi.org/10.18616/gcsaude21 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ANOMALIAS

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DAS MÃES QUANTO AO ATENDIMENTO DO SEU FILHO NO AMBULATÓRIO CANGURU

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DAS MÃES QUANTO AO ATENDIMENTO DO SEU FILHO NO AMBULATÓRIO CANGURU 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DAS MÃES QUANTO AO ATENDIMENTO DO SEU FILHO NO AMBULATÓRIO CANGURU Thaís Ramos da Silva 1 Francielle Midori Kawamoto 2 Karen Isadora Borges 3 Lidia Kameyo

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais

I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais I Simpósio de Assistência ao Parto em Minas Gerais Cesariana eletiva no Brasil: indicações e limitações Victor Hugo de Melo Era uma vez, uma reunião em Fortaleza, no ano de 1985... Países com as taxas

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Benites, Patrícia Trindade; Brandt Nunes, Cristina CONHECENDO O PERFIL DO RECÉM-NASCIDO

Leia mais

Título: Resultados perinatais de nascidos vivos de mães adolescentes e adultas: uma análise exploratória do município de Belo Horizonte

Título: Resultados perinatais de nascidos vivos de mães adolescentes e adultas: uma análise exploratória do município de Belo Horizonte Título: Resultados perinatais de nascidos vivos de mães adolescentes e adultas: uma análise exploratória do município de Belo Horizonte Autores: Júlio A. R. Romero Andréa Branco Simão Luiza de Marilac

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA

ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA ANÁLISE TEMPORAL DOS PARTOS CESÁREOS NO MUNICÍPIO DE BEZERROS-PE ENTRE 1994 E 2014: IMPACTOS NA SAÚDE PÚBLICA Autor: Dirley Ramos Cavalcante (1); Co-autor: Rogerio Bruno de Oliveira Silva (2); Orientador:

Leia mais

Tipo Documental PoliticaAssistencial Título Documento Código Amarelo Neonatal Morumbi

Tipo Documental PoliticaAssistencial Título Documento Código Amarelo Neonatal Morumbi INTRODUÇÃO O Código Amarelo Neonatal atende pacientes entre as faixas etárias de 0 (zero) até 28 dias internados na unidade neonatal que estão no berçário ou juntamente com a mãe nas unidades de internação

Leia mais

Perfil dos nascimentos dos residentes de cachoeirinha, nos anos de 2013 e 2014

Perfil dos nascimentos dos residentes de cachoeirinha, nos anos de 2013 e 2014 Perfil dos nascimentos dos residentes de cachoeirinha, nos anos de 2013 e 2014 Camila da Rosa Maracci 1 Gisele Cristina Tertuliano 2 Inei Loeblein 3 Shaiane Favretto da Silva 4 Virgínia Petrini Maszlock

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Epidemiologia Geral HEP 143 Cassia Maria Buchalla 2017 Sistemas de Informação Sistema: conjunto de partes que se articulam para uma finalidade comum Sistema de informações: conjunto

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos

Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos Maria do Carmo Leal VicePresidente de Ensino, Informação e Comunicação Fundação Oswaldo Cruz setembro/2008 Taxas de cesárea em vários países FONTE:

Leia mais

DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli

DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli DESIGUALDADES SOCIAIS E MORTALIDADE INFANTIL NA POPULAÇÃO INDÍGENA, MATO GROSSO DO SUL. Renata PalópoliPícoli Fundação Oswaldo Cruz de Mato Grosso do Sul Luiza Helena de Oliveira Cazola Universidade Anhanguera-Uniderp

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL NA REDUÇÃO DE INTERCORRÊNCIAS OBSTÉTRICAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL NA REDUÇÃO DE INTERCORRÊNCIAS OBSTÉTRICAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL NA REDUÇÃO DE INTERCORRÊNCIAS OBSTÉTRICAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ester Costa Lima; Juciara Karla de Souza Lima; Regina Santos Dantas; René Geraldo Cordeiro Silva Junior; Universidade

Leia mais

ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO

ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES RESUMO ANÁLISE DO CONTROLE POSTURAL DE CRIANÇAS NASCIDAS PREMATURAS E A TERMO DO PERÍODO NEONATAL AOS SEIS MESES Amanda Martins Campos 1,4 ; Renan Neves Urzêda,4 ; Thalita Galdino de Oliveira,4 ; Cibelle Kayenne

Leia mais

CARATERIZAÇÃO DAS GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DE PONTA GROSSA PR

CARATERIZAÇÃO DAS GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DE PONTA GROSSA PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CARATERIZAÇÃO

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE

INDICADORES DE MORTALIDADE INDICADORES DE MORTALIDADE Usualmente a análise dos dados de mortalidade na população baseia-se na enumeração total de sua ocorrência e na distribuição pelas características demográficas e epidemiológicas

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO

NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO 46 NORMA SUELY DE ALMEIDA ARAUJO O papel da assistência hospitalar ao recém-nascido na mortalidade neonatal precoce na Região Sul do município de São Paulo: estudo caso-controle Tese apresentada ao Departamento

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis congênita HIV-AIDS Hepatites B e C Rubéola congênita Toxoplasmose congênita

Leia mais

SENTIMENTOS DE MÃES AO VIVENCIAREM O MÉTODO MÃE CANGURU¹

SENTIMENTOS DE MÃES AO VIVENCIAREM O MÉTODO MÃE CANGURU¹ SENTIMENTOS DE MÃES AO VIVENCIAREM O MÉTODO MÃE CANGURU¹ Joana D arc Dantas Soares 2 Rosineide Santana de Brito 3 Bertha Cruz Enders 4 Introdução: O Método Mãe Canguru (MMC) é uma estratégia de assistência

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão

Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão ISSN-2179-6238 Artigo / Article Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão Maternity in the adolescence: some

Leia mais

PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA

PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA PREVALÊNCIA DE NASCIMENTOS BAIXO PESO E PREMATURO NA CIDADE DE IRATI-PR: IMPLICAÇÕES PARA A FONOAUDIOLOGIA Low weight and premature birth prevalence in Irati-PR: implications for speech therapy Resumo

Leia mais

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia GUIA DE RESUMO DE INTERNAÇÃO Número do Nome do campo Observação campo 1 Registro ANS Nas guias em papel impressas pela Petrobras ou Petrobras Distribuidora e nas guias disponibilizadas no site da Petrobras,

Leia mais

ANÁLISE DE RECÉM-NASCIDOS COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM.

ANÁLISE DE RECÉM-NASCIDOS COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM. ANÁLISE DE RECÉM-NASCIDOS COM INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM. Karina Xavier de Carvalho (Apresentador) 1, Marieta Fernandes Santos (Orientador) 2 Rosane Meire

Leia mais

ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR

ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR ESTIMULAÇÃO PRECOCE DE PREMATUROS E COM BAIXO PESO VISANDO A ADEQUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO MOTOR RESUMO A prematuridade associada ao baixo peso é considerada um fator determinante para uma maior imaturidade

Leia mais

Cobertura e Codificação

Cobertura e Codificação Teste do Pezinho Cobertura e Codificação No ROL da ANS ( RN 387) vigente atualmente, temos cobertura prevista para: TUSS DESCRITIVO 40312160 Teste do pezinho básico(inclui TSH neonatal + fenilalanina +

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical - 2015 2014 No Brasil: SÍFILIS, AIDS, DST, HEPATITES Toxoplasmose Rubéola, Citomegalovírus, Parvovírus, Herpes HTLV, Varicela Tuberculose Chagas,

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

Fatores de risco para mortalidade neonatal no município de Serra, Espírito Santo

Fatores de risco para mortalidade neonatal no município de Serra, Espírito Santo pesquisa Fatores de risco para mortalidade neonatal no município de Serra, Espírito Santo Risk factors for neonatal mortality in the city of Serra, Espírito Santo Factores de riesgo para mortalidad neonatal

Leia mais

NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA *

NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA * NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA * A. D. Passos ** J. C. Cardoso * J. E. Paz** E. E. Castilla*** RSPUB9/402 PASSOS, A. D. et al. Nível sócio-econômico como uma

Leia mais

MODELO DE INFORMAÇÃO - PROJETO PPSUS- REDES DEZ 2014

MODELO DE INFORMAÇÃO - PROJETO PPSUS- REDES DEZ 2014 Projeto: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE REGISTRO DE INFORMAÇÕES CLÍNICAS PARA O CUIDADO BÁSICO EM SAÚDE, NO ESTADO DE MINAS GERAIS Fase 1- O registro eletrônico de saúde nas linhas de cuidado materno

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO CANGURU PARA O PREMATURO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO CANGURU PARA O PREMATURO BENEFÍCIOS DO MÉTODO CANGURU PARA O PREMATURO Cardoso MMG 1, Graciano IC 2, Filócomo FRF 3, Ebner C 4. 1Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde, Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova,

Leia mais

Mortalidade infantil: Uma análise do município de Imaculada na Paraíba entre os anos de 2005 e Resumo:

Mortalidade infantil: Uma análise do município de Imaculada na Paraíba entre os anos de 2005 e Resumo: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL MODALIDADE A DISTÂNCIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Mortalidade

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS

ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA TRICA E CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ROSA, Rafael Fabiano Machado; ROSA, Rosana Cardoso Manique; ZEN, Paulo Ricardo Gazzola; KOSHIYAMA, Dayane Bohn; VARELLA- GARCIA, Marileila; PASKULIN,

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Formulário padrão com a síntese da investigação de óbito infantil e fetal a ser adotado obrigatoriamente como

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG

Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG Programa Estadual de Triagem Auditiva Neonatal Universal TANU/MG Gabriela Cintra Januário SES/SAS/GAS/CASPPD Objetivo Possibilitar a crianças com deficiência auditiva a aquisição de linguagem oral. Linguagem

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO

INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES CEREBRAIS DETECTADAS ATRAVÉS DE ULTRA-SONOGRAFIA DE CRÂNIO DE BEBÊS DE RISCO DO HOSPITAL MATERNO-INFANTIL DE GOIÂNIA-GO 1,4 Lílian Silva Lacerda, 2,4 Patrícia Azevedo Garcia, 3,4

Leia mais

O CONHECIMENTO DA PUÉRPERA SOBRE O PARTO HUMANIZADO EM UMA INSTITUIÇÃO DO VALE DO PARAÍBA

O CONHECIMENTO DA PUÉRPERA SOBRE O PARTO HUMANIZADO EM UMA INSTITUIÇÃO DO VALE DO PARAÍBA O CONHECIMENTO DA PUÉRPERA SOBRE O PARTO HUMANIZADO EM UMA INSTITUIÇÃO DO VALE DO PARAÍBA Ribeiro, R. E.; Moura, T. A.; Silva, S. F.; Perroni, C. A.; Filócomo, F. R. F. Universidade do Vale do Paraíba

Leia mais

Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna. Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA

Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna. Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA Implicações do parto humanizado na redução da mortalidade materna Maykon dos Santos Marinho Palloma Freitas PET-Saúde da Família IMS-UFBA Mortalidade materna As mortes de mulheres por complicações na gestação,

Leia mais