PLANO DE DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA"

Transcrição

1 1-69 PLANO DE S DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º PERÍODO SEMESTRAL ANATOMIA HUMANA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução, conceito, posições e divisão da anatomia. Estudo dos aspectos morfológicos dos sistemas: esquelético, articular e muscular. Estudo descritivo dos órgãos que constituem os diversos sistemas. Estudo dos aspectos morfológicos dos sistemas: nervoso, circulatório, digestório, respiratório, genital masculino e feminino, endócrino, sensorial, urinário e tegumentar. Estudo descritivo dos órgãos que constituem os diversos sistemas. Principais doenças que afetam esses sistemas. Principais doenças que afetam esses sistemas. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Fornecer ao acadêmico de farmácia, as mais diversas bases, noções e conceitos do estudo teórico e prático da Anatomia Humana, permitindo aos mesmos, adquirir o conhecimento estrutural, morfológico e funcional do corpo, para com isso, formamos profissionais com capacidade de avaliação técnica e crítica em seu meio. DANGELO, Fattini. Anatomia básica dos sistemas orgânicos: com a descrição dos ossos, junturas, músculos, vasos e nervos. São Paulo: Atheneu, MOSES, Kenneth; BANKS JR.; John C.; NAVA, Pedro B.; PETERSEN, Darrel. Atlas fotográfico de anatomia clínica.1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, SOBOTTA, editado por R. Putz e R. Pabst. Atlas de anatomia humana: tronco, vísceras e extremidade inferior. 22. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Vol. 01. SOBOTTA, editado por R. Putz e R. Pabst. Atlas de anatomia humana: tronco, vísceras e extremidade inferior. 22. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Vol. 02. BIBLIOGRAFIA COMPLR KIERNAN, John. Neuroanatomia humana de Barr. 7. ed. São Paulo: Manole, NETTER, Frank H. Atlas de anatomia humana. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, ROHEN, Joahannes W. et al. Anatomia humana: atlas fotográfico de anatomia sistêmica e regional. 6. ed. São Paulo: Manole, SPENCE, Alexander P. Anatomia humana básica. São Paulo: Manole, 1991.

2 2-69 SEMESTRAL BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução ao estudo da teoria celular. Componentes químicos da célula: água, sais minerais, proteínas, carboidratos e lipídeos. Núcleo. Biomembranas. Citoplasma: ribossomos, retículo endoplasmático, complexo de Golgi, lisossomos, citoesqueleto, cílios e flagelos, mitocôndrias, cloroplastos, peroxissomos e vacúolo. Ciclo celular: mitose e meiose. Morte celular. Estudo da bioquímica energética celular. Estrutura e função de ácidos nucléicos. Replicação, transcrição e tradução. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. O objetivo geral da disciplina é proporcionar ao aluno conhecimentos teóricos e práticos sobre a organização estrutural e molecular da célula. CARVALHO, Hernandes. F.; RECCO-PIMENTAL, Sirlei Maria. A célula. 2. ed. São Paulo: Manole, DE ROBERTIS, Eduardo M. F. Bases da biologia celular e molecular. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, José. Biologia celular e molecular. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR DE ROBERTIS (Jr), Eduardo M. F. Biologia celular e molecular. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, DI FIORE, Mariano S. H. Atlas de histologia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchôa; CARNEIRO, José. Histologia básica: texto e atlas. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MORISCOT, A. S. et al. Histologia para fisioterapia e outras áreas de reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

3 3-69 SEMESTRAL METODOLOGIA DE PESQUISA SEM SIM - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Fundamentos da metodologia científica. Conhecimento e ciência. Farmácia como ciência. Técnicas de leitura e reprodução de textos: relatório, esquema, fichamento, síntese, resumo e resenha. Redação de textos científicos. Elaboração e apresentação de um projeto de pesquisa. Métodos e técnicas de pesquisa. Tipos de apresentação de trabalhos acadêmicos: relatório de pesquisa, artigo científico, projeto de pesquisa, monografia, dissertação, tese. Tipos de pesquisas. Banco de dados na área da saúde. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Citação bibliográfica. Normas de trabalhos acadêmicos e de publicações científicas. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Aprimorar o espírito científico, orientando-o para a leitura, análise, produção de textos técnicocientíficos, pesquisa, reflexão, objetivos da visão universitária de aquisição do saber, bem como subsidiar os alunos com estudos sintetizados que favoreçam a compreensão da disciplina teórica do ensino e da formação de contextos organizados, intencionalmente, para que ocorra a aprendizagem. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 7. ed. São Paulo, Atlas, SEVERINO, Antônio J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, BIBLIOGRAFIA COMPLR FACHINE, Odília. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, FERNANDES, José. Técnicas de estudo e pesquisa. 7. ed. Goiânia: Kelps, REIS, Linda G. Produção de monografia: da teoria à prática. 2. ed. Brasília: Senac-DF, ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho cientifico: elaboração de trabalhos na graduação. 7. ed. São Paulo: Atlas, OUTRAS BIBLIOGRAFIAS FACULDADE DO NORTE GOIANO. Manual para elaboração e formatação de trabalhos acadêmicos e trabalho de conclusão de curso (TCC). Porangatu, GO: FNG, 2012.

4 4-69 SEMESTRAL LÍNGUA PORTUGUESA SEM SIM - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Linguagem e comunicação verbal. Níveis de linguagem, registros e contexto. Língua oral e escrita. Textos verbais e não verbais. Leitura, interpretação e produção de texto. Fundamentos da textualidade. Argumentação e persuasão. Coesão e coerência. Léxico. Denotação e conotação. Dificuldades da língua portuguesa. Dissertação. O texto dissertativo acadêmico e alguns de seus gêneros: resenha, síntese, resumo e artigos acadêmicos. Estrutura do parágrafo. Frase-núcleo. Delimitação do assunto e fixação do objetivo. Ideias centrais e secundárias. Levantamento e organização de ideias. Plano da dissertação. Vocabulário técnicocientífico da disciplina. O curso de Língua Portuguesa tem como objetivo geral mediar os estudantes no domínio de recursos linguísticos para sua adequação às diversas situações comunicativas a fim de que adquiram a habilidade de ler e produzir textos que circulam no cotidiano da formação superior. ANDRADE, Maria Margarida de; HENRIQUE, Antônio. Língua portuguesa: noções básicas para cursos superiores. 7. ed. São Paulo: Atlas, BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de comunicação escrita. 21. ed. São Paulo: Ática, MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 7. ed. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLR CIPRO NETO, P. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Scipione, GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário de termos médicos, enfermagem e de radiologia. 2. ed. São Paulo: Rideel, KOCK, Ingedore; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Texto e coerência. São Paulo: Cortez, MESQUITA. R. M. Gramática da Língua Portuguesa. 8. ed. São Paulo: Scipione, TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco de. Ortografia: novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa. São Paulo: Atlas, 2008.

5 5-69 SEMESTRAL QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA SEM SIM - CIÊNCIAS EXATAS Ligações químicas. Compostos de coordenação. Propriedades gerais e particulares dos elementos e dos grupos da tabela periódica. Leis das combinações químicas. Estrutura atômica. Classificação periódico e ligações químicas. Estequiometria. Soluções. Normas de segurança. O laboratório de Química. Vidraria, equipamentos e procedimentos. Literatura química. Purificação de substâncias. Determinação de propriedades físicas das substâncias. Cálculos em reações químicas. Preparo de soluções. Acidez e alcalinidade. Reações químicas. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Tratar as teorias e os princípios fundamentais da Química, relacionando-os com o curso de farmácia, habilitando e capacitando os acadêmicos com o vocabulário específico da química. ATKINS, P. W.; JONES, P. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, GONÇALVES, J. C. S. Tabela atômica: um estudo completo da tabela periódica. Curitiba: Atômica, BIBLIOGRAFIA COMPLR BRADY, James E.; HUMISTON, Gerard, E. Química geral. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 01. BRADY, James E.; HUMISTON, Gerard, E. Química geral. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 02. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 01. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 02. LEE, J. D. Química inorgânica não tão concisa. 5. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999.

6 6-69 SEMESTRAL QUÍMICA ORGÂNICA I SEM SIM - CIÊNCIAS EXATAS História da Química Orgânica. Características principais das ligações químicas em moléculas orgânicas. Principais grupos funcionais em Química Orgânica: propriedades. físico-químicas, nomenclatura, isomeria e estereoquímica. Introdução a reações químicas: Controle cinético e termodinâmico; Acidez e basicidade; Reações de substituição nucleofílica e eliminação; Reações de adição eletrofílica. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Proporcionar ao acadêmico de Farmácia fundamentos teóricos básicos de Química Orgânica, através do estudo de propriedades físicas, reatividade, alguns mecanismos de reação das classes de compostos estudadas, fornecendo subsídios necessários para o estudo de assuntos mais específicos e aplicados em outras disciplinas. BARBOSA, Luiz Cláudio de Almeida. Introdução à química orgânica. 2. ed. São Paulo: Pearson, BRUICE, Paula Yurkanis. Química orgânica. 4. ed. São Paulo: Pearson, SARKER, S. D.; NAHAR, L. Química para estudantes de farmácia: química Geral, orgânica e de produtos naturais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ATKINS, P. W.; Jones, P. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, SOLOMONS, T. W.; FRYHLE, C. B. Química Orgânica. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 01. SOLOMONS, T. W.; FRYHLE, C. B. Química Orgânica. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 02. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 01. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 02..

7 7-69 SEMESTRAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS SEM SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Origem e a história da profissão farmacêutica no mundo e Brasil; Estrutura curricular do Curso de Farmácia; Principais áreas de atuação do farmacêutico; Legislação e função social do farmacêutico; Entidades de classes; Experiências de profissionais farmacêuticos de diferentes áreas; Nomenclatura, classificação e definições sobre medicamentos; Noções sobre realidade atual e perspectivas da Farmácia em Goiás e no Brasil; Simbologia da Farmácia e dia dos farmacêuticos; Atenção Farmacêutica no Sistema Único de Saúde; Noções sobre realidade da Farmácia em outros países. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Situar o acadêmico que ingressa no curso de farmácia no contexto da Faculdade do Norte Goiano, do Curso de Farmácia e da profissão Farmacêutica e estabelecer subsídios para compreensão do modelo de saúde vigente no Brasil, visualizando o processo de saúde/doença e seus conceitos, inserido na coletividade e seus movimentos sociais. DADER, M. J. F.; MUÑOZ, P. A.; MARTÍNEZ-MARTÍNEZ, F. Atenção Farmacêutica: conceitos, processos e casos práticos. São Paulo: RCN, PANDIT, Nita K. Introdução às Ciências Farmacêuticas. Porto Alegre: Artmed, SANTOS, J. S. Farmácia Brasileira: utopia e realidade. Brasília: CFF, BIBLIOGRAFIA COMPLR EDLER, Flavio Coelho. Boticas & Pharmacias: uma história ilustrada da farmácia no Brasil. Rio de Janeiro: Casa das Palavras, SANTOS, M. R. C. Profissão Farmacêutica no Brasil: história, ideologia e ensino. Ribeirão Preto: Holos, ZUBIOLI, A. Ética Farmacêutica. São Paulo: Sobravime, 2004.

8 8-69 2º PERÍODO SEMESTRAL MATEMÁTICA APLICADA SEM SIM - CIÊNCIAS EXATAS Funções: Definição, domínio, imagem, gráfico. Função composta e função inversa. Funções especiais: polinômios, logaritmos e exponenciais. Limites: definição, teoremas sobre limites, limites no infinito, limites infinitos, formas indeterminadas. Continuidade de funções. Derivadas. A derivada no ponto. Interpretação geométrica e cinemática. Função derivada. Regras de derivação. Regra da Cadeia. Derivação implícita e Taxas relacionadas. Valores extremos, crescimento e decrescimento de uma função. Problemas de máximos e mínimos. Introdução a Função de várias variáveis e derivadas parciais. Integrais: Integral definida e suas propriedades, Teorema Fundamental do Cálculo e Integral indefinida. Método da substituição e da integração por partes. Aplicações de integral definida. A equação diferencial x (t)=k x(t) e suas aplicações à Biologia e à Química. Desenvolver os conceitos de limite e continuidade para o posterior estudo da derivada de um função e suas diversas aplicações, e com o foco no conceito de integração e suas aplicações, além de trabalhar dois tipos de equações diferenciais que trazem consigo aplicações à Biologia e à Química. GIOVANNI, José Ruy; BONJORNO, José Roberto. Matemática uma nova abordagem: versão progressões. São Paulo: FTD, Vol. 01. MORETTIN, Pedro. A. BUSSAB. W.; HAZZAN, S. Cálculo: funções de uma e várias variáveis. São Paulo: Saraiva, SILVA, Sebastião Medeiros da; SILVA, Ermes Medeiros da. Matemática básica para cursos superiores. São Paulo: Atlas, BIBLIOGRAFIA COMPLR BONARA JÚNIOR, Dorival; NAVARRO, Isabel Cristina de Oliveira. Matemática: complementos e aplicações nas áreas de Ciências Contábeis, Administração e Economia. 4. ed. São Paulo: Ícone, GENTIL, Nelson et al. Matemática para o 2º grau. 11. ed. São Paulo: Ática, Vol. 01. SILVA, Sebastião Medeiros da. Matemática para os cursos de economia, administração e ciências contábeis. 5. ed. São Paulo: Atlas, SPINELLI, Walter; SOUZA, Maria Helena de. Matemática: ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2003.

9 9-69 SEMESTRAL HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução à citologia. Histórico, estrutura e composição da célula. Fisiologia celular. Estudo dos aspectos estruturais em nível microscópico dos diversos tecidos e órgãos. Conceitos e formações embrionárias em geral. Desenvolvimento embrionário. Origem dos vários tecidos e fases da evolução embrionária. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Ao final da disciplina o aluno será capaz de construir o conhecimento básico a cerca da composição os tecidos que constituem o corpo humano, bem como, compreender as suas origens embriológicas. DI FIORE, Mariano S. H. Atlas de histologia. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchôa; CARNEIRO, José. Histologia básica: texto e atlas. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MOORE, Keith L.; PERSUAD, T. V. N. 6. ed. Embriologia básica. Rio de Janeiro: Elsevier, BIBLIOGRAFIA COMPLR LOWE, James N.; STEVENS, Alan. Histologia humana. São Paulo: Manole, MELLO, R. A. Embriologia humana. São Paulo: Atheneu MOORE, Clement C.; PERSAUD, T. V, N. Embriologia clínica. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, SOBOTTA, editado por R. Putz e R. Pabst. Atlas de histologia. 7. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2007.

10 10-69 SEMESTRAL FISIOLOGIA HUMANA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Fisiologia celular. Neurofisiologia, noções gerais sobre estruturas e funções do sistema nervoso, aspecto fisiológico das sensações (sistemas sensoriais, motores e integrativos e os sentidos especiais). O sistema digestório, enzimas, hormônios e absorção. Sistema urinário e suas funções na excreção da urina. Fisiologia do sistema muscular: integração entre sistemas neuromuscular e reflexos. Fisiologia do sistema cardiovascular: Estruturas e funções, variáveis fisiológicas e respostas fisiológicas a diferentes tipos de stress. Fisiologia do sistema respiratório, variáveis respiratórias, estruturas e funções e integração com sistema cardiovascular. Avaliações fisiológicas. Práticas em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Propiciar o aprendizado de conhecimentos atualizados dos mecanismos de funcionamento normal em Fisiologia do organismo humano, ressaltando a importância dos conhecimentos de fisiologia na prática farmacêutica. GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Fundamentos de Guyton: tratado de fisiologia médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, KENDALL, Florence Perterson et al. Músculos, provas e funções: com postura e dor. 5. ed. Barueri, SP: Manole, WILMORE, Jack H.; COSTILL, David L. Fisiologia: do esporte e do exercício. 2. ed. Barueri, SP: Manole, BIBLIOGRAFIA COMPLR DAVIES A., BLAKELEY, A. G. H., KIDD, C. Fisiologia humana. Porto Alegre: Artmed, GUYTON, Arthur C. Tratado de fisiologia médica. 11. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, GUYTON, Arthur C; HALL, John E. Fisiologia humana e mecanismo das doenças. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, HANSEN John T. Atlas de fisiologia humana de Netter. Porto Alegre: Artmed, SPENCE, Alexander P. Anatomia humana básica. São Paulo: Manole, 1991.

11 11-69 SEMESTRAL GENÉTICA BÁSICA E CITOGENÉTICA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE A genética humana. Variação fenotípica e análise de cariótipos. Aspectos gerais de herança. As aberrações cromossômicas e as principais síndromes. Grupos sanguíneos. A evolução humana: biológica e cultural. Raças e espécies. Mendelismo. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Introduzir os conceitos básicos da genética humana, assim como os modernos conceitos de genética molecular, enfatizando a aplicação destas informações na prática farmacêutica. JORDE, Lynn B.; CAREY, John C.; BAMSHAD, Michel J.; WHITE, Raymond L. Genética médica. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, RINGO, John. Genética básica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, CARVALHO, Hernandes. F.; RECCO-PIMENTAL, Sirlei Maria. A célula. 2. ed. São Paulo: Manole, BIBLIOGRAFIA COMPLR GRIFFITHS, J. F. et al. Introdução a genética. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MILLER, Jeffrey H.; GELBART, William M.; SUZUKI, David T. Introdução a genética. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GUYTON, Arthur C; HALL, John E. Fisiologia humana e mecanismo das doenças. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BRASILEIRO FILHO, Gerando. Bogliolo-patologia geral. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

12 12-69 SEMESTRAL BIOQUÍMICA GERAL QUÍMICA ORGÂNICA I SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Noções gerais sobre bioquímica. Proteínas, vitaminas e enzimas. A química dos carboidratos, lipídeos e nucleotídeos. Metabolismo dos carboidratos, glicogênio, lipídeos, aminoácidos e nucleotídeos. Bioquímica do sangue, metabolismo da bilirrubina, equilíbrio ácido básico e hormônios. Estruturas moleculares. Soluções, ph e sua regulação. Difusão e osmose. Bioeletrogênese. Contração muscular. Transporte através de membranas. Biofísica de sistemas. Metodologia de radioisótopos e suas aplicações na biologia. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Identificar a estrutura química e caracterizar os componentes moleculares das células. Entender as principais transformações metabólicas que a célula utiliza para o metabolismo das proteínas, carboidratos e lipídios. Compreender os processos gerais de integração e regulação metabólica celular. SACKHEIM, G.I. Química e bioquímica para ciências biomédicas. Barueri: São Paulo: Manole, TORRES, B. B.; MARZZOCO, A. Bioquímica básica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, VOET, Donald. Bioquímica. Porto Alegre: Artmed-Bookman, BIBLIOGRAFIA COMPLR CHAMPE, Pamela. C. et al. Bioquímica ilustrada. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, DEVLIN, Thomas M. Manual de bioquímica com correlações clínicas. 6. ed. São Paulo: Blücher, HEIN, Morris; ARENA, Susan. Fundamentos de química geral. 9. ed. Rio de Janeiro, LTC, LEHNINGER, A. L.; COX, Michael M. Princípios de bioquímica. 4. ed. São Paulo: Tecmedd, 2006.

13 13-69 FILOSOFIA E ANTROPOLOGIA APLICADAS À SAÚDE SEMESTRAL SEM SIM - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Diferentes concepções de caráter filosófico acerca do ser humano e da sociedade: do lugar do ser humano como cidadão e como profissional da saúde à luz de uma fundamentação de natureza filosófica. Introdução à antropologia: origem, conceitos fundamentais, problemas e temas relevantes. Compreensão do processo evolutivo do homem. Relação entre saúde e conceitos básicos, como etnia, raça, cultura, civilização, etnocentrismo, preconceito, racismo. Discussão de questões ligadas à saúde sob uma perspectiva educativa filo-antropológica: práticas místicas, rituais simbólicos e espirituais relativos ao corpo, à vida, à doença, à dor e à morte. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Ao final da disciplina o aluno será capaz de compreender os principais conceitos da Filosofia e Antropologia, bem como relacionar com área de saúde, promovendo uma reflexão sobre a diferença cultural e o exercício da profissão. ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, MINAYO, M. C. S.; COIMBRA, C. E. A (Orgs.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Fiocruz, BIBLIOGRAFIA COMPLR HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP & A, JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico. São Paulo: Cultrix, ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da educação. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, IANNI, Octávio. A sociedade global. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005

14 14-69 SEMESTRAL QUÍMICA ORGÂNICA II QUÍMICA ORGÂNICA I SIM - CIÊNCIAS EXATAS Aldeídos, cetonas, iminas: Reações de adição nucleofílica à carbonila; Reações envolvendo iminas, enaminas, enóis, enolatos; Derivados carbonilados α,β-insaturados: Adição nucleofílica 1,2 x adição conjugada (1,4); Derivados α e β-dicarbonilados; Ácidos carboxílicos e derivados: Reações de substituição nucleofílica à carbonila. Alcanos e reações radicalares. Olefinas e acetilenos: reações de adição eletrofílica e adição de radicais livres. Introdução à química de hetorocíclicos. Química de aminoácidos, peptídeos e carboidratos. Introdução à Síntese de Fármacos. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Fornecer ao acadêmico os conhecimentos básicos sobre compostos orgânicos, suas nomenclaturas, propriedades e estruturas moleculares, além de correlacionar a química orgânica diretamente com sua aplicabilidade nas ciências farmacêuticas. BARBOSA, Luiz Cláudio de Almeida. Introdução à química orgânica. 2. ed. São Paulo: Pearson, BRUICE, Paula Yurkanis. Química orgânica. 4. ed. São Paulo: Pearson, SARKER, S. D.; NAHAR, L. Química para estudantes de farmácia: química Geral, orgânica e de produtos naturais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ATKINS, P. W.; Jones, P. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, SOLOMONS, T. W.; FRYHLE, C. B. Química Orgânica. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 01. SOLOMONS, T. W.; FRYHLE, C. B. Química Orgânica. 10. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 02. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 01. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 02.

15 º PERÍODO SEMESTRAL PARASITOLOGIA GERAL SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Estudo das principais espécies de protozoários, helmintos e suas inter-relações com o homem e o ambiente. Estudo da morfologia, biologia e profilaxia das principais espécies de artrópodes de importância epidemiológica regional. Principais métodos de diagnóstico laboratorial das doenças parasitárias. Parasitismo e prevenção das doenças parasitárias. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Descrever as características dos parasitas que foram apresentados no tocante a epidemiologia, morfologia, habitat, ciclo biológico, modos de transmissão, patologia causada, maneiras de efetuar o diagnóstico, medidas profiláticas e ter noções sobre procedimentos para tratamento, envolvendo aspectos éticos profissionais. HINRICHSEN, Sylvia L. DIP Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NEVES, David P. et al. Parasitologia humana. 11. ed. São Paulo: Atheneu, REY, Luis. Parasitologia: parasitos e doenças parasitárias do homem nos trópicos ocidentais. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ALMEIDA FILHO, Naomar de; ROUQUAYROL, Maria Zélia. Epidemiologia e saúde. Rio de Janeiro: Medsi, CIMERMAN, Sérgio; CIMERMAN Benjamin. Parasitologia humana e seus fundamentos. 2 ed. São Paulo: Atheneu, FARIA, Helvio J. de. Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Revinter, NEVES, David Pereira; BITTENCOURT NETO, João Batista. Atlas didático de parasitologia. São Paulo: Atheneu, 2008.

16 16-69 SEMESTRAL MICROBIOLOGIA E MICOLOGIA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Conhecimentos básicos de microbiologia e micologia. Principais métodos de coloração. Antibióticos e quimioterápicos. Relação patógeno-hospedeiro. Meios de prevenção das doenças produzidas por bactérias e fungos. Relação entre microrganismos e infecções humanas. Coleta, conservação e transporte de material. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Conhecer os principais grupos de microrganismos bem como as técnicas utilizadas em procedimentos microbiológico e a relevância da interação homem / microrganismos. HINRICHSEN, Sylvia L. DIP Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, JAWETZ, Ernest; LEVINSON, Warren. Microbiologia médica e imunologia. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, MURRAY, Patrick R.; ROSENTHAL, Ken S.; KOBAYASHI, George S. Microbiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR BARBOSA, Heloísa Ramos; TORRES, Bayardo Baptista. Microbiologia básica. São Paulo: Atheneu, BLACK, Jacquelyn G. Microbiologia: fundamentos e perspectivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BURTON. Microbiologia para as ciências da saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MIMS; DOCKRELL; GOERING et al. Microbiologia médica. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

17 17-69 SEMESTRAL INFORMÁTICA APLICADA A SAÚDE SEM SIM - CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Manuseio do microcomputador. Edição de documentos através de software de processamento de textos. Elaboração de estatísticas, planilhas de cálculos e gráficos. Organização, armazenamento e recuperação de informações em arquivos. Prática em laboratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Contribuir para o conhecimento acerca da Tecnologia e informática no curso de farmácia utilizando conceitos e métodos básicos de sistemas de informação em saúde, enfatizando as suas aplicações na formação profissional. CORNACHIONI Jr., Edgar. Informática: aplicada às áreas de contabilidade, administração e economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, RESENDE, Denis Alcides. Planejamento de sistemas de informação e informática: guia prático para planejar a tecnologia da informação integrada ao planejamento estratégico das organizações. São Paulo: Atlas, VELLOSO, Fernando de Castro. Informática: conceitos básicos. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, BIBLIOGRAFIA COMPLR MARÇULA, Marcelo; BENINI FILHO, Pio A. Informática: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Érica, MORAZ, Eduardo; FERRARI, Fabrício Augusto. Crie planilhas profissionais em Excel. São Paulo: Digerati Editorial, SANTOS, Aldemar de Araújo. Informática na empresa. 5. ed. São Paulo: Atlas, SILVA, Mário Gomes da. Informática: terminologia básica, Windows XP e Office. São Paulo: Érica, 2004.

18 18-69 SEMESTRAL FÍSICO-QUÍMICA SEM SIM - CIÊNCIAS EXATAS Gases ideais e reais; Leis da Termodinâmica;Termoquímica; Termodinâmica; Funções de Gibbs e Helmholtz; Termodinâmica de sistemas abertos; Termodinâmica das substâncias puras; Grandezas parciais molares; Solução ideal, estados padrões; Propriedades coligativas; Adsorção; Colóides; Suspensões e soluções de macromoléculas; Eletroquímica; Cinética Química. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Conhecer os principais conceitos físico-químicos de processos e reações químicas, priorizando sistemas químicos da área da saúde. CASTELLAN, Gilbert. Fundamentos de Físico-Química. Rio de Janeiro: LTC, NETZ, Paulo A.; ORTEGA, George González. Fundamentos de Físico-Química: uma abordagem conceitual para as ciências farmacêuticas. Porto Alegre: Artmed, MOORE, Walter J. Físico-Química. São Paulo: Edgard Blücher, BIBLIOGRAFIA COMPLR ATKINS, Peter; PAULA, Júlio de. Físico-Química. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 01. ATKINS, Peter; PAULA, Júlio de. Físico-Química. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 02. ATKINS, Peter; PAULA, Júlio de. Físico-Química. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 03. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert; WALKER, Jeare. Fundamentos de física: gravitação, ondas e termodinâmica 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, Vol. 02.

19 19-69 SEMESTRAL QUÍMICA ORGÂNICA III QUÍMICA ORGÂNICA II SIM - CIÊNCIAS EXATAS Segurança em laboratório químico. Vidraria: uso, manuseio e limpeza. Introdução a técnicas básicas em laboratório de química orgânica. Solubilidade dos compostos orgânicos em solventes diversos. Classificação sistemática em grupos de solubilidade. Cromatografia em camada fina e em papel. Destilação simples e fracionada à pressão normal e reduzida e por arraste de vapor. Ponto de ebulição e de fusão. Extração por partição (líquido-líquido). Agentes dessecantes. Cristalização. Métodos cromatográficos. Preparação e purificação de compostos orgânicos. Reações de caracterização de aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres, amidas, aminas, carboidratos e heterocíclicos aromáticos. Análise qualitativa de compostos orgânicos utilizando métodos químicos e físicos (testes preliminares, propriedades físicas, análise elementar qualitativa, solubilidade, reações de caracterização dos grupos funcionais. Purificação da amostra. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Executar as técnicas e operações básicas de laboratório e aplicá-las em trabalhos experimentais simples, envolvendo análises estequiométricas e equilíbrio químico, selecionando e utilizando corretamente o equipamento necessário, e preparar soluções e realizar dosagens mais comuns. CONSTANTINO, Maurício Gomes; SILVA, Gil Valdo Jose da Silva; DONATE, Paulo Marcos. Fundamentos de química experimental. São Paulo: EDUSP, TRINDADE, Diamantino Fernandes. Química Básica Experimental. 5. ed. São Paulo: Ícone, SARKER, S. D.; NAHAR, L. Química para estudantes de farmácia: química Geral, orgânica e de produtos naturais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009 BIBLIOGRAFIA COMPLR ATKINS, P. W.; Jones, P. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, BARBOSA, Luiz Cláudio de Almeida. Introdução à química orgânica. 2. ed. São Paulo: Pearson, BRUICE, Paula Yurkanis. Química orgânica. 4. ed. São Paulo: Pearson, 2006.

20 20-69 SEMESTRAL FARMACODINÂMICA FISIOLOGIA HUMANA SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Farmacodinâmica: princípios gerais; Mecanismos de ação dos Fármacos; Receptores e seu papel farmacológico; Receptores de reserva; Sitio de ação farmacológica; Agonista: total e parcial; Antagonistas: reversíveis, irreversíveis, competitivos, alostéricos, químicos, farmacológicos e fisiológicos; Principais alvos para ação dos fármacos: canais iônicos, receptores, enzimas e proteínas estruturais; Intensidade dos efeitos farmacológicos; Eficácia farmacológica; Mecanismos de transdução de sinais, afinidade, atividade intrínseca, eficácia e potência. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Desenvolver no acadêmico o raciocínio a partir de fundamentos fisiológicos e fisiopatológicos para melhor compreender o mecanismo de ação, efeitos, indicações, contraindicações e reações adversas dos principais fármacos utilizados no tratamento, profilaxia e diagnóstico, proporcionando uma base científica segura para orientar na seleção e uso de medicamentos a serem abordados nos próximos períodos. KATZUNG, Bertram G. Farmacologia básica e clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RANG, H. P.; MOORE, P. K.; RITTER, J. M. Farmacologia. Rio de Janeiro: Elsevier, SPRINGHOUSE CORPORATION. Farmacologia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ASPERHEIM, Mary K. Farmacologia para enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, AME Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem 10 anos: 2009/2010. RJ: EPUB, Edição Auro. GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário de termos médicos, enfermagem e de radiologia. 2. ed. São Paulo: Rideel, LIMA, Ana Beatriz D. de. Interações medicamentosas. São Paulo: Senac, WOLKOFF, Alexandre. Dicionário ilustrado de termos médicos e saúde. São Paulo: Ridel, 2005.

21 21-69 SEMESTRAL FARMACOCINÉTICA FISIOLOGIA HUMANA SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Farmacocinética: revisão geral de conceitos; Definição de biodisponibilidade, farmacocinética e importância da sua avaliação; Cinéticas de ordem zero e de ordem um: características; Administração intravenosa rápida; Parâmetros de distribuição; Parâmetros de eliminação: constante de velocidade, tempo de semi-vida, depuração (clearance); Área sob a curva; Perfusão: concentração no equilíbrio; Noção de compartimento: modelos de um e de dois compartimentos; Administração extravascular única: velocidade de absorção; Absorção: tipos, condicionantes, efeito nos parâmetros farmacocinéticos; Distribuição: ligação a componentes de tecidos e órgãos; efeito nos parâmetros farmacocinéticos; Metabolização: efeitos de primeira passagem; Eliminação: renal, hepática, intestinal, pulmonar; Doses múltiplas; Posologia e efeito de acumulação: dose de ação imediata e dose de manutenção; Alteração de parâmetros farmacocinéticos: peso, fluxo sanguíneo, esvaziamento gástrico, temperatura; ligação às proteínas; Correção de posologias: insuficiência renal e hepática. Vocabulário técnico-científico da disciplina. A disciplina permite o(a) acadêmico(a) faça uma avaliação ampla em farmacologia clínica, bem como à compreensão das vias de administração dos fármacos, sua absorção, distribuição biotransformação e eliminação do organismo. KATZUNG, Bertram G. Farmacologia básica e clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RANG, H. P.; MOORE, P. K.; RITTER, J. M. Farmacologia. Rio de Janeiro: Elsevier, SPRINGHOUSE CORPORATION. Farmacologia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ASPERHEIM, Mary K. Farmacologia para enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, AME Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem 10 anos: 2009/2010. RJ: EPUB, Edição Auro. GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário de termos médicos, enfermagem e de radiologia. 2. ed. São Paulo: Rideel, LIMA, Ana Beatriz D. de. Interações medicamentosas. São Paulo: Senac, WOLKOFF, Alexandre. Dicionário ilustrado de termos médicos e saúde. São Paulo: Ridel, 2005.

22 º PERÍODO SEMESTRAL FARMACOVIGILÂNCIA E FARMACOEPIDEMIOLOGIA SEM SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Conceitos gerais de farmacovigilância e farmacoepidemiologia; A situação do Brasil na vigilância de medicamentos; Registros de medicamentos; Etapas no desenvolvimento de novos fármacos; Produtos controlados e seus limites máximos de resíduos LMR; Áreas da farmacovigilância e farmacoepidemiologia; Panorama da farmacovigilância mundial e nacional; Fundamentos epidemiológicos para estudo dos determinantes do processo saúde e doença; Epidemiologia descritiva. Estrutura epidemiológica; Vigilância epidemiológica; Metodologia e investigação epidemiológica; Dinâmica da população; Diagnóstico de Saúde da comunidade; Compreensão dos papeis do profissional da área da saúde na vigilância de medicamentos e das entidades nacionais e internacionais que controlam o desenvolvimento e a utilização de fármacos; Farmacovigilância e uso racional de medicamentos; Bases legais da farmacovigilância e farmacoepidemiologia. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Desenvolver no acadêmico de farmácia senso crítico na identificação, validação, quantificação, avaliação e minimização de efeitos adversos nos medicamentos e produtos de saúde visando promover a sua segurança e avaliando a respectiva relação benefício-risco. MASTROIANNI, Patrícia; VARALLO, Fabiana Rossi. Farmacovigilância para promoção do uso correto de medicamentos. Porto Alegre: Artmed, YANG, Yi; WEST-STRUM, Donna. Compreendendo a farmacoepidemiologia (Lange). Porto Alegre: McGraw-Hill, CORRER, Cassyano J.; OTUKI, Michel F. A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, BIBLIOGRAFIA COMPLR COSTA, Edina Alves. Vigilância sanitária: proteção e defesa da saúde. São Paulo: Sobravime, FRANCO, Joel Laércio; PASSOS, Afonso Dinis Costa (Orgs.). Fundamentos de epidemiologia. Barueri, SP: Manole, MEDRONHO, Roberto A. et al. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, PASSOS, Afonso D. C., FRANCO, Laércio J. Fundamentos de epidemiologia. São Paulo: Manole, 2011.

23 23-69 SEMESTRAL IMUNOLOGIA E VIROLOGIA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução à imunologia e virologia. Sistema imunológico. Mecanismos imunológicos. Prevenção e tratamento das doenças. Modalidade de imunoproteção. Noções gerais a respeito das reações sobre antigino-anticorpo in vitro. Propriedades gerais dos vírus, o mecanismo de patogênese viral, a resposta do hospedeiro as infecções virais, o diagnóstico laboratorial das doenças virais, o papel dos vírus nas doenças e sua transmissão ao homem, os vírus não convencionais (Príons). Vocabulário técnico-científico da disciplina. Possibilitar aos alunos a compreensão dos princípios básicos do funcionamento do sistema imunológico humano, propiciando, desta forma, o entendimento dos mecanismos envolvidos nas reações imunológicas in vivo e in vitro, e fornecer aos discentes os conhecimentos teórico e prático sobre as propriedades gerais dos vírus, as principais formas incluindo vírus não convencionais, mecanismo de replicação, transmissão, epidemiologia, patogênese bem como os principais métodos de diagnóstico em virologia, tratamento e prevenção. ABBAS, Abul K.; LICHTMAN, Andrew H. Imunologia celular e molecular. Rio de Janeiro: Elsevier, BIER, Otto G.; SILVA, Wilmar D.; MOTA, Ivan. Imunologia básica e aplicada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, SANTOS, N.S.O.; ROMANOS, M.T.V. Introdução à virologia humana. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR JAWETZ, Ernest; LEVINSON, Warren. Microbiologia médica e imunologia. 7. ed. Porto Alegre: Artmed, BALESTIERI, Filomena Maria P. Imunologia. São Paulo: Manole, CARVALHO, Hernandes. F.; RECCO-PIMENTAL, Sirlei Maria. A célula. 2. ed. São Paulo: Manole, GUYTON, Arthur C; HALL, John E. Fisiologia humana e mecanismo das doenças. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, ROITT, Ivan M.; DELVES, Peter J. Fundamentos de imunologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.

24 24-69 SEMESTRAL FARMACOBOTÂNICA QUÍMICA ORGÂNICA III SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Conceitos de taxonomia vegetal e sistemas de classificação; Célula Vegetal (Parede celular, Plastídios, Vacúolo - Inclusões citoplasmáticas e histoquímica vegetal: Carboidratos. Lipídios e óleos essenciais. Lignina. Taninos); Histologia Vegetal (Meristemas. Sistema de revestimento: Epiderme e Periderme; Sistema fundamental: Parênquima, Colênquima e Esclerênquima. Estruturas secretoras encontradas nos sistemas de revestimento e fundamental. Sistema Vascular: xilema e floema). Anatomia dos órgãos vegetativos (Raiz e Caule: estrutura primária e secundária. Folha). Drogas de uso corrente na indústria farmacêutica e pela população. Falsificações e substituições de drogas oficiais. Conhecimento científico e identificação correta das plantas medicinais; influência de fatores abióticos e bióticos na produção do princípio ativo; manejo das plantas medicinais (plantio, ambulação, colheita, secagem), utilização de plantas medicinais na região do Estado de Goiás abrangendo toda a região Norte. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Possibilitar o conhecimento acerca dos tipos celulares, dos tecidos e órgãos que compõem os vegetais, correlacionando estrutura e função, bem como fornecer subsídios para que o aluno aplique tais conceitos no estudo farmacognóstico, visando o controle de qualidade de matériasprimas, bem como de fitoterápicos industrializados. OLIVEIRA, Fernando de; AKISUE, Gokithi. Fundamentos de Farmacobotânica. 2. ed., São Paulo: Atheneu, OLIVEIRA, Fernando de; AKISUE, Gokithi. Fundamentos de farmacobotânica e de morfologia vegetal. 3. ed. São Paulo: Atheneu, SALISBURY, Frank B.; ROSS, Cleon W. Fisiologia das plantas. São Paulo: Cengage Learning, BIBLIOGRAFIA COMPLR CUTLER, David F.; BOTHA, Ted; STEVENSON, Dennis W. M. Anatomia vegetal: uma abordagem aplicada. Porto Alegre: Artmed, ESAU, K. Anatomia das plantas com sementes. São Paulo: Edgard Blücher, RAVEN, P. H.; EVERT, R. E.; EICHORN, S. E. Biologia Vegetal. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

25 25-69 SEMESTRAL QUÍMICA ANALÍTICA I QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA QUÍMICA ORGÂNICA III SIM - CIÊNCIAS EXATAS Introdução a Química Analítica; Análise Qualitativa: separação e análise de cátions e ânions; Análise Quantitativa: preparação de amostras, análises gravimétricas, análises volumétricas (volumetrias de neutralização, precipitação, óxido-redução e complexação); Saúde Coletiva vinculada à análises de medicamentos e métodos analíticos. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Apresentar ao aluno métodos e técnicas fundamentais teóricas e práticas da análise química qualitativa e quantitativa, com o foco no desenvolvimento do raciocínio analítico de forma a capacitar o aluno para a prática de análises químicas e resultados analíticos de laboratório. HARRIS, Daniel C. Análise química quantitativa. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, VOGEL, Arthur I. Análise química quantitativa. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, SKOOG, Douglas A.; WEST, Donald M.; HOLLER, F. James; CROUCH, Stanley R. Fundamentos de química analítica. São Paulo: Thomson, Cengage Learning, BIBLIOGRAFIA COMPLR ATKINS, P. W.; Jones, P. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. Porto Alegre: Bookman, BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. E.; BURSTEN, Bruce E. Química: a ciência central. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, BRUICE, Paula Yurkanis. Química orgânica. 4. ed. São Paulo: Pearson, SARKER, S. D.; NAHAR, L. Química para estudantes de farmácia: química Geral, orgânica e de produtos naturais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 01. USBERCO, J.; SALVADOR, E. Química. 11. ed. São Paulo: Saraiva, Vol. 02.

26 26-69 SEMESTRAL BIOESTATÍSTICA SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Estudo dos conceitos estatísticos básicos; coeficientes e indicadores de saúde; coleta e análise descritiva de dados. Amostragem. Qualidade de testes diagnósticos. Introdução à probabilidade. Construção de faixas de referência. Interpretação de resultados, leitura e utilização das técnicas apresentadas na graduação em farmácia. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Disponibilizar aos acadêmicos os conhecimentos estatísticos básicos que proporcionem meios de compreensão e resolução de problemas relacionados com a Estatística em outras disciplinas do curso como também aplicar esses conhecimentos no desenvolvimento de atividades profissionais onde se faça necessário. CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed, VIEIRA, Sonia. Introdução à bioestatísica. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, TRIOLA, M. F. Introdução à estatística. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, BIBLIOGRAFIA COMPLR CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. 18. ed. São Paulo: Saraiva, DOWNING, Douglas. Estatística aplicada. São Paulo: Saraiva, NAZARETH, Helenalda. Curso básico de estatística. 12. ed. São Paulo: Ática, VIEIRA, Sonia. Elementos de estatística. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

27 27-69 SEMESTRAL PSICOLOGIA APLICADA À SAÚDE SEM SIM - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Identificação dos aspectos psicológicos, afetivos e cognitivos relacionados ao graduando em farmácia e ao paciente no cuidado da saúde, da doença, da dor e da morte. Observação dos aspectos psiquicodinâmicos determinantes do relacionamento do farmacêutico com o paciente, com a família do paciente e com a equipe interdisciplinar de saúde, nos vários contextos de cuidados (domiciliar, ambulatorial, hospitalar) das organopatologias e psicopatologias. Caracterização dos aspectos psicológicos condicionantes de um atendimento humanizado ao paciente e sua família. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Ao final da disciplina pretende-se que o acadêmico de farmácia, reconheça a importância da psicologia para a otimização da atuação profissional, conheça recursos da área da psicologia úteis para a atuação do profissional da saúde e saiba quando utilizá-los, reconheça situações em que é necessário o encaminhamento para o psicólogo, desenvolva o senso crítico com relação a questões relevantes da área e aprimore a capacidade de trabalho em equipe, com vistas ao trabalho interdisciplinar. ANTHIKAD, Jacob. Psicologia para enfermagem. São Paulo: Reichmann e Autores e Editores, MYERS, David G. Psicologia. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, STRAUB, Richard O. Psicologia da Saúde. Porto Alegre: Artmed, BIBLIOGRAFIA COMPLR BAPTISTA, Makilim Nunes; DIAS, R. R. Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e casos clínicos. São Paulo: Guanabara Koogan, BOCK, Ana Mercês B. et al. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, CARPIGIANI, Berenice. Psicologia: das raízes aos movimentos contemporâneos. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, FIGUEIREDO, Luís Claudio Mendonça. Psicologia, uma (nova) introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2006.

28 28-69 SEMESTRAL PARASITOLOGIA CLÍNICA PARASITOLOGIA GERAL SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Estudo dos principais métodos laboratoriais para isolamento e identificação de protozoários e helmintos: colheita, preparo, conservação e análise de amostras biológicas; Preparo de reativos e corantes; Métodos específicos que permitam o diagnóstico laboratorial de protozoários intestinais, teciduais e sanguíneos e de helmintos; Coprológico funcional; Vocabulário técnico-científico da disciplina. Compreender a metodologia de identificação dos parasitas de interesse médico, manipular corretamente as amostras biológicas, executar as técnicas de identificação e expressar os resultados obtidos com segurança necessária e indispensável ao profissional da saúde. CARLI, Geraldo Attilio de. Parasitologia clínica. 2 ed. São Paulo: Atheneu, NEVES, David Pereira; BITTENCOURT NETO, João Batista. Atlas didático de parasitologia. São Paulo: Atheneu, REY, Luis. Parasitologia: parasitos e doenças parasitárias do homem nos trópicos ocidentais. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR CIMERMAN, Sérgio; CIMERMAN Benjamin. Parasitologia humana e seus fundamentos. 2 ed. São Paulo: Atheneu, FARIA, Helvio J. de. Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Revinter, NEVES, David Pereira; BITTENCOURT NETO, João Batista. Atlas didático de parasitologia. São Paulo: Atheneu,

29 º PERÍODO SEMESTRAL FARMACOLOGIA GERAL FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA SIM - CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Aspectos farmacocinéticos, do mecanismo de ação, dos efeitos farmacológicos, da toxicidade, dos usos clínicos e das interações medicamentosas dos grupos farmacológicos relacionados à Farmacologia Neuroendócrina (SNA; SNC: anorexígenos, psicoestimulantes, antipsicóticos, antidepressivos, ansiolíticos, hipnóticos). Anticonvulsivantes; farmacologia da dor e opiáceos; farmacologia da enxaqueca; farmacologia dos anestésicos locais; farmacologia endócrina; farmacologia da inflamação, farmacologia do sistema digestivo, farmacologia do aparelho respiratório. Vocabulário técnico-científico da disciplina. Compreender os princípios gerais que regem as ações do organismo sobre as drogas e as ações das drogas sobre o organismo, fornecendo subsídios para a boa prática profissional. KATZUNG, Bertram G. Farmacologia básica e clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RANG, H. P.; MOORE, P. K.; RITTER, J. M. Farmacologia. Rio de Janeiro: Elsevier, SPRINGHOUSE CORPORATION. Farmacologia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, BIBLIOGRAFIA COMPLR ASPERHEIM, Mary K. Farmacologia para enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, AME Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem 10 anos: 2009/2010. RJ: EPUB, Edição Auro. GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário de termos médicos, enfermagem e de radiologia. 2. ed. São Paulo: Rideel, LIMA, Ana Beatriz D. de. Interações medicamentosas. São Paulo: Senac, WOLKOFF, Alexandre. Dicionário ilustrado de termos médicos e saúde. São Paulo: Ridel, 2005.

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

PLANO DE DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1-64 PLANO DE S DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA I 40 40 80 4 SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução, conceito, posições e divisão da anatomia. Estudo dos aspectos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa

PLANO DE ENSINO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Farmácia Professora: Liamara Basso Dala Costa Email: liamara@uniarp.edu.br Período/ Fase: 1ª Fase Semestre:

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

Objetivos das Disciplinas Curso de Química

Objetivos das Disciplinas Curso de Química Objetivos das Disciplinas Curso de Química ANÁLISE INSTRUMENTAL Ementa: Introdução aos métodos eletroquímicos. Potenciometria; Condutometria; Voltametria; Espectrofotometria UV- VIS; Espectrometrias de

Leia mais

CURSO: MEDICINA. INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I. Carga Horária Prática 55

CURSO: MEDICINA. INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I. Carga Horária Prática 55 Turno: INTEGRAL Currículo 2009 CURSO: MEDICINA INFORMAÇÕES BÁSICAS Unidade curricular Bases Biológicas da Prática Médica I Departamento CCO Período 1 Teórica 125 Carga Horária Prática 55 Total 180 Código

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cod. Disciplina P.R Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de boticários na Universidade de Coimbra. 1772: Reforma da

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Núcleo Temático: Disciplina:

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009

QUADRO DE EQUIVALÊNCIA, SUBSTITUTAS E CONTIDAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CCV 1º PERÍODO CURRÍCULO 2009 QUADRO D QUIVALÊNIA, SUBSTITUTAS ONTIDAS FAULDAD D NFRMAGM V 1º PRÍODO URRÍULO 2009 DISIPLINA A DISIPLINA B ódigo Disciplina /H urso Disciplina H ódigo urso 01264 Anatomia 51T 17P nfermagem Anatomia 51T

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 - DOU de 24/10/11 PLANO DE CURSO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 - DOU de 24/10/11 PLANO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21/10/11 - DOU de 24/10/11 Componente Curricular: Citologia e Histologia Código: Pré-requisito: ---- Período

Leia mais

BIOESTATÍSTICA Ementa: Desenvolvimento do aprendizado de estatística descritiva, análise dos dados, probabilidade, amostragem, testes estatísticos.

BIOESTATÍSTICA Ementa: Desenvolvimento do aprendizado de estatística descritiva, análise dos dados, probabilidade, amostragem, testes estatísticos. 1º SEMESTRE ANATOMIA I Construção geral do corpo. Anatomia ósteo-articular. Miologia. Sistema Cardiovascular. Sistema respiratório, digestivo e urogenital. Neuroanatomia. Anatomia Radiológica. CITOLOGIA

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA ANATOMIA HUMANA GERAL 1º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Não há Pré-Requisitos 2. EMENTA: Conceito de Anatomia com as diversas formas de seu estudo. Conceito de normal,

Leia mais

Centro de Educação Integrada

Centro de Educação Integrada Centro de Educação Integrada 1º ANO BIOLOGIA Origem da vida Citologia Teoria da geração espontânea e biogênese. Teoria de Oparin e Haldane. Panspermia. Criacionismo. Os primeiros seres vivos. Água. Sais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital-SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

EMENTÁRIO E REFERÊNCIAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1º PERÍODO

EMENTÁRIO E REFERÊNCIAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1º PERÍODO EMENTÁRIO E REFERÊNCIAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA I Estuda a organização estrutural do corpo humano considerando-o do ponto de vista da morfologia

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14

Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14 Departamento de Ciências Experimentais Grupo de recrutamento 520 - Biologia e Geologia Planificação anual de Ciências Naturais 9º Ano de escolaridade 2013 / 14 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ODO-015 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras:

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras: Escola Secundária de Valongo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia As Professoras: Cláudia Rocha Fátima Garcia Tema Organizador: Viver Melhor na Terra 1º PERÍODO

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado)

Exame de Seleção para o Programa de Pós-Graduação em Química (Mestrado) PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Universidade Federal de Juiz de Fora Campus Universitário, Martelos, CEP 36036-900 Juiz de Fora, MG Tel/Fax: (32) 2102 3310 http://www.ufjf.edu.br/pgquimica Exame de Seleção para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE BIOMEDICINA Introdução à Biomedicina Apresentação ao aluno das diversas áreas de atuação do profissional Biomédico analisando a estrutura curricular oferecida

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1 Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 9º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: Monografia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

- Compreender a formação do universo em se tratando da evolução do homem como um todo. - análise de texto - Leitura; - Texto descritivo.

- Compreender a formação do universo em se tratando da evolução do homem como um todo. - análise de texto - Leitura; - Texto descritivo. Plano de ação- 2015 - trimestral Colégio Estadual Mahatma Gandhi Ensino Fundamental Ciências 8º A, 8ºB, 8C Professora: Josiane Maria Guerra Conteúdo específico Objetivos Encaminhamentos metodológicos e

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma:

IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS. Aluno(a): Turma: IESA-ESTUDO DIRIGIDO 1º SEMESTRE 8º ANO - MANHÃ E TARDE- DISCIPLINA: CIÊNCIAS PROFESSORAS: CELIDE E IGNÊS Aluno(a): Turma: Querido (a) aluno (a), Este estudo dirigido foi realizado para que você revise

Leia mais

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Produção I Administração de Recursos Humanos I Administração de Recursos Materiais Administração de Sistemas de Informação Administração Financeira e Orçamentária

Leia mais

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11. Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica Código: CTB-190 Pré-requisito: ----------

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM Atividades Complementares Compreende atividades extracurriculares desenvolvidas conforme opção do aluno, correlacionadas com os objetivos gerais

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1) e Elisangela

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, saúde e segurança. Habilitação Profissional: sem habilitação

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

PORTUGUÊS BIOLOGIA FÍSICA QUÍMICA SEGUNDO SIMULADO - EM CONTEÚDOS PRIMEIRO ANO

PORTUGUÊS BIOLOGIA FÍSICA QUÍMICA SEGUNDO SIMULADO - EM CONTEÚDOS PRIMEIRO ANO SEGUNDO SIMULADO - EM CONTEÚDOS PORTUGUÊS PRIMEIRO ANO Programa da 1ª série: Interpretação de texto Linguagem figurada Trovadorismo Humanismo "Auto da barca do inferno" BIOLOGIA Características gerais

Leia mais

Análise dos Vestibulares

Análise dos Vestibulares Análise dos Vestibulares

Leia mais

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente

1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS. Eu um ser no ambiente 1º ANO MATRIZ CURRICULAR DE CIÊNCIAS NATURAIS Eu um ser no ambiente Higiene Corporal Os cinco sentidos Corpo humano Perceber a importância do cuidado com o corpo, da vacinação e da prevenção de acidentes.

Leia mais

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO

Titulação: Mestre em Química com área de concentração em Química Analítica UESB PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Controle de Qualidade de Água Código: FAR 207 Pré-requisito: - Nenhum Período Letivo: 2014.1 Professor:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica.

a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: História do Pensamento Econômico/História Econômica. Campus Governador Valadares Concurso 106: Departamento de Economia Proc. nº 23071.009825/2013-25 Vaga(s): 01(uma) Classe A: Professor Assistente A a) ÁREA DE CONHECIMENTO BÁSICO: Econometria. DAS PROVAS:

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM CH TOTAL TEÓRICA: 45 OBJETIVOS

FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM CH TOTAL TEÓRICA: 45 OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Biofísica CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: ICBIM PERÍODO: 1º OBRIGATÓRIA:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROEN Curso Tutoria de nivelamento em Biologia Campus Centro Carga horária: 30h Tutor: Karoline Marques Cabral (e-mail: karol.m.cabral@gmail.com) Orientadores: Profª Kyria Cilene de Andrade Bortoleti (e-mail:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

Rua 06, Nº 21, Esq com Rua 01, Setor Leste Porangatu, Goiás CEP: 76550-000

Rua 06, Nº 21, Esq com Rua 01, Setor Leste Porangatu, Goiás CEP: 76550-000 1-78 PLANO DE S DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA I 40 40 80 4 SEM SIM - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Introdução ao estudo da anatomia: conceito, nomenclatura, posições e eixos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR EDITAL 162/2013 Curso Sem. Disciplina Perfil do Docente Administração 1º Teoria Geral da Administração Administração 1º Empreendedorismo Administração 1º Sociologia das Organizações

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

1. Saúde individual e comunitária. 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população. 1.2. Medidas de ação para promoção de saúde.

1. Saúde individual e comunitária. 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população. 1.2. Medidas de ação para promoção de saúde. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO ANO LETIVO 2014/2015 AULAS PREVISTAS TEMA ORGANIZADOR CONTEÚDOS CONCETUAIS (45 MINUTOS) A B VIVER MELHOR NA TERRA 1. Saúde individual e comunitária.

Leia mais

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE CURSO DE PEDAGOGIA Gestão Escolar e Organização do Trabalho Pedagógico I 23.09.13 19horas Fundamentos da Língua Portuguesa: Leitura e Produção de 23.09.13 21horas Textos Psicologia da Educação I 24.09.13

Leia mais

CIENCIAS MOLECULARES E CELULARES

CIENCIAS MOLECULARES E CELULARES CIENCIAS MOLECULARES E CELULARES Profa. Ms Solange A O Neves Curso: Enfermagem 1 Apresentação do docente Professora Ms Solange Aparecida de Oliveira Neves 2 Curso: Enfermagem Disciplina: Ciências Moleculares

Leia mais

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão.

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão. Código Disciplina CH CR Nat Ementa BIQ808 BIOQUÍMICA CELULAR (DOMÍNIO CONEXO) BIQ826 TÓPICOS DE BIOQUÍMICA AVANÇADA EFI804 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FAE914 DIDÁTICA ENSINO SUPERIOR FAR815 IMUNOFARMACOLOGIA

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

Agente Comunitário em Saúde

Agente Comunitário em Saúde Agente Comunitário em Saúde Introdução a Informática Ações de Promoção do ambiente saudável A sociedade em que vivemos Construção de Redes Comunitárias e Promoção à Saúde Introdução à Profissão de Agente

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde

Semestre: 1 Quantidade de Módulos:9 Unidade de Ensino:Núcleo de Saúde 212 Módulo: 9º período e Mês Início do Módulo:216/1 Numero da Página: 1 Impresso em:14/12/215 16:4:29 da Disciplina Variação TEO PRA LAB TEO PRA LAB Quantidade de Disciplinas neste Módulo: Total CH H/A:

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR

PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR PLANO DE CARREIRA DA FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL PROGRAMAS DAS PROVAS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR CARGO: FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA I PROVAS COMUNS ÀS FUNÇÕES DE FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA E FISCAL DE SAÚDE PÚBLICA/FARMACÊUTICO.

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA

Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA Curso de Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO DE BIOLOGIA E QUÍMICA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Metodologia do Ensino de Biologia

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha

Fundação Oswaldo Aranha MÓDULO I: OS SENTIDOS, O MOVIMENTO E A PERCEPÇÃO. EMENTA: Fecundação e formação do ovo humano. Desenvolvimento do embrião até formação do disco trilaminar. Formação e síntese de DNA. Osteologia, miologia,

Leia mais

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 MATEMÁTICA APLICADA 25/05 14h00 às 15h40 ANATOMIA HUMANA 26/05 14h00 às 15h40 QUÍMICA GERAL & FÍSICO-QUÍMICA 27/05 14h00 às 15h40 Até dia 10/06 BIOMEDICINA, ÉTICA &LEGISLAÇÃO

Leia mais

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio:

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 P R O G R A M A D E E N S I N O

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

CRONOGRAMA E COONTEÚDO DA SELEÇÃO PARA O PROMIC

CRONOGRAMA E COONTEÚDO DA SELEÇÃO PARA O PROMIC CRONOGRAMA E COONTEÚDO DA SELEÇÃO PARA O PROMIC 23 1. Monitoria CURSO DISCIPLINA CONTEÚDO Administração Matemática financeira (bolsista) 1. Descontos racional e comercial em juros simples 2. Equivalência

Leia mais

ANO LETIVO 2014 / 2015

ANO LETIVO 2014 / 2015 ANO LETIVO 2014 / 2015 INTRODUÇÃO Os conteúdos exigidos nas provas de acesso aos cursos ministrados no Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) estão contemplados nos programas oficiais

Leia mais

Professor: M.Sc. Jarbas Rodrigues dos Santos o.com.br PLANO DE CURSO. à Farmácia. O aluno que cursar essa componente deverá estar apto há:

Professor: M.Sc. Jarbas Rodrigues dos Santos o.com.br PLANO DE CURSO. à Farmácia. O aluno que cursar essa componente deverá estar apto há: CURSO DE FARMÁCIA Autorizado plea Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Controle de Qualidade de Água Código: FAR 207 Pré-requisito: - Nenhum Período

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

1. INSCRIÇÃO: de 14 de SETEMBRO até 16 de OUTUBRO de 2015, das 9 às 11:30 horas e das 13 às 16horas.

1. INSCRIÇÃO: de 14 de SETEMBRO até 16 de OUTUBRO de 2015, das 9 às 11:30 horas e das 13 às 16horas. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Rodovia BR-465, Km 7, Pavilhão de Química, sala 49 23897-000 - Seropédica RJ Brasil http://www.ice.ufrrj.br/posgrad cpqo@ufrrj.br

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : MEDICINA VETERINÁRIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 249 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:10:25 Curso : MEDICINA

Leia mais

CARGA CURSO DISCIPLINA

CARGA CURSO DISCIPLINA CARGA CURSO DISCIPLINA HORARIA Administração AD ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS II 40 AD CONTABILIDADE E CUSTOS II 40 AD CONTABILIDADE GERENCIAL 40 AD ECONOMIA INDUSTRIAL 40 AD ESTATÍSTICA

Leia mais

FACULDADES INTA CURSOS DE GRADUAÇÃO EQUIVALÊNCIAS INTERCURSOS

FACULDADES INTA CURSOS DE GRADUAÇÃO EQUIVALÊNCIAS INTERCURSOS 1 FACULDADES INTA CURSOS DE GRADUAÇÃO EQUIVALÊNCIAS INTERCURSOS 2 CURSO DISCIPLINA SEM. H/A EQUIVALÊNCIAS TODOS. Antropologia Teológica. - 30h Equivalência para todos os Cursos. TODOS. Português Instrumental.

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2013 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

Planificação da disciplina de Ciências Naturais

Planificação da disciplina de Ciências Naturais ANO LETIVO 2013/2014 Departamento Curricular: Ciências Experimentais Grupo Disciplinar: Biologia e Geologia 9º Ano Planificação da disciplina de Ciências Naturais 1º Conteúdos / Unidades Didáticas 1.Saúde

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA DOCENTE DA FEBAC EDITAL DG Nº 020/2012

PROCESSO SELETIVO PARA DOCENTE DA FEBAC EDITAL DG Nº 020/2012 PROCESSO SELETIVO PARA DOCENTE DA FEBAC EDITAL DG Nº 020/2012 A Faculdade de Educação de Bacabal FEBAC, por meio de sua Comissão Permanente do Processo Seletivo de Docentes, torna público que, entre os

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: HISTOLOGIA DOS ÓRGÃOS GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 SEMESTRE: 2 ANO: 2011 MATRIZ

Leia mais

NORMA COMPLEMENTAR DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2010 Curso Superior em Tecnologia em Biotecnologia e Bacharelado em Ciências Biológicas

NORMA COMPLEMENTAR DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2010 Curso Superior em Tecnologia em Biotecnologia e Bacharelado em Ciências Biológicas NORMA COMPLEMENTAR DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2010 Curso Superior em Tecnologia em Biotecnologia e Bacharelado em Ciências Biológicas 1. CURSOS E VAGAS OFERECIDAS Cursos de Graduação da UEZO,

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais