Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional. Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS"

Transcrição

1 Implementação do Processo de Bolonha a nível nacional Grupos por Área de Conhecimento CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Coordenador: Prof. Doutora Maria Irene Silveira Dezembro de 2004

2 PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO SOBRE A FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Coordenadora Nacional Maria Irene Oliveira Costa Bettencourt Noronha da Silveira Professora Catedrática da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra 2/33

3 Índice 1 1. Introdução 2 2. Aspectos Normativos 3 3. Competências versus Formação 7 4. Aspectos Demográficos, Socioculturais, Tecnológicos e Económicos versus Formação Aspectos Globais Recursos, Capacidades e Competências Centrais Formação versus Acreditação Mobilidade Conclusões Agradecimentos 30 1/33

4 1. Introdução O Processo de Bolonha, tendo na sua essência uma filosofia de comparabilidade que facilite a mobilidade e estimule a competitividade naquele que se pretende vir a ser o espaço europeu de ensino superior, conduziu a uma salutar e participada reflexão sobre o sistema de ensino superior português. Naquilo que concerne o ensino das Ciências Farmacêuticas, e, muito em particular, até que ponto o seu actual formato se deverá ou poderá ajustar à aplicação dos princípios enunciados pela Declaração de Bolonha, matéria em apreço neste relatório, procuraremos fornecer dados factuais que permitam consubstanciar as argumentações aqui defendidas e que propõem um modelo caracterizado por um primeiro ciclo conducente a uma formação capacitante para o exercício farmacêutico único e com uma duração de 12 semestres (360 ECTS). Para realização do presente relatório foram auscultados os responsáveis pela licenciatura em Ciências Farmacêuticas, ministrada actualmente em sete instituições de ensino superior universitário portuguesas: Faculdades de Farmácia das Universidades de Coimbra, Lisboa e Porto, Institutos Superiores de Ciências da Saúde do Norte e do Sul, Universidade Lusófona e Universidade Fernando Pessoa. Foram também consultadas a Ordem dos Farmacêuticos, a Associação Nacional das Farmácias e a Associação Portuguesa dos Estudantes de Farmácia. A análise aqui realizada procura enquadrar o ensino das Ciências Farmacêuticas numa perspectiva abrangente e que possibilita a formação de farmacêuticos como profissionais de saúde de elevada qualificação capazes de responder não só às necessidades actuais do nosso país e do nosso Sistema de Saúde, mas também, e sobretudo, à sua integração numa Europa caracterizada por um forte envelhecimento e uma grande mobilidade da população. 2/33

5 2. Aspectos Normativos O perfil do curso de Ciências Farmacêuticas, a nível europeu, está condicionado normativamente por Directivas Comunitárias específicas, como curso inserido na área da saúde, e pressupõe a leccionação de matérias de formação inicial básica, já orientada e vocacionada nos conteúdos e práticas para constituir um suporte adequado às áreas subsequentes de índole farmacêutica. Daqui ressalta a evidência de que a reestruturação de um qualquer plano de estudos em Ciências Farmacêuticas, tem inerente esta unidade de coerência indissolúvel que assegura a sustentabilidade de uma formação una, coesa e profissionalizante. Qualquer segmentação em ciclos anteriores a este objectivo final, não corresponderá assim a nenhuma competência, geral ou específica, para a empregabilidade, visto não ter subjacente um qualquer compromisso entre a formação necessária e as qualificações fulcrais ao exercício farmacêutico. Esta constatação reside, não apenas na necessária sequência lógica dos conceitos a apreender mas, essencialmente, na necessidade de garantir à sociedade a qualificação e rigor inerentes a um profissional de saúde. Nesta matéria, apesar dos sempre necessários esforços de ajuste e adaptação dos curricula de Ciências Farmacêuticas, as concessões em detrimento da qualidade ou rigor são sempre inaceitáveis. De sublinhar que este perfil de formação foi estabelecido em 1985, e que desde então, volvidos quase 20 anos, os avanços científicos e tecnológicos na área da saúde têm sido enormes e conduzido a um alargamento, de facto, das necessidades formativas básicas. A Directiva Comunitária 85/432/CEE, do Conselho de 16 de Setembro, considera assim que os especialistas no domínio dos medicamentos devem ter acesso, em todos os Estados-Membro, a um campo mínimo de actividades neste âmbito e que, ao definir este campo mínimo, não se confina a limitar as actividades acessíveis aos farmacêuticos, estabelecendo antes a base de acesso a estas actividades e dando liberdade de integração das iniciativas necessárias ao acesso a outras actividades, nomeadamente no que respeita às análises clínicas ou outras iniciativas no âmbito da saúde pública. Assim, permite-se limitar a coordenação neste domínio à exigência de normas mínimas, deixando aos Estados-Membro, quanto ao resto, a liberdade de organizar o seu próprio ensino. 3/33

6 Aliás, esta mesma directiva não veda aos Estados-Membro a possibilidade de exigirem condições complementares de formação para o acesso a actividades não incluídas no campo mínimo coordenado. Deste modo permite-se que o Estado-Membro de acolhimento possa definir condições próprias para o acesso a outras actividades e, assim, sujeitar a estas os nacionais de outros Estados-Membro titulares de um dos diplomas reconhecíveis. Assim, a Directiva 85/432/CEE estabelece como condição, para que os títulos universitários em farmácia possam ser de nível considerado equivalente, a obediência às seguintes condições mínimas: - Um conhecimento adequado dos medicamentos e substâncias utilizadas para a sua fabricação; - Um conhecimento adequado da tecnologia farmacêutica e do controlo físico, químico, biológico e microbiológico dos medicamentos; - Um conhecimento adequado do metabolismo e dos efeitos dos medicamentos e da acção dos tóxicos, bem como da utilização dos medicamentos; - Um conhecimento adequado que permita avaliar os dados científicos respeitantes aos medicamentos para poder, com base nele, prestar informações apropriadas; - Um conhecimento adequado dos requisitos legais e outros em matéria de exercício de actividades farmacêuticas. Para aceder ao exercício das actividades profissionais do farmacêutico, os Estados- Membro consideram que os titulares de um diploma, certificado ou outro título universitário em farmácia de nível considerado equivalente, exigem a sua habilitação em: - Preparação da forma farmacêutica dos medicamentos, - Fabrico e controlo dos medicamentos, - Controlo dos medicamentos num laboratório de controlo de medicamentos, - Armazenamento, conservação e distribuição dos medicamentos na fase do comércio, - Preparação, controlo, armazenamento e distribuição dos medicamentos em farmácias abertas ao público, - Preparação, controlo, armazenamento e distribuição dos medicamentos nos hospitais, 4/33

7 - Difusão de informações e conselhos sobre os medicamentos. Os normativos europeus determinam que o diploma, certificado ou outro título, comprove um ciclo de formação de, pelo menos, cinco anos, incluindo: - Quatro anos, pelo menos, de ensino teórico e prático a tempo inteiro; - Seis meses, pelo menos, de estágio em farmácia aberta ao público ou em hospital sob a orientação do serviço farmacêutico desse hospital. Este ciclo de formação inclui um ensino teórico e prático de, pelo menos as seguintes matérias: - Biologia vegetal e animal, - Física, - Química geral e inorgânica, - Química orgânica, - Química analítica, - Química farmacêutica, incluindo análise dos medicamentos, - Bioquímica geral e aplicada (médica), - Anatomia e fisiologia; terminologia médica, - Microbiologia, - Farmacologia e farmacoterapia, - Tecnologia farmacêutica, - Toxicologia, - Farmacognosia, - Legislação, se for caso disso, deontologia. Acrescenta ainda, este normativo, que a repartição entre o ensino teórico e prático deve, para cada matéria, dar suficiente importância à componente teórica, a fim de conservar o carácter universitário do ensino. 5/33

8 O Comité Consultivo para a Formação dos Farmacêuticos, organismo da Comissão Europeia, refere claramente que os constantes progressos nos domínios das ciências farmacêuticas e médicas exigirão revisões permanentes dos programas de estudos. A biofarmácia e a farmacocinética são, ad initio, referenciadas como áreas temáticas a exigir desde logo uma maior atenção. Adicionalmente, o Comité Consultivo especifica que, durante o período de formação, aos estudantes de Ciências Farmacêuticas deva ser ministrada uma formação sólida e equilibrada em ciências físicas, químicas e biológicas, constitutivas da base para a sua formação principal nas seguintes áreas de conhecimento: - Sistemas biológicos, química dos medicamentos e das substâncias que entram na sua composição, bem como a interacção entre medicamentos e sistemas biológicos; - Concepção e fabrico dos medicamentos; - Efeitos e utilização de drogas, medicamentos e outros produtos; - Introdução ao exercício da actividade farmacêutica em meios hospitalares, industriais, universitários e de oficina, incluindo uma introdução aos aspectos relevantes das ciências sociais e das ciências do comportamento. Este conjunto de requisitos sustenta assim a necessidade de ser alcançada uma formação em que a componente fundamental se centra nas ciências farmacêuticas nucleares, sem no entanto deixar também de referenciar um necessário enquadramento da futura intervenção profissional, mesmo que sob a forma de introdução ao exercício da actividade. Esta referenciada introdução ao exercício da actividade é assim explícita na obrigatoriedade da existência de um estágio a decorrer numa farmácia aberta ao público ou em serviços farmacêuticos hospitalares, numa duração mínima de seis meses, permitindo ao aluno a aplicação, em contexto real de trabalho, dos conhecimentos adquiridos durante os estudos universitários. Esta obrigatoriedade emana, aliás, do próprio interesse público que considera fundamental que o farmacêutico responsável pelos serviços dispensados numa farmácia aberta ao público ou num hospital, tenha um conhecimento global, tanto teórico como prático, do conjunto das actividades diferenciadas a exercer nesse contexto. Para o efeito, torna-se indispensável que o farmacêutico possa, previamente, frequentar um 6

9 ciclo de estudos bem orientado em paralelo com o exercício da actividade num contexto de prática efectiva. O Comité de Ministros do Conselho da Europa adoptou uma resolução sobre a Utilização Racional de Medicamentos, na sua reunião de 10 de Outubro de 1994, [Resolução AP(94)1]. O Anexo desta Resolução do Comité de Ministros referia o seguinte: Formação dos Farmacêuticos Os farmacêuticos e os estudantes de ciências farmacêuticas têm de ter uma formação inicial adequada e oportunidades de formação contínua que lhes permitam contribuir plenamente para o tratamento do doente. Isso deve incluir não só as noções gerais de saúde pública, farmácia clínica e de farmacologia aplicada, patologia, administração terapêutica e gestão farmacêutica, mas também os aspectos relevantes das ciências da comunicação e de sociologia. A este respeito, há que ter em conta a Resolução do Conselho da Europa AP (93)1 sobre o papel e a formação dos farmacêuticos de oficina, adoptada pelo Comité de Ministros a 23 de Novembro de 1993, que formula recomendações específicas sobre este tipo de formação. 3. Competências versus formação As actividades de um farmacêutico são destacadas em vários relatórios e resoluções sobre o papel do farmacêutico, publicados ao longo dos últimos anos. Durante a Assembleia da Organização Mundial de Saúde, de 1994, foi apresentada e aprovada uma resolução (EB 93 R12) do Comité Executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o relatório de Tóquio. Trata-se de uma resolução sobre O papel do Farmacêutico no Apoio à Estratégia Revista da OMS em matéria de medicamentos. Aí se apela aos farmacêuticos e às suas associações profissionais para que, nomeadamente: - Prestem ao público conselhos fundamentados e objectivos sobre os medicamentos e sua utilização; - Prestem apoio técnico a outros profissionais de saúde; - Prestem apoio aos organismos reguladores dos medicamentos; 7

10 - Prestem apoio aos planeadores em matéria de saúde e aos organismos de decisão política; - Promovam, em colaboração com os outros profissionais de saúde, o conceito de cuidados farmacêuticos como meio para promover a utilização racional dos medicamentos e para participar activamente na prevenção das doenças e na promoção da saúde; - Apoiem os programas em matéria de investigação e formação nestes domínios; - Convida todos os Estados-Membro, em colaboração com as organizações nacionais representativas dos farmacêuticos, a facilitar meios, em matéria de formação, de forma a permitir que os farmacêuticos possam assumir as suas responsabilidades inerentes a todas as actividades atrás referidas. Atendendo às recomendações e às competências necessárias, as Instituições de Ensino Superior Universitário que ministram formação em Ciências Farmacêuticas, têm vindo a alterar e actualizar os seus planos de estudos, de modo a corresponder positivamente à evolução da formação em Ciências Farmacêuticas correspondendo às crescentes responsabilidades do farmacêutico. Neste contexto, atendendo ao papel chave desempenhado pelo farmacêutico em matéria de farmácia clínica para uma utilização racional dos medicamentos, tanto nos hospitais como nas farmácias de oficina, os ajustamentos aos planos de estudo têm vindo ao encontro dos objectivos inscritos no Plano Nacional de Saúde , recentemente promovido pelo governo português, nomeadamente face à sua orientação para ganhos em saúde. A evolução dos planos de estudos tem, igualmente, tido em conta a definição de programas de educação e de informação sobre medicamentos, capacitando os farmacêuticos para uma maior intervenção nestes domínios junto do público em geral. Devido à sua formação própria e à sua elevada acessibilidade por parte da sociedade, os farmacêuticos desempenham um papel chave neste domínio. Centrando-se novamente a análise no enquadramento legal aplicável à profissão farmacêutica, no âmbito nacional, de acordo com o Decreto-Lei n.º 288/2001, de 10 de Novembro, estatui-se que o farmacêutico, enquanto prestador de serviços, exerce uma profissão independente, quer como profissional liberal, quer como trabalhador por conta de outrém, exercendo as suas funções com inteira autonomia técnica e científica, com 8

11 exclusiva competência e responsabilidade pelas actividades que integram o conteúdo do Acto Farmacêutico, a saber: a) Desenvolvimento e preparação da forma farmacêutica dos medicamentos; b) Registo, fabrico e controlo dos medicamentos de uso humano e veterinário e dos dispositivos médicos; c) Controlo de qualidade dos medicamentos e dos dispositivos médicos em laboratório de controlo da qualidade de medicamentos e dispositivos médicos; d) Armazenamento, conservação e distribuição por grosso dos medicamentos de uso humano e veterinário e dos dispositivos médicos; e) Preparação, controlo, selecção, aquisição, armazenamento e dispensa de medicamentos de uso humano e veterinário e de dispositivos médicos em farmácias abertas ao público, serviços farmacêuticos hospitalares e serviços farmacêuticos privativos de quaisquer outras entidades públicas e privadas; f) Preparação de soluções anti-sépticas, de desinfectantes e de misturas intravenosas; g) Interpretação e avaliação das prescrições médicas; h) Informação e consulta sobre medicamentos de uso humano e veterinário e sobre dispositivos médicos, sujeitos e não sujeitos a prescrição médica, junto de profissionais de saúde e de doentes, de modo a promover a sua correcta utilização; i) Acompanhamento, vigilância e controlo da distribuição, dispensa e utilização de medicamentos de uso humano e veterinário e de dispositivos médicos; j) Monitorização de fármacos, incluindo a determinação de parâmetros farmacocinéticos e o estabelecimento de esquemas posológicos individualizados; k) Colheita de produtos biológicos, execução e interpretação de análises clínicas e determinação de níveis séricos; l) Execução e interpretação de análises toxicológicas, hidrológicas e bromatológicas; m) Todos os actos ou funções directamente ligados às actividades descritas nas alíneas anteriores. 9

12 Acrescem ainda, ao escopo do Acto Farmacêutico, quaisquer outras actividades que, pela sua natureza, requeiram especialização em qualquer das áreas de intervenção farmacêutica, enquanto actividades afins ou complementares. Neste contexto, exige-se ao farmacêutico a aptidão própria para actividades diferenciadas assentes em conhecimentos aprofundados em várias disciplinas do saber que, centrado em ciências básicas, denote competências de âmbito profissional, técnico e científico com um forte compromisso em premissas éticas e deontológicas. Na realidade, a actividade farmacêutica caracteriza-se pela diversidade e abrangência aliadas à forte responsabilização profissional de quem a exerce. Os conhecimentos, competências e capacidades adquiridos durante os estudos têm, como fim último, a orientação para a busca das melhores soluções para o doente, num quadro de promoção da saúde e prevenção da doença. A complexidade e relevância da intervenção farmacêutica têm expressão na elevada regulamentação aplicável ao exercício da profissão nas suas diversas áreas de actividade. De facto, este enquadramento é relativamente extenso e engloba cronologicamente uma grande diversidade de textos, desde o Decreto-Lei de 1968 (exercício da actividade farmacêutica) até às mais actuais normas de boas práticas profissionais (ex. boas práticas regulamentares de 27 de Maio de 2004 ). O farmacêutico é hoje um profissional socialmente reconhecido pelo seu desempenho de proximidade com o doente, sendo de imediata percepção as relevantes e insubstituíveis atribuições ao nível da farmácia de oficina, serviços farmacêuticos hospitalares ou em análises clínicas. No entanto, o vasto conjunto de conhecimentos que possui tem sido condição determinante para que o exercício profissional se prolongue por diversas outras áreas de intervenção e cuja aceitação e reconhecimento continuam em franca expansão. Neste propósito refiram-se aqui, ainda que de forma sumária, algumas das intervenções igualmente relevantes que os farmacêuticos desempenham na sociedade contemporânea. 10

13 A actividade farmacêutica na Indústria Farmacêutica engloba funções de natureza muito diversa, quer no contexto de exercício profissional, quer nas responsabilidades e exigências técnico-científicas a que se encontra submetida. No âmbito da investigação e desenvolvimento, a participação dos farmacêuticos destaca-se em actividades relacionadas com o desenvolvimento e controlo de qualidade de medicamentos, no quadro de adequados sistemas de qualidade (ex. anexo 13 das Boas Práticas de Fabrico da União Europeia para a produção de medicamentos experimentais, ou norma orientadora do desenvolvimento farmacêutico da Agência Europeia dos Medicamentos). Na produção e controlo de qualidade de matérias-primas para a indústria farmacêutica e de medicamentos, a posição do farmacêutico encontra-se adequadamente regulada, através da transposição para o direito nacional de um conjunto de directivas e normas regulamentares comunitárias sobre as responsabilidades de exercício da figura do qualified person. Se é verdade que o exercício desta função, noutros países comunitários, não é restrita a farmacêuticos, também não é menos correcto constatar que em vários países é essa a realidade além de que, anteriormente à transposição referida, já era essa a norma jurídica vigente em Portugal há décadas. De facto assim é em função das competências profissionais e formação académica dos farmacêuticos nas áreas de controlo de qualidade, formulação, desenvolvimento galénico, tecnologia farmacêutica e sistemas de qualidade e produção industrial de medicamentos. Estas áreas são reguladas entre outros diplomas e normas pelo Decreto- Lei de 27 de Agosto de 1968 (exercício da actividade farmacêutica), Decreto-Lei 72/91, de 8 de Fevereiro (Estatuto do medicamento), Directivas 2003/94 (boas práticas de fabrico de medicamentos), Directiva 2004/27 (código dos medicamentos humanos), Guia Europeu das Boas Práticas de Fabrico de Medicamentos (GMP's e respectivos 18 anexos). As áreas dos ensaios clínicos e farmacovigilância são áreas de intervenção crescente dos farmacêuticos, quer na vertente de supervisão e responsabilidade pelo circuito do medicamento experimental, quer na investigação clínica e farmacoepidemiológica em geral. Esta mesma tendência está aliás vertida na mais recente legislação sobre a investigação clínica em Portugal, vertida na Lei 46/2004, de 19 de Agosto. 11

14 Nos registos e regulamentação farmacêutica a tradicional preponderância profissional de farmacêuticos é resultante das competências técnico-profissionais demonstradas na quase totalidade das áreas científicas associadas ao medicamento. A regulação desta área de intervenção é expressa pela existência das boas práticas regulamentares (publicadas pela Ordem dos Farmacêuticos em 2004). Constitui-se assim como uma área de intervenção crescente e com uma importância determinante para a gestão do ciclo de vida do medicamento, na fase pré e pós-comercialização. A distribuição farmacêutica em Portugal é também uma importante área da actividade farmacêutica, encontrando-se associada quer a empresas dedicadas a esta tarefa, quer a empresas da indústria farmacêutica que se dedicam igualmente à distribuição dos seus medicamentos. As competências profissionais nas áreas de conservação e armazenamento dos medicamentos, de acordo com as particularidades e especificidades de cada tipo de medicamento e tecnologia considerados, encontram resposta no papel importante atribuído por lei ao farmacêutico enquanto director técnico na distribuição farmacêutica (Decreto-Lei 135/95, de 9 de Junho), bem como no quadro normativo das boas práticas de distribuição farmacêutica (Portaria 348/98, de 15 de Junho ). As funções inerentes ao marketing farmacêutico encontram expressão nas competências profissionais em diversas áreas, e em particular nas farmacoterapêuticas, constituindo uma mais-valia profissional significativa na promoção das vantagens de utilização dos medicamentos e na correcta utilização da informação sobre os mesmos. A crescente intervenção de farmacêuticos nesta actividade espelha a tendência deste sector em investir em profissionais aptos a transmitir uma informação rigorosa e credível, claramente diferenciada da mera publicidade, e a confiança em relação à conduta éticodeontológica que comummente rege a profissão farmacêutica. Paralelamente, as competências técnico-profissionais, quando aliadas a uma formação complementar em áreas da gestão têm demonstrado sinergias importantes para as organizações do sector. Numa perspectiva do controlo da qualidade e da prevenção de riscos de Saúde Pública, a integração de conhecimentos multidisciplinares nas áreas de Química, Biologia, Bromatologia, Hidrologia e Toxicologia conduz a que muitos Farmacêuticos desenvolvam a sua actividade, profissional e/ou científica, no controlo da qualidade química e microbiológica de alimentos, incluindo a água, bem como em diversas áreas 12

15 do foro toxicológico. Estas encontram-se relacionadas não só com a segurança alimentar (toxicologia alimentar), mas também com a dos locais de trabalho (toxicologia ocupacional), com a administração de fármacos (toxicologia clínica) ou com a identificação e quantificação de substâncias estranhas ao organismo que, por exemplo, no âmbito da Medicina Legal permitam estabelecer a causa ou circunstâncias de uma morte (toxicologia forense). O recurso a meios de análise química e instrumental sofisticada tem, igualmente, permitido aos farmacêuticos a identificação e quantificação de drogas de abuso (ex.: cocaína, morfina) em produtos biológicos ou em objectos suspeitos (ex.: seringas, notas, armas) apreendidos. Também os farmacêuticos estão habilitados, e têm apoiado, a análise qualitativa e quantitativa de dopping (hormonas, diuréticos e outras drogas ilícitas) em líquidos biológicos de atletas. 4. Aspectos Demográficos, Socioculturais, Tecnológicos e Económicos versus Formação Num painel recente sobre formação pré-graduada, estágios e necessidades e prioridades da realidade portuguesa, permitimo-nos transcrever o que aí foi apresentado: A esperança de vida aumenta e, como reflexo, o envelhecimento da população. Sobe a prevalência das doenças crónicas e, acto contínuo, a procura dos cuidados de saúde, com impacto directo nos custos e nas estruturas que os prestam. Estima-se que, em duas décadas, 50% da população possa sofrer de uma doença crónica, com a saúde mental no centro das preocupações. A gestão dos doentes crónicos no ambulatório introduzirá a necessidade da interdisciplinaridade e, com ela, dum trabalho articulado entre todos os profissionais de saúde. A uma melhoria das condições sócio-económicas, no chamado primeiro mundo, corresponderá um significativo aumento das doenças relacionadas com os estilos de vida. Bastará referir que o número de obesos triplicou nos últimos 20 anos, sem esquecer o impacto na saúde pública dos efeitos do tabaco, do consumo excessivo de álcool e/ou do uso de substâncias ilícitas. As expectativas dos cidadãos são maiores em relação aos serviços que lhes são prestados, factor a que não é estranho um maior domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação, e, portanto, uma maior informação disponível. 13

16 A partilha solidária das responsabilidades entre Estado e cidadãos, no custo dos cuidados de saúde, começa a ser posta em causa com o esgotar dos recursos financeiros disponíveis. A revolução tecnológica estará aí: as comunicações virtuais influenciarão a forma como serão prestados os cuidados de saúde; prescrição electrónica, registo e acesso central aos dados clínicos, a Internet como fonte de informação, acompanhamento online de doentes, serão apenas alguns dos exemplos a que, provavelmente, assistiremos num futuro muito próximo. É de esperar que a genómica e a farmacogenética se apliquem às terapêuticas existentes, e que este desenvolvimento permita caminhar para tratamentos individualizados, bem mais eficazes, enquanto que a evolução do mapeamento genético contribuirá, decisivamente, para a prevenção de muitas doenças. O envelhecimento da população trará, inevitavelmente, consequências ao nível do funcionamento dos cuidados de saúde. A maior prevalência das doenças crónicas ligadas ao envelhecimento populacional, a consequente procura acrescida dos cuidados de saúde e a incontornável afectação dos recursos serão factores que acelerarão a crescente intervenção dos farmacêuticos. Ser-lhes-á exigida uma maior intervenção na racionalização dos gastos tendo em conta o binómio preço/qualidade, e uma demonstração do valor acrescentado no capital gasto, ou seja, da produção de maisvalias. A evidência é, aliás, para a Organização Mundial de Saúde - Região Europa uma das prioridades estabelecidas no seu plano de intervenção a 5 anos. Para além do aconselhamento no uso dos medicamentos e na consciencialização dos seus efeitos acessórios, será também fundamental a interligação com outros profissionais da saúde e a sua participação na gestão do risco em terapêuticas prolongadas dos doentes crónicos em ambulatório, com preocupações directas no domínio da segurança e vigilância nessa utilização. A importância da intervenção do farmacêutico em diversas áreas tem vindo a ser cada vez mais reconhecida pelos governos dos Estados-Membro, como aparece reflectido na comunicação da Comissão (COM(94)202 de 1 de Junho de 1994) que propõe ao Parlamento Europeu e ao Conselho de Ministros a adopção de um programa 14

17 de acção comunitário visando a promoção da saúde pública. O ponto 37 dessa comunicação refere que: Os farmacêuticos têm um papel chave a desempenhar na prestação de assistência, aconselhamento e informação ao público sobre medicamentos e as circunstâncias em que se deve consultar um médico. O desempenho de tal função requer material informativo especialmente preparado para esse fim e formação adequada. Ainda nesse documento, refere-se que a auto-medicação racional, assistida pelo farmacêutico, pode também ajudar a reduzir os gastos com a saúde reduzindo o número de consultas médicas. A tendência para a auto-medicação tem de ser acompanhada por um reforço das medidas de informação evitando potenciais riscos para a saúde das populações. Uma vez mais se torna clara a importância de um aconselhamento profissional, bem fundamentado e imparcial que possa ser prestado pelo farmacêutico, cujas competências lhe são ministradas no actual plano de estudos. A Comissão apresentou também uma comunicação (COM(94)223 de 21 de Junho de 1994) sobre um programa de prevenção da toxicodependência no domínio da saúde pública. Uma vez mais, ao farmacêutico são reconhecidas as qualificações para a consecução dos objectivos definidos nesta comunicação. Sem querer esgotar as actuais competências da formação dos farmacêuticos, não queremos deixar de salientar que estas abrangem também as habilitações na área da gestão: - Aquisição armazenagem de medicamentos e de produtos farmacêuticos - Recursos Humanos - Organização e Administração - Legislação - Participação activa nos debates sobre a saúde pública - Uso racional de medicamentos e utilização eficaz a nível do seu custo efectivo - Auto-auditoria profissional - Segurança do doente (gestão do risco, famacovigilância) - Farmacoeconomia - Farmacoepidemiologia 15

18 Permitimo-nos ainda, como uma abordagem sobre ensino e formação actual e para o futuro, apresentar algumas considerações retiradas das conclusões dum congresso recente no âmbito farmacêutico: - O avanço técnico-científico na área do medicamento tem sido exponencial, devendo o ensino pré-graduado orientar o farmacêutico para a aquisição de conhecimentos em contexto real de trabalho, que garantam competência em áreas emergentes e a sua requalificação profissional nesses domínios; - Salientam-se, entre outras, a terapêutica, a epidemiologia, os cuidados farmacêuticos, a farmacogenética e o aconselhamento ao doente; - Em paralelo, é fundamental que, para além dos conhecimentos técnico-científicos, se preparem os farmacêuticos para novas atitudes perante o saber, e lhes estimulem o saber fazer; - Para atingir o objectivo anteriormente referido, a estrutura curricular do ensino farmacêutico deve garantir a duração dum primeiro ciclo formativo adequada às necessidades dos doentes e do País; - As novas terapêuticas de alta tecnologia bem como a gestão integrada da doença aconselham a formação dos farmacêuticos para competências de nível diferenciado em farmacoterapia; - O farmacêutico, através de plataformas que garantam a acessibilidade e adequação às suas necessidades formativas específicas, deve implementar uma metodologia de desenvolvimento profissional contínuo, que lhe permita responder de forma eficaz aos novos desafios colocados pela população e pelos sistemas de saúde; - A intervenção na promoção da segurança do doente é uma obrigação do farmacêutico, que emerge da sua responsabilidade social em participar na prevenção da morbi-mortalidade resultante da má utilização dos medicamentos. Outros dos conhecimentos adquiridos na actual pré-graduação estão também relacionados com as tecnologias da informação aplicadas à actividade farmacêutica, e também nos conhecimentos em matéria de aconselhamento aos doentes adquiridos na formação e desenvolvidos durante o estágio. Os uso de meios informáticos aplicados à actividade farmacêuticos centram-se em: - Sistemas de registo dos medicamentos dos doentes - Sistemas de gestão de medicamentos; - Prescrições electrónicas; 16

19 - Classificação dos medicamentos e a bibliografia especializada - Utilização das novas tecnologias de informação e comunicação, explorando a prestação de informação através de bases de dados electrónicas e interpretação desta informação; - Transferências de informação; - Acompanhamento das reacções indesejáveis aos medicamentos; - Acompanhamento da utilização e dos potenciais abusos dos medicamentos; - Métodos de investigação aplicada relativos ao exercício da actividade farmacêutica; - Investigação prática sobre questões relacionadas com a farmácia de oficina incluindo a procura de soluções para os problemas encontrados na prática; - Monitorização da terapêutica e individualização de esquemas posológicos. Igualmente, têm sido desenvolvidos programas de formação, inseridos na componente teórica e desenvolvidos durante o estágio, com os objectivos de: - Desenvolver o conhecimento dos cuidados farmacêuticos, estimulando capacidades concretas para o acompanhamento personalizado e adaptado às necessidades e especificidades de doentes crónicos, e/ou idosos, doentes mentais, entre outros, em cooperação com outros membros das equipas de cuidados de saúde primários; - Permitir aos farmacêuticos a compreensão e enquadramento dos aspectos sociais e psicológicos atinentes à saúde e à doença. O conteúdo destes programas centra-se assim: - No comportamento individual e interpessoal; - Na comunicação interpessoal, incluindo boas práticas de aconselhamento; - Nas influências sociais e psicológicas sobre a saúde e a doença; - Na deontologia farmacêutica; - Nas necessidades de acompanhamento farmacêutico de doentes com problemas especiais (idosos, inválidos, doentes mentais, doentes que necessitam de nutrição assistida, diálises peritoneais e cuidados paliativos); - Na comunicação com outros profissionais da saúde; - Na formação do pessoal de apoio e das pessoas que prestam cuidados ao domicílio (em casas de saúde, lares, etc.); 17

20 - Na comunicação com a indústria farmacêutica; - Na influência da publicidade dos medicamentos sobre os profissionais da saúde e o público; - Na intervenção pedagógica do farmacêutico junto das escolas e comunidade onde se insere. 5. Aspectos Globais Neste campo não podemos deixar de incluir o parecer que a Ordem dos Farmacêuticos, na pessoa do seu Bastonário, emitiu, e que aqui transcrevemos: Não quero, entretanto, perder a oportunidade para dedicar alguma reflexão à questão conhecida como o Processo de Bolonha. No domínio do Ensino, as Instituições Europeias têm pretendido criar condições e feito uma forte aposta na mobilidade de profissionais e estudantes ao nível dos países da União, com o objectivo de tornar a Europa mais competitiva face ao resto do mundo. Todavia, a solução encontrada para o fazer poderá não ser a mais adequada ao resultado pretendido, uma vez que a União Europeia pretende aplicar medidas que prevêem uma redução no tempo de estudos do ensino superior a todos os Estados Membros, contrariando, desta forma, a tendência em países como os EUA, que têm aumentado os seus ciclos de ensino. Neste processo, defende-se que a formação básica, ao nível do ensino superior, seja de três anos conferente do grau de licenciatura, acrescida de um outro ciclo com a duração de dois anos que permitirá a obtenção do título de mestre. Ainda que esta iniciativa pudesse promover e facilitar a mobilidade no ensino superior, ela contém, na nossa opinião, vários riscos a ponderar, nomeadamente, o de se tornar num processo não de qualificação e articulação do ensino com o mercado de trabalho, mas sim de desqualificação das formações. Neste aspecto ainda, aproveitamos igualmente para dar nota do que tem sido a evolução do ensino farmacêutico noutros sistemas de ensino, nomeadamente americano. Efectivamente a realidade norte americana transmite-nos um exemplo da evolução recente, desde o início da década de 1990, nesta matéria em que, de um sistema de 18

21 ensino farmacêutico baseado numa formação de 3 anos se adoptou para a sua extensão a 5 anos mais estágio como base de acesso ao exercício farmacêutico. Não obstante as diferenças entre os sistemas de ensino, a tónica no aumento da formação pré-graduada estabelecida para o ensino norte-americano reforça o fundamento dos requisitos actualmente em vigor ao nível da Directiva Europeia e consubstanciam que, num quadro de reforma alicerçado na Declaração de Bolonha, o ensino farmacêutico seja ministrado num ciclo de 5 anos mais estágio, correspondendo também ao requisito de competitividade que se pretende numa Dimensão Europeia do Ensino Superior. A este facto acresce ainda que, estando neste momento a UE empenhada em estimular a sua competitividade científica face aos Estados Unidos, não fará sentido assumir um contra-ciclo ao nível da área das Ciências Farmacêuticas e, deste modo, ampliar o gap de competências e conhecimentos europeus no domínio da inovação e investigação em Saúde. Por outro lado, também a nível europeu, na Assembleia Geral da European Association of Faculties of Pharmacy (EAFP), ocorrida em Março de 2004 em La Laguna (Espanha), ficou consensualizado o seguinte: 1. The Pharmacy diplomas and titles listed in Directives 85/433/EEC, 85/584/EEC and 90/658/EEC are based upon a multidisciplinary integration of basic, natural and health sciences and technologies, with special focus on subjects related to medicines and medical devices, in all their domains of usage. 2. The course requirements for the degree should be, at least, equivalent to 300 ECTS (five academic years), according to Directive 85/432/CEE and to the present situation in most of European countries. 6. Recursos, Capacidades e Competências Centrais Os conteúdos programáticos da formação pré-graduada demonstram que um farmacêutico ao assumir a responsabilidade final pelos serviços em farmácia aberta ao público ou num hospital possui conhecimentos e habilitações em: - Farmácia clínica; - Aconselhamento e seguimento de doentes; - Aconselhamento a outros profissionais de saúde sobre a bioequivalência e outras propriedades dos medicamentos a fim de incentivar a racionalização das prescrições; - Promoção de informação e educação para a saúde junto da população; 19

22 e finalmente, - Conhecimentos de ciências sociais e do comportamento. O farmacêutico que frequente o actual plano de estudos fica habilitado, com a aquisição das competências respeitantes às áreas de aconselhamento, a intervir em: - Prevenção de doenças; - Manutenção de um bom estado de saúde; - Aconselhamento sobre problemas de saúde correntes e, se adequado, promover o seu tratamento com segurança através da indicação, pelo farmacêutico, do uso de medicamentos de não sujeitos a prescrição médica obrigatória. Tendo sempre em conta a evolução da ciência e da tecnologia, bem como a cada vez maior relevância do papel do farmacêutico, tem-se efectuado uma adequação nos planos de estudos aprovados e implementados nos últimos 3 anos, de modo a constituir um programa conducente à melhoria da capacidade do farmacêutico para: - Relacionar os seus conhecimentos de base com a solução de problemas terapêuticos; - Fazer juízos críticos, independentes, relativamente ao uso e custo/benefício de novos medicamentos; - Comunicar de forma eficaz com outros profissionais da saúde e com os cidadãos, em geral, e, em particular, com os doentes; - Promover os conceitos de auto-assistência, no âmbito da promoção da saúde e prevenção da doença, através da redução do risco em função de aconselhamentos nos domínios da alimentação saudável, promoção do exercício físico e cessação tabágica, entre outros. Face à complexidade das actividades que são hoje exigidas a um farmacêutico, a sua preparação tem-se desenvolvido, também, com a ampliação e introdução de disciplinas e conteúdos programáticos cada vez mais baseados em conhecimentos de anatomia, biologia celular e molecular, fisiologia, farmacologia, farmacocinética, 20

23 farmacovigilância, farmácia clínica, farmacogenética, biotecnologia farmacêutica, farmacoterapia, patologia e terapêutica entre outras, que habilitem a: - Examinar criticamente o interesse potencial de novas alternativas terapêuticas destinadas a situações específicas, face aos produtos e tratamentos já existentes; - Propor abordagens e soluções técnica e cientificamente fundamentadas. Nesta sequência, os conteúdos de alguns programas centram-se: - Na identificação e caracterização do estado global de saúde dos doentes; - Na definição sustentada de objectivos terapêuticos adequados; - Na análise crítica em relação a métodos de tratamento; - No estudo dos factores que influenciam a escolha racional de medicamentos; - Na avaliação da resposta e adesão ao tratamento; - No controlo da segurança e eficácia das intervenções; - No aconselhamento com vista à obtenção de uma eficácia optimizada; - Na consideração dos principais estados patológicos em cada um dos principais sistemas do corpo humano. Estes conhecimentos contribuem para a capacitação em cuidados farmacêuticos. Também tem havido uma evolução no plano de estudos face a conhecimentos em matéria de aconselhamento aos doentes, adquiridos durante a formação teórica e desenvolvidos durante o estágio de formação, cujos objectivos são: - Aumentar os conhecimentos relativos às questões do público sobre problemas relacionados com a saúde; - Ajudar a reconhecer a gravidade dos sintomas; - Discernir sobre a informação relevante para caracterizar cada situação; - Desenvolver a capacidade da tomada de decisão com base na informação recolhida; - Desenvolver a capacidade de interpretação e compreensão sobre o tratamento adequado; - Promoção do aconselhamento adequado a cada situação e a sua exposição de forma perceptível junto do interlocutor. 21

24 Para tal, a formação ministrada nestas áreas debruça-se sobre: - No desenvolvimento de capacidades interrogativas e de observação que conduzam à obtenção de informações relevantes junto do doente; - Na identificação imediata da sintomatologia indiciadora de patologia; - Na correcta caracterização do estado de saúde do indivíduo como base para um aconselhamento personalizado e específico; - Na preparação para a prestação de conselhos sobre a atitude face à manutenção e persistência dos sintomas; - No reconhecimento precoce das situações em que é apropriada a referenciação do doente para a consulta médica. O perfil formativo das ciências farmacêuticas considera, igualmente, as competências necessárias para o fabrico de medicamentos, quer em pequena escala, quer em escala industrial e nesse contexto, integra conhecimentos, entre outros, sobre: - Tecnologia do fabrico e de acondicionamento; - Métodos de produção estéril; - Garantia de qualidade, incluindo controlo da qualidade de matérias-primas e de produto acabado; - Fórmulas reconhecidas (formulae officianalis) e preparações extemporâneas (formulae magistralis); - Registos e suporte de evidência em relação aos medicamentos produzidos; - Garantia de rastreabilidade dos medicamentos produzidos nas diferentes escalas. Para além das bases e competências científicas, constituem-se igualmente como valências da graduação em Ciências Farmacêuticas: - Conhecer e saber aplicar os princípios básicos de epidemiologia descritiva e analítica; - Aptidão de acesso a informação bibliográfica e a sistemas informatizados de bases de dados relativos a assuntos científicos e/ou técnicos; - Domínio crítico para apreciação de artigos científicos; - Competências para redacção de relatórios técnicos; - Compreenderas implicações sociais, económicas e éticas, decorrentes da aplicação de novas tecnologias e terapias, concretamente no âmbito da 22

25 biotecnologia e das novas formas medicamentosas, como a terapia génica, farmacogenómica, etc. Também, como competência geral de formação, consideram-se fundamentais no desenho do plano de estudos: - As exigências éticas e deontológicas inerentes ao exercício da actividade farmacêutica; - A aplicação de regras de diálogo como instrumento de ligação social; - Do ponto de vista ético, a manutenção e promoção de um adequado relacionamento com outras profissões; - A capacidade de integração em equipas de trabalho multidisciplinares; - A aquisição de consciência cívica e de cidadania activa; - O desenvolvimento da curiosidade intelectual pelo conhecimento e pela cultura. Estas actualizações programáticas no currículo de Ciências Farmacêuticas, em concreto, habilitam o farmacêutico a dar resposta às necessidades crescentes da população em cuidados personalizados, racionais e adequados de saúde. 7. Formação versus Acreditação O Processo de Acreditação de Licenciaturas em Ciências Farmacêuticas, conduzido pela Ordem dos Farmacêuticos, ao acreditar as cinco licenciaturas que em Maio de 2003 reuniam as condições mínimas de funcionamento para o poderem fazer, confirma a constante procura que os responsáveis pelo ensino das Ciências Farmacêuticas têm efectuado no sentido de, em diálogo com os responsáveis pela regulamentação do exercício profissional, corresponder às necessidades reais da sociedade portuguesa. O processo de acreditação das licenciaturas teve como princípios propor, influenciar e certificar, práticas de ensino mais inovadoras e orientadas para a actividade profissional, professores mais comprometidos com os desafios da aprendizagem e estudantes mais exigentes e centrados nas suas competências e no seu desenvolvimento. 23

26 Por outro lado, quis-se reforçar o valor e a qualidade dos licenciados, conferindolhes um grau de competência cada vez mais adaptado ao perfil profissional do farmacêutico do futuro. Com a acreditação pretendeu-se, ainda, estimular a relação do mundo académico com os desenvolvimentos profissionais, sem nunca pôr em causa a autonomia de nenhum deles. Este processo desenvolveu-se em torno da determinante de garantia na qual o plano de estudos e os métodos de ensino e de aprendizagem visavam dotar o estudante, no término da sua licenciatura, para o desempenho capaz, em todas as diferentes vertentes, do Acto Farmacêutico, estipulado no Artigo 77º do Estatuto da Ordem dos Farmacêuticos. Entendeu-se assim que a criação de uma interacção dinâmica entre o ensino e investigação e a profissão, não dissociada da interacção entre profissionais, professores e estudantes, conduzirá a que as várias partes se influenciem mutuamente, e de forma positiva, ao longo deste percurso de melhoria contínua da qualidade da profissão farmacêutica. No que respeita ao processo de melhoria contínua do ensino das Ciências Farmacêuticas, foram consideradas como principais áreas a desenvolver, as mais directamente relacionadas com a prestação de cuidados ao doente. Salientam-se deste modo a farmacoterapia, a farmacogenética, a importância decisiva dos dispositivos médicos, a saúde pública e noções básicas de epidemiologia, o conhecimento geral da organização, tipo e funcionamento dos sistemas de saúde, os cuidados farmacêuticos e a evidência documentada, a gestão da qualidade e as técnicas de comunicação. Além de identificadas em termos gerais estas áreas de melhoria, houve igualmente um estímulo comum a todas as instituições para que investissem numa maior integração dos conteúdos programáticos em contexto real de trabalho, de forma a possibilitar, tão precocemente quanto possível, um contacto dos estudantes com as várias áreas da profissão. Deu-se também relevo ao papel que o estágio, final ou intercalar, tem na aprendizagem, considerando o facto deste permitir um enquadramento para a intervenção de forma directa na prestação de actos, cuidados ou serviços. 24

27 Espera-se portanto que o ensino acompanhe, de forma pró-activa, a evolução que se pretende para a profissão e que, ao mesmo tempo, a profissão consiga transmitir à Academia quais as suas principais necessidades e anseios identificados, bem como as oportunidades de melhoria e perspectivas de evolução. 8. Mobilidade A sólida formação académica e científica dos graduados em Ciências Farmacêuticas, aliada a um desempenho de excelência da profissão farmacêutica, reitera a existência de uma formação de qualidade, com grau reconhecido por todos os países da União Europeia e que tem permitido uma ampla mobilidade de estudantes e de docentes. Ao nível da mobilidade no espaço europeu, as instituições universitárias portuguesas permutam regularmente estudantes de Ciências Farmacêuticas oriundos de universidades de variados Estados-Membro ao abrigo dos programas Sócrates/Erasmus e Leonardo da Vinci. Os mais de três milhares de estudantes já envolvidos em programas de mobilidade, a par com o acolhimento de largas dezenas nas nossas universidades, revelam a dimensão e facilidade com que esta mobilidade ocorre e permite constatar que, um dos objectivos a atingir com a Declaração de Bolonha, está já conseguido. Esta realidade deve-se, em grande medida, ao facto de, na generalidade dos países europeus, a formação pré-graduada estar já harmonizada pelo enquadramento supracitado de Directivas Europeias. Licenciados em Ciências Farmacêuticos por universidades portuguesas têm tido facilidade de colocação profissional quer em Portugal quer noutros países membros da União Um exemplo desta aceitação além fronteiras está patente na recente colocação de mais de três centenas de farmacêuticos portugueses em farmácias do Reino Unido. Por outro lado, a Licenciatura em Ciências Farmacêuticas, por apresentar um equilíbrio entre a formação química, biológica e tecnológica, tem mostrado ser capaz de fornecer ao mercado de trabalho licenciados com um perfil adequado para a emergência das áreas da biotecnologia. 25

28 Poderemos ainda salientar, porventura também fruto de um consolidado percurso formativo vigente no nosso país, o desempenho de altos cargos que têm sido confiados a farmacêuticos portugueses, a nível internacional, designadamente na Agência Europeia para a Avaliação do Medicamento, na Associação Europeia de Faculdades de Farmácia, no Grupo de Farmacêuticos da União Europeia, no Grupo Europeu de Farmacêuticos de Indústria, na Associação de Farmacêuticos de Língua Portuguesa, na Federação Internacional de Farmácia e no Fórum das Associações Farmacêuticas da OMS/Europa. Mesmo ao nível estudantil a proeminência das representações portuguesas tem sido notória, nomeadamente na coordenação e direcção da Federação Internacional de Estudantes de Farmácia e na Associação Europeia de Estudantes de Farmácia. Por outro lado, fruto da dinâmica e competência das estruturas farmacêuticas, o nosso país tem sido palco de relevantes eventos internacionais e mundiais de índole científico e profissional. 9. Conclusão Pelo que atrás fica escrito, o curso de Ciências Farmacêuticas é, e terá necessariamente de ser, uma formação de banda larga que corresponda às múltiplas e variadas saídas profissionais e elevado grau de empregabilidade, características estas a preservar em qualquer alteração curricular a ocorrer. Aliás, de outro modo não poderia ser, na medida em que a correcta e adequada formação destes futuros profissionais de saúde está em directa correlação com a capacidade de prestar cuidados de saúde adequados à sociedade. Face à nossa exposição sobre a proposta do currículo mínimo, bem como das competências que lhe estão associadas, pensamos ter deixado claro que preconizamos corresponde a uma formação de 12 semestres, equivalentes a um total de 360 ECTS, sendo a exigência de 2 semestres correspondente ao enquadramento do estágio profissionalizante e de um seminário. O estágio tem em vista iniciar o aluno na prática profissional sob supervisão (como já sucede actualmente). Procura-se assim que, neste estágio, o estudante desenvolva as competências fundamentais à sua futura actividade, o qual será acompanhado pela elaboração do relatório das actividades desenvolvidas. 26

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010

Maria Augusta Soares. 15-16 de Dezembro 2010 Maria Augusta Soares F ld d de Faculdade d Farmácia F á da d Universidade U d d de d Lisboa L b 15-16 de Dezembro 2010 Panorama Farmacêutico em Portugal Ensino em Ciências i Farmacêuticas Pré graduado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de boticários na Universidade de Coimbra. 1772: Reforma da

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA 1. Área de formação Saúde (729) 2. Itinerário de Qualificação Naturopata - Naturologista 3. Modalidade da formação Qualificação Inicial e Profissional 4. Saída profissional Naturopata - Naturologista 5.

Leia mais

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa Portal ECVET para a Promoção e o Reconhecimento Mútuo das Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa MaecVET 527 330-LLP-1-2012 1 DE-Leonardo-LMP Referencial de Qualificação para as

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009 1 INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET/VISEU (Decreto n.º 33/2002, de 3 de Outubro) ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II (SERVIÇOS HOSPITALARES) 4.º

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS

CÓDIGO DEONTOLÓGICO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS CÓDIGO DEONTOLÓGICO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º Princípio geral O exercício da actividade farmacêutica tem como objectivo essencial a pessoa do doente. Artigo 2º Dos

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Protecção da Saúde e Qualificação Farmacêutica

Protecção da Saúde e Qualificação Farmacêutica Protecção da Saúde e Qualificação Farmacêutica Formação Pré-graduada, Pósgraduada e Contínua. Introdução A Universidade é uma instituição que está a completar quase mil anos de existência. Tem sofrido

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos.

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos. PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS Exposição de motivos. 1. Os medicamentos, no âmbito da política de saúde, assumem uma particular relevância não apenas pelos benefícios

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos

Comissão Parlamentar de Saúde. Audição da Ordem dos Farmacêuticos Comissão Parlamentar de Saúde Audição da Ordem dos Farmacêuticos Sessão de 17 de Janeiro de 2012 Intervenção inicial do Bastonário Carlos Maurício Barbosa Senhora Presidente da Comissão Parlamentar de

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima:

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima: Acordo Ibérico entre Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e Universidade Alfonso X El Sabio de Madrid permite o ingresso de alunos licenciados em Ciências Biomédicas pela

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MEMORANDO. O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira

MEMORANDO. O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira MEMORANDO ASSUNTO: Carreira profissional dos Inspetores Sanitários I OBJETO DO MEMORANDO O presente memorando tem por objeto o enquadramento legal da eventual criação de uma carreira profissional de Médico

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón

30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Lisboa 04 Dez 2014 Aurora Simón 30 ANOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO DO MEDICAMENTO DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS E PERSPECTIVAS FUTURAS Uma actividade com 50 anos Centros de Informação de Medicamentos Resposta à necessidade de rápido acesso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais