REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA"

Transcrição

1 REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA [Aprovado em reunião do Conselho Pedagógico de 18 Março 2011, nos termos da línea h) dos Estatutos da Faculdade Farmácia da Universidade Lisboa (Despacho nº 46/46/2009, DR. 6/2)] Disposições Gerais Artigo 1º. Objectivos 1. A Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL) é uma Unidade Orgânica da Universidade de Lisboa que tem por objectivo o desenvolvimento das Ciências Farmacêuticas e das actividades profissionais decorrentes através de: a) Formação humana, cultural, científica e técnica; b) Realização de investigação fundamental e aplicada; c) Prestação de serviços à comunidade numa perspectiva de valorização recíproca; d) Intercâmbio cultural, científico e técnico com instituições congéneres, nacionais e estrangeiras; e) Contribuição no seu âmbito de actividade, para o desenvolvimento do País, cooperação internacional e aproximação entre os povos. Artigo 2º. Graus e Créditos 1. A Universidade de Lisboa através da Faculdade de Farmácia confere o grau de mestre em Ciências Farmacêuticas, ministrando o respectivo curso organizado nos termos do artigo 19º do Decreto-Lei nº74/2006 de 24 de Março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25/06 e da Deliberação nº1096/2008 da RUL, publicada no DR nº72, 2ª Série de 11/04, com as alterações introduzidas pelo Despacho n.º 3816/2010, publicado no DR, 2ª Série, de 02/ O grau de licenciado em Estudos Básicos em Ciências Farmacêuticas é conferido pela aprovação em 180 European Credit Transfer System (ECTS) correspondentes às unidades curriculares dos três primeiros anos do plano de estudos do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa. 3. O grau de mestre em Ciências Farmacêuticas é conferido após a obtenção de 300 (ECTS), correspondentes à obtenção de 270 ECTS em unidades curriculares (258 ECTS em unidades curriculares obrigatórias e 12 ECTS em unidades curriculares optativas) e de 30 ECTS no estágio curricular. Artigo 3º. Calendário Escolar 1. O ano escolar tem início na segunda semana de Setembro e termina na última semana de Julho. 2. O ano lectivo tem a duração de quarenta semanas, correspondentes a vinte e seis semanas lectivas, dez semanas de avaliação e quatro semanas de pausa lectiva [deliberação nº 76/2005, Comissão Científica do Senado (CCS) de 21 Novembro 2005]. 1

2 4. No final do período lectivo relativo a cada semestre há uma época normal de exames e uma época de recurso. A época normal de exames tem a duração de três semanas com início uma semana após o final do período lectivo. A época de recurso inicia-se uma semana após o final da época normal e tem a duração de duas semanas [deliberação nº 76/2005, CCS]. 5. O calendário das épocas de exames é elaborado e divulgado, anualmente, pelo Conselho Pedagógico, até ao final do mês de Julho. Título I Regras Gerais da Escolaridade Artigo 4º. Ingresso e Inscrições 1. Os alunos da Faculdade de Farmácia ingressam nos termos das normas legais aplicáveis e de acordo com o disposto nos Regulamentos internos anualmente revistos e aprovados. 2. Os alunos da Faculdade de Farmácia devem efectuar a sua matrícula/inscrição nos prazos e condições afixadas. 3. No início de cada ano lectivo, os alunos têm que efectuar a inscrição em cada uma das unidades curriculares que pretendem frequentar em ambos os semestres, sem a qual não podem comparecer, participar nas aulas, nem prestar as respectivas provas de avaliação. 4. As inscrições nas unidades curriculares serão efectuadas nos períodos fixados pela Divisão Académica da Faculdade de Farmácia. Fora dos períodos indicados, a inscrição pode realizar-se mediante o pagamento de multa, de acordo com as normas vigentes. 5. Os alunos podem inscrever-se em 60 ECTS correspondentes ao seu ano curricular. 6. A inscrição dos alunos com unidades curriculares em atraso no ano lectivo seguinte é condicionada por: a) Obrigatoriedade de inscrição em todas as unidades curriculares em atraso. b) As unidades curriculares em atraso só podem estar posicionadas no plano curricular, nos dois anos imediatamente anteriores àquele em que o aluno pretende realizar a inscrição. 7. Os alunos com um número inferior ou igual a 24 ECTS de unidades curriculares em atraso podem inscrever-se até um máximo de 84 ECTS (Deliberação nº 11/2007, Comissão Cientifica do Senado 25 Junho 2007). 8. Os alunos com um número superior a 24 ECTS de unidades curriculares em atraso podem inscrever-se até um máximo de 60 ECTS de unidades curriculares, posicionadas no ano curricular imediatamente a seguir aquele em que o aluno se encontra. 9. O regime de prescrição do direito à inscrição encontra-se definido no Regulamento de prescrições da Universidade de Lisboa, aprovado pelo Despacho Reitoral/13/2008 de 2 Abril. Artigo 5º. Alunos 1. A Faculdade de Farmácia detém alunos em regime geral, incluindo alunos a tempo integral, alunos a tempo parcial, alunos internacionais, alunos abrangidos por regimes especiais, alunos com necessidades educativas especiais e alunos em regime livre, de acordo com a tipologia definida pela Universidade de Lisboa. 2

3 2. Os alunos em regime geral estão vinculados ao cumprimento das regras de assiduidade, de acordo com o estabelecido para as diferentes tipologias de ensino e modalidades de avaliação de cada unidade curricular. 3. Os alunos abrangidos pelo regime especial, ao fazerem prova da sua condição, ficam abrangidos pela legislação em vigor no que respeita à assiduidade e avaliação. O regime especial contempla: a) Mães e Pais Estudantes, Grávidas, Puérperas e Lactantes; b) Dirigentes-Estudantes do Ensino Superior; c) Estudantes Praticantes de Desporto de Alto Rendimento; d) Estudantes-Atletas em Representação da Universidade de Lisboa; e) Estudantes com Necessidades Educativas Especiais; f) Trabalhadores-Estudantes; g) Estudantes Militares. Artigo 6º. Regime de Ensino 1. O Ensino do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas é baseado no desenvolvimento de competências, onde se incluem quer as de natureza genérica (instrumentais, interpessoais e sistémicas) quer as de natureza específica associadas à área de formação. 2. No âmbito das competências genéricas o ensino do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas deve promover o interesse pela investigação, a formação cultural, cientifica e dos valores humanísticos, a valorização das capacidades de comunicação e das capacidades individuais para a auto-aprendizagem e para aprendizagem ao longo da vida. As competências específicas incluem todas as actividades que podem ser exercidas pelo farmacêutico e cujo conteúdo se encontra definido no Acto Farmacêutico (Decreto-Lei 288/2001 de 10 de Novembro). 3. Os métodos pedagógicos incluem a aprendizagem presencial e autónoma. São objecto da aprendizagem: a) Conhecimento e compreensão; b) Aplicação de conhecimentos e compreensão; c) Formulação de juízos; d) Competências de comunicação e competências de aprendizagem. 4. As formas de aprendizagem presencial incluem as actividades de ensino-aprendizagem em que existe contacto entre o docente e o aluno e processam-se através de aulas teóricas, práticas e/ou laboratoriais, orientações tutoriais e seminários. 5. As formas de aprendizagem autónoma incluem as actividades que o aluno realiza sem a presença do docente, individualmente ou em grupo. 6. O professor responsável de cada unidade curricular deve definir as competências a adquirir pelo aluno, integrando-as nas competências globais do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas. Estes objectivos podem ser atingidos através da combinação de aprendizagem presencial e aprendizagem autónoma dependendo do assunto. Artigo 7º. Horários 1. O Conselho Pedagógico é o órgão da Faculdade de Farmácia estatutariamente responsável pela elaboração dos horários e pela planificação de ocupação das salas. 2. Na organização dos horários das aulas serão tidas em consideração as necessidades de funcionamento da Faculdade. 3

4 3. O Conselho Pedagógico afixará os horários das unidades curriculares, pelo menos uma semana antes do início de cada semestre. Artigo 8º. Programas 1. O Conselho Pedagógico promove a coordenação dos programas de todas as unidades curriculares e respectivos métodos de avaliação, antes do início de cada semestre, indicando os seguintes elementos: a) Objectivos da unidade curricular e competências a desenvolver; b) Conteúdos programáticos; c) Metodologias de ensino teórico, prático e/ou laboratorial; d) Metodologia de avaliação e bibliografia fundamental; e) Número de aulas teóricas, práticas e/ou laboratoriais previstas e a sua calendarização. 2. Os professores responsáveis pelas unidades curriculares deverão entregar ao Conselho Pedagógico, até 45 dias antes do início do respectivo semestre, a ficha da unidade curricular, da qual constarão os elementos referidos no ponto nº 1 deste Artigo. 3. O Conselho Pedagógico organiza a publicação das fichas de todas as unidades curriculares, antes do início de cada semestre e procede à sua divulgação. 4. No final do semestre lectivo, compete ao responsável da unidade curricular a elaboração de um relatório sucinto do qual constem, designadamente: a) Avaliação do cumprimento dos objectivos propostos; b) Análise dos resultados obtidos; c) Eventuais sugestões de melhoria de funcionamento. O relatório deverá ser enviado e apreciado pelo Conselho Pedagógico. 5. Sempre que o Conselho Pedagógico considerar oportuno, ou lhe seja solicitado por docentes e/ou alunos, poderá este órgão emitir parecer, nomeadamente acerca da orientação pedagógica e dos métodos de ensino das unidades curriculares. Título II Métodos Pedagógicos Capítulo I Aprendizagem presencial Artigo 9º. Aulas Teóricas 1. As aulas teóricas são ministradas pelos professores responsáveis das unidades curriculares, ou por convidado(s) com reconhecida competência pedagógica e científica. 2. As aulas teóricas têm como objectivos: a) Expor os conteúdos programáticos da unidade curricular através da apresentação magistral dos temas integrando-os num contexto coerente; b) Proporcionar informação sistematizada sobre os aspectos mais pertinentes e actuais da respectiva área de conhecimentos. Artigo 10º. Aulas Práticas 1. As aulas práticas são ministradas por docentes. Nos casos previstos pela legislação em vigor, essas aulas poderão ser eventualmente asseguradas por investigadores, bolseiros e monitores sob a tutela dos responsáveis das unidades curriculares. 4

5 2. As aulas práticas têm como objectivo desenvolver competências adequadas ao âmbito da unidade curricular, nomeadamente: a) Promover nos alunos o desenvolvimento de capacidades de pesquisa, assim como o espírito crítico; b) Fomentar o trabalho de grupo e simultaneamente desenvolver as aptidões individuais, a capacidade de coordenação e exposição; c) Proporcionar aos alunos uma melhor compreensão de conceitos apresentados nas aulas teóricas. 3. As aulas práticas incidirão, de acordo com o âmbito da unidade curricular, na: a) Resolução e discussão de problemas e casos práticos; b) Discussão de artigos e pesquisas bibliográficos; c) Realização e apresentação de trabalhos monográficos ou de investigação; d) Realização de visitas de estudo e outras formas de desenvolvimento de competências adequadas aos objectivos da unidade curricular. 4. A assistência dos alunos às aulas práticas é obrigatória, sendo reprovados os alunos cuja frequência seja inferior a 2/3 das aulas efectivamente leccionadas, à excepção dos alunos em regime especial. Artigo 11º. Aulas Laboratoriais 1. As aulas laboratoriais são ministradas por docentes. Nos casos previstos pela legislação em vigor, essas aulas poderão ser eventualmente asseguradas por investigadores, bolseiros e monitores sob a tutela dos responsáveis das unidades curriculares. 2. As aulas laboratoriais têm como objectivo competências adequadas ao âmbito da unidade curricular, nomeadamente: a) Promover a interligação entre os conhecimentos teóricos e a realidade experimental; b) Fomentar nos alunos a aquisição e o desenvolvimento de capacidades que lhes permitam o desempenho de técnicas laboratoriais e a análise dos resultados. 3. As aulas laboratoriais incidirão, de acordo com o âmbito da unidade curricular na: a) Planificação experimental e optimização das condições de ensaio; b) Selecção e utilização de material e equipamento laboratorial; c) Execução do procedimento experimental; d) Interpretação, discussão e apresentação de resultados e conclusões; e) Realização de visitas de estudo e outras formas de desenvolvimento de competências adequadas ao âmbito da unidade curricular. 4. A assistência dos alunos às aulas laboratoriais é obrigatória, sendo reprovados os alunos cuja frequência seja inferior a 2/3 das aulas efectivamente leccionadas, à excepção dos alunos em regime especial. Artigo 12º. Orientações Tutoriais 1. O acompanhamento tutorial dos alunos em pequenos grupos promove um contacto mais próximo e individualizado, contribuindo para o conhecimento e compreensão e permitindo o desenvolvimento de capacidades de formulação de juízos, de competências de comunicação e de orientação. Artigo 13º. Sumários 1. Para os efeitos do disposto no artigo 66º do Estatuto da Carreira Docente Universitária, com a nova redacção dada pelo Decreto-Lei nº. 205/2009, de 31 de Agosto, os docentes devem elaborar os sumários correspondentes às matérias efectivamente leccionadas nas aulas teóricas, práticas e laboratoriais e torná-los públicos, pelos meios mais adequados, após a realização da referida aula. 5

6 Artigo 14º. Atendimento Pedagógico 1. Cada professor responsável por unidade curricular deverá indicar dois períodos de uma hora cada, em dias diferentes da semana durante o período lectivo, para atendimento, assistência e orientação pedagógica aos alunos. 2. Nas horas fixadas previamente pelos docentes podem os alunos solicitar atendimento e assistência pedagógica, nos termos previstos neste regulamento e na lei (artigo 74º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado pela Lei nº 62/2007 de 10 Setembro). Capítulo II Aprendizagem Autónoma Artigo 15º. Definição 1. A principal forma de aprendizagem autónoma é o estudo individual ou em grupo, cujas competências desenvolvidas vão depender da forma como o aluno o organizar ou orientar. 2. A realização de trabalhos autónomos, pesquisa documental, projectos e estágios e preparação de relatórios são outras formas de aprendizagem autónoma. Título III Regras Gerais de Avaliação de Conhecimentos Em conformidade com o artigo 74º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado pela Lei nº 62/2007 de 10 Setembro, cabe a cada instituição de ensino superior fixar as regras gerais de avaliação de conhecimentos. Artigo 16º. Princípios Gerais 1. A avaliação de conhecimentos é o instrumento utilizado para determinar o sucesso do processo educativo, tendo em conta os objectivos educacionais do curso e de cada unidade curricular que foram alcançados, incidindo sobre o ensino teórico, prático e/ou laboratorial nas respectivas unidades curriculares. 2. Os métodos de avaliação de conhecimentos deverão: a) Ser adequados aos objectivos de aquisição de competências definidos para cada unidade curricular e aos métodos pedagógicos utilizados no respectivo ensino teórico, prático e/ou laboratorial. Neste sentido cada unidade curricular não deve contemplar formas múltiplas de avaliação prática/laboratorial, devendo no máximo restringir-se a duas modalidades. b) Ter em consideração o equilíbrio entre as várias unidades curriculares, o normal funcionamento das aulas e o tempo de trabalho exigido a docentes e alunos; c) Contemplar as situações previstas no artigo 5º, nº 3. 6

7 3. Os métodos de avaliação de conhecimentos deverão ser apresentados pelo professor responsável de cada unidade curricular ao Conselho Pedagógico, até 45 (quarenta e cinco) dias antes do início de cada semestre. 4. Compete ao Conselho Pedagógico aprovar os métodos de avaliação mencionados no número anterior, até 30 (trinta) dias antes do início do semestre em que a unidade curricular é leccionada, sendo que, após a sua aprovação, os mesmos manter-se-ão em vigor durante todo o ano lectivo. 5. Os métodos e os critérios de avaliação aprovados para cada unidade curricular deverão ser aplicados de forma idêntica em todas as turmas onde o ensino prático e/ou laboratorial é ministrado. Artigo 17º. Avaliação de Conhecimentos no Ensino Teórico 1. A avaliação de conhecimentos e de competências no ensino teórico poderá ser efectuada através de exame final e/ou através da realização de testes intercalares. 2. A aprovação em testes intercalares deverá dispensar o aluno da realização de exame final. Artigo 18º. Avaliação de Conhecimentos no Ensino Prático e/ou Laboratorial 1. Nas unidades curriculares em que exista avaliação objectiva e quantificável de conhecimentos relativos ao ensino prático e/ou laboratorial, essa avaliação deverá ser efectuada ao longo do período lectivo, podendo assumir uma ou várias das seguintes formas: a) Avaliação contínua; b) Avaliação por trabalhos; c) Avaliação por mini-testes. 2. A avaliação contínua deve ser feita através da apreciação de vários parâmetros como a assiduidade, pontualidade, participação, desempenho e interesse do aluno durante o período lectivo, garantindo-se as condições necessárias para um acompanhamento do processo de aprendizagem. 3. A avaliação por trabalhos incide, quer na apresentação oral e/ou escrita de trabalhos monográficos ou de pesquisa, quer em trabalhos de natureza experimental e respectivos relatórios. 4. Os trabalhos mencionados no número anterior poderão ser individuais ou de grupo e deverão ser efectuados ou apresentados durante o período lectivo do respectivo semestre e em horário que não afecte o normal funcionamento de outras unidades curriculares. 5. A avaliação por mini-testes consistirá na realização de provas que incidirão sobre uma pequena parte dos conhecimentos adquiridos nas aulas práticas. 6. Os mini-testes deverão ser efectuados durante o período lectivo e em horário que não afecte o normal funcionamento de outras unidades curriculares, sendo a sua vigilância da inteira responsabilidade dos docentes da unidade curricular. 7. Os alunos devem ser informados na primeira aula das modalidades de avaliação, da sua calendarização e do seu contributo percentual para a avaliação final da unidade curricular. 8. A calendarização da avaliação prática e/ou laboratorial deve ser estabelecida em consenso entre docentes e alunos e aprovada em Conselho Pedagógico. 9. As classificações dos elementos de avaliação são em sistema decimal de 0 a 20 valores, sem arredondamento, salvo nas situações previstas nas diferentes unidades curriculares e são tornadas públicas até dois dias úteis antes da realização do exame final. 7

8 10. A aprovação na avaliação de conhecimentos no ensino prático e/ou laboratorial é um requisito para a admissão do aluno a exame final, desde que tal tenha sido proposto pelo professor responsável da unidade curricular e aprovado pelo Conselho Pedagógico. 11. Na avaliação de conhecimentos no ensino prático e/ou laboratorial, o contributo percentual da classificação do ensino prático e/ou laboratorial para a classificação final na unidade curricular não pode ser inferior a 30 %. 12. Os alunos com classificação inferior a 10 (dez) valores são considerados reprovados. 13. A classificação obtida na avaliação do ensino prático e laboratorial é válida durante 3 anos lectivos, incluindo o ano em que o aluno obteve o aproveitamento e nos dois seguintes, desde que não haja mudanças significativas no respectivo programa. Artigo 19º. Exame Final 1. O exame final consta de uma prova escrita e/ou uma prova oral. 2. A prova oral só será realizada caso tenha sido prevista pelo(s) professor(es) responsável (eis) das unidades curriculares e apresentada na metodologia de avaliação da unidade curricular, enviada ao Conselho Pedagógico e por este aprovada, de acordo com o disposto no Artigo 16º n.º 4 do presente Regulamento. Artigo 20º. Admissão a Exame Final 1. São admitidos a exame final, em cada ano lectivo e em cada unidade curricular, os alunos que cumulativamente: a) Estejam regularmente inscritos na unidade curricular; b) Estejam identificados mediante a apresentação do documento de identificação, sempre que tal seja solicitado. Em situação excepcional, na ausência de documentos de identificação, o aluno poderá ser submetido a avaliação cuja validade será condicionada à identificação posterior; c) Tenham assistido a pelo menos 2/3 das aulas práticas e laboratoriais; d) Tenham sido aprovados na avaliação de conhecimentos no ensino prático da respectiva unidade curricular, quando tal foi considerado um pré-requisito, de acordo com n.º 7 do artigo 18.º do presente Regulamento. 2. A admissão a exame final de uma unidade curricular é válida durante 3 (três) anos lectivos, incluindo o ano em que é obtido o aproveitamento no ensino prático e/ou laboratorial e nos dois anos lectivos seguintes, desde que não haja mudanças significativas no programa da unidade curricular. Artigo 21º. Dispensa de Realização de Exame Final As regras de avaliação de conhecimentos a uma unidade curricular poderão prever a dispensa de realização de exame final, desde que tal tenha sido proposto pelo professor responsável e aprovado pelo Conselho Pedagógico de acordo com o Artigo 16º. n.º 1 do presente Regulamento. 8

9 Artigo 22º. Provas Escritas 1. As provas escritas devem incidir sobre as matérias constantes no programa da unidade curricular efectivamente leccionadas durante o período lectivo. 2. A calendarização das provas escritas das unidades curriculares é aprovada pelo Conselho Pedagógico e tornada pública antes do início do ano lectivo. 3. A data da realização das provas não pode ser alterada, salvo em circunstâncias excepcionais que deverão ser comunicadas ao Conselho Pedagógico e por este aprovadas. 4. As provas realizadas em datas diferentes das aprovadas são consideradas nulas. 5. Só será permitida a entrada de alunos até 30 minutos após o início da prova e não será autorizada a sua saída durante os quarenta minutos iniciais. 6. Será considerada falta à prova escrita a não comparência do aluno no local da realização da prova nos 30 minutos após a hora marcada para a sua realização. 7. A vigilância das provas deve ser assegurada exclusivamente por docentes. Obrigatoriamente deverão estar presentes docentes da unidade curricular a que as provas se referem. 8. No enunciado da prova tem que constar a cotação das perguntas, bem como o tempo máximo que os alunos dispõem para a sua realização, o qual não poderá exceder as 3 (três) horas. 9. A formulação das perguntas deve ser clara e objectiva de forma a que se tornem desnecessários quaisquer esclarecimentos durante a realização das provas. No caso de se tornar indispensável a prestação de esclarecimentos sobre a interpretação do questionário, o esclarecimento deverá ser efectuado em voz alta e dirigido a todos os alunos. 10. Os erros de forma e/ou conteúdo no enunciado das provas que possam afectar a sua resolução e que não sejam corrigidos até 30 minutos após o início da realização das mesmas, obrigarão à anulação da respectiva pergunta, sendo o seu valor adicionado à cotação global da prova. 11. O enunciado das provas escritas deve ser tomado público por afixação em local adequado até 48 horas após a sua realização. 12. As provas dos alunos são individuais, pelo que a partilha de conhecimentos com outrem, ou a utilização de meios de consulta não autorizados, implica a anulação da prova. Nesse caso, o aluno é considerado reprovado. 13. No processo de avaliação de cada unidade curricular é facultada ao aluno a consulta dos critérios de classificação bem como dos seus elementos de avaliação. Artigo 23º. Classificação das Provas Escritas 1. A avaliação na prova escrita deve ser expressa numa classificação numérica de 0 a 20 e tornada pública por afixação da pauta até dez dias úteis após a realização do exame e sempre 4 (quatro) dias antes do respectivo exame na época de recurso. 2. Os alunos com classificação igual ou superior a 10 (dez) valores são considerados aprovados. 3. Os alunos que, no decurso da prova, desejem dela desistir deverão declará-lo por escrito. 9

10 Artigo 24º. Provas Orais 1. As provas orais podem incidir sobre todas as matérias constantes no programa da unidade curricular efectivamente leccionadas durante o período lectivo. 2. As provas orais são públicas e realizadas por um júri composto, pelo menos, por dois docentes. 3. As provas orais são marcadas com uma antecedência mínima de 48 horas e, pelo menos, cinco dias úteis após a publicação da nota da prova escrita. 4. Será considerada falta à prova oral a não comparência do aluno no local da prestação da prova na hora marcada para a sua realização. 5. As provas orais dos alunos que solicitaram revisão das provas escritas, nos termos do artigo seguinte, só poderão ser marcadas em data posterior à da revisão. 6. O aluno não pode ser obrigado a realizar mais do que uma prova oral no mesmo dia. Artigo 25º. Revisão de Classificação e Recurso 1. O aluno tem direito de acesso à consulta de todos os elementos escritos de avaliação depois de corrigidos e classificados, em horário a definir pelo docente nos 4 (quatro) dias úteis, após a divulgação das classificações. 2. Os alunos que discordem da classificação que lhes foi atribuída na prova escrita, podem requerer ao Conselho Pedagógico no prazo de 5 (cinco) dias úteis, decorridos após afixação da nota, a revisão da classificação dos elementos de avaliação escrita e da classificação final, mediante o depósito de uma caução. 3. A caução mencionada no número anterior é paga no acto de entrega do requerimento, devendo o seu montante ser definido por competência do Director. 4. A revisão será efectuada pelos professores responsáveis das unidades curriculares, devendo estes pronunciar-se num prazo máximo de cinco dias, a contar da data de recepção da notificação enviada pelo Conselho Pedagógico, fundamentando a classificação atribuída num relatório. 5. O relatório mencionado no número anterior será enviado ao Conselho Pedagógico que, no prazo de 2 dias úteis, notificará o aluno do resultado obtido. 6. A revisão da prova poderá implicar subida, manutenção ou descida da classificação anteriormente obtida pelo aluno nessa mesma prova. Artigo 26º. Sanções Aplicáveis por Irregularidades Praticadas 1. A prática de qualquer irregularidade por um aluno em qualquer elemento de avaliação que permita a sua qualificação como fraude académica, implica a anulação desse elemento. 2. A penalização do acto fraudulento, conforme a sua gravidade e reiteração, poderá traduzir-se em outras sanções, a definir pelo Reitor da Universidade de Lisboa, nos termos do artigo 75º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, aprovado pela Lei nº 62/2007 de 10 Setembro. 10

11 Título IV Classificação final das Unidades Curriculares Artigo 27º. Regras Gerais 1. A classificação final da unidade curricular é a média ponderada da classificação obtida no ensino prático e/ou laboratorial e a do exame final, de acordo com a proposta apresentada pelo professor responsável da unidade curricular e aprovada em Conselho Pedagógico. 2. A classificação final das unidades curriculares exclusivamente laboratoriais resulta do disposto nos artigos 17º. do presente Regulamento. 3. Nas unidades curriculares referidas no número 1, a classificação final deve ser tornada pública através da afixação de uma pauta até dez dias úteis após a realização do exame final. 4. Nas unidades curriculares referidas no número 2, a classificação final deve ser tornada pública através da afixação de uma pauta até dez dias úteis após o final do período lectivo de cada semestre. 5. A classificação final da unidade curricular é expressa na escala numérica de 0 a 20, com o arredondamento feito ao número inteiro mais próximo. Artigo 28º. Melhoria de Classificação 1. O aluno que pretenda melhorar a avaliação final de uma unidade curricular pode fazê-lo uma única vez ao longo do seu ciclo de estudos, obrigatoriamente numa das duas épocas de avaliação (Normal e/ou Recurso) a seguir àquela em que obteve aprovação. 2. O aluno deve efectuar a inscrição nos serviços académicos até 3 (três) dias úteis antes da realização do exame da unidade curricular que pretende melhorar. 3. A classificação final da unidade curricular é a mais alta das obtidas nas duas provas realizadas. 4. A classificação final da unidade curricular é a média ponderada da classificação mais alta obtida na prova de exame final e no ensino prático e/ou laboratorial, de acordo com o contributo percentual do ano lectivo em que foi avaliado. Artigo 29º. Épocas de Exames 1. No final do período lectivo relativo a cada semestre há uma época normal de exames e uma época de recurso, nos seguintes termos: a) A época normal de exames tem a duração de três semanas com início uma semana após o final do período lectivo. b) A época de recurso inicia-se uma semana após o final da época normal e tem a duração de duas semanas [Deliberação nº 76/2005, Comissão Científica do Senado]. 2. Existe ainda a Época Especial, nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 32º, estando prevista a realização de exames na Época Específica, de acordo com o disposto no artigo 33º. 3. Em qualquer das épocas de avaliação, deverão as provas do exame final apresentar o mesmo nível de dificuldade. 11

12 Artigo 30º. Época Normal 1. Na Época Normal o aluno pode prestar provas de exame final em todas as unidades curriculares desde que reúna as condições indicadas no presente Regulamento. 2. A Época Normal realiza-se no final de cada semestre, de acordo com o calendário aprovado pelo Conselho Pedagógico. Artigo 31º. Época de Recurso 1. Na Época de Recurso relativa a cada semestre os alunos podem prestar provas de exame final a todas as unidades curriculares a cujo exame na época normal não hajam comparecido, tenham desistido ou reprovado. 2. A Época de Recurso realiza-se após a época normal, com a duração de duas semanas e de acordo com o calendário aprovado pelo Conselho Pedagógico. Artigo 32º. Época Especial 1. A Época Especial é destinada a alunos a que faltem duas unidades curriculares para a conclusão da parte escolar do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas. 2. A Época Especial realiza-se durante o mês de Setembro, de acordo com o calendário aprovado pelo Conselho Pedagógico. Artigo 33º. Época Específica 1. A Época Específica destina-se aos alunos abrangidos pelo artigo 5º, nº3, de acordo com o estabelecido na legislação aplicável a cada situação e com a deliberação nº 10/2008 da Comissão Científica do Senado (CCS) de 10 Março A Época Específica realiza-se durante o mês de Setembro, de acordo com o calendário aprovado pelo Conselho Pedagógico. 3. Cada aluno poderá realizar, no máximo, exames a 5 unidades curriculares. Título V Estágio Curricular Artigo 34º. Funcionamento 1. O Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas incluído no actual plano de estudos está regulamentado pela Directiva 2005/36/CE, pelo Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho e pelo Decreto-Lei n.º 12

13 230/2009 de 14 de Setembro, pelo Despacho nº 16042/2006 e pelo Regulamento do Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas da FFUL. Artigo 35º. Admissão 1. São admitidos a Estágio os alunos que se encontrem numa das seguintes situações: a) Tenham concluído a componente lectiva do plano de estudos do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas; b) Tenham frequentado o 1º semestre do 5º Ano e a quem, para a conclusão do plano de estudos do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas, não faltem mais de 4 unidades curriculares. c) Nas 4 (quatro) unidades curriculares mencionadas na alínea anterior, face ao seu carácter limitativo de frequência de estágio, não podem figurar as seguintes unidades curriculares: Farmacocinética e Biogalénica; Farmácia Prática; Farmacoterapia I; Saúde Pública; Deontologia e Legislação Farmacêutica; Farmacoterapia II; Laboratório de Farmácia. Artigo 36º. Classificação A classificação final do estágio curricular resulta do disposto Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho e pelo Decreto-Lei n.º 230/2009 de 14 de Setembro, pelo Despacho nº 16042/2006 e pelo Regulamento do Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas da FFUL. Título VI Classificação final do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas Artigo 37º. Classificação final A classificação final do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas é a média aritmética ponderada, de acordo com os ECTS, arredondada às unidades, das classificações das diferentes unidades curriculares que integram o plano de estudos e da classificação do estágio curricular. Título VII Artigo 38º. Deveres dos docentes 1. Nos termos da legislação em vigor, todos os docentes se encontram obrigados a desempenhar as suas funções com assiduidade, cumprindo os horários de leccionação estabelecidos, vigilância de unidades curriculares e as demais obrigações funcionais. 2. O controlo do cumprimento dos deveres dos docentes cabe ao Director e, no domínio funcional, aos coordenadores das subunidades orgânicas, bem como aos responsáveis das unidades curriculares. 13

14 Título VIII Disposições Finais Artigo 39º. Creditação 1. Ao ingressar na FFUL, o aluno poderá requerer a creditação académica da formação obtida anteriormente, até 30 dias após a matrícula e inscrição, junto da Divisão Académica. 2. Do processo de creditação académica da formação resultará um valor total de ECTS, o qual indicará o ano curricular em que o aluno será posicionado. 3. O aluno poderá ainda requerer, junto da Reitoria da Universidade de Lisboa (Núcleo de Formação ao Longo da Vida) creditação da experiência profissional nos termos da legislação em vigor. Artigo 40º. Incumprimento Do incumprimento das normas constantes do presente Regulamento será dado conhecimento aos Órgãos de Gestão da FFUL, para eventuais procedimentos administrativos sancionatórios, de acordo com o Artigo 75º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES) aprovado pela Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro. Artigo 41º. Integração de Lacunas Todos os casos omissos que não possam ser integrados na lei geral ou no presente regulamento, bem como as dúvidas suscitadas pela aplicação do presente regulamento deverão ser submetidas à apreciação do Conselho Pedagógico. Artigo 42º. Revisão O presente Regulamento pode ser revisto em qualquer momento pelo Conselho Pedagógico da FFUL. Conselho Pedagógico da Faculdade Farmácia Universidade Lisboa, 18 Março

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Cientifico de 19 Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às unidades curriculares

Leia mais

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra E SCOLA S UPERIOR A GRÁRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra (Documento alterado pelo Conselho Científico na Comissão Permanente

Leia mais

DESPACHO N. GR.02105/2010

DESPACHO N. GR.02105/2010 DESPCH N. GR.02105/2010 lteração do Regulamento geral para avaliação dos discentes de primeiros ciclos, de ciclos de estudos integrados de mestrado e de segundos ciclos da UPorto No uso da competência

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Regulamento de Estudos dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

REGULAMENTO GERAL SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DA MAIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS LICENCIATURA EM SEGURANÇA NO TRABALHO REGULAMENTO INTERNO O presente regulamento é estabelecido em conformidade com o Estatuto do ISMAI,

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA

REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA A vermelho as alterações REGULAMENTO GERAL DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Artigo 1.º Fins O presente regulamento define as linhas gerais a que deve obedecer

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS. Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006. Regulamento n.

ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS. Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006. Regulamento n. ESAI ESCOLA SUPERIOR DE ACTIVIDADES IMOBILIÁRIAS Diário da República, 2.ª série N.º 200 17 de Outubro de 2006 Regulamento n.º 199/2006 O presente Regulamento é o regulamento interno da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento Pedagógico (RP) estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre o processo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos de Especialização Tecnológica, doravante designados

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 Março, acerca

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA N O TRABALHO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA N O TRABALHO Campus Universitário de Almada Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares / Almada REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA N O TRABALHO ANO

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica se a todos os cursos ministrados no ISEP, podendo existir casos em

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO Página 1 de 5 Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O ISVOUGA Instituto Superior de Entre o Douro e Vouga, enquanto instituição de ensino politécnico, tem competência para ministrar cursos conducentes à atribuição

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Campus Universitário de Santo André Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Santo André REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ECONOMIA Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 1/6 Artigo 1.º Condições para inscrição Podem candidatar-se ao acesso ao ensino superior nas condições previstas no Decreto-Lei

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

Sistemas de Avaliação. Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto)

Sistemas de Avaliação. Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto) Sistemas de Avaliação Regulamento de avaliação de conhecimentos da Licenciatura em Direito (Porto) Capitulo I DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 1º (MÉTODO DE AVALIAÇÃO) 1. A avaliação de conhecimentos tem carácter

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA (Aprovado, em conformidade com os princípios estabelecidos no Conselho Científico Plenário de 14 de Fevereiro de 2006 e ao abrigo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais